O FALECIDO MATTIA PASCAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O FALECIDO MATTIA PASCAL"

Transcrição

1

2 LUIGI PIRANDELLO O FALECIDO MATTIA PASCAL Tradução José J. C. Serra

3 Título original: «Il fu Mattia Pascal» Cavalo de Ferro Editores, 2010 para a publicação em língua portuguesa Revisão: Marta Duarte Paginação: Finepaper 1.ª Edição, Março de 2010 ISBN: Quando não encontrar algum livro Cavalo de Ferro nas livrarias, sugerimos que visite o nosso site:

4 Índice Introdução... 7 Segunda introdução (filosófica)em jeito de desculpa A casa e a toupeira Foi assim Amadurecimento Tac, tac, tac Mudo de comboio Adriano Meis Um pouco de neblina Pia de água benta e cinzeiro Olhando o rio ao entardecer O olho e Papiano A lanternazinha As proezas do Max Eu e a minha sombra O retrato de Minerva Reencarnação O falecido Mattia Pascal

5

6 i Introdução Uma das poucas coisas, aliás, talvez a única, que eu tinha a certeza de saber era esta: chamava-me Mattia Pascal. E aproveitava-me disso. De todas as vezes que algum dos meus amigos ou conhecidos demonstrava ter perdido o juízo até ao ponto de vir visitar-me para obter algum conselho ou sugestão, eu encolhia os ombros, semicerrava os olhos e respondia-lhe: Eu chamo-me Mattia Pascal. Obrigado, meu caro, eu sei isso. E parece-te pouco? Para dizer a verdade, nem a mim parecia grande coisa. Mas nessa altura eu ignorava o que significava não saber sequer isto, ou seja, já não poder responder como antigamente, quando necessário: Eu chamo-me Mattia Pascal. Alguém há-de ter dó de mim (custa tão pouco), imaginando o atroz pesar de um desgraçado que, de repente, descobre que... sim, nada, em suma: nem pai, nem mãe, nem como foi ou como deixa de ser; e também há-de querer indignar-se (custa ainda menos) com a corrupção dos costumes, e com os vícios, e com a tristeza dos tempos que correm, e que podem ser motivo do muito mal por que passa um pobre inocente. Pois bem, esteja à vontade. Mas é meu dever avisá-lo que não se trata propriamente disso. Com efeito, poderia aqui expor, numa árvore genealógica, a origem e a descendência 7

7 da minha família e demonstrar que não só conheci o meu pai e a minha mãe, mas também, num longo período de tempo, os meus antepassados e as suas acções, não todas verdadeiramente louváveis. E então? Pois bem, o meu caso é muito mais estranho e diferente; tão diferente e estranho que me apresto a narrá-lo. Durante cerca de dois anos, fui não sei bem se mais um caçador de ratos do que um guarda de livros na biblioteca que um certo monsenhor Boccamazza, em 1803, quando morreu, quis deixar à nossa Câmara Municipal. É bem evidente que este monsenhor pouco devia conhecer da índole e dos hábitos dos seus concidadãos; ou talvez esperasse que o seu espólio, com o passar do tempo e com a comodidade, acendesse no seu espírito o amor pelo estudo. Até hoje, posso testemunhá-lo, ainda não se acendeu: e digo-o em louvor dos meus concidadãos. Aliás, a Câmara Municipal demonstrou tão pouca gratidão para com a oferta do Boccamazza que nem sequer lhe quis erguer um meio busto que fosse, e os livros deixou-os anos e anos amontoados num vasto e húmido armazém, de onde depois os retirou, imagine-se em que estado, para os arrumar na remota capela de Santa Maria Liberale, que não sei por que razão está encerrada ao culto. Aqui, confiou-os sem qualquer discernimento, a título de benefício, e como sinecura, ao mandrião bem recomendado que, por duas liras ao dia, ficasse ali a olhar para eles, ou nem isso, e conseguisse suportar durante algumas horas o cheirete a mofo e a velharia. Tal sorte também me coube a mim; e desde o primeiro dia fiquei com tão miserável estima pelos livros, sejam eles impressos ou manuscritos (como alguns antiquíssimos da nossa biblioteca), que nunca me poria a escrever se, como disse, não considerasse realmente singular o meu caso, o qual 8

8 poderia servir de ensinamento a um ou outro curioso leitor, que porventura, produzindo finalmente efeito a antiga esperança da boa alma do monsenhor Boccamazza, viesse parar a esta biblioteca, a que deixo este meu manuscrito, com a obrigação, porém, de que ninguém o abra senão passados cinquenta anos sobre a minha terceira, última e definitiva morte. Uma vez que, até hoje (e Deus sabe o quanto me lamento disso), eu já morri, sim, duas vezes; a primeira por erro e a segunda... ouvireis de seguida. 9

9 II Segunda introdução (filosófica) em jeito de desculpa A ideia, ou melhor, o conselho de escrever foi-me sugerido pelo meu reverendo amigo padre Eligio Pellegrinotto, que, no presente, cuida dos livros do Bocamazza, e a quem entregarei o manuscrito assim que o terminar, se alguma vez o terminar. Escrevo-o aqui, na capela encerrada ao culto, à luz que me vem do lanternim lá de cima, da cúpula; aqui, na abside reservada ao bibliotecário e fechada por uma balaustrada baixa de madeira com pequenas colunas, enquanto o padre Eligio resfolega sob o encargo que heroicamente assumiu de pôr um pouco de ordem nesta verdadeira babilónia de livros. Receio bem que não o consiga levar até ao fim. Mais ninguém antes dele se tinha preocupado em saber, pelo menos por alto e numa rápida vistoria às lombadas, que tipo de livros aquele monsenhor tinha deixado à Câmara Municipal: considerava-se que todos, ou quase todos, versavam temas religiosos. Ora, o Pellegrinotto descobriu, para sua maior consolação, uma variedade grandíssima de temas na biblioteca do monsenhor; mas como os livros foram tirados ao acaso do armazém e aqui amontoados como vinham à mão, a confusão é indescritível. Devido à proximidade, estreitaram-se entre estes livros amizades bem mais que bonitas: o padre Eligio Pellegrinotto disse-me, por exemplo, que teve bastante dificuldade em separar um tratado muito licencioso Dell arte di amar le donne, três livros de Anton Muzio Porro, do ano de 1571, uma Vita e morte di Faustino 10

10 Materucci, Beneditino di Polirone, che taluni chiamano beato, biografia publicada em Mântua no ano de Por causa da humidade, as páginas dos dois volumes tinham ficado fraternalmente coladas. Note-se que no segundo livro do tal tratado licencioso se discorre demoradamente sobre a vida e as aventuras dos mosteiros. Muitos outros livros curiosos e agradabilíssimos foram descobertos nas estantes da biblioteca pelo padre Eligio Pellegrinotto, que passava o dia inteiro no cimo de um escadote de acendedor de lampiões. Sempre que encontra um, atira-o lá do alto, com elegância, para cima da grande mesa que está no meio; a capela ribomba; ergue-se uma nuvem de pó e dois ou três aranhiços fogem dali assustados: eu venho a correr da abside, saltando por cima da balaustrada; primeiro, pego no livro e abro caça aos aranhiços pela mesa coberta de pó fora; depois, abro o livro e ponho-me a lê-lo aos poucos. Deste modo, a pouco e pouco, comecei a gostar de tais leituras. Ora, o padre Eligio diz-me que o meu livro deveria ser feito tendo por modelo estes que ele vai encontrando na biblioteca, ou seja, deveria ter um sabor especial. Eu encolho os ombros e respondo-lhe que não é tarefa para mim. E depois passo a outra coisa. Todo suado e cheio de pó, o padre Eligio desce do escadote e vai apanhar ar à pequena horta que encontrou maneira de plantar aqui por detrás da abside e protegeu em toda a volta com paus e pedras. Pois é, meu reverendo amigo digo-lhe eu, sentado em cima do muro, com o queixo apoiado no castão da bengala, enquanto ele cuida das suas alfaces. Não me parece que seja tempo, este, de escrever livros, nem por brincadeira. Tendo também em consideração a literatura, como tudo o resto, tenho de repetir o meu habitual refrão: Maldito seja Copérnico! 11

11 Oh, oh, oh, Copérnico nada tem que ver com o caso! exclama o padre Eligio, endireitando-se, de rosto corado por baixo do enorme chapéu de palha. Tem que ver, sim, padre Eligio. Porque quando a Terra não girava Lá está o senhor! Mas se ela sempre girou! Não é verdade. O homem não o sabia e, portanto, era como se não girasse. Foi o que eu disse no outro dia a um velho camponês e sabe o meu reverendo amigo o que ele me respondeu? Que era uma boa desculpa para os bêbados. De resto, também o reverendo, desculpe-me, não pode duvidar que Josué parou o Sol. Mas deixemos este assunto de lado. Eu digo que quando a Terra não girava, e o homem, vestido à grego ou à romano, fazia uma bonita figura e se tinha a si mesmo em tão alta consideração e se comprazia da própria dignidade, creio que podia ser aceite uma narração minuciosa e cheia de pormenores ociosos. Lê-se ou não em Quintiliano, como o padre Eligio me ensinou, que a história devia ser feita para narrar e não para provar? Não o nego responde o padre Eligio. Mas também é verdade que nunca se escreveram livros tão minuciosos em todos os seus mais secretos pormenores, desde que, como o senhor diz, a Terra começou a girar. Pronto, está bem! O senhor conde levantou-se cedo da cama, precisamente às oito horas e trinta minutos A senhora condessa vestiu um vestido lilás com abundantes rendilhados na gola A Teresinha morria de fome A Lucrécia sofria de amores Oh, meu Deus! E que me interessa isso a mim? Vivemos ou não num invisível pião cujo baraço é um raio de Sol, vivemos ou não num grãozinho de areia endoidecido que gira e gira e gira, sem saber porquê, sem jamais chegar ao destino, para nos fazer sentir ora um pouco mais de calor ora um pouco mais de frio, e para nos fazer morrer amiúde com a consciência de ter cometido 12

12 uma sequência de pequenas parvoíces após cinquenta ou sessenta voltas? Foi Copérnico, foi Copérnico, meu caro padre Eligio, quem estragou a humanidade, irremediavelmente. Nós já nos fomos a pouco e pouco habituando à nova concepção da nossa infinita pequenez, aliás, a considerarmo-nos menos que nada no Universo, com todas as nossas belas descobertas e invenções; e, portanto, que valor quer que tenham as notícias, não digo das nossas misérias privadas, mas das calamidades gerais? Teve oportunidade de ler sobre aquele pequeno desastre das Antilhas? Nada. A Terra, coitadinha, cansada de tanto andar à roda, como afirma o tal cónego polaco, sem finalidade, teve um pequeno momento de impaciência e expeliu um pouco de fogo por uma das suas muitas bocas. Sabe-se lá que coisa lhe provocou aquela espécie de bílis. Talvez a estupidez dos homens, que nunca foram tão enfadonhos como agora. Basta. Muitos milhares de pequenos vermes morreram queimados. Mas a vida continua. Quem é que ainda se lembra disso? O padre Eligio Pellegrinotto, contudo, observa que por muitos esforços que façamos com a cruel intenção de arrancar, de destruir as ilusões que, com boa intenção, a providente natureza nos criou, não o conseguimos. Felizmente, o homem distrai-se com facilidade. Isso é verdade. A nossa Câmara Municipal, em certas noites já marcadas no calendário, não manda acender os lampiões, e amiúde se está nublado deixa-nos às escuras. O que, no fundo, quer dizer que nós ainda hoje acreditamos que a Lua só está no céu para nos alumiar de noite, e o Sol de dia, e as estrelas para nos oferecerem um magnífico espectáculo. Seguramente. E bastas vezes, esquecemo-nos de que somos átomos infinitesimais e que nos devemos respeitar e apreciar reciprocamente, e somos capazes de andar à pancada por um talhão de terra ou de ficar magoados 13

13 com certas coisas que, se estivéssemos realmente compenetrados daquilo que somos, deveriam parecer-nos misérias incalculáveis. Pois bem, graças a esta distracção providencial, e à estranheza do meu caso, irei falar de mim, mas o mais brevemente que me for possível, isto é, dando apenas aquelas notícias que considerar necessárias. Algumas delas, certamente, não me farão grande honra; mas actualmente encontro-me numa situação de tal maneira excepcional que já me posso considerar como estando fora da vida; e, portanto, sem obrigações e sem escrúpulos de espécie alguma. Comecemos. 14

14 III A casa e a toupeira No início, referi com demasiada pressa que conheci o meu pai. Não o conheci. Tinha quatro anos e meio quando ele morreu. Viajara de brigue para a Córsega, por causa de certas negociatas que aí tinha, e nunca mais voltou, pois morreu de uma febre perniciosa, em três dias, aos trinta e oito anos de idade. Todavia, deixou muito bem a mulher e os dois filhos: o Mattia (que sou eu, e fui) e o Roberto, dois anos mais velho do que eu. Alguns velhotes da terra ainda hoje se comprazem em dar a entender que a riqueza do meu pai (a qual, de resto, já não o devia ensombrar, pois passou há bastante tempo para outras mãos) teria tido origens, digamos assim, misteriosas. Afirmam que a teria ganho jogando às cartas, em Marselha, com o capitão de um vapor mercantil inglês, o qual, depois de ter perdido todo o dinheiro que trazia com ele, e não devia ser pouco, também apostou uma grande carga de enxofre que embarcara na longínqua Sicília por conta de um negociante de Liverpool (Até isto sabem! E o nome?), que tinha alugado o vapor; de seguida, desesperado, levantara ferro e afogara-se no alto-mar. Deste modo, o vapor veio a atracar em Liverpool também aligeirado do peso do capitão. Ainda bem que o meu pai não passava cartão à malvadez dos meus concidadãos. Possuíamos terras e casas. O meu pai era sagaz e aventuroso e nunca teve sede estável para os seus negócios: sempre em viagem naquele seu brigue, onde encontrava melhor e 15

15 mais oportunamente comprava e, de imediato, revendia mercadorias de toda a espécie; e para não ser tentado por empreendimentos demasiado grandes ou arriscados, investia progressivamente os lucros em terras e casas, aqui, na sua terrinha, onde em breve, talvez, contasse descansar na fartura que esforçadamente adquirira, feliz da vida e em paz juntamente com a mulher e os filhinhos. E assim, primeiro, comprou a terra das Due Riviere, rica de oliveiras e amoreiras; depois, a quinta da Stìa, também ela ricamente beneficiada e com uma bela nascente de água, que foi logo presa para o moinho; depois, o outeiro do Sperone, que tinha a melhor vinha da nossa região; e, por fim, San Rocchino, onde construiu uma deliciosa villa. Lá na terra, para além da casa onde morávamos, comprou duas casas e todo aquele quarteirão que agora está reduzido e adaptado a arsenal. A sua morte quase repentina foi a nossa ruína. A minha mãe, incapaz de administrar a herança, teve de a confiar ao governo de um tipo que, por ter recebido tantos benefícios do meu pai chegando mesmo a mudar de estatuto social, se sentiu na obrigação de, pelo menos, mostrar um pouco de reconhecimento, o qual, para além do zelo e da honestidade, não lhe iria custar sacrifícios de qualquer espécie, já que era lautamente remunerado. Uma santa mulher, a minha mãe! Era de índole reservada e muito plácida e com escassa experiência da vida e dos homens! Quando falava parecia uma criança. Falava com acentuação nasal e também se ria pelo nariz, já que, de todas as vezes, apertava os lábios como se tivesse vergonha de rir. De compleição muito grácil, ficou sempre de saúde muito fraca, depois da morte do pai; mas nunca se queixou dos seus males nem creio que alguma vez se lamentasse deles, de si para si, aceitando-os, resignada, como consequência 16

16 natural da sua desventura. Talvez ela esperasse morrer de pesar e, portanto, agradecia a Deus que a mantinha viva, apesar de infeliz e atribulada, para bem dos seus filhinhos. Sentia por nós uma ternura deveras mórbida, cheia de preocupações e de medo: queria-nos sempre perto dela, como se receasse perder-nos, e amiúde mandava as criadas percorrer a vasta casa à nossa procura assim que um de nós se afastava um pouco. Como uma cega, abandonara-se à orientação do marido; tendo ficado sem ele, sentiu-se perdida no mundo. E nunca mais saiu de casa, a não ser aos domingos, de manhã, bem cedo, para ir à missa na igreja, ali perto, acompanhada por duas velhas criadas que ela tratava como parentes. Na mesma casa, aliás, restringiu-se a viver em apenas três divisões, abandonando as muitas outras aos escassos cuidados das criadas e às nossas diabruras. Nessas divisões, emanava dos móveis antigos e das cortinas descoradas aquele fedor especial das coisas antigas, quase como se fosse a respiração de outro tempo; e lembro-me que olhei em meu redor mais de uma vez com uma estranha consternação proveniente da imobilidade silenciosa daqueles objectos velhos, que ali jaziam há anos sem uso, sem vida. Quem visitava mais frequentemente a mamã era a irmã do meu pai, uma solteirona intratável, com um par de olhos à furão, morena e altiva. Chamava-se Scolastica. Mas de todas as vezes que vinha, demorava-se pouquíssimo, porque de repente, enquanto conversava, enfurecia-se, e ia-se embora sem se despedir de ninguém. Quando eu era rapaz tinha um grande medo dela. De olhos arregalados, fitava-a, sobretudo quando a via levantar-se, furiosa, e a ouvia a gritar, dirigindo-se à minha mãe e batendo raivosamente com um pé no chão: 17

17 Estás a ouvir o vazio? É a toupeira! É a toupeira! Referia-se ao Malagna, o administrador que, à socapa, nos cavava a sepultura debaixo dos nossos olhos. A tia Scolastica (soube-o mais tarde) queria a todo o custo que a minha mãe voltasse a casar. Habitualmente, as cunhadas não têm estas ideias nem dão estes conselhos. Mas ela tinha um sentido severo e rígido da justiça; e mais por isso do que por amor por nós, não conseguia tolerar que aquele homem nos roubasse daquela maneira e à descarada. Ora, dada a absoluta incapacidade e cegueira da minha mãe, não via outro remédio senão o de um segundo marido. E inclusive designava-o na pessoa de um pobre homem que se chamava Gerolamo Pomino. Este era viúvo e tinha um filho, que ainda hoje é vivo e também se chama Gerolamo como o pai: é amicíssimo meu, aliás, mais do que amigo, como direi a seguir. Desde pequeno que vinha com o pai a nossa casa, para desespero meu e do meu irmão Berto. O pai, quando jovem, desejara longamente a mão da tia Scolastica, mas esta não aceitou, como de resto não aceitou nenhum outro; e não porque não se sentisse disposta a amar, mas porque a mais pequena suspeita de que o homem por ela amado pudesse traí-la, nem que fosse só em pensamento, faria com que cometesse dizia ela um delito. Para ela, os homens eram todos uns fingidos, uns velhacos, uns traidores. O Pomino também? Não, o Pomino não. Mas só se apercebeu disso demasiado tarde. De todos os homens que tinham pedido a sua mão, e que depois se casaram com outra, ela conseguiu descobrir alguma traição, e tinha gozado ferozmente com a situação. Mas do Pomino, nada; aliás, o pobre homem foi um mártir da mulher. E, então, por que motivo, agora, não se casava ela com ele? Essa é boa, porque era viúvo! Porque tinha pertencido 18

18 a outra mulher, na qual, porventura, uma ou outra vez, iria pensar. E também porque... ora bem, via-se a cem quilómetros de distância que, apesar da timidez, o homem estava apaixonado, estava apaixonado... entende-se por quem, aquele pobre senhor Pomino! Imagine-se se a minha mãe alguma vez o aceitaria. Parecer-lhe-ia um verdadeiro sacrilégio. Talvez mesmo nem acreditasse, coitada, que a tia Scolastica falava a sério; e ria-se naquele seu modo especial das fúrias da cunhada, das exclamações do pobre senhor Pomino, que assistia àquelas discussões e de quem a solteirona tecia os mais rasgados elogios. Imagino quantas vezes ele terá exclamado, agitando-se em cima da cadeira, como se estivesse em cima de um instrumento de tortura: Ó santo nome de Deus bendito! Era um homenzinho asseado, composto, com olhinhos cerúleos e mansos. Creio que se polvilhava de pó-de-arroz e que tinha o hábito de passar carmim, apenas uma pequena camada, pelas faces. Comprazia-se, certamente, com o facto de ter conservado até à sua idade os cabelos, que penteava com enorme cuidado, à borboleta, e ajustava continuamente com as mãos. Eu não sei como teriam corrido os nossos negócios se a minha mãe não certamente para ela própria, mas tendo em consideração o futuro dos seus filhinhos tivesse seguido o conselho da tia Scolastica e se tivesse casado com o senhor Pomino. Está fora de dúvida, porém, que pior do que corriam, entregues ao Malagna (a toupeira!), não poderiam correr. Quando o Berto e eu já éramos mais crescidos, grande parte dos nossos haveres, é verdade, já se tinha desfeito em fumo; mas podíamos pelo menos salvar das garras daquele ladrão o resto, que, embora não nos permitisse viver na 19

19 abundância, certamente não nos deixaria passar necessidades. Mas fomos ambos mandriões; não nos quisemos preocupar com coisa alguma e continuámos, já crescidos, a viver como a nossa mãe nos tinha habituado em pequenos. Nem sequer nos quis mandar para a escola. O nosso mestre e preceptor foi um tal de Pinzone. O seu nome verdadeiro era Francesco, ou Giovanni, Del Cinque; mas toda a gente o tratava por Pinzone, e ele habituou-se de tal maneira ao nome que também já se referia a si próprio como Pinzone. Era de uma magreza que incutia repugnância; altíssimo de estatura; e mais alto seria, meu Deus, se o seu busto quase como que cansado de trepar, grácil, para cima, de repente, não se curvasse por baixo da nuca numa pequena corcunda, de onde o pescoço parecia brotar penosamente, como o de um frango despenado, com uma grande maçã-de- -adão protuberante, que subia e descia. O Pinzone esforçava-se amiúde por manter os lábios entre os dentes, como que para morder, castigar e esconder um risinho cortante, que lhe era próprio; mas o esforço, em parte, era vão, porque este risinho, ao não poder sair pelos lábios aprisionados, escapava-se-lhe pelos olhos, ainda mais penetrante e escarninho. Com aqueles seus olhinhos, ele devia ver muita coisa na nossa casa que nem nós nem a mamã víamos. Mas não dizia nada, talvez porque julgasse que não era dever seu dizer coisa alguma, ou porque como considero mais provável gozava em segredo, e venenosamente, com a situação. Nós fazíamos dele tudo o que queríamos; ele deixava; mas depois, quando menos esperávamos, e como se quisesse ficar em paz com a sua consciência, traía-nos. Certo dia, por exemplo, a mamã ordenou-lhe que nos levasse à igreja; aproximava-se a Páscoa e tínhamos de nos confessar. Depois da confissão faríamos uma breve visita à 20

20 mulher enferma do Malagna e de imediato regressaríamos a casa. Imagine-se o divertimento! Mas assim que chegámos à rua, nós dois propusemos uma escapadela ao Pinzone: pagar-lhe-íamos um bom litro de vinho se ele, em vez de nos levar à igreja e a casa do Malagna, nos deixasse ir à Stìa à procura de ninhos. O Pinzone aceitou, felicíssimo, esfregando as mãos e de olhos a brilhar. Bebeu; fomos à quinta; brincou connosco como um doido durante três horas, ajudando-nos a subir às árvores e trepando ele próprio. Mas à noite, de regresso a casa, assim que a mamã lhe perguntou se tínhamos feito a nossa confissão e a visita ao Malagna: Devo dizer-lhe que... respondeu, com o maior descaramento do mundo; e contou-lhe ponto por ponto tudo o que tínhamos feito. De nada adiantavam as nossas vinganças a estas suas traições. E, no entanto, recordo que não eram brincadeira. Uma noite, por exemplo, eu e o Berto, sabendo que ele costumava dormir sentado em cima de uma arca na salinha da entrada, à espera do jantar, saltámos furtivamente da cama, em que nos tinham metido por castigo antes da hora habitual, conseguimos arranjar uma cânula de estanho com dois palmos de comprimento e enchemo-la de água com sabão no tanque de lavar roupa; e, assim armados, fomos ter com ele cautelosamente, encostámos-lhe a cânula às suas narinas e zifff!. Vimo-lo dar um pulo até ao tecto. Não é difícil de imaginar qual o nosso aproveitamento no estudo com semelhante preceptor. A culpa, porém, não era toda do Pinzone; ele, aliás, para nos fazer aprender alguma coisa, não olhava a métodos nem a disciplina e recorria a mil e um expedientes para fixar fosse como fosse a nossa atenção. Frequentemente, comigo, que era 21

21 de natureza muito impressionável, conseguia obter resultados. Mas ele tinha uma erudição muito própria, muito curiosa e bizarra. Por exemplo, era doutíssimo no bisticcio 1 : conhecia a poesia fidenziana 2 e a macarrónica 3, a burchiellesca 4 e a leporeambica 5, e citava aliterações e anominações, versos interpolados, encadeados e retrógrados de todos os poetas vadios, e ele próprio compunha não poucas rimas extravagantes. Lembro-me que certo dia, em San Rocchino, nos obrigou a repetir em frente ao monte já não sei quantas vezes este seu Eco: In cuor di donna quanto dura amore? (Ore). Ed ella non mi amò quant io l amai? (Mai). Or chi sei tu che sì ti legni meco? (Eco 6 ). E dava-nos a decifrar todos os Enigmas em oitavas de Giulio Cesare Croce, e outros em forma de soneto do Moneti e ainda, também em sonetos, de outro mandrião 1 Artifício literário que consiste em aproximar palavras com som semelhante, mas de diferente significado. (N. do T.) 2 Do poeta Fidenzio (século xvi), pseudónimo de Camillo Scroffa, que satirizou os costumes e a linguagem dos pedantes do seu tempo, escrevendo versos numa língua fortemente latinizada. (N. do T.) 3 Poesia que mistura palavras italianas (ou do vulgar) e dialectais latinizadas, mantendo a estrutura gramatical do latim, e que costumava utilizar-se nas obras burlescas, satíricas e heróico-cómicas dos séculos xvi e xvii. (N. do T.) 4 Poesia ao estilo bizarro e enigmático do Burchiello, alcunha de Domenico di Giovanni, rimador florentino do século xv. (N. do T.) 5 De Ludovico Lepóreo (séculos xvi-xvii), bizarro versejador barroco, famoso na Roma dos Papas. (N. do T.) 6 Em coração de mulher quanto dura o amor? / (Horas) / E ela não me amou quanto eu a amei?/ (Nunca) / Mas quem és tu que te lamentas comigo? (Eco). (N. do T.) 22

22 que tinha tido a coragem de se esconder por detrás do nome de Catão Uticense. Transcrevera-os a tinta castanha para um velho caderno de páginas amarelecidas. Ouçam, ouçam, este do Stigliani. Belo! O que será? Ouçam: A un tempo stesso io mi son una, e due, E fo due ciò ch era una primamente. Una mi adopra com le cinque sue Contra infiniti che in capo ha la gente. Tutta son bocca dalla cinta in sue, E più mordo sdentato che com dente. Ho due bellichi a contrapposti siti, Gli occhi ho ne piedi, e spesso a gli occhi i diti 7. Parece-me vê-lo ainda no acto de recitar, emanando delícia do rosto, de olhos semicerrados, traçando com os dedos uma pequena espiral. A minha mãe estava convencida que para as nossas necessidades era suficiente o que o Pinzone nos ensinava; e talvez também acreditasse, quando nos ouvia recitar os enigmas do Croce e do Stigliani, que já estavam mais do que satisfeitas. Mas a tia Scolastica pensava de maneira diferente. Como não conseguira impingir o seu predilecto Pomino à minha mãe, pôs-se a perseguir-nos, ao Berto e a mim. Mas nós, fortalecidos pela protecção da mamã, não lhe passávamos cartão, e ela irritava-se com tal ferocidade que, se pudesse, sem que se visse ou ouvisse, certamente nos encheria de pancada até nos arrancar a pele. Lembro-me 7 Ao mesmo tempo eu sou uma e duas / E faço duas daquilo que primeiramente era uma. / Uma utiliza-me com as suas cinco / Contra infinitos que a gente traz na cabeça. / Sou toda boca da cintura para cima, / E mais mordo desdentada que com dente. / Tenho dois umbigos e sítios contrapostos, / Os olhos tenho nos pés e amiúde nos olhos tenho dedos. (N. do T.) 23

23 de que uma vez, ao fugir ao costumeiro ataque de fúria, me apanhou numa das divisões abandonadas da casa; pegou-me pelo pescoço, apertou-mo fortemente com os dedos enquanto me dizia: «Meu lindinho! Meu lindinho! Meu lindinho!» E enquanto falava ia aproximando o seu rosto do meu, de olhos nos olhos, até que depois emitiu uma espécie de grunhido e me largou, rugindo entre dentes: Focinho de cão! Implicava sobretudo comigo, que até prestava mais atenção que o Berto aos extravagantes ensinamentos do Pinzone. Mas devia ser por causa da minha cara plácida e amuada e dos grandes óculos redondos que me tinham imposto para me endireitarem um olho, o qual, não sei por que razão, olhava por sua conta para outro lado. Para mim, estes óculos eram um verdadeiro martírio. A certa altura deitei-os fora e deixei livre o olho de olhar para onde quisesse. De resto, mesmo que estivesse direito, não seria este olho que me faria bonito. Estava cheio de saúde e isso chegava-me. Aos dezoito anos invadiu-me a cara uma barba ruiva e espessa, com prejuízo para o nariz bastante pequeno, que se encontrou como que perdido entre ela e a testa espaçosa e grave. Talvez, se o homem tivesse a faculdade de escolher um nariz adequado ao próprio rosto, ou se nós, ao ver um pobre homem oprimido por um nariz demasiado grande para o seu rosto macilento, pudéssemos dizer-lhe: «Esse nariz está bem em mim, fico com ele»; talvez, dizia, eu tivesse trocado o meu de boa vontade, e também os olhos e muitas outras partes da minha pessoa. Mas como sei bem que tal não é possível, resignado com as minhas feições, não cuidava delas mais do que o estritamente necessário. 24

24 O Berto, pelo contrário, era bonito de rosto e de corpo (pelo menos comparando-o comigo), não saía da frente do espelho, e alisava-se e acariciava-se e esbanjava dinheiro sem fim com as gravatas da moda, com os perfumes mais refinados e com a roupa interior e com os fatos. Para o irritar, certo dia, tirei do seu guarda-fatos um fraque pronto a estrear, um colete elegantíssimo de veludo negro, a cartola, e fui à caça assim apresentado. O Batta Malagna, enquanto isso, vinha chorar junto da minha mãe os maus anos que o obrigavam a contrair dívidas pesadíssimas para acudir às nossas despesas excessivas e aos inúmeros trabalhos de reparação de que os nossos campos tinham contínua necessidade. Levámos mais uma valente pancada! dizia ele todas as vezes ao entrar. A geada tinha queimado as oliveiras à nascença, nas Due Riviere; ou, então, a filoxera destruíra as vinhas do Sperone. Era necessário plantar vides americanas, que resistiam ao mal. Ou seja, mais dívidas. Depois, seguiu-se a sugestão de vender o Sperone, para nos livrarmos dos agiotas, que não o largavam. E, deste modo, primeiro foi vendido o Sperone, depois Due Riviere e depois o San Rocchino. Sobraram as casas e a quinta da Stìa, com o moinho. A minha mãe estava sempre à espera do dia em que ele nos viesse informar que a nascente tinha secado. Nós fomos, é verdade, uns mandriões, e gastávamos sem medida; mas também é verdade que jamais virá à face da Terra um ladrão tão ladrão como o Batta Malagna. É o mínimo que posso dizer da sua pessoa, considerando os laços de parentesco que fui obrigado a contrair com ele. Teve a arte de nunca nos deixar faltar nada enquanto a minha mãe foi viva. Mas aquela abundância, aquela liberdade até ao capricho, que ele nos deixava gozar, servia para 25

25 esconder o abismo que depois, morta a minha mãe, me engoliu a mim apenas; já que o meu irmão teve a sorte de contrair a seu tempo um casamento vantajoso. O meu casamento, pelo contrário Também terei de falar sobre o meu casamento, não é verdade, padre Eligio? Empoleirado no topo do escadote de acendedor de lampiões, o padre Eligio Pellegrinotto respondeu-me: Mas é claro que sim! E com honestidade Mas qual honestidade! O senhor bem sabe que O padre Eligio ri, e toda a igrejinha fechada ao culto com ele. Depois aconselha-me: Se eu estivesse no lugar do senhor Pascal, primeiro, lia umas novelas do Boccaccio ou do Bandello. Por causa do tom, por causa do tom O padre Eligio tem a mania do tom. Ufa! Eu escrevo como me manda a inspiração. Por isso, coragem; avante! 26

26 IV Foi assim Um dia, tendo ido à caça, detive-me, estranhamente impressionado, perante um palheiro anão e pançudo, que tinha uma panelinha enfiada no topo da vara. Conheço-te dizia-lhe eu. Conheço-te Depois, de repente, exclamei: É isso! O Batta Malagna. Agarrei numa forquilha que estava ali no chão e espetei- -lha na pança com tanto deleite que a panelinha enfiada no topo da vara por pouco não caiu. E agora é que parecia mesmo o Batta Malagna quando, suado e arquejante, se fazia ver de chapéu ao lado na cabeça. Todo ele escorregava: escorregavam-lhe pela carranca comprida, de um lado e do outro, as sobrancelhas e os olhos; escorregava-lhe o nariz sobre o bigode ridículo e sobre a pêra; escorregavam-lhe os ombros sobre o pescoço; escorregava-lhe o bandulho flácido, enorme, quase até ao chão, porque, dada a proeminência deste sobre as perninhas atarracadas, o alfaiate, para lhe cobrir aquelas perninhas, via-se obrigado a cortar-lhe largas as calças; de modo que, ao longe, parecia, pelo contrário, que trazia um vestido comprido e que a barriga lhe chegava até ao chão. Ora, o que eu não sei é como é que, com uma cara e um corpo daqueles, o Malagna podia ser tão ladrão. Até os ladrões, imagino eu, devem ter uma certa postura, que ele não me parecia ter. Caminhava devagar, com aquela sua 27

27 barriga descaída, sempre com as mãos atrás das costas, e falava com grande esforço com aquela sua voz mole, miada! Gostaria de saber como é que ele justificava, na sua consciência, os furtos que continuamente perpetrava em nosso desfavor. Não tendo ele, como já referi, nenhuma necessidade de o fazer, havia de ter uma razão, uma desculpa qualquer que o justificasse. Talvez, digo eu, roubasse para se distrair, o coitado do homem. Com efeito, devia sentir-se, no seu íntimo, tremendamente oprimido por uma daquelas mulheres que se fazem respeitar. Havia cometido o erro de escolher uma mulher de condição superior à sua, que era muito baixa. Ora, esta mulher, casada com um homem de condição igual à sua, talvez não fosse tão maçadora como era com ele, em relação a quem, naturalmente, tinha de demonstrar, à mínima oportunidade, que ela era bem-nascida e que na casa dela se fazia desta e daquela maneira. E eis que o Malagna, obediente, fazia desta e daquela, como dizia ela, para parecer um senhor também ele. Mas custava-lhe muito! Suava e suava continuamente. Ainda por cima, a senhora Guendalina, pouco depois do casamento, adoeceu de um mal de que nunca mais ficou curada, já que, para se curar, teria de fazer um sacrifício superior às suas forças: privar-se nada mais nada menos do que de uns bolinhos recheados de trufas, de que ela gostava tanto, e de outras lambarices semelhantes e também aliás, sobretudo do vinho. Não que bebesse muito; era o que mais faltava: ela era bem-nascida!; só que não devia beber nem uma gota, eis tudo. Eu e o Berto, ainda rapazes, éramos por vezes convidados para almoçar em casa do Malagna. Era divertido ouvi-lo fazer, com o devido respeito, um sermão à mulher sobre a 28

28 moderação no comer, enquanto ele comia, devorava com tanto deleite os pratos mais suculentos. Não admito dizia ele que pelo momentâneo prazer que experimenta a goela com a passagem de um pitéu, por exemplo, como este (e lá ia o pitéu), se esteja depois doente um dia inteiro. Que molho é que foi feito? Eu tenho a certeza de que, depois, me sentiria profundamente humilhado. Rosina! (chamava a criada), dá-me mais um pouco. Está mesmo boa esta maionese! És mesmo um glutão! vociferava a mulher, enfurecida. Estou farta! O Senhor bem que te devia fazer sentir o que quer dizer estar mal do estômago. Aprendias logo a ter consideração pela tua mulher. Mas como, Guendalina! Não tenho consideração por ti?! exclamava o Malagna, enquanto enchia mais um copo de vinho. A mulher, em resposta, levantava-se do seu lugar, tirava- -lhe o copo da mão e despejava o vinho pela janela fora. Mas porquê? gemia ele, no seu lugar. E a mulher: Porque para mim é veneno! Se me vires a deitar um dedo que seja num copo, tira-mo e despeja-o pela janela como eu acabo de fazer, percebes? O Malagna, mortificado e sorridente, olhava ora para o Berto, ora para mim, ora para a janela, ora para o copo; depois, dizia: Ó meu Deus, mas serás ainda uma criança? Eu, ser violento contigo? Não, minha querida: tens de ser tu, mediante a razão, a impores-te um freio a ti própria Mas como? gritava a mulher. Com a tentação em frente aos olhos? Ao ver-te beber tanto vinho, e a saboreá-lo, a mirá-lo e a remirá-lo em contraluz, para me irritares? Vá lá, diz-me! Se fosses outro marido, para não me fazeres sofrer 29

29 Pois bem, o Malagna chegou a este ponto: deixou de beber vinho, para dar exemplo de abstenção à mulher, e para não a fazer sofrer. Mas depois, roubava Também não é de admirar! Alguma coisa tinha de fazer. Contudo, pouco depois, veio a saber que a senhora Guendalina, ela própria, bebia vinho às escondidas. Como se, para não lhe fazer mal, pudesse bastar que o marido não se apercebesse. E então, também o Malagna recomeçou a beber, mas fora de casa para não mortificar a mulher. Continuou, porém, a roubar, é verdade. Mas eu sei que ele desejava de todo o coração que a mulher lhe proporcionasse uma certa compensação das inúmeras aflições que lhe dava; isto é, desejava que ela um belo dia se resolvesse a pôr-lhe um filho no mundo. Eis tudo! O furto então teria um objectivo, uma justificação. O que é que não se faz para o bem dos filhos? A mulher, porém, definhava de dia para dia e o Malagna não ousava sequer exprimir-lhe este seu ardentíssimo desejo. Talvez ela fosse mesmo estéril. Era preciso ter tanto cuidado com a doença dela! E se morresse de parto? Deus nos livre E, de resto, havia também o perigo de não conseguir levar a gravidez até ao fim. E era por isso que se resignava. Seria sincero? Não o demonstrou suficientemente por ocasião da morte da senhora Guendalina. Chorou-a, oh, se a chorou, e sempre se lembrou dela com uma devoção tão respeitosa que, no lugar dela, não quis pôr outra senhora era o que mais faltava!, e teria podido fazê-lo, rico como já era nessa altura; mas foi buscar a filha de um caseiro, sã, viçosa, robusta e alegre; e isso unicamente para que não houvesse dúvida de que teria a prole desejada. Apressou-se um pouco de mais, é verdade mas é preciso ter em conta 30

30 que já não era propriamente um rapaz e que não tinha tempo a perder. A Oliva, que era filha de Pietro Salvoni, o nosso caseiro da quinta das Due Riviere, conhecia-a eu bem desde rapariga. Por causa dela, quantas esperanças alimentei à mamã! Esperanças de ganhar juízo e de me afeiçoar ao campo. Não cabia em si de contente, coitadinha! Mas um dia, a terrível tia Scolastica abriu-lhe os olhos: Não vês, minha tola, que vai sempre para as Due Riviere? Sim, para a apanha da azeitona. De uma azeitona 8, de uma azeitona, de uma só azeitona, minha grande parva! A mamã, então, deu-me um sermão à maneira: que eu tivesse cuidado para não cometer o pecado mortal de induzir em tentação e de desonrar para sempre uma pobre rapariga, etc. Mas não havia perigo. A Oliva era honesta, de uma honestidade inquebrantável, pois estava enraizada na consciência do mal que faria a si mesma se cedesse. Era precisamente esta consciência que a libertava daquela timidez insossa típica do pudor fingido, e a tornava ousada e desenvolta. Como ria! Os seus lábios eram duas cerejas! E que dentes! Mas daqueles lábios nem um só beijo; dos dentes, sim, uma ou outra mordidela, por castigo, quando eu a agarrava pelos braços e não queria deixá-la se antes não lhe pespegava um beijo, pelo menos, nos cabelos. Nada mais. E agora, tão bela, tão jovem e fresca, era mulher do Batta Malagna? Quem é que tem a coragem de virar as costas a certas fortunas? E, no entanto, a Oliva sabia bem como 8 Jogo de palavras: «Oliva», o nome da jovem, e «oliva», azeitona em italiano. (N. do T.) 31

31 enriquecera o Malagna! Ela própria, certo dia, me falou muito mal disso; mas depois, justamente por causa desta fortuna, casou-se com ele. Entretanto, passa-se um ano desde o casamento; passam dois; e nada de filhos. O Malagna, convencido que estava há muito de que só não tinha tido filhos da primeira mulher devido à esterilidade ou à doença prolongada desta, não concebia nem de longe a suspeita de que dependesse dele. E começou a mostrar-se agastado com a Oliva. Nada? Nada. Esperou mais um ano, o terceiro: mas em vão. Então, começou a censurá-la abertamente; e, por fim, após mais um ano, definitivamente desesperado, atingindo o cúmulo da exasperação, começou a maltratá-la sem qualquer consideração; gritava-lhe na cara que ela, com a sua fisionomia viçosa, o tinha enganado, enganado!; que só para ter dela um filho é que a elevara àquela condição, mantida outrora por uma senhora, por uma verdadeira senhora, a cuja memória, se não fosse por esse motivo, jamais teria feito semelhante afronta. A pobre Oliva não respondia, não sabia que dizer; vinha frequentemente a nossa casa para desabafar com a minha mãe, que a encorajava com palavras afectuosas a esperar mais um pouco, porque, enfim, ainda era jovem, tão jovem: Vinte anos? Vinte e dois Portanto, coragem! Havia casos em que só tinham tido filhos passados dez anos, ou mesmo quinze, de casamento. Quinze? Então, e ele? Ele era já velho; e se Desde o primeiro ano de casamento que a Oliva suspeitava que entre ele e ela como dizer? a falha pudesse 32

32 ser mais dele do que sua, apesar de ele se obstinar a afirmar que não. Mas seria possível ter prova disso? A Oliva, ao casar-se, tinha jurado a si mesma que se manteria honesta, e não queria quebrar o juramento, nem para voltar a ter paz na vida. Como é que eu sei estas coisas? Essa é boa, como é que as sei! Já disse que ela vinha desabafar a nossa casa; disse que a conhecia desde nova; agora via-a a chorar devido ao modo indigno de agir e à estúpida e provocadora presunção daquele velho indecente, e tenho mesmo de dizer tudo? De resto, levei um não; e portanto basta. Depressa me consolei. Trazia então, ou julgava trazer (o que vai dar ao mesmo) muitas ideias na cabeça. Tinha igualmente algum dinheiro, que, para além do resto, suscita também certas ideias, as quais sem ele não se teriam. Porém, quem me ajudava a gastá-lo desalmadamente era o Gerolamo II Pomino, que nunca tinha dinheiro suficiente para nada, devido à sábia parcimónia paterna. O Mino era como que a nossa sombra; por turnos, minha e do Berto. E alternava com uma maravilhosa faculdade de imitação símia, consoante a punha em prática comigo ou com o Berto. Quando se colava ao Berto, tornava-se subitamente um janota; e o pai, então, que também tinha veleidades de elegância, abria um pouco os cordões à bolsa. Mas com o Berto a coisa durava pouco tempo. Quando se via a ser imitado inclusive no modo de andar, o meu irmão perdia logo a paciência, talvez com medo do ridículo, e tratava-o com rudeza até se livrar dele. O Mino, então, voltava a colar-se a mim; e o pai a fechar os cordões à bolsa. Eu tinha mais paciência para com ele, também porque gostava de o gozar. Depois, arrependia-me. Reconhecia que me tinha excedido por causa dele em alguma façanha, ou esforçado a minha natureza, ou exagerado a demonstração 33

33 dos meus sentimentos, pelo gosto de o fazer pasmar ou de o pôr em alguma trapalhada, de que eu, naturalmente, também sofria as consequências. Ora, o Mino, um dia, na caça, a propósito do Malagna, de quem eu lhe tinha contado as proezas com a mulher, disse-me que trazia debaixo de olho uma rapariga, mais exactamente a filha de uma prima do Malagna, pela qual cometeria de bom grado uma qualquer bestialidade. E era mesmo capaz disso, tanto mais que a rapariga não parecia querer fugir-lhe; mas ele ainda não tivera oportunidade de falar com ela. Vá lá, confessa: não tiveste foi coragem! disse eu a rir. O Mino negou; mas corou demasiado ao negar. Mas já falei com a criada apressou-se a acrescentar. E fiquei a saber cá umas coisas! Disse-me que o teu Malanno 9 anda sempre lá por casa, e que não tem a certeza, mas parece-lhe que as suas visitas trazem água no bico, segundo a prima, que é uma velha bruxa. Água no bico? Bom, diz-se que vai lá chorar a desgraça de não ter filhos. A velha, severa e carrancuda, responde-lhe que é bem feito. Parece que ela, aquando da morte da primeira mulher do Malagna, meteu na cabeça casá-lo com a sua filha e fez de tudo para o conseguir; mas depois, desiludida, disse cobras e lagartos daquela besta, inimigo dos parentes, traidor do próprio sangue, etc., etc., e zangou-se com a filha por não ter sabido atrair as atenções do tio. Agora que o velho se demonstra arrependido de não ter feito feliz a sobrinha, sabe-se lá que pérfida ideia congemina aquela bruxa. Tapei os ouvidos com as mãos, gritando ao Mino: 9 Jogo de palavras entre Malagna e «Malanno», pessoa extremamente aborrecida e enfadonha. (N. do T.) 34

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO.

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. TEXTO: 1 Entrando em Jericó, atravessava Jesus a cidade. 2 Eis que um homem, chamado Zaqueu, maioral dos publicanos e rico, 3 procurava ver

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Brincar às guerras. Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke.

Brincar às guerras. Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke. Brincar às guerras Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke. Os amigos sentaram-se à sombra do salgueiro a decidir o que fazer. Tens mais balões de água? perguntou Danny.

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria Samaria: Era a Capital do Reino de Israel O Reino do Norte, era formado pelas 10 tribos de Israel, 10 filhos de Jacó. Samaria ficava a 67 KM de Jerusalém,

Leia mais

O Pedido. Escrito e dirigido por João Nunes

O Pedido. Escrito e dirigido por João Nunes O Pedido Escrito e dirigido por João Nunes O Pedido FADE IN: INT. CASA DE BANHO - DIA Um homem fala para a câmara. É, 28 anos, magro e mortiço. Queres casar comigo? Não fica satisfeito com o resultado.

Leia mais

KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 28/10/15

KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 28/10/15 KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 28/10/15 A mentira não agrada a Deus Principio: Quando mentimos servimos o Diabo o Pai da mentira. Versículo: O caminho para vida é de quem guarda o ensino, mas o que abandona

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 E, virando- se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou- se da palavra do Senhor, como lhe havia

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012.

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. MALDITO de Kelly Furlanetto Soares Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. 1 Em uma praça ao lado de uma universidade está sentado um pai a

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

A.C. Ilustrações jordana germano

A.C. Ilustrações jordana germano A.C. Ilustrações jordana germano 2013, O autor 2013, Instituto Elo Projeto gráfico, capa, ilustração e diagramação: Jordana Germano C736 Quero-porque-quero!! Autor: Alexandre Compart. Belo Horizonte: Instituto

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Bíblia para crianças apresenta AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A.

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Portugal ISBN 9789892311340 Reservados todos os direitos Edições

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

A PREENCHER PELO ALUNO

A PREENCHER PELO ALUNO Prova Final do 1.º e do 2.º Ciclos do Ensino Básico PLNM (A2) Prova 43 63/2.ª Fase/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA Uma Aventura na Serra da Estrela Coleção UMA AVENTURA Atividades Propostas Leitura em voz alta de um ou dois capítulos por aula. Preenchimento das fichas na sequência

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 MANTO QUE TRAZ DE VOLTA O QUE FOI PERDIDO. Orou Eliseu e disse: Jeová, abre os seus olhos, para que veja. Abriu Jeová os olhos do moço,

Leia mais

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo 2:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo Amados de Deus, a paz de Jesus... Orei e pensei muito para que Jesus me usasse para poder neste dia iniciar esta pregação com a

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada.

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Cláudia Barral (A sala é bastante comum, apenas um detalhe a difere de outras salas de apartamentos que se costuma ver ordinariamente: a presença de uma câmera de vídeo

Leia mais

Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar.

Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar. Lc 18.1-8 Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar. Ele disse: "Em certa cidade havia um juiz que não temia a Deus nem se importava

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo Era uma vez a família Rebolo, muito simpática e feliz que vivia na Amadora. Essa família era constituída por quatro pessoas, os pais Miguel e Natália e os seus dois filhos Diana e Nuno. Estávamos nas férias

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Gostava de redacções, como gostava! Dos seis filhos da família Santos apenas ele e a Nazaré (que andava no 9. ano) gostavam de escrever; de resto

Gostava de redacções, como gostava! Dos seis filhos da família Santos apenas ele e a Nazaré (que andava no 9. ano) gostavam de escrever; de resto 1 Gostava de redacções, como gostava! Dos seis filhos da família Santos apenas ele e a Nazaré (que andava no 9. ano) gostavam de escrever; de resto eram também os únicos que passavam horas a ler, nos tempos

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente

Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente De entre todas as coisas que podem entupir os canos lá em casa, um mamífero do Ártico com excesso de peso é provavelmente a pior. Isto porque, embora

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

Capítulo 1. Festas da Cidade

Capítulo 1. Festas da Cidade Capítulo 1 Festas da Cidade Festas da Cidade 6 de abril de 10 000 a.c. 10h00 domingo Domesticar! 7 É esta a nova palavra que teremos de aprender, se quisermos a nossa cidade cada vez mais moderna! gritou

Leia mais

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador.

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. Algumas quedas servem para que nos levantemos mais felizes. A gratidão é o único tesouro dos humildes. A beleza atrai os

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Material: Uma copia do fundo para escrever a cartinha pra mamãe (quebragelo) Uma copia do cartão para cada criança.

Material: Uma copia do fundo para escrever a cartinha pra mamãe (quebragelo) Uma copia do cartão para cada criança. Radicais Kids Ministério Boa Semente Igreja em células Célula Especial : Dia Das mães Honrando a Mamãe! Principio da lição: Ensinar as crianças a honrar as suas mães. Base bíblica: Ef. 6:1-2 Texto chave:

Leia mais

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO PRIMEIRO ATO ARGUMENTO Entrando numa horta, procurando um falcão de sua propriedade, Calisto encontra Melibéia. Empolgado de amor por ela, põe-se a falar. Rechaçado por ela volta para casa angustiado.

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha.

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha. O Plano da Salvação Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 11 de outubro de 2009 Como o pecado entrou no mundo e atingiu toda a raça humana? [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo

Leia mais

OS AMIGOS NÃO SE COMPRAM

OS AMIGOS NÃO SE COMPRAM OS AMIGOS NÃO SE COMPRAM Era o dia 22 de dezembro. O Natal aproximava-se e o Pai Natal estava muito atarefado a preparar os sacos com os brinquedos. Muito longe dali, em Portugal, um menino chamado João

Leia mais

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL 1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL LUGAR: EUNÁPOLIS(BA) DATA: 05/11/2008 ESTILO: VANEIRÃO TOM: G+ (SOL MAIOR) GRAVADO:16/10/10 PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL VOCÊ É O BERÇO DO NOSSO PAIS. PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 1 Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 04/03/2001 N Jo 9 1 Jesus ia caminhando quando viu um homem que tinha nascido cego. 2 Os seus discípulos perguntaram:

Leia mais

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco!

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco! Paixão do Povo de Cristo x Paixão de Cristo Texto Base: provérbios 24.10 na Linguagem de Hoje: Quem é fraco numa crise, é realmente fraco. Na Bíblia A Mensagem : Quem Desiste num momento de crise é porque

Leia mais

Sobre esta obra, você tem a liberdade de:

Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Compartilhar copiar, distribuir e transmitir a obra. Sob as seguintes condições: Atribuição Você deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava O menino e o pássaro Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava comida, água e limpava a gaiola do pássaro. O menino esperava o pássaro cantar enquanto contava histórias para

Leia mais

Quem tem medo da Fada Azul?

Quem tem medo da Fada Azul? Quem tem medo da Fada Azul? Lino de Albergaria Quem tem medo da Fada Azul? Ilustrações de Andréa Vilela 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2015 Edição de Texto Noga Sklar Ilustrações Andréa Vilela Capa KBR

Leia mais

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil.

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. SAMUEL, O PROFETA Lição 54 1 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 1 a 3 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

A ovelhinha que veio para o jantar

A ovelhinha que veio para o jantar A ovelhinha que veio para o jantar Oh não! OUTRA VEZ sopa de legumes! queixou-se o lobo, que já era velhinho. Quem me dera ter uma ovelhinha aqui à mesa. Fazia já um belo ensopado de borrego! Eis senão

Leia mais

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé MÚSICAS Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé Hino da Praznik Do Fá Gosto de aqui estar Sol Do E contigo brincar E ao fim vou arranjar

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho VERSÍCULOS PARA DECORAR ESTA SEMANA Usamos VERSÍCULOS a Bíblia na PARA Nova DECORAR Versão Internacional ESTA SEMANA NVI Usamos

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO Roteiro para curta-metragem Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO SINOPSE Sérgio e Gusthavo se tornam inimigos depois de um mal entendido entre eles. Sérgio

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público

PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público Pedro, Tiago, João no barquinho Os três no barquinho no mar da Galiléia Jogaram a rede Mas não pegaram nada Tentaram outra vez E nada

Leia mais