GRUPO DE TRABALHO 1 GÊNERO, CORPO, SEXUALIDADE E SAÚDE. CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL: EVOLUÇÃO OU REPRODUÇÃO?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRUPO DE TRABALHO 1 GÊNERO, CORPO, SEXUALIDADE E SAÚDE. CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL: EVOLUÇÃO OU REPRODUÇÃO?"

Transcrição

1 1 GRUPO DE TRABALHO 1 GÊNERO, CORPO, SEXUALIDADE E SAÚDE. CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL: EVOLUÇÃO OU REPRODUÇÃO? Nei Ricardo de Souza

2 CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL: EVOLUÇÃO OU REPRODUÇÃO? Nei Ricardo de Souza 1 2 Resumo O Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) é concebido como um serviço substitutivo do internamento psiquiátrico e tem sido implantado em todo o território nacional desde a década de 90. O objetivo deste artigo é refletir sobre aspectos de funcionamento do CAPS, visando ressaltar alguns pontos relevantes para a sua organização e contribuir para uma compreensão de sua inserção na sociedade. Os dados nos quais se baseia provêm de documentos: legislação sobre saúde mental e manual de funcionamento do CAPS, e da atuação do autor na saúde pública. Sendo assim, a metodologia aplicada é a pesquisa teórica destes documentos, complementada pelas informações decorrentes da atividade profissional. As principais fundamentações são as propostas de Foucault, Goffman, Castel e Bourdieu, que desenvolvem temas como: a interrelação entre a loucura, o contexto social no qual está inserida e os dispositivos que se ocupam de seu tratamento; o papel da medicina da mente no controle social; a instituição totalitária e a violência simbólica. Estas referências teóricas surgiram antes da existência do CAPS e aparecem aqui articuladas neste contexto. A discussão que se propõe vem examinar em que medida o CAPS representa propriamente uma evolução no cuidado aos portadores de transtornos mentais. A conclusão aponta para um funcionamento que não consegue se libertar de amarras institucionais e que tem como consequência relegar o ser humano a segundo plano. Introdução Se existe uma área que mobiliza as representações mais fantasmáticas é a Saúde Mental. Todo o imaginário construído ao redor do louco e da loucura é um material rico para pesquisas, pois revela a reação da sociedade diante daqueles que já foram considerados desde eleitos até seu oposto, endemoninhados. Fato é que ninguém fica indiferente ao louco. Aqui o louco extrapola o sentido clínico, ele é o representante dos desviantes em geral, destas figuras de alteridade que saltam aos olhos e causam espanto, pois desafiam uma lógica tão certa e organizada preconizada pelos ditos normais. Modernamente adquirem uma pluralidade de formas, algumas delas portadoras de diagnósticos sancionados pela Ciência. Estes desviantes são passíveis de tratamentos de saúde em alguns casos, e em outros, de tratamento legal, embora esta distinção nem sempre seja clara, por exemplo, quando um criminoso alega insanidade ou, ao contrário, um insano prefere o rótulo de criminoso. De uma forma ou de outra, a sociedade elege instâncias para cuidar deles. No caso do louco, o manicômio surge como uma instituição emblemática que confunde tratamento e punição. Formas alternativas de cuidado são constantemente buscadas, no intuito de suavizar as práticas percebidas como cruéis ou desumanas. Neste texto pretende-se tecer algumas considerações sobre uma destas alternativas, o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), que tem 1 Psicólogo, especialista em Saúde da Família e mestre em Sociologia. Professor da Universidade Positivo.

3 conhecido grande expansão no Brasil. O exame de suas práticas pode auxiliar a compreender algumas de suas características. 3 Fundamentação A existência da instituição total é apontada por GOFFMAN (1987) ao estudar o funcionamento de um hospital psiquiátrico, designando com isso um regime de vida no qual as pessoas que dele fazem parte vivem de maneira reclusa e sujeitas a imposições e regulações que controlam suas atitudes. As obrigações destes indivíduos são de participar nas atividades da organização, pelo que são avaliados em termos de seu compromisso e aceitação para com ela. Denota-se a existência de um poder coercitivo, obrigando a uma conformação ao funcionamento institucional. A estratégia para obter este fim consiste na aplicação do binômio prêmio/castigo, onde o prêmio visa atrair o indivíduo continuamente para os objetivos da instituição e o castigo, operando pelo medo, impede que o indivíduo realize atos considerados inadequados. Supor uma relação desta natureza é supor uma determinada visão de ser humano, que condiciona as práticas sociais que o envolvem e constrói este ser humano suposto. Esta visão o concebe como alguém que responde a estímulos de forma mecânica e que pode ser moldado por eles. Este processo de adaptação do indivíduo à organização, GOFFMAN (1987) denominou adaptação primária, que consiste em incorporar o papel que se espera dele e passar por alguém ajustado. Contudo, isso é concomitante a adaptação secundária, que é a forma do indivíduo burlar o que deveria fazer ou mesmo ser. Em outra obra, GOFFMAN (1980) analisa o estigma, definindo que o indivíduo possui dois tipos de identidade sociais: a virtual, atribuída pelo outro, e a real, referente a propriedades efetivamente possuídas. Algumas características marcam indivíduos que passam a ser estigmatizados aos olhos dos que se consideram normais. Conseqüências possíveis deste processo são ou o indivíduo visto de forma precária se aproveitar de suas características, ou procurar escondê-las, ou ainda corrigi-las. Do ponto de vista do outro, o que sobressai é a crença que o estigmatizado precisa ser curado, algo que é plenamente aplicado ao portador de transtorno mental. Um panorama histórico da loucura é apresentado por FOUCAULT (2002), que a caracteriza em diversas épocas. Emergindo de um sentido trágico e cósmico na Renascença, é compreendida no início da Idade Moderna como condição passível de exclusão, a ser aproximada de mendigos, criminosos e outros desviantes, merecendo o lugar do internamento que visa proteger a sociedade. Além disso, obedece à lógica da condenação da ociosidade, pois os internos realizam trabalhos obrigatórios que se prestam a um exercício de punição moral. Ainda não se fala na cura de uma

4 4 doença, discurso que só aparecerá mais tarde. Porém, se no caso de mendigos e demais ociosos sua posição onerosa dentro da sociedade os impulsiona para fora do internamento afinal só representam despesas o mesmo não se dá no caso do louco, que irá gozar do privilégio de permanecer confinado, agora com todo o aparato institucional dedicado exclusivamente a ele. A visão histórica de Foucault não segue uma linha de continuidade e evolução, ao contrário, ele procura pontos de apoio nos acontecimentos sociais que levam a rupturas com o discurso vigente e dão origem a outro saber. Assim, as modificações na concepção de loucura não são propriamente evoluções e aprimoramentos de tratamentos, mas descontinuidades correlacionadas a contextos específicos. Não é o louco o objeto de estudo da psicologia e da psiquiatria, pelo contrário, é ele que permite o surgimento destes saberes, dado que sua posição marginal na sociedade representa uma categoria de pessoas de quem se deve dar conta. O saber mesmo acerca da doença mental só se torna efetivamente possível após o surgimento de uma classificação mais ampla das doenças em geral. Outro aspecto de destaque do pensamento foucaultiano é o papel da vigilância presente na sociedade como mecanismo de controle, que segmenta grupos e funcionaliza o espaço para atribuir a cada indivíduo o seu lugar. Se na Idade Média a punição era pública e constante, a promessa do Século das Luzes de celebrar a razão e a liberdade demanda mecanismos mais sutis de garantir a normatização social (FOUCAULT, 2003). CASTEL (1978) dialoga com Foucault e Goffman. Analisa as concepções do alienismo e da psiquiatria do século XIX, que vincula a loucura ao saber racional e científico afastando conotações morais. Estabelece a função da psiquiatria de administrar a loucura, transformando-a numa questão técnica a ser resolvida pela medicina mental emergente. Neste contexto, a figura do perito se evidencia; ele adquire o papel de árbitro, falando de um lugar sancionado pela lei. Desta forma, valores como a segurança e a liberdade, que repercutem diretamente sobre a vida de uma pessoa, passam pelo poder de decisão dele. O controle exercido sobre o louco muda assim de característica, adotando ares de cientificidade e racionalização, contudo não diminui, apenas é disfarçado. É o que se dá no que Castel descreve como aggiornamento, ou seja, (literalmente) atualização na composição dos elementos do dispositivo psiquiátrico. Algumas alterações são estabelecidas como substituir asilos por colônias agrícolas, no entanto a posição de saber/poder não é abandonada. Goffman, Foucault e Castel são precisos em suas discussões, contudo no contexto desenvolvido aqui é BOURDIEU (2003) quem vai dar o tom de afinação. Sua concepção da sociedade enquanto espaço social dividido em campos fornece a lógica do controle. Cada campo é relativamente autônomo e tem a capacidade de impor sua própria razão de funcionamento a todos os que nele penetram. Assim as escolhas, as criações e mesmo os esquemas de pensamento são

5 5 diretamente relacionados à posição social de seus autores. Os agentes sociais concordam, implícita ou explicitamente, em aceitar concepções arbitrárias vigentes no campo como legítimas, segundo o processo conhecido por violência simbólica que explica o poder conformador da sociedade sobre seus membros. O campo também se caracteriza pelo conflito e pela concorrência, na qual os agentes disputam o monopólio dos capitais específicos valorizados em seu interior. São os agentes dominantes que ditam as regras de funcionamento do campo e o conjunto de capitais sancionados. Assim se define o que é legítimo e passível de ser imposto aos demais agentes. A exposição repetida a estes elementos imprime nos indivíduos uma série de disposições que tem como resultado sua interiorização e a formação do habitus, entendido como o conjunto de conhecimentos práticos adquiridos ao longo do tempo e que funcionam como uma segunda natureza inconsciente. Para ocupar a posição dominante, os agentes do campo se valem de estratégias. Quem já domina procura conservar seus capitais e sua posição. Quem almeja o domínio se utiliza de estratégias de subversão. Dentro do espaço social, os campos interagem e dependendo das estratégias utilizadas podem estabelecer coalizões mutuamente benéficas. As relações entre o campo da psiquiatria e o campo da política podem ser compreendidas desta forma. Esta coalizão engendra a legitimação das regras as quais os agentes dominados estão sujeitos. Realiza-se por meio do invisível poder simbólico, exercido com a cumplicidade daqueles que não querem saber que lhe estão sujeitos ou mesmo que o exercem (BOURDIEU, 2000) Metodologia E Discussão Neste texto foi empregada primeiramente a análise de documentos, pois as ações no âmbito da saúde pública são legalmente regulamentadas. O Ministério da Saúde (MS) fornece Leis, Portarias e Diretrizes que orientam a organização e o funcionamento dos CAPS, como de todas as demais instituições sob o seu domínio. Destacam-se os seguintes documentos: Manual de Saúde Mental no SUS: Os Centros de Atenção Psicossocial (MS, 2004), Portaria 336 de 19/02/2002 (MS, 2002a), Portaria 189 de 29/03/2002 (MS, 2002b). Além destes, a Lei de 9/11/95 (PARANÁ, 1995) determina uma mudança na organização dos serviços psiquiátricos no Paraná. A análise deste material se impõe em função de seu efeito estruturante: é a referência adotada nos 1394 CAPS instalados no Brasil, incluídos aí os 87 paranaenses (MS, 2009). Seu conteúdo permite vislumbrar quais pressupostos atuam nas concepções atuais de saúde mental. Em segundo lugar são coligidas informações provenientes de minha experiência profissional. Atuei por 7 anos na saúde pública em Curitiba ocupando o cargo de psicólogo e realizando um trabalho itinerante em algumas unidades de saúde. Nos últimos 3 anos fui lotado

6 6 exclusivamente em um CAPSad (voltado para dependentes de álcool e outras drogas) dedicado ao atendimento de adolescentes. Esta minha posição merece alguns comentários. Desde MALINOWSKI (1986) o método etnográfico de coleta de informação em campo tem sido empregado para a obtenção de dados que subsidiem estudos nas ciências sociais. A interação que permite com as diversas tribos estudadas viabiliza um nível de detalhamento e compreensão dos fenômenos sociais difícil de obter com outro procedimento. Este autor salienta que os nativos de uma tribo seguem suas tradições e obedecem aos imperativos de seus códigos, mas não os compreendem, assim como em nossa sociedade, um membro de qualquer instituição social lhe pertence e dela participa, mas sem ter uma visão do processo ao qual está sujeito. Muito menos ainda teria capacidade de fazer conjecturas e abstrair o funcionamento social, tal qual o nativo. Eis o papel do cientista social: buscar evidências e propor explicações. Desta forma, é conversando com seus informantes, ou melhor ainda, observando fatos reais, que se obtém material que permite uma compreensão da dinâmica social. A etnografia demanda uma impregnação do pesquisador que se encontra sujeito a duas situações-limite, como já apontado por LAPLANTINE (2007): impregna-se a tal ponto que perde sua posição de cientista, ou fixa-se com tamanha rigidez na posição de cientista que compromete a impregnação da cultura que estuda. Não se faz etnografia somente colhendo informação, mas sim imergindo na totalidade da dimensão social. A ciência social se diferencia dos outros ramos científicos, por exemplo, da botânica, onde o cientista pode observar e classificar suas espécies. Ela demanda a comunicação entre os participantes, que é a única forma de conferir sentido a experiência humana. Em termos práticos, como viabilizar esta posição? O etnógrafo transita entre as situações-limite sem se deixar aprisionar por nenhuma delas: interage o mais completamente possível, procurando, entretanto não perder a crítica e a abstração do que observa. Em outras palavras, ele oscila entre elas e o período desta oscilação costuma não ser muito longo. Em uma expedição etnográfica haverá diversas destas oscilações; ao seu término restará apenas o cientista, talvez com algumas seqüelas culturais, mas efetivamente um cientista, a menos que resolva habitar entre os seus pesquisados definitivamente. Porém BOURDIEU, apesar de ser etnólogo (2002) e de defender a observação participante em detrimento das técnicas estatísticas (1999), levanta um ponto importante: a observação participante é a análise de uma falsa participação num grupo estranho (2000). Ocorre que o etnógrafo, ele próprio, é influenciado por suas condições sociais de origem. Possui um habitus de classe específico e também um habitus científico, que condicionam suas escolhas, percepções e esquemas de pensamento, sendo diferente dos nativos que estuda. Logo, sua presença no campo introduz variáveis no processo a ser estudado. Além disso, sua visão subjetiva do conhecimento construído nem sempre alcança as estruturas objetivas que regulam as interações entre os nativos e

7 7 entre estes e ele. A situação etnográfica de modo geral não escapa da violência simbólica de modo análogo ao descrito para a técnica de pesquisa através de entrevistas. Contudo, o controle desta violência pode ser dar por meio de duas condições: a proximidade social e a familiaridade entre pesquisador e pesquisado (1997). A situação menos violenta de pesquisa, portanto, seria ter um nativo etnógrafo. Pois bem, é assim que me enquadro. Se Malinowski disse que observando fatos reais compreende-se a sociedade, acrescento que participando efetivamente da realidade dos fatos como nativo a compreensão pode ser ainda mais profunda. Se Laplantine ressalta a posição do etnógrafo entre sua imersão e sua postura científica, acrescento que nada impede que a oscilação entre estas situaçõeslimite tenha um período mais longo: por exemplo, nativo por 3 anos e cientista por 3 ou mais. Se Bourdieu vê o etnógrafo como recém-chegado, acrescento que só se escapa disso se o nativo se tornar etnógrafo. Com efeito, iniciei minha formação na área da psicologia e como qualquer profissional me inseri neste campo formando um habitus correspondente. Posteriormente minha trajetória sócio-profissional me levou a uma mudança de posição, situação na qual me inseri gradualmente no campo das ciências sociais. O que fiz durante meu trabalho no CAPS foi desempenhar minhas funções conforme as exigências do cargo fui um nativo, portanto mas não deixei de fazer leituras críticas das práticas desempenhadas. Não posso chamar isso de observação participante, contudo acredito que não incorro em nenhuma inadequação se batizá-la de participação observante. O CAPS se insere em um modelo mais amplo de organização de serviços de saúde conhecido por SISS Sistema Integrado de Serviços de Saúde, que se caracteriza pela existência de uma rede formada por diversos pontos de atenção interconectados entre si. Em um território, diversos estabelecimentos, tais como Unidade de Saúde, Centro de Especialidades, CAPS e Hospital, prestam o atendimento à saúde e encaminham o paciente conforme suas necessidades. A cidade é dividida em vários territórios que se organizam para atender a população. Todo este conjunto está subordinado à Secretaria da Saúde, que funciona como gestor do processo e se ramifica, instituindo representantes em cada território (CURITIBA, 2002). Desta forma, o CAPS é um dos pontos desta rede, que se encarrega dos casos que são de sua competência, recebendo-os a partir dos encaminhamentos dos demais pontos de atenção. Seu propósito é atender pessoas com transtornos mentais severos e persistentes, oferecendo cuidados clínicos e reabilitação psicossocial em substituição ao modelo hospitalocêntrico. A ênfase dada a esta substituição é constante em todos os documentos norteadores examinados citados acima, considerando com isso que se presta um atendimento mais humanizado, pois o hospital instituição total deixando de existir, não controla mais a conduta daqueles que cuida. O CAPS, enquanto serviço substitutivo, teria a missão de trabalhar com o paciente na comunidade e cuidar de sua

8 8 reinserção social. As atribuições do CAPS envolvem prestar serviços em regime de diárias, isto é, cada dia de comparecimento do paciente ao tratamento é confirmado por sua assinatura numa ficha e a remuneração do CAPS se baseia no montante geral destas assinaturas; instituir e realizar projetos terapêuticos; promover inserção social; fazer visitas domiciliares; dar suporte para as ações de saúde mental em toda a rede de atenção à saúde e monitorar os pacientes que utilizam medicamentos psiquiátricos (MS 2004). O discurso de reorientação do modelo de assistência torna-se assim o discurso dominante. Contudo, ao produzir determinados significados oculta outros, sendo o objetivo do presente texto explicitar alguns deles. O modelo histórico de Foucault preconiza que as mudanças de discursos são na verdade rupturas ligadas a determinadas condições sociais vigentes, então a questão que se levanta é: quais as condições sociais que estão permitindo o discurso do CAPS predominar? As reflexões desenvolvidas aqui pretendem contribuir para encontrar algumas respostas. O que se verifica é a luta dentro do campo da saúde, ao menos no que tange à saúde pública, onde os agentes defensores da desospitalização alcançam a posição dominante e como tal definem quais regras do jogo são consideradas legítimas. A construção desta legitimidade passa por um suporte de caráter técnico, social e econômico, constituindo-se numa verdadeira ideologia que se impõe sobre todos os agentes do campo, que a incorporam e a disseminam, conforme já apontado por Bourdieu. Na prática, cogitar uma internação passa a ser visto como heresia, contudo, uma comparação com outros segmentos da saúde suscita ponderações. Se uma doença, seja respiratória, vascular ou outra ainda, atinge níveis de gravidade difíceis de serem manejados em tratamento ambulatorial não se hesita em optar pelo internamento, por que seria diferente com a saúde mental? Além do que o discurso sobre a doença mental foi evoluindo no sentido de conferir-lhe de fato o status de doença e não de falha ou fraqueza moral, porém com as práticas atuais ela acaba sendo discriminada, pois não consegue ser tratada com equidade, aliás, um dos princípios norteadores do SUS (MS, 2004). Evitar a internação é só um exemplo, escolhido por ser o estandarte da nova concepção de tratamento, mas este processo engloba outros aspectos, por exemplo, o investimento em psicoterapia individual, considerada de menor alcance e sendo preterida por abordagens de grupo. A posição herética dos profissionais que defendem tais práticas também passa a ser vista no novo sistema como um elemento de estigma, pois estes agentes ainda não são capazes de vislumbrar a suposta evolução da mudança de modelo. Se antes o estigma recaía sobre o portador de transtorno mental, agora o discurso vigente é desestigmatizá-lo, mas o que não se percebe é que o estigma recai sobre os próprios profissionais que deveriam agir de determinada forma, mas não se alinham totalmente com as propostas inovadoras. Também é preciso considerar que se não se alinham é por conta de seu habitus original, formado quando o discurso vigente preconizava

9 9 práticas de tratamento diferentes. Com esta reorientação um novo habitus será constituído, mais facilmente pelos novos agentes que estão chegando no campo, ou seja, os estudantes das áreas correlatas, pois passa a ser o conhecimento legítimo, e à força, no caso daqueles que já têm uma herança profissional de outros modelos. Além disso, não é possível deixar de ver que em abordagens individuais de tratamento há uma relação de um profissional para um paciente, em abordagens grupais vários pacientes são atendidos por um profissional, o que tem um efeito multiplicador de diárias. Do ponto de vista social, a ênfase é sobre os direitos de cidadão do portador de transtorno mental, como se eles estivessem mais garantidos no novo modelo, mesmo que isso implique numa desassistência em situação de crise. Acredita-se que reduzindo o número de ferros sobre o paciente aumenta-se sua liberdade. Pois o que ocorre parece ser justamente o contrário, agora a chamada monitoração vai para dentro de sua casa, controlando-o, ou tentando controlá-lo, até em seu âmbito privado. E isso é permanente, ao contrário do que ocorria no hospital, em um tempo determinado. É difícil estabelecer uma diferença entre a monitoração dos pacientes e a vigilância no sentido foucaultiano. Se antes o paciente era coagido a um determinado comportamento intramuros, na instituição total, agora esta coação foi para o espaço aberto, algo que, diga-se de passagem, é muito mais difícil de viabilizar, consequentemente, estratégias se fazem necessárias. É nesta lógica que entram as visitas domiciliares pelos profissionais do CAPS e pelos agentes de saúde e a obrigação de freqüência ao tratamento, que por sua vez também são monitoradas e vinculadas a índices de remuneração dos trabalhadores. Em outras palavras, não só os pacientes passam a ser vigiados, precariamente, pois em um território amplo isso acaba sendo mais difícil, mas agora também os trabalhadores, com o agravante de que sobre estes a vigilância é acirrada e não permite escapatória, pois a lógica intramuros da instituição total parece estar sendo aplicada sobre eles. Inclusive no que tange a premiação apontada por Goffman, como elemento de incorporação das regras institucionais. Os gestores vigiam os trabalhadores e os trabalhadores vigiam os pacientes, mas não para por aí, pois com a criação das instâncias de controle social sobre a saúde, os chamados conselhos, os pacientes também acabam vigiando os trabalhadores e os gestores, configurando uma cadeia de relações de vigilância que não é possível deixar de perguntar: a quem serve? Para que serve? O manual do CAPS (MS, 2004) também preconiza a realização de atividades comunitárias e de envolvimento dos familiares, sendo costume organizar festas para participação de pacientes e convidados. Estes eventos acabam se tornando mais uma obrigação que faz parte do tratamento, inclusive registrando a diária dos pacientes. A estratégia de definir obrigações e comportamentos esperados já apontada por Goffman continua existindo, o que implica também no processo de adaptação primária e no conseqüente status que o paciente possui dentro da instituição: os mais comportados e colaborativos são bem vistos pela equipe de profissionais, os que se ajustam menos

10 10 ao formato do tratamento são vistos como rebeldes. Os mecanismos de adaptação secundária por parte dos pacientes persistem, caracterizando-se por faltas, recusa ao tratamento e transgressão das normas. Há uma expectativa deveras ingênua de que eles sejam bem comportados, esquecendo-se que não raro apresentam atitudes desviantes e que pode ser justamente este um dos motivos de seu encaminhamento para tal serviço. O registro de diárias, seja no atendimento cotidiano, seja em festas e em atividades extras acaba sendo uma necessidade do serviço que passa a demandar a presença de pacientes para satisfazer critérios de seu próprio funcionamento institucional e mostrar quão adequado é este funcionamento para as instâncias encarregadas de sua vigilância os gestores. Neste contexto, onde o paciente é cobrado dentro de uma lógica de desempenho do CAPS, é pertinente perguntar: qual o alcance de uma proposta de cuidado voltada para um outro na qual este outro é parte da engrenagem que faz a máquina funcionar? Qual efetivamente é o papel deste outro, público alvo ou parte do processo? Para incrementar a implementação dos CAPS, o Ministério da Saúde instituiu um incentivo financeiro conforme definido na portaria nº 1455 de 31/07/2003 (MS, 2003), no valor de R$ ,00, R$ ,00 ou R$ ,00, dependendo do tipo de CAPS. A remuneração pela diária segue a portaria nº 189 de 20/ (MS, 2002) e seu valor, na grande maioria dos casos, está compreendido entre R$ 14,85 e R$ 18,10, com exceção de um grupo de pacientes (crianças e adolescentes em regime intensivo de tratamento comparecem no CAPS todos os dias) cujo valor sobe para R$ 25,40. A portaria 469, de 06/04/2001 (MS, 2001) permite uma comparação com a diária hospitalar, cujo menor valor pago é R$ 25,41, variando até R$ 30,30. Esta breve análise permite constatar que o CAPS representa uma economia aos cofres públicos. Mesmo o prêmio conferido uma vez representa apenas o montante referente a poucos pacientes. No caso dos R$ ,00, por exemplo, cobre a diária de 30 pacientes internados por 33 dias, que não serão mais internados justamente porque a intenção da abertura de CAPS é ser concomitante a desativação de leitos psiquiátricos. É fato conhecido por qualquer pessoa envolvida em saúde mental que os transtornos mentais, incluídos aí as dependências de substância são considerados condições crônicas de saúde, ou seja, não têm uma cura propriamente dita, apenas estabilização dos sintomas, implicando em um tratamento contínuo ao longo de toda a vida do paciente. Enquanto predomina um tratamento baseado na internação, a tendência é que ele se repita indefinidamente. Quando o quadro de um paciente perde sua estabilidade a internação é indicada, estabiliza os sintomas e tem alta, e assim sucessivamente. Esta dinâmica é mais pronunciada ainda nos casos de dependências químicas. As ações que visam reduzir gastos com o tratamento, consequentemente, trazem um grande impacto aos cofres públicos. A epidemiologia das doenças mentais mostra que o número de casos é

11 crescente (CURITIBA, 2002), logo a demanda pelos serviços vai ser maior a cada dia, demandando uma alternativa mais econômica de tratamento, como é justamente a situação do CAPS. 11 Conclusões As mudanças em formato que vem sofrendo o modelo de atenção à saúde mental mostramse disfarçadas de progressistas e humanistas, mas não são menos violentas do que outras práticas. O mecanismo de aggiornamento descrito por Castel revela sua validade a cada dia. Além disso há uma horrorização sobre as práticas cuja violência é mais explícita como o tratamento através de ECT (eltroconvulsoterapia) e espaços de confinamento e um aceite da violência simbólica, que disfarçada de saber técnico-científico se impõe sobre o indivíduo e a sociedade. Os mesmos mecanismos de controle, vigilância, premiação e castigo continuam a ser aplicados, apenas de forma mais sutil. A relação entre o louco e os serviços que lhe prestam cuidados continuam assimétricas. O modelo desospitalizado, vinculado ao Sistema Integrado de Serviços de Saúde, conseguiu criar novos vigiados, os próprios profissionais de saúde, cujo desempenho passa a ser monitorado e serve como moeda de troca para garantir o cumprimento das metas institucionais. O efeito disso é que os profissionais têm que aumentar o controle sobre os usuários do serviço, para assegurar que as metas que lhe são cobradas sejam atingidas. O presente texto é um exame preliminar sobre estas questões, pois vários aspectos além dos abordados aqui podem ser contemplados no funcionamento do novo sistema de cuidado à Saúde Mental. Uma abordagem para continuar este estudo seria fazer uma análise comparativa detalhada entre as obras de Foucault, Goffman e Castel e a realidade prática do CAPS. Duas questões teóricas emergem da leitura dos autores citados neste texto, demandando maior aprofundamento: primeiro, se as rupturas de discurso apontadas por Foucault estão correlacionadas à mudança dos agentes dominantes de um dado campo, conforme o pensamento de Bourdieu. Segundo, em que medida o poder simbólico e a microfísica do poder se complementam.

12 12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BOURDIEU, P. A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, A profissão de sociólogo. Preliminares epistemológicas. Petrópolis: Vozes, O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, Esboço de uma teoria da prática. Precedido de três estudos de etnologia cabila. Oeiras: Celta Editora, Razões Práticas. São Paulo: Papirus Editora, 2003 CASTEL, R. A ordem psiquiátrica: a idade de ouro do alienismo. Rio de Janeiro: Graal, CURITIBA. Saúde mental em Curitiba: protocolo integrado. Curitiba: Secretaria Municipal da Saúde, FOUCAULT, M. História da loucura. São Paulo: Perspectiva, 2002 Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 2003 GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 3 ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, LAPLANTINE, F. Aprender antropologia. São Paulo: Brasiliense, MALINOWSKI, B. Argonautas do pacífico ocidental, disponível em Durham, E. Malinowski. São Paulo: Ática, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria 469, de 06/04/2001. Brasília: Ministério da Saúde, Portaria 336 de 19/02/2002. Brasília: Ministério da Saúde, 2002a. Portaria 189 de 29/03/2002. Brasília: Ministério da Saúde, 2002b. Portaria 1455 de 31/07/2003. Brasília: Ministério da Saúde, Manual de Saúde Mental no SUS: Os Centros de Atenção Psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, CAPS por UF e tipo. Brasília: Ministério da Saúde, Disponível em portal.saúde.gov.br/portal/arquivos/pdf/caps_por_uf_e_tipo.pdf, acesso em 18/07/2009 PARANÁ. Lei de 9/11/95. Curitiba: Palácio do Governo, 1995.

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município?

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? 1) Como deve ser a rede de saúde mental no seu município? A rede de saúde mental pode ser constituída por vários dispositivos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 62 2011 Rede de Atenção Psicossocial Altera a portaria GM nº 1.169 de 07 de julho de 2005 que destina incentivo financeiro para municípios que desenvolvem Projetos de Inclusão Social pelo

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 Kenia S. Freire 2, Sabrina Corrêa Da Silva 3, Jaqueline Oliveira 4, Carolina B. Gross

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE?

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? Vinícius Ximenes M. da Rocha Médico Sanitarista Diretor de Desenvolvimento da Educação em Saúde SESu/MEC Dificuldades para Implementação

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Émile Durkheim demonstrou por meio de seus estudos a relação entre as manifestações de solidariedade existentes na sociedade

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, A Constituição Federal de 1988 reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais bem como estabelece seus direitos sociais. Dentre as inúmeras proteções conferidas aos povos indígenas

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL SOTARELLI, Álvaro F. GRANDI, Ana Lúcia de. Universidade Estadual do Norte do Paraná Resumo: O presente estudo trabalha

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ PARECER Nº 2488/2015 ASSUNTO: CONVÊNIO DETERMINA FIM DE INTERNAÇÃO DE PACIENTE PSIQUIÁTRICO SEM CONDIÇÕES DE ALTA PARECERISTA: CONS. DR. MARCO ANTONIO S. M. RIBEIRO BESSA EMENTA: Prazo de Internação de

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO:

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO: PARECER TÉCNICO ASSUNTO: Solicitação de parecer acerca de Técnico de Enfermagem lotado no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de transtorno mental acompanhar paciente internado em outra instituição,

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Daniela Riva Knauth Departamento de Medicina Social PPG Antropologia e Epidemiologia UFRGS Pesquisa qualitativa Crítica ao Positivismo Todo

Leia mais

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania Gestão Pública Profa. Márcia Velasques Ética e cidadania Seminário de políticas locais/regionais: as dimensões da ética, da cultura e dos serviços prestados ao público Tema: Ética e Cidadania Núcleo de

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência

Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência CER O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um sistema universal, público e gratuito de Saúde DADOS

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

Apresentando Émile Durkheim (pág 25)

Apresentando Émile Durkheim (pág 25) Apresentando Émile Durkheim (pág 25) Émile Durkheim nasceu em Épinal, França, em 1858, e morreu em Paris em novembro de 1917. Foi influenciado pelo positivismo de Auguste Comte, considerado o pai da Sociologia

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA LEMOS, Josiane (estágio I), e-mail: lemosjosi@hotmail.com SANTOS, Lourdes de Fátima dos (estágio I). e-mail: lurdesfsantos84@hotmail.com SCHEMIGUEL,

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS XXI ABEAD - RECIFE ROBERTA PAYÁ ROBERTAPAYA@HOTMAIL.COM TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA PARA O TRANSTORNO DO ABUSO DE SUBSTANCIAS Um Modelo Integrativo

Leia mais

Panorama da violência e abusos no cotidiano do portador de transtorno mental impacto da desospitalização-

Panorama da violência e abusos no cotidiano do portador de transtorno mental impacto da desospitalização- Panorama da violência e abusos no cotidiano do portador de transtorno mental impacto da desospitalização- Prof. Dr. William Dunningham FMB UFBA PRM Psiquiatria HJM/SESAB-SUS Dados sobre a Saúde Mental

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais