Concepção arquitectónica na faixa costeira MEDIDAS PREVENTIVAS EM ELEMENTOS METÁLICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Concepção arquitectónica na faixa costeira MEDIDAS PREVENTIVAS EM ELEMENTOS METÁLICOS"

Transcrição

1 Concepção arquitectónica na faixa costeira MEDIDAS PREVENTIVAS EM ELEMENTOS METÁLICOS Teresa de Deus Ferreira, Arq.ª, Mestre em Construção pelo Instituto Superior Técnico Jorge de Brito, Eng.º Civil, Professor Associado no Instituto Superior Técnico Considerações introdutórias Os metais têm como principal processo de degradação a corrosão. Ao serem minerais quimicamente instáveis, reagem com o oxigénio da atmosfera dando origem a um processo de deterioração. Em aplicações na faixa costeira, em que a atmosfera apresenta níveis elevados de humidade atmosférica e grande concentração de cloretos, a corrosão é particularmente acelerada e nociva. No presente artigo, são referidas medidas preventivas que podem ser tomadas, em projecto e em obra, de modo a evitar os mecanismos de degradação existentes em ambientes marítimos. 1 - Introdução Uma boa prevenção pode passar pela escolha do metal mais adequado para a utilização que se pretende. Por outro lado, uma correcta protecção anticorrosiva é obtida, na maioria dos casos, pela interposição de uma barreira à passagem da corrente de corrosão, através da aplicação de revestimentos e/ou tratamentos de superfície, conjugados entre si. Não existe uma especificação de revestimento que resolva todas as situações de protecção anticorrosiva nas melhores condições, mas existe uma larga gama de alternativas possíveis para cada situação. Deve-se seleccionar, para cada caso, aquela que proporciona a melhor protecção anticorrosiva. 2 - Prevenção a nível dos materiais Aços Aço O aço é uma liga formada por vários elementos químicos, tendo o ferro e o carbono como principais componentes. As características mecânicas não são um dado constante, já que dependem dos elementos presentes para além do carbono (manganésio, silício, fósforo, crómio, vanádio, molibdénio). As suas propriedades mecânicas (tenacidade, maleabilidade, ductilidade, soldabilidade, fragilidade e resistência) podem assim variar de modo intencional e determinante [1]. Os metais ferrosos formam durante o processo de fabrico (por oxidação a altas temperaturas) um óxido chamado calamina, que geralmente não se mantém intacto. Este óxido não é aderente, pois cria escamas que se soltam da superfície do metal, provocando perda de massa e deixando-o exposto e vulnerável à continuação do processo corrosivo (figura 1). Através de alterações na sua composição, o aço pode tornar-se mais resistente aos ambientes agressivos, como acontece com o aço inoxidável e o aço patinável. Figura 1 - Chapa de aço com corrosão.

2 Aço inoxidável O aço inoxidável é um tipo de aço que contém, pelo menos, 12% de crómio. A máxima protecção à corrosão ocorre com o aumento da percentagem de crómio que pode chegar aos 30% [2]. Os aços inoxidáveis são resistentes à corrosão devido ao fenómeno da passividade. Não é necessário tratar quimicamente o material para que isso aconteça; os elementos de liga presentes reagem com muita facilidade com o meio ambiente e um deles em particular, o crómio, ajuda a formar uma película invisível e aderente, que protege o material da corrosão. Esta película é conhecida por camada passiva [W 1]. A adição de outros elementos à liga, como o níquel, o molibdénio e o titânio, permite que o aço inoxidável seja trabalhado de forma a poder ser utilizado nas mais variadas situações (figura 2). Apesar de a atmosfera marinha ser muito severa, o aço inoxidável geralmente tem uma boa resistência, mas é susceptível a alguns tipos de corrosão localizada (figura 3). A resistência à corrosão do aço inoxidável decorre não só da sua composição, mas também do tipo de superfície e dos métodos de fabricação [2]. Figura 2 - Aplicação de aço inoxidável numa fachada. Figura 3 - Dobradiça aplicada em ambiente marítimo com corrosão por picadas. Há que considerar dois aspectos importantes para o bom comportamento do aço inoxidável [3]: a composição química da liga: as ligas ferríticas (sem adição de níquel) são as menos resistentes, sendo adequadas para ambientes rurais ou urbanos pouco poluídos; as ligas austeníticas e duplex, que contêm um elevado teor de níquel, são normalmente adequadas para os ambientes urbanos / industriais ou marítimos; o aço inoxidável mais indicado para aplicações na faixa costeira (ou em ambientes industriais muito poluídos) é o 316 L; o facto de ter uma pequena quantidade de molibdénio (cerca de 2%) e entre 10 e 13% de níquel origina um filme passivo mais robusto e aumenta a sua resistência à corrosão; as ligas com baixo teor em carbono são as melhores face à soldadura; o acabamento de superfície condiciona a resistência à corrosão: a elevada rugosidade da superfície facilita a retenção de poeiras e agentes agressivos promovendo a corrosão, uma vez que prejudica a formação do filme de óxidos; deve evitar-se o uso de peças com acabamento muito rugoso em ambientes marítimos ou em zonas do edifício com menor acesso da água da chuva; caso não seja possível, deverão usar-se ligas mais resistentes à corrosão Aço patinável O aço patinável (figura 4) é obtido pela adição de cobre e crómio na composição do aço e a sua resistência à corrosão atmosférica é cerca de oito vezes superior à dos aços comuns. A sua aplicação não exige revestimento contra a corrosão devido à formação da pátina 1 em contacto com a atmosfera que o protege. O tempo necessário para a sua completa formação varia entre 2 e 3 anos, conforme o tipo de exposição ou de pré-tratamento para acelerar o processo. Deverão ser tomados alguns cuidados na utilização destes aços sem revestimento: 1 Pátina - camada de óxido compacta e aderente.

3 devem ser removidos resíduos de óleo ou graxa, pingos de solda ou de argamassa; em zonas de estagnação, que possam reter resíduos ou água, deve receber protecção por pintura; zonas sobrepostas, frestas e juntas devem ser protegidas da acumulação de resíduos sólidos e da humidade; deverá ser feito o acompanhamento periódico da camada de pátina pois, caso a sua formação não ocorra, torna-se necessário a aplicação de uma pintura de protecção; na primeira fase de corrosão, os produtos resultantes do processo podem manchar outros elementos da fachada. Figura 4 - Aplicação de aço patinável Alumínio O alumínio e as suas ligas (magnésio ou manganésio) têm alguma resistência à corrosão devido ao óxido (alumina) que se forma na sua superfície. Esta película fina forma-se quando uma superfície é cortada e exposta ao contacto com o ar. Quando realizada por processos artificiais, como a anodização, a película é mais espessa e oferece uma excelente protecção à corrosão. A camada de óxido é virtualmente transparente, dura e aderente. Após a sua formação, não cresce nem se destrói com o tempo. Como é regenerativa, a abrasão acidental da sua superfície é rapidamente reparada. Geralmente, quanto maior for o grau de pureza do alumínio maior será a sua resistência à corrosão [2]. No entanto, em situações de ar contaminado, esta película pode ser destruída, originando a corrosão do metal. A corrosão do alumínio apresenta normalmente a forma localizada e ocorre em pontos fracos do filme de óxido. O alumínio exposto a ambientes marítimos terá maior duração se a chuva lhe incidir com frequência. A água dilui e/ou lava os resíduos de sal que se acumulem na superfície com o tempo. Entre as várias utilizações deste metal, existem produtos que o utilizam como material para revestimentos de fachada, como é o caso dos painéis sandwich (figura 5). Figura 5 - Edifício revestido com painéis de alumínio.

4 2.3 - Cobre O cobre é um metal que, à semelhança do alumínio, tem a capacidade de formar uma película à superfície, que o protege. Esta camada protectora, uma pátina esverdeada característica do envelhecimento natural do cobre, é constituída principalmente por sulfato básico de cobre mas, apesar de proteger o metal, não pára completamente a corrosão (figura 6). A sua degradação depende da poluição do ar e da concentração de cloretos, sendo o ambiente misto (marítimo e industrial) o mais prejudicial. É necessária uma certa quantidade de água da chuva até a pátina ficar verde, o que implica que o processo leve mais tempo em superfícies verticais, devido à rapidez de escoamento. Pode no entanto aplicar-se o cobre já com a cor final, obtida artificialmente através de banhos químicos (figura 7). Figura 6 - Caixilharia de cobre com grau elevado de oxidação. Figura 7 - Edifício de habitação com fachada revestida a cobre. O cobre é dos metais mais resistentes à corrosão pela facilidade com que a pátina se refaz, mesmo quando danificada. Devido ao facto de não necessitar de nenhuma limpeza ou manutenção, é um material indicado para superfícies de acesso difícil ou perigoso. Por ser um metal nobre, o seu potencial eléctrico é elevado e normalmente não é afectado por outros metais mas pode causar corrosão em alguns (ferro, alumínio e zinco) se existir contacto directo entre eles em presença de um electrólito (água). O aço inoxidável e o latão não são afectados por esta situação Zinco O zinco é um material durável, isento de manutenção e que permite a execução de formas complexas. Esteticamente, é um material de cor neutra que se conjuga bem com os outros (figura 8). O zinco utilizado em coberturas e revestimentos de fachadas tem vindo a ser melhorado, nas suas propriedades mecânicas e na sua resistência aos agentes atmosféricos. Actualmente não se utiliza o zinco puro, pois são usadas ligas de zinco aditivado com titânio ou com cobre, cuja composição é controlada por normas internacionais. A duração de uma aplicação de zinco, em coberturas ou fachadas, é proporcional à espessura da chapa utilizada e ao tipo de atmosfera a que está exposta. A superfície do zinco reage com o oxigénio do ar, formando-se óxido de zinco. Esta oxidação, ao contrário dos metais ferrosos, não destrói o material: a sua existência cria uma camada de material protector, responsável pela alta capacidade anti-corrosiva do zinco. Para além da aplicação do zinco como material, também é frequentemente utilizado na protecção do aço e, por vezes, do alumínio. Os cloretos da atmosfera marítima são ainda assim prejudiciais para a conservação do zinco. A sua resistência pode ficar reduzida entre 30 e 60 anos comparando com aplicações em atmosferas rurais. No entanto, a corrosão do zinco e do aço galvanizado na faixa costeira será 75% mais lenta que a do

5 aço sem protecção. Figura 8 - Exemplos de aplicação de zinco em fachadas Titânio Embora seja reactivo em certas condições, o titânio é muito resistente à corrosão devido à rápida formação de uma camada de óxido estável e regenerativa que isola o material da atmosfera circundante. Como resultado da sua grande resistência à corrosão a baixas temperaturas (em conjunto com a sua baixa densidade e grande resistência mecânica), o titânio tem um vasto leque de aplicações, principalmente na faixa costeira e mesmo dentro de água. Numa grande quantidade de situações, o titânio é mais resistente à corrosão a baixas temperaturas do que o aço inoxidável e o cobre [2] Bronze O bronze é uma liga resultante da conjugação do cobre com o estanho. É um material utilizado, desde longa data, na arquitectura, principalmente em elementos pontuais como as caixilharias. A sua oxidação, devida ao contacto com a atmosfera, dá-lhe uma elevada resistência à corrosão, assim como um bom efeito estético com colorações diversas. No entanto, o aumento da poluição atmosférica pode levar à perda da capacidade protectora das pátinas. 3 - Protecções de superfície Revestimentos metálicos Para prevenir a corrosão dos metais, podem-se aplicar revestimentos metálicos. A escolha do revestimento irá depender de vários factores, tais como: tipo da estrutura - grandes superfícies ou rede; tipo de utilização da estrutura; agressividade do meio; tipo de pessoal especializado disponível; orçamento disponível - os revestimentos metálicos são mais dispendiosos do que as tintas. Os revestimentos metálicos são o método mais antigo e mais usual contra a corrosão. São dispendiosos mas a sua duração é superior à das tintas. Podem ser separados em dois grupos [4]: revestimentos nobres - níquel, prata, cobre, chumbo ou crómio em aço; é necessário ter em atenção a porosidade dos metais, a espessura da capa metálica e a eventual necessidade de aplicar revestimentos por pintura ou com outro metal adicional; revestimentos sacrificiais - zinco, cádmio, alumínio e estanho em aço - onde o metal de base é mais nobre do que o revestimento que se corrói em vez dele; não são tão duradouros nem decorativos e geralmente são usados em conjunto com outros revestimentos aplicados posteriormente; quanto maior a espessura da capa, mais tempo dura a protecção.

6 Revestimentos de zinco (zincagem) Dependendo do meio de exposição e das características do revestimento, o zinco pode oferecer protecção por longos períodos. O zinco, como revestimento metálico, tem grandes vantagens, entre as quais se destacam: baixo custo, abundância na natureza, facilidade com que pode ser aplicado sobre produtos ferrosos das mais variadas dimensões e formas, com espessuras que vão desde alguns micrómetros a centenas de micrómetros e a possibilidade de poder ser pintado [5]. Os revestimentos de zinco obtidos por imersão num banho a quente (galvanização) ou por electrodeposição (electrogalvanização) são tradicionalmente designados por zincagem. O sistema mais usado para perfis estruturais de aço é o galvanizado a quente, no qual se aplica um recobrimento de zinco por imersão em banho de zinco fundido a 450º C. A zincagem electrolítica é um revestimento aplicável a peças de aço sob a forma de uma camada de zinco com passivação decorativa que pode apresentar as seguintes tonalidades: branco azulado, amarelo irisado e verde azeitona [W 2]. A duração de um revestimento de zinco é, de um modo geral, proporcional à quantidade de zinco existente por unidade de área [4]: quanto mais agressivo for o ambiente, maior deverá ser a espessura do revestimento metálico aplicado. Para ambientes de corrosividade média a elevada, a protecção deve ser reforçada com a aplicação de um revestimento orgânico (pintura) Revestimentos de crómio (cromagem) Os revestimentos de crómio, aplicados por electrodeposição ou por imersão em banho do metal, são bastante usados como revestimentos decorativos devido ao seu brilho. São virtualmente inertes a uma grande parte dos meios corrosivos e, como são muito duros, podem ser depositados directamente sobre aço ou outros metais, revestindo-os com pequenas espessuras a preços razoáveis. Alguns problemas destes revestimentos residem na fina espessura da capa, na toxicidade do crómio e no seu contributo para a degradação do ambiente, estando a entrar em desuso a sua utilização. A cromagem decorativa é constituída por duas camadas metálicas: a niquelagem, que protege a peça, e a cromagem, que complementa a protecção do níquel e dá o acabamento final [W 2]. Pode-se optar, para além do brilho, por um aspecto negro ou acetinado (figura 9). Figura 9 - Caixilharia em aço cromado brilhante Revestimentos orgânicos O revestimento de superfícies metálicas com compostos orgânicos é o mais importante de todos os métodos para a prevenção contra a corrosão e corresponde a cerca de metade dos custos despendidos em medidas de prevenção da corrosão. Da aplicação destes revestimentos, resulta uma barreira entre a estrutura metálica e o meio corrosivo. Por vezes, são também meios complementares de outros tipos de protecção contra a corrosão [4] Tintas e vernizes A protecção dos metais face à corrosão passa pelo seu isolamento à acção da água e do oxigénio. A aplicação de um recobrimento de pintura (acrílica, de PVC, resinas epóxidas, poliuretano, clorocaucho) reduz o contacto com a atmosfera (protecção passiva), mas não constitui uma barreira imper-

7 meável a ambos os agentes. Por isso, deve-se executar, uma vez preparada a superfície (desengordurar, decapar, jacto de areia), um primeiro recobrimento com pintura com adição de partículas metálicas de sacrifício respeitantes ao aço, tais como chumbo 2, zinco ou cádmio (protecção activa) [1]. Quantas mais camadas forem aplicadas, mais espesso é o revestimento, garantindo uma protecção maior. Para se obter um mínimo de garantia, são necessárias quatro camadas [4]: duas camadas primárias; uma subcamada; uma camada final Termolacagem A termolacagem, ou lacagem a quente, é um tipo de pintura que funciona como acabamento da superfície mas também como tratamento. É um processo electrostático com pós termoendurecíveis (resinas epóxido - poliéster ou poliéster) aplicados numa camada uniforme. As peças são recozidas em estufa ou forno, a temperaturas determinadas, obtendo-se um acabamento liso e brilhante. A termolacagem permite obter uma vasta gama de cores (figura 10); é um revestimento muito resistente aos choques e à corrosão e com uma boa solidez à luz solar e ao calor. O alumínio lacado deverá receber previamente uma pré-anodização de modo a que a sua protecção seja bem conseguida. Figura 10 - Caixilharia em alumínio lacado Revestimentos inorgânicos Os revestimentos não metálicos inorgânicos são aqueles constituídos por compostos inorgânicos, depositados directamente sobre a superfície metálica, ou formados sobre essa superfície Esmaltes vítreos O esmalte vítreo é um revestimento de esmalte sobre base de chapa de aço ou aço inoxidável, vitrificado a fogo a 850º C. Esta aplicação superficial de silicatos pigmentados, de 1,5 mm de espessura, pouco altera o peso próprio do material e dá-lhe características de resistência à intempérie, às altas e baixas temperaturas (-60º C a 450º C) e à abrasão. Tem uma grande resistência ao envelhecimento e à corrosão; não é a- tacado pela água, ar, dissolventes orgânicos, óleos, bases, sais ou ácidos em concentração reduzida. A superfície do esmalte é comparável à de um vidro temperado e duro. A sua manutenção é quase nula. Entre as vantagens deste tipo de acabamento, estão as formas diversas que se podem dar às placas e a grande oferta de cores, texturas e matizes que oferece o esmalte, podendo o seu aspecto final ser brilhante, acetinado ou mate Revestimentos de óxidos (anodização) A anodização consiste na formação induzida de uma camada protectora de óxidos de alumínio na superfície do metal. É um tratamento adequado a todos os tipos de ambientes, mas particularmente eficaz na protecção do alumínio em ambiente marítimo. O bom comportamento à corrosão do alumínio anodizado depende da qualidade da camada de anodização, ou seja, da sua colmatagem e 2 Actualmente, a utilização do chumbo caiu em desuso, devido à sua toxicidade, e foi substituído por compostos de zinco.

8 classe de espessura, que deve ser adequada à agressividade do ambiente de exposição. Para aplicações no exterior, o revestimento anódico deverá ter uma classe de espessura mínima de 15 µm e, em ambientes agressivos (industriais, marítimos e mistos), deverá ser especificada uma classe de espessura mínima de 20 µm ou 25 µm [4]. Como o revestimento obtido é poroso, a coloração do alumínio pode ter uma dupla função: aspecto estético do perfil e atenuação dos poros. Entre os processos de anodização existentes, recomendam-se os não poluentes para ligas de alumínio através de um banho sulfúrico / bórico Inibidores Um inibidor de corrosão é uma substância que reduz a velocidade de corrosão quando adicionada, numa determinada concentração, a um meio corrosivo, sem que ocorra alteração significativa das concentrações das espécies corrosivas. Os inibidores são por vezes usados como aditivos no betão armado. O inibidor age através da formação de um filme protector da superfície metálica e pode ser aplicado por meio de uma pintura anti-ferrugem com pigmentos activos ou como constituinte da liga metálica a ser protegida. Em relação à água do mar, os inibidores mais utilizados são o nitrito e o hidrogenofosfato de sódio, como protecção do aço, e os silicatos de sódio, para protecção do zinco [4]. 4 - Disposições construtivas A prevenção da corrosão pelo desenho é muito importante, uma vez que, implementando um número de medidas pouco dispendiosas e fáceis de aplicar, o custo da manutenção, assim como o custo total da obra, pode ser reduzido substancialmente Coberturas e caixilharias O desenho das coberturas deverá ter em conta aspectos específicos que agravem a corrosão dos metais, nomeadamente a existência de zonas que, pela sua forma, proporcionem a retenção de água por períodos prolongados. Isto é particularmente prejudicial para o zinco e o aço galvanizado [3]. Nas coberturas e caixilharias, alguns dos problemas mais recorrentes relacionam-se com os seguintes aspectos: a utilização de materiais menos nobres para a fixação, sem o adequado isolamento, o que provoca a corrosão acelerada dos elementos de fixação (corrosão bimetálica) como, por exemplo, a utilização de parafusos de aço galvanizado sobre aço inoxidável [3]; a solução poderá passar pela utilização de fixações em materiais mais nobres (figura 11) ou pela aplicação de um material isolante (tinta) entre as zonas de contacto, tendo em atenção a constituição da tinta e a espessura da camada a aplicar; ambos os materiais deverão ser protegidos pois poderá ocorrer corrosão acelerada no metal não protegido [6]; o deficiente isolamento de juntas exteriores, permitindo a entrada de água para o interior, acumulando-se em locais geralmente pouco arejados e promovendo a ocorrência de corrosão [3]; a falta de cuidado no armazenamento em obra, no manuseamento dos elementos metálicos ou a utilização de ferramentas inadequadas, que por vezes causam danos nos revestimentos protectores, que serão locais preferenciais para o aparecimento de corrosão [3]; a limpeza dos elementos metálicos com produtos agressivos, por vezes contendo cloretos (ácido muriático), para remoção de resíduos de materiais de construção, pode dar origem a corrosão localizada, geralmente na forma de picadas; caso seja necessário recorrer a este tipo de produto, as superfícies metálicas devem ser lavadas a seguir com bastante água limpa; a utilização de produtos excessivamente abrasivos também causa problemas [3]; os dejectos das aves também podem contribuir para situações de corrosão anómalas (figura 12); o contacto com lixiviados de materiais cimentícios como, por exemplo, os escorrimentos de águas pluviais de terraços com piso de betão, provoca corrosão acentuada em elementos de alumínio anodizado e aço galvanizado; os elementos de caixilharia, nomeadamente os de alumínio anodizado, devem ser colocados numa fase final da construção ou então deverão ser protegidos com a instalação de um sistema de drenagem de águas adequado [3].

9 Figura 11 - Rebites de aço inoxidável para fixação de placas de cobre à estrutura em aço galvanizado. Figura 12 - Oxidação excessiva devida a dejectos de aves Janelas e portas As janelas e as portas metálicas estão frequentemente munidas de ferragens de metais diferentes, havendo sempre o perigo de a humidade favorecer reacções entre os diversos metais. Devem ser tomadas algumas medidas [6]: todas as superfícies devem estar recobertas de camadas primárias e finais; as partes articuladas das ferragens devem estar protegidas por uma camada de óleo lubrificante ou de gordura leve. De um modo geral, devem ser tomadas as seguintes precauções [6]: procurar conseguir-se o escoamento rápido da água (proveniente da chuva ou de outra origem) de modo a que esta não fique retida em ângulos e recantos, pois seria um ponto com grande possibilidade de início da corrosão; sempre que possível, exigir juntas soldadas; nas juntas rebitadas com recobrimento, há a possibilidade de a humidade se infiltrar e aí permanecer; nas juntas soldadas, há um bom escoamento da água; estudar a união dos perfis de forma a evitar pontos frágeis na soldadura; ventilar bem a construção, de modo a impedir a formação de condensações interiores que possam danificar os materiais; pode-se sobredimensionar a espessura do metal a utilizar de forma a compensar os eventuais efeitos da corrosão; evitar o uso de peças com acabamento muito rugoso pois facilita a retenção de poeiras e agentes agressivos, promovendo a corrosão; caso não seja possível, recorrer a ligas mais resistentes; tratar os elementos após o seu corte pois, caso contrário, ficam desprotegidos; ter algum cuidado em relação à aplicação de tinta uma vez que, quando aplicada em peças muito angulosas ou de desenho complexo, a sua manutenção deverá ser feita de dois em dois anos (figura 13). Surge por vezes um apreciável número de anomalias devido à oxidação de peças metálicas existentes nos edifícios, tais como espigões em chumbadores de portas e janelas, apoios de varandas e guardas. A deficiente técnica de colocação e protecção destes materiais, a ausência de manutenção e as características do seu envelhecimento estão, na maioria dos casos, na origem dos danos (figura 14). A deficiente especificação dos pormenores construtivos permite que, por vezes, sejam fornecidos materiais de baixo custo, não apresentando o desempenho adequado à situação. A elaboração cuidada do projecto de execução permite antecipar no papel os problemas que irão ser encontrados no decurso da construção e criar um documento de referência que permita assegurar uma maior qualidade final. 5 - Conclusão Existe uma grande variedade de materiais metálicos utilizados na envolvente dos edifícios, os quais podem sofrer diversos problemas de corrosão que afectam a sua funcionalidade e conduzem à redução do tempo de vida útil.

10 Para que se possa obter um desempenho adequado e prolongado destes materiais, é necessário não só seleccionar o tipo de metal mais adequado para a função ou o meio corrosivo a que estará exposto, como também especificar o tipo de protecção a aplicar (quando necessário), os requisitos de projecto correctos e evitar erros na montagem e na utilização. Operações simples de manutenção, como a limpeza periódica ou a reparação / renovação atempada de revestimentos protectores, podem também contribuir substancialmente para um bom desempenho dos componentes metálicos na envolvente dos edifícios durante a sua vida útil. Figura 13 - Falta de manutenção em elemento metálico próximo do mar. Figura 14 - Elementos de fixação sem protecção adequada. Referências bibliográficas [1] Egea, J. Jurado. Hierro sublimado, in Tectonica, nº 9, acero (I), 3ª edição, Março 2002, pp [2] Craig, Bruce D. Handbook of corrosion data. ASM International, Ohio, E.U.A [3] Fontinha, I. Rute; Salta, M. Manuela. Comportamento de componentes metálicos em edifícios, in 2º Simpósio internacional sobre patologia, durabilidade e reabilitação dos edifícios, LNEC, Lisboa, Novembro [4] Valente, Artur; Lobo, Victor. Corrosão - Fundamentos, Prevenção e Efluentes. Cenertec, Porto, [5] Panossian, Zehbour. Novos revestimentos metálicos na luta anticorrosiva - mecanismos de actuação e aplicações, in 3ªs Jornadas da Revista Corrosão e protecção de materiais, INETI, Lisboa, Novembro [6] Hendrick, T. W. A corrosão e os processos anticorrosivos. Instituto Nacional de Investigação Industrial, Lisboa [W 1] nautilus.fis.uc.pt/st2.5/scenes-p/elem [W 2]

ANOMALIAS DE ELEMENTOS METÁLICOS NA FAIXA COSTEIRA

ANOMALIAS DE ELEMENTOS METÁLICOS NA FAIXA COSTEIRA ANOMALIAS DE ELEMENTOS METÁLICOS NA FAIXA COSTEIRA Teresa de Deus Ferreira, Mestre em Construção Jorge de Brito, Professor Associado IST Os metais têm como principal processo de degradação a corrosão.

Leia mais

CORROSÃO. Processo de destruição superficial de um metal, dando origem a sais iónicos (óxidos hidróxidos) do referido metal

CORROSÃO. Processo de destruição superficial de um metal, dando origem a sais iónicos (óxidos hidróxidos) do referido metal CORROSÃO Processo de destruição superficial de um metal, dando origem a sais iónicos (óxidos hidróxidos) do referido metal Corrosão Química: reacção superficial de transferência de carga em ambiente seco

Leia mais

Workshop. Alumínio 100% a Favor

Workshop. Alumínio 100% a Favor Alumínio 100% a Favor Uma iniciativa conjunta do ISEP - Instituto Superior de Engenharia do Porto e da APAL - Associação Portuguesa do Alumínio e representante em Portugal das marcas de qualidade para

Leia mais

O NOVO PROCESSO DE GALVANIZAÇÃO PARA SISTEMAS DE CAMINHO DE CABOS DA OBO BETTERMANN

O NOVO PROCESSO DE GALVANIZAÇÃO PARA SISTEMAS DE CAMINHO DE CABOS DA OBO BETTERMANN DOUBLE DIP O NOVO PROCESSO DE GALVANIZAÇÃO PARA SISTEMAS DE CAMINHO DE CABOS DA OBO BETTERMANN A OBO Bettermann inclui na sua ampla gama de produtos uma grande variedade de soluções em calha caminho de

Leia mais

ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO

ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO Valentim M B Nunes, 2003 ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO CORROSÃO 1. Corrosão Podemos definir como corrosão a interacção físico-química de um metal com o meio do qual resultam alterações das propriedades do

Leia mais

Catálogo de produtos

Catálogo de produtos Catálogo de produtos Galvanização a fogo (zincagem por imersão a quente) - Conforme NBR 6323 O processo de zincagem por imersão a quente é o mesmo que qualquer produto, podendo variar na espessura da camada

Leia mais

PL 40/250 perfurado DESCRIÇÃO

PL 40/250 perfurado DESCRIÇÃO PL 40/250 perfurado DESCRIÇÃO Há mais de 40 anos que a Aceralia fabrica perfís largos auto-suportados de aço, para revestimento de todo tipo de edificações. Actualmente, é uma das empresas lider neste

Leia mais

Metais. informativo técnico

Metais. informativo técnico Metais informativo técnico METAIS Móveis de metal são uma escolha de materiais para mobília, usados tanto em área interna quanto em área externa. A variedade de ligas metálicas existentes permite o uso

Leia mais

PROTECÇÃO DOS METAIS

PROTECÇÃO DOS METAIS PROTECÇÃO DOS METAIS FORMAÇÃO DE LIGAS Neste caso associase o metal a proteger a outro, originando uma liga altamente resistente à corrosão. Exemplo: aço inox PROTECÇÃO CATÓDICA A protecção catódica é

Leia mais

Corrosão e degradação de materiais. Modificação aparência. Interação Comprometimento pp mecânicas

Corrosão e degradação de materiais. Modificação aparência. Interação Comprometimento pp mecânicas Corrosão e degradação de materiais Modificação aparência Interação Comprometimento pp mecânicas Deterioração é diferente para os diversos tipos de materiais: M Dissolução (corrosão) Formação de crosta

Leia mais

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero Sistemas Estruturais Prof. Rodrigo mero Aula 4 O Material aço Índice Características de Aço da Construção Civil Propriedades Modificadas Ligas Metálicas Ligas Ferrosas Ligas Não-Ferrosas Teor de Carbono

Leia mais

pro-t Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características

pro-t Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características Ficha técnica pro-t Perfil de transição entre pavimentos. Lâmina de metal em forma de T que se insere na junta de separação de dois pavimentos diferentes, permitindo cobrir ligeiras diferenças de altura.

Leia mais

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS Podem ser moldados; São dúcteis (deformam antes de romper); Bons condutores de energia elétrica e calor. OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS

Leia mais

Corrosão Metálica. Introdução. O que é corrosão? Classificação dos processos de corrosão. Principais tipos de corrosão

Corrosão Metálica. Introdução. O que é corrosão? Classificação dos processos de corrosão. Principais tipos de corrosão Corrosão Metálica Introdução O estudo da corrosão de superfícies é importante para a solução de problemas de peças e equipamentos. Ter o conhecimento dos tipos de corrosão existentes, compreender os seus

Leia mais

Corrosão e Protecção. Prevenção da Corrosão. Docente: João Salvador Fernandes Instituto Superior Técnico Lab. de Tecnologia Electroquímica

Corrosão e Protecção. Prevenção da Corrosão. Docente: João Salvador Fernandes Instituto Superior Técnico Lab. de Tecnologia Electroquímica Corrosão e Protecção Prevenção da Corrosão Docente: João Salvador Fernandes Instituto Superior Técnico Lab. de Tecnologia Electroquímica Prevenção da Corrosão Selecção de Materiais Design de Materiais

Leia mais

PINTURA & ACABAMENTOS

PINTURA & ACABAMENTOS PINTURA & ACABAMENTOS 01/05/2005 Pag.: 1 de 12 LEGENDA TXE-123 PIE-100 primer anti-corrosivo epoxi primer de aderência - epoxi isocianato PAE-200 primer selador epoxi de alta espessura SELADORA VLU-400

Leia mais

1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5

1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5 Sumário 1 Introdução................................ 1 2 Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica........ 5 2.1 POTENCIAIS ELETROQUÍMICOS............................ 5 2.2 PILHAS DE CORROSÃO...................................17

Leia mais

MANCAIS AUTOLUBRIFICANTES

MANCAIS AUTOLUBRIFICANTES THECNOLUB LINHA DE PRODUTOS MANCAIS AUTOLUBRIFICANTES LIVRES DE MANUTENÇÃO ÍNDICE 1 THEC-AC Aço + bronze sinterizado poroso + PTFE + Pb 2 THEC-B Bronze + bronze sinterizado poroso + PTFE + Pb 3 THEC-4

Leia mais

Guia de conservação de produtos La Fonte. Mantenha seu produto bonito e funcional por mais tempo.

Guia de conservação de produtos La Fonte. Mantenha seu produto bonito e funcional por mais tempo. Guia de conservação de produtos La Fonte. Mantenha seu produto bonito e funcional por mais tempo. ASSA ABLOY, the global leader in door opening solutions Metais com acabamentos Cromado (CR) ou Cromo Acetinado

Leia mais

Construção dos Navios. Seção B LIGAÇÃO DAS PEÇAS DE CONSTRUÇÃO

Construção dos Navios. Seção B LIGAÇÃO DAS PEÇAS DE CONSTRUÇÃO Construção dos Navios Seção B LIGAÇÃO DAS PEÇAS DE CONSTRUÇÃO Juntas permanentes Solda Pressão JUNTAS Exemplo: ligação de uma camisa em um cilindro Contração Quando se aquece uma peça antes de forçar a

Leia mais

Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle

Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle Curso Técnico Integrado em Química Físico-química III VÍDEO AULA Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle 1 Professor: Me. Sebastião Junior T. Vasconcelos

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior. nº 17. Nº Pág.s: Fevereiro 2007

FICHA TÉCNICA. Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior. nº 17. Nº Pág.s: Fevereiro 2007 nº 17 FICHA TÉCNICA Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior Nº Pág.s: 07 17 12 Fevereiro 2007 Isolamento Térmico de fachadas pelo exterior 01 Para responder às crescentes exigências de conforto higrotérmico,

Leia mais

Dar cor a uma arquitectura exigente. inovador estável à luz à prova de riscos fácil de limpar resistente

Dar cor a uma arquitectura exigente. inovador estável à luz à prova de riscos fácil de limpar resistente Dar cor a uma arquitectura exigente inovador estável à luz à prova de riscos fácil de limpar resistente acrylcolor Flexibilidade para janelas em PVC coloridas O design das fachadas é realçado pelos perfis

Leia mais

LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO. Em Sistemas Críticos de Alta Pureza

LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO. Em Sistemas Críticos de Alta Pureza LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO Em Sistemas Críticos de Alta Pureza TIPOS DE CONTAMINAÇÃO (FONTES) Contaminação Orgânica Sujidade oriunda de resíduos dos produtos, gorduras, proteínas, óleos, etc. Contaminação

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt topeca floor in Pág. 2 liso ou anti

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL A ideal Engenharia de Superfície

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL A ideal Engenharia de Superfície APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL A ideal Engenharia de Superfície ÍNDICE 1- Organograma -------------------------------------------------- Pág. 01 2- Quem somos ---------------------------------------------------

Leia mais

Os aços inoxidáveis quando agrupados de acordo com suas estruturas metalúrgicas, apresentam-se em três grupos básicos:

Os aços inoxidáveis quando agrupados de acordo com suas estruturas metalúrgicas, apresentam-se em três grupos básicos: O que é Aço inox é o termo empregado para identificar uma família de aços contendo no mínimo 10,5% de cromo, elemento químico que garante ao material elevada resistência à corrosão. Distribuído de forma

Leia mais

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono A partir do estudo deste texto você conhecerá as particularidades inerentes a diferentes tipos de aços: aços de médio carbono (para temperaturas

Leia mais

Disciplina: Projeto de Ferramentais I

Disciplina: Projeto de Ferramentais I Aula 04: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas empregadas 02:

Leia mais

MATERIAIS DE REVESTIMENTO EM COBERTURAS INCLINADAS

MATERIAIS DE REVESTIMENTO EM COBERTURAS INCLINADAS MATERIAIS DE REVESTIMENTO EM COBERTURAS INCLINADAS Jorge de Brito, Professor Associado IST 1. Introdução Neste início da coluna Elementos de construção não estruturais, inserido no número da revista dedicado

Leia mais

Faculdade Multivix Campus Vitória - Rua José Alves, Goiabeiras, , Vitória - ES

Faculdade Multivix Campus Vitória - Rua José Alves, Goiabeiras, , Vitória - ES VANTAGENS DO SISTEMA DUPLEX A PINTURA DO AÇO GALVANIZADO À QUENTE COMO UMA ALTERNATIVA EFICIENTE PARA PROTEÇÃO CONTRA CORROSÃO Wandercleiton da Silva Cardoso Brena da Silva Porcino; Faculdade Multivix

Leia mais

Fundamentos da Lubrificação e Lubrificantes Aula 5

Fundamentos da Lubrificação e Lubrificantes Aula 5 Fundamentos da Lubrificação e Lubrificantes Aula 5 PROF. DENILSON J. VIANA Classificação do Tipo de Lubrificação A lubrificação pode ser classificada em três tipos básicos de acordo com a película lubrificante.

Leia mais

Materiais e Corrosão - Cap 3 FORMAS DE CORROSÃO. Fontana, cap. 3. Formas de Corrosão- A.Simões_2006 3a.1

Materiais e Corrosão - Cap 3 FORMAS DE CORROSÃO. Fontana, cap. 3. Formas de Corrosão- A.Simões_2006 3a.1 Materiais e Corrosão - Cap 3 FORMAS DE CORROSÃO Fontana, cap. 3 Formas de Corrosão- A.Simões_2006 3a.1 FORMAS DE CORROSÃO No aspecto morfológico, a corrosão pode ser classificada em duas grandes categorias:

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton. Metais Não Ferrosos

Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton. Metais Não Ferrosos Metais Não Ferrosos 8.1 - Introdução Denominam-se metais não ferrosos, os metais em que não haja ferro ou em que o ferro está presente em pequenas quantidades, como elemento de liga Os metais não ferrosos

Leia mais

A configuração helicoidal, que se pode observar na figura seguinte, é bastante usada em termómetro com este tipo de funcionamento.

A configuração helicoidal, que se pode observar na figura seguinte, é bastante usada em termómetro com este tipo de funcionamento. Os termómetros bimetálicos pertencem ao conjunto de sensores ou elementos primários, instrumentos que estão em contacto com as unidades processuais e que integram um anel de controlo. São constituídos

Leia mais

Argamassa produzida em fábrica para revestimentos exteriores

Argamassa produzida em fábrica para revestimentos exteriores 1-5 Argamassa produzida em fábrica para revestimentos exteriores NOTA TÉCNICA 4 Informação Geral O tipo de argamassa usada para revestimentos exteriores vai depender do seu suporte, do tipo de parede e

Leia mais

Catálogo Geral

Catálogo Geral Catálogo Geral www.cfdoors.pt Painel de Frio Painel de Cobertura Painel Fachada Painel Fachada em Lã Rocha Painel Acústico Painel Cobertura Telha 2 Simbologia Simbologia dos revestimentos CF Doors identificando

Leia mais

Composite Placas compostas em zinco para fachadas ventiladas ou paredes cortina.

Composite Placas compostas em zinco para fachadas ventiladas ou paredes cortina. FACHADA Composite Placas compostas em zinco para fachadas ventiladas ou paredes cortina. Vantagens Estética dos acabamentos em VMZINC Planimetria e robustez excepcionais Grande dimensão dos painéis e estabilidade

Leia mais

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Aços e Ferros Fundidos O Ferro é o metal mais utilizado pelo homem. A abundância dos

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 www.patorreb.com Estrutura do Site Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-2

Leia mais

Tratamento de superfícies metálicas

Tratamento de superfícies metálicas Tratamento de superfícies metálicas Melhorar as propriedades de proteção das superfícies metálicas, promover novas características funcionais para favorecer tratamentos posteriores ou proporcionar um acabamento

Leia mais

Os materiais de proteção térmica devem apresentar:

Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Elevado calor específico Reduzida condutividade térmica Garantia de integridade durante a evolução do incêndio Resistência mecânica adequada Custo viável

Leia mais

Tratamento, Pintura, Proteção e Aços utilizados.

Tratamento, Pintura, Proteção e Aços utilizados. Tratamento, Pintura, Proteção e Aços utilizados. 1 I TRATAMENTO SUPERFICIAL DO AÇO: PROCESSO UTILIZADO: Spray pressurizado aquecido e envolvente de alta pressão. FUNÇÕES: Remover todas as impurezas da

Leia mais

S0200V. Ficha técnica do produto Agosto de 2006 (atualização de novembro de 2014) Primário P

S0200V. Ficha técnica do produto Agosto de 2006 (atualização de novembro de 2014) Primário P Ficha técnica do produto Agosto de 2006 (atualização de novembro de 2014) ESPECIALISTA INTERNACIONAL PARA USO EXCLUSIVAMENTE PROFISSIONAL Produto Primário P565-625 Descrição P565-625 Primário - verde acinzentado

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS JUIZ DE FORA PET MECATRÔNICA/BSI MINICURSO: SOLDAGEM DE COMPONENTES ELETRÔNICOS

INSTITUTO FEDERAL DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS JUIZ DE FORA PET MECATRÔNICA/BSI MINICURSO: SOLDAGEM DE COMPONENTES ELETRÔNICOS MINICURSO: SOLDAGEM DE COMPONENTES ELETRÔNICOS Henrique Pereira Rodrigues Juiz de fora 2012 SUMÁRIO 1. Introdução 2. O Que é Soldagem? 3. O Ferro de Solda 4. Limpeza e Manutenção do Ferro de Solda 4.1.

Leia mais

TECNOLOGIAS E APLICABILIDADE DAS TINTAS IMOBILIÁRIAS

TECNOLOGIAS E APLICABILIDADE DAS TINTAS IMOBILIÁRIAS TECNOLOGIAS E APLICABILIDADE DAS TINTAS IMOBILIÁRIAS FESTCOR A TINTA DO NORDESTE NOSSO MERCADO 1200 PDVS 320 CONSTRUTORAS NOSSOS PLAYERS Este é o Mundo Festcor CASE DE SUCESSO!!! CASE DE SUCESSO!!! CERTIFICADOS

Leia mais

LSF. É mais do que um método construtivo... É um conceito de habitação totalmente novo! Convidamo-lo a conhecer todas as vantagens.

LSF. É mais do que um método construtivo... É um conceito de habitação totalmente novo! Convidamo-lo a conhecer todas as vantagens. LSF É mais do que um método construtivo... É um conceito de habitação totalmente novo! Convidamo-lo a conhecer todas as vantagens. Segurança Segurança Segurança Segurança Conforto Conforto Conforto Conforto

Leia mais

O PODER DO QUARTZO AO SEU SERVIÇO

O PODER DO QUARTZO AO SEU SERVIÇO SILESTONE O PODER DO QUARTZO AO SEU SERVIÇO THE ORIGINAL A MELHOR SUPERFÍCIE EM QUARTZO PARA BANCADAS DE COZINHA, CASAS DE BANHO E PAVIMENTOS. PROTECÇÃO BACTERIOSTÁTICA Baseada em Tecnologia de Prata A

Leia mais

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR Seleção do processo de fundição Metal a ser fundido [C. Q.]; Qualidade requerida da superfície do fundido; Tolerância dimensional requerida

Leia mais

Em conformidade com os parâmetros abaixo recomendados na implementação do revestimento, você previne danos às pedras Preciosa.

Em conformidade com os parâmetros abaixo recomendados na implementação do revestimento, você previne danos às pedras Preciosa. Galvanização A galvanoplastia é um processo que utiliza a corrente elétrica contínua para a eliminação dos revestimentos finos dos metais a partir de uma solução dos seus sais em objetos condutores elétricos.

Leia mais

FORMAÇÃO DE CORROSÃO GALVÂNICA

FORMAÇÃO DE CORROSÃO GALVÂNICA FORMAÇÃO DE CORROSÃO GALVÂNICA EJC ENGENHARIA DE UTILIDADES WWW.EJCENGENHARIA.COM.BR CORROSÃO GALVÂNICA O aço inox ou o alumínio, quando utilizados em placas de identificação para vasos de pressão, através

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL

TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: QUÍMICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 5: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Aços e Ferros Fundidos O Ferro é o metal mais utilizado pelo homem.

Leia mais

Painel: Corrosão em Ativos de Geração

Painel: Corrosão em Ativos de Geração Painel: Corrosão em Ativos de Geração A Corrosão em Linhas de Transmissão e Subestações Alberto P. Ordine, Cristina C. Amorim, Elber V. Bendinelli, Marcos M. Sá Centro de Pesquisas de Energia Elétrica

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 158

Norma Técnica SABESP NTS 158 Norma Técnica SABESP NTS 158 Esquema de pintura para equipamentos e materiais metálicos não-ferrosos em contato direto com esgoto Especificação São Paulo Rev. 1 - Outubro - 2001 NTS 158 : 2001 Norma Técnica

Leia mais

ANOMALIAS DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS APLICADOS NA FAIXA COSTEIRA

ANOMALIAS DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS APLICADOS NA FAIXA COSTEIRA ANOMALIAS DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS APLICADOS NA FAIXA COSTEIRA Teresa de Deus Ferreira, Arq.ª, Mestre em Construção pelo Instituto Superior Técnico Jorge de Brito, Eng.º Civil, Professor Associado no

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 02. Introdução ao Estudo dos Materiais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 02. Introdução ao Estudo dos Materiais Aula 02 Introdução ao Estudo dos Materiais Prof. Me. Dario de Almeida Jané Introdução ao Estudo dos Materiais - Definição - Tipos de Materiais / Classificação - Propriedades dos Materiais Introdução ao

Leia mais

GRSS. MIG Brazing BRITE EURAM III. MIG Brazing

GRSS. MIG Brazing BRITE EURAM III. MIG Brazing MIG BRAZING O processo MIG BRAZING é um processo de SOLDABRASAGEM porque ocorre a fusão parcial do metal de base e a capilaridade é mínima. Soldagem Fusão do MA e MB; Soldabrasagem Fusão do MA e parcial

Leia mais

Alficlean 138 Produto sólido fracamente emulsionante, de aplicação universal; tempo de retenção elevado (tempo de vida do banho).

Alficlean 138 Produto sólido fracamente emulsionante, de aplicação universal; tempo de retenção elevado (tempo de vida do banho). Ciclo de Tratamento Desengordurantes alcalinos Aroclean 4117 Desengordurante em pó fracamente alcalino, com tensioactivos, isento de silicatos. Aplicação: desengorduramento por imersão de alumínio e suas

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO J-BOND (ACM)

MANUAL DE INSTALAÇÃO J-BOND (ACM) MANUAL DE INSTALAÇÃO J-BOND (ACM) J-BOND Os painéis de Alumínio (ACM), são compostos de duas chapas de alumínio unidas por uma camada de polietileno de baixa densidade. São fabricadas em processo contínuo

Leia mais

BONDEX CATÁLOGO DE PRODUTO

BONDEX CATÁLOGO DE PRODUTO BONDEX CATÁLOGO DE PRODUTO Gama Madeira Tratamentos Velaturas Vernizes Jardim Gama Metal Esmaltes anti-corrosivos Esmaltes Especialidades Decapantes Preparação da Madeira Tabela de preços / Códigos EAN

Leia mais

Tecnologias, Materiais e Técnicas de Construção V

Tecnologias, Materiais e Técnicas de Construção V Tecnologias, Materiais e Técnicas de Construção V 4.º Ano, 7.º semestre 4 ECTS / 4 h semanais 5. Vãos exteriores Vãos exteriores A medida, subjectiva, do conforto de um espaço interior depende, em grande

Leia mais

3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 1 3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO O processo de soldagem com eletrodo revestido é um processo no qual a fusão do metal é produzida pelo aquecimento de um arco elétrico, mantido entre a ponta

Leia mais

REVESTIMENTOS PARA PROTECÇÃO ANTICORROSIVA DE ESTRUTURAS METÁLICAS

REVESTIMENTOS PARA PROTECÇÃO ANTICORROSIVA DE ESTRUTURAS METÁLICAS REVESTIMENTOS PARA PROTECÇÃO ANTICORROSIVA DE ESTRUTURAS METÁLICAS Desempenho dos esquemas ICS (segundo a Norma EN ISO 12944) A NORMA EN ISO 12944 A Norma EN ISO 12944 é uma referência internacional na

Leia mais

MANUAL DE conservação e limpeza

MANUAL DE conservação e limpeza MANUAL DE conservação e limpeza 1 MAnual de conservação e limpeza Uma boa conservação e uma limpeza correta pode aumentar a durabilidade e também a estética do seu móvel. Este manual visa dar dicas e sugestões

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 153

Norma Técnica SABESP NTS 153 Norma Técnica SABESP NTS 153 Esquema de pintura para equipamentos e materiais plásticos expostos a raios solares Especificação São Paulo Maio - 2001 NTS 153 : 2001 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS 1. Em que consiste, de uma maneira geral, o tratamento térmico? R: Alterar as microestruturas das ligas metálicas e como conseqüência as propriedades

Leia mais

Discos de fibra COMBICLICK patenteado sistema refrigerado com troca rápida

Discos de fibra COMBICLICK patenteado sistema refrigerado com troca rápida iscos de fibra COMBICLICK patenteado sistema refrigerado com troca rápida COOL QUICK COMBICLICK TRUST BLUE Redução da carga térmica sobre a ferramenta e a peça trabalhada Alta taxa de remoção e vida útil

Leia mais

pro-sanit Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características

pro-sanit Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características Ficha técnica pro-sanit Perfil côncavo para colocação nos encontros entre paredes e pavimentos, ou entre revestimentos e banheiras, bases de duche ou outros equipamentos sanitários. Substitui a tradicional

Leia mais

Ficha técnica do produto Janeiro 2009 atualização de dezembro de 2014

Ficha técnica do produto Janeiro 2009 atualização de dezembro de 2014 Ficha técnica do produto Janeiro 2009 atualização de dezembro de 2014 ESPECIALISTA INTERNACIONAL PARA USO EXCLUSIVAMENTE PROFISSIONAL T8500V Primário epóxido sem cromato de alto rendimento P580-3501/-3502/-3503/-3504

Leia mais

Tinta acrílica especial para betão e reboco

Tinta acrílica especial para betão e reboco Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 03.203 Versão nº 1 Sikagard -660 ES Tinta acrílica especial para betão e reboco Descrição do produto Utilizações Características / Vantagens

Leia mais

PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11

PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11 PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil 1. PRODUTOS

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA. Construção Civil II

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA. Construção Civil II Curso: Engenharia Civil Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA Construção Civil II Aula 07 Pinturas Prof. Dr. Alberto Casado Lordsleem Jr. Sumário Aula 07 Pinturas Funções

Leia mais

CARACTERISTICAS TÉCNICAS

CARACTERISTICAS TÉCNICAS SISTEMA SMART light CARACTERISTICAS TÉCNICAS MOBILIDADE E FLEXIBILIDADE A NATUREZA AUTOPORTANTE DESTE PRODUTO, QUER NA VERSÃO PAREDE DIVISÓRIA, QUER NA PAREDE ARMÁRIO, TEM COMO BASE A SUA TOTAL MOBILIDADE,

Leia mais

Eletrodos Revestidos

Eletrodos Revestidos Eletrodos Revestidos O eletrodo revestido é um consumível composto formado por duas partes: uma metálica, chamada de alma, e outra na forma de massa, chamada de revestimento. Na soldagem de aços-carbono

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO E-CLPS 2100: PRÉ-TRATAMENTO NÃO CRÔMICO PARA ALUMÍNIO

BOLETIM TÉCNICO E-CLPS 2100: PRÉ-TRATAMENTO NÃO CRÔMICO PARA ALUMÍNIO BOLETIM TÉCNICO E-CLPS 2100 PRÉ-TRATAMENTO NÃO CRÔMICO PARA ALUMÍNIO Introdução O E-CLPS 2100 é um líquido isento de cromo hexavalente e fosfatos, que produzem sobre o alumínio e suas ligas uma película

Leia mais

7 Technological Constraints. est of tructural dhesives. connections. resistance. high

7 Technological Constraints. est of tructural dhesives. connections. resistance. high Oct. >> Dec. Jan. >> Apr. Apr. >> Sep. 7 Technological Constraints est of tructural dhesives high connections resistance 1 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS... 82 1.1 COLAGEM COM ADESIVOS ESTRUTURAIS... 82 2 ESTUDO

Leia mais

Materiais nanoestruturados. Desenvolvimento e aplicações nos revestimentos de proteção anticorrosiva Rute Fontinha e Manuela Salta

Materiais nanoestruturados. Desenvolvimento e aplicações nos revestimentos de proteção anticorrosiva Rute Fontinha e Manuela Salta Materiais nanoestruturados. Desenvolvimento e aplicações nos revestimentos de proteção anticorrosiva Rute Fontinha e Manuela Salta Departamento de Materiais Núcleo de Materiais Metálicos Materiais nanoestruturados

Leia mais

reações químicas Oxidação-redução

reações químicas Oxidação-redução reações químicas Oxidação-redução 8º ano JCR 11 Evolução dos conceitos Reacções de oxidação redução como troca de oxigénio Durante muito tempo, os químicos consideraram reacções de oxidação, qualquer reacção

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PINTURA NUMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-016 ET-65-940-CPG-016 1 / 7 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA EM

Leia mais

PORTA SECCIONADA PAINEL DUPLO

PORTA SECCIONADA PAINEL DUPLO PORTA SECCIONADA PAINEL DUPLO Constituído por vários painéis duplos de 500 e 600 mm com espessura 40 mm, estes painéis são constituídos pelo lado exterior e interior por chapa de aço pré-pintada com enchimento

Leia mais

Pilares Essenciais. sobre nós. Fundada em 1985 pelo Grupo Vitorelli. Objetivos fundamentais: Excelência no atendimento a clientes e consumidores

Pilares Essenciais. sobre nós. Fundada em 1985 pelo Grupo Vitorelli. Objetivos fundamentais: Excelência no atendimento a clientes e consumidores sobre nós Pilares Essenciais Fundada em 1985 pelo Grupo Vitorelli Objetivos fundamentais: Excelência no atendimento a clientes e consumidores Qualidade dos produtos sobre nós Estrutura Fabril Duas unidades

Leia mais

O especialista em Renovação de FACHADAS

O especialista em Renovação de FACHADAS A GAMA FACHADAS O especialista em Renovação de FACHADAS A pintura das fachadas dos edifícios tem por objetivos fundamentais: Proteger e Decorar. A proteção processa-se por efeito de barreira, ou seja,

Leia mais

Sistemas para paredes

Sistemas para paredes Sistemas para paredes Wall Tech Descrição geral Aplicações Integra-se perfeitamente aos sistemas de pisos em MMA, formando um sistema monolítico único. Ideal para ambientes internos, é aplicável diretamente

Leia mais

Novo Revestimento. para Fachadas. para Fachadas

Novo Revestimento. para Fachadas. para Fachadas Novo Novo Revestimento Revestimento para Fachadas para Fachadas Hempacryl Advance 59910 Revestimento para fachadas Acabamento mate liso Máxima resistência e durabilidade Sistema anti-carbonatação Resistente

Leia mais

# $ %&' ( ) # " # % " *! " $ % + (, " $ - & "! "! " $ %&. ' ( ) #! " $ %' & +!

# $ %&' ( ) #  # %  *!  $ % + (,  $ - & ! !  $ %&. ' ( ) #!  $ %' & +! / 0 1 0 2 5 4 4 0 3 4 4 ORIGINAL REV. A REV. B REV. C REV. D REV. E REV. F REV. G DATA 01.09.99 01.09.99 10.07.00 EXECUÇÃO J.S. J.S. J.S. VERIFICAÇÃO J.S. J.S. J.S. APROVAÇÃO 6 1.0 0BJETIVO O objetivo

Leia mais

Resina Acrilica Premium Kokar. ACABAMENTO: Disponível no acabamento brilhante.

Resina Acrilica Premium Kokar. ACABAMENTO: Disponível no acabamento brilhante. 1 44 BT006 1/ 5 1. 2. 3. 4. 5. DESCRIÇÃO: É um produto formulado especialmente para proteger e realçar a tonalidade natural de pedras, pisos porosos, tijolos aparentes e telhados. Forma uma película brilhante,

Leia mais

Processo, Aplicações e Técnicas

Processo, Aplicações e Técnicas INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Processo, Aplicações e Técnicas Professor: Anderson Luís Garcia Correia Unidade Curricular de Processos de Soldagem 27 de abril de

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO J-BOND (ACM)

MANUAL DE INSTALAÇÃO J-BOND (ACM) MANUAL DE INSTALAÇÃO J-BOND (ACM) J-BOND Os painéis de Alumínio (ACM), são compostos de duas chapas de alumínio unidas por uma camada de polietileno de baixa densidade. São fabricadas em processo contínuo

Leia mais

FQ-PD-05 FICHA TÉCNICA. Rev.: 02 Pág.: 1/5. Criado: 11/08/2016. Atualizado: 05/06/ PRODUTO: Multi Porcelanato Interno

FQ-PD-05 FICHA TÉCNICA. Rev.: 02 Pág.: 1/5. Criado: 11/08/2016. Atualizado: 05/06/ PRODUTO: Multi Porcelanato Interno Rev.: 02 Pág.: 1/5 1. PRODUTO: Multi Porcelanato Interno 2. DESCRIÇÃO: A Multi Porcelanato Interno é uma argamassa colante especial para assentamento de peças cerâmicas tipo porcelanato em áreas internas.

Leia mais

Nós temos a solução!

Nós temos a solução! Nós temos a solução! Preservação de ativos com a mais alta Tecnologia Cortec VpCI A Cortec Presserv do Brasil é o distribuidor exclusivo dos produtos fabricados pela Cortec Corporation no Brasil. Além

Leia mais

Aparelho Epóxi HS Isento de Cromato -

Aparelho Epóxi HS Isento de Cromato - Ficha Técnica do Produto Junho 2010 EXCLUSIVO PARA USO PROFISSIONAL Aparelho Epóxi HS Isento de Cromato - Bege P580-4023 Produto Descrição P580-4023 Aparelho Epóxi Isento de Cromato bege P210-984 Endurecedor

Leia mais

ZAMAC MEGA ZINCO METAIS

ZAMAC MEGA ZINCO METAIS ZAMAC MEGA ZINCO METAIS Zinco Alumínio Magnésio Cobre 1 ZAMAC - Composição Química COMPOSIÇÃO QUÍMICA DAS LIGAS DE ZINCO ASTM B 240 07 - LINGOTES Elemento Químico ZAMAC 3 ZAMAC 5 Zamac 8 Alumínio - Al

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL 1

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL 1 Universidade Federal de Alagoas Campus do Sertão Eixo de Tecnologia TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL 1 Aula 7 Esquadrias Prof. Alexandre Nascimento de Lima Delmiro Gouveia, outubro de 2017. Introdução São

Leia mais

Robustez e agilidade de montagem comprovada por situações reais de emergência.

Robustez e agilidade de montagem comprovada por situações reais de emergência. Precisão, segurança, facilidade de montagem e manutenção, fazem da TET a ferramenta perfeita para suas equipes de emergência e manutenção de linhas de transmissão de até 500 kv. Estrutura projetada pela

Leia mais

LL-SAL DE SELAGEM NF

LL-SAL DE SELAGEM NF Patentes: Italiana, Européia, USA, Canadá e México. DESCRIÇÃO O produto permite a selagem da camada anódica do Alumínio Anodizado e suas ligas, operando num intervalo de temperatura de 26 ºC a 30 ºC. A

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/1)

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/1) ENG 2333 (2016/1) Aula 13 Pintura PINTURA Camada de recobrimento de uma superfície, com funções protetora e decorativa, obtida pela aplicação de tintas e vernizes, através de técnicas específicas. SISTEMA

Leia mais

Materiais utilizados na Industria Eléctrica e Electrónica. Rogério Monteiro 1

Materiais utilizados na Industria Eléctrica e Electrónica. Rogério Monteiro 1 Materiais utilizados na Industria Eléctrica e Electrónica Rogério Monteiro 1 Classificação geral dos materiais A grande variedade de utilizações determina um total conhecimento das características dos

Leia mais

P o d e s e r u t i l i z a d o c o m o r e v e s t i m e n t o i n t e r m e d i á r i o e m a p l i c a ç õ e s t é c n i c a s.

P o d e s e r u t i l i z a d o c o m o r e v e s t i m e n t o i n t e r m e d i á r i o e m a p l i c a ç õ e s t é c n i c a s. AÇOS REVESTIDOS Além dos acabamentos de superfície convencionais, a tira relaminada pode ainda ser revestida superficialmente pelos mais diversos metais com propósitos técnicos, decorativos ou outros fins,

Leia mais

Máxima higiene e ergonomia. Segurança máxima. Outras vantagens

Máxima higiene e ergonomia. Segurança máxima. Outras vantagens Máxima higiene e ergonomia. O Nylon utilizado na fabricação das nossas barras é de muito elevada qualidade. A sua superfície é perfeitamente homogénea e sem porosidades de forma a assegurar uma boa higiene

Leia mais