Educação é uma responsabilidade de todos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Educação é uma responsabilidade de todos."

Transcrição

1 em revista Publicação da Fundação Guimarães Rosa Ano 2 Nº 03 junho de 2008 Educação é uma responsabilidade de todos. Centenário de nascimento de João Guimarães Rosa Muito mais que todas as línguas, ele aprendeu a falar ao coração da humanidade, a ler e a desvendar os corações e mistérios dos homens. Fundação Guimarães Rosa Os projetos do presente são suportes para os projetos e programas do amanhã.

2 A saúde da sua família em primeiro lugar. A Fundação Guimarães Rosa fez uma aliança com a Unimed-BH para oferecer a todos os integrantes do Sistema de Defesa Social de Minas Gerais um Plano de Saúde moderno, de baixo custo e ampla cobertura, o UNIPART. Com ele, você garante o bem-estar dos dependentes que já perderam a cobertura do IPSM e netos com mais de um ano. Se você, policial ou bombeiro militar, também tem interesse em contratar um Plano de Saúde eficiente, entre em contato

3 sumário capa Educação: uma responsabilidade de todos editorial Álvaro Antônio Nicolau educação e cultura Escola da Paz A esperança para o século XXI A FGR e a Inclusão Digital Uma possibilidade de Inserção Social A oralidade negra na formação nacional e valorização da SEPPIR Kelly Cardozo homenagem João; um encantado Petrônio Souza Gonçalves especial Fundação Guimarães Rosa comemora 6 anos Visibilidade, profissionalismo e equidade nas ações Seis Anos de Excelência João Bosco de Castro cidadania Caminhos da Solidariedade 28 Andrea Neves da Cunha terceiro setor Valores e Resultados: um referencial de avaliação no Terceiro Setor Eloísa Helena de Souza Cabral O Terceiro Setor e o controle da Gestão Pública Municipal: lições a partir do caso de Bogotá Armindo dos Santos de Souza Teodósio defesa social A evolução da Educação na Polícia Militar de Minas Gerais Ten-Cel PM Márcio Antônio Macêdo Assunção Justiça Militar de Minas Gerais Setenta anos de existência Juiz Cel PM Rúbio Paulino Coelho Notas sobre organizações e servidores policiais Jésus Trindade Barreto Júnior Segurança Cidadã: qual controle? Ellen Márcia L. S. de Carvalho Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais - Atuação em prol da Segurança Pública José Honorato Ameno Segurança Pública no Brasil tem jeito! Luis Flavio Sapori Cultura de Paz pelo Desenvolvimento Humano: uma forma de combater a criminalidade e a violência na contemporaneidade Álvaro Antônio Nicolau FGR EM REVISTA 3

4 editorial FGR em Revista retoma o estímulo ao debate entre seus leitores Iniciar um projeto editorial é um trabalho árduo, mas, com muito profissionalismo, a Fundação Guimarães Rosa começou esse processo em sua primeira revista, em Tão penoso é esse trabalho que, somente em 2007 tivemos fôlego para a retomada! Álvaro Antônio Nicolau Superintendente-Geral da FGR A FGR em Revista, já em 2007, retoma o estímulo ao debate franco entre seus leitores, amigos e colaboradores, com a perspectiva de troca de idéias em busca de uma reflexão saudável para a melhoria da qualidade de vida das pessoas. A FGR em Revista tem o propósito de colocar em discussão questões vinculadas à Segurança, para que a sociedade, incentivada pelo conhecimento dos profissionais da área do Sistema de Defesa Social e estudiosos do assunto, possa se envolver e estabelecer um diálogo construtivo, e, ao final, conjugar com uma agenda positiva para a Segurança Pública, especialmente em Minas Gerais. Nesse sentido, a Fundação Guimarães Rosa, como toda entidade de divulgação cultural, assim como outros modelos sem fins lucrativos, depende de pessoas conscientes e identificadas com sua razão de existir, cujo senso de atenção esteja voltado e centrado nos objetivos norteadores da revista, sem descuidar dos assuntos de Polícia Ostensiva (Polícia Militar), de Polícia Investigativa (Polícia Civil), de Ações de Bombeiros (Corpo de Bombeiros Militar), de Guardas Municipais, de qualquer outra atividade do Sistema de Defesa Social ou que se associam ao Sistema em vista à melhoria da Qualidade de Vida do Mineiro e, por extensão, do povo de todo o Brasil. Por oportuno, registra-se, para nosso gáudio, o apoio e compreensão, porquanto não nos tem faltado de parte dos nossos colaboradores, grupo composto pelas Instituições do Sistema de Defesa Social do Estado de Minas Gerais e Sociedade Mineira como um todo, o apoio necessário ao desenvolvimento. Ao mesmo tempo, é de se observar que o despertar, nesta linha de editoração, tem crescido de forma gradual e constante, e já adquiriu um patamar de equilíbrio e maturidade, oportunizando tranqüilidade e segurança para continuarmos nessa caminhada, em vista cumprir uma proposta de transformação sociocultural, mesmo porque, se lançada em 2003, num momento singular da vida pública brasileira no campo da Segurança Pública, hoje, esta singularidade continua presente, sem perder de vista a missão institucional. Certamente, a partir das matérias que a Fundação Guimarães Rosa divulga por este instrumento de comunicação, pretende-se, com o tempo, mais que somar, multiplicar a formação doutrinária no campo da Defesa Social, aliás, como normalmente acontece em qualquer área do conhecimento humano, quando se busca a exteriorização de conhecimentos como forma de crescimento cultural e institucional. Nesse sentido, não é exagero afirmar que a FGR em Revista, pelo perfil 4 FGR EM REVISTA

5 editorial que apresenta, ocupa posição ímpar no Estado de Minas Gerais e se prepara para crescer no contexto de nosso País. Neste mister, cumprimos nosso objetivo institucional. Nessa concepção, é de se fazer registro que esta entidade, ao longo de seis anos de existência, conseguiu criar uma consciência institucional própria; conseguiu estabelecer sua identidade, ao mesmo tempo perfeitamente sintonizada com os misteres da Defesa Social, em todos os seus matizes, especialmente Polícia Militar de Minas Gerais, sem, no entanto, perder a independência como órgão de divulgação e de prospecção do sentido de serno-mundo das pessoas. Compreender para explicitar, esse tem sido o nosso caminho na inter-relação com todos os meios. Isso em muito se deve à persistência da Fundação Guimarães Rosa em manter-se nos seus limites estatutários e editoriais, sem imiscuir-se em questões estranhas ou que não sejam puramente profissionais na relação com as questões de Defesa Social, porquanto tem o significado de um Sistema ainda em construção. Aí está, talvez, um dos grandes motivos da nossa pretensa longevidade. Nesta edição, como de costume, mostraremos aos nossos estimados leitores um conjunto de temas bem atuais, todos focados nas Questões Sociais e na Segurança Pública. Abordaremos as seguintes questões sociais: Valores e Resultados: um referencial de avaliação no Terceiro Setor - Doutora Eloísa Helena de Souza Cabral; A FGR e a Inclusão Digital: uma possibilidade de Inserção Social - Fundação Guimarães Rosa; Escola da Paz - A esperança para o século XXI - Fundação Guimarães Rosa; João; um encantado..., de autoria do jornalista e escritor Petrônio Souza Gonçalves; Caminhos da solidariedade - Sra. Andréa Neves da Cunha, Presidente do Servas. Compondo o arcabouço da discussão das questões vinculadas ao sistema de Defesa Social, apresentaremos: A Atuação do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais em prol da Segurança Pública - Coronel BM José Honorato Ameno, Comandante do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais; A Evolução da Educação na Polícia Militar de Minas Gerais - Tenente-Coronel PM de Minas Gerais, Márcio Antônio Macêdo Assunção; Segurança Pública no Brasil tem Jeito! - Professor Luis Flavio Sapori, Coordenador do Curso de Ciências Sociais da PUC Minas e pesquisador da Fundação João Pinheiro; Segurança Cidadã: qual Controle?, por Ellen Márcia L. S. de Carvalho, Coordenadora do Programa de Mediação de Conflitos em Belo Horizonte, MG; O Terceiro Setor e o controle da Gestão Pública Municipal: lições a partir do caso de Bogotá - Armindo dos Santos de Sousa Teodósio; A Justiça Militar de Minas Gerais: setenta anos de existência - Juiz Cel PM Rúbio Paulino Coelho; Notas sobre organizações e servidores policiais, de autoria editorial do Dr. Jésus Barreto Júnior, Delegado Geral da Polícia Civil de Minas Gerais; Cultura da Paz para o Desenvolvimento Humano: uma forma de combater a criminalidade e a violência na contemporaneidade, de Álvaro Antônio Nicolau, Cel PM QOR - Superintendente- Geral da Fundação Guimarães Rosa e Diretor de Segurança da FUNDAMIG (Fundação Mineira de Fundações de Direito Privado), além da entrevista realizada pela Historiadora Kelly Cardozo com a equipe da Assessoria de Comunicação da SEPPIR (Secretaria Especial Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República) sobre Oralidade negra na formação nacional e valorização da SEPPIR. Nossos leitores perceberão que, neste conjunto, os articulistas fornecem um trabalho compreensivo, que nos permitirá conhecer melhor o fenômeno social e da Segurança Pública, e para o qual serão bem-vindas todas as colaborações e sugestões que nos ajudem a tornar cada vez melhor a vida das pessoas. Queremos a FGR em Revista como um canal sempre aberto para a participação, a colaboração e as suas mensagens. Somos Parte de um Todo que necessita de democracia, diálogo, transparência, acesso à comunicação e à informação. Nosso estímulo é o pensar simples, é o ter atitude para confirmar a simplicidade nas ações e obter os resultados esperados. Rua Paraíba, º andar Funcionários - CEP Belo Horizonte - MG Tel. (31) Endereço eletrônico - Superintendente-Geral Álvaro Antônio Nicolau em revista Superintendente Operacional Pedro Seixas da Silva Superintendente de Administração e Finanças José Antônio Gonçalves Setor de Comunicação, Cultura e Lazer Juliana Leonel Peixoto Jornalista Responsável Stefania Cavedoni - DRT/Mtb/MG 2129 Projeto Gráfico, Edição e Diagramação Jota Campelo Comunicação Tiragem 3 mil exemplares Fotos Vera Godoy / Arquivo Colaboradores FGR / BM5 CBMMG / TJM Impressão Gráfica e Editora 101 A Fundação Guimarães Rosa não se responsabiliza por conceitos emitidos em artigos assinados. É permitida a divulgação das informações desde que citada a fonte. Foto de Capa Andrew Souza Moreira (Programa Escola da Paz e Projeto Portas Abertas) - Foto: Vera Godoy FGR EM REVISTA 5

6 Espaço de Eventos Veredas da Fundação Guimarães Rosa Um lugar perfeito para pequenas reuniões ou grandes eventos. 14 mil m² de área de lazer auditório para 200 pessoas refeitório salas de jogos piscinas para adultos e crianças suítes para casal e solteiros apartamentos coletivos com banheiro quadras esportivas área arborizada Venha conhecer o novo empreendimento da Fundação Guimarães Rosa: Espaço de Eventos Veredas. Ambiente rústico e aconchegante em meio à natureza, com infra-estrutura para a realização da sua reunião de negócios, grandes eventos corporativos ou sociais, atividades esportivas e de lazer ou simplesmente para relaxar no final de semana. Tudo isso em BH, na região de Venda Nova. Melhor impossível. Marque uma visita sem compromisso. Rua das Chácaras, 6 Venda Nova. (31) (31) (31) (31)

7 educação e cultura Educação: uma responsabilidade de todos Nada é mais importante hoje do que a capacitação dos brasileiros para que possamos construir uma riqueza nacional mais sólida e firmar uma presença cada vez mais soberana no mundo. Isso só pode se dar pela melhoria na abrangência e na qualidade da Educação do nosso País. (Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no lançamento do PDE - Plano de Desenvolvimento da Educação - 24 de abril de 2007). O tema Educação vem sendo exaustivamente debatido por organismos nacionais e internacionais, personalidades, educadores, governos e a sociedade. Em seu discurso na solenidade de lançamento do PDE - Plano de Desenvolvimento da Educação, em abril de 2007, o Presidente Lula foi claro quando afirmou que nenhum tema é tão positivo, tão mobilizador e capaz de unir tanto o País quanto a Educação. Mas só transformaremos esta emoção física em realidade quando houver uma profunda mudança de atitude dos governos, da sociedade civil e, muito especialmente, da família. Mas, afinal, o que é Educação? É uma responsabilidade de todos. Cada setor da sociedade deve ter um papel ativo no desenvolvimento da capacidade física, moral e intelectual do ser humano. Educar não é apenas ensinar, é também aprender para a vida. A educação afirma valores e ações que contribuem para a formação humana, social e para a preservação ambiental. Ela estimula a formação de sociedades socialmente justas e ecologicamente equilibradas, que conservam entre si relações de interdependência e diversidade. Diante de tal afirmativa, muito se discutiu sobre as bases para a integração da responsabilidade individual e coletiva, assim como os princípios da educação para a construção de sociedades sustentáveis, durante 5º Seminário Nacional: Educação para uma Sociedade Sustentável, evento simultâneo à Ecolatina - 7ª Conferência Latino- Americana sobre Meio Ambiente e Responsabilidade Social, realizada em Belo Horizonte de 16 a 19 de outubro de 2007 (www.ecolatina.com.br). O Brasil ainda está longe do ideal Apesar de todo o esforço do governo e da sociedade, um estudo recente da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) mostra que o Brasil está entre os 53 países que ainda não atingiram, ou estão longe de atingir, até 2015, as metas do EPT (Educação para Todos): compromisso firmado por diversas nações durante a Conferência Mundial de Educação, realizada em 2000, em Dacar, no Senegal. Entre as principais dificuldades que o País enfrenta estão as desigualdades educacionais e raciais, a situação econômica dos estudantes e a localização geográfica. De acordo com esse importante diagnóstico sobre a realidade educacional brasileira, as disparidades são mais evidentes no item renda familiar: entre os jovens mais pobres, 25% estão na escola, ou seja, metade da taxa apresentada pelos jovens mais ricos; porém, menos de 1% encontrase no ensino superior, taxa que, para os mais ricos, é de 40,4%. Também são acentuadas as desigualdades raciais, principalmente entre brancos e negros. O trabalho, denominado Relatório de Monitoramento de EPT Brasil 2008, foi lançado pela UNESCO em solenidade no MEC (Ministério da Educação), em Brasília, no dia 30 de abril de 2008, com presença do Ministro da Educação, Fernando Haddad, dirigentes do CONSED (Conselho Nacional de Secretários de Educação) e UNDIME (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação). O evento fez parte das atividades da Semana de Ação Mundial, que em abril de 2008 abordou o tema Educação de Qualidade para Todos: Fim da Exclusão Já! (UNESCO, Brasília, 30/04/2008). FGR EM REVISTA 7

8 O que falta para o Brasil na Educação? Para o Presidente Lula, o fortalecimento da Educação só pode se dar se houver uma mudança profunda na qualidade e na filosofia do ensino e, para isso, é indispensável debater o ensino, a relação do Estado com o ensino e a relação da família com a Educação. É o que se pretende com o desenvolvimento de projetos nos vários níveis educacionais, da creche ao pós-doutorado, levando-se em conta fatores como alfabetização, rendimento dos alunos, taxa de repetência e evasão escolar, educação profissional, tecnologia, melhoria da qualidade do ensino, aperfeiçoamento de professores e outros. O compromisso de Minas com a Educação O Estado de Minas Gerais ocupa hoje o quarto lugar no ranking da Educação no Brasil, atrás somente do Distrito Federal, Rio Grande do Sul e Paraná. Em números, esta é a situação de Minas, de acordo com dados da Secretaria Estadual de Educação. No ranking do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), Belo Horizonte aparece com a melhor média entre as escolas classificadas, com um total de 72,8 pontos. Ao mesmo tempo, apresenta a terceira pior classificação entre as escolas públicas de capitais do País, com um total de 27,4 pontos. A capacidade de leitura dos alunos do segundo ano do Ensino Fundamental cresceu 6,8%, em relação ao ano passado. A elevação dos níveis de aprendizagem dos alunos das escolas estaduais faz parte das prioridades para 2008 na área da Educação, além disso, é compromisso do Governo de Minas Gerais que todas as crianças da rede pública estejam alfabetizadas até os 8 anos de idade. educação e cultura Durante a homenagem que recebeu da Academia Brasileira de Letras, no Rio de Janeiro, em dezembro de 2007, o Governador do Estado, Aécio Neves, demonstrou seu otimismo quanto aos resultados alcançados nos últimos anos e ressaltou os investimentos nas áreas de Educação e Cultura: Vivemos um novo tempo e uma nova esperança em Minas. Estamos orgulhosos dos resultados que nossas crianças alcançaram nos exames de avaliação independente existentes no Brasil. Voltamos a liderar em várias matérias, disputando com estados que não possuem os desníveis sociais de Minas. Continuaremos insistindo, investindo e inovando nessas áreas, porque sabemos que não há outro caminho para o desenvolvimento. (Gazeta do Triângulo, 12 de dezembro de 2007). Esse caminho foi aberto em outubro de 2007, quando o Governador Aécio Minas Gerais possui a segunda maior rede de ensino básico do País. É o único Estado brasileiro que oferece ensino fundamental de nove anos nas escolas públicas estaduais e municipais em 100% dos municípios. Conta com 4,9 milhões de alunos, sendo 4,4 milhões na rede pública (90,5%). Destes, 58% estudam na Rede Estadual. Em 26 municípios mineiros não existem escolas que ofereçam Ensino Médio, isso representa 2,9% do total e 1,5% da Região Sudeste. Menos da metade dos jovens entre 15 e 17 anos chegam ao Ensino Médio. 8 FGR EM REVISTA

9 educação e cultura implantou o PEP (Programa de Educação Profissional) e assinou decreto criando a Rede Mineira de Formação Profissional, com intuito de oferecer educação de qualidade e oportunidades reais de trabalho para os mineiros. Em seu pronunciamento por ocasião do lançamento do programa, no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, ele foi conclusivo: Já se foi o tempo em que a busca devia ser por um canudo, por um diploma universitário. Isso é importante e, certamente, as oportunidades para o acesso ao terceiro grau e ao ensino universitário também continuarão a ser ampliadas em Minas, mas o que estamos fazendo é permitindo que esses jovens se formem e se preparem e que tenham, imediatamente, condições de contribuir na sua região para o desenvolvimento de sua comunidade e, obviamente, para o seu progresso pessoal. (Governo do Estado) A Educação também é prioridade na Fundação Guimarães Rosa Educar os mineiros a partir da transformação e da inclusão social de crianças e adolescentes, da profissionalização de jovens e adultos, da capacitação, do treinamento e da expansão do conhecimento. Talvez esta seja uma das estratégias que definem com mais clareza os anseios da Fundação Guimarães Rosa de ser reconhecida como a melhor solução de apoio aos órgãos públicos e organizações de modo geral. Nos últimos anos, a FGR vem demonstrando seu know how na área da Educação, prioritariamente naqueles projetos que contribuem para a melhoria e o crescimento da Defesa Social em Minas Gerais. O Superintendente-Geral da Fundação, Álvaro Antônio Nicolau, analisou o ambiente no qual a instituição está inserida: Minas Gerais se destaca no cenário econômico nacional, certamente por vivenciar um período virtuoso que combina crescimento econômico, ajuste fiscal e reordenação institucional. Nesse ambiente de negócios, o Estado promove importantes inversões em projetos não só de infraestrutura, mas também de preparação de seu pessoal, no treinamento, cursos, além de concursos para complementação de seus quadros, mormente da Defesa Social. Esse ambiente propiciou à Fundação Guimarães Rosa, com sua expertise em cursos, concursos, treinamentos e consultorias, participar das diversas concorrências públicas, tendo participação no processo. (Relatório Anual 2007). Nesse cenário, vale enfatizar o alto padrão na organização de concursos para atender aos setores da administração pública em Minas, especificamente da Guarda Municipal da Capital e de cidades como Juiz de Fora, Pitangui, Contagem, Alfenas, Varginha, Sabará e Três Pontas. Além dos concursos púbicos para os cargos de nível médio e superior dos quadros permanentes das prefeituras, e para agente de segurança penitenciária de vários municípios. Por outro lado, a parceria com a SEDS (Secretaria de Estado da Defesa Social), PMMG (Polícia Militar de Minas Gerais), Polícia Civil, Guarda Municipal e Corpo de Bombeiros Militar permite à FGR criar alternativas de aperfeiçoamento, bem como promover a valorização dos profissionais de segurança pública, visando à melhoria da qualidade dos serviços prestados à população. Em 2007, a relação de cursos incluiu desde a capacitação dos alunos da Guarda Municipal selecionados em concurso, passando por seminários de ação comunitária, com envolvimento dos moradores; seminários de avaliação do Comando de Policiamento da Capital; curso de segurança preventiva orientada ao turismo, principalmente para o circuito da Estrada Real; até os treinamentos do PROERD (Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência). Em 2008, a FGR lançou os cursos livres de curta duração em diversas áreas do conhecimento. O programa educacional e informativo é aberto ao público e as aulas, ministradas por profissionais reconhecidos no mercado, acontecem na própria instituição, entre eles: Linux - Sistema Operacional e Pacote de Escritório ; Contratos e Licitações ; Mediação de Conflito ; Existir com Sexualidade ; e Auditoria. No primeiro semestre de 2008, a FGR capacitou 120 profissionais. Importante mencionar, ainda, as diferentes formas de transmitir conceitos, conhecimentos e produtos que a FGR vem adotando com êxito em conjunto com entidades de destacada atuação em Minas Gerais e em outros estados. Diferentemente dos cursos de curta duração, os seminários, workshops, palestras e fóruns atraem interessados em conhecer a atuação da instituição em áreas como Segurança Pública, Desenvolvimento Sustentável, Psicologia e Sociologia. Entre os principais: CISED - Ciclo de Segurança em Debate, cuja primeira palestra, no final de 2007, abordou o tema Desafios da Segurança Pública no Século XXI ; II Seminário de Responsabilidade Socioambiental, em 5 de junho de 2008; e o I Simpósio de Psicoterapia Existencial, com previsão para acontecer em setembro de Porém, os objetivos institucionais da Fundação Guimarães Rosa vão além e compreendem ações sociais, comunitárias, voluntariado, pesquisa e desenvolvimento institucional. Desde o início de sua trajetória, há seis anos, é marcante o trabalho em favor das crianças, adolescentes e idosos que vivem nas comunidades carentes, sendo reconhecido por organismos formados por representantes do governo e da sociedade civil. Exemplos de uma atuação socioeducativa e cultural de sucesso podem ser conferidos nesta edição do FGR em Revista : Escola da Paz e Inclusão Digital. FGR EM REVISTA 9

10 educação e cultura Escola da Paz A esperança para o século XXI O século XX foi considerado o mais violento e sangrento da história. Nesse século, o mundo assistiu a duas guerras mundiais; a explosão de bombas atômicas; as crises ambientais globais; a diversos conflitos territoriais, sociais e culturais; a guerra fria; a acumulação de armas de destruição em massa e o surgimento do terrorismo internacional. Atualmente, a humanidade encontra-se em um momento de transição histórica, no qual o homem é convidado a desvencilhar-se de práticas, atitudes e comportamentos que gerem violência e a construir um mundo de paz. A construção de um mundo de paz se torna premente por causa do risco da autodestruição e da disseminação da violência em todos os segmentos da sociedade. E esse fenômeno é global. Mais do que em qualquer outro momento histórico, um clamor por mudanças eclode no nosso tempo. Em todo o mundo, as pessoas têm sido confrontadas pela intolerância; pela violência; pela derrocada dos valores; pelo desrespeito aos direitos humanos. E isso tem contribuído para a reinstalação da barbárie, porque as pessoas estão usando a força e o derramamento de sangue para atingir interesses particulares. Para reverter esse rumo, é preciso construir uma cultura de paz, é preciso ter e viver num mundo de paz. Nessa construção, a Escola é chamada a desempenhar um papel fundamental. Para isso, precisa estabelecer um clima dialógico e implantar uma Educação para a Paz no Século XXI. 10 FGR EM REVISTA A consolidação desse mundo de paz requer uma Educação para ou pela Paz. A paz não é somente a resolução de guerras ou conflitos beligerantes, mas, também, a resolução de conflitos e injustiças entre as pessoas por meio do diálogo. Nesse sentido, a Escola pode contribuir para a construção de um mundo melhor ao implantar uma Educação para a Paz e promover um clima dialógico. Na medida em que o ambiente escolar favorecer a paz (e, por conseguinte, o diálogo), estará abrindo caminho para que os estudantes de hoje sejam os cidadãos responsáveis e educados de amanhã. Seres humanos aptos a perpetuar a história da própria espécie e a preservar a história das demais espécies e do planeta Terra. Escola da Paz na construção de um mudo melhor O Programa Escola da Paz se inscreve no esforço da construção de um mundo de paz, no qual a Educação é alicerce, coluna e viga de sustentação. Esse programa surgiu em 2007, depois que os participantes do projeto Portas Abertas, que eram, e muitos ainda são, alunos da Escola Estadual Henrique Diniz, divulgaram o trabalho desenvolvido pela Fundação Guimarães Rosa com crianças e adolescentes. Esse fato encorajou a diretora Tereza Cristina Queiroga de Morais e muitos professores da escola a formar uma parceria com a Fundação Guimarães Rosa. Após a realização dos primeiros contatos, a psicóloga Flávia Mônico, gestora psicossocial dos projetos sociais

11 educação e cultura da FGR, passou a visitar a escola e pôde constatar a existência de uma cultura de violência que conseguia desestabilizar o ambiente escolar, reproduzindo as graves dificuldades da sociedade brasileira. A violência gerada pela manifestação dos problemas sociais na escola se amplificava pela falta de uma orientação educacional em favor da formação de valores civilizatórios. Diante disso, a parceria concretizada entre a FGR e a Escola Estadual Henrique Diniz permitiu transformar as ações, atitudes e comportamentos impregnados pela cultura da violência em ações e valores de uma Educação da Paz. A Educação da Paz não busca a extinção do conflito, mas sua resolução e a mitigação das injustiças entre as pessoas. Nesse sentido, a Educação da Paz é uma construção coletiva. Além disso, repõe ou propõe o diálogo e a negociação. Esses termos, por sua vez, implicam em aprendizagem e relacionamento. Desses quatro termos, emergem os eixos norteadores do Programa Escola da Paz. Esses guardam conexão com os quatro pilares - aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a viver juntos, aprender a ser - da Educação para o Futuro, apontados no Relatório para a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. O eixo diálogo corresponde a aprender a viver juntos. O eixo negociação, aprender a fazer (produzir por meio de determinada ação, realizar). O eixo aprendizagem, a aprender a conhecer. E o eixo relacionamento corresponde a aprender a ser. Os eixos norteadores do Programa Escola da Paz estruturam as três dimensões da atuação educacional do programa: trabalho interdisciplinar com conteúdos substantivos sobre valores e paz, a valorização dos Heróis da Paz e a abertura da escola nos finais de semana. O trabalho interdisciplinar com os conteúdos substantivos busca a internalização de conhecimentos e as práticas promotoras da paz e vem sendo realizado de acordo com programação temática apropriada a cada momento educacional. O trabalho interdisciplinar com conteúdos substantivos parte das representações dos alunos, sem se fechar nelas, procurando estabelecer um ponto de entrada no sistema cognitivo que permita a desestabilização dessas representações, além de sua organização ou reorganização com os conhecimentos abordados em sala de aula. A valorização dos Heróis da Paz privilegia ações de diversos ícones pacifistas como referência para se viver e praticar a paz. Nesse trabalho, a escola cria um banco de ícones da paz e submete os estudantes a uma escolha do Herói da Paz em cada ano letivo. O herói eleito não poderá concorrer nos próximos pleitos até que todo o banco de ícones seja visto (a vida e obra do herói serão trabalhadas nas diversas disciplinas). O exercício tem seu ponto alto no dia 21 de setembro, Dia Internacional da Paz. Os alunos também poderão atuar como protagonistas da paz, inscrevendo-se nos diversos concursos culturais (poesia, redação, teatro, entre outros) durante o ano do Herói da Paz. A apresentação e premiação dos trabalhos vencedores ocorrerão durante a Semana Internacional da Paz : uma festa cívica que celebra as ações pacifistas em âmbito local, nacional e internacional. Anualmente, as atividades realizadas na Semana Internacional da Paz farão parte do Festival Escola da Paz. E todas as atividades serão avaliadas no Fórum da Paz, a ser realizado no final do ano, quando os alunos poderão se inscrever para participar da programação. A professora Luciamar Rosse Reis Ferreira, da 1ª série da Escola Estadual Henrique Diniz, fala da eleição do Herói da Paz na turma: Com certeza, as crianças demonstraram entusiasmo com a eleição do representante de turma e do personagem, que foi o Piu-Piu. Tudo na minha sala tem o Piu-Piu. Da lixeirinha ao lápis e ao caderno. Tudo deles também tem o personagem. A turminha do Piu-Piu deixa recadinhos para os meninos do FGR EM REVISTA 11

12 Ensino Médio, da manhã e da noite, e troca bilhetinhos pedindo para que eles não rasguem a nossa mascote. As crianças participam junto comigo e isso está repercutindo na escola inteira. Na minha sala eu, como professora de primeira série, estou amando, acho que não deve acabar nunca. A abertura da escola nos fins de semana se efetivará com a realização de oficinas que proporcionem lazer, esportes e cultura, mas também espaços para a convivência comunitária e o protagonismo juvenil. Essa dimensão se espelha no Programa Abrindo Espaços - Escolas de Paz, promovido desde 2000 pela UNESCO em parceria com o Governo Estadual do Rio de Janeiro. Abrir a escola para a comunidade nos finais de semana, além do acesso ao lazer, dará aos jovens a oportunidade de vivenciar ações de educação para valores e para a paz. As três dimensões do trabalho educacional do Programa Escola da Paz buscam, essencialmente, a transformação das ações, atitudes e comportamentos impregnados pela cultura da violência que se verifica na escola em ações e valores de uma Educação da Paz. Além da operacionalização dos seus objetivos, o Programa Escola da Paz pretende atingir as seguintes metas: diminuir a ocorrência de fatos violentos na escola; diminuir o insucesso escolar (notas) e a ocorrência de comportamento inadequado (qualquer ação que atente contra a estruturação das atividades escolares); aumentar a participação da família do estudante na escola; estimular o aluno a internalizar e promover a cultura da paz; implantar a educação da paz e o Festival Escola da Paz ; incentivar o aluno a valorizar o diálogo, a negociação e o relacionamento; estimular o aluno a valorizar a escola e o conhecimento. 12 FGR EM REVISTA O conjunto de ações proposto pelo Programa Escola da Paz é ousado. Sua execução requer cuidado, planejamento e esforço integrado. A primeira ação do programa na escola foi de conscientização sobre a paz com a turma 261 (primeira turma de 6ª série do 2º turno escolar), no ano letivo de Esse trabalho, realizado no segundo semestre, consistiu em uma pequena introdução da nobre tarefa de construir a Escola da Paz para o Século XXI. Feita a apresentação, foi preciso implementar um trabalho de maior envergadura na escola. Como o programa é muito amplo, os parceiros decidiram aplicar um teste-piloto com os 231 alunos do nível introdutório até a 4ª série e realizar uma pesquisa de clima escolar com os demais alunos e com todos os professores e funcionários da Escola Estadual Henrique Diniz. O teste-piloto foi iniciado em 2008 com eventos de sensibilização e treinamento dos professores para a promoção da cultura de paz e da educação para a paz com os alunos do nível introdutório e de 1ª a 4ª séries. Em fevereiro, aconteceu a palestra Vivendo Valores na Escola com o fim de sensibilizar e motivar os professores a realizarem dinâmicas e reflexões. Simultaneamente, foram treinados 18 professores para trabalhar com o material didático elaborado por uma equipe de profissionais da FGR. Esse material é composto por cadernos de atividades dos alunos e de orientações para os professores. O conteúdo do caderno de atividades enfatiza valores como convívio social, tolerância, solidariedade, responsabilidade, proteção à natureza, companheirismo, amor e cidadania. Enfim, o teste-piloto pretende avaliar a execução das três dimensões do trabalho educacional do Programa Escola da Paz com os alunos do introdutório e de 1ª a 4ª séries durante o ano de educação e cultura A vice-diretora da Escola Estadual Henrique Diniz, Magda Simaria Simões, avalia os resultados dessa megaoperação em favor da paz: Ainda não temos uma definição de tamanha grandiosidade. Porém, já começamos a perceber mudanças nos meninos, seu comportamento dentro de sala de aula, a relação entre os colegas e entre os professores. Então, a gente começa a ter mudanças em relação aos procedimentos, ao resgate de valores disseminados pela Escola da Paz. Na pesquisa de clima escolar, será feito o diagnóstico da escola, o mapeamento das idéias dos alunos sobre a violência escolar e a percepção que eles têm sobre o conjunto de ações do Programa Escola da Paz. Os primeiros passos para a construção de uma paz duradoura foram dados. Cabe, agora, a todos os agentes envolvidos no Programa Escola da Paz regar e semear os frutos da paz. A Sra. Roselita Imaculada de Medeiros Brito, mãe de dois alunos da escola, um na 3ª série e outro no Introdutório, já percebe os resultados do Programa Escola da Paz em casa: Meus meninos mudaram muito, eles não brigam mais e comentam sobre os livrinhos de atividades: eles gostam muito. O projeto é importante, principalmente para os meninos mais levados. Meus filhos levam todas as novidades e contam tudo sobre o que aprenderam na escola. Hoje, 219 crianças são assistidas pelo Programa Escola da Paz, com o total de 200 famílias beneficiadas indiretamente. Ao todo, a FGR investe R$ 2.300,00/mês em ações de transformação de atitudes e comportamentos impregnados de violência em empreendimentos de saudável convivência e de promoção contínua da paz e da cidadania. (Foto: Projetos Escola da Paz e Portas Abertas.)

13 educação e cultura A FGR e a Inclusão Digital: uma possibilidade de Inserção Social A parceria entre a tecnologia e os métodos pedagógicos tradicionais facilita a integração da educação com o mercado de trabalho e a formação de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Da mesma forma, a Inclusão Digital, caracterizada pela efetiva democratização do acesso às tecnologias digitais, tem auxiliado no processo de manuseio de ferramentas da comunicação e modernas técnicas para atender o cidadão que depende de novos meios de sobrevivência. O termo Inclusão Digital surge a partir do avanço da globalização e significa melhorar as condições de vida de uma determinada região ou comunidade com a ajuda da tecnologia. Incluir digitalmente não é apenas alfabetizar digitalmente, mas melhorar quadros sociais a partir do uso dos computadores. A Inclusão Digital é representada por grande número de pessoas com acesso às mais diversas tecnologias da informação, à Internet e aos serviços que ela oferece. Segundo dados da Fundação Getúlio Vargas e IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) aproximadamente 12% dos brasileiros têm computador em suas residências e pouco mais de 8% encontram-se conectados à Internet. Esses dados retratam como a população brasileira tem sido privada do acesso à tecnologia. Será necessária uma política ampla que trabalhe com as particularidades de cada região e para que o acesso à tecnologia faça parte efetivamente da vida desses grupos sociais, atendendo as necessidades específicas de cada um deles. Dessa forma, a informação poderá ser difundida localmente e compartilhada entre eles. Tendo em vista a importância de se promover a Inclusão Digital, a Fundação Guimarães Rosa investe na produção e disseminação de conhecimento digital nas comunidades carentes que, por falta de recursos, são excluídas da tecnologia. A possibilidade de desenvolvimento pessoal e de vínculo social para as comunidades está cada vez mais próxima, com as ações promovidas pela FGR. O Projeto Inclusão Digital: uma possibilidade de Inserção Social, criado em 2006, tem o objetivo de desenvolver estratégias para promover a inclusão social de comunidades menos favorecidas, utilizando-se de ferramentas da tecnologia e da comunicação como instrumento para construção, crescimento e exercício da cidadania. Aula de Tecnologia Linux para os participantes do Projeto Portas Abertas. Para realizar as atividades do Projeto Inclusão Digital, a Fundação Guimarães Rosa dispõe de um laboratório de informática (Telecentro) com estrutura de Internet banda larga, um computador por aluno, em turmas com dez alunos e apoio capacitado de monitoria e recursos de equipamentos multimídia. Os cursos de informática são aplicados por profissionais da área de Tecnologia da Informação com habilidades pedagógicas, o que facilita a aprendizagem dos alunos. A metodologia do projeto prevê a aplicação de um curso básico de informática (Linux, BrOffice e Internet), FGR EM REVISTA 13

14 com carga horária de 56 horas, dividido nos turnos manhã e tarde. A participação de integrantes dos Programas e Projetos Sociais da FGR é constante no Projeto Inclusão Digital. Adolescentes e jovens, entre 12 e 24 anos completos, já matriculados em algum programa ou projeto, são beneficiados com os cursos de informática. Os alunos que passam pelo Projeto Inclusão Digital recebem conhecimento e prática para desenvolver uma consciência cidadã e de transformação social, além de qualificação que facilita a inserção no mercado de trabalho. Número de atendidos Participantes por Projeto Projeto Portas Abertas Projeto JOIA Crianças e Adolescentes assistidos pelo projeto da FGR Inclusão Digital, em 2007 Com a finalidade de maximizar o uso do Telecentro FGR, gerando renda para auto-investimento, a participação do público externo também é destaque. A FGR oferece curso básico de Informática (Linux, BrOffice e Internet) e curso de Windows (Word, Excel e PowerPoint) a baixo custo para a comunidade em geral. O projeto ainda inclui a capacitação dos colaboradores da Fundação Guimarães Rosa, além de professores da rede pública estadual. É o conhecimento gerador de qualidade na prestação de 14 FGR EM REVISTA Número de atendidos Outros Segmentos Colaboradores FGR Público Externo Outros Segmentos Atendidos pelo Inclusão Digital em 2007 serviços para a comunidade. O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) publicou, em 2006, uma pesquisa que demonstrava a participação dos municípios nas políticas de inclusão digital. O levantamento identificou que, em metade dos municípios (52,9%), a iniciativa foi adotada. Entre as regiões, a Sul aparece em primeiro lugar (59,4%) e a Sudeste em segundo lugar, com 57,9%, na iniciativa de promover a inclusão digital. Em 2007/2008, a Fundação Guimarães Rosa já faz parte desta estatística. O Projeto Inclusão Digital foi levado para outras localidades. A Escola Estadual Henrique Diniz recebeu a ajuda dos técnicos da FGR para montagem do laboratório de informática, capacitação de professores para manuseio do Sistema de Tecnologia Linux, além de facilitar a formatura da primeira turma de Inclusão Digital dos alunos do Ensino Fundamental e Médio. Eu sou capaz de fazer! Existe um mundo informatizado e eu faço parte dele!, é assim que a diretora Tereza Cristina Queiroga de Morais, da Escola Estadual Henrique Diniz, fala sobre a importância da inclusão digital para alunos da rede pública de ensino. Hoje, a realidade impõe educação e cultura esta tecnologia, que é importante e necessária no âmbito do Estado, declara a diretora. De sonho à realidade de um futuro melhor. O sonho de se tornar um profissional excelente e construir algo para si e para sua família estão cada vez mais presentes na mente de um adolescente. E é isso que a FGR busca, além de proporcionar desenvolvimento pessoal e social por meio da Inclusão Digital: levar o cidadão a entender a importância do conhecimento para vencer no mercado de trabalho. O jovem Luan Alves da Conceição, ex-participante do Projeto Portas Abertas, é um bom exemplo de como a inclusão digital pode intervir de forma positiva no crescimento profissional do indivíduo. Com a ajuda do Projeto, já comecei a ter visão do que queria. Ajudou na minha formação do dia-a-dia. Ele participou do Projeto Inclusão Digital e dos cursos de tecnologia Linux I e III. Aprendi muito e me ajudou no trabalho que eu faço. Tanto que o rapaz já foi contratado pela FGR para trabalhar no Departamento de Ensino e Pesquisa e diz que o curso é um diferencial: A maioria das empresas hoje utiliza essa tecnologia. A possibilidade de proporcionar desenvolvimento pessoal e vínculo social para a comunidade está agora mais próxima, com as ações promovidas pela Fundação Guimarães Rosa Fonte: IBGE, Disponível em: (http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1006&id_ pagina=1). Acesso em 28 de abril de 2008.

15 educação e cultura A oralidade negra na formação nacional e valorização da SEPPIR Kelly Cardozo Fundação Guimarães Rosa: A SEPPIR (Secretaria Especial Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República), em linhas gerais, foi criada para o reconhecimento das lutas históricas do Movimento Negro e ampliou sua atuação para outros segmentos étnicos discriminados. Percebemos em algumas articulações realizadas pela Fundação Guimarães Rosa, que envolvem assuntos relacionados à SEPPIR em meios públicos e privados, um desconhecimento da maioria desses mesmos setores sobre suas ações. Você poderia explicar melhor a atuação da SEPPIR e sua divulgação na sociedade? Assessoria de Comunicação da SEPPIR / Presidência da República: A SEPPIR foi criada em 2003 com a missão de coordenar as políticas públicas e ações afirmativas para a proteção dos direitos sociais de indivíduos em grupos raciais e étnicos, com ênfase na população negra e povos etnicamente discriminados, como judeus, palestinos, indígenas e ciganos. A SEPPIR é resultado da histórica luta do Movimento Negro no Brasil, bem como do reconhecimento da enorme dívida social para com o povo negro. Tem por missão acompanhar e coordenar políticas de promoção da Igualdade Racial, executadas por diferentes ministérios e outros órgãos do governo brasileiro. Além de articular, formular, promover e acompanhar a execução de diversos programas de cooperação com organismos públicos e privados, nacionais e internacionais, e, ainda, acompanhar e promover o cumprimento de acordos e convenções internacionais assinados pelo Brasil que digam respeito à promoção da Igualdade Racial e ao combate ao racismo. A Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial foi instituída no mesmo ano, tratando de ações viáveis em longo, médio e curto prazos, primando pela defesa dos direitos, pela afirmação do caráter pluriétnico da sociedade brasileira, pela preservação e proteção das terras de comunidades remanescentes de quilombos, pelo cumprimento da criminalização do racismo, mediante ações afirmativas e transversalidade entre a questão racial e outros fatores de vulnerabilidade. A falta de conhecimento mais amplo da sociedade a respeito das atividades da SEPPIR talvez se explique por ser a promoção da Igualdade Racial um tema relativamente recente na agenda do Estado brasileiro; por não existir, em nenhuma outra parte do mundo, órgão governamental congênere; pela famigerada inaptidão dos veículos brasileiros de comunicação no trato com as questões raciais, o que reforça no imaginário popular o mito da democracia racial brasileira; e por não ser a SEPPIR a executora final das ações e políticas que formula e articula. FGR: O sistema brasileiro, em geral, ainda encontra dificuldades na inserção da política de reparação da História e Cultura Africana e Afro-Brasileira na Educação, por intermédio da Lei Federal nº , sancionada em 2003, pois longo é o caminho da valorização cultural dessa matriz. Quais são os programas e em que áreas a SEPPIR atua? Qual é o direcionamento e como são disponibilizadas essas ações para a sociedade? SEPPIR: O desafio da SEPPIR é fazer com que todos os agentes sociais incorporem a Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial, seja por meio da ação direta, direcionando os programas do Governo Federal ou estimulando os estados e municípios, empresas e organizações não-governamentais, por meio de incentivos, convênios e parcerias, a adotarem programas de promoção da Igualdade Racial. A mesma situação se verifica em relação à adoção e cumprimento da Lei nº /03, que institui o ensino de História da África e História dos Negros no Brasil na grade curricular de todas as escolas brasileiras de nível fundamental e médio, sejam elas públicas ou privadas. A Lei nº /03 altera a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação). Como a implantação da Lei é de responsabilidade dos sistemas de ensino, a atuação da SEPPIR fica restrita à transversalidade, seja com o Ministério da Educação, seja com os governos estaduais e municipais. No entanto, há poucos organismos similares à SEPPIR no Brasil, em âmbito estadual ou municipal. Não existe marco legal ou jurídico que envolva os órgãos públicos em FGR EM REVISTA 15

16 geral para tratar de políticas públicas voltadas para a redução das desigualdades raciais. Para alterar esse quadro é necessário que os gestores locais assumam a responsabilidade institucional na implementação das políticas de promoção de Igualdade Racial. Nesse sentido, fortalecendo o diálogo com estados e municípios, a SEPPIR constituiu o FIPIR (Fórum Intergovernamental de Promoção da Igualdade Racial), que promove uma ação continuada entre as três esferas de governo (federal, estaduais e municipais) com a finalidade de articular, capacitar, planejar, executar e monitorar ações de promoção da Igualdade Racial. Conseguimos avanços e o governo de alguns estados, como o Rio de Janeiro, por exemplo, já estão se preparando para adotar integralmente a medida. Compreendemos, ainda, que a demora na adoção da Lei nº /03 se deve ao pequeno quantitativo de educadores capacitados para o ensino das disciplinas em questão. Neste sentido, a SEPPIR - em parceria com a Petrobras, o Centro Brasileiro de Identidade e Documentação do Artista Negro, a TV Globo e a Fundação Roberto Marinho - formulou e estuda a ampliação do Projeto A Cor da Cultura, que prevê a criação de conteúdos audiovisuais e impressos sobre a cultura afro-brasileira. Esse material está sendo disseminado por meio da TV e também em duas mil escolas públicas de ensino fundamental de vários estados do País. Para isso, os professores estão sendo capacitados para utilizá-lo em sala de aula, sendo acompanhados nessa implementação. Além disso, os conteúdos serão disponibilizados em uma página na Internet, que aprofundará os temas tratados por meio de artigos e biografias. FGR: Ainda na questão da Educação, em março de 2008 foram alteradas a Lei nº 9.394, de Diretrizes e Bases, e a Lei nº , Introdução 16 FGR EM REVISTA da História e Cultura Africana, Afro- Brasileira, para a Lei nº , Introdução da História e Cultura Africana, Afro-Brasileira e Indígena. A SEPPIR tem condições de se adequar à temática indígena no exercício do presente ano? SEPPIR: A comunidade indígena é integrante do Conselho da SEPPIR. Quanto à nova Lei, foi realizada uma reunião com os professores indígenas durante a I Conferência Nacional de Educação Básica, promovida pelo MEC, no último mês de abril, em Brasília. Na ocasião, foi deliberado que o Comitê Nacional de Educação Escolar Indígena, vinculado ao MEC, irá debater a questão para obter uma posição sobre a melhor conduta a ser adotada quanto à temática. Cabe destacar que a educação escolar indígena tem uma longa trajetória de construção, bastante diferenciada dos demais sistemas de ensino. Resta agora à SEPPIR aguardar as diretrizes do Conselho Nacional de Educação, órgão do MEC que determina as diretrizes para a educação nacional e as decisões do próprio Comitê. FGR: Sobre o Patrimônio, o IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) sancionou o Decreto n 3.551, de 4 de agosto de 2000: No registro de bens culturais de natureza imaterial e preservação do patrimônio, focados no ser humano de forma inclusiva e democrática ; e a UNESCO adotou a Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Intangível em No caso da SEPPIR, qual é o posicionamento em relação a esse tema? A instituição possui departamentos específicos na temática da Oralidade e/ou Imaterialidade? Quais são os projetos? Ressalte os que têm cunho afrodescendente. SEPPIR: A SEPPIR atua, também, nos processos de identificação e preservação dos bens culturais de nossa educação e cultura população, colaborando com a Fundação Palmares, o IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e outros órgãos. Um exemplo recente foi a titulação do samba carioca como patrimônio. Em março de 2008, em seminário no Rio de Janeiro que celebrou um ano dessa titulação, começamos a discutir o programa de salvaguarda com ações voltadas para registro, recuperação e preservação dessas manifestações. FGR: Na promoção de Políticas Públicas, a SEPPIR produz materiais didático-pedagógicos e culturais de educação patrimonial nas áreas de Patrimônio Material e Imaterial Afro? SEPPIR: A SEPPIR tem função de articular as políticas públicas voltadas para os segmentos populacionais que ainda vivem sob situação de desigualdade. Dessa forma, muito de nosso esforço concentra-se em estimular entes federativos - órgãos do Governo Federal, prefeituras, governos estaduais e suas autarquias - a executar ações e a adotar políticas. Inúmeras publicações com este enfoque foram apoiadas pela SEPPIR. FGR: Explique qual procedimento as Entidades (privadas) que investigam o Patrimônio Material e Imaterial devem seguir para estreitar laços e melhorar a articulação com a SEPPIR? SEPPIR: A SEPPIR está sempre aberta e muitíssimo interessada em estreitar laços com a sociedade civil que já manifesta suas preocupações com o patrimônio imaterial. Este tipo de parceria geralmente produz benefícios significativos. Em nossa página na Internet está publicado o Manual de Convênios que pode ser um caminho. Kelly Cardozo - Especialista em Cultura Africana e Afro-brasileira e graduada em História. Gestora e Historiadora do Programa de Valorização da Cultura Negra da Fundação Guimarães Rosa - FGR - Site:

17 educação e cultura A cultura negra e afro-brasileira preservada em Bom Despacho Não tenho a letra, só tenho a palavra! Dona Fiota Na Tabatinga, comunidade de afrodescendentes e bairro pobre de Bom Despacho (MG), ninguém conhece Dona Fiota pelo seu nome de batismo. Pode ser Fiota ou Fiotinha, mas, raramente, Maria Joaquina da Silva, a velha senhora de quase 80 anos que domina a Língua da Tabatinga: gíria de origem banto e espécie de código secreto para conversação e troca de informações entre os moradores da localidade. Pois há pouco tempo, a Dona Fiota resolveu que era hora de mostrar e ensinar a Língua da Tabatinga para os mais jovens, preservando, assim, a memória dos negros e a cultura oral de sua gente. Dessa forma, surgiu o Projeto Dona Fiota, como parte de um projeto maior - Afro-Brasileiro: (Re) Criando Nossas Raízes - desenvolvido em Bom Despacho pela Fundação Guimarães Rosa. Um exemplo de como as instituições, sejam elas públicas ou privadas, podem contribuir para a recuperação, preservação e disseminação dos bens culturais de natureza imaterial do patrimônio brasileiro nas escolas e nos demais municípios mineiros. Desde 2006, a Historiadora e Especialista em Estudos Africanos e Afro-Brasileiros, Kelly Cardozo, e a Assistente de Pesquisa, Rosângela Melo Gontijo, se dedicam ao trabalho de coleta de documentos, informações e depoimentos para a elaboração de 12 cartilhas didático-pedagógicas Contando Saberes: Histórias da Dona Fiota, que enfatizam temas como história da África, vocabulário e cultura, além dos conceitos de família, pluralidade, ancestralidade, preconceito racial e outros. Esta é uma coleção única e pioneira em que a própria Dona Fiota e uma turminha de alunos da Escola Estadual Matinho Fidelis (Bom Despacho) contam, de maneira lúdica e prazerosa, muitas histórias sobre a vinda dos negros escravos ao Brasil e como influenciaram nas tradições, costumes e valores do povo brasileiro. E mais, como a Língua da Tabatinga chegou a Bom Despacho, como foi ensinada a Dona Fiota e repassada para os moradores da comunidade, lembrando sempre que a oralidade tem papel relevante na manutenção dos valores histórico-culturais do negro no Brasil. Dessas 12 cartilhas, sete já foram distribuídas para as crianças do Ensino Fundamental. FGR EM REVISTA 17

18 homenagem João; um encantado... Petrônio Souza Gonçalves Nasceu: rosa no sertão infindo, João Guimarães Rosa, filho de Seu Fulô - Florduardo Pinto Rosa, e de Dona Chiquitinha - Francisca Guimarães Rosa, a 27 de junho de Era no signo da vida um enluado, via-se bem no rosto e no olhar. Herdou no coração um burgo inteiro, uma cidade povoada pelas histórias mineiras que não poderia ter outro nome, senão Cordisburgo. Batizado foi de forma singular, numa pia batismal talhada em milenar pedra calcária - uma estalagmite arrancada da Gruta de Maquiné. Assim, como no batismo glorificamos a nossa alma a Deus, o Encantado glorificou sua alma às coisas da sua terra, entranhadas no fundo do coração do povo, enterradas em mistérios e transcendências, os fundos e abismos da alma, os mistérios das grutas escuras do pensamento e sentimento humanos. Era o primeiro dos seis filhos de Dona Chiquitinha. O pai era caçador de onça e contador de história. O filho, caçou a vida inteira as histórias das onças que não foram caçadas, das onças que viviam e rugiam dentro dele, para todo sempre. Na vendinha que o pai tinha à casa geminada, o menino Joãzito, atento, no embornal da memória, colecionava histórias dos que por ali passavam. Gente sertaneja, vaqueiros que conduziam boiadas a Cordisburgo, para embarque nos trens da Central do Brasil com destino a Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo. O pai, com o filho ralhava: Conversa de adulto não é para menino! Mas Joãzito sabia muito bem 18 FGR EM REVISTA do tesouro mágico que aos seus olhos e ouvidos ali se desfraldava. Um dia, declarou: O que eu gostava mesmo era fechar-me num quarto e trancar a porta. Deitar no chão e imaginar estórias, poemas, romances, botando todo mundo conhecido como personagem, misturando as melhores coisas vistas e ouvidas. Quando se fechava em seu quarto, Joãzito libertava o pensamento e, montado no cavalo alado da imaginação, desvendava o sertão que só conhecia pelas histórias ouvidas na vendinha do pai. O menino Joãzito já gostava de ler, e, sentadinho no chão frio - à Buda, se curvava diante do universo lúdico das palavras. Assim ficava horas a fio. Certo dia, recebendo a vista do Dr. José Loureço, amigo da família, foi analisado pelo médico que estranhou o jeito do meninozinho ler, de forma tão curvada, com os olhos semicerrados. Era miopia - vista curta - que o tornava cego para as coisas desprovidas de translucidez, de algo além do mundo táctil normal. Via mais com os olhos do coração. Aprendeu a sentir o mundo que o cercava. Só aos nove anos de idade, em Belo Horizonte, passou a usar óculos. Já aos sete anos, Joãzito começou sozinho, ou melhor, com os seus, a estudar francês. Com o Frei Canísio Zoetmulder, frade franciscano holandês, iniciou-se no holandês e deu prosseguimento aos estudos de francês, que iniciara antes. Aos nove anos incompletos, foi morar com os avós na capital das Gerais, onde terminou o curso primário no Grupo Escolar Afonso Pena. Na terra natal, foi aluno da Escola Mestre Candinho. Estudou ainda o curso secundário no Colégio Santo Antônio, em São João del Rei, por pouco tempo, retornando a Belo Horizonte e matriculando-se no Colégio Arnaldo, onde aprendeu alemão com os padres alemães. Algum tempo depois, definiu: Falo português, alemão, francês, inglês, espanhol, italiano, esperanto, um pouco de russo; leio sueco, holandês, latim e grego (mas com o dicionário agarrado); entendo alguns dialetos alemães; estudei a gramática: do húngaro, do árabe, do sânscrito, do lituânio, do polonês, do tupi, do hebraico, do japonês, do tcheco, do finlandês, do dinamarquês; bisbilhotei um pouco a respeito de outras. Mas tudo mal. E acho que estudar o espírito e o mecanismo de outras línguas ajuda muito à compreensão mais profunda do idioma nacional. Principalmente, porém, estudandose por divertimento, gosto e distração. Muito mais que todas as línguas, aprendeu a falar ao coração da humanidade, a ler e a desvendar os corações e mistérios dos homens. Em 1925, matricula-se na Faculdade de Medicina da Universidade de Minas Gerais, aos 16 anos. Em 1929, ainda estudante de medicina, João Guimarães Rosa estreou no

19 homenagem mundo surdo das palavras. Escreveu quatro contos: Caçador de Camurças, Chronos Kai Anagke (título grego, significando tempo e destino), O mistério de Highmore Hall e Makiné, para um concurso promovido pela revista O Cruzeiro. Visava mais os prêmios (cem mil réis o conto) do que propriamente a experiência literária. Todos os contos foram premiados e publicados com ilustrações em 1929 e Anos depois, Guimarães Rosa confessaria que nessa época escrevia friamente, sem paixão, preso a moldes alheios - era como se garimpasse em errada lavra. Seguindo o veio da sua vocação natural, em Tutaméia revelou o que com ele se passou: Tudo se finge, primeiro; germina autêntico é depois. Nele não apenas germinou, cresceu, floresceu, deu frutos e sementes que são plantadas diariamente nos solos férteis da vida humana. Em 27 de junho de 1930, ao completar 22 anos, casou-se com Lígia Cabral Penna, de apenas 16 anos. O casal teve duas filhas: Vilma e Agnes. No mesmo ano, formou-se em Medicina pela U.M.G. e, pela aclamação dos 35 colegas, torna-se orador oficial da turma. Seu discurso foi publicado no jornal Minas Gerais de 22 e 23 de dezembro de Nele, o Encantado já perfilava o seu conhecimento lingüístico e a cultura literária clássica. Na parte final do discurso, referese à Oração do illuminado Moysés Maimonides : Depois de formado, Guimarães Rosa foi exercer a profissão em Itaguara, então município de Itaúna (MG), onde permaneceria por cerca de dois anos. Lá, o doutor facultado, como na oração, vai conviver com a gente simples do lugar. Tornou-se amigo de Manoel Rodrigues de Carvalho, o Seu Nequinha, que morava num grotão enfurnado entre morros, conhecido por Sarandi. Seu Nequinha era adepto do espiritismo e parece ter inspirado a figura do Compadre Quelemém, personagem de Grande Sertão: Veredas. Ainda em Itaguara, nasceria sua primeira filha, Vilma, que, na ausência do farmacêutico oficial, fez ele mesmo o parto da primogênita. Quando saiu de Itaguara, Guimarães Rosa foi servir como médico voluntário da Força Pública, durante a Revolução Constitucionalista de 1932, indo parar no setor do Túnel. Posteriormente, entra para o quadro da Força Pública, por Senhor, enche a minha alma de amor pela arte e por todas as creaturas. Sustenta a força do meu coração, para que esteja sempre prompto a servir ao pobre e ao rico, ao amigo e ao inimigo, ao bondoso e ao malvado. E faça com que eu não veja sinão o humano, naquelle que soffre! FGR EM REVISTA 19

20 concurso. Em 1933, vai para Barbacena na qualidade de Oficial-Médico do 9º Batalhão de Infantaria. De Barbacena, Guimarães prestou concurso para o Itamarati, obtendo o segundo lugar. Nessa época, Rosa confidenciou ao seu colega, Dr. Pedro Moreira Barbosa, em carta datada de 20 de março de 1934, a sua desilusão com a medicina: Não nasci para isso, penso. Não é esta, digo como dizia Don Juan, sempre après avoir couché avec... Primeiramente, repugna-me qualquer trabalho material só posso agir satisfeito no terreno das teorias, dos textos, do raciocínio puro, dos subjetivismos. Sou um jogador de xadrez nunca pude, por exemplo, com o bilhar ou com o futebol. O Encantado queria mesmo era curar os homens por dentro, na sua alma, no seu coração. Por isso, com o título de doutor dos homens não foi apenas o médico-doutor, foi muito mais, foi o doutor-escritor que, com as mãos untadas de poesia, curou muitos dos males que fazem dos homens o ser humano normal. Ele buscava o lado encantado-humano, o lado que só cabe no sentimento e derrama nas palavras... Sendo assim, anos depois, abandonou a medicina para plantar no coração de muitos um canteiro inteiro de ervas e palavras, todas aguadas pela fonte da poesia, do etéreo, do lúdico, das coisas que estão muito além de nós. Guimarães Rosa concorreu em 1936 com um livro de versos intitulado Magma, ao prêmio de poesia da Academia Brasileira de Letras. Ganhou com louvor o primeiro lugar, encantando com seus versos o modernista Guilherme de Almeida. Anos depois, Rosa falaria sobre a sua inicial produção poética: 20 FGR EM REVISTA Meu começo, foram poesias (...) escrevi um volume nada pequeno de poesias que foram até elogiadas, e que me proporcionaram louvor. Mas aí, eu, quase diria felizmente, comecei a ser absorvido pela minha profissão: eu viajei pelo mundo, conheci muita coisa, aprendi línguas, acolhi tudo isso em mim, mas não pude mais escrever. Assim se passaram 10 anos até eu poder dedicar-me de novo à literatura. E quando eu revi, então, meus exercícios líricos, achei-os na verdade não ruins de todo, mas também não particularmente convincentes. Sobretudo, descobri que a poesia profissional que a gente tem de lançar mão nos poemas pode ser a morte da verdadeira poesia. Por isso eu me voltei para a lenda heróica, o conto fabuloso, a estória simples. Por que isso são coisas que a vida escreve, não a legalidade das chamadas regras poéticas. Então, eu me sentei e comecei a escrever Sagarana. Em 1937, Guimarães Rosa, com uma série de contos, os reuniu em um volume para concorrer, em dezembro do mesmo ano, ao prêmio Humberto de Campos, criado pela Livraria José Olympio Editora. A comissão julgadora desse concurso foi composta por Graciliano Ramos, Marques Rebelo, Prudente de Morais Neto, Dias da Costa e Peregrino Júnior. Com o pseudônimo de Viator - do latim: o passageiro, o viandante - o Encantado conquistou o segundo lugar no concurso, entre os 57 candidatos. Em 1938, Guimarães Rosa é nomeado Cônsul Adjunto em Hamburgo. Já na Europa, conhece aquela que seria sua segunda esposa, Aracy Moebius de Carvalho, a Dona Ara. Junto à esposa, facilitou a migração de judeus alemães para o Brasil no período da Alemanha nazista. Pela grandeza da alma, do coração em formato de rosa, João e homenagem Ara tornaram-se nome de um bosque em Jerusalém, em Talvez, de uma forma figurada, para lembrar que no meio de tantos escombros e opressões, o encantamento se encontra abaixo dos homens, escondido, mas viceja num campo em flor. Quando o governo Vargas rompeu com a Alemanha em 1942, Guimarães Rosa foi internado em Baden-Baden, juntamente com outros compatriotas. Os brasileiros ficaram detidos durante quatro meses e foram libertados em troca de diplomatas alemães. Retornando ao Brasil, depois de uma rápida passagem pela capital federal, Rosa segue para Bogotá, como Secretário da Embaixada, ficando lá até Em 45, de volta ao Brasil, retoma os originais dos contos com os quais concorrera ao prêmio Humberto de Campos e, após uma reflexiva revisão, publica em 1946, pela Editora Universal, Sagarana, esgotando-se no mesmo ano duas edições. A palavra sagarana, uma formação híbrida criada pelo próprio autor, é a fusão de saga, substantivo comum de proveniência germânica, aplicada genericamente a narrativas históricas ou lendárias, e rana, adjetivo tupi que significa parecido com, malfeito, tosco. Um dia, Rosa definiu os enigmas do livro como sendo uma série de histórias adultas da Carochinha. Guimarães Rosa é nomeado em 1946 Chefe de Gabinete do ministro João Neves da Fontoura e vai a Paris como membro da delegação à Conferência de Paz. Em novembro de 1947 publica no Correio da Manhã a reportagem poética com o Vaqueiro Mariano, resultado de uma viagem ao pantanal matogrossense que o deixou deslumbrado, a ponto de considerar a região um verdadeiro paraíso terrestre, um Éden. Como Secretário-Geral da delegação brasileira, Guimarães Rosa vai a Bogotá

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo CAPÍTULO I Artigo 1o. A construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo realizar-se-á entre fevereiro e junho

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

Um país melhor é possível

Um país melhor é possível Um país melhor é possível Um país melhor é urgente... 53 milhões de pobres vivem com renda familiar mensal de um salário mínimo; Desses, 20 milhões são indigentes ou vivem com renda de até ½ salário; Os

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Coordenação de Diversidade SECAD/MEC Professora Leonor Araujo A escola é apontada como um ambiente indiferente aos

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Atuando com responsabilidade para. colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos

Atuando com responsabilidade para. colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos Atuando com responsabilidade para colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos Compromisso com um futuro melhor. Com o nosso trabalho, somos parte da solução para uma agricultura mais sustentável.

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA

TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA Utilizando o Teatro como Ferramenta de Ensino e Transformação Social CONEXÃO SOCIAL REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOEMOCIONAL IASEA 2015 1. APRESENTAÇÃO TEATRO SOCIAL é

Leia mais

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

REF: As pautas das crianças e adolescentes nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

REF: As pautas das crianças e adolescentes nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Brasília, Dezembro de 2015 Exma. Sra. Dilma Rousseff Presidente da República Federativa do Brasil Palácio do Planalto Gabinete da Presidência Praça dos Três Poderes, Brasília - DF, 70150-900. REF: As pautas

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais:

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais: PROJETO DA SHELL BRASIL LTDA: INICIATIVA JOVEM Apresentação O IniciativaJovem é um programa de empreendedorismo que oferece suporte e estrutura para que jovens empreendedores de 18 a 30 anos desenvolvam

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Consulta Pública ESTRATÉGIAS

Consulta Pública ESTRATÉGIAS Plano Municipal de Educação PME Secretaria Municipal de Educação São Francisco do Sul Fórum Municipal de Educação Consulta Pública META 3: Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população

Leia mais

HUMANAS. Página na web: www.fea.ufjf.br CIÊNCIAS ECONÔMICAS. Apresentação:

HUMANAS. Página na web: www.fea.ufjf.br CIÊNCIAS ECONÔMICAS. Apresentação: HUMANAS ADMINISTRAÇÃO Os alunos de Administração da UFJF graduam-se na modalidade Bacharelado e podem escolher entre as opções de especialização: Administração de Empresas e Administração Pública. O curso

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Construindo a Sociedade que Queremos

Mostra de Projetos 2011. Construindo a Sociedade que Queremos Mostra de Projetos 2011 Construindo a Sociedade que Queremos Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE EDITAL N 20/2015 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo Convênio nº 05/2015, como parte integrante

Leia mais

Capacitação Gerencial PST

Capacitação Gerencial PST Capacitação Gerencial PST Secretaria Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social SNELIS Ministério do Esporte Direito Social É dever do estado fomentar práticas desportivas formais e não formais:

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Bases Fundamentais Convenção para a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais Consolida princípios

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

Política Nacional de Educação Ambiental

Política Nacional de Educação Ambiental Política Nacional de Educação Ambiental Diretoria de Educação Ambiental Secretaria Executiva Coordenação da PNEA Ministério do Meio Ambiente Órgão Gestor da PNEA Ministério da Educação Diretoria de Educação

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Apoio às políticas públicas já existentes;

Apoio às políticas públicas já existentes; Uma voz complementa a outra, um sorriso cativa o próximo e é nesse pensamento que o Instituto Mundo Melhor, organização sem fins lucrativos liderada pelo Grupo MM Mercadomóveis, trabalha com projetos sociais

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2008

PLANO DE TRABALHO 2008 PLANO DE TRABALHO 2008 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1.1. NOME DA ENTIDADE: Casa de Nazaré Centro de Apoio ao Menor 1.2. Endereço: Rua Coronel Timóteo nº 350 1.3. Bairro: Cristal 1.4. Região CORAS: 05 1.5.

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

SINAPIR: SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL

SINAPIR: SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL SINAPIR: SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL Instituição do SINAPIR Art. 47 da Lei 12.288/2010: Institui o SINAPIR como forma de organização e de articulação para implementação de políticas

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FIA 2011. Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FIA 2011. Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação da criança e do adolescente, os dados de seu município, os resultados da

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais