DIREITO INTERNACIONAL DAS ÁGUAS E CONVENÇÃO SOBRE AS BACIAS HIDROGRÁFICAS LUSO-ESPANHOLA S. António Gonçalves Henriques 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITO INTERNACIONAL DAS ÁGUAS E CONVENÇÃO SOBRE AS BACIAS HIDROGRÁFICAS LUSO-ESPANHOLA S. António Gonçalves Henriques 1"

Transcrição

1 O Direito Internacional das Águas e a Convenção de Albufeira sobre as Bacias Hidrográficas Luso-Espanholas António Gonçalves Henriques António Gonçalves Henriques 1

2 Origens do direito da água Direito costumeiro: prioridade em função da antiguidade; prioridade aos utilizadores de montante; obrigação de não causar danos a terceiros ( sic utere tuo ut alienam non laedas ). Evoluções: Relações de vizinhança tradicionais Relações de grupos de interesses. Partilha do recurso Controlo da poluição (usos da água) Protecção do ambiente. Relações entre Regiões e entre Estados. António Gonçalves Henriques 2

3 Relações internacionais 263 grandes bacias hidrográficas internacionais. 45% da área continental do planeta 40% da população mundial. 60% do escoamento anual do planeta. António Gonçalves Henriques 3

4 Relações internacionais António Gonçalves Henriques 4

5 Relações internacionais António Gonçalves Henriques 5

6 Relações internacionais António Gonçalves Henriques 6

7 Relações internacionais António Gonçalves Henriques 7

8 Relações internacionais António Gonçalves Henriques 8

9 Relações internacionais António Gonçalves Henriques 9

10 Convenção das Nações Unidas de 1997 Convenção sobre o Direito dos Usos Distintos da Navegação dos Cursos de Água Internacionais Nações Unidas, Maio de 1997 Adoptada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 1997, por 103 votos a favor, 3 contra e 27 abstenções. Ainda não entrou em vigor, porque aguarda ratificação de 35 Estados. António Gonçalves Henriques 10

11 Convenção das Nações Unidas de 1997 Resultou da aplicação das regras do direito costumeiro. Só os Estados ribeirinhos têm direito à água. Fornece uma alternativa às teorias clássicas: Soberania territorial absoluta (teoria de Harmon). Integridade absoluta do curso de água. Princípios de uso equitativo e de não causar dano. António Gonçalves Henriques 11

12 Convenção das Nações Unidas de Artigos divididos em 7 Partes: Parte II - Princípios Gerais. Parte III - Medidas Planeadas. Parte IV - Protecção, Preservação e Gestão. Parte V - Condições Susceptíveis de Causar Danos e Situações de Emergência. Artigo 33º - Resolução de Diferendos. Resolução de diferendos quando não há acordos bilaterais específicos. Base para a elaboração de novos acordos. Interpretação de acordos existentes (Gabcíkovo- Nagymaros). António Gonçalves Henriques 12

13 Convenção das Nações Unidas de 1997 Curso de água : sistema de águas superficiais e subterrâneas que constituem, em razão da sua relação física, um conjunto unitário, e que normalmente flúem para um terminus comum. Curso de água internacional : curso de água com parcelas situadas em Estados diferentes. Estados ribeirinhos : Estados que partilham as diferentes parcelas de um curso de água internacional. Exclusão dos aquíferos confinados. António Gonçalves Henriques 13

14 Convenção das Nações Unidas de 1997 Artigo 5º - direito de cada Estado ribeirinho ao uso equitativo e razoável dos recursos hídricos de um curso de água internacional, compatível com a protecção adequada do curso de água e o dever de participar com os restantes Estados ribeirinhos na protecção e no desenvolvimento desse curso de água. António Gonçalves Henriques 14

15 Convenção das Nações Unidas de 1997 Artigo 6º - factores e circunstâncias que permitem determinar se um uso é equitativo e razoável: características naturais da bacia hidrográfica, necessidades de água, passadas, presentes e previsíveis, meios alternativos para satisfazer as necessidades de água, sustentabilidade dos usos, evitar danos desnecessários, possibilidade de compensação dos danos. António Gonçalves Henriques 15

16 Convenção das Nações Unidas de 1997 Artigo 7º - obrigação de os Estados ribeirinhos tomarem as medidas para prevenir, minimizar ou eliminar os danos significativos que possam afectar os demais Estados ribeirinhos. Artigo 8º - dever de os Estados ribeirinhos cooperarem na protecção e no desenvolvimento dos cursos de água. Artigo 9º - troca de informações. Artigo 10º - não há usos prioritários; devem ser tidos em conta as necessidades humanas vitais. António Gonçalves Henriques 16

17 Convenção das Nações Unidas de 1997 Parte III - Novas actividades. Parte IV - Protecção, Preservação e Gestão. Artigo 20º - dever de protecção e preservação dos ecossistemas aquáticos. Artigo 21º - dever de prevenir, reduzir e controlar a poluição dos cursos de água internacionais. Artigo 22º - dever de prevenir a introdução de espécies alienígenas ou de novas espécies. Artigo 23º - medidas necessárias para proteger e preservar o meio marinho, incluindo os estuários. Artigo 24º - consultas relativas ao planeamento do desenvolvimento sustentável e à promoção de medidas de protecção e controlo do curso de água. António Gonçalves Henriques 17

18 Convenção das Nações Unidas de 1997 Artigo 25º - dever de participação na regularização dos cursos de água internacionais, incluindo a comparticipação de despesas de construção e manutenção de infra-estruturas. Artigo 26º - dever de manutenção e protecção das instalações. Parte V - Condições susceptíveis de causar danos e situações de emergência. Artigo 27º - dever de prevenir ou minimizar as condições susceptíveis de causar dano. Artigo 28º - dever de notificação imediata de situações de emergência. Artigo 33º - mecanismo de resolução de conflitos. António Gonçalves Henriques 18

19 Convenção de Helsínquia de 1992 prevenção controlo e redução da poluição das águas; protecção e uso equitativo das águas transfronteiriças; implementação de programas de monitorização conjuntos; troca de informação sobre as acções que podem afectar as águas transfronteiriças; consultas através de um órgão conjunto; António Gonçalves Henriques 19

20 Convenção de Helsínquia de 1992 avaliação de impacte ambiental transfronteiriço; implementação de sistemas de aviso e alerta em situações críticas; ajuda mútua em situações críticas; mecanismos para a resolução de diferendos. António Gonçalves Henriques 20

21 Convenção de Espoo de 1991 avaliação do impacte ambiental transfronteiriço; notificação e consulta das partes afectadas; participação do público; análise a posteriori e monitorização; implementação de programas de gestão ambiental integrados; programas de investigação; mecanismos para a resolução de conflitos. António Gonçalves Henriques 21

22 Bacias Hidrográficas Luso-Espanholas António Gonçalves Henriques 22

23 CONDIÇÕES NATURAIS Condições hidrológicas naturais: Grande variação espacial e temporal, Precipitação anual média: 920 mm - variação < 500 mm ~ 2000 mm - concentrada em 50 ~ 90 dias por ano - estação húmida: Outubro ~ Abril (irregular) - grande variação de ano para ano - sequências de anos secos (precipitação inferior à média). Escoamento anual médio: 350 mm - variação < 100 mm ~ 1000 mm - 80% do território em formações com baixa capacidade de armazenamento de água. - maioria dos cursos de água seca na estação seca (Maio ~ Outubro). António Gonçalves Henriques 23

24 CONDIÇÕES NATURAIS Eventos frequentes de precipitação intensa. Cheias de curta duração e caudais elevados. Vários meses com precipitação reduzida. Vários anos com precipitação inferior à média. Para garantir o abastecimento de água em condições de fiabilidade é necessário criar infra-estruturas de armazenamento de água que permitam suprir os défices nos períodos secos. António Gonçalves Henriques 24

25 USOS DA ÁGUA Procura de água: A água é um factor chave para a agricultura. A rega é indispensável para suprir o défice de precipitação na estação seca e nos anos secos. A agricultura é o sector com maiores consumos de água. 7% 9% 5% Agricultura Ab.doméstico Indústria Outros 79% António Gonçalves Henriques 25

26 MODIFICAÇÕES DO REGIME HÍDRICO Caudais baixos: Durante a estação seca a maior parte do escoamento dos pequenos cursos de água é de caudais de retorno dos usos da água. Devido à produção hidroeléctrica o regime de caudais a jusante das centrais tem variações instantâneas fortes. Os ecossistemas aquáticos estão adaptados a situações de stress hídrico. António Gonçalves Henriques 26

27 RECURSOS HÍDRICOS DE PORTUGAL E ESPANHA unidades Espanha Portugal Total Espanha Portugal Área km ,7% 15,3% milhões de População habitantes 36,8 9,4 46,225 79,7% 20,3% Precipitação anual média mm ,2% 126,7% hm Evapotranspiração real mm ,9% 106,1% Precipitação útil mm ,2% 165,4% hm Precipitação útil por hab. m3/hab/ano ,8% 124,1% Recarga dos aquíferos mm ,7% 112,6% hm Recursos potenciais nacionais hm ,5% 20,4% internacionais hm total hm Recursos pot específicos mm ,4% 221,7% Recursos potenciais por hab m3/hab/ano ,0% 166,4% Recursos utilizáveis nacionais hm ,8% 15,2% internacionais hm total hm Recursos util específicos mm Recursos utilizáveis por hab m3/hab/ano ,4% 106,3% António Gonçalves Henriques 27

28 Acordos sobre os Rios Luso-Espanhóis 1864 Tratado de Limites Regras de Uso dos Troços Fronteiriços dos Rios Internacionais Convenção de Limites Convenção para regular o Uso do Troço Internacional do Douro Convenção para o Uso do Troço Internacional do Rio Douro e dos seus Afluentes Convenção para o Uso dos Troços Internacionais dos Rios Minho, Lima, Tejo, Guadiana e Chança e dos seus Afluentes António Gonçalves Henriques 28

29 Motivos da Convenção O aumento dos consumos de água em Espanha causou um decréscimo significativo dos caudais (em alguns casos 50% de decréscimo nos últimos 50 anos). O aumento da regulação do regime hidrológico provocou a artificialização do regime de caudais com maior variação e, em geral, menores caudais na estação seca. O aumento das descargas de águas residuais e a redução dos caudais de estiagem provocou o aumento da poluição - orgânica, nitratos, químicos. O aumento do regadio provocou um acentuado acréscimo da salinidade dos caudais. António Gonçalves Henriques 29

30 Directiva-Quadro da Água Coordenação dos objectivos gerais de qualidade da água : estado ecológico e estado químico, para as águas de superfície, potencial ecológico e estado químico, para os meios hídricos artificiais ou fortemente modificados, estado quantitativo e estado químico, para as águas subterrâneas António Gonçalves Henriques 30

31 Directiva-Quadro da Água Coordenação dos objectivos específicos de qualidade da água : qualidade das águas para a produção de água para consumo humano, águas balneares, protecção de habitats, coordenação dos programas de medidas para alcançar os objectivos; coordenação dos planos de gestão de bacia hidrográfica; António Gonçalves Henriques 31

32 Directiva-Quadro da Água coordenação das autoridades de gestão das águas das bacias hidrográficas; monitorização harmonizada das águas e dos ecosistemas aquáticos; permuta de informação sobre o estado das águas e sobre os usos da água; mediação da Comissão Europeia (sobre as questões da aplicação do direito Comunitário); participação do público. António Gonçalves Henriques 32

33 Convenção de Helsínquia de 1992 prevenção controlo e redução da poluição das águas; protecção e uso equitativo das águas transfronteiriças; implementação de programas de monitorização conjuntos; troca de informação sobre as acções que podem afectar as águas transfronteiriças; consultas através de um órgão conjunto; António Gonçalves Henriques 33

34 Convenção de Helsínquia de 1992 avaliação de impacte ambiental transfronteiriço; implementação de sistemas de aviso e alerta em situações críticas; ajuda mútua em situações críticas; mecanismos para a resolução de diferendos. António Gonçalves Henriques 34

35 Convenção de Espoo de 1991 avaliação do impacte ambiental transfronteiriço; notificação e consulta das partes afectadas; participação do público; análise a posteriori e monitorização; implementação de programas de gestão ambiental integrados; programas de investigação; mecanismos para a resolução de conflitos. António Gonçalves Henriques 35

36 Convenção das Nações Unidas de 1997 Convenção sobre o Direito dos Usos Distintos da Navegação dos Cursos de Água Internacionais Nações Unidas, Maio de 1997 António Gonçalves Henriques 36

37 Convenção Luso-Espanhola Troca de informação sobre o estado das águas, usos das águas e infra-estruturas hidráulicas. Avaliação dos impactes transfronteiriços. Co-ordenação dos programas de medidas para a protecção das águas e dos ecossistemas aquáticos, controlo e prevenção da poluição, e assegurar os usos sustentáveis das águas. Coordenação dos programas de medidas para prevenir e controlar os efeitos das cheias, secas e acidentes de poluição. Estabelece os órgãos para a aplicação e desenvolvimento do regime da Convenção. António Gonçalves Henriques 37

38 Convenção Luso-Espanhola Preâmbulo e 35 Artigos. Anexo I: Troca de Informação Anexo II: Impactes Transfronteiriços Protocolo adicional: Regime provisório de caudais. Anexo ao Protocolo Adicional: Bases para o regime provisório de caudais. António Gonçalves Henriques 38

39 Convenção Luso-Espanhola Parte I: Cláusulas Gerais (Art os. 1 a 4): definições, âmbito e objectivos da Convenção e formas de cooperação. Parte II: Cooperação (Art os. 5 a 12): troca de informações, informação ao público, impacte ambiental transfronteiriço, mecanismos para a cooperação, sistemas de comunicação, mecanismos para situações de alerta e emergência, segurança de infra-estruturas. António Gonçalves Henriques 39

40 Convenção Luso-Espanhola Parte III: Protecção e Uso Sustentável das Águas (Art os. 13 a 16): qualidade da água, prevenção e controlo da poluição, usos da água, caudais. Parte IV: Situações Excepcionais (Art os. 17 a 19): incidentes de poluição acidental, cheias, secas e escassez de recursos. António Gonçalves Henriques 40

41 Convenção Luso-Espanhola Parte V: Cláusulas institucionais (Art os. 20 a 23): órgãos de cooperação: Conferência das Partes, Comissão para a aplicação e o desenvolvimento da Convenção. Parte VI: Cláusulas finais (Art os. 24 a 35): afectação de direitos, mecanismos de consulta, resolução de conflitos, Convenções sobre os rios internacionais, extinção da Comissão sobre os rios internacionais, vigor da Convenção, denúncia da Convenção, entrada em vigor da Convenção. António Gonçalves Henriques 41

42 Convenção Luso-Espanhola Protocolo Adicional Estabelece o regime provisório de caudais Minho, Douro, Tejo, Guadiana Estações de referência Valor mínimo Condições de excepção António Gonçalves Henriques 42

43 Convenção Luso-Espanhola Rio Minho Estação de Referência: Frieira Caudal mínimo: 3700 hm 3 /ano Condições de excepção: não se aplica nos períodos em que se verifique que a precipitação de referência na bacia hidrográfica, acumulada desde o início do ano hidrológico (1 de Outubro) até 1 de Julho, é inferior a 70% da precipitação média acumulada da bacia hidrográfica no mesmo período. O período de excepção cessa no 1º mês a seguir ao mês de Dezembro em que a precipitação de referência sobre a bacia hidrográfica, acumulada desde o início do ano hidrológico, seja superior à média dos valores acumulados das precipitações sobre a bacia hidrográfica no mesmo período. António Gonçalves Henriques 43

44 Convenção Luso-Espanhola Rio Douro Estações de Referência: Miranda, Saucelle, Águeda, Crestuma Caudal mínimo: 3500 hm 3 /ano, 3800 hm 3 /ano, 5000 hm 3 /ano Condições de excepção: não se aplica nos períodos em que se verifique que a precipitação de referência na bacia hidrográfica, acumulada desde o início do ano hidrológico (1 de Outubro) até 1 de Junho, é inferior a 65% da precipitação média acumulada da bacia hidrográfica no mesmo período. O período de excepção cessa no 1º mês a seguir ao mês de Dezembro em que a precipitação de referência sobre a bacia hidrográfica, acumulada desde o início do ano hidrológico, seja superior à média dos valores acumulados das precipitações sobre a bacia hidrográfica no mesmo período. António Gonçalves Henriques 44

45 Convenção Luso-Espanhola Rio Tejo Estações de Referência: Cedillo, Ponte de Muge Caudal mínimo: 2700 hm 3 /ano, 4000 hm 3 /ano Condições de excepção: a) Quando a precipitação de referência na bacia hidrográfica, acumulada desde o início do ano hidrológico (1 de Outubro) até 1 de Abril, seja inferior a 60% da precipitação média acumulada no mesmo período; b) Quando a precipitação de referência na bacia hidrográfica, acumulada desde o início do ano hidrológico até 1 de Abril, seja inferior a 70% da precipitação média acumulada no mesmo período e a precipitação de referência no ano hidrológico anterior tenha sido inferior a 80% da média anual. O período de excepção cessa no 1º mês a seguir ao mês de Dezembro em que a precipitação de referência sobre a bacia hidrográfica, acumulada desde o início do ano hidrológico, seja superior à média dos valores acumulados das precipitações sobre a bacia hidrográfica no mesmo período. António Gonçalves Henriques 45

46 Convenção Luso-Espanhola Rio Guadiana Estações de Referência: Badajoz, Pomarão Caudal mínimo: Badajoz Volume total armazenado nas albufeiras de referência (hm 3 ) Precipitação de referência acumulada desde o início do ano hidrológico (1 de Outubro) até 1 de Março. > 65% da precipitação média < 65% da precipitação média > a a excepção <2650 excepção excepção António Gonçalves Henriques 46

47 Convenção Luso-Espanhola Rio Guadiana Estações de Referência: Badajoz, Pomarão Caudal mínimo: Badajoz e Pomarão Caudal médio diário: 2 m 3 /s A situação de excepção cessa no 1º mês a seguir ao mês de Dezembro em que o volume total armazenado nas albufeiras de referência seja superior a 3150 hm 3. As seis albufeiras de referência da bacia hidrográfica do Guadiana são La Serena (3219 hm 3 ), Zújar (309 hm 3 ), Cijara (1505 hm 3 ), García Sola (554 hm 3 ), Orellana (808 hm 3 ) e Alange (852 hm 3 ). António Gonçalves Henriques 47

48 O Direito Internacional das Águas e a Convenção de Albufeira sobre as Bacias Hidrográficas Luso-Espanholas Fim António Gonçalves Henriques 48

Origens do direito da água

Origens do direito da água O Direito Internacional das Águas e a Convenção de Albufeira sobre as Bacias Hidrográficas Luso-Espanholas António Gonçalves Henriques Origens do direito da água Direito costumeiro: prioridade em função

Leia mais

-- Verificação do Protocolo Adicional (Regime de Caudais) e Anexo ao Protocolo Adicional (Bases do Regime de Caudais)

-- Verificação do Protocolo Adicional (Regime de Caudais) e Anexo ao Protocolo Adicional (Bases do Regime de Caudais) DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS -- Verificação do Protocolo Adicional (Regime de Caudais) e Anexo ao Protocolo Adicional (Bases do Regime de Caudais) Relatório da Convenção sobre cooperação

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO PARA A PROTECÇÃO E O APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS LUSO-ESPANHOLAS.

CONVENÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO PARA A PROTECÇÃO E O APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS LUSO-ESPANHOLAS. Resolução da Assembleia da República n.º 66/99 Convenção sobre Cooperação para a Protecção e o Aproveitamento Sustentável das Águas das Bacias Hidrográficas Luso-Espanholas e o Protocolo Adicional, assinados

Leia mais

Convenções sobre a Água

Convenções sobre a Água Instituto Superior Técnico Políticas do Ambiente Mestrado Integrado em Eng.ª do Ambiente Convenções sobre a Água Prof. Francisco Nunes Correia Prof. António Nuno Fernandes Gonçalves Henriques Grupo: Catarina

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE A COOPERAÇÃO PARA A PROTECÇÃO E O USO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS LUSO-ESPANHOLAS

CONVENÇÃO SOBRE A COOPERAÇÃO PARA A PROTECÇÃO E O USO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS LUSO-ESPANHOLAS CONVENÇÃO SOBRE A COOPERAÇÃO PARA A PROTECÇÃO E O USO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS LUSO-ESPANHOLAS DENSIFICAÇÃO DO REGIME CAUDAIS NOTA TÉCNICA JUSTIFICATIVA LISBOA, FEVEREIRO DE 2008

Leia mais

DIA NACIONAL DA ÁGUA 2007 Água, um bem ambiental global António Eira Leitão

DIA NACIONAL DA ÁGUA 2007 Água, um bem ambiental global António Eira Leitão 1 DIA NACIONAL DA ÁGUA 2007 Água, um bem ambiental global António Eira Leitão GEOTA 1 de Outubro 2007 Dia Nacional da Água A função social e a importância económica e ambiental da água 2 A água é um dos

Leia mais

Águas. Superficiais: Disponibilidades Hídricas. Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de:

Águas. Superficiais: Disponibilidades Hídricas. Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de: Águas Superficiais: Rios Lagos Lagoas Albufeiras Subterrâneas: Aquíferos Águas do Subsolo até 800 metros de Profundidade Disponibilidades Hídricas Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de:

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA 2000-2005 MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA A Directiva 2000/60/CE,

Leia mais

Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas

Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas Ano Hidrológico de 2001/02

Leia mais

O Papel da cidadania na gestão dos recursos hídricos. Carla Graça Coordenadora do Grupo de Trabalho da Água

O Papel da cidadania na gestão dos recursos hídricos. Carla Graça Coordenadora do Grupo de Trabalho da Água O Papel da cidadania na gestão dos recursos hídricos Carla Graça Coordenadora do Grupo de Trabalho da Água Políticas Enquadramento legal A Directiva-Quadro da Água (DQA) Directiva 2000/60/CE, transposta

Leia mais

Proteção de Recursos Hídricos Subterrâneos

Proteção de Recursos Hídricos Subterrâneos Proteção de Recursos Hídricos Subterrâneos Construção, exploração e selagem de captações de águas subterrâneas Instituto Português da Qualidade Comissão Sectorial para a Água Caparica, 22 Fevereiro 2017

Leia mais

Políticas de operação de

Políticas de operação de Políticas de operação de albufeiras Exploração de albufeiras Regra de exploração: Volumes atribuir a cada uso ou níveis de água a cumprir na albufeira em função de: Estado do sistema Necessidades Expectativa

Leia mais

MEMORANDO Caudais médios diários nos rios Tejo e Douro junto à fronteira em 1998/99

MEMORANDO Caudais médios diários nos rios Tejo e Douro junto à fronteira em 1998/99 DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS MEMORANDO Caudais médios diários nos rios Tejo e Douro junto à fronteira em 1998/99 Rui Rodrigues; Cláudia Brandão Lisboa, Setembro de 1999 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

PGRH Planos de Gestão das Regiões Hidrográficas e Agricultura Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo da APA

PGRH Planos de Gestão das Regiões Hidrográficas e Agricultura Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo da APA PGRH Planos de Gestão das Regiões Hidrográficas e Agricultura Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo da APA Sessão A Agricultura e o Planeamento dos Recursos Hídricos em Portugal e Espanha, organizada

Leia mais

2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA Apresentação da Proposta de Plano de Gestão da Região Hidrográfica do Tejo e Oeste

2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA Apresentação da Proposta de Plano de Gestão da Região Hidrográfica do Tejo e Oeste 2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA Apresentação da Proposta de Plano de Gestão da Região Hidrográfica do Tejo e Oeste Reunião 2 de fevereiro de 2016 ARH do Tejo e Oeste Planos de Gestão

Leia mais

2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA. QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA ÁGUA (QSiGA) Conclusão do processo de Participação Pública

2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA. QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA ÁGUA (QSiGA) Conclusão do processo de Participação Pública 2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA ÁGUA (QSiGA) Conclusão do processo de Participação Pública 2 junho 2015 Relatórios das Questões Significativas da Gestão

Leia mais

Situação hidromorfológica dotejo. Helder Careto, GEOTA com base num texto de António Carmona Rodrigues, FCT-UNL

Situação hidromorfológica dotejo. Helder Careto, GEOTA com base num texto de António Carmona Rodrigues, FCT-UNL Situação hidromorfológica dotejo Helder Careto, GEOTA com base num texto de António Carmona Rodrigues, FCT-UNL geota@geota.pt, 2016 Figura 1 Planta da bacia hidrográfica do rio Tejo (Rodrigues, 2016) Rio

Leia mais

Quantidade e Qualidade da Água em Alqueva

Quantidade e Qualidade da Água em Alqueva Quantidade e Qualidade da Água em Alqueva Quantidade Qualidade Gestão da Água Alentejo Temperatura e Precipitação mm 120 30 ⁰ C 100 25 80 20 60 15 40 10 20 5 0 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out

Leia mais

LEGISLAÇAÕ SOBRE RECURSOS HIDRICOS EM MOÇAMBIQUE

LEGISLAÇAÕ SOBRE RECURSOS HIDRICOS EM MOÇAMBIQUE Ministério das Obras Públicas e Habitação 1. A constituição da República 2. Fundamentação da Lei de Águas 3. Objectivos da Lei de Águas 4. Definição do Domínio Público Hídrico 5. Princípios da Lei de Águas

Leia mais

diretiva Quadro da Água

diretiva Quadro da Água diretiva Quadro da Água O conteúdo desta apresentação foi retirado da informação colhida no site da diretiva Quadro da Água (Agência Portuguesa do Ambiente) DQA - Antecedentes Na sequência do Seminário

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CASCAIS

DECLARAÇÃO DE CASCAIS DECLARAÇÃO DE CASCAIS 30.10.2004 INTRODUÇÃO Considerando a vontade de continuar a estreitar laços e a desenvolver formas de cooperação em matéria de desenvolvimento sustentável e protecção do ambiente

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA A MONITORIZAÇÃO DE SECAS. Palavras-chave: Secas, Planeamento de Recursos Hídricos, Gestão de Recursos Hídricos, Precipitação.

PROCEDIMENTOS PARA A MONITORIZAÇÃO DE SECAS. Palavras-chave: Secas, Planeamento de Recursos Hídricos, Gestão de Recursos Hídricos, Precipitação. RESUMO PROCEDIMENTOS PARA A MONITORIZAÇÃO DE SECAS Maria João Janota dos SANTOS (1) e António GONÇALVES HENRIQUES (2) Apresentam-se os procedimentos a desenvolver para a monitorização de secas meteorológicas,

Leia mais

Conversas Sustentáveis à 5ª Água Milhões para 1 litro vs. 1 litro para milhões

Conversas Sustentáveis à 5ª Água Milhões para 1 litro vs. 1 litro para milhões Conversas Sustentáveis à 5ª Água Milhões para 1 litro vs. 1 litro para milhões CONCEITOS GERAIS Aproximadamente 2 / 3 da superfície de nosso planeta é coberta por água, ou mais precisamente 71%. Essa "abundância"

Leia mais

OPEN

OPEN OPEN Terra o Planeta Azul o Planeta Água A superfície da Terra é modelada pela interacção entre os processos de Geodinâmica Interna Geodinâmica Externa Os principais factores modeladores são Tectónica

Leia mais

Emergências radiológicas O papel da protecção civil. Patrícia Pires

Emergências radiológicas O papel da protecção civil. Patrícia Pires Emergências radiológicas O papel da protecção civil Patrícia Pires 1 Lei de Bases da Proteção Civil (Lei 27/2006, de 3 de julho): É a actividade desenvolvida pelo Estado, Regiões Autónomas e autarquias

Leia mais

PROJECTO CO FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA FUNDO DE COESÃO

PROJECTO CO FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA FUNDO DE COESÃO Acções para a um Uso Mais Eficiente da Água Adérito Mendes Instituto da Água, IP PROJECTO CO FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA FUNDO DE COESÃO O Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água tem com principal

Leia mais

Riscos de Cheias e Secas: O papel regulador dos aquíferos

Riscos de Cheias e Secas: O papel regulador dos aquíferos Riscos de Cheias e Secas: O papel regulador dos aquíferos Judite FERNANDES e Augusto COSTA INICIATIVA RISCOS 1ª SESSÃO RISCOS NATURAIS 20 de SETEMBRO de 2012 Água subterrânea: a componente invisível do

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DAS POLÍTICAS AMBIENTAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DAS POLÍTICAS AMBIENTAIS CONCEITOS E PRINCÍPIOS DAS POLÍTICAS AMBIENTAIS AMBIENTE Conjunto dos sistemas físicos, químicos, biológicos e suas relações, e dos factores económicos, sociais e culturais com efeito directo ou indirecto,

Leia mais

Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve. Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável

Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve. Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável 1992, Junho Na Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento, realizada no Rio de

Leia mais

António Guerreiro de Brito. Administração da Região Hidrográfica do Norte I.P.

António Guerreiro de Brito. Administração da Região Hidrográfica do Norte I.P. António Guerreiro de Brito Administração da Região Hidrográfica do Norte I.P. A G R A D E C i M E N T O S MAOTDR/ Comissária da Par7cipação Portuguesa APRH / Coordenador e Relatores do 5º FMA Restantes

Leia mais

Aprova o Plano Nacional da Água (2002) Estabelece a Titularidade dos Recursos Hídricos

Aprova o Plano Nacional da Água (2002) Estabelece a Titularidade dos Recursos Hídricos Água e saneamento: GERAL A política comunitária no âmbito do ambiente, contribuirá para a prossecução do objectivo de preservação, protecção e melhoria da qualidade do ambiente, mediante uma utilização

Leia mais

1 de Outubro Dia Nacional da Água

1 de Outubro Dia Nacional da Água 1 de Outubro Dia Nacional da Água Qual a Distribuição da Águana Terra? Planeta Terra A Água ocupa cerca de ¾ da superfície terrestre. 30% Terra Água 70% 2,80% 0,01% 0,005% Água salgada Água doce 0,63%

Leia mais

2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA. QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA ÁGUA (QSiGA) Conclusão do processo de Participação Pública

2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA. QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA ÁGUA (QSiGA) Conclusão do processo de Participação Pública 2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA ÁGUA (QSiGA) Conclusão do processo de Participação Pública 2 junho 2015 Enquadramento territorial Enquadramento territorial

Leia mais

Os problemas ambientais. Políticas globais. Environmental Politics and Economics. Perda da biodiversidade

Os problemas ambientais. Políticas globais. Environmental Politics and Economics. Perda da biodiversidade Perda da biodiversidade Os problemas ambientais Fragmentação e destruição de habitats Sobre exploração de recursos naturais Agricultura intensiva eutrofização, salinização dos solos, bioacumulação Poluição

Leia mais

O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias

O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias Núcleo de Riscos e Alerta Autoridade Nacional de Protecção Civil1 Lei de Bases da Protecção Civil (Lei 27/2006, de 3 de Julho): A protecção civil é

Leia mais

WORKSHOP OS DESAFIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS EM PORTUGAL. PAINEL 2 Administração pública

WORKSHOP OS DESAFIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS EM PORTUGAL. PAINEL 2 Administração pública WORKSHOP OS DESAFIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS EM PORTUGAL PAINEL 2 Administração pública O interesse do aproveitamento das águas residuais tratadas como origem alternativa

Leia mais

QUERCUS- ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA. Relatório de avaliação da implementação da Directiva Quadro da Água

QUERCUS- ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA. Relatório de avaliação da implementação da Directiva Quadro da Água QUERCUS- ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA Janeiro de 2016 Índice Enquadramento... 3 Resultados do de planeamento... 3 RH1... 4 RH2... 4 RH3... 5 RH4... 6 RH5... 6 RH7... 8 RH8... 8 Panorama

Leia mais

FUNÇÕES DESEMPENHADAS PELAS DIFERENTES TIPOLOGIAS DA REN

FUNÇÕES DESEMPENHADAS PELAS DIFERENTES TIPOLOGIAS DA REN FUNÇÕES DESEMPENHADAS PELAS DIFERENTES TIPOLOGIAS DA REN (Anexo I do DL n.º 166/2008, de 22 de agosto, na redação do DL n.º 239/2012, de 2 de novembro) ÁREAS DE PROTEÇÃO DO LITORAL Faixa marítima de proteção

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir hidrologia e engenharia hidrológica

Leia mais

Coruche, 13 de novembro

Coruche, 13 de novembro OS PGRH E OS NOVOS HORIZONTES DE AMPLIAÇÃO DOS REGADIOS EXISTENTES E CRIAÇÃO DE NOVOS REGADIOS REGADIO NO CONTEXTO DA EUROPA 2020 Jornada de estudo e debate Coruche, 13 de novembro Índice da Apresentação

Leia mais

Riscos de inundações fluviais e estuarinas

Riscos de inundações fluviais e estuarinas Riscos de inundações fluviais e estuarinas Elsa Alves Marta Rodrigues Iniciativa Riscos Ciclo de Encontros Riscos Naturais 20 de Setembro de 2012, Fundação Calouste Gulbenkian Riscos de inundações fluviais

Leia mais

Gestão da Água em Portugal. Os Desafios do Plano Nacional da Água. José Manuel Pereira Vieira 1

Gestão da Água em Portugal. Os Desafios do Plano Nacional da Água. José Manuel Pereira Vieira 1 Gestão da Água em Portugal. Os Desafios do Plano Nacional da Água José Manuel Pereira Vieira 1 Universidade do Minho. Departamento de Engenharia Civil Gualtar, 4704-553 Braga, Portugal RESUMO A sociedade

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. PLANO NACIONAL DIRECTOR DE IRRIGAÇÃO 1 Lisboa, Outubro de 2011

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. PLANO NACIONAL DIRECTOR DE IRRIGAÇÃO 1 Lisboa, Outubro de 2011 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PLANO NACIONAL DIRECTOR DE IRRIGAÇÃO 1 Lisboa, Outubro de 2011 OBJECTIVOS - Contribuir para o desenvolvimento económico e social de Angola - Garantir a sustentabilidade

Leia mais

OBJECTIVOS. P2 Avaliaçã. ção o de Disponibilidades Hídricas H Riscos de Contaminaçã. ção. Propostas de Prevençã. ção o e Protecçã.

OBJECTIVOS. P2 Avaliaçã. ção o de Disponibilidades Hídricas H Riscos de Contaminaçã. ção. Propostas de Prevençã. ção o e Protecçã. P2 Avaliaçã ção o de Disponibilidades Hídricas H e Riscos de Contaminaçã ção. Propostas de Prevençã ção o e Protecçã ção OBJECTIVOS MODELO HIDROGEOLÓGICO GICO DA ILHA DA MADEIRA MODELO DE BALANÇO HÍDRICO

Leia mais

Planeamento dos recursos hídricos

Planeamento dos recursos hídricos PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA 2016-2021 Em consulta pública Jun 2015 a Fev 2016 Planeamento dos recursos hídricos Preocupações e Expecta0vas do Sector Agrícola José Nuncio 2 de Fevereiro 2016

Leia mais

- CONVENÇÃO SOBRE A PROTEÇÃO E O USO DOS CURSOS D ÁGUA TRANSFRONTEIRIÇOS E DOS LAGOS INTERNACIONAIS (Helsinque, 1992);

- CONVENÇÃO SOBRE A PROTEÇÃO E O USO DOS CURSOS D ÁGUA TRANSFRONTEIRIÇOS E DOS LAGOS INTERNACIONAIS (Helsinque, 1992); Página 1 CÂMARA TÉCNICA DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS TRANSFRONTEIRIÇOS Acordos e Tratados Internacionais sobre Água e Meio Ambiente TEMA: ÁGUA ACORDOS MULTILATERAIS 1.1 GLOBAIS - CONVENÇÃO SOBRE A INSTALAÇÃO

Leia mais

13 DOTAÇÕES DE REGA 13.1 Introdução 13.2 Evapotranspiração Cultural 13.3 Dotações de Rega 13.4 Exercícios Bibliografia

13 DOTAÇÕES DE REGA 13.1 Introdução 13.2 Evapotranspiração Cultural 13.3 Dotações de Rega 13.4 Exercícios Bibliografia PREFÁCIO 1 INTRODUÇÃO À HIDROLOGIA E AOS RECURSOS HÍDRICOS 1.1 Conceitos Gerais 1.2 Breve Nota Sobre a Evolução da Ciência da Hidrologia 1.2.1 A hidrologia na Antiguidade Oriental 1.2.2 A hidrologia na

Leia mais

HIDRÁULICA E RECURSOS HÍDRICOS

HIDRÁULICA E RECURSOS HÍDRICOS HIDRÁULICA E RECURSOS HÍDRICOS Á r e a s d e i n t e r v e n ç ã o d o e n g e n h e i r o c i v i l n a a v a l i a ç ã o d o s r e c u r s o s h í d r i c o s d i s p o n í v e i s e n a c o n c e p

Leia mais

DESAFIOS PARA A ENERGIA HIDROELÉCTRICA EM ANGOLA

DESAFIOS PARA A ENERGIA HIDROELÉCTRICA EM ANGOLA DESAFIOS PARA A ENERGIA HIDROELÉCTRICA EM ANGOLA António Machado e Moura Professor Catedrático, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto - Portugal Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA

Leia mais

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva 1 Ciclo hidrológico global Energia do sol que atua sobre o sistema terrestre: 36% de toda a energia que chega a terra é utilizada

Leia mais

Carta Europeia da Água do Conselho da Europa

Carta Europeia da Água do Conselho da Europa Carta Europeia da Água do Conselho da Europa Escola EB 2,3/S Eng.º Dionísio Augusto Cunha Trabalho elaborado por Beatriz Pinto Ana Freitas Daniela Figueiredo 9ºB Não há vida sem água. A água é um bem precioso,

Leia mais

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Departamento de Gestão de Recursos

Leia mais

Os Recursos Hídricos em Portugal

Os Recursos Hídricos em Portugal Os Recursos Hídricos em Portugal 1. O Balanço hídrico do território e o seu enquadramento na região euromediterrânea 2. Os recursos hídricos superficiais 3. Os recursos hídricos subterrâneos 4. Os recursos

Leia mais

Responsabilidade Ambiental Obrigações do operador no âmbito do Regime RA. Vera Lopes, 27 de Junho, Alfragide

Responsabilidade Ambiental Obrigações do operador no âmbito do Regime RA. Vera Lopes, 27 de Junho, Alfragide Responsabilidade Ambiental Obrigações do operador no âmbito do Regime RA Vera Lopes, 27 de Junho, Alfragide Índice Decreto-Lei n.º 147/2008, de 29 de Julho Obrigações do operador Formulário de reporte

Leia mais

Dinâmica de uma bacia hidrográfica

Dinâmica de uma bacia hidrográfica Dinâmica de uma bacia hidrográfica Dinâmica de uma bacia hidrográfica Início A água, na superfície terrestre, está em constante movimento, permitindo uma constante modelação da paisagem. Essa modelação

Leia mais

Relatório da Comissão de Acompanhamento sobre Poluição no rio Tejo

Relatório da Comissão de Acompanhamento sobre Poluição no rio Tejo Relatório da Comissão de Acompanhamento sobre Poluição no rio Tejo Uma ação Integrada de Fiscalização e Inspeção Tradicionalmente: Planos Anuais de Atividades Troca pontual de informação institucional

Leia mais

sistemas de suporte à decisão para a gestão da água em bacias hidrográficas

sistemas de suporte à decisão para a gestão da água em bacias hidrográficas sistemas de suporte à decisão para a gestão da água em bacias hidrográficas José M. P. VIEIRA resumo Gestão da água: uma tarefa complexa A Directiva Quadro da Água Sistemas de suporte à decisão Casos de

Leia mais

PAÍSES LUSÓFONOS E OS RECURSOS HÍDRICOS

PAÍSES LUSÓFONOS E OS RECURSOS HÍDRICOS PAÍSES LUSÓFONOS E OS RECURSOS HÍDRICOS A água é a fonte da vida quer para nós, seres humanos, quer para todos os outros seres vivos. É essencial à vida. Não importa quem somos, o que fazemos, onde vivemos,

Leia mais

Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul

Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul Meios de Financiamento Nacionais e Europeus e Integração das Políticas de Desenvolvimento Par$lha de Informação A promoção de um ambiente

Leia mais

Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA. Princípios internacionais

Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA. Princípios internacionais Engenharia Civil - 5º ano / 10º semestre Engenharia do Território - 4º ano / 8 º semestre Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA. Princípios internacionais IMPACTES AMBIENTAIS 2 ª aula Prof. Doutora

Leia mais

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 21 842 35 02 / Fax:

Leia mais

Pegada Ecológica AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE A TEMÁTICA TICA DO AMBIENTE NO CONTEXTO MUNDIAL. António Gonçalves Henriques

Pegada Ecológica AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE A TEMÁTICA TICA DO AMBIENTE NO CONTEXTO MUNDIAL. António Gonçalves Henriques AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE A TEMÁTICA TICA DO AMBIENTE NO CONTEXTO MUNDIAL PRINCIPAIS FACTORES DAS PRESSÕES HUMANAS SOBRE O AMBIENTE ANÁLISE PROSPECTIVA 2001-2020 crescimento populacional: mais 25%, 7,5

Leia mais

2 - Balanço Hídrico. A quantificação do ciclo hidrológico é um balanço de massa:

2 - Balanço Hídrico. A quantificação do ciclo hidrológico é um balanço de massa: 2 - Balanço Hídrico A quantificação do ciclo hidrológico é um balanço de massa: ds dt = Input Output S: Armazenamento Definir o volume de controle, considerando sistema superficial e/ou subterrâneo 1)

Leia mais

o estado dos recursos hídricos em Portugal: desafios e contributos para a solução

o estado dos recursos hídricos em Portugal: desafios e contributos para a solução o estado dos recursos hídricos em Portugal: desafios e contributos para a solução Ciclo de Conferências: A Engenharia? Que Futuro? O estado do Ambiente em Portugal: Desafios Porto, 21 Março 2012 António

Leia mais

diretiva Quadro da Água O conteúdo desta apresentação foi retirado da informação colhida no site da diretiva Quadro da Água em

diretiva Quadro da Água O conteúdo desta apresentação foi retirado da informação colhida no site da diretiva Quadro da Água em diretiva Quadro da Água O conteúdo desta apresentação foi retirado da informação colhida no site da diretiva Quadro da Água em www.inag.pt DQA - Antecedentes Na sequência do Seminário Ministerial sobre

Leia mais

A Gestão das Bacias Hidrográficas Hispano-Portuguesas

A Gestão das Bacias Hidrográficas Hispano-Portuguesas A Gestão das Bacias Hidrográficas Hispano-Portuguesas É tão intensa a utilização da água dos rios para fins económicos diversos que este recurso não pode deixar de ver o seu aproveitamento regulado. A

Leia mais

É constituído por três tipos de acções:

É constituído por três tipos de acções: Programa Agricultores Guia Projecto de Requalificação Ambiental da Actividade Agrícola Projecto Referência a nível Nacional, no tema Ambiente / Sustentabilidade pela DGOTDU. Resulta de um protocolo de

Leia mais

SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE RECURSOS HÍDRICOS - SVARH

SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE RECURSOS HÍDRICOS - SVARH SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE RECURSOS HÍDRICOS - SVARH Green Business Week 2016 Felisbina Quadrado Diretora do Departamento de Recursos Hídricos maria.quadrado@apambiente.pt ÍNDICE DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Fontes de Poluição Difusa e as Diretivas no Domínio da Água

Fontes de Poluição Difusa e as Diretivas no Domínio da Água Encontro Técnico: Poluição difusa desafios para o futuro Fontes de Poluição Difusa e as Diretivas no Domínio da Água Ana Rita Lopes 03-06-2013, IPQ Sectores de atividade Diretivas comunitárias Diretivas

Leia mais

O Planeamento do. Gestão e ordenamento do território

O Planeamento do. Gestão e ordenamento do território O Planeamento do Território em Portugal Gestão e ordenamento do território Henrique Miguel Pereira Enquadramento jurídico Constituição da República Lei de Bases do Ambiente (Lei 11/1987) Lei de Bases de

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS COMPARTILHADOS: AS RELAÇÕES LUSO- ESPANHOLAS NO PRIMEIRO CICLO DE PLANEAMENTO

RECURSOS HÍDRICOS COMPARTILHADOS: AS RELAÇÕES LUSO- ESPANHOLAS NO PRIMEIRO CICLO DE PLANEAMENTO RECURSOS HÍDRICOS COMPARTILHADOS: AS RELAÇÕES LUSO- ESPANHOLAS NO PRIMEIRO CICLO DE PLANEAMENTO Evelyn Zucco *, Francisco Silva Costa** *Universidade do Minho, Portugal, evelynzucco@gmail.com **Universidade

Leia mais

ENERGIA HIDROELÉCTRICA. António Gonçalves Henriques 1

ENERGIA HIDROELÉCTRICA. António Gonçalves Henriques 1 ENERGIA HÍDRICA ANTÓNIO GONÇALVES HENRIQUES António Gonçalves Henriques 1 DIAGRAMA DE CARGAS António Gonçalves Henriques 2 DIAGRAMA DE CARGAS António Gonçalves Henriques 3 APROVEITAMENTOS HIDRO-ELÉCTRICOS

Leia mais

ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO:

ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO: MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO: TERRITÓRIO E GESTÃO DO AMBIENTE E TECNOLOGIA E GESTÃO DO AMBIENTE MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água

Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água Pedro Mendes INAG, I.P. Enquadramento Legal A aplicação do Programa 7 do Plano Nacional da Água ao Uso Eficiente da Água Decreto-Lei nº 122/2002 Criação do

Leia mais

Sistema de Vigilância de Qualidade da Água

Sistema de Vigilância de Qualidade da Água Sistema de Vigilância de Qualidade da Água O Sistema de Vigilância e Alerta de Qualidade da Água é um sistema integrado nacional, que recebe e processa, durante as 24 horas do dia, a informação procedente

Leia mais

Engenharia Civil - 5º ano / 10º semestre Engenharia do Território - 4º ano / 8 º semestre. Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA

Engenharia Civil - 5º ano / 10º semestre Engenharia do Território - 4º ano / 8 º semestre. Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA Engenharia Civil - 5º ano / 10º semestre Engenharia do Território - 4º ano / 8 º semestre Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA IMPACTES AMBIENTAIS 2 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Leia mais

Chuvas Intensas e Cidades

Chuvas Intensas e Cidades Chuvas Intensas e Cidades Mario Thadeu Leme de Barros Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental lda Escola Politécnica da USP Associação Brasileira de Recursos Hídricos (ABRH) EVENTOS EXTREMOS:

Leia mais

AQUAMAC TÉCNICAS E METODOLOGIAS PARA A GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA NA MACARONÉSIA. GRAN CANARIA, Julho de 2003

AQUAMAC TÉCNICAS E METODOLOGIAS PARA A GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA NA MACARONÉSIA. GRAN CANARIA, Julho de 2003 AQUAMAC TÉCNICAS E METODOLOGIAS PARA A GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA NA MACARONÉSIA GRAN CANARIA, Julho de 2003 Ventos húmidos nordeste orientação e relevo regime pluviométrico favorável Caracterização espacial

Leia mais

REGULAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO / VIGILÂNCIA

REGULAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO / VIGILÂNCIA vitormartins@dgs.pt REGULAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO / VIGILÂNCIA 22 NOVEMBRO PAULO DIEGUES Direcção-Geral da Saúde diegues@dgs.pt VÍTOR MARTINS Direcção-Geral da Saúde Regulamentar para

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 06 Ciclo Hidrológico Profª Heloise G. Knapik O Ciclo Hidrológico O Ciclo Hidrológico - Fases Precipitação: retorno da água para

Leia mais

2º Encontro Nacional de Avisos Agrícolas e os 40 Anos da Estação de Avisos da Bairrada 26 de Novembro, 2010 Bairrada

2º Encontro Nacional de Avisos Agrícolas e os 40 Anos da Estação de Avisos da Bairrada 26 de Novembro, 2010 Bairrada 2º Encontro Nacional de Avisos Agrícolas e os 40 Anos da Estação de Avisos da Bairrada 26 de Novembro, 2010 Bairrada Ana Bárbara G. Oliveira Divisão de Homologação e Avaliação Toxicológica, Ecotoxicológica,

Leia mais

ALQUEVA UMA PLATAFORMA PARA O. Conselho Nacional da Água 49.ª Reunião Plenária Lisboa, 05 julho 2013

ALQUEVA UMA PLATAFORMA PARA O. Conselho Nacional da Água 49.ª Reunião Plenária Lisboa, 05 julho 2013 ALQUEVA UMA PLATAFORMA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Conselho Nacional da Água 49.ª Reunião Plenária Lisboa, 05 julho 2013 Alentejo - O Território Baixa Densidade Populacional Povoamento concentrado

Leia mais

DIRECTIVA-QUADRO DA ÁGUA INSTRUMENTO PARA A GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS Outubro António Gonçalves Henriques 1

DIRECTIVA-QUADRO DA ÁGUA INSTRUMENTO PARA A GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS Outubro António Gonçalves Henriques 1 POLÍTICA COMUNITÁRIA DA ÁGUA Henriques Henriques 1 Direito Comunitário da Água CONTROLO NA FONTE 76/464/CEE - substâncias perigosas, e respectivas Directivas-filhas 91/271/CEE - águas residuais urbanas,

Leia mais

Riscos Naturais e Protecção Civil. 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos

Riscos Naturais e Protecção Civil. 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos Riscos Naturais e Protecção Civil 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos 1) Riscos naturais a. Erosão / Movimentos de vertente b. Cheias c. Sismos / Falhas geológicas 1) Plano Municipal

Leia mais

2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA

2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA 2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA Apresentação da proposta de Plano da Gestão da Região Hidrográfica do Vouga, Mondego e Lis (RH4) 30 Outubro 2015 Ciclos de Planeamento (PGRH) Os PGRH

Leia mais

2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA. QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA ÁGUA (QSiGA) Participação Pública

2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA. QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA ÁGUA (QSiGA) Participação Pública 2.º CICLO DOS PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA ÁGUA (QSiGA) Participação Pública 12 fevereiro 2015 Estrutura da sessão Apresentação das QSiGA QSiGA 1 e 6 Afluências de

Leia mais

A ARQUEOLOGIA NÁUTICA E SUBAQUÁTICA na Direcção Geral do Património Cultural. Pedro Barros e João Coelho

A ARQUEOLOGIA NÁUTICA E SUBAQUÁTICA na Direcção Geral do Património Cultural. Pedro Barros e João Coelho A ARQUEOLOGIA NÁUTICA E SUBAQUÁTICA na Direcção Geral do Património Cultural Pedro Barros e João Coelho cnans@dgpc.pt Campanha M@rBis 2014 O VALOR HISTÓRICO DO PATRIMÓNIO NAUTICO E SUBÁTICO PARA A IDENTIDADE

Leia mais

DIRECTIVA-QUADRO DA ÁGUA INSTRUMENTO PARA A GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS

DIRECTIVA-QUADRO DA ÁGUA INSTRUMENTO PARA A GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS POLÍTICA COMUNITÁRIA DA ÁGUA Henriques Direito Comunitário da Água CONTROLO NA FONTE 76/464/CEE - substâncias perigosas, e respectivas Directivas-filhas 91/271/CEE - águas residuais urbanas, alterada pela

Leia mais

PANCD Jornadas Técnicas Desertificação e Litoral Faro 20 Outubro 2010

PANCD Jornadas Técnicas Desertificação e Litoral Faro 20 Outubro 2010 í PANCD Jornadas Técnicas Desertificação e Litoral Faro 20 Outubro 2010 !" #$ %!$&'() %* % + &' &, -$. $. #. &' $ #. ( /&' /&' 0! "#$% &' 0 0 320,6 km 2 12 km 50 km 0 0 1#$&'# 2 &'3!4&+ 0$# 700,0 600,0

Leia mais

Campina Grande, 2015.

Campina Grande, 2015. Campina Grande, 2015. A Questão dos Recursos Hídricos No Nordeste No Brasil No Mundo Recursos Naturais do Planeta Aspectos Usos dos Recursos Hídricos Demandas Abastecimento Humano (Urbano e Rural) Agricultura

Leia mais

Programa de Vigilância e Alerta de Secas 2005/2006

Programa de Vigilância e Alerta de Secas 2005/2006 CARACTERIZAÇÃO DO PERÍODO DE QUATRO MESES DO INÍCIO DO ANO HIDROLÓGICO DE 2005/06 E SEU ENQUADRAMENTO NA SEVERIDADE DA SECA DECORRENTE DO ANO HIDROLÓGICO DE 2004/05 Rui RODRIGUES, Cláudia BRANDÃO, Ana

Leia mais

Decreto-Lei n.º 24/2012, de 6 de Fevereiro. Riscos de exposição a agentes químicos

Decreto-Lei n.º 24/2012, de 6 de Fevereiro. Riscos de exposição a agentes químicos Decreto-Lei n.º 24/2012, de 6 de Fevereiro Riscos de exposição a agentes químicos O presente diploma consolida as prescrições mínimas em matéria de protecção dos trabalhadores contra os riscos para a segurança

Leia mais

A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA

A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA 1 A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA OS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS SÃO FUNDAMENTAIS PARA A PRODUÇÃO

Leia mais

Agrícola. Substítulo. Programa de Ação (Portaria 259/2012 de 28 de agosto) Pinhal Novo_ g Fernanda Fenyves - DAOT

Agrícola. Substítulo. Programa de Ação (Portaria 259/2012 de 28 de agosto) Pinhal Novo_ g Fernanda Fenyves - DAOT Zona Vulnerável Título da Apresentação a Nitratos de Origem Agrícola Substítulo Programa de Ação (Portaria 259/2012 de 28 de agosto) Pinhal Novo_ 21-04-2017g Fernanda Fenyves - DAOT Agenda A importância

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS EM MOÇAMBIQUE NA PRÓXIMA DÉCADA

DESAFIOS DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS EM MOÇAMBIQUE NA PRÓXIMA DÉCADA Conferência AQUASHARE 2014 A ÁGUA EM 2025 DESAFIOS DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS EM MOÇAMBIQUE NA PRÓXIMA DÉCADA Suzana Saranga Loforte Gestora de Recursos Hidricos e Meio Ambiente Directora Nacional

Leia mais

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição População Aprox. 969.036 habitantes Área Aprox. 650 Km 2 Obras Licenciadas 2007 Grande Porto 2354 2189 Edificação 165 - Demolição Obras Concluídas2007 Grande Porto 1853 1794 Edificação 59 - Demolição Resíduos

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES LAS PALMAS, 7 e 8 JULHO 2003 A DQA estabelece um quadro comum de acção cujo cronograma de implementação determina

Leia mais

As Zonas Úmidas e a Política Nacional

As Zonas Úmidas e a Política Nacional As Zonas Úmidas e a Política Nacional de Recursos Hídricos no Brasil 8 th Intecol, Cuiabá, julho de 2008 Maria Carolina Hazin Orientação à aprensentação: o Zonas Úmidas O conceito científico e o utilizado

Leia mais

Confiança entre as organizações prestadoras de Serviços de Saúde Ibéricos. Cooperação Transfronteiriça

Confiança entre as organizações prestadoras de Serviços de Saúde Ibéricos. Cooperação Transfronteiriça II Cimeira de Líderes Ibéricos em Saúde Sevilha Janeiro 2012 Confiança nos Sistemas de Saúde Ibéricos Confiança entre as organizações prestadoras de Serviços de Saúde Ibéricos. Cooperação Transfronteiriça

Leia mais