A INDISSOCIABILIDADE DO PROCESSO DE ENSINO DA GESTÃO ACADÊMICA: UMA REFLEXÃO PRELIMINAR SOBRE A MULTIDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INDISSOCIABILIDADE DO PROCESSO DE ENSINO DA GESTÃO ACADÊMICA: UMA REFLEXÃO PRELIMINAR SOBRE A MULTIDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO."

Transcrição

1 A INDISSOCIABILIDADE DO PROCESSO DE ENSINO DA GESTÃO ACADÊMICA: UMA REFLEXÃO PRELIMINAR SOBRE A MULTIDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO Autor: Dorgival Henrique Universidade Metodista de Piracicaba - Faculdade de Gestão e Negócios Rua Humberto Consentino, Piracicaba-SP Telefone: (019) Comunicação: multidisciplinaridade no Ensino da Administração A INDISSOCIABILIDADE DO PROCESSO DE ENSINO DA GESTÃO ACADÊMICA: UMA REFLEXÃO PRELIMINAR SOBRE A MULTIDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO.

2 1 O que ocorre na universidade, levando ao sentimento de perda de qualidade, é a perda da capacidade da academia responder o que dela espera a sociedade. No momento de crise, a sociedade cria problemas de dimensões tão diferentes, em uma velocidade tão crescente, que a universidade não consegue responder. A Crise está exigindo a formulação de novas perguntas, enquanto a universidade continua se dedicando a encontrar respostas velhas. Mas a comunidade tem consciência destas limitações; não se contenta e chama de perda de qualidade à perda de funcionamento do seu produto. Cristovam Buarque Resumo Este texto aborda de forma preliminar a indissociabilidade da gestão acadêmica da ação educativa no atual contexto das universidades brasileiras. Enfoca particularmente o ensino de administração e as dificuldades para romper com o modelo linear de currículo, inspirado na metáfora arbórea de conhecimento. Para tanto, estabelece relações entre as oscilações da racionalidade administrativa, estrutura universitária e desafios para produção e socialização do conhecimento de forma a incorporar a transversalidade como necessidade científica e pedagógica. I - Introdução Os temas administração, gestão e educação ganham as prateleiras das livrarias, das bibliotecas, da mídia e dos aeroportos, assim como são alvos das diferentes e divergentes plataformas políticas, dos clamores uníssonos dos políticos, empresários e sindicalistas. É de pouca valia apurarmos se as áreas acima elencadas possuem epistemes próprias 1, mas é relevante destacar que cada vez mais os significantes vão se desenraizando dos significados e conectando-se em diversos campos semânticos ou esferas de significações. Se os temas em epígrafe ganham espaços nobres e consenso internacional 2 em torno de parcerias e alianças indispensáveis entre os diversos setores, há, com certeza, necessidade de se rever o papel da educação, e de modo especial do ensino superior de administração. Carlos Osmar Bertero, Miguel P. Caldas e Thomaz Wood Jr 3, citando pesquisadores, constatam com relação à produção científica em Administração no Brasil: Inclinação predominantemente acadêmica, pouca preocupação com aplicabilidade; 80% da produção nacional estão situados no paradigma funcionalista; Fortemente influenciada por uma visão de mundo organicista (teoria dos sistemas metáfora hegemônica orgânica). O positivismo como teoria da ciência procura subordinar a imaginação e a argumentação à observação. Os positivistas lógicos do século XX procuram colocar todo discurso e toda ciência não mais no universo causal, mas no universo probabilístico. No universo probabilístico não se pode afirmar causas e conseqüências, mas correlações positivas e negativas. O universo das ciências biológicas é o universo de agregados 4. A idéia de que a razão é libertadora é muito forte em Auguste 1 - É um termo usado para referir-se à discussão sobre a construção do conhecimento: métodos, objetos e formas de pensamentos próprios da ciência. E, essencialmente, o estudo crítico dos princípios, das hipóteses e dos resultados das diversas ciências, destinado a determinar a sua origem lógica (não psicológica), o seu valor e a sua importância objetiva in: Vocabulário Técnico e Crítico da Filosofia. André Lande. São Paulo: Martins Fontes, p Conferência Mundial sobre Educação Superior: Declaração Mundial sobre Educação Superior no Século XXI: Visão e Ação, Marco Referencial de Ação, Prioritária para a Mudança e o Desenvolvimento da Educação Superior. Documento aprovado em 09 de outubro de 1998 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). Piracicaba: Editora UNIMEP, Material mimeo. originado da pesquisa financiada pelo NPP Núcleo de Publicações e Pesquisas da EAESP/FGV - Critérios de avaliação de produção científica em administração no Brasil. 4 - O sedentarismo, o tabagismo, a hipertensão, etc., têm correlação com as doenças cardíacas, porém nada impede que um obeso, tabagista viva 100 anos e que um atleta, sem nenhuma hipertensão, que nunca tenha fumado, caia morto nesse instante.

3 2 Comte e o avanço da razão leva, ao mesmo tempo, ao aprimoramento do conhecimento e ao aperfeiçoamento da humanidade. O enfrentamento da mudança histórica, como antítese da revolução francesa, se dará pela articulação, como faces de uma mesma moeda entre a ordem e o progresso. Burrel e Morgan 5, conjugando as dimensões da natureza científica (objetivismo e subjetivismo) e visão de sociedade (sociologia da regulação e sociologia da mudança) estabelecem quatro paradigmas para análise da teoria social e da teoria das organizações. Para o paradigma funcionalista, resultante da conjugação da sociologia da regulação e do objetivismo científico, é caracterizado por presumir o consenso, a integração e harmonia aos agentes sociais. Enfatiza a manutenção do equilíbrio, da estabilidade e da ordem social 6. A produção sociológica de Talcott Parsons é considerada, por muitos autores, uma vertente do estrutural funcionalismo. Embora não se negue o nível de autonomia relativa, quanto mais as teorias ou esquemas mentais tentem autonomizar-se da práxis, mais se emaranha nos mecanismos formais de sua lógica. Para a lógica dos empiristas a realidade não se encontra velada, nem também é obscuro, e pode ser recolhida pela análise dos fatos. Eliminam a teoria no começo e com técnicas de observação e questionários sugerem inter-relações, probabilidades, indicadores e conceitos. Com tal metodologia apresentam as organizações bem-sucedidas como princípios de eficácia em gestão. Positivam, assim, as aparências da realidade como o real. Por outro lado, o formalismo teórico refina construções abstratas, pretensamente imunes aos valores como pretende o sistemismo, positivando a metáfora orgânica que enfatiza a questão da adaptação sem identidade, da seleção ambiental e do darwinismo social sem poder. Valendo-nos da denominação de Wright Mills 7 da grande teoria para a vertente sociológica de Talcott Parsons, acrescentando a essa vertente o sistemismo como uma redução da Teoria dos Sistemas 8 às interpretações tecnicista e meramente adaptativas dos sistemas sociais, o empirismo abstrato do neopositivistivistas, vale indagar sobre a plausibilidade da inter ou multidisciplinaridade no ensino de administração como metodologia de aprendizagem. A construção deste caminho carece de recuperar como o conhecimento administrativo articula-se com a dimensão das possibilidades de racionalidades que conduzem sua lógica, com contextualização no âmbito da estrutura universitária e, finalmente, aos desafios apresentados para a produção do conhecimento. II Administração e a racionalidade instrumental 9 Habermas entende como trabalho, ou agir racional-com -respeito-a-fins, seja o agir instrumental, seja a escolha racional, seja a combinação dos dois. O agir instrumental rege-se por regras técnicas baseada no saber empírico. Elas implicam, em cada caso, prognósticos condicionantes sobre acontecimentos observáveis, físicos ou sociais; esses prognósticos podem se evidenciar como corretos ou como falsos. O comportamento de escolha racional é regido por estratégias baseadas no saber analítico. 10 A ação, para ser racional de acordo com os fins, parte do princípio de que o agente da ação se oriente conforme os fins estabelecidos, relegando para um segundo plano as conseqüências da ação para atingir com êxito os propósitos. O agir instrumental organiza os meios adequados e inadequados segundo os critérios de um controle eficaz, e o agir estratégico depende de uma avaliação correta das possíveis alternativas de comportamento, que resulta exclusivamente de uma dedução feita com o auxílio de valores e máximas. 11 Habermas pretende fugir de qualquer fundamentalismo teleológico imanente à história, e aposta no diálogo e na construção de consensos porque acredita que os atos de fala e de comunicação poderão construí-los. Ao apostar na linguagem, como expressão de nossas representações e pensamentos, aposta na construção da racionalidade fundada na argumentação e no debate público; portanto, através do paradigma da linguagem, pretende dar pistas para a razão emancipatória. Esta 5 - Burrel, G and Morgan, G. Sociological Paradigms and Organization Analysis. London, Heinemann Education Books, 1979, p Não estamos entrando no mérito da veracidade ou dos equívocos de tais paradigmas. 7 - Mills, C. Wright A Imaginação Sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, O sistemismo reduz a morfogênese social processos auto-organizativos a recortes naturalistas e ambientais, desconsiderando os jogos de interesses dos Centros de Decisões. 9 - Tomamos esse conceito de Habermas, Jürgen. Técnica e Ciência enquanto ideologia. São Paulo: Abril Cultural, Idem. Op.cit, p, Idem p.311

4 3 razão emancipatória só encontra seu lugar na prática comunicativa de um grupo de pessoas que pertencem ao mesmo mundo sociocultural. 12 Em oposição à razão instrumental, Maurício Serva 13, com base em Guerreiro Ramos e Habermas, baliza a razão substantiva nas seguintes dimensões: Auto-realização processo de concretização do potencial inato do indivíduo, complementado pela satisfação; Entendimento ações pela quais se estabelecem acordos e consensos racionais, mediadas pela comunicação livre, e que coordenam atividades comuns sob a égide da responsabilidade e da satisfação social; Julgamento ético deliberação baseada em juízos de valor (bom, mau, verdadeiro, falso, certo, errado, etc.) que se processa através do debate racional sobre as pretensões de validez emitidas pelos indivíduos nas interações; Autenticidade integridade, honestidade e fraqueza dos indivíduos nas interações; Valores emancipatórios valores de mudança e aperfeiçoamento do social nas direções do bem-estar coletivo, da solidariedade, do respeito à individualidade, da liberdade e do comprometimento, presentes nos indivíd uos e no contexto normativo do grupo; Autonomia condição plena dos indivíduos para poderem agir e expressar-se livremente nas interações. Esse continuun entre os elementos da razão instrumental (cálculo, fins, maximização de recursos, êxito, resultados, desempenho, performance, unidade, rentabilidade, estratégia interpessoal) e razão substantiva (autorealização, entendimento, julgamento ético, autenticidade, valores emancipatórios e autonomia) nos indica a possibilidade de múltiplas raci onalidades dentro das organizações sujeitas a oscilações diversas, segundo a cultura corporativa implementada e cultivada, as circunstâncias dos diversos jogos de poder, dos grupos internos e das pressões externas. 14 A teorização organizacional é, ao mesmo tempo, um campo historicamente contestado e desvendado. O funcionalismo e a teoria dos sistemas menosprezaram o processo de decisão política para enfatizar o processo de adaptação ao meio ambiente; a teoria crítica de Habermas responde à colonização do mundo da vida pelo mundo do sistema através do agir comunicativo, apostando na autônima individual e em melhores escolhas sociais. Há, nesta narrativa, suspeitas de substituição de velhas ilusões do exercício do poder da criação de novas elites, que exige de todos os seus componentes uma integração, segundo a idealização que essa elite costura para toda a organização. O indivíduo preso na armadilha da estrutura estratégica 15, ao mesmo tempo em que fomenta a adaptação contínua, a formação permanente, o espírito em equipe, exige que todos sejam estratégicos, guerreiros, ganhadores, esportivos: numa palavra, matador cool. 16 Se o campo contestado da teorização organizacional não suporta narrativa-mestre por excelência em função de seu caráter totalizante, em função de seu caráter teleológico, tais como à teoria dos sistemas e ao marxismo falta a teoria crítica, e aos relativistas pós-moderno, escassez de estudos empíricos, não obstante as críticas que fazem ao empirismo. Esta aparente torre de babel nos indica a importância dos estudos organizacionai s e administrativos, o pluralismo metodológico para construção deste campo de saber, bem como a necessidade da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. Carece, no entanto, por questão de coerência, anunciarmos algumas suposições que, por questões de espaço, não discutiremos. Dessa forma, supomos que: 12 - Habermas, Jürgen in: Maria Lúcia de Carvalho. A razão comunicativa e teoria crítica de Jürgen Habermas.Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, Seja pelo primado da teoria, da razão teórica sobre a práxis, seja pela crítica que faz à fragmentação da consciência do homem moderno para Maria Lúcia: Fica também a forte impressão de que ele não consegue desvencilhar-se da tradição metafísica, apesar de todo seu discurso pós-metafísico. P Serva, Mauricio. Racionalidade substantiva demonstrada na prática. São Paulo: Revista de Adm. de Empresas EAESP/FGV, v. 37, n.02, p18-30, abril/jun termo emprestado de Michel Reed. In: Handbook de Estudos Organizacionais. São Paulo: Atlas, vol 1, pp. 62/ Enriquez, Eugène O Indivíduo preso na armadilha da estrutura estratégica. São Paulo: Revista de Adm. de Empresas, EAESP/FGV, vol. 37, n.1, p18-29, jan/mar, Idem. O matador cool representa o sujeito preso nas identificações heróicas e aptos a se comportarem como herói. Jogará com a cólera, com a violência, assim como com a doçura e ternura.

5 4 As mudanças a que estamos assistindo são impulsionadas pela nova dinâmica do processo de acumulação capitalista, e sua tendência é para uma economia cada vez mais global e informacional; O processo decisório não responde apenas às demandas do meio ambiente e nem pode ser concebido como um processo técnico de decisões. O processo decisório é um processo político de pressões, em que atuam os lobbies de clientes, fornecedores, investidores, sindicatos, mídia, associações e redes informais de participantes e, ao mesmo tempo, redes políticas de apoios vinculados à coalização de poder dominante e suas ramificações externas; A incerteza dura com relação ao futuro não permite designar probabilidades, mas permite arriscar alguns cenários; O mapa cognitivo do ator para leitura da realidade está recoberto de crenças, conhecimentos, cegueira situacional e compromisso emocional; Redes de produção e distribuição formam-se, desaparecem e reaparecem com bas e na variação do mercado internacional, assim como vimos assistindo às alianças estratégicas sem a exclusão da concorrência. A teia cada vez mais complexa de alianças, acordos e joint-venture, articuladas com a contratação de pequenas e médias empresas, cuja vitalidade e flexibilidade possibilitam ganhos de produtividade, eficiência e economia; A racionalidade instrumental é hegemônica neste mundo de negócios e tende a ser recontextualizada e reflexibilizada com a necessidade de se implementarem os preceitos e a metodologia das organizações aprendentes; A capacidade de adaptação e flexibilização, resultado de modificações morfológicas dos sistemas vivos, ganha espaços nos sistemas sociais complexos e pode ser considerada, de forma não exclusiva, um dos objetivos da educação visando à aquisição de competências sociais, junto com competências cognitivas; O neoliberalismo é uma ideologia que não se confunde com o liberalismo. O neoliberalismo está fundado no tripé desregulamentação estatal, abertura econômica para livre circulação de capitais e de produtos e privatizações; A intensificação da globalização tecno-financeira está assentada no consórcio saber e poder, e visa, primeiramente, a agregar valores às operações e carrega o discurso liberal da cidadania para aprofundar seus negócios e ganhar legitimidade; No jogo social e situacional o futuro é nebuloso. As regras do jogo (as normas institucionalizadas) não são suficientes para definir os ganhadores; pelo contrário, os ganhadores redefinem as regras do jogo; A moeda do jogo é o poder. Os jogadores podem desejar um poder ser, mas o poder que redefine as regras é um poder ter 17. Considerando os estudos administrativo s e a teorização organizacional um campo minado e em construção, seja em função da pluralidade metodológica, da qualidade das pesquisas ou de um corpo de conhecimento que se preocupa, fundamentalmente, com a aplicação, valendo-se de diversas epistemes, é necessário dialogar com a instituição universitária, lócus por excelência da produção e socialização do saber. III. A Universidade como organização normativa: o embate de racionalidades, a infidelidade normativa e os limites da gestão acadêmica. A organização universitária apresenta em sua face instituída como organização normativa 18. Amitai Etzioni realizou pesquisa comparada visando a uma teoria organizacional de nível médio, tomando o consentimento como base de comparação. O consentimento é uma relação que consiste no poder empregado pelos superiores para controlar os subordinados e a orientação destes em relação àquele poder. Assim, o estudo combina um aspecto estrutural e outro motivacional; estrutural, uma vez que estamos preocupados com os tipos de distribuição de poder nas organizações; motivacional, porque estamos interessados nas diferenças de compromisso das pessoas para com as 17 - Matus. Carlos Curso de Planificação e Governo. Campinas: Unicamp, 1992, p Etizioni, Amitai. Análise das Organizações Complexas: sobre o poder, o engajamento e outros correlatos. Rio de Janeiro: Zahar Editores e e Editora da Universidade de São Paulo, 1974.

6 5 diferenças de compromisso das pessoas para com as organizações (como unidades que exercem poder sobre eles) 19 As universidades, segundo Etizioni, são predominantemente organizações normativas 20 que gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. 21 Mintzberg 22, em sua tipologia organizacional, desenvolve cinco configurações estruturais e de poder. Universidades, hospitais de clínicas, sistemas de escolas, empresas de auditoria, órgãos sociais do trabalho e empresas de produção artesanal são configurações organizacionais denominadas por Mintzberg burocracias profissionais que se apóiam, em suas operações, nas habilidades e conhecimentos de seus profissionais. Outras características da burocracia profissional são citadas por Mintzberg, tais como: é uma estrutura altamente descentralizada, em que grande quantidade de poder permanece na base da estrutura com os profissionais no núcleo operacional; os profissionais buscam o controle coletivo sobre as decisões administrativas que os afetam; o administrador profissional conserva seu poder somente até quando os profissionais o percebem como servindo eficazmente a seus interesses; na burocracia profissional não há controle do trabalho além daquele da profissão em si, e nenhuma forma de controlar as deficiências que os profissionais por si mesmos decidem omitir; a burocracia profissional não pode facilmente tratar com profissionais que são incompetentes ou inescrupulosos; relutância dos profissionais de trabalharem cooperativamente uns com os outros se traduz em problemas de inovação, etc. 23 Os modelos organizacionais não são independentes das ações organizacionais; a ação humana na construção e reconstrução social dos modelos organizacionais, com contribuições desiguais em face do controle dos recursos distribuídos entre os diferentes atores sociais e grupos de interesses, revelam a face instituinte de tais modelos. Como afirma Mintzberg, na base da estrutura o nível de controle do poder é alto e as normas emanadas pelos Colegiados Superiores são reinterpretadas, ou até mesmo não cumpridas em nome da autonomia universitária ou da pluralidade metodológica. A sala de aula é o palco do exercício da microfísica do poder. A estrutura burocrática vinculada à metáfora mecânica dá lugar para a concepção de estrutura proposta por Pagés A organização é um conjunto dinâmico de respostas a contradições. É realmente um sistema, mas um sistema de mediações que só pode ser compreendido pela referência à mudança das condições da população e das contradições entre os trabalhadores por um lado, a empresa e o sistema social, do outro. 24 A questão do poder aparece, portanto, como elemento essencial na análise desta estrutura, pois a busca da legitimidade para o exercício de sua face controladora estabelece uma relação com a dimensão cultural da organização, ou seja, o poder passa a ser abordado como elemento da cultura organizacional, exercendo sobre ela pressões no sentido de modelar, transformar ou sancionar esta cultura. A estrutura burocrática enfrenta um mosaico cultural onde o embate se realiza por diversas coalizões interdepartamentais. Neste sentido, a estrutura organizacional cede sua aparente rigidez e controle a um campo de disputas e jogos de poder. Segundo Morgan, A habilidade de usar regras para vantagem de alguém é assim uma importante fonte de poder organizacional e, como no caso das estruturas organizacionais, define o terreno da disputa que sempre será negociada, preservado ou modificado Idem, p Idem p Constituição da República Federativa do Brasil, art. 207 e assegurado pelo art.53 da Lei nº Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 20 de dezembro de Mintzberg, Henry Criando Organizações Eficazes. São Paulo, Atlas 23 - Idem, cap Pages, M. et al. O poder das Organizações: a dominação das multinacionais sobre os indivíduos. São Paulo: Atlas, 1987, p Morgan, G. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, 1996.

7 6 É, portanto, nesta dinâmica contraditória que a estrutura organizacional é permanentemente construída e reinterpretada. O enfrentamento das questões ambientais, em contraposição aos jogos de poder internos da universidade, constituem um dos desafios diante da realidade que exige releituras permanentes. As normas existentes são constantemente reinterpretadas, negociadas, entre outros exemplos, nos que seguem: elaboração de horários, avaliação discente, ava liação docente, prazos para entrega de relatórios, portarias e resoluções para questões financeiras e acadêmicas, regimes de dedicação, planos de ensino, projetos pedagógicos, etc. Os atores não mudam automaticamente por simples mudança das normas institucionalizadas, como também a mera manutenção destas não assegurará, necessariamente, a concretização de tais realidades, porque o emaranhado de normas sem atores para materializá-las não chega a ter existência real no plano organizacional. As resistências ac ima elencadas são amparadas constitucionalmente em nome do pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas, conforme inciso III, art. 206 da Constituição Federativa do Brasil. A indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, apontada no artigo 207, só ocorre quando grupos ou núcleos de pesquisas, por questões éticas assumirem tal postura; caso contrário, tal artigo deixa de ser utopia a ser construída, para transformar-se em discurso oficial. A materialização da estrutura universitária poderá ocorrer através de Políticas deliberadas pelos Colegiados Superiores e Projetos Políticos Pedagógicos de seus diversos cursos, com dimensões éticas explícitas. Com isso, o mecanicismo da estrutura pode se transformar em tese aberta como possibilidade de ação. Em sua dimensão particular, o processo de ensino contém as vertentes da produção e da socialização do saber, em que o método, a relevância e a contemporaneidade do conhecimento produzido deveriam chegar às salas de aulas. 26. Tese aberta como esta pode ser reinterpretada, reduzindo ou fracionando sua intenção ou ignorada pelo conteudismo do docente. Dificilmente qualquer coalizão de poder dominante existente nos departamentos ou nos cursos conseguirá algum êxito ao propor sanções ao docente que não aderiu às orientações da política acima exemplificada, pois é missão da universidade garantir o pluralismo metodológico. Em outras palavras, com uma boa tese, sua materialização só será realizada se houver consentimento dos atores. A Conferência Mundial sobre Educação Superior, realizada em Paris, em 1998, recomendando avaliação da qualidade; participação da instituição na constituição de redes; transferência de tecnologia; criação de ambientes de aprendizagem em todos os serviços de educação; reforçar a gestão e o financiamento da educação superior com parcerias e alianças (pública/pública, pública/privada); compartilhar conhecimentos teóricos e práticos entre países e continentes; implementar uma administração que demonstre visão social, incluindo a compreensão de questões globais e habilidades gerenciais; fomentar a cooperação Norte-Sul; permitir a igualdade de acesso; fortalecimento da participação do acesso das mulheres; promoção do saber mediante pesquisa na ciência, arte e nas ciências humanas e a divulgação de seus resultados; reforçar a cooperação com o mundo do trabalho, analisar e prevenir as necessidades da sociedade; diversificação como forma de ampliar a igualdade de oportunidades; aproximações educacionais inovadoras: pensamento crítico e criatividade; colocar os estudantes como agentes principais; incrementar ética, autonomia e responsabilidade nas instituições superiores de ensino, etc., não são novidades em função das rápidas inovações e dos debates promovidos pela mídia. À maturação de tais orientações, sua assimilação parcial levará tempo, e não nos parece que a questão dos recursos seja determinante e sim a questão de postura e de modelos mentais gerados por uma estrutura burocrática que cultiva, até hoje, o departamento como senhor das epistemes. Há necessidade de se repensar a estrutura universitária que trabalhe o continuum entre democracia representativa e participativa; limites da regulamentação/adaptação; caráter público das instituições públicas, privadas e confessionais; referenciais qualitativos que transcendam os limites processuais da avaliação institucional. Para o ensino de administração, calcado muitas vezes em manuais ou pesquisas desconectadas de nossa realidade cultural, a questão se torna mais complexa e mais difícil em função da torre de babel de nossas teorias administrativas e organizacionais. IV A muldisciplinaridade como possibilidade no ensino da administração quando as exigências da atualidade requerem a interdisciplinaridade e trandisciplinaridade 26 - Dimensões retiradas da Política Acadêmica da UNIMEP. Piracicaba: Ed. UNIMEP, 1992

8 7 Hugo Assmann 27 estabelece as seguintes diferenças conceituais: Multiplicidaridade, Pluridisciplinaridade. Caracterização do enfoque científico e pedagógico aplicado a atividades e projetos que prevêem a participação de especialistas de várias disciplinas, permanecendo praticamente cada qual com a visão mais ou menos restrita da sua área 28 Interdisciplinaridade. Enfoque científico e pedagógico que se caracteriza por buscar algo mais do que mera justaposição das contribuições de diversas disciplinas sobre um mesmo assunto, e se esforça por estabelecer um diálogo enriquecedor entre especialistas de diversas áreas científicas sobre uma determinada temática. Aplica-se a problemas, atividades e projetos que ultrapassam a capacidade de uma só área disciplinar. O conceito expressa a consciência dessa limitação das disciplinas específicas, mas não transforma isso necessariamente num questionamento epistemológico mais radical, como faz a transdisciplinaridade. 29 Transdisciplinaridade. Enfoque científico e pedagógico que torna explícito o problema de que um diálogo entre as diversas disciplinas e áreas científicas implica necessariamente uma questão epistemológica. A transdisciplinaridade não pretende de forma alguma, desvalorizar as competências disciplinares específicas. Ao contrário, pretende elevá-las a um patamar de conhecimentos melhorados nas áreas disciplinares, já que todas elas devem embeber-se de uma nova consciência epistemológica, admitindo que é importante que determinados conceitos fundantes possam transmigrar através (trans-) das fronteiras disciplinares. 30 Considerando que cada vez mais os significantes vão se desenraizando dos significados e conectando-se em diversas esferas de significações, não há que se exigir consenso sobre as conceituações acima apontadas. Não obstante as controvérsias e as significações que cada docente possui sobre o assunto, tomaremos de empréstimo, para efeito das considerações que faremos, o glossário elaborado pelo prof. Hugo Assman. O modelo linear de currículo é coerente com o modelo epistemológico racional-positivista que se firmou como hegemônico no pensamento ocidental e formatou as feições da escola moderna, fundado nas noções de norma, seqüência e disciplina. 31 Os fatores preponderantes, conforme sugere Henriques 32, podem ser, sinteticamente, enumerados: Homogeneidade a formação curricular baseia-se na possibilidade de unificar um corpo de conhecimentos tornados homogêneos em função de um padrão escolhido (geralmente um padrão médio que se deseja dominante); Unidimensionalidade o currículo representa a escolha racional de uma trajetória de aprendizado que se define como a melhor, em detrimento de outras opções igualmente válidas. Pretende ser claro, simples e direto; Normatividade estrutura-se de modo prescritivo, impondo obediência (não permite desvios); Seqüencialidade supõe uma ordenação de conteúdos em consonância com uma seqüência pré-definida; Previsibilidade baseia-se na capacidade de prever a forma como ocorrerá a aquisição de conhecimentos e os seus resultados; Disciplinaridade ordena os conteúdos dentro de matrizes disciplinares. A multidisciplinaridade no Ensino de Administração ou em qualquer curso parece-nos viável, desde que o Projeto Pedagógico de seus cursos seja elaborado processualmente e coletivamente e, ao 27 - Assmann, Hugo. Reencantar a Educação: rumo à sociedade aprendente. Petrópolis, RJ,: Vozes, Idem, p Idem, p Idem, p Henriques, Márcio Simeone. O pensamento complexo e a construção de um currículo não-linear. 21º Reunião Anual da ANPED GT Idem, p. 4

9 8 mesmo tempo, apontem referenciais qualitativos de avaliação do processo de sua construção e dos resultados da ação educativa, objetivando fornecer feedback para sua (re)orientação. É necessário recordar que a escola, a universidade, apesar de espaços privilegiados de produção e transmissão de conhecimento, não são mais exclusivos. As rápidas inovações por meio das tecnologias de informação e comunicação mudarão ainda mais o modo como o conhecimento é desenvolvido, adquirido e transmitido. Também é importante assinalar que as novas tecnologias oferecem oportunidades de renovar o conteúdo dos cursos e dos métodos de ensino, de ampliar o acesso à educação superior. Não se pode esquecer, porém que novas tecnologias e informações não tornam os docentes dispensáveis, mas modificam o papel destes em relação aos processo de aprendizagem, e que o diálogo permanente que transforma a informação em conhecimento e compreensão passa a ser fundamental. As instituições de educação superior devem ter a liderança no aproveitamento das vantagens e do potencial das novas tecnologias de informação e comunicação (TCI), cuidando da qualidade e mantendo níveis elevados de abertura, igualdade e cooperação internacional. 33 Os pontos acima enunciados evidenciam que uma ordenação linear do currículo não resiste às exigências contemporâneas. Para Gallo, 34 a metáfora tradicional do conhecimento é arbórea: ele é tomado como uma grande árvore, cujas extensas raízes devem estar fincadas em solo firme (as premissas verdadeiras), com um tronco sólido que se ramifica em galhos e mais galhos, estendendo-se assim pelos mais diversos aspectos da realidade. Embora seja uma metáfora botânica, o paradigma arborescente representa uma concepção mecânica do conhecimento e da realidade, reproduzindo a fragmentação cartesiana do saber, resultado das concepções científicas modernas 35 Gallo valendo-se Deleuze e Guattari argumenta que o pensamento não é arborescente, e o cérebro não é uma matéria enraizada nem ramificada, retoma Deleuze e Guattari, que para representar a multiplicidade em contraposição à unidade valem-se da metáfora do fracta: aquilo que assemelha-se a uma multiplicidade revela-se, ao ser melhor analisado, como resultado de uma reprodução ao infinito de uma mesma única forma. O rizoma 36, por outro lado, remete-nos para a multiplicidade. O paradigma rizomático é regido por seis princípios básicos: Princípio da conexão: qualquer ponto de um sistema pode ser/estar conectado a qualquer outro; Princípio da heterogeneidade: dado que qualquer conexão é possível, o rizoma rege-se pela heterogeneidade; Princípio da multiplicidade: o rizoma é sempre multiplicidade que não pode ser reduzido à unidade; Princípio de ruptura a-significante: o rizoma não pressupõe qualquer processo de significação, de hierarquização. Embora seja estratificado por linhas, sendo assim territorializado, organizado, etc., está sempre sujeito às linhas de fuga que apontam para novas e insuspeitas direções; Princípio de cartografia: o rizoma pode ser mapeado, cartografado, e tal cartografia mostranos que ele possui entradas múltiplas; Princípio de decalcomania: os mapas podem, no entanto, ser copiados, reproduzidos; colocar uma cópia sobre o mapa nem sempre garante, porém, uma sobreposição perfeita. O rizoma propõe múltiplas linhas de conexões, aproximações e cortes, etc. Ao romper com essa hierarquia estanque, o rizoma pede, porém, uma nova forma de trânsito possível por entre seus 33 - Conferência Mundial sobre Educação Superior. op. cit. Artigo 12, p Gallo, Sílvio. Conhecimento, transversalidade e Educação. Impulso Piracicaba: Editora: UNIMEP. Revista de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Metodista de Piracicaba, vol.10, nº 21, Idem, p [Do gr. rhízoma, 'o que está enraizado'.] Bot. Caule radiciforme e armazenador das monocotiledôneas, que é ger. subterrâneo, mas pode ser aéreo. Caracteriza-se não só pelas reservas, mas também pela presença de escamas e de gemas, sendo a terminal bem desenvolvida: comumente apresenta nós, e na época da floração exibe um escapo florífero. Em pteridófitos tropicais há rizomas aéreos.

10 9 inúmeros devires ; podemos encontrá-la na transversalidade. 37 A transversalidade do conhecimento implica possibilidades curriculares diferenciadas da metáfora arbórea, criando novos espaços de construção e circulação dos saberes em que a hierarquização já não será a estrutura básica. A abordagem curricular como um conjunto de possibilidades não está ligada à construção de nova grade curricular, mas a uma mudança de enfoque epistemológico. Segundo Henriques 38, alguns parâmetros poderiam ser traçados em relação à definição de conteúdos preferenciais: a) conjunto de conhecimentos mais permanentes (ou menos perecíveis); b) potencial de descortinar outros campos e abrir outras perspectivas interdisciplinares; c) possibilidade de desenvolver o potencial cognitivo 39 dos alunos. A aprendizagem colocada nesses termos teria por critério a mediação de experiências significativas. A tarefa do docente seria acompanhar o estudante em seu percurso, propiciando a ele vivências por meio das quais tenha acesso a coisas, lugares e processos, a eventos e arquivos. Professores e alunos seriam arquitetos em suas experiências. Esse desafio está muito longe da estrutura de ensino das Universidades brasileiras, mormente dos Cursos noturnos de Administração. V - Considerações finais A interdisciplinaridade busca algo mais do que a justaposição das contribuições disciplinares, e se esforça por estabelecer um diálogo enriquecedor entre os especialistas de diversas áreas científicas sobre uma determinada temática. Imaginemos três temáticas necessárias para os cursos de administração: empreendedorismo, empregabilidade, ética nos negócios e resolução de problemas, dialogadas por especialistas da administração, das ciências econômicas, da filosofia e de métodos quantitativos, dentro da metáfora rizomática que propõe múltiplas conexões, aproximações e cortes, sem hierarquização (episteme dominante), com encontros permanentes entre docentes e discentes e com campos e perspectivas a serem descortinados, tanto pelos discentes como para os docentes. É possível tal empreendimento? Teoricamente, sim. Para que a proposta se concretize é necessário: 1. vontade política, diálogo comunicativo, em que arrogância desses diversos campos de conhecimento fiquem em plano secundário e motivação; 2. construção de um projeto político-pedagógico coletivo que envolva todos os participantes do curso em foco; 3. valores-guias e objetivos claros e definidos, mas sujeitos a constantes revisões; 4. enfrentamento das amarras burocráticas das organizações normativas, especialmente dos departamentos; 5. projetos de investigação articulados que, além do enfoque epistêmico de cada campo de conhecimento sobre as temáticas acima, investigue constantemente processos de aprendizagem e organizações aprendentes; 6. acompanhamento dos discentes por pequenos grupos ou individualmente; 7. avaliação e auto-avaliação discente qualitativa e permanente, etc. Nossas universidades estão preparadas para tal dinâmica? Não. Como apontamos no item III deste texto, a estrutura universitária é, fundamentalmente, normativa mas não possui contornos monísticos; portanto, sua gestão depende dos jogos de poderes desenvolvidos pelos atores. A arquitetura física, pedagógica, científica e didática de nossas universidades não foi preparada para o enfrentamento da sociedade do conhecimento, assim como seus docentes e discentes foram preparados para enfrentamento do currículo arbóreo e linear. A transversalidade rizomática requer novos modelos mentais, novas estruturas organizacionais e uma filosofia de gestão revisada. Não obstante todas as dificuldades encontradas, é possível caminharmos rumo ao breve roteiro acima elencado, com enfrentamentos diversos, principalmente entre os pares departamentalizados, com a categoria que exigirá, legitimamente, melhores condições de trabalho e investimentos por parte de seus gestores. A história das Universidades coorporativas é outra Gallo, op. cit., p Henriques op. cit., p À cognição se define como o processo de estar-vivendo (he process of living), isto é, ela é a interação entre um organismo e seu meio ambiente responsável pela manutenção desse processo de vida. Desejo enfatizar que o desenvolvimento cognitivo é um processo de incrementação-de-baixo-para-cima. À cognição inicia num nível sensórico-motor...; seu nível mais elevado é a inteligência formal-abstrata (cf. Internet, Alexander Riegler + cognition) in: Assmann, Hugo op. cit.,p. 147.

11 10 Vimos que os valores em torno da cidadania e da responsabilidade social são valores liberais. É necessário que o processo de ensino, como ação educativa, conjugue pesquisa e extensão de forma indissociável e aponte para o paradoxo adesão positiva ao mercado e a insistência em políticas públicas democráticas para corrigir suas tendências excludentes. Aqui se (re)coloca a questão dos valores-guias como questões imprescindíveis para tal proposta, que deveria ficar explícita no projeto político-pedagógico, mas que na prática fica à mercê das burocracias profissionais que se apóiam em suas habilidades, conhecimentos e múltiplas racionalidades que oscilam conforme os jogos de poderes, com seus diversos arcos de alianças internos e externos. Não é o espectro da foice e do martelo que ronda as megaempresas, a governabilidade, o Congresso Nacional, a mídia, as especulações e o nervosismo da Bolsa de Valores. A nossa passividade e perplexidade, diante do cenário a que estamos assistindo, mais atrapalham do que ajudam a superálo. Sem um sólido contrapeso de sociedade civil organizada, que faça predominar o interesse prosaico de nossa felicidade interna bruta, estaremos nos dirigindo rapidamente para uma catástrofe nos planos social, ambiental e econômico... A economia, como ciência, tem de deixar de ser um instrumento obsceno de manipulação e de justificação de interesses absurdos, para voltar a se colocar a serviço da humanidade. 40 BIBLIOGRAFIA ALVESSON, Mats e Stanley Deetz. Teoria Crítica e Abordagens Pós-Modernas para Estudos Organizacionais. Hadbook de Estudos Organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, vol ASSMANN, Hugo e Jung Mo Sung. Competência e sensibilidade solidária: educar para a esperança. Petrópolis, RJ: Vozes, Dowbor, Ladislau. O Mosaico Partido: a economia além das equações. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000, p. 138.

12 11 ASSMANN, Hugo. Reencantar a Educação: rumo à sociedade aprendente. Petrópolis, RJ: Vozes, Metáforas Novas para reencantar a Educação: epistemologia e Didática. Piracicaba: Editora UNIMEP, BERTERO, C.Osmar et al. Critérios de Avaliação de Produção Científica em Administração no Brasil. NPP EAESP/FGV. BURREL, G and Morgan, G. Sociological Paradigms and Organization Analysis. London, Heinemann Education Books, CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE EDUCAÇÃO SUPERIOR: Declaração Mundial sobre Educação Superior no Século XXI: visão e ação. Paris, Piracicaba: Editora UNIMEP, DOWBOR, Ladislau. O Mosaico Partido: a economia além das equações. Petrópolis, RJ: Vozez, ENRIQUEZ, Eugène. O indivíduo preso na armadilha da estrutura estratégica. São Paulo: Revista de Adm. de Empresas EAESP/FGV, vol.37,n.1, jan/mar, ETIZIONI, Amitai. Análise das Organizações Complexas: sobre o poder, o engajamento e outros correlatos. Rio de Janeiro: Zahar/USP, GALLO, Silvio.Conhecimento, Transversalidade e Educação. Piracicaba: Editora da UNIMEP, Revista Impulso, vol. 10 n.21, HABERMAS, Jürgen Técnica e Ciência enquanto ideologia. São Paulo: Abril Cultural, HABERMAS, Jürgen. Consciência Moral e Agir Comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, HENRIQUES, Marcio Simeone. O pensamento complexo e a construção de um currículo não-linear. Reunião Anual da ANPED GT LANDE, André. Vocabulário Técnico e Crítico da Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, MATUS, Carlos. Curso de Planificação e Governo. Campinas: UNICAMP, MILLS, C. Wright. A Imaginação Sociológica.Rio de Janeiro: Zahar Editores, MINTZBERG, Henry. Criando Organizações Eficazes. São Paulo: Atlas, MORGAN, G. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, PAGES, M et al. O Poder das Organizações: a dominação das multinacionais sobre os indivíduos. São Paulo: Atlas, POLÍTICA ACADÊMICA DA UNIMEP. Piracicaba: Ed. UNIMEP, REED, Michael. Teorização Organizacional: um campo historicamente contestado. Handbook de Estudos Organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, vol SERVA, Mauricio. Racionalidade substantiva demonstrada na prática. São Paulo: Revista de Adm. de Empresas EAESP/FGV, vol. 37.n.2,abril/junh, 1997.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Projeto Pedagógico: trajetórias coletivas que dão sentido e identidade à escola.

Projeto Pedagógico: trajetórias coletivas que dão sentido e identidade à escola. Prof. Dr. Juares da Silva Thiesen Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Centro de Educação - CED Projeto Pedagógico: trajetórias coletivas que dão sentido e identidade à escola. Ementa: Legitimidade

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1

AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1 AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1 A avaliação da escola é um processo pelo qual os especialistas (diretor, coordenador pedagógico) e os professores

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA,

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, Maria Jacqueline Girão Soares. jaclima@centroin.com.br GT: Educação Ambiental / n. 22 Introdução Entre professores

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PRÁTICA DE ENSINO DE MATEMÁTICA III EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL Giovani Cammarota

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PERSPECTIVAS CURRICULARES NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

PERSPECTIVAS CURRICULARES NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA PERSPECTIVAS CURRICULARES NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA FERNANDO DA SILVA MOTA Debate nº 06 Quem somos nós, quem é cada um de nós, senão uma combinatória de experiências, de informações, de leituras,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 6, JAN/JUN 2009 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO Beanilde Toledo

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: O PILAR QUE SUSTENTA A FUNÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE. Laboratório de Extensão - LABEX

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: O PILAR QUE SUSTENTA A FUNÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE. Laboratório de Extensão - LABEX EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: O PILAR QUE SUSTENTA A FUNÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE Laboratório de Extensão - LABEX Augusto Gomes Amado Júlia Mafra Letícia Nery de Figueiredo Juliana Westmann Del Poente Thaisa

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais