FAPREV- FACULDADE DE PRESIDENTE VENCESLAU. Projeto Pedagógico. Curso: Licenciatura em Pedagogia. Presidente Venceslau

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FAPREV- FACULDADE DE PRESIDENTE VENCESLAU. Projeto Pedagógico. Curso: Licenciatura em Pedagogia. Presidente Venceslau"

Transcrição

1 FAPREV- FACULDADE DE PRESIDENTE VENCESLAU Projeto Pedagógico Curso: Licenciatura em Pedagogia Presidente Venceslau 2013

2 2 I IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO I.1 LOCAL DE FUNCIONAMENTO ENDEREÇO: Rua Piracicaba, nº 47 Jardim Coroados Presidente Venceslau (SP) CEP FONE: (18) I.2 MANTENEDORA NOME: O INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO ENDEREÇO: Rua Três de Dezembro nº 38 Centro São Paulo (SP) CEP FONE: (11) O INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO é atualmente a instituição mantenedora da FAPREV - FACULDADE DE PRESIDENTE VENCESLAU, por força da Transferência de Mantença ocorrida em 24 de novembro de 2006, consoante Portaria Ministerial 953/2006. Foram transferidos da FAFIPREVE Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Presidente Venceslau, mantida pela AEPREVE, para a Sociedade Brasileira de Educação Renascentista, através da Portaria nº 840, de 14 de novembro de 2008, os seguintes cursos: Letras; Matemática; História; Geografia; Pedagogia; Atualmente a instituição mantenedora da FAPREV - Faculdade de Presidente Venceslau é o INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. Sem

3 3 fins lucrativos, de direito privado, constituída em fevereiro de 2005, na forma de sociedade civil (associação), com estatuto registrado no 10 O Oficial de Registro de Títulos e Documentos e Registro Civil de Pessoa Jurídica da Capital (SP), Processo de Inscrição de Pessoa Jurídica sob número / , no Livro de Atas em 15/02/2005 sob o nº Sua Diretoria está composta por um presidente, um vice-presidente, um secretário e um tesoureiro. À Diretoria compete à administração da entidade e a responsabilidade de zelar pela instituição mantida em todos os seus aspectos contábeis, financeiros e legais. I.3 - DIRIGENTE PRINCIPAL DA MANTENEDORA NOME: José Fernando Pinto da Costa ENDEREÇO: Rua Três de Dezembro, nº 38 - Centro São Paulo - Capital CEP TEL: (11) I.4 MANTIDA NOME: FAPREV - FACULDADE DE PRESIDENTE VENCESLAU ENDEREÇO: Rua Piracicaba nº 47 Jardim Coroados Presidente Venceslau (SP) CEP FONE: (18) Site: I.5 DIRIGENTE DA MANTIDA NOME: Maria Antonia Soares CARGO: Diretor Geral ENDEREÇO: Av. Ernani Murad, 265 Jardim Coroados

4 4 Presidente Venceslau - CEP FONE: (18) I.6 - CURSOS AUTORIZADOS Letras; Matemática; Pedagogia; História; Geografia Administração Educação Física Ciências Biológicas II INTRODUÇÃO Pedagogia (Licenciatura) II.1 - CARACTERIZAÇÃO DA REGIÃO DE INFLUÊNCIA II Cenário da região de Presidente Venceslau A fundação da cidade de Presidente Venceslau, em 28 de dezembro de 1921, deve-se ao aparecimento da antiga povoação de Coroados, juntamente com a chegada da Estrada de Ferro Sorocabana que, nesse mesmo ano, inaugurou sua estação dentro do território hoje pertencente ao município de Presidente Venceslau. Em 12 de dezembro de 1925, foi elevada a distrito do município de Presidente Prudente e, em 2 de setembro de 1926, elevada a município. A população total do município é de pessoas, sendo residentes na área urbana e na área rural. A densidade demográfica é de 50 hab/km2. A

5 5 extensão do município é de 755 km2 representando 0,3042% do Estado, 0,0817% da região e 0,0089% de todo o território nacional. O índice de desenvolvimento humano é de 0,818 segundo o Atlas de Desenvolvimento Humano/PNUD (2000). Todos esses dados foram extraídos do Censo Demográfico do IBGE O município está localizado em uma região com amplo sistema penitenciário, sendo 33 (trinta e três) ao todo. Entre elas está localizada a penitenciária de segurança máxima de Presidente Bernardes. Além do sistema penitenciário, o município possui vários outros órgãos públicos, tais como: a) Secretaria da Agricultura; b) Inspetoria Regional de Esportes; c) Núcleo do DER; d) Núcleo de Saúde; e) INSS; f) Receita Federal; g) Receita Estadual; h) IBGE; i) 02 (dois) presídios (penitenciária I e II); j) 42º Batalhão da Polícia Militar (Polícia Rodoviária, Polícia Ambiental, Corpo de Bombeiros e 1ª Cia. da Polícia Militar). II Dados Estatísticos Cenário da região da Alta Sorocabana do Estado de São Paulo a) A região apresenta uma população de habitantes, sendo que residem na área urbana e na área rural, com taxa de urbanização de 85% (SEADE, 2004); b) A taxa de mortalidade infantil encontra-se na faixa de 13,5% por mil nascimentos, número de leitos do SUS Sistema Único de Saúde, por mil habitantes é de 2,77 (SEADE, 2006);

6 6 c) Apresenta pessoas empregadas, sendo na indústria, no comércio e nos serviços (SEADE, 2004); d) A região apresenta 2% do índice de participação do ICMS do Estado de São Paulo, 1881 estabelecimentos industriais, concentrados na cidade de Presidente Prudente. É a segunda região mais pobre do Estado, após a Região do Vale do Ribeira (SEADE, 2004); e) A região possui grande potencial agropecuário, sendo considerada a nova fronteira agrícola do Estado de São Paulo. O setor agropecuário tem como maiores produtos o plantio do algodão em caroço, a cana de açúcar e a pecuária de corte. Os dados para 2005 para estas culturas são fornecidos abaixo (IEA, 2004): Produto Área-hectare Produção Algodão Cana de açúcar t Soja sc 60kg Bovinos cabeças f) A região concentra problemas fundiários há muitos anos, sendo que o programa de regularização fundiária lançado pelo Governo Estadual sinaliza a resolução desta questão para os próximos anos, o que deverá estimular o crescimento econômico, com ênfase para o agronegócio. II.2 - PROGRAMAS SOCIAIS DO INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO O Instituto Educacional do Estado de São Paulo ciente que as instituições de ensino são por excelência o veículo natural de disseminação da responsabilidade social, pois são as responsáveis pela formação do cidadão, visa proporcionar aos jovens carentes a possibilidade de ingresso no ensino superior, e ao longo dos seus seis anos de existência firmou e consolidou parcerias com órgãos governamentais e instituições para concessão de bolsas de estudo de até 100%. No entanto, acreditando que em Responsabilidade Social na área educacional, não pode existir doação e sim reciprocidade O Instituto Educacional do Estado

7 7 de São Paulo exige dos alunos contemplados bom desempenho acadêmico e contrapartida social através da prestação de serviços em creches, asilos, hospitais, associações de moradores, agrovilas, associação de produtores rurais, escolas municipais e estaduais e instituições beneficentes. Em pouco tempo de existência o Instituto Educacional do Estado de São Paulo já absorve valiosa experiência na administração de projetos de cunho social em que participa e, oferece a todos os seus alunos, alternativas de apoio estudantil. NOVO FIES O Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES) é um programa do Ministério da Educação destinado a financiar a graduação presencial na educação superior de estudantes matriculados em instituições não gratuitas. O FIES foi criado em 1999 e a partir deste ano passa a funcionar com importantes mudanças que facilitaram ainda mais a contratação do financiamento por parte dos estudantes. Podem solicitar o financiamento pelo FIES os estudantes regularmente matriculados em cursos de graduação presencial, não gratuitos que tenham obtido avaliação positiva no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) e que seja oferecido por instituição de ensino superior participante do Programa. O estudante somente poderá solicitar o financiamento para um único curso de graduação em que estiver regularmente matriculado. É vedada a inscrição no FIES a estudante: - cuja matrícula acadêmica esteja em situação de trancamento geral de disciplinas no momento da inscrição; - que já tenha sido beneficiado com financiamento do FIES; O financiamento é concedido aos estudantes matriculados em cursos presenciais com avaliação positiva nas avaliações do Ministério da Educação.

8 8 São considerados cursos com avaliação positiva os cursos de graduação que obtiverem conceito maior ou igual a 3 (três), no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído pela Lei nº , de 14 de abril de Para verificação dos critérios de qualidade do curso, serão considerados: - o Conceito de Curso (CC); - o Conceito Preliminar de Curso (CPC), na hipótese de inexistência do CC; - o conceito obtido pelo curso no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE), na hipótese de inexistência do CC e do CPC. Serão considerados os conceitos mais recentes publicados. Os cursos Sem Conceito (SC) e Não Avaliados (NA) no ENADE somente poderão ser financiados por meio do FIES se o Conceito Institucional (CI) da instituição de ensino superior for maior ou igual a 03 (três) ou, na hipótese de inexistência do CI, o Índice Geral de Cursos (IGC) da instituição for maior ou igual a 03 (três). A taxa de juros do FIES é de 3,4% ao ano para todos os cursos. A partir de agora, o FIES terá fluxo contínuo, ou seja, o estudante poderá solicitar o financiamento em qualquer período do ano, de acordo com a sua necessidade. As inscrições são feitas pelo Sistema Informatizado do FIES (SisFIES), disponível para acesso neste sítio. UNIVERSITÁRIO CIDADÃO Com o objetivo de inserir o jovem no ensino superior e consequentemente incentivar o voluntariado, o Universitário Cidadão é sem dúvida uma contundente política social implantada pela FUNDAÇÃO UNIESP em todas as suas Unidades localizadas na capital e interior do Estado de São Paulo. De extraordinária dimensão social, atende diretamente a classe social menos favorecida por meio da mais nobre ação social

9 9 que uma instituição pode conceber: a educação aliada à consciência de cidadania e dever cívico. Nesse projeto, as Faculdades Parceiras da UNIESP concedem até 50% de bolsas de estudo à alunos financeiramente menos favorecidos e, em contrapartida ao benefício recebido, exige dos bolsistas o compromisso com o desenvolvimento de atividades sóciocomunitárias voluntárias em instituições sociais como asilos, creches, hospitais e ONGs. Oferecendo a sua contribuição pessoal e profissional para a transformação de centros comunitários, o bolsista estará também exercendo a sua cidadania. O projeto foi desenvolvido pela UNIESP Solidária e implantado, inicialmente, na região Oeste do Estado de São Paulo, que compreende as micro-regiões Noroeste, Alta Paulista, Alta Sorocabana e Pontal do Paranapanema e abrange um grande número de pequenos municípios que formam uma população de aproximadamente um milhão de habitantes. Distante dos grandes centros comerciais e industriais e carentes em todos os aspectos sociais e econômicos, principalmente no referente às oportunidades de trabalho, a região sobrevive de uma atividade econômica inconstante, resultante de trabalhos irregulares e de atividades de geração de renda. Em 2005, o Projeto foi implantado também nas Unidades da Capital Paulista e posteriormente nas cidades próximas que sediam unidades da UNIESP: Araçatuba, Araraquara, Bauru, Birigui, Campinas, Diadema, Guararapes, Guarujá, Hortolândia, Jaú, Mirandópolis, Presidente Epitácio, Presidente Prudente, Presidente Venceslau, Ribeirão Preto, Rio Claro, Santo André, São Roque, Sorocaba, Taquaritinga e Vargem Grande Pau lista, regiões que apresentam carências de outras naturezas, mas igualmente significativas. Promovendo a inclusão desses jovens no ensino superior, o projeto contribui com a melhoria de sua competitividade no mercado de trabalho, viabiliza o acesso à melhores oportunidades de trabalho e, indiretamente, possibilita a melhoria da qualidade de vida das famílias e comunidades.

10 10 O aluno regularmente matriculado nas Faculdades Parceiras da UNIESP que não possui condições financeiras de pagar a mensalidade integral. Atualmente, cada Faculdade Parceira da UNIESP possui um número exato de bolsas a serem deferidas a cada início de semestre e que são divulgadas pelos Departamentos de Projetos Sociais das Faculdades. É necessário que o aluno procure o Departamento de Projetos Sociais da Faculdade Parceira UNIESP em que estuda, preencha uma ficha, apresente a documentação exigida, comprove a ausência de condições para pagamento das mensalidades e assuma o compromisso da contra partida sociocomunitária exigida pelo programa. Com base neste preceito, o aluno deve procurar instituições sociais, as mais próximas da sua residência e solicitar a sua inclusão, como voluntário do Programa Universitário Cidadão. Com a instituição escolhida, deve dirigir-se ao Departamento de Projetos Sociais e preencher o requerimento do Programa. A Faculdade Parceira da UNIESP entregará ao aluno um ofício, em duas vias, que deverá ser apresentado e protocolado na instituição escolhida. Uma das vias deve permanecer na instituição para efetivar a inclusão do bolsista como voluntário. A outra via, deve ser devolvida ao aluno beneficiário com carimbo e assinatura do representante da instituição, para ser entregue à Faculdade, para que possa ser analisada e confirmada a concessão ou a manutenção da bolsa. O benefício pode ser de até 50%, de acordo com a quantidade de horas de serviços sociocomunitários voluntários acordado com o aluno e da cota de bolsas disponíveis. As atribuições do Universitário Cidadão: - Elaborar o plano de atividades que será desenvolvido na instituição escolhida, conforme orientações recebidas; - Cumprir a carga horária exigida, em função do percentual da Bolsa de Estudos, durante a semana ou aos finais de semana;

11 11 - Elaborar relatórios mensais das atividades desenvolvidas, que deverão ser entregues à Coordenação de Projetos Sociais da Faculdade; - Apresentar-se com pontualidade e assiduidade à instituição escolhida; - Garantir a qualidade de seu rendimento escolar no curso de graduação; - Elaborar relatórios semanais com as atividades desenvolvidas e que devem ser entregues até o dia 15 de cada mês no setor de Projetos Sociais da Faculdade. - Pagar o percentual restante da mensalidade conforme portaria da faculdade e instruções do boleto, até o 5º dia útil de cada mês. O aluno contemplado pode perder a bolsa se: - Fraudar ou prestar informações falsas junto aos Projetos Sociais da Faculdade; Ficar em desistir do curso superior; dependência em alguma disciplina por rendimento escolar ou freqüência; - Exceder o limite de três faltas por semestre nas atividades do programa Universitário Cidadão; - Atrasar o pagamento do percentual restante da mensalidade. Em caso de dificuldade para o pagamento, verificar possibilidade de financiamento pelo FIES, pois se não conseguir pagar a mensalidade, - além de perder o percentual de bolsa, deverá efetuar o pagamento com multa e mora de acordo com o especificado no boleto; - Cometer irregularidade de comportamento junto a professores, funcionários e outros alunos. O aluno pode se inscrever novamente no programa somente se tiver perdido o percentual de bolsa de estudos por inadimplência. Ainda assim, terá de aguardar seis meses para efetuar a inscrição novamente. O Programa é válido para todos os cursos desde que: O aluno cumpra com suas atribuições; A instituição continue necessitando do aluno como Universitário Cidadão; O aluno solicite no início de cada semestre a renovação do percentual de Bolsa; O índice de inadimplência não interfira no equilíbrio financeiro da Faculdade.

12 12 A prestação de serviços nas escolas municipais é inserida por meio do Programa Bolsa Escola Municipal para o Ensino Superior, mediante convênio firmado entre as Faculdades Parceiras da UNIESP e a Prefeitura. Nas escolas estaduais, as vagas são destinadas ao projeto Bolsa Alfabetização. Não é permitida a prestação de serviço em instituições particulares. O aluno contemplado com bolsa de estudo pelo Programa Universitário Cidadão precisa pagar o adiantamento para garantir a bolsa de estudo no semestre seguinte. Em relação aos meses de janeiro e junho, poderá optar por fazer ou não o trabalho voluntário na instituição. Se o fizer, mantém o percentual de bolsa no mês, caso não faça, deve arcar com o pagamento integral da mensalidade correspondente ao mês. CAMPANHA DO AMIGO NOVO FIES Em decorrência da responsabilidade social assumida pelas Faculdades Parceiras da UNIESP, promovendo a inclusão de cidadãos de todas as classes sociais ao ensino superior de qualidade e incentivando a participação do nosso alunado nos Programas de Bolsas de Estudos promovidos pelo Governo Federal, em especial ao Programa de Política Pública de Inclusão de jovens carentes o NOVO FIES - para que possa também concluir o curso escolhido sem dificuldades financeiras e tendo em vista que novas ações podem ser implantadas na IES como incentivo à inclusão no NOVO FIES da maior quantidade possível de alunos, foi implantada pela presidência da UNIESP Solidária a CAMPANHA DO AMIGO NOVO FIES. Para que o aluno seja beneficiado por meio da Campanha do Amigo NOVO FIES basta indicar amigos, parentes, vizinhos e outros para que estude em uma das Faculdades Parceiras UNIESP com contrato aprovado no NOVO FIES. O aluno das Faculdades Parceiras da UNIESP recebe, para cada aluno apresentado, 50% (cinquenta por cento) do valor da 2ª. (segunda) mensalidade do contrato FIES recebido do Governo Federal, contrato esse em que deverá constar os valores das mensalidades da seguinte forma: semestralidade é dividida por 6 (seis) no valor da Tabela Opção II coluna 1: valor sem

13 13 desconto e coluna 6 (do dia 20 de cada mês): valor com desconto em até 90 dias após a assinatura do contrato aprovado no FIES. É necessário que o amigo com contrato aprovado no NOVO FIES, no ato de sua matrícula, cite, no espaço indicado, o nome completo do aluno/amigo das Faculdades Parceiras UNIESP. O aluno receberá o prêmio citado em até 90 dias da data do contrato aprovado no NOVO FIES do amigo que já estiver matriculado nos cursos superiores habilitados das Faculdades Parceiras da UNIESP. É necessário que ambos se dirijam à secretaria no ato da matrícula do amigo. O aluno das Faculdades Parceiras da UNIESP pode indicar quantos alunos quiser, pois, a cada amigo apresentado que tiver contrato aprovado no NOVO FIES e estiver matriculado ele receberá o prêmio citado. II.3 IDENTIDADE INSTITUCIONAL A Faculdade de Presidente Venceslau (FAPREV) está associada a um grupo de Instituições de Ensino Superior com controle societário da UNIESP. O Grupo Educacional UNIESP (União Nacional das Instituições de Ensino Superior Privadas) é uma holding que começou as suas atividades em 1997, com o lançamento da pedra fundamental da primeira Instituição do Grupo, em Presidente Epitácio, interior de São Paulo. Seguindo um princípio norteador do Grupo UNIESP, há na organização e gestão de cada uma das unidades pertencentes ao grupo, espalhadas em vários Estados e Municípios do país, especialmente no que se refere ao funcionamento e representatividade, plena independência e autonomia na relação com a entidade mantenedora controlada pela UNIESP, considerando a convicção do Grupo de que a gestão de excelência é garantida com maior eficácia, quando os processos decisórios são descentralizados. O que é comum entre todas as unidades pertencentes aos grupo é a prática da inclusão, por isso o Grupo Educacional, consciente que a educação

14 14 gera qualificação para o mercado de trabalho e, consequentemente, melhora a qualidade de vida da população, criou em 1999 a UNIESP Solidária, instituição filantrópica, de cunho social e educacional. Desde a sua fundação, a UNIESP Solidária tem proporcionado à população, por meio das instituições parceiras, ações sociais como um instrumento de apoio às iniciativas de promoção do desenvolvimento social econômico. Em todas as regiões onde atuam as Instituições do Grupo UNIESP nota-se resultados positivos decorrentes da implantação desses projetos. Dessa forma, o Grupo Educacional UNIESP contribui para a diminuição da violência e promove a integração da comunidade na participação dos eventos culturais e lazer. Os processos educacionais de todas as Instituições que integram o grupo UNIESP são norteados pelo seu marco conceitual, especialmente pela missão e pelos princípios filosóficos, que inspiram a missão específica de cada Instituição, de um lado, evidenciando a identidade com o grupo, do outro. II. 4. MISSÃO INSTITUCIONAL Alcançar a oferta e a prática de uma educação solidária, permitindo a educação para todos e a inserção social, por meio da qualidade do ensino, da atuação voltada para o desenvolvimento sustentável, na prática de mensalidades compatíveis com a realidade socioeconômica da região e de incentivo e apoio estudantil, por meio das parcerias e de projetos sociais voltados ao atendimento das necessidades da comunidade. II. 5. PRINCÍPIOS FILOSÓFICOS Qualidade em todas as atividades do fazer institucional. Atualização para assegurar a conexão com o mercado de trabalho. Globalização como princípio de integração econômica, cultural, social e política a ser respeitado na formação de recursos humanos.

15 15 Cidadania como valor a ser agregado nos processos educacionais de formação. Participação no sentido da atuação proativa da comunidade acadêmica. Transparência na difusão das ações institucionais. Pertinência dos objetivos de formação em relação às demandas da sociedade. Pesquisa e extensão como princípios pedagógicos. Regionalidade para contemplar a diversidade social, econômica e cultural dos locais onde as IES se inserem. Igualdade como princípio máximo de convivência na comunidade. Humanismo para uma formação que contemple o desenvolvimento pessoal e profissional dos educandos. II. 6. VOCAÇÃO GLOBAL DA IES A FAPREV Faculdade de Presidente Venceslau acredita no princípio democrático e, particularmente, no ensino superior como locus de realização da cidadania, e que o ensino não pode estar dissociado da responsabilidade social, do comprometimento, da pesquisa e da extensão. Consciente de que o conhecimento é o capital principal, recurso motor da economia, tem como certo, por fim, participar do processo civilizatório que transita pelo país, razão pela qual haverá de participar continuamente visando formar profissionais competentes que possam atuar como agentes de mudança, participando assim, do esforço para repensar o Brasil, enquanto nação, mercado e formação social. III. OBJETIVOS

16 16 I- Estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo; II- Formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimento aptos para a inserção em seus respectivos setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira, e colaborar na sua formação contínua; III- Incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, a criação e difusão da cultura e, desse modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive; IV- Promover a divulgação de conhecimento culturais, científicos e técnicos que constituem patrimônio da Humanidade e comunicar o saber através do ensino, de publicações e de outras formas de comunicação; V- Despertar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultural e profissional e possibilitar a correspondente concretização. VI- Estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade; VII- Promover a extensão, aberta à participação da população, com o propósito de difundir as conquistas e benefícios resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica geradas na Instituição; VIII- Aprimorar-se através de um processo contínuo de avaliação institucional, com a participação de professores, alunos, egressos e comunidade envolvida nos projetos de ensino, pesquisa e extensão. Com estes objetivos pretende, ainda que a instituição se concretize, na área das licenciaturas, como um Centro de Excelência na formação de professores.

17 17 IV DO PROJETO PEGAGÓGICO CONCEPÇÃO, FINALIDADES E OBJETIVOS IV.1. CONCEPÇÃO PEDAGÓGICA 4.1 Identificação PEDAGOGIA É a aplicação de princípios e métodos no ensino, na administração de escolas e na condução dos assuntos educacionais. O currículo básico inclui disciplinas como filosofia sociologia e história da educação. Para se especializar em administração, inspeção ou supervisão escolar, o aluno estuda a estrutura e o funcionamento do sistema de ensino. Para orientação educacional há aulas de psicologia e metodologia. Seja qual for a especialização escolhida, o estudante tem de cursar as matérias de formação de professores. O que faz o pedagogo? O pedagogo preocupa-se em garantir e melhorar a qualidade da educação. Ele pode se especializar em dois grandes campos de atuação: o magistério e a administração, onde gerencia e supervisiona o sistema de ensino e orienta educacionalmente os alunos. O pedagogo trabalha em escolas ou em órgãos do governo, estabelecendo e fiscalizando a legislação de ensino em todo o país. Em escolas, orienta e dirige os professores, assegurando o cumprimento dos currículos para manter a qualidade do ensino. Acompanha e avalia o processo de aprendizagem e as aptidões de cada aluno, individualmente. Cresce a procura por esse profissional para treinamento de funcionários de grandes empresas e organização de sites de educação a distância. 4.2 Concepção do Curso

18 18 No curso de pedagogia haverá a preocupação de se formar o profissional de tal forma que, exerça a função, de professor. Para isto, o curso está organizado de forma que a prática de ensino perpassa toda a formação docente, tendo como referência básica o conhecimento e análise sobre as políticas públicas de educação em seus diferentes níveis, diretrizes e parâmetros. Nesta formação, a educação é objetivo de estudo e investigação e a escola a instituição no qual as relações político-pedagócicas definem o processo ensinoaprendizagem. Fundamentam-se na integração da investigação e compreensão do fenômeno educativo em todas as interfaces, na instituição escolar e fora dela, pressupondo a vivência de um currículo que integre a teoria e a prática educativa através de mecanismos de colaboração com os sistemas de ensino, de modo a assegurar aos alunos/docentes a oportunidade de contato regular supervisionado mediante a sua inserção nos projetos pedagógicos desenvolvidos pelas referidas instituições. A estrutura curricular constitui-se de disciplinas que contemplam fundamentos filosófico-históricos, sociológicos, pedagógicos e psicológicos que auxiliam na compreensão dos fenômenos educacionais e especificidade do trabalho docente na dinâmica da relação pedagógica e na formação profissional especifica nas diferentes áreas de conhecimento que envolve cada habilitação. O currículo apresenta uma flexibilidade, que permite a inovação e construção cotidiana da identidade do Curso, possibilitando a ênfase a ser dada quando considerada a sua inserção regional. As disciplinas optativas constituem uma forma de operacionalização da flexibilidade curricular. A base comum de estudos constitui-se de um conjunto de disciplina que possibilite uma compreensão acerca das questões que envolvem direta ou indiretamente a função do pedagogo, bem como sua instrumentalização para o fazer pedagógico, considerando o processo de inovação tecnológica e os valores culturais da sociedade. A questão a pesquisa é enfatizada durante toda a grade curricular, na qual os professores constroem projetos junto com seus alunos e os aplicam nas

19 19 escolas de ensino fundamental, concretizando a relação ensino, pesquisa e a relação da faculdade com a comunidade, proporcionando ao aluno aproximação com a realidade na qual irá atuar. A proposta vigente no Projeto Pedagógico privilegia, assim, uma adequação entre o universo acadêmico e o universo profissional, ou seja, uma relação de proximidade entre o ensino e a pesquisa, a fim de atender as exigências profissionais do mundo atual. No cruzamento entre ensino e pesquisa estão garantidas as condições de atuação do futuro profissional, tendo em vista a função social da escola e o papel do professor como elemento dinamizador do processo educativo. Garantir uma formação multidisciplinar, comprometendo o aluno à compreensão e busca de soluções para o exercício mais adequado da profissão constitui a contribuição do curso a principal missão da instituição, que consiste na formação de profissional capacitado para atender as exigências do mercado de trabalho, apto ao auto-desenvolvimento e consciente da importância de seu papel enquanto agente transformador da realidade, no exercício da função social de educador Missão do curso Formar profissional capacitado para atender às exigências do mercado de trabalho, apto ao auto-desenvolvimento e consciente da importância de seu papel enquanto agente transformador da realidade, no exercício da função social de educador Objetivo Geral Formar o educador nos aspectos técnico científico, pedagógico e político que o permita, num processo de ação-reflexão, interferir eficientemente na concepção, execução e avaliação do processo ensino-aprendizagem, atuando na docência da Educação Infantil e do Ensino Fundamental.

20 Objetivos específicos Desenvolver conhecimentos teóricos e específicos à área de formação do pedagogo, bem como instrumentalizá-lo para o fazer pedagógico; Proporcionar ao aluno, aproximação com a realidade na qual irá atuar, oportunizando integração entre a teoria e a prática educativa; Identificar a função social da escola e o papel do professor como elemento dinamizador do processo educativo; Desenvolver projetos no campo da educação, visando à integração do ensino, da pesquisa e da extensão; Garantir uma formação multidisciplinar, comprometendo o aluno à compreensão e busca de soluções para o exercício mais adequado da profissão; No curso de Pedagogia haverá a preocupação de se formar o Pedagogo de tal forma, que o mesmo consiga desenvolver satisfatoriamente a sua função de docente. 4.3 Justificativa Social do Curso A formação do Pedagogo não se restringe às necessidades imediatas do mercado de trabalho, embora não possa desconsiderá-las. A preocupação básica inclui e supera a qualificação técnica, e afirma como núcleo central à apropriação/construção de um referencial teórico-prático vigoroso, cientificamente consistente, que possibilite ao futuro profissional atuar com competência na docência em quaisquer dos setores que pretenda atuar. O Pedagogo, como profissional cuja identidade está vinculada ao ensino e à gestão de sistemas, unidades e projetos educativos, tem seu espaço de atuação diversificado, podendo trabalhar em instituições escolares e nãoescolares, públicas, privadas ou comunitárias.

21 21 O pedagogo deve preocupar-se em garantir e melhorar a qualidade da educação. Ele pode se especializar em dois grandes campos de atuação: o magistério e a administração, onde gerencia e supervisiona o sistema de ensino e orienta educacionalmente os alunos. O pedagogo trabalha em escolas ou em órgãos do governo, estabelecendo e fiscalizando a legislação de ensino em todo o país. Em escolas, orienta e dirige os professores, assegurando o cumprimento dos currículos para manter a qualidade do ensino. Acompanha e avalia o processo de aprendizagem e as aptidões de cada aluno, individualmente. A partir da necessidade de um ensino superior de qualidade compatível às condições econômicas da região, da falta de perspectivas de nossos jovens evoluírem como pessoas e da carência de oportunidades apresentadas a estes, a proposta é direcionar esforços para garantir uma formação de qualidade à esta parcela da população, pensando a partir de um novo plano de desenvolvimento sócio-pedagógico, ou seja, uma Educação Superior que abranja esse público. Partindo da visão de que a cultura é o que iguala as oportunidades das pessoas, e tendo esta como uma de suas fontes a educação, proporcionar uma educação de qualidade à população representa emancipar (igualar) os indivíduos mais carentes na sociedade. Um ensino de qualidade pode estar ao alcance de todos, bem como combater a elevada desigualdade cultural contribuindo com o crescimento individual das pessoas, uma vez que entendemos que a exclusão dos pertencentes das classes sociais mais baixas da sociedade será superada quando a cultura for oferecida de igual modo a todos. Por estas razões a UNIESP, se sente no dever de: contribuir para a promoção do desenvolvimento social local e regional, abrindo oportunidades para que os jovens dêem seqüência a seus estudos na área profissional, visando o progresso cultural e social de Presidente Venceslau e região, possibilitando principalmente à parcela carente da comunidade, os que sejam

22 22 reconhecidamente necessitados, a concessão de bolsas de estudos ou de outras formas assistenciais, aprovados por sua administração. 4.4 Perfil do Egresso O curso de Pedagogia da Faculdade de Presidente Venceslau FAPREV - investirá na formação de um profissional com capacidade de reflexão critica e com disposição para suscitar redirecionamento na realidade educacional brasileira. Para isso, terá que proporcionar uma sólida formação geral, que permeia a prática de ensino, bem com promover o desenvolvimento das habilidades necessárias à condução, com qualidade, do processo pedagógico na escola, favorece a reorganização do trabalho escolar que vem sendo efetuado. Como o pedagogo deverá ter competência fundada em conhecimento inovador, sua atualização permanente faz-se necessária, exigindo deste profissional capacidade constante de pesquisa e estudo. O principal objetivo do trabalho escolar será a formação do profissional político, capaz de responder aos problemas postos pela prática social que se desenvolve na sociedade contemporânea, em gera, na sociedade brasileira, em particular. O curso de Pedagogia da Faculdade de Presidente Venceslau FAPREV - investirá na formação de um profissional com capacidade de reflexão crítica e com disposição para suscitar redirecionamento na realidade educacional brasileira. Para isso, terá que proporcionar uma sólida formação geral, que assegure o acesso ao conhecimento que vem sendo produzido nas diversas áreas e que permeia a prática de ensino, bem como promover o desenvolvimento das habilidades necessárias à condução, com qualidade, do processo pedagógico na escola, favorecendo a reorganização do trabalho escolar que vem sendo efetuado. Como o pedagogo deverá ter competência fundada em conhecimento inovador, sua atualização permanente faz-se necessária, exigindo deste profissional capacidade constante de pesquisa e estudo.

23 23 O principal objetivo do trabalho escolar será a formação do profissional político, capaz de responder aos problemas postos pela prática social que se desenvolve na sociedade contemporânea, em geral, e na sociedade brasileira, em particular. 4.5 Bases Institucionais A educação e o ensino são regidos por normas e diretrizes que disciplinam sua ação e exigem de todos conhecimentos, "obediência" e aplicação a princípios básicos que tornam coerentes as ações educacionais. As normas e diretrizes são elaboradas respeitando-se princípios hierárquicos que estabelecem a ordem de precedência de seus dispositivos. A precedência se inicia a partir da Lei Magna do País, que é a Constituição da República Federativa do Brasil. A atual constituição brasileira, promulgada em 5 de outubro de 1988, conhecida como "Constituição cidadã", aborda a educação e o ensino de maneira especial, com referência aos direitos, dos fins, aos fins e aos princípios norteadores, visando disciplinar ou interpretar os dispositivos constitucionais. A proposta curricular para o curso de Pedagogia tem como base legal a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. º 9394/96 Art.62 e 63) e suas regulamentações posteriores, especialmente o Decreto n. º 3.276/99, a Resolução CP/CNE nº 1/99 e o Decreto n. º 3.860/2001. Fundamenta-se igualmente na proposta de Diretrizes Curriculares para a Formação de Professores da Educação Básica em Nível Superior, em Curso de Licenciatura de Graduação Plena apresentada no Parecer CNE/CP n. º 001/2002. Com base na Resolução CP/CNE nº 1, de 30 de setembro de 1999, se propõe a ter a seu cargo a formação inicial, continuada e complementar para o magistério da educação básica e conforme o Art. 3.º dessa Resolução, será organizado como unidade acadêmica e com uma instância de coordenação formalmente constituída e um colegiado de cursos e coordenadorias dos cursos de licenciatura responsáveis por articular a formulação, execução e avaliação do projeto institucional de formação de professores, base para os projetos

24 24 pedagógicos específicos dos cursos. De acordo com o Art. 2.º, visando assegurar a especificidade e o caráter orgânico do processo de formação profissional, terá projeto acadêmico (próprio) de formação de professores, articulando os projetos pedagógicos dos cursos e integrando as diferentes áreas de fundamentos da educação básica; os conteúdos curriculares da educação básica; as características da sociedade de comunicação e informação. Vivemos um momento em que as exigências do mundo atual, a dinâmica das interações sociais, as mudanças aceleradas repercutindo em todos os aspectos de nossas vidas e os novos desafios decorrentes, pedem um novo modelo de profissional da educação. A LDB nº 9394/96 de certa forma reflete essa necessidade quando estabelece no Título II-Dos Princípios e Fins da Educação Nacional, Art. 2º, que: A educação... tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício e sua qualificação profissional. Em seus Arts. nº 61 e 62 estabelece as condições para a implantação desse novo modelo de profissional: A formação de docentes para atuar na educação básica far-se-á em nível superior, em cursos de licenciatura, de graduação plena...como formação mínima para o exercício do magistério.... O parecer CNE/CP nº 05/2006 de 04 / 04 / 06, define as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia Resolução CNE nº 1 de 15 / 05 / 06, e ao Despacho do Diretor do DESUP, de 06 / 07 / 06 institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação básica em nível superior e por este motivo, o curso de Pedagogia segue a orientação da Legislação atual e apresenta seu Projeto Pedagógico. 4.6 Características Gerais do Curso Denominação Total de Vagas Semestrais Número de Alunos por Turma Turnos de Funcionamento Regime Escolar Carga Horária Total LICENCIATURA EM PEDAGOGIA 100 por semestre Máximo 60 alunos Vespertino e Noturno Seriado Semestral 3200 horas

25 25 Integralização da carga horária do curso: limite mínimo e máximo Mínimo: 4 anos, ou seja, 8 semestres Máximo: 8 anos, ou seja, dezesseis semestres.

26 Grade Curricular Matriz Curricular unificada de PEDAGOGIA

27 27 COMPONENTE CURRICULAR CH Semanal CARGA HORÁRIA SEMESTRAL Presencia l Práticas Tota l Hora Relógi o 1 o SEMESTRE Organização e Políticas da Educação Básica História da Educação Informática na Educação Comunicação e Expressão Seminários sobre Ética, Estética e Ludicidade na Educação Básica Introdução à Psicologia SUBTOTAL o SEMESTRE Sociologia da Educação Filosofia da Educação Psicologia da Educação Produção Textual em Educação Metodologia da Pesquisa e do Trabalho Científico Fundamentos da Didática SUBTOTAL O SEMESTRE Didática e Formação Docente Fundamentos Psicossociais na Educação Infantil Educação na Diversidade Cultural Educação, Natureza e Sociedade Seminários sobre Jogos e Brincadeiras Educação, Espaço e Forma Fundamentos e Metodologia da Alfabetização SUBTOTAL o SEMESTRE Metodologia e Prática da Alfabetização Fundamentos e Práticas do Ensino da Geografia Fundamentos e Práticas do Ensino de História Fundamentos Teóricos e Metodológicos da Educação Básica Psicologia do Desenvolvimento da Aprendizagem Didática e Prática Docente Leitura, Interpretação e Produção de Textos Acadêmicos Estágio Supervisionado em Educação Infantil 50 SUBTOTAL º SEMESTRE Projetos de Educação Ambiental, Nutrição, Cidadania e Saúde Fundamentos e Práticas do Ensino de Ciências Fundamentos e Práticas do Ensino de Artes Matemática Fundamentos e Metodologia da Educação de Jovens e Adultos Currículos e Programas Avaliação Educacional Estágio Supervisionado em Educação do Primeiro Ciclo do Ensino Fundamental 100 SUBTOTAL

28 28 6 o PERÍODO Linguagens e Mediações Tecnológicas na Educação Fundamentos e Práticas do Ensino da Matemática Fundamentos e Práticas do Ensino da Língua Portuguesa Didática, Estratégias e Recursos da Educação de Pessoas com Necessidades Especiais Língua Brasileira de Sinais LIBRAS A Inclusão de Pessoas com Necessidades Especiais na Educação Básica Pesquisa e Prática Educacional I Estágio Supervisionado na Educação de Jovens e Adultos 50 SUBTOTAL o SEMESTRE Pesquisa Educacional Gestão Escolar na Educação Básica Educação nas Áreas de Apoio e Serviço Escolar Gestão da Educação Infantil Estatística Aplicada à Educação Legislação e Normas na Educação Nacional Pesquisa e Prática Educacional II Estágio Supervisionado na Educação de Pessoas com Necessidades Especiais 50 SUBTOTAL o SEMESTRE Gestão Educacional em Ambientes Não Escolares Políticas Públicas e Educação Corpo e Movimento Seminários sobre Educação, Gênero e Sexualidade Trabalho de Conclusão de Curso- TCC Literatura Infantojuvenil Relações Sociais e Éticas Pesquisa e Prática Educacional III Estágio Supervisionado em Gestão Escolar 50 SUBTOTAL Integralização final Carga Horária Hora aula Hora relógio CH de Disciplinas Curriculares Presenciais CH de estágio supervisionado 300 CH de atividades complementares 100 CH de atividades de prática 140 curricular Carga Horária total do curso

29 Ementário e Bibliografia 1º semestre Organização e Política da Educação Brasileira: EMENTA: Compreende estudos sobre a estrutura, organização e o funcionamento da Educação Básica Brasileira na contemporaneidade. Analisa as políticas públicas educacionais em seus aspectos social, político e econômico e as repercussões no planejamento e na gestão dos diferentes níveis dos sistemas de ensino. BIBLIOGRAFIA BÁSICA NAVES, Rubens, GAZONI, Carolina. Direito ao futuro - desafios para a efetivaçao dos direitos das crianças e dos adolescentes. São Paulo: Imprensa Oficial, NEVES, Paulo S.C. (org.) Educação, Cidadania questões contemporâneas. São Paulo: Cortez, SANTOS, Eduardo José dos. Governança Corporativa e Políticas Públicas. Curitiba: Juruá Editora, História da Educação EMENTA: Compreende a importância de pensar a educação em uma perspectiva histórica a partir da História da Pedagogia e como esta se transforma em História da Educação. Aborda aspectos de transformações de uma ciência, como: A Revolução historiográfica, A Revolução dos métodos, A Revolução dos tempos e as Muitas histórias educativas. Contribui para uma compreensão do desnaturalizar o que está posto em nossa sociedade, lendo o mundo enquanto uma construção social. BIBLIOGRAFIA BÁSICA CAMBI, Franco. História da Pedagogia. SP: UNESP, HILSDORF, Maria Lúcia Spedo. História da Educação Brasileira/Leituras. SP: Pioneira T.Learning, 2005.

30 30 HILSDORF, Maria Lúcia Spedo. Pensando a Educação os Tempos Modernos. SP: Ed. Da Universidade de São Paulo, PILETTI, Nelson. História da Educação. SP; Ática, Informática na Educação EMENTA Enfoca a informática como ferramenta no desenvolvimento de atividades educacionais, proporcionando a reflexão sobre a presença das tecnologias de informação e comunicação no cotidiano e seu impacto nos mais diversos aspectos cognitivos. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ALMEIDA, Fernando José. Educação e informática. São Paulo: Cortez, GRISPUN, Mirian P. S. Zipppin (org.). Educação tecnológica: desafios e perspectivas. 3ª ed. São Paulo: Cortez, MORAN, Manuel, MASETTO, Marcos T. e Behrens, Marilda Aparecida. Novas tecnologias e mediação pedagógica. São Paulo: Papirus, PAPERT, Seymour. A máquina das crianças repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artes Médicas, SETZER, Waldemar W. Meios eletrônicos e educação: uma visão alternativa. 2ª ed. São Paulo: Escrituras, Comunicação e Expressão EMENTA Possibilita a interpretação e análise de textos dos diferentes gêneros, promovendo a reflexão sobre a linguagem oral e escrita. Estuda as estruturas e mecanismos de coesão e coerência, a fim de instrumentalizar o aluno para a leitura e produção de textos acadêmicos. BIBLIOGRAFIA BÁSICA BECHARA, Evanildo. O que muda com o novo acordo ortográfico. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, CUNHA, Celso; LINDLEY CINTRA. L.F. Nova gramática do português contemporâneo. De acordo com a Nova Ortografia. 5.ed Lexicon Editorial, 2009.

31 31 GARCIA, Othon Moacyr.Comunicação em Prosa Moderna. 25.ed. Rio de Janeiro: FGV, NADOLSKIS, Hêndricas. Comunicação Redacional. 10.ed. São Paulo: Saraiva, BLIKSTEIN, Izidoro. Técnicas de comunicação escrita. 21.ed. São Paulo: Ática, 2005 Seminários sobre Ética, Estética e Ludicidade na Educação Básica EMENTA O estudo sobre a ética, a estética e a ludicidade que deve envolver as propostas didático-pedagógicas nas escolas de educação básica são de fundamental importância para a construção da cidadania e melhores condições de vida para as pessoas. Para isso discutem o conceito de ética diferenciando-o do conceito de moral, a objetividade éticas, as responsabilidades individuais e coletivas das escolhas feitas; a beleza nas pessoas e no mundo, a ética e estética, uma relação indissociável, níveis e modalidades de artes e suas contribuições para formação das crianças e adolescentes da escola básica. O jogo, o brinquedo, as brincadeiras e a tradição popular na educação do ser humano. BIBLIOGRAFIA BÁSICA BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais 1ª a 4ª Séries. Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, v.8 Apresentação dos Temas Transversais e Ética. DEVRIES, Rheta e ZAN, Betty. A ética na educação infantil: o ambiente sócio-moral na escola. Porto Alegre: Artes Médicas, SAVIANI, Dermeval. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 15ª. ed. Campinas: Autores Associados, STRECK, Danilo Romeu (org.) Paulo Freire: ética, utopia e educação. 6ª ed. Petrópolis: Vozes, Introdução à Psicologia EMENTA Aborda o desenvolvimento da psicologia enquanto ciência, o objeto de estudo, métodos e campos de aplicação. Discute as principais escolas psicológicas e a relação dessas com o contexto educacional. Introduz o aluno a psicologia geral. Aborda o comportamento humano em seus aspectos físicos, afetivo, emocional,

32 32 cognitivo e relaciona esses aspectos aos processos de ensino aprendizagem. Enfatiza a importância da relação professor/aluno. BIBLIOGRAFIA BARROS, C.S.G. Pontos da Psicologia Geral. São Paulo: Ática, BOCK.AM.B.;FURTADO, O;TEIXEIRA,M.L.T. Psicologias:uma introdução ao estudo da psicologia,13ªed., São Paulo: Saraiva, DAVIDOFF, L. Introdução à Psicologia. São Paulo: MacGraw-Hill, FIGUEIREDO, L.C.M. Psicologia, uma introdução: uma visão histórica da psicologia como ciência. São Paulo: EDUC, OLIVEIRA, ZILMA e DAVIS, CLAUDIA, Psicologia na educação, São Paulo: Cortez,1994. Sociologia da Educação EMENTA: 2º semestre Apresenta enfoque sociológico da dinâmica social e o impacto dessa no campo da educação, sobretudo no que tange ao relacionamento das instituições, em especial a escola, com as mudanças e os decorrentes arranjos da estratificação social delas decorrentes. Formas, processos e agentes educacionais: autonomia e heteronomia. Educação e Sociedade. A Educação como tema da Sociologia. BIBLIOGRAFIA BÁSICA KRUPPA, Sonia M. Portella. Sociologia da Educação. SP: Cortez, TURA, Maria de Lourdes R. (Org.). Sociologia para educadores. RJ: Quartet, COSTA, Cristina. Sociologia: introdução à ciência da sociedade. SP: Moderna, MARTINS, Carlos Benedito. O que é Sociologia. 35ª ed., SP: Brasiliense, Filosofia da Educação EMENTA Instrumentaliza o aluno para distinguir os fundamentos teóricos filosóficos, numa visão metafísica, científica ou dialética, relacionando-os com as tendências

33 33 educacionais; mostra as tendências que historicamente influenciaram e as que ainda influenciam a teoria e a prática pedagógica, reconhecendo a importância da reflexão filosófica para essa conscientização. BIBLIOGRAFIA BÁSICA ARANHA, Maria L. de A. Filosofia da Educação. 2 ed. São Paulo: Moderna, POSTMAN, Neil. O desaparecimento da infância. São Paulo: Graphia, ADORNO, T. W. Educação e Emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, NEILL, A. S. Liberdade sem medo Summerhill: radical transformação na teoria e na prática da educação. São Paulo: IBRASA, ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, Psicologia da Educação EMENTA Apresenta os princípios e técnicas psicológicas, aplicadas à compreensão e orientação do educando, objetivando seu encaminhamento adequado para a vida adulta, abrangendo o estudo do comportamento humano em situação educativa. Compreende especialmente o crescimento e o desenvolvimento do indivíduo, a aprendizagem, a personalidade e seu ajustamento, a avaliação e relativas medidas de orientação do processo ensino aprendizagem. BIBLIOGRAFIA BÁSICA BOCK. A. M. B.; FURTADO,O. ;TEIXEIRA, M.L.T. Psicologias: uma introdução ao estudo da psicologia. 13 ed. (reform. e ampl.), São Paulo: Saraiva, Oliveira, Zilma e Davis,Claudia. Psicologia na educação.são Paulo: Cortez, AXILINE, Virginia.Dibs- Em busca de si mesmo. São Paulo:AGIR, Produção Textual em Educação EMENTA Reflete e compreende o conceito de texto e contexto. O texto como situação comunicativa. Apresenta os tipos e os gêneros textuais e os fatores de textualidade envolvidos na construção do sentido. Prioriza as práticas da construção de textos, de modo a permitir a compreensão das potencialidades da linguagem escrita.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS CETESC - CENTRO DE ENSINO E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS Campinas/SP Sumário 1 - APRESENTAÇÃO... 1 2 - DO PROGRAMA... 1 3 - INSCRIÇÃO... 1 4 - DO ANDAMENTO...

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

FIES Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior

FIES Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior FIES Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior Perguntas frequentes 1 O que é o FIES? O Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES) é um programa do Ministério da Educação

Leia mais

FAPREV- FACULDADE DE PRESIDENTE VENCESLAU. Projeto Pedagógico. Curso: Licenciatura em Pedagogia. Presidente Venceslau

FAPREV- FACULDADE DE PRESIDENTE VENCESLAU. Projeto Pedagógico. Curso: Licenciatura em Pedagogia. Presidente Venceslau FAPREV- FACULDADE DE PRESIDENTE VENCESLAU Projeto Pedagógico Curso: Licenciatura em Pedagogia Presidente Venceslau 2013 2 I IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO I.1 LOCAL DE FUNCIONAMENTO ENDEREÇO: Rua Piracicaba,

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143.

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143. SUMÁRIO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO INICIAL... 1 CAPÍTULO II DA NATUREZA E FINALIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA... 2 CAPÍTULO III DOS OBJETIVOS... 2 CAPÍTULO IV DOS REQUISITOS... 3 CAPÍTULO V DO REGULAMENTO...

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

18) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA

18) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA 18) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA 18.1) Matriz curricular do turno matutino Fase 1 a N. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas 01 Introdução à informática

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE APRESENTAÇÃO DO CURSO O curso de licenciatura em Educação Física da FAPEPE tem como objetivo formar profissionais que estejam aptos a atuarem no contexto escolar,

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 2.3. PROFESSORES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

ASSITÊNCIA ESTUDANTIL

ASSITÊNCIA ESTUDANTIL ASSITÊNCIA ESTUDANTIL Apoio ao Acadêmico A Assistência Estudantil da FAMEC tem a missão de apoiar o acadêmico na busca de soluções e oportunidades que contribuam para sua permanência na faculdade e conclusão

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT.

RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT. RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT. Estabelece Diretrizes para a organização e a realização de Estágio de alunos da Educação Profissional de Nível Técnico e do Ensino Médio, inclusive nas modalidades de Educação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente documento

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

CURSO: Matemática. Missão

CURSO: Matemática. Missão CURSO: Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos, pedagógico e matemático, permeado pelos recursos

Leia mais

PROGRAMAS DE BOLSAS DE ESTUDO E BOLSAS DE PESQUISA DO ESTADO DE SANTA CATARINA

PROGRAMAS DE BOLSAS DE ESTUDO E BOLSAS DE PESQUISA DO ESTADO DE SANTA CATARINA PROGRAMAS DE BOLSAS DE ESTUDO E BOLSAS DE PESQUISA DO ESTADO DE SANTA CATARINA DA GARANTIA DOS DIREITOS CONSTITUCIONAIS AO CUMPRIMENTO DE SUAS CONDICIONALIDADES Florianópolis abril 2011 1 Fundamentação

Leia mais

EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE

EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE A Universidade Federal do Paraná (UFPR), por meio do, da

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNIFEI

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNIFEI PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNIFEI PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CRITÉRIOS E NORMAS A Coordenadora Institucional do Programa Institucional de

Leia mais

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 1. Quais são os tipos de instituições de ensino superior? De acordo com sua organização acadêmica, as instituições de ensino

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

Portaria Interna Nº. 153/15 São Paulo, 29 de abril de 2.015

Portaria Interna Nº. 153/15 São Paulo, 29 de abril de 2.015 Portaria Interna Nº. 153/15 São Paulo, 29 de abril de 2.015 Dispõe sobre os valores dos encargos educacionais para o 2º semestre de 2.015 da Faculdade de Vargem Grande Paulista FVGP. A Diretora da Faculdade

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA Linguagem e Interpretação de Texto 80 Contabilidade I 80 Economia 80 Matemática 80 Teoria Geral da Administração

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO forma: A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte 1. Primeiro contato com a administração e o serviço de supervisão

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS Conselho Municipal de Desenvolvimento Agropecuário

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS Conselho Municipal de Desenvolvimento Agropecuário PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL EDITAL DE SELEÇÃO PARA BENEFÍCIÁRIOS DE BOLSA DE ESTUDO DO COLÉGIO AGRÍCOLA CEDUP VIDAL RAMOS 2014. N.º 002/2014 O Prefeito

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

Escola Superior de Ciências Sociais ESCS

Escola Superior de Ciências Sociais ESCS Escola Superior de Ciências Sociais ESCS Manual do Estágio Supervisionado Curso de Graduação - Licenciatura em História MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Conforme legislação em

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Serviço Social é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras

MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras Rio de Janeiro Julho/2013 1. Apresentação O presente Manual foi reorganizado pelos membros do Colegiado dos Cursos de Licenciatura

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Ações e Projetos Sociais

Ações e Projetos Sociais Ações e Projetos Sociais 1º - TROTE SOLIDÁRIO O Trote Solidário tem como objetivo principal atender às necessidades das Instituições beneficentes carentes da região de Barretos através da arrecadação e

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

PROJETOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA 2.1 PROGRAMA BOLSA ESCOLA DA FAMILIA (*) As Faculdades da UNIESP, em parceria com o Governo do Estado de São

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

4 Como faço para me inscrever no FIES?

4 Como faço para me inscrever no FIES? FIES - PERGUNTAS FREQUENTES 1 O que é o FIES? O Fundo de Financiamento Estudantil(Fies) é um programa do Ministério da Educação destinado a financiar a graduação na educação superior de estudantes matriculados

Leia mais

Fies - (Fundo de Financiamento Estudantil)

Fies - (Fundo de Financiamento Estudantil) Fies - (Fundo de Financiamento Estudantil) 1 - O QUE É É um programa do Ministério da Educação destinado a financiar a graduação na educação superior de estudantes matriculados em instituições não gratuitas.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

EDITAL Nº 017/VRG-DA/2015

EDITAL Nº 017/VRG-DA/2015 EDITAL Nº 017/VRG-DA/2015 DIVULGA O CALENDÁRIO, OS PROCEDIMENTOS E AS CONDIÇÕES PARA A MATRÍCULA DE DISCIPLINAS EM REGIME DE DEPENDÊNCIA, DOS ALUNOS VETERANOS DO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

MBA EM GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

MBA EM GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI FLORIANÓPOLIS DIREÇÃO GERAL DA FACULDADE: JOÃO ROBERTO LORENZETT COORDENAÇÃO DA FACULDADE: PRISCILA FAGUNDES COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: RAFAEL PARACHEN

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015.

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015. REV.: 03 Pág.: 1 de 6 A Manaus Ambiental torna público que estão abertas as inscrições para a seleção de Instituições e Projetos Sociais para o 14º Dia do Voluntariado. A empresa realizará o processo de

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para realizar ações e organizar atividades

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais