A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO TRATAMENTO DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO TRATAMENTO DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS"

Transcrição

1 1 A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO TRATAMENTO DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS THE ROLE OF NURSES IN THE TREATMENT OF PATIENTS WITH DIABETES MELLITUS Maria Efigênia Gonçalves Enfermeira FAC - Redentor Gisele Simas dos Santos, M.Sc Orientadora Enfermeira UFF Pós Graduada em Terapia Intensiva e Educação UFJF Pós Graduada em Formação Pedagógica em Educação Profissional na Área de Saúde - ENSP/FIOCRUZ/UFF Mestre em Ciências da Saúde UNIPLI Rodovia BR 356, Nº 25, Cidade Nova, Itaperuna-RJ, Tel: RESUMO O artigo sobre a atuação do enfermeiro no tratamento de paciente com diabetes Mellitus apresenta como objetivo geral analisar a importância da atuação do enfermeiro no tratamento de pacientes com diabetes Mellitus na assistência básica de saúde. Os objetivos específicos buscaram conceituar o diabetes Mellitus; identificar os diferentes tipos de diabetes existentes; investigar a importância da atuação do enfermeiro junto aos pacientes durante o tratamento do diabetes. Este artigo possui a característica de cunho exploratório qualitativo de revisão bibliográfica, objetivando refletir sobre a atuação do enfermeiro no tratamento de pacientes com diabetes. Para a coleta de dados e informações foram pesquisados 15 artigos, onde destes, foram utilizados 08 artigos com limitação de publicação entre os anos de 2006 a 2012, que melhor discutem sobre o tema abordado. Esses artigos foram pesquisados em sites como Scielo, Bireme, utilizando como descritores: enfermagem, diabetes Mellitus, atendimento nas unidades de saúde. Dessa maneira, foi compreendido que a necessidade da reflexão sobre a atuação do enfermeiro junto aos pacientes com diabetes foi constatada como sendo de suam importância, pois possibilita a aproximação dos profissionais da saúde com os pacientes que precisam ser assistidos em suas dúvidas e questionamento, oportunizando-os a compreensão de que se faz possível, conviver com o diabetes e ter devido à realização do tratamento de maneira adequada, a melhoria de sua qualidade de vida. Palavras-chave: Enfermagem. Diabetes Mellitus. Tratamento.

2 2 ABSTRACT The article on the role of a nurse in the treatment of patients with diabetes mellitus has aimed at analyzing the importance of nurses' performance in treating patients with diabetes mellitus in primary health care. The specific objectives sought to conceptualize Diabetes Mellitus; identify the different types of diabetes exist; investigate the importance of the work of the nurses with the patients during the treatment of diabetes. This product has the characteristic of an exploratory qualitative literature review, in order to reflect on the role of nurses in treating patients with diabetes. To collect data and information were surveyed 15 articles where these, 08 articles were used with limited published between the years 2006 to 2012, what better discuss about the topic. These articles were searched on sites like Scielo Bireme, using descriptors such as: nursing, diabetes mellitus, attendance at health facilities. Thus, it was understood that the need for reflection on the role of a nurse with patients with diabetes was seen as vitally important because it enables the approximation of health professionals with patients who need to be assisted in their doubts and questions, providing opportunities them to understand that it makes possible to live with diabetes and have the due performance of the treatment properly, improving their quality of life. Keywords: Nursing. Diabetes Mellitus. Treatment. 1 INTRODUÇÃO A sociedade contemporânea é caracterizada por diferentes aspectos que impulsionaram a percepção de como o tempo se apresenta dominante, interferindo nos hábitos da população, agravando a saúde de crianças, jovens, adultos e idosos, influenciado por má alimentação, estresse, dentre outros fatores que prejudicam a qualidade de vida dos indivíduos. A necessidade de se atentar para as práticas de atividades relacionadas à saúde configura-se na adoção de medidas preventivas. Atualmente, convive-se com o alarmante quadro do aumento de pacientes com diabetes Mellitus, o que gera preocupação por parte do Ministério da Saúde em decorrência do número de pacientes portadores da doença. Os fatores ligados ao surgimento da diabetes vêm sendo discutidos pelos profissionais da saúde, desencadeando a reflexão sobre os hábitos alimentares, a correria do cotidiano, a busca por novas formas que ampliem o tempo gasto em benefício da saúde, objetivando a redução do número de casos de diabetes.

3 3 As formas de tratamento existentes favorecem o controle do avanço da doença, salientando o fato de que os avanços alcançados pela medicina vêm propiciando a convivência com a doença de maneira a não prejudicar as atividades diárias realizadas pelos pacientes. Sendo assim, surge a seguinte indagação: Como o enfermeiro pode contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos pacientes com diabetes? O objetivo geral do estudo visa analisar a importância da atuação do enfermeiro no tratamento de pacientes com diabetes Mellitus na assistência básica de saúde. Os objetivos específicos buscam conceituar o diabetes Mellitus e identificar os diferentes tipos de diabetes existentes. Justifica-se a escolha do tema proposto relacionado à contribuição do enfermeiro no tratamento de pacientes diabéticos pelo fato de buscar aprofundar em conceitos que possam favorecer a prática do atendimento aos pacientes que são atendidos nas unidades de saúde, já que, por meio dos conhecimentos técnicocientíficos que o enfermeiro possui, ele pode realizar com maior eficiência as suas funções no atendimento, permeando a orientação e as informações aos pacientes e suas famílias, vislumbrando a melhoria de sua qualidade de vida. 2 METODOLOGIA Para identificar o que é uma pesquisa qualitativa, Lakatos e Marconi (2009) comentam que se trata: Investigações de pesquisa empírica cujo objetivo é a formulação de questões ou de um problema, com tripla finalidade desenvolver hipóteses, aumentar a familiaridade do pesquisador com um ambiente, fato ou fenômeno, para a realização de uma pesquisa futura mais precisa ou modificar e clarificar conceitos (LAKATOS e MARCONI, 2009, p. 188). Martín Pérez (2006) complementa que o estudo exploratório tenta abrir pistas ou caminhos em assuntos que ainda não foram pesquisados. Para a coleta de dados e informações foram pesquisados 15 artigos, onde destes, foram utilizados 08 artigos com limitação de publicação entre os anos de 2006 a 2012, que melhor discutem sobre o tema abordado. Esses artigos foram

4 4 pesquisados em sites: Scielo, Bireme, utilizando como descritores: enfermagem, diabetes Mellitus, atendimento nas unidades de saúde. 3 DESENVOLVIMENTO 3.1 O Diabetes Mellitus O diabetes Mellitus trata-se de uma doença que se encontra presente em meio à população, ocasionando a reflexão sobre a importância de sua detecção por meio de ações preventivas que são organizadas pelo Ministério da Saúde, promovendo a descoberta da doença e propiciando forma de tratamento visando o atendimento dos pacientes. O diabetes é um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por hiperglicemia e associadas a complicações, disfunções e insuficiência de vários órgãos, especialmente olhos, rins, nervos, cérebro, coração e vasos sanguíneos. Pode resultar de defeitos de secreção e/ou ação da insulina envolvendo processos patogênicos específicos (BRASIL, 2006, p. 09). A definição do diabetes caracteriza-se pela compreensão de que se trata da elevação da hiperglicemia, a qual pode resultar em complicações que atingem diferentes órgãos prejudicando o funcionamento do organismo, o que requer cuidados por parte dos pacientes para que o quadro constatado não evolua, ocasionando danos maiores a sua saúde. De acordo com Vancini e Lira (2012) a hiperglicemia trata-se da falta ou baixa produção de insulina, a qual é imprescindível para o organismo, quando a hiperglicemia apresenta-se alterada, seja em relação ao seu aumento ou redução, suas consequências são prejudiciais a lipólise. Em se tratando da população brasileira, as estatísticas refrentes ao número de pacientes com diabetes vem aumentando consideravelmente, alarmando os profissionais da saúde em relação à necessidade da intensificação de campanhas referentes à prevenção e ao início do tratamento, para que os indivíduos possam aprender a conviver com a doença, sem danos relevantes a sua qualidade de vida. É fato que, quando a doença é detectada precocemente, o tratamento se faz de maneira mais eficiente, favorecendo a sensibilização dos pacientes quanto aos

5 5 cuidados necessários para a sua saúde, adaptando-se as novas formas de promoção de atividades diárias que são essenciais para o controle do diabetes. O diabetes é comum e de incidência crescente. Estima-se que, em 1995, atingia 4,0% da população adulta mundial e que, em 2025, alcançará a cifra de 5,4%. A maior parte desse aumento se dará em países em desenvolvimento, acentuando-se nesses países, o padrão atual de concentração de casos na faixa etária de anos (BRASIL, 2006, p. 09). Ressalta-se que, uma das preocupações mais alarmantes em relação ao diabetes, configura-se na constatação de ser uma das doenças responsável pela mortalidade no país, além de outras complicações à saúde como insuficiência renal, que pode apresentar como consequência a amputação de membros, cegueira e o surgimento de doenças cardíacas colocando em risco a vida dos pacientes, além de afetar emocionalmente os seus familiares. A morbimortalidade é outro aspecto relacionado ao diabetes que apresenta preocupação, principalmente devido ao fato do acúmulo de glicose no sangue, necessitando de constante monitoramento do seu nível como meio de prevenir o agravamento da saúde do paciente. Por isso, o portador de diabetes necessita realizar o controle do nível de glicose, o qual é feito pela medição diária, para que possam ser efetivadas ações que impeçam o aumento da glicose no sangue, o que pode acarretar doenças que são prejudiciais a sua vida. No entanto, para que se compreenda de forma mais detalhada os diferentes tipos de diabetes, faz-se necessária a descrição, evidenciando assim, a conceituação de cada um dos tipos existentes, como meio de propiciar o entendimento a cerca da doença que vem se destacando entre a população brasileira, bem como mundial. 3.2 Tipos de diabetes Mellitus O diabetes Mellitus é caracterizado por dois tipos os quais são considerados os mais comuns entre a população, sendo o tipo 1 e o tipo 2, necessitando para a sua classificação a realização de exames que possam identificá-los de acordo com os pacientes e o seu quadro clínico.

6 6 Os tipos de diabetes mais frequentes são o diabetes tipo 1, anteriormente conhecido com diabetes juvenil, que corresponde cerca de 10% do total de casos, e o diabetes tipo 2, anteriormente conhecido como diabetes do adulto, que compreende cerca de 90% do total de casos. Outro tipo de diabetes encontrado com maior frequência e cuja etiologia ainda não está esclarecida é o diabetes gestacional, que, em geral, é um estágio pré-clínico de diabetes, detectado no rastreamento pré-natal (BRASIL, 2006, p. 12). Segundo Flumignan (2006), o diabetes Mellitus tipo 1, apresenta como característica a destruição das células beta, promovendo a redução de insulina, o que é constatado em uma parcela menor da população. Os cuidados referentes ao diabetes Mellitus tipo 1 são voltados para a prevenção através dos exames periódicos e constante monitoração do nível de insulina, sendo necessário que haja a sua reposição. A destruição das células beta é geralmente causada por processo autoimune, que pode ser detectado por auto-anticorpos circulantes como anti-descarboxilase do ácido glutâmico (anti-gad), anti-ilhotas, e, algumas vezes, está associado a outras doenças autoimunes como a tireoidite de Hashimoto, a doença de Addison e a miastenia gravis. Em menor proporção, a causas da destruição das células beta é desconhecida (tipo 1 diopático) (BRASIL, 2006, p. 13). Esse tipo de diabetes é apresentado com maior incidência entre crianças e adolescentes, com processo mais rápido, o que requer cuidados e envolvimento ativo da família para o seu controle e sensibilização do paciente. O diabetes Mellitus tipo 1, é considerado como uma doença congênita. No entanto, o fator hereditariedade não pode ser utilizado como sendo uma regra geral, já que, nem sempre o diabetes está ligado diretamente aos pais, mas pode ser decorrente dos antecedentes da família (CARDOSO, 2012). Além disso, apresenta ausência ou diminuição da secreção da insulina pelas células betas das ilhotas de Langerhans do pâncreas resultantes de fatores hereditários, destruição das células beta por auto-anticorpos ou ainda por destruição viral (VANCINI e LIRA, 2011). Para o controle do diabetes tipo 1, a necessidade de utilização de insulina artificial é recomendada, além das mudanças de hábitos relacionados à alimentação e prática de atividades físicas, buscando assim, o controle do nível de glicose no sangue.

7 7 Para tanto, salienta-se que, como esse tipo de diabetes atinge principalmente crianças e adolescentes, a sensibilização dos mesmos deve ser realizada de maneira a promover a compreensão da importância do seguimento do tratamento proposto, o que requer a participação da família no que se refere à estimulação e motivação para que os hábitos de vida saudável, necessário para o controle da doença possam ser efetivados como parte de seus hábitos. Nesse sentido, a participação dos profissionais da saúde, e, principalmente do enfermeiro é essencial, através das ações relacionadas à campanha de informações e orientações que são realizadas nas unidades de atendimento de saúde, como meio de promover o entendimento por parte dos pacientes, da necessidade da realização do tratamento de maneira efetiva, evitando assim, consequências que possam prejudicar a sua saúde. Outro tipo de diabetes existente trata-se do tipo 2, o qual apresenta característica diferenciada do primeiro tipo, não é considerado uma doença congênita, e o seu aparecimento está relacionado aos maus hábitos alimentares e a insuficiência ou inexistência de atividades físicas no decorrer do cotidiano do paciente. De acordo com Cardoso (2012) os principais fatores relacionados ao surgimento do diabetes tipo 2 se referem à falta de atividades físicas, a obesidade, a falta de cuidados com a própria alimentação. Entre os indivíduos obesos, a incidência do diabetes apresenta-se como sendo um fator preocupante, o que agrava a sua situação de saúde, devido à falta de exercícios físicos e a ingestão de alimentos calóricos, por isso, a necessidade de seguir o tratamento que visa o controle do diabetes é fundamental para que os pacientes que possuem além do diabetes o fator obesidade, possam ter condições de restabelecer a sua saúde, através da promoção de atividades físicas, acompanhamentos especializados de equipe multiprofissional, por meio do acompanhamento de enfermeiros que realizam a orientação de suas atividades, promovendo maior segurança e estimulação para que os mesmos se sintam motivados a realizarem a mudança de hábitos que é fundamental para o controle da doença. O termo tipo 2 é usado para designar uma deficiência relativa de insulina. A administração de insulina nesses casos, quando efetuada, não visa evitar cetoacidose, mas alcançar controle do quadro hiperglicêmico. A cetoacidose

8 8 é rara e, quando presente, é acompanhada de infecção ou estresse muito grave (BRASIL, 2006, p. 12). Salienta-se o fato de que, em se tratando do diabetes tipo 2, a existência de insulina é detectada no organismo, sendo ela produzida pelo pâncreas, no entanto, a glicose não consegue ser absorvida pela célula, ocasionando complicações no organismo. Para tanto, faz-se necessário comentar que, nos indivíduos portadores do diabetes tipo 2, ocorre o bloqueio da membrana celular, o que impede que a insulina, o qual é responsável por transportar a glicose para o interior da célula. De acordo com Cardoso (2012), as atividades físicas para os indivíduos portadores do diabetes tipo 2, são essenciais para a mantença de sua qualidade de saúde, principalmente pelo fato de que, ocorre à redução considerável do gasto calórico, o que propicia o controle por meio do tratamento de suas funções sendo possível estabelecer melhorias relacionadas à saúde sem a utilização de medicamentos. As equipes de saúde são fundamentais para que os pacientes possam ter o controle de suas atividades, prevenindo através de exames periódicos, e mesmo controlando o nível de glicose e insulina, através das orientações que são realizadas através do acompanhamento efetivo, principalmente dos enfermeiros aos pacientes. Dentro desse contexto, objetivando o esclarecimento das ações realizadas no atendimento oferecido aos portadores de diabetes, ressalta-se que a atuação do enfermeiro nas unidades é destacada como sendo um fator positivo, pois favorece a aproximação do paciente para com a equipe de profissionais de saúde, além de buscar por meio de suas práticas, a estimulação e a motivação para que os pacientes sejam eles portadores de qualquer um dos tipos, para a continuidade do tratamento. É sabido que o diabetes ainda não se apresenta como uma doença onde a cura se torna possível, mas o seu controle é fundamental para que os indivíduos possam aprender a conviverem com o diabetes, sem perda de sua qualidade de vida diária, o que é fundamental para a sua sobrevivência.

9 9 3.3 O tratamento do diabetes O tratamento do diabetes do tipo 1 e do tipo 2, segue prescrições que devem ser realizadas pelos pacientes, objetivando a melhoria de sua condição de vida, favorecendo o convívio com a doença, já que para a mesma não foi encontrada ainda a cura. O tratamento do diabetes requer atenção ao controle do peso, aos exercícios e a dieta. Muitos indivíduos obesos com diabetes tipo 2 não necessitam de medicação caso percam peso e se exercitem regularmente. Contudo, a redução de peso e o aumento do exercício são difíceis para a maioria dos indivíduos diabéticos (LUCENA, 2007, p. 57). De acordo com Faria (2011) o objetivo primordial do tratamento do Diabetes Mellitus faz-se na redução dos índices de mortalidade e morbidade que se apresentam em elevação devido à falta de controle do metabolismo. Nesse sentido, faz-se necessário salientar que existem diferentes tipos de tratamentos, os quais são identificados como sendo a base de medicamentos isolados, bem como associados à terapia medicamentosa. As medidas não medicamentosas dispensadas às pessoas com Diabetes Mellitus incluem: educação, modificações no estilo de vida, aumento da atividade física, reorganização dos hábitos alimentares, redução do peso, monitoração dos níveis glicêmicos e diminuição ou abandono de alguns vícios prejudiciais à saúde como o fumo e o álcool. Essas medidas são de fundamental importância para o tratamento, além de permitirem a participação ativa da pessoa com Diabetes Mellitus no controle de sua doença (FARIA 2011, p. 28). No entanto, é de grande necessidade comentar que, se não for realizado o tratamento de maneira eficiente e satisfatória para o controle do diabetes, a evolução da doença torna-se algo possível, onde o tratamento passa a ser por meio de medicamentos, os quais são indicados pelos médicos especialistas visando controlar o nível de glicose no organismo. O ideal em relação ao tratamento tanto do Diabetes Mellitus tipo 1 ou no tipo 2, a combinação entre as medidas não medicamentosas e os medicamentos em razão da necessidade do paciente, se faz de maneira favorável para a garantia de melhor condição de vida dos pacientes. A importância do conhecimento referente ao tratamento do diabetes se apresenta em promover a reflexão sobre a necessidade dos cuidados necessários

10 10 para o controle do nível de glicose no organismo, o que deve ser monitorado constantemente pelos pacientes para que se evitem complicações decorrentes da falta de cuidados em relação à alimentação, a falta de atividades físicas, dentre outros fatores que são prejudiciais ao controle necessário da doença. Em relação ao tratamento, o diabetes é uma das poucas doenças que dão origem a muitas opiniões diferentes para a terapia, principalmente com o tipo de insulina usada, o tipo de dieta, escolha das drogas hipoglicemiantes orais. O ponto básico objetiva capacitar o paciente para viver seu tempo de vida como um membro da sociedade, útil e produtivo, sem alterar radicalmente seus hábitos e seu meio de vida (FIGUEIREDO FILHO et al, 2012, p. 108). Um aspecto positivo em relação ao tratamento do diabetes seja ele do tipo 1 ou do tipo 2, configura-se em sua gratuidade, o Ministério da Saúde, oferece aos pacientes em suas unidades de atendimento, todo o tratamento relacionado ao controle e melhoria da condição de saúde dos pacientes. 3.4 A atuação do enfermeiro no tratamento de pacientes com diabetes Através da exposição apresentada, é compreendido que o diabetes trata-se de uma doença que atinge uma parcela significativa da população brasileira, o que preconiza a adoção de ações que visam o controle da doença através das ações efetivadas pelo Ministério da Saúde através de suas campanhas direcionadas para a prevenção, diagnóstico e tratamento. Por isso, ao analisar a importância da atuação do enfermeiro no tratamento de pacientes com diabetes, salienta-se que a sua prática se efetiva na promoção da sensibilização dos pacientes, por meio da educação continuada, onde a orientação se faz como um dos principais fatores que contribuem para a melhoria da vida dos pacientes, que a princípio se encontram com baixa-estima em decorrência do diagnóstico apresentado. É fato que, a assistência de enfermagem apresenta-se fundamental para o paciente portador de diabetes, desde a ação de orientação, acompanhamento e até mesmo o acolhimento ao paciente, promovendo ao mesmo, incentivo, educação à saúde para a aprendizagem da convivência com a doença (CARDOSO, 2012).

11 11 A assistência de enfermagem ao paciente portador de diabetes deve estar voltada a prevenção de complicações, avaliação e monitoramento dos fatores de risco, orientação quanto à prática de autocuidado. Sendo de competência de o enfermeiro realizar a consulta de enfermagem, solicitar exames e realizar transcrição de medicamentos de rotina de acordo com protocolos ou normas técnicas estabelecidas pelo gestor municipal, desenvolver estratégias de educação em saúde e fazer encaminhamentos quando necessário (OLIVEIRA e OLIVEIRA, 2010, p. 42). No ato da consulta de enfermagem, o profissional possui condições de realizar a educação à saúde, buscando através da sensibilização a compreensão por parte dos pacientes da necessidade de realização do tratamento de maneira efetiva, para que o controle da doença possa ocasionar a continuidade de suas atividades diárias. É fato que, a princípio, as adaptações em relação aos seus hábitos diários não se apresenta como sendo uma atividade fácil de ser realizada, mas se torna necessário que a estimulação e a motivação realizada pelos enfermeiros seja efetivada de maneira a promover o entendimento do paciente que é necessário para a sua saúde, a adoção de novas posturas em benefício de sua saúde (FIGUEIREDO FILHO et al, 2012). Ao enfermeiro, apresenta-se a missão de acolher de forma efetiva o portador de diabetes, possibilitando a sua aproximação, como meio de orientar e sanar as dúvidas e questionados apresentados pelos indivíduos que em um primeiro momento, se encontram abalados frente ao diagnóstico da existência do diabetes. Ao enfermeiro cabe educar os pacientes para que eles obtenham conhecimento sobre sua condição e os riscos a saúde, incentivando a aceitação da doença e a implementação das medidas de autocontrole, tais como: Controle dos níveis glicêmicos através de mudança nutricional (conforme pirâmide alimentar), prática de exercícios físicos, terapêutica medicamentosa, além das medidas preventivas como cuidados com os pés, aferição da pressão arterial regularmente e evitar maus hábitos, como alimentos ricos em gordura, tabagismo e etilismo. O enfermeiro deve informar ao paciente dobre a sintomatologia da hipoglicemia e hiperglicemia para o mesmo saber como agir diante dessas situações (GRILLO, 2005 apud OLIVEIRA e OLIVEIRA, 2010, p. 44). Percebe-se que as atividades desenvolvidas pelo enfermeiro junto aos portadores de diabetes são variadas, enfatizando o incentivo ao tratamento, bem como a orientação frente às diferentes informações que são necessárias para que os mesmos possam desenvolver de forma eficiente as práticas relacionadas à mantença de sua saúde.

12 12 A intervenção de enfermagem consiste na educação em saúde, com incentivo para mudanças no estilo de vida, nos hábitos alimentares e proporcionando ao indivíduo o conhecimento sobre sua patologia (OLIVEIRA e OLIVEIRA, 2010, p. 45). A relação entre o enfermeiro e o paciente é constatada como um aspecto primordial para o sucesso do tratamento apresentado, principalmente no que se refere aos aspectos emocionais e psíquicos. De acordo com Cunha (2007), os pacientes, quando é revelado o diagnóstico, tendem a expressar as suas reações voltadas para a revolta, a incompreensão e o desânimo, buscando através de explicações, os fatores que acarretaram o surgimento da doença. Além disso, a atuação do enfermeiro no tratamento do diabetes é reverenciada também junto à família, orientando-a sobre a importância do apoio, motivação e incentivo ao membro que apresenta o diabetes, o que requer a mudança de hábitos em benefício da realização do tratamento. Para Faria (2011), a família é apresentada pelos enfermeiros como sendo um dos aspectos responsáveis pelo sucesso do tratamento, já que, o paciente convive maior parte do seu tempo junto aos seus entes, e, por isso, a orientação e a informação aos familiares se faz imprescindível para que o tratamento possa ser realizado fora das unidades de saúde. Sendo assim, por meio dessa breve reflexão, salienta-se o fato de que o papel desenvolvido pelo enfermeiro junto aos portadores de diabetes se apresenta fundamental, ressaltando os aspectos de que, a sua importância nos momentos relacionados à consulta de enfermagem, bem como na educação à saúde, e no acompanhamento de suas ações individuais e familiares propiciando ao paciente com diabetes condições reais de motivação para terem uma vida saudável, controlando a doença através da mudança de seus hábitos, sensibilizando-o a compreender que, a cura do diabetes ainda não existe, mas a convivência com a doença é possível. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS O diabetes Mellitus trata-se de uma doença que não possui cura, a convivência é possível através de tratamento e controle do nível de glicose no

13 13 organismo, estabelecendo novas adequações referentes à alimentação, para que suas atividades diárias possam ser realizadas de forma natural, sem perda de motivação para as ações que já eram realizadas antes da descoberta do diabetes. A identificação desses tipos favorece a realização do tratamento em relação à abordagem realizada pela equipe de profissionais da saúde, restabelecendo de maneira favorável a retomada das atividades dos pacientes, que passam por adaptações que são necessárias para o controle de sua saúde. Os pacientes que são atendidos nas unidades de saúde necessitam ser orientados pelos profissionais da enfermagem, informando também as famílias, vislumbrando o acompanhamento de todos os membros para o auxílio efetivo ao paciente em suas dificuldades. A atuação do enfermeiro junto ao paciente com diabetes é reconhecida como sendo fundamental, possibilitando o desenvolvimento de estratégias como palestras, visitas, orientação, consultas de enfermagem, realizando a educação continuada à saúde, sensibilizando os pacientes e familiares sobre a importância do controle do diabetes. Dessa maneira, foi compreendido que a necessidade da reflexão sobre a atuação do enfermeiro junto aos pacientes com diabetes foi constatada como sendo de suam importância, pois possibilita a aproximação dos profissionais da saúde com os pacientes que precisam ser assistidos em suas dúvidas e questionamento, oportunizando-os a compreensão de que se faz possível, conviver com o diabetes e ter devido à realização do tratamento de maneira adequada, a melhoria de sua qualidade de vida. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diabetes Mellitus. Cadernos de Atenção Básica nº 16, Brasília, DF, Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diabetes_mellitus.pdf> Acesso em 19 de jul. de CARDOSO, R.R. Diabetes Mellitus. Educação Física e Ciências do Desporto - PUC-RS, Disponível em: <http://www.qualifique.com/artigos/diabetesmellitus_ricardocardoso.pdf> Acesso em 20 de jun. de 2012.

14 14 CUNHA, G. R. Integralidade da atenção na assistência hospitalar: um estudo com profissionais que participam do atendimento ao usuário. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem, Belo Horizonte, Minas Gerais, Disponível em: <http://www.enf.ufmg.br/mestrado/dissertacoes/genilton%20rodrigues%20cunha.p df> Acesso em 10 de ago. de FARIA, H.T.G. Desafios para a atenção em saúde: adesão ao tratamento e controle metabólico em pessoas com Diabetes Mellitus tipo 2, no município de Passos, MG. Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto, Disponível em: <www.teses.usp.br/.../heloisaturcattogimenesfaria.pdf> Acesso em 20 de out. de FIGUEIREDO FILHO, I.C. TREVISANE, R.C.G. TANINAGA, E.K. ALBERTIN, R.C. Qualidade de vida e Diabetes Mellitus. Artigo, Disponível em: <http://www.fef.unicamp.br/departamentos/deafa/qvaf/livros/foruns_interdisciplinares _saude/evolucao/evolucao_cap11.pdf> Acesso em 10 de out. de FLUMIGNAN, I.H. Diabetes Mellitus e os fatores de risco ambientais. Dissertação. Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, Rio de Janeiro, 2006, Disponível em: <http://www.flumignano.com/medicos/download/monografia_diabetes_fato RES_RISCOS_AMBIENTAIS_UFRJ_2006.pdf> Acesso em 02 de ago. de GRILLO, M. F. F. Caracterização e práticas de autocuidado de pessoas com diabetes mellitus tipo 2 de uma unidade básica de saúde. Dissertação de mestrado. Porto Alegre, LAKATOS, E.M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 4 ed. São Paulo: Atlas, LUCENA, J.B.S. Diabetes Mellitus tipo 1 e 2. Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas. São Paulo: Disponível em: <http://arquivo.fmu.br/prodisc/farmacia/jbsl.pdf> Acesso em 10 de out. de MARTÍN P. J. Seminários de Pesquisa: projeto e relatório, Rio de Janeiro: Marques Saraiva, OLIVEIRA, G.K.S.; OLIVEIRA, E.R. Assistência de enfermagem ao portador de diabetes mellitus: um enfoque na atenção primária em saúde. VEREDAS FAVIP - Revista Eletrônica de Ciências. v. 3, n. 2 - julho a dezembro de Disponível

15 15 em:<http://veredas.favip.edu.br/index.php/veredas1/article/viewpdfinterstitial/144/14 5> Acesso em 15 de out. de 2012 VANCINI, R.L. LIRA, C.A.B. Aspectos gerais do diabetes mellitus e exercício. Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício. Universidade Federal de São Paulo, Disponível em: <http://www.centrodeestudos.org.br/pdfs/diabetes.pdf >Acesso em 25 de jul. de 2012.

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO TRATAMENTO DE PACIENTES COM DIABETES DESCOMPENSADA

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO TRATAMENTO DE PACIENTES COM DIABETES DESCOMPENSADA 1 FACULDADE REDENTOR CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA O PAPEL DO ENFERMEIRO NO TRATAMENTO DE PACIENTES COM DIABETES DESCOMPENSADA THE ROLE OF NURSES IN THE TREATMENT OF PATIENTS

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br ANS - Nº 34.388-9 0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br Março 2007 Programa de Atenção ao Diabetes O que é diabetes? AUnimed-BH preocupa-se com a saúde e o bem-estar dos seus clientes, por isso investe em

Leia mais

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*.

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. SILVA, Kelvia Donato¹; SILVA, Lorrayne Emanuela Duarte¹;

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

O ENFERMEIRO E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA O TRATAMENTO DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS

O ENFERMEIRO E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA O TRATAMENTO DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS 1 O ENFERMEIRO E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA O TRATAMENTO DE PACIENTES COM DIABETES MELLITUS THE NURSE AND ITS CONTRIBUTION TO THE TREATMENT OF PATIENTS WITH DIABETES MELLITUS Weliton Marcelo Vieira FAC - Redentor

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

Conheça mais sobre. Diabetes

Conheça mais sobre. Diabetes Conheça mais sobre Diabetes O diabetes é caracterizado pelo alto nível de glicose no sangue (açúcar no sangue). A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por fazer a glicose entrar para

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL Componente Curriculares Educação Física Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Marins Série/ Ano letivo: 2º ano/ 2014 Data: 26/03/2014 AULA 5.1 Conteúdo: Doenças

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS.

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS. ATUAÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA PACIENTES COM DIABETES NA ATENÇÃO BASICA UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 BOEIRA, Giana 2 ; CADÓ, Thaís 3 ; FRIGO, Letícia 4 ; MANFIO, Francieli 5 ; MATTOS, Karen 6 ; PIAIA, Eveline

Leia mais

EXAME CITOPATOLÓGICO: A NÃO ADESÃO E A OCORRÊNCIA DE CÂNCER DE COLO UTERINO ENTRE AS MULHERES PERTENCENTES À TERCEIRA IDADE

EXAME CITOPATOLÓGICO: A NÃO ADESÃO E A OCORRÊNCIA DE CÂNCER DE COLO UTERINO ENTRE AS MULHERES PERTENCENTES À TERCEIRA IDADE EXAME CITOPATOLÓGICO: A NÃO ADESÃO E A OCORRÊNCIA DE CÂNCER DE COLO UTERINO ENTRE AS MULHERES PERTENCENTES À TERCEIRA IDADE Lizandra de Farias Rodrigues Queiroz; Juliana Meira de Vasconcelos Xavier Universidade

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EXPERIÊNCIAS DE ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE Abordagem integrada na atenção as pessoas com HAS, DM

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor

Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor Abra as portas da sua empresa para a saúde entrar. Programa Viva Melhor Apresentação Diferente das operadoras que seguem o modelo assistencial predominante no mercado de planos de saúde e focam a assistência

Leia mais

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO Roberta Kelle de Araújo Melo (FACENE) - robertakamelo@hotmail.com Morganna Guedes Batista (FACENE) - morganna_guedes@hotmail.com Rayra Maxiana

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Que tipos de Diabetes existem?

Que tipos de Diabetes existem? Que tipos de Diabetes existem? -Diabetes Tipo 1 -também conhecida como Diabetes Insulinodependente -Diabetes Tipo 2 - Diabetes Gestacional -Outros tipos de Diabetes Organismo Saudável As células utilizam

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM

EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM Eliese Denardi Cesar 1 Luciane Stanislawski de Souza 2 Roberta Mota Holzschuh 3 Graciela Gonsalves Borba 4 Janaína Kettenhuber

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA 1 A PARTICIPAÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O QUE É DIABETES? Trata-se de uma doença crônica que ocorre quando o pâncreas não produz insulina ou quando o corpo não consegue utilizar

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE SOBRE DIABETES TIPO I E A PRÉ-DIABETES COM ÊNFASE NA JUVENTUDE

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE SOBRE DIABETES TIPO I E A PRÉ-DIABETES COM ÊNFASE NA JUVENTUDE EDUCAÇÃO EM SAÚDE AOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE SOBRE DIABETES TIPO I E A PRÉ-DIABETES COM ÊNFASE NA JUVENTUDE Morais, Bruna Lais Alcará¹; Martins, Luz Marina Pinto² ¹ Estudante do Curso de Enfermagem

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão.

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTOCUIDADO

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1

CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1 CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1 BENDER, Leticia Silmara 2 ; MARZARI, Carla 3 ; MENEGAZZI, Bruna Boff 4 ; NEVES, Bruna Sartori 5 ; QUADROS,

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

Educação em Diabetes da Faculdade Municipal "Professor Franco Montoro"

Educação em Diabetes da Faculdade Municipal Professor Franco Montoro Educação em Diabetes da Faculdade Municipal "Professor Franco Montoro" Mogi Guaçu/SP Educação em Diabetes da Faculdade Municipal Professor Franco Montoro RESUMO A educação em diabetes é parte imprescindível

Leia mais

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Batizada pelos médicos de diabetes mellitus, a doença ocorre quando há um aumento do açúcar no sangue. Dependendo dos motivos desse disparo, pode ser de dois tipos.

Leia mais

PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA

PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA 1363 PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA Laís Ramos Queiroz¹; Erenilde Marques de Cerqueira² 1. Bolsista PROBIC, Graduanda em

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1-INTRODUÇÃO (1) (1).

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1-INTRODUÇÃO (1) (1). TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA E INCLUSÃO SOCIAL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS ASSISTIDOS PELA APAE DE VIÇOSA, MG. AUTORES: André

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Câncer de Colo de útero: a importância de diagnostico precoce. Área temática Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Boninal

Leia mais

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia).

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia). diabetes Quando Acidente a glicemia vascular (glicose cerebral no sangue) (tromboses), sobe, o pâncreas uma das principais O que Quais é a diabetes? as complicações associadas à diabetes? produz causas

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Teste de Competência em Leitura em Língua Estrangeira INGLÊS Edital 109/2012 (Aplicação: 21/10/2012) LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

Leia mais

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com.

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com. - SECRETARIA DE SAÚDE - SÃO TIAGO MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE 04 A 19 ANOS 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4:

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4: Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4: O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS POR QUE UM MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1

COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1 COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1 BISOGNIN, Patrícia 2 ; SIQUEIRA, Alessandro 2 ; BÖELTER, Débora Cardoso 2 ; FONSECA, Mariana 2 ; PRUNZEL

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diabetes & você

INTRODUÇÃO. Diabetes & você INTRODUÇÃO Diabetes & você Uma das coisas mais importantes na vida de uma pessoa com diabetes é a educação sobre a doença. Conhecer e saber lidar diariamente com o diabetes é fundamental para levar uma

Leia mais

AS MODERNAS INSULINAS

AS MODERNAS INSULINAS AS MODERNAS INSULINAS II Congresso para Diabéticos promovido pela Aliança de Atenção ao Diabetes do Rio de Janeiro - Foto molecular da insulina humana - Izidoro de Hiroki Flumignan - médico endocrinologista

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL Nilza Matias Oliver Cruz Faculdade Maurício de Nassau/CG nilzamoc31@hotmail.com Débora de Araújo Targino Faculdade Maurício

Leia mais

PARECER COREN-SP 030/2013 CT PRCI n 100.080 Ticket nº 285.189, 287.759, 289.877, 289.899, 300.838

PARECER COREN-SP 030/2013 CT PRCI n 100.080 Ticket nº 285.189, 287.759, 289.877, 289.899, 300.838 PARECER COREN-SP 030/2013 CT PRCI n 100.080 Ticket nº 285.189, 287.759, 289.877, 289.899, 300.838 Ementa: Realização de glicemia capilar e aferição de pressão arterial. 1. Do fato Auxiliares e Técnicos

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA 1. Renata Emanuela de Queiroz Rêgo. Faculdade Santa Maria/FSM. Email: renata-emanuela@hotmail.com 2. Ankilma do Nascimento Andrade. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

INFORMAÇÕES REFERENTES À EXPOSIÇÃO DOS PÔSTERES APROVADOS NO XXVII COBREM

INFORMAÇÕES REFERENTES À EXPOSIÇÃO DOS PÔSTERES APROVADOS NO XXVII COBREM INFORMAÇÕES REFERENTES À EXPOSIÇÃO DOS PÔSTERES APROVADOS NO XXVII COBREM Os estudantes que tiveram seus resumos de trabalhos aprovados no XXVII COBREM, deverão afixar seus pôsteres no pátio da Escola

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO Fabio Garani 17 Regional de Saude 1 ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER : 7,4anos

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho. ANS maio/2014

Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho. ANS maio/2014 Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho ANS maio/2014 Perfil da Cemig Maior empresa integrada deutilites do Brasil. Composta por 58 empresas e 15 consórcios. Lucro líquido

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE AGENTES DE SAÚDE APÓS TREINAMENTO EM EDIBS EM RIBEIRÃO PRETO

ACOMPANHAMENTO DE AGENTES DE SAÚDE APÓS TREINAMENTO EM EDIBS EM RIBEIRÃO PRETO PAI-PAD PAD Programa de Ações Integradas para Prevenção e Atenção ao Uso de Álcool e Drogas na Comunidade Núcleo de Pesquisa em Psiquiatria Clínica e Psicopatologia ACOMPANHAMENTO DE AGENTES DE SAÚDE APÓS

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE COM FOCO EM DIABETES MELLITUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROMOÇÃO DA SAÚDE COM FOCO EM DIABETES MELLITUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA PROMOÇÃO DA SAÚDE COM FOCO EM DIABETES MELLITUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA BATISTA 1, Mikael Henrique de Jesus; SILVA², Lorrayne Emanuela Duarte da; MOREIRA 3,Samantha Ferreira da; DONATO 4, kelvia Silva

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais