DEPOSIÇÃO DE CALDA FUNGICIDA APLICADA NA CULTURA DA SOJA, EM FUNÇÃO DE PONTA DE PULVERIZAÇÃO E DE VOLUME DE CALDA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPOSIÇÃO DE CALDA FUNGICIDA APLICADA NA CULTURA DA SOJA, EM FUNÇÃO DE PONTA DE PULVERIZAÇÃO E DE VOLUME DE CALDA"

Transcrição

1 DEPOSIÇÃO DE CALDA FUNGICIDA APLICADA NA CULTURA DA SOJA, EM FUNÇÃO DE PONTA DE PULVERIZAÇÃO E DE VOLUME DE CALDA Roberto de Oliveira Santos 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 3,4 ; Elton Fialho dos Reis 3,4 ; Cristiano de Morais Brito 1,4 ;Gustavo Luiz Bononi Pelissari 2,4 1 Bolsista PBIC/UEG 2 Bolsista PIBIC/CNPq 3 Pesquisador-Orientador 4 Curso de Engenharia Agrícola, Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas, UEG RESUMO: A tecnologia de aplicação de agrotóxicos visa à colocação uniforme do produto no alvo, com mínima perda por escorrimento e deriva. Este trabalho teve como objetivo avaliar a deposição de calda fungicida pulverizada na cultura da soja com diferentes pontas e volumes de aplicação. Empregou-se o delineamento em blocos ao acaso, com quatro repetições, em esquema fatorial (4 x 2): quatro tipos de ponta de pulverização (jato plano padrão, jato plano de pré-orifício, jato plano duplo de indução de ar e jato plano de indução de ar) e dois volumes de aplicação (115 e 160 L ha -1 ). O estudo de deposição foi realizado analisando-se a distribuição de um traçador nas posições superior e inferior da planta, pela técnica da espectrofotometria. O fungicida tebuconazole, juntamente com o traçador, foi aplicado utilizando-se um pulverizador costal manual dotado de válvula reguladora de pressão. As pontas propiciaram cobertura semelhante da folhagem da cultura da soja, tanto na posição superior quanto na inferior do dossel, com exceção da ponta de jato plano padrão, que propiciou maior cobertura na posição inferior do dossel utilizando o volume de aplicação de 115 L ha -1. O volume de aplicação de 160 L ha -1 proporcionou maior retenção de calda na folhagem e maior uniformidade de cobertura das plantas que o volume de 115 L ha -1. Palavras-chave: tecnologia de aplicação, pontas de pulverização, Glycine max L. Introdução A cultura da soja (Glycine max L.) tem sido caracterizada como segmento de grande importância no setor agrícola brasileiro. Sua produtividade média no Brasil encontra-se próxima de 2800 Kg ha -1, mas sabe-se que a cultura apresenta potencial produtivo superior a esse valor. 1

2 Atualmente, a aplicação de fungicidas para o controle da ferrugem asiática (Phakopsora pachyrhizi) é uma das principais preocupações dos produtores após o florescimento da cultura da soja. No momento em que as plantas atingem o grau máximo de desenvolvimento vegetativo, com total fechamento e grande área foliar, as aplicações necessitam da máxima capacidade de penetração na massa de folhas e cobertura das mesmas, mesmo para a aplicação de produtos com características de ação sistêmica (Antuniassi et al., 2004). Para a aplicação de fungicidas na cultura da soja, as pontas mais utilizadas são as que produzem gotas menores, como a ponta de jato plano padrão. No entanto, em virtude do seu espectro de gotas propiciar muita deriva, tem-se tentado utilizar pontas que produzem gotas maiores, como as pontas de jato plano de pré-orifício, jato plano duplo de indução de ar e jato plano de indução de ar. Estas, no entanto, podem comprometer a cobertura das plantas, em razão das gotas serem de maior tamanho. Outra variável importante na aplicação de fungicidas é o volume de aplicação. Segundo Salyani (1999), a redução do orifício de saída das pontas, para obter menor volume de aplicação, aumenta o risco de deriva em virtude da diminuição do tamanho das gotas geradas. Em geral, gotas menores são mais eficazes no combate a pragas e doenças, porém pouco seguras sob o ponto de vista ambiental. A eficácia do tratamento depende não apenas da quantidade de material depositado sobre a vegetação mas, também, da uniformidade de cobertura do alvo (McNichol et al., 1997). Estudos sobre padrões de deposição de pulverizações indicam grande variabilidade de deposição dos agrotóxicos ao longo das faixas de aplicação, o que diminui a eficácia dos tratamentos (Gupta & Duc, 1996 e Pergher et al., 1997). De maneira geral, a deposição é menor nas partes mais baixas e internas do dossel das culturas. No caso de fungicidas, esta desuniformidade proporciona baixa eficácia no controle das doenças, principalmente no caso de fungicidas de contato, que requerem cobertura uniforme de toda a planta. Este trabalho teve como objetivo avaliar a deposição de calda fungicida pulverizada na cultura da soja com diferentes pontas e volumes de aplicação. Material e Métodos O presente trabalho foi conduzido na Estação Experimental de Anápolis da Agência Rural do Estado de Goiás, durante os meses de janeiro e fevereiro de Utilizou-se a cultivar de soja Emgopa 313 (ciclo tardio), em semeadura direta, semeada no espaçamento entre fileiras de 0,50 m, com cerca de 15 sementes m -1. 2

3 O ensaio foi conduzido no delineamento em blocos ao acaso, com quatro repetições, em esquema fatorial (4 x 2). Avaliaram-se, considerando-se a deposição, quatro tipos de pontas de pulverização (jato plano padrão, jato plano de pré-orifício, jato plano duplo de indução de ar e jato plano de indução de ar) e dois volumes de aplicação (115 e 160 L ha -1 ). Utilizaram-se pontas de pulverização hidráulicas, fabricadas em cerâmica, com ângulo de pulverização de 110. A vazão das pontas foi selecionada de forma a se obter os volumes de aplicação testados: 115 e 160 L ha -1. Para isso, empregaram-se pontas e Utilizou-se o fungicida sistêmico do grupo triazol tebuconazole na dose recomendada pelo fabricante (0,1 kg ha -1 do ingrediente ativo). Ele foi aplicado uma vez quando a cultura da soja encontrava-se no estádio R2. Para a aplicação, utilizou-se um pulverizador costal manual, com válvula reguladora de pressão, dotado de uma barra porta-bicos para colocação simultânea de duas pontas de pulverização espaçadas de 0,5 m. A altura da barra em relação à cultura também foi de 0,5 m. A velocidade de deslocamento do aplicador foi de 5 km h -1 e a pressão do líquido durante a operação foi de 200 kpa para todos os tratamentos. Para a avaliação de deposição lançou-se mão de um traçador composto do corante alimentício azul brilhante, catalogado internacionalmente pela Food, Drug & Cosmetic como FD&C Blue n.1. O corante foi utilizado na concentração de mg L -1 para volumes de aplicação de 115 L ha -1, e de mg L -1 para volumes de aplicação de 160 L ha -1. Ele foi detectado por absorbância em espectrofotometria. Após a aplicação, foram marcadas dez plantas, escolhidas ao acaso em cada parcela. Em cada planta foram coletados dois folíolos centrais, um na parte superior e outro na parte inferior da planta, que foram, então, colocados em recipientes plásticos, adicionando-lhes 100 ml de água destilada. Esses recipientes foram fechados, agitados por 30 s e conservados ao abrigo da luz. Posteriormente, fez-se a quantificação da coloração por absorbância em 630 nm (faixa de detecção do corante azul utilizado). Os folíolos tiveram sua área medida por meio de digitalização e análise no programa computacional Image Tool versão 3.0. Os dados de absorbância foram transformados em concentração (mg L -1 ) e, de posse da concentração inicial da calda e do volume de diluição das amostras, determinou-se o volume retido no alvo. Procedeu-se, então, à divisão do depósito total pela área foliar de remoção, obtendo-se, assim, a quantidade em µl cm -2 de folha. A parcela experimental foi de 15 m 2 (5 x 3 m). Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância, e as médias foram comparadas pelo teste de Tukey. 3

4 Resultados e Discussão Na Tabela 1 apresentam-se as médias dos volumes de calda retidos na folhagem da cultura da soja nas partes superior e inferior do dossel, após a pulverização com pontas de jato plano padrão, jato plano de pré-orifício, jato plano duplo de indução de ar e de jato plano de indução de ar, em dois volumes de pulverização (115 e 160 L ha -1 ). Tabela 1. Volume de calda retido na folhagem da cultura da soja (µl cm -2 de folha) nas partes superior e inferior do dossel, após a aplicação de fungicida com diferentes pontas de pulverização, em dois volumes de aplicação* Posição Superior Posição Inferior Ponta Volume de Aplicação (L ha -1 ) Volume de Aplicação (L ha -1 ) Média Média Jato plano padrão 0,454 0,357 0,406 0,408 0,306 0,357a Jato plano de pré-orifício 0,565 0,492 0,529 0,239 0,205 0,222b Jato plano duplo de indução de ar 0,580 0,408 0,494 0,225 0,140 0,183b Jato plano de indução de ar 0,471 0,449 0,460 0,261 0,067 0,164b Média 0,517A 0,427B 0,283A 0,180B * Médias seguidas por letras distintas maiúsculas, nas linhas, e minúsculas, nas colunas, diferem significativamente entre si, a 5% de probabilidade pelo teste F, e a 5% pelo teste de Tukey, respectivamente. A interação entre pontas e volumes de aplicação não foi significativa a 5% de probabilidade pelo teste F, indicando a independência entre os dois fatores. Na aplicação do traçador não houve diferença significativa entre as médias do volume de calda retido na folhagem com as diferentes pontas, independentemente da posição no dossel, com exceção da deposição do traçador na posição inferior do dossel com a ponta de jato plano padrão. Esta proporcionou deposição maior de calda na posição inferior, em relação às outras pontas. Este resultado deve-se, provavelmente, a um menor tamanho de gota produzido por esta ponta e a uma, possível, condição climática favorável para a aplicação do produto. Antuniassi et al. (2004) estudaram a influência de diferentes tipos de pontas de pulverização na cobertura de folhas de soja. Eles concluíram que gotas com menor diâmetro propiciaram melhores coberturas nas partes médias e baixas da planta. Estudos realizados por Scudeler et al. (2004), avaliando as pontas de pulverização APX e AVI na deposição de calda na cultura da soja, também concluíram não haver influência na deposição da pulverização na parte superior do dossel. O volume de aplicação de 160 L ha -1 proporcionou maior retenção de calda nas posições superior e inferior do dossel quando comparado ao volume de 115 L ha -1. Esse resultado 4

5 indica maior distribuição de calda no alvo empregando-se maior volume de aplicação, condição desejada principalmente quando do uso de agrotóxicos de contato. A diferença percentual de volume retido entre as posições superior e inferior do dossel em relação ao volume retido na posição superior (Tabela 2) dá indicação da uniformidade de deposição. Esta não foi homogênea, pois houve diferença de retenção ao longo do dossel das plantas, porém, a ponta de jato plano padrão proporcionou uma menor diferença de uniformidade em relação às outras pontas. Isto provavelmente se deve ao seu menor tamanho de gota, que facilita a penetração no dossel. Tabela 2. Diferença percentual de volume retido entre as posições superior e inferior do dossel da cultura da soja em relação ao volume retido na posição superior, após a aplicação de fungicida com diferentes pontas de pulverização, em dois volumes de aplicação* Diferença Percentual Ponta Volume de Aplicação 160 L ha L ha -1 Média Jato plano padrão 10,13 14,29 12,21b Jato plano de pré-orifício 57,70 58,33 58,02a Jato plano duplo de indução de ar 61,21 65,69 63,45a Jato plano de indução de ar 44,59 85,08 64,83a Média 43,41B 55,85A * Médias seguidas por letras distintas maiúsculas, nas linhas, e minúsculas, nas colunas, diferem significativamente entre si, a 5% de probabilidade pelo teste F, e a 5% pelo teste de Tukey, respectivamente. Os volumes de aplicação proporcionaram diferença de volume retido entre posições significativamente diferente. O volume de aplicação de 115 L ha -1 proporcionou maior diferença de volume retido entre posições, indicando menor uniformidade de deposição de calda na planta. Essa diferença mostrou ser maior para a ponta de jato plano com indução de ar, no volume de calda de 115 L ha -1. Isso provavelmente ocorreu devido ao seu espectro de gota ser maior, o que dificulta a cobertura, associado com o baixo volume, que minimiza o escorrimento para as partes inferiores do dossel. Derksen & Sanderson (1996) avaliaram a influência do volume de calda na deposição foliar de agrotóxicos e verificaram, com o uso de altos volumes de aplicação, melhor cobertura e menores variações de deposição ao longo do dossel. Os autores explicaram que altos volumes permitem uma redistribuição de produto por meio do escorrimento da parte superior para a parte inferior, o que causa maior deposição nas partes inferiores e, com isso, maior uniformidade de deposição. No entanto, essas aplicações apresentam maiores riscos de contaminação do solo, em virtude da possibilidade da não-retenção de produto nas folhas. 5

6 Conclusões As pontas propiciaram cobertura semelhante da folhagem da cultura da soja, tanto na posição superior quanto na inferior do dossel, com exceção da ponta de jato plano padrão que propiciou maior cobertura na posição inferior do dossel utilizando o volume de aplicação de 115 L ha -1. O volume de aplicação de 160 L ha -1 proporcionou maior retenção de calda na folhagem e maior uniformidade de cobertura das plantas que o volume de 115 L ha -1. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Antuniassi, U.R.; Camargo, T.V.; Bonelli, M.A.P.O.; Romagnole, E.W.C Avaliação da cobertura de folhas de soja em aplicações terrestres com diferentes tipos de pontas. In Anais do III Simpósio Internacional de Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos, Botucatu-SP, Botucatu: Unesp. Cd-rom. Derksen, R.C.; Sanderson, J.P Volume, speed and distribution technique effects on poinsettia foliar deposit. Transactions of the ASAE 39(1): 5-9. Gupta, C.P.; Duc, T.X Deposition studies of a hand-held air-assisted electrostatic sprayer. Transactions of the ASAE 39(5): Mcnichol, A.Z.; Teske, M.E.; Barry, J.W A technique to characterize spray deposit in orchard and tree canopies. Transactions of the ASAE 40(6): Pergher, G.; Gubiani, R.; Tonetto, G Foliar deposition and pesticide losses from three air-assisted sprayers in a hedgerow vineyard. Crop Protection 16: Salyani, M Optimization of sprayer output at different volume rates. St. Joseph: ASAE. 16 p. (ASAE Paper No ) Scudeler, F.; Bauer, F.C.; Raetano, C.G Ângulo da barra e ponta de pulverização na deposição da pulverização em soja. In Anais do III Simpósio Internacional de Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos, Botucatu-SP, Botucatu: Unesp. Cd-rom. 6

Controle químico da ferrugem asiática da soja em função de ponta de pulverização e de volume de calda

Controle químico da ferrugem asiática da soja em função de ponta de pulverização e de volume de calda Ciência Rural, Controle Santa químico Maria, v.36, da ferrugem n.5, p.1360-1366, asiática da soja set-out, em função 2006 de ponta de pulverização e de volume de calda. ISSN 0103-8478 1 Controle químico

Leia mais

Deposição de pontas de pulverização AXI e JA-2 em diferentes condições operacionais

Deposição de pontas de pulverização AXI e JA-2 em diferentes condições operacionais Ciência 1610 Rural, Santa Maria, v.38, n.6, p.1610-1614, set, 2008Bauer et al. ISSN 0103-8478 Deposição de pontas de pulverização AXI 11002 e JA-2 em diferentes condições operacionais Deposition of AXI

Leia mais

ESPAÇAMENTO ENTRE PONTAS TT NA BARRA DO PULVERIZADOR COM DIFERENTES PRESSÕES E ADJUVANTES NA CALDA 1

ESPAÇAMENTO ENTRE PONTAS TT NA BARRA DO PULVERIZADOR COM DIFERENTES PRESSÕES E ADJUVANTES NA CALDA 1 ESPAÇAMENTO ENTRE PONTAS TT 113 NA BARRA DO PULVERIZADOR COM DIFERENTES PRESSÕES E ADJUVANTES NA CALDA 1 Jose Rodolfo Guimarães di Oliveira (UNESP / joserodolfoguimaraes@yahoo.com.br), Marcos Fabiano Camillo

Leia mais

Palavras-chaves: uniformidade de distribuição, ângulo e espectro de gotas.

Palavras-chaves: uniformidade de distribuição, ângulo e espectro de gotas. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DE PONTA DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO COM INDUÇÃO DE AR JOSUÉ GOMES DELMOND 1, ELTON FIALHO DOS REIS 2 1 Engenheiro Agrícola, Graduando, UEG/Anápolis GO, Bolsista do CNPQ Brasil.

Leia mais

Efeito de pontas de pulverização na deposição da calda no feijoeiro Effect of spray nozzles on bean plants deposition

Efeito de pontas de pulverização na deposição da calda no feijoeiro Effect of spray nozzles on bean plants deposition Efeito de pontas de pulverização na deposição da calda no feijoeiro Effect of spray nozzles on bean plants deposition Matheus Arthur Góes Lôbo Farias¹*; Neli Cristina Belmiro dos Santos 2 ; Rafael Simões

Leia mais

QUALIDADE DE APLICAÇÃO DE CALDA DE PULVERIZAÇÃO COM USO DE ADJUVANTE E DIFERENTES PONTAS EM CONDIÇÕES AMBIENTAIS DISTINTAS

QUALIDADE DE APLICAÇÃO DE CALDA DE PULVERIZAÇÃO COM USO DE ADJUVANTE E DIFERENTES PONTAS EM CONDIÇÕES AMBIENTAIS DISTINTAS QUALIDADE DE APLICAÇÃO DE CALDA DE PULVERIZAÇÃO COM USO DE ADJUVANTE E DIFERENTES PONTAS EM CONDIÇÕES AMBIENTAIS DISTINTAS Cristiane Fernandes Lisboa 1, Luana Alves Akamine 2, Mateus Morais Santos 2, Elton

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: tecnologia de aplicação, controle químico, Phakopsora pachyhizi.

PALAVRAS-CHAVE: tecnologia de aplicação, controle químico, Phakopsora pachyhizi. DEPOSIÇÃO DE CALDA EM DIFERENTES POSIÇÕES DA PLANTA E PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA (Glycine max (L.) Merril) COM O USO DE BARRA AUXILIAR DE PULVERIZAÇÃO Guilherme Sousa Alves 1, João Paulo Arantes

Leia mais

06 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE FUNGICIDA COM

06 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE FUNGICIDA COM 06 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE FUNGICIDA COM ADIÇÃO DE FERTIADITIVO PARA O CONTROLE DE FERRUGEM-ASIÁTICA NA CULTURA DA SOJA OBJETIVO Este trabalho tem como objetivo avaliar a eficiência de fungicida com

Leia mais

TABELA 1. Descrição dos tratamentos avaliados

TABELA 1. Descrição dos tratamentos avaliados 5 1 INTRODUÇÃO Nos sistemas de agricultura intensiva, com constantes ciclos de pragas e patógenos durante o desenvolvimento da lavoura, o controle químico tornou-se uma prática constante, especialmente

Leia mais

05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS

05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS 05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DE DOENÇAS NA CULTURA DA SOJA EM DUAS EPOCAS DE SEMEADURA OBJETIVO Este trabalho tem como objetivo avaliar a eficiência dos principais

Leia mais

Avaliação da Severidade da Ferrugem Asiática em Diferentes Arranjos da População de Plantas de Soja

Avaliação da Severidade da Ferrugem Asiática em Diferentes Arranjos da População de Plantas de Soja 40ª Reunião de Pesquisa de Soja da Região Sul - Atas e Resumos 401 Avaliação da Severidade da Ferrugem Asiática em Diferentes Arranjos da População de Plantas de Soja Cley Donizeti Martins Nunes 1 Introdução

Leia mais

TREINAMENTO EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO

TREINAMENTO EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTO EM TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO PROGRAMAÇÃO HISTÓRICO CONCEITOS CONHECENDO A PULVERIZAÇÃO CONHECENDO O PULVERIZADOR CALIBRANDO O PULVERIZADOR HISTÓRICO Pulverização ou Aplicação? Pulverização: processo

Leia mais

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA UTILIZANDO UM SISTEMA DE DEPOSIÇÃO DE SEMENTES POR FITA.

DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA UTILIZANDO UM SISTEMA DE DEPOSIÇÃO DE SEMENTES POR FITA. 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA UTILIZANDO UM SISTEMA DE DEPOSIÇÃO

Leia mais

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO?

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO? TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Disciplina: Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas Faculdade de Engenharia Agronômica UniSALESIANO - LINS SP Prof. Harumi Hamamura harumi.lins.cati@gmail.com

Leia mais

Ciência Rural ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Villalba Farinha, Juana; Martins, Dagoberto; Vilanova Costa, Neumarcio; David Domingos, Vanessa Deposição

Leia mais

Aplicação de fitossanitário requer tecnologia específica

Aplicação de fitossanitário requer tecnologia específica Eficácia Aplicação de fitossanitário requer tecnologia específica Casimiro Dias Gadanha Junior e Marcos Vilela de Magalhães Monteiro* ACERVO FUNDAÇÃO MT Pulverização foliar terrestre em lavoura de soja

Leia mais

DEPÓSITO DE PULVERIZAÇÃO COM DIFERENTES PADRÕES DE GOTAS EM APLICAÇÕES NA CULTURA DO ALGODOEIRO

DEPÓSITO DE PULVERIZAÇÃO COM DIFERENTES PADRÕES DE GOTAS EM APLICAÇÕES NA CULTURA DO ALGODOEIRO DEPÓSITO DE PULVERIZAÇÃO COM DIFERENTES PADRÕES DE GOTAS EM APLICAÇÕES NA CULTURA DO ALGODOEIRO REGINALDO T. DE SOUZA 1, ROGÉRIO D. DE CASTRO 2, LUIZ A. PALLADINI 3 RESUMO: Com os objetivos de avaliar

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSO EM PULVERIZAÇÃO HIDROPNEUMÁTICA NA CULTURA DO CAFÉ

CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSO EM PULVERIZAÇÃO HIDROPNEUMÁTICA NA CULTURA DO CAFÉ Universidade Federal de Uberlândia Instituto de Ciências Agrárias Programa de Pós-Graduação em Agronomia CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSO EM PULVERIZAÇÃO HIDROPNEUMÁTICA NA CULTURA DO CAFÉ João Eduardo

Leia mais

SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis

SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis NOGUEIRA, C. H. P (FCAV - UNESP, Jaboticabal/SP - nogueirachp@gmail.com), CORREIA, N. M. (Embrapa, Brasília/DF

Leia mais

AVALIAÇÃO PRODUTIVA DE LINHAGENS DE FEIJÃO-VAGEM EM CULTURA TUTORADA EM IPAMERI. Bolsista PBIC/UEG, graduanda do curso de Agronomia, UnU Ipameri-UEG.

AVALIAÇÃO PRODUTIVA DE LINHAGENS DE FEIJÃO-VAGEM EM CULTURA TUTORADA EM IPAMERI. Bolsista PBIC/UEG, graduanda do curso de Agronomia, UnU Ipameri-UEG. AVALIAÇÃO PRODUTIVA DE LINHAGENS DE FEIJÃO-VAGEM EM CULTURA TUTORADA EM IPAMERI FERNANDA DE CÁSSIA SILVA 1, NEI PEIXOTO 2, MARIA MARTA ANTÔNIA DA SILVA 3, DIANA CRISTINA DA SILVA 3. 1 Bolsista PBIC/UEG,

Leia mais

NUTRIÇÃO DA MAMONEIRA CONSORCIADA COM FEIJÃO COMUM EM FUNÇÃO DO PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA

NUTRIÇÃO DA MAMONEIRA CONSORCIADA COM FEIJÃO COMUM EM FUNÇÃO DO PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA NUTRIÇÃO DA MAMONEIRA CONSORCIADA COM FEIJÃO COMUM EM FUNÇÃO DO PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA Rafael Batista Ferreira 1 (PG)*, Ananda Helena Nunes Cunha 2 (PQ), Itamar Rosa Teixeira 3 (PQ) 1* Eng.

Leia mais

PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO DA CALDA PRODUZIDA PELA PONTA DE PULVERIZAÇÃO DO TIPO JATO PLANO (8002) EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS 1

PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO DA CALDA PRODUZIDA PELA PONTA DE PULVERIZAÇÃO DO TIPO JATO PLANO (8002) EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS 1 457 PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO DA CALDA PRODUZIDA PELA PONTA DE PULVERIZAÇÃO DO TIPO JATO PLANO (82) EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS 1 Spray Distribution Pattern of Flat Fan Tip (82) at Different Spacing

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR 28 Resumos da XXXIII Reunião de Pesquisa de Soja da Região Central do Brasil - Londrina, PR, agosto de 203 5 PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA

Leia mais

Efeito de pontas e volumes de pulverização no controle químico de doenças do milho 1

Efeito de pontas e volumes de pulverização no controle químico de doenças do milho 1 Rev. Ciênc. Agron., Fortaleza, v. 40, n. 4, p. 533-538, out-dez, 2009 Centro de Ciências Agrárias - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil - www.ccarevista.ufc.br ISSN 1806-6690 Efeito de

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA

EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA BONFADA, Élcio B. 1 ; FIORIN, Jackson E. 2 ; SILVA, Alieze N. da 3 ; WYZYKOWSKI, Tiago 4 Palavras-chave: Nutrição de Plantas.

Leia mais

QUALIDADE DA APLICAÇÃO AÉREA LÍQUIDA COM UMA AERONAVE AGRÍCOLA EXPERIMENTAL NA CULTURA DA SOJA (Glycine Max L.)

QUALIDADE DA APLICAÇÃO AÉREA LÍQUIDA COM UMA AERONAVE AGRÍCOLA EXPERIMENTAL NA CULTURA DA SOJA (Glycine Max L.) QUALIDADE DA APLICAÇÃO AÉREA LÍQUIDA COM UMA AERONAVE AGRÍCOLA EXPERIMENTAL NA CULTURA DA SOJA (Glycine Max L.) ELTON F. DOS REIS 1, DANIEL M. DE QUEIROZ 2, JOÃO P. A. R. DA CUNHA 3, SUELI M. F. ALVES

Leia mais

Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol

Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol Júnio Oliveira Ferreira (1),

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE PULVERIZADORES UTILIZADOS EM VIDEIRAS DO BRASIL

ESTUDO COMPARATIVO DE PULVERIZADORES UTILIZADOS EM VIDEIRAS DO BRASIL ESTUDO COMPARATIVO DE PULVERIZADORES UTILIZADOS EM VIDEIRAS DO BRASIL RESUMO A. Chaim, M. C. P. Y. Pessoa, V. L. Ferracini Embrapa Meio Ambiente Caixa Postal 69 Jaguariúna, SP, Brasil CEP: 13820-000 e-mail:aldemir@cnpma.embrapa.br

Leia mais

Comparação da eficiência de controle da ferrugem-asiática da soja (Phakopsora pachyrhizi) com fungicidas indicados para a doença, em goiás

Comparação da eficiência de controle da ferrugem-asiática da soja (Phakopsora pachyrhizi) com fungicidas indicados para a doença, em goiás Comparação da eficiência de controle da ferrugem-asiática da soja (Phakopsora pachyrhizi) com fungicidas indicados para a doença, em goiás FERREIRA, L.C. 1, COSTA, N.B. 1, PIMENTA, C.B. 2, NUNES SOBRINHO,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata).

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). Rezanio Martins Carvalho (bolsista do PIBIC/CNPq), Fabiano André Petter

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UMA PONTA DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE JATO PLANO TIPO LEQUE

AVALIAÇÃO DE UMA PONTA DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE JATO PLANO TIPO LEQUE XLIII Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola - CONBEA 2014 Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camillo - Campo Grande -MS 27 a 31 de julho de 2014 AVALIAÇÃO DE UMA PONTA DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICA

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO nº 13/2017

BOLETIM TÉCNICO nº 13/2017 BOLETIM TÉCNICO nº 13/2017 Safra 2016/17 e Segunda Safra 2017 Autores Luana Maria de Rossi Belufi, M. Sc. Engenheira Agrônoma Fundação Rio Verde, MT luana@fundacaorioverde.com.br Fabio Kempim Pittelkow,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DEISE ISABEL DA COSTA WALTER BOLLER

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DEISE ISABEL DA COSTA WALTER BOLLER UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA Aplicação de fungicida em soja com atomizador rotativo de discos, operado com cinco velocidades

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE PULVERIZAÇÃO COM APARELHO PNEUMÁTICO COSTAL, NA COBERTURA FOLIAR DO CAFEEIRO ( 1 )

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE PULVERIZAÇÃO COM APARELHO PNEUMÁTICO COSTAL, NA COBERTURA FOLIAR DO CAFEEIRO ( 1 ) INFLUÊNCIA DO TEMPO DE PULVERIZAÇÃO COM APARELHO PNEUMÁTICO COSTAL, NA COBERTURA FOLIAR DO CAFEEIRO ( 1 ) BERNARDO LORENA NETO e HERMES GERALDO CORRÊA, Seção de Máquinas de Implantação de Culturas e Aplicadoras

Leia mais

Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas

Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas INFORMATIVO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO ANO 3 NÚMERO 9 Setembro 2014 Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas Introdução A correta aplicação de defensivos agrícolas exige uma série de conhecimentos

Leia mais

Feksa, H. 1, Antoniazzi, N. 1, Domit, R. P. 2, Duhatschek, B. 3. Guarapuava PR. Palavras-chave: aviação agrícola, fungicida, rendimento, FAPA OBJETIVO

Feksa, H. 1, Antoniazzi, N. 1, Domit, R. P. 2, Duhatschek, B. 3. Guarapuava PR. Palavras-chave: aviação agrícola, fungicida, rendimento, FAPA OBJETIVO Aviação Agrícola com Tecnologia BVO versus Fungicida visando o Controle de Diplodia macrospora e Cercospora zeae-maydis, nos Híbridos DKB 214/DKB 215 na Região de Guarapuava/PR. FAPA - Cooperativa Agrária

Leia mais

Tecnologia de Aplicação

Tecnologia de Aplicação Tecnologia de Aplicação Rodolfo G. Chechetto Engenheiro Agrônomo O que é Tecnologia de Aplicação? Conjunto de conhecimentos que integram informações sobre os produtos fitossanitários, suas formulações

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS 74 CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS Gilmar Silvério da Rocha (1), Rogério Faria Vieira (2), Luiz Tarcísio Salgado (2), Alexandre Cunha de Barcellos

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT

RELATÓRIO TÉCNICO. ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT RELATÓRIO TÉCNICO ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT Executora: RURAL TÉCNICA EXPERIMENTOS AGRONÔMICOS LTDA Av. Norte,

Leia mais

EFEITO DE ÓLEO VEGETAL NA DEPOSIÇÃO DE CALDA FUNGICIDA COM E SEM CHUVA ARTIFICIAL EM CAFÉ

EFEITO DE ÓLEO VEGETAL NA DEPOSIÇÃO DE CALDA FUNGICIDA COM E SEM CHUVA ARTIFICIAL EM CAFÉ EFEITO DE ÓLEO VEGETAL NA DEPOSIÇÃO DE CALDA FUNGICIDA COM E SEM CHUVA ARTIFICIAL EM CAFÉ ¹HENRIQUE B. N. CAMPOS, ²MARCELO C. FERREIRA, ³GILSON J. LEITE ¹Engenheiro Agrônomo, Aluno de mestrado, Departamento

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO DE PLANTAS DANINHAS COM PERDA DE SENSIBILIDADE AO GLYPHOSATE NA CULTURA DO MILHO RR

ESTRATÉGIAS DE MANEJO DE PLANTAS DANINHAS COM PERDA DE SENSIBILIDADE AO GLYPHOSATE NA CULTURA DO MILHO RR ESTRATÉGIAS DE MANEJO DE PLANTAS DANINHAS COM PERDA DE SENSIBILIDADE AO GLYPHOSATE NA CULTURA DO MILHO RR MORAIS, H. A. (Test Agro, Rio Verde/GO henrique.morais@terra.com.br), CABRAL, R. S. (UniRV Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DE HORÁRIOS ALTERNATIVOS PARA APLICAÇÃO DE FUNGICIDA PARA O CONTROLE DA FERRUGEM ASIATICA DA SOJA

AVALIAÇÃO DE HORÁRIOS ALTERNATIVOS PARA APLICAÇÃO DE FUNGICIDA PARA O CONTROLE DA FERRUGEM ASIATICA DA SOJA AVALIAÇÃO DE HORÁRIOS ALTERNATIVOS PARA APLICAÇÃO DE FUNGICIDA PARA O CONTROLE DA FERRUGEM ASIATICA DA SOJA Étore Francisco Reynaldo 1, Thiago Martins Machado 2, Leandro Taubinger 3, Dionathan de Quadros

Leia mais

PADRÕES DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO 11002, COM E SEM INDUÇÃO DE AR, SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS E ALTURAS

PADRÕES DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO 11002, COM E SEM INDUÇÃO DE AR, SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS E ALTURAS PADRÕES DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO 11002, COM E SEM INDUÇÃO DE AR, SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS E ALTURAS FERNANDO C. BAUER 1, CARLOS G. RAETANO 2, FRANCISCO DE

Leia mais

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89)

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) 3562-2274 Efeito do uso dos produtos da linha Celleron no tratamento de semente e na parte aérea, para o aumento do

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 797

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 797 Página 797 CONTROLE DE CORDA-DE-VIOLA COM AS OPÇÕES DE TRATAMENTOS HERBICIDAS DISPONÍVEIS PARA A CULTURA DO ALGODÃO Jamil Constantin 1 ; Rubem Silvério de Oliveira Jr. 1 ; Eliezer Antonio Gheno 2 ; Guilherme

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Efeito da Época e Dose de Aplicação de Fungicida no Controle da Antracnose do Sorgo Lorena de Oliveira Moura 1, Luciano

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE UM ADJUVANTE À CALDA DE PULVERIZAÇÃO AÉREA SOBRE A FAIXA DE DEPOSIÇÃO TOTAL

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE UM ADJUVANTE À CALDA DE PULVERIZAÇÃO AÉREA SOBRE A FAIXA DE DEPOSIÇÃO TOTAL ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE UM ADJUVANTE À CALDA DE PULVERIZAÇÃO AÉREA SOBRE A FAIXA DE DEPOSIÇÃO TOTAL

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

DESEMPENHO DE NOVAS CULTIVARES DE CICLO PRECOCE DE MILHO EM SANTA MARIA 1

DESEMPENHO DE NOVAS CULTIVARES DE CICLO PRECOCE DE MILHO EM SANTA MARIA 1 DESEMPENHO DE NOVAS CULTIVARES DE CICLO PRECOCE DE MILHO EM SANTA MARIA 1 TOEBE, Marcos 2 ; CARGNELUTTI FILHO, Alberto 3 ; SILVEIRA, Tatiani Reis da 2 ; CASAROTTO, Gabriele 4 ; SCHWANTES, Ismael Albino

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE AR EM BARRA DE PULVERIZAÇÃO NO CONTROLE DA FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA ( 1 )

ASSISTÊNCIA DE AR EM BARRA DE PULVERIZAÇÃO NO CONTROLE DA FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA ( 1 ) Controle da ferrugem asiática da soja 231 ASSISTÊNCIA DE AR EM BARRA DE PULVERIZAÇÃO NO CONTROLE DA FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA ( 1 ) RAFAEL DE SOUZA CHRISTOVAM ( 2,3 ); CARLOS GILBERTO RAETANO ( 2* ); HÉLIO

Leia mais

Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos

Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos Tecnologia e Produção: Soja e Milho / Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos Paulo O. Coutinho Ricardo Barros.. Introdução A Fundação

Leia mais

CONTROLE DE TOMBAMENTO DE PLÂNTULAS E MELA DO ALGODOEIRO NO OESTE DA BAHIA

CONTROLE DE TOMBAMENTO DE PLÂNTULAS E MELA DO ALGODOEIRO NO OESTE DA BAHIA Página 354 CONTROLE DE TOMBAMENTO DE PLÂNTULAS E MELA DO ALGODOEIRO NO OESTE DA BAHIA Luiz Gonzaga Chitarra 1 ; Cleiton Antônio da Silva Barbosa 2; Benedito de Oliveira Santana Filho 2 ; Pedro Brugnera

Leia mais

17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA

17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA 17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA PRODUTIVIDADE DA SOJA O objetivo deste experimento foi avaliar a resposta do programa nutricional via foliar recomendado pela microquímica na cultura da soja

Leia mais

Indutores de Resistência e Fungicidas na Cultura do Milho na Região dos Chapadões

Indutores de Resistência e Fungicidas na Cultura do Milho na Região dos Chapadões Indutores de Resistência e Fungicidas na Cultura do Milho na Região dos Chapadões Alfredo R. Dias (1), Edson P. Borges (1), Renato A. Guazina (1), Juliano A. R. Oliveira (1), Cleber B. Ferreira (1), Luciano

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA - UFU INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - ICIAG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA - UFU INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - ICIAG Deposição de calda aplicada em folhas de cafeeiro promovida pela pulverização hidropneumática com e sem carga eletrostática JEFFERSON GITIRANA NETO 1, JOÃO PAULO A. R. DA CUNHA 2 1 Engº Agrônomo, Doutor

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Influência de diferentes pontas de pulverização nas aplicações terrestres em alta velocidade na cultura da soja (Glycine max) Samir

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM EQUIPAMENTO MANUAL PARA A SEMEADURA DA MAMONEIRA.

AVALIAÇÃO DE UM EQUIPAMENTO MANUAL PARA A SEMEADURA DA MAMONEIRA. AVALIAÇÃO DE UM EQUIPAMENTO MANUAL PARA A SEMEADURA DA MAMONEIRA Odilon Reny Ribeiro Ferreira da Silva 1, Valdinei Sofiatti 1,Waltemilton Vieira Cartaxo 1, Franklin Magnum de Oliveira Silva 2, Gedeão Rodrigues

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UMA PONTA DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE JATO CÔNICO VAZIO

AVALIAÇÃO DE UMA PONTA DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE JATO CÔNICO VAZIO AVALIAÇÃO DE UMA PONTA DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE JATO CÔNICO VAZIO Rafael Batista Ferreira 1, Fabiana Rodrigues Cardoso 1 Érica Pereira Fernandes 2 Divina Cléia Resende dos Santos 2, Elton Fialho Reis

Leia mais

Comportamento da Crotalaria juncea em função de adubação com e sem revestimento com polímeros

Comportamento da Crotalaria juncea em função de adubação com e sem revestimento com polímeros Comportamento da Crotalaria juncea em função de adubação com e sem revestimento com polímeros Rafael da Costa Leite 1 ; Hamilton Kikuti 2 ; Ana Lúcia Pereira Kikuti 3 1 Estudante do Curso de Agronomia

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 04 EFEITO DE DIFERENTES POPULAÇÕES DE PLANTA SOJA Objetivo Avaliar a produtividade e atributos agronômicos de três cultivares de soja com hábitos de crescimento distintos em dois espaçamentos entre linhas

Leia mais

CONTROLE QUÍMICO DE DIFERENTES POPULAÇÕES DE Digitaria insularis (CAPIM-AMARGOSO)

CONTROLE QUÍMICO DE DIFERENTES POPULAÇÕES DE Digitaria insularis (CAPIM-AMARGOSO) CONTROLE QUÍMICO DE DIFERENTES POPULAÇÕES DE Digitaria insularis (CAPIM-AMARGOSO) ACRA, L. T. (FCAV - UNESP, Jaboticabal/SP - lu.tittoto@hotmail.com), CORREIA, N. M. (EMBRAPA, Brasília/DF - nubia.correia@embrapa.br),

Leia mais

TÍTULO: PRODUÇÃO DE FORRAGEM DE ESPÉCIES DE "BRACHIARIA" SUBMETIDAS A DIFERENTES ALTURAS DE CORTE

TÍTULO: PRODUÇÃO DE FORRAGEM DE ESPÉCIES DE BRACHIARIA SUBMETIDAS A DIFERENTES ALTURAS DE CORTE Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PRODUÇÃO DE FORRAGEM DE ESPÉCIES DE "BRACHIARIA" SUBMETIDAS A DIFERENTES ALTURAS DE CORTE CATEGORIA:

Leia mais

CRESCIMENTO DE CLONES DE

CRESCIMENTO DE CLONES DE CRESCIMENTO DE CLONES DE Eucalyptus EM FUNÇÃO DA DOSE E FONTE DE BORO UTILIZADA Parceria RR Agroflorestal e VM Claudemir Buona 1 ; Ronaldo Luiz Vaz de A. Silveira 1 ; Hélder Bolognani 2 e Maurício Manoel

Leia mais

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO

Manual de Treinamento CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO CONCEITOS E TECNOLOGIAS QUE VISAM A AUMENTAR O CONTROLE DE PRAGAS E DOENÇAS DE BAIXEIRO EDIÇÃO Nº 01/2014 Código: 0416-tp Manual de Treinamento Máquinas Agrícolas Jacto Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580-000

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO TURBO TEEJET EM DIFERENTES CONDIÇÕES OPERACIONAIS 1

DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO TURBO TEEJET EM DIFERENTES CONDIÇÕES OPERACIONAIS 1 11 DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO TURBO TEEJET 11 EM DIFERENTES CONDIÇÕES OPERACIONAIS 1 Distribution Pattern of Nozzle TT 11 under Different Operational Conditions FREITAS, F.C.L.,

Leia mais

Experimentação com herbicidas

Experimentação com herbicidas Eperimentação com herbicidas Princípio do delineamento eperimental: Delineamento eperimental mais simples possível desde que satisfaça coerência estatística e atenda os objetivos pretendido O objetivo

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Diferentes Épocas de Corte e Densidade de Plantas no Desempenho Agronômico de Duas Cultivares de Sorgo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESPECTRO DE GOTAS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICAS UTILIZANDO A TÉCNICA DA DIFRAÇÃO DO RAIO LASER

AVALIAÇÃO DO ESPECTRO DE GOTAS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICAS UTILIZANDO A TÉCNICA DA DIFRAÇÃO DO RAIO LASER AVALIAÇÃO DO ESPECTRO DE GOTAS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICAS UTILIZANDO A TÉCNICA DA DIFRAÇÃO DO RAIO LASER JOÃO P. A. R. DA CUNHA 1, MAURI M. TEIXEIRA 2, HAROLDO C. FERNANDES 3 RESUMO: As pontas

Leia mais

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS Carlos Hissao Kurihara (1), Bruno Patrício Tsujigushi (2) Introdução A adubação da cultura do milho safrinha

Leia mais

AÇÃO DE INSETICIDAS SOBRE O PERCEVEJO CASTANHO Scaptocoris castanea Perty, 1833 (HEMIPTERA: CYDNIDAE) NA CULTURA DO ALGODOEIRO *

AÇÃO DE INSETICIDAS SOBRE O PERCEVEJO CASTANHO Scaptocoris castanea Perty, 1833 (HEMIPTERA: CYDNIDAE) NA CULTURA DO ALGODOEIRO * AÇÃO DE INSETICIDAS SOBRE O PERCEVEJO CASTANHO Scaptocoris castanea Perty, 833 (HEMIPTERA: CYDNIDAE) NA CULTURA DO ALGODOEIRO * Crébio José Ávila, Sérgio Arce Gómez 2. () Embrapa Agropecuária Oeste, Rodovia

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 01 AVALIAÇÃO DE CULTIVAR TECNOLOGIA RR (Roundu Objetivo Avaliar diferentes cultivares de soja com tecnologia RR (Roundup Ready) em duas épocas de semeadura em Lucas do Rio Verde MT. BOLETIM TÉCNICO 2015/16

Leia mais

Avaliação da uniformidade de distribuição volumétrica de bicos hidráulicos em pulverizador com assistência de ar

Avaliação da uniformidade de distribuição volumétrica de bicos hidráulicos em pulverizador com assistência de ar Avaliação da uniformidade de distribuição volumétrica de bicos hidráulicos em pulverizador com assistência de ar Murilo Mesquita Baesso 1 ; Ronaldo Goulart Junior 2 ; Mauri Martins Teixeira 3 ; Francelino

Leia mais

COBERTURA DA CULTURA DA SOJA PELA CALDA FUNGICIDA EM FUNÇÃO DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO E VOLUMES DE APLICAÇÃO 1

COBERTURA DA CULTURA DA SOJA PELA CALDA FUNGICIDA EM FUNÇÃO DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO E VOLUMES DE APLICAÇÃO 1 Scientia Agraria ISSN 9-2 (printed) and 983-2443 (on-line) ROMÁN, R.A.A. et al. Cobertura da cultura da soja pela calda fungicida... COBERTURA DA CULTURA DA SOJA PELA CALDA FUNGICIDA EM FUNÇÃO DE PONTAS

Leia mais

CONTROLE DA COCHONILHA ATRAVÉS DE DIFERENTES INSETICIDAS, APLICADOS VIA FOLIAR, NA CULTURA DO ALGODÃO ADENSADO. Daniele Romano 1

CONTROLE DA COCHONILHA ATRAVÉS DE DIFERENTES INSETICIDAS, APLICADOS VIA FOLIAR, NA CULTURA DO ALGODÃO ADENSADO. Daniele Romano 1 Página 115 CONTROLE DA COCHONILHA ATRAVÉS DE DIFERENTES INSETICIDAS, APLICADOS VIA FOLIAR, NA CULTURA DO ALGODÃO ADENSADO Daniele Romano 1 1 IMAmt Instituto Mato-Grossense do Algodão / danieleromano@imamt.com.br

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

Matiello, Paiva e Figueiredo EFEITO ISOLADO E COMBINADO DE TRIAZÓIS E ESTROBILURINAS NO CONTROLE DA FERRUGEM E DA CERCOSPORIOSE EM CAFEEIROS

Matiello, Paiva e Figueiredo EFEITO ISOLADO E COMBINADO DE TRIAZÓIS E ESTROBILURINAS NO CONTROLE DA FERRUGEM E DA CERCOSPORIOSE EM CAFEEIROS Matiello, Paiva e Figueiredo EFEITO ISOLADO E COMBINADO DE TRIAZÓIS E ESTROBILURINAS NO CONTROLE DA FERRUGEM E DA CERCOSPORIOSE EM CAFEEIROS Justificativas O uso de formulações de fungicidas triazois mais

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1326

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1326 Página 1326 CARACTERIZACAO DA ARQUITETURA DE PLANTA EM GENOTIPOS DE ALGODOEIROS PORTADORES DO CARÁTER CLUSTER E NORMAL EM DIFERENTES ESPAÇAMENTOS Joyce Dorneles Moura 1 ; Julio Cesar Viglioni Penna 2 ;

Leia mais

Produção de Mudas de Pepino e Tomate Utilizando Diferentes Doses de Adubo Foliar Bioplus.

Produção de Mudas de Pepino e Tomate Utilizando Diferentes Doses de Adubo Foliar Bioplus. Produção de Mudas de Pepino e Tomate Utilizando Diferentes de Adubo Foliar Bioplus. Luiz Antonio Augusto Gomes 1 ; Renata Rodrigues Silva 1 ; João Aguilar Massaroto 1. 1 Universidade Federal de Lavras

Leia mais

MANEJO DO REGULADOR DE CRESCIMENTO CLORETO DE CLORMEQUATE NO SISTEMA ADENSADO DO ALGODOEIRO EM MATO GROSSO.

MANEJO DO REGULADOR DE CRESCIMENTO CLORETO DE CLORMEQUATE NO SISTEMA ADENSADO DO ALGODOEIRO EM MATO GROSSO. Página 541 MANEJO DO REGULADOR DE CRESCIMENTO CLORETO DE CLORMEQUATE NO SISTEMA ADENSADO DO ALGODOEIRO EM MATO GROSSO. Edson Ricardo de Andrade Junior 1 ; Emerson Júlio de Souza Cappellesso 2. 1 Instituto

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INSETICIDAS NO CONTROLE DA LAGARTA CURUQUERÊ (ALABAMA ADENSADO DO ALGODOEIRO EM MATO GROSSO. Daniele Romano 1 ; Paulo Bettini 2.

AVALIAÇÃO DE INSETICIDAS NO CONTROLE DA LAGARTA CURUQUERÊ (ALABAMA ADENSADO DO ALGODOEIRO EM MATO GROSSO. Daniele Romano 1 ; Paulo Bettini 2. Página 100 AVALIAÇÃO DE INSETICIDAS NO CONTROLE DA LAGARTA CURUQUERÊ (ALABAMA ARGILLACEA) E FALSA-MEDIDEIRA (PSEUDOPLUSIA INCLUDENS) NO SISTEMA DE CULTIVO ADENSADO DO ALGODOEIRO EM MATO GROSSO Daniele

Leia mais

Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde.

Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde. Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Monteiro, M. A. R1., Pereira Filho,

Leia mais

Revista Ciência Agronômica ISSN: Universidade Federal do Ceará Brasil

Revista Ciência Agronômica ISSN: Universidade Federal do Ceará Brasil Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil Arantes Rodrigues da Cunha, João Paulo; Silva, Leandro Luiz da; Boller, Walter; Rodrigues, Jaqueline Fátima

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA E ESPECTRO DE GOTAS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO CÔNICO VAZIO

DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA E ESPECTRO DE GOTAS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO CÔNICO VAZIO DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA E ESPECTRO DE GOTAS DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO CÔNICO VAZIO Elivânia Maria Sousa NASCIMENTO (1); Francisco Alexandre de Lima SALES (2); Weberte Alan SOMBRA (3); Igor Martins

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 774

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 774 Página 774 CONTROLE DE APAGA-FOGO E ERVA-DE-TOURO POR HERBICIDAS PÓS-EMERGENTES APLICADOS EM ALGODÃO Eliezer Antonio Gheno 1 ; Jamil Constantin 2 ; Rubem Silvério de Oliveira Jr. 2 ; Guilherme Braga Pereira

Leia mais

DEPOSIÇÃO DE GOTAS NO DOSSEL DA SOJA POR DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICA E PRESSÕES DE TRABALHO 1

DEPOSIÇÃO DE GOTAS NO DOSSEL DA SOJA POR DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICA E PRESSÕES DE TRABALHO 1 DEPOSIÇÃO DE GOTAS NO DOSSEL DA SOJA POR DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO HIDRÁULICA E PRESSÕES DE TRABALHO 1 Rafael Gomes Viana 2, Lino Roberto Ferreira 3, Mauri Martins Teixeira 4, Paulo Roberto Cecon

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE BICOS DE PULVERIZAÇÃO TIPO LEQUE DE DISTRIBUIÇÃO UNIFORME 1

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE BICOS DE PULVERIZAÇÃO TIPO LEQUE DE DISTRIBUIÇÃO UNIFORME 1 ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE BICOS DE PULVERIZAÇÃO TIPO LEQUE DE DISTRIBUIÇÃO UNIFORME 1 Gilton José Rodrigues 2, Mauri Martins Teixeira 3, Haroldo Carlos Fernandes 4, Lino Roberto Ferreira RESUMO

Leia mais

INFLUÊNCIA DE ADJUVANTES NO CONTROLE DE LAGARTAS NA CULTURA DA SOJA ¹

INFLUÊNCIA DE ADJUVANTES NO CONTROLE DE LAGARTAS NA CULTURA DA SOJA ¹ INFLUÊNCIA DE ADJUVANTES NO CONTROLE DE LAGARTAS NA CULTURA DA SOJA ¹ ARRUÉ, Adriano ; GUEDES, Jerson V. C. ; BURTET, Leonardo M. 3 ; STURMER, Glauber R. 4 ; STEFANELO, Lucas da S. 3 ; FIORENTINI, Alessandro

Leia mais

EFICIÊNCIA DE INSETICIDAS, EM TRATAMENTO DE SEMENTES, NO CONTROLE DO PULGÃO Aphis gossypii (HOMOPTERA: APHIDIDAE) NA CULTURA DO ALGODOEIRO

EFICIÊNCIA DE INSETICIDAS, EM TRATAMENTO DE SEMENTES, NO CONTROLE DO PULGÃO Aphis gossypii (HOMOPTERA: APHIDIDAE) NA CULTURA DO ALGODOEIRO EFICIÊNCIA DE INSETICIDAS, EM TRATAMENTO DE SEMENTES, NO CONTROLE DO PULGÃO Aphis gossypii (HOMOPTERA: APHIDIDAE) NA CULTURA DO ALGODOEIRO Crébio José Ávila (Embrapa Agropecuária Oeste / crebio@cpao.embrapa.br),

Leia mais

MATURAÇÃO ANTECIPADA DA CULTURA DE TRIGO: PRODUTIVIDADE DE GRÃOS E QUALIDADE DAS SEMENTES

MATURAÇÃO ANTECIPADA DA CULTURA DE TRIGO: PRODUTIVIDADE DE GRÃOS E QUALIDADE DAS SEMENTES MATURAÇÃO ANTECIPADA DA CULTURA DE TRIGO: PRODUTIVIDADE DE GRÃOS E QUALIDADE DAS SEMENTES LUNKES, Adilson 1 ; GAZOLA, Juliano 2 ; BIANCHI, Mario Antonio 3 RESUMO Visando avaliar a viabilidade técnica do

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 02 AVALIAÇÃO DE CULTIVAR TECNOLOGIA RR2 (Intacta Objetivo Avaliar diferentes cultivares de soja com tecnologia RR2 (Intacta RR2 PRO) em duas épocas de semeadura em Lucas do Rio Verde MT. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ Lucas Renan EFFTING 1 ; João Pedro Fossa BERNARDY 2 ; Leonardo DÜSTERHOFT 3 ; Fabrício Campos MASIERO 4, Ricardo Kozoroski VEIGA 5

Leia mais

AGRONOMIC TRAITS OF BRS 201 HERBACEOUS COTTON IN DIFFERENT PLANT ARRANGEMENTS, WITH AND WITHOUT PLANT GROWTH REGULATOR

AGRONOMIC TRAITS OF BRS 201 HERBACEOUS COTTON IN DIFFERENT PLANT ARRANGEMENTS, WITH AND WITHOUT PLANT GROWTH REGULATOR CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DA CULTIVAR DE ALGODÃO HERBÁCEO BRS 201 EM DIFERENTES ARRANJOS DE PLANTAS, COM E SEM REGULADOR DE CRESCIMENTO, NO AGRESTE DE ALAGOAS (*) Dacio Rocha Brito (Funesa / daciobrito@hotmail.com),

Leia mais