EXPERIÊNCIAS GRUPAIS - USUÁRIOS PORTADORES DE TRANSTORNOS MENTAIS DO CAPS II DE SÃO MATEUS/ES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXPERIÊNCIAS GRUPAIS - USUÁRIOS PORTADORES DE TRANSTORNOS MENTAIS DO CAPS II DE SÃO MATEUS/ES"

Transcrição

1 EXPERIÊNCIAS GRUPAIS - USUÁRIOS PORTADORES DE TRANSTORNOS MENTAIS DO CAPS II DE SÃO MATEUS/ES Trabalho realizado no CAPS II de São Mateus, ES, como objetivo de avaliação complementar das Disciplinas Terapias em Grupo e Projeto de Pesquisa Aplicado a Psicologia 2014 Silvana Almeida Steffany Barroso Carrilho Dayane de Souza Fávaro Iagor Brum Leitão Jéssica Pirola Graduandos em Psicologia pela Faculdade Multivix Nova Venécia (Brasil) de contato: RESUMO O presente artigo visa compartilhar as experiências com o grupo de usuários com transtornos mentais severos e persistentes do CAPS II da região de São Mateus, Espírito Santo. Com a proposta de, através de um dispositivo grupal, auxiliar esses usuários nessas experiências dentro do CAPS, bem como promover melhor relacionamento interpessoal entre eles, para que possam utilizarem essas experiências como modelo nas relações externas à instituição. Foram realizados quatro encontros, uma vez por semana, onde em cada dia realizou-se dinâmicas diferentes. Verificou-se uma evolução em cada encontro, tanto no sentido de interação como também de participação da parte dos usuários, bem como o fortalecimento do grupo. Palavras-chave: Dispositivo grupal, transtornos mentais, CAPS, grupo de apoio. 1 Siga-nos em

2 1.0 INTRODUÇÃO Com a evolução do modo de se entender a loucura e o fim dos modelos hospitalocêntricos centrados em uma instituição psiquiátrica, como hospícios e manicômios, onde o individuo era aprisionado, desfragmentado e sem valor social, nasce uma rede substitutiva de atenção à saúde mental que considere a liberdade e o acesso à cidadania aos portadores de transtornos mentais. Os CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) são os principais equipamentos desta rede, e tem por objetivo o tratamento e reabilitação psicossocial e a promoção da autonomia e cidadania, além de ser orientado pela noção de cuidado e promoção dos direitos de seus usuários 1. Os CAPS se diferenciam por CAPS I, CAPS II, CAPS III, CAPSi e CAPSad. O CAPS II, o qual foi feito o trabalho, oferece atendimento a municípios com mais de 50 mil habitantes, com objetivo de promover assistência psicossocial a adultos com transtornos mentais persistentes. Percebeu-se uma deficiência no que diz respeito a vivência social fora do CAPS por parte dos usuários, segundo um deles aqui nos sentimos bem, as pessoas gostam de nós aqui... em casa não é assim, não gosto de ficar em casa, a mente fica muito desocupada. Entende-se que esses indivíduos possuem anseios e aspirações, são integrante de uma família e inseridos em uma comunidade. Partindo desta demanda, há uma necessidade de despertar e salvaguardar o valor social desses sujeitos, utilizando-se de um dispositivo grupal interno como forma de experimentação de uma vivência social, visto que lá nascem vários relacionamentos inclusive amorosos entre os próprios usuários. A terapia de grupo torna-se uma ferramenta preciosa, pois, é através desse grupo terapêutico que o indivíduo experimenta uma vivência social, em que ele tem um valor e um papel, e descobre que há algumas regras a serem seguidas para uma convivência saudável e harmoniosa. As intervenções grupais capacitam seus membros a desenvolver um senso mais positivo de si próprio, serem mais ativos e seguros, havendo aumento de autoestima e o encontro de novos significados na vida (Getzel, 1991 apud Rasera & Japur, 2003). O grupo tem ainda o poder de oferecer aos usuários uma fonte substituta de apoio, com a capacidade de diminuir seus medos, ansiedades e sensações de isolamento, proporcionando ainda aprendizagens de novas maneiras de lidar com suas limitações. Dessa forma, há a necessidade de estimular e auxiliar essas experiências grupais, pois, para a maioria dos usuários, as únicas horas que podem vivenciar atividades de grupos saudáveis são dentro do CAPS. 1 Entende-se como usuários os indivíduos que estão em tratamento e utilizam os serviços do CAPS. 2 Siga-nos em

3 2.0 REFERÊNCIAL TEÓRICO Ao falarmos em dispositivo grupal, entende-se o grupo como dispositivo, como ferramenta de apoio para transformações individuais através de relações coletivas. Ao concebermos o grupo como dispositivo, acionamos nele sua capacidade de se transformar, se desterritorializar, irromper em devires que nos desloquem do lugar intimista e privatista em que fomos colocados como indivíduos (Barros, 1994, p. 152). Assim o grupo tem o poder de nos oferecer ferramentas para alcançarmos o lado de fora, ou seja, pode-se experimentar-se o novo de forma segura, funcionando, assim, como um ensaio para as relações externas. A Terapia de Grupo é uma oportunidade de um grupo de pessoas se conhecerem em um nível mais profundo. Oportunidade de se comunicarem mais aberta, real e profundamente. É um espaço onde as pessoas podem descartar máscaras e papéis, e expressar seu verdadeiro interior. (Carl Rogers, 1977) O CAPS proporcionou uma enorme mudança no que se diz respeito ao atendimento e tratamento a indivíduos portadores de transtornos mentais, redirecionando o olhar centralizado na doença para um contexto muito mais amplo. Sendo uma instituição de portas abertas, a qual se prontifica em receber esses indivíduos e fazer com que se sintam livres de ir e vir, o Centro de Atenção Psicossocial tem como, entre outras, a missão de: (...) dar um atendimento diuturno às pessoas que sofrem com transtornos mentais severos e persistentes, num dado território, oferecendo cuidados clínicos e de reabilitação psicossocial, com o objetivo de substituir o modelo hospitalocêntrico, evitando as internações e favorecendo o exercício da cidadania e da inclusão social dos usuários e suas famílias (BRASIL, 2004). Dessa forma, com um trabalho paralelo aos atendimentos individuais, as ditas oficinas terapêuticas vêm a somar nos atendimentos e tratamentos, fazendo uso de um dispositivo grupal. Um grupo é uma micro sociedade, representada, dessa forma, a sociedade como um todo, o que permite a cada pessoa se instrumentar para a construção de projetos dentro de um contexto relacional, possibilitando que esse processo tenha características e formas semelhantes ao que poderá acontecer em suas relações sociais concretas (FOLADORI, 1987). 3 Siga-nos em

4 O grupo seria, então, uma área de experimentação ou espaço transicional, no qual emerge um espaço potencial, que é a área intermediária situada entre o que é subjetivo e o que é objetivamente (RIBEIRO, Afonso. 2009). Ou seja, o grupo se constituiria como um espaço intermediário através do qual o sujeito primeiramente tem suporte para seus déficits narcísicos, para num segundo momento se autonomizar através da realização de uma tarefa grupal (FERNANDES et al., 2003; KÄES, 2005). 3.0 METODOLOGIA Foram realizados ao todo quatro encontros, uma vez por semana, sempre as manhãs, das 9:00 as 11:00, e, em cada encontro, utilizou-se de dinâmicas diferentes. No dia 28 de Abril de 2014, no CAPS II de São Mateus foi realizado o primeiro encontro com os usuários, e, como para eles tratávamos de pessoas de fora, ainda estranhas, justificou-se utilizar uma atividade já acolhida por eles, como dinâmicas de desenho. Foi proposto que fizessem o Auto Retrato Desenhado, o qual deviam seguir algumas instruções, como Na mão direita, escrever um sentimento que tem disponível a oferecer ou Do coração, sair uma seta indicando três paixões que não vão se extinguir. Esta dinâmica tem como objetivo identificar como cada sujeito se vê, como estão situados no tempo e espaço, e quais são seus sonhos, metas, e valores pessoais, além de identificar possíveis traços patológicos 2. Enquanto era feita a dinâmica, dialogava-se com os usuários, pedindo-os que explicassem seus desenhos com o intuito de conhecer um pouco mais sobre eles e ao mesmo tempo construir uma relação. Terminada a dinâmica, houve a necessidade de dividir o grupo, com o objetivo de interagir e descobrir mais sobre cada usuário, compartilhando as atividades que cada um executa de forma prazerosa, por exemplo, tocar violão, desenhar ou pintar as unhas, conseguindo assim, construir uma identificação com eles. O segundo encontro foi realizado no dia 12/05. No primeiro momento foi feito a dinâmica Apresentação do Outro, onde cada usuário foi apresentado pelo colega que estava ao seu lado, com o objetivo de despertá-los para o olhar do outro, além de observar o nível de afetividade entre eles. Em seguida, foi proposta a dinâmica do Autorretrato do Futuro, com a finalidade de identificar e fomentar suas noções de realidade, anseios e desejos e metas, despertando a visão do amanhã. O terceiro encontro foi realizado no dia 19/05, o qual foi realizada a dinâmica Caixa de Sentimentos, que consiste em um caixinha com várias palavras, como amor, carinho, ódio, atenção, paixão e raiva. A caixinha foi passando, onde cada um tirou uma palavra e falou sobre o 2 Com o objetivo de apenas obter-se orientações básicas a respeito de possíveis traços patológicos a serem observados nos desenhos, utilizou-se como referência o teste H-T-P. 4 Siga-nos em

5 que o sentimento sorteado lhe dizia respeito. Dessa forma, pretendeu-se despertá-los para a discussão desses sentimentos, com o objetivo de fortalecer o dispositivo grupal, no qual pudessem se expressar e compartilhar seus sentimentos. O quarto encontro foi realizado no dia 28/05, onde foi feita a dinâmica Desenho do Outro, que consiste em desenhar o colega ao lado, com o objetivo de identificar e despertar a percepção que eles possuem do outro, além de favorecer a interação grupal. Em seguida, para descontrair foi realizada a dinâmica da Dança da Cadeira com o objetivo de estimulá-los fisicamente, além de, através de uma brincadeira, fortalecer a interação grupal. E por último, foi feita a dinâmica de Roda de Conversa, deixando que eles se expressassem livremente em uma conversa aberta e espontânea, a qual seria direcionada por eles, com o objetivo valorizar o diálogo entre o grupo, sobre os mais diversos assuntos. 4.0 DADOS E ANÁLISE 4.1 COMO ME VEJO? Na primeira dinâmica, Autorretrato Desenhado foi observado resistência e desconfiança inicial, visto que ainda éramos estranhos para eles. No entanto, começaram a se sentir mais à vontade ao iniciarmos um diálogo de forma descontraída com eles, fazendo brincadeiras e elogiando seus desenhos de forma amistosa. Observou-se uma dificuldade em interpretar as instruções da dinâmica, visto que alguns não sabiam ler ou escrever. No entanto, pôde-se perceber que alguns desenhos tiveram possíveis indicações de traços psicopatológicos marcantes de seus transtornos como por exemplo, no desenho de um usuário no sexo feminino (ver anexo 1), feito em forma de palitos, com características masculinas. É observado assimetrias corporais, como a ênfase em órgão genital, nas orelhas, corpo sem divisão. Segundo o H-T-P 3 constata-se: tendência evasiva, insegurança e possível hostilidade/negativismo (figura em palitos); possível personalidade histérica (assimetrias do corpo); possível paranoia e alucinações auditivas (ênfase nas orelhas); possível psicose (corpo sem divisão); condições psicóticas regredidas, desordem do caráter (roupas transparentes) e possíveis preocupações sexuais (ênfase em órgão genital). Deve-se ressaltar que essas interpretações servem apenas para ampliar a visão de um contexto, a fim de se ter mais uma orientação de seus transtornos. Em outro desenho, também de um usuário do sexo feminino (ver anexo 2) identifica-se o cumprimento das instruções da dinâmica, demonstra clareza e homogeneidade em seu desenho, identifica claramente seu sexo, o cobre com roupas adequadas (não enfatiza e nem omite). A respeito dos sentimentos, observa-se a necessidade de afeto, representada pelas palavras sentimentalismo, 3 Como guia de interpretação utilizou-se de BUCK, Jhon, N. H-T-P: Casa, Arvore, pessoa, técnica projetiva de desenho: manual e guia de interpretação; 1ª ed. São Paulo: Vetor, Siga-nos em

6 reconhecimento e ressentimento. Identifica-se ainda que há desejos e aspirações, como me formar em enfermagem e desafiar os medos, mostrando que o usuário possuí noções de realidade e que tem, aparentemente, uma visão clara de si. Ressalta-se que essas interpretações são baseadas também na explicação dos desenhos pelos próprios usuários. Percebeu-se que no decorrer da dinâmica, o interesse dos participantes foi crescendo começaram a ajudar o colega na execução e até mesmo fazer brincadeiras do desenho do outro aumentando a interação entre eles, conquistando, assim, o objetivo da dinâmica. 4.2 PERCEPÇÕES DO OUTRO E DE SI MESMO Na segunda dinâmica, Apresentação do Outro, diferentemente do primeiro encontro, observou-se prontamente um maior acolhimento coletivo para com a proposta. Com esta dinâmica, os usuários perceberam que eles existem aos olhos do outro, e que suas características são observadas e apreciadas, dessa forma eles ficaram bastante interessados e curiosos ao serem descritos pelo outro. Observou-se uma participação entusiasmada, e até mesmos usuários que, devido a suas limitações, nunca falam ou interagem esboçaram sorrisos e curiosidade. Na dinâmica seguinte, Autorretrato do Futuro, pôde-se observar a participação e interesse ativos de todos os usuários. Com o objetivo de redirecionar o olhar para o outro, para o olhar de si, e, de fomentar o desejo de crescer como sujeito e situar-se naquele espaço (CAPS) quanto fora dele (mundo). Um indivíduo não pode decidir por uma vida a menos que ele ouse ouvir a si mesmo, seu próprio self, em cada momento da vida (Maslow, 1971 apud FADIMAN, James. FRAGES, 2004). No desenho de um usuário (ver em anexo 3) apesar de ser simples, observa-se a representação do tocar violão atividade esta que este usuário adora, e, que antes de sofrer alguns surtos, a fazia frequentemente e a fala no futuro quero ter muita saúde e namorar, mostrando que tem vontade de se reestabelecer, de voltar a realizar as atividades que tanto gosta namorar e tocar violão como o próprio usuário explicou. 4.3 EXPRESSÃO DE SENTIMENTOS No terceiro encontro, na dinâmica caixa de sentimentos despertou-se uma demanda já eminente, a expressão de sua afetividade, a qual os usuários estavam dispostos a comentar e compartilhar com os outros. Notou-se que os sentimentos positivos não tiveram ligação com a família, e sim com o CAPS, que, segundo eles, é aonde sentem-se acolhidos e estimulados, o que na maioria das vezes não ocorre dentro de casa. Neste ponto percebeu-se a evolução da relação empática entre os usuários para com o grupo. A compreensão empática, segundo Placco (1978, p. 84), propicia ao outro ouvir-se a si mesmo, reconhecer seus próprios sentimento. Dessa forma, a medida que a própria pessoa reconhece seus sentimentos é que se torna mais congruente. A partir desta dinâmica pôde-se perceber uma atenção no que diz respeito aos seus sentimentos, ou seja, 6 Siga-nos em

7 ouvir-se a si mesmo, com isso a dinâmica fluiu de forma terapêutica, fazendo com que os usuários aproveitassem o momento para desabafarem e relatarem fatos de suas vidas criando a oportunidade de se discutir a respeito dessas demandas. A maioria, ao serem questionados sobre o papel da família o por quê não se ouviu a palavra família quando falavam sobre amor, carinho e afeto relatavam que não eram bem tratados por seus familiares, foi o que relatou um deles: Usuário Moro com minha tia, ela é de idade... mas ela nunca me deixa sair, só deixa se for pro CAPS. Integrante do Grupo Mas você não acha que talvez é porque ela quer te proteger? Talvez por ela ser de idade ela queira você perto dela também... Usuário Não. É só por causa do dinheiro... Só fico lá por causa do dinheiro. Mas um dia eu vou ter condições de sair, de arrumar um lugar só pra mim. Percebeu-se que muitos não possuem mais pai ou mãe, e moram com algum outro tipo de parente, como tios e avós, e carecem de afetividade. Dessa forma, a maioria prefere ficar no CAPS, pois é lá que podem interagir e relacionarem-se entre si, enfatizando a necessidade de auxiliá-los nessa interação e utilizá-la como experiência para relações externas. 4.4 DESCONTRAÇÃO E ESPONTÂNIEDADE No quarto e último encontro, na dinâmica Desenho do Outro, observou-se novamente o entusiasmo e clima de descontração, e neste ponto, cabe ressaltar o fortalecimento dos laços entre os usuários, formando um grupo forte e mais unido. A respeito dessa dinâmica, identificamos que dessa vez os desenhos estavam mais organizados e detalhados, como no desenho de um usuário (ver em anexo 4), o qual representou o braço engessado e os dentes a mostra que o outro usuário possuía. Os corações em volta do desenho mostram a afetividade e o carinho que este usuário possuí pelo o outro, como o mesmo explicou. Nota-se mais uma vez um crescimento nas relações entre o grupo, com um clima bastante descontraído, onde um brincava com o desenho do outro. Como este foi o último encontro, buscou-se uma atividade mais descontraída e ativa, algo desejado por eles. Dessa forma, a dinâmica Dança das Cadeiras mostrou-se bastante apropriada, onde pode-se estimular a psicomotricidade e atenção dos usuários, criando um jogo o qual havia regras a serem seguidas e objetivos a serem atingidos fazendo assim com que executassem uma atividade em grupo harmoniosa e descontraída. Apesar de ser uma brincadeira simples, notou-se alegria e bastante entusiasmo, tanto por parte dos usuários como pelo grupo. A dinâmica de Roda de Conversa mostrou-se bem espontânea, onde os participantes se sentiram, novamente, à vontade para falar e discutir sobre seu cotidiano. Como no encontro anterior, pôde-se perceber uma demanda de maior necessidade de interação fora do CAPS por 7 Siga-nos em

8 parte dos usuários, percebida na fala de um deles: Em casa não me deixam sair... Se eu sair minha mãe me dá um pau. Observou-se uma tristeza muito grande na fala deste sujeito, e, para ele desabafar isso perante a um dos componentes do grupo, mostra que foi adquirida confiança e quebrada parte da resistência. Outro usuário, que estava vendo televisão que segundo os colegas sempre fica recluso ao ser convidado para participar da roda de conversa, aceitou prontamente e com muito entusiasmo e vontade de falar sobre sua vida, suas aventuras e seus filhos, e enquanto falava, todos prestavam atenção, mostrando interesse e empatia pelo colega, algo que de início não era tão forte. Dessa forma, nota-se uma necessidade de comunicação não só lá dentro do CAPS, mas com pessoas de fora, que neste caso, fomos nós do grupo. 5.0 CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante desse trabalho foi possível observar a necessidade de experimentação da vivência grupal dentro do CAPS para que assim possa servir de modelo e apoio para as relações lá fora, tanto como os familiares como as sociais (amigos, igreja, vizinhos), visto que, como os próprios usuários relatam, não há ou é mínima a oportunidade deste contato, devido ao preconceito, a ideia de que por estarem no CAPS são loucos e não se enquadram na sociedade. Haja vista que, devido a suas condições psicológicas e até mesmos sociais, há a necessidade de se criar dispositivos grupais lá dentro, que possam servir como experiência para os usuários, e que os mesmos possam ser auxiliados. Dessa forma percebe-se que os dispositivos grupais tornam-se ferramentas preciosas, pois, são perante eles que os indivíduos experimentam uma vivência social, em que eles têm valores e papéis, e descobrem que há regras a serem seguidas para uma convivência saudável e harmoniosa. O grupo percebeu algumas dificuldades para a reabilitação psicossocial destes indivíduos. Observou-se que a maioria dos usuários não tem um nível de escolaridade básica, não sabendo ler nem escrever, dificultando assim seu restabelecimento como cidadãos. Diante disso, percebese também uma vantagem do uso de um dispositivo grupal para trabalhar essa demanda, o qual acredita-se que seria mais viável para o aprendizado, visto que usaria a força e entusiasmo do grupo, onde cada um ajudaria o outro na mesma caminhada, como seria em uma sala de aula. 6.0 AVALIAÇÃO DO TRABALHO PELO GRUPO Há necessidade de se continuar este trabalho, para que os usuários não se tornem meros objetos de estudos, pois uma das influências que auxiliaram na conquista e aceitação por parte dos usuários foi o fato de nós, pessoas de fora, que geralmente fariam parte do grupo que os 8 Siga-nos em

9 excluem, estavam ali para ouvi-los e interagir com eles, e a perca desse contato só reforçaria a ideia de exclusão. Diante disso, onde a nota máxima 1,0 o grupo se auto avalia em 1,0. 9 Siga-nos em

10 7.0 REFERÊNCIAS BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde mental no SUS: os Centros de Atenção Psicossocial. Brasília, 2004; FADIMAN, James. FRAGES, Robert. Personalidade e Crescimento Pessoal. 5ª Edição. Editora ARTMED, 2004; FERNANDES, W. J. Os diferentes objetivos do trabalho grupal. In: FERNANDES, W. J.; SVARTMAN, B.; FERNANDES, S. B. Grupos e configurações vinculares. Porto Alegre: Artmed, p ; FOLADORI, H. C. Contribuciones al análisis vocacional grupal. Cuernavaca: Morelos, 1987, p.142; Instituto Carl Rogers, Disponível em: <http://www.carlrogers.org.br/gterapeutico.htm> Acesso em 27 de Abril de 2014; KAËS, R.. O grupo e o sujeito do grupo: elementos para uma teoria psicanalítica do grupo. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997, p. 333; KAËS, R. Os espaços psíquicos comuns e partilhados: transmissão e negatividade. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005, p. 257; PLACCO, Vera Maria N.S. Um estudo teórico do conceito de congruência em Carl R. Rogers. São Paulo, 1978, p. 84 (Dissertação de Mestrado PUCSP); RIBEIRO, Marcelo Afonso. O dispositivo grupal como estratégia de orientação profissional para pessoas em situação psicótica. Vínculo, São Paulo, v. 6, n. 1, jun Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 16 de Junho de Siga-nos em

11 8.0 ANEXOS 8.1 ANEXOS 01: 11 Siga-nos em

12 8.2 ANEXOS 02: 12 Siga-nos em

13 8.3 ANEXOS 03: 13 Siga-nos em

14 8.4 ANEXOS 04: 14 Siga-nos em

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS Roberta A. dos Santos 1* (IC), Karen.L. Cruz 1 (IC) Verno Krüger 2 (PQ) beta x@hotmail.com 1-

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos CHARLIZE NAIANA GRIEBLER EVANDIR BUENO BARASUOL Sociedade Educacional Três de Maio Três de Maio, Rio Grande do Sul, Brasil

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

A consciência no ato de educar

A consciência no ato de educar Família e escola: somando forças para construir o futuro Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br A consciência no ato de educar Não se educa entre uma novela e outra. Não se educa nos finais de semana! Não

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

CONTANDO HISTÓRIA: CONVIVENDO COM AS CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA

CONTANDO HISTÓRIA: CONVIVENDO COM AS CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA CONTANDO HISTÓRIA: CONVIVENDO COM AS CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA RELATÓRIO ANUAL 2010 SORRI-BRASIL Rua Benito Juarez, 70 - Vila Mariana 04018-060 - São Paulo - SP (0xx11) 5082-3502 sorribrasil@sorri.org.br

Leia mais

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA Merlânia Lino da Silva (1); Ana Cristina Silva Daxenberger (2) (1) Universidade Federal da Paraíba (CCA), merlaniaareiapb@gmail.com

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar, eliednanog@hotmail.com Rúbia Mara Maia Feitosa, Universidade

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013 Atividades Pedagógicas Outubro 2013 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO IV A GRUPO IV B GRUPO IV C GRUPO IV

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

LUDICIDADE: INTRODUÇÃO, CONCEITO E HISTÓRIA

LUDICIDADE: INTRODUÇÃO, CONCEITO E HISTÓRIA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE LUDICIDADE: INTRODUÇÃO, CONCEITO E HISTÓRIA Assunção, Paraguay Maio 2015 INTRODUÇÃO Q uando uma criança ingressa na

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

Opções de tratamento. Desintoxicação e acompanhamento no Posto de Saúde; Desintoxicação no Domicílio;

Opções de tratamento. Desintoxicação e acompanhamento no Posto de Saúde; Desintoxicação no Domicílio; Opções de tratamento Desintoxicação e acompanhamento no Posto de Saúde; Desintoxicação no Domicílio; Opções de tratamento Grupos de alcoolistas: Participar de grupos de apoio na US e/ou na comunidade onde

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I DINÂMICA Telefone sem fio

Leia mais

PROJETO NINHO VAZIO EM BUSCA DA EDUCAÇÃO EMOCIONAL

PROJETO NINHO VAZIO EM BUSCA DA EDUCAÇÃO EMOCIONAL PROJETO NINHO VAZIO EM BUSCA DA EDUCAÇÃO EMOCIONAL Oficinas de apoio e fortalecimento de laços intergeracionais, com dinâmicas, arteterapia, psicoeducativos, exercícios de alongamento, respiração e relaxamento,

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental?

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental? Entrevista com Patrícia Dorneles, terapeuta ocupacional, professora do curso de Terapia Ocupacional da UFRJ e ex-assessora técnica do Ministério da Cultura na implementação de políticas públicas de Cultura

Leia mais

#2 Paixão é diamante. #3 Una paixão, talentos e utilidade. #4 Desenvolva novas competências

#2 Paixão é diamante. #3 Una paixão, talentos e utilidade. #4 Desenvolva novas competências #1 Seus talentos valem ouro O que você faz bem, naturalmente e com facilidade? Os talentos são aquelas habilidades que parecem simplesmente fluir, sem esforço: você em seu melhor dia! Descubra e lance

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Mais que um Negócio, a Profissão dos seus Sonhos

Mais que um Negócio, a Profissão dos seus Sonhos Mais que um Negócio, a Profissão dos seus Sonhos Erros e Dicas para Vender seus Serviços MElina Kunifas 2010 WWW. M E L I N A K U N I F A S. C O M Caro leitor, este livreto tem o propósito de educar e

Leia mais

Avaliação-Pibid-Metas

Avaliação-Pibid-Metas Bolsista ID: Claines kremer Avaliação-Pibid-Metas A Inserção Este ano o reingresso na escola foi diferente, pois já estávamos inseridas na mesma há praticamente um ano. Fomos bem recepcionadas por toda

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 III A JOGOS DIVERTIDOS Fizemos dois campeonatos com a Turma da Fazenda, o primeiro com o seguinte trajeto: as crianças precisavam pegar água em um ponto e levar até o outro,

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Relatório de atividades Socioambientais

Relatório de atividades Socioambientais Relatório de atividades Socioambientais Ação 1: Apresentação da programação da Feira do Empreendedor 2014 às instituições da comunidade do entorno do SESI. Realização: Amazônia Socioambiental Equipe Técnica

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

INCLUSÃO: POSSIBILIDADES DA PSICOLOGIA ESCOLAR RESUMO

INCLUSÃO: POSSIBILIDADES DA PSICOLOGIA ESCOLAR RESUMO INCLUSÃO: POSSIBILIDADES DA PSICOLOGIA ESCOLAR RESUMO INTRODUÇÃO: Experiência de Estágio de Núcleo Básico III com crianças do Ensino Fundamental sobre Inclusão. OBJETIVO: conscientizar a aceitação das

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

A contribuição da Psicanálise na atenção ao jovem no Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil e na formação do estudante de Psicologia

A contribuição da Psicanálise na atenção ao jovem no Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil e na formação do estudante de Psicologia A contribuição da Psicanálise na atenção ao jovem no Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil e na formação do estudante de Psicologia Susane Vasconcelos Zanotti e Adélia Augusta Souto de Oliveira

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Albertina Marília Alves Guedes¹ Elisa Angélica Alves Guedes² Maria Nizete de Menezes Gomes

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista Uma longa viagem começa com um único passo. - Lao-Tsé Ser Otimista não é uma tarefa fácil hoje em dia, apesar de contarmos hoje

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL SOTARELLI, Álvaro F. GRANDI, Ana Lúcia de. Universidade Estadual do Norte do Paraná Resumo: O presente estudo trabalha

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO

SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO Terezinha Possa 1 Solânia Durman 2 INTRODUÇÃO: Este é um trabalho monográfico do Curso de Especialização em Saúde

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MINHA CIDADE É UM MORANGO

PROJETO DE PESQUISA MINHA CIDADE É UM MORANGO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL Maria Rosane Flach Rosangela Beatriz Dienstmann

Leia mais

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Ingrid Dos Santos Gonçalves 2, Sarai De Fátima Silveira De Souza 3, Andrisa Kemel Zanella 4. 1 projeto de extensão

Leia mais

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação é o que se busca promover a partir da realização do Projeto Transformador:

Leia mais

Faça-me sentir importante CARÍCIAS - O verdadeiro reconhecimento Webinar (treinamento online)

Faça-me sentir importante CARÍCIAS - O verdadeiro reconhecimento Webinar (treinamento online) Faça-me sentir importante CARÍCIAS - O verdadeiro reconhecimento Webinar (treinamento online) Tatiane Medeiros Cunha Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Uberlândia 2010; Formação em Hipnose

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

RESUMO. Palavras- chave: saúde mental. Desinstitucionalização, hospital dia, terapia ocupacional INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras- chave: saúde mental. Desinstitucionalização, hospital dia, terapia ocupacional INTRODUÇÃO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE TERAPIA OCUPACIONAL EM SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Deyse Paula de Almeida Silva Juliana de Fátima Faria Patrícia Vilse Luzetti Vânia Oliveira Burocco Ana

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS).

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS). Temática(s): Acessibilidade em Biblioteca Tipo de Trabalho: Trabalho Técnico-Científico Título do trabalho: Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

PROCESSO TERAPÊUTICO NA COMUNIDADE TERAPÊUTICA

PROCESSO TERAPÊUTICO NA COMUNIDADE TERAPÊUTICA Terapêutica Nova 1 2 PROCESSO TERAPÊUTICO NA COMUNIDADE TERAPÊUTICA GRUPO DE APOIO PARA FAMILIARES NOVA JORNADA Objetivos do tratamento: Parar a doença Recuperar a pessoa 4 www.novajornada.org.br 1 Terapêutica

Leia mais

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Projeto Quem sou eu? Image URI: http://mrg.bz/q6vqo3 Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Justificativa: Tendo em vista a

Leia mais

JOGOS PSICODRAMÁTICOS COM IDOSOS

JOGOS PSICODRAMÁTICOS COM IDOSOS JOGOS PSICODRAMÁTICOS COM IDOSOS PSYCHODRAMATIC GAMES WITH ELDERLY Alexia Janine Padovani Dias Graduanda em Psicologia Unisalesiano Lins alexiajanine@hotmail.com Vinicius Espaciani Bueno Graduando em Psicologia

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem EXPLORAÇÃO Busco entender como as coisas funcionam e descobrir as relações entre as mesmas. Essa busca por conexões

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem SENTIDOS (principal) Gosto de informações que eu posso verificar. Não há nada melhor para mim do que aprender junto

Leia mais

Educação Sexual: Quem ama cuida. Cuide-se!*

Educação Sexual: Quem ama cuida. Cuide-se!* Educação Sexual: Quem ama cuida. Cuide-se!* SANTOS, Jessica Suriano dos 1 ; ANJOS, Antônio Carlos dos 2 ; RIBEIRO, Álvaro Sebastião Teixeira 3 Palavras-chave: Educação Sexual; Doenças Sexualmente Transmissíveis;

Leia mais

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre anterior, dentro de contextos que buscavam enfatizar o

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA Yrismara Pereira da Cruz 3, Ana Raquel Holanda Barros¹, Indira Siebra Feitosa¹. Correspondência para: yrismaracruz@hotmail.com

Leia mais

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS GISLAINE HOSANA ARAÚJO FERNANDES SAPIENS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS exibidaboutique@gmail.com INTRODUÇÃO A escola é um ambiente onde acontecem

Leia mais

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais