A CAPTAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA MARINHA DO BRASIL:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CAPTAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA MARINHA DO BRASIL:"

Transcrição

1 FERNANDO RANAURO COZZOLINO A CAPTAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA MARINHA DO BRASIL: um enfoque estratégico Trabalho de Conclusão de Curso - Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia. Orientador: Cel. Av. R1 Carlos Frederico Affonso Sampaio Rio de Janeiro 2011

2 C2011 ESG Este trabalho, nos termos de legislação que resguarda os direitos autorais, é considerado propriedade da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG). É permitido a transcrição parcial de textos do trabalho, ou mencioná-los, para comentários e citações, desde que sem propósitos comerciais e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do autor e não expressam qualquer orientação institucional da ESG Assinatura do autor Biblioteca General Cordeiro de Farias Cozzolino, Fernando Ranauro A captação de recursos humanos na Marinha do Brasil: um enfoque estratégico / Fernando Ranauro Cozzolino - Rio de Janeiro : ESG, f.: il. Orientador: Cel. Av. R1 Carlos Frederico Affonso Sampaio Trabalho de Conclusão de Curso Monografia apresentado ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE), Marinha do Brasil. 2. Recursos humanos. 3. Gestão de pessoas. 4. Recrutamento. I. Titulo. Tamanho: 12,5 cm x 7,5 cm - Fonte arial 10

3 A todos que durante o meu período de curso contribuíram com ensinamentos e incentivos. À minha mulher Lucyna e à minha filha Sofia pela compreensão, como resposta aos momentos de minhas ausências e omissões, em dedicação às atividades da ESG. Ao meu pai e à minha mãe, minha eterna professora.

4 AGRADECIMENTOS Aos estagiários da Turma Segurança e Desenvolvimento pelo convívio harmonioso de todas as horas. Ao Corpo Permanente da ESG pelos ensinamentos e orientações que me fizeram refletir, cada vez mais, sobre a importância de estudar-se o Brasil com a responsabilidade implícita de ter que melhorá-lo. À minha prima Ana Lúcia, pela sua ajuda indispensável à clareza e à correção do texto. À Marinha do Brasil, por ter me ensinado a ser profissional, cidadão, e amante do meu País e da sua gente.

5 Dá-me as pessoas certas, e não me preocuparei com a organização que me for dada. Coisas boas vão acontecer. Dá-me as pessoas erradas, e não importará o que se fizer da organização. Coisas ruins vão acontecer (tradução nossa). Colin Powell

6 RESUMO Esta monografia aborda o processo de recrutamento de profissionais de nível superior para ingresso na Marinha do Brasil, como ferramenta de gestão para atender as demandas atuais e futuras, essas últimas decorrentes da Estratégia Nacional de Defesa, para identificar aspectos que venham a contribuir para sua eficácia. O objetivo é, a partir da compreensão de como a Marinha se insere no Mercado de Trabalho e no Mercado de Recursos Humanos e da análise do modelo de recrutamento para ingresso na carreira naval, identificar aspectos que possam ser aprimorados, à luz dos métodos modernos de captação de Recursos Humanos. A metodologia adotada comportou uma pesquisa bibliográfica e documental, visando buscar referenciais teóricos, além da experiência do autor, como oficial da Marinha do Brasil. Também utiliza conclusões de estudos realizados pela Marinha, de pesquisa encomendada em 2010 ao Instituto Meta de Pesquisas, e de estudos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada e da Comissão de Infraestrutura do Senado. O campo de estudo se delimitou aos candidatos com nível superior, embora as conclusões possam ser aplicadas ao processo de recrutamento, como um todo. Discorre sobre a gestão do pessoal militar na Marinha de forma geral. Analisa a inserção da Força nos Mercados de Trabalho e de Recursos Humanos Brasileiros. Por último, estuda o recrutamento na Marinha do Brasil, enumerando aspectos passíveis de aprimoramento. Os principais tópicos são: gestão de pessoal militar na Marinha do Brasil uma visão geral; o Mercado de Trabalho, o Mercado de Recursos Humanos e as necessidades de pessoal na Marinha do Brasil; e o processo de recrutamento na Marinha do Brasil. A conclusão indica ações positivas já adotadas e outras cuja implementação poderia contribuir para a eficácia da captação de Recursos Humanos na Marinha. Palavras chave: Marinha do Brasil. Recursos humanos. Gestão de pessoas. Recrutamento.

7 ABSTRACT This monograph discusses the recruitment process of professionals with university degree into the Brazilian Navy, as a management tool designed to meet current and future demands, the latter resulting from the National Defense Strategy, in order to identify aspects that may contribute to its effectiveness. The objectives is, through an understanding of how the Navy is part of the Labour Market, and by analyzing the recruitment model for admission in the naval career, identify aspects that can be improved considering modern methods of Human Resources recruitment. The methodology adopted comprised bibliographic and documental research, to seek for theoretical references, along with the author's experience as a Brazilian Navy officer. It also uses conclusions from studies conducted by the Navy, a 2010 research ordered to the Meta Research Institute and studies from the Applied Economic Research Institute and the Senate Committee on Infrastructure. The field of study was limited to candidates with university degree, although the conclusions can be applied to the recruitment process as a whole. Discusses the management of military personnel in the Brazilian Navy in a general way. Analyzes the Navy insertion on the Labour Market. Finally, studies the Navy recruitment, listing aspects that could be improved. The main topics are: management of military personnel in the Brazilian Navy - an overview; the Labour Market, the Human Resources and staffing requirements in the Brazilian Navy; and the recruitment process in the Brazilian Navy. The conclusion indicates positive actions already taken and others, which the implementation could contribute to the effectiveness of Human Resources recruitment in the Navy. Keywords: Brazilian Navy. Human Resources. Human Resources Management. Recruitment.

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 Captação externa de Oficiais FIGURA 2 Estrutura funcional do SPP GRÁFICO 1 Estatística de vagas preenchidas (CSM, EN, QC e T 2010) QUADRO 1 Processo seletivo eventos complementares GRÁFICO 2 Proporção entre candidatos recrutados e selecionados (CSM, EN, QC, T) GRÁFICO 3 Distribuição da participação no recrutamento por Regiões do País QC, T, EN, CSM (2010)...61 GRÁFICO 4 GRÁFICO 5 Coeficiente participação na seleção/participação no recrutamento, por Regiões do País QC, T, EN, CSM (2010)...61 Distribuição da participação na seleção por Regiões do País QC, T, EN, CSM (2010)...62

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Formas de conhecimento do processo seletivo ( ) Tabela 2 Formas de conhecimento do processo seletivo (EN, CSM, QC, T, 2009)50

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AMRJ BNRJ CA CAM CAP CCSM CEMA CIAA CIAW CIM CFN CM COPLAPE CPesFN CSM DEnsM DGPM DIPNAV DN DPMM EAM EB EN END FA FAB FGV GP IME IPEA ITA Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro Base Naval do Rio de Janeiro Corpo da Armada Corpo Auxiliar da Marinha Corpo Auxiliar de Praças Centro de Comunicação Social da Marinha Chefe do Estado Maior da Armada Centro de Instrução Almirante Alexandrino Centro de Instrução Almirante Wandenkolk Corpo de Intendentes da Marinha Corpo de Fuzileiros Navais Comandante da Marinha Conselho de Planejamento de Pessoal Comando do Pessoal de Fuzileiros Navais Corpo de Saúde da Marinha Diretoria de Ensino da Marinha Diretoria Geral do Pessoal da Marinha Diretrizes para o Planejamento Naval Distrito Naval Diretoria de Pessoal Militar da Marinha Escola de Aprendizes de Marinheiros Exército Brasileiro Corpo de Engenheiros da Marinha Estratégia Nacional de Defesa Forças Armadas Força Aérea Brasileira Fundação Getúlio Vargas Gestão de Pessoas Instituto Militar de Engenharia Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Instituto Tecnológico de Aeronáutica

11 LESTA LRCQ MB MRH MT ODS OM OMOT ONU ORCOM ORISET PAEMB PCO PCOM PCP PCPM PCSM PEM PLACAPE PNM PRM PROSUB PS PS-CSM PS-EN PS-QC PS-T QC-CA QC-IM RH SEN Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário Lei de Reestruturação dos Corpos e Quadros de Oficiais e de Praças da Marinha (LRCQ) Marinha do Brasil Mercado de Recursos Humanos Mercado de Trabalho Órgão de Direção Setorial Organização Militar Organização Militar Orientadora Técnica Organização das Nações Unidas Orientações do Comandante da Marinha Orientações Setoriais Plano de Articulação e Equipamento da Marinha do Brasil Plano Corrente de Oficiais Plano de Carreira de Oficiais da Marinha Plano Corrente de Praças Plano de Carreira de Praças da Marinha Plano de Comunicação Social da Marinha Plano Estratégico da Marinha Plano de Capacitação de Pessoal Programa Nuclear da Marinha Programa de Reaparelhamento da Marinha Programa de Desenvolvimento de Submarinos Processo Seletivo Processo Seletivo para o Corpo de Saúde da Marinha Processo Seletivo para o Corpo de Engenheiros Navais da Marinha Processo Seletivo para o Quadro Complementar da Armada Processo Seletivo para o Quadro Técnico Quadro Complementar de Oficiais da Armada Quadro Complementar de Oficiais Intendentes da Marinha Recursos Humanos Sistema de Ensino Naval

12 SPP SRD SSPM TL UFPA UFRJ USP Sistema de Planejamento de Pessoal Serviço de Recrutamento Distrital Serviço de Seleção de Pessoal da Marinha Tabela de Lotação Universidade Federal do Pará Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade de São Paulo

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO GESTÃO DE PESSOAL MILITAR NA MARINHA DO BRASIL UMA VISÃO GERAL ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA DE PLANEJAMENTO DE PESSOAL (SPP) ESTRUTURA DOCUMENTAL E DINÂMICA DO SISTEMA DE PLANEJAMENTO DE PESSOAL DETERMINAÇÃO DE NECESSIDADES, OBTENÇÃO E FORMAÇÃO O MERCADO DE TRABALHO, O MERCADO DE RECURSOS HUMANOS, E AS NECESSIDADES DE PESSOAL NA MB O MERCADO DE TRABALHO DA MB O MERCADO DE TRABALHO E O MERCADO DE RECURSOS HUMANOS NO BRASIL AS NECESSIDADES DE PESSOAL E OS DESAFIOS DA MB O PROCESSO DE RECRUTAMENTO NA MB A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A POLÍTICA DE RECRUTAMENTO A ATIVIDADE DE RECRUTAMENTO A imagem da organização A Divulgação dos processos seletivos Anúncios em mídias (TV, jornais, rádio, revistas e internet) Apresentação de candidatos por indicação de militares da Marinha Arquivos de candidatos e agências de recrutamento Contatos com escolas, universidades e agremiações O perfil do candidato e os fatores de atração Recrutamento intensivo A AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DO RECRUTAMENTO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICE RESULTADOS DO RECRUTAMENTO EM

14 13 1 INTRODUÇÃO Quais aspectos do processo de recrutamento de recursos humanos (RH) da Marinha do Brasil (MB) contribuem para sua eficácia no atendimento às demandas de pessoal, decorrentes da adequação dos efetivos da Força às contínuas e crescentes demandas e respondendo às diretrizes da Estratégia Nacional de Defesa (END)? A pesquisa teve como objetivo geral analisar o processo de recrutamento de profissionais de nível superior para ingresso na carreira militar da MB, como ferramenta de gestão para o atendimento das demandas atuais e futuras, essas últimas decorrentes das demandas da END, identificando aspectos que contribuem ou que possam vir a contribuir para sua eficácia. Como objetivos específicos, procurou: diferenciar, dentro da gestão de RH na MB, as atividades de recrutamento diante das demandas atuais e futuras, essas últimas decorrentes da END; compreender, sob o ponto de vista geral, a inserção da MB nos mercados de trabalho (MT) e de RH; analisar o modelo de recrutamento de profissionais de nível superior para ingresso na carreira militar da MB e, à luz dos métodos modernos de atração de RH, identificar aspectos relevantes que possam ser aprimorados. As seguintes questões foram utilizadas para nortear o estudo: De que forma as demandas atuais e futuras da MB, estas últimas decorrentes da END, afetam/afetarão seu modelo de recrutamento de profissionais de nível superior para ingresso na carreira militar? Como a captação de profissionais de nível superior para ingresso na carreira militar da MB é influenciada pelos MT e de RH? A MB utiliza, dentre as técnicas modernas de recrutamento, aquelas que lhe são aplicáveis? O modelo de atração de pessoas da MB contribui para o alinhamento dos seus RH com a estratégia da Instituição, e com a END? Os resultados do recrutamento de profissionais de nível superior para ingresso na carreira militar da MB são avaliados de forma sistemática, de forma a permitir aprimoramento constante?

15 14 Que aspectos relevantes poderiam ser melhorados, no que diz respeito aos processos de captação externa de pessoal já formado, com nível superior, para ingressar na carreira militar da MB? Ao longo da história da administração, gradativamente, a gestão de RH ganhou importância e, atualmente, as pessoas e suas competências estão no centro das atenções. As competências são a condição essencial à eficácia das organizações e, portanto, tornam o processo de recrutamento e seleção para interná-las igual e crucialmente importante. A MB tem a missão de preparar e empregar o Poder Naval 1, a fim de contribuir para a defesa da Pátria; estar pronta para atuar na garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer desses, da lei e da ordem; atuar em ações sob a égide de organismos internacionais e em apoio à política externa do País e cumprir as atribuições subsidiárias, com ênfase naquelas relacionadas à Autoridade Marítima 2, a fim de contribuir para a salvaguarda dos interesses nacionais. A proposta da END de transformar as Forças Armadas (FA) para melhor defenderem o Brasil, ao invés de tão somente financiá-las e equipá-las, e os objetivos estratégicos por ela estabelecidos provocam a revisão de processos, metas e resultados a serem pugnados não só nos setores do orçamento, do material e da tecnologia, mas, em especial, na área da gestão de pessoal das três Forças. Publicada em 2008, a END relacionou uma série de ações estratégicas de médio e longo prazo para as FA, que não só implicam em um salto quantitativo como determinam também a melhoria da qualidade e da capacitação dos seus homens. No caso específico da MB, destacam-se as seguintes diretrizes: o fortalecimento do setor nuclear; o desenvolvimento do submarino de propulsão nuclear; o aumento da presença na Amazônia; a crescente participação em operações de paz; a preparação de efetivos para atuar na garantia da lei e da ordem; e a ampliação da capacidade de atender os compromissos internacionais de 1 Poder Naval é o componente militar do Poder Marítimo. Compreende os meios navais, aeronavais e de fuzileiros navais, as bases de apoio, e as estruturas de comando e controle, logística e administrativa (BRASIL, 2004). 2 É o representante legal do país, responsável, dentre outras atribuições, pelo ordenamento e regulamentação das atividades da Marinha Mercante, com o propósito de assegurar a salvaguarda da vida humana, a segurança da navegação, no mar aberto e hidrovias interiores, e a prevenção da poluição ambiental por parte de embarcações, plataformas ou suas instalações de apoio. A Autoridade Marítima é o Comandante da Marinha (BRASIL, 1997b).

16 15 busca e salvamento. Ademais, com a descoberta do Pré-Sal 3 e com o encaminhamento à Organização das Nações Unidas (ONU), até 2012, de uma proposta que permitirá a incorporação de a Km2 às águas jurisdicionais brasileiras, há uma real possibilidade de aumento do tráfego marítimo e de riquezas a serem monitorados e controlados, associados à capacidade de responder a qualquer ameaça ou agressão ocorridas nestas águas. Vale mencionar a ênfase na tarefa de negação do uso do mar 4, para o que a MB deve contar com uma força submarina de envergadura, composta de submarinos convencionais 5 e de propulsão nuclear. Nesse contexto, a Parceria Estratégica entre a República Federativa do Brasil e a República Francesa está exigindo substancial demanda por pessoal, de modo a garantir o sucesso do Acordo entre Governos, voltado para transferência de tecnologia, projeto e construção de submarinos. O desenvolvimento do Pais nos últimos anos, o incremento de investimentos em setores tais como o da indústria e o da construção civil e o consequente aumento do número de vagas e de salários tem aumentado a competitividade no mercado de RH (MRH). O fato de o profissional de nível superior (engenheiros, médicos, administradores, contadores, psicólogos, etc.) ingressar na MB por meio de concurso e o de essa ser a única porta de entrada para esse talento fazem com que a única oportunidade de captação ocorra logo após a sua formação e ao início de uma carreira de pelo menos trinta anos. Portanto, no caso em questão, não há como repor de forma imediata profissionais experientes, fazendo com que a gestão do recrutamento e da seleção de profissionais na MB seja uma questão estratégica para a sobrevivência da organização. Durante os Processo Seletivos (PS) para ingresso na MB nos anos de 2003/2004, estatísticas conduzidas pela Diretoria de Ensino da Marinha (DEnsM), órgão responsável pela condução e coordenação dos processos seletivos para ingresso na MB, apontaram para uma tendência de decréscimo no número de candidatos, implicando à época no não preenchimento de todas as vagas 3 Reservatório de petróleo e gás natural, localizado nas Bacias de Santos, Campos e Espírito Santo (região litorânea entre os estados de Santa Catarina e o Espírito Santo). 4 A negação do uso do mar ao inimigo consiste em dificultar o estabelecimento do controle de uma área marítima pelo inimigo ou a exploração de tal controle (BRASIL, 2004). 5 Submarinos convencionais são aqueles que utilizam outro tipo de propulsão que não a nuclear, como, por exemplo, a propulsão diesel-elétrica.

17 16 disponíveis e consideradas como necessárias ao fluxo de carreira da Instituição. Algumas medidas imediatas foram tomadas, mas julgou-se importante que as causas do decréscimo fossem estudadas. Ao final de 2005, estudos internos conduzidos na DEnsM já apontavam para a falta de uma estrutura organizacional que se dedicasse à sistematização do processo de recrutamento e da coleta de dados e ao estudo dos fatores que influenciam os candidatos e seus PS, de forma a realimentar adequadamente o planejamento da atividade, alinhando-a com as necessidades de pessoal da Instituição, em quantidade e qualidade. Ademais, a compatibilização da divulgação institucional com a dos PS não estava otimizada. A partir de 2009/2010, com a aprovação da END e do aumento do efetivo de militares autorizados para a MB, teve início uma série de estudos que visavam adequar a gestão de RH da Instituição aos novos desafios. Dados coletados nos últimos anos pela DEnsM assomaram frequentes oscilações na quantidade de candidatos inscritos e o preenchimento de um número de vagas aquém do planejado pelo Setor do Pessoal para áreas críticas como as de engenharia naval e engenharia civil. É oportuno destacar, dentre as dificuldades recentemente enfrentadas pela MB, as relativas ao preenchimento de vagas de engenheiros para o desenvolvimento do Programa Nuclear da Marinha (PNM), setor elencado pela END como decisivo para a defesa nacional, e a cargo da MB. Foi relevante também para a formulação do problema pelo autor, um projeto piloto conduzido em 2009/2010, que, ao planejar o esforço de divulgação de alguns processos seletivos para preenchimento de vagas de engenheiros, médicos e praças da MB, em alguns poucos locais identificados como viveiros daqueles profissionais nos estados do Rio de Janeiro e de São Paulo, obteve resultados expressivos que, no caso das praças, triplicaram o número de inscritos. Tal fato contribuiu para o convencimento do autor da potencialidade da contribuição da pesquisa para aprimorar as práticas em uso pela MB. A análise do modelo de recrutamento de RH na MB permitirá o aprimoramento desta ferramenta de gestão para o atendimento das demandas atuais e futuras, essas últimas decorrentes das demandas da END, ao identificar aspectos que contribuem ou que possam vir a contribuir para sua eficácia.

18 17 A pesquisa teve seu foco voltado aos profissionais formados em instituições de ensino extra-mb, recrutados externamente, em áreas específicas necessárias à MB, de nível superior, que ingressam voluntariamente, por meio de concurso público, para a carreira militar. Não foram objetos do estudo os recrutamentos de RH para o Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) e para a carreira civil na MB, assim como os processos de recrutamento interno. Os dados de caráter sigiloso não foram apresentados, mas as informações que puderam ser expostas de forma genérica, sem comprometimento, foram utilizadas. Predominou a pesquisa qualitativa quanto à natureza e exploratória, quanto ao objetivo geral. Face ao tempo limitado, foram utilizados apenas dados estatísticos já levantados e disponíveis na MB. Foi utilizada pesquisa bibliográfica para conhecerem-se e descreverem-se as técnicas modernas de recrutamento e de seleção de pessoal. Inicialmente, em obra do autor Idalberto Chiavenato, que considera as atividades de recrutamento e seleção como integrantes de um mesmo processo: a introdução de novos elementos humanos na organização. Para ele, o recrutamento funciona como uma ponte entre o MT e o MRH e a seleção escolhe os candidatos mais adequados às necessidades da organização. São atividades estratégicas e dinâmicas para o autor, que afirma ser a qualidade das pessoas que trabalham nela seu calcanhar de Aquiles. Fez parte também do referencial teórico inicial obra da série Gestão de Pessoas da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que atribui ao processo seletivo importância crucial na medida em que as pessoas e suas competências são condições essenciais para o sucesso das organizações. O modelo atual de recrutamento da MB bem como a sua eficácia foram examinados por meio de pesquisa documental em normas da Força e com o auxílio de estudos realizados pela DEnsM, de pesquisa de opinião encomendada pela MB, em 2010, ao Instituto Meta de Pesquisas, e de estudos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada e da Comissão de Infraestrutura do Senado. A identificação da contribuição do modelo atual da MB para uma gestão estratégica alinhada com os resultados pretendidos pela Instituição e determinados pela END bem como o levantamento dos aspectos relevantes que possam contribuir para o aprimoramento do processo de recrutamento e seleção de pessoal foram buscados a partir da comparação do processo exercitado na MB com as boas

19 18 práticas constantes do marco teórico, e a partir das observações e experiências acumuladas pelo autor, ao longo de 28 anos de carreira. Ao final deste trabalho, pretendeu-se contribuir com conhecimento específico na área de gestão de pessoas para a otimização do processo de recrutamento e seleção de RH da MB, de forma a garantir sua adequabilidade às demandas atuais e futuras, essas últimas decorrentes das demandas da END. A monografia foi organizada em quatro seções, além da Introdução e da Conclusão. Na seção que se seguiu à Introdução, foi apresentada uma visão geral da gestão de RH na MB, descrevendo-se de forma ampla suas diversas carreiras e de forma mais específica as formas de ingresso de profissionais formados em instituições de ensino extra-mb, recrutados externamente, em áreas específicas necessárias à Força, de nível superior, que ingressam voluntariamente, por meio de concurso público, para a carreira militar. Na terceira seção, foram estudados o MT, o MRH, as necessidades de pessoal da MB e a forma como as demandas atuais e futuras da Força, essas últimas decorrentes da END, afetam ou afetarão seu modelo de recrutamento de profissionais de nível superior para ingresso na carreira militar Na última seção, que precede à conclusão, foi discutido especificamente o processo de recrutamento de RH na MB, em contraste com as boas práticas constantes do marco teórico que lhe são aplicáveis, e apresentadas recomendações e sugestões.

20 19 2 GESTÃO DE PESSOAL MILITAR NA MARINHA DO BRASIL UMA VISÃO GERAL A MB é uma organização que conta hoje com cerca de militares de carreira 1 das mais diversas profissões. Seus profissionais são captados externamente para os níveis hierárquicos iniciais, reservando o preenchimento dos demais cargos para o recrutamento interno. Após o recrutamento externo e a seleção, utiliza-se instituições de ensino próprias e, em alguns casos, convênios com instituições federais e no exterior para graduar, formar ou completar a formação dos seus profissionais. São recrutados, anualmente, por meio de concurso público, cerca de pessoas 2, entre alunos com os níveis fundamental, médio e universitário completos, para ocuparem os cargos iniciais dentro de cada carreira militar (BRASIL, 2010b). A ordenação hierárquica dos oficiais se faz por postos e a das praças por graduações. O posto é o grau hierárquico do oficial e a graduação, o da praça. Normalmente, o oficial entra na Marinha como Segundo Tenente e a praça como Marinheiro. O último posto é o de Almirante de Esquadra e a última graduação é a de Suboficial. Os oficiais e as praças são distribuídos por corpos e, dentro de um mesmo corpo, por quadros. O Corpo de Saúde da Marinha (CSM) é um exemplo de corpo e os quadros de Médicos e de Cirurgiões Dentistas são exemplos de quadros pertencentes àquele corpo (BRASIL, 1980, 1997a, 2010a). Conforme ilustrado na Figura 1, jovens que encerraram o nível fundamental são captados e, após completarem o ensino médio no Colégio Naval, juntam-se, na Escola Naval, aos alunos egressos de outras instituições de ensino médio extra-mb, para formarem-se todos oficiais, graduados em ciências navais, naquela escola. Complementarmente, a MB obtém, para exercerem, na sua grande maioria, funções administrativas em Organizações Militares (OM) em terra, profissionais com nível superior completo nas mais diversas áreas (engenharia, administração, ciências contábeis, economia, saúde, comunicação social, direito, informática, pedagogia, psicologia, serviço social, etc.), que têm sua formação militar conduzida no Centro 1 Dados fornecidos pela Diretoria Geral do Pessoal a Marinha (DGPM), em 30 de maio de De acordo com a Diretoria Geral do Pessoal a Marinha (DGPM), foram recrutados candidatos em 2010, entre oficiais e praças, e a previsão para 2011 é de

21 20 de Instrução Almirante Wandenkolk (CIAW). Posteriormente, ao longo das suas carreiras, a realização de uma série de cursos de especialização, aperfeiçoamento, mestrado e doutorado provêm aos oficiais as competências requeridas para as diversas carreiras existentes: oficiais de superfície, submarinistas, aviadores navais, fuzileiros navais, intendentes, engenheiros, médicos, etc. (BRASIL, 2007b). Figura 1: Captação externa de oficiais Fonte: DEnsM (2010) No caso das praças, jovens captados com níveis fundamental e médiotécnico completos recebem formação profissional e militar nas Escolas de Aprendizes de Marinheiro (EAM) e no Centro de Instrução Almirante Alexandrino (CIAA). De forma similar aos oficiais, progridem na carreira capacitados por cursos de especialização e aperfeiçoamento (BRASIL, 2007c). A partir da captação externa para os cargos iniciais, a MB recruta internamente seus profissionais para os cargos que se seguem até os mais altos. Dos milhares de oficiais e praças ocupando esses cargos, nenhum é obtido no MRH. Todos são formados e capacitados pela Instituição ao longo dos 30 anos de suas carreiras. Segundo CHIAVENATO (2010, p. 117), Para quem gosta de segurança, essa política é fundamental. Essa característica peculiar à gestão de pessoas na MB, que não permite o atendimento de suas necessidades de competências para os cargos mais altos pelo recrutamento externo, atribui às atividades de recrutamento externo e interno, seleção, formação e retenção de pessoal um peso considerável em meio às demais atividades envolvidas no processo.

22 ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA DE PLANEJAMENTO DE PESSOAL (SPP) Para gerir as pessoas, a MB possui um Sistema de Planejamento de Pessoal (SPP), ilustrado na Figura 2, estruturado para a orientação das atividades inerentes à logística de recursos humanos e para a otimização do emprego desses recursos na Marinha (BRASIL, 2010b). Figura 2: Estrutura funcional do SPP Fonte: BRASIL (2010b, p.1-3) A MB é organizada em cinco setores: de pessoal, operativo, de material, administrativo e de fuzileiros navais. Cada setor é dirigido por um Órgão de Direção Setorial (ODS), subordinado ao Chefe do Estado Maior da Armada (CEMA). Nesse contexto, a direção geral do SPP é exercida pelo CEMA, a coordenação setorial é realizada pelos ODS e o Diretor Geral do Pessoal da Marinha (DGPM) é responsável pela coordenação geral. A gerência executiva do pessoal militar é exercida pela Diretoria do Pessoal Militar da Marinha (DPMM) e pelo Comando do Pessoal de Fuzileiros Navais (CPesFN), subordinados ao setor do pessoal e de fuzileiros navais, respectivamente. Há também um Conselho de Planejamento de Pessoal (COPLAPE) de assessoria geral ao Comandante da Marinha (CM), cujo presidente é o CEMA e os membros são os órgãos de coordenação setorial.

23 22 Toda OM na Marinha tem uma Tabela de Lotação (TL) aprovada que define as suas necessidades de pessoal, em número e em competências. Para cada área de conhecimento (engenharia, direito, saúde, etc.), há uma Organização Militar Orientadora Técnica (OMOT) a quem cabe a orientação técnica a respeito das competências requeridas aos profissionais daquela área e dos seus planos de capacitação. 2.2 ESTRUTURA DOCUMENTAL E DINÂMICA DO SISTEMA DE PLANEJAMENTO DE PESSOAL Não há um documento único que contenha a política de pessoal militar da MB. Seus objetivos e diretrizes básicas são formalizados nos seguintes documentos, em que os de mais alto nível condicionam os que lhes são derivados: Diretrizes para o Planejamento Naval (DIPNAV), contidas no Capítulo 11 do Plano Estratégico da Marinha (PEM); Orientações do Comandante da Marinha (ORCOM); Plano de Comunicação Social da Marinha (PCSM); Resoluções do COPLAPE nível do CM; e Orientações Setoriais da Diretoria Geral do Pessoal da Marinha (ORISET) nível do DGPM (coordenador geral). Somam-se àqueles documentos o Plano de Carreira de Oficiais da Marinha (PCOM) e o Plano de Carreira de Praças da Marinha (PCPM), aprovados pelo CM, que são documentos normativos de orientação profissional ao estabelecer diretrizes para o gerenciamento da carreira de oficiais e praças dos diversos corpos e quadros, fixar condições para o acesso seletivo, gradual e sucessivo e assegurar fluxos de carreira 3 regulares, equilibrados e contínuos. As diretrizes do PCOM e do PCPM são expressas em termos de conceitos e normas que decorrem de uma vasta e diversificada legislação. As normas estabelecidas pelos planos supracitados aplicam-se aos oficiais e praças da Marinha convocados para o serviço ativo, como candidatos ao ingresso na carreira nos termos do art. 8 o da Lei no 9.519, de 26 de 3 Fluxo de carreira é a ascensão seletiva, gradual e sucessiva na hierarquia militar, efetuada mediante promoções ao longo da carreira (BRASIL, 2010b).

24 23 novembro de 1997 que dispõe sobre a reestruturação dos Corpos e Quadros de Oficiais e de Praças da Marinha (LRCQ) (BRASIL, 2007b, 2007c). Os Planos de Carreira contém a organização hierárquica, a constituição dos corpos e quadros e as escalas de antiguidade dos oficiais e praças de carreira da Marinha. Estabelecem normas gerais sobre o preparo, o emprego e o desenvolvimento da carreira, além de conceitos e normas para o planejamento corrente das carreiras dos militares da Marinha. As atividades do SPP compreendem dois ciclos anuais distintos: planejamento e execução. Durante o primeiro, basicamente, são realizadas as atividades destinadas a produzir o Plano Corrente de Oficiais (PCO) e o Plano Corrente de Praças (PCP), a serem executados no ano subsequente. São planos, emanados pelo DGPM, complementares aos Planos de Carreira, que visam assegurar o preenchimento qualitativo e quantitativo dos cargos previstos nas TL, obedecendo às exigências de cada posto/graduação, corpo e quadro. O ciclo de execução se caracteriza pela execução das ações previstas nos Planos Correntes aprovados para o exercício e detalhadas tecnicamente para alcançar as metas programadas. Durante esse ciclo, atualizações decorrentes do controle da ação planejada poderão ser efetuadas pela DGPM, decorrentes de resoluções do COPLAPE e por proposta dos Gerentes Executivos (BRASIL, 2010b). 2.3 DETERMINAÇÃO DE NECESSIDADES, OBTENÇÃO E FORMAÇÃO O efetivo máximo estabelecido por lei para a MB é de oficiais e praças (BRASIL, 1997a, 2010a). A determinação anual das quantidades e das competências a serem captadas externa e internamente pela Instituição é um processo contínuo e coordenado que passa pela análise das TL das OM, das suas atualizações e da necessidade de se elaborar TL para novas OM. Nesse ponto, as OMOT têm o papel fundamental de orientar as OM a respeito das competências requeridas aos profissionais das suas áreas de conhecimento.

25 24 Ademais, é preciso considerar-se também os fluxos de carreira. Ao ingressar para a MB, o militar possui uma expectativa com relação às promoções, à qual a Instituição procura ser fiel. O planejamento da carreira, além do propósito de atender às necessidades de pessoal da Marinha, relativas a cada corpo ou quadro, por postos e graduações, na quantidade e competências requeridas, adicionalmente tem que compatibilizá-las com interstícios 4 aceitável. que se mantenham dentro de uma faixa Após o estudo das TL e dos fluxos de carreira, as taxas de evasões previsíveis e de administração 5 são consideradas para finalmente serem promulgadas nos planos correntes as necessidades de recrutamento inicial, os interstícios a serem adotados, número de promoções, e previsão de faltas ou excessos de oficiais e praças. A obtenção de pessoal na MB contempla ações que vão desde o recrutamento inicial, que passa obrigatoriamente pela realização de concurso público, até a promoção ao último grau hierárquico da carreira, abrangendo toda a formação e a capacitação do militar no transcorrer da carreira. Os cursos, o número de vagas e as faixas nos diversos corpos, quadros, postos e graduações são estabelecidos pelos planos correntes. Para o recrutamento externo, após a promulgação dos planos correntes, a DEnsM coordena a realização de concursos em todo o território nacional. No recrutamento interno, as promoções caminham em sincronia com a capacitação. Não basta cumprir a condição de acesso pelo tempo interstício mas também é preciso cumprir outros requisitos relativos à experiências vividas, à avaliação de desempenho e à capacitação pela aquisição do conhecimento profissional. A capacitação na MB tem como base o Sistema de Ensino Naval (SEN). A Marinha forma, capacita e cria oportunidades de crescimento profissional para seus oficiais e praças por meio de 16 estabelecimentos próprios de ensino, complementados por instituições extra-mb no Brasil e no exterior. Assim, as OMOT 4 Interstício é a condição de acesso representada pelo tempo mínimo de permanência, em efetivo serviço, em cada um dos postos ou graduações dos diversos Corpos e Quadros da Marinha (BRASIL, 2010b). 5 A taxa de administração constitui uma parcela de militares temporariamente indisponíveis para exercer cargos, devido a motivos não previstos em TL (BRASIL, 2010b).

26 25 têm o papel fundamental de elaborar Planos de Capacitação de Pessoal (PLACAPE) para um horizonte de seis anos, nas suas áreas de conhecimento, que, juntamente com os planos correntes, orientam a capacitação na Marinha.

27 26 3 O MERCADO DE TRABALHO, O MERCADO DE RECURSOS HUMANOS, E AS NECESSIDADES DE PESSOAL NA MB 3.1 O MERCADO DE TRABALHO DA MB Segundo Chiavenato (2010, p. 104), O MT é composto pelas ofertas de oportunidades de trabalho oferecidas pelas diversas organizações. Nesse contexto, a MB constitui parte integrante do MT brasileiro em todo o território nacional, na medida que oferece oportunidades de emprego a uma gama de pessoas que vai desde aquelas que completaram os níveis fundamental e médio e ainda não possuem uma profissão até aquelas que já se graduaram no nível superior. Este estudo limitar-se-á às oportunidades (vagas) oferecidas pela Marinha, no MT, aos brasileiros candidatos a oficial formados em instituições de ensino superior extra-mb, que ingressam na MB por meio de concurso público de âmbito nacional, de nível superior, nas áreas de interesse da Marinha. São oficiais que complementam o Corpo da Armada (CA) e o Corpo de Intendentes (CIM) e compõe o Corpo de Engenheiros Navais (EN), o Corpo de Saúde da Marinha (CSM) e o Corpo Auxiliar da Marinha (CAM). Destinam-se, precipuamente, às atividades de apoio na Marinha, exercendo, na sua grande maioria, funções administrativas em OM em terra (BRASIL, 2007b). No caso do CA, candidatos graduados em ciências exatas (ciências náuticas, computação, telecomunicações, controle e automação, engenharias elétrica, eletrônica e mecânica), depois de receberem formação militar pelo CIAW, compõem o Quadro Complementar de Oficiais da Armada (QC-CA). Como se pode depreender do próprio nome do quadro, seus componentes complementam o efetivo de oficiais da Armada formados pela Escola Naval, no exercício de suas atividades a bordo dos navios ou em OM de terra. Há a previsão de 55 vagas em 2010, e 67 em 2011, para o quadro (BRASIL, 2011c). No caso do CIM, candidatos graduados em administração, ciências contábeis e economia, após passarem pelo CIAW, compõem o Quadro Complementar de Oficiais Intendentes da Marinha (QC-CIM), em complemento aos oficiais do CIM formados pela Escola Naval, no exercício de suas atividades

28 27 administrativas. Nos anos de 2011/2012 há previsão de 55 vagas por ano para o quadro (ibid.). No caso dos engenheiros, cabe uma explicação mais ampliada. O Exército Brasileiro (EB) e a Força Aérea Brasileira (FAB) possuem institutos próprios para formarem seus profissionais - Instituto Militar de Engenharia (IME) e Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). A MB não tem uma escola própria de engenharia e utiliza um sistema de convênio com a Universidade de São Paulo (USP) para formar seus engenheiros. Assim, oficiais já formados pela EN são selecionados e complementam seus estudos na USP, graduando-se em engenharia. Adicionalmente, a MB capta candidatos já graduados em instituições extra-mb, e, portanto, não oriundos da Escola Naval que após passarem pelo CIAW, compõem a maior parte do Corpo de Engenheiros da Marinha (EN), em complemento àqueles oriundos daquela escola. Grande parte dos engenheiros formados na USP são da área de engenharia naval. Há previsão de formação de 12 engenheiros em 2010 e 20 em 2011 (26 do total de 32 são da área de engenharia naval). Na captação de candidatos já graduados em instituições extra-mb, são oferecidas vagas em um espectro mais amplo que abrange, entre outras, as engenharias civil, cartográfica, telecomunicações, mecatrônica, de produção, elétrica, eletrônica e de engenharia naval. Para esse tipo de candidato, há previsão de obtenção de 107 engenheiros em 2010 e 85 em 2012, nas mais diversas áreas (do total de 192, 17 são para engenharia naval e 110 são para as áreas de engenharia mecânica, elétrica e eletrônica (ibid.). Na área da saúde, todos são captados após a graduação em instituições extra-mb, nas mais diversas áreas da medicina, e têm sua formação militar realizada no CIAW para virem a compor o CSM. No período de 2010 a 2011, há a previsão de obtenção no total de 269 (média de 135 ao ano) profissionais cirurgiões, pediatras, médicos legistas, psiquiatras, ortopedistas, médicos nucleares, enfermeiros, psicólogos, fisioterapeutas e dentistas, entre outros (ibid.). O CAM é composto por profissionais captados com formação nas áreas de administração, estatística, biblioteconomia, direito, educação física, serviço social, religiosa, etc. Nos anos de 2011/2012 há previsão de uma média de 35 vagas ao ano para o corpo (ibid.).

29 28 Portanto, a fatia do MT da MB - candidatos a oficial formados em instituições de ensino superior extra-mb, cujo processo de recrutamento pretende-se analisar neste trabalho, representa, nos próximos dois anos, uma média de 376 vagas/ano para profissionais das mais diversas áreas no nível superior, concentradas em mais de 50% nas profissões de engenheiro e médico. 3.2 O MERCADO DE TRABALHO E O MERCADO DE RECURSOS HUMANOS NO BRASIL Segundo Chiavenato (2010, p. 110), Se o MT se refere às oportunidades de emprego e vagas existentes nas empresas, o MRH é o reverso da moeda. Ele se refere ao conjunto de candidatos ao emprego. As características do MRH influenciam as práticas de RH das organizações que fazem parte do MT e, por outro lado, também influenciam o comportamento dos candidatos. Portanto, as organizações e os candidatos comportam-se de maneiras distintas, conforme os mercados assumem situações de oferta ou de procura (CHIAVENATO, 2010). Segundo Chiavenato (2010, p. 129), O MT [...] é influenciado por vários fatores, podendo apresentar situações que variam da oferta à procura de emprego. Quando o MT está em oferta, há quantidade excessiva de vagas, competição entre as organizações para obter candidatos, intensificação dos investimentos em recrutamento, redução das exigências aos candidatos, políticas de fixação de pessoal, orientação para as pessoas e para seu bem-estar e intensificação dos investimentos em benefícios sociais. No caso do MT encontrar-se em procura, as tendências invertem-se (CHIAVENATO, 2010). Quanto ao MRH, em situação de oferta, observa-se quantidade excessiva de candidatos, competição entre eles para obter o emprego e a consequente dificuldade em conseguí-lo, rebaixamento das pretensões salariais, temor de perder o atual emprego, baixo absenteísmo e orientação para a sobrevivência. Em situação de procura, não há candidatos suficientes e, portanto, não há competição entre eles, as pretensões salariais se elevam, o candidato seleciona as múltiplas oportunidades

30 29 que tem pela frente e orienta-se para a melhoria e desenvolvimento profissional (CHIAVENATO, 2010). Como já visto na subseção 2.1, a MB capta candidatos graduados em um número talvez único no universo de empresas e organizações, de mais de 30 áreas de conhecimento, que compreende desde ciências náuticas, computação e telecomunicações, até administração, ciências contábeis e economia, passando por todo o tipo de profissional de saúde e por diversas modalidades de engenharia. Tal fato, na prática, obriga-a a lidar ao mesmo tempo com situações de oferta e de procura naqueles diversos segmentos dos mercados de trabalho e de recursos humanos. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), em 2010, houve uma expansão econômica no Brasil de 7,5%, juntamente com a geração de 2,5 milhões de novos empregos formais. Com a redução da taxa de desemprego e a elevação da formalização do MT, assistiu- se a sinais de certa escassez de mão de obra qualificada por profissão e por região do país (INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA, 2011). Em 2009, 1,7 milhão de vagas oferecidas pelo MT brasileiro nas agências públicas de emprego não foram preenchidas e a indústria precisa formar três milhões de pessoas até Verifica-se, ainda, que há uma má distribuição da mão de obra qualificada, que se concentra nos grandes centros das regiões norte, sul e centro-oeste (BRASIL, 2009). Especificamente no MRH em que a MB busca seus candidatos a oficial formados em instituições de ensino superior extra-mb, o País caminha para um problema mais sério. No período de 2000 a 2007, o número de vagas para profissionais graduados nas mais variadas áreas de conhecimento no Brasil se expandiu à taxa media de 10% ao ano. Todavia, somente cerca de 13% dos jovens brasileiros de 18 a 24 anos estão matriculados em curso universitário. Foram registradas em todo o Brasil, 1,5 milhão de vagas ociosas para um País que precisa formar mão de obra de qualidade. E, entre aqueles jovens matriculados no ensino superior, há, ainda, um desequilíbrio entre as áreas do conhecimento. No Brasil, a quantidade de matrículas em ciências sociais, administração e direito é superior a 60% do total, ao passo que as matrículas em cursos de engenharia representam pouco mais de 10% desse universo (BRASIL, 2009).

31 30 Há uma demanda aquecida por trabalho qualificado em diversos setores e cadeias produtivas, cujo atendimento é difícil em função das dificuldades para formar-se mão de obra. A engenharia é um bom exemplo para ser ampliado, pois é uma profissão essencial para o desenvolvimento tecnológico da economia brasileira e para a MB, pois parte importante da captação do seu pessoal se dá na área de ciências exatas. O IPEA aponta para a escassez de engenheiros frente aos cenários de crescimento econômico, bastando que para isso o País cresça mais de 5% ao ano (INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA, 2011). Em 2007, os engenheiros graduados correspondiam a 4,2% do total de formandos em todos os cursos, relação que é quase 30% na Coréia do Sul, na China, na Índia, e na Rússia. E, no mesmo ano, das 198 mil vagas oferecidas nas faculdades de engenharia, apenas 115 mil foram preenchidas. Ademais, a evasão de alunos que ingressaram nesses cursos chega a 75% e o percentual de engenheiros formados que hoje estão fora de sua área de formação é de 72%. O Brasil forma, em media, 30 mil engenheiros por ano, quando o mínimo deveria ser 60 mil. Para ilustrar a questão, estima-se que, somente para atender a demanda do Pré-sal serão necessários 170 mil novos profissionais qualificados em engenharia. No caso específico da engenharia naval, somente três universidades federais no Brasil (USP, Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, e Universidade Federal do Pará UFPA) oferecem curso na área, formando 40 profissionais por ano, contra uma necessidade do mercado de aproximadamente 200. Isso sem aprofundarmos a questão da baixa qualidade dos ensinos médio e superior. A baixa qualidade do ensino médio faz parte do conjunto de razões que explicam a taxa reduzida de ocupação de vagas e a baixa qualidade dos formandos dos cursos de nível superior. Por sua vez, a qualidade inadequada dos cursos superiores, de uma certa forma, também contribui para as taxas altas de evasão e de desvio de ocupação, na medida em que se registram defasagens entre os currículos e o conhecimento necessário para ser aplicado na prática da profissão (BRASIL, 2009). De acordo com especialistas, as deficiências brasileiras no campo da formação e capacitação de recursos humanos já começaram a atingir nossa economia. Portanto, no jogo entre vagas e candidatos, há sinais de que o cenário de crescimento econômico no País impactará o MRH positivamente por meio das

32 31 oportunidades de emprego que tem criado, mas, na contramão, o MT caminha para um quadro crítico de falta de mão de obra qualificada em diversos setores, principalmente no nível universitário. Um dos exemplos é a identificação da escassez e da deficiência de recursos humanos qualificados na área de engenharia como um dos principais problemas a serem superados a curto, médio e longo prazos (BRASIL, 2009). Outro aspecto relevante a ser considerado, e aqui, novamente, recorre-se ao exemplo dos engenheiros, é a carência dessa mão de obra nos países estrangeiros desenvolvidos, que afeta o MRH e o MT nacionais. Segundo Tapscott (2010, p.189), um em cada dez trabalhadores do setor de engenharia, nos EUA, tem mais de 50 anos. E a taxa de crescimento neste campo é muito superior à nossa habilidade de preencher estas vagas [...]. Devido à carência de mão de obra no exterior em alguns setores, as empresas estrangeiras estão olhando para os MRH nas economias emergentes, onde a geração jovem é maior e, portanto, representa uma fonte de mão de obra mais barata do que na America do Norte e na Europa. Essas empresas estrangeiras estão deslocando empregos para esses locais de baixo custo, concorrendo com as empresas nacionais, na disputa do MRH (TAPSCOTT, 2010). 3.3 AS NECESSIDADES DE PESSOAL E OS DESAFIOS DA MB Em face do aumento nas tarefas atribuídas à MB no decorrer das últimas décadas, a Instituição se apresenta hoje, em termos de pessoal, com expressiva restrição para sua expansão e a assunção de mais complexas e abrangentes responsabilidades, com reflexos inclusive para a manutenção da estrutura vigente. Em realidade, os efetivos da MB variaram em apenas 8,6 % nos últimos quarenta anos. Entre os macroindicadores que justificam a premente necessidade de ampliação dos limites de efetivos de pessoal dessa Força, são destacados quatro: o incremento da atividade econômica nas águas jurisdicionais brasileiras, particularmente em relação à exploração de petróleo e gás natural, consideradas as recentes descobertas na camada pré-sal, conjugada com a imensa extensão da

33 32 plataforma continental, que suscitam maiores esforços de proteção e fiscalização; os desdobramentos decorrentes da END, que apontam para a expansão da presença da Marinha no norte do País e o estabelecimento de uma força naval no entorno estratégico da foz do Amazonas; as ações decorrentes do PNM, hoje adotado como uma política de estado, trazendo a real possibilidade de projeto e construção no País de um submarino de propulsão nuclear; e a aceleração do aparelhamento da Marinha, com previsão de incorporação de novos meios, iniciando-se por naviospatrulha e, consequentemente, com a necessidade de dotá-los com tripulações e estruturas de apoio. Somam-se ainda como fatores que corroboram tal necessidade, o aumento da esfera de atuação dos Distritos Navais (DN); os avanços tecnológicos, que exigem da Marinha rápida reação para constante capacitação profissional; o incremento das atividades subsidiárias relacionadas, principalmente, aos assuntos marítimos e ambientais; e uma maior demanda pelos serviços de manutenção dos meios navais, aeronavais e de fuzileiros navais, a fim de conservá-los operacionais, a despeito do elevado tempo médio de utilização dos sistemas neles empregados. Diante da situação acima exposta, em março de 2010, provocado por uma exposição de motivos encaminhada pelo Comando da Marinha, o governo aprovou a Lei nº que fixou o efetivo máximo para a Marinha em oficiais e praças, que implica um aumento de efetivo de oficiais e praças (BRASIL, 2010a). Os cargos previstos nas TL das OM obedecem a uma distribuição piramidal dentro da Marinha. Na base da pirâmide está um número maior de pessoas ao início da carreira, e, portanto, ocupando os postos iniciais de tenente (oficiais), e de marinheiro e cabo (praças). No topo da pirâmide encontra-se um número pequeno de pessoas, ao final de suas carreiras, e, portanto ocupando os postos finais de almirante e capitão de mar e guerra (oficiais) e de suboficial (praças). A MB recruta seus profissionais exclusivamente ao início de suas carreiras, na base da pirâmide, como tenentes e marinheiros e, portanto, capta externamente hoje os profissionais que ocuparão, exclusivamente por meio de recrutamento interno, seus cargos na alta administração naval, daqui a 20, 30 anos. Por meio da análise das TL, dos fluxos de carreira e da consideração de taxas de evasões e de administração, o setor do pessoal da Marinha estabelece, entre outras coisas, as suas necessidades anuais de recrutamento, na base da pirâmide. Rotineiramente, os números finais de

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 040/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ARRANJO INSTITUCIONAL O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE ESTUDO AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE George de Cerqueira Leite Zarur Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia ESTUDO DEZEMBRO/2004 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Políticas Públicas: Impactos na Formação em Engenharia. Silvia Costa Dutra Unisinos 2014

Políticas Públicas: Impactos na Formação em Engenharia. Silvia Costa Dutra Unisinos 2014 Políticas Públicas: Impactos na Formação em Engenharia Silvia Costa Dutra Unisinos 2014 Regatando o passado Avaliando o presente Pensando o futuro Formação em Engenharia: Alguns marcos Criação da ABENGE-

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Capítulo 3 Agregando Pessoas -Recrutamento e Seleção de Pessoas Nesse capítulo veremos com as organizações agregam pessoas através do recrutamento e seleção de pessoas.

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730 Informe Técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial APRESENTAÇÃO DESEMPENHO & OFERTA v.2, n.1, março de 25 Criado com o propósito de divulgar o comportamento do desempenho institucional no curto

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Operação Cisne Branco 2015. Imagem: CB SEVERIANO

Operação Cisne Branco 2015. Imagem: CB SEVERIANO Operação Cisne Branco 2015 Imagem: CB SEVERIANO Operação Cisne Branco O que é e quem participa; Como participar; Concurso de Redação; Prêmios; Conhecendo a Marinha do Brasil; e Como ingressar na Marinha.

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC

PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC DEZEMBRO DE 2013 1 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 CONCEITOS BÁSICOS... 4 3 OBJETIVO DO PCRC... 6 4 REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS PARA FORMULAÇÃO DO PCRC... 7 5

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

O EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ÁREA TECNOLÓGICA NO SISTEMA CONFEA/CREA

O EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ÁREA TECNOLÓGICA NO SISTEMA CONFEA/CREA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ÁREA TECNOLÓGICA NO SISTEMA CONFEA/CREA O PAPEL DOS CONSELHOS PROFISSIONAIS Parecer CNE/CES n 20/2002 Não cabe ao órgão profissional definir condições de funcionamento de cursos

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE AUDIÊNCIA PÚBLICA: IDÉIAS E PROPOSTAS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SESI

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Coordenador do Curso de Administração Prof. Marcos Eduardo dos Santos Supervisor de Estágio do Curso Prof. Marcos Eduardo dos Santos JUIZ DE

Leia mais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais C A P E S Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) convida as instituições públicas de ensino superior

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 010 /03 Dispõe sobre as condições para oferta de disciplinas à distância nos cursos presenciais da UERJ. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe

Leia mais

Campus de Franca TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Campus de Franca TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO TÍTULO I DAS

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO A ABRH-ES (Associação Brasileira de Recursos Humanos Seccional Espírito Santo) é integrante do Sistema Nacional ABRH e configura-se como instituição

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 Regulamenta o exercício da profissão de Supervisor Educacional, e dá outras providências. Autor: Deputado ADEMIR CAMILO Relator: Deputado ARTUR BRUNO

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

Recrutamento e seleção

Recrutamento e seleção Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem Recrutamento e seleção Fernanda Maria Togeiro Fugulin RECRUTAMENTO Fase que antecede a seleção, de divulgação, em que se deverá atrair candidatos potencialmente

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Recrutamento 12/02/2012. Recrutamento - Conceito. Mercado de Trabalho: Recrutamento - Conceito

Recrutamento 12/02/2012. Recrutamento - Conceito. Mercado de Trabalho: Recrutamento - Conceito Recrutamento Disciplina: Gestão de Pessoas Página: 1 Aula: 01 O Recrutamento ocorre dentro do mercado de trabalho e do mercado de Recursos Humanos; Mercado de Trabalho: O Mercado de Trabalho é o espaço

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

Medida Provisória nº de de 2008

Medida Provisória nº de de 2008 Medida Provisória nº de de 008 Dispõe sobre a criação da Gratificação de Desempenho de Atividade de Controle Interno e de Apoio Técnico ao Controle Interno no âmbito das Instituições Federais vinculadas

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

Instrução Normativa xx de... 2014.

Instrução Normativa xx de... 2014. REGULAMENTO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL PARA CAPACITAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PÓS-DOUTORADO

Leia mais

ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 15/02 ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 24/00 do Conselho

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo IPEA/BID nº 1841/OC-BR Projeto: Dinâmica do Sistema Produtivo Brasileiro perspectivas

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS. Brasília, dezembro de 2014. Diretoria de Gestão de Pessoas

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS. Brasília, dezembro de 2014. Diretoria de Gestão de Pessoas PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS Brasília, dezembro de 2014 1 APRESENTAÇÃO Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti Silva

EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti Silva PARECER CREMEB Nº 30/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 02/08/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça. Oportunidades Iguais. Respeito às Diferenças.

Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça. Oportunidades Iguais. Respeito às Diferenças. 1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça. Oportunidades Iguais. Respeito às Diferenças. Guia de orientações para a elaboração do Plano

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011. A referência para instruir o presente plano

Leia mais