Neste trabalho, apresenta-se uma metodologia de avaliação do problema de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Neste trabalho, apresenta-se uma metodologia de avaliação do problema de"

Transcrição

1 METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DO PROBLEMA DE SUPRIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM COMUNIDADES NÃO ATENDIDAS: O CASO DA COMUNIDADE DE MARUJÁ Wilson Negrão Macedo (Msc.) *, Luís Guilherme Monteiro Oliveira (Grad.) *, Alaan Ubaiara Brito (Msc.) *, Roberto Zilles (Dr.) * e João Tavares Pinho (Dr.-Ing.) **. * Programa Interunidades de Pós-Graduação em Energia da Universidade de São Paulo Instituto de Eletrotécnica e Energia, Av. prof. Luciano Gualberto 1289, SP ** Grupo de Estudos e Desenvolvimento de Alternativas Energéticas, DEEC/CT/UFPA Caixa postal 8605 Ag. Núcleo Universitário, CEP , Belém, PA RESUMO FAX.: , FONE: (0XX-11)( ) Neste trabalho, apresenta-se uma metodologia de avaliação do problema de suprimento de energia elétrica em comunidades não atendidas, tomando como base a comunidade de Marujá, localizada no município de Cananéia, estado de São Paulo. Essa avaliação se deu através do levantamento da carga instalada na comunidade, onde foram entrevistadas, através de formulários, 37 famílias tradicionais, que correspondem a 90 % do total da comunidade. Desses formulários, várias informações foram extraídas tais como: número de habitantes residentes, edificações, famílias tradicionais, e turistas acolhidos em alta temporada. Além disso, outras informações de suma importância para a estimação da carga da comunidade também foram levantadas, a saber: uso de energia elétrica, equipamentos instalados, uso de outros energéticos e a demanda reprimida. Com base nessas informações, vários cenários energéticos foram criados, com o objetivo de estimar as possíveis curvas de carga para a comunidade de Maruja, as quais são de fundamental importância para qualquer tomada de decisão relacionada à solução do suprimento de energia elétrica, permitindo uma melhor visualização e compreensão do problema de suprimento de energia elétrica em comunidades não atendidas.

2 1. INTRODUÇÃO A eletrificação em comunidades não atendidas é uma questão essencialmente social, e levar a energia a essas áreas surge como um desafio, uma conquista de cidadania, dentro de uma sociedade com desigualdades sociais e econômicas (Serpa, 2000). No entanto, a maioria das tentativas de se alcançar esse desafio tem fracassado pela falta de uma avaliação detalhada do problema existente em cada comunidade em particular. A necessidade de energia elétrica em áreas não atendidas depende fundamentalmente das características do contexto em que ela está inserida tais como: suas atividades econômicas e sócio-culturais, recursos energéticos disponíveis no local, padrões de demanda, tamanho da carga, grau de dispersão da comunidade e condições ambientais. Na atualidade, os programas de eletrificação dessas localidades têm empregado os sistemas conversores das energias renováveis, por serem considerados como uma alternativa tecnicamente viável para a geração elétrica em comunidades não atendidas. Porém, a escolha desses esquemas depende dos fatores mencionados anteriormente, os quais só podem ser identificados por meio de um processo metodológico que envolve pesquisas de campo em cada localidade em particular, tal como está sendo apresentado neste trabalho. Com esse propósito, utilizou-se como base a comunidade de Marujá, a qual utiliza atualmente como alternativas para suprir suas necessidades energéticas basicamente duas fontes de energia: fóssil (diesel, gasolina e gás natural) e solar fotovoltaica. Na presente pesquisa foram consideradas as cargas atendidas por cada um desses sistemas bem como a potência instalada dos grupos geradores e painéis fotovoltaicos. 2. CARACTERÍSTICAS DA COMUNIDADE DE MARUJÁ A comunidade de Marujá é uma vila turística localizada dentro do Parque Estadual da Ilha do Cardoso (PEIC), que pertence ao município de Cananéia. Atualmente, conta com 41 famílias, que têm como principais atividades a pesca e o ecoturismo. De acordo com

3 informações levantadas em campo, vivem na vila aproximadamente 113 moradores tradicionais. Além disso, constatou-se dentro da área abrangida pela pesquisa, que a comunidade de Marujá possui 73 edificações, sendo 45 de moradores tradicionais e 16 pertencentes a veranistas, além de escola, igreja, centro comunitário, centro de visitantes e oito diversos (depósitos, restaurantes, etc.). No que se refere ao abastecimento de água, este é feito por meio de uma represa existente na montanha e uma rede de distribuição que atente praticamente a todos os domicílios. A pressão da rede de distribuição é mantida pela altura manométrica entre a represa e a vila. Esse aspecto se torna bastante favorável, evitando o uso de energia elétrica para esse uso final Atividade sócio-econômica mais importante e aspectos sazonais Os moradores dessa comunidade, que antigamente era conhecida como Praia do Meio, desenvolvem suas atividades relacionadas com a exploração do turismo; muitos deles oferecem alojamento e serviços aos turistas, que aparecem principalmente nos finais de semana, feriados prolongados e nas férias de verão. Paralelamente, realizam também atividades pesqueiras de subsistência. A característica da comunidade, de dispor tanto de praias de mar aberto como de lagunas de água salobra e manguezais onde a pesca é abundante, além das ótimas condições para o turismo ecológico, fez com que os moradores tradicionais da vila tenham assimilado de maneira positiva as influências desse turismo. A comunidade possui um total de 180 quartos, sendo 82 para uso próprio dos moradores e 98 destinados para pousadas. Vale ressaltar que, em média, cada quarto para pousada hospeda quatro pessoas na alta temporada. No que se refere à área de camping oferecida, constatou-se um total de 226 vagas para barracas, sendo que cada barraca hospeda

4 em média duas pessoas. De acordo com as informações anteriores, pode se estimar um total de 844 turistas na alta temporada 1 se todas as vagas forem preenchidas. 3. LEVANTAMENTO DA CARGA ELÉTRICA O levantamento da carga foi subdividido em duas partes: carga atendida pelo sistema diesel e carga atendida pelo sistema fotovoltaico. Isso foi feito com o intuito de identificar o número de sistemas fotovoltaicos instalados na comunidade e qual a relevância das cargas atendidas por esses sistemas em relação ao grupo gerador Carga atendida por sistemas solares fotovoltaicos A caracterização deste item pode ser visualizada através da tabela 1, onde constam informações relacionadas à origem da instalação (ECOWATT 2 ou próprio), número de sistemas, potência instalada, capacidade em baterias utilizadas por esses sistemas, além da carga instalada atendida e o consumo médio. Tabela 1 Resumo sobre os sistemas fotovoltaicos instalados em Marujá 3. USO DE ENERGIA ELÉTRICA Solar fotovoltaica Tipo Nº Pot. Instalada (Wp) Bateria (Ah) Carga Instalada (W) Consumo Médio (kwh/mês) 4 Próprio ,16 Ecowatt ,28 Total ,44 Os sistemas ECOWATT são todos de 140 Wp 5. No que se refere aos sistemas ditos próprios, esses correspondem a sistemas que variam de 45 Wp a 900 Wp, sendo os sistemas instalados no posto de saúde, centro comunitário e centro de visitantes os que possuem maior potência instalada (420 Wp, 800 Wp e 900 Wp, respectivamente). A utilização desses sistemas restringe-se aos horários em que os grupos geradores não estão em funcionamento, para aquelas edificações que são atendidas por estes, ou aos horários 1 Veraneio, dezembro, janeiro e fevereiro, e datas particulares, como feriados. 2 Programa comercial iniciado pela antiga Companhia de Energia Elétrica do Estado de São Paulo (CESP) 3 Ressalta-se que a maioria desses sistemas encontra-se instalada inadequadamente e um sistema de 280 Wp próprio se encontra abandonado. 4 Correspondente ao consumo médio da comunidade.

5 noturnos, para aquelas que não são atendidas por grupo gerador, implicando assim, em um número médio de utilização de 3 horas em baixa temporada e 4 horas em alta temporada 6. Segundo as informações resumidas na tabela 1, pode-se perceber a subutilização desses sistemas quando se confronta a capacidade instalada em painéis fotovoltaicos e baterias com o consumo médio mensal da comunidade. Isso se deve a uma serie de fatores que vão desde a má instalação dos equipamentos até poucas horas de utilização, devido à presença dos grupos geradores Carga atendida por grupos geradores A tabela 2 (ANEXO) mostra de maneira detalhada, a utilização de grupos geradores na comunidade de Marujá, onde se identificou um total de 15 grupos geradores, sendo esses em quase sua totalidade alimentados por diesel. Estima-se que esses sistemas são responsáveis pelo suprimento de mais de 70% da carga elétrica existente na comunidade. Os valores de consumo médio mensal foram obtidos através do produto entre a potência de cada equipamento pelo número de horas de sua utilização, informadas pelos próprios moradores. Nota-se da tabela 2 (ANEXO), que dos 15 grupos geradores identificados, apenas dois deixam de funcionar no período de baixa temporada. Por outro lado, percebe-se o aumento significativo do consumo de eletricidade (e conseqüentemente de combustível) no período de alta temporada, chegando a ser aproximadamente 63% superior ao período de baixa temporada. É possível calcular, a partir das informações da tabela 2 (ANEXO), um custo médio de aproximadamente R$ 0,85 7 por kwh gerado por esses sistemas dispersos na comunidade. Porém, ressalta-se que esse valor não considera outros aspectos importantes, tais como 5 Watt-pico (Wp) 6 Segundo informações dos moradores.

6 reposição de peças e troca de óleo, o que elevaria ainda mais esse valor. Dentre outros aspectos, o custo da energia elétrica paga atualmente pelos moradores de Marujá, torna-se um atrativo muito importante à aplicação de alternativas que utilizem os recursos locais, tais como o solar e o eólico. As figuras (1a) e (1b) foram obtidas dos levantamentos de cargas das tabelas 1 e 2 e com o auxílio das características de consumo descritas pelos moradores entrevistados, onde se pode perceber uma predominância significativa da utilização dos grupos geradores em relação aos sistemas fotovoltaicos. As curvas dão uma boa idéia de como se encontram as curvas de carga da comunidade hoje, referente às duas fontes (solar e diesel). Carga (kw) Curva de carga média em baixa temporada Diesel Fotovoltaico Horas Carga (kw) Curva de carga média em alta temporada Diesel Fotovoltaico Horas (a) (b) Figura 1 Curvas de carga representativas da comunidade de Marujá: (a) período de baixa temporada e (b) período de alta temporada. Constata-se através da observação da tabela 2 (ANEXO) a coerência no perfil do consumo retratado nas figuras (1a) e (1b), no que se refere aos grupos geradores, uma vez que as potências desses grupos são bem maiores que a potência instalada alimentada por eles, o que implica em uma operação ainda mais ineficiente caso parte da carga instalada alimentada por esses sistemas for desconectada. Por essa razão, os moradores não têm a preocupação de desligar as cargas de suas residências, pois o consumo final de combustível permanecerá praticamente o mesmo. Nota-se também que a utilização dos sistemas fotovoltaicos restringese basicamente às horas em que os grupos geradores não estão em funcionamento. 7 Valor obtido com base no preço do combustível pago pelos moradores em junho de 2003.

7 4. OUTROS ENERGÉTICOS Além do consumo de eletricidade e, conseqüentemente, de combustível (basicamente diesel), outros energéticos, tais como, pilhas secas ou primárias, baterias recarregáveis 8, velas e gás liquefeito de petróleo (GLP) também foram levantados. No entanto, somente o último energético possui uma relevância importante em termos de quantidade e custos, uma vez que poucas famílias utilizam pilhas primárias e velas. Em relação às baterias recarregáveis, estas, em quase sua totalidade, estão associadas aos sistemas fotovoltaicos mencionados anteriormente. Por essa razão, este tópico se restringe ao levantamento do consumo e custos referentes apenas do GLP Consumo de GLP - quantificação e custos Observou-se, um consumo significativo desse energético, destinado basicamente à cocção e banho quente. Estima-se também um aumento de quase 60 % desse consumo em épocas de alta temporada, o que não acontece com o consumo referente ao uso de geladeiras, para o qual se estimou em torno de 30 botijões por mês, tanto em baixa quanto em alta temporada. Dessa forma, pode-se dizer que este último uso final (refrigeração), seria de suma importância no projeto de um sistema alternativo para o fornecimento de energia elétrica utilizando os recursos locais. Isso se deve ao fato de que haverá uma substituição de geladeiras a gás por geladeiras elétricas, tal como mostra o item que trata das aspirações futuras da comunidade. Estima-se que essa substituição acarretaria para a comunidade uma redução de custo de aproximadamente 50 % no que se refere a esse uso final (refrigeração), ou seja, em torno de R$ 405 a R$ mensais. Uma alternativa para reduzir o consumo desse energético seria através de um projeto conjunto utilizando coletores solares planos com 8 Segundo Dell e Rand (2001) as baterias podem ser classificadas como baterias secundárias (carga/descarga) ou acumuladores; este termo está fora de uso na língua inglesa de acordo com os autores, e é mais comum e aceitável referenciar a mesma como baterias recarregáveis.

8 complementação elétrica, uma vez que a utilização de chuveiros elétricos para aquecimento de água para banho poderia tornar o suprimento de energia elétrica por meio de fontes não convencionais inviável, devido ao grande aumento da potência instalada necessária. 5. DEMANDA REPRIMIDA Com o intuito de se estimar a curva de carga da comunidade de Marujá, para uma possível disponibilidade de energia elétrica, levantou-se dentre as famílias entrevistadas quais as suas principais aspirações de consumo. Essas aspirações estão resumidas na tabela 3, onde se nota uma quantidade significativa de utilização de chuveiros elétricos. Entretanto, as aspirações referentes à utilização de chuveiros elétricos não foram consideradas nos cenários a seguir pelos motivos mencionados no item anterior. Tabela 3 Equipamentos almejados pela comunidade, caso tenham disponibilidade de energia elétrica. ASPIRAÇÕES FUTURAS Equipamento Nº Famílias Potência por equipamento (W) Potência total por equipamento(kw) Ventilador ,5 Freezer Geladeira ,6 Televisores (TV) ,66 DVD ,02 Ferro Passar Liquidificador ,9 SOM ,32 Maq. Lavar ,5 Computador ,36 Chuveiro Microondas ,4 Estufa ,2 Batedeira ,12 Nº de pontos de luz Potência por equipamento (W) Potência total por equipamento(kw) Iluminação Pública ,6 Total 61,18 Observa-se da tabela 3 que as aspirações mais significativas no que refere ao consumo de energia elétrica, seja pela quantidade de famílias que as almejam ou pela própria 8 Valores obtidos com base nos preços do gás pago pelos moradores em junho de 2003.

9 necessidade e característica de utilização desses equipamentos, correspondem aos quatro primeiros itens da tabela (Ventiladores, freezers, refrigeradores e televisores). Com base principalmente nesses quatro equipamentos e também na carga já existente, alguns cenários para obtenção da curva de carga foram criados e são apresentados a seguir. Para criação dos cenários, foi considerado também um sistema de iluminação pública constituído de 40 pontos de luz, sendo que cada um deles possuí uma potência de 40 Watts, como consta na tabela CURVA DE CARGA O objetivo deste tópico é identificar o comportamento do consumo de energia elétrica através da análise da curva de carga da comunidade de Marujá, estimada com base no levantamento de dados obtidos na pesquisa de campo. Neste tópico são criados dois cenários com base nas informações abordadas anteriormente, com o intuito de se fazer uma previsão da demanda futura da comunidade de Marujá, no que diz respeito ao uso de energia elétrica. CENÁRIO 1 Este cenário foi elaborado com base nas seguintes premissas: 1. A carga instalada é considerada a soma das cargas alimentadas pelos grupos geradores e sistemas fotovoltaicos, além de um quilowatt (kw), a mais, de demanda reprimida e as cargas mencionadas no item anterior; 2. A carga já instalada (carga alimentada pelos grupos geradores + carga alimentada pelos sistemas fotovoltaicos) continuará sendo utilizada, tal como os perfis das figuras 1(a) e 1(b) (no que se refere somente às horas de funcionamento dos grupos geradores), ou seja, no período noturno de 4 a 6 horas por dia, de acordo com a temporada;

10 3. O consumo diário se deve basicamente à refrigeração, TV, ventiladores e rádios, sendo que os ventiladores são utilizados durante o pico de calor (15:00 às 18:00) e também à noite, em alta temporada; 4. O consumo durante a madrugada corresponde à refrigeração, iluminação pública e 5% da carga instalada da premissa um, correspondente à iluminação residencial residual. CENÁRIO 2 Com relação ao segundo cenário, este foi obtido com base nas considerações do cenário anterior acrescido do item cinco descrito a seguir: 5. O fator de utilização (FU) é de 50 % (baixa temporada) e 70 % (alta temporada) da carga referente à premissa dois. Esses valores foram assumidos com base na educação do uso racional da energia (uso de interruptores, equipamentos mais eficientes, etc.), o que não acontece no momento, na comunidade; As curvas de carga obtidas segundo os dois cenários descritos acima representam o consumo em quilowatt a cada hora e estão ilustradas nas figuras (2a) e (2b) 9. Potência (kw) Curva de carga da Comunidade do Marujá - Obtida segundo o Cenário 1 Baixa temporada Alta temporada Média BT Média AT Horas Potência (kw) Curva de carga da Comunidade do Marujá - Obtida segundo o Cenário 2 Baixa Temporada (FU=0,5) Alta Temporada (FU=0,7) Média BT Média AT (a) (b) Figuras 2 Curvas de cargas representativas da comunidade de Maruja, obtidas para os períodos de baixa e alta temporada, segundo dois cenários: (a) Cenário 1 e (b) Cenário 2. A partir dos resultados, é possível identificar os horários de maior consumo, tanto durante o dia quanto durante a noite. Esta análise permite estimar o comportamento do Horas 9 Média BT Demanda média em baixa temporada Média AT Demanda média em alta temporada

11 consumo, bem como estudar as características do sistema de geração de eletricidade necessário para o atendimento mais adequado da demanda da comunidade de Marujá. Um outro aspecto muito importante associado à demanda estimada para a comunidade em questão, está relacionado ao fator de carga, que é definido como a relação entre a demanda média verificada em um dado intervalo de tempo e a máxima demanda registrada nesse mesmo intervalo. Quanto maior o fator de carga, melhor caracteriza-se a utilização de energia elétrica em um sistema (ver gráfico representativo na figura 3). Figura 3 - Comportamento da demanda diária de uma comunidade hipotética. Neste exemplo, apresenta-se o comportamento da demanda diária de uma comunidade hipotética. A demanda máxima é bem superior à média, resultando em um fator de carga baixo. No caso de uma comunidade isolada, não existe uma demanda a ser contratada; porém, se um sistema alternativo que utilize os recursos locais for projetado para suprir energia elétrica, terá que atender determinado valor de demanda limite, que deve ser, neste caso, próximo de 85. Entretanto, a instalação só fornece essa potência em um pequeno período do dia, o que implicaria no aumento significativo do custo do sistema alternativo a ser implantado. Assim, administrar o fator de carga, ou seja, gerenciar o uso dos equipamentos de forma que a curva de carga torne-se mais plana, permite que o custo de uma solução alternativa seja menor.

12 Para que esta gestão seja possível, a administração dos equipamentos deve ser feita pelos próprios moradores da comunidade que, depois de serem submetidos a um trabalho de conscientização do uso racional da energia elétrica disponível, determinam os equipamentos que podem ser desligados e administrados, assumindo o controle e garantindo uma curva de carga mais plana. Isso se faz necessário quando comparam-se os fatores de carga associados às curvas de carga estimadas segundo os dois cenários aqui propostos. Nota-se que a parte crítica das curvas de carga estimadas, tanto para o Cenário 1 quanto para o Cenário 2, refere-se ao período de pico com uma potência de aproximadamente três vezes maior que a potência média. Logo, isso se torna um aspecto extremamente importante a ser considerado. 8. CONCLUSÕES A metodologia apresentada neste trabalho, destinada à avaliação do problema de suprimento de energia elétrica em comunidades não atendidas, revela-se como uma ferramenta de grande utilidade no processo de planificação de alternativas de atendimento nos programas de universalização. Nota-se a partir das informações obtidas pela metodologia, que há uma série de justificativas para uma solução alternativa utilizando os recursos locais, no que diz respeito ao consumo de eletricidade, tais como: muitos geradores a diesel, alto custo do kwh gerado por esses, possibilidade de gestão na própria comunidade, etc. Com base no perfil das curvas de carga obtidas com a metodologia proposta e nas características locais da comunidade de Marujá, constatou-se que uma possível solução para o problema de suprimento de energia elétrica dessa comunidade seria por meio da implantação de um sistema híbrido solar-eólico-diesel. Contudo, há também a necessidade de se verificar os potenciais energéticos solar e eólico existentes na localidade.

13 Para isso, é necessária a implantação de sistemas que permitam obter essas informações e trabalhá-las de modo a se constatar a viabilidade ou não dessas alternativas, que por sua vez só devem ser implementadas com a plena aceitação dos moradores locais. Com esse propósito, o Laboratório de Sistemas Fotovoltaicos do Instituto de Eletrotécnica e Energia da Universidade de São Paulo (LSF/IEE/USP) em parceria com o Grupo de Estudos e Desenvolvimento de Alternativas Energéticas da Universidade Federal do Pará (GEDAE/UFPA), vem realizando o levantamento dos potenciais solar e eólico na localidade em questão. 9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DELL, R. e RAND, D. Understanding Batteries. CSIRO Energy Technology: Ed. RS.C. Victoria, Austrália Cap. 1: Energy Store in Batteries. ISBN SERPA, P. Eletrificação Fotovoltaica em Comunidades Caiçaras e seus Impactos Socioculturais. São Paulo: Programa Interunidades de Pós-graduação em Energia da Universidade de São Paulo, p. Tese de Doutorado.

14

15 Nº da edificação Motor (HP) Gerador (kva) ANEXO Tabela 2 Grupo geradores instalados em Marujá, levantamento de carga e consumos 10. USO DE ENERGIA ELÉTRICA Grupo gerador Combustível Utilizado 11 Carga Instalada (kw) Tempo de Uso do Gerador em Baixa Temporada (h/dia) Tempo de Uso do Gerador em Alta Temporada (h/dia) Consumo Médio em Baixa Temporada (kwh/mês) Consumo Médio em Alta Temporada (kwh/mês) Qtd. Total de Combustível em Baixa Temporada (l/mês) Qtd. Total de Combustível em Alta Temporada (l/mês) Gasto Médio Mensal em Baixa (R$) Gasto Médio Mensal em Alta (R$) D 1, ,8 126, ,0 225, D 1, ,0 276, ,0 337,5 5 7,5 3,5 D 1, ,0 340, ,0 150, D 1, ,5 202, ,0 225,0 12 7,5 3,5 G 1, ,5 211, ,0 14 7,5 4 D 0, ,6 111, ,5 157,5 15 7,5 3 D 0, ,8 82, ,0 150,0 16 7,5 4 D 0, ,0 187, ,0 150, ,5 D 1, ,0 260, ,0 270, ,5 D 1, ,2 266, ,0 300, D 3, ,0 466, ,0 300, D 3, ,0 475, ,0 180, D 1, ,0 354, ,0 225, D 1, ,0 240, ,0 225,0 41a G 0, ,2 97, ,0 60,0 Soma 150, , , , , ,00 Média 10,0 5,3 1,5 3,6 5,7 152,0 246,4 84,3 138,0 126,5 207,0 10 A tabela 2 foi obtida com base nas informações que foram fornecidas por cada proprietário do grupo gerador a diesel. Vale ressaltar que nem sempre a carga instalada está sendo utilizada quando o grupo gerador está em funcionamento e o gasto médio mensal refere-se somente ao gasto com combustível. 11 Diesel (D) e gasolina (G). 12 Edificação encontrada próximo à casa 41.

a Energia em casa Da usina até sua casa

a Energia em casa Da usina até sua casa a Energia em casa Da usina até sua casa Para ser usada nas cidades, a energia gerada numa hidrelétrica passa por uma série de transformações A eletricidade é transmitida de uma usina até os centros de

Leia mais

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd Energias Renováveis e o Desenvolvimento Social 1. Apresentação da Instituição 2. Projectos da Área das Energias Renováveis e Impactes

Leia mais

APLICAÇÕES DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

APLICAÇÕES DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA APLICAÇÕES DA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Eletrificação rural Bombeamento de água Geração distribuída Roberto Zilles zilles@iee.usp.br INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Eletrificação

Leia mais

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia A Roménia localiza-se geograficamente no centro da Europa (parte sudeste da Europa Central). O país tem,5 milhões de habitantes e abrange uma

Leia mais

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4.1. Fator de carga (FC) Segundo a resolução a normativa nº 414 de 9 de setembro de 2010 da ANEEL, o fator de carga é definido como sendo a razão entre

Leia mais

Sistema de distribuição.

Sistema de distribuição. 1 Impacto de Cargas Eletrônicas Residenciais e Comerciais Eficientes e Não-lineares no Sistema de Distribuição Parte II Medições das Cargas em Alimentadores Típicos M. L. y Gonzalez, S. Visacro F., P.

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Laboratório de Eficiência Energética em Edificações LABEEE Conselho Brasileiro

Leia mais

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Eng. Carlos Alberto Alvarenga Solenerg Engenharia e Comércio Ltda. Rua dos Inconfidentes, 1075/ 502 Funcionários - CEP: 30.140-120 - Belo Horizonte -

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica A perceção dos problemas da energia nunca foi tão grande como nos nossos dias. Atualmente, é ponto assente que o crescimento do consumo de energia, verificado durante muitos

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO DA COSTA 1, Cinthya Borges Lopes DA SILVA 2, Michele Gomes FERREIRA 3, João Marcelo Dias

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas 1. OBJETIVO DO GUIA DE FERRAMENTAS Então você está pensando em começar ou expandir um negócio de energia limpa? Este é um guia passo a passo para que seu negócio

Leia mais

TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA JARAGUÁ DO SUL

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

Prof.: Geraldo Barbosa Filho

Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 07 GERADORES E RECEPTORES 5- CURVA CARACTERÍSTICA DO GERADOR 1- GERADOR ELÉTRICO Gerador é um elemento de circuito que transforma qualquer tipo de energia, exceto a elétrica, em energia elétrica.

Leia mais

Cenários harmônicos em cargas residenciais

Cenários harmônicos em cargas residenciais 46 provocados por eletroeletrônicos Capítulo VI Cenários harmônicos em cargas residenciais Igor Amariz Pires* Além dos eletrodomésticos apresentados no capítulo anterior, consumidores residenciais e comerciais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS Jorge A. Villar Alé (1) ; Vicente André Paludo (2) Pedro André Marozzin

Leia mais

Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro.

Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro. Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro. Guilherme Wilson 1 ; Sérgio Peixoto dos Santos 2 ; Taisa Calvette 3 ; Richele Cabral 4 ; Christiane Chafim 5 ; Giselle Ribeiro 6 ;

Leia mais

Exercícios de Física Potência Elétrica

Exercícios de Física Potência Elétrica Questão 01 - Um estudante resolveu acampar durante as férias de verão. Em sua bagagem levou uma lâmpada com as especificações: 220 V - 60 W. No camping escolhido, a rede elétrica é de 110 V. Se o estudante

Leia mais

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN Proponente: Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária - FAPEU Executor: Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Financiamento: Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP Coordenação:

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 6 3. Objetivos... 8 4. Área de abrangência...

Leia mais

RTPROJETO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES EM RESIDÊNCIAS POPULARES

RTPROJETO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES EM RESIDÊNCIAS POPULARES 1 RTPROJETO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AQUECEDORES SOLARES EM RESIDÊNCIAS POPULARES João. L. B. ZAMPERIN 1, Simone L. ANDRADE 2, Camila P. C. GABRIEL 3, Luis R. A. GABRIEL FILHO 4 RESUMO: Neste trabalho analisamos

Leia mais

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética A realização de diagnóstico energético envolve um conjunto bastante diversificado de atividades,

Leia mais

Exercícios Estudo da eletricidade (PARTE 1)

Exercícios Estudo da eletricidade (PARTE 1) CIÊNCIAS º Ano do Ensino Fundamental Professora: Ana Paula Souto Nome: n o : Turma: ) Observe a conta da CEMIG abaixo. Exercícios Estudo da eletricidade (PARTE ) A partir das informações dessa figura,

Leia mais

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011 Energia Para Moçambique Análise do potencial do país no âmbito da geração de energias renováveis e revisão dos projectos de energia solar, eólica, hídrica, biomassa e biodiesel Apresentado por: Miquelina

Leia mais

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos Nº Pág.s: 6 nº 04 20. Novembro. 2006 Painéis Fotovoltaicos 01 Uma das tecnologias renováveis mais promissoras e recentes de geração de energia eléctrica

Leia mais

UMA ANÁLISE SOBRE AS DIVERSAS PAISAGENS DA LAGOA MAIOR EM TRÊS LAGOAS/MS

UMA ANÁLISE SOBRE AS DIVERSAS PAISAGENS DA LAGOA MAIOR EM TRÊS LAGOAS/MS UMA ANÁLISE SOBRE AS DIVERSAS PAISAGENS DA LAGOA MAIOR EM TRÊS LAGOAS/MS Cínthia dos Santos Sêna 1 Esp Luziane Albuquerque 2 RESUMO O presente trabalho visa analisar as diversas paisagens que compõem a

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA. Lucas Teruo Andrade. Renan Yokogawa. Ryan Seiyu Yamaguchi Kimura

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA. Lucas Teruo Andrade. Renan Yokogawa. Ryan Seiyu Yamaguchi Kimura UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA Lucas Teruo Andrade Renan Yokogawa Ryan Seiyu Yamaguchi Kimura UM ESTUDO SOBRE A UTILIZAÇÃO DA ENERGIA SOLAR NO ESTADO DO PARANÁ TRABALHO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA ELÉTRICA ANDERSON WESLLEY DA SILVA ZAMPOLI BRUNO MIGUEL ABIB FELIPE MOREIRA DAQUILA ANÁLISE DE DEMANDA DE ENERGIA

Leia mais

Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo. Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques

Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo. Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo aquecedor sob a ótica do usuário final Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques 1 1. Objetivo O presente estudo visa comparar financeiramente,

Leia mais

Metodologia para análise da viabilidade econômica da utilização do óleo de dendê como combustível para geração de energia elétrica

Metodologia para análise da viabilidade econômica da utilização do óleo de dendê como combustível para geração de energia elétrica 57 9 Metodologia para análise da viabilidade econômica da utilização do óleo de dendê como combustível para geração de energia elétrica Neste capítulo será apresentada a metodologia utilizada para análise

Leia mais

Maior eficiência energética e participação de fontes renováveis

Maior eficiência energética e participação de fontes renováveis Cidades Solares: iniciativa Campinas Campinas, 22 de novembro de 2007 Maior eficiência energética e participação de fontes renováveis Um estudo para a WWF do Brasil Rodolfo Dourado Maia Gomes International

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Grupo Geradores Residenciais. O que mantém sua família unida é a energia que compartilham.

Grupo Geradores Residenciais. O que mantém sua família unida é a energia que compartilham. Grupo Geradores Residenciais O que mantém sua família unida é a energia que compartilham. Gerando os melhores momentos para viver. Você precisa de eletricidade para iluminar os ambientes de sua casa, operar

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA

MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA Paulo C. M. Carvalho carvalho@dee.ufc.br Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Ceará Campus do Pici Caixa Postal 6001 CEP 60455-760 Fortaleza

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

Escola Profissional Desenvolvimento Rural de Abrantes. O consumismo de energia

Escola Profissional Desenvolvimento Rural de Abrantes. O consumismo de energia Escola Profissional Desenvolvimento Rural de Abrantes O consumismo de energia Consumo de Energia O consumo da energia no mundo está resumido na sua maioria pelas fontes tradicionais como o petróleo, carvão

Leia mais

Carga dos alimentadores

Carga dos alimentadores 50 Análise de consumo de energia e aplicações Capítulo V Carga dos alimentadores Por Manuel Luís Barreira Martinez* Em continuidade ao capítulo anterior, Locação de cargas métodos para a locação de carga

Leia mais

Projeto Escola Solar

Projeto Escola Solar Projeto Escola Solar Projeto Escola Solar Por Walder Antonio Teixeira Introdução O que vem a ser uma Escola Solar? Demos o nome de Escola Solar para o nosso projeto, pois utilizamos a prática com energia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UFRPE UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS UAG CURSO DE GRADUAÇÃO DE AGRONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UFRPE UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS UAG CURSO DE GRADUAÇÃO DE AGRONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UFRPE UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS UAG CURSO DE GRADUAÇÃO DE AGRONOMIA ENERGIA NA AGRICULTURA GARANHUNS, JUNHO DE 2009. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER.

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. Na verdade você corre o risco de molhar o medidor e causar Curto-circuito.

Leia mais

Instalações prediais de gases combustíveis água quente. Construção de Edifícios 5. Arquitetura e Urbanismo FAU USP. J.

Instalações prediais de gases combustíveis água quente. Construção de Edifícios 5. Arquitetura e Urbanismo FAU USP. J. Instalações prediais de gases combustíveis água quente Construção de Edifícios 5 Arquitetura e Urbanismo FAU USP J. Jorge Chaguri Jr Para que gás? Principais Normas NBR 15526 NBR 13103 Edifícios prumada

Leia mais

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA 1. DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA a) Para definição do tipo de fornecimento, o consumidor deve determinar a carga instalada, somando-se a potência

Leia mais

Saiba como reduzir a conta de luz mudando os hábitos e equipamentos em casa

Saiba como reduzir a conta de luz mudando os hábitos e equipamentos em casa Revista Galileu Fev/2013 Um dedo no interruptor, outro na calculadora http://revistagalileu.globo.com/revista/common/0,,emi329030-17770,00- UM+DEDO+NO+INTERRUPTOR+OUTRO+NA+CALCULADORA.html Saiba como reduzir

Leia mais

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Resumo: No presente artigo é feita a comparação dos consumos devidos à climatização dum edifício

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR HOTELEIRO: ESTUDO DE CASO EM RONDÔNIA.

BOAS PRÁTICAS DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR HOTELEIRO: ESTUDO DE CASO EM RONDÔNIA. ISSN 1984-9354 BOAS PRÁTICAS DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR HOTELEIRO: ESTUDO DE CASO EM RONDÔNIA. Sérgio Luiz Souza Nazário (UNESC) Tiago Balieiro Cetrulo (UNESC) Jefferson Junior Leal Lins (UNESC)

Leia mais

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba.

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência Desde 1998, por lei, toda distribuidora de energia precisa investir em ações que reduzam o desperdício de energia elétrica. Uma determinação

Leia mais

Autor. O que você vai encontrar no manual

Autor. O que você vai encontrar no manual O que você vai encontrar no manual 1. Conceitos Fundamentais 2. Como identificar o recurso solar local 3. Como fazer o levantamento do consumo 4. Como escolher o módulo fotovoltaico 5. Produção de energia

Leia mais

Nota Técnica n o 101/2005 SRC/ANEEL. Em 16 de setembro de 2005.

Nota Técnica n o 101/2005 SRC/ANEEL. Em 16 de setembro de 2005. Nota Técnica n o 101/2005 SRC/ANEEL Em 16 de setembro de 2005. Processo: 48500.002475/04-97 Assunto: Análise da 2 a parte do Plano de Universalização de Energia Elétricas da Companhia de Eletricidade do

Leia mais

TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO

TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO ND-5.1 7-8 TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO Aparelhos de Aquecimento e Eletrodomésticos Tipo Potência Tipo Potência ( W ) ( W ) Aquecedor de Água até 80 L 1.500

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Tema: Dimensionamento de uma instalação combinada de energia solar e eólica Autor: Quintino, Bernardo Supervisor: Dr.

Leia mais

Projetos em Implementação no PEE 2015

Projetos em Implementação no PEE 2015 Tipo: Poder público Nome do Projeto: Eficientização do Porto Digital O Projeto constituiu na substituição do sistema de refrigeração, composto por chillers, refrigerados, ar splits distribuídos por alguns

Leia mais

Análise do Perfil do Turista e Qualidade dos Serviços Turísticos

Análise do Perfil do Turista e Qualidade dos Serviços Turísticos 2.14 DEMANDA TURÍSTICA ATUAL E POTENCIAL Neste capítulo foi analisada e avaliada a demanda turística da Área de Planejamento do Pólo Capixaba do Verde e das Águas, considerando-se a caracterização do perfil

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Equipe de Física FÍSICA

Equipe de Física FÍSICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Física Data: FÍSICA Corrente Elétrica Ao se estudarem situações onde as partículas eletricamente carregadas deixam de estar em equilíbrio

Leia mais

Centro Educacional ETIP

Centro Educacional ETIP Centro Educacional ETIP Revisão de Conteúdo 1 Trimestre/2014 Data: Professor: Leandro Nota: Valor : [0,0 3,0] Nome do(a) aluno(a): Nº Turma: INSTRUÇÕES Preencha corretamente o cabeçalho a caneta. Essa

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

Classificação dos Sistemas Fotovoltaicos

Classificação dos Sistemas Fotovoltaicos Só Elétrica Indústria e Comércio de Equipamentos Elétricos Rua Duque de Caxias, 796 Centro Joaçaba CEP: 89600-000 Fone: (49) 3522-2681 Um sistema fotovoltaico é uma fonte de potência elétrica, na qual

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 26/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Cálculo da Demanda em Edificações Tensão Secundária Cálculo da Demanda em Edificações Individuais (a)

Leia mais

RESULTADOS DO PROJETO PILOTO

RESULTADOS DO PROJETO PILOTO RESULTADOS DO PROJETO PILOTO 1. INTRODUÇÃO O projeto piloto organizado pelo Centro de Pesquisas Rachid Mohamd Chibib sob a direção do Prof. Msc. Wagner Cardozo teve por objetivo analisar a composição de

Leia mais

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque Darlyne de Aquino Silva Instituto Federal de Educação Ciência e tecnologia de São Paulo. São Roque, SP 2011

Leia mais

relatório M&V Geladeiras

relatório M&V Geladeiras relatório M&V Geladeiras 03 Expediente Produção: Instituto Bioterra Revisão: Maria Elisa Rodrigues Moreira Arte e Diagramação: Designlândia Impressão: Aster Graf Este produto integra o Ciclo 2011 do Programa

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS Campos, M.C. [1], Pugnaloni, I.A.A. [2] [1] Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Departamento

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Gás LP x Energia Elétrica Aquecimento de água. Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP

Gás LP x Energia Elétrica Aquecimento de água. Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP x Energia Elétrica Aquecimento de água Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP Apresentação O projeto Análise de custos de infra-estrutura Análise de custos para o cliente

Leia mais

CUIDADO PARA NÃO SER ENGANADO

CUIDADO PARA NÃO SER ENGANADO Ciências da Natureza e Suas Tecnologias Física Prof. Eduardo Cavalcanti nº10 CUIDADO PARA NÃO SER ENGANADO Alguns aparelhos consomem mais eletricidade que outros. Alguns, como a geladeira, embora permanentemente

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DOM SILVÉRIO ENSINO MÉDIO FORMAS DE ENERGIA. Belo Horizonte, abril de 2000 DEDICATÓRIA

COLÉGIO MARISTA DOM SILVÉRIO ENSINO MÉDIO FORMAS DE ENERGIA. Belo Horizonte, abril de 2000 DEDICATÓRIA COLÉGIO MARISTA DOM SILVÉRIO ENSINO MÉDIO FORMAS DE ENERGIA Belo Horizonte, abril de 2000 DEDICATÓRIA Dedico esse trabalho para todos aqueles que me ajudaram, e para as pessoas que se esforçam para economizar

Leia mais

Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra

Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra Resultados gerais Dezembro 2010 Projeto Community-based resource management and food security in coastal Brazil (Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP)

Leia mais

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%)

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%) 3.9 Oferta Turística Para análise da oferta turística em Sergipe, o PDITS Costa dos Coqueirais apresenta a evolução da oferta turística no estado no período 1980-2000. Indica ainda o número atual de quartos

Leia mais

Chamamos de sistema individual quando um equipamento alimenta um único aparelho.

Chamamos de sistema individual quando um equipamento alimenta um único aparelho. AULA 11 SISTEMA PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE 1. Conceito e classificação O sistema de água quente em um edificação é totalmente separado do sistema de água-fria. A água quente deve chegar em todos os pontos

Leia mais

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente Pegada Ecológica dos Diferentes Grupos Sociais que compõem a Comunidade Acadêmica da Universidade Federal do Rio Grande FURG Anaí Fontoura Lessa 1, Thaís Antolini Veçozzi 2 1 Curso de Tecnologia em Gestão

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL

FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Paola Ribas Gonçalves dos SANTOS, Maria Caroliny Camargo FLORENTINO, Jhennyfer Lopes Cerqueira BASTOS, Giselle Vanessa TREVISAN.

Leia mais

Programa Cama e Café no Estado de Mato Grosso

Programa Cama e Café no Estado de Mato Grosso Programa Cama e Café no Estado de Mato Grosso Municípios participantes Cuiabá, Poconé, Várzea Grande e Santo Antônio do Leverger Realização Elaboração Cuiabá, MT Outubro, 2013 CRÉDITOS Elaboração: Secullos

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS Introdução a Engenharia Professores: Márcio Zamboti Fortes e Vitor Hugo Ferreira (UFF) Bruno Henriques Dias e Flávio Gomes (UFJF)

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

CONCURSO DE BOLSAS MATEMÁTICA 6º ANO DO FUNDAMENTAL Como funciona a energia solar?

CONCURSO DE BOLSAS MATEMÁTICA 6º ANO DO FUNDAMENTAL Como funciona a energia solar? CONCURSO DE BOLSAS MATEMÁTICA 6º ANO DO FUNDAMENTAL Como funciona a energia solar? Eliza Kobayashi (novaescola@fvc.org.br) Protótipo do Solar Impulse HB-SIA, avião movido a energia solar. Foto: Divulgação

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

COMO DIMENSIONAR UM GERADOR FOTOVOLTAICO COM BATERIAS

COMO DIMENSIONAR UM GERADOR FOTOVOLTAICO COM BATERIAS COMO DIMENSIONAR UM GERADOR FOTOVOLTAICO COM BATERIAS Eng. Carlos Alberto Alvarenga Solenerg Engenharia e Comércio Ltda. Rua dos Inconfidentes, 1075/ 502 Funcionários - CEP: 30.140-120 - Belo Horizonte

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts Eficiência Energética e Mudanças Climáticas [ ] Roberto Lamberts Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações www.labeee.ufsc.br Tópicos A industria da construção

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Geração e Aproveitamento de Energia Elétrica Capítulo 07 (pág. 115) Acendimento de uma lâmpada

Geração e Aproveitamento de Energia Elétrica Capítulo 07 (pág. 115) Acendimento de uma lâmpada Geração e Aproveitamento de Energia Elétrica Capítulo 07 (pág. 115) - Uma corrente elétrica não pode ser vista, mas seus efeitos podem ser percebidos; Acendimento de uma lâmpada Diferença de potencial

Leia mais

Água Quente: Objetivos de Projeto

Água Quente: Objetivos de Projeto Água Quente: Objetivos de Projeto FINALIDADE DO USO E TEMPERATURA ADEQUADA Hospitais e laboratórios : 100 C ou mais Lavanderias : 75 a 85 C Cozinhas : 60 a 70 C Uso pessoal e banhos : 35 a 50 C MODALIDADES

Leia mais

Tarifas bi-horária e tri-horária

Tarifas bi-horária e tri-horária Tarifas bi-horária e tri-horária O ritmo de vida dos consumidores, sejam eles domésticos, indústrias ou serviços, e a sua dependência face aos serviços de energia elétrica faz com que as necessidades variem.

Leia mais

Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado.

Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado. Aquecedor central Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado. Planeje seu uso e habitue-se a ligá-lo apenas o tempo necessário para que você

Leia mais

Mantendo você conectado

Mantendo você conectado Mantendo você conectado Telecomunicações Mantendo você conectado 1 A FG Wilson tem atendido as necessidades do setor de telecomunicações nos últimos 47 anos com nossos grupos geradores a diesel e a gás.

Leia mais

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

Seleção de Alternativas Energéticas para Eletrificação Rural: FV x Outras Fontes. Claudio Moises Ribeiro II SNESF, Rio de Janeiro.

Seleção de Alternativas Energéticas para Eletrificação Rural: FV x Outras Fontes. Claudio Moises Ribeiro II SNESF, Rio de Janeiro. Seleção de lternativas Energéticas para Eletrificação Rural: FV x Outras Fontes Claudio Moises Ribeiro II SNESF, Rio de Janeiro ntecedentes Conclusão do I SNESF Necessidade de Demonstração da Competitividade

Leia mais

ANEXO II QUESTIONÁRIO SOCIOECONÔMICO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DADOS DO ESTUDANTE

ANEXO II QUESTIONÁRIO SOCIOECONÔMICO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DADOS DO ESTUDANTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO CARLOS Rod. Washington Luis, km 235 Prédio AT6 Sala 136 Monjolinho São Paulo/SP - CEP 13565-905 - Fone

Leia mais

Sistematização das questões desenvolvidas pelos estudantes na atividade da primeira semana

Sistematização das questões desenvolvidas pelos estudantes na atividade da primeira semana Sistematização das questões desenvolvidas pelos estudantes na atividade da primeira semana A energia empreendida no processo de floração se equivale a energia empreendida no processo de "secagem" das flores?

Leia mais

Produza a sua própria energia

Produza a sua própria energia Produza a sua própria energia CONTEÚDO ENERGIAFRICA QUEM SOMOS A NOSSA MISSÃO SERVIÇOS AS NOSSAS SOLUÇÕES SOLARES PROJECTO MODULO VIDA PORTEFÓLIO MAIS ENERGIA RENOVÁVEL, MAIS VIDA PARA O PLANETA www.energiafrica.com

Leia mais

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS Andressa Stefany Teles Jasmine Cardoso Moreira Victor Emanuel Carbonar Santos RESUMO: Impactos negativos

Leia mais

CONCURSO DE BOLSAS 2015 MATEMÁTICA - 6º ANO DO FUNDAMENTAL. Como funciona a energia solar?

CONCURSO DE BOLSAS 2015 MATEMÁTICA - 6º ANO DO FUNDAMENTAL. Como funciona a energia solar? CONCURSO DE BOLSAS 2015 MATEMÁTICA - 6º ANO DO FUNDAMENTAL Nome do(a) Aluno(a):... Leia o texto I para responder às questões de 1 a 4. TEXTO I: Como funciona a energia solar? Eliza Kobayashi (novaescola@c.org.br)

Leia mais