Nº 3. Cadernos do IDN. Instituto da Defesa Nacional. II Série. Julho de Conhecer o Islão. Agostinho Paiva da Cunha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nº 3. Cadernos do IDN. Instituto da Defesa Nacional. II Série. Julho de 2009. Conhecer o Islão. Agostinho Paiva da Cunha"

Transcrição

1 NOS DA II Série Cadernos do IDN Agostinho Paiva da Cunha Conhecer o Islão Nos dias de hoje somos constantemente bombardeados com notícias relevantes referentes ao mundo islâmico, as quais comportam uma miríade de termos e conceitos que escapam na sua quase totalidade à maioria dos leitores ou dos ouvintes. Mais ainda, esta falta de um conhecimento mais aprofundado sobre certas questões que nos são alheias tem originado muitas vezes, no mundo ocidental, percepções e juízos de valor pouco correctos sobre outras civilizações, o que por sua vez tem levado a mal entendidos e a crispações que poderiam facilmente ser obviados com um olhar mais atento sobre as realidades em questão... NAÇÃ O Instituto da Defesa Nacional

2 NOS DA NAÇÃ O Os Cadernos do IDN II Série resultam de eventos promovidos pelo Instituto da Defesa Nacional, contribuindo para o debate sobre questões nacionais e internacionais. As perspectivas são da responsabilidade dos autores não reflectindo necessariamente uma posição institucional do Instituto da Defesa Nacional sobre as mesmas. Director António Telo Coordenação Mário Sobral Concepção Gráfica/Paginação Gabinete de Desenho/Centro Editorial Endereço Postal Calçada das Necessidades, 5, Lisboa Telefone Fax Internet Depósito Legal nº /06 ISSN Instituto da Defesa Nacional, 2009 Todos os direitos reservados.

3 II Série Cadernos do IDN Living together in peace has proved tragically difficult. We must try harder to bring shared values to life. With knowledge and leadership, we can live up to the best of all our traditions, and ensure human dignity for all. 1 BAN KI-MOON Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso 2 Nos dias de hoje somos constantemente bombardeados com notícias relevantes referentes ao mundo islâmico, as quais comportam uma miríade de termos e conceitos que escapam na sua quase totalidade à maioria dos leitores ou dos ouvintes. Mais ainda, esta falta de um conhecimento mais aprofundado sobre certas questões que nos são alheias tem originado muitas vezes, no mundo ocidental, percepções e juízos de valor pouco correctos sobre outras civilizações, o que por sua vez tem levado a mal entendidos e a crispações que poderiam facilmente ser obviados com um olhar mais atento sobre as realidades em questão. O Islão actual, ao contrário das culturas ocidentais, encontra-se arreigado nas suas tradições próprias e mantém como característica intrínseca a não separação da vida pública e privada do cidadão, ou melhor dizendo, do crente muçulmano, continuando a abraçar um conceito de sociedade que é essencialmente teocrático, onde não existe uma separação clara entre a religião e o direito. O Islão, visto pelos crentes muçulmanos simultaneamente como um modo de vida e uma religião, inclui instruções que se relacionam com todos os aspectos da actividade humana, ideal que inspira o próprio Direito islâmico. Assim, na sociedade islâmica, o termo Direito encontra-se imbuído de um significado muito mais amplo do que o utilizado pelo ocidente moderno e secularizado, pois engloba imperativos legais e morais, contrapondo-se à natural distinção ocidental entre o temporal e o espiritual. Esta diferente forma de ver o mundo não é contudo motivo para a legitimação de um xenofobismo ocidental crescente, nem representa, na sua essência, uma tendência para o extremismo violento, não sendo sinónimo de radicalismo como muitas vezes é percebido pelas culturas ocidentais que demasiadas vezes o exploram para satisfação de interesses próprios, sejam eles políticos, estratégicos ou de controlo de recursos. Considerando ser fundamental um conhecimento mínimo dos valores perfilhados por cada interveniente na cena internacional e, em linha com a perspectiva das democracias liberais, a aceitação das respectivas diferenças, decidi empreender este trabalho não só como uma forma de ajudar o leitor a arrumar as ideias, mas também como mais um contributo para o bom entendimento entre os povos, caminho que em minha opinião considero ser o mais adequado para a verdadeira manutenção da paz internacional. Através de uma explicação prática realço os motivos que originam e sustentam algumas das posições e dos entendimentos do Islão, procurando desfazer preconceitos e desmistificar as crenças que usualmente envolvem o Islamismo e que, quase invariavelmente, implicam também o seu relacionamento com as actividades radicais violentas. 1 Discurso do Secretário-geral da ONU à Assembleia-geral durante o encontro High-Level Meeting on Culture of Peace, em 12 de Novembro de Frase com que começam todos os capítulos do Alcorão. 1

4 Conhecer o Islão Não reclamando o presente trabalho ser uma narrativa abrangente ou um estudo aprofundado sobre o Islamismo, mais do que uma história detalhada ou um manual científico é uma reflexão temática que contem um resumo de termos e conceitos coligidos sobre esta religião, somente uma caracterização geral e uma sistematização da nebulosa das suas interpretações. Pretende-se desta forma habilitar o leitor, em apenas meia dúzia de páginas, com o conhecimento elementar dos aspectos conceptuais mais relevantes, os principais marcos e ritos, e os mais importantes movimentos e seitas existentes no Islão, enquadrando-os no ambiente onde se situam e relacionando-os com o actual sistema internacional. Sublinha-se ainda que o presente ensaio constitui uma tentativa de análise imparcial e desapaixonada, um trabalho interpretativo com a intenção de objectivar os conceitos numa perspectiva prática de compreensão dos seus aspectos, que de alguma forma contradiz teorias mais dramáticas como as do Choque das Civilizações, de Samuel P. Huntington. Inclui-se, adicionalmente, um périplo pelo mundo islâmico, com uma descrição sumária da situação vivida em alguns dos países onde a presença do Islão é significativa, essencialmente os que de alguma forma têm evidenciado movimentos ou actividades fundamentalistas, pelas repercussões que podem ter no contexto da segurança regional e internacional. Termino com uma breve explanação sobre as classificações geográficas mais comuns ligadas ao Islamismo e aos orientes, e com um glossário de termos do Islão, como instrumentos para uma melhor orientação do leitor menos familiarizado com estas designações específicas. Espero, assim, que o presente manual seja um útil guia prático e um contributo para o esclarecimento do leitor comum, que possibilite a introdução e o melhor entendimento básico sobre o Islão e, ainda que de forma mais ou menos abreviada, permita aguçar a curiosidade do leitor para um aprofundamento posterior sobre a matéria. Agostinho Paiva da Cunha 2

5 II Série Cadernos do IDN Conhecer o Islão Agostinho Paiva da Cunha Coronel 1. Principais termos do Islão O Islão ou islamismo é uma religião monoteísta que surgiu no século VII na Península Arábica, baseada nos ensinamentos religiosos do profeta Maomé 3 e numa escritura sagrada, o Alcorão. O monoteísmo é a ideia central do Islão, que advoga a crença num Deus único e omnipotente (Alá). Resumidamente, para o Islão, Deus criou o Universo e competelhe também mantê-lo. Aliás, Deus desempenha quatro funções fundamentais no Universo e na humanidade: criação, sustentação, orientação e julgamento, que se conclui com o dia do Juízo Final, no qual a humanidade será reunida e todos os indivíduos serão julgados de acordo com seus actos. A natureza, por sua vez, está subordinada ao homem, que a pode explorar e dela beneficiar. O objectivo humano último consiste porém em existir para o serviço de Deus. O termo Islão (em árabe al-islām) deriva da quarta forma verbal da raiz slm, aslama, e significa "submissão" (a Deus), ideia que inspira o fundamento desta religião o crente (muçulmano) aceita render-se ou submeter-se à vontade de Alá. A palavra Alá (em árabe Allāh ou Allah: Deus ) designa o único e verdadeiro Deus do Islão. A palavra Allah é uma contracção de Al-ilāh, ou seja, o Deus, sendo a sua tradução mais correcta de Deus, com maiúsculas, dado que se refere ao Deus único. A palavra deus com minúsculas, que se refere a qualquer outra divindade, é ilāh (no plural ilāhāt). 4 O termo Muçulmano deriva da palavra muslim (pl. muslimún), particípio activo do verbo aslama, designando "aquele que se submete" ou, textualmente, submisso. O muçulmano submete-se ao Corão (ou Alcorão) e à palavra de Alá, ou seja, à vontade de Deus. Há ainda quem defenda 5 que sendo Muslim uma derivação do verbo aslama, palavra especializada no árabe moderno com o sentido de se tornar muçulmano, ou converter-se ao Islamismo, de facto, a verdadeira etimologia da raiz implicaria uma diferença subtil: a raiz slm tem um significado primordial de ausência de contestação, daí o sentido bem conhecido da palavra salâm - paz, saúde - e, no hebraico (língua próxima) - shalom; assim, o verbo derivado aslama deveria significar pôr-se de paz com ou fazer a paz, em vez de meramente submisso. Em conformidade, num sentido mais abrangente, o muçulmano seria, portanto, aquele que se põe de paz com Deus e que coloca a existência de Deus e o seu poder acima de tudo. Em textos mais antigos os muçulmanos podem ser também designados como "maometanos", termo que tem vindo a cair em desuso porque implica, incorrectamente, que os muçulmanos adoram Maomé, o que torna este termo ofensivo para muitos. Durante a Idade Média, nas lendas e narrativas populares cristãs, os muçulmanos podiam igualmente ser designados como sarracenos, especialmente os da Síria e da Palestina, ou ainda por mouros, embora este último termo designasse mais concretamente os muçulmanos berberes, naturais do Magreb, que se encontravam na Península Ibérica. O Alcorão ou Corão (em árabe Qur'an) significa literalmente recitação ou livro e contém a palavra de Alá. Os muçulmanos acreditam que Maomé recebeu estes ensinamentos por intermédio do anjo Gabriel (Jibreel), o arcanjo da revelação, através de revelações que ocorreram entre 610 e 632 d.c. Os muçulmanos acreditam assim que Deus, e não o Profeta, é o autor destas revelações e, por isso, o Alcorão é infalível. Apesar desta diferenciação, Maomé é para os muçulmanos a encarnação da perfeição de Deus no homem e um exemplo a seguir 6. Maomé recitou depois as revelações aos seus companheiros, que as memorizaram e se diz terem escrito em materiais que tinham na altura à disposição (folhas de palmeira, omoplatas de camelo, pedras, etc.). De acordo com a tradição islâmica, Maomé era analfabeto, pelo que as revelações a Maomé só posteriormente foram reunidas pelos seus companheiros e seguidores em forma de livro, o qual se estima ter sido composto entre 650 e 656 d.c., durante o califado de Otman. 7 O Alcorão descreve as origens do Universo, o Homem e as suas relações com o Criador. Define ainda leis para a sociedade, moral, economia e muitos outros temas, tendo sido escrito com o intuito de ser recitado e memorizado. Para os muçulmanos o Alcorão é a palavra sagrada e imutável de Deus que fornece as respostas acerca das suas necessidades humanas diárias, tanto espirituais como materiais. 3 Abū al-qāsim Muhammad (Maomé), considerado o último profeta de Deus e fundador do Islão. Nasceu na cidade de Meca, no ano 570 d.c. e pertencia a um ramo pobre de uma das mais notáveis famílias do seu país, a tribo beduína Coraixita (Quraysh; tubarão ), dos Banu Hāshim, pertencente ao clã Ashemita (ou Haxemita). 4 Allah - Encyclopaedia Britannica, Segundo Paulo Mendes Pinto, em Re-ligare, Religião, Sociedade e Cultura - blog dos Docentes e Investigadores da área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona (Lisboa). 6 Segundo transcrição de David Bukey no seu livro From Muhammad to Bin Landen (p.13), o próprio Maomé encorajaria esta tendência dizendo nenhum de vocês terá fé até me amar mais que a sua fé, os seus filhos e toda a humanidade. 7 Hadith collections, Compendium of Muslim Texts - University of Southern California. 3

6 Conhecer o Islão O Alcorão está estruturado em 114 capítulos chamados suras e cada sura está subdividida em versículos denominados ayat 8. Os capítulos possuem tamanho desigual (o menor possui apenas 3 versículos e o mais longo 286 versículos) e estão dispostos aproximadamente de acordo com o seu tamanho e não de acordo com a ordem cronológica da sua revelação. Considera-se que 92 capítulos foram revelados ao Profeta em Meca e 22 em Medina (Yatrib), cidade onde o Profeta se refugiou quando perseguido e onde viria a falecer no ano 632 d.c., com 62 anos Os pilares do Islão O Islão ensina seis crenças principais: A crença em Alá, único Deus existente; A crença nos Anjos 10, seres criados por Alá; A crença nos Livros Sagrados, entre os quais se encontram a Tora, os Salmos e o Evangelho 11. O Alcorão é o último e o mais completo livro sagrado, constituindo a colectânea dos ensinamentos revelados por Alá ao profeta Maomé; A crença em vários profetas enviados à humanidade 12, dos quais Maomé é o último; A crença no dia do Julgamento Final, no qual as acções de cada pessoa serão avaliadas; A crença na predestinação: Alá tudo sabe e possui o poder de decidir sobre cada pessoa. A mensagem central do Islão caracteriza-se pela sua simplicidade. Para atingir a salvação basta acreditar num único Deus (Alá), rezar cinco vezes por dia, submeter-se ao jejum anual no mês do Ramadão, pagar dádivas rituais e efectuar uma vez na vida uma peregrinação à cidade de Meca. Kaaba em Meca 8 Ayah (pl. Ayat) este termo designa literalmente sinal ou milagre, mas na sua utilização mais comum esta palavra refere-se a cada um dos versículos do Alcorão. 9 Em Jesus e Maomé, Profetas de Deus!, Rui Palmela, novaera-alvorecer.net. 10 Os Anjos foram criados por Alá a partir da luz e desempenham diversos papéis, entre os quais o anúncio da revelação divina aos profetas; protegem e vigiam ainda os seres humanos, registando todas as suas acções. 11 A revelação dada a Abraão perdeu-se (o livro de Ibrahim), a lei dada a Moisés foi a Tora (Taura), a David foram dados os Salmos (o Zabûr) e a Jesus o Evangelho (o Injil). 12 Os muçulmanos acreditam que Deus usou os profetas para revelar as escrituras aos homens. Acreditam ainda em todos os profetas cristãos e judeus, incluindo Adão, Noé, Abraão, Ismael, Isaac, Jacob, José, Job, Salomão, Elias, João Batista e Jesus. 4

7 II Série Cadernos do IDN Os 5 pilares do Islão (arkan al-islam) são pois os 5 deveres básicos de cada muçulmano: 1º - A recitação e aceitação do credo (em árabe Chahada ou Shahada: o testemunho ou afirmação de fé) - A profissão de fé consiste numa frase que deve ser dita com a máxima sinceridade, através da qual cada muçulmano atesta que não há outro deus senão Alá e Maomé é seu servo e mensageiro. De acordo com a maioria das escolas islâmicas, para se converter ao Islão é necessário proclamar três vezes a Shahada perante duas testemunhas: Achadu ala ilaha ila Allah. Achadu ana Mohammad Rassululah Testemunho que não há outra divindade senão Alá. Testemunho que Maomé é seu profeta mensageiro. Os muçulmanos xiitas têm por costume acrescentar ainda "e Ali ibn Abi Talib é amigo de Deus" 13. Esta frase também é dita quando se chama à oração (em árabe azan ou esan). 2º - Orar cinco vezes ao longo do dia (em árabe Salat ou Salah) - A palavra salat significa "santificar". Assim, o segundo pilar do Islão consiste na santificação e glorificação de Deus através da prática da oração, que deve ser efectuada cinco vezes por dia, em períodos concretos. Esses períodos não correspondem a horas, mas a etapas do curso do sol. Durante a oração os muçulmanos olham em direcção à Caaba 14, em Meca. Antes de cada oração comunitária é feita uma chamada pública pelo muezim, a partir do minarete da mesquita. O dia sagrado dos Muçulmanos é a sexta-feira (jummâ) - o Profeta Adão foi enviado ao mundo numa sexta-feira, o Profeta Moisés atravessou o rio Nilo numa sexta-feira, a primeira revelação do Corão a Maomé foi feita numa sexta-feira e está previsto que o Dia do Julgamento Final terá lugar igualmente numa sexta-feira. Os Muçulmanos juntam-se todas as sextas-feiras nas Mesquitas, depois do meio-dia, para a oração congregacional de jummâ, onde o Imã (dirigente do culto islâmico) faz o sermão (khutba) e dirige a oração congregacional. 3º - Pagar tributo (em árabe Zakat ou Zakah) - A contribuição de purificação é um tributo religioso, muitas vezes impropriamente traduzido como esmola, e significa, literalmente, "crescer" ou "aumentar": "recebe, de seus bens, uma caridade, que os purifica e os engrandece" (Alcorão 9:103). O seu pagamento é anual e obrigatório para todos os muçulmanos. De uma maneira geral o zakat incide sobre 2,5% da riqueza de cada muçulmano, que pode escolher a altura do ano mais adequada para o pagar, embora muitos optem por fazê-lo no mês sagrado do Ramadão. Este tributo será depois distribuído pelos pobres, em dinheiro ou em espécie. 4º - Observar o jejum no Ramadão (em árabe Saum ou Siya) O Ramadão é o nono mês do calendário islâmico durante o qual os muçulmanos praticam o seu jejum ritual (saum), o quarto pilar do Islão. Sendo o calendário islâmico lunar 15, o Ramadão não é celebrado cada ano na mesma data, podendo passar por todas as estações do ano. 13 Ali ibn Abi Talib pode ainda aparecer graficado como Ali ben Abu Talib (600 a 661 d.c.) e foi o quarto Califa sucessor de Maomé. Nasceu em Meca onde o seu pai, Abu Talib, era um tio do Profeta. Ali foi adoptado por Maomé e educado ao seu cuidado (ver à frente o Islão Sunita e Xiita). 14 A Caaba ou Kaaba (também conhecida como Ka'bah ou Kabah) é uma construção reverenciada pelos muçulmanos na mesquita sagrada de Al Masjid Al-Haram, em Meca, sendo considerada como o lugar mais sagrado do mundo. A Caaba é uma construção cúbica de 15 metros de altura, cercada por muros, e está coberta permanentemente por uma manta escura com bordados dourados que é regularmente substituída. A Caaba é o local de adoração que Deus teria ordenado a Abraão e Ismael para construírem, há aproximadamente anos. Foi feita em pedra e, muitos acreditam, foi o local original de um santuário estabelecido por Adão. Deus teria ordenado depois a Abraão para convocar toda a humanidade para visitar o local e quando os peregrinos lá vão recitam "Eis - nos aqui, ó Senhor!", em reposta a essa convocação. 15 O calendário islâmico baseia-se no ciclo lunar que mede o ano pelas 12 revoluções completas da Lua em torno da Terra, sendo, em média, 11 dias menor do que o ano solar. Foi introduzido pela primeira vez no ano 638 d.c. pelo segundo califa Umar ibn al-khattab ( d.c.). Tornando-se necessário racionalizar os vários sistemas de datas usados naquela época, Umar consultou os seus conselheiros sobre qual seria a melhor data de início da nova cronologia muçulmana e, finalmente, foi acordado que o acontecimento de referência mais adequado para o calendário islâmico era a Hégira - era muçulmana que tem como início a fuga de Maomé, de Meca para Medina. Para a data do início do calendário muçulmano foi escolhido, com base no ano lunar (contando-se para trás) o primeiro dia, do primeiro mês (1 de Muharram) do ano da Hégira. O 1 Muharram, do ano 1 AH., corresponde portanto ao dia 16 de Julho do ano 622 da era cristã. O calendário islâmico, dentro da era muçulmana, é normalmente abreviado pela letra H. ou AH., derivado do latim Anno Hegirae. 5

8 Conhecer o Islão O Ramadão é um mês sagrado, período de renovação da fé, da prática mais intensa da caridade e vivência profunda da fraternidade e dos valores da vida familiar. Neste período pede-se ao crente uma maior proximidade aos valores sagrados, leitura mais assídua do Alcorão, frequência à mesquita, correcção pessoal e auto domínio. O jejum é observado durante todo o mês, do nascer ao pôr-do-sol e aplica-se também ao fumo e às relações sexuais (o crente deve não só abster-se delas, como também não pensar nelas). Para além destes preceitos específicos do Ramadão, tanto o homem como a mulher são comandados no Alcorão a aderir permanentemente às directrizes Islâmicas do comportamento e da forma de vestir discretas. Isto inclui não só o uso de vestimentas modestas (características dos muçulmanos), assim como a necessidade de que homens e mulheres que não tenham laços familiares não se reúnam sozinhos ou construam amizades uns com os outros fora do casamento (ver Alcorão 24:31). Se o homem e a mulher tiverem de interagir por qualquer motivo (por exemplo no mercado), ambos são comandados a baixar o olhar e a absterem-se de namoros e conversas desnecessárias. Um homem que se sinta atraído por uma mulher, que não a sua esposa, é comandado a evitar aquela mulher e ir para casa ter com a esposa, enquanto que ao homem não casado é recomendado o jejum, como forma de supressão do desejo sexual. O casamento realizado numa idade ainda muito jovem é altamente recomendado, tanto para homens como para mulheres, como meio de completar a fé e como solução para o lidar com as inúmeras tentações que poderiam conduzir ao pecado 16. Acrescem ainda a estas instituições a permanentemente proibição do consumo de álcool e de carne de porco. 5º - Fazer a peregrinação a Meca (em árabe Hajj ou Hadj), se tiver condições financeiras para tal. É o último dos cinco Pilares do Islão 17, sendo obrigatória pelo menos uma vez na vida para todo o muçulmano adulto, desde que disponha de meios económicos e goze de saúde. O Hajj só pode ser efectuado uma vez por ano, no Mês da Peregrinação (Dhu al-hijja), ou seja, no último mês do calendário muçulmano, entre o 8º e o 12º ou 13º dia. No Islão não existe uma autoridade oficial que decida se uma pessoa é aceite ou excluída da comunidade de crentes (a Umma ou Ummah). O Islão é aberto a todos, independentemente da sua raça, idade, género ou crenças prévias. É pois suficiente acreditar na doutrina central do Islão, acto que é formalizado pela recitação da shahada, o enunciado de profissão de fé, sem o qual uma pessoa não pode verdadeiramente ser considerada muçulmana. 3. A jurisprudência islâmica As duas fontes fundamentais da doutrina e da prática islâmicas são o Alcorão, a escritura sagrada, e a Suna 18, os exemplos do profeta. A Suna é conhecida graças aos Ahadith 19, que são narrações acerca da vida do profeta e do que ele aprovava, que chegaram até nós graças a uma cadeia de transmissão oral a partir dos Companheiros de Maomé (Sahaba o consenso dos companheiros do profeta). Uma terceira fonte de jurisprudência, já secundária, é o itjihad raciocínio individual), ao qual se recorre quando não há respostas claras no Alcorão ou na Suna sobre um dado tema. Neste caso o jurista raciocina por analogia (qiyas - casos análogos) para encontrar a solução para o problema em estudo. A quarta e última fonte de jurisprudência é a Ijma (consenso da Umma) ou Maslaha al Mursalah (benefícios), os quais não são porém amplamente aceites pelas diversas escolas de pensamento Islâmico 20. Existem ainda algumas práticas, igualmente chamadas de Sharia, que têm raízes nos costumes locais (Al-urf). 16 Em Comunidade Islâmica na Web, myciw.org. 17 Alguns grupos kharijitas existentes na Idade Média consideravam a jihad como o sexto pilar do Islão. Actualmente, alguns grupos do xiismo ismaelita entendem como sexto pilar do Islão a "fidelidade ao Imã". 18 Suna ou Sunnah é a vida do Profeta Maomé. Literalmente, o termo significa caminho percorrido contudo, o significado de prática habitual passou a imperar, indicando as palavras e actos específicos da vida do Profeta. 19 Hadith (pl. Ahadith) é o corpo de leis, lendas e histórias sobre a vida de Maomé (Suna) que incluem a sua biografia (sira) e os próprios dizeres e opiniões do Profeta, nos quais ele justificou as suas escolhas ou ofereceu conselhos. Ou seja, enquanto a Suna é o caminho ou feitos do Profeta, durante a sua vida, as Ahadith são a colecção das suas narrações, opiniões e aprovações, durante o mesmo período. As colecções Hadith de Sahih Bukhari e Sahih Muslim são consideradas pelos sunitas como as mais importantes. Para além destes dois livros, os Sunitas reconhecem ainda 4 outros livros como autênticos (não tão importantes como os de Bukhari e de Muslim) e todos juntos formam os chamados "Seis Livros" ou também Kutubi-Sittah. 20 e 21 Em Termos Básicos em Jurisprudência Islâmica - TeachIslam.com 6

9 II Série Cadernos do IDN O corpo das leis religiosas muçulmanas, encontradas no Corão e na Suna, muitas vezes descritas como a lei islâmica, chama-se Sharia ou Xariá (também graficada como Charia, Shari'a, Shariah ou Syariah) e é a base do Islão, comandando a vida pública e privada de qualquer muçulmano. Ao contrário da cultura ocidental, no Islão não existe uma separação clara entre a religião e o direito. Todas as leis são religiosas e são baseadas ou nas escrituras sagradas ou nas opiniões de líderes religiosos. Em conformidade, o Islão é visto pelos crentes simultaneamente como um modo de vida e uma religião, que inclui instruções que se relacionam com todos os aspectos da actividade humana, sejam eles políticos, sociais, financeiros, legais, militares ou inter pessoais. O conceito islâmico de sociedade é assim teocrático, sendo que o objectivo de todos os muçulmanos é o "governo de Deus na Terra". A filosofia social islâmica baseia-se na crença de que todas as esferas da vida constituem uma unidade indivisível que deve estar imbuída dos valores islâmicos. Este ideal inspira o Direito islâmico (sharia) e, por isso, na sociedade islâmica, o termo Direito tem um significado muito mais amplo do que no Ocidente moderno e secularizado, pois engloba imperativos morais e legais. Para verdadeiramente perceber a conduta dos países muçulmanos é pois importante ter em atenção que a distinção ocidental entre o espiritual e o temporal é, em teoria, alheia ao Islão. Tal pressuposto é categoricamente deduzido, por exemplo, em ilações como as do sociólogo Ernest Gellner, no seu livro Pósmodernismo, razão e religião (1992), no qual refere especificamente que o Islão contraria a tendência para a secularização, presente nas restantes grandes civilizações. Apesar destas divergências, o Islão é a religião que mais cresce no mundo e coabita com iniciativas como a da República turca, bem como as de outros países islâmicos, que têm feito um apreciável esforço para a laicização do Estado. As normas da Sharia para o dia-a-dia são cinco: as prescritas (Fard), recomendadas (Mandub), permissíveis (Mubah), não recomendadas (Makruh) e as ilícitas ou proibidas (Haram). A distinção entre elas é se a sua prática ou não-prática é recompensada, não recompensada, punida ou não punida. A norma prescrita (fard) também se refere quanto à sua obrigatoriedade (wajib), compulsoriedade (muhattam) ou necessidade (lazim). 21 A Sharia antiga tinha um carácter muito mais flexível do que aquele hoje associado com a jurisprudência islâmica (fiqh), e muitos académicos muçulmanos acreditam que devia ser renovada e que os juristas clássicos deveriam perder o seu actual estatuto prestigiado. Esta alteração implicaria a necessidade de formular uma nova fiqh, que fosse praticável no mundo moderno, como a proposta pelos defensores da islamização do conhecimento. Este movimento, não pretendendo alterar os pontos fundamentais do Islão, tenta evitar más interpretações e libertar o caminho para a renovação do estatuto do mundo islâmico, como um centro de pensamento moderno e de liberdade 21. A Fiqh 22 é a metodologia utilizada para converter em legislação aplicável as normas do Corão e da Suna. Conhecida como jurisprudência islâmica, é sinónimo literal de "compreensão" ou "conhecimento" (linguisticamente Fiqh significa ter conhecimento em algo) e é constituída pelas decisões dos académicos islâmicos que dirigem as vidas dos muçulmanos. Como termo de jurisprudência, a Fiqh pode assumir dois significados distintos: ter conhecimento das regras da Sharia, que são extraídas das fontes legisladoras, ou, todas as leis islâmicas, sendo esta última definição praticamente sinónima ao termo Sharia. O conceito de Fiqh e Sharia como sinónimos não é unânime entre os estudiosos muçulmanos, acreditando a maioria que existem diferenças, como resumidamente realça Bilal Philips 23 : Sharia é o corpo das leis reveladas, encontradas no Corão e na Suna, enquanto Fiqh é o corpo de leis deduzidas da Sharia para cobrir situações específicas não directamente tratadas nas leis da Sharia. A Sharia é fixa e imutável, enquanto Fiqh muda de acordo com as circunstâncias sob as quais ela é aplicada. Na sua maioria, as leis da Sharia são gerais e determinam princípios básicos. Em contraste, as leis de Fiqh tendem a ser específicas, demonstrando como os princípios básicos da Sharia devem ser aplicados em determinadas circunstâncias. 21 Ver, por exemplo, o artigo A Maneira Islâmica de Islamização do Dr. Ahmad Shafaat publicado em primeira-mão no magazine islâmico"al-ummah" (1985). 22 Desenvolvido nas Hadith collections - Compendium of Muslim Texts - University of Southern California. 23 No livro "Evolution of Fiqh", publicado pela International Islamic Publishing House (p.2). 7

10 Conhecer o Islão A Fiqh pode ser dividida em duas partes: o estudo das fontes da lei e da metodologia (usul al-fiqh, raízes da lei) e as regras práticas ou normas legais (furu' al-fiqh, ramos da lei). A diversidade de fontes da jurisprudência islâmica e das suas possíveis interpretações leva-nos a aprofundar e especificar aqui o significado do termo Usul Al Fiqh, que designa a ciência da fonte e metodologia na Jurisprudência Islâmica, ou seja, a metodologia de extracção da fiqh. O conceito de Usul al Fiqh é pois comparável à metodologia da condução de uma experiência científica, sendo o conhecimento dessa metodologia o meio que capacita uma pessoa deduzir normas islâmicas das fontes legisladoras no Islão. A colecção de princípios relacionados com a Usul al Fiqh é grande. Sendo necessário o domínio de diversas áreas para a sua dedução, realçam-se especialmente as seguintes: 24 Conhecer a Língua Árabe: A importância de compreender a estruturação gramatical e léxico da língua árabe para compreender o correcto significado, por exemplo, de um Ayah (versículo do Alcorão) ou de um Hadith, para poder fazer a sua correcta interpretação. Um exemplo prático disto mesmo é, quando não se tem o pleno domínio da gramática árabe para interpretação das fontes legisladoras, dificilmente se poder dizer (deduzir) se um determinado acto é pecado (haram) ou apenas não recomendado (makruh). Interpretar os textos do Corão e da Suna: A menos que os textos do Corão e da Suna sejam correctamente compreendidos, nenhuma regra pode ser deduzida deles. O estilo do Alcorão é alusivo e elíptico, com gramática e vocabulário difíceis. Igual a outras escrituras, está sujeito a diferentes interpretações 25. O árabe em que está escrito o Alcorão distingue-se de qualquer variante idiomática árabe. É uma mescla de prosa e poesia sem métrica, difundida entre os beduínos para veicular uma literatura essencialmente oral. O Alcorão foi recitado nesta língua e a sua redução à palavra escrita (cujas regras gramaticais começaram a ser fixadas por filólogos apenas no século VIII), gerou o árabe literário clássico, que se tornou a língua oficial, embora inúmeros dialectos sejam falados no mundo islâmico. A estrutura linguística do Corão e da Suna varia ainda de estilo para estilo, conforme quem as escreveu, sendo alguns exemplos desses estilos os seguintes: texto especulativo (Thanniy), texto definitivo (Qatai), texto geral (Amm), texto específico (Khass), texto literal (Haqiqi) e texto metafórico (Hajazzi). A diferenciação destes estilos é pois um importante tópico no Usul al Fiqh. Fontes Legisladoras: Outro aspecto essencial que envolve a interpretação destes textos gira em torno da abrogação das suas regras. O estudo da delicada ab-rogação de regras do Corão e da Suna envolve a sua relação com outros Ayahs ou Ahadith, e como reconciliar as diferenças entre ambos. É pois necessário conhecer todas as fontes de jurisprudência e ter a capacidade não só de as interpretar, como também de as relacionar entre si. Normas da Sharia: conhecer as normas para o dia-a-dia, ou seja, quais as prescritas, recomendadas, permissíveis, não recomendadas e proibidas, mas avaliando-as dentro do contexto em que ocorrem. Para a aplicação de qualquer norma é necessário o conhecimento da situação, da regra e do método. Por exemplo, um princípio geral no Islão é que a mão de um ladrão deve ser cortada. No entanto, se a pessoa rouba comida estando faminto, este princípio geral não é aplicado nesta situação particular. Consequentemente, o conhecimento de como e onde aplicar as leis são obrigatórios. Face ao descrito anteriormente, apercebemo-nos da miríade de gradações e de conceitos muito semelhantes que podem existir no Islão. Em virtude de não haver uma estrutura clerical definida, que de alguma forma decida quais as interpretações correctas da Fiqh, podem ocorrer diferentes interpretações que são igualmente válidas, originando diferentes correntes e escolas de pensamento. O Islão sunita subdivide-se basicamente em quatro grandes escolas ortodoxas de jurisprudência (maddhabs), enquanto os kharijitas e os xiitas têm os seus próprios sistemas de jurisprudência (ver à frente o capítulo sobre os Ramos do Islão). 24 Em Termos Básicos em Jurisprudência Islâmica - TeachIslam.com 25 A interpretação do Alcorão (tafsir) é um campo de investigação que vem desde a época da codificação do texto até nossos dias. Foram escritos numerosos livros sobre o tema e existem numerosos comentários atribuídos a estudiosos, principalmente nos três primeiros séculos do islamismo, mas o trabalho mais importante de tafsir pertence a Al-Tabari, falecido no ano 923 d.c. Al-Tabari analisa cada verso do Alcorão e oferece diversas opiniões de estudiosos da época em relação à sua vocalização, gramática, léxico, interpretação ética, moral e relação do texto com a vida de Maomé. A tradição do tafsir reflecte muitas vezes as divergências e tendências do islamismo onde a própria natureza dúbia do texto corânico favorece essas interpretações divergentes. A interpretação xiita de alguns versos difere radicalmente da interpretação sunita, por exemplo, e nos últimos tempos, tanto os modernistas reformistas como os fundamentalistas têm interpretado os textos de maneira que se adapte aos respectivos pontos de vista. 8

11 II Série Cadernos do IDN Embora não exista no Islão uma estrutura clerical semelhante à das correspondentes igrejas cristãs, existe contudo um conjunto de pessoas que são reconhecidas e aceites pelo seu conhecimento da religião e da lei islâmica, denominadas ulemá (em árabe Âlim, pl. Ulemá; sábio): podem ser professores, religiosos, juristas, juízes, imãs, ayatollahs, etc. e são geralmente referidos como um grupo monolítico de intelectuais guardiães da "ortodoxia". Por sua vez, os académicos que se destacam pelo seu conhecimento da lei islâmica recebem o título de Mufti 26, sendo os responsáveis pela emissão de pareceres - fatawa 27 - sobre determinadas questões da lei islâmica e, em teoria, estes pareceres só devem ser seguidos pela pessoa que os solicitou. Não existindo no Islão uma estrutura clerical central, não há também unanimidade quanto às interpretações ou métodos para determinar quem pode emitir fatawa, o que leva alguns académicos a queixarem-se que demasiadas pessoas se sintam hoje qualificadas para tal. No Irão e noutras partes da Ásia refere-se ainda o termo Mullah, palavra que deriva do termo árabe mawla e significa "mestre", sendo usada como título de respeito quer por figuras religiosas quer por juristas. Califa significa literalmente "representante", podendo, em alguns casos, ser o "Sucessor do Profeta" pois provem do verbo khalafa, cujo significado é "suceder" ou "vir atrás". É o título que foi inicialmente usado por Abu Bakr, o sogro de Maomé, quando o sucedeu como o primeiro líder da comunidade muçulmana, a Umma, em 632. Os primeiros quatro califas são conhecidos como os "Califas Correctamente Guiados" (al-khulufa al-rashidun) e o detentor deste título clamava a soberania sobre todos os muçulmanos 28. A partir daí as cisões no grupo acentuaram-se, especialmente entre Fatimidas e Abássidas 29. No seguimento destes conflitos, outros líderes muçulmanos reivindicaram o título de califa, mas com a sua progressiva derrota o califado Otomano foi crescentemente afirmando-se como o califado principal, sendo considerado, até à Primeira Guerra Mundial, a maior e mais poderosa entidade política islâmica. O título de califa deixou de existir quando a República da Turquia aboliu o Império Otomano, em A comunidade muçulmana é liderada pelo Imã (em árabe imame, imam ou imâm; pl. a'imma), designação que pode ter uma variedade de conotações que necessitam ser cuidadosamente distinguidas. Derivando do vocábulo árabe com o significado de "chefiar" ou "conduzir a oração", o Imã tem como primeiro e mais comum sinónimo, o de líder da prece. Não tendo o Islão uma autoridade oficial, o Imã responsável da mesquita não é ordenado, podendo qualquer homem muçulmano dirigir a oração na sua ausência. Nos primórdios da história islâmica o título de Imã estava associado ao de califa, mas actualmente tem sido usado simplesmente como título de respeito, como por exemplo pelo falecido Khomeini, que preferia ser tratado por Imã e não por Ayatollah. Para os xiitas, o imã é o herdeiro continuador da missão espiritual do Profeta e é muito mais poderoso do que o califa sunita. Para os sunitas, o Imã é apenas um chefe civil e político, sem autoridade espiritual em especial. 26 O mufti serve de ponte entre a jurisprudência pura e o Islão actual e pode, ou não, ter o título de "qadi" (juiz). 27 Fatwa (plural "fatawa") - Termo usado na lei islâmica para indicar um julgamento ou deliberação legal formal efectuada por um especialista em lei religiosa, sobre um assunto específico. Normalmente, uma fatwa é emitida a pedido de um indivíduo ou de um juiz, de modo a esclarecer uma questão onde a fiqh é pouco clara. 28 O Período dos Quatro Califas, que se seguiu à morte de Maomé, é quando se começa a formar o Império Islâmico propriamente dito e os califas eram considerados simultaneamente Malik (rei) e Imã (líder religioso). 29 As origens da dinastia Fatímida situam-se no ismailismo, uma corrente do islão xiita (ver à frente o Islão Sunita e Xiita). Os membros da dinastia Fatímida alegavam ser descendentes de Fátima az-zahra (Meca 606-Medina 632), filha do profeta Maomé, e do seu marido Ali ibn Abi Talib. Enquanto xiitas, opunham-se ao califado sunita dos Abássidas ( ) - a segunda dinastia de califas - fundada por Abu al-abbas al-saffa, descendente de Abbas, tio do profeta Maomé. Esta dinastia muçulmana do Oriente transferiu a capital da Síria para o Iraque e foi a mais famosa e a mais duradoura do Islão, tendo sido composta por 37 califas. O seu apogeu verificou-se durante o reinado de Harun al-rashid ( ), o califa das Mil e Uma Noites. Os Abássidas tinham sucedido aos Omíadas - o primeiro califado ou Dinastia Umayyad - que durou apenas 90 anos ( ) e esta mudança constituiu uma importante alteração na essência da composição do califado, que levou o centro do Império Muçulmano de Damasco para Bagdad. Segundo, por exemplo, Nagib Dahdah (em Évolution de la Nation Libanaise, p. 81), o novo império muçulmano foi incontestavelmente árabe até à queda dos Omíadas de Damasco o que se justifica pelo novo califado Abássida ser formado essencialmente por muçulmanos não árabes, oriundos principalmente da Pérsia. 9

12 Conhecer o Islão De acordo com o Xiismo o Imã exerce 3 funções principais: governar a comunidade islâmica, explicar as ciências religiosas e a lei, e ser líder espiritual para levar os Homens ao entendimento do significado interior das coisas. Por causa destas funções o Imã não pode ser eleito por uma assembleia pública e, como guia espiritual, recebe a sua autoridade apenas do alto, isto é, cada Imã é apontado através da designação do Imã que o antecedeu por comando Divino. O Imã deve ocupar-se com os assuntos mundanos diários, bem como com o mundo espiritual, ou seja, as suas funções são ao mesmo tempo humanas e cósmicas 30. Ayatollah ou Aiatolá - literalmente "o Sinal de Deus" - é o título atribuído no século XX, por aclamação popular e pelos seus pares, aos académicos xiitas que alcançaram eminência, geralmente no campo da jurisprudência ou da teologia islâmica. Depois da revolução iraniana de 1979 aumentou muito o número dos que se consideram ayatollahs, mas apenas alguns deles (talvez menos do que dez) ostentam o título de Ayatollah al-uzma o Maior Sinal de Deus. Destes, o mais conhecido era o Ayatollah Khomeini, que detinha também o título de Marji al-taqlid 31 ou fonte de imitação. O grau abaixo de Ayatollah é Hujjat I-Islam. (Al-) Mahdi - literalmente, "aquele que é correctamente guiado"- é uma outra figura com profundo significado no Islão e também um título frequentemente reclamado por vários líderes na história islâmica. O seu poder justo é prenúncio da aproximação do fim dos tempos. Sunitas e xiitas aderem ambos à crença no Mahdi, embora o xiismo tenha desenvolvido uma doutrina mais profunda neste âmbito. 4. Ramos do Islão Existem várias correntes no Islão, cada uma com diferenças ao nível legal e teológico. Os maiores ramos são o Islão sunita e o Islão xiita, que aceitam diferentes colecções de Hadith como genuínas. Para perceber realmente o significado destas divisões devemos começar por lançar um breve olhar para a origem e para a história daquilo que é hoje o Islão. Maomé revolucionou verdadeiramente o mundo árabe, que transformou de um conjunto anárquico de tribos beduínas politeístas, onde a religião era pouco importante na vida política e social, numa unidade cultural em que a ideia de religião (islâmica) é o único poder que interessa, o único critério de identidade e de lealdade do grupo 32. O profeta Maomé faleceu contudo em 632 sem deixar claro quem deveria ser o seu sucessor na liderança da nova comunidade muçulmana, a Umma. Após a sua morte, as antigas inimizades tornaram-se uma vez mais evidentes a comunidade muçulmana de Medina era então composta por quatro grupos principais: os Mhajirin, muçulmanos de Meca que tinham acompanhado Maomé por ocasião da Hégira 33 ; os Ansar, cidadãos de Medina que tinham recebido os muçulmanos de Meca e lutado com eles; os partidários de Ali, que defendiam que o sucessor de Maomé deveria ser alguém da família Ashemita 34, no caso, Ali ibn Abi Talib, genro e primo do Profeta; e os Omíadas, pertencentes à aristocracia de Meca, cujo líder do clã era Abu Sufyan. Todos estes grupos, de uma forma ou outra, achavam-se os legítimos sucessores do Profeta. 30 Em Islão: Sunitas e Xiitas, TeachIslam.com 31 Maraji al-taqlid (singular Marji' al-taqlid) ou fontes de Imitação. É a maior autoridade em religião e lei no Islão Xiita. Este é o epíteto que caracteriza os ayatollahs com a patente de Ayatollah al-uzma. Um único ou supremo Marji' chama-se Marji' al-taqlid al-mutlaq. Este título era usado por exemplo pelo Ayattolah Khomeini no Irão, mas o seu sucessor, Ali Khamenei, ainda não conseguiu ser aclamado como tal. 32 Em From Muhammad to Bin Landen, David Bukey, 2008 (p.15) 33 Hégira (Hijra) - era muçulmana com início em 622 d.c. - fuga de Maomé de Meca para Medina. 34 Ashemita ou Haxemita, de Meca, invoca a sua descendência de Hashim, bisavô do profeta Maomé. Este termo é, actualmente, conotado mais directamente com a família real do reino da Jordânia. 10

13 II Série Cadernos do IDN Sem ter deixado nenhum filho homem e não tendo o Profeta determinado explicitamente a forma da sua sucessão, segundo a tradição, a escolha deveria ser feita em função da experiência, sabedoria e prestígio. Assim, Abu Bakr ( ), companheiro do profeta e um dos primeiros convertidos ao Islão, foi o eleito como califa "representante", função que desempenhou apenas durante dois anos. Para outros o sucessor deveria ter sido Ali, primo de Maomé e casado com a sua filha Fátima, mas era ainda um jovem. Esta primeira sucessão, se não totalmente consensual, não constituiu uma verdadeira oposição à escolha de Abu Bakr, que após a morte de Maomé teve a difícil tarefa de reunificar as tribos de beduínos que entretanto tinham abandonado o Islão e ainda de acalmar os que entendiam não lhe deverem lealdade. Para além disso, vários homens apresentavam-se como profetas e geravam ainda maior agitação. A revolta destes beduínos ficou conhecida como Ridda (apostasia 35 ) e foi solucionada por Abu Bakr pela conjugação da diplomacia e do recurso à força militar. Uma vez unificada a Arábia, Omar (Umar ibn al-khattab, ), o segundo califa, nomeado por Abu Bakr para o suceder antes da sua morte, concentrou-se na expansão do Islão para fora da península 36. As suas primeiras conquistas territoriais ocorreram na Síria, com a tomada da cidade de Damasco (635) e depois Jerusalém (638). Ao mesmo tempo, as forças islâmicas avançavam para Este, em direcção à Mesopotâmia e à Pérsia, mas também para Oeste, conquistando Alexandria em 642. Após a morte de Omar, em 644, assassinado por um cristão persa, foi eleito seu sucessor Otman (Uthman ibn Affan, ), um genro do profeta, que continuou a obra de expansão territorial naquilo que era então o império bizantino. Ao contrário dos anteriores califas, Otman não tinha o apoio de Ali e nomeou o seu primo Muawiyah (Muawiyah ibn Abu Sufyan, ) como governador da Síria, o que na altura foi interpretado como um acto de nepotismo - ambos pertenciam ao clã Omíada de Meca, que tinha tido em Abu Sufyan (pai de Muawiyah) um dos inimigos mais ferozes de Maomé. Em 656, Otman morre assassinado. Após o assassinato de Otman ocorreu novamente uma grande disputa em torno de quem deveria ser o novo califa. Para alguns, essa honra deveria recair sobre Ali, como aliás sempre tinham defendido; para outros, o califa deveria ser Muawiyah, primo de Otman. Escolheram porém Ali ( ), que foi finalmente eleito, tornando-se o quarto Califa e o último dos califas correctamente guiados 37. A questão não foi contudo pacífica e Muawiyah contestou a sua eleição, o que originou uma guerra civil entre os partidários das duas facções. Em 657 as forças de Ali e Muawiyah enfrentam-se na Batalha de Siffin, mas nenhum dos lados se sagrou vencedor. Ali concordou então com uma arbitragem proposta por Muawiyah, uma espécie de julgamento para decidir a vitória na batalha e se a sua ascensão ao poder era legítima. Uma parte dos apoiantes de Ali entendeu porém que ele procedeu incorrectamente ao aceitar a arbitragem e retirou-se, dando origem à primeira cisão no Islão, a dos Kharijitas. Outro partido permaneceu fiel a Ali e às suas pretensões ao califado e deu origem aos Xiitas. Ali foi assassinado por um kharijita em Kufa, em 661, e Muawiyah, aproveitando-se da situação, apodera-se finalmente do califado, pugnando pela sua transformação de electivo em hereditário e inaugurando em si uma nova dinastia. Tem então início a dinastia sunita Omíada ( ), que transfere a sede do califado da Arábia para Damasco, na Síria. Sob o signo desta dinastia a propagação muçulmana prosseguiu com uma rapidez espantosa, sendo marcada por uma segunda vaga de expansão territorial: a ocidente - o Magreb é conquistado entre 669 e 710 e a Península Ibérica em mas as conquistas avançam também a oriente. Em menos de cem anos, o império muçulmano estendia-se já do rio Indo à Península Ibérica. 35 Em algumas interpretações do Islão a conversão de muçulmanos a outras religiões é proibida e chamada de apostasia. Na teologia muçulmana, a apostasia corresponde a um crime de traição, à traição do seu próprio país. A penalidade inclui o ostracismo ou mesmo a pena capital, caso sejam habitantes ou tenham vivido num "Estado Islâmico" e forem considerados inimigos do Estado. 36 Do ponto de vista estratégico, cultural e económico, Omar foi um califa muito eficiente. Promoveu a expansão do Islão para além da península arábica e ordenou a construção de três cidades que serviriam de bases militares - Kufa, ao sul da antiga Babilónia; Basra, também chamada Basorah, ambas no Iraque, e Fostat, a primeira capital árabe no Egipto, actual Cairo. Com a finalidade militar de defender e controlar a região, eram também utilizadas socialmente como pólos de islamização da região. Foi igualmente Omar quem organizou o calendário Muçulmano, que é ainda hoje seguido, e organizou as finanças do império criando o balanço (a diferença entre o receita e a despesa). Organizou também administrativamente os territórios conquistados sob as ordens de um Wali, general e governador, assistido por um Amir, responsável pela receita de cada uma das regiões conquistadas. 37 Apesar destas disputas, os primeiros quatro califas - os chamados quatro califas correctamente guiados ou virtuosos - são considerados como tendo vivido tão perto do Profeta que os seus exemplos, bem como o de Maomé, são comummente aceites como autoridade na Suna. 11

14 Conhecer o Islão Fonte USA Federal Government Os partidários de Ali (shiat Ali, ou seja, xiitas) acreditavam porém que o primeiro califa foi um usurpador que retirou a Ali o seu legítimo direito à liderança, sendo esta crença justificada em Ahadith interpretados como reveladores de que, quando Maomé se encontrava ausente, ele nomeava Ali como líder momentâneo da comunidade. Enquanto viveram os elementos que gozaram da intimidade de Maomé o seu califado foi aceite pelos muçulmanos e coube-lhes pelo processo de eleição mas, com a morte de Ali, como referido, reacenderam-se as discussões em torno do direito de sucessão e ainda sobre o conteúdo de algumas das interpretações dogmáticas do Alcorão. A questão do direito de Ali suceder a Maomé dividiu o Islão até aos dias de hoje, entre: Sunitas: partidários dos califas abássidas, descendentes de Abbas, tio do Profeta, que acham que Maomé não designou um sucessor e implicitamente comandou os muçulmanos a escolher o líder que julgassem mais apropriado através do voto. Justificam a sua legitimidade apoiados na tradição e nos juristas que sustentam que o califado pertenceria aos que fossem considerados dignos pelo consenso da comunidade. Xiitas: partidários de Ali, casado com a filha de Maomé, e seguidores da disciplina e liderança. Entendem que Maomé nomeou Ali publicamente e julgam que a questão da liderança não é para ser debatida, argumentando que só os descendentes directos do Profeta são os verdadeiros imãs - guias infalíveis na sua interpretação do Alcorão e da Suna graças ao conhecimento secreto que lhes foi dado por Deus. 12

15 II Série Cadernos do IDN O Islão sunita e xiita reflectem igualmente diferentes respostas muçulmanas às revelações divinas: os sunitas preocupam-se mais com a vida interior e os xiitas com a exterior. Os sunitas mostram-se pois mais preocupados em criar e preservar estruturas de sociedade em que a comunidade possa cumprir as suas responsabilidades perante Deus, enquanto os xiitas, que começaram pelo martírio de Ali e do seu filho Hussein, sempre estiveram conscientes do sofrimento e da alienação que fazem parte da condição humana e procuram respostas para uma interpretação mais exotérica do Corão e da Sharia. Os dois ramos distinguem-se ainda em certas questões jurídicas e até nos rituais mas, no fundo, a diferença entre ambos não é muito grande - a divergência principal diz verdadeiramente respeito à natureza da chefia O Islão sunita Fonte: Geocities.com Os Sunitas são o grupo muçulmano que constitui a maioria da comunidade islâmica mundial, compreendendo actualmente quase 90% de todos os muçulmanos. A maioria dos sunitas acredita que o seu nome deriva da palavra Suna, que se refere aos preceitos baseados nos ensinamentos de Maomé e nos dos primeiros quatro califas correctamente guiados. Os sunitas são assim os seguidores do Corão e da Suna, tal como é relatada pelos companheiros de Maomé (sahaba) nos livros de Ahadith. Outros afirmam que o termo significa apenas "caminho moderado, referindo-se à ideia de que o sunismo toma uma posição mais neutra do que outras correntes dissidentes, que têm sido percebidas como mais extremadas, como é o caso de algumas seitas xiitas ou dos Karidjitas. A posição dos sunitas poderá ser resumida da seguinte forma: ninguém poderia suceder a Maomé na sua natureza e qualidade de Profeta, dado que o Corão, que determina a revelação da vontade divina, declarou Maomé como o "último dos profetas". O sucessor de Maomé seria então apenas um guardião do legado profético; seria um califa, com uma autoridade subordinada como líder dos crentes, com responsabilidade pela administração dos assuntos da comunidade, em obediência ao Corão e aos precedentes profetas. Pelo processo do consenso (ijma), a comunidade escolheria o seu líder entre os homens que fossem membros da tribo Coraixita, a que Maomé pertencera. Os Sunitas também acreditam que a comunidade islâmica (a Umma) se manteria unida sob a autoridade dos califas, que conservariam o governo pela lei e persuasão. A tendência sunita tem sido assim acomodar-se às diferenças de opinião das minorias e confirmar o consenso da comunidade no que se refere a assuntos doutrinais. 13

16 Conhecer o Islão Dentro da teologia Sunita desenvolveram-se diversos matizes interpretativos, que se dividem em quatro escolas ortodoxas de jurisprudência (maddhabs de Fiqh). Estas escolas de teologia sunitas tomam o nome dos seus fundadores - Imã Abu Hanifah, Imã Malik, Imã Shafi'i e Imã Hanbal - e guardam a sua raiz e origem na única escola Xiita Jafarita (Jafari), estabelecida pelo Imã Jaafar Ibn Mohammad (as-sadiq) em meados do século VI. As escolas sunitas, embora partilhem a maioria das suas decisões, diferem nas Ahadith particulares que aceitam como autênticas de Maomé e o peso que dão à analogia ou à razão (qiyas) em decidir perante questões não respondidas no Corão ou na Suna 38. A escola Hanafita, considerada a mais antiga, nasceu em Kufa 39 e é assim chamada por ter sido criada pelo persa Nu'man ibn Thabit conhecido como Abu Hanifah ( AH.). Abu Hanifah viveu 52 anos sob o governo Omíada, mas não concordando com este governo e acreditando que o direito ao califado pertencia aos filhos de Ali, teria emitido um fatwa em apoio à revolução dos Alawi 40, liderada por Zaid ibn Ali Ibn Hussein, defendendo mesmo o pagamento de Zakat àqueles revolucionários 41. Os Abássidas ainda tentaram obter o seu apoio e al-mansur (o segundo califa Abássida) ofereceu-lhe a posição de juiz, mas Abu Hanifah recusou, optando por manter-se independente e, em virtude da troca de correspondência alegando a sua recusa, foi preso e chicoteado, acabando por morrer na prisão. Abu Hanifah foi um dos que menos aceitou basear os regimes legais inteiramente no Corão ou nos Ahadith, aconselhando, por exemplo, a que os duros castigos corânicos (Hadd) fossem aplicados muito raramente e apenas para servirem de exemplo. Baseando-se essencialmente na opinião e na analogia, Abu Hanifah trabalhava em função de casos para formular doutrinas e a sua metodologia apesar de aceite pelos califas Abássidas, foi refutada pelos Imãs das outras escolas (Maliki, Hambal e Jaafar). A escola Hanafita é considerada a mais liberal das escolas do pensamento Islâmico e, apesar de inicialmente contestada, tornou-se na lei maioritária entre os muçulmanos. Hoje, quase 55% dos muçulmanos sunitas são Hanafitas, com forte presença na Ásia Central e do Sul, na Turquia, nos Balcãs e também na China, Índia, Paquistão e Irão. 38 Ver, por exemplo, Hadith collections - Compendium of Muslim Texts - University of Southern Califórnia, ou em Arressala Centro Islâmico do Brasil. 39 Kufa: cidade iraquiana a 170 km a sul de Bagdad e a cerca de 10 km nordeste de Najaf. 40 Os Alawitas são hoje um grupo étnico-religioso proeminente na Síria (ver mais à frente o Islão xiita). 41 Em O Islão e as escolas de jurisprudência por Al Musawi - Arressala Centro Islâmico do Brasil. 14

17 II Série Cadernos do IDN A escola Malikita, igualmente uma das primeiras, foi fundada em Medina pelo árabe Maliki ibn Anãs ( AH.). Maliki estudou com Ulema como o Imã Jaafar As-Sadiq e alcançou fama como sábio durante o período Omíada. Depois da queda desta dinastia e da ascensão dos Abássidas, tal como fez Abu Hanifah, Maliki emitiu uma fatwa contra o apoio exigido a Al-Mansur, proclamando cooperação à revolução liderada por Mohammad Ibn Abdillah Ibn al-hassan, o que lhe valeu a prisão e a tortura. O pensamento de Maliki altera o direito alegado pelos califas Omíadas de fazer leis sem referências ao Corão, reforçando a importância da hadith (tradição oral) e a importância dos ensinamentos dos 4 califas correctamente guiados. Escreveu a este respeito o livro Al-Mu watta e deste modo a sua Fiqh propagou-se, especialmente pelo norte da África e na Andaluzia. A escola Shafiita foi a terceira escola de jurisprudência islâmica, a maior e mais importante durante o período dos Abássidas. Foi fundada em Bagdad pelo árabe Mohammad Idris al-shafi i ( AH.). Shafi i instruiu-se também com vários ulama de seu tempo, tais como Muslim al Makhzumi e Maliki Ibn Anãs da escola Malikita. Após a morte de Maliki, Shafi i exerceu funções oficiais no Iémen, mas durante o governo de Al-Rashíd, em 178 AH., foi também acusado de apoio aos Alawitas sendo levado a julgamento em Bagdad. Shafi escapou da prisão e viajou para o Egipto onde se estabeleceu e desenvolveu a sua Fiqh, que se propagou por diversos países, encontrando-se hoje na África oriental, Médio Oriente, Indonésia, Malásia e Filipinas. A escola Shafiita defende que o conhecimento perfeito da sharia só pode ser conseguido através da revelação do Corão ou em precedentes de inspiração divina do profeta Maomé (Suna), através de relatos autênticos de Ahadith. A razão humana seria apenas usada como excepção, nos casos em que não se aplicasse a revelação divina. Nos séculos que precederam o aparecimento do Império Otomano a escola Shafiita era a dominante no Islão. Foi apenas no período dos sultanatos Otomanos, no início do séc. XVI, que esta escola foi substituída pela Hanafita, a quem foi dada autoridade judicial em Constantinopla, enquanto na Ásia Central a supremacia passava para o Xiismo duodecimano (12 imãs), como resultado da revolta Safawid, liderada por Shah Ismail, em Finalmente, a escola Hanbalita, de longe a mais fundamentalista das quatro, foi também fundada em Bagdad pelo árabe Ahmad ibn Hanbal ( AH.), um jurista para quem a Sharia se deveria basear exclusivamente no Corão e na Suna. A sua grande contribuição para a teologia islâmica é uma colecção de cinquenta mil tradições, conhecidas por Musnadul 43. A despeito da importância do seu trabalho, a escola Hanbalita não recolheu a popularidade das restantes escolas sunitas de direito e os seguidores de Hanbal foram considerados como reaccionários e incomodativos pela sua relutância em dar opiniões pessoais sobre questões de direito, pela rejeição da analogia, a fanática intolerância a pontos de vista diferentes dos seus e o hábito da exclusão dos adversários do sistema judicial e do poder. A sua impopularidade levou mesmo à ocorrência periódica de combates e de perseguições contra si. Existem ainda três movimentos estabelecidas dentro do sunismo: o Barelvi (também graficado como Barelwi ou Berailvi), que é um movimento sufista 44 hanafita indiano, com origem no Imã Ahmed Raza Khan ( ) de Bareilly, Rohilkhand, Índia; o Deobandi 45, movimento sufista revivalista, também da escola hanafita indiana, e o Wahhabi, movimento conservador reformista, fundado por Muhammad ibn Abd al Wahhab no século XVIII, na Arábia Saudita, que segue a escola hanbalita. É a escola dominante na Arábia Saudita e Qatar. 42 No séc. XV e XVI nasceram 3 grandes impérios que tinham como religião oficial o Islão: o Império Otomano no Médio Oriente, Balcãs e Norte de África; o Império Safávida ( ) na Pérsia (Irão) e o Império Mongol na Índia. Baber invadiu a Índia e na batalha de Panipat fez-se senhor do Punjab estabelecendo um novo Império Mongol na Índia, conhecido pelo nome de Império Mogol (nome persa para Mongol). 43 Em Believe, Overview of World Religions Project, Bülent Þenay. 44 Sufismo ou misticismo islâmico (ver à frente Outras Correntes do Islão). 45 Deobandi: cidade indiana a norte de Deli cuja madraça adoptou uma interpretação literal e austera do Islão e onde se situa a escola Darul Uloom Deoband. 15

18 Conhecer o Islão Ou seja, podemos esquematicamente subdividir o Islão sunita em: Malikitas Hanafitas o Barelvi o Deobandi Shafiitas Hanbalitas o Wahhabi Importa aqui realçar que o Wahhabismo tem vindo a obter uma influência cada vez maior no mundo islâmico, devido ao financiamento saudita a diversas mesquitas e madraris 46 noutros países. Antes do wahhabismo a relação entre sunitas e xiitas era mais muito próxima que hoje, tendo sido o sexto Imã xiista (Jaafar As-Sadiq) mestre de Maliki e Hanifah, os fundadores de duas das escolas sunitas. Foi ainda entre os xiitas que surgiu a estruturação das universidades, gerando produção intelectual e aproximação cultural entre Xiitas e Sunitas. Os sunitas não são unânimes quanto às suas visões dos xiitas, embora pareçam estar de acordo que as diferenças entre xiitas e sunitas não são comparáveis às que existem entre as diferentes escolas de Fiqh sunita. Uma pequena minoria sunita acredita porém que os xiitas, especificamente os Jafaryia ou dos doze, podem ser considerados como uma "quinta maddhab" do Islão. A prestigiosa Universidade Al-Azhar 47, no Egipto, por exemplo, chegou mesmo a emitir um decreto apoiando este ponto de vista, o qual foi todavia amplamente condenado por académicos sunitas em todo o mundo. A maioria dos sunitas considera o xiismo como um grupo rebelde, mas apesar disso dentro do Islão. Por outro lado, grupos radicais como a Nação do Islão, Ahmadiyya, Zikris e outros 48 são considerados como hereges e apóstatas ou desertores pela maioria dos sunitas e, por isso, fora do Islão O Islão xiita Xiita é um termo colectivo que se refere a várias seitas muçulmanas e que, no seu todo, constituem apenas cerca de 10% do mundo islâmico. Os demais muçulmanos, como vimos, são sunitas. Os xiitas são os partidários de Ali (shiat Ali), primo e genro de Maomé, além de quarto califa da comunidade islâmica. 49 O movimento xiita começou por Ali reclamar o poder para si, alegando que a sucessão de Maomé deveria seguir uma linha de sangue, em contrapartida ao pensamento sunita, para quem bastava o candidato a líder ser um exemplo a seguir e repetir a suna do profeta, ou seja, o seu comportamento. Os xiitas consideram o islamismo que praticam como a mais pura representação da religião original de Maomé e acreditam que o líder da comunidade muçulmana - o Imã - deve ser um descendente de Ali e de sua esposa Fátima, sendo ainda obrigatório que cada muçulmano siga um Marja (Fonte de Imitação) vivo. Existem vários Marjas xiitas vivos hoje, como o Aiatolá Khamenei, Aiatolá Ali al-sistani, Aiatolá Fazil Linkarani, Aiatolá Sadiq Sherazi, Aiatolá Fadlullah, etc. 46 Madrasa (plural "madaris") - Escola ou lugar de ensino, normalmente ligada ou associada a uma mesquita. 47 A Universidade de Al-Azhar, localizada no Cairo, é também uma mesquita. Foi fundada como escola de teologia na dinastia dos Fatímidas, em 988, sendo a segunda mais antiga universidade do mundo. Al-Azhar - literalmente "O Brilhante" ou "O Radiante" - tem como nome completo al-jami al-azhar (A Mesquita Radiante). Foi criada inicialmente como um bastião da doutrina ismaelita, mas tornou-se um reduto da ortodoxia sunita com os Ayúbidas, dinastia que precedeu os Mamelucos e cujo nome deriva do curdo Ayyub, pai do famoso Saladino. 48 Ver à frente o capítulo sobre o fundamentalismo islâmico 49 Na imagem, à volta de Alá aparece o profeta Maomé juntamente com Ali, Fátima Zahra, Hasan e Hussain (os segundo e terceiro Imãs xiitas). 16

19 II Série Cadernos do IDN Resumidamente pode-se afirmar que são quatro os princípios de diferenciação normalmente aceites pelos xiitas 50 : Ali foi eleito por Deus como Imã e chefe justo do mundo; Todos os imãs têm que descender de Ali; A existência do universo depende da presença de um imã vivo; Ali e seus descendentes possuem qualidades sobre-humanas, reconhecidas pelos outros muçulmanos apenas nos profetas. Os xiitas reinaram no mundo muçulmano especialmente com os Fatímidas no Cairo ( ), e na Pérsia com os Safávidas ( ), onde impuseram o xiísmo como forma de se libertarem do império otomano sunita. Os muçulmanos xiitas estão hoje espalhados por todas as partes do mundo, mas alguns países têm uma concentração particularmente forte de xiitas: o Irão é quase totalmente xiita e no Iraque quase dois terços da população é xiita. Encontram-se também grandes concentrações de xiitas no Bahrein (70%), em Oman (75%), no Azerbeijão (70%), no Líbano (40%), no Iémen (30%), nos Emiratos Árabes Unidos (15%), na Síria e na Turquia. Os Xiitas constituem igualmente minorias importantes no Paquistão e na Índia. Entre as comunidades islâmicas que residem no Ocidente também é possível encontrar minorias xiitas. Source: Thinkhard.org - Where Sunni and Shia live O Islão xiita contemporâneo pode ser subdividido em três ramos principais: os xiitas dos Doze Imãs (duodécimos), os ismaelitas e os zaiditas. As três seitas possuem posições distintas sobre a questão da autoridade religiosa, embora os duodécimos e os ismaelitas compartilhem quase a mesma teoria, atribuindo qualidades hereditárias e milagrosas aos seus imãs. Todos estes grupos estão de acordo em relação à legitimidade dos quatro primeiros Califas, porém, discordam em relação aos seguintes. Os xiitas dos Doze Imãs (também designados Ithna Asharites, duodécimos ou imamitas), formam o maior grupo dentro do xiismo e reconhecem uma linha de 12 imãs sucessivos, o último dos quais estaria ainda vivo, apesar de se ter ocultado no ano 874 d.c Segundo o resumo da Loja maçónica AGDGADU: benemérita Loja António João Nº 5 51 Muhammad al-mahdi, o Guia e 12º Imã encontra-se escondido e crê-se que regressará no fim do mundo. 17

20 Conhecer o Islão À semelhança do ismaelismo, o imã oculto é capaz de enviar mensagens a fiéis escolhidos e alguns xiitas iranianos acreditam que o falecido Aiatolá Khomeini teria recebido inspiração directamente deste 12º e último Imã. Como os duodécimos perderam todo o contacto com um imã real desde o séc. IX, escolhem os seus imãs entre os religiosos que, tradicionalmente, sejam sábios na literatura e instruções do profeta. Os imãs superiores (Aiatolá ou marja al-taqlid) gozam ainda de uma autoridade maior que os juristas ismaelitas e zaiditas. Estes Imãs são vistos como sucessores directos corporais e espirituais do profeta, escolhidos por Deus e inspirados divinamente. São considerados infalíveis, juntamente com o Profeta Maomé e Fátima (chamados de Os 14 Infalíveis ). Os 12 Imãs do Islão xiita são 52 : 1. Imã Ali ibn Abi Talib, "O Príncipe dos Crentes" (Ali Al-Ameeril Mo mineen) 2. Imã Al-Hassan Ibn Ali, "Al-Mujtaba" (Hassan Al-Mujtaba) 3. Imã Al-Hussein Ibn Ali, "Senhor dos Mártires" (Husain As-Shaheed) 4. Imã Ali Ibn Al-Hussein, "Formosura dos Devotos"(Zain-ul-Abideen) 5. Imã Mohammad Ibn Ali, "O Erudito" (Muhammad Al-Baqir) 6. Imã Jaafar Ibn Mohammad, "O Verídico"(Ja far As-Saadiq) 7. Imã Mussa Ibn Jaafar, "O Silencioso" (Musa Al-Kazim) 8. Imã Ali Ibn Mussa, "A Aprovação" (Ali Ar-Reza) 9. Imã Mohammad Ibn Ali, "O Generoso" (Muhammad Al-Taqi) 10. Imã Ali Ibn Mohammad, "O Orientador" (Ali Al-Naqi) 11. Imã Al-Hassan Ibn Ali, "Nascido em Ascar" (Hasan Al-Askari) 12. Imã Mohammad Ibn Al-Hassan, "O Guia (Muhammad Al-Mahdi) A maioria dos xiitas acredita que Muhammad Al-Baquir (o quinto califa), filho de Ali e neto de Hussein, era o imã legítimo, enquanto que uma minoria reconheceu antes seu irmão, Zayd bin Ali ( A.H.), sendo por isso os seus seguidores conhecidos como zaiditas, ou dos cinco. Para os dissidentes zaiditas, o verdadeiro xiita é qualquer muçulmano que siga as regras dos descendentes de Ali e Fátima e seja culto, piedoso e activo no meio político. Os zaiditas são uma seita xiita praticamente limitada ao Iémen, que embora sendo maioritária no noroeste do país é porém minoritária no conjunto do Iémen, que é de maioria sunita. Entretanto, os xiitas que não reconheceram Zayd como imã permaneceram unidos durante algum tempo sob a orientação de Jaafar as-saadiq ( ), o sexto imã, que foi um grande erudito e que é também tido em consideração pelos teólogos sunitas, dando o seu nome à principal escola xiita de Fiqh, que se chama de jafarita por sua causa. A escola Jafarita de Fiqh é a lei no sistema dos xiitas dos Doze Imãs, podendo mesmo o termo Jafari ser usado como sinónimo dos Doze ou duodécimos, reflectindo a plena integração entre o direito e a teologia neste credo. Desta forma, em muitos textos e livros, Jafari e Xiismo dos Doze não se distinguem, apresentando-se como uma só orientação 53. A Fiqh de Jafari é ligeiramente diferente da utilizada nas escolas sunitas por não se empregarem qiyas, mas utilizar o intelecto, caql. Outra diferença é que não se usam os mesmos ahadith. Muitos ahadith sunitas são excluídos devido a serem atribuídos a inimigos do Xiismo, como é o caso dos Ahadith de Aisha, para além da rica colecção dos ahadith relacionados com os imãs, que por definição, no xiismo, são seres guiados por Deus e não poderiam cometer pecados (err). 52 Em 53 Tore Kjeilen em Sharia, Encyclopedia of the Orient, LexicOrient ( ) 18

ISLAMISMO. Islã: submissão Muçulmano; o que se submete e rende a Alá

ISLAMISMO. Islã: submissão Muçulmano; o que se submete e rende a Alá ISLAMISMO Islã: submissão Muçulmano; o que se submete e rende a Alá MAOMÉ OU MOHAMMED Maomé (em áraabe:muḥammad ou Moḥammed; Meca. 570 - Medina, 8 de Junho de 632) foi um líder religioso e político árabe.

Leia mais

O MUNDO ISLÂMICO Prof. Nilson Urias

O MUNDO ISLÂMICO Prof. Nilson Urias O MUNDO ISLÂMICO Prof. Nilson Urias É a religião com maior número de seguidores e é a religião que mais cresce no mundo. Noite do Destino : Maomé recebe a revelação do anjo Gabriel. Só há um Deus, que

Leia mais

Cultura Religiosa. Prof. Ismar Dias de Matos

Cultura Religiosa. Prof. Ismar Dias de Matos Cultura Religiosa Prof. Ismar Dias de Matos I s l a m i s m o A partir de 20/01/2007, os islâmicos entraram no ano 1428. O que não é Islamismo O Islamismo não deve ser associado aos extremismos e fanatismos

Leia mais

Educação Moral e Religiosa Católica. O Islamismo. Colégio do Amor de Deus

Educação Moral e Religiosa Católica. O Islamismo. Colégio do Amor de Deus Educação Moral e Religiosa Católica O Colégio do Amor de Deus Educação moral e Religiosa Católica 00 estrutura Colégio do Amor de Deus 00 estrutura 00 estrutura 01 definição 02 génese 03 estudo história

Leia mais

A Unicidade. Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso

A Unicidade. Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso ISLÃ A Unicidade Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso 1. Dize: Ele é Deus, o Único! 2. Deus! O Absoluto! 3. Jamais gerou ou foi gerado! 4. E ninguém é comparável a Ele! Pilares do Islã Testemunho

Leia mais

Islamismo. Sobre a cultura árabe.

Islamismo. Sobre a cultura árabe. Islamismo O livro sagrado da religião islâmica é chamado Alcorão que é composto por 114 capítulos que traduzem a mensagem de Deus enviada a Maomé, porém, nem sempre foi assim, antes da revelação maometana,

Leia mais

5ª Lição: O que o Islam? As Crenças Essenciais do Islam

5ª Lição: O que o Islam? As Crenças Essenciais do Islam 5ª Lição: O que o Islam? As Crenças Essenciais do Islam Existem muitos aspectos da crença nos quais aquele que adere ao Islam deve ter firme convicção. Desses aspectos, os mais importantes são seis, conhecidos

Leia mais

Islamismo: A história de um povo UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CCSA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ECONOMIA

Islamismo: A história de um povo UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CCSA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ECONOMIA UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CCSA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ECONOMIA ISLAMISMO A história de um povo PETRÓPOLIS 2011 2 UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CCSA CENTRO

Leia mais

O Mundo Islâmico ARÁBIA PRÉ-ISLÂMICA:

O Mundo Islâmico ARÁBIA PRÉ-ISLÂMICA: O MUNDO ISLÂMICO A Civilização Árabe foi uma das mais brilhantes do período medieval e se estendeu da Índia até a Península Ibérica, passando pela Mesopotâmia, Palestina (Terra Santa), Egito, Norte da

Leia mais

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO História CONTEÚDO: CAP 3 - Islã CAP 4 Francos e Carolíngios 6ª 3 P2 REVISÃO 1. Na Arábia pré-islâmica, uma cidade em especial se transformou num ponto de encontro,

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 6 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Observe a imagem e responda às questões 1 e 2. REPRODUÇÃO 1. Cite dois elementos presentes na imagem que representam a Igreja católica.

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

A crise no mundo árabe e suas perspectivas. Cultura e Religião

A crise no mundo árabe e suas perspectivas. Cultura e Religião A crise no mundo árabe e suas perspectivas Cultura e Religião Cultura árabe e religião muçulmana (islamismo) Árabes grupo definido culturalmente: língua árabe, islã, tradições e costumes; Religião Muçulmana

Leia mais

UM RESUMO DO QUE É O ISLÂM

UM RESUMO DO QUE É O ISLÂM Reino Da Arábia Saudita Ministério Do Ensino Superior Universidade Islâmica de Medina Departamento De Investigação Secção de tradução www.iu.edu.sa UM RESUMO DO QUE É O ISLÂM ١ Em nome de Deus o Clemente

Leia mais

História Geral. 3ª Edição - 2007

História Geral. 3ª Edição - 2007 História Geral 3ª Edição - 2007 Arábia Pré Islâmica Os Muçulmanos (Religião Islâmica) Caaba Página de um Alcorão do século XIX. O texto sagrado do islamismo, composto de 114 suratas ou capítulos contém

Leia mais

Texto integrante dos Anais do XX Encontro Regional de História: História e Liberdade. ANPUH/SP UNESP-Franca. 06 a 10 de setembro de 2010. Cd-Rom.

Texto integrante dos Anais do XX Encontro Regional de História: História e Liberdade. ANPUH/SP UNESP-Franca. 06 a 10 de setembro de 2010. Cd-Rom. JUSTIFICATIVA A escolha do tema do presente trabalho se deu com o intuito de mostrar as grandes dificuldades e os preconceitos que a mulher sofre no islã, o que faz com que os problemas que as mulheres

Leia mais

IDADE MÉDIA ORIENTAL BIZANTINOS E ÁRABES

IDADE MÉDIA ORIENTAL BIZANTINOS E ÁRABES IDADE MÉDIA ORIENTAL BIZANTINOS E ÁRABES 1 O IMPÉRIO BIZANTINO: Império Romano do Oriente ou Império Grego. Constantinopla capital. Antiga Bizâncio, hoje Istambul (TUR). Local privilegiado estrategicamente

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

OS ÁRABES E O ISLÃ. O Mundo Muçulmano

OS ÁRABES E O ISLÃ. O Mundo Muçulmano OS ÁRABES E O ISLÃ O Mundo Muçulmano A ARÁBIA PRÉ-ISLÂMICA Península arábica. Deserto predominante. Até o séc. VI: divididos em aproximadamente 300 tribos. Beduínos nômades, dedicados a saques, habitavam

Leia mais

Easinfluências do Oriente.

Easinfluências do Oriente. IMPÉRIO BIZANTINO (séc IV a XV) Easinfluências do Oriente. PROFESSOR NICHOLAS GABRIEL MINOTTI LOPES FERREIRA INTRODUÇÃO O império romano caiu, dividiu-se em dois: Ocidental e Oriental. Oi Sua sede Bizâncio

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 6 Comunidade Global Tema Direitos fundamentais do : Declaração Universal dos Direitos do OBJECTIVO: Participa consciente e sustentadamente na comunidade global 1. Leia, com atenção, a Declaração Universal

Leia mais

PIBID - História e(m) imagens HISTÓRIA UFPR

PIBID - História e(m) imagens HISTÓRIA UFPR Oficina i de Quadrinhos e Cinema PIBID - História e(m) imagens HISTÓRIA UFPR Uso de Histórias em Quadrinhos (HQs) em Sala de Aula Diferentes gêneros e formatos para se escrever e publicar uma HQ; As temáticas

Leia mais

MECA a cidade Santa é um centro religioso, onde os árabes fazem a peregrinação ( visita a um lugar sagrado) para orar ao Deus Alá

MECA a cidade Santa é um centro religioso, onde os árabes fazem a peregrinação ( visita a um lugar sagrado) para orar ao Deus Alá No centro de Meca está a Caaba, ou Cubo, onde estavam os 370 ídolos de pedras e mais a PEDRA NEGRA, que segundo a tradição, Alá ( Deus) teria dado a Ismael, filho de Abraão. CAABA CAABA MECA a cidade Santa

Leia mais

Radicalismo Islâmico. Radicalismo Islamico

Radicalismo Islâmico. Radicalismo Islamico Radicalismo Islâmico Radicalismo Islamico Assim, no mundo árabe, Deus continua socializado de uma maneira que não vemos na Europa desde, talvez, antes do iluminismo. Deus está onipresente na comunidade

Leia mais

O CONCEITO DE SANTIDADE NO ISLAM

O CONCEITO DE SANTIDADE NO ISLAM O CONCEITO DE SANTIDADE NO ISLAM Sheikh Mohamad Al Bukai Para estudar esse tema, a humanidade tem percorrido por caminhos polêmicos para prová-lo. Há três vertentes de estudo sobre esse tema: o religioso,

Leia mais

FAZENDO NEGÓCIOS COM OS EMIRADOS ÁRABES UNIDOS (UAE) Valéria Domingues

FAZENDO NEGÓCIOS COM OS EMIRADOS ÁRABES UNIDOS (UAE) Valéria Domingues FAZENDO NEGÓCIOS COM OS EMIRADOS ÁRABES UNIDOS (UAE) Valéria Domingues INTRODUÇÃO Esta apresentação tem o objetivo de mostrar um pouco das particularidades quanto aos costumes, hábitos locais e etiqueta

Leia mais

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos No Antigo Testamento são citadas algumas cartas, como no 2ºMacabeus, capi.1º. Mas é no Novo Testamento que muitas cartas foram conservadas como parte integrante da revelação de Deus. No Novo Testamento

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

Observe as imagens, que pertencem ao manuscrito de um cronista inca, "Guaman Poma de Ayala" (1526-1614). (1,5)

Observe as imagens, que pertencem ao manuscrito de um cronista inca, Guaman Poma de Ayala (1526-1614). (1,5) Observe as imagens, que pertencem ao manuscrito de um cronista inca, "Guaman Poma de Ayala" (1526-1614). (1,5) Leia as afirmações seguintes, a respeito dos incas e marque a afirmativa INCORRETA. a) Tinham

Leia mais

Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund*

Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund* 1 Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund* 1. Suporte para lideranças Discuta que ajuda os líderes podem necessitar para efetuar o seu papel efetivamente. Os seguintes podem fornecer lhe algumas idéias:

Leia mais

O PLANO CONTRA LÁZARO

O PLANO CONTRA LÁZARO João 12 Nesta Lição Estudará... Jesus em Betânia O Plano Contra Lázaro Jesus Entra em Jerusalém Alguns Gregos Vão Ver Jesus Anuncia a Sua Morte Os Judeus Não Crêem As Palavras de Jesus Como Juiz JESUS

Leia mais

Os Árabes e o Islamismo

Os Árabes e o Islamismo Os Árabes e o Islamismo A civilização árabe ou islâmica surgiu no Oriente Médio, numa península desértica situada entre a Ásia e a África. É área de aproximadamente um milhão de quilômetros quadrados,

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

Islamismo Prof. Edmar Silva Fundamental II - 7 ano

Islamismo Prof. Edmar Silva Fundamental II - 7 ano Islamismo Prof. Edmar Silva Fundamental II - 7 ano Qual é a relação entre o cristianismo, o judaísmo e o islamismo? Questões prévias O que você sabe sobre o islamismo? Qual é o livro sagrado do islamismo?

Leia mais

Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas ENSINO RELIGIOSO

Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas 2 CONTEÚDO E HABILIDADES

Leia mais

Introdução. A Religião Islamismo

Introdução. A Religião Islamismo Introdução A Religião Islamismo A palavra religião vem do latim: religio. A religião é um vínculo, onde o mundo profano e o mundo sagrado são as partes vinculadas. Esse vínculo, na religião judaica, aparece

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

O relacionamento amoroso em «ARRET»

O relacionamento amoroso em «ARRET» O relacionamento amoroso em «ARRET» ARRET - O Diário da Viagem (2009) de J. A. Dal Col J. A. Dal Col ganhou motivação e inspiração para escrever a sua visão utópica do mundo (ARRET nome do nosso planeta

Leia mais

Adoração no Islã (parte 1 de 3): O Significado da Adoração

Adoração no Islã (parte 1 de 3): O Significado da Adoração Adoração no Islã (parte 1 de 3): O Significado da Adoração O conceito e propósito da adoração no Islã não têm paralelo com qualquer outra religião existente. Ele combina o mundano com o espiritual, o indivíduo

Leia mais

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO SERIEDADE NA PALAVRA CURSO BÁSICO DE TEOLOGIA MÓDULO I 1º SEMESTRE DE 2015 INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO PR. ROGÉRIO DE ANDRADE CHAGAS Introdução ao Novo Testamento. A nossa aula introduzirá a parte histórica

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012 2º Ciclo 5º Ano

Ano Letivo 2011/2012 2º Ciclo 5º Ano AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Anual EMRC Ano Letivo 2011/2012 2º Ciclo 5º Ano Tema Conteúdos Competências Específicas Avaliação Lectiva 1 Viver Juntos Mudança de ano

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Natureza, âmbito, objecto e sede 1. O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem da Ordem dos Notários (adiante designado por Centro), é a instituição de arbitragem,

Leia mais

Gr.Bíblico. Evangelho de. Nossa Senhora Conceição. São Mateus Ano litúrgico A

Gr.Bíblico. Evangelho de. Nossa Senhora Conceição. São Mateus Ano litúrgico A Evangelho de São Mateus Ano litúrgico A O Segundo Envangelho O TEMPO DE JESUS E O TEMPO DA IGREJA Este Evangelho, transmitido em grego pela Igreja, deve ter sido escrito originariamente em aramaico, a

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 8.1 Conteúdo: A influência do Islamismo na formação dos Árabes.

Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 8.1 Conteúdo: A influência do Islamismo na formação dos Árabes. Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 8.1 Conteúdo: A influência do Islamismo na formação dos Árabes. Habilidade: Conhecer a construção da identidade árabe através da consolidação histórica

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

As Três Grandes Religiões Cristianismo, Islamismo e Judaísmo

As Três Grandes Religiões Cristianismo, Islamismo e Judaísmo TRABALHO SOBRE As Três Grandes Religiões Cristianismo, Islamismo e Judaísmo Matéria: Cultura Religiosa Professor: Drº Aluno: Sérgio Moreira dos Santos, RA: 304395781. º do Curso de Direito, período noturno.

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

Distinção entre Norma Moral e Jurídica

Distinção entre Norma Moral e Jurídica Distinção entre Norma Moral e Jurídica Filosofia do direito = nascimento na Grécia Não havia distinção entre Direito e Moral Direito absorvia questões que se referiam ao plano da consciência, da Moral,

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO.

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO. Ao contrário do que parece à primeira vista, a Bíblia não é um livro único e independente, mas uma coleção de 73 livros, uma mini biblioteca que destaca o a aliança e plano de salvação de Deus para com

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

IV Domingo do Advento (Ano B) EVANGELHO Lc 1,26-38. «Eis a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra»

IV Domingo do Advento (Ano B) EVANGELHO Lc 1,26-38. «Eis a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra» segundo a tua palavra» Ambiente: O Evangelho que nos é hoje proposto deve ser entendido a esta luz: não interessa, pois, estar aqui à procura de factos históricos; interessa, sobretudo, perceber o que

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Vida em Sociedade Palestrante: Regina de Agostini Rio de Janeiro 05/02/1999 Organizadores da palestra: Moderador: "Brab" (nick: [Moderador])

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos

Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos ELEIÇÕES da UE 2014 Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos Memorando da EHF NOVEMBRO 2013 A s eleições europeias de maio de 2014 serão cruciais para os humanistas da Europa. A ascensão de partidos

Leia mais

Aula 5.2 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz Orientais Hinduísmo - Índia Budismo - Índia Taoísmo - China Xintoísmo - Japão ENSINO RELIGIOSO

Aula 5.2 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz Orientais Hinduísmo - Índia Budismo - Índia Taoísmo - China Xintoísmo - Japão ENSINO RELIGIOSO A Aula 5.2 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz Orientais Hinduísmo - Índia Budismo - Índia Taoísmo - China Xintoísmo - Japão 2 A Habilidades: Identificas as diferenças e semelhanças entre as religiões

Leia mais

LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia

LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia A Bíblia é um livro para todo a espécie de pessoas novos e idosos, cultos e ignorantes, ricos e pobres. É um guia espiritual para ensinar as pessoas como ser-se

Leia mais

ALTA IDADE MÉDIA 1. FORMAÇÃO DOS REINOS CRISTÃOS-BÁRBAROS

ALTA IDADE MÉDIA 1. FORMAÇÃO DOS REINOS CRISTÃOS-BÁRBAROS ALTA IDADE MÉDIA É costume dividir o período medieval em duas grandes fases: a Alta Idade Média, que se estende do século V ao século XI e a Baixa Idade Média, do século XII ao século XV. A primeira fase

Leia mais

Lição 8 Trabalhar com Líderes

Lição 8 Trabalhar com Líderes Lição 8 Trabalhar com Líderes Já havia mais de um ano que o António se tornara membro da sua igreja. Ele tinha aprendido tanto! Começou a pensar nos líderes da igreja que o tinham ajudado. Pensava naqueles

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Nome Data de início: / / Data de término: / / 2 Leitura Pessoal David Batty 1ª Edição Brasil As referências Bíblicas usadas nesta Lição foram retiradas

Leia mais

EBA-IBCU Out/Nov 2012. Wagner Fonseca João Mengaldo

EBA-IBCU Out/Nov 2012. Wagner Fonseca João Mengaldo EBA-IBCU Out/Nov 2012 اإلسالم Wagner Fonseca João Mengaldo UMBANDA Misto de espiritismo kardecista, catolicismo, budismo e mediunismo. Palavra umbanda = ao lado de Deus ou do bem ; Adoração e subserviência

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati

Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / 6º ANO TRADIÇÕES RELIGIOSAS TEXTOS SAGRADOS Se as religiões estão para humanizar

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus

Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus S. José modelo e protector de todos os pais materialdecatequese.webnode.pt 1 A terra de José (Mapa) O seu país era a Palestina e a aldeia onde morava chamava-se

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 Mantendo-vos, portanto, firmes, tendo cingido os vossos rins com a verdade, vestindo a couraça da justiça e calçando os pés

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê?

A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê? A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê? DÍVIDA SOCIAL ESCRAVIDÃO E IMIGRAÇÃO FALTA DE ESTRUTURA SOCIAL

Leia mais

Newton Bignotto. Maquiavel. Rio de Janeiro

Newton Bignotto. Maquiavel. Rio de Janeiro Newton Bignotto Maquiavel Rio de Janeiro Introdução No ano em que nasceu Maquiavel, 1469, Florença vivia um período agitado. Embora ainda fosse formalmente uma república, a cidade era de fato administrada

Leia mais

Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras

Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras C A P Í T U L O 3 8 Pérola de Grande Valor Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras escrito por profetas. Há cinco partes em Pérola de Grande Valor: o livro de Moisés, o livro de Abraão, Joseph

Leia mais

Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa

Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL. Indice:

CARTA INTERNACIONAL. Indice: CARTA INTERNACIONAL Indice: Introdução. I. Equipas de Jovens de Nossa Senhora II. A equipa III. As funções na equipa IV. A vida em equipa V. Abertura ao mundo, compromisso VI. O Movimento das E.J.N.S.

Leia mais

PESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO

PESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO PESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / 6º ANO Sois meu refúgio e minha cidadela, meu Deus, em que eu confio (Sl 90,2) OS

Leia mais

COMO SE TORNAR UM CRISTÃO FIEL. Apêndice 5. A Igreja de Jesus: Organização

COMO SE TORNAR UM CRISTÃO FIEL. Apêndice 5. A Igreja de Jesus: Organização 274 Apêndice 5 A Igreja de Jesus: Organização A maneira exata como a igreja se organiza é de pouco interesse para muitos. No entanto, organização é um assunto de importância vital. A organização da igreja

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006. I - Introdução

DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006. I - Introdução DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006 I - Introdução A Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) tem recebido, com muita frequência, um grande número de pedido de acessos a dados pessoais de saúde de titulares

Leia mais

No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS. Pr. Cristiano Nickel Junior

No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS. Pr. Cristiano Nickel Junior No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS Pr. Cristiano Nickel Junior O propósito é que a Igreja seja um exército com bandeiras Martyn Lloyd-Jones No princípio era aquele

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS REGULAMENTO ÉTICO ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt www.erse.pt Regulamento Ético

Leia mais

AS ORIGENS DO CALIFADO E O IMPÉRIO ÁRABE- ISLÂMICO: UM HARÉM DE SOBERANOS. Apresentação cedida e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila

AS ORIGENS DO CALIFADO E O IMPÉRIO ÁRABE- ISLÂMICO: UM HARÉM DE SOBERANOS. Apresentação cedida e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila AS ORIGENS DO CALIFADO E O IMPÉRIO ÁRABE- ISLÂMICO: UM HARÉM DE SOBERANOS Apresentação cedida e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila No primeiro momento é preciso tomar cuidado em relação

Leia mais

A evolução do conceito de liderança:

A evolução do conceito de liderança: A evolução do conceito de liderança: um bolo feito de camadas Departamento de Economia, Sociologia e Gestão Licenciatura em Gestão, 3º Ano, 2º semestre, 2011-2012 Liderança e Gestão de Equipas Docentes:

Leia mais

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver.

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. Richard Baxter Contexto: Os puritanos surgiram para apoiar e desejar a reforma

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959 PREÂMBULO CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua

Leia mais

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS 1 TEXTO BÍBLICO - Lucas 6,12-19 (Fazer uma Oração ao Espírito Santo, ler o texto bíblico, fazer um momento de meditação, refletindo sobre os três verbos do texto

Leia mais

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos.

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE COOPERAÇÃO EM PESQUISA CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO O Governo da República

Leia mais