FACULDADE SETE DE SETEMBRO- FASETE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RIVALDO GOMES DE SOUZA JÚNIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE SETE DE SETEMBRO- FASETE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RIVALDO GOMES DE SOUZA JÚNIOR"

Transcrição

1 FACULDADE SETE DE SETEMBRO- FASETE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RIVALDO GOMES DE SOUZA JÚNIOR DEMISSÃO COMO COMPLEMENTO PADRÃO DO PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO ASSEGURADO PELOS PROGRAMAS E POLITICAS DEMISSIONAIS PAULO AFONSO BA NOVEMBRO / 2014

2 RIVALDO GOMES DE SOUZA JÚNIOR DEMISSÃO COMO COMPLEMENTO PADRÃO DO PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO ASSEGURADO PELOS PROGRAMAS E POLITICAS DEMISSIONAIS Monografia apresentada à Banca Examinadora do Curso de Graduação da FASETE Faculdade Sete de Setembro, como exigência para a obtenção do título de Bacharel em Administração. Sob a orientação do Prof. Esp. Salomão David Vergne Cardoso. PAULO AFONSO BA NOVEMBRO / 2014

3 FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE CURSO DE GRADUAÇÃO ADMINISTRAÇÃO PARECER DA COMISSÃO EXAMINADORA DE DEFESA DE MONOGRAFIA DE GRADUAÇÃO RIVALDO GOMES DE SOUZA JÚNIOR DEMISSÃO COMO COMPLEMENTO PADRÃO DO PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO ASSEGURADO PELOS PROGRAMAS E POLITICAS DEMISSIONAIS A comissão examinadora, composta pelos professores abaixo, sob a presidência do primeiro, considera a discente RIVALDO GOMES DE SOUZA JÚNIOR APROVADO. Paulo Afonso, 25 de novembro de Prof. Esp. Salomão David Vergne Cardoso (Orientador) Faculdade Sete de Setembro Prof. convidado Faculdade Sete de Setembro Prof. convidado Faculdade Sete de Setembro

4 À minha família, por contribuir na formação do que sou hoje. Pai (Rivaldo) e Mãe (Ivete), seus cuidados, dedicação e presença me asseguraram a certeza de que não estou sozinho nessa caminhada.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por tudo que sou. Aos meus pais que me deram forças e apoio em tudo na minha vida. Aos meus irmãos e noiva meus melhores amigos e companheiros de todas as horas e que os amo muito. Aos meus familiares que contribuirão diretamente na formação do meu ser. Ao meu tio Rilmar e Ricardo que me deram a oportunidade de por em pratica meus conhecimentos obtidos com o curso de Bacharelado em Administração e consequentemente adquirir conhecimentos práticos e mercadológicos. Ao meu orientador e professor Salomão por sua imensa contribuição na minha formação acadêmica, profissional e pessoal, além da construção desse trabalho. Aos meus colegas Igor Nogueira, Nikos Elefthérios e Marcos Nascimento por tudo que proporcionaram no decorrer do curso. A todos o colegas de sala. A todos os meus professores por partilharem os seus conhecimentos comigo. A todos os que contribuíram direta e indiretamente na construção desse trabalho.

6 Todos vêem o que pareces, poucos percebem o que és. Niccolo Maquiavel

7 JÚNIOR, Rivaldo Gomes de Souza. Demissão como Complemento Padrão do Processo de Recrutamento e Seleção Assegurado pelos Programas e Politicas Demissionais p. (Bacharelado de Administração). Faculdade Sete de Setembro: Paulo Afonso BA. RESUMO O processo demissional é de suma importância para a construção de uma cultura organizacional capaz de propiciar o melhor rendimento para desenvolvimento das ações desempenhadas pelas pessoas nos seus respectivos cargos. A norma é ferramenta que assegura os interesses e métodos dos processos pautadas nas características de cada empresa. Utilizando-se dos conhecimentos de Administração de Recursos Humanos e Demissão. Este trabalho buscou analisar o processo, programas e politicas demissionais da Souza Têxtil, Tacaratu PE como ferramenta de suporte para o desenvolvimento das politicas de desligamento da empresa, apontando: o entendimento do que realmente é a demissão. A metodologia utilizou o método de pesquisa exploratório e bibliográfico. Realizando uma pesquisa de caráter focal utilizando-se de entrevista aplicada ao gestor da empresa. A compreensão do processo demissional somou para o desenvolvimento da empresa e à Administração de Recursos Humanos. Palavras Chave: Demissão. Normas Organizacionais. Sistema Ecológico de Vida.

8 JÚNIOR, Rivaldo Gomes de Souza. Demissão como Complemento Padrão do Processo de Recrutamento e Seleção Assegurado pelos Programas e Politicas Demissionais p. (Bacharelado de Administração). Faculdade Sete de Setembro: Paulo Afonso BA. ABSTRACT The dismissal process is paramount to building an organizational culture capable of providing the best performance for the development of actions performed by the people in their respective positions. The standard is tool that ensures the interests of the methods and processes guided by the characteristics of each company. Drawing on the expertise of Directors of Human Resources and Dismissal. This study aimed to analyze the process, programs and dismissal policies Souza Textile, Tacaratu - PE as a support tool for the development of policies for termination of employment, pointing: understanding what really is the dismissal. The methodology used the method of exploratory and bibliographic research. Performing a search using the focal character is applied to the manager of the company interview. Understanding the dismissal process added to the company's development and Human Resource Management. Key words: Resignation. Organizational norms. Ecological System of Life.

9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO CONSIDERAÇÕES INICIAIS DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos DIVISÃO DOS CAPÍTULOS REFERÊNCIAL TEÓRICO RECURSOS HUMANOS AGREGAR PESSOAS Selecionar pessoas APLICAR PESSOAS RECOMPENSAR PESSOAS DESENVOLVER PESSOAS MANTER PESSOAS MONITORAR PESSOAS DEMISSÃO CULTURA E SISTEMA ECOLÓGICO DE VIDA METODOLOGIA DEFINIÇÃO DE METODOLOGIA DELINEAMENTO DA PESQUISA Seleção da Amostra TRATAMENTO DOS DADOS ANÁLISE DOS RESULTADOS O QUÃO IMPORTANTE É O DESLIGAMENTO PARA O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DA SOUZA TÊXTIL? QUAIS OS BENEFÍCIOS E MALEFÍCIOS QUE A DEMISSÃO TRAZ PARA A EMPRESA?... 48

10 4.3. O FATO DE CONHECER, O FUNCIONÁRIO A SER DEMITIDO, DE MANEIRA MAIS PESSOAL DEVIDO O CONVÍVIO EM SOCIEDADE PESA NO MOMENTO DE DECIDIR SE DEMITE OU NÃO O SUBORDINADO? TENDO EM VISTA QUE A INFORMALIDADE EMPREGATÍCIA OCORRE, O FUNCIONÁRIO NÃO É REGISTRADO, COMO PROCEDE AO PROCESSO DE DESLIGAMENTO PARA QUE NÃO OCORRAM EMPECILHOS COM AS LEIS TRABALHISTAS E ENTRE EMPREGADO E EMPREGADOR? QUAIS OS MOTIVOS QUE COMUMENTE LEVAM AO DESLIGAMENTO? COMO VOCÊ VÊ A SUA RELAÇÃO COM SEU EX-FUNCIONÁRIO, NO PERÍODO EM QUE ATUARAM JUNTOS E APÓS O DESLIGAMENTO? O QUE VOCÊ ENTENDE POR DEMISSÃO? CONSIDERAÇÕES FINAIS LIMITAÇÕES DO TRABALHO PROPOSTAS PARA TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS APÊNDICE... 63

11 INTRODUÇÃO

12 C a p í t u l o I - I n t r o d u ç ã o INTRODUÇÃO 1.1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS A busca por um emprego estável, seguro e livre de obrigações e de esforços para a manutenção e desenvolvimento do profissional é sem sombra de dúvida o fator primordial para a elaboração de normativas que punam, regularize e assegure a integridade do cargo, empresa e individuo envolvidos no processo admissional visando que a ociosidade e busca da zona de conforto dos profissionais é o ônus do desenvolvimento mundial. Frente a estes fatos a normalização veio para pôr fim neste entreva fazendo uso da demissão para comunicar que a segurança e estabilidade no emprego extinguiram-se. No contexto pós-moderno da administração a demissão não pode ser vista como algo doloroso e de complexa execução, já que, o gestor há de seguir a linha da razão suprimindo as emoções tornado o desligamento uma tarefa e não uma empreitada, afim de, assegurar a saúde organizacional. A ruptura de regras remotas a permanência do funcionário na empresa e constituição de uma nova normativa baseada nas leis referentes aos processos empregatícios e interesses das empresas caracterizam o quadro atual da Administração de Recursos Humanos. A pratica constante do ato de demitir gera divergências na razão dos gestores encarregados da função acarretando em desejo ou não de demitir. A norma vem para controlar esta disfunção do administrador e assegurar a planificação do desligamento. Este problema abrange todos os tipos de organizações não importando o tamanho, setor, localização, enfim, as características únicas de cada uma. Delimitar, identificar e descrever as ações e fatores envolvidos no processo demissional foi de suma importância para a compreensão do objeto de estudo deste trabalho tendo em vista que o desligamento é a mola propulsora de inúmeras discussões na área de Recursos Humanos, principalmente em organizações de pequeno porte como é o caso da empresa em estudo.

13 C a p í t u l o I - I n t r o d u ç ã o 12 Portanto, entender a aplicabilidade da demissão, é imprescindível nas organizações atuais tendo em vista o controle do andamento do desenvolvimento organizacional via punição a práticas que remetam o baixo rendimento dos ocupantes dos cargos de trabalho que buscam uma zona de conforto baseada em parâmetros estabelecidos por uma cultura retrógrada de manutenção do funcionário no cargo. Frente a estes fatores as empresas buscam estabelecer meios de planificar o desligamento e a normalização surge como ferramenta base de viabilização deste processo DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA A percepção das necessidades nas organizações frente ao modelo atual mercadológico galgado pela internacionalização das economias, processos que almejam a eficiência produtiva e regimento não protecionista dos envolvidos nos processos organizacionais alavancam e incorporam o novo modelo de gestão de pessoas enfatizando a demissão como parte comum da administração de Recursos Humanos. Embora ainda existam gestores incapazes psicologicamente de executar uma ação tão singela, porem, situada sobre uma linha tênue de valores e deveres, desde quando feita apoiada pela normativa. A demissão é tida como motivo de diversos questionamentos e teorias. Mal sabe a maioria da população e dos profissionais do setor administrativo o real significado do que demissão e os seus pressupostos, constituídos por um sistema ecológico de vida do profissional dentro da organização amparado, regulamentado e regido por sistemas normativos e políticos, a fim de, garantirem e confirmarem que a demissão nada mais é que momento ético do ciclo de vida do empregado devido a tudo que ele construiu dentro da organização, ou seja, a demissão é consequência das suas ações. Isso se dá devido ao julgamento da existência do indivíduo na organização e não ao cargo ocupado e seus requisitos. Fischer e Novelli (2008) afirmam que as principais mudanças nas esferas econômicas e políticas, a partir de 1980, geraram nas

14 C a p í t u l o I - I n t r o d u ç ã o 13 organizações o achatamento de estruturas hierárquicas, o investimento nos trabalhos em equipe e o menor detalhamento das descrições de cargos. Desta forma o mundo passou por uma reviravolta no conceito de corte de custos, reengenharia, uso das novas tecnologias, expansão para novas fronteiras e novo modelo gerencial, fusões, plena pratica do downsizing que acarretaram em uma avalanche de demissões por todo o mundo caracterizando um novo estágio para a gestão de pessoas e o desenvolvimento de normativas que assegurem que a pratica do desligamento não saiam dos parâmetros estabelecidos pela lei e que seja entendida como algo natural na vida profissional, além de, fonte riquíssima de dados de suma importância na construção do perfil dos ocupantes dos cargos da organização. Entende-se que a demissão é algo tão comum e de caráter inseparável da característica de empregado, contudo é evitado o aprofundamento no tema. Para Caldas (2000), os enxugamentos de pessoal correspondem a um assunto disseminado, porém pouco estudado cientificamente, talvez, por ser, inclusive, evitado por algumas pessoas. Para a maior compreensão se fez essencial definir o ideário do conceito de demissão, ou seja, unir as ideias que foram de maior relevância que foram condizentes com o propósito da pesquisa, a fim de, compreender o sentido simbólico dos dados galgando-os na medida correta para a construção do ponto de partida do trabalho de análise proporcionando conceitos e noções ao pesquisador. Para Orlandi (2005, p ) o ideário significa: [...] a análise de discurso que visa compreender como um objeto simbólico produz sentidos [...] Inicia-se o trabalho de análise pela configuração do corpus, delineando-se seus limites, fazendo recortes, na medida mesma em que se vai incidindo um primeiro trabalho de análise, retomando-se conceitos e noções, pois a análise de discurso tem um procedimento que demanda um ir-e-vir constante entre teoria, consulta ao corpus e análise. Esse procedimento dá-se ao longo de todo o trabalho. Sendo assim, a definição do ideário deste trabalho foi o ponto de partida para o pesquisador devido a necessidade de entender a fundo do que estava sendo discutido mesmo que em termos gerais e que desta forma o conhecimento seja

15 C a p í t u l o I - I n t r o d u ç ã o 14 ofertado da forma mais clara possível para o leitor mesmo sendo um tema tão complexo devido a sua pouca disseminação mesmo nos âmbitos mais avançados de pesquisas científicas. As delimitações das ações envolvidas no processo demissional auxiliaram no aprofundamento da pesquisa devido a especificação do que realmente foi analisado dentre todas as possíveis constituintes do campo de pesquisa. Em uma pesquisa cientifica quanto maior for a gama de pesquisa maior a quantidade do dado e menor a qualidade, em contrapartida quanto mais profunda for a pesquisa mais qualidade está à disposição do pesquisador. Segundo Leonel (2002) delimitar é indicar a abrangência do estudo, estabelecendo os limites extencionais e conceituais do tema. Enquanto princípio de logica é importante salientar que, quanto maior a extensão conceitual, menor a compreensão conceitual e, inversamente, quanto menor a extensão conceitual, maior a compreensão conceitual. Para que fique clara e precisa a extensão conceitual do assunto, foi importante situá-lo em sua respectiva área de conhecimento, possibilitando, assim, que se visualize a especificidade do objeto no contexto de sua área temática. Frente a todas as subdivisões de pesquisa possíveis que constituem a área do Recursos Humanos a subdivisão que diz respeito a demissão é pouco discutida o que dificultou ainda mais o estabelecimento dos limites conceituais da temática, já que, para construir a ideologia da pesquisa se fez necessário procurar conhecimento com diligencia em outras subdivisões para construir a ideologia da pesquisa. Identificar os fatores envolvidos na política demissional é de suma importância devido a necessidade de entender e reconhecer a identidade dos pontos, ações e fatores envolvidos no processo demissional sendo de suma importância para a compreensão do objeto de estudo deste trabalho tendo em vista que o desligamento é a mola propulsora de inúmeras discussões na área de Recursos Humanos, principalmente em organizações de pequeno porte como é o caso da Souza Têxtil, empresa em estudo. Fazer a descrição das ações nos princípios do processo demissional possibilitou a compreensão de como o desligamento procede na organização, ambiente sistêmico,

16 C a p í t u l o I - I n t r o d u ç ã o 15 que está servindo como objeto de estudo e fonte de dados que foram convertidos em conhecimento frente a perspectiva do pesquisador. Delinear a política de desligamento após o entendimento de todos os aspectos que envolvem a organização pautada no conhecimento científico desenvolvido com o projeto de pesquisa é o fruto do trabalho que a de somar ao meio cientifico o conhecimento sobre um assunto pouco discutido. Para tanto, se fez necessário o entendimento cientifico do processo demissional e a familiarização do tema com os gestores, afim de, obter a melhor forma de desenvolver normas de desligamento e aprimoramento do desenvolvimento organizacional, visto que, a questão arrasta-se desde os primórdios da administração de Recursos Humanos e ainda não tenha sido promulgado um conceito concreto sobre o tema. A lacuna que se encontra aberta foi fonte de inúmeras teorias, dentre elas a do presente trabalho de pesquisa. Frente aos fatos surge a indagação: Quais são os processos, programas e políticas demissionais da Souza Têxtil, Tacaratu PE que são utilizados como ferramenta de suporte para o desenvolvimento das políticas de desligamento da empresa? 1.3. JUSTIFICATIVA A demissão dos profissionais das organizações, o entendimento das demandas do cargo a ser ocupado, foi necessário para que se possa produzir de forma eficiente sem que sejam elevados os custos das operações. Qualquer tipo de organização depara-se com um desafio latente desde os primórdios da administração, a devida necessidade do colaborador no cargo e seu respectivo desempenho como critério demissional, além das considerações pessoais do gestor na hora da demissão. Tornando algo singelo em uma tempestade de emoções desnecessárias para o momento. Esta lacuna parece que nunca a de ser ocupada, já que, o executivo no momento da demissão tende a colocar-se no papel do indivíduo a ser demitido, o que o leva a fazer julgamentos pessoais não condizentes com um momento de pura

17 C a p í t u l o I - I n t r o d u ç ã o 16 racionalidade, contudo, a indivíduos que não conseguem posicionar-se apenas como parte do processo de desligamento. Exemplo disso são aqueles que tornam fonte de prazer o ato de demitir em busca de sanar ou alimentar traumas e frustrações por meio das do próximo. Sendo assim, este é um ser que vive das frustrações alheias. Para maior compreensão, demissão, na visão de Macedo (1996): [...] uma das práticas mais traumáticas e frustrantes, tanto para quem é demitido quanto para quem tem a responsabilidade de sua execução. A visão de Macedo é contraposta quando o indivíduo responsável pelo ato de execução da demissão vivenciou os parâmetros da teoria psicanalítica pulsional freudiana sobre a relação de amor e ódio. O controle destes indivíduos tem de ser efetuado por normas e políticas demissionais a fim de assegurar que a tarefa de demitir seja feita da forma mais consciente possível. O desenvolvimento de um sistema de avaliação de desempenho garante maior justiça no processo de seleção demissional tendo sempre em vista a identificação de funcionários prejudiciais ao bom desempenho da organização. Na empresa estudada a pratica demissional é regida por uma normativa demasiadamente eclética tornando-a um processo de muitas variáveis e de difícil avaliação para a tomada de decisão correta quanto à demissão. O fato de o gestor ser politicamente correto também influi nos processos demissionais. A necessidade de buscar novos meios para a gestão de pessoas faz com que o Administrador de Recursos Humanos pós-moderno pense em novas estratégias e ferramentas onde a eficácia do uso do homem como material primordial da cadeia produtiva. Ressalva-se que o gestor visa o máximo do aproveitamento das características humanas, já que, são fatores evolutivos e altamente produtivos, coisa que maquina nenhuma faz. Portanto, o fator humano foi encarado como a chave do sucesso de qualquer organização, o cérebro que comanda todo o resto do organismo. Sendo assim, a avaliação e a normativa demissional são as ferramentas incumbidas de assegurar a eficiência neste processo complexo OBJETIVOS

18 C a p í t u l o I - I n t r o d u ç ã o OBJETIVO GERAL Analisar o processo, programas e politicas demissionais da Souza Têxtil, Tacaratu PE como ferramenta de suporte para o desenvolvimento das politicas de desligamento da empresa OBJETIVOS ESPECÍFICOS Definir o ideário do conceito de demissão; Delimitar as ações envolvidas no processo demissional; Identificar os fatores envolvidos na politica demissional; Descrever as ações nos princípios do processo demissional; Delinear uma politica de desligamento para a organização DIVISÃO DOS CAPÍTULOS Visando apresentar o assunto de forma estruturada são apresentadas na sequencia informações que permitem compreender a definição do ideário do conceito de demissão, a delimitação das ações envolvidas no processo demissional, a identificação dos fatores envolvidos na politica demissional, a descrição das ações nos princípios do processo demissional e o delineamento de uma politica de desligamento para a organização. Apresenta-se em seguida o delineamento da pesquisa, a amostra pesquisada, os instrumentos e os procedimentos utilizados neste estudo os resultados da pesquisa e considerações finais do autor. No capítulo I, foi tratado da problemática do presente trabalho de pesquisa, assim como, as considerações iniciais, a justificativa da pesquisa e os objetivos geral e específicos.

19 C a p í t u l o I - I n t r o d u ç ã o 18 No capítulo II, abordou-se os conceitos base da Administração de Recursos Humanos, assim como, o que é demissão e o que o processo demissional é um paralelo do sistema de vida ecológico. No capítulo III, tratou-se dos aspectos metodológicos apontando toda a metodologia utilizada para a construção do presente trabalho. No capítulo IV, trata-se das analises da pesquisa comprovando a importância da pesquisa e consequentemente a respondendo a problemática. Por fim, apresenta-se as considerações finais com as perspectivas e deduções do pesquisador quanto o assunto.

20 REFERENCIAL TEÓRICO

21 C a p í t u l o I I R e f e r e n c i a l T e ó r i c o REFERENCIAL TEÓRICO O presente trabalho abordou a área de estudo referente aos processos ligados à demissão, inicialmente através de fontes relevantes da teoria de Administração de Recursos Humanos, em que, fora ressaltada a importância do desligamento e da regimenta que o controla, posteriormente foi desenvolvido o tema: Demissão como Complemento Padrão do Processo de Recrutamento e Seleção Assegurado pelos Programas e Politicas Demissionais. Consequentemente foram observadas as contribuições que o desenvolvimento gradativo do desligamento proporcionou à empresa estudada e as organizações de uma forma geral RECURSOS HUMANOS O entendimento do que se é abordado nesta pesquisa depende de uma serie de fatores e da construção da perspectiva do leitor sobre o que é Recursos Humanos e suas aplicações. Contudo só conhecer o RH não basta, o leitor e/ou profissional que queira fazer uso desta teoria e nível de conhecimento do que realmente é o processo demissional verdadeiro deve sair do panorama antiquado que permeia as pessoas. Entender o RH em sua essência é crucial para o esclarecer do que há por diante. Recurso Humanos é uma área, departamento, que esta incumbido de lidar com as pessoas de forma contingencial e situacional para que estas sigam o proposito da organização e tenham os seus direitos e deveres assegurados. Para Chiavenato (2004), as definições para a Gestão de Pessoas são: Conjunto de políticas e praticas necessárias para conduzir os aspectos da posição gerencial relacionados com as pessoas ou recursos humanos, incluindo recrutamento, seleção, treinamento, recompensas e avaliação de desempenho.

22 C a p í t u l o I I R e f e r e n c i a l T e ó r i c o 21 A gestão de pessoas é a função na organização que está relacionada com provisão, treinamento, desenvolvimento, motivação e manutenção dos empregados. Percebe-se que o Recursos Humanos não esta limitado a recrutar e treinar pessoas e que além disso o RH tem por objetivo, ou deve ter, a finalidade de proporcionar a eficácia da empresa, agregar valor para a organização como um todo e dar retorno para os acionistas demais pessoas envolvida com o empreendimento. Para Chiavenato (2004), a Administração de Recursos Humanos deve contribuir por meio dos seguintes meios: Ajudar a organização a alcançar suas metas, objetivos e realizar sua missão; Proporcionar competitividade à empresa; Treinar e motivar as pessoas para a empresa; Proporcionar a satisfação dos funcionários da empresa; Desenvolver e manter a qualidade de vida do trabalho; Manter políticas éticas e comportamento socialmente responsável. Sabe-se que o RH desempenha inúmeras atividades dentro de uma organização, e que todas elas são de suma importância para o desenvolvimento pleno das ações ligadas a empresa. Segundo Chiavenato (2004) as praticas do Recursos Humanos são: Análise e descrição de Cargos Atribuição de tarefas ao cargo e desenho do cargo. Recrutamento e Seleção Atividade de agregar pessoas e selecionar. Admissão de candidatos selecionados Contrato de trabalho, orientação e integração de novos funcionários. Administração de cargos e salários Atribuição de novas tarefas ao cargo, folha de pagamento e remuneração. Incentivos salariais e benefícios sociais Recompensas, plano de remuneração e plano de benefícios. Comunicação aos funcionários Comunicações internas, Sistema de Informações de RH.

23 C a p í t u l o I I R e f e r e n c i a l T e ó r i c o 22 Treinamento e desenvolvimento de pessoas Diagnóstico das necessidades de treinamento e desenvolvimento de carreiras. Desenvolvimento Organizacional Responsabilidade social das organizações. Higiene, Segurança e Qualidade de Vida Saúde Ocupacional, Segurança do Trabalho e Programas de bem-estar dos funcionários. Relações com Empregados e Relações Sindicais Administração de Conflitos e Disciplina. Mencionar as atividades e não apontar as áreas básicas, ou processos como alguns estudiosos do Recursos Humanos chamam, interfere na construção da ideologia da temática do trabalho. Sendo assim, é relevante apresentar as áreas básicas da Administração para a maior compreensão do pesquisador e leitor. Conforme Chiavenato (2004) os seis processos básicos são: Processos de Agregar Pessoas São os processos de incluir novas pessoas, de suprimento de novos funcionários. Nesse processo estão as atividades de recrutamento e seleção de pessoas; Processos de Aplicar Pessoas Processos utilizados para modelar as atividades que os funcionários irão realizar na organização, acompanhar e orientar seu desempenho. As atividades encontradas nesse processo são de desenhos de cargos e avaliação de desempenho; Processos de Recompensar Pessoas Processos utilizados para motiva e incentivar as pessoas e satisfazer suas necessidades individuas. Nesse processo podemos encontrar as atividades de remuneração e benefícios; Processos de Desenvolver Pessoas Processos utilizados para capacitar, treinar e desenvolver pessoas. Aqui encontramos as atividades de treinamento, mudanças e comunicação; Processos de Manter Pessoas São os processos de criação de condições ambientais e psicológicas satisfatórias para o trabalho dos funcionários; Processos de Monitorar Pessoas São os processos utilizados para acompanhar e controlar o trabalho dos funcionários e analisar os resultados. Incluem nesse processo os banco de dados e sistemas de informações gerencias. Todos esses processos são inter-relacionados entre si e dividem o mesmo sistema ecológico de vida, o sistema organizacional. Por estarem todos no mesmo meio sofrem influencias ambientais mutuamente. Dai surge a necessidade de entender as

24 C a p í t u l o I I R e f e r e n c i a l T e ó r i c o 23 influencias e variáveis internas e externas capazes de influencias o ambiente organizacional visando a melhor forma de tornar as áreas umas compatíveis com as outras. Compreenda melhor no fluxograma a seguir: Fonte: Acesso em: 24/10/2014 as 17h48min. Tendo em vista esta diversificação dos ramos de atuação e das áreas da Administração de Recursos Humanos é de suma importância entender o que são estas áreas e o que elas compreendem e quais as suas relações com o processo demissional. Entender demissão a partir da visão antiquada da maioria dos

25 C a p í t u l o I I R e f e r e n c i a l T e ó r i c o 24 administradores é tarefa difícil e a falta de material disponível para estudos dificulta ainda mais este cenário AGREGAR PESSOAS A Administração de Recursos Humanos causa nas pessoas e nas organizações mudanças enormes seja na sua cultura ou no seu sistema ecológico de vida. Gerir as pessoas que constituem a empresa é um aspecto crucial para o bom desenvolvimento do empreendimento. Tomando esta perspectiva como base é crucial seguir o sistema correto das áreas do RH. Inicia-se com o processo de agregar pessoas visando a seleção, recrutamento, entre outras atividades. Segundo Chiavenato (2004) agregar é meio utilizado para incluir novas pessoas na empresa, que tem como objetivo servir às necessidades organizacionais, em longo prazo, e incluí recrutamento e seleção de pessoas. Pensar em agregar pessoas não é simplesmente enxergar a entrada e saída de seres da organização como se fossem commodities este processo tem de ser entendido e encarado como uma ferramenta, uma oportunidade, de selecionar os melhores e lapida-los conforme as necessidades e cultura da organização formando talentos para uso e abuso em prol do desenvolvimento de todo o sistema organizacional. A eficácia reside em alcançar resultados e atingir objetivos: saber trazer os melhores talentos para a empresa e, sobretudo, tornar a empresa cada dia melhor com as novas aquisições de pessoal (CHIAVENATO, 2008, p. 161). Segundo Almeida (2004, p. 107): A gestão de talentos, tão debatida atualmente e adotada por organizações mais modernas, propõe, também, uma atuação integrada dos recursos humanos, com foco em estratégias organizacionais e em competências. A gestão de talentos é um enfoque estratégico, que visa criar valor para o acionista, cliente, empregado e sociedade, a partir da captação, seleção e retenção e desenvolvimento do talento individual e organizacional. Sendo assim, o foco de agregar pessoas é de galgar profissionais que agreguem valor à empresa, ou seja, eliminar sempre os que não são quantificáveis e selecionar

26 C a p í t u l o I I R e f e r e n c i a l T e ó r i c o 25 os qualificáveis. Contudo, quando não se tem em oferta profissionais que agregam valor é necessário fazer uso dos recursos disponíveis ate que seja encontrado alguém capaz de se encaixar nos padrões que a empresa necessita ou busca. A demissão nesta etapa é utilizada como fonte de dados, em que, as experiências obtidas com os ocupantes anteriores do cargo sirvam de aprendizagem para a melhoria do processo de recrutamento e seleção pautados em uma normativa que assegure a aplicabilidade desse método de melhoria SELECIONAR PESSOAS Selecionar as pessoas certas para desempenharem as atividades certas é o fator chave para o bom desempenho dos processos organizacionais. As organizações devem buscar pessoas que agreguem valor a empresa e ao cargo ocupado mostrando paixão e comprometimento. [...] seleção é a escolha do(s) candidato(s) mais adequado(s) para a organização dentre os candidatos recrutados, por meio de vários. (FRANÇA, 2002, p.34) Na perspectiva de Marras (2004, p.79): Seleção de pessoal é uma atividade de responsabilidade do sistema de ARH [Administração de Recursos Humanos], que tem por finalidade escolher, sob metodologia específica, candidatos a emprego recebidos pelo setor de recrutamento, para o atendimento das necessidades internas da empresa. A empresa busca aquele profissional que seja o mais adequado para a ocupação do cago evitando futuros contratempos e eventuais prejuízos acarretados com o mau selecionamento de pessoal. Sendo assim, a seleção de pessoal deve visar a solução de problemas relacionados ao cargo e as pessoas. Seleção é uma atividade obstativa, de escolha, opção e decisão, de filtragem da entrada, de classificação e, portanto, restritiva. (CHIAVENATO, 2004, p. 185) Chiavenato (2004, p.106) diz que a seleção resolve problemas como:

27 C a p í t u l o I I R e f e r e n c i a l T e ó r i c o 26 Adequação da pessoa ao cargo e vice-versa ou adequação das competências individuais da pessoa às competências organizacionais desejadas pela empresa; Eficiência e satisfação da pessoa no cargo ou fornecimento das competências desejadas pela empresa. Para identificar o profissional que melhor se adeque ao cargo pretendido se faz necessário um estudo minucioso de quem é a pessoa e o que ela tem para ofertar para a organização. Chiavenato (2004) diz que as etapas para a concretização do processo de seleção são escalonadas na seguinte ordem: análise curricular; testes; entrevista; verificação de referência e dinâmica de grupo. Contudo, entender somente o profissional não é necessário para que se consume um bom processo de seleção. O administrador e o Departamento de Recursos Humanos devem conhecer primeiro a empresa e as necessidades, deficiências, em fim, o cargo a fundo para que se possam estabelecer os pressupostos que caracterizem realmente o que se pretende do cargo e de quem deve ocupa-lo. O melhor método de conseguir esse tipo de informação é a pesquisa sendo ela realizada enquanto o funcionário ocupa o cargo e no ato do desligamento que é o momento em que o futuro ex-funcionário esta livre do medo de ser punido e se da o direito de falar tudo sobre o cargo, empresa, colegas, tudo que diz respeito ao seu ciclo ecológico de vida dentro da organização livremente. Dai a importância do desligamento no processo de recrutamento e seleção APLICAR PESSOAS A sequência do ciclo de vida ecológico do profissional dentro da empresa é o processo de aplicar que diz respeito ao que as pessoas vão fazer no seu respectivo cargo. Chiavenato (2004) assegura que aplicar é o meio utilizado para desenhar as atividades, orientar e acompanhar o desempenho do profissional. Inclui desenho organizacional e desenho de cargos, análise e descrição de cargos, orientação das pessoas e avaliação do desempenho. As empresas definem os seus cargos e pressupostos para os profissionais para que assim melhor atendam às suas necessidades estabelecendo normativas que

28 C a p í t u l o I I R e f e r e n c i a l T e ó r i c o 27 assegurem que seus interesses sejam cumpridos. Isto é aplicado a todos os cargos seja ele o mais profissionalizado e complexo ou o mais simples pautado em tarefas simples instigando e impondo ordem em um sistema empregatício peculiar do interior nordestino. Desta forma a empresa molda os funcionários buscando a maior eficácia por meio dos moldes estabelecidos pelas leis da organização resultando em profissionais mais produtivos e realizados no cargo dentro da realidade de cada um no seu respectivo cargo. Ressalva-se que estar moldado a cultura da empresa não é garantia ou que participará do defasado plano de carreira que nada mais é que sinônimo de estabilidade no emprego e gastos excessivos na folha de pagamentos. Sendo assim, aqueles que estão na empresa apenas pela remuneração são tratados como ferramentas para alcance das metas organizacionais que podem ser substituídas a qualquer momento de acordo com as necessidades da empresa. Desta forma, inicia-se o ciclo de aplicação de pessoal devido a saída ou retirada de profissionais RECOMPENSAR PESSOAS A manutenção das necessidades individuais é de suma importância para a saúde do empregado pautado nas realizações pessoais, conquista de sonhos e projeção de novos fazendo com que o indivíduo continue o seu ciclo ecológico de vida dentro e fora da organização galgando paulatinamente as respectivas melhorias na vida profissional e pessoal. Segundo Chiavenato (2004) o processo de recompensar pessoas nada mais é que as formas utilizadas para incentivar as pessoas e satisfazer suas necessidades individuais, que incluem recompensas, remuneração e benefícios. Esse sistema de recompensa para os profissionais é uma forma de motivar os funcionários para desenvolverem melhorias nas atividades e em suas vidas pessoais.

29 C a p í t u l o I I R e f e r e n c i a l T e ó r i c o 28 A recompensa é crucial para o desenvolvimento pleno das atividades organizacionais, principalmente em instituições fabris, por se tratar de um fator crucial na vida de todos. Remuneração é indicador de bom ou mau desempenho, um funcionário que não é remunerado conforme a sua valia na empresa diminui a sua produtividade paulatinamente conforme passa a se sentir desmotivado, já o profissional bem remunerado aumentara gradativamente ou manterá a sua produtividade se for recompensado de acordo com o seu valor DESENVOLVER PESSOAS O desenvolvimento do quadro de funcionários ou pessoas que constituem a organização é crucial para a eficiência e eficácia dos processos desempenhados. Pautado neste princípio se faz necessário o desenvolvimento de pessoal via métodos que transformem as pessoas em ferramentas valiosas para a empresa e para elas mesmas por meio da profissionalização. [...] para reter talentos dentro da empresa, a área de recursos humanos deve criar medidas para estimular e desenvolver o potencial de seus profissionais. Em geral as companhias que promovem um bom ambiente de trabalho não perdem facilmente os seus talentos. (RIBEIRO, 2005, p. 16), Segundo Chiavenato (2004) o desenvolvimento de pessoal é tido como meio utilizado para capacitar e incrementar o desenvolvimento profissional e pessoal das pessoas. E neste processo estão inclusos treinamento e desenvolvimento das pessoas, programas de mudanças e desenvolvimento de carreiras e programas de comunicação. Para que desta forma os indivíduos sejam educados de acordo com as necessidades da empresa, ou seja, o RH traça estratégias que conduzem o profissional a ser parte da empresa e passar a acreditar em suas ideologias. Uma boa maneira de desenvolvimento de pessoal é o treinamento devido a profissionalização e preparo para o cargo de forma mais especializada. Em empresas com as características da região nordeste, especificamente no interior pernambucano, o treinamento é tido como o método mais barato e rápido para a

30 C a p í t u l o I I R e f e r e n c i a l T e ó r i c o 29 preparação dos profissionais apitos a ocuparem os cargos, além de, torna-los especialistas em apenas uma função assegurando que estes ao se desligarem da empresa não tenham muito a ofertar, em termos de conhecimentos gerais da organização, para a concorrência. O profissional quando especialista em uma única função convive com o medo de não se capaz de desempenhar outra tarefa o profissão facilmente, ele esta na sua zona de conforto, por este motivo o medo de ser realocado ou dispensado. Ressalva-se que este ideário é na perspectiva das empresas do setor têxtil do interior pernambucano MANTER PESSOAS Criar aspectos, situações e ambientes favoráveis para o bem estar das pessoas dentro da organização é crucial, visto que, o trabalho é onde as pessoas passam grande parte de suas vidas, pautado neste fato a Administração de Recursos Humanos deve desenvolver estratégias e ações que possibilitem que os funcionários se sintam partes especiais da empresa, pode ate parecer ruim, mas o truque é fazelos como órgãos vitais, só assim os indivíduos serão mantidos e desempenhando as suas funções da melhor forma possível. Para Chiavenato (2004) o processo de manter pessoas avalia e proporciona condições ambientais e psicológicas satisfatório para a execução das atividades das pessoas proporcionado valor e desenvolvimento para a organização. Para Milkovich e Boudreau (2000, p. 19), a importância de manter pessoas esta pautada na lógica de que: Ainda que as instalações físicas, os equipamentos e os recursos financeiros sejam necessários para organização, as pessoas os recursos humanos são particularmente importantes. Os recursos humanos (RH) trazem o brilho da criatividade para a empresa. As pessoas planejam e produzem os produtos e serviços, controlam a qualidade, vendem os produtos, alocam recursos financeiros e estabelecem as estratégias e objetivos para a organização. Sem pessoas eficazes, é simplesmente impossível para qualquer empresa atingir seus objetivos.

31 C a p í t u l o I I R e f e r e n c i a l T e ó r i c o 30 Sendo assim, a organização tem de primar pelas relações com os seus funcionários, já que, são a chave do sucesso de qualquer empreendimento. As estragais utilizadas para manter pessoas varia de acordo com os fatores e variáveis que influenciam cada organização como meio ambiente, cultura, educação, entre outros fatores que tornam o processo de manter pessoas algo peculiar à cada empresa MONITORAR PESSOAS O acompanhamento das atividades dos profissionais dentro da empresa é crucial para o entendimento do que se passa, como procede, que providencias tomar e quando tomar frente às inúmeras coisas que podem ocorrer dentro de uma empresa no que diz respeito ao envolvimento das pessoas. Desta forma é possível controlar todas as atividades dos indivíduos. Segundo Chiavenato (2004) o processo de monitorar é uma forma para acompanhar e controlar as atividades das pessoas e verificar resultados, a partir de banco de dados e sistemas de informações gerenciais. Monitorar as pessoas proporciona à empresa saber o que são e o que fazem as pessoas e o quão valoroso são para o empreendimento. O monitoramento é o processo de seleção demissional, em que, aponta que sai e que fica ocupando o cargo. No fim das contas ninguém se quer menciona o processo demissional como parte da Administração de Recursos Humanos ou algo natural do sistema ecológico de vida das organizações e dos profissionais. O fato de autores de renome se esquivarem do assunto, assim como a maior parte da população, mostra que o tema é delicado e cercado de pré-conceitos que não fazem jus ao assunto. Argumentar sobre um tema tão pouco discutido e cercado de conceitos mau construídos sobre o que é demissão não é fácil, principalmente pela falta de materiais didáticos disponíveis o que levam ao pesquisador ir cada vez mais a fundo no universo da pesquisa para criar um conceito, conhecimento, plausível com a temática. Fazer ciência de coisas obvias é fácil. Demissão deve ser encarada como o fim e início do ciclo de vida do profissional.

32 C a p í t u l o I I R e f e r e n c i a l T e ó r i c o DEMISSÃO Entende-se demissão como a situação em que é posto o fim de um contrato de trabalho, em que, se é encerrado qualquer relação empregatícia e de relacionamentos entre empregador e empregado devido ao descontentamento ou não satisfação das necessidades, desejos e demandas de uma ou ambas as partes. As demissões são o término do emprego de trabalhadores permanentes ou temporários, por iniciativa do empregador ou do próprio empregado (MILKOVICH, 2000, p.261). Para Caldas (2000, p.191), O termo demissão é usado para descrever tantos fenômenos distintos que às vezes o seu significado torna-se confuso [...]. Contudo, o desligamento pode ser entendido mais claramente somente no âmbito empresarial no diz respeito ao exercimento de atividade remunerada de forma direta ou indireta, via vínculo empregatício, capaz de proporcionar atividade econômica ao empregado. Complementando a conceituação anterior, Kotler (KREMER; FARIA, 2005). Explica que a demissão também pode representar pessoas: Desempregadas são pessoas que compõem o conjunto da população economicamente ativa e contingente de pessoas em condições de participar do processo de produção social não utilizada pelo processo de acumulação do capital a qual se manifesta pelas modalidades de desemprego ficcional, conjuntural, e estrutural. Friccional: refere-se à mobilidade ocupacional e da inserção na ocupação. Conjuntural: desemprego gerado pela insuficiência no nível de atividade econômica ou sazonalidade da produção. Estrutural: a mão de obra necessária ao processo de acumulação de capital é inferior à mão de obra disponível no mercado de trabalho. Para Robbins (2003), há 7 tipos de desligamentos: 1) demissão; 2) dispensa temporária; 3) contenção; 4) transferências; 5) empréstimos externos; 6) redução da semana de trabalho e 7) aposentadoria voluntária. Para esclarecer cada tipo de desligamento. Silva (2010, p. 15) explica que:

33 C a p í t u l o I I R e f e r e n c i a l T e ó r i c o 32 Na demissão há a rescisão permanente e involuntária do contrato de trabalho. Na dispensa temporária e involuntária, o contrato é rescindido por dias ou anos. Na contenção, a organização deixa de contratar, uma vez que não preenche vagas criadas por demissões voluntárias ou aposentadorias normais. Na transferência, o funcionário é lotado em outros setores ou departamentos. Na aposentadoria voluntária, há o fornecimento de incentivos para os funcionários aposentarem antes do seu período regular. Nos empréstimos externos, há o fornecimento de serviços temporários na base de contrato de funcionários para outras organizações sem excluí-los da folha de pagamento. O processo demissional deve ser constituído de uma normativa clara e objetiva a fim de facilitar a compreensão das partes, assegurar direitos e deveres e o não burlamento da norma. Para a Poiesis (2014, p. 1) as premissas básicas são: Reconhecer o potencial humano como o recurso estratégico mais importante para o desenvolvimento e sucesso institucional. Envolver e comprometer todos os colaboradores no trabalho que está desenvolvendo. Reconhecer que é necessário capacitar e profissionalizar o funcionário para que desenvolva e utilize seu pleno potencial de modo coerente e convergente com os objetivos estratégicos da organização. Não tolerar qualquer conduta física, verbal ou não verbal que venha a afetar a dignidade das pessoas da mulher e do homem no trabalho. Em especial, conduta que crie ou represente intimidação, hostilidade, humilhação, assédio moral ou sexual, bem como qualquer tipo de discriminação de etnia (raça/cor), gênero, credo religioso, idade, classe social, hábitos, orientação sexual, política, e relacionada à deficiência e mobilidade reduzida, pois fere a dignidade, afeta a produtividade e deteriora o clima e o ambiente de trabalho. Empenhar-se em estabelecer uma comunicação aberta e transparente, fornecendo informações regulares, confiáveis e relevantes a todos os colaboradores. Criar as condições necessárias para que todos os colaboradores possam expressar suas ideias, dúvidas, dificuldades, problemas e sugestões relacionados ao trabalho. Assim, define a essência da demissão como o processo de encerramento do vinculo empregatício entre organização e empregado devido o não cumprimento da norma estabelecida pela empresa ou desejo do empregado de se desligar do emprego

34 C a p í t u l o I I R e f e r e n c i a l T e ó r i c o 33 atual ou do empregador de dispensar o colaborador por vontade própria, objetivando sanar um desejo, ou inadequação ao cargo. Analisando os conceitos, tomando-os como referencial à importância conferida a demissão nos processos de gestão de pessoas, percebe-se a concepção de um direcionamento maior para as ações voltadas para o desligamento extrapolando o campo de estudo e criação de novas teorias referentes ao assunto, representando uma filosofia organizacional voltada cada vez mais para a eficiência das operações ignorando os fatores humanos que são irrelevantes ao cumprimento de objetivos e meta da organização CULTURA E SISTEMA ECOLÓGICO DE VIDA O desenvolvimento ecológico humano é dado como um sistema protecionista e de risco devido a complexa rede de influências externas sofridas pelo indivíduo. Contempla o desenvolvimento integrando a compreensão do desenvolvimento e as relações humanas estabelecidas nas organizações não é tarefa fácil para gestores e administradores de empresas de pequeno porte porque estes não atuam em uma única área ou setor ao contrário de administradores de grandes organizações que se dedicam apenas a um setor especifico o que facilita o trabalho. Para que as pequenas empresas acompanhem o ritmo das grandes organizações é de suma importância a flexibilização e redução dos custos envolvidos com as pessoas que compõem o empreendimento. Para Jacques e Dolabela (2000) o enxugamento dos custos e flexibilização estão envolvidos com a dispensa dos funcionários de maior idade e contratação de pessoas com menor faixa etária o que acarreta na terceirização. Contudo a pratica deste método de redução custos implica na terceirização pelo fato de as empresas não terem tempo de desenvolverem pessoal capacitado para a produção competitiva plena. Sendo assim, fica claro que as empresas não estão sabendo e nem fazendo tudo dentro de casa, o que implica cada vez mais na focalização no que o empreendimento objetiva deixando de lado as atividades que

35 C a p í t u l o I I R e f e r e n c i a l T e ó r i c o 34 antes eram desenvolvidas e possibilitavam o maior desenvolvimento dos funcionários. Seguir esta ideologia interfere no sistema ecológico de vida dos funcionários e engessa a cultura organizacional. Atendendo esta abordagem os profissionais estão direcionados para a autonomia e não mais para a capacidade de se adaptar à mudança, ou seja, as empresas querem pessoas que iniciem a mudança. Partindo deste conceito Jacques e Dolabela (2000) afirmam que quem quiser manter o seu emprego e a competitividade da empresa não poderá esperar que alguém lhe diga o que fazer; terá de agir como se a empresa fosse dele, precisará compreender o mundo e cultura organizacional. O conceito de enxugamento dos custos e flexibilização parte do conceito do downsizing e da busca de diferentes interesses e atividades das pessoas que constituem a organização além da necessidade de companhia, isto implica em um sistema de vida ecológico. Para Jacques e Dolabela (2000) sistema de vida ecológico nada mais é que a necessidade de cada um encontrar o fiel da balança entre o seu desejo de independência e sua carência de companhia. O sistema de vida ecológico está ligado a cultura no que diz respeito ao desenvolvimento do sistema de conhecimentos, ideologia, valores, lei e rituais de uma sociedade. Partindo dessa ideologia, a própria organização passa a ser um fenômeno cultural que varia de acordo com o estágio de desenvolvimento de uma sociedade. Um fato que comprova esta ideologia é a influência que as grandes organizações como a Coca-Cola e a Harley Davidson imprimem sobre a cultura das pessoas. Este fenômeno é aplicável para as pequenas organizações só que em uma escala menor, mais especificamente internamente além de ser regida por inúmeros pressupostos que compõem a própria cultura organizacional. Para Morgan (2002) o indivíduo que está de fora da empresa enxerga a vida diária numa sociedade organizacional como cheia de crenças, rotinas e rituais peculiares que a identificam como uma vida cultural especifica quando comparada com as sociedades tradicionais.

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

A importância do RH estratégico para as empresas familiares. Sheila Madrid Saad

A importância do RH estratégico para as empresas familiares. Sheila Madrid Saad A importância do RH estratégico para as empresas familiares Sheila Madrid Saad Anos 30... Pagadoria Registros e controles Enfoque jurídico FOCO NA MANUTENÇÃO DA LEGALIDADE Anos 50... Pagadoria Registros

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS 2012 Graduando em Psicologia na Universidade Federal do Ceará (UFC), Brasil adauto_montenegro@hotmail.com

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Gestão de Pessoas Conjunto de métodos, políticas,técnicas e práticas definidos com o objetivo de orientar o comportamento humano

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

Rotinas Adminisrativas DESENVOLVIMENTO DE CARREIRAS

Rotinas Adminisrativas DESENVOLVIMENTO DE CARREIRAS Rotinas Adminisrativas DESENVOLVIMENTO DE CARREIRAS DESENVOLVIMENTO DE CARREIRAS Carreira: É uma sucessão de cargos ocupados por uma pessoa ao longo de sua vida profissional. Este desenvolvimento é alcançado

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Como atrair e reter talentos

Como atrair e reter talentos Como atrair e reter talentos na Panificação PORQUE A DISCUSSÃO DE TALENTOS É IMPORTANTE PARA ORGANIZAÇÕES COMPETITIVAS? Em toda a história do mundo empresarial, nunca houve tanta preocupação e cuidados

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Processos de Recursos Humanos

Processos de Recursos Humanos Gestão Integrada RH Recursos Humanos Unida 2 Rosemeri da Silva Paixão Recursos Humanos 28 Gestão Integrada RH Sumário Introdução... 30 Objetivos... 31 Estrutura da Unida... 31 UNIDADE 2: Recursos Humanos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

M.Sc Angela Abdo Campos Ferreira

M.Sc Angela Abdo Campos Ferreira Nossa Missão Atrair o Talento certo para a Empresa M.Sc Angela Abdo Campos Ferreira GESTÃO DE PESSOAS Gestão Liderança + Administrativo Para se tornar um excelente gestor Para se tornar um excelente gestor

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PESSOAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PESSOAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PESSOAL Nome: Elaboração: / / Inspiração empresarial A criação desse modelo de Planejamento Estratégico Pessoal foi baseada numa reportagem da Revista Você S/A (Dez/2002: Paul

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Capítulo 3 Agregando Pessoas -Recrutamento e Seleção de Pessoas Nesse capítulo veremos com as organizações agregam pessoas através do recrutamento e seleção de pessoas.

Leia mais

Rita/João Abril -2014

Rita/João Abril -2014 Rita/João Abril -2014 Conteúdo Programático (Qui)10/04 Estratégia de gerenciamento de pessoas com foco em resultado e gestão por competências Rita (Qui)17/04 - Conceitos de liderança, equipes eficazes,

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

PPG - Programa de Profissionalização da Gestão. Pequenas e Médias Empresas

PPG - Programa de Profissionalização da Gestão. Pequenas e Médias Empresas PPG - Programa de Profissionalização da Gestão Pequenas e Médias Empresas 2010 Comunidade de interesse em Gestão Empresarial + Convidados Discutir novas idéias e estimular o uso de conceitos e práticas

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

SOBRE A NOSSA EMPRESA

SOBRE A NOSSA EMPRESA SOBRE A NOSSA EMPRESA A Resolve Serviços Empresariais Ltda., fundou-se em 1991, com o propósito de oferecer o serviço de mão de obra temporária fundamentada na Lei 6019/74, destacando-se pela ética, agilidade,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS. CESPE Prof. Marcelo Camacho

GESTÃO DE PESSOAS. CESPE Prof. Marcelo Camacho GESTÃO DE PESSOAS CESPE Prof. Marcelo Camacho PROGRAMAÇÃO DAS AULAS PROGRAMAÇÃO DAS AULAS OBJETIVOS, DESAFIOS E CARACTERÍSTICAS DA GESTÃO DE PESSOAS Segundo Chiavenato as práticas e políticas de Gestão

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Tendências em Gestão de Pessoas

Tendências em Gestão de Pessoas Tendências em Gestão de Pessoas Iniciamos um novo ano, 2011. Dois meses já se passaram, e voltamos aos artigos sobre RH estratégico, Tendências de Recursos Humanos, Novos Rumos para a área de Recursos

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso

O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso Maiane Bertoldo Lewandowski Consultora de RH Hospital Mãe de Deus TRANSFORMAÇÕES NO MERCADO DE TRABALHO Mudança de modelo mental; Escassez

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

PLANO DE CURSO. Administração de benefícios e planos de carreira. Pesquisa de clima e cultura organizacional

PLANO DE CURSO. Administração de benefícios e planos de carreira. Pesquisa de clima e cultura organizacional PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Administração Disciplina: Administração de Recursos Humanos II Professor: Salomão David Vergne Cardoso e-mail: vergne07@gmail.com Código:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais