PROGRAMA DE GERENCIAMENTO ENERGÉTICO PARA A COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE GERENCIAMENTO ENERGÉTICO PARA A COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN"

Transcrição

1 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO ENERGÉTICO PARA A COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Mauri Fernandes Guedes 1 ; Graziela Regina Pelepenko 1 Resumo No atual contexto mundial, onde a globalização forçou empresas de todas as áreas a se tornarem mais eficazes, as empresas de saneamento não podiam ficar excluídas. E uma das maneiras mais significativas para se melhorar a eficiência de uma empresa de saneamento é através da gestão do seu consumo de energia elétrica. Assim, a elaboração de um Programa de Gerenciamento Energético, abrangendo aspectos humanos e tecnológicos, devidamente estruturado formalmente na empresa, se torna uma ferramenta muito valiosa para uma gestão mais eficiente da empresa e conseqüentemente para a melhoria da qualidade de vida da população. Abstract - In the current world context, where the globalization process forces companies of all areas to become more effective, the sanitation companies could not be excluded. And one of the most significant ways to improve the efficiency of these companies is through the administration of its electric energy consumption. Thus, the elaboration of a Energy Management Program, embracing human and technological aspects, properly formally structured in the company, becomes into a very valuable tool for a more efficient administration of the company and consequently for the improvement of the quality of life of the population. Palavras-Chave: Eficiência Energética no Saneamento, Gestão Energética no Saneamento, Desperdício de Energia. 1 CASAN Companhia Catarinense de Águas e Saneamento - Gerência de Desenvolvimento Operacional End. Rua XV de Novembro, 230 Estreito Florianópolis/SC CEP Tel Fax: ;

2 INTRODUÇÃO A busca premente e incessante da melhoria da qualidade na prestação de serviços públicos com custos menores tem sido tecnicamente a forma mais viável para o aumento da capacidade de investimento e desenvolvimento dos sistemas abrangidos pela CASAN - Companhia Catarinense de Águas e Saneamento, resultando na maior satisfação da população, com a utilização mais racional dos recursos naturais e contribuindo de forma significativa para o desenvolvimento econômico e social dos municípios atendidos. A CASAN é uma sociedade de economia mista, criada em 31 de dezembro de 1970 através da Lei Estadual n.º e constituída em 02 de julho de 1971 com o objetivo de coordenar o planejamento e executar, operar e explorar os serviços públicos de esgotos e abastecimento de água potável, bem como realizar obras de saneamento básico, em convênio com municípios do Estado. Uma das maneiras mais concretas para a melhoria dos serviços das empresas de saneamento consiste na implantação de um Programa de Gestão Energética que vise, sobretudo, a mudança cultural em termos de consumo de energia, consciente e inconsciente de cada funcionário, aliado à utilização de métodos operacionais e equipamentos mais eficientes, o qual permitirá reduzir os custos operacionais da empresa, fazendo com que os excedentes sejam aplicados na expansão dos sistemas ou a melhoria na manutenção dos atuais sistemas, aumentando sua confiabilidade, propiciando resultados positivos para a sociedade como um todo. A importância da Gestão Energética no saneamento pode ser facilmente visualizada em função de ser o consumo de energia o segundo item mais dispendioso nas despesas abaixo apenas da despesa com pessoal. Além disso, de acordo com o PROCEL SANEAR (2005) mais de 2% do consumo total de energia elétrica do Brasil, 7 bilhões de KWh/ano, são consumidos por empresas de saneamento básico, em sistemas de abastecimento de água e esgoto sanitário, sendo que 90% desse consumo corresponde a utilização de motores elétricos. Na CASAN as ações relacionadas à eficiência energética sempre foram tratadas juntamente com os demais assuntos operacionais da Gerência de Desenvolvimento Operacional, com algumas realizações pontuais a medida que a oportunidade ou a conveniência surgiam. Entre essas ações podemos citar: Desenvolvimento, em conjunto com a Gerência de Informática, de um software específico para o gerenciamento do consumo de energia através dos dados das faturas de energia, enviados por meio eletrônico pela concessionária; A implantação de uma nova adutora de água bruta, captando-se água por gravidade, propiciando o desligamento de uma ERAB com 2 conjuntos de 1300 CV cada, que funcionavam tanto na ponta quanto fora de ponta. Obra realizada com recursos do PROCEL EFICIÊNCIA da CELESC Centrais Elétricas de Santa Catarina; Elaboração de um Acordo de Cooperação com a CELESC, para agilização na tramitação de processos assim como prestar apoio técnico para a tomada de decisões pertinentes à eficiência energética. Este Programa foi concebido para ser gerido por um Grupo de Gestão que coordene a execução das ações voltadas à eficiência energética em cada um dos sistemas atendidos pela CASAN.

3 OBJETIVO GERAL Instituir o Programa de Gestão Energética na CASAN, gerenciado por um Grupo de Gestão, para a aplicação e difusão de todas as ações referentes à eficiência energética entre todas as unidades da empresa. ASPECTOS DO PROGRAMA A etapa de implantação do Programa é, sem dúvida, o fator mais crítico dentro do processo de gestão energética. Isto porque, caso a idéia da eficientização energética não seja, desde seu início, vista como uma das prioridades da empresa, cairá em descrédito e não mais merecerá a devida atenção por parte dos funcionários. Já a definição das ações a serem tomadas são, de certo modo, comuns e replicadas entre as empresas do setor. Este Programa deve abordar aspectos tanto humanos quanto tecnológicos da Gestão Energética. A vertente humana deve visar a difusão de informações relevantes ao tema, que auxiliem cada funcionário a se inserir no contexto da nova situação, induzindo-o à mudança de hábitos, atitudes e comportamento, isto significa, muitas vezes mudanças culturais de hábitos fortemente arraigados, como concepções ultrapassadas de rotinas operacionais e projetos. Importante ressaltar que esse envolvimento das pessoas, dedicando-se a essa causa, deve ser hierarquicamente assumido e difundido diretamente de cima para baixo, com a participação ativa da diretoria, gerência e divisões agindo como promotores e incentivadores de ações visando a eficiência energética, chegando assim até ao nível mais operacional. A eficiência energética deve ser assumida como uma política da empresa em parceria com cada funcionário. A instituição desse Programa de Gestão Energética deve ser devidamente estruturada, a nível gerencial, dentro do organograma formal da empresa, com designação por parte da diretoria de um responsável direto por sua gestão, de forma que responsabilidades e resultados possam ser devidamente cobrados e ainda sob pena de, caso não seja devidamente formalizado, seus objetivos serem sempre relegados a segundo plano frente aos problemas cotidianos da área operacional. Assim, este Grupo deve ser enquadrado como uma Coordenação ou mesmo uma Gerência, que pode tratar também das perdas de água. A vertente tecnológica deve fundamentalmente estar ligada ao Programa PROCEL, abordando Legislação, Regulamentação, Pesquisa, Desenvolvimento, Informação, Treinamento, Tarifas e Incentivos. A partir desta base o funcionário deve ser inserido nas questões de eficiência energética, entrosando-o a novas tecnologias, tanto relacionadas a equipamentos como a processos, executando o devido controle de cada parâmetro pré-determinado, reduzindo significativamente o consumo de energia de cada sistema sem, contudo, afetar a qualidade do serviço prestado à população, isto significa que qualquer ação relacionada à eficiência energética não deve comprometer a qualidade ou a quantidade de água para o abastecimento do sistema, bem como a coleta e tratamento do esgoto, não afetando a qualidade de vida da população atendida. O desenvolvimento do Programa deve ser realizado tendo-se sempre em vista a parceria e o apoio técnico prestado pela CELESC, concessionária de energia elétrica também estadual, com a centralização de todas as suas relações sendo mantidas através do Grupo de Gestão. O GRUPO DE GESTÃO O Grupo de Gestão deve ser composto por profissionais da área operacional da Matriz, Superintendências e suas Agências Regionais, sob a coordenação dos primeiros. Porém, não devem

4 ser incluídas pessoas que não estejam intimamente comprometidas com a idéia da eficientização, isto é, todos os participantes do Grupo devem estar dispostos e motivados a prestar sua contribuição com a crença na obtenção dos resultados. Assim, não deve ser especificada uma quantidade exata de pessoas no Grupo, uma vez que, se determinada Agência não dispuser de um profissional habilitado a participar, o representante da Superintendência assumirá também a atribuição de operacionalizar as medidas naquela Agência. A perenidade da composição do Grupo deve ser sempre perseguida, uma vez que toda a experiência e as informações adquiridas e trabalhadas para a gestão eficiente de energia dificilmente conseguirão ser totalmente repassadas a cada novo participante. Outro fator importante também é o comprometimento com o prosseguimento das ações e a obtenção dos resultados, uma vez que o novo membro não teria participado de suas definições. As reuniões devem ocorrer ordinariamente uma vez ao mês, porém não necessariamente com todo o grupo. Reuniões com os componentes de cada Superintendência e suas Agências regionais podem e devem ocorrer, no mínimo, mensalmente, principalmente para o acompanhamento da execução das ações em andamento e verificação dos resultados. A presença dos componentes da Matriz nas reuniões das superintendências, além das necessárias à implantação do modelo, deve ocorrer sempre que requisitado previamente pela Superintendência. Anualmente deve ser realizado um Workshop, alternadamente em cada Superintendência, com a participação de todos os integrantes do Grupo, além do Diretor de Operação, onde será apresentado o trabalho desenvolvido em cada Agência e os resultados obtidos, além de servir como Fórum para a discussão de novas idéias e proposições. AS AÇÕES O Grupo de Gestão deve, a partir de uma visão macro do problema, perseguir soluções partindo do geral para o específico, buscando o maior resultado possível através de ações com o menor custo e tempo despendidos. Assim, com uma abordagem sustentável das ações a serem implantadas, as mesmas devem ser devidamente institucionalizadas, de forma a se evitar que os resultados de curto prazo se percam no médio e longo prazos, independentemente das pessoas que estejam envolvidas nas atividades ou da troca da diretoria. As ações a serem implantadas pelo Grupo de Gestão podem ser divididas em administrativas, normalmente sem custo financeiro, e operacionais, que podem necessitar de investimentos irrisórios ou de grande monta, visando também um retorno vultoso. Assim, tendo em vista a comum dificuldade de obtenção de recursos para o investimento neste tipo de ações, caberá ao Grupo, além da especificação do responsável pela sua aplicação (Diretoria, Matriz - GDO, Superintendência ou Agência), do acompanhamento e candidatura à elegibilidade de obtenção de recursos destinados à eficientização energética, apresentar uma avaliação econômica da ação pretendida, com custos e prazo de retorno de cada uma, priorizando-as. Deverá, imprescindivelmente, ainda ser considerada nesta priorização, além dos aspectos objetivos (retorno financeiro), aspectos subjetivos, como segurança do fornecimento, risco de multas, possibilidade de futuras ampliações etc, garantido uma abordagem multicritério para a tomada de decisão. Para o início da implantação do Programa algumas medidas devem ser tomadas prioritariamente, conforme relacionadas abaixo, porém deverão ser realizadas avaliações periódicas para a adaptação e/ou incremento de mais ações. Essas medidas serão encaminhadas e coordenadas pelo Grupo de Gestão, para a execução por parte da Diretoria, Superintendências/Agências ou do próprio Grupo. A adoção dessas medidas não exclui a implantação concomitante de outros Programas igualmente

5 importantes para a empresa e sua eficiência operacional, como um Programa de Redução de Perdas de Água, o qual, devido a sua natureza estar intimamente interligada ao consumo de energia, poderá ser agregado ao Programa de Gestão Energética, e um Programa de Manutenção Preventiva, imputando maior confiabilidade aos sistemas, evitando-se, entre outros, a operação inadequada ou irregular de equipamentos, o que, por sua vez, também culmina em um maior consumo de energia. Medidas a serem executadas pelo Grupo de Gestão Energética: 1. Realizar palestras de conscientização sobre a importância da eficientização energética e sobre aspectos técnicos de um diagnóstico energético, para que o responsável em cada Agência multiplique o conhecimento para todos os outros funcionários; 2. Realizar estudos, juntamente com as Regionais, sobre a melhor tarifação a ser adotada em cada unidade com demanda maior ou igual a 30 KW; 3. Realizar estudos para a possível aquisição de geradores para a operação durante os horários de ponta nas unidades mais críticas, evitando-se também o desabastecimento, se elevatória de água, ou extravasamento, se elevatória de esgoto, no caso de falta de energia; 4. Implementar procedimento para a verificação do histórico de manutenção e grau de eficiência de cada equipamento antes da autorização para a recuperação do mesmo, avaliando a viabilidade da substituição do mesmo por outro de maior rendimento; 5. Elaborar estudos para a definição de pontos para a instalação de ventosas em adutoras, possibilitando a retirada do ar e sua conseqüente perda de carga; 6. Pesquisar fontes de financiamento para projetos de conservação de energia, elaborando e avaliando a viabilidade dos mesmos; 7. Relacionar alterações a serem implementadas no software CICE, agilizando a análise e acompanhamento dos dados de consumo de energia constantes nas faturas de energia, propiciando um gerenciamento mais eficiente; 8. Relacionar os sistemas de abastecimento de água e esgoto onde deverão ser implantados Sistemas de Supervisão e Controle (Automatização), de modo a possibilitar a otimização do controle e operacionalização dos sistemas, reduzindo-se as perdas, extravasamentos ou faltas de água em qualquer região; 9. Elaborar estudos para a substituição de quadros de comando convencionais por inversores de freqüência nas elevatórias de esgoto, com a possível implantação de reservatórios maiores, propiciando redução na demanda contratada para o horário de ponta; 10. Definir indicadores para o acompanhamento e comparação da eficiência de todos os sistemas, o que demonstrará as oportunidades de melhoria em cada um. Medidas a serem executadas pelas Superintendências e Agências Regionais: 1. Nas unidades com tarifação horo-sazonal, instalar controlador tipo timer para desativar total ou parcialmente as cargas no horário de ponta (conforme contratado), não permitindo sua ativação. Deverá ser especificado um responsável, preferencialmente o gerente ou chefe do setor operacional, pelo cumprimento do contrato. Deverão ser descontadas do Fundo de Pronto Pagamento as multas por ultrapassagem da demanda contratada que por ventura vierem a ocorrer; 2. Nas unidades com fator de carga menor ou igual a 0,85 e demanda maior ou igual a 30 KW, testar a implantação da tarifação horo-sazonal com o desligamento total ou parcial dos motores no horário de ponta, avaliando, para isso, a possibilidade de implantação de reservatórios; 3. Verificar, no relatório de consumo de energia, as unidades que estão com fator de potência abaixo de 0,92 e providenciar, com o auxílio da GDO, sua imediata correção. Deverá ser dado um prazo máximo de 2 meses para tal correção, após este prazo deverá ser descontado do Fundo de Pronto Pagamento da Regional as multas provenientes do baixo fator de potência que por ventura ainda ocorram;

6 4. Nas unidades que estão com fator de potência maior ou igual a 0,92 e possuam capacitores instalados, seguir as Instruções para Instalação, Operação e Manutenção de Capacitores de Baixa Tensão; 5. Atualizar periodicamente os dados constantes no relatório de consumo de energia, principalmente no que se refere à unidade do sistema e endereço, informando quando do desligamento de alguma unidade, paralelamente com a execução do pedido de desligamento junto à CELESC; 6. Quando do pedido de ligação de energia para alguma unidade nova, deverá ser informado à CELESC o endereço completo e o nome da unidade do sistema (exemplo: CASAN ERAT32), para que conste na fatura, sendo solicitada também sua centralização para entrega na Matriz; 7. Sempre que solicitar novo pedido de ligação de energia informar ao Grupo de Gestão todos os dados da nova unidade, para pronto cadastramento; 8. Analisar mensalmente os relatórios de consumo de energia, verificando se os valores de KWh e KW consumidos em cada unidade estão de acordo com o esperado; 9. Elaborar um plano de limpeza de adutoras, com o auxílio de poly pig, de modo que as perdas de carga sejam reduzidas, necessitando-se de uma menor demanda para a mesma produção ou ainda o aumento da produção sem a troca de equipamentos, postergando-se uma possível ampliação do sistema com seu conseqüente aumento no consumo de energia. Medidas a serem ser executadas pela Diretoria: 1. Verificar junto ao Governo do Estado a possibilidade de isenção da CASAN no que se refere ao pagamento do ICMS nas faturas de energia. Esta medida representaria uma redução de aproximadamente 33% no valor das faturas da CELESC, podendo ser estendida também às cooperativas; 2. Designar que, no mínimo, 50 % dos recursos economizados com a despesa de energia elétrica sejam reinvestidos em outras ações para o gerenciamento de energia, criando-se uma previsão orçamentária para a utilização dos recursos; 3. Verificar junto às prefeituras a possibilidade de isenção da COSIP, uma vez que na maioria dos locais onde estão as unidades da CASAN não existe tal benefício (iluminação pública). Esta medida representaria uma redução de 2% da despesa total com energia; 4. Verificar a possibilidade da isenção da cobrança de correção monetária, juros de mora e multa por atraso de pagamento, comprometendo-se com a concessionária em estabelecer prazos exeqüíveis de pagamento; 5. Determinar quais as pessoas dentro da CASAN estão habilitadas a fazer novos pedidos de ligação e encaminhar a correspondência a cada Agência Regional da CELESC para que não aceite pedidos de pessoas não autorizadas pela CASAN; 6. Determinar à Gerência de Projetos que todos os novos projetos com demanda igual ou superior a 50 KW sejam elaborados de forma a permitir o desligamento, se possível total, da unidade no período de horário de ponta; 7. Determinar que sejam realizadas medições do nível de iluminamento em todas as áreas, adequando-o ao nível prescrito por norma e aproveitando ao máximo a iluminação natural; 8. Determinar que nos escritórios sejam trocadas as atuais luminárias com lâmpadas fluorescentes de 40W e reatores eletromagnéticos por luminárias reflexivas com lâmpadas de 35 W com reatores eletrônicos ou lâmpadas tipo PL. Nas áreas abertas e pátios, as lâmpadas devem ser substituídas por outras de vapor de sódio, reduzindo-se sua quantidade ou potência; 9. Determinar que seja realizada uma avaliação dos atuais sistemas de ar condicionado (central e pontual), para a possível substituição dos mesmos por outros mais eficientes; 10. Determinar que toda especificação de equipamentos priorize o uso eficiente de energia e venha acompanhada de um estudo do custo total de operação durante a vida útil do equipamento, envolvendo obrigatoriamente a soma de: custo inicial (aquisição), custo de manutenção (peças mais

7 comuns e mão de obra) e custo do consumo de energia previsto para a vida útil do equipamento. Esses custos devem fazer parte do critério de julgamento para aquisição de qualquer equipamento elétrico para a CASAN; 11. Determinar que sejam realizados estudos sobre a melhor opção para cada caso, entre utilização de variadores de freqüência ou equipamentos modulares (divindo-se a potência máxima requerida de acordo com a demanda necessária). RESULTADOS ESPERADOS A partir da completa implementação do programa, os resultados esperados devem refletir uma redução real em torno de 20% na despesa total com energia elétrica, o que deverá ser comprovada através das faturas de energia e do comparativo de indicadores, como KWh/m³ de água tratada produzida, pois qualquer ampliação de sistema, com o conseqüente aumento da potência consumida, deverá ser devidamente considerada frente ao aumento da produção e decorrente aumento do faturamento de forma eficiente. Aliado à redução das despesas, o aumento da confiabilidade dos sistemas com a conseqüente redução de períodos de desabastecimento, com a melhoria da imagem da empresa e por fim a melhoria da qualidade de vida da população, também são resultados esperados com a total implantação deste Programa. Apesar do caráter subjetivo dos mesmos, estes aspectos intangíveis são tão ou mais importantes que os facilmente mensuráveis, visto que o objetivo final da empresa é proporcionar uma melhor qualidade de vida à população, o que envolve, além da boa qualidade da água distribuída, a quantidade suficiente para o perfeito abastecimento da população. CONCLUSÃO A tendência atual é que a população urbana mundial dobre nos próximos 40 anos (ALLIANCE, 2002), e para que essa população seja atendida pelos serviços de água e esgoto haverá, proporcionalmente, um aumento do consumo de energia pelas empresas de saneamento, e caso levemos em consideração as demandas reprimidas por falta de atendimento adequado o consumo de energia elétrica pode dobrar em menos de 40 anos. Além disso, desde 2002 as tarifas de energia elétrica no Brasil vêm sofrendo profundas modificações. Há a tendência de que elas fiquem ainda mais caras para as unidades consumidoras do grupo A, em decorrência do chamado realinhamento tarifário, além do fim dos subsídios dados ao setor, que hoje são de 15% mas já chegaram a 80% em Esse realinhamento é contínuo e deve ser concluído até Deve-se lembrar que as unidades consumidoras mais significativas, acima de 75 KVA, possuem obrigatoriamente tarifação binômia (demanda e energia), sendo que a componente correspondente à demanda (R$/KW) é que vem sofrendo um aumento mais acentuado em relação à energia, única componente da tarifação monômia. Este cenário vem somente confirmar a importância que a Gestão de Energia Elétrica tem e ainda terá para a sociedade como um todo Neste contexto, uma das bases mais importantes deste Programa foi a visão da prioridade do combate ao desperdício de energia em uma empresa de saneamento, devendo ter uma estrutura formal institucionalizada na empresa, com o objetivo de tratar do assunto, planejando, desenvolvendo, controlando e avaliando medidas de combate ao desperdício de energia, além de efetuar todos os trâmites para a obtenção de financiamentos para a área. Assim, tendo em vista o vasto potencial de redução do consumo de energia e combate ao desperdício, a tarefa mais difícil se

8 torna realmente a gestão dessas ações e das pessoas envolvidas neste Programa tão importante para a eficiência de toda empresa. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALLIANCE ALIANÇA PARA CONSERVAÇÃO DE ENERGIA, Aproveitando as oportunidades de eficientização de água e energia não exploradas nos sistemas de água municipais.washington, DC. PROCEL SANEAR Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica no Setor de Saneamento. Disponível em: Acesso em : 15 de agosto de 2005.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética A realização de diagnóstico energético envolve um conjunto bastante diversificado de atividades,

Leia mais

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba.

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência Desde 1998, por lei, toda distribuidora de energia precisa investir em ações que reduzam o desperdício de energia elétrica. Uma determinação

Leia mais

Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética

Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Sistemas para Gerenciamento de Energia Fundação Santo André 25/03/08 Por: Eng. André F. Obst Depto. de Eficiência Energética Objetivo Entender

Leia mais

Novo Medidor Eletrônico

Novo Medidor Eletrônico Novo Medidor Eletrônico Neste material, você encontra todas as informações sobre o novo equipamento que vai medir o consumo de energia elétrica da sua instalação. bandeirante Instalação do medidor eletrônico

Leia mais

GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO

GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO STC/ 13 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO

Leia mais

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA O QUE É ENERGIA ATIVA E REATIVA? Sim, mas apesar de necessária, a utilização de Energia Reativa deve ser a menor possível. O excesso de Energia Reativa exige condutores

Leia mais

Márcia Drumond Sardinha

Márcia Drumond Sardinha Universidade Federal do Amazonas - UFAM Centro de Desenvolvimento Energético Amazônico - CDEAM Implantação do Sistema de Gestão para Eficientização Energética na Universidade Federal do Amazonas Márcia

Leia mais

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS ILUMEXPO 2014 3ª Exposição e Fórum de Gestão de Iluminação Pública Luciana Hamada Junho 2014 IBAM, MUNICÍPIO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO

PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO Proben Esplanada ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ENTRE O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO E A UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS,

Leia mais

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 Seminário ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 PROJETOS DE CONSERVAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eletrobrás Saulo José Nascimento Cisneiros Diretor de Projetos Especiais da Eletrobrás

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE COBRANÇA DE TERCEIROS E DOAÇÕES, ATRAVÉS DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA HEITOR LUIZ BREDA CELESC CENTRAIS ELÉTRICAS DE SANTA

Leia mais

INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA

INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Premissas para lidar com a iluminação urbana 1. Aspirações da

Leia mais

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS ILUMEXPO 2015 4ª Exposição e Fórum de Gestão de Iluminação Pública Luciana Hamada / Junho 2015 IBAM, MUNICÍPIO E

Leia mais

Eficiência Energética Chocolates Garoto

Eficiência Energética Chocolates Garoto Eficiência Energética Chocolates Garoto 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Chocolates Garoto Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vila Velha / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Sistema de Controle e Gerenciamento de intervenções em Rede de Distribuição De Água Gestão das Reclamações de Falta de Água Setembro/2010 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Edificações CONTEÚDO ABORDADO ORGANOGRAMA CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Consumo Faturado de Energia Elétrica 2011 430 TWh (Fonte: EPE Janeiro 2012) PROCEL EDIFICA O PROGRAMA O Programa

Leia mais

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir.

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir. Eficiência Energética Buaiz Alimentos 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Buaiz Alimentos Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vitória / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda

Leia mais

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas:

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas: 11. ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA O presente capítulo consiste da avaliação econômica do Plano Estadual de Recursos Hídricos. Esta avaliação objetiva quantificar e demonstrar os impactos da implementação

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba

Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba Soluções E3 e Elipse Mobile são utilizadas pela concessionária Águas Guariroba

Leia mais

PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica

PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica ILUMEXPO 2015 São Paulo, 1º de junho de 2015 George Alves Soares Sistema Eletrobras Geração e Transmissão Geração Geração Binacional (100,00%)

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem 1) COMO FUNCIONA? O PROBLEMA OU SITUAÇÃO ANTERIOR Anteriormente, todos os resíduos recicláveis ou não (com exceção do papelão), ou seja, papel, plásticos, vidros,

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG Newton Morais e Silva (1) Engenheiro Mecânico pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Computer Studies pela Essex University

Leia mais

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS Sumário 1. Objetivo... 3 2. Premissas básicas... 3 3. Compromissos da CEEE-D... 3 4. Compromissos da Imobiliária... 3 5. Serviços disponíveis através

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO

EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO HEBER PIMENTEL GOMES EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO Análise Econômica de Projetos 2ª Edição Revisada e Ampliada Editora Universitária - UFPB João Pessoa 2009 2ª Edição: 2009 Editora Universitária

Leia mais

SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA

SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA Soluções E3 e Elipse Mobile são utilizadas pela concessionária Águas Guariroba

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Re9 Instalações e Sistemas. contao@re9instalacoes.com.br

Re9 Instalações e Sistemas. contao@re9instalacoes.com.br Re9 Instalações e Sistemas contao@re9instalacoes.com.br A Empresa A Re9 Instalações e Sistemas, uma empresa especializada no fornecimento de Mão de obra especializada e implantação de sistemas para Condomínios

Leia mais

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos BDMG Semana Mineira de Redução de Resíduos Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos Novembro de 2010 BDMG Desenvolvimento, inclusão social e sustentabilidade Perfil do BDMG Fundação: Lei Estadual

Leia mais

PRÉ - DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO JULHO 2006

PRÉ - DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO JULHO 2006 PRÉ - DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO JULHO 2006 Participantes: Gerente do Projeto: João Carlos R. Aguiar Aquecimento de água: Evandro Camelo e Eduardo Souza Ar Condicionado: Sérgio M.

Leia mais

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a 6. FATOR DE POTÊNCIA O fator de potência é uma relação entre potência ativa e potência reativa, conseqüentemente energia ativa e reativa. Ele indica a eficiência com a qual a energia está sendo usada.

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

OBJETIVO prioridade da agenda política.

OBJETIVO prioridade da agenda política. SANEAR É VIVER OBJETIVO Propor ao governo e à sociedade ações que melhorem o desempenho do saneamento do país e elevem o tema ao status de prioridade da agenda política. A exemplo da ação que resultou

Leia mais

DICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA NA ILUMINAÇÃO

DICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA NA ILUMINAÇÃO DICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA NA ILUMINAÇÃO INTRODUÇÃO A energia elétrica é um recurso importante e indispensável em nossas vidas. Além de proporcionar conforto e segurança à população, garante

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL Autor: Maurício André Garcia: Cargo atual: Coordenador Técnico de Micromedição e Uso Racional Formação:

Leia mais

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO.

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Existem várias finalidades para medição de energia, dentre elas vamos destacar as seguintes: Consumo mensal de energia A grandeza medida é

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 4 4. Área de Abrangência...

Leia mais

2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento LATINOSAN 2010. Fernando Pinto Dias Perrone Gerente do Departamento de Projetos de Eficiência Energética

2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento LATINOSAN 2010. Fernando Pinto Dias Perrone Gerente do Departamento de Projetos de Eficiência Energética 2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento LATINOSAN 2010 Fernando Pinto Dias Perrone Gerente do Departamento de Projetos de Eficiência Energética Março de 2010 O PROCEL SANEAR Objetivos Promover o uso

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP

RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP 2010 Paulo Cesar Roza da Luz Porto Alegre, dezembro de 2010 ÍNDICE - Introdução... 03 - Atividades realizadas... 04 1) Manutenção... 04 2) Almoxarifado... 06 3) Patrimônio...

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Gestão da manutenção hospitalar

Gestão da manutenção hospitalar Gestão da manutenção hospitalar Rômulo Lessa Aragão (HGF) romulolessa@gmail.com João Luis Pianco de Oliveira (UFC) jotaehli@gmail.com Resumo O artigo trata de um plano de melhorias desenvolvido no Hospital

Leia mais

Programa de Eficiência Energética Serviço de Água, Esgoto e Meio Ambiente do Município de Araras SP

Programa de Eficiência Energética Serviço de Água, Esgoto e Meio Ambiente do Município de Araras SP Programa de Eficiência Energética Serviço de Água, Esgoto e Meio Ambiente do Município de Araras SP Evandro Romanini, Norberto Duarte e Lucas Rafacho Resumo A Elektro dentro do Programa de Eficiência Energética,

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte BCON Sistema de Controle de Vendas e Estoque Declaração de escopo Versão 1.0 Histórico de Revisão Elaborado por: Filipe de Almeida do Amaral Versão 1.0 Aprovado por: Marcelo Persegona 22/03/2011 Time da

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Realizar o gerenciamento dos projetos desde o seu planejamento, desenvolvimento, recebimento, análise crítica, controle e distribuição nas obras. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Manual

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT Autor Gustavo César de Alencar LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. RESUMO O objetivo deste trabalho é mostrar todo o esforço que a Light

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Eficientização Energética em Delegacias de Polícia

Eficientização Energética em Delegacias de Polícia Eficientização Energética em Delegacias de Polícia Antônio Afonso Gomes Júnior e Gabriel de Oliveira Brandão e Gomes Resumo As ações de eficiência energética em delegacias e batalhões de polícia, sediados

Leia mais

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO 1. Aplicação Esta política aplica-se a todos os colaboradores Técnico-administrativos, sejam vínculo CLT ou contrato de estágio. 2. Objetivo Estabelecer critérios

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética Reive Barros dos Santos Diretor São Paulo - SP 26 de agosto de 2015 Missão Proporcionar condições favoráveis para que o mercado

Leia mais

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS Ubirajara Rocha Meira Diretor de Tecnologia 12ª Feira Internacional da Indústria Elétrica e Eletrônica Belo Horizonte MG 19-22 AGOSTO 2008 Sumário O Sistema

Leia mais

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes 1 PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Conselho de Clientes Setembro 2012 ORGANOGRAMA 2 PRESIDÊNCIA ASSESSORIAS 1 2 3 4 5 ORGANIZAÇAO

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

GERENCIADOR INTELIGENTE DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA.

GERENCIADOR INTELIGENTE DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. GERENCIADOR INTELIGENTE DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. O e-eficiência foi desenvolvido em plataforma WEB, o que permite o acesso das pessoas autorizadas através de Desktops, Notebooks e Tablet s, propiciando

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO 3 1. ÁREA DE ATUAÇÃO 4 2. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS AO BNB 4 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 5

Leia mais

CORSAN GESTÃO DE CUSTOS

CORSAN GESTÃO DE CUSTOS CORSAN GESTÃO DE CUSTOS 3 Seminário de Boas Práticas de Gestão PGQP Porto Alegre, novembro 2015 A CORSAN EM GRANDES NÚMEROS 7 Milhões de Gaúchos 316 Municípios Atendidos Faturamento 2014 R$ 1,9 Bilhão

Leia mais

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são:

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são: OBJETIVO A SANEPAR busca prestar serviços de Saneamento Ambiental de forma sustentável, a fim de contribuir com a melhoria da qualidade de vida. Portanto evidencia-se a necessidade de considerar o conceito

Leia mais

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque Darlyne de Aquino Silva Instituto Federal de Educação Ciência e tecnologia de São Paulo. São Roque, SP 2011

Leia mais

1. Estruturação da Matriz Orçamentária. O Gerenciamento Matricial de Despesas por Carlos Alexandre Sá

1. Estruturação da Matriz Orçamentária. O Gerenciamento Matricial de Despesas por Carlos Alexandre Sá O Gerenciamento Matricial de Despesas por Carlos Alexandre Sá Nos processos tradicionais, quando um executivo prepara o orçamento do departamento sob sua responsabilidade, age como somente o seu centro

Leia mais

Serviços em Energia Agregando Valor

Serviços em Energia Agregando Valor Agregando Valor Antonio Carlos Messora Energia Como usar de forma racional e eficiente? Como diminuir custos? Mercado livre ou cativo? Curto Prazo, Longo Prazo ou Que Prazo? O preço vai subir ou descer?

Leia mais

Regulamento do projeto "50 Telhados"

Regulamento do projeto 50 Telhados Regulamento do projeto "50 Telhados" Iniciativa Novembro de 2013 Sumário 1. Contextualização... 3 2. Missão do projeto 50 Telhados... 3 3. Objetivo... 3 4. Benefícios para empresas/clientes/cidades participantes...

Leia mais

Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos Departamento de Relações Comunitárias PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA

Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos Departamento de Relações Comunitárias PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos Departamento de Relações Comunitárias PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA AUTOR: Tatiana Rodrigues Moura. Chefe de Seção de Expediente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

Região Metropolitana de Belo Horizonte e Norte de Minas receberão novos investimentos em abastecimento de água

Região Metropolitana de Belo Horizonte e Norte de Minas receberão novos investimentos em abastecimento de água Região Metropolitana de Belo Horizonte e Norte de Minas receberão novos investimentos em abastecimento de água Governador Antonio Anastasia preside solenidade na qual foi assinado contrato para a implantação

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO José Maria Villac Pinheiro (1) Engenheiro pela Universidade de São Paulo USP Escola de Engenharia de São Carlos EESC. Especialização

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

Implantação do novo datacenter. Superintendente de Informática. Observação: Os títulos que estiverem em vermelho são de preenchimento obrigatório.

Implantação do novo datacenter. Superintendente de Informática. Observação: Os títulos que estiverem em vermelho são de preenchimento obrigatório. DATACENTER Nome do Projeto: Área Responsável: Implantação do novo datacenter. Superintendência de Informática Idealizadores/Responsáveis do Projeto: Nome Luiz Mauro de Pádua Silveira Cargo Superintendente

Leia mais

Projetos em Implementação no PEE 2015

Projetos em Implementação no PEE 2015 Tipo: Poder público Nome do Projeto: Eficientização do Porto Digital O Projeto constituiu na substituição do sistema de refrigeração, composto por chillers, refrigerados, ar splits distribuídos por alguns

Leia mais

Fundo de Apoio a Projetos do Educar para Libertar!

Fundo de Apoio a Projetos do Educar para Libertar! FÓRUM DE ERRADICAÇÃO DO ALICIAMENTO E COMBATE AO TRABALHO ESCRAVO NO PIAUÍ Fundo de Apoio a Projetos do Educar para Libertar! 1. Apresentação Caros (as) participantes, o projeto Educar para Libertar, criado

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias.

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, a sua conta de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, em todo o país, as bandeiras tarifárias vêm impressas na conta de luz. E, para saber se o valor da sua conta irá

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais