Universidade Metodista de Piracicaba. Bruno Pucci Cleiton de Oliveira José Maria de Paiva Raquel Pereira Chainho Gandini (Orgs.)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Metodista de Piracicaba. Bruno Pucci Cleiton de Oliveira José Maria de Paiva Raquel Pereira Chainho Gandini (Orgs.)"

Transcrição

1 Universidade Metodista de Piracicaba Bruno Pucci Cleiton de Oliveira José Maria de Paiva Raquel Pereira Chainho Gandini (Orgs.)

2 TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses 1

3 UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA REITOR Almir de Souza Maia VICE-REITOR ACADÊMICO Ely Eser Barreto César VICE-REITOR ADMINISTRATIVO Gustavo Jacques Dias Alvim EDITORA UNIMEP CONSELHO DE POLÍTICA EDITORIAL Almir de Souza Maia (presidente) Antonio Roque Dechen Cláudia Regina Cavaglieri Elias Boaventura Ely Eser Barreto César (vice-presidente) Gustavo Jacques Dias Alvim Gislene Garcia Franco do Nascimento Marco Polo Marchese Nivaldo Lemos Coppini COMISSÃO DE LIVROS Gustavo Jacques Dias Alvim (presidente) Angela M.C. Jorge Corrêa Belarmino Cesar Guimarães da Costa Dorothee Susanne Rüdiger José Carlos Barbosa Maria Guiomar Carneiro Tomazello EDITOR EXECUTIVO Heitor Amílcar da Silveira Neto 2 TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses

4 TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses BRUNO PUCCI CLEITON DE OLIVEIRA JOSÉ MARIA DE PAIVA RAQUEL PEREIRA CHAINHO GANDINI (orgs.) Rod. do Açúcar, Km Piracicaba, SP Telefone/fax: (19) /1621 TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses 3

5 Copyright 2002, da Editora UNIMEP FICHA CATALOGRÁFICA Pucci, Bruno; Oliveira, Cleiton de; Paiva, José Maria de; Gandini, Raquel Pereira Chainho (orgs.). Trinta anos de pós-graduação em educação. Ensaios, dissertações e teses. Piracicaba: Editora UNIMEP, p. 28cm. 1. Pós-graduação Educação UNIMEP 2. Programa de pós-graduação UNIMEP 3. Pucci, Bruno, org. 4. Oliveira, Cleiton, org. 5. Paiva, José Maria, org. 6. Gandini, Raquel, org. ISBN CDU (816.12PI) COORDENAÇÃO EDITORIAL Heitor Amílcar da Silveira Neto SECRETÁRIA Ivonete Savino ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Altair Alves da Silva EDIÇÃO DE TEXTO Suzana Verissimo BOLSISTA ATIVIDADE Olívia Silva Carmo Ramon FICHA CATALOGRÁFICA Regina Fraceto GRÁFICA UNIMEP COORDENAÇÃO Carlos Terra EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Carla Cynthia Smanioto REVISÃO GRÁFICA Juraci Vitti CAPA Wesley Lopes Honório Preparação original dos textos: PPGE/UNIMEP 4 TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses

6 Apresentação 30 anos de Pós-Graduação em Educação ALMIR DE SOUZA MAIA Reitor da UNIMEP É com muita satisfação que apresentamos esse catálogo, contendo os resumos das 450 dissertações de mestrado e das 50 teses de doutorado, produzidas ao longo de três décadas de funcionamento do Programa de Pós-Graduação em Educação da UNIMEP. Antes mesmo do reconhecimento da Universidade pelo Ministério da Educação, em outubro de 1975, já havia sido criado o Mestrado em Educação, que iniciou suas atividades em 1.º de março de Comemoramos, portanto, em 2002, 30 anos da Pós-Graduação na UNIMEP. Assim, o início da pós-graduação, naquele ano, sinalizou a marca de qualidade acadêmica da Universidade que viria a surgir. O desenvolvimento acadêmico que a Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP vem alcançando com seus programas de pós-graduação lato e stricto sensu tem sido atestado pelo Ministério da Educação e pela comunidade acadêmica nacional. Atualmente, o Pós-Graduação em Educação está bem consolidado, tendo alcançado a avaliação positiva e o reconhecimento nacional e internacional, por parte da comunidade acadêmica e científica. A última avaliação da CAPES indicou que o Programa de Educação, juntamente com apenas outros 14 do País, alcançou avaliação expressiva, com o conceito 5, o que significa ter o Programa atingido o nível máximo de qualidade, levando-se em conta a realidade nacional. A produção acadêmica, ora representada neste caderno, é também um indicador da qualidade do programa e sua contribuição para o avanço da ciência ao longo de seus 30 anos de existência. Esses resultados testificam nossas expectativas favoráveis em relação ao desenvolvimento do Programa. Vale ressaltar, ainda, que o Programa de Pós-Graduação em Educação abriu as portas para o avanço da Universidade em outros campos da pós-graduação e, atualmente, além do Mestrado e do Doutorado em Educação, a UNIMEP oferece cursos de Mestrado em Administração, Engenharia de Produção, Educação Física, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Sistemas de Informação e de Doutorado em Engenharia de Produção. Entendendo que a pós-graduação, mediante a pesquisa e a formação de pessoal qualificado, sedimenta a Universidade na consecução de seus objetivos, o Conselho Universitário da UNIMEP decidiu eleger o ano de 2002 como o Ano da Pós-Graduação. Mais um motivo para nossa satisfação ao apresentar esta obra. TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses 5

7 6 TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses

8 Sumário 9 PPGE/UNIMEP: 30 ANOS DE VIDA, DE PRODUÇÃO E DE OUSADIA! Bruno Pucci 21 A PRODUÇÃO EM POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO Cleiton de Oliveira 25 DISSERTAÇÕES E TESES DA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO Raquel Pereira Chainho Gandini 29 DISSERTAÇÕES E TESES EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO José Maria de Pai 33 RESUMOS DAS DISSERTAÇÕES DE MESTRADO 271 RESUMOS DAS TESES DE DOUTORADO 303 ANEXOS 307 RELAÇÕES 307 Autores dos Resumos de Dissertações 311 Autores dos Resumos de Teses 311 Orientadores das Dissertações e Teses TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses 7

9 8 TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses

10 PPGE/UNIMEP: 30 ANOS DE VIDA, DE PRODUÇÃO E DE OUSADIA! Bruno Pucci* O real não está na saída nem na chegada: ele se dispõe para a gente é no meio da travessia. Tudo o que foi, é o começo do que vai vir, toda hora a gente está num cômpito. GUIMARÃES ROSA O Programa de Pós-graduação em Educação completa, no segundo semestre de 2002, 30 anos de existência. Iniciado em agosto de 1972, em nível de mestrado, e em agosto de 1992, em nível de doutorado, atingiu, em maio de 2002, o expressivo acervo de 500 produções científicas: 450 dissertações e 50 teses. O PPGE/Unimep nasceu antes da Unimep. Foi ele um dos fatores básicos para que as Faculdades Integradas do Instituto Educacional Piracicabano dessem origem à Universidade Metodista de Piracicaba em Um grupo de professores doutores da PUC-SP, que em março de 1972 tinha iniciado naquela instituição o Mestrado em Educação, é convidado para reconstruir a experiência em terras piracicabanas. Entre eles: Antônio Joaquim Severino, Dermeval Saviani, Geraldo Tonaco e Newton Aquiles von Zuben. Em todo o Estado de São Paulo existiam, na época, apenas dois cursos de Pós-graduação em Educação, USP e PUC-SP. O PPGE/Unimep assumiu o desafio de formar docentes e pesquisadores para o interior do Estado. A clientela inicial que acorreu a seus cursos era constituída de professores provindos da Unicamp, UFSCar, PUC-Camp, Unaerp e outros institutos isolados da região. Segundo o Parecer 977/65, de Newton Sucupira, os cursos de mestrado e doutorado devem ter a duração mínima de um e dois anos respectivamente. Além do preparo da dissertação ou tese, o candidato deverá estudar certo número de matérias relativas à sua área de concentração e ao domínio conexo, submeterse a exames parciais e gerais, e provas que verifiquem a capacidade de leitura em línguas estrangeiras. Pelo menos uma para o mestrado e duas para o doutorado. O Mestrado em Educação iniciou-se sob a égide da orientação vigente, configurando-se, desde seu início, em áreas de concentração. Dizia o referido Parecer: Por área de concentração entende-se o campo específico de conhecimento que constituirá o objeto de estudos escolhido pelo candidato. E foi implantada, em 1972, a área de concentração em Filosofia da Educação, e, no ano seguinte, a área de concentração em Administração Escolar. Posteriormente, em 1991, em convênio com a Unicamp, foi constituída a área de concentração em Educação Motora e, em agosto de 1993, a área de concentração em Educação em Ciências. O Mestrado em Educação da UNIMEP se estruturou em áreas de concentração até a seleção de Dissertações defendidas até o ano 2000 se desenvolveram sob a orientação dessas quatro áreas. A partir de 1998, influenciado positivamente pela experiência do doutorado, passou o PPGE/UNIMEP a se estruturar em eixos temáticos e núcleos de estudos e pesquisas. Veja, na tabela 1, as defesas de dissertações por ano e distribuídas pelas áreas de concentração. * Mestre em Educação pelo PPGE/UNIMEP (1976), professor do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Filosofia: O Conhecimento e a Educação do Programa de Pós-graduação em Educação da UNIMEP ( ; 1996-até a presente data), coordenador do PPGE/UNIMEP ( ). TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses 9

11 Tabela 1. Dissertações e respectivas áreas de concentração, PPGE/UNIMEP: Ano 1974* ** Área Filosofia Administ. Escolar Total * Primeira dissertação em Filosofia da Educação (11/1974): Betty Antunes de Oliveira; orientador Dermeval Saviani. ** Primeira dissertação em Administração Escolar (06/1978): Elias Boaventura;. orientador José Luiz Sigrist. Ano Área Filosofia Administração Escolar Total Ano Área Filosofia Admin. Escolar Educ. Motora Total Início de Área de Concentração Educação Motora: ** Primeira dissertação em Educação Motora (março/1994): Roberta Cortez Gaio; orientador Ademir de Marco. Ano **** Área Filosofia Admin. Escolar Educ. Motora Educ. Ciências Total *** Início de Área de Concentração Educação em Ciências: **** Primeira dissertação em Educação em Ciências (junho/1997): Maria O. D. Agostinho; orientadora Rosália Maria Ribeiro de Aragão. 10 TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses

12 A tabela 1 nos mostra dados interessantes de serem enfatizados: 81,6% das dissertações defendidas no mestrado do PPGE (367 de 450) foram produzidas no período , quando o PPGE se estruturava em áreas de concentração. A área de concentração em Filosofia da Educação orientou 188 das 367 dissertações (51,22%); Administração Escolar 112 (30,52%); Educação Motora 49 (13,36%); e Educação em Ciências 18 (4,90%). Durante os primeiros anos, o Mestrado em Educação precisou contar com a colaboração de professores titulados de outras instituições universitárias. Em 1972, quando da criação do Programa, eram poucos os professores portadores do título de Doutor no Estado de São Paulo. A política adotada na época, para criar e consolidar o PPGE, foi convidar professores titulados de outras instituições, enquanto se titulavam, no Brasil ou no exterior, professores da própria instituição, com vistas a uma autonomia de recursos humanos. Dadas as precárias condições institucionais existentes, então, a produção científica docente e discente ocorreu de modo bastante lento e limitado. 1 Na medida, porém, em que diminui a dependência de professores visitantes, a produção científica ganha corpo, se define melhor e aumenta quantitativamente. Sem um corpo docente liberado para a docência e a pesquisa e que estimule os alunos à produção científica, o tempo médio de titulação dos mestrandos se alonga demais com prejuízos também à qualidade desta mesma produção. 2 Foi difícil a caminhada do PPGE rumo à sua autonomia, particularmente nos anos 70, anos de avanços e recuos, de autoritarismo e de repressão, de afirmação e crescimento no interior de uma universidade que também precisava crescer e se afirmar. No final da década, o MEC, preocupado com o aumento de mestrados e com a qualidade acadêmica dos mesmos, resolve implantar, através da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), um sistema nacional de avaliação dos programas de pós-graduação. E o PPGE/UNIMEP deveria reorientar sua trajetória pelos novos parâmetros da política institucional oficial. Inicialmente foi um desastre: conceito E, em 1980, e não aceitação de seu primeiro pedido de credenciamento. 3 O PPGE tinha produzido apenas nove dissertações em oito anos de vida; não possuía um corpo docente permanente e suficiente; poucos doutores em tempo integral, alguns mestres-doutorandos e alguns professores visitantes. Ou a instituição investia na pósgraduação ou o Programa desapareceria. Foi um forte puxão de orelha no PPGE e na UNIMEP! Com o tempo, porém, os critérios valorativos da Capes fizeram bem ao PPGE/UNIMEP. Por sugestão da própria Capes, que visitou o Programa em 1981, o PPGE desenvolveu esforços progressivos na tentativa de superar suas deficiências. Na avaliação de 1982, 10 anos de PPGE, a Capes lhe proporcionou uma pequena promoção: D. Na avaliação seguinte, no biênio 83-84, o PPGE conseguiu o Conceito C e, no biênio 85-86, C+ e a certeza de que entrava definitivamente em fase de consolidação. A partir de 1987, o PPGE começa a receber bolsas da Capes e, em 1988, do CNPq. Finalmente, no início de 1988, o PPGE é credenciado. Credenciar era, então, um ato do Conselho Federal de Educação e significava oficialmente dizer: este programa é um dos nossos, nós confiamos nele, os interessados podem freqüentá-lo com toda segurança. 4 O credenciamento do Mestrado em Educação por cinco anos, pelo CFE, insere-se no movimento de sua consolidação como Programa de Pós-graduação e no contexto do processo de institucionalização da UNIMEP. As condições institucionais, físicas, materiais e especialmente de recursos humanos, como a produção científico-acadêmica docente e discente, atingem níveis significativos e 1 Cf. Projeto de Doutorado em Educação, PPGE/UNIMEP, SIGRIST, José Luiz. 10 anos de Mestrado em Educação da UNIMEP. In Impulso: Revista de Pesquisa e Reflexão da UNIMEP. Piracicaba: Editora da UNIMEP. Ano I, 1, 1.º sem./87, p No relatório de credenciamento do Mestrado em Educação da UNIMEP, lido e aprovado no CFE, em janeiro de 1988, aparece a informação de que já teria sido negado, ao PPGE, pelo CFE em janeiro de 1980, o primeiro pedido de credenciamento. 4 Cf. PUCCI, B. Pós-graduação em Educação da UNIMEP: 25 anos. In Impulso: Revista de Ciências Sociais. Piracicaba: Editora UNIMEP, 10 (21): 30, TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses 11

13 garantia de continuidade e estabilidade. Assim se manifesta o coordenador geral do Pós-graduação da UNIMEP: A consolidação do Mestrado na Universidade Metodista de Piracicaba é fruto do esforço, da seriedade e da persistência ao longo desses 20 anos de existência do curso, de seus coordenadores, docentes, alunos e da própria Reitoria, somadas as avaliações da CAPES, sempre indicadoras das oportunidades de avanços, e às interações com os demais programas do país, através das constantes reuniões promovidas pelas agências, ANPEd e encontros de Pró-Reitores. 5 O relatório de visita ao mestrado, em junho de 1987, elaborado pela Comissão de Avaliação da Capes que subsidiou o credenciamento no ano seguinte assim se expressa em suas considerações finais: 1. O corpo docente, apesar de reduzido, encontra-se em condições de assegurar o desenvolvimento da proposta do curso, na pesquisa e no ensino e orientação das dissertações; 2. Há um compromisso institucional no sentido de assegurar as condições estruturais necessárias ao desenvolvimento do Programa; 3. A produção científica, tanto do corpo docente como do corpo discente (dissertações) apresenta uma evolução significativa; 4. O Programa vem oferecendo uma contribuição crescente no Estado de São Paulo e mesmo em outros Estados, no sentido da qualificação de professores e da formação de recursos humanos para o sistema de ensino; 5. Os setores de apoio ao Programa, especialmente o Setor de Editoração e o ACTA, 6 representam um excelente potencial a ser utilizado pelo Programa. Todos estes pontos denotam um avanço na consolidação da proposta pedagógica do curso, favorecendo uma melhor qualidade da formação por ele oferecida. Em realidade, o Programa já se acha consolidado. Recomenda-se assim a concessão do credenciamento solicitado, como incentivo ao aprofundamento deste processo. Recomendamos, também, a continuação e a ampliação do apoio institucional oferecido pela CAPES ao Programa em apreço. 7 Em 1992, por ocasião da comemoração de 20 anos de mestrado, o PPGE/UNIMEP ousa dar um passo a mais e cria o seu programa de doutorado. A primeira seleção se deu no final de junho de 1992 e a primeira turma iniciou suas atividades acadêmicas em agosto do mesmo ano. A densa experiência de duas décadas de mestrado manifesta em sua produção científica (na ocasião, 110 dissertações), em seu experiente corpo docente 8 (completado nesse mesmo ano pelos professores Francisco Cock Fontanella, José Maria de Paiva e Valdemar Sguissardi), nos projetos de pesquisa que orientavam a produção docente e discente, aliada ao decisivo apoio institucional 9 e ao reconhecimento avaliativo da Capes, 5 BARROS, D.F. 20 Anos de Pós-graduação: por um salto de qualidade. In Impulso: Revista de Ciências Sociais da Universidade Metodista de Piracicaba. Editora UNIMEP, 6 (12): 7, O ACTA (Ação Cultural e Tecnologia Apropriada), Núcleo de Educação Popular, vinculado aos projetos de extensão da UNIMEP. 7 CAPES, Em 1992, o corpo docente era assim constituído: um docente em regime de dedicação exclusiva, nove docentes em regime de tempo integral (40 horas) e seis docentes em regime de tempo parcial (30, 20 e 12 horas). Todos os 16 eram doutores. Os docentes de tempo integral dedicavam 38 horas semanais ao programa de pós-graduação. Eis o corpo docente de então: tempo integral: Davi Ferreira Barros, Elias Boaventura, Francisco Cock Fontanella, Hugo Assmann, João dos Reis Silva Junior, John Cowart Dawsey, José Maria de Paiva, Júlio Romero Ferreira, Rinalva Cassiano Silva e Valdemar Sguissardi; tempo parcial: Ademir Gebara, Ademir de Marco, Ely Eser Barreto César, José Amálio de Branco Pinheiro, José Luiz Sigrist e Wagner Wey Moreira. 9 O apoio institucional se traduziu nas condições de trabalho do corpo docente, no volume de bolsas concedidas pela instituição aos mestrandos do programa (em média 30 bolsas anuais no qüinqüênio, para um total de cinqüenta bolsistas), na ampliação do acervo bibliográfico, no recurso para publicação da produção acadêmica docente e discente, no financiamento de eventos científico-acadêmicos etc. 12 TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses

14 apresentou condições propícias que permitiram ao PPGE/UNIMEP assumir os desafios acadêmicos e políticos desse novo projeto. O doutorado, inicialmente, se orientou por dois eixos temáticos: 1. Política, planejamento e gestão educacionais e processos pedagógicos; 2. História da Educação. Esses eixos temáticos fertilizavam três linhas de pesquisa: a. Administração e organização educacional; b. Educação, estado e sociedade no Brasil; c. Linguagens das Ciências e Linguagens da Educação. A partir de 1996, os dois eixos temáticos do doutorado passaram a fertilizar também as áreas de concentração do mestrado; por sua vez as linhas de pesquisa do doutorado se transformaram em núcleos de estudos e pesquisas. Em 1998, mestrado e doutorado se interpenetraram profundamente e passaram ambos a ser orientados por dois eixos temáticos (1. Teorias educacionais e processos pedagógicos; 2. Política e História da Educação), que, por sua vez subsidiavam a constituição de cinco núcleos de estudos e pesquisa (a. Corporeidade e Educação Motora; b. Educação em Ciências; c. História da Educação no Brasil; d. Política e Gestão da Educação; e. Processos cognitivos e linguagens pedagógicas). Em 1999, o Núcleo Corporeidade e Educação Motora é desativado; em 2000, há uma nova reestruturação no PPGE: desaparecem os eixos temáticos e permanecem apenas os núcleos de estudos e pesquisas, mas com nova configuração: a. Educação e História; b. Educação em Ciências; c. Filosofia: o Conhecimento e a Educação; d. Política e Gestão da Educação; e. Práticas Educativas e Processos de Interação. E, por fim, em 2001, o Núcleo de Educação em Ciências é desativado e um novo Núcleo é criado: Formação de Professores. Uma experiência dinâmica, rica, amadurecida pela experiência do dia-a-dia acadêmico, intensamente constituída e vivida pelos seus docentes, discentes e corpo administrativo, foi gerando mudanças, transformações que apontavam na direção de um programa de pós-graduação bem conceituado interna e externamente à UNIMEP e altamente produtivo. A partir de 1997, o PPGE foi acolhendo outros docentes provindos, quase todos eles, de universidades públicas: Bruno Pucci e Roseli Pacheco Schnetzler (1997), Cleiton de Oliveira e Maria Cecília Rafael de Góes (1998), Raquel Pereira Chainho Gandini (1999), Roseli Cação Fontana e Ana Maria Lunardi Padilha (2002). Quando, em 1997, o PPGE completava 25 anos de existência, tanto o seu programa de Mestrado quanto o de Doutorado obtiveram o conceito B da Capes. E na última avaliação trienal, feita pela própria Capes, em 2001, o PPGE, enquanto um todo, obteve nota 5, expressão plena de um programa de pós-graduação consolidado e produtivo. Nestes 30 anos de existência, o PPGE apresentou uma produção científica significativa: 450 dissertações de mestrado em trinta anos (média de 15 dissertações por ano) e 50 teses de doutorado (média de cinco teses por ano). Mas as coisas não foram sempre assim. O PPGE precisou de 15 anos para atingir sua 50.ª dissertação. As outras 400 foram redigidas nos últimos 15 anos, média de 26,7 por ano. Tabela 2. Dissertações e Teses do PPGE/UNIMEP, por ano de defesa: ANO MESTRADO DOUTORADO TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses 13

15 Total E o tempo médio para conclusão das dissertações de mestrado? Passa-se de 113,2 meses (9 anos e seis meses), em 1987, para 107,7 meses, em 1989, 63,3 meses, em 1992, para 41,2 meses em 1998, para 33,4 meses (2 anos e 8 meses) em 2001 (tab. 3). Tabela 3. Tempo Médio das Dissertações e Teses do PPGE. ANO MESTRADO DOUTORADO ANO MESTRADO Defesas realizadas Média/meses Defesas realizadas Média/meses de conclusão de conclusão , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,36 14 TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses

16 , , , , , , , , , ,00 Total Nos primeiros anos de mestrado não havia uma preocupação direta com o tempo de conclusão do curso. Alguns, a partir de necessidades pessoais e/ou interesses institucionais, defendiam sua dissertação em prazo mais reduzido (ver, p. ex., as três primeiras dissertações do PPGE); a maioria, porém, envolvida em trabalho docente ou administrativo, cursou o mestrado em ritmo lento. Há casos exagerados, e não são poucos: mestrandos que demoraram 220, 213, 193, 186, 169, 165 meses para defender sua dissertação (220 meses significam 18 anos e três meses). Em dezembro de 1993, um mestrando defendeu sua dissertação depois de 249 meses de seu ingresso no mestrado: após 20 anos e sete meses. Com o primeiro Regulamento do Mestrado em Educação, aprovado pelo Conselho Universitário da UNIMEP, em junho de 1978, oficialmente é estipulado um prazo para cursar o mestrado: até três anos para completar os créditos nas nove disciplinas (Art. 2.º, VI) e mais dois anos para a elaboração e apresentação da dissertação (Art. 30). Portanto, até 5 anos ou 60 meses. Além de que o artigo 2.º, IX assim rezava: A juízo do Conselho de Coordenação dos Programas de Pós-graduação, os prazos para o término das atividades do Mestrado poderão ser prorrogados. Mas não estipula prazo para a prorrogação. O Regulamento do PPGE/UNIMEP de abril de 1987 manteve os mesmos prazos do Regulamento de 1978 para se cursar as disciplinas e para a apresentação da dissertação: 5 anos, com possibilidade de prorrogação. Porém o tempo começa a se tornar mais curto para os pós-graduandos. Na seleção para o mestrado em 1993, conforme se lê no edital de agosto de 1992, diminuem-se o número das disciplinas (que passam de nove para seis) e também o prazo para o término do curso. Assim diz o folder: o aluno dispõe de no mínimo três e no máximo oito semestres para cursar os 31 créditos do Programa. Com as constantes e exigentes avaliações externas pela Capes e pelos órgãos de financiamento de bolsas, o tempo máximo de defesa da dissertação de mestrado vai diminuindo, no Regulamento de 1997 e na prática. A duração do curso passa a ser, então, de três a seis semestres letivos, com prorrogação e até antecipação, desde que justificada, de mais um semestre. O Regulamento de 2000 confirma o prazo estipulado pelo anterior. A partir de 2000, os alunos que receberam bolsa da Capes ou do CNPq, logo no início do curso, estão sendo obrigados a defender sua dissertação em apenas 24 meses. Mas, em compensação, os apressadinhos sempre existiram. A primeira dissertação do mestrado, por exemplo, foi defendida em apenas 28 meses, em 1974; 10 em 1985, tivemos uma dissertação defendida em 21 meses; dez anos depois, uma outra defendida em 18 meses. As duas mais rápidas, porém, ocorreram em 1998, uma (17 meses), e outra em 2001 (15 meses). Esta última dissertação foi defendida por Márcia Aparecida Lima Vieira, atualmente professora da Faculdade de Educação da UNIMEP. Hoje em dia, um mestrando, ao defender sua dissertação, tem o prazo de um mês ou pouco mais para fazer as modificações sugeridas pela banca examinadora, e alguns poucos meses para obter seu diploma registrado. Mas não foi sempre assim. Os primeiros cinqüenta mestrandos da UNIMEP, que defenderam suas dissertações entre 1974 e março de 1988, nas áreas de concentração Filosofia da Educação e Administração Escolar, só tiveram seu curso de mestrado convalidado em junho de 1989, pelo despacho do Ministro da Educação Carlos Sant Anna. Foram obrigados a aguardar o credenciamento do PPGE, em Entre eles se encontram Bruno Pucci (defesa: 1976), Elias Boaventura (defesa: 1978), Rinalva Cassiano Silva (defesa: 1981), Cleiton de Oliveira (defesa: 1983), José Lima Junior 10 Betty Antunes de Oliveira, Implicações Filosóficas da tecnologia Educacional: uma experiência brasileira. Orientador: Dermeval Saviani, 18/11/74. TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses 15

17 (defesa: 1984), Wagner Wey Moreira (defesa: 1985). Só em 1989 puderam ter seus diplomas de mestrado registrado pela Unicamp. Registra-se na história do PPGE/UNIMEP a inter-relação com outros dois Programas de Mestrado, o de Ciências Sociais (área de concentração em História) e o de Letras. Ambos eram coordenados e orientados por docentes quase todos provindos da PUC-SP. O primeiro funcionou de 1973 a 1986, teve oito dissertações defendidas e contou com aproximadamente 60 alunos que terminaram os créditos em disciplinas. O Mestrado de Letras funcionou de 1975 a Lembramos com admiração de docentes renomados que lecionaram nesses programas: Déa Fenelon, Flávio Kothe, Maria Lúcia Santaella, Cláudio Barriguelli, Holien Gonçalves Bezerra, entre outros. Os alunos do Mestrado em Educação podiam cursar disciplinas de Ciências Sociais e de Letras e vice-versa, desde que houvesse autorização dos coordenadores dos programas. Também era possível a transferência entre programas, com aproveitamento integral ou parcial dos créditos. A desativação dos dois programas se deu fundamentalmente pela dificuldade na composição de um corpo docente específico e pela progressiva diminuição de procura de alunos por esses cursos de mestrado. Quatro mestrandos de Letras se transferiram para o PPGE e defenderam sua dissertação de Mestrado em Educação: Terezinha Specht Fingerut (1985), Benedita Anna Sega (1986), Luiz Hermenegildo Fabiano (1986) e Aurora Dalva de Lima N. Barbosa (1987). Um mestrando de Ciências Sociais se transferiu para o PPGE e ali defendeu sua dissertação: José Antônio Zago (1986). A situação dos outros alunos, que já tinham defendido sua dissertação ou que já haviam concluído os créditos em disciplinas, foi resolvida pela incorporação desses alunos em programas de mestrados semelhantes existentes na PUC-SP. O Regulamento de 1978 afirma que cada mestrando terá um orientador de estudos (Art. 17) e um orientador de dissertação (Art. 19). O primeiro deveria acompanhar o discente na escolha das disciplinas a serem cursadas e em todas as questões relacionadas aos cursos. Não nos esqueçamos que, na vigência dos Regulamentos de 1978 e de 1987, o número de disciplinas era elevado (nove) e o mestrando tinha de um a três anos para completar os créditos das disciplinas. O orientador de dissertação assistia ao mestrando em todas as fases de seu trabalho científico, desde a elaboração do projeto até a defesa pública perante a banca examinadora. Esse período podia durar até dois anos. Com a diminuição das disciplinas e do tempo para a defesa do mestrado (Regulamento de 1997, Art.14), com o processo de orientação se iniciando ainda no segundo semestre de curso (1999), com a integração do mestrando em seu núcleo de estudos e pesquisa já a partir do primeiro semestre (2001), a figura do orientador de estudos foi desaparecendo lentamente e a figura do orientador de dissertação foi assumindo as funções anteriores próprias do orientador de estudos. Assim, a presença do orientador na vida acadêmica do orientando se tornou cada mais mais forte e determinante. E quem foram aqueles que empenharam parte significativa de seu tempo de trabalho para orientar as 450 dissertações de mestrado e as cinqüenta teses de doutorado? Um número expressivo de docentes participou do íngreme, mas fundamental, exercício de acompanhar os mestrandos em todos os passos de sua pesquisa: desde a escolha do tema, do referencial teórico até a elaboração final da monografia científica: 67. Destes, alguns se destacaram pela quantidade de mestrandos orientados e, conseqüentemente, pelo empenho extraordinário despendido nesse processo dialógico-científico. Vamos nomear os treze mais: Hugo Assmann e Elias Boaventura orientaram 38 dissertações cada um deles; Júlio Romero Ferreira, 34; Francisco Cock Fontanella, 26; Wagner Wey Moreira, 23; Rinalva Cassiano Silva, 22; Ademir Gebara, 20; José Luiz Sigrist e Valdemar Sguissardi, 17; Davi Ferreira Barros e José Amálio de Branco Pinheiro, 15; João dos Reis Silva Junior, 14 e José Maria de Paiva, 13. Um detalhe interessante: o prof. Ely Eser Barreto César, mesmo envolvido pelas múltiplas atividades da Vice-Reitoria Acadêmica, foi docente do PPGE e orientou, de março de 1988 a dezembro de 1992, a pesquisa de um mestrando Rosana Vaghetti Luchese, O domínio da língua materna e o exercício da cidadania. Orientador: Ely Eser Barreto César, 02/12/ TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses

18 E as cinqüenta teses de doutorado, quem as orientou? Orientar uma produção científica de doutorado exige do orientador mais experiência de estudos, de pesquisa científica e de orientação de mestrandos. Os seis primeiros em número de orientandos são: Elias Boaventura, oito teses; Francisco Cock Fontanella, sete; Hugo Assmann, seis; José Maria de Paiva, cinco; Rinalva Cassiano Silva e Valdemar Sguissardi, quatro. Mas o trabalho de orientação de um docente do pós-graduação não se resume exclusivamente a sua relação com o seu orientando. Acontece a todo momento, na sala de aula, nos corredores, nos simpósios de dissertações e teses e, particularmente, nas bancas de qualificação e de defesa das dissertações e teses. O PPGE/UNIMEP, por congregar as atividades do pós-graduação em um mesmo espaço, em que se localizam as salas de aula, os gabinetes dos docentes, os laboratórios de pesquisa, a secretaria, os corredores hospitaleiros, se transformou em um ambiente formativo privilegiado. E qual foi a participação dos docentes do PPGE nas bancas de defesa de dissertação de mestrado e de tese de doutorado de outros pós-graduandos que não os seus orientandos? É importante, antes de indicar a resposta, destacar alguns elementos que ajudam a compor a quantidade de participação de um docente do PPGE na participação de bancas de mestrado e de doutorado: tempo de exercício de docência no PPGE; o número reduzido de docentes do PPGE nos primeiros quinze anos de sua história; o fato de, somente a partir dos dois últimos Regulamentos, se exigir, nas bancas de defesa do mestrado e do doutorado, a presença de um ou dois docentes, respectivamente, externos ao Programa (Regulamento de 1997), externos à Instituição (Regulamento de 2000). Eis os dados: o professor Júlio Romero Ferreira bateu todos os recordes: participou de 99 bancas de dissertações; Francisco Cock Fontanella, de 51 bancas; José Maria de Paiva, de 46 bancas; Davi Ferreira de Barros, de 45 bancas; Elias Boaventura, de 41 bancas; Rinalva Cassiano Silva, de 37 bancas; José Luiz Sigrist, de 34 bancas; Hugo Assmann, de 21 bancas; Cleiton de Oliveira e Sueli Mazzilli, de 17 bancas cada; Valdemar Sguissardi, de 16 bancas e Ademir Gebara, de 15 bancas. Alguns participantes merecem destaque: Paulo Freire participou de uma banca de mestrado, em 1983; 12 Antônio Joaquim Severino e Dermeval Saviani participaram de duas bancas; Almir de Souza Maia, de cinco bancas; Ely Eser César Barreto, de oito bancas. Em relação à participação nas bancas de doutorado, os mais ativos foram: Francisco Cock Fontanella, 14 bancas; José Maria de Paiva, Júlio Romero Ferreira e Valdemar Sguissardi, oito bancas cada; Cleiton de Oliveira, seis bancas; Sílvio Gallo, cinco bancas; Maria Cecília Rafael de Góes, Elias Boaventura, Rosália Maria Ribeiro de Aragão, Ademir Gebara, Rinalva Cassiano Silva e Bruno Pucci, quatro bancas cada. Se somarmos a participação de cada docente do PPGE nas bancas de seus orientandos de mestrado e de doutorado e nas bancas de outros orientandos, vamos observar que alguns docentes já dedicaram um tempo extraordinário de suas vidas à orientação de discentes, à leitura e análise de dissertações e teses. Entre eles destacamos os seguintes: Júlio Romero Ferreira, 143 bancas; Francisco Cock Fontanella, 98 bancas; Elias Boaventura, 91; José Maria de Paiva, 72; Hugo Assmann e Rinalva Cassiano Silva, 67; Davi Ferreira de Barros, 63; José Luiz Sigrist, 52; Valdemar Sguissardi, 45 e Ademir Gebara, 41. Importante também é a figura do coordenador do programa de pós-graduação. Escolhido entre seus pares, tem ele inúmeras funções internas (intermediar as atividades de ensino, pesquisa, orientação, extensão e administração dos docentes, discentes e setores administrativo do programa) e externas (responder pelo programa junto aos órgãos superiores da universidade e junto aos órgãos públicos, financiadores e avaliadores do programa). No primeiro Regulamento do PPGE, 1978, o Art. 14 estabelece, formalmente, e pela primeira vez, as funções do coordenador do Programa de pós-graduação em Educação na UNIMEP. Diz também, em seu Art. 8.º, que as atividades dos programas de mestrado estão 12 Jorge Luis Cammarano González, A Filosofia dos vencidos (Filosofia da Educação). Banca: Roberto Armando Ramos de Aguiar (orientador), José Luiz Sigrist, Paulo Freire e Bruno Pucci. 27/05/83. Salão Nobre da UNIMEP, Campus Centro. TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses 17

19 diretamente vinculadas ao Conselho de Coordenação do Ensino e Pesquisa (e não aos Centros e a seus Conselhos então vigentes), por intermédio da Comissão de Ensino de Pós-graduação e Extensão. Apresenta ainda, no Art. 10, o coordenador geral dos Programas de Pós-graduação, como um dos especialistas e dos assessores do Conselho de Ensino e Pesquisa, que deve coordenar todas as atividades discentes e docentes dos Programas de Pós-graduação da UNIMEP. É de se notar que, em 1978, existiam apenas os programas de mestrado em Educação, em Ciências Sociais (História) e em Letras, e normalmente o coordenador do Programa de Pós-graduação em Educação era o coordenador geral dos Programas de Pós-graduação da UNIMEP. Sigrist nos fala que, entre os objetivos da proposta de transformar as Faculdades Integradas do Instituto Educacional Piracicabano na Universidade Metodista de Piracicaba, estava a criação de um Centro de Pós-graduação, com prioridade para a área de Educação. 13 Na verdade o Pós-graduação não chegou a funcionar formalmente como um Centro na estrutura da UNIMEP, mas possuía prerrogativas semelhantes aos Centros (que congregavam cursos, departamentos, funcionários e docentes) e o coordenador geral dos Programas de Pós-graduação tinha atribuições próximas de um diretor de Centro. O Regulamento de 1987 retoma ipsis literis as figuras do coordenador geral dos Programas de Pós-graduação e do coordenador do Programa de estudos de Pós-graduação em Educação. Nesse momento só existia um mestrado, o de Educação. Dez anos depois, o Regulamento do PPGE de 1997 parece atribuir um poder maior ao Colegiado do Programa e a seu Coordenador. Reza o Art. 3.º As atividades do Programa de Pós-graduação em Educação estão subordinadas ao respectivo Colegiado, sendo administradas pelo seu Coordenador. Apenas no Art. 4º há uma referência ao coordenador geral de Pós-graduação, que certamente continuava sendo o vínculo de ligação entre o programa e o Conselho de Ensino e Pesquisa: O Colegiado do Programa, vinculado à Coordenação Geral de Pósgraduação, presidido pelo Coordenador, é constituído por todos os professores que desenvolvem atividades de docência, orientação e pesquisa e por um representante discente de cada Curso. Essa experiência de uma autonomia expressiva, desenvolvida na longa e difícil história deste Programa se viu subitamente restringida em 1999, quando então o PPGE, sob a orientação dos Estatutos da UNIMEP, se transforma em um curso, vinculado a uma faculdade, com todas as atribuições, mas também com todas as dependências e especificidade de um curso de graduação. As decisões internas do PPGE, referentes a disciplinas, à estrutura de núcleos, à distribuição de aulas e outras, teriam também que passar pelo Conselho da Faculdade de Educação antes de ir para o Conselho de Ensino e Pesquisa. Só anos depois o PPGE foi percebendo a estrutura paralisante que a nova configuração da Unimep lhe impunha. Ainda assim, o Regulamento do PPGE/Unimep, elaborado pelos docentes do Programa e aprovado pelo Conselho Universitário em abril de 2000, não faz menção alguma a essa nova estrutura de poder. Já não existe mais o coordenador geral do Pós-graduação e o Programa de Pós-graduação passa a ter dois órgãos administrativos: o seu Conselho de Curso (que não é mais formado por todos os docentes) e a Assembléia de Curso, nos termos dos Estatutos da UNIMEP. Mas quem foram os coordenadores que durante os 30 anos ajudaram a tecer, com o apoio de seus pares, no consenso e na tensão, essa densa e fecunda história de vida coletiva que é o PPGE/UNIMEP? Seu primeiro dirigente foi o professor Newton Aquiles von Zuben, da PUC-SP, que semanalmente, com mais três colegas, viajava da capital para o interior para aqui depositarem as primeiras sementes da pesquisa e da pós-graduação. Von Zuben ficou na coordenação do Programa apenas um ano, de agosto de 1972 até agosto de Depois transferiu-se da PUC-SP para a Unicamp e teve de deixar a coordenação para outro colega seu, Geraldo Tonaco, também da PUC-SP, que ocupou o cargo, apenas formalmente, de agosto de 1973 até fevereiro de Seu sucessor foi o professor José Luiz Sigrist, que, desde agosto de 1973, já ocupava o cargo de coordenador geral dos Programas de Pós-graduação da UNIMEP. A partir de fevereiro de 1974 até o 13 Cf. SIGRIST, J L. opus cit., p TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses

20 final de 1986, José Luiz Sigrist acumulou os cargos de coordenador geral dos Programas de Pós-graduação da UNIMEP e coordenador do Programa de Pós-graduação em Educação. Foram quatorze longos anos de coragem, de desafios e de confiança na possibilidade de transformar um programa de pós-graduação, frágil, incipiente, com poucos recursos humanos e materiais, num programa reconhecido e credenciado pela Capes. Foi nesse período (1980) que o PPGE tentou pela primeira vez seu credenciamento, mas não obtendo resultado satisfatório. A negação do credenciamento pela Capes, por um lado, foi um balde de água gelada na cabeça daqueles que até então lutaram pelo avanço e pelo reconhecimento desse Programa, mas, por outro lado, as recomendações da Capes foram fundamentais para que o PPGE, liderado por Sigrist e com apoio da administração superior da UNIMEP, erguesse a cabeça, reforçasse seu quadro docente próprio, reformulasse sua estrutura de funcionamento e, oito anos depois, conseguisse seu primeiro credenciamento. Sigrist só deixou a coordenação do PPGE/UNI- MEP e se transferiu para a Unicamp, tempo integral, no final de 1987, quando então a visita da Comissão da Capes tinha indicado, para o Conselho Federal de Educação, o credenciamento do PPGE. Seu sucessor foi o professor Júlio Romero Ferreira, que conduziu o Programa de 1987 até Júlio já, anteriormente, cooperava com Sigrist na coordenação do PPGE. E logo no início de sua gestão colheu uma das vitórias mais importantes de um Programa em uma universidade confessional: o primeiro credenciamento do PPGE por cinco anos, em O professor Davi Ferreira Barros foi o quinto coordenador do PPGE. Sua gestão se desenvolveu de 1991 a Foi nesse período que o PPGE, assumindo sua história e suas perspectivas, fortaleceu o nome da UNIMEP, com a criação do Programa de Doutorado em Educação. O professor Valdemar Sguissardi foi coordenador do PPGE, de janeiro de 1995 a julho de Teve papel fundamental no fortalecimento do doutorado e na inter-relação entre o PPGE/UNIMEP e os outros PPGEs e a Capes. Para substitui-lo foi indicada a professora Rinalva Cassiano Silva, que coordenou o Programa de agosto de 1996 até o final de A professora Rinalva foi fundamental na constituição de um sólido corpo docente dedicado integralmente ao PPGE. Durante sua gestão, o PPGE obteve a avaliação B da Capes tanto para o mestrado quanto para o doutorado. O professor Júlio Romero Ferreira, por decisão unânime dos docentes do PPGE assume, em 1999, outra vez a coordenação do PPGE juntamente com a direção da Faculdade de Educação. Sob sua coordenação, os docentes do PPGE se comprometem coletivamente na vontade de suplantar os pontos deficientes do Programa, apontados pela avaliação da Capes (nota 3), e de atribuir ao PPGE o status que ele merecia. A luta não foi em vão! Na avaliação trienal seguinte (2001) o PPGE/UNIMEP se destaca entre os 12 melhores Programas de Pós-graduação em Educação do Brasil: Programa nota 5! Bruno Pucci está sendo o 9.º coordenador do PPGE e tem procurado manter o Programa no patamar acadêmico e científico construído pelos seus predecessores. Entre os objetivos do PPGE/UNIMEP presentes no relatório enviado à Capes em 1987, deparamos com o seguinte: qualificar recursos humanos para o ensino superior da própria instituição e de outras instituições de ensino superior do interior do Estado de São Paulo. Lemos no texto de Sigrist, por ocasião dos dez anos do PPGE, parte do mesmo objetivo, que aqui queremos destacar: a articulação do Programa com o Plano de Capacitação docente da Universidade. Se formos acompanhar a trajetória de nossos mestrandos e de nossos doutorandos, poderemos observar que o PPGE/UNIMEP está atingindo plenamente seu objetivo: formar docentes e pesquisadores que atuem nas atividades acadêmicas das instituições superiores do interior paulista, principalmente na UNIMEP. Pelos dados por nós levantados, 80 docentes-mestres e 17 docentes-doutores da UNIMEP defenderam o mestrado e/ou o doutorado no PPGE. Só por isso já valeu a pena ter sido criado o PPGE! Resgatar a história do PPGE/UNIMEP é resgatar as infindáveis inter-relações estabelecidas entre docentes e discentes, no interior das salas de aulas, no solitário trabalho de orientação e de produção de dissertação, nas conversas dos corredores ou no cafezinho da galeria, nas intermináveis reuniões do colegiado do programa, nos momentos tensos e festivos das defesas de tese, no grito e nos rojões pela nota cinco. Em todos esses momentos há a presença do humano, da esperança, da dedicação, da ousa- TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses 19

21 dia. As secretárias do PPGE nos ajudaram a colher as múltiplas informações expostas neste ensaio e nesta publicação. Solícitas sempre, não obstante a carga pesada dos trabalhos acadêmico-administrativos, elas nos traziam dados e informações novas para compor este texto. Aliás, sem elas, dificilmente este Programa seria nota cinco! São tantas as Ivones e as Elaines que passaram e ainda estão por aqui, e no silêncio de suas vidas e na competência de seus trabalhos, auxiliam a nós, docentes e discentes, a ser mestres e doutores. Neste livro são apresentados os resumos das 450 dissertações de mestrado e cinqüenta teses de doutorado produzidas pelos discentes do PPGE. Quantas lágrimas, insônias, descobertas e alegrias estão escondidas nas entrelinhas dos textos! Que os resumos aqui divulgados sejam incentivos para a leitura dos trabalhos completos e para a produção de novas pesquisas. Piracicaba, 18 de julho de TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses

22 A PRODUÇÃO EM POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO Cleiton de Oliveira* O presente estudo foi elaborado a partir da análise dos resumos de dissertações e teses defendidas na área de Política e Administração da Educação no Programa de Pós-graduação da UNIMEP. A primeira dissertação de mestrado foi defendida em 27 de junho de 1978 por Elias Boaventura, tendo como orientador José Luiz Sigrist; a primeira defesa de tese de doutorado nessa área deu-se em 25 de março de 1997, tendo como autora Cléia Maria da Luz Rivero, sob a orientação de Rinalva Cassiano Silva. É interessante destacar que os dois primogênitos são professores da instituição, continuando em atividades docentes; os dois orientadores citados, à época das defesas, igualmente pertenciam à instituição. A denominação da área sofreu alterações ao longo do tempo nos registros dos resumos das dissertações e teses: inicia-se como Área de Concentração em Administração Escolar; a partir de 1994, porém, encontramos registrada a expressão Administração Educacional; no doutorado inicia-se como Linha de Pesquisa em Administração e Organização Educacional; e, posteriormente, a partir de 1999, no doutorado, e de 2000, no mestrado, aparece como Núcleo de Estudos e Pesquisas em Política e Gestão da Educação. Mais que simples registros burocráticos, essas alterações ilustram o desenvolvimento da área, refletindo no Programa o movimento que ocorria no campo do conhecimento, tendência registrada nos meios acadêmicos e em entidades que congregam pesquisadores e profissionais da área. 1 As alterações na denominação da área não significaram cortes na orientação dos trabalhos, parecenos que responderam mais à adequação ao movimento citado. De fato, a análise dos resumos revela que na grande maioria dos trabalhos, desde as primeiras dissertações, houve preocupação em contextualizar o objeto da pesquisa, em desvelar os determinantes ideológicos, econômicos, políticos e sociais, procurando situar historicamente a questão e levando em conta os aspectos culturais envolvidos. A análise dos resumos, considerando as dissertações e teses, revela que a enorme maioria dos trabalhos, em torno de 85%, pode ser agrupada em quatro grandes blocos. Nessa classificação, cientes das limitações inerentes a tal empreitada, procuramos agrupar os trabalhos de acordo com a orientação revelada no resumo, não significando, portanto, que as pesquisas de um bloco não contenham elementos de outro(s). O primeiro grande bloco compreende os trabalhos referentes à política educacional, presente desde a década de 70, intensificando sua ocorrência a partir dos anos 90. Esse bloco abarca pouco mais de 40% dos trabalhos classificados nessa área de concentração/núcleo. As pesquisas se detêm na análise de políticas públicas no campo educacional. Foram pesquisadas políticas nacionais, estaduais e municipais. Há trabalhos que investigam essas políticas de um modo geral e outros, constituindo a maioria nesse grupo, que focalizam programas específicos. Dentre estes, destacamos: a educação escolar em diferentes níveis e modalidades; a educação popular, de jovens e adultos e programas de erradicação do * 1 Mestre em Educação pelo PPGE/UNIMEP, professor do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Política e Gestão da Educação do Programa de Pós-graduação em Educação da UNIMEP, desde É interessante observar, por exemplo, o que ocorreu na Anpae, associação que congrega pesquisadores e profissionais da área. A entidade foi fundada em 1961 com a denominação de Associação Nacional de Professores de Administração Escolar, passando em 1971 para Associação Nacional dos Profissionais da Administração Educacional e, em 1996, para Associação Nacional de Política e Administração da Educação. TRINTA ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Ensaios, Dissertações e Teses 21

2008-2020 BRASÍLIA / DF 2009 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA. Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48

2008-2020 BRASÍLIA / DF 2009 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA. Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48 2008-2020 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ECONOMIA BRASÍLIA / DF 2009 Reg ECONOMIA.indd 1 6/9/2010 17:04:48 Reg ECONOMIA.indd 2 6/9/2010 17:04:48 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA Brasília-DF CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art. 1º. O presente

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE

NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE As Pró-Reitorias de Graduação e de Pesquisa e Pós-Graduação, CONSIDERANDO a necessidade

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu

1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu - 1-1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu Os dados da pós-graduação brasileira indicam que todas as áreas do conhecimento apresentaram crescimento expressivo ao longo dos anos, com algumas oscilações,

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP.

Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP. RESOLUÇÃO UNESP Nº 30, DE 17 DE JUNHO DE 2010. Texto consolidado Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP. O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, tendo em vista

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 0 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil oferecido pelo Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

Resolução PG-Mec 1/2010

Resolução PG-Mec 1/2010 Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica (PG-Mec) Estabelece o Regimento do Programa de Pós- Graduação em Engenharia Mecânica

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Institui e estabelece critérios para o Aproveitamento de Estudos e Verificação de Proficiência para fins de certificação

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1º A Área de Concentração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Coordenadoria do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Coordenadoria do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica REGIMENTO - VÁLIDO PARA ALUNOS QUE INGRESSARAM NO PPGEEL ATÉ MARÇO DE 2010 I - DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Curso de Pós-Graduação em Engenharia da UFSC visa proporcionar a pesquisadores, docentes e profissionais

Leia mais

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses.

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses. RESOLUÇÃO N O 01/201 PPgCO Regulamenta a distribuição de bolsas de estudo no Programa de Pós-Graduação em Clínica Odontológica, quanto à concessão, manutenção, duração e cancelamento da bolsa. O Colegiado

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA CEPE 04/12/2013 I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 o O Curso de Mestrado do Programa

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

1º O PIPG compreende as seguintes ações:

1º O PIPG compreende as seguintes ações: RESOLUÇÃO N o 005, de 25 de fevereiro de 2013. Regulamenta o Programa de Incentivo à Pós-Graduação Stricto Sensu (PIPG) da UFSJ. A PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

Leia mais

Art. 2º Revogar a Portaria nº 112, de 01 de agosto de 2008. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE ALMEIDA GUIMARÃES

Art. 2º Revogar a Portaria nº 112, de 01 de agosto de 2008. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE ALMEIDA GUIMARÃES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 140, DE 1º DE JULHO DE 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR -

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES TÍTULO I DO CONCURSO E DOS CANDIDATOS

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES TÍTULO I DO CONCURSO E DOS CANDIDATOS UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES TÍTULO I DO CONCURSO E DOS CANDIDATOS Art. 1º O ingresso como docente na UNISC faz-se mediante Concurso Público de

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas São Paulo, 20 de maio de 2009. ASSUNTO: NORMA ADMINISTRATIVA PARA A REALIZAÇÃO DE MONITORIA NO CCSA Prezado(a) Aluno(a), Considerando: I. a importância da monitoria como um dos meios para a operacionalização

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 026 / 94 Aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis em Nível de Mestrado, com área de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade Gerencial

Leia mais

ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Curso de Mestrado Profissional em Administração Pública MAP Pós Graduação Stricto Sensu FGV/EBAPE REGULAMENTO TÍTULO

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS NORMAS ESPECÍFICAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS NORMAS ESPECÍFICAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS NORMAS ESPECÍFICAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Res. CONSUN nº 41/05, de 29/06/05 Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º CAPÍTULO I DAS FINALIDADES O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS FCH PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO SUMÁRIO

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS FCH PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO SUMÁRIO FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS FCH PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO Res. Consun nº 017/14, de 24/09/14. SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DO PROGRAMA... 3 1.1. Histórico do PPGE... 3 1.2. O PPGE

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Não é todo estudante que entende bem a organização do sistema educacional brasileiro e seus níveis de ensino. Nem todos sabem, por exemplo, a diferença

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (Regimento aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fiocruz em 28/08/2008) 1. Dos Objetivos 1.1. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) oferece programas de pós-graduação

Leia mais

- 1 - EDITAL 04/2015 DAS VAGAS

- 1 - EDITAL 04/2015 DAS VAGAS EDITAL 04/2015 Ementa: Edital para seleção de docentes em regime de Tempo Integral 40 horas, para atuar no Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. O Diretor da Faculdade de Engenharia, Arquitetura

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS PLANO DE TRABALHO 2012-2015

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS PLANO DE TRABALHO 2012-2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS PLANO DE TRABALHO 2012-2015 CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU PROF.

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO 2013 CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Art. 1 - O Curso de Doutorado em Ciência do Sistema Terrestre do INPE tem como objetivo a formação de recursos

Leia mais

ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1

ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1 ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1 1.- Objetivos do Curso de Mestrado: a. Formação de professores para o magistério superior; b. Formação de pesquisadores; c. Capacitação para o exercício

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1 o - O Programa de Pós-Graduação em Sociologia, vinculado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL REGIMENTO. I Da Proposta do Curso e seus Objetivos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL REGIMENTO. I Da Proposta do Curso e seus Objetivos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL REGIMENTO I Da Proposta do Curso e seus Objetivos Art. 1. O Curso de Pós-Graduação latu sensu Especialização

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art.1º - O Programa de Pós-graduação em Odontologia

Leia mais

Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP.

Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP. Resolução UNESP nº 46 de 26/03/2012 Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP. TÍTULO I Do Programa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 07/2014 Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Stricto Sensu, denominado

Leia mais

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO.

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. 1- Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I - capacitar pessoal em nível de Mestrado Acadêmico,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008. Fortaleza-Ceará - 2008 -

REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008. Fortaleza-Ceará - 2008 - PÓS-GRADUAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS MESTRADO - DOUTORADO CONCEITO 4 - CAPES REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008 Fortaleza-Ceará

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES O objetivo deste Regulamento é apresentar o Programa de Estímulo a Formação de Pesquisadores e definir os critérios para concessão de bolsas de estudo aos

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

RESOLUÇÃO UNESP Nº 41, DE 17 DE OUTUBRO DE

RESOLUÇÃO UNESP Nº 41, DE 17 DE OUTUBRO DE RESOLUÇÃO UNESP Nº 41, DE 17 DE OUTUBRO DE 2011 (Publicada no D.O.E. de 18/10/11 Seção I, pág. 99) (Republicada no D.O.E. de 10/01/12 Seção I, pág. 78) Regulamenta os Cursos de Especialização da UNESP.

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora RESOLUÇÃO Nº 40/2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora RESOLUÇÃO Nº 40/2010 RESOLUÇÃO Nº 40/2010 Institui o Programa de Apoio à Qualificação Graduação e Pós- Graduação Stricto Sensu mediante de Bolsas para Servidores Técnico- Administrativos em Educação e Docentes efetivos da

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AGRONOMIA/ENTOMOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO

PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO EDITAL Nº. 01/2008 O Presidente da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico FUNCAP, Prof. Tarcísio

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores OFICINA DE ESTUDOS: O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA FAAC

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO Das Finalidades Art. 1º Os Cursos de Doutorado e Mestrado em Direito da Faculdade de Direito de Vitória (FDV) objetivam

Leia mais

III conferir, de acordo com o regime didático-científico do Programa, os graus de Doutor e Mestre Acadêmico;

III conferir, de acordo com o regime didático-científico do Programa, os graus de Doutor e Mestre Acadêmico; 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM SERVIÇO SOCIAL 1. Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I formar pessoal nível de Mestrado Acadêmico, Doutorado e Pós-Doutorado,

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º O Curso de pós-graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO: MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM SAÚDE

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA. MANUAL DO ALUNO

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA. MANUAL DO ALUNO UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA. MANUAL DO ALUNO APRESENTAÇÃO: O Programa de Pós Graduação em História da Universidade Severino Sombra tem como Área de Concentração a

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº 06/2013 DO CONSELHO DIRETOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Institui o Programa de Apoio à Qualificação (QUALI-UFU) mediante o custeio de ações de qualificação para os servidores efetivos: docentes

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º -O Programa de Pós-Graduação do Centro Universitário de Brasília UniCEUB tem por objetivo a formação profissional em nível de especialização e destina-se a formar especialistas

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA. Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA. Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (PPGEE) da Universidade Federal

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS PROGRAMA INTERNACIONAL pós-graduação stricto sensu DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Programa Internacional PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU RESOLUÇÃO E RECONHECIMENTO DO MESTRADO DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-graduação em Aqüicultura do Centro de Aqüicultura da Unesp

Leia mais

Portaria Nº 002A/012, de 07 de maio de 2012

Portaria Nº 002A/012, de 07 de maio de 2012 Portaria Nº 002A/012, de 07 de maio de 2012 DISPÕE SOBRE A REALIZAÇÃO DE PÓS- DOUTORADO NO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA DA. A COORDENAÇÃO DO BRASILEIRA DA, no uso de suas atribuições

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA Preâmbulo: - Considerando que a educação é um bem público e, conforme dispõe o art. 209 da carta constitucional,

Leia mais

Histórico. Formação de Recursos Humanos para o Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia do Brasil

Histórico. Formação de Recursos Humanos para o Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia do Brasil Histórico 40 ANOS DE Pós-graduação NO IME Formação de Recursos Humanos para o Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia do Brasil Wilma de Araújo Gonzalez a, Itamar Borges Júnior a,b, José Luiz Lima Vaz

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR 3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV 0DUoR $'0,1,675$d 2 Aprovação junto a CPPG da Resolução nº 01/2001 que dispõe sobre as atribuições da Comissão de Pós-Graduação

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS Comissão Própria de Avaliação Porto Alegre, março de 2005. 1 Diretora Vera Lucia Dias Duarte Coordenador do Curso Dr. Dakir Lourenço Duarte

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA O Programa de Pós-Graduação em Odontologia PPGODONTO, nível de Mestrado,

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA (Ato de Aprovação:

Leia mais

São Paulo, 122 (42) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sábado, 3 de março de 2012

São Paulo, 122 (42) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sábado, 3 de março de 2012 São Paulo, 122 (42) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sábado, 3 de março de 2012 REITORIA Resolução Unesp-32, de 2-3-2012 Aprova o Regulamento do Programa de Pósgraduação em Aqüicultura, Cursos

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA I - Objetivos Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal (PPGBA) destina-se a proporcionar aos candidatos portadores

Leia mais