ESTRATÉGIA DE INTEGRAÇÃO PARA NOVOS FUNCIONÁRIOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRATÉGIA DE INTEGRAÇÃO PARA NOVOS FUNCIONÁRIOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO"

Transcrição

1 ESTRATÉGIA DE INTEGRAÇÃO PARA NOVOS FUNCIONÁRIOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO RESUMO Os programas de treinamento iniciais para novos funcionários das empresas, normalmente chamados de treinamento de integração, são o alvo de muitas controvérsias no que diz respeito à sua eficácia como mecanismo de aprendizagem e socialização. Sendo assim, o relacionamento interpessoal e o clima dos grupos podem trazer satisfações ou insatisfações pessoais ou grupais, repercutindo na organização em sua totalidade. Diante do exposto, surge a seguinte questão: os modelos atuais de programa de integração vêm se apresentando eficazes na sua missão de socialização dos novos colaboradores? Essa é a questão que norteia o trabalho e é nela que se pautam os objetivos do estudo. Em geral, pretende-se analisar a importância do programa de integração na percepção dos empregados. Para tanto, foi realizado estudo de caso em uma indústria de transformação voltada para a produção de embalagens plásticas, que possui um quadro funcional de 65 colaboradores, distribuídos pelos diversos setores que compõem sua estrutura organizacional. Sua escolha para este estudo deveu-se a presença e utilização constante de um modelo de treinamento de integração plenamente estruturado. Como mecanismos de coleta de dados, foram utilizados modelos de questionários com perguntas fechadas, junto aos funcionários, além de entrevistas posteriores com alguns respondentes e gestores da própria organização a fim de esclarecer e confirmar determinados pontos no que diz respeito à realização, avaliação e eficácia do treinamento de integração. Em suma, pode-se concluir que os respondentes ratificam a importância do programa ao constatar que para a maioria dos respondentes o programa de integração apresentou um impacto positivo facilitando a adaptação à empresa. Revista Brasileira de Administração Científica, Aquidabã, v.3, n.1, Jan, Fev, Mar, Abr, Mai, Jun ISSN X SEÇÃO: Artigos TEMA: Recursos Humanos DOI: /ESS X Rafaela Necy de Oliveira Araújo Faculdade Estácio do Ceará, Brasil Jacinta Maria Grangeiro Carioca Faculdade Estácio do Ceará, Brasil Diego de Queiroz Machado Universidade de Fortaleza, Brasil PALAVRAS-CHAVES: Aprendizagem Organizacional; Integração; Indústria de Transformação. INTEGRATION STRATEGY FOR NEW EMPLOYEES: A CASE STUDY IN A MANUFACTURING INDUSTRY ABSTRACT The initial training programs for new employees of companies, often called integration training, are the subject of much controversy regarding their effectiveness as a mechanism for learning and socialization. Thus, interpersonal relationships and the climate of the groups can bring satisfaction or dissatisfaction personal or group, reflecting the organization in its entirety. Given the above, the following question arises: current models of integration program are effective in performing their task of socialization of new employees? That is the question that guides the work and it is here that guided the study objectives. In general, this study intends to analyze the importance of the integration in the perception of employees. To that end, it was conducted a case study in manufacturing industry engaged in producing plastic packaging, which has a staff of 65 employees, spread over various sectors that comprise its organizational structure. His choice for this study was due to the presence and the constant use of a training model of integration fully structured. As mechanisms for data collection, questionnaires were used with closed questions from employees, and later interviews with some respondents and managers of the organization itself in order to clarify and confirm certain points regarding the implementation, evaluation and effectiveness of integration training. In short, we can conclude that the respondents confirm the importance of the program to see that for most respondents the integration program had a positive impact on facilitating the adjustment to the company. Recebido: 12/04/2012 Aprovado: 24/05/2012 Avaliado anonimamente em processo de pares cegas. Referenciar assim: ARAÚJO, R. N. O.; CARIOCA, J. M. G.; MACHADO, D. Q.. Estratégia de integração para novos funcionários: um estudo de caso em uma indústria de transformação. Revista Brasileira de Administração Científica, Aquidabã, v.3, n.1, p.6 18, KEYWORDS: Organizational Learning; Integration; Manufacturing Industry. Revista Brasileira de Administração Científica é uma pub. da Escola Superior de Sustentabilidade Rua Dr. José Rollemberg Leite, 120, Bairro Bugio, CEP , Aquidabã, Sergipe, Brasil Site: Contato: Telefone (79)

2 Estratégia de integração para novos funcionários: um estudo de caso em uma indústria de transformação INTRODUÇÃO Os programas de treinamento iniciais para novos funcionários das empresas após a sua contratação, assim que ingressam na organização, normalmente chamados de treinamento de integração de novos colaboradores, são o alvo de muitas controvérsias no que diz respeito à sua eficácia como mecanismo de aprendizagem e socialização. Comumente, esse treinamento chamado tão somente de integração, sendo esta última a palavra-chave geralmente utilizada quando se refere ao treinamento de formação de novos empregados, não promove um acompanhamento preciso ou treinamento específico para o cargo que o novo empregado exercerá na organização. Antes de se tornar empregado, o candidato passa por algumas etapas inerentes ao processo seletivo, sendo a primeira o recrutamento, definido como processo de identificação e atração de um grupo de candidatos, entre os quais serão escolhidos alguns para posteriormente serem contratados para o emprego (MILKOVICH; BOUDREAU, 2000 citado por ARAÚJO, 2006, p.15), seguida da seleção, que consiste na busca, dentre os vários candidatos recrutados, aqueles que são mais adequados aos cargos existentes na organização, visando manter ou aumentar a eficiência e o desempenho do pessoal, bem como a eficácia da organização (CHIAVENATO, 2004, p.131). Finalizada a etapa de seleção, a gestão de recursos humanos inicializa o processo denominado programa de integração, uma vez que já foi estabelecido um contato. Esse trâmite caracteriza o início do programa de integração, que culmina na socialização dos novos funcionários (ARAÚJO, 2006). É possível que as organizações que ainda não incorporam em sua prática cotidiana o treinamento de integração fiquem mais vulneráveis às influências de pensamentos e convicções dos empregados veteranos. Confirmando essa visão, Moscovici (2004) afirma que a maneira de lidar com as diferenças individuais criam certo clima entre as pessoas e tem forte influência sobre toda a vida em grupo, principalmente nos processos de comunicação, relacionamento interpessoal, comportamento organizacional e na produtividade. Sendo assim, o relacionamento interpessoal e o clima dos grupos podem trazer satisfações ou insatisfações pessoais ou grupais, repercutindo na organização em sua totalidade. Ao promover uma oportunidade de socialização através do treinamento de integração a organização facilitaria essa etapa inicial de conhecimento mútuo, apresentando aspectos importantes da sua cultura que posteriormente serão confirmados ou não pelas experiências vivenciadas pelo novo empregado no cotidiano da empresa. Dessa forma, têm-se a concordância de que a socialização, favorecida pela prática dos diversos tipos de treinamentos de integração adotados pelas organizações, é essencial para o processo de adaptação do novo empregado à cultura, valores e costumes da organização, além de proporcionar conhecimento das atividades específicas e convívio com os empregados veteranos. Revista Brasileira de Administração Científica v.3 n.1 Jan, Fev, Mar, Abr, Mai, Jun de 2012 Página 7

3 ARAÚJO, R. N. O.; CARIOCA, J. M. G.; MACHADO, D. Q. Diante do exposto, surgiu a seguinte questão: os modelos atuais de programa de integração se apresentaram eficazes na sua missão de socialização dos novos colaboradores? Essa é a questão que norteou o trabalho e é nela que se pautaram os objetivos do estudo. Em geral, pretendeu-se analisar a importância do programa de integração na percepção dos empregados. Para tanto, esta pesquisa perpassou pelos seguintes objetivos específicos: avaliar a eficácia do programa de integração na socialização do novo empregado e analisar a importância que os empregados que participaram do programa de integração dão ao mesmo. Para responder a estas questões e objetivos, considerou-se pertinente fazer um estudo cujo lócus é um espaço onde tal programa é desenvolvido e aplicado. Realizou-se, portanto, estudo de caso em uma indústria de transformação, voltada para a produção de embalagens plásticas, que possui um quadro funcional de 65 colaboradores, distribuídos pelos diversos setores que compõem sua estrutura organizacional. Sua escolha para este estudo deveu-se a presença e utilização constante de um modelo de treinamento de integração plenamente estruturado. Como mecanismos de coleta de dados, foram utilizados modelos de questionários com perguntas fechadas, junto aos funcionários, além de entrevistas posteriores com alguns respondentes e gestores da própria organização a fim de esclarecer e confirmar determinados pontos no que diz respeito à realização, avaliação e eficácia do treinamento de integração. REVISÃO DE LITERATURA Cultura, Integração, Socialização e Gestão de Recursos Humanos Cultura organizacional é um conceito essencial à compreensão das estruturas organizativas, pois é a partir dela que se delineiam as influências ao comportamento dos indivíduos na organização. De acordo com Fleury (1990), o conceito de cultura foi trazido às ciências administrativas no final da década de Um dos autores mais conhecidos na área, Schein (1985, citado por FLEURY, 1990, p.20), define cultura organizacional como o modelo dos pressupostos básicos que um dado grupo inventou, descobriu ou desenvolveu no processo de aprendizagem, para lidar com os problemas de adaptação externa e integração interna. Uma vez que estes pressupostos tenham funcionado bem o suficiente para serem considerados válidos, são ensinados como a maneira certa de se perceber, pensar, e sentir em relação aqueles problemas. O autor destaca a importância dos empresários em propor os padrões culturais que definem o papel que a empresa deve desempenhar no mundo. Para tanto, os seguintes níveis de análise e categorias devem ser investigados para compreender o universo cultural de uma organização: (a) analisar o teor e o processo de socialização dos novos membros; (b) analisar as respostas a incidentes críticos da história da organização; (c) analisar as crenças, valores e convicções dos criadores ou portadores da cultura. Revista Brasileira de Administração Científica v.3 n.1 Jan, Fev, Mar, Abr, Mai, Jun de 2012 Página 8

4 Estratégia de integração para novos funcionários: um estudo de caso em uma indústria de transformação Conhecer a cultura de uma organização é se dar conta de diversos elementos que permitem visualizá-la, identificá-la, e que também são utilizados na integração dos empregados. Segundo Freitas (1991, p.75), neles existe a presença de um conteúdo hipnótico, através dos quais as mensagens e comportamentos convenientes são objetos de aplausos e adesão, levando a naturalização de seu conteúdo e transmissão espontânea aos demais membros. Os principais elementos que constituem a cultura de uma organização são os valores, crenças e normas. Os valores podem ser compreendidos como padrões de desempenho, qualidade e inovação. As crenças são, geralmente, aquilo que a organização tem como verdade. As normas, como o próprio nome sugere, são as regras que norteiam o comportamento do grupo. A cultura organizacional é, portanto, a chave para um processo eficaz de socialização, realizado mediante treinamentos de integração. No entanto, socializar não envolve apenas uma noção de integração e vice-versa. Ocorre que um processo leva a outro: A palavra integração, quando usada em relação à organização social em seus delineamentos mais amplos, se refere ao grau de contato existente entre os grupos sociais dentro da sociedade. Quando os grupos se mantêm em harmonia dentro de uma estrutura central e podem trabalhar em conjunto e comunicar-se entre si em ambos os sentidos, estão presentes os aspectos essenciais para a integração (KOLASA, 1978, p.336). Segundo Lacombe (2005) a integração consiste em informar o novo empregado os objetivos, as políticas os benefícios, as normas, as praticas, os horários de trabalho da empresa e as demais informações sobre o seu funcionamento e regras. Nesse contexto, o período inicial do emprego é de suma importância para a adaptação e o desenvolvimento de vínculos na empresa. Isso porque, segundo Moscovici (2004, p.33, grifo do autor), o contato inicial entre pessoas gera a chamada primeira impressão, o impacto que cada um causa ao outro, podendo ser positiva ou não. Já a socialização é considerada condição de existência do ser humano. Segundo Levy Jr. (1973), a socialização é um processo contínuo no qual o indivíduo, ao longo da vida, aprende, identifica hábitos e valores característicos que o ajudam no desenvolvimento de sua personalidade e na integração de seu grupo, tornando-o sociável. Isso porque, ao longo do processo existencial, o indivíduo passa por grupos sociais onde vão receber a maior parte das orientações que darão suporte a sua vivência. Essas orientações se referem aos padrões morais e éticos adotados pela sociedade em que estão inseridos. Assim, no âmbito organizacional, o processo não é diferente. Após a etapa de integração, o individuo passará pela etapa de socialização por tempo que não se pode determinar tendo em vista que é uma etapa que perpassa toda a convivência humana. A ocorrência de alguns fatores pode dificultar o processo, uma vez que as diferenças individuais influenciam fortemente o grupo (MOSCOVICI, 2004). A insegurança, por exemplo, pode se manifestar perante as mudanças. Os empregados podem sentir medo de que o novato apresente um desempenho superior ao deles e, Revista Brasileira de Administração Científica v.3 n.1 Jan, Fev, Mar, Abr, Mai, Jun de 2012 Página 9

5 ARAÚJO, R. N. O.; CARIOCA, J. M. G.; MACHADO, D. Q. consequentemente, seja promovido antes dos empregados antigos ou até que possa substituir algum deles. Isso pode dificultar a socialização dos recém-contratados cabendo ao gestor laçar as estratégias adequadas para atenuar esses problemas. Assim, a forma como essas diferenças são encaradas e tratadas é que vai determinar o relacionamento do grupo, declara Moscovici (2004). Além disso, trabalhadores descontentes com a organização faltam com a ética e criticam a empresa para quem está chegando. Como afirma Bittar (2009, p.1): Uma questão recorrente é a pouca compreensão dos funcionários, quando ingressam, sobre o negócio da empresa. Uma preocupação constante deve ser a de fazer com que o novo colaborador tenha uma visão global da empresa e seus negócios. A autora revela que não é apenas importante que os funcionários tenham a compreensão dessas informações, mas também tenham a consciência de que elas são necessárias. A integração de empregados é feita mediante viabilização do conhecimento a respeito da importância dele dentro da organização, esclarecendo as interfaces do seu trabalho, apresentando os clientes internos e explicando a sua responsabilidade para com eles, deixando clara a importância da sua contribuição para a continuidade do trabalho do outro e do seu trabalho para com o produto final ou serviço comprado pelo cliente. Essa é uma tarefa da gestão de recursos humanos, bastante simples de ser colocada na prática. É papel do RH montar um programa de integração que seja efetivo para o empregado e para a empresa. O resultado é sempre bom para os dois lados. A gestão de recursos humanos é uma das áreas que mais passa por mudanças e transformações atualmente. A valorização do capital intelectual é que tem levado à caracterização da gestão de pessoas como mola mestra na busca pela excelência, o que demonstra a importância que se é dada atualmente ao fator humano. O acelerado desenvolvimento tecnológico tem levado à mudanças muitas vezes drásticas e o intenso movimento pela qualidade e produtividade surge como diferencial, ou seja, a principal vantagem competitiva das empresas: as pessoas que nelas trabalham. Crawford (1994 citado por PONCHIROLLI, 2002, p.4) afirma: As mudanças que vêm ocorrendo são tensas e turbulentas para muitas pessoas, mas transformar o mundo numa economia baseada em conhecimento é, provavelmente, o passo com maior probabilidade de sucesso já dado na história do desenvolvimento econômico do mundo. Desta forma, apresenta-se uma visão inovadora: as pessoas são consideradas elementos principais. São elas que geram e fortalecem as relações necessárias para condução de qualquer negócio. De acordo com Gibson (1981, citado por NICKEL, 2001, p.38), as pessoas são os recursos essenciais para a elaboração e implementação das estratégias, viabilizando a transposição deste processo para o contexto organizacional. Estas pessoas precisam desempenhar diferentes papéis, ou seja, responsabilidades e tarefas lhe são atribuídas conforme o cargo que ocupam, a fim de que a organização funcione adequadamente. Assim, ao fazer parte de uma determinada organização, o indivíduo está sob as exigências deste papel para agir e se comportar de determinada forma, de acordo com as atividades prescritas ou padronizadas. A partir do momento em que existe a definição clara quanto ao desempenho de papéis, pode-se direcionar melhor as habilidades individuais, estabelecendo uma relação de integração com o sistema normativo, a fim de Revista Brasileira de Administração Científica v.3 n.1 Jan, Fev, Mar, Abr, Mai, Jun de 2012 Página 10

6 Estratégia de integração para novos funcionários: um estudo de caso em uma indústria de transformação diminuir as divergências entre o papel esperado e o realizado. Com todas estas mudanças, a imagem do profissional de RH torna-se de suma importância, como declara Chiavenato (2004, p.10): Nas últimas décadas houve um período turbulento de mudanças sociais, tecnológicas, econômicas, culturais e políticas. Essas mudanças e tendências trazem novas abordagens que devem ser utilizadas para garantir a sobrevivência das organizações. Os profissionais de ARH devem saber lidar com as mudanças se querem realmente contribuir com as suas organizações. Um dos reflexos desse quadro de mudanças deve ser o desenvolvimento de competências que assegurem que possam repercutir nos níveis de produtividade e qualidade. Nesse contexto, a integração do novo empregado torna-se um elemento de importância adicional tanto ao processo seletivo como à adaptação à cultura da empresa e consequentemente seus processos de gestão. Portanto, cabe ao profissional de recursos humanos inserir essa prática no planejamento de suas ações, incluindo os demais setores nesse processo. O Programa de Integração: Objetivos, Características e Etapas O objetivo básico do processo de integração da organização analisada consiste em buscar a melhor relação entre o empregado e a empresa, com o intuito de facilitar a sua adaptação, de forma que o novo empregado saiba os valores, visão, missão da empresa, a forma que eles atuam, como realizam o seu trabalho, a qualidade dos seus produtos e serviços, a forma de lidarem com seus clientes e fornecedores, cultura da empresa, tradições, história de como ela surgiu. Neste processo, também são abordados como tema as normas e procedimentos da empresa, os benefícios oferecidos, informações sobre políticas da empresa para avaliação do desempenho, remuneração e programa de bônus e estrutura organizacional. O programa de integração analisado tem a duração de apenas um dia e ocorre uma vez por mês, com todos os empregados que possuem no máximo 90 dias de empresa. Seu processo é dividido em várias etapas em que constam detalhamentos sobre a empresa e os cargos, sendo elas: (a) Conhecendo a empresa (cultura e valores); (b) Direitos e deveres; (c) Departamento pessoal; (d) Benefícios; (e) Segurança do trabalho; (f) Sistemas de informação internos; (g) Processo produtivo; (h) Sistemas de gestão de qualidade - 3R, que consiste em três objetivos básicos (reduzir, reciclar, reutilizar) e 5S, voltado para a eliminação dos desperdícios dos diversos tipos de recursos utilizados pela empresa; (i) Conhecer o setor de trabalho e normas e pessoas específicas do setor; (j) Conhecer setores que farão parte do seu processo de trabalho; (l) ISO norma internacional que fornece requisitos para o Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) das organizações. O programa é organizado pelo DH, sendo conduzido pelo responsável de cada área. O DH inicia apresentando a empresa (história, missão, visão, política de qualidade) e logo os gestores Revista Brasileira de Administração Científica v.3 n.1 Jan, Fev, Mar, Abr, Mai, Jun de 2012 Página 11

7 ARAÚJO, R. N. O.; CARIOCA, J. M. G.; MACHADO, D. Q. dão continuidade, explicando de forma resumida o que é e qual a importância de cada setor dentro da empresa. Como a empresa (filial) foi fundada em 2002, o programa caminha para o seu décimo ano de utilização, já que é aplicado desde o início. Foi criado pela necessidade do empregado de conhecer os costumes e história da empresa, assim como direitos, deveres e programas que a empresa possui e todas as especificidades dos setores apresentados. Este treinamento já acontecia na empresa matriz, quando era voltado apenas para a produção de bens metálicos, sendo que, atualmente, o mesmo foi unificado, englobando os dois segmentos da empresa. Durante o treinamento são apresentadas várias palestras de até trinta minutos sobre os temas descritos anteriormente. Após essa etapa, os novos funcionários são levados à fábrica, acompanhados pelo técnico de segurança, onde é feita apresentação sobre os deveres de segurança e cuidados pertinentes ao parque fabril, como o uso obrigatório de equipamentos de segurança ou a não permissão de trânsito por alguns locais. Além disso, é feita a apresentação de todo o processo produtivo, assim como das máquinas que o compõem, a produção de cada uma e medidas de segurança que exigem. Ao final do treinamento, é feita avaliação do mesmo pelos novos integrantes da empresa. A avaliação aborda o treinamento em si, além de abrir para sugestões que os funcionários julguem necessárias. METODOLOGIA Para atender aos objetivos desta pesquisa, foi realizado um estudo de caso quantitativo e qualitativo. O primeiro porque se baseia em dados quantitativos, o que pode ser verificado pelo uso de linguagem matemática para descrever as causas de um fenômeno e as relações entre variáveis (MINAYO; SANCHES, 1993 citado por TEIXEIRA, 2001). Já o segundo porque trabalha com o universo dos significados, dos motivos, das aspirações, das crenças, dos valores e das atitudes (MINAYO, 2007, p.21). O estudo de caso é necessário porque investiga um fenômeno contemporâneo dentro de seu contexto da vida real, especialmente quando os limites entre o fenômeno e o contexto não estão claramente definidos (YIN, 2001, p.32). A empresa analisada, fundada em meados da década de 1960, tem experiência na produção de embalagens metálicas. Iniciou em 2002 a fabricação de embalagens plásticas fundando a atual filial, na qual o trabalho de pesquisa foi desenvolvido, situada na região Nordeste do Brasil. Possui um quadro funcional de 65 empregados distribuídos em vários setores que compõem sua estrutura organizacional. Recentemente, recebeu a certificação de qualidade pela ISO 9001/2008, o que confirmou em seus processos, pessoas e política o sistema de gestão de qualidade, incluindo e treinando de todos os empregados e processos em projetos de melhoria contínua, contribuindo no crescimento organizacional e prospecção de novos clientes no campo alimentício e construção civil. Revista Brasileira de Administração Científica v.3 n.1 Jan, Fev, Mar, Abr, Mai, Jun de 2012 Página 12

8 Estratégia de integração para novos funcionários: um estudo de caso em uma indústria de transformação A amostra utilizada na empresa pode ser definida como aleatória e simples, segundo definição de Olfarine e Bussab (2005), pois os membros participantes da pesquisa foram sorteados, obedecendo ao critério de tempo na empresa: os que possuem mais de um ano e os que estão há menos de um ano. A coleta de dados foi realizada através da aplicação de questionário aos empregados participantes da pesquisa. Inicialmente foi realizado um pré-teste com dez empregados. Percebeu-se que as perguntas não atendiam a todos os objetivos da pesquisa, o que revelou a necessidade de ajustes para, finalmente, aplicar em definitivo com dezoito empregados da empresa, distribuídos nas duas categorias da seguinte forma: doze representando quem tem mais tempo e seis, quem tem menos tempo, correspondendo a 27% do universo. O questionário aplicado junto aos empregados e gestores teve o objetivo de avaliar o programa de integração e a socialização dos empregados. Os itens do instrumental foram avaliados a partir de três conceitos: muito satisfatório; satisfatório; não satisfatório. Além disso, os tópicos analisados foram divididos em dois grandes grupos: o primeiro relacionado aos aspectos da organização de forma geral (normas e atividades da empresa) e o segundo voltado para o trabalho a ser executado (cargo, benefícios, segurança, treinamento). Para o conhecimento do programa de integração da empresa, foi realizada uma consulta informal ao gestor de DH (Desenvolvimento Humano) a fim de coletar as informações e sistematizá-las no tópico que caracteriza o programa de integração adotado pela empresa. O questionário utilizado nessa pesquisa é do tipo estruturado não disfarçado, pois o respondente sabe qual é o objetivo da pesquisa, além disso, é padronizado, usando principalmente questões fechadas (MATTAR, 1996). Aborda questões em torno da empresa, do cargo, bem como do treinamento recebido são as questões fechadas, com três opções de resposta (muito satisfatório, satisfatório, não satisfatório), além de contemplar socialização e produtividade perguntas abertas. As respostas dos questionários foram tabuladas e convertidas em gráficos, para melhor visualização e análise descritiva. As respostas foram organizadas considerando os dois perfis de respondentes, os que têm menos de um ano de empresa e os que têm mais de um ano. As respostas de cada grupo foram apresentadas e analisadas em separado, destacando-se similaridades e diferenças. RESULTADOS E DISCUSSÕES Após coleta de dados junto aos funcionários da empresa, a análise dos dados foi feita objetivando distinguir percepção entre os novos funcionários e os antigos. Entre estes estão três gestores com os quais foram feitas apenas sondagens a fim de nortear as respostas dos demais empregados (Tabela 01). Revista Brasileira de Administração Científica v.3 n.1 Jan, Fev, Mar, Abr, Mai, Jun de 2012 Página 13

9 ARAÚJO, R. N. O.; CARIOCA, J. M. G.; MACHADO, D. Q. Tabela 01: Descrição da amostra de sujeitos da pesquisa por setor, escolaridade e ingresso na empresa. Sujeitos Setor Escolaridade Ingresso na empresa 1 Gestão de Logística Superior 04/ Comercial Superior incompleto 12/ Comercial Superior 03/ Gestão de Laboratório Superior 12/ Impressão Médio 03/ Impressão Médio 03/ Injeção Médio 04/ Injeção Médio 02/ Recursos Humanos Médio 01/ Recursos Humanos Médio 01/ Limpeza e conservação Médio 05/ Limpeza e conservação Médio 08/ Segurança Patrimonial Médio 01/ Segurança Patrimonial Médio 09/ Manutenção Médio 01/ Manutenção Médio 01/ Coordenação Industrial Superior 03/ Coordenação Industrial Superior 06/2006 O ponto de comparação das respostas, portanto, foi o tempo de serviço na empresa, estando a análise destacada entre aqueles que estão há menos de um ano e os que estão há mais de um ano. Os dados foram quantificados e estão descritos e expostos na forma de gráficos. A primeira etapa de análise é feita a partir das considerações daqueles empregados que estão há mais tempo na empresa. Considerando que a maneira mais eficaz de preparar-se para os desafios impostos pela pressão por resultados positivos é administrar as características pessoais dos empregados, reavaliar conceitos e conscientizar-se de suas necessidades, desenvolvendo virtudes e competências individuais para lidar com a realidade, o programa de integração é avaliado a partir da sua contribuição nestes aspectos. A partir das respostas levantadas, revela-se a importância do treinamento de integração na organização pesquisada nas empresas e que este seja efetivo e eficaz. Nesse tópico começamos a analisar os resultados desse programa na empresa. O primeiro grupo de questões analisado visa avaliar quanto às informações sobre a empresa segundo as respostas dos profissionais que já estão há mais de um ano (Gráfico 01). O Gráfico 01 apresenta três aspectos fundamentais para que o empregado sinta-se à vontade no ambiente de trabalho. Pode-se observar que as informações passadas sobre a empresa aos empregados foram satisfatórias para a maioria, ou seja, é possível afirmar que nesse ponto, na visão dos empregados, o programa de integração foi eficaz, o que pode ser comprovado com a fala de alguns funcionários, quando solicitado a descrever o impacto do programa na sua atuação: Muito importante, pois temos como base todo o processo da empresa (Funcionário 1); Acho importante, pois torna mais agradável o ambiente de trabalho (Funcionário 2); É a partir do treinamento de integração que o colaborador começa a adaptar-se à empresa (Funcionário 3). Revista Brasileira de Administração Científica v.3 n.1 Jan, Fev, Mar, Abr, Mai, Jun de 2012 Página 14

10 Estratégia de integração para novos funcionários: um estudo de caso em uma indústria de transformação 70% 67% 67% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 17% Normas e procedimentos disciplinares da empresa 33% 50% 17% 17% 17% 17% Atividade / Ramo da empresa Informações compatíveis com a realidade Muito Satisfatório Satisfatório Não Satisfatório Gráfico 01: Avaliação das informações sobre a empresa: percepção dos funcionários que estão há mais de um ano. No que diz respeito às questões sobre serviços, deveres, benefícios, treinamentos em SGQ (3R, 5S e ISO 9001), segurança no trabalho e EPI, essas informações são importantes pois dão direcionamento ao trabalho do empregado e o fazem se sentir protegido na empresa. Na empresa analisada, verifica-se essa consciência pelo declarado por alguns respondentes: Com o treinamento como primeiro passo, o candidato passa a conhecer as normas da empresa e os futuros colegas de trabalho, fazendo com a adaptação seja mais rápida e satisfatória (Funcionário 4). O Gráfico 02, a seguir, apresenta a opinião dos funcionários mais antigos acerca destas características do programa de integração. 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 83% 17% 17% 58% 25% 33% 50% 17% 17% 83% Quanto às informações sobre serviços e deveres Quanto às informações sobre benefícios na empresa Treinamento sobre 3R e 5S Informações sobre segurança no trabalho e EPI Muito Satisfatório Satisfatório Não Satisfatório Gráfico 02: Avaliação das informações sobre cargo, trabalho e treinamentos: percepção dos funcionários que estão há mais de um ano. O programa de integração oferecido a esses empregados, mais uma vez, atendeu às expectativas da maioria. No entanto, diferente dos resultados apresentados no Gráfico 01, percebe-se que o nível de satisfação foi mediano, a exemplo do segundo tópico do Gráfico 02, que teve um nível de insatisfação maior em relação aos demais, o que leva a compreensão de que, nesses aspectos, o treinamento ainda pode melhorar. A segunda etapa de análise, feita a partir das considerações daqueles empregados que estão há menos tempo na empresa, foi composta por funcionários que receberam, sem exceção, Revista Brasileira de Administração Científica v.3 n.1 Jan, Fev, Mar, Abr, Mai, Jun de 2012 Página 15

11 ARAÚJO, R. N. O.; CARIOCA, J. M. G.; MACHADO, D. Q. o treinamento de integração, pré-requisito para validar o questionário. Mediante suas respostas, estabeleceu-se uma diferença entre o programa que era oferecido há oito anos atrás, quando o funcionário mais antigo foi contratado, e o que é oferecido atualmente. A partir daí, a análise das respostas dos empregados que estão há menos tempo na empresa permite verificar se o programa evoluiu ou não. Dessa forma, o Gráfico 03, a seguir, apresenta os aspectos relacionados com a empresa. 120% 100% 80% 60% 40% 20% 100% 83% 83% 17% 17% 0% Normas e procedimentos disciplinares da empresa Atividade / Ramo da empresa Informações compatíveis com a realidade Muito Satisfatório Satisfatório Não Satisfatório Gráfico 03: Avaliação das informações sobre a empresa: percepção dos funcionários que estão há menos de um ano. A análise revela que a maior parte dos empregados está satisfeita com o programa de integração, embora o nível de satisfação não seja o mais elevado. Os dois aspectos que apresentaram insatisfação por parte dos funcionários estão relacionados à função que os empregados exerceriam ao ingressar na empresa. Isso chama atenção, já que deveria ser o foco do programa, uma vez que o objetivo de qualquer empresa é a produtividade. Questionado sobre a importância do programa no auxílio à produtividade, um dos gestores considerou importante, pois novos funcionários ainda não passaram pelo processo de aculturamento, e ter uma visão mais ampla do negócio ajuda a compreender as metas da organização e das suas próprias metas de desempenho (Gestor 2). Se a empresa falha no repasse a essas informações isso pode, portanto, afetar na qualidade do serviço. Sabe-se que o programa de integração é apenas o primeiro passo na trajetória de um empregado, mas as vantagens do programa são inúmeras, pois a adaptação deste ao negócio da empresa e a integração com a equipe proporcionam um ganho significativo no seu desempenho. Dessa maneira, apresenta-se a análise feita pelos funcionários sobre os aspectos práticos da empresa (Gráfico 04). Nessa figura, pode-se observar a diversidade de respostas dos empregados, sobretudo no último item, onde se concentram repostas nas três opções disponíveis. Como todos os empregados receberam o treinamento, só podemos inferir que o problema está na qualidade deste, pois os depoimentos revelam que todos têm a consciência da relevância do programa: o programa de integração é indispensável para um colaborador que está chegando em novo Revista Brasileira de Administração Científica v.3 n.1 Jan, Fev, Mar, Abr, Mai, Jun de 2012 Página 16

12 Estratégia de integração para novos funcionários: um estudo de caso em uma indústria de transformação emprego (Funcionário 5). Tal comparação é muito importante no que diz respeito à valorização do programa de integração, ou seja, da importância da sua efetivação nas empresas. 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 50% 50% 67% 67% Quanto às Quanto às informações sobre informações sobre serviços e deveres benefícios na empresa 33% 33% Treinamento sobre 3R e 5S 33% 50% 17% Informações sobre segurança no trabalho e EPI Muito Satisfatório Satisfatório Não Satisfatório Gráfico 04: Avaliação das informações sobre cargo, trabalho e treinamentos: percepção dos funcionários que estão há menos de um ano. CONSIDERAÇÕES FINAIS É compreensível que os primeiros dias de trabalho em uma empresa são fundamentais para o entendimento e conhecimento das regras da empresa, os métodos de trabalho adotados pelos gestores e dúvidas em relação ao que se espera desse novo funcionário, pois estas são as questões que mais afligem o profissional que está ingressando em uma nova empresa. O novo funcionário precisa de um período de adaptação ao novo ambiente de trabalho. Para facilitar este processo de socialização no novo ambiente de aprendizado é que se tem o Programa de Integração. Espera-se que esse programa aborde o histórico, atividades da empresa, missão, visão, políticas, normas, procedimentos, estrutura organizacional, benefícios e características que compõem a cultura da empresa. Este momento de socialização é fundamental para formação de conceitos e expectativas do novo empregado com relação à empresa. O programa de integração contribui para a homogeneidade dessa comunicação na empresa. É por meio das estratégias de integração do indivíduo à empresa que os valores e os comportamentos vão sendo transmitidos e incorporados pelos novos empregados com qualidade e profundidade. A pesquisa realizada nos permite observar as transformações ocorridas no programa em uma mesma empresa. Os resultados são intrigantes. Percebe-se que houve queda na qualidade do programa, já que pela análise dos empregados que estão há menos tempo na empresa, o programa é satisfatório ou causa insatisfação em parte dos aspectos questionados. Dessa forma, considera-se que investir no programa de integração não é despesa, é um esforço necessário no sentido da socialização da equipe. O investimento é precioso e o retorno pode ser compensador. O programa atual da empresa, apesar de considerado insatisfatório em Revista Brasileira de Administração Científica v.3 n.1 Jan, Fev, Mar, Abr, Mai, Jun de 2012 Página 17

13 ARAÚJO, R. N. O.; CARIOCA, J. M. G.; MACHADO, D. Q. alguns aspectos, não pode ser tachado de ineficaz, tendo há referências positivas na maioria dos respondentes. Contudo, precisa melhorar principalmente no repasse de informações sobre cargo, trabalho e treinamentos. Em suma, pode-se concluir que os respondentes ratificam a importância do programa ao constatar que para a maioria dos respondentes o programa de integração apresentou um impacto positivo facilitando a adaptação à empresa. Espera-se que esse estudo possa elencar na comunidade acadêmica, nos profissionais de recursos humanos e suas organizações uma maior ênfase na implementação e avaliação dos programas de integração no intuito de aumentar sua eficácia. REFERÊNCIAS ARAÚJO, L. C. G.. Gestão de pessoas: estratégias e integração organizacional. São Paulo: Atlas, BITTAR, L.. Como integrar novos funcionários. Disponível: Acesso: 16 Set CHIAVENATO, I.. Recursos humanos na empresa. São Paulo: Atlas, CHIAVENATO, I.. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, FLEURY, M. T. L.. O desvendar a cultura de uma organização: uma discussão metodológica. In: FLEURY, M. T. L.; FISCHER, R. M.. Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas, FREITAS, M. E.. Cultura organizacional, grandes temas em debate. Revista de Administração de Empresas, KOLASA, B. J.. Ciência do comportamento na Administração. Rio de Janeiro: Livros Técnico e Científicos, LACOMBE, F. J. M.. Recursos humanos: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, LEVY Jr., M.. Socialização. In: CARDOSO, F. H.; IANNI, O.. Homem sociedade. São Paulo: Editora Nacional, MATTAR, F. N.. Pesquisa de marketing: edição compacta. São Paulo: Atlas, MINAYO, M. C.. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, MOSCOVICI, F.. Desenvolvimento interpessoal: treinamento em grupo. Rio de Janeiro. José Olympio, NICKEL, D. C.. Estratégias organizacionais, processo seletivo e integração normativa: estudo de caso na indústria automobilística. Revista FAE, v.4, n.2, p.37-52, OLFARINE, H.; BUSSAB, W. O.. Elementos de amostragem. São Paulo: Edgard Blucher, PONCHIROLLI, O. O capital humano como elemento estratégico na economia da sociedade do conhecimento sob a perspectiva da teoria do agir comunicativo. Revista FAE, v.5, n.1, p.29-42, TEIXEIRA, E.. As três metodologias: acadêmica, da ciência e da pesquisa. Belém: UNAMA, YIN, R. K.. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, Revista Brasileira de Administração Científica v.3 n.1 Jan, Fev, Mar, Abr, Mai, Jun de 2012 Página 18

ESTRATÉGIA DE INTEGRAÇÃO PARA NOVOS FUNCIONÁRIOS: UMA AVALI- AÇÃO DO PROCESSO DE TREINAMEN- TO EM UMA INDÚSTRIA DE TRANS- FORMAÇÃO

ESTRATÉGIA DE INTEGRAÇÃO PARA NOVOS FUNCIONÁRIOS: UMA AVALI- AÇÃO DO PROCESSO DE TREINAMEN- TO EM UMA INDÚSTRIA DE TRANS- FORMAÇÃO ISSN 1984-9354 ESTRATÉGIA DE INTEGRAÇÃO PARA NOVOS FUNCIONÁRIOS: UMA AVALI- AÇÃO DO PROCESSO DE TREINAMEN- TO EM UMA INDÚSTRIA DE TRANS- FORMAÇÃO Rafaela Necy de Oliveira Araújo (FIC) Jacinta Maria Grangeiro

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS Juliana da Silva, RIBEIRO 1 Roberta Cavalcante, GOMES 2 Resumo: Como a cultura organizacional pode influenciar no processo de agregar

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas Proposta do curso: O curso de MBA Executivo em Liderança e Desenvolvimento de Pessoas proporciona ao participante o conhecimento sobre liderança, motivação

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Administração 5ª Série Administração de Recursos Humanos I A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada

CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de etapas, acompanhadas pelo

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Empresa Júnior como espaço de aprendizagem: uma análise da integração teoria/prática. Comunicação Oral Relato de Experiência

Empresa Júnior como espaço de aprendizagem: uma análise da integração teoria/prática. Comunicação Oral Relato de Experiência Empresa Júnior como espaço de aprendizagem: uma análise da integração teoria/prática Elisabete Ap. Zambelo e-mail: elisabete.zambelo@usc.br Daniel Freire e Almeida e-mail: daniel.almeida@usc.br Verônica

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS 2012 Graduando em Psicologia na Universidade Federal do Ceará (UFC), Brasil adauto_montenegro@hotmail.com

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Gestão de pessoas: revisão de conceitos

Gestão de pessoas: revisão de conceitos Glaucia Falcone Fonseca Chegamos ao final de nosso curso e vale a pena fazer uma retrospectiva sobre os principais aspectos da gestão de pessoas, algo tão importante no atual mundo do trabalho, caracterizado

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Apresentar

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal MBA Recursos Humanos Inscrições Abertas Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal Carga horária: 600 Horas Duração: 24 meses *As informações podem sofrer

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social.

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social. PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNICENTRO, PROVARS: COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS PARA A EFETIVAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. RESUMO: O presente trabalho pretendeu verificar

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO.

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Objetivos Metodologia

Objetivos Metodologia O Sistema de Gestão Ambiental como impulsor da Educação Ambiental: um estudo de caso em uma empresa do Polo Industrial de Manaus PIM a partir da percepção de seus colaboradores Ádria de Azevedo Araújo,

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

SOBRE A NOSSA EMPRESA

SOBRE A NOSSA EMPRESA SOBRE A NOSSA EMPRESA A Resolve Serviços Empresariais Ltda., fundou-se em 1991, com o propósito de oferecer o serviço de mão de obra temporária fundamentada na Lei 6019/74, destacando-se pela ética, agilidade,

Leia mais

Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília Curso de Especialização em Gestão da Segurança da

Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília Curso de Especialização em Gestão da Segurança da Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília Curso de Especialização em Gestão da Segurança da Informação e Comunicações 1 - Há milhões e milhões de anos

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª Série Comportamento Organizacional CST em Marketing A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência O que é o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) e quais são seus objetivos? O Modelo de Excelência da Gestão reflete a experiência, o conhecimento

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS PROFESSOR: Itair Pereira da Silva DISCENTES: Maria das Graças João Vieira Rafael Vitor ORGANOGRAMA PRESIDENTE GERENTE

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

A importância do RH estratégico para as empresas familiares. Sheila Madrid Saad

A importância do RH estratégico para as empresas familiares. Sheila Madrid Saad A importância do RH estratégico para as empresas familiares Sheila Madrid Saad Anos 30... Pagadoria Registros e controles Enfoque jurídico FOCO NA MANUTENÇÃO DA LEGALIDADE Anos 50... Pagadoria Registros

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais