Escola SENAI Manoel José Ferreira Av. 46, nº 661 Jardim Primavera - Rio Claro - SP Fone/fax (19)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola SENAI Manoel José Ferreira Av. 46, nº 661 Jardim Primavera - Rio Claro - SP Fone/fax (19) 3524-2197 E-mail senairioclaro@sp.senai."

Transcrição

1 PROPOSTA PEDAGÓGICA ELABORAÇÃO DATA APROVAÇÃO DATA Coordenação Pedagógica 29/12/10 Diretor 29/12/10

2 Escola SENAI "Manoel José Ferreira" Certificado ISO 9001/2000 em outubro de 2003 Avenida 46, 661 Jardim Primavera CEP: Rio Claro - SP Telefax: (19) CNPJ anterior: / CNPJ atual : / Início de Atividades: 23/07/1973 Inauguração: 27/08/1974 Atos Legais anteriores: - Portaria CEE n.º 14, de 1973, que autoriza funcionamento da escola. - Parecer CEE n.º 2960, de 1975, que autoriza funcionamento da escola. - Portaria CEE n.º 10, de 08/12/1980, que autoriza funcionamento da escola. - Parecer CEE n.º 590, de 1995, que adota Regimento Comum das Unidades Escolares SENAI. - Portaria CEE n.º 280, de 10/09/2009, que autoriza a mudança de endereço da escola. Atos Legais em vigor: - Decreto-Lei n.º 4048, de 22 de janeiro de 1942, que cria o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial. - Lei Federal n 9394, de 20 de dezembro de 1996 que regulamenta os dispositivos da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 2

3 - Parecer CNE/CNB n 17, de 03 de dezembro de 1997 que elucida as condições em que a aprendizagem industrial pode ocorrer. - Parecer CEE n.º 528, de 30 de setembro de 1998 (publicado no DOE n.º 188, de 2 de outubro de 1998), que aprova o Regimento Comum das Unidades Escolares do SENAI. - Portaria DR n 710, de 01 de setembro de 1999 que estabelece novas diretrizes para o modelo de educação profissional do Departamento - Regional do SENAI de São Paulo. - Resolução RE n 4, de 12 de junho de 2000 que dispõe da criação e autorização de funcionamento de unidades escolares. - Resolução RE 15/01, de 11/10/2001, que estende à rede de escolas do SENAI-SP a autorização de funcionamento de cursos técnicos, cujos planos de curso já foram aprovados e autorizados a funcionar. - Pareceres AUDI-E n 2; 7; 9 e 14, de 14 de fevereiro de 2002 sobre os cursos de Marceneiro, Eletricista de Manutenção, Mecânico Automobilístico, Mecânico de Usinagem. - Resolução RE-01/02, de 25 de fevereiro de 2002 que aprova os Planos de Curso de Educação Profissional Básica (EPB) para os cursos de Marceneiro, Eletricista de Manutenção, Mecânico Automobilístico, Mecânico de Usinagem. - Comunicado DITEC CO-DITEC 0003/04, de 25 de março de que altera relação de Cursos Normalizados de Formação Continuada. - Decreto n 5.154, de 23 de Julho de 2004 que regulamenta o 2 do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei Federal nº 9394, sobre a Educação profissional. - Lei nº , de 23/09/05 também altera artigos 428 e 433 da - Consolidação das Leis do Trabalho CLT. - Decreto nº 5.598, de 01/12/05 - regulamenta a contratação de aprendizes. 3

4 - Resolução RE 01/10, de 25/02/2010, que aprova o Plano de Curso Técnico de Eletromecânica e autoriza o seu funcionamento. - Comunicado CO 05/10, de 25/02/2010, que comunica a oferta regular de cursos técnicos. 4

5 SUMÁRIO Apresentação Contexto Histórico e a Razão da Criação da Escola Evolução da Presença da Escola na Indústria e na Comunidade Identificação dos Problemas e Necessidades Locais ou Regionais Recursos Institucionais, Humanos, Tecnológicos e Físicos da Escola Conciliação das Necessidades de Educação Profissional à Vocação e a Capacidade Instalada na Escola Legislação, as Normas, as Políticas e as Diretrizes Públicas e Institucionais Planejamento Estratégico Institucional Regimento Comum das Unidades Escolares do SENAI de São Paulo Ações Educativas Aprimoramento do processo pedagógico Referência bibliográfica consultada Controle de revisões

6 Apresentação Essa proposta pedagógica constitui, no Departamento Regional do SENAI de São Paulo, o compromisso educacional dessa Escola SENAI Manoel José Ferreira em relação aos alunos, às indústrias, às famílias e à comunidade, bem como, reflete o modelo de ensino adotado e a qualidade de formação almejada. A proposta pedagógica tem caráter estratégico e é parâmetro essencial para planos, projetos e atividades de educação e tecnologia da escola. A Escola SENAI Manoel José Ferreira, respeitadas as normas comuns e as do seu sistema de ensino, tem a incumbência de elaborar e executar sua proposta pedagógica, de acordo com o artigo 12 da Lei Federal n 9.394, de 20 de dezembro de A proposta pedagógica é essencial para a concretização da autonomia da escola, conforme preconiza o item 6 do Parecer CNE/CEB n 16/99. A Escola SENAI Manoel José Ferreira, exercendo com criatividade e responsabilidade a sua autonomia e observadas as políticas e diretrizes institucionais define aqui o seu projeto pedagógico, tendo em vista as necessidades locais ou regionais, bem como, a vocação e a capacidade da unidade escolar, conforme prescreve a diretriz número 16 da Portaria DR n 710/99. 6

7 1 Contexto Histórico e a Razão da Criação da Escola A realização do sonho de ter uma unidade do SENAI em Rio Claro foi fruto da luta dos empresários industriais do município e o apoio do poder público, através da promulgação de leis que facilitassem a implantação da escola. Destaca-se inicialmente, o Sr Manoel José Ferreira, pioneiro na mobilização de forças visando à criação da escola. Também tiveram atuação destacada os empresários Luis Couto, Benjamin Ferreira e Emilio Beltrati, Diretor Regional do CIESP, no período de sua efetiva implantação. O primeiro ato oficial com objetivo de promover a instalação de uma escola do SENAI em Rio Claro foi a Lei Municipal n 886, de 13 de dezembro de 1963, que dispõe sobre a doação de um terreno para a construção de uma escola técnica na cidade. Mais três leis foram promulgadas sendo que a última data de 16 de fevereiro de 1972 ( Lei nº 1231, que prorroga prazo de início da construção, definidos pelas anteriores). A Escola SENAI Manoel José Ferreira iniciou suas atividades no dia 23 de julho de 1973 e foi inaugurada oficialmente em 27 de agosto de 1974, desenvolvendo o Curso de Aprendizagem Industrial nas ocupações de Mecânico Geral, Eletricista de Manutenção, Mecânico de Automóvel e o de Marcenaria. No período noturno e nas mesmas áreas profissionais, eram oferecidas matrículas para jovens acima de 16 anos e adultos. O início das atividades da Escola proporcionou para a indústria local e para o município, a formação profissional de alunos com um perfil de saída mais afinado com as necessidades da indústria. 7

8 Fontes: Lei Municipal n 886, de 13 de dezembro de 1963, que dispõe sobre a doação de um terreno para a construção de uma escola técnica na cidade. Lei Municipal nº 1231, de 16 de fevereiro de 1972, que prorroga prazo de início da construção, definidos pelas anteriores. Diretores Período Affonso Salati 23/03/1973 a 31/05/1980 Arlindo José Vieira 01/06/1980 a 19/01/1997 Eloiza do Carmo Sita Faustino 20/01/1997 a 31/08/1999 Paulo Roberto de Mello Neves 01/09/1999 a / / 8

9 2 Evolução da Presença da Escola na Indústria e na Comunidade A Presença da Escola na Indústria Ao longo de sua história a Escola SENAI Manoel José Ferreira sempre ofereceu cursos de aprendizagem industrial e de formação continuada. Depois do ano 2000 passou a oferecer O Curso Técnico em Gestão de Processos Industriais, voltado para a área de plásticos. Em 2003 o Departamento Regional do SENAI de São Paulo, acompanhando as articulações para a globalização da economia e as consequentes exigências quanto à qualidade dos produtos e serviços, e percebendo o potencial de desenvolvimento dos diversos pólos industriais do estado, vinha se empenhando na obtenção da certificação da qualidade ISO 9001/2000, de todas as unidades escolares. A Escola SENAI Manoel José Ferreira também sintonizada com a percepção do Departamento Regional e a potencialidade da região em participar do intercâmbio comercial, tecnológico e cultural que começava a se efetivar através do Mercosul, se empenhou e, em 20 de outubro de 2003, obteve a certificação ISO 9001/2000. Em 2006 o SENAI iniciou obras de reforma da unidade com investimentos destinados a sua atualização tecnológica e ampliação da capacidade de atendimento. Todas as dependências foram reformadas, sendo feito pintura, troca de instalações elétricas e hidráulicas, colocação de 9

10 forro em todas as oficinas. Foram construídos: um refeitório com instalações para cantina, banheiros masculinos, femininos e para PCDs em todos os blocos, um novo anexo para a Marcenaria e um novo bloco para acomodar a administração, biblioteca, auditório e salas de aulas destinadas ao atendimento pontual para empresas. As mudanças implicaram na necessidade de mudança de endereço da escola e que foi autorizada pela Portaria CEE n.º 280/2009, de 10/09/2009. No ano de 1999 foi criado na cidade de Santa Gertrudes o Pólo Cerâmico. Ele germinou e alguns anos depois se transformou na ASPACER (Associação Paulista de Cerâmicas de Revestimento). A entidade solicitou do SENAI a realização de cursos na área da Cerâmica. O Presidente da FIESP autorizou, em 2006, o investimento para a construção de um prédio de 2.400m², e a aquisição de equipamentos para a instalação do Curso Técnico em Revestimentos Cerâmicos. O prédio está em fase final de construção e em 2011, estará pronto para possibilitar o desenvolvimento do Curso Técnico. Para atender às exigências tecnológicas e a expansão do número de postos de trabalho em empresas contribuintes, a unidade passou a ofertar 32 vagas anuais no curso Técnico de Manutenção Eletromecânica, a partir de janeiro de 2008 pelo Projeto Articulação SESI / SENAI, na modalidade de Ensino com Base em Competência. Em 2007 um novo segmento industrial, o da indústria de Implantes, que se instalara na região e apresentava um crescimento significativo, caracterizando a região como um dos principais pólos fornecedores desse 10

11 tipo de produto, solicitou ao SENAI que montasse um Laboratório para Análise de Implantes. O Conselho Regional autorizou e a partir de 2008, foi realizado novo investimento para a construção de um prédio de 400m², iniciado em junho de 2010, para acomodar o Laboratório para Análise de Implantes. A Escola SENAI Manoel José Ferreira vem mobilizando esforços no andamento de processos para aprovação e implantação de novos cursos nas áreas de Mecânica Automobilística e Marcenaria, na modalidade de Ensino com Base em Competência, e consequente aquisição de equipamentos/mobiliário para o desenvolvimento dos referidos cursos A Presença da Escola na Comunidade A Escola SENAI Manoel José Ferreira sempre marcou presença nos eventos públicos de Rio Claro e região, participando das festas cívicas nacionais e municipais, com a presença dos alunos dos Cursos de Aprendizagem Industrial. Outra ação desenvolvida a ser destacada é o da Equipe Ambiental com ações de educação ambiental, como plantio e distribuição de mudas e sementes para alunos, familiares e comunidade, em parceria com o Centro de Estudos Ambientais - CEA / UNESP e Prefeitura Municipal de Rio Claro. A Escola também mantém representação eleita no Conselho Municipal da Criança e do Adolescente CMDCA por 5 mandatos de 2 anos nos últimos 14 anos, tendo participado de vários eventos relacionados à preservação de direitos de crianças e adolescentes. 11

12 Os convênios firmados com a Prefeitura de Rio Claro e região proporcionaram o desenvolvimento de vários programas de atendimento gratuito à comunidade. Destacam-se dentre estes, um Projeto de Mutirão para formação de mão de obra para construção civil e posteriormente, a supervisão e aplicação de avaliações do Telecurso 2000 em Brotas. Através dos programas PIPM e PCFP foram certificados profissionais em Panificação, Costura, Eletricista Residencial, Pedreiro e Marceneiro. Outro destaque dos programas com a Prefeitura Municipal de Rio Claro e CMDCA foi o Projeto Profissional Cidadão, que proporcionou qualificação profissional para 64 adolescentes de baixa renda nas áreas ocupacionais da Metalmecânica e Elétrica. O SEBRAE SP é outro parceiro de diversos programas voltados para as micro e pequenas empresas e autônomos em vias de ingressarem na formalidade. Destacam-se nos últimos anos o programa Brasil Empreendedor; o desenvolvimento do marketing com ênfase no desenho industrial para confecções e, atualmente, o Programa de Alimentação Segura, vinculado à ANVISA. Além da participação em eventos e desenvolvimento de programas comunitários, a Escola SENAI Manoel José Ferreira também presta serviços para empresas e comunidade, sejam públicas ou não governamentais, assim como para Escolas da rede pública e a Universidade, para as unidades sediadas no campus de Rio Claro. Estes serviços são desenvolvidos nas oficinas e laboratórios da Escola, em caráter eventual e conforme disponibilidade dos ambientes de aprendizagem. 12

13 3 Identificação dos Problemas e Necessidades Locais ou Regionais Relacionados à Educação Profissional Breve história de Rio Claro A fundação do município ocorreu em 10 de junho de 1827 e, em 1845, tornou-se município. Tem como padroeiro São João Batista. Possui uma área de 499,9 km², localizada a leste do Estado de São Paulo. A cidade está distante da capital 157 km em linha reta e 173 km através das rodovias Bandeirantes, Anhanguera e Washington Luiz. A sede do município está a uma altitude de 613 m (marco zero do IBGE). O clima caracteriza-se por estiagens de inverno (junho a setembro) e chuvas de verão (dezembro a março). O relevo, é predominantemente, plano e a vegetação natural é composta por cerrado, porém restrita a algumas áreas de proteção ambiental (APA). Situada na região de Campinas (segundo pólo industrial do Estado), faz parte de uma micro-região bastante desenvolvida e em constante expansão econômica. Rio Claro encontra-se a 240 km do porto de Santos, a 85 km do Aeroporto Internacional de Viracopos e a 200 km do Aeroporto Internacional de Guarulhos, na região metropolitana da capital. Rio Claro possui uma rede de transportes composta por ferrovia, rodovias, estradas vicinais, terminal rodoviário e um aeroporto regional com m de pista, próprio para pouso de pequenas aeronaves. 13

14 O município está inserido na Bacia do Rio Corumbataí, que desagua no Rio Piracicaba, o qual estará integrado na construção da Hidrovia Tietê- Paraná, que virá a favorecer a cidade nos relacionamentos com o Mercosul. É preciso ressaltar que a capacidade de abastecimento de água e energia elétrica permite suportar um maior contingente populacional, bem como a expansão do Distrito Industrial. Quanto às redes de comunicação, a cidade dispõe de serviços de correios, telefonia, rede bancária (estatal e particulares), jornais diários e semanais, emissoras de rádio (AM e FM), canal de televisão, TVs a cabo e 03 Provedores da Internet. Quanto à educação, Rio Claro possui escolas e centros de educação infantis mantidos pela Prefeitura, escolas estaduais e particulares, escolas profissionalizantes e unidades do SESI, SENAI, SENAC e SENAT. No nível universitário, são oferecidos vários cursos através de quatro institutos: da UNESP - Universidade Estadual Paulista (pública), das Faculdades Claretianas, das Faculdades Anhanguera e da ASSER, todas particulares. Com equipamentos e características positivas, Rio Claro vem conseguindo, nos últimos anos, manter um lugar de destaque no cenário nacional, tendo sido apontada pela Revista Exame (1996), como a melhor cidade de porte médio do país para receber investimentos industriais e em 2010 pela Revista Veja como uma das possíveis metrópoles do século XXI. 14

15 Nos últimos três anos os empreendimentos vêm aumentando, pois foram reformulados os incentivos às empresas com o objetivo de dar à população mais empregos e novos recursos, garantindo, assim, melhores condições sociais e, acima de tudo, qualidade de vida, referência primeira de Rio Claro. O Aniversário de Rio Claro é comemorado no dia 24 de Junho. Disponível em: 3.2 Dados demográficos. A população da área de abrangência da Escola SENAI Manoel José Ferreira apresentou crescimento de 1,55% no período de 2009 para 2010, passando de para habitantes. Dessa população estratificada por faixa etária, destacam-se os jovens de 15 a 19 anos (7,8%); os de 20 a 24 (8,48%) e, já adultos, os de 25 a 29 anos (9,29%) e os de 30 a 34 anos (9,09%) totalizando 34,64% do total que podem ser considerados como potenciais beneficiários da formação profissional, seja como iniciantes em cursos de qualificação com objetivos de inserção no mercado de trabalho, seja como demandantes de aperfeiçoamento ou de requalificação para os que, já empregados ou que perderam o emprego, buscarem uma evolução funcional ou reintegração no mercado. Perfil Municipal - Rio Claro. Fundação SEADE. 13 set Disponível em 15

16 3.3 Dados do mercado de trabalho Escola SENAI Manoel José Ferreira Hoje, na região de abrangência da Escola SENAI Manoel José Ferreira, o total de empregados atinge , em 756 estabelecimentos industriais. Essas informações foram corroboradas pelo ranking dos municípios pela arrecadação da contribuição das empresas para o SENAI, onde o Município de Rio Claro ocupou a 15ª colocação no Estado de São Paulo, e a 6ª posição entre as cidades do interior. Perfil Municipal - Rio Claro. Fundação SEADE. 13 set Disponível em Além do aumento da demanda por formação profissional gerada pelo crescimento da população e o expressivo contingente de adolescentes, jovens e adultos em relação à população total, novas necessidades geradas pelas transformações ocorridas no mundo do trabalho estão a exigir das escolas profissionais um atendimento não só quantitativo, mas qualitativo, com a definição de novos perfis de saída para seus alunos, que atendam as novas exigências do mercado de trabalho. 3.4 Transformações no perfil profissional A partir do início dos anos 90, com a progressiva abertura econômica e o consequente acirramento da concorrência, as indústrias brasileiras tiveram que se renovar para sobreviver e competir em condições vantajosas seja no mercado interno, seja na ampliação ou busca de novos mercados externos. As mudanças que maior impacto causaram na formação profissional foram a 16

17 gerencial, a tecnológica e nas relações de trabalho. Embora interligadas, são distintas, pela sua natureza. A mudança tecnológica gerou a necessidade de as escolas renovarem equipamentos e instalações para acompanhar a evolução na indústria, com a consequente elevação dos custos de formação profissional. Além de equipamentos atualizados, torna-se necessário promover no ensino o desenvolvimento da habilidade de transferência de conhecimentos que possibilitem a adaptação às novas tecnologias e processos. Outra mudança de grande impacto foi a gerencial, com a redução de níveis hierárquicos trazendo em consequência o aumento de responsabilidades e poder de decisão mais próximos do trabalhador operacional. Células de produção que exigem a habilidade de trabalhar em grupo e também o controle de qualidade do próprio trabalho são requisitos para que o trabalhador atinja maior autonomia no trabalho. A pressão por menores custos levou a indústria a se concentrar na sua atividade fim e terceirizar ao máximo as atividades que não comprometessem ou que não fossem vistas como seu negócio. Muitos empregos migraram da grande empresa para as micro, pequenas e médias, não raro, composta por ex-funcionários que continuaram a fazer o mesmo trabalho, mas agora, como prestadores de serviço. Essa possibilidade, cada vez mais concreta, torna necessário formar para o trabalho e não para o emprego. Novas competências, tais como negociar contratos, cumprir prazos, ética na relação fornecedor/cliente e respeito ao meio ambiente devem ser desenvolvidas já durante a formação. 17

18 Não apenas os autônomos necessitam destas competências. O trabalhador empregado deve ser o gerente de sua própria carreira, tomar a iniciativa de aperfeiçoar a sua formação e não esperar apenas pelo que a empresa promova por necessidade imediata. A Escola SENAI Manoel José Ferreira, que já enfatiza no desenvolvimento de seus cursos as competências acima descritas, está sendo ampliada, para atender ao setor cerâmico, com investimento em obras e equipamentos. Obviamente, um crescimento da atividade industrial traz benefícios para todos os outros setores da economia, por ser um grande gerador de renda, estimulando os setores agrícola, comércio e serviços e até o setor público devido ao aumento da arrecadação nos três níveis, municipal, estadual e federal. Este crescimento, naturalmente benéfico para toda a sociedade, traz um aumento de demanda de recursos de infraestrutura, no transporte, saneamento e principalmente de formação profissional. Existe uma carência de pessoal com formação de nível técnico voltado para a indústria, principalmente nas habilitações profissionais que exigem equipamentos e instalações com custo elevado. Nas ocupações de nível básico, esta carência também é sentida, pois as empresas cresceram rapidamente e o número de vagas nas escolas profissionalizantes não acompanhou este crescimento. 18

19 Nesse sentido, são mantidos os esforços necessários para o crescimento e a divulgação da escola que pretende ser conhecida e reconhecida como um referencial na formação profissional da região. Escola SENAI Manoel José Ferreira em números: Municípios Atendidos pela Escola SENAI Manoel José Ferreira Corumbataí Ipeúna Itirapina Rio Claro Santa Gertrudes Conclusões, desde o início das atividades da Escola, em 1973, até o 1 semestre de 2010 Aprendizagem Industrial Formação Continuada Formação Continuada Sob Medida para Empresa Curso Técnico 117 Programa Profissão - Qualificada Nível Técnico 55 Total de Concluintes 49 19

20 As perspectivas indicam que a Escola SENAI Manoel José Ferreira continuará crescendo e em consonância com a missão e a política da qualidade e meio ambiente do SENAI, terá como meta ser a melhor escola profissional de Rio Claro e Região. Para tanto, concentrará seus esforços em: Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. 20

21 4 Recursos Institucionais, Humanos, Tecnológicos e Físicos da Escola 4.1 Recursos Institucionais O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI ocupa lugar destacado entre as principais instituições de educação profissional do País. Caracteriza-se como agência provedora de soluções para a indústria, tendo como atividade prioritária a educação profissional, prestando serviços de assessoria e assistência técnica e tecnológica, ensaios laboratoriais e informação tecnológica para empresas e para a comunidade em geral. O Departamento Regional de São Paulo, SENAI-SP, com jurisdição na base territorial do Estado, mantém diretamente ou orienta e supervisiona, quando mantidas por empresa em regime de Acordo, Convênio ou Termo de Cooperação, na forma da legislação específica, Unidades Escolares, fixas e móveis, destinadas à promoção da educação profissional para jovens e adultos e da tecnologia para as empresas industriais: 63 Centros de Formação Profissional; 24 Centros de Treinamento; 03 Centros de Formação Profissional em regime de termo de cooperação SENAI/Empresa; 01 Centro de Formação de Formadores; 01 Centro de Transferência de Tecnologia; 05 Centros Móveis de Exames de Certificação; 01 Centro Móvel de Formação Profissional com 65 Escolas Móveis. 21

22 Todas Escola SENAI Manoel José Ferreira estas unidades fixas e móveis oferecem educação profissional e estão equipadas para prestar serviços tecnológicos A Escola SENAI Manoel José Ferreira, sendo uma das escolas fixas, possui os seguintes recursos humanos, tecnológicos e físicos: 4.2 Recursos Humanos Colaboradores empregados do SENAI: Diretor de Unidade de Formação Profissional Coordenador de Atividades Pedagógicas Coordenador de Atividades Técnicas Técnicos de Ensino Professores do CAI Instrutores de Práticas Profissionais Atividades Intermediárias Instrutores de Práticas Profissionais Atividades Avançadas Agente de Treinamento Orientadora Educacional Bibliotecária Coordenador de Administração Escolar Assistentes de Serviços Administrativos Auxiliar Técnico de Oficina Supervisor de Serviços de Manutenção e Conservação Oficial de Manutenção Auxiliares de Serviços e Conservação Colaboradores autônomos ou de empresa jurídica atuando na docência em cursos da Formação Inicial e Continuada: Colaboradores da empresa encarregada pela limpeza/portaria: Auxiliares de limpeza Responsáveis pela Portaria Colaboradores da empresa encarregada pela segurança patrimonial: Vigias Colaboradoras da empresa encarregada pela recepção: Recepcionistas 22

23 4.3 Recursos Tecnológicos Escola SENAI Manoel José Ferreira Oficina de Aprendizagem na área da Usinagem Oficina de Aprendizagem na área da Solda Oficina de Aprendizagem na área da Marcenaria Oficina de Manutenção Eletromecânica Oficina de Aprendizagem na área da Eletroeletrônica Oficina de Aprendizagem na área da Ferramentaria Oficina de Aprendizagem na área da Mec. Automobilística Laboratórios de Informática Laboratório de Metrologia Laboratório de Hidráulica/Pneumática Laboratório de Controlador Lógico Programável 4.4 Recursos Físicos Área total do terreno ,87m² Área total construída 4.628,50m² A área construída consta de 06 blocos comportando as dependências, a saber: Bloco A: - Oficina de Aprendizagem na área da Usinagem - Oficina de Aprendizagem na área da Solda - Oficina de Aprendizagem na área da Marcenaria - Oficina de Manutenção Eletromecânica 23

24 - Oficina de Aprendizagem na área da Eletroeletrônica - Oficina de Aprendizagem na área da Ferramentaria - Oficina de Aprendizagem na área da Mec. Automobilística - Laboratórios de Informática - Laboratório de Metrologia - Laboratório de Hidráulica/Pneumática - Laboratório de Controlador Lógico Programável - Depósito da Usinagem - Sala da Coordenação Técnica - Sala do Café dos Funcionários - Sanitários Masculino dos Funcionários - Sanitário Feminino dos Funcionários - Sanitário Masculino de Alunos - Sanitário Feminino de Alunos - Sanitário de PNEs - Sala do Apoio ao Ensino - Sala de Ciências - Sala de Desenho Técnico - Sala de Tecnologia - Sala de PTO da Usinagem - Sala de PTO da Eletricidade Bloco B - Sala de PTO da Mecânica de Automóvel - Depósito da Mecânica de Automóvel - Banheiro Masculino de Alunos - Banheiro Feminino de Alunos 24

25 - Banheiro de PNEs - Oficina de Mecânica de Autos - Banheiro de Funcionários - Oficina de Marcenaria - Sala de Costura Tapeçaria - Almoxarifado Escola SENAI Manoel José Ferreira Bloco D - Cabine de Pintura - Depósito de Peças em Produção - Depósito de Peças Prontas - Depósito de Madeira Bloco C - Refeitório - Cantina Escolar - Banheiro Masculino Para Alunos - Banheiro Feminino Para Alunas - Depósito - Banheiro de Serviço Para Cantina Bloco E - Secretaria - Arquivo Morto - Sala do Servidor Informática - Depósito - Recepção - Sala do Agente de Treinamento 25

26 - Sala da Coordenação Pedagógica - Sala da Orientação Educacional - Sala do Diretor - Auditório - Sala de Treinamento I - Sala de Treinamento II - Biblioteca - Sanitário Feminino - Sanitário Masculino - Sanitário Para PNEs Escola SENAI Manoel José Ferreira Bloco F - Vestiário I - VestiárioII - Sanitário Masculino - Sanitário Feminino - Depósito - Oficina de Manutenção A Escola conta ainda com um bicicletário para alunos, uma quadra de esportes, uma cabine de entrada de energia elétrica, uma cabine do sistema de exaustão da Marcenaria, uma cabine do sistema de refrigeração da eletroerosão, um depósito de óleo para reciclagem, uma casa para acomodar recipientes de gases para soldagem, uma cabine/garagem para empilhadeiras. 26

27 Conforme já citado anteriormente esta em fase final de construção um prédio com de 2.400m², que irá acomodar o Curso Técnico em Revestimento Cerâmico. Também conforme já citado, esta em início de construção um novo prédio de 400m², para acomodar o Laboratório, e a aquisição de equipamentos para a instalação do Laboratório para Análise de Implantes. Externamente, existe, ainda, ampla área ajardinada, área de circulação e estacionamento. 27

28 5 Conciliação das Necessidades de Educação Profissional à Vocação e à Capacidade Instalada na Escola 5.1 A Necessidades de Educação Profissional A Educação Profissional é um conjunto de conhecimentos que conduzem ao desenvolvimento de aptidões proporcionando ao cidadão trabalhador um conjunto de competências, preparando-o para atuar no mundo do trabalho de maneira produtiva. O paradigma produtivo mundial está passando por transformações profundas e constantes. O Brasil com riqueza de matéria prima e mão-de-obra barata, conseguiu ser a oitava economia do mundo, mas este modelo é insuficiente para sustentar a inserção do país na moderna economia mundial. Mão-de-obra barata e desqualificação estão valendo cada vez menos e esta escola, ciente desta realidade, propõe uma educação profissional renovada, visando formar um profissional capaz de aliar a alta qualificação a outras qualidades indispensáveis. A política econômica adotada pelo município tem propiciado a retomada do crescimento econômico de Rio Claro, que na contramão da história, vem sistematicamente aumentando o número de postos de trabalho. A região de Rio Claro, desde épocas anteriores à criação da Escola SENAI, sempre manteve uma atividade industrial diversificada em vários ramos de atividade, destacando-se inicialmente produção de veículos ferroviário, veículos automotivos, alimentos, bebidas, equipamentos mecânicos, materiais cerâmicos, e distribuição de energia. A partir da década de 70, quando foi inaugurada a Escola, o município teve a implantação de novos setores com produtos e insumos à base de material plástico e fibra de vidro, além dos já existentes ampliarem a capacidade produtiva. Esta diversificação fez com que a Escola se mantivesse voltada mais para a manutenção, mesmo na área da usinagem, com seus egressos fazendo a conversão para a manutenção de instalações e equipamentos, e utilizando a própria para adaptarem o perfil profissional, fazendo cursos de eletricidade, pneumática e hidráulica. Esta conversão na qualificação na usinagem não elimina, até reforça, a necessidade de a Escola implantar novos cursos específicos para a área. 28

29 Buscando atender a essa demanda a Escola passou a oferecer o Curso Técnico em Gestão de Processos Industriais Plásticos (TGPI) A indústria cerâmica também teve um grande crescimento, tornando a região um polo líder na produção de pisos e revestimentos, com processos intensivamente automatizados (processo de produção por lotes) onde, novamente, a ênfase está na manutenção que garanta o funcionamento ininterrupto, pois não há contato direto do operador com a manufatura. Novamente procurando atender a essa demanda a Escola passou a oferecer o Curso Técnico em Eletromecânica, inicialmente denominado Curso Técnico em Manutenção Eletromecânica. Outro setor de destaque é o de móveis estofados, também com expansão recente acelerado, e que a Escola não atendia as necessidades, pois o perfil profissional dos marceneiros formados até então não contemplava a produção de móveis estofados. Desde o início de 2005 já estão matriculados alunos contratados por empresa do setor moveleiro na ocupação Construtor de Móveis Estofados, atualmente Marceneiro Tapeceiro, que foi uma resposta da Escola, à carência de profissionais qualificados para a confecção de móveis estofados. Considerando a evolução histórica do perfil industrial de Rio Claro acima descrito, a Escola procurou acompanhar as mudanças das exigências do mercado de trabalho, incluindo novos recursos tecnológicos para desenvolver novas competências nos perfis profissionais de saída das ocupações desenvolvidas tanto no Curso de Aprendizagem Industrial como na Formação Inicial e Continuada. As inclusões mais importantes foram a criação de laboratórios de Hidráulica, Pneumática, Informática e CLP, juntamente com a atualização curricular ocorrida no ano de Para atender a esta crescente demanda a Escola está fazendo investimentos para a ampliação das instalações, modernização de equipamentos de ensino e criação de novos cursos de nível básico e técnico, com ênfase na área cerâmica. Mais uma vez procurando atender a essa demanda a Escola passará a oferecer a partir de 2011 o Curso de Técnico em Revestimento Cerâmico. 29

30 Em 2008 Um novo segmento industrial, o da indústria de Implantes se instalara na região e apresentava um crescimento significativo que caracterizava a região como um dos principais pólos fornecedores desse tipo de produto. O SENAI foi então solicitado para montar um Laboratório para Análise de Implantes. 5.2 A Vocação e a Capacidade de atendimento A Escola SENAI Manoel José Ferreira, com capacidade instalada e competência para atender as necessidades do mercado de trabalho de Rio Claro e Região, oferece as seguintes opções: - Cursos de Aprendizagem Industrial - Cursos Técnicos - Cursos de Formação Inicial e Continuada - PCFP Programa Comunitário de Formação Profissional - Educação à Distância - Desenvolvimento e Inovação Tecnológica - Serviços Técnicos Especializados - Assessoria Técnica e Tecnológica - Informação Tecnológica - Certificação de Processos e Produtos Cursos de Aprendizagem Industrial O Curso de Aprendizagem Industrial é destinado a jovens que tenham concluído o ensino fundamental. Nas escolas da Rede SENAI, em São Paulo, esta modalidade de curso é ofertada nas áreas de: Alimentos, Automotiva, Calçados, Construção Civil, Eletroeletrônica, Gráfica, Mecânica, Metalurgia, Mobiliário, Siderurgia, Transportes e Vestuário. Às empresas contribuintes do Sistema SENAI, o atendimento a Cursos de Aprendizagem Industrial é gratuito. 30

31 Para ingressar nessa modalidade de curso, o aluno deve comprovar conclusão do Ensino Fundamental e ser aprovado em processo de seleção e ter, no mínimo: Preferencialmente, ter completos 14 anos na data de início do curso e, no máximo, idade que lhe permita concluir o curso antes de completar 24 anos, para candidatos a ser contratados como Aprendizes por empresas contribuintes. Ou então ter completos 14 anos na data de início do curso e, no máximo, idade que lhe permita concluir o curso antes de completar 18 anos, para candidatos da comunidade. OBS: Para os cursos "Construtor Residencial", "Eletricista Instalador", "Instalador Hidráulico" e "Soldador" é exigido, no mínimo, 18 anos na data de início do curso e, no máximo, idade que lhes permitam concluir o curso antes de completarem 24 anos. Ao concluírem o curso, os alunos recebem o Certificado de Aprendizagem Industrial e após um período de prática profissional comprovada de um ano, a Carta de Ofício. Nesta Escola são oferecidas vagas nas ocupações de Mecânico de Usinagem; Eletricista de Manutenção; Mecânico Automobilístico e Marceneiro Tapeceiro Cursos Técnicos A educação profissional de nível técnico tem organização curricular própria e independente do ensino médio. São condições necessárias para a matrícula aos cursos técnicos do período da manhã, tarde e integral: ser classificado no processo seletivo; não estar matriculado em curso oferecido gratuitamente pelo SENAI-SP e desenvolvido simultaneamente ao curso técnico pretendido; comprovar a conclusão, no mínimo, da 1ª série do ensino médio, ou estar matriculado em curso que lhe permita concluí-la até a data do início das aulas; apresentar, num prazo de até 15 dias do início das aulas, declaração que comprove estar matriculado, no mínimo, na 2ª série 31

32 do ensino médio ou Histórico Escolar de conclusão do ensino médio. São condições necessárias para a matrícula aos cursos técnicos do período noturno: ser classificado no processo seletivo; não estar matriculado em curso oferecido gratuitamente pelo SENAI-SP e desenvolvido simultaneamente ao curso técnico pretendido; comprovar a conclusão do ensino médio, ou estar matriculado em curso que lhe permita concluí-lo até a data do início das aulas; apresentar, num prazo de até 15 dias do início das aulas, Histórico Escolar de conclusão do ensino médio. Os cursos têm duração mínima de 1600 horas, incluindo o estágio supervisionado obrigatório de 400 horas. Será oferecido orientação individual ao aluno, visando dar-lhe a possibilidade de traçar um projeto de desenvolvimento profissional e de estudos. Ao concluir o curso, o aluno receberá o diploma de técnico. A escola oferece vagas em Cursos Técnicos com o projeto em articulação com o SESI, para o Curso Técnico em Eletromecânica, preferencialmente com alunos cursando o Ensino Médio do SESI e, em havendo vagas, também com alunos da comunidade. A partir de 2011 também estará oferecendo vagas para o Curso Técnico em Revestimento Cerâmico Cursos de Formação Inicial e Continuada - Escola São cursos de menor duração que atendem a demandas de capacitação no que se refere à qualificação, requalificação e reconversão profissional, dirigidos a pessoas que já atuam na profissão ou que buscam uma nova inserção no mercado de trabalho. Proporcionam qualificação, aperfeiçoamento e especialização profissional e têm duração variável, de acordo com as especificidades. 32

33 São estruturados de acordo com as características dos mercados regionais e setoriais, com base em demandas claramente identificadas no mercado de trabalho. Estes cursos destinam-se a jovens, maiores de 14 anos e adultos, que atendam à exigência de escolaridade conforme plano de curso da ocupação escolhida das seguintes áreas: Usinagem, Eletroeletrônica, Automobilística, Marcenaria, Automação Hidráulica e Pneumática, CLP e Desenho com CAD. Os cursos de Formação Continuada desenvolvidos nas escolas do SENAI-SP são normalizados pela GED Gerência de Educação, para que atendam a requisitos de padronização do atendimento da clientela em todas as escolas da rede Formação Inicial e Continuada - Empresas São cursos de formação continuada sob medida, estruturados especialmente para suprir necessidades próprias de empresa solicitantes. Por terem como objetivo atender a demandas pontuais, podem não ter plano de curso, mas ficha de produto para especificar objetivo, conteúdo, carga horária, número de participantes, início e término. Estes cursos podem ser de áreas ocupacionais que a escola não possui instalações ou mesmo competência técnica para desenvolver e, nestes casos, cabe a ela buscar na rede SENAI ou até fora dela meios físicos e/ou recursos humanos para tal Programas Comunitários de Formação Profissional A Unidade segue as diretrizes da GAEC Gerência de Assistência à Empresa e à Comunidade estabelecidas nos procedimentos DITECs 30 e 31 na implantação, acompanhamento e avaliação dos convênios com prefeituras e entidades. No convênio firmado com a Prefeitura Municipal de Rio Claro o local das aulas não é permanente. Foi adotado um sistema itinerante para atender a vários bairros do município onde, ao término das aulas de uma determinada turma, o docente se desloca para outro bairro onde desenvolverá as aulas da turma seguinte. As ações se iniciam com visitas do Agente de Treinamento às instalações para avaliação com fins de implantação de convênio ou de renovação quando já instalado e também acompanhamento da ação 33

34 docente. Cabe também ao mesmo a verificação de registros e a certificação. A Avaliação da Gestão dos Programas de Ação Social é feita semestralmente pelo Coordenador Pedagógico Educação à Distância O Novo Telecurso é um programa de educação estruturado para atender jovens e adultos que não tiveram a oportunidade de concluir o Ensino Fundamental ou Médio. Destina-se também a trabalhadores que queiram se qualificar na área de Mecânica (Telecurso Profissionalizante). Tem caráter inovador, pois volta-se para o mundo do trabalho e a formação da cidadania, possibilitando a construção de um saber sistematizado e sintonizado com o dia-a-dia dos cidadãos. Sua proposta pedagógica apóia-se nos seguintes princípios: - Ensino contextualizado - Currículo relevante para o mundo do trabalho e das práticas sociais - Desenvolvimento de habilidades básicas e de competências fundamentais para o exercício da cidadania e da conquista da identidade Desenvolvimento Tecnológico Envolve as atividades para as quais o conhecimento técnico-científico é utilizado na produção de novos materiais, equipamentos, produtos e sistemas, ou para efetuar melhorias nos já existentes. - Desenvolvimento Experimental - Design Serviços Técnicos Especializados São atividades cuja rotina de execução já está padronizada, normalmente fundamentada em normas técnicas ou procedimentos sistematizados, envolvendo manutenção, testes, calibrações ou ensaios de diversas naturezas. Possui três categorias: - Serviços Laboratoriais - Serviços de Inspeção - Serviços Operacionais 34

35 Assessoria Técnica e Tecnológica Escola SENAI Manoel José Ferreira Atividades de natureza tecnológica são tanto aquelas voltadas para a orientação quanto as voltadas para a implementação de solução de problemas, visando à melhoria da qualidade e da produtividade. - Assessoria e Consultoria em Gestão Empresarial - Assessoria e Consultoria em Processo Produtivo - Assessoria e Consultoria em Saúde e Segurança do Trabalho - Assessoria e Consultoria em Meio Ambiente - Assessoria e Consultoria em Educação Informação Técnica e Tecnológica Atividades que englobam a captação, tratamento e disseminação de todo tipo de informação ou conhecimento, de caráter tecnológico ou não, relacionado com o modo de fazer ou melhorar um processo, produto ou serviço, agregando conhecimentos necessários à tomada de decisão. Elaboração e Disseminação de Informações - Diagnóstico Industrial/Empresarial - Dossiê Técnico - Resposta Técnica - Pesquisa Bibliográfica - Elaboração e Disseminação Seletiva da Informação - Fornecimento de Publicações Técnicas e Documentos Técnicos Certificação de Produtos e Pessoas Atividades voltadas para o reconhecimento formal de conformidade de produtos e profissionais. - Certificação de Produtos - Certificação de Pessoas 5.3 A Capacidade Instalada na Escola A capacidade instalada na escola está dimensionada para atender às demandas do mercado e sempre será flexibilizada para que haja conciliação entre a oferta e as necessidades de educação profissional. Atualmente, a Escola SENAI Manoel José Ferreira, possui a seguinte capacidade instalada: 35

36 - 32 postos na Oficina de Aprendizagem na área da Usinagem - 16 postos no Oficina de Aprendizagem na área da Solda - 14 postos na Oficina de Aprendizagem na área da Marcenaria - 12 postos na Oficina de Manutenção Eletromecânica - 32 postos na Oficina de Aprendizagem na área da Eletroeletrônica - 12 postos na Oficina de Aprendizagem na área da Ferramentaria - 28 postos na Oficina de Aprendizagem na área da Mec. Automobilística - 16 lugares no Laboratórios de Informática - 16 lugares no Laboratório de Metrologia - 16 lugares no Laboratório de Hidráulica/Pneumática - 16 lugares no Laboratório de Controlador Lógico Programável - 64 lugares distribuídos em 2 salas de aulas para treinamentos para a Formação Continuada Empresa - 32 lugares na sala de aula de Desenho Técnico - 64 lugares divididos em duas salas de Tecnologia lugares na sala de PTO de Eletricidade - 16 lugares na sala de PTO de Mecânica de Automóvel - 14 lugares na sala de Costura Tapeçaria 36

37 6 Legislação, as Normas, as Políticas e as Diretrizes Públicas e Institucionais 6.1 Legislação e as Normas Decreto-Lei nº 4048, de 22 de janeiro de 1942, cria o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial. Lei n 9.394, de 20 de Dezembro de 1996 estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Decreto n 5.154, de 23 de Julho de 2004 que regulamenta o parágrafo 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41, da Lei Federal nº 9394, sobre a Educação Profissional. Parecer CEE nº 528, de 30 de setembro de 1998 (publicado no DOE n.º 188, de 2 de outubro de 1998), aprova o Regimento Comum das Unidades Escolares do SENAI. 6.2 Políticas e as Diretrizes Públicas e Institucionais Políticas e as Diretrizes Públicas A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. Lei n 9.394, de 20 de dezembro de Políticas e as Diretrizes Institucionais Missão Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. 37

38 Política da Qualidade e Meio Ambiente O SENAI-SP, no cumprimento da sua missão, promove o contínuo aprimoramento dos serviços educacionais e tecnológicos, direcionando esforços para: Atendimento à legislação aplicável aos seus processos e serviços; Preservação do meio ambiente por meio da prevenção à poluição e do uso consciente de recursos; Manutenção de ambientes de trabalho adequados e seguros; Atendimento às necessidades e expectativas dos clientes; Desenvolvimento contínuo dos recursos humanos. Janeiro Princípios Políticos, Filosóficos e Éticos Com o objetivo de proporcionar ao cidadão trabalhador um conjunto de competências, preparando-o para atuar no mundo do trabalho, a escola deverá: Manter o clima de confiança e ética que promova o desenvolvimento interpessoal e participativo de todos os envolvidos no processo educativo. Oferecer diferentes oportunidades de capacitação profissional de acordo com a demanda do mercado de trabalho de Rio Claro e região. Valorizar os seus profissionais, estimulando-os em suas iniciativas inovadoras. Manter condições de capacitação contínua, estimulando os profissionais a se atualizarem nas questões primordiais de educação, trabalho e cidadania. Articular-se com as famílias e a comunidade, criando processos de integração com a escola. 38

39 Promover junto à comunidade ações educativas que enriqueçam o desenvolvimento do educando e favoreçam a preservação da sua cidadania Principais linhas de ação para integração das diversas atividades educacionais, setores e instituições auxiliares A escola define, em planejamento, as atividades básicas de seu trabalho, em consonância com o planejamento estratégico corporativo do SENAI/DR e consequentemente do SENAI/DN. Ao fazer esse planejamento, todos os membros da equipe são estimulados a olhar para frente, antecipando-se às necessidades de treinamento, visualizando possíveis problemas futuros, buscando criar e manter valores claros quanto à qualidade em todas as atividades da escola. Para isso, a direção atua com transparência em suas ações, objetivando a manutenção de um ambiente propício ao crescimento. A área de abrangência da Escola SENAI de Rio Claro constitui-se de 05 municípios, com diversidade de ramos industriais. É necessário manter a grande participação nessa comunidade industrial e na comunidade em geral, oferecendo resultados com qualidade. A escola sempre atua com base na convicção de todos os funcionários de que é necessário aprender a criar um ambiente que realmente acolha as mudanças não como uma ameaça, mas como uma oportunidade, reinventando constantemente a escola. 39

40 7 Planejamento Estratégico Institucional 7.1- Introdução Escola SENAI Manoel José Ferreira A medição e o monitoramento dos processos do SENAI-SP são realizados pelo acompanhamento sistemático de diversas variáveis de controle, envolvendo as dimensões mais críticas de cada serviço ofertado pela organização. O monitoramento aplica-se a Projeto, Desenvolvimento e Prestação de Serviços de Educação Profissional, podendo ser classificado em Qualidade, Produção, Relacionamento com os Clientes e Financeiros. Nesse sentido, o documento (SG-007) apresenta o modelo para avaliação do processo educacional e as respectivas variáveis de controle, além das variáveis de controle relacionadas à gestão ambiental, saúde e segurança do trabalho, serviços laboratoriais e os Indicadores Nacionais de Desempenho (DN). Considerando o Processo Educacional, cada unidade escolar dispõe de Variáveis de Controle e um Indicador de Qualidade para cada linha de produto nela existente: Cursos de Aprendizagem Industrial; Cursos Técnicos; Cursos Superiores de Tecnologia; Pós-graduação lato sensu Cursos de Formação Continuada - Escola; Cursos de Formação Continuada - Empresa/Entidade; Cursos de Formação Continuada - Convênios PCFP1; Escola de Vida e Trabalho EVT Objetivos e metas para a Qualidade e Meio Ambiente I. Melhoria Contínua Melhorar continuamente a performance do processo educacional com base nas variáveis de controle estabelecidas. Meta corporativa: Obter, anualmente, taxa de crescimento, no mínimo, em 80% das variáveis de controle estabelecidas. 40

41 II. Controle da poluição e destinação de resíduos Controlar o volume de resíduos gerados no SENAI-SP. Metas corporativas: Controlar e promover melhorias nos programas para redução de resíduos: Programa 1: para redução do volume dos resíduos perigosos gerados. Programa 2: para redução do consumo ou substituição de produtos com substâncias restritivas, por materiais alternativos. Programa 3: para coleta seletiva, reciclagem e destino adequado. III. Controle do Consumo de Recursos Naturais Reduzir o uso de recursos naturais em níveis aceitáveis aos processos da organização. Meta corporativa: Manter e aprimorar programa para o controle e a redução do consumo de recursos naturais (água, energia e papel). IV. Prevenção de acidentes no trabalho Reduzir o número de acidentes do trabalho, com afastamento, envolvendo funcionários, alunos e terceiros. Metas corporativas: Reduzir em 10%, em relação ao ano anterior, o número de acidentes de trabalho, com afastamento. No ano vigente, realizar no mínimo 20% das ações previstas no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA. V. Foco no Cliente Melhorar continuamente o atendimento ao cliente. Metas corporativas: Manter o índice médio de satisfação do cliente acima de 90%. 41

ESCOLA SENAI MANOEL JOSÉ FERREIRA CFP 5.06 - RIO CLARO SP

ESCOLA SENAI MANOEL JOSÉ FERREIRA CFP 5.06 - RIO CLARO SP ESCOLA SENAI MANOEL JOSÉ FERREIRA CFP 5.06 - RIO CLARO SP PROPOSTA PEDAGÓGICA ABRIL DE 2008 SUMÁRIO 1 - Apresentação 2 Missão 3 Política da Qualidade e Meio Ambiente 4 Grupo de trabalho responsável pela

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE AUDIÊNCIA PÚBLICA: IDÉIAS E PROPOSTAS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SESI

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730 Informe Técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial APRESENTAÇÃO DESEMPENHO & OFERTA v.2, n.1, março de 25 Criado com o propósito de divulgar o comportamento do desempenho institucional no curto

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE NA MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CÂMPUS CAMPO GRANDE, CORUMBÁ E TRÊS LAGOAS Reitor do Instituto Federal

Leia mais

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba Visão Institucional O Campus Caraguatatuba do IFSP desenvolveu-se nos últimos anos, ampliando os cursos oferecidos, desde a Formação Inicial e Continuada, passando pelos Cursos Técnicos, de Tecnologia,

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JARAGUÁ DO SUL FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a

MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a 2014 MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. São 165 unidades

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL GLOSSÁRIO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RIO DE JANEIRO NOVEMBRO/2009 AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ações educativas destinadas ao desenvolvimento de competências necessárias

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Área Profissional: INDÚSTRIA Qualificação

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

SENAI. Linhas de atuação prioritárias : Educação Profissional e Tecnológica Inovação e Tecnologia Industriais

SENAI. Linhas de atuação prioritárias : Educação Profissional e Tecnológica Inovação e Tecnologia Industriais SENAI Missão: Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da Indústria Brasileira. Linhas de atuação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 1 SUMÁRIO Conteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O CURSO... 3 3. PERFIL DO TECNÓLOGO EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL... 3 4. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 3 5. CONDIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO... 5 6. MATRÍCULA...

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS 1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS SUMÁRIO INTERATIVO ENTENDENDO SOBRE O PROGRAMA TELECURSO TEC... 3 ÁREAS DE ESTUDO DO TELECURSO

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Estabelece Normas Operacionais Complementares em conformidade com o Parecer CNE/CEB nº 06/2010, Resoluções CNE/CEB nº 02/2010

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Missão Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. Políticas de Gestão do

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 NOVEMBRO/2012 1) CURSOS OFERTADOS: Automação Industrial Eletrônica Eletrotécnica* Informática Informática para Internet* Mecânica* Química* Segurança do Trabalho* * Cursos

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 013/CT/2013 Assunto: Solicitação de Parecer Técnico acerca de critérios para abertura e funcionamento de Curso de Instrumentação Cirúrgica. I - Do Fato Solicitado Parecer Técnico ao

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FUNETEC-PB. Presidente da FUNETEC-PB João Batista de Oliveira Silva. Superintendente Executivo Valdeci Ramos dos Santos

ADMINISTRAÇÃO DA FUNETEC-PB. Presidente da FUNETEC-PB João Batista de Oliveira Silva. Superintendente Executivo Valdeci Ramos dos Santos ADMINISTRAÇÃO DA FUNETEC-PB Presidente da FUNETEC-PB João Batista de Oliveira Silva Superintendente Executivo Valdeci Ramos dos Santos Diretora Escolar e Gerente de Ensino Helena Mercedes Monteiro Supervisora

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE 2009 SUMÁRIO 1. JUSTIFICATICA... 3 2. OBJETIVO... 3 3. REQUISITOS

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA Das

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Objetivo do Programa

Objetivo do Programa Objetivo do Programa O Programa Futuros Engenheiros visa favorecer o desenvolvimento de competências técnicas e habilidades comportamentais de universitários dos cursos de Engenharia para atuar na indústria.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência

Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência Proposta de Parceria BRASÍLIA, JUNHO DE 2011. Nome do Projeto Segurança e Manutenção

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Instrumento de Avaliação

Instrumento de Avaliação Monitoramento e Avaliação do Bolsa-Formação 2012 - Instrumento_de_Avaliação - # 42 Instrumento de Avaliação {{>toc}} I - Contextualização da Unidade Ofertante a. Nome da mantenedora; b. Base legal da mantenedora

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

Regimento de estágio não obrigatório

Regimento de estágio não obrigatório PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO - CEA Regimento de estágio não obrigatório Faculdade de Ciências Contábeis Maio 2009 1 CONTEÚDO Apresentação 3 Definição

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE 1- Introdução: contextualização a iniciativa O curso

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Painel Setorial Inmetro Desafios Atuais da Educação a Distância Módulo VI Educação a Distância: com parcerias se faz mais

Painel Setorial Inmetro Desafios Atuais da Educação a Distância Módulo VI Educação a Distância: com parcerias se faz mais Painel Setorial Inmetro Desafios Atuais da Educação a Distância Módulo VI Educação a Distância: com parcerias se faz mais Centro Operacional do Inmetro Xerém/RJ, 31 de julho de 2009 SENAI Grandes Números

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Conde José Vicente de Azevedo

Faculdade de Tecnologia SENAI Conde José Vicente de Azevedo Faculdade de Tecnologia SENAI Conde José Vicente de Azevedo Curso Superior de Tecnologia em Sistemas Automotivos CATÁLOGO - Informações Acadêmicas - SÃO PAULO - SP SENAI Serviço Nacional De Aprendizagem

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A educação profissional no Brasil já assumiu diferentes funções no decorrer de toda a história educacional brasileira. Até a promulgação da atual LDBEN, a educação profissional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais