A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE MENTAL: A EXPERIÊNCIA DO CAPS II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE MENTAL: A EXPERIÊNCIA DO CAPS II"

Transcrição

1 1 A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA SAÚDE MENTAL: A EXPERIÊNCIA DO CAPS II Edivania Cristina de Oliveira 1 Sara Cíntia Ferreira Silva 2 RESUMO: O CAPS II visa o desenvolvimento de programas de atenção integral permitindo as pessoas que sofrem de algum tipo de transtorno mental para que obtenham melhorias no convívio familiar e social. Nesse contexto, esse artigo tem como objetivo analisar o trabalho da assistente social com usuários do CAPS II de Barra do Garças/MT. O motivo dessa pesquisa foi devido a realização do estagio supervisionado no ano de 2014, Onde notei que a Assistente social trabalha juntamente com a equipe técnica Multiprofissional realizando trabalhos de intervenção, investigação e observação da realidade dos pacientes da Instituição, resultando posteriormente em um tratamento humanizado e digno, á pessoa que sofre com algum tipo de transtorno mental, realizando acolhimentos,reuniões familiares, visitas domiciliares, estudo de caso, Oficinas sócio-educativas, visando sempre na reinserção deste cidadão. Trata-se de uma pesquisa de método qualitativo e natureza descritiva. Foi utilizada pesquisa bibliográfica e observação participante através do estágio supervisionado realizado no CAPS. Observou-se que, apesar das dificuldades, todas as ações da profissional sempre foram pautadas no código de ética da profissão e voltadas ao bem-estar do usuário. Contudo foi abordado um pouco da historicidade da profissão desde seus primórdios, ate os dias atuais, discorri sobre a evolução da Saúde e da Saúde Mental e a Reforma Psiquiátrica. Palavras-chave: serviço social, saúde mental, CAPS. II ABSTRACT The CAPS II aims to develop comprehensive care programs allowing people who suffer from some type of mental disorder to obtain improvements in social and family life. In this context, this article aims to analyze the work of the social worker with users CAPS II Herons Bar / MT. The reason for this research was due to completion of supervised internship in 2014, where I noticed that the Social Worker works closely with the technical team Multidisciplinary undertaking some intervention, investigation and observation of the reality of the patients of the institution, resulting later in a humane treatment and dignified, to the person who suffers from some kind of mental disorder, performing acolhimentos, family gatherings, home visits, case study, socio-educational workshops, always aiming at the reintegration of this citizen. This is a qualitative research method and descriptive nature. Bibliographical research and participant observation through supervised research at the CAPS was used. It was observed that, despite the difficulties, all the shares were always grounded in professional code of ethics of the profession and focused on the well-being of the user. However was approached a little of the historicity of the profession from its beginnings until the present day, I discussed about the evolution of Health and Mental Health and Psychiatric Reform. Keywords: social services, mental health, CAPS II 1 Acadêmica do curso de Serviço Social das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia UNIVAR. 2 Orientadora e Professora das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia UNIVAR.

2 2 INTRODUÇÃO O objeto de estudo deste artigo é o trabalho da assistente social com os usuários do Centro de Atenção Psicossocial Transtorno Mental (CAPS II) de Barra do Garças/MT no ano de O CAPS é o local de tratamento para pessoas que sofrem algum tipo de transtorno mental, como, por exemplo, psicoses, neuroses graves, esquizofrenia, entre outros. O mesmo visa o desenvolvimento de programas de atenção integral permitindo, principalmente, ao indivíduo melhorias no convívio familiar e social. Os usuários do CAPS II estão amparados pela Lei , de 06 de abril de Ressalta-se que o artigo 2º da respectiva Lei coloca que nos atendimentos em saúde mental a pessoa/usuário (e seus familiares ou responsáveis) deve ser formalmente cientificada dos direitos da pessoa portadora de transtorno mental. Levando em consideração que a profissional de serviço social trabalha diretamente com os usuários do CAPS II, o presente artigo tem como objetivo analisar o trabalho da assistente social com usuários do CAPS II de Barra do Garças/MT através da experiência vivida durante o estágio efetivado no CAPS II. Foi através do estágio supervisionado curricular realizado no CAPS II que me despertou o interesse de escrever sobre o trabalho da profissional de serviço social com os usuários, pois esses são pessoas debilitadas que precisam de um tratamento de qualidade e respeito. A pesquisa tem método qualitativo e natureza descritiva. Foi utilizado a pesquisa bibliográfica apoiado em material já elaborado, constituído principalmente de livros, artigos, regimentos e documentos internos. Também foi realizado observação participante através do estágio supervisionado realizado no CAPS II no período de fevereiro a setembro de 2014.

3 3 O presente artigo está dividido da seguinte maneira: no primeiro momento situa a origem do serviço social no mundo e no Brasil e a sua inserção, e também, o seu trabalho na área da saúde. No segundo momento aborda a historicidade da saúde mental a luz da reforma psiquiátrica e dos CAPS. Já o terceiro momento discute o trabalho da assistente social do CAPS II da cidade de Barra do Garças - MT. Posteriormente, são tecidos as considerações finais. 1. A ORIGEM DO SERVIÇO SOCIAL E SEU TRABALHO NO CAMPO DA SAÚDE. Segundo Iamamoto (2011), o serviço social surge da iniciativa particular de grupos e frações de classe que se manifestaram, principalmente, por intermédio da Igreja Católica. Seu surgimento aconteceu na Europa onde a profissão sofria influências da industrialização. No Brasil a profissão de serviço social surge na década de A princípio era desenvolvida de forma assistencialista pelas damas de caridade (mulheres da classe alta que tinham vínculo com a Igreja Católica), que prestavam assistência aos mais necessitados, principalmente para os trabalhadores. Após 1930, com o processo de industrialização, ocorre grande fluxo de pessoas que vinham dos campos para as cidades a procura de emprego, sucedendo uma aglomeração de pessoas, gerando o crescimento das cidades, e provocando o desemprego, a demanda excessiva de trabalho, trabalhos em ambientes insalubres, exploração de mulheres e crianças, falta de moradia,de saúde e saneamento básico. Situação que deixaram as pessoas vulneráveis e em situações de riscos. Dentro destas problemáticas as damas de caridade faziam um trabalho filantrópico, construíam casas de abrigo e também distribuíam comidas e remédios. Durante estes acontecimentos sucede a ditadura militar 3, período que aumentou as 3 A ditadura militar foi comandada por militares que tomaram o poder afastando o presidente, que tinha sido colocado no poder democraticamente. Durou 21 anos ( a ) e tinha caráter autoritário e nacionalista.

4 4 problemáticas na sociedade,onde a profissão fez uma avaliação e revisão de tudo chegando a um propósito de mudança e aperfeiçoamento. Assim, ocorreu o movimento de reconceituação, que se caracteriza pela renovação da profissão que não atendia mais as problemáticas no âmbito social,rompendo com as diretrizes da Igreja. O movimento de reconceituação tal como expressou-se em sua tônica dominante na América Latina, representou um marco decisivo no desencadeamento do processo de revisão crítica do serviço social no continente (IAMAMOTO, 2012, p.205). Na transição dos anos 1970 aos 1980 é construído o projeto Ético Político do Serviço social,neste momento o Brasil passava por grandes transformações no âmbito econômico e político,criado também a Constituição Federal Brasileira, que garante os direitos dos cidadãos. Segundo Iamamoto (2012), após o período citado consolida-se um mercado efetivamente nacional de trabalho para os assistentes sociais,amplia-se o contingente numérico dos profissionais e das unidades de ensino públicas e privadas. A partir de então, a profissão passa a ser reconhecida e valorizada,abrindo um amplo mercado de trabalho e faculdades de serviço social, é neste momento que os profissionais vão dar um salto para o conhecimento de qualidade.atuando como científicos pautados na teoria marxista,filosóficas e sociológicas. Quanto a intervenção da assistente social na área da saúde, pode-se dizer que vem desde o seu surgimento, pois naquela época sua atuação era voltada para questão de higiene e saúde, com intervenção no modo de vida da clientela. A respeito dessa temática, Sodré (2010, p. 456) contribui: No Brasil, o Serviço Social demarcou sua entrada no campo da saúde pública pelo viés dos trabalhos com comunidade, por meio de práticas educativas sobre procedimentos de higiene aplicados à vida privada, incentivando o controle de natalidade, o controle de doenças infantis, de higiene bucal, de saneamento para a criação das primeiras políticas urbanas de saúde, muitas vezes realizado por meio de um

5 trabalho educativo baseado em proporcionar acesso à informação sobre o próprio corpo e a higiene do mesmo. Esse era um trabalho que se mostrava necessário a um país sem escolaridade, com grande parte da população em condição de miséria e revelando desconhecimento sobre o próprio corpo. 5 Porém, é a partir de 1945 que os profissionais vão alavancar quanto aos seus trabalhos na área da saúde,pautados na formação das demandas que lhes são impostas,no dinamismo, nas relações com os demais profissionais e aos movimentos sociais.no entanto sentem a necessidade de uma ampliação voltada a estes trabalhos,pelo fato de se tornarem profissionais científicos e pesquisadores. Ao elaborarem um novo conceito de saúde requisitaram mais profissionais para atuarem nessa área de modo formal, entre eles a assistente social está inserida, conforme consta na Resolução n 218 de 1997 do Conselho Nacional de Saúde: O Plenário do Conselho Nacional de Saúde em sua Sexagésima Terceira Reunião Ordinária, realizada nos dias 05 e 06 de março de 1997, no uso de suas competências regimentais e atribuições conferidas pela Lei nº de 19 de setembro de 1990, e pela Lei nº8.142, de 28 de dezembro de 1990 [...] reconhece como profissionais de saúde de nível superior as seguintes categorias: Assistentes Sociais; Biólogos; Profissionais de Educação Física;Enfermeiros; Farmacêuticos; Fisioterapeutas; Fonoaudiólogos; Médicos; Médicos Veterinários; Nutricionistas; Odontólogos; Psicólogos; e Terapeutas Ocupacionais. Para Mota (2006) os novos profissionais ampliaram a abordagem em saúde, introduzindo conteúdos preventivistas e educativos, além de criarem programas prioritários com segmentos da população dados a inviabilidade de universalizar a atenção médica e social. Estes novos profissionais que o autor se refere são os que buscaram novas formas de atuação, atendimentos, envolvimentos com a criação de programas, estes todos voltados para as melhorias aos acessos do cidadão. A assistente social se tornou um executor de programas,com conhecimentos de higiene, saúde e assistência médica, com isso o assistente social mediava os acessos aos usuários utilizando as ações como: plantão, triagem ou seleção, encaminhamentos, concessão de benefícios e orientação previdenciária (BRAVO, 2006, p.199).

6 6 O trabalho do Assistente social na saúde se torna importante pelo fato do mesmo trabalhar pautado nos direitos do cidadão na prevenção e criação de programas e políticas voltadas para melhorias e para o bem-estar social. A mesma também tem participação efetiva juntamente com os demais profissionais da área da saúde/ou outras áreas. O trabalho do assistente social é realizado através de levantamentos de dados, das condições sócias econômicas do usuário, interferem nos processos de saúde como internação, consultas, exames, além de passar informações sobre as normas da instituição, sobre todos os procedimentos a serem usadas durante os atendimentos incluindo também: Desenvolvimento de atividades de apoio pedagógico e técnicopolítico consiste em articulação e /ou realização de atividades juntos aos funcionários,aos representantes dos usuários no sistema a grupos organizados, lideranças comunitárias e a comunidades em geral,que envolvem desde a realização de reuniões,oficinas de trabalho,cursos,seminários voltados para discussão de temas afetos ao processo de construção e consolidação permanente do SUS,interesse da área da saúde publica,á assessoria para elaboração de relatório,documentos reivindicatórios como abaixo-assinado,apoio á organização de pessoas eleitorais etc. (COSTA, 2006, p. 317 e 318). Nota-se que a assistente social é de suma importância no âmbito da saúde. Porquanto, as assistentes sociais trabalham numa visão que respeitam as relações de gênero, opção sexual, classe e etnia. Para exercer seus trabalhos precisam estar fundamentada nas competências teórico-metodológico, ético-política e técnicooperativa da profissão. Pois a questão social a cada dia adquire nova roupagem impossibilitando o trabalho da assistente social por isso a importância de ser uma profissional dinâmica e inovadora. Assim, a assistente social, diante das suas habilidades e competências, atuam nas mais diversas sub áreas da saúde, dente elas, a saúde mental. 2. SAÚDE MENTAL: REFORMA PSIQUIÁTRICA E OS CAPS

7 7 Antes da Reforma Psiquiátrica quando alguma pessoa sofria algum tipo de transtorno mental era tratada como louco, como um perigo para a sociedade, poucos eram acolhidos por sua família ou eram adotados, a maioria dessas pessoas viviam nas ruas sofrendo difamações e discriminação. As pessoas que sofriam com algum tipo de transtorno mental recebiam um tratamento desumano, conferido ao tratamento dos escravos. No entanto, neste momento da história, por conta desses tratamentos desumanos, a sociedade médica reivindicava por respeito e melhorias a estes tratamentos. Diante deste status conferido á psiquiatria iniciaram neste momento, os questionamentos a respeito da situação dos loucos no país (PACHECO, 2009, p. 97). Após alguns anos criaram-se manicômios para atender esta população, contudo, os manicômios não respondiam as exigências da medicina e não atendiam realmente todo o público. Em meios a algumas mudanças estes médicos alcançaram o objetivo desejado para a organização destes tratamentos criando hospitais para internação. Na década de 1930 foi o ponto de partida para uma paulatina privatização da psiquiatria. O Serviço de Assistência aos Doentes Mentais do Distrito Federal é incorporado ao Ministério da Saúde e Educação recém criados no governo Vargas e são criados os Institutos de Aposentadoria e Assistência Médica (PACHECO, 2009, p.118). Na década de 1980 deu início a organizações feitas por trabalhadores da saúde que reivindicavam pela Reforma Psiquiátrica no Brasil, que tinha como objetivo mudar o olhar das pessoas sobre os manicômios e a loucura. Os trabalhadores reivindicaram por direitos ao tratamento digno as pessoas que sofriam com transtornos mentais, formando o movimento dos trabalhadores da Divisão Nacional de Saúde Mental (DINSAM). Segundo Pacheco (2009) buscava-se também a construção de um novo espaço social para que o louco tivesse um espaço onde sua cidadania fosse reconhecida com respeito e sua autonomia, enquanto sujeito, resgatada. A proposta

8 8 seria cortar de vez o tratamento em manicômios. Porém, sem esse espaço de cidadania o louco teria dificuldade para se reinserir na sociedade. Estes movimentos geraram outros movimentos como Congressos Brasileiros de Psiquiatria e conselhos profissionais. Ressaltando que os trabalhadores reivindicavam não só pela saúde mental, mas também por melhorias nas condições de trabalho e salário. O movimento da Reforma Psiquiátrica ligou-se ao Estado que em seguida uniu o Ministério da saúde com o Ministério da Assistência social e juntos inovaram a criação de políticas públicas que precaviam a privatização. Após muitas lutas e compromisso coma cidadania o Movimento dos Trabalhadores em Saúde mental (MTSM) conseguiu realizar a primeira Conferência Nacional em Teve como organizadores a Divisão Nacional de Saúde Mental e a Associação Brasileira de Psiquiatria, com esse evento fortalecem o grupo dos Trabalhadores que permaneciam intensos contra repressores. Esta Conferencia Nacional de Saúde Mental, ocorrida em junho de 1987, contou com a participação de 176 delegados eleitos nas préconferencias e estruturou a partir de três temas básicos: 1) Economia, Sociedade e Estado-impactos sobre a saúde e doença mental; 2) Reforma Sanitária e reorganização da assistência a Saúde Mental; 3) Cidadania e doença mental-direitos, deveres e legislação do doente mental (PACHECO, 2009, p. 153). A I Conferência trouxe mudanças aos modelos dos hospitais psiquiátricos. Já através do Encontro dos Trabalhadores da Saúde Mental, acontecido em 1987, criou o dia da Luta Antimanicomial, comemorado no dia 18 de maio. Vários outros eventos também marcaram a história da saúde mental. Em 1986, em São Paulo/SP, cria o primeiro Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), que imediatamente começou a atender a população que dela necessitasse. Este novo modelo foi criado para substituir de vez com os modelos manicomiais. O CAPS é um serviço de saúde aberto e de natureza comunitária,que se constitui como lugar de referencia para pessoas que sofrem com transtornos mentais,cujo quadro clinico ou social justifique o

9 tratamento em um equipamento de cuidados em saúde mental.os CAPS são serviços dos SUS que funcionam de acordo com a lógica do território,seguindo o principio da descentralização preconizado por este sistema. São serviços que prestam um cuidado intensivo e personalizado,buscando enfocar a promoção de saúde por meio de ações intersetoriais (MINISTERIO DA SAÚDE, 2000 apud PACHECO, 2009, p. 173). 9 O CAPS veio para modernizar os atendimentos a saúde mental, oferecendo acolhimentos, encaminhamentos, atividades individuais, grupais e com familiares. Sendo que a família tem grande importância, pois ela colabora e auxilia na evolução do tratamento do pacientes. Os CAPS trabalham sempre pautados na ética e no respeito para com o cidadão. Em suma, os CAPS tem por objetivos: prestar atendimento em regime de atenção diária;gerenciar os projetos terapêuticos,oferecendo cuidado clinico eficiente e personalizado;promover a inserção social dos usuários através de ações intersetoriais e organizar a rede de serviços de saúde mental do território (PACHECO, 2009, p. 174). De acordo com Pacheco (2009, p. 174) atualmente o Brasil conta com 595 CAPS espalhados por todos os Estados brasileiros. Registra-se que existem vários outros tipos de CAPS regulamentados pela Portaria/GM 336de 19 de fevereiro de 2002: CAPSAD, CAPS I, II, III e CAPSi. De acordo com a respectiva portaria os CAPS se diferenciam da seguinte forma: CAPS I Serviço de atenção psicossocial com capacidade operacional para atendimento em municípios com população entre e habitantes [...].CAPS II Serviço de atenção psicossocial com capacidade operacional para atendimento em municípios com população entre e habitantes [...]. CAPS III Serviço de atenção psicossocial com capacidade operacional para atendimento em municípios com população acima de habitantes; constituir-se em serviço ambulatorial de atenção contínua, durante 24 horas diariamente, incluindo feriados e finais de semana [...]. CAPS i Serviço de atenção psicossocial para atendimentos a crianças e adolescentes, constituindo-se na referência para uma população de cerca de habitantes, ou outro parâmetro populacional a ser definido pelo gestor local, atendendo a critérios epidemiológicos; constituir-se em serviço ambulatorial de atenção diária destinado a crianças e adolescentes com transtornos mentais [...].

10 10 Quanto aos profissionais que trabalham nos CAPS são: Enfermeiros, médicos, psicólogos, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, pedagogos, professores de educação física ou outros necessários para as atividades oferecidas nos CAPS. Os profissionais de nível médio podem ser: técnicos e/ou auxiliares de enfermagem, técnicos administrativos, educadores e artesãos. Os CAPS contam ainda com equipes de limpeza e de cozinha (BRASIL, 2004, p. 26). O CAPS II foi regulamentado pela Portaria/GM 224 em janeiro de 1992: os CAPS II são para os municípios com população entre e habitantes, funcionando das 8:00horas às 18:00horas, podendo comportar um terceiro turno até as 21:00horas (PACHECO, 2009, p.179). Releva-se que há algumas normas a serem cumpridas durante a execução do atendimento na rede do CAPS II que visam na atenção primária, como por exemplo, garantir acesso aos necessitados e nas comunidades em geral explanar sobre a saúde mental passando informações e orientações formar programas, políticas nas esferas estaduais, municipais, e na legislação nacional, visando transformar estes atendimentos em qualidade e respeito com o cidadão. O CAPS II também faz referencia a outras redes de serviço em saúde mental, como: Programas de Saúde da Família (PSF), centros comunitários, prontos socorros, centros de saúde, e outros. Assim, essa rede de saúde mental atendem as demandas especificas e proporciona ao cidadão a inclusão social e seus direitos constitucionais. Como vimos, muitas coisas podem ser feitas num CAPS, desde que tenham sentido para promover as melhores oportunidades de trocas afetivas, simbólicas, materiais, capazes de favorecer vínculos e interação humana (BRASIL, 2004, p.18). Os portadores de transtornos mentais estão resguardados pela lei nº , de 6 de abril de 2001, que reporta proteção e garante os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais além de redirecionar o modelo assistencial em saúde mental. Desta maneira, essas pessoas tem direito a atendimentos humanizados,acessos, tratamentos adequados as suas necessidades e recebimentos de informações no que forem cabíveis e respeito.de acordo com a lei, a reabilitação psicossocial é um conceito fundamental no âmbito da saúde mental, pois fornece subsídios

11 11 importantes para as reflexões que devem ser feitas nos novos serviços preconizados pela Reforma Psiquiátrica. Assim, atuação da assistente social na área da saúde mental está baseada na respectiva lei e voltada para atender uma demanda que sofre com a exclusão social, que são vítimas de preconceitos e violência por parte da sociedade ou da própria família. 3. O TRABALHO DA ASSISTENTE SOCIAL COM OS USUÁRIOS DO CAPSII DE BARRA DO GARÇAS /MT O município de Barra do garças/mt possui um CAPS AD e um CAPSII. Em ambos trabalha pelo menos uma assistente social, juntamente com uma equipe multiprofissional que visa na reabilitação e a reinserção social das pessoas que sofrem algum tipo de transtorno mental ou são usuária de álcool e outras drogas. O CAPS II do município foi inaugurado dia 17 de Dezembro de 2010, instituído oficialmente a partir da portaria GM 224/92, atualmente regulamentado pela 336/GM, onde consagra em suas diretrizes o atendimento em unidades básicas, em Centro de Atenção Psicossocial e Hospital Geral. A equipe multiprofissional do CAPS II é composta por assistentes sociais, psicólogas, fisioterapeuta, enfermeira, médico psiquiatra, médico clínico geral, terapeuta ocupacional, auxiliar de oficina, auxiliares de serviços gerais, motorista e recepcionistas. O Serviço Social na instituição surgiu com a própria implantação do CAPS no município, a partir de uma reforma que mostraria a precisão da construção de um sistema de saúde que não somente garantisse acesso a todos, mas como ainda um

12 12 acesso de qualidade, a partir deste momento estava presente a assistente social na luta pelos os direitos dos portadores de transtorno mental. Durante o estágio curricular foi observado 4 que a assistente social realiza seus atendimentos sempre pautados na garantia dos direitos dos usuários da rede do SUS. A mesma também trabalha de acordo com o projeto ético político da profissão e no código de ética. Sobre o código de ética Iamamoto (2012, p. 78) afirma que [...] não pode ser um documento que se guarda na gaveta : é necessário dar-lhe vida por meio dos sujeitos que, internalizando o seu conteúdo, expressam-no por ações que vão tecendo o novo projeto profissional no espaço ocupacional cotidiano. Nota-se a importância desse código para a atuação enquanto profissional, pois o código de ética é a base para a prática e a intervenção dentro da sociedade, assim, as informações passadas pela profissional precisam ser claras e coerentes. Uma passagem extremamente relevante no código de ética profissional é o Título III, das relações Profissionais do Capítulo I, que aborda as relações com os usuários: Art.5º-São deveres do assistente social nas suas relações com os usuários: contribuir para a viabilização da participação efetiva da população usuária nas decisões institucionais; fornecer a população usuária,quando solicitado,informações concernentes ao trabalho desenvolvido pelo serviço social e as sua conclusões, resguardado ao sigilo profissional; esclarecer aos usuários,ao iniciar o trabalho,sobre os objetivos e a amplitude de sua atuação profissional (BRASIL, 2012). De modo geral, a profissional de serviço social do CAPS II deve/e cumpre rigorosamente seu horário de trabalho, mantém informada sobre pareceres, relatórios, elabora/ou contribui na elaboração/e executa planos, programas e projetos sócio terapêuticos, estando a par também do planejamento, organização e administração de 4 Trata-se de uma observação participante, pois além de observar, ocorreu, também, interação com o outro. Minayo (2010) define esse tipo de observação como um processo pelo qual um pesquisador se coloca como observador de uma situação social com a finalidade de realizar uma investigação científica.ao participar da vida dos observados, no seu cenário cultural, colhe dados e se torna parte do contexto sob observação, ao mesmo tempo modificando e sendo modificado.

13 13 qualquer benefício e serviços em seu campo, é sugestiva e colaboradora referente a coordenação, participa das reuniões de equipe, seminários, capacitação e outros encontros que se refira a saúde mental ou ao serviço social, trabalha com o envio de relatórios sociais, encaminhamentos para setores públicos, privados e não governamentais, mantém sempre o contato com a saúde, educação, previdência, com a rede sócio assistencial, e dirige o grupo de cidadania que visa o resgate da pessoa e sua reinserção na sociedade. Foi observado que existe uma rotina de trabalhos executados semanalmente pela assistente social que são: segundas-feiras são realizadas acolhimento institucional e orientação social; na terça-feira é realizada a oficina de cidadania e serviço social; na quarta-feira a assistente social participa, juntamente com a psicóloga e/ou enfermeira,das reuniões de família dos usuários; na quinta-feira a profissional participa da reunião de equipe e da reunião de estudo de caso com a presença de todos os profissionais; e na sexta-feira é realizado acolhimento e, se necessário, visitas domiciliares ou visitas institucionais. É importante esclarecer que o acolhimento institucional é realizado primeiramente pelo recepcionista que recebe o usuário sempre prestativo, recolhe seus dados para a ficha cadastral e encaminha para ser acolhido por pelo menos três profissionais de nível superior. Foi notado que esses profissionais mantêm uma organização ao atender, e mesmo com uma demanda elevada, todos os usuários são atendidos conforme suas necessidades. Já o acolhimento realizado pela assistente social é um dos trabalhos realizados que mais se destaca. Esse serviço tem como objetivo realizar uma triagem e conhecer melhor o usuário. É executado, primeiramente através de uma entrevista, onde a profissional faz perguntas referentes a vida sócio econômica e sobre saúde mental do usuário, e depois explica o funcionamento do CAPS. Posteriormente, a assistente social conversa com o usuário. Através dessa conversa foi compreendido que a escuta é essencial tanto no acolhimento quanto em todo trabalho da assistente social. Essa ferramenta permite uma criação de vínculo entre a profissional e o usuário.

14 14 A orientação social é realizada em grupo ou de forma individual. Geralmente, os usuários querem ser orientados a respeito de medicação de alto custo, aposentadoria, funcionamento do CAPS, do Tratamento Fora de Domicilio e algo mais que lhe forem pertinentes. Todos são bem atendidos e orientados. A oficina de cidadania e serviço social é voltada para os direitos e deveres dos usuários enquanto cidadão. Para a realização das oficinas a assistente social encontra algumas dificuldades quanto aos recursos materiais para realização de atividades. Na maioria das vezes é a própria assistente social que os compra. Também já aconteceu da profissional não executar alguma atividade ou projeto por falta de material. A reunião de família ocorre semanalmente, sempre na quarta-feira às 8h30m, têm como objetivo aproximar a família do tratamento e acompanhar a evolução e o convívio do usuário em casa. Durante essa reunião os familiares expõem suas dúvidas e dificuldades sobre o tratamento (que é lento e requer muitos cuidados e atenção), trocam experiências e recebem orientações. Foi observado que a escuta da assistente social é imprescindível nesse trabalho e sua orientação tem fortalecido muitos laços familiares. Em relação a reunião de equipe e a reunião de estudo de caso, realizadas toda quinta-feira, são discutidos assuntos pertinentes aos quadros clínicos de cada paciente atendidos durante a semana, os profissionais conversam entre si fazem um estudo sobre a situação do paciente e decidem qual o modo de tratamento adequado para cada caso.também é o momento em que equipe se reúne para deliberar algumas decisões da instituição. Durante essas reuniões foi observado que a assistente social possui uma visão de totalidade e que sua contribuição é de grande valia. Assim, concorda-se com Silva; Rosa; Prazeres (2004, p. 63): [...] a apropriação do referencial teórico metodológico, por parte do assistente social, permite-lhe apreender a realidade numa perspectiva de totalidade e construir mediações entre o exercício profissional comprometido e os limites dados pela realidade de atuação.

15 15 Já as visitas domiciliares e as visitas institucionais são realizadas de acordo com a necessidade da instituição. Na maioria das vezes, a assistente social faz Busca Ativa através de visitas domiciliares, também há casos em que o promotor do município solicita relatório multiprofissional sobre determinado usuário e para a elaboração desse relatório é necessário a visita. As vistas institucionais são realizadas para conhecer alguma instituição que esteja relacionada a saúde mental ou quando a assistente social precisa de algumas informações sobre o usuário que mantém alguma espécie de vínculo em alguma instituição. Algumas das dificuldades encontradas para a realização dessas visitas estão na ausência de um motorista exclusivo para o CAPS II, pois o motorista presta serviço em toda secretaria de saúde. Ao que aos atendimentos, orientações, acolhimentos e até mesmo conversas informais, todos são se refere ao sigilo profissional, a assistente social, sempre antes de iniciar algum atendimento, explica ao usuário que tudo que for dito, será resguardado, pois o trabalho realizado por ela é pautado no código de ética profissional que prevê o sigilo profissional. O sigilo profissional é de suma importância para o trabalho da assistente social no qual destaca o seguinte: Art.15- O sigilo protegera o usuário em tudo aquilo de que o assistente social tome conhecimento, como decorrência do exercício da atividade profissional [...] Art.17- E vedado ao assistente social revelar sigilo profissional. Art.18- A quebra do sigilo só e admissível quando se tratarem de situações cuja gravidade possa, envolvendo ou não fato delituoso, trazer prejuízo aos interesses do usuário, de terceiros e da coletividade. Parágrafo único- A revelação será feita dentro do estritamente necessário, quer em relação ao assunto revelado, quer ao grau e numero de pessoas que dele devam tomar conhecimento (BRASIL, 2012). Observando seu relacionamento com os usuários, este é sempre com muito respeito e compromisso. Seus trabalhos estão pautados pelo regimento interno do CAPS II e no código de ética da assistente social. A assistente social tem a autonomia em tomar decisões referentes aos atendimentos, agendamentos, visitas e no preparo de oficinas.

16 16 Contudo, foi verificado que eventualmente a profissional encontra alguns impasses ao que se refere na melhoria dos atendimentos aos usuários, como já foi citado, a falta de um motorista exclusivo, falta de recurso material e a falta de infra estrutura adequada, já que sua sala (que é dividida por mais 3 profissionais) é cheia de infiltrações e mofo, o que prejudica a saúde da profissional e dos usuários. E no que se refere a carga horário de trabalho, uma assistente social faz 30 horas semanais e outra, ainda, faz 40 horas semanais. Revela-se que assistente social que tem menos tempo de serviço foi a que não conseguiu a implantação das 30 horas de trabalho semanal por falta de interesse do secretário de saúde do município. O CRESS já está ciente dessa situação e a profissional está procurando os seus direitos por meio judicial. É imprescindível colocar que a Lei nº do dia 27 de agosto de 2010 dispõe sobre a carga horária dos assistentes sociais: Art. 5º-A A duração do trabalho do assistente social é de 30 (trinta) horas semanais (BRASIL, 2010). Art. 2º Aos profissionais com contrato de trabalho em vigor na data de publicação desta Lei é garantida a adequação da jornada de trabalho, vedada a redução do salário (BRASIL, 2010). Sobre esse assunto, também é importante colocar a posição do CFESS (2011): A implementação da lei em diversas instituições públicas, privadas, ONGs, filantrópicas entre outras, que se materializa e se amplia dia após dia. [...] É importante ressaltar também que a conquista das 30 horas semanais sem redução de salário para assistentes sociais deve ser compreendida no conjunto das lutas da classe trabalhadora, porque contribui para a garantia de melhores condições de trabalho e se insere na luta pelo direito ao trabalho com qualidade para todos/as. A realização de estágio curricular pode ser considerado como uma situação de resistência, infelizmente, a gestão do CAPS não é muito a favor desse método de aprendizado e constantemente a assistente social tem que entrar em defesa das estagiárias. Também foi encontrada dificuldade para estudar assuntos referidos ao CAPS II e outras temáticas para desenvolver as oficinas. Seria interessante implantar uma

17 17 biblioteca no CAPS II, pois iria favorecer não só os profissionais, mas os usuários também e a sociedade como todo. Foi observado que a assistente social do Centro de Atenção Psicossocial CAPS II trabalha de forma eficaz e possui um enorme comprometimento com os usuários. Encontra soluções para driblar as dificuldades encontradas, adere a um ótimo atendimento independente das dificuldades, possuem uma relação harmoniosa com a equipe e sempre luta para a ressocialização do usuário. CONSIDERAÇÕES FINAIS Esse artigo foi realizado através de observação participante durante o estágio curricular realizado no CAPS II de Barra do Garças/MT. Durante esse período foi adquirido conhecimento teórico (sobre a reforma psiquiátrica, luta antimanicomial, o ingresso do serviço social na saúde, historicidade dos CAPS, rede do SUS e da Saúde mental...) e prático sobre o trabalho da assistente social e o trabalho em equipe. Especificamente sobre o trabalho da profissional de serviço social, foi observado as suas atitudes diante das demandas, com os usuários e das dificuldades encontradas para exercer seu trabalho. Foi notado que a profissional precisa estar à frente das demandas que lhes são impostas, sendo articuladora, dinâmica, inovadora, mediadora e propositiva, pois a profissional, ainda, encontra várias dificuldades em trabalhar com as políticas sociais devido a negligência e precarização do Estado. Assim, pode-se concluir que, apesar das dificuldades, todas as ações da profissional sempre foram pautadas no código de ética da profissão e voltadas ao bem-estar do usuário.

18 18 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA BRASIL, Lei Federal nº de 26 de agosto de Acrescenta dispositivo à Lei nº para dispor sobre a duração do trabalho do assistente social. BRASIL, Lei Federal nº de 06 de abril de Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. BRASIL, Código de Ética do/a assistente social. Lei 8.662/93 de regulamentação da profissão. 10º edição, Brasília: CFESS, BRASIL, Saúde Mental no SUS: Os centros de Atenção Psicossocial. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília: Ministério da Saúde, BRAVO, Maria Inês Souza, Política de Saúde no Brasil. Serviço Social e Saúde: Formação e Trabalho Profissional. [ et al.],(orgs). -- São Paulo: OPAS, OMS, Ministério da Saúde, CFESS. Gestão Atitude Crítica para Avançar na Luta. Brasília, Distrito Federal: CFESS, COSTA, Maria Dalva Horacio. O trabalho nos Serviços de Saúde e a Inserção dos (as) Assistentes Sociais. Serviço Social e Saúde: Formação e Trabalho Profissional. [ et al.], (orgs). -- São Paulo: OPAS, OMS, Ministério da Saúde, IAMAMOTO, Marilda Villela. O Serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 22. Edição, São Paulo: Cortez, JESUS, Cristiane da Silva de; ROSA, Karla Terezinha; PRAZERES, Greicy Gandra Soares. Metodologias de atendimento à família: o fazer do assistente social. Revista Acta Scientiarum: Health Sciences. Volume 26, nº 1, Maringá/PR: Editora da Universidade Estadual de Maringá - EDUEM, 2004.

19 MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 7º Ed. São Paulo: Atlas, MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, MOTA, Ana Elizabete. Seguridade Social Brasileira: Desenvolvimento Histórico e Tendências Recentes. Serviço Social e Saúde: Formação e trabalho profissional [et al.], (orgs). -- São Paulo: OPAS, OMS, Ministério da Saúde, NETTO, José Paulo. Ditadura e Serviço Social: uma análise do serviço social no Brasil pós ed. São Paulo: Cortez, PACHECO, Juliana Garcia. Reforma Psiquiátrica: uma realidade possível; representações sociais da loucura e a história de uma experiência. Curitiba: Juruá, ROSA, Lucia Cristina do Santos (org.). Saúde Mental e Serviço Social: o desafio da subjetividade e da interdisciplinaridade. 4.ed.São Paulo:Cortez, SODRÉ, Francis. Serviço Social e o campo da saúde: para além de plantões e encaminhamentos. Revista Serviço Social e Sociedade, n 103, São Paulo: Cortez, VASCONCELOS, Ana Maria de (org). Serviço Social e Saúde: Formação e Trabalho Profissional. São Paulo: Cortez,

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA LEMOS, Josiane (estágio I), e-mail: lemosjosi@hotmail.com SANTOS, Lourdes de Fátima dos (estágio I). e-mail: lurdesfsantos84@hotmail.com SCHEMIGUEL,

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria 1 BONOMETO, Tatiane Caroline 2 TRENTINI, Fabiana Vosgerau 3 Apresentador (es): Claudia

Leia mais

Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil

Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil Cintia Santos Nery dos Anjos 1 O tema deste estudo refere-se a operacionalização da intersetorialidade no campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 62 2011 Rede de Atenção Psicossocial Altera a portaria GM nº 1.169 de 07 de julho de 2005 que destina incentivo financeiro para municípios que desenvolvem Projetos de Inclusão Social pelo

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. IX Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria¹ BONOMETO, Tatiane Caroline² PREUSS, Lislei Teresinha³ Apresentador (a): Tatiane Caroline

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

IX JORNADA DE ESTÁGIO: FORMAÇÃO E PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL.

IX JORNADA DE ESTÁGIO: FORMAÇÃO E PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL. IX JORNADA DE ESTÁGIO: FORMAÇÃO E PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA COMUNIDADE TERAPEUTICA MARCOS FERNANDES PINHEIRO SILVA, Pollyane Ditoza (estagio II), CORREIA, Valeria

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

Serviço Social: inovação dos serviços em Bibliotecas Públicas

Serviço Social: inovação dos serviços em Bibliotecas Públicas Serviço Social: inovação dos serviços em Bibliotecas Públicas SERVIÇO SOCIAL NA BSP SERVIÇO SOCIAL NA BSP BSP COMO ESPAÇO CULTURAL COM AÇÃO CENTRADA NA LEITURA A LEITURA é vista pela BSP como fundamento

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 Ementa: Realização de estudo socioeconômico para a concessão de benefícios eventuais e outros benefícios sociais. A presente Orientação Técnica tem por objetivo responder

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O GRUPO DE MULHERES DA LEGIÃO DA BOA VONTADE (LBV) DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA

O SERVIÇO SOCIAL E O GRUPO DE MULHERES DA LEGIÃO DA BOA VONTADE (LBV) DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA O SERVIÇO SOCIAL E O GRUPO DE MULHERES DA LEGIÃO DA BOA VONTADE (LBV) DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA FIDUNIV, Gisele Regiane (estágio I), e-mail: isele34@yahoo.com.br KRAVICZ, Gisele Ferreira (supervisora

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

li'm(i)~mr:.\r&~ ~[~ ~~~ ~~~.l, ~~~:r,,~{íe.c.~ ~~ ~@)g ~ 1liiJ~mmrl!&

li'm(i)~mr:.\r&~ ~[~ ~~~ ~~~.l, ~~~:r,,~{íe.c.~ ~~ ~@)g ~ 1liiJ~mmrl!& li'm(i)~mr:.\r&~ ~[~ ~~~ ~~~.l, ~~~:r,,~{íe.c.~ ~~ ~@)g ~ 1liiJ~mmrl!& A RENTEGRACÃOSOCAL ~ É O MELHOR TRATAMENTO Na história da atenção às pessoas com transtornos mentais no Brasil, por muito tempo o

Leia mais

PROJETO PONTO DE CIDADANIA. COMVIDA Comunidade Cidadania e Vida EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS

PROJETO PONTO DE CIDADANIA. COMVIDA Comunidade Cidadania e Vida EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PROJETO PONTO DE CIDADANIA COMVIDA Comunidade Cidadania e Vida EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS O Ponto de Cidadania é uma inovadora estratégia de apoio psicossocial. Trata-se de uma unidade de acolhimento

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Jocelma Tossin Martins (UNICENTRO), Rosângela Bujokas de Siqueira (Orientadora), e-mail: janja.bujokas@uol.com.br

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL

O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL Patrícia de Bitencourt Toscani 1 Durante a década de 70, o processo da Reforma Psiquiátrica possibilitou construir uma nova política de saúde

Leia mais

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil ID 1676 SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil Dutra, Laís; Eugênio, Flávia; Camargo, Aline; Ferreira

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Família Secretaria Municipal de Saúde CASC - Centro de Atenção a Saúde Coletiva Administração Municipal Horizontina RS Noroeste do Estado Distante 520 Km da

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 ALUNOS TURNOS

Leia mais

Serviço Social na Previdência Social INSS

Serviço Social na Previdência Social INSS Gerência Executiva do INSS em Cuiabá Seção de Saúde do Trabalhador SERVIÇO SOCIAL Serviço Social na Previdência Social INSS Maio/2015 1 Introdução O Serviço Social do INSS é um serviço previdenciário,

Leia mais

Projeto de Lei n.º 36/2013-L

Projeto de Lei n.º 36/2013-L Projeto de Lei n.º 36/2013-L AUTORIZA A CRIAÇÃO DE UMA CASA DE PASSAGEM PARA MULHERES NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BARRA BONITA. Art. 1º Fica o Executivo autorizado a criar no âmbito

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO:

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO: PARECER TÉCNICO ASSUNTO: Solicitação de parecer acerca de Técnico de Enfermagem lotado no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de transtorno mental acompanhar paciente internado em outra instituição,

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E A ATENÇÃO À SAÚDE DO SERVIDOR EM PERÍCIA

SERVIÇO SOCIAL E A ATENÇÃO À SAÚDE DO SERVIDOR EM PERÍCIA SERVIÇO SOCIAL E A ATENÇÃO À SAÚDE DO SERVIDOR EM PERÍCIA Ana Paula Balthazar dos Santos Bruna Veiga de Moraes Lucia Goretti Gobatto Junkes Denise Espindola Lucas Bittencourt de Souza Nayanna Zacchi Sabrina

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA - TRABALHANDO A INSERÇÃO SOCIAL DO PACIENTE COM TRANSTORNO MENTAL

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA - TRABALHANDO A INSERÇÃO SOCIAL DO PACIENTE COM TRANSTORNO MENTAL CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA - TRABALHANDO A INSERÇÃO SOCIAL DO PACIENTE COM TRANSTORNO MENTAL 1 SANTOS, Kassila Conceição Ferreira; 2 SOUZA, Ana Lúcia Rezende; 3 SOUZA, Marise Ramos de; 4 BORGES, Cristiane

Leia mais

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 Kenia S. Freire 2, Sabrina Corrêa Da Silva 3, Jaqueline Oliveira 4, Carolina B. Gross

Leia mais

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º. As Práticas de Campo do Curso de Enfermagem parte integrante

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL

P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL P 41 - SERVIÇO SOCIAL EM ASSISTÊNCIA A PACIENTES PORTADORES DE HIV/AIDS Titulação: Aprimoramento Supervisora: Susan Marisclaid Gasparini Dirigido aos profissionais

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase

Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase Registro de reuniões setoriais Setor: Serviço Social Unidade Dom Bosco Data: 29.05.2009

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: Enfermagem em Atenção à Saúde Mental Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA.

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. SILVA, Jessica Da¹. NADAL, Isabela Martins². GOMES, R.C. Ana³. RESUMO: O presente trabalho é referente à prática

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

Artigo 1º - A duração do trabalho do Psicólogo, nas instituições públicas estaduais paulistas, passa a ser de 30 (trinta) horas semanais.

Artigo 1º - A duração do trabalho do Psicólogo, nas instituições públicas estaduais paulistas, passa a ser de 30 (trinta) horas semanais. PROJETO DE LEI Nº 181, DE 2015 Propõe nova jornada de trabalho para o cargo de Psicólogo nas instituições públicas estaduais paulistas. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA: Artigo 1º

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS 1. Natureza e Finalidade O Fórum Regional de Educação Infantil do Alto Vale do Itajaí - FREIAVI é um espaço

Leia mais

PROCESSO SELETIVO. Centro de Atenção Psicossocial CAPS III Itaim Bibi. Fevereiro de 2009 EDITAL DE INSCRIÇÕES E INSTRUÇÕES ESPECIAIS

PROCESSO SELETIVO. Centro de Atenção Psicossocial CAPS III Itaim Bibi. Fevereiro de 2009 EDITAL DE INSCRIÇÕES E INSTRUÇÕES ESPECIAIS PROCESSO SELETIVO Centro de Atenção Psicossocial CAPS III Itaim Bibi Fevereiro de 2009 EDITAL DE INSCRIÇÕES E INSTRUÇÕES ESPECIAIS A Associação Saúde da Família ASF faz saber que realizará processo seletivo

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010

RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010 RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010 Institui a regulamentação da Escuta Psicológica de Crianças e Adolescentes envolvidos em situação de violência, na Rede de Proteção O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de

Leia mais

Modelos Assistenciais em Saúde

Modelos Assistenciais em Saúde 6 Modelos Assistenciais em Saúde Telma Terezinha Ribeiro da Silva Especialista em Gestão de Saúde A análise do desenvolvimento das políticas de saúde e das suas repercussões sobre modos de intervenção

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE FISIOTERAPIA, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR.

VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR. VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR. Resumo: CARNEIRO, Alana Caroline 1. SIVEIRA, Adriane 2. SOUZA,

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão em Saúde Mental. PERFIL PROFISSIONAL: Entender

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE INTERNACIONAL CONTEXTO HISTÓRICO -1978 Declaração de Alma Ata Cazaquistão: Até o ano de 2000 todos os povos do mundo deverão atingir um nível

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais