PLANO DE GESTÃO DE CUSTOS PARA A PEQUENA PROPRIEDADE RURAL, UTILIZANDO O SISTEMA DE CUSTEIO VARIÁVEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE GESTÃO DE CUSTOS PARA A PEQUENA PROPRIEDADE RURAL, UTILIZANDO O SISTEMA DE CUSTEIO VARIÁVEL"

Transcrição

1 IX CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 13 a 15 de agosto de 2003 Gramado RS PLANO DE GESTÃO DE CUSTOS PARA A PEQUENA PROPRIEDADE RURAL, UTILIZANDO O SISTEMA DE CUSTEIO VARIÁVEL JOSÉ ROCHA SALDANHA CONTADOR CRCRS nº Av. Independência, SANTA CRUZ DO SUL-RS (51)

2 1 PLANO DE GESTÃO DE CUSTOS PARA A PEQUENA PROPRIEDADE RURAL, UTILIZANDO O SISTEMA DE CUSTEIO VARIÁVEL Resumo: Urge o desenvolvimento de programas na área contábil, e principalmente no que diz respeito a área de sistemas de custos, pois esta especialização da ciência contábil surge com o propósito de contribuir, efetivamente, para a prosperidade das atividades e da sociedade. Transformando o sistema de informações contábeis em um ferramental apropriado a gestão empresarial. A Contabilidade é uma ciência social que estuda a riqueza patrimonial individualizada, sob os aspectos quantitativos e qualitativos, tendo entre seus objetivos a geração de informações e a explicação dos fenômenos patrimoniais, possibilitando o controle, o planejamento e a tomada de decisão, no enfoque passado, presente e futuro. Tudo isso, servindo aos mais diversos usuários, para que eles possam, por meio de seus atos buscarem a prosperidade da atividade e da sociedade. Este trabalho tem por objetivo verificar a praticabilidade de aplicação de um modelo de alocação de custos, utilizando uma metodologia já testada e aprovada pelo meio empresarial, contribuindo assim com uma visão técnica para fins de gestão. Neste sentido, elaborou-se este trabalho, para que se possua condições de analisar e responder os questionamentos da área empresarial (rural), referente a cada atividade. Consolidar procedimentos, prevenir problemas, corrigir falhas, evitar maus procedimentos de alocação. Com base em resultados a serem obtidos, será possível fazer uma análise comparativa dos procedimentos adotados, podendo ainda chegar a excelentes conclusões em termos de diferenciação de preços e redução de custos.

3 2 TÍTULO: PLANO DE GESTÃO DE CUSTOS PARA A PEQUENA PROPRIEDADE RURAL, UTILIZANDO O SISTEMA DE CUSTEIO VARIÁVEL. INTRODUÇÃO A globalização é um fato presente, nas atividades mercantis, e portanto, sentimos a obrigação de colaborar para que vários segmentos de atividades continuem presentes e participativos no processo sócio-econômico. Sendo a contabilidade de custos uma exigência fundamental da administração moderna, propomo-nos a desenvolver e implementar um sistema de custos adequado as exigências de gestão das pequenas propriedades rurais. Procura-se identificar os bens de produção própria. Elaborar controles que identifiquem consumos de tempos e insumos no processo de produção; verificar a margem de contribuição por produtos e ou serviços; projetar pontos de equilíbrio: contábil, econômico e financeiro; bem como auxiliar a gestão empresarial, informando os custos, margens e a possibilidade de expansão da capacidade instalada. Tendo a competitividade como principal característica do processo de globalização, percebe-se a necessidade de um trabalho voltado ao controle e análise de custos, principalmente o que se refere a pequena propriedade rural, oferecendo instrumentos para auxiliar na gestão. JUSTIFICATIVA E PRESSUPOSTOS TEÓRICOS Os primitivos buscavam os produtos, que satisfaziam suas necessidades básicas, na natureza. Com o passar do tempo, reuniram-se em grupos ou tribos e passaram a dividir as tarefas e os alimentos. Não se preocupavam com o dia seguinte; se o alimento ficava escasso num local, eles partiam na procura de outro, onde houvesse abundância de alimento. A partir deste texto, concluímos que o custo era representado pela dificuldade em encontrar determinado alimento e oferta quando havia sobra. Num ciclo diário de produção e consumo, trabalhavam em conjunto, dividindo e trocando seus bens, sem preocupar-se com o futuro.

4 3 Entendemos que custo é o consumo de valores na obtenção de um bem ou serviço, os quais resultarão em receita dentro da atividade mercantil. Custo - Gasto relativo a bem ou serviço utilizado na produção de outros bens ou serviços. (Martins, 1996, p.25) Custos são todos os encargos incorridos na empresa, para os fatores usados na fabricação do seu produto, bens ou serviços. (Perossi, 1982, p.15) Defini-se Contabilidade de Custos como um processo ordenado que usa os princípios da contabilidade geral para registrar os custos de operação das atividades, de modo que, com os dados da produção e das vendas, torne-se possível à administração, utilizar as contas para estabelecer os custos de produção e de distribuição, tanto por unidade como pelo total, para um ou para todos os produtos fabricados ou serviços prestados, com o objetivo de obter uma operação eficiente, econômica e lucrativa. A Contabilidade de Custos é uma atividade que se assemelha a um centro processador de informações, que recebe (ou obtém) dados, acumula-os de forma organizada, analisa-os e interpreta-os, produzindo informações de custos para os diversos níveis gerenciais. (Leone, 1991, p.17) Nesse seu novo campo, a Contabilidade de Custos tem duas funções relevantes: no auxílio ao Controle e na ajuda às tomadas de decisões. No que diz respeito ao Controle, sua mais importante missão é fornecer dados para o estabelecimento de padrões, orçamentos e outras formas de previsão e, num estágio imediatamente seguinte, acompanhar o efetivamente acontecido para comparação com os valores anteriormente definidos. (Martins, 1996, p.22) A matéria-prima é considerada o primeiro elemento do custo, porque sem ela não existe produção. Considera-se a mão-de-obra como sendo o segundo elemento do custo, porque sem ela não é possível modificar a forma, conformação ou natureza do material para aumentar-lhe a utilidade. Todos os custos de fabricação são classificados no terceiro elemento de custo porque, a menos que se incorra em determinados custos, o material não pode ser trabalhado sem mão-deobra. Assim, é preciso existir um local de trabalho, suprir ferramentas, exercer supervisão e realizar muitos outros custos para que o artífice realize trabalhos com a matéria-prima.

5 4 A classificação de custos em seus elementos é importante por ser necessário conhecer o custo de cada elemento que pode compor o produto, tanto para fins de avaliação como para controle administrativo das operações. Os elementos do custo de produção podem ser classificados como custos diretos ou indiretos. Custos diretos são os que incorrem, principalmente, sobre determinado produto, identificando-se como parte do respectivo custo. Custos indiretos são os de natureza mais genérica, difícil de se identificar imediatamente como parte do custo de determinado produto ou serviço, mas sem o qual não se poderia manufaturar o produto ou realizar o serviço. Pode-se debitar os custos diretos diretamente no custo de um produto ou serviço, porém o mesmo não é possível com os custos indiretos, em que é preciso distribuir ou apropriá-los ao produto por maneira de aproximação. A classificação dos custos em diretos e indiretos é importante por fornecer um meio para apropriação de custos às diferentes classes de produção. Exemplificando a classificação dos elementos de custos em diretos ou indiretos, temos: Matéria-prima custo de qualquer material que entra num produto, passando a fazer parte do produto fabricado. Ex.: semente de milho para o plantio. Mão-de-obra direta - Custo de qualquer trabalho executado no produto ou serviço, mudando a forma e a natureza do material que nele entra. Ex.: serviço de arar a terra. Despesas diretas Outros custos incorridos diretamente para a geração de determinado produto, por exemplo, ferramentas especiais empregadas somente com ele. Ex.: Depreciação da plantadeira de milho Custos indiretos Implica em todo material não usado como parte imediata do produto que se fabrica. Ex.: lubrificantes e combustíveis do trator. Ocasionalmente é necessário incluir nesta classificação materiais usados em quantidades tão pequenas que se torna impossível apropriar-lhes o custo diretamente ao produto. Mão-de-obra indireta Abrange toda mão-de-obra de supervisão, registro e assistência não realizada diretamente no produto fabricado. Ex.: salários dos motoristas de máquinas agrícolas. Outros custos indiretos Compreendem todos os custos não incorridos para os produtos gerados, ou serviços realizados, mas para o benefício geral de toda a propriedade ou parte dela. Entre tais custos temos energia elétrica, água, reparos, seguros e outros assemelhados.

6 5 Outra subdivisão dos custos indiretos consiste em despesas fixas necessárias à proteção ou manutenção do capital investido em bens da propriedades, tais como depreciação, seguros e outros. O produto de uma empresa pode ser medido em termos de unidades ou medidas-padrão de produção. Assim, uma fábrica de sapatos, produz pares de sapatos; uma mina de carvão, toneladas de carvão, uma lavoura de milho, sacos de milho; e assim por diante, cada uma sendo a unidade de produção para a respectiva empresa. Da mesma forma, dentro de uma empresa, cada departamento pode ter a produção medida em termos de unidades da própria produção departamental. A unidade de produção de um departamento pode ser diferente da unidade de qualquer outro e todas as unidades departamentais podem, ou não, ser diferentes da unidade de produção do artigo acabado. Entretanto, assim como é possível combinar os produtos dos diferentes departamentos em um produto acabado, também é possível combinar as diferentes unidades departamentais do custo de produção em uma unidade de custo final de produção para o artigo acabado. O estudo do custo unitário trata da determinação dos custos de uma unidade de produto para cada departamento e da combinação de tais custos. Um custo unitário, portanto, é o de uma unidade em um departamento e, por extensão, o de uma unidade do produto acabado. Encontram-se os custos unitários parcialmente por meio de uma classificação dos custos diretos e departamentais ou somente dos custos departamentais, de acordo com a natureza da empresa, e parcialmente por cálculos aritméticos. Os custos unitários constituem características primordiais da contabilidade de custos, visto permitirem medir, produção e eficiência, por forma que possibilite a administração da empresa exercer controle rigoroso sobre as operações de produção. A classificação divisional dos custos consiste em agrupamento dos custos nas principais divisões funcionais da empresa. Estas divisões são: centros auxiliares, centros de manufatura, centros de administração e centros de comercialização. A finalidade da classificação divisional dos custos é facilitar o agrupamento dos custos concernentes ao processo produtivo e de serviços. Assim como em outras áreas, encontramos diferentes conceitos de um único nome; apresentaremos os mais utilizados nesta. Para Eliseu Martins (1996, p.25-26), encontramos os seguintes conceitos: Gasto - Sacrifício financeiro com que a entidade arca para a obtenção de um produto ou serviço qualquer, sacrifício esse representado por entrega ou promessa de entrega de ativos (normalmente dinheiro).

7 6 Investimento - Gasto ativado em função de sua vida útil ou de benefícios atribuíveis a futuro(s) período(s). Despesa - Bem ou serviço consumidos direta ou indiretamente para a obtenção de receitas. Desembolso - Pagamento resultante da aquisição do bem ou serviço. Perda - Bem ou serviço consumidos de forma anormal e involuntária. O método de ordenação de dados e procedimentos utilizados para apropriar o custo aos produtos denomina-se Sistema de Custeio. Para entendermos melhor, apresentaremos dois sistemas tradicionais utilizados. O sistema de custeio por absorção, também conhecido como global, apropria todos os custos da área de fabricação, sejam estes definidos como diretos ou indiretos, fixos ou variáveis, de estrutura ou operacionais, aos seus produtos ou serviços. Os custos diretos são apropriados mediante apontamento de forma objetiva e os custos indiretos são apropriados através de rateio e ou taxas de over-head, entre os critérios mais utilizados temos a proporcionalidade ao valor da matéria-prima insumida, ao valor da mão-de-obra direta, número de horas-homem, horas-máquina. Este método é válido para Balanço Patrimonial e Demonstrações de Resultados; no Brasil, o Imposto de Renda também o admite, e é basicamente utilizado pela auditoria externa. A principal distinção existente no uso do custeio por absorção é entre custos e despesas. A separação é importante porque as despesas são jogadas imediatamente contra o resultado do período, enquanto que apenas os custos relativos aos produtos vendidos terão o mesmo tratamento. Já os custos relativos aos produtos em elaboração e aos produtos acabados que não tenham sido vendidos são ativados nos estoques destes produtos. Para evitarmos distorções nos critérios de rateio dos custos indiretos de fabricação, é necessário analisarmos seus componentes e verificarmos quais critérios melhor relacionam esses custos aos produtos. Para tanto, é fundamental conhecermos detalhadamente o sistema de produção e a tecnologia empregada. O sistema de custeio variável ou direto é um método que considera apenas os custos variáveis de apropriação direta como custo do produto ou serviço. É o critério utilizado para acumular os custos de qualquer objeto ou segmento da empresa. Este sistema só agrega os custos

8 7 variáveis aos produtos, considerando os custos fixos como despesas. O uso deste sistema exige a clara distinção entre custos diretos e indiretos, o que pode gerar o uso da arbitrariedade. A margem de contribuição é uma ferramenta utilizada neste sistema, a qual faz parte do preço de venda de um produto e serve para cobertura dos custos indiretos e para a formação do lucro. A margem de contribuição é a diferença entre o preço de venda e os custos variáveis. Antes de determinarmos a margem de contribuição de qualquer segmento, atividade ou produto, é necessário identificarmos seus custos diretos, elegermos o parâmetro representativo e classificarmos os custos fixos e variáveis diante deste parâmetro. Alguns conceitos são fundamentais para que se possa compreender e interpretar os resultados no sistema de custeio variável: Ponto de equilíbrio contábil: identifica a quantidade a ser produzida ou o valor em que a receita total se iguala ao custo total; neste ponto não há lucro nem prejuízo, ou seja é o equilíbrio entre a receita total e o custo total. Ponto de equilíbrio econômico: é encontrado quando a empresa produz e comercializa o suficiente para cobrir todos os custos fixos e variáveis e gerar determinado lucro. Ponto de equilíbrio financeiro: identifica o número de unidades que a empresa necessita produzir e comercializar para saldar seus compromissos de caixa. Preço de venda ideal: idealiza o valor que ao retornar como receita dá cobertura aos custos previstos e realiza o lucro previsto. Mark-up: índice aplicado ao custo de fabricação para formação do preço que recupere os custos de fabricação, custos proporcionais, os indiretos e fixos e forme o resultado previsto. Portanto, verificamos que a contabilidade de custos é peça fundamental para o bom desempenho no gerenciamento empresarial, e, o sistema de custeio variável proporciona um controle de custos eficaz gerando informações que facilitam o gestor a tomada de decisões.

9 8 OBJETIVOS Geral: Tem este trabalho a finalidade básica de construir um sistema de custos com vista à uma análise integrada ao processo decisorial, possibilitando que a pequena empresa rural possua controles de custos, tendo condições de analisar seus preços de comercialização e consequentemente o seu resultado. Específicos: - Possibilitar o Agricultor a verificar os custos incorridos no processo de produção, quantificá-los e apresentá-los de maneira adequada, a fim de possibilitar um resultado positivo após a operação mercantil. - Criar modelos de planilhas eletrônicas que atendam a identificação do custo operacional e da margem de contribuição, operando com o sistema de custeio variável. - Criar no Agricultor consciência da importância de possuir controles da sua produção, bem como de seus custos e resultados. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Será confeccionado um Mapa de Localização de Custos, dividido por centros de custo, e grupos de espécies de custo, conforme identificados nos pressupostos teóricos do trabalho, cuja finalidade será identificar o custo operacional relativo aos centros produtivos e identificar a margem de contribuição global que possibilite a recuperação dos custos e a formação do resultado previsto. No Mapa de Localização de custos serão informados todas as despesas da propriedade, tanto diretas como indiretas, com exceção dos valores da matéria-prima.

10 9 Posteriormente serão confeccionadas planilhas identificadas como Boletins de Custos, cuja finalidade é proporcionar e obter a formação do custo dos produtos, e o preço de venda ideal. Cada produto comercializado pela propriedade rural terá o seu Boletim de Custos onde irá constar o bem e a quantidade produzida, os custos com matéria-prima consumida e mão-de-obra, o custo unitário direto, o mark-up e o preço de venda ideal. Após a confecção dos Boletins de Cálculo e do Mapa de Localização de custos será possível calcular a Margem de Contribuição, o Mark-up, os Pontos de Equilíbrio Contábil, Econômico e Financeiro, de acordo com os dados e fórmulas constantes nos pressupostos teóricos do trabalho. Serão produzidos controles internos, tais como, cálculo da depreciação e da mão-de-obra, que possibilitem o preenchimento adequado do sistema de custeio variável à ser implantado nas pequenas propriedades rurais. APLICAÇÃO PRÁTICA Identificar a atividade empresarial, fazer um diagnóstico da situação encontrada e a posteriori propor o plano de trabalho, composto por um Mapa de Localização de Custos, Boletins para cálculo de custo de produtos e ou serviços, acompanhados de controles internos, que darão suporte ao plano de trabalho. A partir da proposta, plano de trabalho, inicia-se os procedimentos de medição e levantamento dos consumos existentes na produção dos bens e ou serviços realizados, afim de obtermos elementos para a alocação e distribuição dos custos. Este trabalho é de fácil aplicabilidade prática em qualquer tipo de propriedade rural. RESULTADOS OBTIDOS A utilização de um modelo de alocação de custos como ferramenta auxiliar na gestão da pequena propriedade rural, proporciona ao gestor informações de custos, bem como auxilia na

11 10 formação do preço de venda, analisa a lucratividade dos bens produzidos e comercializados, demonstrando de forma clara e simples os custos incorridos num determinado período. Na empresa rural na qual foi implantado o modelo de gestão aqui proposto, foi possível visualizar pela primeira vez os seus custos; posteriormente analisar as atividades executadas, os bens produzidos, verificando quais proporcionam um melhor resultado e o que causou esse resultado positivo ou negativo ( secas, chuvas, preço elevado, super safra, custo de produção mais baixo ou mais elevado, produto complementar, produto de entre safra, etc.). Com a utilização das informações claras proporcionadas pelo uso do sistema de custeio variável, junto com o conhecimento prático do gestor da propriedade, tornou-se possível administrar a propriedade rural de posse de informações corretas para uma tomada de decisão mais segura, consciente e acertada.

12 11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DUDICK, Thomas S. Controle de custos industriais. São Paulo: FRANK, G. W., CURRY, O. J., MATZ, A. Contabilidade de custos. 2. ed. São Paulo: Atlas, GUERREIRO, Reinaldo. A meta da empresa: seu alcance sem mistérios. São Paulo: Atlas, KLAUSER, Ludwig J. M.. Custo industrial. 2.ed. São Paulo: Atlas, LEONE, George S. G. Custos: planejamento, implantação e controle. 2. ed. São Paulo: Atlas, MARTINS, Eliseu. Contabilidade de custos. 5. ed. rev. São Paulo: Atlas, PEROSSI, José O. Custo Industrial. São Paulo: Atlas, RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade de custos fácil. 4. ed. São Paulo: Saraiva, SALDANHA, José Rocha. Sistemas de custos e planejamento organizacional. Anais VII Convenção de Contabilidade do Rio Grande do Sul. Canela-RS, VICECONTI, Paulo E. V., NEVES, Silvério das. Contabilidade de custos: um enfoque direto e objetivo. São Paulo: Frase, 1995.

13 12 BOLETINS DE CUSTOS Produção: Milho Quantidade: 01 hectare Produção: Suinos Quantidade: Quant. Unidade Produto Custo Unitário Custo Total Quant. Unidade Produto Custo Unitário Custo total 1)Somatório custo com materiais 1)Somatório custo com materiais Quant. Unidade Serviços Custo unitáriocusto total Quant. Unidade Serviços Custo unitáriocusto total 2) Somatório custo com operações 2) Somatório custo com operações 3) Somatório custo c/materiais e operação 3) Somatório custo c/materiais e operação 4) Quantidade de sacos produzidos por hectare 4) Quantidade de Kg médio do porco gordo 5) Custo unitário por saco (Dividir 03 pelo 04) 5) Custo unitário por kg (Dividir 02 pelo 03) 6) Markup 6) Markup 7) Preço de venda ideal (Multiplicar 05 por 06) 7) Preço de venda ideal (Multiplicar 05 por 06) MAPA DE LOCALIZAÇÃO DE CUSTOS CC % Plantação Soma Parcial (A) Desp. 1-Fumo 2-Milho 3-Feijão 4-Mandioca 5-Soja 6-Arroz 7-Hortifrutos 8-Outros 1.1 Depreciações 1.2 ITR / Incra 1.3 IPVA 1-SOMA PATRIMÔNIO 2.1 Honorários 2.2Doações 2.3 Material Expediente 2.4 Pró-labore 2.5 Publicidade Propaganda 2.6 Despesas postais 2.7 Juros cheque especial 2.8 Cursos e treinamentos 2.9 Despesas/tarifas/juros bancárias 2.10 Licenças e taxas 2.11 Plano de saúde 2.12 Jornais/livros/revistas 2.13 Despesas Diversas 2-SOMA ADMINISTR. SOMA CUSTOS INDIRETOS 3.1 Salários o salário 3.3 Férias 3.4 INSS, INSS s/13o, INSS s/fér. 3.5 FGTS, FGTS s/13o, FGTS s/fér. 3-SOMA PESSOAL 4.1 Energia Elétrica 4.2 Telefone 4.3 Água 4-SOMA TERCEIROS 5.1 Despesas c/veículos 5.2 Manutenção e Reparo 5.3 Combustível Lubrif. 5.4 Despesas Diversas 5.5 Conserv.Reparo de benfeitorias 5.6 Conserv.Rep.de máquinas e implem. 5.7 Insubsist./Superviniências Ativas 5.8 Despesas de transporte 5-SOMA GASTOS GERAIS SOMA DOS CUSTOS DIRETOS TOTAL

14 13 CC Criação Prod.diversas Soma Parcial (B) Desp. 9-Bovinos 10-Suínos 11-Aves 12-Peixes 13-Outros 14-Mel 15-Leite 16-Ovos 17-Outros 1.1 Depreciações 1.2 ITR / Incra 1.3 IPVA 1-SOMA PATRIMÔNIO 2.1 Honorários 2.2Doações 2.3 Material Expediente 2.4 Pró-labore 2.5 Publicidade Propaganda 2.6 Despesas postais 2.7 Juros cheque especial 2.8 Cursos e treinamentos 2.9 Despesas/tarifas/juros bancárias 2.10 Licenças e taxas 2.11 Plano de saúde 2.12 Jornais/livros/revistas 2.13 Despesas Diversas 2-SOMA ADMINISTR. SOMA CUSTOS INDIRETOS 3.1 Salários o salário 3.3 Férias 3.4 INSS, INSS s/13o, INSS s/fér. 3.5 FGTS, FGTS s/13o, FGTS s/fér. 3-SOMA PESSOAL 4.1 Energia Elétrica 4.2 Telefone 4.3 Água 4-SOMA TERCEIROS 5.1 Despesas c/veículos 5.2 Manutenção e Reparo 5.3 Combustível Lubrif. 5.4 Despesas Diversas 5.5 Conserv.Reparo de benfeitorias 5.6 Conserv.Rep.de máquinas e implem. 5.7 Insubsist./Superviniências Ativas 5.8 Despesas de transporte 5-SOMA GASTOS GERAIS SOMA DOS CUSTOS DIRETOS TOTAL Cont.

15 14 CC Soma Parcial (C) TOTAL (A+B+C) Desp Comerc./Administ. 1.1 Depreciações 1.2 ITR / Incra 1.3 IPVA 1-SOMA PATRIMÔNIO 2.1 Honorários 2.2Doações 2.3 Material Expediente 2.4 Pró-labore 2.5 Publicidade Propaganda 2.6 Despesas postais 2.7 Juros cheque especial 2.8 Cursos e treinamentos 2.9 Despesas/tarifas/juros bancárias 2.10 Licenças e taxas 2.11 Plano de saúde 2.12 Jornais/livros/revistas 2.13 Despesas Diversas 2-SOMA ADMINISTR. 3.1 Salários o salário 3.3 Férias 3.4 INSS, INSS s/13o, INSS s/fér. 3.5 FGTS, FGTS s/13o, FGTS s/fér. 3-SOMA PESSOAL 4.1 Energia Elétrica 4.2 Telefone 4.3 Água 4-SOMA TERCEIROS 5.1 Despesas c/veículos 5.2 Manutenção e Reparo 5.3 Combustível Lubrif. 5.4 Despesas Diversas 5.5 Conserv.Reparo de benfeitorias 5.6 Conserv.Rep.de máquinas e implem. 5.7 Insubsist./Superviniências Ativas 5.8 Despesas de transporte 5-SOMA GASTOS GERAIS SOMA DOS CUSTOS INDIRETOS TOTAL

16 15 Fumo Markup = 100 Markup = Milho 100-( Soma %Custos Proporc. + %MC) Feijão Mandioca Cálculo do Ponto de Equilíbrio Contábil: Soja PEC = Custo Fixo Total PEC = Arroz Margem de Contribuição Unitária Hortifrutos Outros Cálculo do Ponto de Equilíbrio Econômico: Bovinos PEE = Custo Fixo total + Lucro Previsto PEE = Suínos Margem de Contribuição Unitária Aves Peixes Cálculo do Ponto de Equilíbrio Financeiro Outros PEF = Custos Fixos totais-custos não desenb. PEF = Mel Margem de Contribuição Unitária Leite Ovos Outros TOTAL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Vimos até então que a gestão contábil e a gestão financeira são de extrema importância para decisões gerenciais, pois possibilitam ao pequeno gestor compreender as

Leia mais

Conceito de Contabilidade

Conceito de Contabilidade !" $%&!" #$ "!%!!&$$!!' %$ $(%& )* &%""$!+,%!%!& $+,&$ $(%'!%!-'"&!%%.+,&(+&$ /&$/+0!!$ & "!%!!&$$!!' % $ $(% &!)#$ %1$%, $! "# # #$ &&$ &$ 0&$ 01% & $ #$ % & #$&&$&$&* % %"!+,$%2 %"!31$%"%1%%+3!' #$ "

Leia mais

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Tema Fundamentação Conceitual de Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Introdução

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Custeio Variável e Margem de Contribuição

Custeio Variável e Margem de Contribuição Tema Custeio Variável e Margem de Contribuição Projeto Curso Disciplina Tema Professora Pós-graduação MBA em Engenharia da Produção Custos Industriais Custeio Variável e Margem de Contribuição Luizete

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS Prof Fabio Uchôas de Lima São Paulo 2013 Não é permitida a cópia ou reprodução, no todo ou em parte, sem o expresso consentimento deste autor com base na Lei 9.610/92. Contato:

Leia mais

Introdução a Gestão de Custos nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Introdução a Gestão de Custos nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Introdução a Gestão de Custos nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer partes do documento,

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

CUSTEIO VARIÁVEL COMO UM INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA AS EMPRESAS RURAIS

CUSTEIO VARIÁVEL COMO UM INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA AS EMPRESAS RURAIS CUSTEIO VARIÁVEL COMO UM INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA AS EMPRESAS RURAIS Aline de Souza Malavazi (PG UEM) Dayane Eiko Fugita ( PG UEM) Paulo Moreira da Rosa, Dr. (UEM) Resumo Devido às novas complexidades

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação:

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima...

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima... ÍNDICE Apuração de Custos Estruturação e Organização I - Custos de Produção Custos Diretos Estruturação para a Apuração de Custo Matérias Primas, Produtos Químicos... Estruturação e Organização da Matéria

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção - Era mercantilista: Receita (-) Custo das mercadorias vendidas (comprada de artesãos) = Lucro Bruto (-) Despesas = Lucro Líquido - Empresas

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão MÓDULO IX - CUSTOS A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão 1 Conteúdo Objetivo do custeio Conceito de valor Gestão de Custos versus Gestão Estratégica Componentes básicos de custos

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação:

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS NA AUTARQUIA PÚBLICA: UM ESTUDO DE CASO NA COORDENADORIA REGIONAL DE BAMBUÍ-MG DO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA

GESTÃO DE CUSTOS NA AUTARQUIA PÚBLICA: UM ESTUDO DE CASO NA COORDENADORIA REGIONAL DE BAMBUÍ-MG DO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA GESTÃO DE CUSTOS NA AUTARQUIA PÚBLICA: UM ESTUDO DE CASO NA COORDENADORIA REGIONAL DE BAMBUÍ-MG DO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA Uellington CORRÊA; Érik DOMINIK * CEFET Bambuí; CEFET Bambuí RESUMO

Leia mais

PLANEJAMENTO DE DESPESAS- CUSTOS INDIRETOS DE PRODUÇÃO,DESPESAS DE VENDAS E ADMINISTRATIVAS VALDIANA SILVEIRA RAFAEL MESQUITA

PLANEJAMENTO DE DESPESAS- CUSTOS INDIRETOS DE PRODUÇÃO,DESPESAS DE VENDAS E ADMINISTRATIVAS VALDIANA SILVEIRA RAFAEL MESQUITA PLANEJAMENTO DE DESPESAS- CUSTOS INDIRETOS DE PRODUÇÃO,DESPESAS DE VENDAS E ADMINISTRATIVAS VALDIANA SILVEIRA RAFAEL MESQUITA PLANEJAMENTO E DESPESAS O controle de custos deve estar associado a programas

Leia mais

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTO NO SALÃO DE BELEZA X Virginia Tavares 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo analisar na prática como acontece a aplicação da contabilidade de custo numa empresa

Leia mais

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 1 Assinalar Falso (F) ou Verdadeiro (V): Atividades Práticas ( ) Os custos fixos são totalmente dependentes dos produtos e volumes de produção executados no período.

Leia mais

CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS FAPAN 1 Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA DE CONTABILIDADE DE CUSTOS 3º SEMESTRE Prof. Célia Martelli Paraíso do Norte 2010

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção)

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção) Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia de Produção Custos Industriais Aplicação de Custos Diretos e Indiretos Luizete Fabris Introdução tema. Assista à videoaula do professor

Leia mais

Gerenciamento de Custos. Profª Karina Gomes Lourenço

Gerenciamento de Custos. Profª Karina Gomes Lourenço Gerenciamento de Custos Profª Karina Gomes Lourenço A EXPANSÃO DOS GASTOS NA SAÚDE (Nível Macroeconômico) Aumento da Demanda Incorporação de direitos universais de cobertura Mudanças na estrutura etária

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA Diego Leal Silva Santos RESUMO Nos dias atuais têm surgido vários trabalhos que versam sobre custos, tais como, artigos, livros, monografias,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Terminologias e Classificações

Terminologias e Classificações Terminologias e Classificações Ramos da Contabilidade Definições Contabilidade Financeira: ciência social aplicada que capta, registra, resume, interpreta e evidencia fenômenos que afetam a situação financeira

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Gestão de Custos Aula 2 Contextualização Profa. Me. Marinei A. Mattos Além de compreender os mecanismos e a evolução da contabilidade, existe a necessidade de compreender como a contabilidade pode contribuir

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br GESTÃO ORÇAMENTÁRIA João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br EMPRESAS OBJETIVOS INDIVIDUAIS em instituições de Saúde devido as corporações profissionais, que detém graus de autonomia diferenciados,

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO Ricardo Zerinto Martins 1, Paulo César Ribeiro Quintairos 2 1 Mestrando em Gestão

Leia mais

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL Instituto Federal Goiano Disciplina de Elaboração e Gestão de Projetos Agronegócio (Noturno) Bruno Maia, Eng Agrônomo, M. Sc. ROTEIRO Classificação das atividades agrícolas.

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Sumário Capítulo l - Introdução l Capítulo 2 - Engenharia Industrial 11 Capítulo 3 - Economia 21

Sumário Capítulo l - Introdução l Capítulo 2 - Engenharia Industrial 11 Capítulo 3 - Economia 21 Sumário Capítulo l - Introdução 1.1. Objetivos 3 1.1.1. Objetivos amplos 3 1.1.2. Objetivos específicos 3 1.2. Mapa cognitivo 4 1.3. Engenharia industrial (Materiais e processos) 5 1.4. Custos e preços

Leia mais

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável Gestão de Custos Aula 6 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Instrumentalização Tomar decisões não é algo fácil, por isso a grande maioria dos gestores procuram utilizar as mais variadas técnicas

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

Custos para Tomada de Decisões. Terminologia e Conceitos: comportamento dos custos, ponto de equilíbrio e margem de contribuição

Custos para Tomada de Decisões. Terminologia e Conceitos: comportamento dos custos, ponto de equilíbrio e margem de contribuição Custos para Tomada de Decisões Terminologia e Conceitos: comportamento dos custos, ponto de equilíbrio e margem de contribuição Exemplo Planilha de Custos Quantidade Vendida 10.000 12.000 Item de Custo

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2006 e 1 o semestre letivo de 2007 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno contém:

Leia mais

SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING. Jaime José Veloso

SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING. Jaime José Veloso SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING Métodos de Custeio Os métodos de custeio são as maneiras de alocação dos custos aos produtos e serviços. São três os métodos mais utilizados: Custeio por absorção

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23 SUMÁRIO Capítulo 1 Contabilidade gerencial: panorama... 1 O que é contabilidade gerencial?... 2 Planejamento... 3 Controle... 3 Tomada de decisões... 4 Por que a contabilidade gerencial é importante para

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Controle de Orçamentos Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Controle de Orçamentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas.

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Cátia Raquel Felden Bartz (FAHOR) catia@fahor.com.br Jonas Mazardo (FAHOR) jonas_mazardo@yahoo.com.br>,

Leia mais

Esquema Básico da Contabilidade de Custos

Esquema Básico da Contabilidade de Custos Tema Esquema Básico da Contabilidade De Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Engenharia de Produção Custos Industriais Esquema Básico da Contabilidade de Custos Luizete Aparecida Fabbris Kenedy

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MAYARA DA COSTA PIRES THIERES DIAS TEMBRA BUSINESS PLAN MYTDT CORPORATION BELÉM

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? Qual a rentabilidade do Patrimônio Líquido de sua empresa? Quais os itens que estão disponíveis

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

DECIFRANDO O CASH FLOW

DECIFRANDO O CASH FLOW Por: Theodoro Versolato Junior DECIFRANDO O CASH FLOW Para entender melhor o Cash Flow precisamos entender a sua origem: Demonstração do Resultado e Balanço Patrimonial. O Cash Flow é a Demonstração da

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS EM PROPRIEDADES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO RIO GRANDE DO SUL

GESTÃO DE CUSTOS EM PROPRIEDADES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO RIO GRANDE DO SUL GESTÃO DE CUSTOS EM PROPRIEDADES RURAIS: ESTUDO DE CASO NO RIO GRANDE DO SUL Janielen Pissolatto Deliberal (UCS ) janipst@yahoo.com.br Denize Grzybovski (UPF ) gdenize@upf.br Marcia Rohr da Cruz (UCS )

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SOLOS DO OESTE DE MINAS GERAIS

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SOLOS DO OESTE DE MINAS GERAIS IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SOLOS DO OESTE DE MINAS GERAIS RESUMO Giselle ALVES; Érik DOMINIK * CEFET Bambuí; CEFET Bambuí O objetivo deste estudo é a análise da

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Análise de Custos 2014

Análise de Custos 2014 Análise de Custos 2014 Marcelo Stefaniak Aveline Análise de Custos 2014 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Apresentação da Disciplina EMENTA Esta disciplina trata da definição de custos, da análise de custos e

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Administração

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária II

Contabilidade Financeira e Orçamentária II Contabilidade Financeira e Orçamentária II Curso de Ciências Contábeis - 7º período Prof. Edenise Tópicos Iniciais Plano Orçamentário compreende: todo o processo operacional da empresa. Envolve todos os

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura:

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Nome: RA: Turma: Assinatura: EXERCÍCIO 1 Classifique os itens abaixo em: Custos, Despesas ou Investimentos a) Compra de Matéria Prima b) Mão de

Leia mais

CURSO: CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PROF.ESP.JOÃO EDSON F. DE QUEIROZ DILHO

CURSO: CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PROF.ESP.JOÃO EDSON F. DE QUEIROZ DILHO Composição e Mecanismos de Determinação do Custo do Produto O Custo de cada produto lançado no estoque é composto de matéria-prima consumida (MPC), mão-de-obra diretamente relacionada com a produção (MOD)

Leia mais