RAG 2012 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO APROVADO PELA RESOLUÇÃO CMS Nº 076/2013, DE 02 DE MAIO DE 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RAG 2012 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO APROVADO PELA RESOLUÇÃO CMS Nº 076/2013, DE 02 DE MAIO DE 2013"

Transcrição

1 RAG 2012 Se SECRETARIA cre ta ria d ede SaSAÚDE d e RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO 2012 APROVADO PELA RESOLUÇÃO CMS Nº 076/2013, DE 02 DE MAIO DE 2013

2 Se SECRETARIA cre ta ria d ede SaSAÚDE d e Cachoeiro de Itapemirim ES Maio/2013

3 Se SECRETARIA cre ta ria d ede SaSAÚDE d e PREFEITO MUNICIPAL CARLOS ROBERTO CASTEGLIONE DIAS SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE ABEL SANT ANNA JÚNIOR SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE (período do RAG 2012) MÁRCIA ALVES FARDIM NOVAES COORDENAÇÃO E ELABORAÇÃO Luiz Carlos Bindaco Marilene Gozzi Pereira INFORMAÇÕES TÉCNICAS: SUBSECRETARIAS: Assistência em Saúde Atenção Primária Executiva Fundo Municipal de Saúde Vigilância em Saúde Aprovado pela Resolução CMS nº 076/2013, de 02/05/2013

4 Nome Secretaria Municipal de Saúde - CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM CNPJ: / Rua Fernando de Abreu, S/N - Ferroviários Telefone: CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES RELATÓRIO DE GESTÃO - PERIODO DE JANEIRO A DEZEMBRO DE IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO 1.1 SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE MÁRCIA ALVES FARDIM NOVAES Data da Posse A Secretaria de Saúde teve mais de um gestor no período a que se refere o RAG? 1.2 FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE Instrumento legal de criação do FMS CNPJ do FMS O Gestor do Fundo é o Secretário da Saúde? Gestor do FMS 01/01/2009 Não Lei n 3457, de 13/06/ / Sim MÁRCIA ALVES FARDIM NOVAES Cargo do Gestor do FMS Secretário de Saúde 1.3 CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE Instrumento legal de criação do CMS Nome do Presidente do CMS Lei n 3458, de 13/06/1991 VALDIR RODRIGUES FRANCO Segmento Telefone 1.4 CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE Data da última Conferência de Saúde 1.5 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE A Secretaria de Saúde tem Plano de Saúde aprovado pelo Conselho de Saúde? Período a que se refere o Plano de Saúde Aprovação no Conselho de Saúde 1.6 PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS O Município possui Plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCS)? O Município possui Comissão de elaboração do Plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCS)? 1.7 CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA O Município firmou Contrato Organizativo da Pública da Saúde COAP na região de Saúde? gestor /2011 Sim 2010 a 2013 Resolução n 33 Em 02/02/2011 Sim Não Não 1.8 REGIONALIZAÇÃO Região de Saúde: O Município participa de algum Consórcio O Município está organizado em Regiões Intramunicipais Sul Não

5 1.9 CONSIDERAÇÕES INICIAIS O Relatório Anual de Gestão 2012 contempla a realidade da saúde pública no município. A Lei complementar nº 141/2012 ratifica a obrigatoriedade da utilização do RAG como importante instrumento de análise e constatação das ações pactuadas no Plano Municipal de Saúde. O processo de modernização dos mecanismos de controle, a exemplo do SARGSUS, requer constante adaptação às novas condições de organização e planejamento que eles trazem para o contexto do município. Essa relação é fundamental para mudança de cultura e postura de gestão frente aos desafios da saúde pública. Este RAG foi elaborado com o objetivo de tornar a leitura de fácil entendimento para a população e os órgãos de controle, além de apresentar de forma consolidada a aplicação dos recursos da saúde através da prestação de serviços públicos. O resultado alcançado reflete o esforço conjunto da equipe que participou da execução das ações previstas para o ano de O agrupamento das diretrizes, objetivos e ações obedeceu a sequência estabelecida no Plano Municipal de Saúde DEMOGRAFIA E DADOS DE MORBI-MORTALIDADE 2.1. POPULAÇÃO ESTIMADA DO ANO População do último Censo (ano 2012) Rural Urbana Qte % 0 0,00% ,00% População do último Censo (ano 2010) Branca Preta Amarela Parda Indígena Sem declaração Qte % ,38% ,31% ,53% ,69% 176 0,09% 6 0,00% POPULAÇÃO - SEXO E FAIXA ETÁRIA População - Perfil demográfico Faixas Etárias Homem Mulher Total Total Análise e considerações do Gestor sobre dados demográficos Não ocorreram alterações em comparação com os dados de Portanto, ficam mantidas as análises e considerações do RAG2011. Segundo censo demográfico 2010 a população do município cresceu 8,6% no período De acordo com dados do SINASC a taxa de natalidade, no mesmo período, foi em média de 1,7% a.a. Portanto, o crescimento esperado seria de aproximadamente 15% ( ). A proporção entre homem e mulheres manteve-se estável, 49% e 51%, respectivamente. Reduziu em 16,3% a população rural, de no ano de 2000 para em Comparando os dados dos censos de 2000 e 2010, fica evidenciado crescimento de 38,9% da população com idade a partir de 60 anos, faixa que representa 11,1% da população total do município. No ano de 2000 era 8,7%. Esta constatação reforça a necessidade de priorizar políticas de atenção à saúde ao idoso. Paralelamente houve queda de 12,7% (de para ) da população entre 0 e 19 anos, cujas prováveis causas são a redução da taxa de fecundidade e o planejamento familiar.

6 Análise e considerações sobre Mortalidade DADOS DO SISTEMA DE ORIGEM INCONSISTENTES. TABELA ATUALIZADA ESTÁ ANEXA AO RELATÓRIO DE GESTÃO. No ano de 2012 a principal causa de óbito foram as doenças do aparelho circulatório, seguidas pelas neoplasias. Comparativamente a 2011, observa-se que não houve alterações significativas. Houve pequena queda no número de óbitos por doenças do sangue, doenças endócrinas, transtornos mentais, doenças do sistema nervoso, doenças do aparelho digestivo e más formações congênitas. Por outro lado, houve um pequeno aumento no número de óbitos por doenças do aparelho respiratório, doenças do tecido subcutâneo e causas mal definidas. No balanço geral o número de óbitos reduziu em 0,93% (12 pessoas a menos que em 2011). A terceira maior causa de óbito foram as causas externas (acidentes, homicídios e suicídios), principalmente os acidentes envolvendo os condutores de motocicletas. Os números tiveram um acréscimo de 5,82% quando comparados a 2011 (189/2011 X 200/2012). Permanece a necessidade de ações intersetoriais visando a reversão deste quadro.

7 Análise e considerações sobre Morbidade Os dados mostram que prevalece como principal causa de internação a gravidez, parto e puerpério. Em seguida estão as doenças do aparelho circulatório que registraram aumento de 2,81% em relação a As causas externas permanecem ocupando o terceiro lugar na lista de internações (lesões, envenenamentos e outras causas). Os acidentes de trânsito envolvendo condutores de motocicletas ocupam o topo da lista causando uma forte demanda por vagas para internação, geralmente prolongada, e que exercem impacto em outras áreas da saúde como, por exemplo, as cirurgias eletivas que comumente são desmarcadas por falta de vagas. MORBIDADE VERSUS MORTALIDADE: Na comparação entre mortalidade e morbidade não houve dados a serem destacados. Os pequenos aumentos na mortalidade foram coerentes com os pequenos aumentos na morbidade. A mesma coerência foi observada nos agravos que tiveram pequena queda. 3. REDE FÍSICA DE SAÚDE, PÚBLICA E PRIVADA, PRESTADORA DE SERVIÇO AO SUS 3.1 TIPO GESTÃO Tipo de Estabelecimento Total Municipal Estadual Dupla CENTRAL DE REGULACAO DE SERVICOS DE SAUDE CENTRO DE ATENCAO PSICOSSOCIAL

8 Tipo de Estabelecimento Total Municipal Estadual Dupla CENTRO DE SAUDE/UNIDADE BASICA HOSPITAL ESPECIALIZADO HOSPITAL GERAL POLICLINICA POSTO DE SAUDE SECRETARIA DE SAUDE UNIDADE DE VIGILANCIA EM SAUDE Total ESFERA ADMINISTRATIVA (GERÊNCIA) Tipo de Estabelecimento Total Municipal Estadual Dupla PRIVADA ESTADUAL MUNICIPAL Total Análise e considerações do Gestor sobre Prestadores de Serviços ao SUS A rede física de saúde pública e privada prestadora de serviços ao SUS no Município é composta de 64 Estabelecimentos de saúde. Destes, 45 (70,3%) possuem Gestão Dupla, a saber: Gestão Municipal realiza atendimentos de atenção básica e Gestão Estadual procedimentos de média e alta complexidade. O restante da rede é formada por 11 (17,19%) estabelecimentos de esfera apenas municipal (atenção básica) e 8 (12,5%) Estadual (média e alta complexidade). Comparativamente a 2011 houve aumento 3,12% no número de unidades de saúde. 4. PROFISSIONAIS SUS (Fonte: CNES) Última atualização: 19/03/ : 00:00

9 AUTONOMO TIPO TOTAL INTERMEDIADO ORG DA SOCIEDADE CIVIL DE 20 INTERMEDIADO P ENTIDADE FILANTROPICA E/OU SEM 300 INTERMEDIADO POR EMPRESA PRIVADA 5 INTERMEDIADO POR ORGANIZACAO SOCIAL(OS) 1 SEM TIPO 90 TOTAL 416 ESTAGIO TIPO TOTAL SEM TIPO 1 TOTAL 1 OUTROS TIPO TOTAL PROPRIETARIO 7 TOTAL 7 RESIDENCIA TIPO TOTAL SEM TIPO 10 TOTAL 10 VINCULO EMPREGATICIO TIPO TOTAL CARGO COMISSIONADO 30 CELETISTA 1326 CONTRATO POR PRAZO DETERMINADO 1320 EMPREGO PUBLICO 38 ESTATUTARIO 534 SEM TIPO 451 TOTAL 3699 Análise e Considerações sobre Prestadores de Serviços ao SUS O município possui atualmente profissionais cadastrados no CNES com atendimento ao SUS, entre funcionários da administração pública e privada, aumento de 52,5% em relação a Destes, 416 (10%) estão enquadrados como autônomos, sendo que os demais vínculos juntos totalizam 90%. O aumento ocorreu devido a adequação dos vínculos, conforme determina a Portaria SAS/MS nº 134/2011, que está sendo realizada em conjunto pelos gestores municipais e estaduais, dentre do nível de atuação de cada esfera de governo, além da participação de todos os gerentes de estabelecimentos de saúde. 5. PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE Diretriz 1. Adequar o modelo assistencial e ampliar o atendimento da população do município, promovendo a adequação física e de recursos humanos da rede de saúde municipal a um modelo de saúde centrado na prevenção a partir dos Programa de Agente Comunitário de Saúde e de Saúde da Família , , Manutenção das ações de PSF e PACS , ,86

10 Garantir e promover o funcionamento das Unidades de PSF e PACS. 100% 100% , ,86 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 88,44% do orçamento. - Otimização e racionalização na utilização dos recursos. ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: As ações do PSF e PACS foram mantidas de acordo com a demanda. O exercício de 2012 fechou com 30 equipes de ESF, com isso a cobertura populacional de 54,18%. Registrou-se leve aumento na cobertura populacional de agentes comunitários de saúde, de 68,43% para 69,04%. Existem diversas áreas descobertas que deverão ser preenchidas através do processo seletivo previsto para o ano de Com o objetivo de promover melhorias na qualidade e atenção aos usuários do SUS, o município fez adesão aos seguintes programas: - PMAQ Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica: melhor qualidade no atendimento aos usuários - adesão 14 equipes de estratégia saúde da família valor transferência/mês R$54.100,00; - Rede Cegonha: Atenção à mulher e criança pré-natal e puerpério valor transferência/ano R$ ,00; - PROVAB Programa de Valorização da Atenção Básica: incentivar profissionais médicos, enfermeiros e odontólogo a prestar serviço no município adesão de 02 enfermeiros custeados integralmente com recursos do MS; Foram realizadas dez campanhas sob forma de mutirões de atendimentos nos bairros e distritos do município. 1.2 Aparelhamento, Reaparelhamento e Reforma de Unidades de PSF Gerar condições estruturais adequadas para promover melhoria na qualidade do atendimento , , , ,30 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 1.544% acima do orçamento programado - Houve suplementação em virtude do recebimento de recursos do PROESF 2 ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: - Aquisição de 02 VANS para transporte sanitário - recurso PROESF 2 - Aquisição de 34 aparelhos de fax para as unidades de saúde recurso PROESF 2 - Aquisição de 28 cadeiras fixas e 14 giratórias para as unidades de saúde dos bairros União e Zumbi - recurso PROESF 2 - Aquisição de equipamentos para atender ações de alimentação e nutrição nas unidades de saúde; - Aquisição de equipamentos de comunicação wireless para unidades de saúde. 1.3 Construção de Unidades de PSF , ,00 Construir unidade para possibilitar a ampliação na oferta dos serviços de saúde com mais comodidade. 2 (processos licitatórios 01 concluídos e empenhos parciais ,00 realizados) ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 23,95% do orçamento ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: A meta refere-se à construção das unidades de saúde da família dos bairros Abelardo Machado (Rua Manoel Belmiro dos Santos, S/N) e Coramara (Rua Fotógrafo Guilherme, S/N). As licitações foram concluídas em 2012 (TP nº 017/2012 e TP 019/2012, respectivamente) e foi realizado empenho parcial no valor de R$ ,00 para cada obra. A ordem de início de serviço ocorrerá em As obras serão custeadas com recursos do governo federal e contrapartida do município (financeira e disponibilização dos terrenos). As unidades foram projetadas dentro de novo padrão arquitetônico, que atende às normas da ANVISA e é mais ampla, confortável e humanizada que as atuais ,00 Diretriz 2. Garantir acesso ao cliente/usuário SUS na Atenção Básica à Saúde, promover assistência odontológica, farmacêutica, laboratorial à população do município , , Manutenção da farmácia popular , ,16 Garantir a manutenção das atividades da farmácia popular. 100% 100% , ,16 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 63,75% acima do programado. - Aumento de despesa devido a mudança de endereço da Farmácia Popular. ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: Em 2012 a Farmácia Popular deu início ao Programa Brasil Carinhoso, onde é feita a dispensação gratuita de medicamentos para problemas respiratórios; realizou mudança do endereço da unidade, passando a funcionar na Praça Jerônimo Monteiro. O número de atendimentos foi de Houve uma diminuição de 50% em relação ao ano anterior. Em conseqüência, também houve diminuição de 50% na quantidade de produtos dispensados e, ainda, queda de 54% no valor arrecadado, totalizando R$ ,70. A diminuição deve-se à mudança de endereço da unidade, onde os atendimentos foram paralisados por cerca de 20 dias e, quando retornaram, foram feitos de maneira parcial (os medicamentos gratuitos não puderam ser dispensados) até junho. O motivo na demora do restabelecimento do atendimento na unidade foi a liberação da Fiocruz para sua reabertura. Entendemos que a dificuldade principal foi o desconhecimento da população sobre o novo endereço. Assim, sugerimos divulgação em massa da nova localização e de seus serviços na mídia, nas UBS e PSF, o que já começou a ser feita através de treinamento aos farmacêuticos da rede e com profissionais que atuam nas farmácias básicas do município. 2.2 Manutenção dos serviços de prevenção e curativos odontológicos , ,78

11 Garantir a manutenção das atividades dos serviços de prevenção e curativos odontológicos. 100% 100% , ,78 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 30,32% acima do programado. - Havia saldo financeiro de anos anteriores suplementado no exercício 2012 (R$79.392,78). ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: ASPECTOS OPERACIONAIS: Houve queda de 9,6% no total de pacientes atendidos de para , e de 4,3% nos procedimentos curativos de para em relação à Resultado do trabalho preventivo junto às comunidades desenvolvendo as técnicas de escovação, distribuição de produtos de higiene bucal e palestras educativas. Ações realizadas nas escolas públicas Municipais e Estaduais: - Palestras educativas; Escovação supervisionada com distribuição de creme dental e escova; Aplicação tópica de flúor. 2.3 Manutenção do Laboratório Municipal , ,17 Garantir a manutenção das atividades do Laboratório Municipal. 100% 100% , ,17 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 23,16% do programado - Implantação do modelo Sistema de Registro de Preço como ferramenta principal de compra que permite que a indicação do recurso orçamentário ocorra apenas no momento da aquisição, por esse motivo o orçamento executado foi inferior ao programado. ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: Resultados alcançados: Foram realizados o total de exames. Dificuldades: O Laboratório Regional do Centro Municipal de Saúde encontrou dificuldades para aquisição de kits para realização dos exames, ficando vários meses com atendimento abaixo da média histórica. Melhorias: - Treinamentos internos de Educação Continuada visando aprimorar o trabalho em equipe, atendimento ao cliente, qualidade de trabalho; - Treinamento sobre Humanização do atendimento ao cliente e Melhoria da Higienização; - Capacitação técnica com treinamentos para profissionais de nível superior e técnico; - Parceria com o Centro Universitário São Camilo, que disponibilizou equipe de psicólogos para atender a alguns profissionais do laboratório e, ainda, realização de reuniões periódicas em grupos, no auditório do Centro Municipal de Saúde, para melhoria da convivência e desenvolvimento das habilidades interpessoais; - Área física: reparo do telhado. Recomendações para 2013: - Implantação de um sistema de informática laboratorial, a fim de informatizar todo o laboratório, interfacear os resultados liberados pelos equipamentos, minimizando erros e agilizando prazos de entrega e atendendo a legislação vigente e RDC's no que diz respeito a obrigatoriedade das informações dos dados cadastrais dos clientes/pacientes, unificação do Cartão Nacional de Saúde, rastreabilidade de todo o processo e ainda a exigência de sigilo, confidencialidade e armazenamento dos dados por no mínimo 5 anos. - Reformar a estrutura física para adequação e melhorar o atendimento aos usuários, conforme projeto elaborado junto à SEMO, baseado na RDC 50 de 21/02/2002; Atendendo às recomendações sugeridas, será possível participar, pela primeira vez, do Programa de Ensaio de Proeficiência do PNCQ Programa Nacional de Controle de Qualidade com o controle Externo e Interno da Qualidade, a fim de atestar nacionalmente os índices de acertos para os exames realizados. 2.4 Manutenção da rede básica de saúde , ,49 Garantir a manutenção das atividades da rede básica de saúde. 100% 100% , ,49 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 74% acima do programado - Despesas com folha de pagamento e manutenção de energia do Pronto Atendimento Mauro Miranda Madureira foram maiores que o programado. ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: A manutenção das atividades da rede de saúde, que compreende as Unidades Básicas (inclusive pagamento de pessoal), os Prontos Atendimentos Mauro Miranda Madureira (Baiminas) e Paes Barreto (Itaoca), os programas de saúde (tuberculose, hanseníase, tabagismo, outros) e os contratos de manutenção preventiva e corretiva de equipamentos médico-hospitalar (Raio X, autoclave, outros), ocorreram de forma regular dentro das necessidades demandadas pelas unidades de serviço. Os PA s atenderam a cada 24h, respectivamente, 300 e 60 pacientes/dia. 2.5 Manutenção da assistência farmacêutica Garantir a manutenção das atividades da assistência farmacêutica , ,07 100% 100% , ,07 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 97,84% do programado. ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: A Assistência Farmacêutica é responsável pela gestão do estoques de medicamentos, atendimento às requisições e distribuição de medicamentos às 35 UBS, 02 PA's e 18 instituições e, ainda, alimentação do cadastro de materiais e fornecedores, realização de inventários freqüentes, conservação dos materiais guardados ou estocados. Em comparação com 2011, houve aumento de aproximadamente 5% (de para ) nos atendimentos de receituários das UBS. O índice de cobertura de medicamentos padronizados chegou a 95%. A Farmácia central atendeu 150 pessoas/dia (média), com mais de 8 mil pacientes cadastrados entre usuários de insulinas e medicamentos de Saúde Mental. Foram realizadas ações de reorganização da Assistência Farmacêutica e compra de medicamentos para atendimento aos munícipes. Encontra-se em tramitação o processo de locação de um veículo tipo Furgão para otimização e adequação do abastecimento das Unidades de Saúde e Pronto Atendimentos.

12 2.6 Oferta de serviços de saúde , ,00 Garantir a oferta de serviços de saúde. 100% 100% , ,00 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 5,8% acima do orçamento - Aumento do convênio nº 035/2010 de R$ ,61 para R$ ,00 - Celebração de novo convênio nº003/2012 com aumento do repasse anual de R$ ,00 para R$ ,00 Recurso aplicado com seguintes convênios/contratos: * Hospital Infantil HIFA (Convênio nº 03/2012): despesa com o Pronto Atendimento Infantil no total de R$ ,00 * Hospital Infantil HIFA (Convênio nº 035/2010): despesa com serviços com Laboratório para atender demandas dos prontos-atendimentos Mauro Miranda Madureira (Baiminas) e Paes Barreto (Itaoca), Centro de Infectologia Abel Santana (CRIAS) e exames de pré-natal proveniente das unidades de saúde no total de R$ ,00 * Consórcio Intermunicipal Polo Sul (Contrato de Rateio nº 064/2012): despesa de rateio com o Consórcio Público no total de R$ ,00 * Hospital Evangélico (Convênio nº 034/2011): despesa com PAB SUS pela produção nos atendimentos ambulatorial e de urgência no total de R$7.421,71 * Hospital Santa Casa (Convênio nº 023/2012): despesa com PAB SUS pela produção nos atendimentos ambulatorial e de urgência no total de R$21.518,37 ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: Os serviços de saúde conveniados e/ou contratos foram mantidos e a oferta ocorreu de acordo com a demanda. 2.7 Apoio às instituições de saúde , ,00 Garantir o apoio às instituições de saúde , ,00 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 33,65% acima do orçamento - A meta programada previa apoio às seguintes instituições: Santa Casa de Misericórdia, Hospital Infantil Francisco de Assis e GAASV Grupo de Apoio aos Doentes de Aids Solidários pela Vida. Estes foram alocados no objetivo 2.6 (Oferta de serviços de saúde). - Executado R$50.400,00: transferência de R$16.800,00 por quadrimestre efetuada pelo Fundo Nacional de Saúde diretamente ao Fundo Municipal de Saúde para o GAASV (casa de apoio de adultos vivendo com HIV/AIDS). O valor é repassado integralmente ao GAASV. Recurso aplicado com seguintes convênios/contratos: * Hospital Evangélico (Convênio nº 022/2012): despesa com implantação do Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA), sob a gerência do Centro de Infectologia (CRIAS) no de R$35.000,00. * GAASV - casa de apoio de adultos vivendo com HIV/AIDS (Convênio nº 018/2012): repasse de recurso transferido do Fundo Nacional de Saúde para O Fundo Municipal de Saúde. Valor total R$50.400,00. ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: Conforme previsto nos instrumentos de convênio firmado com as instituições, os repasses foram efetuados regulamente mediante prestação contas. Os valores foram aplicados pelas instituições dentro do previsto no respectivo Plano Operacional Anual (POA). 2.8 Manutenção e adequação das ações vinculadas a outros programas governamentais. Garantir a manutenção das atividades vinculadas a outros convênios ,00 0,00 100% ,00 0,00 Não houve demanda para esse objetivo. true 2.9 Aparelhamento e reaparelhamento da Assistência Farmacêutica. Gerar condições estruturais adequadas para garantir a melhoria na qualidade do atendimento. 0,00 0, ,00 0,00 Estrutura física necessita de adequações. true 2.10 Aparelhamento e reaparelhamento da rede básica. Gerar condições estruturais para garantir a melhoria na qualidade do atendimento , , , ,25 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 20% do programado - Diversos processos licitatórios foram iniciados 2012 e serão concluídos em ANÁLISE METAS/AÇÕES: Unidades reaparelhadas: 1. Centro Municipal de Saúde Bolívar de Abreu 2. Centro Municipal de Reabilitação Física - CEMURF

13 true 3. Unidade de Saúde Paulo Pereira Gomes e PA Mauro Miranda Madureira 4. Pronto Atendimento de Itaoca 5. Farmácia Popular 6. Programa de Triagem Auditiva Neonatal Universal 2.11 Aparelhamento e reaparelhamento dos consultórios odontológicos. Gerar condições estruturais para garantir a melhoria na qualidade do atendimento. true 2.12 Reaparelhamento do Laboratório Municipal , , , ,00 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 13,24% do programado - A diferença apurada entre o programado e executado foi transferida para ação de Manutenção dos serviços de prevenção e curativos odontológicos (objetivo 2.2). ANÁLISE METAS/AÇÕES: Aquisição de 09 aventais plumbíferos, 20 canetas de alta rotação, 07 compressores, 05 estufas para esterilização, 01 notebook. 100, ,00 Gerar condições estruturais para garantir a melhoria na qualidade do atendimento true Realizado 7,5% do ,00 reaparelhamento. ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 100% acima do programado - O recurso referente ao reaparelhamento do Laboratório Municipal foi transferido pelo Fundo Nacional de Saúde em 08/06/2012, portanto, posterior à aprovação do Orçamento ANÁLISE METAS/AÇÕES: A ação refere-se ao projeto de reaparelhamento do Laboratório Municipal aprovado junto ao Ministério da Saúde através da proposta nº / O valor executado em 2012 corresponde a 7,5% do projeto. Os demais itens estão em processo licitatório , Reforma de unidades de saúde. 450,00 0,00 Gerar condições estruturais para garantir a melhoria na qualidade do atendimento ,00 0,00 será executado em true 2.14 Reforma do laboratório Municipal. 50,00 0,00 Gerar condições estruturais para garantir a melhoria na qualidade do atendimento ,00 0,00 Previsto para true 2.15 Construção e/ou ampliação de unidades de saúde. Possibilitar a ampliação na oferta dos serviços de saúde com mais comodidade. 50,00 0, ,00 0,00 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 0% ANÁLISE METAS/AÇÕES: As ampliações estão previstas para Referem-se aos projetos aprovados junto ao Ministério da Saúde, a saber: - Unidade de Saúde de Burarama: proposta de projeto nº /12850 processo nº / Unidade de Saúde de Córrego dos Monos: proposta de projeto nº /10721 processo nº / Unidade de Saúde do Village da Luz: proposta de projeto nº /10729 processo nº / A consulta aos processo encontra-se disponível no link: Diretriz

14 3. Implementação de linhas de cuidado e políticas de atenção especializada à população em geral e em situações especiais de agravo. Organizar o acesso dos usuários aos serviços de saúde especializada, de acordo com as necessidades de saúde, a oferta dos serviços existentes e em consonância com as ações de controle e avaliação para garantir a qualidade na prestação de serviços. 3.1 Manutenção do Centro de Atenção Psicossocial AD. Garantir a manutenção das atividades do CAPS , , , ,42 100% 100% , ,42 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 347% acima do programado - Iniciou as atividades em 2012 e não havia previsão orçamentária para cobrir todas as despesas. Durante o exercício houve suplementação remanejada de outras ações. ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: Atividades desenvolvidas: Eventos: - Divulgação do trabalho aos enfermeiros do ESF; - Divulgação em campanhas, ex.: Família Cidadã; - Programas de TV local; - Campanhas internas junto aos pacientes e familiares em datas comemorativas tais como: Dia de combate ao alcoolismo; Dia das Mães; Festa Junina; - Participação do XI Ciclo de Debates Drogas e eu com isso ; - Participação na organização do II seminário Sobre Drogas; - Realização do cine vídeo no CAPS ad, com exibição de filme e mesa redonda com discussão sobre a correlação entre o filme e a vida dos pacientes; - Realização de um PIT STOP no Dia Internacional de Combate as Drogas, com a participação do COMSOD e Guarda Municipal, objetivando divulgar o serviço do CAPS ad, com distribuição de folders; - Participação na elaboração do programa Acolher cujo objetivo é a construção de uma rede entre as secretarias do município, a fim de se trabalhar prevenção acolhimento, tratamento e reinserção dos usuários de drogas licitas e ilícitas. - Preparação de uma exposição para divulgação e comercialização dos produtos confeccionados pelos pacientes durante as oficinas e terapias em grupo (em andamento). Atendimentos Realizados: - Psicólogo: 426 consultas - Assistente Social: 138 consultas - Médico Clínico: 919 consultas - Terapeuta Ocupacional: 66 consultas - Enfermeiro: 526 consultas - Psiquiatra: 216 consultas - Técnico de Enfermagem: 1355 atendimentos TOTAL DE atendimentos - Pacientes Cadastrados: 445 Pacientes - Evasão: 110 pacientes 3.2 Manutenção das Ações de Atenção Especializada. Garantir a manutenção das atividades de Atenção Especializada , ,71 100% 100% , ,71 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 83,17 do previsto. ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: Esta diretriz se integra a outros serviços como atenção básica e especialidade odontológica para maior resolutividade e atendimento às demandas da população. No intuito de garantir a manutenção das atividades e evitar descontinuidade das ações, foi mantido contrato de manutenção preventiva e corretiva de veículos para atender as áreas de serviço da rede de saúde do município, inclusive transporte sanitário de usuários e pacientes. Foram adquiridas cestas básicas e vale-transporte para pacientes cadastrados no programa de tuberculose. CENTRO MUNICIPAL DE REABILITAÇÃO FÍSICA (CEMURF). - Foram realizados atendimentos em Projetos: - Construção de pista de caminhada, caixas de propriocepção e mesa para atendimento em grupo na área externa, com recursos provenientes de donativos (fase de construção e implantação); - Reaparelhamento do CEMURF - aquisição de materiais e equipamentos através de projeto aprovado junto ao Ministério da Saúde. Ações: - Adequação do fluxograma de pacientes encaminhados para a fisioterapia, com triagem na qual consiste numa avaliação prévia do fisioterapeuta, que deve ser realizada em até 20 dias depois que o paciente buscou o atendimento na Unidade para dar início ao procedimento. Na triagem também é considerada a classificação de risco, quando a demanda é maior que a oferta; - Realização de treinamento de avaliação, confecção e adaptação de próteses para a equipe de fisioterapeutas, objetivando melhorar o atendimento ao usuário; - Implantação do serviço de RPG (Reeducação Postural Global) - Contratação de fisioterapeuta especialista em RPG; - Participação no curso de avaliação, confecção e adaptação de próteses; - Reativação do atendimento com psicólogo. 3.3 Manutenção do Centro de Especialidades Odontológicas. Garantir a manutenção das atividades do CEO , ,39 100% 100% , ,39

15 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 91,7% do programado ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: O município, que possui dois (02) Centros de Especialidades Odontológicas implantados (CEO I e CEO II), obteve resultados positivos nos serviços disponibilizados, tais como: periodontia (tratamento de gengiva), endodontia em dentes anteriores (tratamento de canal), cirurgia buco-maxilo-facial, atendimento a pacientes com necessidades especiais e diagnóstico de câncer bucal. Reflexo da intensificação nas ações preventivas, expansão dos serviços básicos e adesão da população. Em 2012 foram realizados atendimentos e procedimentos, redução de 35,7% e 41,1% em relação a 2011, respectivamente. 3.4 Manutenção do Centro de Referência do Trabalhador (CEREST). Garantir a manutenção das atividades do CEREST , ,55 100% 100% , ,55 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 84,9% do programado ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: Em 2012 o CEREST-CI desenvolveu suas ações parcialmente de acordo como previsto no Plano de 2009/2012. Nessa perspectiva, foram mantidas as ações de capacitação, sensibilização e visitas às unidades da rede municipal de saúde (Vigilâncias, ESF, ACS, PA's), CRAS e CREAS dos municípios da macrorregional Sul do ES nas temáticas referentes à saúde do trabalhador. Instalar-se em sua nova sede, garantiu mais funcionalidade à unidade do CEREST-CI, oferecendo melhores condições físicas de trabalho, qualidade e comodidade no atendimento aos usuários. A equipe que estava praticamente completa sofreu novamente a perda de importantes integrantes, como o médico do trabalho, fonoaudiólogo que infelizmente tivemos dificuldade de recolocação. Foram mantidas as ações de promoção, prevenção e assistência aos trabalhadores e apoio matricial às equipes de saúde dos municípios garantindo assim, a divulgação permanente da política de saúde do trabalhador na rede SUS. 3.5 Aparelhamento do Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas. Gerar condições estruturais adequadas para garantir a melhoria na qualidade do atendimento. true 3.6 Reaparelhamento do centro de Referência do Trabalhador (CEREST). Gerar condições estruturais adequadas para garantir a melhoria na qualidade do atendimento , , , ,00 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 37,1% do programado - Na execução foi utilizado recurso transferido pelo Fundo Nacional de Saúde em 21/03/2011, Ordem Bancária nº ANÁLISE METAS/AÇÕES: - Aquisição de balança adulto, cama fawler fixa, carro maca hospitalar, ramper, maca fixa, martelo reflexo, suporte para soro, ar condicionado split , , , ,15 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 59,8% do programado. ANÁLISE METAS/AÇÕES: - Foram adquiridos materiais e equipamentos para melhor atender às necessidades dos serviços prestados à saúde do trabalhador, através seguintes processos licitatórios: * Pregão /2012 * Pregão 065/2012 * Pregão 233/2011 Diretriz 4. Exercer controle, prevenção e vigilância em saúde, visando o bem estar da população. 4.1 Manutenção e Adequação das atividades de Vigilância Sanitária. Garantir e promover a manutenção das atividades da Vigilância Sanitária , , , ,00 100% 100% , ,00 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 159,8% acima do programado - Os recursos próprios do Fundo de Saúde foram suplementados durante o exercício orçamentário. ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: As ações previstas para o ano de 2012 foram executadas sem maiores dificuldades. Houve um aumento do número de estabelecimentos vistoriados e licenciados devido a regularização de diversos estabelecimentos clandestinos. Além disso, outras atividades foram descentralizadas pela SESA, dentre elas Estabelecimentos de Interesse à Saúde de Alto Risco Sanitário (ex.: Hospitais e Clínicas Especializadas). Em relação às ações não realizadas permanece a atualização do código sanitário e a implantação da taxa de fiscalização sanitária. Está previsto para 2013 a implantação da taxa de fiscalização sanitária e publicação no novo código sanitário.

16 4.2 Manutenção dos Serviços do Centro de Infectologia Abel Santana CRIAS. Garantir e promover a manutenção das atividades do CRIAS , ,08 100% 100% , ,08 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 80,21% do programado. - Processo licitatório, referente a aquisição de 3000 bolsas maternidade, 5000 sacolas TNT, 6000 de sacolas tipo camisetas e 3000 camisas de malha, será executado em ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: Os atendimentos realizados em 2012 (7.735) pelo SAE (Serviço de Atendimento Especializado)/CTA (Centro de Testagem e Aconselhamento) diminuíram cerca de 27% em relação a 2011 (10.619). Ressalta-se que houve troca de profissionais na equipe multidisciplinar e, por esta razão, diversas participações destes profissionais em campanhas, congressos e atividades externas. Ações realizadas: - Prevenção contra as DST/AIDS: Campanha de carnaval - distribuição de preservativos masculinos e orientações educativas; - Realização de 24 palestras, sendo 11 em escolas e as demais em empresas, Centro de Convivência de idoso, Comunidade Quilombolas e outros; - Realização testes de HIV, Sífilis e Hepatites B e C: realizados; - Capacitação dos profissionais de saúde em DST/HIV/Aids: Realização do III Encontro Municipal da RNP+ de Cachoeiro de Itapemirim. - Saúde prisional 5 unidades: 900 atendimentos. 4.3 Manutenção das atividades de prevenção de endemias e proliferação de vetores. Garantir e promover a manutenção das atividades de prevenção de endemias e proliferação de vetores , ,69 100% 100% , ,69 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 13,6% acima do programado - Saldo financeiro de 2011 suplementado no exercício 2012 (R$ ,14) ANÁLISE DAS METAS/AÇÕES: Diversas ações de controle das endemias foram desenvolvidas ao longo de 2012, dentre as quais citamos: controle da Malária, Esquistossomose, Doença de Chagas, Leishmaniose e outras. As ações de controle da dengue foram desenvolvidas de acordo com o PNCD, sendo executados 5 ciclos de levantamento do índice de infestação predial (IIP), monitoramento de pontos estratégicos e ações de bloqueio de casos. O ano de 2012 encerrou sem epidemia de dengue e com a prevalência, na maior parte do ano, do índice de incidência por habitantes/mês no nível recomendado. A dificuldade para cumprir a meta de 6 ciclos anuais de levantamento do IIP continua relacionada ao número insuficiente de Agente de Endemias, situação que deve ser resolvida em 2013 com a realização do Processo Seletivo para ACE e ACS. 4.4 Promoção das ações de Imunização (Campanhas). Garantir e promover a manutenção das atividades das campanhas , ,20 100% 100% , ,20 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 14,6% do programado - Valor programado não foi repassado pelo Ministério da Saúde ao Fundo Municipal de Saúde. O valor executado foi custeado com resíduo de recursos da campanha de vacinação H1N1 recebidos em ANÁLISE METAS/AÇÕES: Ações mantidas: posto móvel de vacina na praça central; vacinação no dia do desfile escolar e durante festa da cidade; logística durante a semana de campanha nas unidades que não possuem sala de vacina; parceria com as escolas para a vacinação das crianças na idade escolar e de creche; vacinação em hospitais e asilos. 4.5 Gerar condições estruturais adequadas para garantir e promover a melhoria do atendimento e serviços do Centro de Controle de Zoonozes. Adequar estrutura física aos padrões sanitários , , , ,00 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 29,3% do programado. - Valor foi suplementado de outras ações. ANÁLISE METAS/AÇÕES: Equipamentos (microscópio, ar condicionado) e mobiliários (armários, cadeiras, longarinas e mesas) Em 2012 o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), trabalhou atendendo de forma seletiva as ações de controle animal. Foram contratados dois médicos veterinários para atender melhor a demanda de serviços. Os médicos veterinários foram orientados pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária (CRMV) a fazer de modo seletivo as ações de recolhimento, captura e eutanásia dos animais do CCZ. O CRMV não permite a eutanásia de animais saudáveis e com possível tratamento. Foram recolhidos em vias públicas somente os animais atropelados, agonizando, agressivos e com suspeita de transmissão de zoonoses. A maioria dos animais (cães e gatos) soltos em via pública, eram semi domiciliados que, mesmo tendo dono, tinham acesso à rua. Os animais de grande porte, soltos na vias públicas, foram recolhidos pelo CCZ e liberados diante pagamento de multas. As ações de controle de roedores e pragas urbanas continuaram de forma efetiva nas escolas, creches, unidades de saúde, repartições e áreas públicas. As doenças transmitidas por animais sinantrópicos foram mantidas sob controle. O CCZ recebeu acesso a Internet, câmeras de monitoramento e reposição de todo seu mobiliário.

17 4.6 Reaparelhamento do Centro de Referência e Infectologia Abel Santana - CRIAS. Gerar condições estruturais adequadas para garantir e promover a melhoria na qualidade do atendimento e serviços do CRIAS. true Diretriz 5. Fortalecer a gestão do SUS no município de Cachoeiro de Itapemirim, de modo a melhorar e aperfeiçoar a capacidade resolutiva, as ações de serviços prestados à população , , , ,00 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 732% acima do programado. - Saldo financeiro de 2011 suplementado no exercício 2012 (R$51.270,00). ANÁLISE METAS/AÇÕES: Aquisição de equipamentos (braçadeira, cadeira de coleta, foco ginecológico, cama fawler, câmara de conservação para uso de laboratório, computador, caixa de som, microfone) , , Gerenciamento de saúde , ,16 Viabilizar e manter o funcionamento geral de toda a rede municipal do SUS. 100% 100% , ,16 ANÁLISE ORÇAMENTÁRIA: Executado 25,37% acima do programado. - Valor suplementado de outras ações. ANÁLISE METAS/AÇÕES: Diretriz prevê a aplicação de recursos para cobrir despesas administrativas com folha de pagamento, encargos e benefícios; manutenção com sistemas de informações e rede lógica; materiais de consumo e expediente; celebração de contratos de manutenção de equipamentos. Dentre as atividades de regulação, controle, avaliação e auditoria destaca-se a manutenção e gerenciamento regular dos sistemas de informações que garantiu a continuidade das transferências do Governo Federal. Foram adquiridos equipamentos para o programa de Triagem Auditiva Neonatal Universal-TANU com recursos provenientes do conselho dos royalties. Para reduzir custo com energia elétrica foram adquiridos e instalados aparelhos de ar condicionado SPLIT 220V na sede da Secretaria. Visando integrar o sistema GIL em rede foram adquiridas antenas e unidade remotas para comunicação entre os pontos. Quanto à captação de recursos, foram aprovados 10(dez) projetos de investimento que serão executados em INDICADORES DA TRANSIÇÃO PACTO-COAP Última atualização: 03/05/ : 35:15 Diretriz 1 - Garantia do acesso da população a servicos de qualidade, com equidade e em tempo adequado ao atendimento das necessidades de saúde, mediante aprimoramento da política de atenção : Nacional Utilização de mecanismos que propiciem a ampliação do acesso da atenção básica. Indicadores Meta2012 Resultado2012 MEDIA DA ACAO COLETIVA DE ESCOVACAO DENTAL SUPERVISIONADA 11,94 10,23 % COBERTURA DE ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAUDE DO PROGRAMA 79,00 98,55 % BOLSA FAMILIA COBERTURA POPULACIONAL ESTIMADA PELAS EQUIPES DE ATENCAO BASICA 65,00 64,59 % COBERTURA POPULACIONAL ESTIMADA PELAS EQUIPES BASICAS DE SAUDE BUCAL 50,00 69,47 % Unidade : Nacional Garantir acesso da população a serviços de qualidade, com equidade e em tempo adequado ao atendimento das necessidades de saúde, mediante aprimoramento da política da atenção especializada. Indicadores Meta2012 Resultado2012 Unidade PROPORCAO DE SERVICOS HOSPITALARES COM CONTRATO DE METAS FIRMADO N/A 0,00 % Avaliação da diretriz Diretriz 1 - Garantia do acesso da população a servicos de qualidade, com equidade e em tempo adequado ao atendimento das necessidades de saúde, mediante aprimoramento da política de atenção básica e da atenção especializada.: A média da ação coletiva de escovação dental supervisionada ficou um pouco abaixo da meta pactuada, a meta Brasil é de 3%. Houve aumento da cobertura de acompanhamento das condicionalidades de saúde do programa bolsa família devido a sensibilização que foi feita junto aos enfermeiros das áreas. Apesar da meta de cobertura populacional estimada pelas equipes de atenção básica não ter sido atingida, o município ficou acima da meta Brasil que é de 62%. A meta Brasil para a cobertura populacional estimada pelas equipes básicas de saúde bucal é de 50% e o município ficou acima. Diretriz 2 - Aprimoramento da Rede de Atenção às Urgências, com expansão e adequação de Unidades de Pronto Atendimento (UPA), de Serviços de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), de prontos- : Nacional - Implementação da Rede de Atenção às Urgências. Indicadores NUMERO DE UNIDADES DE SAUDE COM SERVICO DE NOTIFICAO DE VIOLENCIA IMPLANTADA Meta2012 Resultado2012 Unidade 1,00 0,00 N ABSOLUTO

18 Avaliação da diretriz Diretriz 2 - Aprimoramento da Rede de Atenção às Urgências, com expansão e adequação de Unidades de Pronto Atendimento (UPA), de Serviços de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), de prontos-socorros e centrais de regulação, articulada às outras redes de atenção.: Atualmente as notificações de violência são realizadas somente pelos hospitais. As unidades de saúde não possuem ainda o serviço de notificação de violência implantada. Foram notificados 11 casos de violência pelos hospitais. Diretriz 3 - Promoção da atenção integral à saúde da mulher e da criança e implementação da "Rede Cegonha", com ênfase nas áreas e populações de maior vulnerabilidade. : Nacional Fortalecer e ampliar as ações de Prevenção, detecção precoce e tratamento oportuno do Câncer de Mama e do Colo de útero. Indicadores Meta2012 Resultado2012 Unidade RAZAO DE EXAMES CITOPATOLOGICOS DO COLO DO UTERO EM MULHERES DE 25 A 64 0,25 2,96 RAZAO ANOS E A POPULACAO FEMININA NA MESMA FAIXA ETARIA RAZAO DE EXAMES DE MAMOGRAFIA REALIZADAS EM MULHERES DE 50 A 69 ANOS E 0,22 0,86 RAZAO POPULACAO DA MESMA FAIXA ETARIA. SEGUIMENTO/TRATAMENTO INFORMADO DE MULHERES COM DIAGNOSTICO DE LESOES 25,00 28,57 % INTRAEPITELIAIS DE ALTO GRAU DO COLO DO UTERO : Nacional Organizar a Rede de Atenção à Saúde Materna e Infantil para garantir acesso, acolhimento e resolutividade. Indicadores Meta2012 Resultado2012 Unidade PROPORCAO DE PARTOS NORMAIS 21,00 18,49 % PROPORCAO DE NASCIDOS VIVOS DE MAES COM NO MINIMO 7 CONSULTAS DE PRE- 43,00 44,16 % NATAL. NUMERO DE OBITOS MATERNOS EM DETERMINADO PERIODO E LOCAL DE RESIDENCIA 4,00 3,00 N ABSOLUTO TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL 12,00 13,94 /1000 PROPORCAO DE OBITOS INFANTIS E FETAIS INVESTIGADOS 100,00 34,00 % PROPORCAO DE OBITOS MATERNOS E DE MULHERES EM IDADE FERTIL (MIF) POR CAUSAS 100,00 76,47 % PRESUMIVEIS DE MORTE MATERNA INVESTIGADOS INCIDENCIA DE SIFILIS CONGENITA. 12,00 100,00 N.Absoluto Avaliação da diretriz Diretriz 3 - Promoção da atenção integral à saúde da mulher e da criança e implementação da "Rede Cegonha", com ênfase nas áreas e populações de maior vulnerabilidade.: INCONSISTÊNCIA NO SISTEMA DE ORIGEM EM RELAÇÃO A TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL: DADOS CORRETOS: TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL: META 2012=12,00/1000 RESULTADO 2012=13,94/1000 TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL: META 2012=N/A N.Absoluto RESULTADO 2012=34,00 N. Absoluto. A melhoria na prevenção, detecção precoce e tratamento oportuno do câncer de mama e do colo de útero ocorreu em pelos seguintes motivos: - aumento da oferta de exames de mamografia; - sensibilização das mulheres sobre a necessidade de realização dos exames; - melhoria na busca ativa de mulheres na faixa etária 25 a 64 anos. A alta incidência de sífilis congênita expressa a qualidade do pré-natal. Os casos ocorreram especialmente nas áreas em que não há cobertura do PACS/PSF, em pacientes sem moradia, sem parceiros fixos e usuários de drogas. o número de mortes maternas também está relacionado ao pré-natal. Quanto a investigação dos óbitos infantis e fetais, a meta não foi alcançada devido a falta de veículo para realizar visita domiciliar e demora dos hospitais para liberação dos prontuários. Recomendações: - ampliar a busca ativa das gestantes; - realizar exame VDRL nas mulheres em idade fértil e nas gestantes no início da gestação e na 30ª semana(aproximadamente); - sensibilizar os parceiros para adesão ao tratamento; - aumentar cobertura do PACS. A mortalidade neonatal e pós-neonatal acima do pactuado é consequência da deficiência no acompanhamento e atendimento pós-parto ao recém-nascido. Diretriz 4 - Fortalecimento da rede de saúde mental, com ênfase no enfrentamento da dependência de crack e outras drogas. : Nacional - Ampliar o acesso à Atenção Psicossocial da população em geral, de forma articulada com os demais pontos de atenção em saúde e outros pontos intersetoriais. Indicadores Meta2012 Resultado2012 Unidade COBERTURA DE CENTROS DE ATENCAO PSICOSSOCIAL (CAPS) 0,53 17,00 / Avaliação da diretriz Diretriz 4 - Fortalecimento da rede de saúde mental, com ênfase no enfrentamento da dependência de crack e outras drogas.: A meta Brasil para a taxa de cobertura de CAPAS é >=0,77 por habitantes. O município possui uma unidade CAPS II e um CAPSad que iniciou suas atividades em 01 de fevereiro de Diretriz 5 - Garantia da atenção integral à saúde da pessoa idosa e dos portadores de doencas crônicas, com estímulo ao envelhecimento ativo e fortalecimento das ações de promoção e prevenção. : Nacional - Melhoria das condições de Saúde do Idoso e Portadores de Doenças Crônicas mediante qualificação da gestão e das redes de atenção. Indicadores Meta2012 Resultado2012 Unidade TAXA DE INTERNACAO HOSPITALAR DE PESSOAS IDOSAS POR FRATURA DE FEMUR 28,52 1,04 / Avaliação da diretriz Diretriz 5 - Garantia da atenção integral à saúde da pessoa idosa e dos portadores de doencas crônicas, com estímulo ao envelhecimento ativo e fortalecimento das ações de promoção e prevenção.: A meta Brasil é a redução em 2% da taxa de internação hospitalar em pessoas idosas por fratura de fêmur em relação ao ano anterior. O município implantou, a partir de 2012, o programa de atenção a saúde do idoso e as ações voltadas para essa faixa etária eram em número insuficientes. A meta não foi alcançada, porém houve melhoria no indicador com redução de 5,21% em relação ao ano de 2011 (de 31,65 em 2011 para 30,06 em 2012). Diretriz 7 - Redução dos riscos e agravos à saúde da população, por meio das ações de promoção e vigilância em saúde. : Nacional Fortalecer a promoção e vigilância em saúde. Indicadores Meta2012 Resultado2012 COBERTURA VACINAL COM VACINA TETRAVALENTE (DTP+HIB)/PENTAVALENTE EM 100,00 30,06 % CRIANCAS MENORES DE UM ANO PROPORCAO DE CURA NAS COORTES DE CASOS NOVOS DE TUBERCULOSE PULMONAR 85,00 101,38 % Unidade

19 BACILIFERA PROPORCAO DE CURA DOS CASOS NOVOS DE HANSENIASE DIAGNOSTICADOS NOS ANOS 87,00 92,68 % DAS COORTES PROPORCAO DE REGISTRO DE OBITOS COM CAUSA BASICA DEFINIDA 95,00 92,90 % PROPORCAO DE CASOS DE DOENCAS DE NOTIFICACAO COMPULSORIA (DNC) ENCERRADOS 80,00 98,57 % OPORTUNAMENTE APOS NOTIFICACAO TAXA DE INCIDENCIA DE AIDS EM MENORES DE 5 ANOS DE IDADE. 9,95 100,00 / NUMERO ABSOLUTO DE OBITOS POR DENGUE N/A 39,35 N ABSOLUTO : Nacional Implementar ações de saneamento básico e saúde ambiental para a promoção da saúde e redução das desigualdades sociais com ênfase no Programa de aceleração do crescimento. Indicadores Meta2012 Resultado2012 Unidade PERCENTUAL DE REALIZACAO DAS ANALISES DE VIGILANCIA DA QUALIDADE DA AGUA, REFERENTE AO PARAMETRO COLIFORMES TOTAIS. 60,00 4,00 % Avaliação da diretriz Diretriz 7 - Redução dos riscos e agravos à saúde da população, por meio das ações de promoção e vigilância em saúde.: Registrou-se 04 casos de AIDS em menores de 5 anos, o que elevou a taxa de incidência. Essas notificações foram feitas em 2012, porém o diagnóstico foi realizado em anos anteriores. O atraso ocorreu devido a falta de profissional para atuar no serviço. Quanto ao percentual de realização das analises de vigilância da qualidade da água, referente ao parâmetro coliformes totais, a meta pactuada foi alcançada, porém o número de amostras obrigatórias para esse parâmetro (400) não foram examinadas no seu total (somente 250) devido a falta de kits no laboratório do vigiágua regional Estadual. Diretriz 13 - Qualificação de instrumentos de execução direta, com geração de ganhos de produtividade e eficiência para o SUS. : Nacional - Qualificação de instrumentos de gestão, com geração de ganhos de produtividade e eficiência para o SUS. Indicadores Meta2012 Resultado2012 Unidade PROPORCAO DE MUNICIPIOS COM OUVIDORIAS IMPLANTADAS 1,00 0,00 N ABSOLUTO Avaliação da diretriz Diretriz 13 - Qualificação de instrumentos de execução direta, com geração de ganhos de produtividade e eficiência para o SUS.: O município possui ouvidoria geral na qual as demandas são recebidas e encaminhadas às secretarias para atendimento. Após apuração é encaminhada resposta ao reclamante. Está em fase de implantação a Ouvidoria da Saúde com integração ao OuvidorSUS, cuja operacionalização ocorrerá em AVALIAÇÃO GERAL DAS DIRETRIZES A dificuldade na contratação de profissionais médicos e agentes comunitários de saúde (ACS) para ampliar a cobertura de Estratégia Saúde da Família continua contribuindo para o não atingimento de algumas metas do pacto pela vida. Está em fase de conclusão a elaboração do processo seletivo para ACSs. A Secretaria Municipal de Saúde vem implementando medidas para o realinhamento dos indicadores do Pacto. Dentre eles, ressaltamos a implantação do PMAQ e adesão ao Programa Rede Cegonha (objetiva melhorar a adesão e qualificação do pré-natal, parto e puerpério). As ações de parto e puerpério estão previstas para Em relação à Saúde do Idoso foram realizadas, em parceria com o CRAS, capacitações dos ACS e de cuidadores de idosos informais com foco na prevenção de quedas. Várias metas foram alcançadas e houve a melhoria de muitos indicadores. Para melhoria dos indicadores em 2013 o foco será a Saúde da Mulher e da Criança e as ações em processo implementação. 7. DEMONSTRATIVO DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS (Fonte: SIOPS) 7.1 BLOCO DE FINANCIAMENTO Última atualização: 13/03/ : 00:00 Transferência fundo a fundo Federal Atenção Básica , 48 Atenção de MAC Ambulatorial e Hospitalar Vigilância em Saúde ,3 6 Assistência Farmacêutica ,9 6 Estadual , ,9 9 RECEITAS (R$) Outros Município s Op. Crédito /Rend. /Outros Recursos Próprios DESPESAS (R$) Total Dotação Empenhada Liquidada Paga Orçada Movimentação Financeira RP/Outros Pagamentos Saldo Finan. do Exercício Anterior Saldo Finan. do Exercício Atual 0,00 0, , , , , , , , , , , ,98 0,00 0, , , , , , , 0, , , , ,00 0,00 0, , , , , , , 0, , , , ,24 0,00 0, , , , , , , 0, , , , Gestão do SUS ,00 0,00 0,00 0, , , , , , ,34 0, , , ,21 Bloco Investimentos na Rede de Serviços de Saúde ,2 1 0,00 0,00 0,00 0, ,2 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0, , ,43 1 Convênios 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Prestação de Serviços de Saúde 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Outras Receitas do SUS 0, ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0, , ,97 Outros Programas Financ por Transf Fundo a Fundo 0,00 0,00 0,00 0, , , , , , ,30 0, ,00 0, ,63 Análise sobre a Utilização dos Recursos Na execução dos blocos de financiamento ocorreu arrecadação acima do previsto inicialmente, isso se deu em conseqüência da ampliação dos repasses do Ministério da Saúde em novas ações a serem implantadas pelo Município e principalmente na aplicação de recursos de investimentos referentes a: (DEMONSTRATIVO DETALHADO ANEXO AO RAG 2012) - Construção e ampliação de unidades de saúde; - Aparelhamento de unidades básicas; - Aparelhamento de unidades especializadas;

20 - Construção de Academia de saúde. Houve aplicação de recursos remanescente de exercício anterior, investidos no aumento e na manutenção das ações e serviços de saúde INDICADORES FINANCEIROS (Fonte: SIOPS) Última atualização: 13/03/ : 00:00 Participação da receita de impostos total do município 16,15% Participação das transferências intergovernamentais na receita total do Município 72,06% Participação % das Transferências para a Saúde (SUS) no total de recursos transferidos para o Município 7,84% Participação % das Transferências da União para a Saúde no total de recursos transferidos para a saúde no 87,03% Participação % das Transferências da União para a Saúde (SUS) no total de Transferências da União para o Município 20,10% Participação % da Receita de Impostos e Transferências Constitucionais e Legais na Receita Total do Município 64,74% Despesa total com Saúde, sob a responsabilidade do Município, por habitante R$241,99 Participação da despesa com pessoal na despesa total com Saúde 71,05% Participação da despesa com medicamentos na despesa total com Saúde 3,52% participação da desp. com serviços de terceiros - pessoa jurídica na despesa total com Saúde 16,63% Participação da despesa com investimentos na despesa total com Saúde 2,27% Participação das transferências para a Saúde em relação à despesa total do Município com saúde 37,40% Participação da receita própria aplicada em Saúde conforme a EC 29/ ,86% Análise e considerações sobre os Indicadores Financeiros O total das despesas com saúde do município representam 37,40% e são financiados com recursos transferidos por outras esferas de governo, sendo 87,03% da União. As despesas com saúde financiada por recursos próprios municipais representam 15,86% da receita de impostos e transferências constitucionais e legais, indicando que o município cumpriu e ultrapassou o limite mínimo estabelecido (15%) na EC 29/2000. Do total das despesas do município, R$ 241,99 representam gasto por habitante, sendo: 71,05% com pessoal ativo, 3,52% com medicamento, 16,63% com serviços de terceiros Pessoa Jurídica, 2,27% com investimentos e 6,52% com outras despesas. Em relação às receitas, 16,15% do total do Município são provenientes de impostos diretamente arrecadados e 72,06% são transferidos por outras esferas de governo. As transferências para a saúde representam 7,84% do total de recursos transferidos para o Município. 8. DEMONSTRATIVO ORÇAMENTÁRIO - DESPESAS COM SAÚDE (Fonte: SIOPS) 8.1. RECEITAS Última atualização: 26/03/ : 00:00 RECEITAS PREVISÃO INICIAL (R$) PREVISÃO ATUALIZADA (a) (R$) RECEITAS ATUALIZADAS Jan a Dez (b) (R$) % (b/a) RECEITA DE IMPOSTOS LIQUIDA E TRANSFERENCIAS CONSTITUCIONAIS LEGAIS (I) , , ,38 Impostos , , ,87 117,89 104,74 Multas, Juros de Mora e Outros Encargos dos Impostos 0,00 0,00 0,00 0,00 Divida Ativa dos Impostos 0, , ,00 108,50 Multas, Juros de Mora, Atualizac?o Monetaria e Outros Encargos da Divida Ativa dos Impostos ,00 0,00 0,00 Receitas de Transferencias Constitucionais e Legais , , ,51 101,22 108,50 Da Uni?o , , ,42 94,50 Do Estado , , ,09 105,43 TRANSFERENCIA DE RECURSOS DO SISTEMA UNICO DE SAUDE - SUS (II) , , ,40 Da Uni?o para o Municipio , , ,33 109,39 109,47 Do Estado para o Municipio , , ,23 109,84 Demais Municipios para o Municipio 0,00 0,00 0,00 0,00 Outras Receitas do SUS , , ,84 125,94 RECEITA DE OPERAC?ES DE CREDITO VINCULADAS A SAUDE (III) 0,00 0,00 0,00 0,00 OUTRAS RECEITAS ORCAMENTARIAS , , ,18 83,40

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro

Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro Contém os resultados, desde 2008, dos indicadores pactuados em 2012 pelos municípios

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE 2014 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE VALENÇA-RJ Endereço: Rua Dr. Figueiredo nº 320 Centro Valença-RJ - CEP: 27.600-000

Leia mais

Orientações para Plano de Saúde PS (2014-2017) e Plano Plurianual da Saúde - PPA (2014-2017)

Orientações para Plano de Saúde PS (2014-2017) e Plano Plurianual da Saúde - PPA (2014-2017) Orientações para Plano de Saúde PS (2014-2017) e Plano Plurianual da Saúde - PPA (2014-2017) Gerência de Programação em Saúde DEPLAN/SUSAM Coordenação: Priscilla Lacerda (Revisado em Maio de 2014) O QUE

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS 1 - Apoiar a construção coletiva e implementação do Plano Realizar a Conferência com uma ampla participação da comunidade Sugerir propostas não contempladas na proposta do Plano Conferência Municipal de

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Por uma política de saúde do trabalhador do SUS na Secretaria Municipal de Divinópolis/MG Marília Fraga Cerqueira

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

Orientações para Plano Municipal de Saúde PMS (2014-2017) DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO - DEPLAN GERÊNCIA DE PROGRAMAÇÃO EM SAÚDE - GPS

Orientações para Plano Municipal de Saúde PMS (2014-2017) DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO - DEPLAN GERÊNCIA DE PROGRAMAÇÃO EM SAÚDE - GPS Orientações para Plano Municipal de Saúde PMS (2014-2017) Gerência de Programação em Saúde DEPLAN/SUSAM Coordenação: Priscilla Lacerda (2014) PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE - PMS Plano de Saúde PS, instrumento

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO

1. IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO Nome Secretaria Municipal de Saúde - SAO TIAGO CNPJ: 17.749.904/0001-17 RUA SÃO JOSÉ, 461 Telefone: 3233762151 - E-mail: saude@saotiago.mg.gov.br 36350-000 - SAO TIAGO - MG RELATÓRIO DE GESTÃO - PERIODO

Leia mais

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman DO de 08/08/13 NOVA ESTRUTURA 043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman Cumprir e fazer cumprir no Município do Rio de

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE Pág.: 1 de 21 PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM Programação Anual de Saúde 2015 Pág.: 2 de 21 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE 2015 Cachoeiro de Itapemirim-ES Novembro/2014

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas RESULTADOS Setembro 2010 Parcerias Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; Casa Civil da Presidência da República; Secretaria-Geral

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS

ORIENTAÇÕES SOBRE APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS ORIENTAÇÕES SOBRE APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS 1) PAB FIXO Podem ser custeados com o PAB-FIXO, todos os procedimentos pertinentes à atenção básica da saúde (ambulatorial),

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE 1 ATENÇÃO PRIMÁRIA 1.1 MÉDICO CLINICO GERAL Medicina. ATRIBUIÇÕES: Atendimento aos pacientes em área

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Coordenador: Liliane Espinosa de Mello SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de vida da população da

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS IDENTIFICAÇÃO MUNICIPAL Município: Prefeito: Endereço da Prefeitura: São José do Rio Preto Valdomiro Lopes da Silva Junior

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE 2015 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE VALENÇA-RJ Endereço: Rua Dr. Figueiredo nº 320 Centro Valença-RJ - CEP: 27.600-000

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Agenda de Compromissos Governo Federal e Municípios 1. Erradicar a extrema pobreza e a fome 2. Educação básica de qualidade para todos 3. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Leia mais

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente p Relatório Consulta Bico do Papagaio Oficinas 279 pessoas se credenciaram para participar das oficinas na cidade de Tocantinópolis. Foi solicitado à elas que elencassem as demandas e problemas regionais.

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE

CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE II CONFERÊNCIA DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL Instrumental de Trabalho baseado nas Propostas Aprovadas na I Conferencia Estadual

Leia mais

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe Saúde Informa Nº 2 Distrito Sanitário Centro DSCe Agosto/211 Apresentação Esta é a segunda edição do informativo do DSCe e o dedicamos a discussão das atividades de educação permanente, ao monitoramento

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOAO PESSOA Secretaria Municipal de Planejamento EXERCÍCIO: 202 ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ÓRGÃO: Projeto/Atividade Objetivo Denominação da Meta Unid.

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS 2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS José Iran Costa Júnior Secretário Estadual de Saúde 24/03/2015 Faixa Etária (anos) CARACTERIZAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA DE PERNAMBUCO

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal O U T U B R O 2011 Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal Dra.Telma de Moura Reis Médica Pediatra Coordenadora da Área Estratégica da Saúde

Leia mais

DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO

DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO Responsável: Adriana dos Santos Leandro Endereço: Rua Fenelon Gomes, 112 Bairro: Ilha do Principe CEP:

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PARACAMBI

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PARACAMBI SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PARACAMBI PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAUDE 2014 PROGRAMA: 06 Administração Governamental. Objetivo: Promover ações indispensáveis ao funcionamento administrativo e operacional

Leia mais

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015 Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios Para o ano de 2015 O Plano Anual de Saúde de 2015 guarda uma característica própria: é o espelho da programação do PMS 2014/2017 aplicado

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL RELATÓRIO FINAL TEMA CENTRAL Saúde e Qualidade de Vida: Política de Estado e Desenvolvimento DIRETRIZES PROPOSTAS PELAS OFICINAS TEMÁTICAS PARA COLOMBO, BIÊNIO 2007-2009, APROVADAS

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS

PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS DE GOIÁS Diagnóstico Operacionalização do Plano Estadual Contexto de vulnerabilidade 1. Relações desiguais de gênero Ações governamentais

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal 1 Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal Exames e Ações (pré-natal de risco habitual e alto risco) Ofertar os exames e consultas de pré-natal Fomentar a contratação de serviços laboratoriais de qualidade

Leia mais

Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro);

Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro); PLANO DE TRABALHO 2014 Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro); 1.2. Estratégia da Saúde da Família no território 3.1 (Rio de Janeiro); 1.3. Estratégia

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO 1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS Médico Clínico 0 Médico Pediatra 1 Médico de Estratégia PSF 3 Psicólogo Clínico 30 horas 0 Psicólogo Clínico 40 horas 1 Cirurgião Dentista 2 Auxiliar de Saúde Bucal 2 Fonoaudiólogo

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL)

ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL) ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL) PROPOSTAS PARA SAÚDE Temos plena convicção de que uma ambulância com destino à capital não pode ser considerada como um tratamento

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Coordenadoria de Planejamento de Saúde Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Área Técnica da Saúde da Mulher SES/SP Rossana Pulcineli Vieira Francisco - Assessora Técnica

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

SELO SÃO PAULO AMIGO DO IDOSO

SELO SÃO PAULO AMIGO DO IDOSO SELO SÃO PAULO AMIGO DO IDOSO CEPAM 12/11/2014 Comitê Intersecretarial / Desenvolvimento Social 1 Uma CIDADE AMIGA DO IDOSO estimula o envelhecimento ativo ao otimizar as oportunidades de saúde, participação

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

Sistema Público de Saúde em Curitiba - 2011

Sistema Público de Saúde em Curitiba - 2011 Sistema Público de Saúde em Curitiba - 2011 09 Distritos Sanitários 109 US (55 ESF) - informatizada 8 CMUMs 10 CAPS 1 Laboratório Municipal 1 Hospital Municipal 1.851.213 habitantes 223.000 mulheres acima

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

Prefeitura Municipal de Resende Secretaria Municipal de Fazenda Plano Plurianual 2014-2017

Prefeitura Municipal de Resende Secretaria Municipal de Fazenda Plano Plurianual 2014-2017 Linha de Atuação: Universalização e Humanização do Atendimento Básico e Secundário CÓDIGO DO PROGRAMA: 119 PROGRAMA DE ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE VALOR DO PROGRAMA NO PERÍODO FONTES 2014 2015 2016 2017 Tesouro

Leia mais

Aplicativo SISPACTO DIPRO/SUREGS

Aplicativo SISPACTO DIPRO/SUREGS Aplicativo SISPACTO DIPRO/SUREGS Secretaria da Saúde do Estado da Bahia SESAB Superintendência de Gestão dos Sistemas de Regulação da Atenção à Saúde SUREGS Diretoria de Programação e Desenvolvimento de

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO / SARGSUS

PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO / SARGSUS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Departamento de Articulação Interfederativa PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO / SARGSUS Brasília, Julho de 2013 Planejamento do

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

As tendências do Sistema Único de Saúde FGV 2009 1693 A Cidade de Curitiba 1916 2009 316 anos Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando- se pela

Leia mais

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente.

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente. GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRÍTO SANTO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR EDITAL Nº 1 SESA/ES,

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

Processo de contratualização ao PMAQ 1º Ciclo 2011/2012

Processo de contratualização ao PMAQ 1º Ciclo 2011/2012 Processo de contratualização ao PMAQ 1º Ciclo 2011/2012 Departamento de Atenção Básica e Gestão do Cuidado. Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo/SP São Bernardo do Campo/SP População IBGE (estimativa

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS

OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS 1 Estimular 80% da população de gays, HSH e travestis do

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Ciclo da Assistência Farmacêutica compreende um sistema integrado de técnicas, científicas e operacionais SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 Departamento de Gestão da Vigilância em Saúde-DAGVS Secretaria de Vigilância em Saúde dagvs@saude.gov.br 06/03/2012 IMPLEMENTAÇÃO DO DECRETO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 1.Notificação AÇÃO 1.1 Realizar notificação dos casos de sífilis em gestante 48.950 casos de sífilis em gestantes notificados. 1.2 Definir Unidades

Leia mais

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner:

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: 1) defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) universal, humanizado e de qualidade; 2) compromisso do governo com a geração de emprego, distribuição

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica. Rede Cegonha

Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica. Rede Cegonha Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica Rede Cegonha SUMÁRIO Apresentação... 05 1. Introdução... 07 2. Implantação dos Testes Rápidos de HIV e sífilis e Aconselhamento

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF Preocupados com inúmeros questionamentos recebidos pela Comissão Nacional de Saúde Pública Veterinária do Conselho Federal de Medicina Veterinária, a CNSPV/CFMV vem por

Leia mais

CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social.

CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social. CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social. TRANSIÇÃO Organograma Oficial da Secretaria com os atuais ocupantes, condição (efetivo ou

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais