Geração de Energia Elétrica por Biomassa Aspectos Comerciais e Regras de Contabilização nos Contratos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Geração de Energia Elétrica por Biomassa Aspectos Comerciais e Regras de Contabilização nos Contratos"

Transcrição

1 Geração de Energia Elétrica por Biomassa Aspectos Comerciais e Regras de Contabilização nos Contratos 1 Direitos Reservados : SealEnergy

2 Seal Energy Seal Energy inicia suas atividades no setor elétrico com profissionais experientes dessa área, oriundos de outras comercializadoras e distribuidoras de energia elétrica, com passagem pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e do mercado financeiro. É autorizada como agente comercializador pela ANEEL de energia elétrica convencional e incentivada pelo despacho autorizativo número de 2 de agosto de 2010, membro da CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica) e associada da ABRACEEL (Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia). A Seal Energy objetiva construir relacionamentos de longo prazo com seus clientes, guiada pelos mais altos padrões éticos e profissionais. Nossa missão é garantir liquidez no mercado livre de energia contribuindo assim para seu crescimento e desenvolver estruturas sofisticadas e variadas envolvendo instrumentos de trading de energia para gerar diferencial competitivo para nossos clientes. 2

3 Seal Energy - Evolução (MWmédio) 350,0 300,0 250,0 200,0 150,0 100,0 50,0 0,0 16,8 15,9 14,5 15,0 12,8 10,7 9,3 8,5 7,4 7,8 7,4 9,9 9,7 5,9 (Milhões de R$) jan-11 fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 jun-11 jul-11 ago-11 set-11 out-11 nov-11 dez-11 jan-12 fev-12 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 VOLUME (INC - MW médios) VOLUME (CONV - MW médios) FATURAMENTO EM MILHÕES (R$) 3

4 Clientes 4

5 Oportunidades da geração com biomassa OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO CARVÃO 40% OUTROS 2% HIDRELÉTRICAS 16% DERIVADOS DO PETRÓLEO 7% NUCLEAR 15% GÁS NATURAL 20% 5

6 Oportunidades da geração com biomassa OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL NUCLEAR 2% BIOMASSA 4% CARVÃO 1% EOLICA 0,2% IMPORTAÇÃO 7% GÁS NATURAL 11% HIDRELÉTRICAS 71% DERIVADOS DO PETRÓLEO 4% Brasil Forte dependência das Afluências 6

7 Oportunidades da geração com biomassa 7

8 Localização da Carga 8

9 Distância do Potencial hidro a ser explorado 9

10 Ex: Rio Madeira Custo da linha de transmissão = R$ 760 Mi Interligará Porto Velho à Araraquara (2500 km) Concessão em 31/10/

11 Distância do Potencial bio a ser explorado 11

12 Safra no período seco Período de Safra 12

13 Biomassa x Hidro Historicamente o Brasil é um pais que cultua a produção de energia com fontes renováveis com as Hidroelétricas Agora, com a escassez de projetos hídricos competitivos, e com o aumento crescente do consumo, a biomassa vem se tornando o centro das atenções para os investidores do setor elétrico. 13

14 Biomassa x Eólica Não há armazenamento de energia eólica baixo fator de aproveitamento (25 a 45%) Forte concentração nas regiões norte e sul do país. A Bioeletricidade gera mais que o dobro de empregos que a de fonte eólica 14

15 Leilões Os leilões de energia no Ambiente de Contratação Regulada (ACR) constituem o principal meio pelo qual as empresas distribuidoras devem adquirir energia para atender o seu mercado. (Base Legal: artigo 11º do Decreto nº 5.163/2004 e artigo 2º da Lei n.º /2004). O Ministério de Minas e Energia (MME) elabora as diretrizes gerais do leilão (sistemática). A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) elabora os estudos indicativos para o MME, inclusive os novos empreendimentos hidrelétricos que farão parte da licitação. A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) realiza os Leilões, diretamente ou por meio da CCEE. 15

16 Leilões de energia no Brasil 16

17 ACR leilões de compra para Distribuidoras Planejamento de contratação de uma Distribuidora ENERGIA CONTRATADA [MWm] COMPRAR NO A-1 DE 2011 COMPRAR NO AJUSTE DE 2011 COMPRAR NO A-3 DE 2011 COMPRAR NO A-5 DE 2011 CONSUMO PREVISTO [MWm] 17

18 ACR leilões de compra para Distribuidoras Cálculo da demanda do A-1 pelo MME DISTRIBUIDORA DISTRIBUIDORA DISTRIBUIDORA ENERGIA CONTRATADA [MWm] COMPRAR NO A-1 DE 2011 COMPRAR NO AJUSTE DE 2011 ENERGIA CONTRATADA [MWm] COMPRAR NO A-1 DE 2011 COMPRAR NO AJUSTE DE 2011 ENERGIA CONTRATADA [MWm] COMPRAR NO A-1 DE 2011 COMPRAR NO AJUSTE DE 2011 COMPRAR NO A-3 DE 2011 COMPRAR NO A-5 DE 2011 CONSUMO PREVISTO [MWm] COMPRAR NO A-3 DE 2011 COMPRAR NO A-5 DE 2011 CONSUMO PREVISTO [MWm] COMPRAR NO A-3 DE 2011 COMPRAR NO A-5 DE 2011 CONSUMO PREVISTO [MWm] 7000 MINISTÉRIO ENERGIA CONTRATADA [MWm] COMPRAR NO A-1 DE 2011 CONSUMO PREVISTO [MWm] 18

19 Teoria e conceitos sobre Leilões Os serviços de fornecimento de energia elétrica tendem a ser monopólios naturais. (Distribuição e transmissão) O setor de Geração de Energia Elétrica se caracteriza como um oligopólio Apenas algumas empresas são responsáveis pela maior parte da Geração Existem barreiras de entrada Economias de escala Valores dos investimentos Prazo de retorno dos investimentos Conhecimento das regras do mercado Há possibilidades de se estabelecer estratégias cooperativas na definição de preços (cartel) 19

20 Teoria e conceitos sobre Leilões Modelo de Stackelberg: Modelo de oligopólio no qual uma empresa determina seu nível de produção antes que outras o façam. A empresa determina ex-ante qual será o máximo a produzir e poderá ajustar a sua quantidade ao longo da negociação, dependendo do preço Expansão da geração de Energia no Brasil seria um modelo de Stackelberg. 20

21 Teoria e conceitos sobre Leilões Rigidez de preços: Característica dos mercados oligopolistas, pela qual as empresas se mostram relutantes em modificar os preços, mesmo que os custos ou a demanda sofram alterações Sinalização de preço: Forma de acordo implícito na qual uma empresa sinaliza um preço e espera que as outras empresas sigam a mesma estratégia 21

22 Teoria e conceitos sobre Leilões Jogo cooperativo: Aquele no qual os participantes podem negociar contratos vinculativos de cumprimento obrigatório que lhes permitam planejar estratégias em conjunto (cartel) Jogo não cooperativo: Jogo no qual a negociação e a execução de contratos vinculativos não são possíveis 22

23 Teoria e conceitos sobre Leilões Concorrência versus Acordo: O DILEMA DOS PRISIONEIROS (jogo não cooperativo) Dilema dos prisioneiros (John von Neumann, ): Exemplo na teoria dos jogos no qual dois prisioneiros devem decidir separadamente se confessam um crime. Ilustra o problema com que se defronta empresas oligopolistas Dois prisioneiros foram acusado de ter colaborado na prática de um crime. Eles foram colocados em celas separadas e não podem se comunicar um com o outro. Solicitou-se a cada um que confessasse. Se ambos confessarem, cada um será condenado a cinco anos de prisão Se nenhum dos dois confessarem, o processo será dificultado e cada um pegará dois anos de prisão Se um dos dois confessarem, o que confessou, será premiado e pegará apenas um ano de prisão e o que ficou calado pegará dez anos de prisão. 23

24 Teoria e conceitos sobre Leilões MATRIZ DE PAYOFF DO DILEMA DOS PRISIONEIROS 24 Conclusão: é melhor manter sua estratégia em segredo.

25 Teoria e conceitos sobre Leilões Dada as características de oligopólio na Geração de Energia Elétrica, qual seria a forma mais eficiente para a negociação de energia elétrica na ótica do comprador? R: LEILÕES Por que usar Leilões para negociação de energia? O mercado é o melhor alocador de recursos em ambientes de livre concorrência, observando a necessidade de instituições sólidas que regulamentem as regras do jogo para se evitar abusos das empresas dominantes Os objetivos definidos pelo comprador (Leilões de compra) ou pelo vendedor (Leilões de venda) são atingidos de forma mais eficiente quando comparado com outros processos de seleção/negociação. Maximização dos resultados: Leilão de Compra: menor preço 25 Leilão de Venda: maior preço

26 Teoria e conceitos sobre Leilões Tipos de leilões: Leilão inglês tradicional: Leilão em que o vendedor solicita lances de valores mais altos (preços crescentes). Quem ofertar o maior preço adquire o produto; conhecido como Leilão de Venda. Leilão holandês: Leilão em que o comprador solicita lances mais baixos aos vendedores (preços decrescentes). Quem ofertar o menor preço vende o produto; conhecido como Leilão de Compra. Leilão de lances fechados: Todos os lances são feitos simultaneamente em envelopes lacrados, e o vencedor é aquele que oferecer a melhor proposta. 26

27 Teoria e conceitos sobre Leilões Maldição do Vencedor Winner s curse : Situação em que o vencedor de um Leilão se arrepende depois de encerrada a negociação: Em um Leilão de Compra, por sub-valorar o produto e vender a um preço muito abaixo do preço dos demais vendedores. Em um Leilão de Venda, por pagar um preço muito acima do preço dos demais compradores; Este fenômeno pode surgir mais facilmente em: Leilões em mercado com poucos dados e informações sobre os produtos; Leilões em mercado com dados conhecidos apenas por parte dos proponentes. Fase fechada ou envelope fechado 27

28 Elementos para a realização de um Leilão Leilão de Compra: Licitante: Comprador Proponente: Vendedor Resultado esperado: menor preço Leilão Reverso - O Leilão inicia com um preço teto (máximo) que decai ao longo das rodadas Leilão de Venda: Licitante: Vendedor Proponente: Comprador Resultado esperado: maior preço 28

29 Elementos para a realização de um Leilão Esses 3 elementos são os elementos básicos e necessários para a realização de um leilão com sucesso. Sem o correto diagnóstico/ definição desses três pontos, a participação pode ser fragilizada, a avaliação e a formulação dos lances podem ser distorcidas e os objetivos buscados no leilão podem não ser atingidos. 29

30 Elementos para a realização de um Leilão 30 Os produtos devem ser bem definidos: ofertantes devem ser capazes de realizar suas previsões e estudos antes de formular seus lances; não deve haver ambigüidade ou incerteza no momento da submissão dos lances; lances necessitam ser comparados de forma equivalente laranja com laranja. As regras devem: ser claras; prever todas as situações que podem ocorrer durante o leilão; definir o que o leiloeiro e os participantes podem e o que não podem fazer; informar quais e quando os dados e informações serão disponibilizados; definir as penalidades por violação ou descumprimento das regras; ser compatível com o ambiente regulatório. Deve haver um número suficiente de participantes (divulgação): em condições competitivas, para que haja competição.

31 Passos para execução dos Leilões do ACR MME publica: Portaria contendo a Sistemática do Leilão; demais Portarias com dados sobre as usinas, prazos para entrega de documentação e divulgação de informações gerais. ANEEL: elabora o Edital do Leilão, o qual estipula as condições que deverão ser atendidas para a participação dos interessados; delega a realização (operacionalização) do Leilão à CCEE. 31

32 Passos para execução dos Leilões Equipes técnicas da ANEEL e CCEE detalham as regras gerais estabelecidas (Detalhamento da Sistemática) CCEE realiza: especificação geral do sistema para a desenvolvedora do software; elaboração de cenários matemáticos e análises de lógica verificando eventuais falhas ou situações não previstas, as quais são reportadas ao Grupo de Estudos com as prováveis soluções identificadas; testes do sistema em parceria com o desenvolvedor do software, buscando eliminar bug s e acelerando o prazo de desenvolvimento; esse desenvolvimento é acompanhado por uma equipe de auditores. 32

33 Passos para execução dos Leilões Inscrição das empresas: Recebimento da documentação (CCEE); Recebimento das garantias financeiras (Bradesco). Treinamento das empresas inscritas. Simulação do Leilão com as empresas. Realização do Leilão (com suporte técnico em tempo real). A simulação e o leilão são auditados por auditores independentes. 33

34 Passos para execução dos Leilões Após o certame: Confirmação e publicação dos resultados. Avaliação da documentação das empresas vencedoras e dos compradores. Assinatura dos contratos (biométrica). Entrega das Garantias Financeiras de fiel cumprimento Entrega das Garantias Financeiras dos compradores aos vendedores. 34

35 Sistemática dos Leilões 1ª fase - Abertura 35

36 Sistemática dos Leilões 1ª fase - Rodada 1 1 Inserção de Lances: Os Proponentes Vendedores definem a quantidade de lotes que desejam vender ao preço de lance definido pelo sistema (PL1) Na primeira rodada o lance deverá respeitar, cumulativamente, o limite máximo correspondente às garantias financeiras aportadas à disponibilidade de lastro para venda Os lotes não vinculados ao lance submetido nessa rodada serão considerados como lotes excluídos e não mais poderão ser utilizados em um novo lance nas rodadas seguintes 36

37 Sistemática dos Leilões 1ª fase - Rodada Processamento: Como a quantidade total ofertada foi superior à Oferta de Referência, o Sistema define: novo Preço Corrente (PC2), onde PC2 = PL1 novo Preço de Lance (PL2), onde PL2 = (PC2 decremento) 37

38 Sistemática dos Leilões 1ª fase Rodada 2 1 Inserção de Lances: Os Proponentes Vendedores definem a quantidade de lotes que desejam vender ao preço de lance definido pelo sistema (PL2) Na 2ª rodada em diante o lance deverá respeitar, cumulativamente, o limite máximo correspondente: às garantias financeiras aportadas; à disponibilidade de lastro para venda; ao somatório dos lotes de seu lance válido na rodada precedente 38

39 Sistemática dos Leilões 1ª fase Rodada Processamento: Como a quantidade total ofertada foi superior à Oferta de Referência, o Sistema define: novo Preço Corrente (PC3), onde PC3 = PL2 novo Preço de Lance (PL3), onde PL3 = (PC3 decremento) 39

40 Sistemática dos Leilões 1ª fase Rodada 3 1 Inserção de Lances: Os Proponentes Vendedores definem a quantidade de lotes que desejam vender ao preço de lance definido pelo sistema (PL3). 40

41 Sistemática dos Leilões 1ª fase Rodada Processamento: Como a quantidade total ofertada é inferior à Oferta de Referência, o Sistema retorna para a situação ao final da rodada anterior e encerra a 1ª fase. 41

42 Sistemática dos Leilões Final da 1ª fase Com isso, serão classificados para a 2ª fase os lances submetidos com preço de lance igual ao preço corrente a ultima rodada (PC3). 42

43 Sistemática dos Leilões 2ª fase 1 Inserção de Lances: Nessa fase, cada proponente vendedor define o preço pelo qual está disposto e apto a ofertar a totalidade do lances classificados para a 2ª fase. Os preços dos lances deverão ser menores ou iguais ao Preço Corrente (PC3). 43

44 Sistemática dos Leilões 2ª fase 3 Resultado*: Serão consideradas vencedoras, total ou parcialmente: somente as propostas relativas às quantidades de lotes que atenderem até a quantidade demandada (Leilões de Energia Existente); Ou a totalidade dos lotes do último empreendimento que completa a demanda, mesmo em situações nas quais haja uma sobrecontratação da demanda original (Leilões de Energia Nova). 44

45 Sistemática dos Leilões As quantidades de lotes atendidos constituem uma obrigação incondicional de celebração do respectivo CCEAR entre o agente vendedor e cada um dos compradores ao preço constante da proposta (preços discriminatórios). Após o fechamento do leilão, deverá ser executado o rateio do produto para fins de celebração dos respectivos CCEAR s entre cada vendedor (n) e todos os compradores (m) na proporção dos lotes atendidos e das quantidades declaradas, respectivamente. Resultado: número de contratos = n x m 45

46 Energia Nova valor por fonte 46

47 Energia total transacionada em leilões 47

48 Leilões de Reserva Lei de 2004, em seu artigo 3º, diz: Com vistas em garantir a continuidade do fornecimento de energia elétrica, o Poder Concedente poderá definir reserva de capacidade de geração a ser contratada. Em Janeiro de 2008, o Decreto nº estabeleceu: Art. 1º A Energia de Reserva a que se referem o art. 3º da Lei nº , de 15 de março de 2004, será contratada mediante leilões Entende-se por Energia de Reserva aquela destinada a aumentar a segurança no fornecimento de energia elétrica ao Sistema Interligado Nacional SIN, proveniente de usinas especialmente contratadas para este fim 48

49 Leilões de Reserva A soma das garantias físicas atribuídas às usinas é maior que a real garantia física total do SIN. Para restaurar o real equilíbrio, sem afetar os contratos existentes e os direitos das usinas geradoras, será acrescida uma Energia de Reserva ao SIN 49

50 Leilões de Reserva A Energia de Reserva não constitui lastro para cobertura contratual dos agentes de perfil de consumo A Energia (Geração das usinas) será contabilizada e liquidada exclusivamente no Mercado de Curto Prazo MCP. Os valores monetários advindos desta liquidação devem ser destinados à Conta de Energia de Reserva CONER, cuja estruturação e gestão são atribuições da CCEE O saldo da CONER será composto pela receita advinda do MCP, pelo Encargo de Energia de Reserva EER, por encargos moratórios pela inadimplência no pagamento do EER e pelas penalidades previstas no Contrato de Energia de Reserva CER Está previsto um Fundo de Garantia, para assegurar o pagamento aos vendedores de Energia de Reserva EER será definido mensalmente, de modo que todo recurso disponível na CONER, superior a um determinado montante para constituição do Fundo de Garantia, venha a ser utilizado para pagar os geradores comprometidos com o CER 50

51 Leilões de Reserva 1º LER (2008) Exclusivamente para usinas a Biomassa Produtos 2009 e anos 2º LER (2009) Exclusivamente para usinas Eólicas Produto anos 51

52 Leilões de Reserva 3º LER (2010) 1º Fase Exclusivamente para usinas a Biomassa Produto anos 2º Fase Exclusivamente para usinas a Biomassa Produto anos 3º Fase Usinas a Biomassa, Eólica e PCH Produto anos, 20 anos e 30 anos respectivamente 4º LER (2011) Fase única Usinas a Biomassa - Produto 2014 (ou 2015) 20 anos Usinas Eólicas - Produto anos 52

53 Energia de Reserva Para cada usina física, existirá a usina virtual de reserva e a usina virtual livre 53

54 Energia de Reserva O Agente Comercializador da Energia de Reserva será composto pela parcela RES de cada usina comprometida com o CER 54

55 Energia de Reserva A contabilização da CCEE leva em consideração toda a energia contratada por parte dos Agentes e toda a energia efetivamente verificada (consumida ou gerada) 55

56 Energia de Reserva Na comercialização da Energia de Reserva, não há contratos de venda com agentes do mercado. Portanto, toda energia gerada é automaticamente liquidada no Mercado Spot ao PLD (Preço de Liquidação das Diferenças). 56

57 Energia de Reserva 57

58 Energia de Reserva A CCEE deverá determinar o Encargo de Energia de Reserva, para cada mês de apuração (fórmula simplificada): Com relação ao Perfil de Consumo do agente, a CCEE determinará Pagamento Devido de Encargos de Energia de Reserva, para cada mês de apuração 58

59 Biomassa e o Mercado Lívre Unidades consumidoras especiais Projeção de unidades consumidoras especiais

60 Mercado Livre ACL Ambiente de contratação Livre Condições livremente negociadas entre as partes: (Negociação baseada em confiança, atendimento) Preço Prazo Ponto de entrega Tipo de Energia (com ou sem desconto na TUSD) 60 Flexibilidades

61 Mercado Livre ACL Ambiente de contratação Livre Tipo de Contratos: Preço Escalonado, Fixo, Indexado, PLD+Spread, Collar. Longo Prazo Garante um custo fixo ao consumidor mas é mais caro. Viabiliza investimentos na Usina mas trava oportunidades. Médio Prazo Complementar (aumento ou redução de produção) Curto Prazo Ex Post Fechamento de Balanço Forte influência do PLD 61

62 Mercado Livre ACL Ambiente de contratação Livre Flexibilidades (instrumentos de Hedge): Opções paga-se uma quantia para garantir um preço futuro. Flexibilidade Anual, Sazonalização e Take-or-pay Flexibilidade Mensal Operada ou de acordo com a medição Modulação de acordo com o volume gerado / consumido 62

63 Energia Incentivada Consumidores Especiais: Consumidores (Grupo A4 ou superior) com demanda igual ou superior a 500 kw que podem se tornar livres desde que adquiram energia incentivada Consumidores (Grupo A4 ou superior) reunidos em comunhões de interesse de fato ou de direito, com demanda total igual ou superior a 500kW, também podem se tornar livres ao adquirir energia incentivada Exemplo de comunhões de interesse de fato ou de direito: Unidades (filiais) de um mesmo CNPJ (inclusive em distribuidoras diferentes) CNPJs diferentes localizados em áreas contíguas 63

64 Desconto na TUSD/TUST Desconto da Usina permanente definido pela ANEEL (0%, 50% ou 100%) 64 Se a Usina vender mais energia que possui em seu lastro, perde o desconto e ainda poderá receber penalidade. Caso a Usina tenha seu desconto modificado, este será repassado ao comprador da energia naquele mês. Consumidores Especiais: recebe o desconto repassado pelo Vendedor Existem dois níveis de desconto na energia vendida: 50% e 100% O Consumidor Especial pode comprar energia de 50%, de 100% ou de ambos O desconto final do Consumidor Especial será a média ponderada dos descontos associados às energias compradas Se comprou somente energia de 50%, o desconto final será 50% Se comprou somente energia de 100%, o desconto final será 100% Se comprou ambos os tipos de energia, o desconto será um valor entre 50% e 100% A verificação do desconto final do Consumidor Especial será MENSAL

65 Desconto na TUSD/TUST A CCEE publica mensalmente os relatórios EI onde podem ser analisados esses dados. COMERCIALIZANDO SÓ GERANDO m SÓ GERANDO g 65

66 Desconto na TUSD/TUST Na prática a maioria dos agentes vem apresentando valores menores que 50% e 100% (FENÔMENO da Matriz Suja) Com isso o mercado instituiu alguns mecanismos de mitigação. Devolução proporcional da TUSD cobrada pela Distribuidora Ressarcimento por Nota de Débito 66

67 Desconto na TUSD/TUST A versão 2009, otimiza o repasse de descontos dos geradores incentivados aos consumidores, através da matriz mensal de apuração dos descontos Foi aberta a possibilidade do gerador optar pela consideração da geração mensal ou da média dos últimos 12 meses Considerando a geração mensal, o produtor fica livre para comercializar toda sua produção mensalmente (PLD + x%). Quando ele faz a opção pela média dos últimos 12 meses, caso gere mais do que esse montante, pela nova regra fica impedido de vender essa quantia Os montantes dos contratos de venda também deveriam ser considerados como a média dos últimos 12 meses 67

68 MW Médios MW Médios Situação atual GERAÇÃO MENSAL 12 EXCEDENTE 10 VENDA MENSAL Disponibilidade de lasto Em Janeiro de 2009 DÉFICIT 0,75 9 GERAÇÃO MÉDIA jan/08 fev/08 mar/08 abr/08 mai/08 jun/08 jul/08 ago/08 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 ULTIMOS 12 M -4 Sugestão Apuração Mensal de Desconto Caso o lastro-desconto fosse comparado a média dos montantes mensais de contratos dos últimos 12 meses, o agente poderia vender excedentes mensais de geração no mercado, e não somente ter que deixá-lo liquidar ao PLD. 6 4 GERAÇÃO MÉDIA VENDA EM CONTRATOS MÉDIA 2 0 ULTIMOS 12 M ULTIMOS 12 M -2 jan/09-4

69 Seal Energy Belo Horizonte MG Endereço: Avenida Raja Gabáglia, 3117 CJ 344/345 CEP: Brasília - DF SIG Qd 4 Lt 25 SI 321 Centro Empresarial Barão de Mauá CEP: Rio de Janeiro - RJ Praia do Flamengo, 66- B, Sala 1703/04/05 Flamengo CEP: Av. Francisco Matarazzo, andar Torre Los Angeles Água Branca - São Paulo SP CEP: PABX: (11) Fax: (11)

70 Contato: (11) (11)

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Regras de Comercialização 2013 Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Agenda Alterações aprovadas Contribuições acatadas 2 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro PORTARIA N o 114, DE 20 DE MARÇO DE 2008. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre 19 de Agosto de 2008 ABRACEEL www.abraceel.com.br Venda de Energia Leilão de Energia de Reserva Mercado Livre de Fontes Incentivadas CCEE O Papel

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES EDITAL Nº: 25/2015_lp AGENTES Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 25/2015_LPe n o CONTRATO,

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica PAINEL 2 ENTRE DOIS MUNDOS: O REGULADO E O LIVRE Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte 16 de outubro de 2008 Entre dois mundos: o regulado

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO COMPRA E VENDA DE ENERGIA CONVENCIONAL. Maio/2014

EDITAL DE LEILÃO COMPRA E VENDA DE ENERGIA CONVENCIONAL. Maio/2014 EDITAL DE LEILÃO COMPRA E VENDA DE ENERGIA CONVENCIONAL Maio/2014 A NC ENERGIA S.A., doravante denominado NC, em conformidade com a regulamentação em vigor no Sistema Elétrico Brasileiro e em consonância

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia 5 de Outubro de 2007 Objetivos 1. Modelo vigente de financiamento à expansão

Leia mais

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Aspectos Regulatórios Luiz Fernando Leone Vianna 08.08.2011 A Apine Perfil dos Sócios geradores privados de energia elétrica concessionárias de geração estaduais

Leia mais

Portaria MME nº 97 e 116/2006. Sistemática Leilão A-3 2006

Portaria MME nº 97 e 116/2006. Sistemática Leilão A-3 2006 Portaria MME nº 97 e 116/2006 Sistemática Leilão A-3 2006 Características do Leilão O Leilão será composto de duas etapas: Etapa Inicial: na qual os Proponentes Vendedores poderão submeter um único lance

Leia mais

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO AP Nº 56/2014 VERSÃO 2015.1.0 Regras de Comercialização Versão 2015.1.0 Vigência a partir de Janeiro/2015 Audiência Pública nº 056/2014 Período de

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw.

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. AP 033 - Sugestões Proposta da AP 033: Possibilidade de retorno do Consumidor

Leia mais

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Leilões de Energia Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Cidade do México, D.F. Jan/ 2013 Conteúdo Visão geral Leilões e contratos Processo e sistemáticas 2 Modelo Setor Elétrico Brasileiro Ambiente de contratação

Leia mais

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2.1. Breve Histórico da Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro No início da década de 90, o setor elétrico brasileiro apresentava uma estrutura predominantemente

Leia mais

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 O Papel da Hidreletricidade no Equilíbrio da Oferta com a Demanda, no Horizonte do Plano Decenal Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-14

EDITAL DE LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-14 EDITAL DE LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-14 A BRASIL COMERCIALIZADORA DE ENERGIAS S/A (COMPRADORA), com sede na Rua Helena, 260, conjunto 72, CEP 04552-050, Bairro Vila Olímpia, Cidade de

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_02-15

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_02-15 EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_02-15 A BRASIL COMERCIALIZADORA DE ENERGIAS LTDA (VENDEDORA), com sede na Rua Helena, 260, conjunto 72, CEP 04552-050, Bairro Vila Olímpia, Cidade de São

Leia mais

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa A Visão dos Geradores Edson Luiz da Silva Diretor de Regulação A Apine Perfil dos Sócios Geradores privados de energia elétrica

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GEC 8 14 a 17 Outubro de 27 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Riscos e garantias para a comercialização e consumo de energia em projetos de PCH`s

Riscos e garantias para a comercialização e consumo de energia em projetos de PCH`s Riscos e garantias para a comercialização e consumo de energia em projetos de PCH`s PCH 2009:Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Abril de 2009 Histórico da

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Geração Distribuída 2002 INEE O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Junho de 2002 - São Paulo - SP Paulo Pedrosa Diretor Ouvidor Sumário I II III o modelo competitivo o papel

Leia mais

Oportunidades de negócios no mercado de energia elétrica. Setembro / 2011

Oportunidades de negócios no mercado de energia elétrica. Setembro / 2011 Oportunidades de negócios no mercado de energia elétrica Setembro / 2011 Tópicos 1. Mercado Livre de energia 2. Oportunidades de trading de energia elétrica 3. BRIX 2 Estrutura do setor elétrico brasileiro

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-15

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-15 EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-15 A BRASIL COMERCIALIZADORA DE ENERGIAS LTDA (VENDEDORA), com sede na Rua Helena, 260, conjunto 72, CEP 04552-050, Bairro Vila Olímpia, Cidade de São

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

A COMPASS COMERCIALIZADORA DE ENERGIA ELÉTRICA LTDA. OFERTA COMPASS nº 01/2009

A COMPASS COMERCIALIZADORA DE ENERGIA ELÉTRICA LTDA. OFERTA COMPASS nº 01/2009 A COMPASS COMERCIALIZADORA DE ENERGIA ELÉTRICA LTDA. OFERTA COMPASS nº 01/2009 EDITAL DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE - ACL A OFERTA e os procedimentos relativos à Venda de

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO Nº 003/2015

EDITAL DE LEILÃO Nº 003/2015 EDITAL DE LEILÃO Nº 003/2015 LEILÃO PÚBLICO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BTG PACTUAL COMERCIALIZADORA DE ENERGIA LTDA., pessoa jurídica de direito privado, com sede na Avenida Brigadeiro Faria Lima, n.º

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX, de XX de mês de 200X

Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX, de XX de mês de 200X Procedimento de Comercialização LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA RELATIVA À CONTRATAÇÃO DE ENERGIA DE RESERVA Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX,

Leia mais

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica 2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica Nesta seção, serão descritas as características do mercado brasileiro de energia elétrica, a fim de que se possa compreender a modelagem realizada

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 515, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE WORKSHOP Integração de mercados de energia elétrica e formação de preços PAINEL IV Harmonização dos mercados TEMA Impacto da ampliação das fontes renováveis na integração dos mercados Amilcar Guerreiro

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Versão 1.0 ÍNDICE CONTRATOS 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas dos Contratos no Ambiente de Contratação Livre 5 2.1. Contratos no Ambiente de Contratação

Leia mais

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado 4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado A escolha de um determinado tipo de proeto ou tecnologia termelétrica está intimamente relacionada com os contratos de comercialização

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011 at CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011 NOME DA INSTITUIÇÃO: CCEE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam) EMENTA

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre

Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre Riomar Merino Jorge 21/11/2011 Agenda Comercialização de Energia no Brasil Adesão à CCEE Sistema de

Leia mais

Mercado de Energia e Custos

Mercado de Energia e Custos Mercado de Energia e Custos Seminário Energia Soluções para o Futuro AC Minas 24.04.2014 CMU Energia Atua no mercado desde 2003. Gerencia mais de 800 MWmédios. Montante suficiente para suprir aproximadamente

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO 02/2014 LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA

EDITAL DO LEILÃO 02/2014 LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DO LEILÃO 02/2014 LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA O LEILÃO DE COMPRA e os procedimentos a ele relativos serão regidos pelas disposições deste EDITAL e seus Anexos. ÍNDICE Capítulo 1 Informações

Leia mais

Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007

Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007 Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007 Luiz Henrique Alves Pazzini Gerência de Acompanhamento de Mercado - GAM 25 de abril de 2007 Agenda Comercialização de Energia

Leia mais

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Resumo Leilões de Fontes Alternativas de Energia: avaliação de resultados

Leia mais

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato ANEXO III AO EDITAL PÚBLICO DE AQUISIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE ACL 5-1-2014 Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato a) Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Arbitragem: contratos de energia elétrica

Arbitragem: contratos de energia elétrica Arbitragem: contratos de energia elétrica 23/10/2015 Seminário Arbitragem e Poder Público Solange David Vice-presidente do Conselho de Administração Agenda 1. Comercialização de energia elétrica Câmara

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013.

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013. Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL Em 4 de outubro de 2013. Processo: 48500.004241/2013-46 Assunto: Instauração de Audiência Pública para colher subsídios para aprovação das minutas dos Contratos de Comercialização

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva

Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.3 Cessões de energia de reserva Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA

Leia mais

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico Rio de Janeiro - RJ - Brasil Comercialização de Energia, Aspectos Regulatórios, e/ou Viabilidade de Fontes Alternativas de

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Resultados. 2T14 Junho, 2014

Resultados. 2T14 Junho, 2014 Resultados Junho, 2014 Destaques Operacional & Comercial Rebaixamento da garantia física de 6,2%, em linha com as projeções da Companhia Comercialização de ~100 MWm com prazo e preço médios de 4,5 anos

Leia mais

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 28 a 30nov12 Comercialização de Energia Elétrica

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 Estabelece os Valores Normativos que limitam o repasse, para as tarifas de fornecimento, dos preços livremente negociados

Leia mais

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Painel 2 - Desafios técnicos e socioeconômicos da oferta de energia Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Porto Alegre, 18 de junho de 2015 * Associadas

Leia mais

Impactos e Adaptações do Mercado para. Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica

Impactos e Adaptações do Mercado para. Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Impactos e Adaptações do Mercado para Implantação da Portaria MME 455/2012 Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Agenda Objetivos gerais

Leia mais

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES Fábio Sales Dias São Paulo, 14 de agosto de 2012 RESUMO Aspectos Regulatórios e Institucionais Aspectos de Mercado Competitividade Aspectos

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2014 DME DISTRIBUIÇÃO S.A. - DMED

EDITAL DE LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2014 DME DISTRIBUIÇÃO S.A. - DMED EDITAL DE LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2014 DME DISTRIBUIÇÃO S.A. - DMED A DME Distribuição SA. DMED, empresa pública de direito privado, com sede na Rua Pernambuco, 265 - CEP 37701-021 -

Leia mais

EDITAL DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA

EDITAL DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A, agente gerador de energia elétrica, inscrita no CNPJ/MF sob o n 23.274.194/0001-19, com sede na Rua Real Grandeza 219, Botafogo, Rio

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

Exportação de Energia..republi

Exportação de Energia..republi Exportação de Energia.republi Exportação de Energia Argentina e Uruguai GCTL Coordenação de Contabilização Atualizado em Junho/2013 1 Exportação de Energia INTRODUÇÃO A República da Argentina, por meio

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006

Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3.

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

PdC Versão 1 PdC Versão 2

PdC Versão 1 PdC Versão 2 Procedimento de Comercialização Controle de Alterações PdC Glossário de Termos da CCEE PdC Versão 1 PdC Versão 2 METODOLOGIA DO CONTROLE DE ALTERAÇÕES Texto em realce refere-se à inserção de nova redação.

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA CELG GT 001/2012

CHAMADA PÚBLICA CELG GT 001/2012 CHAMADA PÚBLICA CELG GT 001/2012 NOVAS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS PROCEDIMENTOS PARA SELEÇÃO DE EMPRESAS PRIVADAS, ESTATAIS, EMPREENDEDORES E INVESTIDORES PARA FORMAÇÃO DE PARCERIAS 1. OBJETO Constitui

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 Outubro/2006 Página 1 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006...1 1 OBJETIVO...3 2 REALIZAÇÃO DO INVESTIMENTO

Leia mais

Cenários de Preço Futuro de Energia

Cenários de Preço Futuro de Energia Cenários de Preço Futuro de Energia Novembro/2010 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

SANTO ANTÔNIO ENERGIA S.A. CHAMADA PÚBLICA SAE nº 001/2015 EDITAL DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA

SANTO ANTÔNIO ENERGIA S.A. CHAMADA PÚBLICA SAE nº 001/2015 EDITAL DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA SANTO ANTÔNIO ENERGIA S.A. CHAMADA PÚBLICA SAE nº 001/2015 EDITAL DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA A SANTO ANTÔNIO ENERGIA S.A. ( SAE ), com endereço na Av. das Nações Unidas, n o 4.777, 6º andar, sala 1 CEP

Leia mais

Energia Solar Regulação & Oportunidades de Negócios

Energia Solar Regulação & Oportunidades de Negócios Energia Solar Regulação & Oportunidades de Negócios SOL Maior fonte de energia da Terra... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia 16/07/2015 COGEN Associação da Indústria de

Leia mais

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL.

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL. 1 OBJETO Constitui objeto desta Chamada Pública a seleção de potenciais parceiros privados detentores de capital, direitos, projetos e/ou oportunidades de negócio na área de energia, que considerem como

Leia mais

LEILÃO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA EDITAL DE LEILÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2015 IBS COMERCIALIZADORA LTDA.

LEILÃO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA EDITAL DE LEILÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2015 IBS COMERCIALIZADORA LTDA. LEILÃO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA EDITAL DE LEILÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2015 IBS COMERCIALIZADORA LTDA. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1. O presente edital estabelece as regras para o Leilão de Compra

Leia mais

Histórico Trade Energy

Histórico Trade Energy Consumidor Livre Histórico Trade Energy Fundação da empresa com sede em Brasília Sócios: INEPAR ENERGIA, DESENVIX, ENERGÉTICA-TECH Autorização da ANEEL segunda Comercializadora no país Adesão pioneira

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias S u b m ó d u l o 6. 8 B A N D E I R A S T A R I F Á R I A S Revisão Motivo da revisão Instrumento de aprovação

Leia mais

Energia Elétrica: A importância de um operador de mercado eficiente

Energia Elétrica: A importância de um operador de mercado eficiente Energia Elétrica: A importância de um operador de mercado eficiente Simpósio Brasileiro para Gestão de Estratégias de Comercialização de Energia e Eficiência Energética PUC-RJ Alexandre Viana Gerência

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

Objetivo da Audiência

Objetivo da Audiência Audiência Pública n o. 033/2005 Contribuição da CPFL Energia Objetivo da Audiência Obter subsídios e informações adicionais para o aprimoramento de ato regulamentar a ser expedido pela ANEEL, que estabelece

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais