As classes subalternas de Londres no século XIX: Miseráveis, operários, criminosos e

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As classes subalternas de Londres no século XIX: Miseráveis, operários, criminosos e"

Transcrição

1 prostitutas. As classes subalternas de Londres no século XIX: Miseráveis, operários, criminosos e Fernanda Epaminondas Soares O pioneirismo inglês em fazer sua Revolução Industrial em meados do século XVIII, trouxe mudanças drásticas sob o ponto de vista tecnológico, voltados para o processo de produção industrial. Tais modificações, impactaram a economia e a sociedade ao longo do século XIX. Desse modo, o trabalho manual foi substituído pela máquina embora fosse necessário a mão humana para operá-la o que trouxe novas relações entre trabalhador, capital e trabalho. Com isso, o capitalismo tornou-se o sistema econômico dominante, no qual o liberalismo, a acumulação de capital e o desenvolvimento tecnológico, foram fatores fundamentais para que ele se consolidasse. Assim, o maquinário representou uma nova relação econômica entre os homens e um novo sistema de produção, que gerou um novo ritmo de vida e sociedade num novo momento histórico. Além disso, enquanto a maquinaria diminuía a força do homem, o capital ganhava sobre o trabalho e criava uma nova forma de servidão. Logo, as máquinas e a divisão do trabalho fizeram diminuir a força e a inteligência que são necessárias às massas, e a concorrência, fez diminuir seus salários à subsistência. Ainda sobre isso, quando havia crises de mercados saturados, os salários diminuíam ainda mais, fazendo com que as massas de miseráveis, ficassem a mercê de todo o tipo de privação. Vale lembrar, que as fábricas inspiravam uma visão do trabalhador desumanizada e diminuída à condição de peça antes que ele seja totalmente substituído pela máquina. A fábrica era uma forma nova de trabalho, na qual tinha sua especificidade junto a uma peça especializada. Ambos ligados pelo ritmo desumano e disciplinador da indústria. A industrialização, portanto, gerou trabalhadores sub-remunerados e criou os exércitos de famintos e tuberculosos chegando até a sensibilizar a classe média tão insensível naquele período. Os trabalhadores perdiam a sua independência e por isso, contratava-se, de preferência, mulheres e crianças que acreditavam ser mais dóceis. Em 1838, apenas 23% dos trabalhadores das fábricas de tecidos eram homens adultos. Também com a Revolução Industrial, cresceram as obras de urbanização, o que fez eregir e nascer novas grandes cidades, pois à medida em que novas oportunidades de emprego nos centros urbanos ascendiam, aumentava-se também o contingente de migrantes provenientes do campo, instalando-se em áreas urbanas. Do mesmo modo, os avanços tecnológicos também tiveram papel fundamental no desenvolvimento das cidades, pois permitiram a criação das grandes fábricas e de ferrovias que

2 geravam emprego e atraíam uma grande quantidade de pessoas do campo para as cidades, nas quais as fábricas estavam localizadas. Londres, desde o início do século XIX, se fez uma megalópole. Desenvolveu o setor de transportes e aumentou o espaço público com os grandes subúrbios-dormitórios. A população triplicou e a cidade não planejada, fez com que se acumulasse um grande número de obras públicas nos anos de Portanto, a industrialização das cidades gerou mudanças drásticas na vida urbana, visto que os produtos que anteriormente, os artesãos levavam muito tempo para produzir, agora eram produzidos em tempo proporcionalmente menor nas fábricas, em grande quantidade e à preços mais baixos. Com isso, os artesãos passaram a sofrer dificuldades em encontrar e manter clientes dispostos a comprar seus produtos, já que esses, passaram a ser produzidos por preços menores nas fábricas. Por isso, muitos dos artesãos e dos trabalhadores que tinham negócio próprio, desistiram de seus ofícios e ficaram desempregados. Muitos deles se viram forçados a incorporar o sistema fabril a favor da sua subsistência. Outro ponto importante, é que a população das cidades industrializadas cresceu em demasiado. Antes pelo fato de que as taxas altas de crescimento populacional da época já eram aceleradas e, pelo novo fato de que se atingiu um forte êxodo rural, no qual um crescente número de agricultores passaram a sair dos campos procurando melhores condições de vida nas cidades. Mais um ponto que vale ser destacado, é a instabilidade do mercado de trabalho que aumentava a extrema exploração do trabalhador, fazendo com que esse, passasse a morar próximo de seu local de trabalho, ou seja, das fábricas. Nessas áreas, a superpopulação convivia com as péssimas condições de higiene das casas e com as más condições de moradia, tidas como constantes dos bairros operários londrinos. O rápido crescimento populacional gerava problemas urbanos como a pobreza, a poluição, a desorganização e além disso, com a grande quantidade de mão-de-obra para trabalhar nas fábricas, começa-se a explorar mais o trabalhador com as altas jornadas de trabalho; com as péssimas condições do mesmo; a ausência de direitos trabalhistas, dentre outros fatores. Com a entrada das máquinas, criou-se um mal-estar entre os trabalhadores, já que o ritmo do trabalho agora era imposto por ela. Além do desemprego que ela oferecia, pois era crescente a substituição do homem pela máquina, o alto crescimento populacional e tecnológico urbano, provocou revoltas, o que veremos com mais atento no decorrer desse artigo. Logo, a capital vive um momento de riqueza que contrasta com a miséria. Londres reúne todos os vícios, do jogo à prostituição e à droga. Assim, com a riqueza e as tentações dessa sociedade de consumo, a delinquência e o crime são atraídos. Esses por serem numerosos e

3 terríveis, fazem com que seja acionada a polícia metropolitana. No século XIX, um grande dos grandes personagens, é o cotidiano das ruas. A questão do tempo útil, único capaz de gerar riqueza, colocava o trabalho como o responsável pela constituição da sociedade, onde o homem é colocado no tempo útil de seu patrão. Além disso, a multidão é vista como sinônimo de promiscuidade e violência, causando medo e insegurança. Portanto, a multidão passa a ser considerada tanto como causa do progresso, como também causa da degradação do ser humano, pois as ruelas e casas miseráveis se cruzavam com as largas ruas compostas de casarões, misturando opulência com a pobreza. Nas ruelas, havia crianças doentes, mulheres famintas, pessoas que viviam imundas e em más condições de moradia, causada pela superpopulação dos bairros pobres. Por isso, a aglomeração foi vista como questão social e, ideias sanitaristas ganharam força nesse período, pois entendia-se que limpando a cidade, o desenvolvimento poderia se estabelecer. Vale ressaltar também, que os bairros reservados aos trabalhadores, eram tidos em situações precárias nos quais a saúde e a alimentação eram inexistentes. O que agravava esse quadro, era o aumento populacional desenfreado desses bairros. Em Inglaterra, o pobre era visto como questão de ordem moral e, os vagabundos por não estarem trabalhando, eram vistos como uma classe inferior ao pobre, pois estavam quebrando com o ideal de civilização. Por isso, a necessidade de enquadrá-los na ordem social, ou então, eliminá-los em favor do progresso. Os vadios também são necessários à medida em que geravam para a burguesia, o ideal de caridade. Os bairros operários se agigantavam, tornando quase cidades dentro da cidade principal, onde a degradação se misturava entre trabalhadores, bêbados e criminosos. Os trabalhadores pobres e famintos, eram vistos como bárbaros e por isso, deviam ser mantidos em seus guetos. No sul de Londres, os guarda-civis chegam a formar grupos grandes para defender o público contra os ladrões profissionais que infestavam a capital.

4 "E os pobres! Espetáculo cujo horror o nevoeiro e a lama de Londres, por mais espessos, não conseguem ocultar! O que diríamos, sob o sol da França, em Paris, se subitamente, em pleno bulevar, víssemos passar esses miseráveis: piolhos da sargeta, aranhas dos muros, sapos dos pântanos! (No corpo do pobre de Londres) a roupa parece uma pele que se descama, uma lepra que cai. É esfarrapada, como se os ratos devorassem o homem que a veste, como se tivesse recebido golpes de forcado. E há nos rostos uma tal exprtessão de fadiga e terror! Em Londres, essa miséria passeia pelas ruas, sem que ninguém se detenha, com espanto ou piedade." (Jules Vallés exilado francês sobre a cidade de Londres. In: CHARLOT, Monica. "O spleen dos exilados franceses" (p.41-42) In: Charlot, Monica & Marx, Roland (org.). Londres, : a Era Vitoriana ou o Triunfo das Desigualdades. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1993.) Londres também era vista pelos estrangeiros com impressões de horror e admiração. Um deles colocou que nos bairros pobres, encontra-se famílias inteiras que dormem no lixo durante meses, e que para eles, um refúgio para essas más condições era cair na embriaguez, o que era verdade. "Os únicos sons de voz humana que atravessavam o nevoeiro de Londres saem dos peitos queimados pelo veneno das 'public-houses' 1. Essa gente só fala alto na rua quando está bêbada." (Jules Vallés exilado francês sobre a cidade de Londres. In: CHARLOT, Monica. "O spleen dos exilados franceses". (p.41) In: Charlot, Monica & Marx, Roland (org.). Londres, : a Era Vitoriana ou o Triunfo das Desigualdades. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1993.) Nos bairros pobres, o mau cheiro era tamanho que Londres foi tida como a cidade mais fétida da Europa. Havia detritos produzidos por pessoas aglutinadas em lugares insalubres, nos quais era impraticável viver, fazer comida ou lavar roupa. Além disso, as atividades da vida privada, eram realizadas na rua, como as atividades ligadas às necessidades fisiológicas. As doenças demonstravam a presença de cadáveres em decomposição, mortos por crimes ou mesmo suicidas. As águas eram negras, nas quais os esgotos eram despejados, fazendo 1 As "public-houses, também conhecidas como "pubs", são estabelecimentos fechados, com acomodações, licenciados para servir bebidas alcoólicas, originalmente em países e regiões de influência britânica.

5 com que se criasse um ambiente propício à doenças contagiosas, como a cólera, varíola e escarlatina, além de doenças epidêmicas, como o tifo. Os bairros nobres em 1860, também eram sujos mas não como os bairros miseráveis e muito barulhentos. A maioria das ruas dos bairros nobres, aglomeravam veículos com rodas de ferro que faziam um barulho ensurdecedor. Já, nos bairros pobres, vendia-se alimentos e bebidas aos gritos, o que contribuía para o barulho e a poluição sonora. Na capital, o espírito do progresso é dominante e, consequentemente, a sede por todas as inovações técnicas. Uma herança disso, a miséria, ficou sendo associada ao vício, à preguiça e aos excessos e que portanto, criou-se repulsa ao vício e à abordagem de assuntos tabu, como o sexo e o valor da família na era vitoriana. Nesse momento, nunca as prostitutas foram tão diversificadas, indo da mulher das ruas à mais sedutora das mundanas. Londres era a capital da prostituição, tida como uma praga, pois era lá onde todas as ferrovias chegavam, levando muitos soldados e marinheiros, atraindo as prostitutas de todo o país. A prostituição não era ilegal, porém uma lei em 1839, previa o afastamento da prostituição dos bairros nobres, mas as empurrava para outros locais. Além disso, muitas esposas que não trabalhavam e mulheres solteiras que não encontram emprego regular, viam na prostituição uma saída, ou seja, era um problema tipicamente urbano. "É terrível dizer! Aqui, é o vício que consola a miséria; e o Wapping com suas prostitutas é menos lamentável de se ver do que os bairros onde ficam apenas os pobres e não os depravados; onde só estão famílias constituídas, esposos associados para o atroz sofrimento!" (Jules Vallés exilado francês sobre a cidade de Londres. In: CHARLOT, Monica. "O spleen dos exilados franceses" (p.42) In: Charlot, Monica & Marx, Roland (org.). Londres, : a Era Vitoriana ou o Triunfo das Desigualdades. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1993.) As prostitutas podiam ser reconhecidas por usar muito rouge e pó no rosto. Além de usarem roupas muito próximas à moda, mesmo que produzidas com tecidos de má qualidade. As barras dos vestidos sempre estavam sujas e, também usavam chapeus de plumas espalhafatosas. Os habitantes londrinos cientes disso, aconselhavam primas e familiares a usarem chapeus simples. Já em relação às prostitutas dos

6 bairros pobres, eram tidas apenas como mulheres fáceis, que muitas vezes adquiriam doenças venéreas. Nesse sentido, as estatísticas médicas, colocam que em 1864, 1/3 das doenças do exército eram de cunho venéreo. Por isso, em algumas cidades, houveram leis que obrigaram as prostitutas a fazerem exames médicos. No entanto, o médico responsável pela saúde em Londres, colocou tais leis como não aplicáveis lá. Já que colocava a responsabilidade das doenças apenas nas mulheres, uma vez que, apenas elas eram submetidas aos exames obrigatórios. Nesse período, outro destaque é a figura do detetive como fundamental. Uma vez que se vivia num ambiente de crimes como nunca se vira antes. Portanto, nota-se que a segurança oferecida pela polícia oficial era precária. Os policiais recebiam pouco e a vigilância regular se fazia melhor nos bairros nobres, enquanto os bairros populares era o refúgio dos criminosos. O crescimento da criminalidade foi percebida pelo do crescimento do número de policiais e pelo o aumento de assassinatos e outros crimes, como assaltos e roubos feitos por batedores de carteiras. "Ainda não estou há oito dias na Inglaterra e já fui apresentado ao tribunal como queixoso. Fui roubado. A justiça inglesa deu razão ao ladrão, a pretexto de que ele me enganara e não roubara. A trapaça é permitida aqui e o tribunal me dispensou dizendo que eu era um imbecil por ter-me deixado enganar. Aprendi essa lição por quarenta francos." (Stéphane Mallarmé poeta francês que viaja a Londres para estudar inglês. In: CHARLOT, Monica. "O spleen dos exilados franceses" (p.44) In: Charlot, Monica & Marx, Roland (org.).londres, : a Era Vitoriana ou o Triunfo das Desigualdades. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1993.) O descontentamento dos pobres em relação à nova vida industrial, proporcionando uma vida desumana, fez com que durante a pior das depressões do século XIX ( ), o Cartismo 2 provocasse uma greve geral enchendo as ruas de trabalhadores famintos, obrigando o governo a tomar novas medidas. Tal movimento, trazia os insatisfeitos com a nova ordem industrial vigente, posto que, artesãos e trabalhadores de indústrias domésticas e de ofícios manuais especializados, entravam em declínio por conta da novidade das fábricas. 2 Caracteriza-se como um movimento social inglês do século XIX que a priori buscou através da luta de inclusão política da classe operária, representada pela associação Geral dos Operários de Londres. Teve como principal base a carta escrita pelos radicais William Lovett e Feargus O Connor intitulada Carta do Povo, e enviada ao Parlamento inglês.

7 Nesse período de industrialização, juntamente com o Cartismo, o Ludismo também ganhara força. Esse era um movimento de revolta dos trabalhadores contra as máquinas, uma vez que essas, substituíam a força de trabalho humana, aumentando o desemprego. Por isso, esse movimento pode ser entendido como sindical, já que objetivava pressionar os patrões à concessões. Mas, na maioria das vezes, o movimento de revolta era reprimido pela violência. Tais movimentos decorreram por conta das más condições de trabalho; da exploração diária com jornadas exaustivas; dos acidentes e mutilações provocados pelo cansaço excessivo; pela morte de crianças no trabalho; pelos abusos sexuais sofridos pelas mulheres nas fábricas e pelo fato de os operários não terem com o que se alimentar, devido às sub-remunerações que recebiam. Portanto, a insatisfação era gritante e o ambiente de revolta ascendente. Por isso, se algo não fosse feito, as massas pobres poderiam se revoltar e, com isso, viu-se na Europa uma ameaça do comunismo 3. Embora menos temido em Inglaterra, os empresários não deixavam de se preocupar. Alguns cristãos nesse período, tentaram devolver a alma dos pobres, pregando a palavra de Deus e fazendo caridades. Com isso, há a criação de um Exército da Salvação 4 que ensinava métodos contra o vício e a preguiça. Os ricos, como bons cristãos, deveriam fazer doações voluntárias aos miseráveis. A partir de 1871, foi concedido ao trabalhador o descanso semanal, mas em geral, o salário e as condições de trabalho variavam de acordo com as negociações entre patrões e empregados. Ainda assim, quando esses perdiam o emprego, não tinham a que recorrer a não ser às suas economias, aos sindicatos, amigos, conhecidos, associações de amparo ou a Lei dos Pobres 5 e, quando ficavam doentes ou envelheciam, os seguros de pensão não os ajudava, pois não eram concedidos à todos. Mesmo a reforma sanitária a partir de 1850 com a construção de esgotos e o suprimento de água, o impulso do comércio e as ferrovias adentrando nas áreas centrais da cidade, empurrava a população para outros cortiços. Com isso, a cidade continuou a ser um lugar péssimo de se viver, pois além da poluição das fábricas e da sujeira tida com a população miserável de rua, havia o escasso planejamento de melhoria urbana e uma expansão desenfreada. "Gosto desse ceu, sempre cinzento, não há necessidade de pensar. O azul e as 3 O comunismo pode ser definido como uma doutrina ou ideologia (propostas sociais, políticas e econômicas) que visa a criação de uma sociedade sem classes sociais. De acordo com esta ideologia, os meios de produção (fábricas, fazendas, minas, etc) deixariam de ser privados, tornando-se públicos. No campo político, a ideologia comunista defende a ausência do Estado. 4 Religiosos que tentavam resgatar através da fé a alma das classes subalternas, como bêbados, prostitutas e criminosos. Com isso, se faziam bons cristãos por cederem à caridade. 5 O Estado através dessa lei concedia auxílio financeiro aos pobres.

8 estrelas amedrontam. Aqui, estamos em casa, e Deus não os vê. Seu espião, o sol, não ousa insinuar-se aqui." (Stéphane Mallarmé poeta francês que viaja a Londres para estudar inglês. In: CHARLOT, Monica. "O spleen dos exilados franceses" (p.43) In: Charlot, Monica & Marx, Roland (org.). Londres, : a Era Vitoriana ou o Triunfo das Desigualdades. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1993.) Supõe-se que cerca de 40% da classe trabalhadora, vivia na pobreza ou situação pior. Logo, havia uma massa de miseráveis que geralmente na velhice, viravam mendigos. Mesmo em fins do século XIX, em que houve melhoria de vida para a classe trabalhadora, o quadro das condições sociais da época mostrava uma classe de trabalhadores debilitada por um século de industrialização. Entre 1884 e 1885, o direito de voto deu à classe trabalhadora influência política maior sobre os partidos antigos. Por isso, pela primeira vez, as autoridades públicas e o Estado pensariam mais seriamente nas melhorias da sociedade. Mas, o setor público, na prática, ainda não tinha grande importância. Além disso, os benefícios de serviços sociais tidos com a Lei dos Pobres, não dava vazão ao gasto tido pelos impostos pagos. A Lei da Educação de 1902, tinha como principal função, tirar dos colégios superiores os filhos de operários que haviam conquistado o direito à educação primária universal em E em 1897, menos de 7% dos alunos de escolas secundárias, vinham da classe trabalhadora. Portanto, a intenção deste artigo, é mostrar que a Londres da Revolução Industrial do fim do século XVIII e o seu desenvolvimento no XIX, não trouxe apenas a tecnologia, a modernidade das fábricas e melhoria dos padrões de vida da classe média. Novas formas de vida foram impostas, nas quais a miséria e a discriminação eram constantes no cotidiano daquela nova realidade. Os que não eram enquadrados nesse novo sistema, tentavam sobreviver à margem da sociedade. Sugestão de filmes: Daens um grito de justiça (1992). Direção: Stijin Coninx Germinal (1993). Direção: Claude Berri Jack, o estripador (2001). Direção: Albert Hughes e Allen Hughes Oliver Twist - A vida de um rapaz do século XIX (2005). Direção: Roman Polanski Os miseráveis (1998). Direção: Bille August Tempos modernos (1936). Direção: Charles Chaplin

9 Bibliografia: BRESCIANI, Maria Stella Martins. Londres e Paris no século XIX: o espetáculo da pobreza. São Paulo: Brasiliense, CHARLOT, Monica. "O spleen dos exilados franceses". In: Charlot, Monica & Marx, Roland (org.). Londres, : a Era Vitoriana ou o Triunfo das Desigualdades. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., CHARLOT, Monica & MARX, Roland. "A sociedade 'dual' por excelência". In: Charlot, Monica & Marx, Roland (org.). Londres, : a Era Vitoriana ou o Triunfo das Desigualdades. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., GERMAIN, Lucienne. "O East End de Yaacov Revinski". In: Charlot, Monica & Marx, Roland (org.). Londres, : a Era Vitoriana ou o Triunfo das Desigualdades. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., HOBSBAWN, Eric J. Os trabalhadores pobres. In: A era das revoluções: ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, A cidade, a indústria, a classe trabalhadora In: A era do capital: ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, A Revolução Industrial, In: Da revolução industrial inglesa ao imperialismo. 5ª Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, Os Resultados Humanos da Revolução Industrial, In: Da revolução industrial inglesa ao imperialismo. 5ª Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, Padrão de Vida, In: Da revolução industrial inglesa ao imperialismo. 5ª Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, LACASSAGNE, Claude-Laurence & DAVIEL, Neil. "Luxo, algazarra e mau cheiro". In: Charlot, Monica & Marx, Roland (org.). Londres, : a Era Vitoriana ou o Triunfo das Desigualdades. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1993.

10 MARX, Roland. "Sherlock Holmes of Baker Street". In: Charlot, Monica & Marx, Roland (org.). Londres, : a Era Vitoriana ou o Triunfo das Desigualdades. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., "As trombetas da caridade". In: Charlot, Monica & Marx, Roland (org.). Londres, : a Era Vitoriana ou o Triunfo das Desigualdades. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., RECLUS, Élisée & BAEDEKER, Karl. "Estações, fiacres, termas e esgotos". In: Charlot, Monica & Marx, Roland (org.). Londres, : a Era Vitoriana ou o Triunfo das Desigualdades. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., ROBBINS, Keith. "A hierarquia das prostitutas". In: Charlot, Monica & Marx, Roland (org.). Londres, : a Era Vitoriana ou o Triunfo das Desigualdades. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., THOMPSON, E. P. A história vista de baixo In: As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Campinas: Editora da Unicamp, Modos de dominação e revoluções na Inglaterra In: As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Campinas: Editora da Unicamp, A formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

O Mundo industrializado no século XIX

O Mundo industrializado no século XIX O Mundo industrializado no século XIX Novas fontes de energia; novos inventos técnicos: Por volta de 1870, deram-se, em alguns países, mudanças importantes na indústria. Na 2ª Revolução Industrial as indústrias

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning)

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) DISCURSOS 1, 2, 3 e 4 sem mensagem de raça ou classe (o texto do discurso é para ser lido duas vezes por cada ator,

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 - Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 - Os Escravos 1.3 - Os Servos 1.4 - As corporações de ofício 1.5 - A revolução industrial

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Metade da humanidade não come...

Metade da humanidade não come... Metade da humanidade não come... ...e a outra metade não dorme com medo da que não come. Josué de Castro DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM Art. 1º Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade

Leia mais

Segurança no Trabalho

Segurança no Trabalho O conjunto das profundas transformações econômicas, tecnológicas e sociais ocorridas na Europa a partir da segunda metade do século XVIII recebe o nome de Revolução Industrial. Fenômeno tipicamente inglês,

Leia mais

Inglaterra século XVIII

Inglaterra século XVIII Inglaterra século XVIII Revolução: Fenômeno político-social de mudança radical na estrutura social. Indústria: Transformação de matérias-primas em mercadorias, com o auxílio de ferramentas ou máquinas.

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 ESTAMOS CONDENADOS A SER DESIGUAIS? No mundo em que vivemos, percebemos que os indivíduos são diferentes

Leia mais

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 )

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 ) Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON -Após a derrota de Napoleão Bonaparte, restaurou-se a Dinastia Bourbon subiu ao trono o rei Luís XVIII DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015 Roteiro de Estudos 3 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia Professor: Eduardo 3ª série O que devo saber: Crescimento populacional no Brasil e no mundo. Sociedade e economia. Povos em movimento e migrações

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

MUDANÇAS NO FEUDALISMO. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG

MUDANÇAS NO FEUDALISMO. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MUDANÇAS NO FEUDALISMO Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MUDANÇAS NO FEUDALISMO A partir do século XI Expansão das áreas de cultivo, as inovações técnicas.

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL SOTARELLI, Álvaro F. GRANDI, Ana Lúcia de. Universidade Estadual do Norte do Paraná Resumo: O presente estudo trabalha

Leia mais

A REVOLUÇÃO RUSSA DE 1917

A REVOLUÇÃO RUSSA DE 1917 A REVOLUÇÃO RUSSA DE 1917 Escola Secundária de Cascais Disciplina : Sociologia -12º H Guilherme Alves, nº 13 Fevereiro de 2014 Mafalda Borges, nº 18 Introdução 1. A Rússia dos Czares 2. A Revolução - 2.1

Leia mais

Economia Industrial 1

Economia Industrial 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso de Economia Economia Industrial Análise Estrutural dos Mercados e da Concorrência em Oligopólios Conceitos Introdutórios Professor : Johnny Luiz Grando

Leia mais

SOCIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 06 DESIGUALDADE SOCIAL

SOCIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 06 DESIGUALDADE SOCIAL SOCIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 06 DESIGUALDADE SOCIAL y (-) Vulnerabilidade Desvinculação x (+) (-) 0 Inserção Vulnerabilidade (+) Como pode cair no enem A violência de cada dia A violência normalmente é

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

O QUE MAIS ESTRESSA O CARIOCA? FEVEREIRO

O QUE MAIS ESTRESSA O CARIOCA? FEVEREIRO Enquete Algumas reportagens e matérias dão conta que o Brasil é o segundo país mais estressado do mundo e o trabalho é apontado como uma das principais causas desse mal. Porém, nem só de trabalho vive

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO MARÇO DE 2012 JOB2178 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Entender como a população brasileira percebe questões relacionadas

Leia mais

NOS@EUROPE. Anexo I. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Gestoras Escola Secundária com 3º CEB do Fundão

NOS@EUROPE. Anexo I. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Gestoras Escola Secundária com 3º CEB do Fundão Anexo I NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Gestoras Escola Secundária com 3º CEB do Fundão Ana Maria Ribeiro da Cruz Diana Patrícia Henriques Fernandes Joana Catarina

Leia mais

Gostaria de ressaltar o papel da mulher como figura estabilizadora da família e, em decorrência, da própria vida social.

Gostaria de ressaltar o papel da mulher como figura estabilizadora da família e, em decorrência, da própria vida social. O deputado Ivo José (PT-MG) profere o seguinte discurso: Senhor Presidente, nobres colegas deputados, demais presentes, ouvintes e telespectadores da Rádio Câmara e da TV Câmara, nesta data especial, em

Leia mais

URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS.

URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS. URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS. O que é cidade? Segundo a ONU, aglomerado urbano concentrado com mais de 20 mil habitantes, com atividades no setorsecundário secundário

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Colégio Cenecista Nossa Senhora dos Anjos Gravataí RS. Cohab B

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Colégio Cenecista Nossa Senhora dos Anjos Gravataí RS. Cohab B Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Colégio Cenecista Nossa Senhora dos Anjos Gravataí RS Cohab B Data: 29/04/2015 Pedro Lima, Gabriel Landal, Lorenzo Silveira e Leonardo Souza. Turma 101 A COHAB

Leia mais

Financiou sua reconstrução com empréstimos norte americanos.

Financiou sua reconstrução com empréstimos norte americanos. No início dos anos 20, a Europa foi sacudida por uma onda de greves e por um crescente desemprego, provocado pela queda da produção agrícola e industrial. Financiou sua reconstrução com empréstimos norte

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o :. Leia os textos e responda às questões e. Texto Na Grécia Antiga, Aristóteles (384 a.c.-3 a.c.) já defendia a ideia de que o Universo

Leia mais

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis.

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis. David Ricardo David Ricardo nasceu em Londres, em 18 ou 19 de abril de 1772. Terceiro filho de um judeu holandês que fez fortuna na bolsa de valores, entrou aos 14 anos para o negócio do pai, para o qual

Leia mais

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA)

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Como já dizia a importante historiadora Letícia Bicalho Canêdo, a Revolução Industrial não pode ser explicada somente a partir de uma aceleração

Leia mais

ARTESANATO MANUFATURA PRODUÇÃO INDUSTRIAL FERRA- MENTAS MANUAIS DIVISÃO DO TRABALHO TRABALHO INDIVIDUAL FERRAMENTAS MECÂNICAS

ARTESANATO MANUFATURA PRODUÇÃO INDUSTRIAL FERRA- MENTAS MANUAIS DIVISÃO DO TRABALHO TRABALHO INDIVIDUAL FERRAMENTAS MECÂNICAS Definição: conjunto de transformações tecnológicas, econômicas e sociais caracterizadas pela substituição da energia física pela mecânica, da ferramenta pela máquina e da manufatura pela fábrica. ARTESANATO

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

As fotos a seguir são tristemente verdadeiras...

As fotos a seguir são tristemente verdadeiras... As fotos a seguir são tristemente verdadeiras... Quem é responsável por enfrentar esta situação? Prefeitura? Entidades de defesa do ambiente?? Governo? Meios de comunicação? Cientistas? Organizações

Leia mais

CHRISTOPHER HILL: UMA VISÃO SOBRE A LIBERDADE

CHRISTOPHER HILL: UMA VISÃO SOBRE A LIBERDADE CHRISTOPHER HILL: UMA VISÃO SOBRE A LIBERDADE CAROLINE OLIVEIRA JUNG * RESUMO Neste trabalho discute-se a questão da liberdade, o que é ser livre no século XVI e XVII, em específico dentro da Revolução

Leia mais

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos No Antigo Testamento são citadas algumas cartas, como no 2ºMacabeus, capi.1º. Mas é no Novo Testamento que muitas cartas foram conservadas como parte integrante da revelação de Deus. No Novo Testamento

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

Modernização da Legislação Trabalhista

Modernização da Legislação Trabalhista Sumário executivo Modernização da Legislação Trabalhista - Com a evolução dos sistemas produtivos agroindustriais, marcos legais importantes ficaram desatualizados, como nos casos da Legislação Trabalhista,

Leia mais

Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas NETP/RS traficodepessoas@ssp.rs.gov.

Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas NETP/RS traficodepessoas@ssp.rs.gov. Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas NETP/RS traficodepessoas@ssp.rs.gov.br 51-3288 1936 NETP/RS Secretaria da Segurança Pública do Estado É um dos programas

Leia mais

A industrialização no Brasil teve início a partir de. A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto colonial;

A industrialização no Brasil teve início a partir de. A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto colonial; PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Histórico de nossa industrialização A industrialização no Brasil teve início a partir de meados do século XIX; A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

A miséria da classe operária inglesa (1830-1840)

A miséria da classe operária inglesa (1830-1840) A miséria da classe operária inglesa (1830-1840) Hilton Ribeiro Victor Romero de Azevedo Victor Hugo Farias A Revolução Industrial processou-se inicialmente na Inglaterra. As suas repercussões não se fizeram

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750 BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR As crises econômicas que se sucederam no Brasil interromperam a política desenvolvimentista. Ocorre que o modelo de desenvolvimento aqui implantado (modernização conservadora

Leia mais

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem ELETROBRAS TERMONUCLEAR S.A. Diretoria de Administração e Finanças DA Superintendência de Recursos Humanos SH.A Gerência de Desenvolvimento e Capacitação- GDC.A Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39.

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39. Velocidade é violência. O exemplo mais óbvio é o punho cerrado. Nunca o pesei mas pesa cerca de 400 gramas. Posso transformar esse punho na carícia mais delicada. Mas, se o arremessar em alta velocidade,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NO MUNDO DA TECNOLOGIA

A IMPORTÂNCIA DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NO MUNDO DA TECNOLOGIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A IMPORTÂNCIA DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NO MUNDO DA TECNOLOGIA Zedequias Vieira Cavalcante¹, Mauro Luis Siqueira da Silva² RESUMO: A Revolução Industrial

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA Silmara Oliveira Moreira 1 Graduanda em Geografia/UESB, Bolsista da UESB E-mail: silmara.geo@gmail.com Resumo: O objetivo

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR Este Código padrões mínimos que devem ser ultrapassados, sempre que possível. Ao aplicá-los, os fornecedores devem obedecer às leis nacionais e outras leis vigentes e, nos pontos em que a lei e este Código

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DE HISTÓRIA Lê atentamente as questões. Escolhe com cuidado e assinala apenas uma das alternativas apresentadas.

FICHA DE TRABALHO DE HISTÓRIA Lê atentamente as questões. Escolhe com cuidado e assinala apenas uma das alternativas apresentadas. FICHA DE TRABALHO DE HISTÓRIA Lê atentamente as questões. Escolhe com cuidado e assinala apenas uma das alternativas apresentadas. INDICA A RESPOSTA CORRECTA: 1. A invenção do séc. XVIII que permitiu aumentar

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Mediunidade (Consciência, Desenvolvimento e Educação) Palestrante: Vania de Sá Earp Rio de Janeiro 16/06/2000 Organizadores da palestra:

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

1. A retomada da bolsa 01/02/2009 Você S/A Revista INSTITUCIONAL 66 à 68

1. A retomada da bolsa 01/02/2009 Você S/A Revista INSTITUCIONAL 66 à 68 1. A retomada da bolsa 01/02/2009 Você S/A Revista INSTITUCIONAL 66 à 68 Data de geração: 12/02/2009 Página 1 Data de geração: 12/02/2009 Página 2 A retomada da bolsa No ano passado, a bolsa de valores

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. 2+2 Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. 2+2 Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto 2+2 Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas Anita Santos Diogo Gautier Helena Santos Eurico Alves Dezembro de 2011 1 A Crise Atual:

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE

DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA DEPUTADO MARCELO SERAFIM

Leia mais

INDÍGENAS NO BRASIL SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE. Capítulo 5 DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA

INDÍGENAS NO BRASIL SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE. Capítulo 5 DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA Capítulo 5 SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE Percepção de diferenças entre índios e não índios no Brasil hoje Estimulada e única, em % Base: Total da amostra (402) NÃO S/ URBANOS POPULAÇÃO NACIONAL

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo;

População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo; INTRODUÇÃO À GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO 1 Aspectos teóricos e metodológicos da geografia da população População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo; A importância de

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 82 Desemprego 22 de maio de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais