SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO LOCAL E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE MÓDULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO LOCAL E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE MÓDULO"

Transcrição

1 SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO LOCAL E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE MÓDULO Práticas de Democracia Participativa em Porto Alegre: Orçamento Participativo e Governança Solidária Local Colaboração: Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Agosto de 2009

2 1. ANTECEDENTES E CONTEXTO INTRODUÇÃO - Um novo paradigma para a cidade de Porto Alegre A expansão democrática, aliada aos avanços científicos e tecnológicos e a crescente consciência do papel dos cidadãos na condução dos seus destinos, trouxe à tona uma nova expressão do viver em sociedade. A sociedade do século XXI reflete o fortalecimento de cidadãos mais conscientes; o alastramento de organizações não-governamentais e o crescimento do número de empresas socialmente responsáveis atores sociais que introduzem na agenda mundial movimentos conectados e uma cidadania em rede cada vez mais atenta e articulada. Entre as sombras e as luzes da globalização, surge uma nova visão de progresso e civilização: a sustentabilidade do planeta e da humanidade depende do estreitamento das relações de confiança, solidariedade, cooperação e espírito cívico de comunidades. É neste ambiente, favorável à abertura de novos espaços para a participação democrática e ao crescimento da gestão participativa, que os governos estruturados a partir de conceitos, modelos e arquiteturas arcaicas e ultrapassados precisam adequar-se para oferecer respostas à altura dos novos tempos. O Contexto Brasileiro - A formação da sociedade brasileira As mudanças que transformaram o país de agrário-exportador para urbano-industrial (chegando a alcançar o oitavo PIB mundial), acrescentaram a população das cidades mais de 60 milhões de pessoas, 29 milhões somente durante os anos 80, passando as áreas urbanas a concentrar, hoje, 80% da população (IBGE, 2000). Apesar da melhora de alguns indicadores sociais (diminuição da mortalidade infantil, aumento da expectativa de vida e da taxa de escolarização), essa modernização ocorreu mediante alta concentração de riquezas, de terras e de acesso seletivo aos equipamentos e serviços públicos, tornando os pólos de desenvolvimento no Brasil, principalmente as capitais e suas regiões metropolitanas, cenários emblemáticos da desigualdade social. Após o retorno das eleições diretas para prefeitos das capitais dos Estados, em 1985, a Constituição democrática de 1988 estabeleceu novo pacto federativo promovendo desconcentração dos recursos e descentralização administrativa com valorização do poder

3 local. De forma inédita, os municípios foram considerados entes da Federação, em que pese a reconcentração dos recursos e a simultânea transferência de políticas públicas para as instâncias locais a partir do ajuste fiscal, nos anos 90, iniciado no governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e continuado pela gestão do Presidente Lula a partir de 2002 (PT). Essas mudanças estruturais foram acompanhadas pelo surgimento, a partir do final da década de 1970 e início dos anos 80, de novos atores e movimentos sociais urbanos e de novas práticas político-culturais, no contexto de ampliação e de vitalização da sociedade civil durante a redemocratização, indicando que, apesar da crise social, formava-se um quadro fecundo de construção da esfera pública democrática no país. Esses atores de caráter plural e diversificado das classes populares adotaram ações coletivas ancoradas no discurso dos direitos da cidadania (universalização dos bens e dos serviços públicos) 1 e de enfrentamento com órgãos estatais, e com setores da iniciativa privada, superando em parte as relações de subordinação paternalista (a cultura da dádiva e do favor) e de troca clientelista, conforme mostra vasta literatura 2. Porto Alegre: - Crescimento urbano desigual e surgimento de novos atores Considerada uma das metrópoles brasileiras com melhor qualidade de vida do país 3, a capital do Estado do Rio Grande do Sul não ficou imune ao modelo de modernização conservadora. A migração do meio rural e das cidades do interior, em busca de empregos e de renda, elevou significativamente sua população e a da Região Metropolitana (RMPA). No período em que o país tornou-se urbano-industrial (décadas de ), o crescimento demográfico da cidade e da RMPA foram respectivamente de 27,1% e de 45,8%, acima da taxa média do Estado, de 16,6% 4. O número de habitantes passou de 635 mil nos anos 1960, para 1,125 milhão na década de Atualmente sua população é de cerca de 1,4 milhão. Porto Alegre, portanto, também sofreu o vertiginoso aumento da favelização em áreas irregulares ou clandestinas, públicas e/ou privadas fenômeno emblemático das desigualdades sociais nas metrópoles brasileiras. Na década de 1980, a cidade irregular e informal cresceu a taxas de 9% ao ano, enquanto a parte legal e formal dotada de infra- 1 A expressão cidadania ganhou espaço jamais visto na sociedade brasileira. Mas sua apropriação por discursos políticos ideologicamente antagônicos denota o caráter polissêmico do termo e determina a disputa histórica pela fixação do seu significado e dos seus limites (Telles, 1994; Dagnino, 1994). 2 As novas formas de ação coletiva incluíam barricadas nas ruas, assembléias nos locais de moradia, abaixo-assinados, concentrações em frente à Prefeitura, manifestos dirigidos à população em geral, denúncias nos meios de comunicação, mutirões dos moradores para realizar obras por conta própria. 3 Em 2000, o IDH-M (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal) elaborado pelo PNUD/IPEA/FJP foi de 0,865, reduzindo em 23,3% o hiato de desenvolvimento humano entre Hoje, a cidade é a primeira no IDH-M entre as metrópoles com mais de um milhão de habitantes (www.observapoa.com.br) (2006). 4 IBGE, IBGE, 2000

4 estrutura e de serviços públicos cresceu apenas 1,9% ao ano 6. A expulsão de favelas por programas de erradicação para áreas periféricas e sem infra-estrutura urbana, realizadas inicialmente com uso da força policial, e os programas clientelistas baseados em relações pessoalizadas entre detentores de poder e lideranças comunitárias, caracterizaram a relação do governo local com a população de baixa renda durante o período ditatorial ( ). Embora durante um longo período a relação entre Estado e sociedade tenha se caracterizado por laços autoritários e/ou de tutela, a história de Porto Alegre está repleta de fatos protagonizados por associações, clubes, federações e uniões de diversos tipos sejam comunitários, esportivos, defensores de alguma causa ou mesmo políticos. A primeira associação de bairro de Porto Alegre (denominada Associação dos Amigos do 4º distrito) foi constituída em 1945 e já em 1959 era criada a Federação das Associações de Bairro de Porto Alegre, depois chamada FRACAB. Em 1983, quando foi fundada a União das Associações de Moradores de Porto Alegre (UAMPA) existiam na capital gaúcha 170 associações de moradores 7. A Lei Orgânica em vigor na década de 30 previa a existência dos Conselhos Consultivos do Plano Diretor (1939), de Contribuintes (1948) e o de Serviços Públicos (1951), implantados e em funcionamento. Hoje, Porto Alegre conta com 18 Conselhos Municipais em funcionamento. Posteriormente assim como na expansão dos Conselhos Populares autônomos, na década de 80, e das Uniões de Vilas a implementação dos avanços trazidos pela Constituição de 1988, bem como a implantação e consolidação do Orçamento Participativo(OP) em Porto Alegre nos anos seguintes, trouxeram progressos e insuficiências na interação entre Estado e sociedade. De outro lado, enquanto consolidavase o OP, implantaram-se os Congressos da cidade, realizados no final dos anos 90 e início do ano 2000, que sinalizavam, em suas resoluções, a necessidade de renovação e integração dos diversos instrumentos participativos existentes. Como conseqüência a cidade começa a discutir novos modelos participativos. - A Volta das Eleições Diretas e a Construção do Orçamento Participativo(OP): Fruto de uma tradição que remonta ao inicio do século XX, Porto Alegre desenvolveu no decorrer do tempo uma invejável organização social e cidadã. Essa organização deu suporte a inúmeras manifestações populares que, em determinados momentos, foram decisivas, inclusive, na história do Brasil. Na resistência ao regime militar (o Brasil viveu uma 6 SPM/PMPA, Relatório preliminar: Mapa do Associativismo em Porto Alegre A Trajetória da Organização Popular em Porto Alegre: da década de 40 aos anos 80, Marcelo Kunrath Silva, Departamento de Sociologia UFRGS, outubro de 2006.

5 ditadura militar de 1964 a 1985) Porto Alegre esteve presente com suas organizações sociais, assim como nas greves dos anos 1970 e 1980 e nos movimentos de rua como as Diretas Já (1984/1985) e a Constituinte, que garantiram a volta do Estado Democrático de Direito ao Brasil (1988). Com a volta das eleições diretas para as capitais, em 1985, o trabalhismo histórico, representado pelo PDT Partido Democrático Trabalhista, chegou ao poder na Prefeitura Municipal. A partir deste pleito, consolidou-se uma nova relação entre o poder público municipal e os movimentos populares da cidade. O movimento comunitário demandava participação nas decisões de governo. Em 1988 criaram-se os Conselhos Populares através de Lei Municipal, potencializando e institucionalizando canais de participação direta das comunidades em Porto Alegre. Não obstante, a nova lei fusionava dois conceitos distintos, o de conselhos populares autônomos e o de conselhos institucionais de participação na administração pública. A criação dos 17 Conselhos Populares foi revista pelo novo governo em A Frente Popular (aliança entre o PT Partido dos Trabalhadores e o PCB - Partido Comunista do Brasil), que ganha as eleições em 1988, implanta o OP como modelo participativo. Ao assumir pela primeira vez o governo da capital obrigou tanto os novos dirigentes como os integrantes dos movimentos comunitários a refazerem seus discursos e reavaliarem suas estratégias e práticas, diante de uma realidade complexa e refratária a fórmulas pré-concebidas 8. O OP não deve ser compreendido como mera dedução programática dos partidos que assumiram a Prefeitura. Ao contrário, necessitou de aprendizagem coletiva, tanto dos governantes como dos representantes das comunidades na sociedade civil. O OP consiste em um processo de decisão da população sobre as prioridades de investimentos orçamentários da Prefeitura. Trata-se de um instrumento político que assegura a participação da população na definição das prioridades do Orçamento Público. Surge como resposta aos limites da democracia representativa, combinando características desta com outras da democracia direta, modernizando a relação entre o Estado e a sociedade através de um novo modelo de gestão democrática dos recursos públicos. A criação do OP resultou da sinergia entre pelo menos cinco variáveis: 1) a decidida vontade política dos novos governantes para democratizar a gestão sócio-estatal; 2) a efetividade das decisões compartilhadas, consignando credibilidade à participação; 3) a eficácia na gestão político-administrativa das demandas em geral; 4) a governabilidade financeira para responder às demandas e possibilitar a emergência de um ciclo virtuoso; e 8 A história da gênese social localizada no surgimento da ação coletiva dos movimentos populares urbanos no final da década de 1970, assim como o difícil e tortuoso processo de construção do OP em sua primeira etapa ( ), são abordados no livro O Poder da Aldeia. Gênese e História do Orçamento Participativo de Porto Alegre (Fedozzi, 2000a)..

6 5) a existência prévia de um tecido associativo crítico, condição fundamental que exerceu a necessária pressão de fora para dentro do Estado, para que as coisas acontecessem. A partir da experiência do OP em Porto Alegre, a participação da sociedade adquire novos contornos. A sociedade civil organizada e a administração pública passam a compartilhar as decisões orçamentárias. Desta forma, houve um redirecionamento de políticas públicas, ampliando o acesso aos serviços básicos e estimulando a organização e a participação social das comunidades, particularmente das periferias. O OP tornou-se referência nacional e internacional quando a ONU o selecionou como uma das 40 melhores experiências de gestão local para a Conferência Habitat II (Instambul, 1995). A idéia dos OP s tem inspirado a implantação de formas de participação no Brasil e em inúmeros países ainda que por vezes o viés da replicação mecânica. Paralelamente, neste período, foi iniciado um processo de descentralização administrativa através dos CARs, Centros Administrativos Regionais, que representam a presença da Prefeitura de forma organizada e institucional nas regiões da cidade. A legitimidade do OP pôde ser auferida em pesquisa realizada pelo Banco Mundial: 65,8% concorda totalmente que o OP é muito importante; 57,2%, da mesma forma, entende que ele amplia a democracia; 51,7% que ele aumenta a eficiência do governo; 53,6% que é a favor dos pobres; 56,9% que melhora a qualidade de vida. Cerca de 20% disseram já ter participado de reuniões do OP 9. Há dilemas que estão desafiando a capacidade dos atores envolvidos para dar a devida sustentabilidade qualitativa que os processos inovadores e de longo tempo requerem. A cidade tem procurado enfrentar estes desafios. Ao longo desta trajetória, houve avanços no que diz respeito à organização de parcelas da população em torno da luta por direitos universais de acesso à infra-estrutura urbana, às políticas públicas e aos serviços. Avanços na luta contra os preconceitos. Mas, como todo processo em construção, identifica-se insuficiências na sensibilização de enormes contingentes de desorganizados, de dispersos e de indiferentes com a riqueza do processo democrático. A coligação vitoriosa para a gestão 2005/2008 (PPS Partido Popular Socialista e PTB Partido Trabalhista Brasileiro), assumiu amplamente na campanha eleitoral, o compromisso em manter o OP e o Fórum Social Mundial em Porto Alegre e mudar as políticas insatisfatórias. 9 SPM/PMPA, 1991

7 Com a mudança de governo em 2005, além da continuação do Orçamento Participativo, o Governo inicia a implantação do Programa de Governança Solidária Local, como um novo mecanismo de democracia participativa. É importante frisar que a Rede de Participação Social de Porto Alegre, além dos dois instrumentos considerados emblemáticos na cidade, o Orçamento Participativo e a Governança Solidária Local, se expressa nos Fóruns Regionais de Planejamento e demais Fóruns Temáticos, nos Conselhos Setoriais Municipais, no papel dos Centros Administrativos Regionais e nas inúmeras organizações sociais e comunitárias autônomas que formam redes sociais e em permanente renovação na cidade. Esta diversidade de canais de interação entre sociedade e administração Pública Municipal tornou Porto Alegre cidade conhecida como a Capital da Participação. - Governança Solidária Local (GSL) A partir de 2005, a Prefeitura de Porto Alegre, após as eleições municipais que promoveram a troca no poder executivo, depois de 16 anos administrados pela mesma corrente política, colocou em prática uma profunda reformulação no seu modelo de gestão e relação com a sociedade. A tradição democrática da cidade inspirou a reflexão sobre novos modelos participativos, capazes de produzir resultados não necessariamente vinculados aos recursos públicos. Estruturadas a partir dos princípios da pluralidade 10, do diálogo 11, e do consenso 12, a expressão maior destas mudanças sintetiza-se no que os novos governantes denominaram Governança Solidária Local (GSL). O significado deste conceito de governo ampliou o debate em torno da viabilidade de transformações sociais democráticas comprometidas com o desenvolvimento local sustentável. A participação popular não se limita apenas a cobrar do Estado os direitos, tendo como foco apenas o orçamento governamental, mas procura descobrir e desenvolver os seus próprios ativos e dinamizar as suas potencialidades. A GSL é um padrão de produção de bens públicos e de desenvolvimento que se origina do protagonismo dos atores individuais e coletivos. O Programa de Governança Solidária Local, responsável pela aplicação do conceito de governo, trabalha para unificar as forças das comunidades, da iniciativa privada e do poder público em torno de projetos coletivos de desenvolvimento, inclusão social e sustentabilidade, estimula a compreensão de que o exercício da cidadania requer cooperação, atitude responsável e propositiva. O Programa atua como uma rede 10 Reconhecer que a sociedade é composta por múltiplas diferenças. 11 Contribuir para que a sociedade seja um sistema de conexões sempre aberto. 12 Promover a formação de uma comunidade de projeto e pactos de co-responsabilidade social pelo desenvolvimento local.

8 intersetorial e multidisciplinar que se organiza territorialmente para promover espaços de convivência capazes de potencializar a cultura da solidariedade e da coparticipação entre o governo e as comunidades locais. O PGSL busca, portanto, articular redes de participação democrática e comunitária em torno de sonhos coletivos nas 17 regiões da cidade e, em seguida, progressivamente, nos seus 82 bairros e nas suas 360 vilas. Este novo foco de compreensão da participação popular, que visa integrar os diversos atores sociais, na busca de soluções aos problemas comuns e instigar o desenvolvimento do capital social das comunidades, levou o município de Porto Alegre a ser premiado pelo Bureau da Expo Mundial de Shanghai, de 2010, como uma das melhores práticas urbanas do mundo. Porto Alegre ficou entre as 22 cidades selecionadas. ObservaPoa Observatório da Cidade de Porto Alegre O ObservaPoa Observatório da cidade de Porto Alegre, oferece um conjunto de estudos, pesquisas e informações, pormenorizadas acerca das regiões e bairros da cidade, fornecendo indicadores sociais, econômicos e de gestão. Estas informações apóiam o processo decisório do Orçamento Participativo, da Governança Solidária Local e da Rede de Participação da cidade. O georeferenciamento das informações por regiões e bairros tem um papel pedagógico e político. Trata-se de reforçar a identidade do local, promovendo o sentido de comunidade nas pessoas e na família. Novo Modelo de Gestão Historicamente, a administração de Porto Alegre, a exemplo do que ainda ocorre na grande maioria dos municípios brasileiros, executa suas políticas por secretarias, o que gera mecanismos limitados de gestão e barreiras que impedem a resolução mais eficaz dos problemas. Neste processo de renovação, a Prefeitura Municipal adotou novo modelo de gestão e passou a definir programas prioritários através do orçamento-programa, gerenciando suas ações com metas e indicadores de avaliação e monitoramento. Com o orçamento-programa, as ações e verbas são dirigidas de forma integrada, transversal e multidisciplinar. Os 12 programas, são desenhados de modo a serem implementados transversalmente em cada região do município.

9 2. OBJETIVOS DO MÓDULO Conforme previsto no Sistema Intermunicipal de Capacitação em Planejamento e Gestão Local Participativa, os módulos específicos elaborados por cada cidade membro, têm o objetivo geral de socializar as experiências que projetaram as respectivas cidades ou regiões como boas práticas de planejamento e de democracia participativa na gestão pública. O módulo oferecido por Porto Alegre tem como objetivos dos seus conteúdos previstos, principalmente os seguintes pontos: 1. Aquisição de bases teóricas e críticas sobre o Orçamento Participativo, a Governança Solidária Local, a rede de participação existente em Porto Alegre e seus instrumentos de apoio. 2. Compreensão dos principais conceitos utilizados pelas instituições e estruturas participativas que constituem o conteúdo do módulo. 3. Compreensão do caráter procedimental das inovações democráticas, que implicam potenciais emancipatórios e pontos fortes, mas, também, limites (intrínsecos ou não), desafios, riscos e pontos fracos em suas configurações históricas; 4. Proporcionar a compreensão da gênese do Orçamento Participativo e das variáveis que mais influenciaram no processo de construção da rede de democracia participativa da cidade; 5. Identificação dos pontos de articulação e de transversalidade do Orçamento Participativo, da Governança Solidária Local, do Observatório da Cidade com os demais temas de caráter globalizante sobre a democracia participativa e a estruturação de um Modelo de Gestão transversal que de conta da pluralidade de representação no cotidiano da administração. 3. RESULTADOS PEDAGÓGICOS ESPERADOS a) Compreensão da participação como processo e não só como instrumento, isto é, simultaneamente como meio e fim, que estão em relação dialética na permanente construção das inovações democráticas. A participação não-instrumental.

10 b) Aprendizagens de caráter teórico-conceitual sobre o modelo de participação exercido em Porto Alegre. c) Capacidade de identificar os avanços, os potenciais, os limites, os desafios e os riscos presentes na trajetória da experiência de Democracia Participativa da cidade; d) Capacidade de refletir sobre os conteúdos tratados por meio de comparações e análises sobre a realidade local dos participantes. e) Contribuir para construir uma consciência sobre a complexidade e a muldimencionalidade envolvidas nos processos participativos, que descartam tentativas de cópias ou replicações mecânicas. 4. DURAÇÃO DO CURSO O modulo tem uma duração de seis semanas, com doze sessões presenciais de uma hora e meia cada uma (18 horas). Em cada semana são duas sessões preferencialmente no mesmo dia (3 horas). 5. CARGA DE TRABALHO A carga de trabalho total do curso é de 18 horas. A carga complementar é composta por atividades extra-classe como horas de estudos das leituras obrigatórias e horas para o trabalho final, pessoal ou em grupos. 6. TRABALHO DE FIM DE MÓDULO O trabalho de final de curso poderá ser de caráter individual ou coletivo. As opções dependerão do perfil do público participante e de avaliação anterior ou durante o

11 desenvolvimento do curso. Basicamente, as opções poderão ser escolhidas entre as seguintes modalidades: a) um trabalho analítico com base na bibliografia adotada, nos materiais e nas discussões realizadas durante o curso; b) um relato analítico e crítico sobre uma experiência participativa que ocorre ou ocorreu na sua cidade ou região, a fim de exercitar o olhar sobre as potencialidades, as principais dificuldades, os pontos positivos e os limites (intrínsecos ou não) da experiência. 7. MODALIDADES PEDAGÓGICAS DE CADA SESSÃO Cada sessão, seja por teleconferência ou presencial, será iniciada com uma exposição sobre os conteúdos previstos no tempo aproximado de 45 min. As sessões exigem leitura prévia de materiais específicos (manuais) e/ou bibliografia indicada. Após a exposição, o tempo é dedicado à discussão entre o educador, os participantes e o capacitador ou monitor local. As sessões poderão contar também com trabalhos ou exercícios em grupos nos horários previstos na carga de trabalho. Também serão trazidos casos ilustrativos de situações concretas, problemas, dilemas e soluções nos conteúdos de cada uma das sessões. No final, será elaborada uma síntese dos conteúdos, das dúvidas ou críticas apontadas. 8. AVALIAÇÃO OU CERTIFICAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação dos participantes se dará com base em três critérios: 1. Participação ativa durante as sessões e os trabalhos (20%); 2. Presença nas sessões do curso sendo exigido 80% de presença, salvo justificativas por razões extraordinárias (40%) 3. Trabalho final do curso (40%).

12 4. Será considerado aprovado o aluno que obtiver no mínimo 70% de pontuação somando-se os três critérios. Os participantes que porventura não alcançarem esta média não receberão o certificado. Todavia, poderão cursar o módulo novamente. 9. DESCRIÇÃO DE CADA SESSÃO Sessão 1 - Contexto da emergência da participação em Porto Alegre e construção da Rede da Democracia Participativa Carga de trabalho: 2 horas. (18 h) Conteúdos: Contextualização histórica, nacional e local, na qual surgiu a prática da Democracia Participativa, em especial, o Orçamento Participativo e a Governança Solidária Local. Contexto e fundamentos para a construção de um Modelo de Gestão transversalizado frente aos desafios da contemporaneidade. A informação como instrumento fundamental para a participação social: O ObservaPOA Leituras prévias às sessões FEDOZZI, Luciano. Participação popular no governo municipal de Porto Alegre (Capítulo I) In: O poder da aldeia. Gênese e história do Orçamento Participativo de Porto Alegre. Tomo Editorial, 2000a. Manual Modelo de Gestão da Prefeitura de Porto Alegre. Sessão 2 - O Orçamento Participativo de Porto Alegre Carga de trabalho: 8 horas. (18 h) Conteúdos: A configuração do modelo do OP a partir do seu caráter indeterminado e da sinergia na relação entre Governo e sociedade civil. Exame crítico das interpretações institucionalistas sobre a gênese do OP, destacando a importância da ação coletiva, do associativismo e do capital social atuante na esfera pública local desde os anos Principais variáveis que contribuíram para a invenção do OP como forma de democracia participativa praticada em Porto Alegre. Princípios e conceitos do Orçamento Participativo de Porto Alegre. Estrutura, organograma e atores sociais da participação. O ciclo da orçamentação pública do OP. O processo de participação: etapas e modalidades.

13 Dinâmica de discussão da peça orçamentária. A metodologia para a distribuição dos recursos municipais. O Plano de Investimentos como produto e compromisso compartilhado. Perfil socioeconômico, associativo e avaliação dos integrantes do OP Leituras prévias às sessões Manual O que é e como funciona o Orçamento Participativo de Porto Alegre (PMPA e UFRGS). FEDOZZI, Luciano. Orçamento Participativo de Porto Alegre. Elementos para um debate conceitual. In: FISCHER, Nilton e MOLL, Jaqueline (orgs.) Por uma nova esfera pública. Rio de Janeiro: Vozes, 2000b. Sessão 3 - Governança Solidária Local Carga de trabalho: 4 horas. (18 h) Conteúdos: Conceitos da Governança Solidária Local: territorialidade, transversalidade, intersetorialidade e descentralização. Metodologia de construção de projetos Mecanismos de monitoramento das decisões acordadas Instrumentos de avaliação dos resultados e impactos Leituras prévias às sessões: Manual O que é e como funciona a Governança Solidária Local (PMPA) BUSATO, C. e VARGAS, P.. Governança Solidária Local. Fundamentos políticos da mudança em Porto Alegre, 2004 (brochura) Sessão 4 - Instrumentos de apoio à democracia participativa Carga de trabalho: 2 horas. (18 h) Conteúdos: Importância da informação para a prática participativa O que é e como funciona o Observatório da Cidade de Porto Alegre Potencialidades, limites e desafios do Observatório da Cidade O modelo de gestão estratégica: conceitos norteadores Gestão pública, participação e eficácia governamental: a nova estrutura de gestão da administração pública local, a elaboração de metas para o desenvolvimento local eqüitativo e sustentável; indicadores de avaliação e qualidade dos serviços públicos, prestação de contas. Leituras prévias às sessões: Textos:

14 FURTADO, Adriana. Observatório da Cidade de Porto Alegre - democratizando a informação. Jornada Avaliando a Participação Cidadã, IGOP, Barcelona, DOWBOR, Ladislau. Sistema Local de Informação e Cidadania. Rede RTS. Set FEDOZZI, Luciano. Observando o Orçamento Participativo de Porto Alegre. Análise histórica de dados: perfil social e associativo, avaliação e expectativas. Tomo Editorial, Sessão 5 - Resultados, pontos fortes, limites, pontos críticos, desafios e possibilidades da rede de participação Carga de trabalho: 2 horas. (18 h) Conteúdos: Principais resultados da participação: sociais, políticos e culturais Principais limites, pontos fracos e desafios da experiência até o momento Possibilidades de avanços e de mudanças da rede participativa Leituras prévias às sessões: FEDOZZI, Luciano. Orçamento Participativo de Porto Alegre: Potencialidades, limites e principais dilemas dessa invenção democrática contemporânea. Rio de Janeiro:Revista do CEBES, BANCO INTERNACIONAL DE RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO. Rumo a um Orçamento Participativo mais inclusivo e efetivo em Porto Alegre. Washington, DC, (versão completa 10. BIBLIOGRAFIA CABANNES, Yves. Perguntas freqüentes sobre OP. BANCO INTERNACIONAL DE RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO. Rumo a um Orçamento Participativo mais inclusivo e efetivo em Porto Alegre. Washington, DC, (versão completa ) BUSATO, C. e VARGAS, P.. Governança Solidária Local. Fundamentos políticos da mudança em Porto Alegre, 2004 (brochura) DOWBOR, Ladislau. Sistema Local de Informação e Cidadania. Rede RTS. Set FEDOZZI, Luciano. Participação popular no governo municipal de Porto Alegre (Capítulo I) e Iniciando a experiência do OP: a prática como critério da verdade? (Capítulo II). In: O poder da aldeia. Gênese e história do Orçamento Participativo de Porto Alegre. Tomo Editorial, 2000a.. Observando o Orçamento Participativo de Porto Alegre. Análise histórica de dados: perfil social e associativo, avaliação e expectativas. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2007.

15 .Orçamento Participativo de Porto Alegre. Elementos para um debate conceitual. In: FISCHER, Nilton e MOLL, Jaqueline (orgs.) Por uma nova esfera pública. Rio de Janeiro: Vozes, 2000b.. Orçamento Participativo de Porto Alegre: Potencialidades, limites e principais dilemas dessa invenção democrática contemporânea. Rio de Janeiro:Revista do CEBES, FURTADO, Adriana. Observatório da Cidade de Porto Alegre - democratizando a informação. Jornada Avaliando a Participação Cidadã, IGOP, Barcelona, RIBEIRO, A. C. E GRAZIA, G. Experiências de Orçamentos Participativos no Brasil. FNPP. Vozes, 2003 RIBEIRO, L. C. Q. e SANTOS JUNIOR, O. A. (orgs). Globalização, fragmentação e reforma urbana: o futuro das cidades brasileiras na crise. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, SINTOMER, Y.; HERZBERG, C.; RÖCKE, A. Participatory Budgeting in Europe: Potentials and Challenges. Berlin: International Journal of Urban Regional Research. v. 32, n. 1, p , URB-AL - Seminário Financiamento Local e Orçamento Participativo. Rede 9. Documento Base, 2006 (mimeo) VERLE, J e BRUNET, L. Um novo mundo em construção. Porto Alegre:Guayí, BUSATTO, Cezar, FEIJÓ, Jandira (2006). A era dos vagalumes: o florescer de uma nova cultura política. Porto Alegre: Editora ULBRA, 2006 FEIJÓ, Jandira e FRANCO, Augusto (orgs.) (2008): Olhares sobre a experiência da Governança Solidária Local de Porto Alegre. Porto Alegre: edipucrs / CMDC, CASTELLS, Manuel. (1999). A Sociedade em Rede: A era da informação: economia, sociedade e cultura, v.1 São Paulo: Editora Paz e Terra. LEVY, Pierre (1998). A inteligência coletiva: Por uma antropologia do ciberespaço, Edições Loyola UGARTE, David (2007). El poder de las redes: manual ilustrado para personas, colectivos y empresas abocados al ciberactivismo. Já existe tradução brasileira (editada como livro, em papel, com apresentação de Augusto de Franco): O poder das redes. Porto Alegre: CMDC/ediPUCRS, FRANCO, Augusto (2004): O lugar mais desenvolvido do mundo (WORD) O_lugar_mais_desenvolvido_do_mund o_-_reeditado1.html FRANCO, Augusto (2008). A independência das cidades. Disponível para download em = 09.html

Secretaria de Coordenação Política e Governança Local

Secretaria de Coordenação Política e Governança Local Governança Solidária Local O exemplo de Porto Alegre Secretaria de Coordenação Política e Governança Local Porto Alegre / RS / Brasil Brasília 2.027 Km Buenos Aires 1.063 Km Montevidéu 890 Km Assunção

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social. Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis

Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social. Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis O que é? Um mecanismo (ou processo) pelo qual a população

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Democracia participativa p e cultura cidadã. Porto Alegre, 25 de novembro de 2011

Democracia participativa p e cultura cidadã. Porto Alegre, 25 de novembro de 2011 Democracia participativa p e cultura cidadã Porto Alegre, 25 de novembro de 2011 Da Reivindicação à Wikicidadania INOVAÇÕES DA PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA INOVAÇÕES DA PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA E DA GESTÃO

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Programa de Governança Solidária Local

Programa de Governança Solidária Local Programa de Governança Solidária Local A partir de 2005, a Prefeitura de Porto Alegre colocou em prática uma profunda reformulação no seu modelo de gestão e relação com a sociedade. Estruturadas a partir

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva Mostra de Projetos 2011 Cozinha Escola Borda Viva Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

ANTONIO CARLOS NARDI

ANTONIO CARLOS NARDI ANTONIO CARLOS NARDI QUE DEMOCRACIA QUEREMOS? A conquista do estado democrático de direito na década de 1980 no Brasil, após longo período burocrático-autoritário, trouxe o desafio de construção de uma

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Belo Horizonte: aspectos demográficos e econômicos Cidade planejada

Leia mais

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes Com o objetivo de garantir a presença da população na construção e no planejamento de políticas públicas, o Governo de Minas Gerais instituiu

Leia mais

Governança Solidária Local. Secretaria Municipal de Coordenação Política e Governança Local

Governança Solidária Local. Secretaria Municipal de Coordenação Política e Governança Local Governança Solidária Local Secretaria Municipal de Coordenação Política e Governança Local Fundamentos da Governança Solidária Local Induzir o Desenvolvimento Local Poder Público Criação de ambiente favorável

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA An Innovations in Technology and Governance Case Study Desde o final dos anos 1980, diversos governos

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela Planejamento Estratégico de Estrela 2015 2035 O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planejamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e ações serão

Leia mais

SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007

SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007 SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007 Informações gerais da cidade Ofertas de capacitação Demandas de capacitação

Leia mais

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região.

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região. Agenda 21 Comperj Iniciativa voluntária de relacionamento da Petrobras para contribuir para que o investimento na região retorne para a população, fomentando a formação de capital social e participação

Leia mais

Política cultural: Brasil; SP; São Paulo

Política cultural: Brasil; SP; São Paulo Política cultural: Brasil; SP; São Paulo Antônio Eleilson Leite eleilsonleite@hotmail.com São Paulo, maio, 2014 Política cultural Nacional As três dimensões da cultura: simbólica, cidadã e econômica Fortalecimento

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio aos Fóruns, Comitês, Associações

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Coordenação Técnica Agosto/2010. Iniciativa

Coordenação Técnica Agosto/2010. Iniciativa Coordenação Técnica Agosto/2010 Iniciativa FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL NOSSA CAUSA O Itaú, por meio da Fundação Itaú Social, se dedica a formular, implantar e disseminar metodologias voltadas à melhoria de políticas

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Observatórios do Trabalho

Observatórios do Trabalho Observatórios do Trabalho O que são? Ferramentas de estudo, análise e de apoio ao diálogo social e à elaboração de políticas públicas de emprego, trabalho e renda e de desenvolvimento local / regional.

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014 EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA Abril / 2014 Reflexão Inicial Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. (Paulo Freire) Mundo em Crise 30 mil crianças morrem

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Dimensão formativa do programa voltada à educação para a cidadania

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

Avaliação da Descentralização de Programas Sociais o caso do Bolsa Família no Nordeste V Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Campinas, 27/09/2013 Cátia Wanderley Lubambo FUNDAJ/UFPE

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Capacitação Gerencial PST

Capacitação Gerencial PST Capacitação Gerencial PST Secretaria Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social SNELIS Ministério do Esporte Direito Social É dever do estado fomentar práticas desportivas formais e não formais:

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias Relato de experiência de um agente social sobre suas atividades com as comunidades do município de Santa Maria- RS, através do

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Dezembro/2011 Instrumentos da Política SocioAmbiental Linhas de Instituições Financiamento participantes da pesquisa Participação de

Leia mais

"Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq

Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq "Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento UNICAMP/CNPq AGENDA Redes- Conceitos e Tipos Pressupostos Formas de Organização da Ação Coletiva na Sociedade Brasileira

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI O Processo de Construção do SNC Teresina-PI 04/Dez/2012 A Importância Estratégica do SNC Após os inúmeros avanços ocorridos nos últimos anos no campo da cultura

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais