P r i m e i r o S e m e s t r e d e

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "P r i m e i r o S e m e s t r e d e 2 0 1 1"

Transcrição

1 MESTRADO EM ECONOMI A EMPRESARI AL TEORIA E ANÁLISE ECONÔMICA I ( MACROECONOMIA ) P r i m e i r o S e m e s t r e d e Professor Titular: José Cláudio Ferreira da Silva Professores Assistentes: Roberto Simonard e Caio José Moliterno Duarte Bibliografia I N FORMAÇ Õ E S GERAI S A bibliografia da disciplina compõe-se de vários manuais de macroeconomia publicados em português. O primeiro desses manuais, editado em duas partes, Macroeconomia: Modelo de Análise Conjuntural e Macroeconomia: Modelo Geral de Análise Macroeconômica, de autoria do professor da disciplina, será utilizado como livro texto principal. Recomenda-se que, além deles, os mestrandos acompanhem a disciplina lendo regularmente, pelo menos, um dos demais manuais indicados. Dedicação à disciplina e freqüência A carga horária total da disciplina é de sessenta horas de aula, estimando-se que os alunos necessitem dedicar entre duas e três horas de estudos para cada hora de aula. A freqüência às aulas é obrigatória; o número de faltas não pode superar 25% do total de aulas dadas. Em nenhuma hipótese haverá abono de faltas por parte do professor da disciplina. Avaliação do desempenho dos alunos O desempenho dos alunos será aferido através de duas avaliações parciais, a primeira com peso um e a segunda com peso dois. Os alunos que obtiverem média inferior a seis, terão a oportunidade de uma prova final, após o encerramento do período de aulas. Nesse caso, a média final será a média aritmética simples entre a média das provas parciais e a nota da prova final. Não haverá segunda chamada das provas parciais. Se o aluno faltar a uma das provas, a nota da prova final será considerada como a da prova que o aluno faltou. Se, após a prova final, esse aluno tiver obtido média inferior a seis, poderá realizar, mediante requerimento escrito, a prova de segunda chamada.

2 TEORIA E ANÁLISE ECONÔMICA I (MACROECONOMIA) PROGRAMA E BIBLIOGRAFIA Capítulo 1: O mercado do produto 1 - As contas nacionais: óticas da produção e da demanda; produto e renda. 2 - Funcionalidade macroeconômica: identidades fundamentais, definições e relações entre variáveis macroeconômicas. 3 - Os estoques e a dinâmica macroeconômica: o princípio da multiplicação econômica. 4 - Equilíbrio no mercado de bens e serviços: equação de equilíbrio; derivação gráfica do equilíbrio; diagrama de quatro quadrantes; situações de desequilíbrio; variações exógenas. J. C. Ferreira da Silva, Macroeconomia: Modelo de Análise Conjuntural, Editora Publit, 2008, caps. 1 e 2. J. C. Ferreira da Silva, Modelos de Análise Macroeconômica, Editora Campus, a tiragem, 2006, cap. 1. O. Blanchard, Macroeconomia, Editora Campus, 1999, caps. 2, 3 e 4. W. H. Branson e J.M.Litvack, Macroeconomia, Harbra, 1978, caps. 1, 2, 3 e 4. R. T. Froyen, Macroeconomia, Editora Saraiva, 2001, caps. 2 e 3. R. E. Hall e J. B. Taylor, Macroeconomia: Teoria Desempenho e Política, Campus, 1989, Caps. 1, 2 e 4. R. Dornbusch e S. Fisher, Macroeconomia, Makron Books, 5 a edição, 1991, caps. 1, 2 e 3. N. G. Mankiw, Macroeconomia, LTC Editora, 5 a edição, 2008, Caps. 1, 2, 3, 10 e 11. M. H. Simonsen e R. P. Cysne, Macroeconomia, FGV Editora, 2 a edição, 1995, caps. 3, 4 e 7. J. A. Leite, Macroeconomia: Teoria, Modelos e Instrumentos de Política Econômica, Atlas, 1994, cap. 3. J. D. Sachs e F.Larrain, Macroeconomia, Makron Books, 1995, caps. 1, 2 e 3. Capítulo 2: O mercado monetário 1 - Banco central e base monetária; bancos comerciais, meios de pagamento e multiplicação monetária. 2 - Instrumentos de controle monetário: mercado aberto; taxa de redesconto; alíquota do depósito compulsório. 3 - Equilíbrio monetário: oferta de moeda; demandas transacional e especulativa de moeda; equilíbrio no mercado monetário; derivação gráfica do equilíbrio no lado monetário; diagrama de quatro quadrantes; situações de desequilíbrio no mercado monetário; variações exógenas. J. C. Ferreira da Silva, Macroeconomia: Modelo de Análise Conjuntural, Editora Publit, 2008, caps. 1 e 3. J. C. Ferreira da Silva, Modelos de Análise Macroeconômica, Editora Campus, a tiragem, 2006, cap. 2. O. Blanchard, Macroeconomia, Editora Campus, 1999, cap. 5. W. H. Branson e J. M. Litvack, Macroeconomia, Harbra, 1978, cap. 4. R. T. Froyen, Macroeconomia, Editora Saraiva, 2001, caps. 4 e 6. R. E. Hall e J. B. Taylor, Macroeconomia: Teoria Desempenho e Política, Editora Campus, 1989, cap. 4. R. Dornbusch e S. Fisher, Macroeconomia, Makron Books, 5 a edição, 1991, cap. 4. N. G. Mankiw, Macroeconomia, LTC Editora, 5 a edição, 2008, caps. 4, 10 e 11. M. H. Simonsen e R. P. Cysne, Macroeconomia, FGV Editora, 2 a edição, 1995, caps. 1 e 6. J. D. Sachs e F. Larrain, Macroeconomia, Makron Books, 1995, caps. 2, 3, 8 e 10. Capítulo 3: A demanda agregada da economia 1 - Equilíbrio real e monetário: equilíbrio simultâneo; situações de desequilíbrio; demanda agregada da economia; derivação analítica da demanda agregada. 2 - Política Fiscal: gasto público e na tributação; revendo o multiplicador keynesiano. 3 - Política Monetária: mudanças exógenas e induzidas da oferta de moeda. 4 - Combinações de políticas fiscal e monetária; eficácia e certeza das políticas fiscal e monetária; outros deslocamentos da demanda agregada da economia 2

3 J. C. Ferreira da Silva, Macroeconomia: Modelo de Análise Conjuntural, Editora Publit, 2008, cap. 4. J. C. Ferreira da Silva, Modelos de Análise Macroeconômica, Editora Campus, a tiragem, 2006, cap. 3. O. Blanchard, Macroeconomia, Editora Campus, 1999, cap. 6. W. H. Branson e J. M. Litvack, Macroeconomia, Harbra, 1978, cap. 5. R. T. Froyen, Macroeconomia, Editora Saraiva, 2001, caps. 5, 6 e 7. R. E. Hall e J. B. Taylor, Macroeconomia: Teoria Desempenho e Política, Editora Campus, 1989, cap. 4. R. Dornbusch e S. Fisher, Macroeconomia, Makron Books, 5 a edição, 1991, cap. 5. N. G. Mankiw, Macroeconomia, LTC Editora, 5 a edição, 2008, caps. 11 e 12. J. A. Leite, Macroeconomia: Teoria, Modelos e Instrumentos de Política Econômica, Atlas, 1994, caps. 5, 6 e 7. J. D. Sachs e F. Larrain, Macroeconomia, Makron Books, 1995, caps. 3 e 12. Capítulo 4: O setor externo da economia 1 - Balanço de pagamentos e variações das reservas internacionais. 2 - Funcionalidade macroeconômica: transações reais; serviços de fatores; conta de capital. 3 - Equilíbrio do balanço de pagamentos; situações de desequilíbrio; endividamento externo. 4 - Mobilidade de Capitais; deslocamentos do equilíbrio externo; variação das expectativas. J. C. Ferreira da Silva, Macroeconomia: Modelo de Análise Conjuntural, Editora Publit, 2008, caps. 1 e 5. J. C. Ferreira da Silva, Modelos de Análise Macroeconômica, Editora Campus, a tiragem, 2006, cap. 4. O. Blanchard, Macroeconomia, Editora Campus, 1999, cap. 11. W. H. Branson e J. M. Litvack, Macroeconomia, Harbra, 1978, cap. 16. R. T. Froyen, Macroeconomia, Editora Saraiva, 2001, cap. 20. R. Dornbusch e S. Fisher, Macroeconomia, Makron Books, 5 a edição, 1991, cap. 6. N. G. Mankiw, Macroeconomia, LTC Editora, 5 a edição, 2008, cap. 5. J. D. Sachs e F. Larrain, Macroeconomia, Makron Books, 1995, caps. 2, 3, 10 e 13. Capítulo 5: Política econômica no regime de taxa fixa de câmbio 1 - Equilíbrio interno e externo; variação de preços e equilíbrio econômico. 2 - Políticas Fiscal e Monetária. 3 - Políticas cambial e comercial; combinações de políticas. J. C. Ferreira da Silva, Macroeconomia: Modelo de Análise Conjuntural, Editora Publit, 2008, caps. 6 e 7. J. C. Ferreira da Silva, Modelos de Análise Macroeconômica, Editora Campus, a tiragem, 2006, cap. 5. O. Blanchard, Macroeconomia, Editora Campus, 1999, cap. 13. R. T. Froyen, Macroeconomia, Editora Saraiva, 2001, cap. 21 R. E. Hall e J. B. Taylor, Macroeconomia: Teoria Desempenho e Política, Editora Campus, 1989, caps. 9 e 17. R. Dornbusch e S. Fisher, Macroeconomia, Makron Books, 5 a edição, 1991, cap. 6. N. G. Mankiw, Macroeconomia, LTC Editora, 5 a edição, 2008, cap. 12. J. D. Sachs e F. Larrain, Macroeconomia, Makron Books, 1995, caps. 10 e 13. Capítulo 6: Política econômica no regime de taxa flutuante de câmbio 1 - Mercado de divisas. 2 - Políticas fiscal e monetária e combinações de políticas. 3 - Política comercial; regimes cambiais alternativos e casos especiais. J. C. Ferreira da Silva, Macroeconomia: Modelo de Análise Conjuntural, Editora Publit, 2008, caps. 6 e 8. J. C. Ferreira da Silva, Modelos de Análise Macroeconômica, Editora Campus, a tiragem, 2006, cap. 6. O. Blanchard, Macroeconomia, Editora Campus, 1999, cap. 13. R. T. Froyen, Macroeconomia, Editora Saraiva, 2001, cap. 21. R. Dornbusch e S. Fisher, Macroeconomia, Makron Books, 5 a edição, 1991, cap. 6. N. G. Mankiw, Macroeconomia, LTC Editora, 5 a edição, 2008, caps. 12. J. D. Sachs e F. Larrain, Macroeconomia, Makron Books, 1995, caps. 10 e 14. 3

4 Capítulo 7: Modelo de análise conjuntural 1 - A oferta agregada da economia no modelo de análise conjuntural. 2 - Políticas fiscal, monetária e de comércio exterior no modelo de análise conjuntural. 3 - Choques externos. J. C. Ferreira da Silva, Macroeconomia: Modelo de Análise Conjuntural, Editora Publit, 2008, cap. 9. J. C. Ferreira da Silva, Modelos de Análise Macroeconômica, Editora Campus, a tiragem, 2006, cap. 7. W. H. Branson e J. M. Litvack, Macroeconomia, Harbra, 1978, caps. 9 e 16. R. E. Hall e J. B. Taylor, Macroeconomia: Teoria Desempenho e Política, Editora Campus, 1989, Cap. 6. R. T. Froyen, Macroeconomia, Editora Saraiva, 2001, cap. 8. R. Dornbusch e S. Fisher, Macroeconomia, Makron Books, 5 a edição, 1991, caps. 7 e 12. J. D. Sachs e F. Larrain, Macroeconomia, Makron Books, 1995, caps. 3 e 6. N. G. Mankiw, Macroeconomia, LTC Editora, 5 a edição, 2008, caps. 12 e 13. Capítulo 8: Tópicos sobre os componentes do produto 1 - Comportamento do consumo agregado. 2 - A decisão de investir. 3 - Contas do setor público: receitas e despesas públicas; categorias de gasto público. J. C. Ferreira da Silva, Macroeconomia: Modelo Geral de Análise Macroeconômica, Editora Publit, 2009, cap. 1. J. C. Ferreira da Silva, Modelos de Análise Macroeconômica, Editora Campus, a tiragem, 2006, cap. 8. O. Blanchard, Macroeconomia, Editora Campus, 1999, caps. 7, 8, 9, 10, 11 e 12. W. H.Branson e J. M. Litvack, Macroeconomia, Harbra, 1978, caps. 10, 11, 12, 13 e 14. R. T. Froyen, Macroeconomia, Editora Saraiva, 2001, caps. 14, 15 e 16. R. E. Hall e J. B. Taylor, Macroeconomia: Teoria Desempenho e Política, Campus, 1989, caps. 7, 8, 10 e 11. R. Dornbusch e S. Fisher, Macroeconomia, Makron Books, 5 a edição, 1991, caps. 8, 9, 10, 11 e 16. N. G. Mankiw, Macroeconomia, LTC Editora, 5 a edição, 2008, caps. 14, 15, M. H. Simonsen e R. P. Cysne, Macroeconomia, FGV Editora, 2 a edição, 1995, caps. 6 e 7. J. D. Sachs e F. Larrain, Macroeconomia, Makron Books, 1995, caps. 4, 5, 6, 7, 8, e 9. Capítulo 9: Produção, mercado de trabalho e oferta agregada 1 - Abordagens alternativas da oferta agregada da economia. 2 - Produção e mercado de trabalho: função de produção; produtividade do trabalho e produção; demanda de trabalho; oferta de trabalho; equilíbrio do mercado de trabalho. 3 - Oferta agregada da economia: derivação da curva de oferta agregada da economia; casos especiais de oferta agregada da economia. 4 - Choques de oferta: safra agrícola; produtividade do trabalho; capacidade instalada; dissídios coletivos; choques externos. J. C. Ferreira da Silva, Macroeconomia: Modelo Geral de Análise Macroeconômica, Editora Publit, 2009, caps. 2 e 3. J. C. Ferreira da Silva, Modelos de Análise Macroeconômica, Editora Campus, a tiragem, 2006, cap. 9. O. Blanchard, Macroeconomia, Editora Campus, 1999, caps. 15 e 16. W. H. Branson e J. M. Litvack, Macroeconomia, Harbra, 1978, caps. 6, 7, 8 e 9. R. T. Froyen, Macroeconomia, Editora Saraiva, 2001, caps. 8 e 17. R. Dornbusch e S. Fisher, Macroeconomia, Makron Books, 5 a edição, 1991, caps. 7, 13, 14 e 15. N. G. Mankiw, Macroeconomia, LTC Editora, 5 a edição, 2008, caps. 9 e 13. M. H. Simonsen e R. P. Cysne, Macroeconomia, FGV Editora, 2 a edição, 1995, cap. 5. J. A. Leite, Macroeconomia: Teoria, Modelos e Instrumentos de Política Econômica, Atlas, 1994, caps. 11 e 12. J. D. Sachs e F. Larrain, Macroeconomia, Makron Books, 1995, caps. 3, 15 e 16. 4

5 Capítulo 10: Modelo Macroeconômico Geral 1 Modelo macroeconômico completo. 2 Política econômica no modelo geral: política econômica e choques. 3 Simplificações do modelo geral. J. C. Ferreira da Silva, Macroeconomia: Modelo Geral de Análise Macroeconômica, Editora Publit, 2009, caps. 4 e 5. J. C. Ferreira da Silva, Modelos de Análise Macroeconômica, Editora Campus, a tiragem, 2006, cap. 10. O. Blanchard, Macroeconomia, Editora Campus, 1999, cap. 18 e 19. W. H. Branson e J.M.Litvack, Macroeconomia, Harbra, 1978, caps. 9, 14 e 16. R. T. Froyen, Macroeconomia, Editora Saraiva, 2001, cap. 13. N. G. Mankiw, Macroeconomia, LTC Editora, 5 a edição, 2008, caps. 9 e 14. R. Dornbusch e S. Fisher, Macroeconomia, Makron Books, 5 a edição, 1991, caps. 7, 12, 18 e 20. J. D. Sachs e F. Larrain, Macroeconomia, Makron Books, 1995, caps. 13 e 14. Capítulo 11: Inflação, Desemprego e Curva de Phillips 1 - Teorias alternativas de inflação: teoria quantitativa da moeda; inflação em Keynes; inflação de custos e inflação de demanda; inflação estrutural. 2 Desemprego: desemprego friccional conjuntural e estrutural; voluntário e involuntário. 3 Curva de Phillips: versão original e seus fundamentos teóricos; contribuições antigas e recentes; formação de expectativas; versão de Lucas. J. C. Ferreira da Silva, Macroeconomia: Modelo Geral de Análise Macroeconômica, Editora Publit, 2009, caps. 6 e 7. J. C. Ferreira da Silva, Macroeconomia: Inflação, Desemprego e Curva de Phillips, Papel Virtual, O. Blanchard, Macroeconomia, Editora Campus, 1999, caps. 15, 17 e 18. R. T. Froyen, Macroeconomia, Editora Saraiva, 2001, cap. 10. L. M. Lopes e M. A. S. Vasconcellos, org. Manual de Macroeconomia, Atlas, 1998, cap. 7. N. G. Mankiw, Macroeconomia, LTC Editora, 5 a edição, 2008, caps. 2, 6 e 13. Jeffrey D. Sachs e Felipe Larrain Macroeconomia, Makron Books do Brasil, 1995, caps. 11, 15 e 16. BIBLIOGRAFIA ADICIONAL: * A.B.Abel e Ben S. Bernanke: Macroeconomics, Addison-Wesley Publishing Company, 2 a ed., 1995 (inglês, EUA). * A.Ferraz, Análise Macroeconômica: Teoria e Prática, Escolar Editora, 2002 (português, Portugal). * A.Fineschi, Appunti di Macroeconomia, G. Giappichelli Editore, Torino, 1999 (italiano). * A.Piller, Macroéconomie: Le Modèle ISLM en Économie Ouverte, Premium Éditeur, 2005 (francês). * A.M.Sotomayor, Macroeconomia Exercícios Resolvidos, Rei Livros, 2009 (português, Portugal). * A.Teixeira, A.Ribeiro, S.Silva, V.Carvalho, Fundamentos Microeconômicos, VidaEconómica, 2010 (português, Portugal). * B.Felderer e S.Homburg, Makroökonomik und neue Makroökonomik, Springer, 9 a Auflage, 2005 (alemão). * D.Romer, Advanced Macroeconomics, McGraw-Hill Inc., 1996 (inglês, EUA). * E.Knorring e A.Bossert, Makroökonomik, UVK Verlagsgesellschaft mbh, 2006 (alemão) * E.Pentecost, Macroeconomics, An Open Economy Approach, St. Martin s Press Ltd, 2000 (inglês, Inglaterra). * G. Chamberlin & L. Yueh, Macroeconomics, Thomson, 2006, (inglês, Inglaterra). * Gámez, Consuelo e Mochón, Francisco, Macroeconomía, McGrawHill, Madrid, 1995 (espanhol). * H.Kempf, Macroéconomie, Éditions Dalloz, 2 a édition, 2006 (francês). * H.P.Spahn, Makroökonomie: Theoretische Grundlagen und Stabilitätspolitische Strategien, Springer, 1999 (alemão). * J.Généreux, Économie Politique: Macroéconomie, Hachette Supérieur, 4 a édition, 2004 (francês). * J.L.Bailly, G.Caire, C.Lavialle e J.J.Quilès, Macroéconomie, Bréal, 2 a édition, 2006 (francês). * K.Cuthbertson, e Gripaios, P., The Macroeconomy: A business perspective, Thomson Business, 1997 (inglês, EUA). * M.Burda e C.Wyplosz, Macroeconomics: A European Text, Oxford University Press, 1993 (inglês, Inglaterra). * M.Gärtner e M.Lutz, Makroökonomik flexibler und fester Wechselkurse, Springer, 3 a Auflage, 2004 (alemão). * N.G.Mankiw, Macroeconomics, 2 a edição, Worth Publishers, 1994 (ingles). * O.de la Grandville, Principes d`economie, Economica, Paris, 1995 (francês). * P.Krugman e M.Obstfeld, International Economics, Harper Collins Publishers, 3 a edição, 1994 (inglês, EUA) * R.Caves, J.Frankel e R.Jones, World Trade and Payments, Harper Collins Publishers, 7 a ed., 1996 (inglês, EUA). * R.Jha, Macroeconomics for Developing Countries, Routledge, 1994 (inglês, EUA). * V.Argy, International Macroeconomics: Theory and Policy, Routledge, 1994 (inglês, EUA). 5

6 P R OGRAMAÇÃO: 2011 I T U R M A D A N O I T E AULA DATA CAPS. ASSUNTO fev 1 Mercado do produto fev 1 e 2 Mercado do produto e mercado monetário fev --- Revisão: Lista de Exercícios n o 1. ( * ) mar 3 Demanda agregada da economia. ( ** ) (Lista de Exercícios n o 2) mar --- Revisão: Lista de Exercícios n o 2. ( * ) mar mar 5 e 6 Setor externo da economia. (Lista de Exercícios n o 3). Política econômica e regimes cambiais. ( ** ) (Lista de Exercícios n o 4) abr --- Revisão: Lista de Exercícios n o 4. ( * ) abr --- Primeira Prova Parcial: capítulos 1 a 6. ( * ) abr 7 Modelo de Análise Conjuntural. ( ** ) (Lista de Exercícios n o 5) mai --- Revisão: Lista de Exercícios n o 5. ( * ) mai 8 Tópicos sobre os componentes do produto mai 9 Produção, mercado de trabalho, oferta agregada. (Lista de Exercícios n o 6). ( * ) mai 10 Modelo Macroeconômico Geral. ( ** ) (Lista de Exercícios n o 7) mai 11 Inflação, desemprego e Curva de Phillips jun --- Revisão: Lista de Exercícios n o 5. ( * ) jun --- Segunda Prova Parcial: toda a matéria. ( * ) jul --- Prova Final: toda a matéria. ( * ) jul --- Segunda Chamada: toda a matéria. ( *** ) ( * ) Atividades sob a responsabilidade do Professor Assistente. ( ** ) Atividades parcialmente sob a responsabilidade do Professor Assistente. ( *** ) Solicitar por escrito na Secretaria do Mestrado. 6

7 PROGRAMAÇÃO: 2011 I TURMA DE SEXTAS E SÁBADOS AULA DATA CAPS. ASSUNTO fev (sexta-n) 1 Mercado do produto fev (sábado-m) 1 e 2 Mercado do produto e mercado monetário mar (sábado-t) --- Revisão: Lista de Exercícios n o 1. ( * ) mar (sexta-n) 3 Demanda agregada da economia. ( ** ) (Lista de Exercícios n o 2) mar (sábado-m) --- Revisão: Lista de Exercícios n o 2. ( * ) abr (sexta-n) 4 Setor externo da economia. (Lista de Exercícios n o 3) abr (sábado-m) 5 e 6 Política econômica e regimes cambiais. ( ** ) (Lista de Exercícios n o 4) abr (sábado-t) --- Revisão: Lista de Exercícios n o 4. ( * ) abr (sexta-n) --- Primeira Prova Parcial: capítulos 1 a 6. ( * ) mai (sexta-n) 7 Modelo de Análise Conjuntural. ( ** ) (Lista de Exercícios n o 5) mai (sábado-m) --- Revisão: Lista de Exercícios n o 5. ( * ) mai (sexta-n) 8 Tópicos sobre os componentes do produto mai (sábado-m) jun (sexta-n) 10 Produção, mercado de trabalho, oferta agregada. (Lista de Exercícios n o 6). ( * ) Modelo Macroeconômico Geral. ( ** ) (Lista de Exercícios n o 7) jun (sábado-m) 11 Inflação, desemprego e Curva de Phillips jun (sábado-t) --- Revisão: Lista de Exercícios n o 5. ( * ) jun (sexta-n) --- Segunda Prova Parcial: toda a matéria. ( * ) jul (sexta-n) --- Prova Final: toda a matéria. ( * ) jul (sexta-n) --- Segunda Chamada: toda a matéria. ( *** ) ( * ) Atividades sob a responsabilidade do Professor Assistente. ( ** ) Atividades parcialmente sob a responsabilidade do Professor Assistente. ( *** ) Solicitar por escrito na Secretaria do Mestrado. 7

8 EXERCÍCIOS SOBRE OS DIAGRAMAS DE QUATRO QUADRANTES [ L I S T A D E E XERCÍ CI OS N O 1 ] PARTE A: Considere a equação de equilíbrio do mercado do produto (bens e serviços) I S : ( ) ( + ) ( + ) i ( r ) + g + x m = s( yd) + t( y ) + rl, onde i é o investimento privado, g e t o gasto e a receita do governo, r a taxa de juros doméstica, x e m as exportações e importações de bens e serviços não fatores, y a renda doméstica, s a poupança privada, yd a renda disponível do setor privado e rl a renda líquida enviada ao exterior. Usando o diagrama de quatro quadrantes, encontre a curva de equilíbrio do mercado do produto (IS), mostre como ela se desloca e explique para um leigo (logo sem referir-se a termos técnicos, gráficos ou expressões matemáticas) o que acontece na economia quando: 1. o governo faz Política Fiscal expansionista, elevando seus gastos sociais ao construir creches nas regiões de baixa renda. 2. o governo obtém sucesso em um programa de combate à sonegação. 3. o governo aumenta seus gastos e, para financiá-los, eleva as alíquotas do imposto de renda, obtendo o mesmo montante em elevação da arrecadação tributária. 4. um surto inflacionário na Europa, permite maior competitividade aos produtos nacionais no estrangeiro. 5. uma recessão da economia americana, dificulta nossas exportações para esse país. 6. aumentam as taxas internacionais de juros, elevando a renda líquida enviada ao exterior. 7. a melhora das expectativas empresariais sobre o futuro da nossa economia eleva, autonomamente, o nível dos investimentos privados. PARTE B: Considere a equação de equilíbrio do mercado monetário L M : M S / P = k( y ) + l( r ), 8 ( + ) ( ) onde M S é a oferta nominal de moeda, P o índice de preços doméstico, k e l as demandas transacional e especulativa de moeda, y a renda doméstica e r a taxa de juros doméstica, Usando o diagrama de quatro quadrantes, encontre a curva de equilíbrio do mercado monetário (LM), mostre como ela se desloca e explique para um leigo (logo sem referirse a termos técnicos, gráficos ou expressões matemáticas) o que acontece na economia quando: 1. o Banco Central faz Política Monetária contracionista, vendendo títulos ao setor privado da economia. 2 o Banco Central faz Política Monetária expansionista, reduzindo a taxa básica de juros. 3 a informatização do sistema financeiro permite que as famílias detenham menor volume de moeda para transações. 4. aumenta o índice doméstico de preços (P).

9 EXERCÍCIOS SOBRE A DEMANDA AGREGADA DA ECONOMIA [ L I S T A D E E XERCÍ CI OS N O 2 ] Considere o modelo macroeconômico formado pelas duas equações abaixo: I S : ( ) i ( r ) + g + x m = s( yd) + t( y ) + rl 9 ( + ) ( + ) ( + ) ( ) L M : M S / P = k( y ) + l( r ), onde i é o investimento privado, g e t o gasto e a receita do governo, r a taxa de juros doméstica, x e m as exportações e importações de bens e serviços não fatores, P o índice de preços doméstico, y a renda doméstica, s a poupança privada, yd a renda disponível do setor privado, rl a renda líquida enviada ao exterior, M S a oferta nominal de moeda e k e l as demandas transacional e especulativa de moeda. Partindo de situações de equilíbrio interno, mostre graficamente e explique para um leigo (logo sem referir-se a termos técnicos, gráficos ou expressões matemáticas) tudo o que acontece na economia até que ela atinja uma nova situação de equilíbrio, quando: 01. o governo faz Política Fiscal expansionista, elevando seus gastos sociais ao construir creches nas regiões de baixa renda. 02. o governo obtém sucesso em um programa de combate à sonegação. 03. o governo aumenta seus gastos e, para financiá-los, eleva as alíquotas do imposto de renda, obtendo o mesmo montante em elevação da arrecadação tributária. 04. o Banco Central faz Política Monetária contracionista, vendendo títulos ao setor privado da economia. 05. o Banco Central faz Política Monetária expansionista, reduzindo a taxa básica de juros. 06. o Banco Central faz Política Cambial, elevando a taxa de câmbio, e assim, estimulando as exportações e desestimulando as importações de bens e serviços não fatores. 07. o governo eleva seus gastos sociais e o Banco Central, preocupado com o impacto inflacionário da expansão do nível de atividade econômica, procura anulá-la, vendendo títulos ao setor privado da economia ( crowding-out ). 08. o governo eleva seus gastos e, para financiá-los, emite títulos no mesmo montante, que são totalmente vendidos ao Banco Central, elevando a base monetária (políticas fiscal e monetária expansionistas). 09. um surto inflacionário na Europa, permite maior competitividade aos produtos nacionais no estrangeiro. 10. uma recessão da economia americana, dificulta nossas exportações para esse país. 11. aumentam as taxas internacionais de juros, elevando a renda líquida enviada ao exterior. 12. a informatização do sistema financeiro permite que as famílias detenham menor volume de moeda para transações. 13. a melhora das expectativas empresariais sobre o futuro da nossa economia eleva, autonomamente, o nível dos investimentos privados. e

10 EXERCÍCIOS SOBRE A CURVA BP [ L I S T A D E E XERCÍ CI OS N O 3 ] Considere a equação de equilíbrio do mercado de divisas (Balanço de Pagamentos) ( ) ( ) ( + ) ( + ) ( + ) ( ) ( ) ( + ) ( ) BP : scc( y, P, TC, y*, P *, r *, DE) = sck( r, r *). onde scc e sck são os saldos em conta corrente e de capital do balanço de pagamentos, y e y* as rendas doméstica e externa, P e P* os índices de preços doméstico e externo, TC a taxa de câmbio (expressa em unidades de moeda doméstica por dólar norte-americano), r e r* as taxas de juros doméstica e externa e DE o montante da dívida externa do país. Usando o diagrama de quatro quadrantes, encontre a curva de equilíbrio do mercado de divisas (BP), mostre como ela se desloca e explique para um leigo (logo sem referir-se a termos técnicos, gráficos ou expressões matemáticas) o que acontece na economia quando: 1. A renda do país registra forte crescimento. 2. Ocorre uma elevação do nível geral de preços doméstico. 3. O mundo entra em forte recessão econômica. 4. A Europa enfrenta significativo surto inflacionário. 5. Aumenta a taxa de câmbio. 6. Aumenta a taxa internacional de juros. 7. O país paga antecipadamente parte da sua dívida externa. 8. A melhora das expectativas internacionais em relação à economia do país faz com que se eleve o ingresso de capitais internacionais na economia. 10

11 E X E R C Í C I O S S O B R E O MODELO IS-LM-BP [ L I S T A D E E XERCÍ CI OS N O 4 ] Considere o modelo macroeconômico formado pelas três equações de equilíbrio abaixo: ( ) ( ) ( + ) ( + ) ( + ) ( + ) ( ) ( + ) ( ) ( + ) ( + ) ( + ) ( + ) IS : i( r ) + g + x( P, TC, y*, P *) m( P, TC, y, P *) = s( yd) + t( y ) + rl( r *, DE), ( + ) ( ) E I LM : ( M + M ) / P = k( y ) + l( r ), e ( ) ( ) ( + ) ( + ) ( + ) ( ) ( ) ( + ) ( ) BP : scc( y, P, TC, y*, P *, r *, DE) = sck( r, r *). onde i é o investimento privado, g e t o gasto e a receita do setor público, r e r* as taxas de juros doméstica e externa, x e m as exportações e importações de bens e serviços não fatores, TC a taxa de câmbio, expressa em unidades de moeda doméstica por dólar norte-americano, P e P* os índices de preços doméstico e externo, y e y* as rendas doméstica e externa, s a poupança privada, yd a renda disponível do setor privado, rl a renda líquida enviada ao exterior, DE o montante da dívida externa do país, M E e M I as ofertas nominais de moeda originárias das transações externas do país e da política monetária do Banco Central, k e l as demandas transacional e especulativa de moeda e scc e sck os saldos em conta corrente e de capital do balanço de pagamentos. Partindo de situações de equilíbrio interno e externo e nos dois regimes cambiais estudados, mostre graficamente e explique para um leigo tudo o que acontece na economia até que ela atinja uma nova situação de equilíbrio interno e externo quando: 01. o governo faz Política Fiscal expansionista, elevando seus gastos sociais ao construir creches nas regiões de baixa renda. 02. o governo obtém sucesso em um programa de combate à sonegação. 03. o Banco Central vende títulos ao setor privado da economia. 04. o Banco Central faz Política Monetária expansionista, reduzindo a taxa básica de juros. 05. o governo eleva seus gastos sociais e o Banco Central, preocupado com o impacto inflacionário da expansão do nível de atividade econômica, procura anula-la, vendendo títulos ao setor privado da economia ( crowding-out ). 06. o governo eleva seus gastos e, para financiá-los, emite títulos, que são totalmente vendidos ao Banco Central (políticas fiscal e monetária expansionistas). 07. o Banco Central faz Política Cambial, elevando a taxa de câmbio 08. o governo faz Política Comercial, estabelecendo uma tarifa sobre todas as importações do país. 09. aumentam as taxas internacionais de juros. 10. a informatização do sistema financeiro permite que as famílias detenham menor volume de moeda para transações. 11. a melhora das expectativas internacionais sobre o futuro da nossa economia eleva, autonomamente, o fluxo de capitais para o país. 12. a melhora das expectativas empresariais sobre o futuro da nossa economia eleva, autonomamente, o nível dos investimentos privados. 11

12 EXERCÍCIOS SOBRE O MODELO DE ANÁLISE CONJUNTURAL [ L I S T A D E E XERCÍ CI OS N O 5 ] Considere o modelo macroeconômico expresso pelas quatro equações abaixo: ( ) ( ) ( + ) ( + ) ( + ) ( + ) ( ) ( + ) ( ) ( + ) ( + ) ( + ) ( + ) IS : i( r ) + g + x( P, TC, y*, P *) m( P, TC, y, P *) = s( yd) + t( y ) + rl( r *, DE) E I LM : ( M + M ) / P = k( y ) + l( r ) 12 ( + ) ( ) ( ) ( ) ( + ) ( + ) ( + ) ( ) ( ) ( + ) ( ) BP : scc( y, P, TC, y*, P *, r *, DE) = sck( r, r *) e SS: y S = y S (+) ( P ) onde i é o investimento privado, g e t o gasto e a receita do setor público, r e r* as taxas de juros doméstica e externa, x e m as exportações e importações de bens e serviços não fatores, TC a taxa de câmbio, expressa em unidades de moeda doméstica por dólar norteamericano, P e P* os índices de preços doméstico e externo, y e y* as rendas doméstica e externa, s a poupança privada, yd a renda disponível do setor privado, rl a renda líquida enviada ao exterior, DE o montante da dívida externa do país, M E e M I as ofertas nominais de moeda originárias das transações externas do país e da política monetária do Banco Central, k e l as demandas transacional e especulativa de moeda, scc e sck os saldos em conta corrente e de capital do balanço de pagamentos e y S o produto oferecido. Partindo de situações de equilíbrio interno e externo e nos dois regimes cambiais estudados, mostre graficamente e explique para um leigo tudo o que acontece na economia até que ela atinja uma nova situação de equilíbrio interno e externo quando: 01. o governo faz Política Fiscal expansionista, elevando seus gastos sociais ao construir creches nas regiões de baixa renda. 02. o Banco Central vende títulos ao setor privado da economia. 03. o governo eleva seus gastos sociais e o Banco Central, preocupado com o impacto inflacionário da expansão do nível de atividade econômica, procura anula-la, vendendo títulos ao setor privado da economia ( crowding-out ). 04. o governo eleva seus gastos e, para financiá-los, emite títulos, que são totalmente vendidos ao Banco Central (políticas fiscal e monetária expansionistas). 05. o Banco Central faz Política Cambial, elevando a taxa de câmbio 06. o governo faz política comercial, criando uma tarifa sobre todas as importações do país. 07. aumentam as taxas internacionais de juros. 08. a informatização do sistema financeiro permite que as famílias detenham menor volume de moeda para transações. 09. a melhora das expectativas internacionais sobre o futuro da nossa economia eleva, autonomamente, o fluxo de capitais para o país. 10. a melhora das expectativas empresariais sobre o futuro da nossa economia eleva, autonomamente, o nível dos investimentos privados. 11. uma significativa quebra da safra agrícola desloca para a esquerda a curva de oferta agregada da economia. 12. um grande movimento migratório de mão de obra para o país desloca para a direita a curva de oferta agregada da economia.

13 EXERCÍCIOS SOBRE A OFERTA AGREGADA DA ECONOMIA [ L I S T A D E E XERCÍ CI OS N O 6 ] Considere o lado da oferta da economia dado pelas equações abaixo. S S - Oferta agregada da economia: y = y N K ( + ) (, ) (-) (+) e - Equilíbrio do mercado de trabalho: W = P.f (N ) = P.g (N ) (-) (+) e ou w = f (N) = P /P.g (N) sendo P e = p ( (+) P), com 0 < dp e / dp < 1, onde y S é a produção total da economia (a soma da produção de todas as empresas), N o nível de emprego (número de horas trabalhadas), K o estoque de capital instalado no país (com a barra acima da letra K indicando que esse estoque de capital instalado é estável), W é o salário/hora nominal, w o salário/hora real, P o índice geral de preços e P e o nível esperado de preços., Partindo de situações de equilíbrio no mercado de trabalho, mostre graficamente o que acontece com a curva de oferta agregada da economia quando: 1. por razões climáticas, ocorre uma grande quebra da safra de grãos, que não altera o nível de emprego na produção agrícola, ou seja, não ocorre qualquer mudança no mercado de trabalho (as curvas de oferta e demanda de trabalho não sofrem qualquer tipo de deslocamento). 2. o país recebe um grande número de migrantes de outras nacionalidades. 3. devido à incorporação de tecnologias mais modernas eleva-se significativamente a produtividade do trabalho na economia. 4. em um dissídio coletivo, todos os trabalhadores industriais do país obtém uma significativa elevação de salários. 13

14 EXERCÍCIOS SOBRE O MODELO COM ÊNFASE NA OFERTA [ L I S T A D E E XERCÍ CI OS N O 7 ] Considere o Modelo Macroeconômico com ênfase na Oferta Agregada da Economia, dado pelas equações abaixo. D D - Demanda agregada da economia (DD): y = y ( ( P ) ) S S - Função de produção macroeconômica de curto prazo: y = y N K - Equilíbrio do mercado de trabalho: = P.f ( N ) = P e.g ( N ) (-) (+) ( + ) (, ) (-) (+) W ou w = f ( N) = P e /P.g ( N ), sendo P e = P), com 0 < / dp < 1 p ( (+) dp e, onde y D é o produto demandado pela sociedade, y S é a produção total da economia (a soma da produção de todas as empresas), N o nível de emprego (número de horas trabalhadas), K o estoque de capital instalado no país (com a barra acima da letra K indicando que esse estoque de capital instalado é estável), W é o salário/hora nominal, w o salário/hora real, P o índice geral de preços e P e o nível esperado de preços. Partindo de situações de equilíbrio macroeconômico, mostre graficamente o que acontece na economia quando: 1. por razões climáticas, ocorre uma grande quebra da safra de grãos, que não altera o nível de emprego na produção agrícola, ou seja, não ocorre qualquer mudança no mercado de trabalho (as curvas de oferta e demanda de trabalho não sofrem qualquer tipo de deslocamento). 2. em um curto espaço de tempo, o país recebe um grande contingente de migrantes de outras nacionalidades. 3. como conseqüência da incorporação de tecnologias mais modernas eleva-se significativamente a produtividade do trabalho na economia. 4. em um dissídio coletivo, todos os trabalhadores industriais do país obtém uma significativa elevação de salários. 14

Teoria Macroeconômica I

Teoria Macroeconômica I Teoria Macroeconômica I Prof. Anderson Litaiff Prof. Salomão Neves Teoria Macroeconômica I - Prof. Anderson Litaiff/ Prof. Salomão Neves 1 2 Conteúdo Programático 2ª Avaliação Noções básicas de macroeconomia

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP Construção do Modelo IS-LM-BP Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo IS-LM MODELO IS-LM: mostra

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

A Análise IS-LM: Uma visão Geral

A Análise IS-LM: Uma visão Geral Interligação entre o lado real e o lado monetário: análise IS-LM Capítulo V A análise IS-LM procura sintetizar, em um só esquema gráfico, muitas situações da política econômica, por meio de duas curvas:

Leia mais

Curso Gabarito Macroeconomia

Curso Gabarito Macroeconomia Curso Gabarito Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia :

Leia mais

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção CEAV Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia : Dornbusch,

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA MATERIAL DE AUXILIO PARA AULAS DE ECONOMIA II CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANO

Leia mais

Keynesiano Simples e IS-LM

Keynesiano Simples e IS-LM Keynesiano Simples e IS-LM Legenda: G=gastos do governo I=Investimento Y=produto b= sensibilidade da demanda por moeda em relação à taxa de juros h= K= β=multiplicador da política monetária δ = multiplicador

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos?

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos? Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas Depto. de Economia, Sociologia e Tecnologia e Balança de Pagamentos Economia e Administração 3 º sem./medicina Veterinária Núria R. G. Quintana

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente)

(Esta questão vale dois pontos e a análise deve ser feita graficamente) Universidade de Brasília Departamento de Economia Disciplina: Macroeconomia II Professor: Carlos Alberto Período: Verão/2012 Segunda Prova Questões 1. Na sala de aula fizemos um exercício bem simples.

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL Índice 1. Política Cambial...3 1.1. Taxa de câmbio fixa... 3 1.2. Taxa de câmbio flutuante... 3 1.3. Padrão currency board... 3 2. Política de

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias Macroeconomia Prof. Aquiles Rocha de Farias Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-) No modelo Mundell-Fleming é introduzida ao modelo IS-LM uma nova curva, a curva, que corresponde aos valores de renda e taxa

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

Aula 4: Política Cambial

Aula 4: Política Cambial Aula 4: Política Cambial Macroeconomia Política Cambial Gilmar Ferreira Abril 2010 Taxa de Câmbio Taxa de Câmbio A taxa de câmbio mostra qual é a relação de trocas entre duas unidades monetarias diferentes,

Leia mais

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB:

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB: Cap 2 1) Considere que numa economia em determinado ano ocorreu uma severa epidemia, que ocasionou um aumento na demanda de serviços médico-hospitalares e por medicamentos. Considerando todo o resto constante,

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR. IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda 1 IV O Modelo IS-LM - O equilíbrio simultâneo nos mercados de bens e serviços e de moeda O modelo IS-LM trata do equilíbrio do produto, incorporando os movimentos do mercado monetário. Trata-se de considerar

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8 Comentários Macroeconomia (Área 3) Olá Pessoal. O que acharam da prova do BACEN? E especificamente em relação à macro (área 3)? A prova foi complexa? Sim! A complexidade foi acima do esperado? Não! Particularmente,

Leia mais

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes IGEPP GESTOR - 2013 Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes MACROECONOMIA ABERTA POLÍTICA FISCAL POLÍTICA MONETÁRIA MERCADO DE BENS PRODUTO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Ciências Económicas e Empresariais, Contabilidade Unidade Curricular Macroeconomia Semestre: 1 Nº ECTS: 6,0 Regente Eduardo Luís

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA

FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA O que a macroeconomia analisa? Analisa a determinação e o comportamento dos grandes agregados como: renda, produto nacional, nível geral de preços, nível

Leia mais

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises.

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises. Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização Uma desvalorização ocorre quando o preço das moedas estrangeiras sob um regime de câmbio fixa é aumentado por uma ação oficial.

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

PLANO DE ENSINO Projeto Pedagógico: 2008

PLANO DE ENSINO Projeto Pedagógico: 2008 PLANO DE ENSINO Projeto Pedagógico: 2008 Curso: Administração Disciplina: Economia I Turma: Aulas/Semana: 02 Termo Letivo: 3 1. Ementa (sumário, resumo) Conceitos de Economia. Papel do Governo. Fundamentos

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público.

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público. 61)O financiamento de programas sociais mediante emissão de moeda não somente elevará a dívida pública como também aumentará o resultado primário em razão do aumento das despesas com juros. 62) A queda

Leia mais

MACROECONOMIA ABERTA

MACROECONOMIA ABERTA MACROECONOMIA ABERTA 1- (APO-MP 2005) Considerando E = taxa real de câmbio calculada considerando os índices de preços interno e no estrangeiro e a taxa nominal de câmbio segundo conceito utilizado no

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.2. O Princípio da Neutralidade da Moeda 6.3. Taxas de Câmbio Nominais e Reais 6.4. O

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia II ADM 051. 72h 3º EMENTA

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia II ADM 051. 72h 3º EMENTA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

3. Contas Correntes: A categoria Contas Correntes tem quatro sub-divisões, a saber:

3. Contas Correntes: A categoria Contas Correntes tem quatro sub-divisões, a saber: 1. B/Pgtos, p. 1 Comércio e Finanças Internacionais Prof. José Alfredo A. Leite 1A. BALANÇO DE PAGAMENTOS 1. Definição: O B/P é o registro contábil dos recebimentos e pagamentos feitos pelos diversos agentes

Leia mais

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com Curso DSc IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV Prof.: Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso Economista - 2015 51 - Considere as seguintes

Leia mais

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo Capítulo 4 Moeda e mercado cambial Objectivos do capítulo Perceber o papel das taxas de câmbio no comércio internacional. Como são determinadas as taxas de câmbio de equilíbrio no mercado internacional

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Ciências Económicas e Empresariais Unidade Curricular Política Económica e Financeira Semestre: 5 Nº ECTS: 3,0 Regente Helena

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 3 Política Monetária

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 3 Política Monetária Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor Coordenador: José Luiz Pagnussat Professor da Aula 3: Flávio A. C. Basilio Período: 11 a

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01. Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito:

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01. Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito: Componente Curricular: Economia CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito: Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

116 Ciências Econômicas

116 Ciências Econômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO Questão 01 A questão 01 tem um pequeno problema que é o enunciado afirmar que se trata de uma economia sem governo, o que indicaria a não existência de tudo

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Ciclos Econômicos Abordagem keynesiana X neoclássica Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Aula de Fernando Nogueira da Costa Professor

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo BALANÇO DE PAGAMENTOS: É o registro sistemático das transações entre residentes e não-residentes de um país durante determinado período

Leia mais

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens)

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens) 4.1. Determine a função representativa do consumo privado de uma economia em relação à qual se sabe o seguinte: - As intenções de consumo das famílias são caracterizadas por uma dependência linear relativamente

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA Código: DIR-141 Pré-requisito: ---- Período Letivo: 2015.2 Professor: Edilene de

Leia mais

Prof. Dr. Antony Mueller Economia Internacional

Prof. Dr. Antony Mueller Economia Internacional Prof. Dr. Antony Mueller Economia Internacional Revisão para Prova III UFS 2009/I A) 1. Regimes Cambiais - Regime cambial fixo - Regime de taxas de cambio flexíveis (flutuantes) - Ancoragem simétrico -

Leia mais

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007)

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Teoria macroeconômica da economia aberta Objetivo da aula: criar um modelo que preveja o que determina as variáveis e como elas se relacionam.

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012 Parte I Introdução 1 Economia: conceito, objecto e método 2 Organização da actividade económica 3 Breve história da economia e dos sistemas económicos Parte II Microeconomia 4 O comportamento dos consumidores

Leia mais

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 5 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia.

Leia mais

HENRIQUE MARINHO. CONOMin MON TRRIfl. Teorias e a xperiência Brasileira B 358422 CM EDITORA CIÊNCIA MODERNA

HENRIQUE MARINHO. CONOMin MON TRRIfl. Teorias e a xperiência Brasileira B 358422 CM EDITORA CIÊNCIA MODERNA HENRIQUE MARINHO CONOMin MON TRRIfl Teorias e a xperiência Brasileira B 358422 CM EDITORA CIÊNCIA MODERNA Sumário Capítulo 1 - O Sistema Monetário e o Modelo de Expansão Monetária 1 1. Considerações Preliminares,

Leia mais

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips):

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips): Concurso TCE/MG elaborado pela FCC em abril de 2007. Atendendo a alguns pedidos de colegas que frequentaram o curso de Economia parte teórica nos meses de fevereiro, março e abril de 2007 bem como aqueles

Leia mais

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão.

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão. Faculdade de Economia Lista 08 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala 21.

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Prova de Macroeconomia

Prova de Macroeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Macroeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Ajuste externo induzido por política cambial. Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com

Ajuste externo induzido por política cambial. Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com Ajuste externo induzido por política cambial Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com Sumário 1. Mudança na composição dos gastos 1. Enfoque de elasticidade 2. Enfoque de absorção 2. Mudança no

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO MACROECONOMIA Legendas para a prova de Macroeconomia:

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS QUADROS COMPLEMENTARES DE OFICIAIS DA MARINHA {QC/2004) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA ECONOMIA 1) Uma economia, operando a pleno emprego, sacrificou inicialmente

Leia mais

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL Aluno: Carolina Machado Orientador: Márcio G. P. Garcia Introdução A liquidez abundante no mercado financeiro internacional e

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Fernando Lopes - Universidade dos AçoresA Mercado de Bens e a Relação IS Existe equilíbrio no mercado de bens quando a produção, Y, é igual à procura por

Leia mais

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (CESPE/UnB/ECB/ 2011) Acerca de déficit e superávit público

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Estrutura do balanço de pagamentos. Mercado de câmbio. Sistema Monetário Internacional.Teorias do Comércio Internacional.

PLANO DE ENSINO. Estrutura do balanço de pagamentos. Mercado de câmbio. Sistema Monetário Internacional.Teorias do Comércio Internacional. EMENTA PLANO DE ENSINO Estrutura do balanço de pagamentos. Mercado de câmbio. Sistema Monetário Internacional.Teorias do Comércio Internacional. OBJETIVO Gerais: Habilitar o aluno a avaliar o comércio

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Conhecimentos Bancários Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Conhecimentos Bancários Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Câmbio TROCA Conhecimentos Bancários Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Câmbio TROCA Moedas Estrangeiras

Leia mais

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira Claudio Roberto Amitrano Dr. em Economia UNICAMP DIMAC-IPEA claudio.amitrano@ipea.gov.br Principais determinantes da crise Crise: inadimplência

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DISCIPLINA: ECONOMIA DO TURISMO (ECTX2) Questões para revisão Nome completo: 1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

Seminários Extraordinários do Departamento de Economia. Edmund Phelps Prémio Nobel da Economia 2006. Miguel St. Aubyn (ISEG/UTL)

Seminários Extraordinários do Departamento de Economia. Edmund Phelps Prémio Nobel da Economia 2006. Miguel St. Aubyn (ISEG/UTL) Seminários Extraordinários do Departamento de Economia Edmund Phelps Miguel St. Aubyn (ISEG/UTL) ISEG, 11 de Outubro de 2006 Síntese Algumas considerações sobre o prémio Nobel As principais contribuições

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico?

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico? COMO CONSTRUIR CENÁRIOS! O que é cenário macroeconômico?! Quais os elementos necessários para construção de cenários?! Etapas para elaboração de cenários macroeconômicos! Análise do comportamento das variáveis

Leia mais

Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social)

Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social) 1 Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social) 1. Para a ciência econômica, formação de capital significa especificamente: a) A compra de qualquer mercadoria nova. b) Investimento líquido.

Leia mais

MACROECONOMIA EM ECONOMIA ABERTA

MACROECONOMIA EM ECONOMIA ABERTA MACROECONOMIA EM ECONOMIA ABERTA Rogério Studart Doutor em Economia pela Universidade de Londres, professor da UFRJ 1. INTRODUÇÃO No mundo atual, as economias nacionais não estão isoladas de eventos mundiais.

Leia mais

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado Macroeconomia Faculdade de Direito UNL 2008/09 José A. Ferreira Machado 1. As principais grandezas macroeconómicas e a sua medição Medição do rendimento nacional, do nível geral de preços e da taxa de

Leia mais

AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL - MACROECONOMIA PROFESSOR CÉSAR FRADE

AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL - MACROECONOMIA PROFESSOR CÉSAR FRADE Olá pessoal! Vamos começar a nossa sétima aula de macroeconomia. Lembro que as críticas ou sugestões poderão ser enviadas para: cesar.frade@pontodosconcursos.com.br. Prof. César Frade JUNHO/2011 Prof.

Leia mais

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros ANEXOS Processo de definição da taxa de juros A taxa de juros constitui-se no mais importante instrumento de política monetária à disposição do Banco Central. Através dela, a autoridade monetária afeta

Leia mais

Operacionalidade da Política Monetária e a Determinação da Taxa de Juros

Operacionalidade da Política Monetária e a Determinação da Taxa de Juros Operacionalidade da Política Monetária e a Determinação da Taxa de Juros Objetivos e Instrumentos SE506 Economia Monetária e Financeira Fabiano Abranches Silva Dalto CARVALHO, F. J. C. et. alli. Economia

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: MARLOS FERREIRA

CURSO ON-LINE PROFESSOR: MARLOS FERREIRA Olá, amigos! Reta final de preparação da Receita Federal do Brasil e eis uma pequena amostra do que vocês podem esperar na prova vindoura! Segue abaixo uma listagem de questões pertinentes a assuntos certamente

Leia mais

CAPÍTULO 11. Poupança, acumulação de capital e produto. Olivier Blanchard Pearson Education

CAPÍTULO 11. Poupança, acumulação de capital e produto. Olivier Blanchard Pearson Education Olivier Blanchard Pearson Education Poupança, acumulação de capital e CAPÍTULO 11 2006 Pearson Education Macroeconomics, 4/e Olivier Blanchard Poupança, Os efeitos da taxa de poupança a razão entre a poupança

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais