Atividades do grupo de Voice Browser do W3C

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atividades do grupo de Voice Browser do W3C"

Transcrição

1 Atividades do grupo de Voice Browser do W3C Departamento de Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense (UFF) Niterói - RJ Brasil Antonio Caminada, Randolpho Julião

2 Resumo Inicialmente apresentaremos uma visão geral do padrão Voice XML e suas principais aplicações. A seguir mostraremos as principais características e elementos da linguagem. Na continuação, falaremos da arquitetura para aplicações de voz corporativa. Por fim daremos uma visão geral das tendências do Voice XML apontadas pelo W3C.

3 Introdução ao Voice XML Linguagem padrão (aberta), fundamentada no XML para o desenvolvimento de aplicações baseadas em voz. Utiliza marcações (tags), cada qual com significado específico, e deve ser usado juntamente com softwares de sintetização e reconhecimento de voz. A primeira release para o público, Voice XML 0.9, foi feita em agosto de Atualmente está na versão 2.1.

4 Voice XML e Serviços de Voz Traz as vantagens de Internet para o telefone Criar aplicações interativas com tecnologia web que possam ser acessadas via telefone. Exemplos Informações de negócios, como help-desks corporativos que podem perguntar aos clientes o que eles desejam, informar chegadas e partidas de vôos, horários de cinemas, etc Acessar informações públicas como previsão do tempo, condições do tráfego, notícias locais, etc. Acessar informações pessoais, como agenda de compromissos, agenda de telefones, lista de compras, mensagens de voz, etc. Aplicativos utilizados em carros e eletrodomésticos, sem o uso do telefone.

5 Se os serviços oferecidos hoje na Internet puderem ser feitos pelo telefone com a mesma facilidade, este seria o canal mais fácil de comunicação. Não há necessidade de download de programas específicos e, com a difusão da telefonia móvel, estariam disponíveis em qualquer lugar. Nem todas as aplicações podem ser usadas com aplicações de voz. Grandes documentos, com múltiplas interfaces são difíceis de representar como voz. Por outro lado é mais fácil dizer o nome do restaurante que se procura do que digitá-lo.

6 Interactive Voice Response (IVR) Máquinas especialmente projetadas para abrigar serviços de voz. Software/hardware de processamento e reconhecimento de voz e um software para controlar o fluxo e a lógica da conversa. São programáveis (a lógica do diálogo pode ser alterada). Linguagem de scripts de alto nível (define o fluxo da ligação). API de baixo nível (para tarefas mais complicadas, como a consulta em um banco de dados, por exemplo).

7 O Voice XML é parte de um conjunto de tecnologias associadas à voz em desenvolvimento pelo W3C. Grammar XML (GRXML): linguagem para representar gramáticas. A gramática indica ao programa de reconhecimento de fala que palavras deve escutar e em que ordem elas devem aparecer. Speech Synthesis Markup Language (SSML): oferece um modelo indicando como o texto deve ser convertido em fala (tom de voz, inflexão, etc). Call Control XML (CCXML): linguagem para controlar o equipamento telefônico e de roteamento. Eventos XML: padrão para criar comportamentos associados a eventos.

8 Voice XML em Detalhe Nesta seção abordaremos alguns dos principais aspectos e elementos do Voice XML, como por exemplo: O uso de formulários, prompts de áudio e controle do fluxo do diálogo. Como o Voice XML interpreta os inputs do usuário. O uso de menus e varáveis.

9 Formulários Os diálogos são as principais formas de interatividade no Voice XML. Existem dois tipos de marcações para construção de diálogos: forms e menus. Para serem úteis, quase todas as outras marcações devem estar dentro de uma destas duas. Um formulário é composto de uma ou mais perguntas que a aplicação precisa fazer ao usuário. Idéia intuitiva.

10 <?xml version="1.0" encoding="iso "?> <vxml version="1.0"> <form id="customerquestionnaire"> <block> We would like to ask you several questions to find out if we can serve you better. </block> <field name="foodok"> <prompt> Would you rate the quality of the food at the restaurant as Excellent, Good, Fair, or Poor? </prompt> <grammar>excellent</grammar> <grammar>good</grammar> <grammar>fair</grammar> <grammar>poor</grammar> <filled>got it.</filled> </field> <field name="courteousservice" type="boolean"> <prompt> Were the employees who served you courteous? </prompt>

11 Um formulário pode conter várias marcações, como por exemplo: Field representa uma única pergunta num formulário. Especifica como o interpretador de Voice XML deve pedir informações ao usuário. Prompt especifica como fazer as perguntas: pode conter um texto que será convertido em fala ou indicar uma mensagem pré-gravada. Grammar no exemplo dado a variável foodok é preenchida com o valor "excellent" quando o usuário pronunciar a palavra. Isto é feito pelo elemento grammar, que mapea a resposta falada do usuário para uma string de texto.

12 Elementos de procedimentos Um documento Voice elementos tais como: XML pode conter Elementos condicionais como if, else, elseif. Elementos não condicionais de controle de fluxo como goto e submit. Elementos de procedimentos como script, log, disconnect e exit.

13 Prompts e Audio O elemento prompt emite uma mensagem de áudio pré-gravada ou uma fala produzida. Se um prompt for repetido porque a resposta do usuário não foi a esperada, um prompt alternativo pode ser usado, como por exemplo: <field name="getcreditcardtype"> <grammar src="validcreditcards.grxml"/> <prompt count="1"> What is your preferred credit card? </prompt> <prompt count="3"> Say either Visa, Master Card, American Express. </prompt> </field>

14 O elemento audio instrui ao interpretador de Voice XML para tocar uma resposta em um arquivo pré-gravado <prompt> Here is a text message. <audio src="goodbye.wav"> <emphasis>goodbye</emphasis> thank you for your preference. </audio> </prompt>

15 O elemento say-as indica como o texto deve ser pronunciado ao ser convertido em fala. Por exemplo, o texto com o elemento say-as currency seria pronunciado como ten dollars and twenty five cents. Existem outros elementos say-as: date, duration, measure, name, number, telephone e time, etc.

16 Formulários de Iniciativa Mista Muitos formulários se desenrolam da seguinte forma: o computador faz uma série de perguntas prédefinidas e o usuário fornece as respostas, uma após a outra. Nos formulários de iniciativa mista tanto o usuário quanto a aplicação podem dirigir a conversa.

17 Exemplo de formulário com estrutura rígida IVR : Would you rate the quality of the food at the restaurant as Excellent, Good, Fair, or Poor? Human : The service was so slow I never got my food! IVR : I'm sorry I don't understand. Would you rate the quality of the food at the restaurant as Excellent, Good, Fair, or Poor? Human : None of the above. IVR : I'm sorry I don't understand. Would you rate the quality of the food at the restaurant as Excellent, Good, Fair, or Poor? Isso poderia ser evitado se o interpretador pescasse as palavras slow ou service, que claramente se referem à pergunta feita.

18 Exemplo de formulário com estrutura flexível IVR : Would you rate the quality of the food at the restaurant as Excellent, Good, Fair, or Poor? Human : The service was so slow I never got my food! IVR : I assume that on a scale from zero to nine, you would rate the speed of service as zero. Were the employees who served you courteous? Human : Yes. IVR : I'm sorry you experienced problems at Jimmy's Pizza. Thank you for taking this survey. Ao captar as palavras-chave o interpretador muda o rumo do diálogo, não ficando preso naquele ponto.

19 Menus Um menu é como um formulário que tem apenas uma pergunta. Por exemplo, uma aplicação bancária poderia ter o seguinte menu: Would you like to: * Check your account balance, * Transfer funds, or * Speak with a customer service representative?

20 Parte do código para implementar o menu anterior é: <menu> <prompt> Please choose from the following options: <enumerate/> </prompt> <choice dtmf="1" next="#checkbalance"> Check account balance </choice> <choice dtmf="2" next="#transferfunds"> Transfer funds </choice>

21 O elemento choice serve para especificar uma opção do menu e deve conter: Uma descrição da escolha que deve ser lida para o usuário. A frase que se espera que o usuário responda. O que fazer quando o usuário responde.

22 Gramáticas Gramáticas são as regras que definem quais respostas do usuário são aceitáveis. Aceitam como input a resposta falada do usuário e retornam uma string de texto correspondente. <rule id="accounttype"> <one-of> <item>savings</item> <item>checking</item> <item>money market</item> </one-of> </rule> Se o usuário informar um tipo de conta diferente dos três fornecidos pela regra, um evento será chamado para tratar a exceção.

23 Comparação entre VoiceXML e HTML

24 Aplicações VoiceXML Dinâmicas 1. O Browser de voz carrega os scripts VoiceXML, os formatos de gramáticas e os arquivos de áudio de um servidor WEB ou de um Servidor de Aplicações para o Servidor de voz. 2. O Browser de Voz apresenta um menu de opções (prompt) através da execução de áudios pré-gravados ou síntese de voz (TTS). 3. O usuário faz uma chamada de qualquer telefone através da rede pública de telefone (PSTN) 4. O usuário responde falando ou pressionando as teclas num telefone de tom. A fala do usuário e/ou os tons digitados são transferidos através da conexão telefônica (PSTN) e o servidor de voz processa esses dados através do ASR. Os dados ficam então disponíveis para o Browser de Voz 5. O Browser de Voz acessa aplicações através de requisições HTTP sobre TCP/IP podendo ser Intranets ou Internet usando as opções ou comandos do usuário processados pelo ASR como parâmetros, por exemplo. 6. As aplicações retornam conteúdo, informações ou dados que construirão dinamicamente trechos de páginas VoiceXML ou páginas completas VoiceXML a partir dos dados ou conteúdo retornado. 7. O Browser de Voz retorna as informações solicitadas renderizando a página VoiceXML construída dinamicamente através da execução de áudios prégravados ou síntese de voz (TTS). Novas gramáticas também podem ter sido carregadas dinamicamente para continuar e conduzir a interação. 8. O usuário finaliza ou continua a interação.

25 Arquitetura de aplicação VoiceXML escalável e Distribuída Módulos que compõe uma aplicação ou serviço baseado em voz usando as tecnologias de VoiceBrowser e VoiceXML : O interpretador VoiceXML. O servidor ASR. O Servidor TTS. O Processador de controle de chamadas. O Servidor de Aplicação. O Banco de Dados.

26 Arquitetura de aplicação VoiceXML de Alta Disponibilidade Algumas características dos Segmentos ou camadas na plataforma VoiceCenter IVR: Redundância de componentes 1 + N e também são Constituídos de múltiplos blocos e clusters de componentes Implementação 100% baseada em IP Disponibilidade (anunciada) de %

27 As Tendências do VoiceXML apontadas pelo W3C Os principais eventos que estão ocorrendo no grupo do W3C chamado Voice Browser Working Group podem ser sintetizados da seguinte forma : Três das linguagens atingiram o status de Full Recomendations do W3C: VoiceXML 2.0, Speech Synthesis Markup Language (SSML) e Speech Recognition Grammar Specification (SRGS). Outras Linguagens estão avançando para se tornarem recomendações completas do W3C (Full Recomendations): VoiceXML 2.1 Coleção de 8 novos recursos que agregarão no VoiceXML 2.0. As aplicações 2.0 continuam funcionando sem nenhuma alteração: Candidate Recommendation, Fevereiro Recommendation, Junho 2005 Semantic Interpretation Linguagem similar ao JavaScript usado para extrair e transformar palavras do mecanismo (engine) de reconhecimento de fala em conceitos semânticos. Candidate Recommendation, Março Recommendation, Dezembro 2005 CCXML Linguagem baseada em eventos usada para administrar conexões telefônicas e roteamento de chamadas. Candidate Recommendation, Abril Recommendation, Dezembro 2005 Pronunciation Lexicon Specification (PLS) Linguagem para especificar como as palavras são pronunciadas. 1st Working Draft, Março 2005 Last Call Working Draft, Julho 2005 Candidate Recommendation, Dezembro Recommendation, Abril 2006 VoiceXML 3.0 Uma nova linguagem de diálogo que conterá vários novos recursos e extensões ao VoiceXML 2.0/VoiceXML st Working Draft, June 2005 Last Call Working Draft, March 2006 Candidate Recommendation, December Recommendation, June 2007

28 Relacionamento entre IVR Tradicional e a Camada VoiceXML

29 Geração de VoiceXML e outros documentos em linguagens de Markup

30 Aplicação Tracking de Pacotes (Encomendas)

31 Códigos para obter número de Tracking e acesso ao B.D de informações dos Pacotes <?xml version="1.0" encoding="iso "?> <vxml version="2.0"> <form id="welcome"> <block> <prompt> Welcome to the telephone package tracking system. </prompt> <goto next="#collecttrackingno"/> </block> </form> <form id="collecttrackingno"> <field name="trackingno" type="digits"> <prompt> Please tell me the 10 digittracking number of your package. </prompt> </field> <filled> <prompt> Please wait while I'm checking this package's status. </prompt> <submit next="trackinginforeporter.jsp" namelist="trackingno"/> </filled> </form> </vxml> <% // Get tracking number from HTTP post //data: String trackingno =request.getparameter("trackingno"); // // Make JDBC Connection. Perform Query // Class.forName("org.gjt.mm.mysql.Driver").ne winstance(); java.sql.connection conn; String connurl = "jdbc:mysql://localhost.localdomain/shippin g_events"; String user = "voicesystem"; String pw = "secret234password"; conn = DriverManager.getConnection(connurl,user,pw ); Statement stmt = conn.createstatement(); ResultSet res; res = stmt.executequery("select * FROM event_log " + "where package_id='" + trackingno + "' order by event_id"); res.last(); int nrows = res.getrow(); %>

Atividades do grupo Voice Browser do W3C

Atividades do grupo Voice Browser do W3C Atividades do grupo Voice Browser do W3C Antonio Caminada 1, Randolpho Julião 1 1 Departamento de Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense (UFF) Niterói - RJ Brasil antonio@dyn.com.br,

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Lista de Revisão. 3. Analise a afirmativa a seguir como verdadeira ou falsa e justifique.

Lista de Revisão. 3. Analise a afirmativa a seguir como verdadeira ou falsa e justifique. Lista de Revisão 1. Nos sistemas web, geralmente os usuários apresentam dois problemas típicos, a desorientação e a sobrecarga cognitiva. Discorra sobre esses problemas. 2. Apresente as principais diferenças

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Tecnologias Web. Lista de Exercícios AV02 Turma 3003. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Tecnologias Web. Lista de Exercícios AV02 Turma 3003. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Turma 3003 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 Um analista de sistemas deseja enviar para seu cliente um arquivo de 300 Mb referente a uma atualização do software. Para transferir

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

MultiSERV Plataforma de prestação de serviços de valor acrescentado

MultiSERV Plataforma de prestação de serviços de valor acrescentado MultiSERV Plataforma de prestação de serviços de valor acrescentado Nelson Escravana INOV - Inesc Inovação Rua Alves Redol,, 9 1000-029 029 Lisboa Portugal Tel.: +351. 213 100 450 Fax: +351. 213 100 499

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE RASTREAMENTO VEICULAR BASEADO NO MÓDULO TELIT LEANDRO BESZCZYNSKI ORIENTADOR: MIGUEL ALEXANDRE WISINTAINER ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Introdução; Objetivos do trabalho; GPS; Módulo

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Manual de Instalação EDIÇÃO 1.0

Manual de Instalação EDIÇÃO 1.0 Editor Rápido ipldk Manual de Instalação EDIÇÃO 1.0 HISTÓRICO DE REVISÃO Edição Data Descrição das Alterações Versão S/W Versão MPB Edição 1 Out/2006 Lançamento Inicial C.7Aa ~ C.7Aa - i - Conteúdo 1.

Leia mais

Acesso a Bancos de Dados em Java (JDBC)

Acesso a Bancos de Dados em Java (JDBC) Acesso a Bancos de Dados em Java (JDBC) Jomi Fred Hübner Universidade Regional de Blumenau Departamento de Sistemas e Computação Roteiro Introdução Objetivo da JDBC Vantagens Visão geral do acesso a SGBDs

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

Criando um script simples

Criando um script simples Criando um script simples As ferramentas de script Diferente de muitas linguagens de programação, você não precisará de quaisquer softwares especiais para criar scripts de JavaScript. A primeira coisa

Leia mais

Tecnologias aplicadas em Call Center. José Henrique Guedes VOICE Technology guedes@voicetechnology.com.br

Tecnologias aplicadas em Call Center. José Henrique Guedes VOICE Technology guedes@voicetechnology.com.br Tecnologias aplicadas em Call Center José Henrique Guedes VOICE Technology guedes@voicetechnology.com.br Agenda Visão Geral Switch / PABX Gerenciador Call Center Anunciador digital URA / IVR Gravador digital

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA. Text PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA. Text PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt Text GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Protocolos de Aplicação Mecanismos de comunicação

Leia mais

O Contato com seus clientes é personalizado? Ferramenta de envio de mensagens pré-gravadas!

O Contato com seus clientes é personalizado? Ferramenta de envio de mensagens pré-gravadas! O Contato com seus clientes é personalizado? Ferramenta de envio de mensagens pré-gravadas! A Talktelecom Líder na América Latina em telefonia computadorizada Compete no mercado desde 1992 com soluções

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Manual de configuração do OpenPhone para o uso no serviço fone@rnp

Manual de configuração do OpenPhone para o uso no serviço fone@rnp Manual de configuração do OpenPhone para o uso no serviço fone@rnp Autor: Marcelo Arza Lobo da Costa Índice Índice... 2 1. Introdução... 3 2.... 4 3. Fazendo uma ligação com o OpenPhone... 7 4. Atendendo

Leia mais

Tecnologias para apresentação de dados - Java Script. Aécio Costa

Tecnologias para apresentação de dados - Java Script. Aécio Costa Tecnologias para apresentação de dados - Java Script Aécio Costa Foi originalmente implementada como parte dos navegadores web para que scripts pudessem ser executados do lado do cliente e interagissem

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

efagundes com Como funciona a Internet

efagundes com Como funciona a Internet Como funciona a Internet Eduardo Mayer Fagundes 1 Introdução à Internet A Internet é uma rede de computadores mundial que adota um padrão aberto de comunicação, com acesso ilimitado de pessoas, empresas

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Capítulo 4. Programação em ASP

Capítulo 4. Programação em ASP Índice: CAPÍTULO 4. PROGRAMAÇÃO EM ASP...2 4.1 REGISTRAR...2 4.1.1 Códigos para configuração do objeto...2 4.1.2 Formulário para transferir dados da impressão digital...3 4.1.3 Código Javascript para registro

Leia mais

Descrição das actividades

Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Em Acção Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos Guião D 1.º MOMENTO Intervenientes

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO - VERSÃO DE 29/04/2006 15:00.

DESCRIÇÃO DO TRABALHO - VERSÃO DE 29/04/2006 15:00. DESCRIÇÃO DO TRABALHO - VERSÃO DE 29/04/2006 15:00. Descrição Geral do trabalho. O objetivo do trabalho será o desenvolvimento de um programa Cliente/Servidor para o envio e recebimento de arquivos. Os

Leia mais

Capítulo 25. Gerenciamento de Configuração. Engenharia de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D.

Capítulo 25. Gerenciamento de Configuração. Engenharia de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D. Capítulo 25 Gerenciamento de Configuração slide 624 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Tópicos abordados Gerenciamento de mudanças Gerenciamento de versões Construção de sistemas

Leia mais

SPSS Statistical Package for the Social Sciences Composto por dois ambientes:

SPSS Statistical Package for the Social Sciences Composto por dois ambientes: Introdução ao SPSS Essa serie de aulas sobre SPSS foi projetada para introduzir usuários iniciantes ao ambiente de trabalho do SPSS 15, e também para reavivar a memória de usuários intermediários e avançados

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores LAMP Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br Acrônico para a combinação de Linux, Apache, MySQL e PHP ou Perl ou Python; Recentemente a letra P começou a fazer referência a Perl

Leia mais

www.coldfusionbrasil.com.br

www.coldfusionbrasil.com.br www.coldfusionbrasil.com.br 2000 1 O que é Cold Fusion? 3 Arquitetura Cold Fusion 3 Cold Fusion Markup Language (CFML) 4 O que devo saber para programar em CFML? 4 HTML 4 Desenho de Banco de Dados Relacionais

Leia mais

Mobile Command. Diego Armando Gusava. Orientador: Mauro Marcelo Mattos

Mobile Command. Diego Armando Gusava. Orientador: Mauro Marcelo Mattos Mobile Command Diego Armando Gusava Orientador: Mauro Marcelo Mattos Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Implementação Conclusão Extensões Introdução O que me motivou? Solução

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

Programação WEB (JSP + Banco Dados) Eng. Computação Prof. Rodrigo Rocha http://www.materialdeaula.com.br

Programação WEB (JSP + Banco Dados) Eng. Computação Prof. Rodrigo Rocha http://www.materialdeaula.com.br Programação WEB (JSP + Banco Dados) Eng. Computação Prof. Rodrigo Rocha http://www.materialdeaula.com.br JSP (Java Server Pages) - JavaServer Pages (JSP) - Tecnologia de programação serverside - Permite

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais

FAÇA FÁCIL: DRIVER IGS PARA COMUNICAÇÃO DE PROTOCOLOS PROPRIETÁRIOS INTRODUÇÃO

FAÇA FÁCIL: DRIVER IGS PARA COMUNICAÇÃO DE PROTOCOLOS PROPRIETÁRIOS INTRODUÇÃO FAÇA FÁCIL: DRIVER IGS PARA COMUNICAÇÃO DE PROTOCOLOS PROPRIETÁRIOS INTRODUÇÃO O Driver IGS possui um módulo de configuração que possibilita a comunicação com protocolos proprietários. Trata-se do Driver

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

Introdução ao Javascript

Introdução ao Javascript Programação WEB I Introdução ao Javascript Apresentação da Disciplina,Introdução a linguagem Javascript Objetivos da Disciplina Apresentar os principais conceitos da linguagem Javascript referente à programação

Leia mais

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Servidor de E-mails e Protocolo SMTP Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Definições Servidor de Mensagens Um servidor de

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Scriptlets e Formulários

Scriptlets e Formulários 2 Scriptlets e Formulários Prof. Autor: Daniel Morais dos Reis e-tec Brasil Programação Avançada Para Web Página1 Meta Permitir ao aluno aprender a criar um novo projeto Java para web no Netbeans IDE,

Leia mais

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Conteúdo Arquitetura de Aplicações Distribuídas na Web Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.2/tcc-00.226

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

(UFF) JDBC (I) TEPIS II

(UFF) JDBC (I) TEPIS II Aula 20: JDBC (I) Diego Passos Universidade Federal Fluminense Técnicas de Projeto e Implementação de Sistemas II Diego Passos (UFF) JDBC (I) TEPIS II 1 / 33 JDBC: Introdução Especificação que provê acesso

Leia mais

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2.

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2. TeamSpeak PORTUGUES ENGLISH Tutorial de registo num servidor de TeamSpeak Registration tutorial for a TeamSpeak server Feito por [WB ].::B*A*C*O::. membro de [WB ] War*Brothers - Non Dvcor Dvco Made by:

Leia mais

Comunicação entre Processos

Comunicação entre Processos Comunicação entre Processos Comunicação entre Processos - Sistemas Operacionais fornecem mecanismos para comunicação entre processos (IPC), tal como filas de mensagens, semáfaros e memória compartilhada.

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA - PODCAST ÁREA CÓDIGOS E LINGUAGENS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA - PODCAST ÁREA CÓDIGOS E LINGUAGENS Título do Podcast Área Segmento Duração Informações pessoais em inglês Códigos e Linguagens Ensino Fundamental 5min47seg SEQUÊNCIA DIDÁTICA - PODCAST ÁREA CÓDIGOS E LINGUAGENS Habilidades: Ensino Fundamental:

Leia mais

Integrantes: Catarino Rodrigues Data: 26/10/2012. Leandro de Matos Pereira. Leandro dos Santos Marciano. Ramon Alves de Souza

Integrantes: Catarino Rodrigues Data: 26/10/2012. Leandro de Matos Pereira. Leandro dos Santos Marciano. Ramon Alves de Souza Integrantes: Catarino Rodrigues Data: 26/10/2012 Leandro de Matos Pereira Leandro dos Santos Marciano Ramon Alves de Souza Disciplina: Banco de Dados para Internet Tema do Trabalho: Tecnologias para acesso

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais. Sistemas Operacionais. Aula 23. Sistemas Operacionais Distribuídos

Universidade Federal de Minas Gerais. Sistemas Operacionais. Aula 23. Sistemas Operacionais Distribuídos Aula 23 Distribuídos SOs de Rede Em sistemas operacionais de rede você sabe quando é local e quando é remoto. Assim, o trabalho não muda, com exceção de comandos para acesso remoto: - telnet - ftp - etc.

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ Agenda Caché Server Pages Uma Aplicação Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Salgado Mestrado Profissional 2 SGBD de alto desempenho e escalabilidade Servidor de dados multidimensional Arquitetura

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Aula 1 Desenvolvimento Web Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Plano de Aula Ementa Avaliação Ementa Noções sobre Internet. HTML

Leia mais

Linux - Servidor de Redes

Linux - Servidor de Redes Linux - Servidor de Redes Servidor Web Apache Prof. Roberto Amaral WWW Breve histórico Início 1989 CERN (Centro Europeu de Pesquisas Nucleares) precisava de um meio de viabilizar o trabalho cooperativo

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Introdução ao Javascript. Parte 2 Prof. Victor Hugo Lopes

Introdução ao Javascript. Parte 2 Prof. Victor Hugo Lopes Introdução ao Javascript Parte 2 Prof. Victor Hugo Lopes agenda Estruturas de comandos Modularização A primeira estrutura de comando da linguagem é baseada na noção da estrutura sequencial, no estilo top-down:

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática,QWURGXomRj,QWHUQHW Flaviano Aguiar Liziane Santos Soares Jugurta Lisboa Filho (Orientador) PROJETO UNESC@LA Novembro de 2000 CONTEÚDO 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. Conteúdo do Curso. 40% de aula teórica 60% de aula prática. O que veremos neste semestre?

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. Conteúdo do Curso. 40% de aula teórica 60% de aula prática. O que veremos neste semestre? Curso de PHP FATEC - Jundiaí Conteúdo do Curso 40% de aula teórica 60% de aula prática O que veremos neste semestre? Linguagem PHP Banco de Dados - PostgreSQL PHP - Introdução ao PHP - Estrutura de um

Leia mais

Tecnologias Web. Lista de Exercícios AV02. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Tecnologias Web. Lista de Exercícios AV02. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 Um analista de sistemas deseja enviar para seu cliente um arquivo de 300 Mb referente a uma atualização do software. Para transferir esse

Leia mais

Teste e Depuração de Sistemas Web. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br)

Teste e Depuração de Sistemas Web. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Teste e Depuração de Sistemas Web Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Testando Aplicações Web Ê É bem mais complicado testar interfaces Web do que classes de objetos Ê Aplicações WEB não

Leia mais

INTRODUÇÃO. No entanto, o que pode ser considerado um produto (resultado) da criação de BDs?

INTRODUÇÃO. No entanto, o que pode ser considerado um produto (resultado) da criação de BDs? BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Um Banco

Leia mais

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância 1 Introdução Bruno Astuto Arouche Nunes Sergio Barbosa Villas-Boas 1 Henrique Falleiros Tendo em vista que o processo de ensino, nos dias de hoje,

Leia mais

Programação para Web Artefato 01. AT5 Conceitos da Internet

Programação para Web Artefato 01. AT5 Conceitos da Internet Programação para Web Artefato 01 AT5 Conceitos da Internet Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 24/10/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Instrutor Hélio Engholm Jr Livros publicados

Leia mais

Lista de Exercício: PARTE 1

Lista de Exercício: PARTE 1 Lista de Exercício: PARTE 1 1. Questão (Cód.:10750) (sem.:2a) de 0,50 O protocolo da camada de aplicação, responsável pelo recebimento de mensagens eletrônicas é: ( ) IP ( ) TCP ( ) POP Cadastrada por:

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

TECNOLOGIAS WEB AULA 2 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD

TECNOLOGIAS WEB AULA 2 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD TECNOLOGIAS WEB AULA 2 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD Objetivos: Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet. Compreender os conceitos básicos de protocolo. Conhecer mais a respeito

Leia mais

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Modelos de Arquiteturas Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Arquitetura de Sistemas Distribuídos Clientes e Servidores Peer-to-Peer Variações Vários Servidores Proxy Código Móvel

Leia mais

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Toshi-ichi Tachibana Departamento de Engenharia Naval e Oceânica, Escola Politécnica da Universidade São Paulo

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala Programação para a Internet Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala A plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068) Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Manual de Configuração

Manual de Configuração Manual de Configuração Linksys SPA 2102 Versão 1.4 Guia de instalação do Linksys SPA 2102 O Linksys SPA 2102 possui: 01 Entrada de alimentação DC 5V (100-240V~) 01 Porta Ethernet (LAN) conector RJ 45 01

Leia mais

Programação de Servidores CST Redes de Computadores. Marx Gomes Van der Linden

Programação de Servidores CST Redes de Computadores. Marx Gomes Van der Linden Programação de Servidores CST Redes de Computadores Marx Gomes Van der Linden Programação de Servidores Aplicações cliente/servidor para web. Fundamentos de HTML+CSS. Linguagem de programação de servidor:

Leia mais

Vox. Mensagens de Voz

Vox. Mensagens de Voz Vox Mensagens de Voz Interface WEB Capacidade Geração de Áudios Flexibilidade Diferencial Programação intuitiva em site com resultados disponíveis na tela ou em arquivos. Simples e rápidos Alta capacidade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais