Universidade Popular de Piracicaba: a vulgarização do ensino

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Popular de Piracicaba: a vulgarização do ensino"

Transcrição

1 Universidade Popular de Piracicaba: a vulgarização do ensino Ana Clara Bortoleto Nery UNESP - Cesar Romero Amaral Vieira UNIMEP - Palavras-Chave: Universidade Popular de Piracicaba, Educação Popular, Biblioteca da Escola Normal de Piracicaba Na primeira década do século XX, Piracicaba já se fazia anunciar não somente em suas produções publicitárias locais, mas na admiração dos visitantes que por lá passavam e inscreviam em crônicas, poemas e relatos. Com uma população que já ultrapassava os 30 mil habitantes, Piracicaba sobressaía-se como a segunda cidade paulista em matéria de educação. Proporcionalmente só estava atrás da capital paulista, com 1/6 de suas rendas públicas destinadas à manutenção de seu aparato escolar. Neste período, Piracicaba já apresentava um quadro político bastante complexo, em medida justificado pelo processo de urbanização iniciado em meados do Império brasileiro e que ganhara mais força com a abolição do tráfego de escravos bem como com a hegemonia da produção cafeeira e a intensificação da imigração de origem europeia. Entretanto, essa elite agrária, aos poucos vai dando lugar a uma nova classe social, a burguesia paulista, ou no dizer de Nelson Werneck Sodré, a elite letrada, que a partir do final do século XIX vai assumindo os destinos da nação. E Piracicaba não ficava para trás Neste cenário destacava-se a Escola Agrícola como um centro florescente de pesquisa científica aplicada à tecnologia e ao ensino; a Escola Complementar, transformada em Escola Normal Primária em 1911; numerosas classes primárias e importantes grupos escolares; além de duas instituições confessionais de alto padrão: Colégio Piracicabano e o Colégio Nossa Senhora de Assunção, construídos no final do século anterior. Piracicaba era uma cidade guiada por uma mentalidade ufanista envolta por um forte controle social estimulado pelo fervor religioso e pela rígida disciplina da herança republicana. A historiadora piracicabana Perecin (2004, p. 24) relata que o ufanismo piracicabano de fundamento liberal-positivista encontrou a justa medida na

2 avaliação do intelectual italiano, Roberto Capri que atribuiu a cidade, por sua reputação em matéria de educação, o título de Ateneu Paulista. Foi neste mesmo contexto, a 3 de setembro de 1910, que se deu o início de uma experiência filantrópica pioneira que durou quatro anos e integrou-se ao movimento educacional daquela cidade. A Universidade Popular de Piracicaba U.P.P., instituição que tinha como propósito levar à população aquilo que se ensinava nos colégios e nas faculdades, possuía forte traço positivista e via na organização social o melhor caminho para o desenvolvimento completo do gênero humano. De acordo com o 2º artigo de seu estatuto, sua finalidade era a vulgarização das matérias que eram objeto do ensino secundário e superior, no que diz respeito às ciências, à literatura, às artes em geral e a todos os ramos da atividade humana; o desenvolvimento físico do homem por meio de exercícios ginásticos e esportivos racionais e pelo conhecimento dos princípios essenciais de higiene; o desenvolvimento do sentimento de amizade entre os homens e a natureza e entre os homens entre si; e a educação da mulher voltada para o gerenciamento da economia doméstica. Universidades Populares Cidade escolhida por Prudente de Moraes para viver e trabalhar, reduto de latifundiários como as famílias Sousa Queirós e Moraes Barros, desde o final do século XIX Piracicaba era espaço de atuação da maçonaria que desenvolvia atividades voltadas à Educação Popular como foi o caso da Sociedade Propagadora da Instrução Pública que havia adquirido o prédio onde fora instalada a Escola Complementar de Piracicaba, em Este cenário foi propício à criação de uma instituição que havia se propadado em vários países, incluindo o Brasil. A Universidade Popular, criada por George Deherme, na França em 1896, foi um modelo alternativo de educação popular cujo objetivo principal era a vulgarização do ensino. Dirigida inicialmente aos trabalhadores para despertar-lhe interesses intelectuais, terá diferentes características nos demais países onde fora criada. Segundo artigo citado por Ghiraldelli (1987, p. 121), a Universidade Popular criada por Deherme, operário tipógrafo, serviu de protótipo para uma série de experiências na América Latina. Se, por um lado, na França as Universidades Populares eram voltadas à classe

3 operária, em Portugal elas foram criadas com o propósito de integração cultural e social, dirigida ao povo em sentido lato, sem distinção de classes. No Brasil, no caso da UPP, era dirigida ao povo em geral preparando-os para a cidadania e para o trabalho. O início da Universidade Popular em Portugal está atrelado ao conjunto das preocupações daqueles que viam a educação como um fato social capaz de ser utilizado como instrumento privilegiado no processo evolutivo da sociedade, e que daria a sustentabilidade necessária ao jovem regime republicano, consolidado somente em Para Pintassilgo, mais do que fazer a reforma política tornava-se necessário, principalmente, fomentar o progresso por via da educação e da cultura e contribuir para a promoção cívica do povo (2006, p. 1), numa clara ação civilizatória. A difusão da educação e da cultura era considerada necessária para o projeto de regeneração social de Portugal. No final do século XIX e nas primeiras décadas do século XX, Portugal foi marcado por uma crescente intervenção de uma elite republicana no campo da educação com a propositura de projetos, principalmente voltados para a área da educação popular. Segundo Pintassilgo (2011), tal movimento teria sido motivado pela crença de raiz positivista no papel decisivo da educação e da cultura como fonte de progresso e regeneração social, o investimento político republicano, considerado inseparável do combate contra o analfabetismo, além do labor cultural de pendor iluminista da maçonaria foram algumas das condições que favoreceram a afirmação de um discurso que colocava o povo e sua educação no centro do debate político e social. (2011, p. 215) A partir dessas premissas difundiram-se um importante número de instituições que tinham como missão principal a promoção da cultura do povo português. Estas instituições ficaram conhecidas por universidades livres ou universidades populares e foram fundadas tanto pelo republicanismo oficial, no dizer de Pintassilgo, quanto pela iniciativa de instituições associativas também preocupadas com a vulgarização científica e cultural do país, como foi o caso do movimento cultural conhecido como Renascença Portuguesa, surgido em 1912, fundador da Universidade Popular de Portugal em Valente, em artigo sobre o movimento anarquista no Brasil, informa que as Universidades Populares estariam dentre as realizações dos anarquistas. Para ela

4 a preocupação dos anarquistas ou libertários com a educação política não se limitava aos periódicos: fundaram escolas -Escolas Modernas ou Racionalistas - Centros de Estudos, Bibliotecas, Universidades Populares; promoveram reuniões e panfletagens; desenvolveram uma intensa produção teatral e literária. (VALENTE, 1994, p. 264) Segundo a autora, como os anarquistas eram contrários à educação formal promovida pelo Estado, criaram escolas para o operariado. Guardando as devidas proporções com a situação portuguesa, o Brasil também enfrentou problemas semelhantes com a organização e estabelecimento do novo regime. Estava claro aos olhos dos intelectuais republicanos e liberais de que a mudança política, por si só, não garantiria a formação de um espírito cívico. Era necessário se valer da educação tida como a mais decisiva entre as forças inovadoras da sociedade, para reverter o quadro de analfabetismo e atraso da sociedade brasileira e incutir no país o espírito da civilização moderna. Era necessário despender maior atenção às modalidades informais de educação a fim de atingir também o contingente populacional dos homens livres e libertos despossuídos. Embora esta consciência já estivesse de certo modo presente nas últimas décadas do regime monárquico, era mais intenso nos discursos e nas iniciativas dos republicanos e liberais preocupados com o direcionamento o futuro da nação. A educação tornara-se indispensável ao desenvolvimento social e econômico do país e sua difusão passou a ser tarefa de todos, como fica evidente nas considerações republicanas feitas nas páginas de A Província de São Paulo (20 out. 1875, p. 2) Instruir o povo! Eis a propaganda oficial que encontramos a cada passo pregada pelos homens do governo. Desde que o imperador compreendeu o plano que os republicanos começaram a executar criando escolas populares e gratuitas, ele tratou de imprimir direção prudente à corrente das novas idéais. A partir desse período surgiram várias instituições beneméritas, com o objetivo de preparar o homem do povo para a cidadania e para o trabalho. A multiplicação dessas instituições veio na esteira da luta pela desoficialização do ensino proposta pelo Decreto n , de 19 de abril de Joaquim Floriano de Godoy, ao relatar a situação da instrução pública na província de São Paulo, diz que o movimento da instrução popular sem a tutela do governo já é notável. Ele partiu da capital e irradiou-se até os mais remotos municípios da província. Prossegue ele:

5 Na província existe a notável associação Propagadora da Instrução Pública, que foi constituída pela nata da sua população. Para a realização de tão fecundo pensamento concorrem os ricos com sua bolsa, o homem da sciencia com seu saber, e até as senhoras com donativos e com a animação de sua palavra. Alli há alimento moral e intellectual para todas as classes: as sciencias sociaes, econômicas e experimentaes são propagadas em methodos fáceis e ao alcance de todas as intelligencias (2007, p. 86) A experiência piracicabana não foi a única. Segundo Ghiraldelli Jr. a primeira Universidade Popular fundada no Brasil foi na cidade do Rio de Janeiro e durou apenas de março a outubro de De iniciativa de anarquistas, a Universidade Popular do Rio de Janeiro foi alvo de várias notícias publicadas na imprensa libertária, no Rio e em São Paulo. Para Ghiraldelli, o fracasso das Universidades Populares no Brasil poderia estar ligado ao grande desnível entre a provável erudição dos mestres, em contraste com a vida cultural proletariada (1987, p.122). Universidade Popular de Piracicaba: objetivos e características A UPP fora idealizada por Jacques Arié i, professor da antiga Escola Agrícola de Piracicaba, e foi seu primeiro Presidente. Foi ao lado de Sebastião Nogueira de Lima ii, delegado de polícia da cidade, formado pela Faculdade de Direito de São Paulo, que Arié concretizou a idéia. As Universidades Populares já eram uma realidade na França e na Bélgica quando Arié veio ao Brasil o que pode explicar sua ligação direta com a experiência no país de origem. Segundo definição de Arié, a Universidade Popular era uma associação de todos os elementos bons de uma sociedade boa, consagrados por um só fim de solidariedade humana, para o desenvolvimento intellectual de um povo e o aperfeiçoamento pratico de uma raça. Uma Universidade Popular (...) é Sciencia, numa vulgarização eminentemente popular; é arte, numa participação fácil de todos os seus encantos e devaneios; é amor, inspirado pela caridade, que se planta no seio das famílias, que se ensina aos que desconhecem a gardeza de sua pratica e que se administra aos que delle vivem divorciados pelas misérias e agruras da vida. Também é traço de solidariedade intellectual entre os homens e, finalmente, democracia que eleva um povo a perfectibilidade de um civismo sem par.(1910, p. 6) Vemos neste discurso traços positivistas presentes no ideário republicano de educação para regeneração dos homens.

6 Vemos na constituição da UPP também a preocupação com a educação da mulher. Segundo Oliveira Deherme previu que as universidades populares teriam moralmente a presidência feminina e seriam o ensaio dos salões verdadeiros, dos verdadeiros clubs (1910, p. 22). Assim, dentre os membros da diretoria da UPP destaque para a presença feminina da professora Quintina Soares. Uma das propostas da UPP era o curso de economia doméstica, destinado às mulheres da localidade. D. Quintina era vice-presidente da instituição ao lado de Juvenal Penteado, professor da Escola Complementar de Piracicaba. A sessão inaugural da Universidade Popular de Piracicaba foi realizada no dia 3 de setembro de 1910, no teatro Santo Estevão. A conferência inaugural foi proferida pelo Professor José Feliciano de Oliveira iii e teve por título A vulgarização do ensino. Ao contrário da experiência do Rio de Janeiro acima citado, cuja conferência inaugural foi proferida por Fábio Luz, um dos anarquistas de destaque na época, a palestra inaugural da UPP foi proferida por um expoente do positivismo paulista. Em sua exposição, Oliveira, ao falar do papel das Universidades Populares, enfatizou a necessidade de libertar, pela verdadeira educação, o povo da indifferença e da anarchia corruptora por meio da disciplina, da ordem e das leis; das mazelas que aprofundam as diferenças sociais, por meio do sentimento de igualdade que não faz distinção entre as classes, mas que fortalece o civismo e a fraternidade entre as pessoas; do feminismo irracional e monstruoso que fomenta a rivalidade no ceio de sua própria casa, por meio de uma educação moral voltada para o lar, para a estética e para o belo. Para Oliveira: Aos trabalhadores é preciso incutir, num largo, espiritual, desinteressado ensino, a vera noção de uma immortalidade pela fama, pelo bem solidário, continuo que se prolonga na espécie, nos filhos, nos porvindouros que não oprimem, que nada reclamam acrimoniosamente. Dar-lhes um ensino que os constitua esclarecidos, cônscios elementos de uma nobre opinião publica. [...] Facilitar-lhes um lar sem vícios e com o modesto conforto que a verdadeira mulher, de si mesma, por sua amável, boa, caridosa assistência, lhes dá em todos os momentos, em qualquer situação, mesmo penosa. (OLIVEIRA, 1910, p. 18) Oliveira reafirma a função salvadora da educação e da ciência como indutoras ao verdadeiro estado positivo. Para ele a Universidade Popular era uma cooperação de sentimentos idéas e vontades para afugentar os males da ignorancia e tornar os operários e cidadãos conscientes operadores da vida cívica, livremente aceita (p. 20),

7 conduzindo-os à realização de seu próprio destino cívico e a concorrer desinteressadamente na formação e no exercício de uma bemfazeja opinião publica (p. 24). Os estatutos da Universidade Popular de Piracicaba foram registrados sob o número de ordem dezessete do livro A, em 12 de novembro de 1910, e o objetivo social encontra-se assim registrado, no 1º Cartório de Registro de Imóveis e anexos de Piracicaba: a) A vulgarização das matérias que são objectos do ensino secundário e superior no que diz respeito ás sciencias, a litteratura, as artes em geral a todos os ramos de actividade humana (sociologia, religião, philosophia, commmercio, industria, agricultura, etc.; b) O desenvolvimento physico do homem pelos exercicios gymnasticos e sportivos racionaes e pelos conhecimentos dos princípios essenciaes da higiene; c) O desenvolvimento dos sentimentos de amizade entre os homens e entre as nações, constituindo e ajudando a constituição de obras de beneficencia, de mutualidade e de qualquer utilidade geral; d) Estabelecer pequenas industrias manuaes para sustentar os enfermos, incapazes de grandes esforços; e) Estabelecer cosinhas economicas onde, mediante um preço módico os trabalhadores possam achar uma alimentação san e substancial; f) ensinar a mocidade de todas as classes, as linguas, dactylographia, a stenographia, a contabilidade e a correspondencia commercial, facilitando-lhes a collocação; g) Estabelecer uma escola pratica domestica para moças de todas as classes onde ellas poderão aprender tudo o que faz uma boa dona de casa. A revista A Escola, do Grêmio de Professores Públicos do Estado do Paraná ( ), publicou o Programa da Universidade Popular de Piracicaba o que pode demonstrar o alcance da iniciativa de intelectuais piracicabanos. O jornal estado de São Paulo estampou em suas páginas várias matérias elogiosas a iniciativa piracicabana pela edificação de tão necessário monumento. Da cidade de Piracicaba que, em matéria de instrucção publica, já conta excellentes serviços prestados ao Estado, acaba de partir uma bella iniciativa digna de geral imitação. (ESTADO DE SP, 24 agos. 1910). A Universidade Popular chegou a constituir uma biblioteca aberta ao público e este acervo continuou a existir após a sua extinção. Posteriormente, parte deste acervo foi incorporada à biblioteca da Escola Normal de Piracicaba iv. É bem provável que alguns de seus livros tenham chegado ao acervo da biblioteca da Escola Normal pelas mãos de um de seus membros ligado à Universidade Popular. Parte dos membros da UPP eram professores da Escola Normal de Piracicaba, entre eles Lázaro Lozano, Honorato Faustino e Antonio Firmino de Proença.

8 Dos livros que fizeram parte do acervo da UPP alguns foram encontrados no acervo da biblioteca da Escola Normal de Piracicaba. Dentre eles destaque para o Manual de Sociologia, de Eugênio Maria Hostos. Fonte: Acervo GEPAEFE Grupo de Estudos e Pesquisas em Administração da Educação e Formação de Educadores/ UNESP Marília Hostos, nascido em Porto Rico, era filósofo, sociólogo, advogado e educador e defensor dos ideais republicanos. Foi um combativo promotor da educação científica das mulheres. que Em artigo recente publicado na Revista Brasileira de Educação, o autor informa Hostos tem sido considerado por eminentes intelectuais internacionais como o fundador ou promotor na América de várias disciplinas. É citado, por exemplo, como o iniciador da sociologia, da pedagogia da liberação o, como um dos primeiros ensaístas e como pioneiro da bioética (LABOY, 2011, p. 52). Ele faleceu poucos anos antes da criação da UPP. Considerado o fundador da sociologia latino-americana, a presença deste livro na biblioteca da Universidade Popular se coaduna com os princípios propostos para a instituição. Conforme vemos na figura acima, o livro foi doado por Pedro de Mello, em 9 de outubro de 1910.

9 Traduzido pelo Dr. Ferreira de Araújo, o livro Depois da Morte ou A vida futura segunda a Sciencia, de Louis Figuier, foi publicado no Brasil, em 1877, pela editora Garnier. É uma discussão filosófica sobre a vida e a morte, feita pelo médico francês. O livro é ilustrado por 10 gravuras de astronomia. Configura-se como obra de ciência e cultura geral na biblioteca da UPP. Conforme anotações feitas à mão no interior do livro, ele fora doado por Honorato Faustino em 26/09/1910, ou seja, logo no início da constituição do acervo. Catalogado como do gênero da Ciência Pura, o livro Mineralogia Agrícola, de Antonio de Pádua Dias, também compôs o acervo da biblioteca da UPP. Pádua Dias foi um dos diretores da Escola Prática Agrícola de Piracicaba. O livro foi doado pelo próprio autor em março de 1914, o que demonstra a longevidade da instituição. Este livro foi publicado pela Tipografia do Jornal de Piracicaba v, em 1913, e servia como manual de mineralogia para as escolas de agricultura da época. A Universidade Popular de Piracicaba foi uma experiência impar no Brasil. Ao contrário das demais criadas em território nacional ela permaneceu ativa por 4 anos. Teve sede própria, com estatuto registrado em cartório o que demonstra a aposta de seus fundadores no êxito da instituição. REFERÊNCIAS GHIRALDELI JR, Paulo. Educação e Movimento operário no Brasil. São Paulo: Cortez, GODOY, Joaquim Floriano de. A província de S. Paulo: trabalho estatístico, histórico e noticioso. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: FUNDAP, LABOY, Roberto Gutiérrez. A filosofia educativa de Eugenio María de Hostos. Revista Brasileira de. Educação. vol.16, n.46, p , PERECIN, Marly T G. Os passos do saber: a Escola Agrícola Prática Luiz de Queiroz. São Paulo: EDUSP, PINTASSILGO, Joaquim. O debate sobre as universidades populares na imprensa portuguesa de educação e ensino. O exemplo de A Vida Portuguesa Revista HISTEDBR On-line, 24, 2006, p Disponível em:

10 PINTASSILGO, Joaquim. As universidades populares nas primeiras décadas do século XX em Portugal o exemplo da Academia de Estudos Livres. CARVALHO, M.M.C. de ; PINTASSILGO, J. (orgs). Modelos Culturais, Saberes Pedagógicos, Instituições Educacionais. São Paulo: EDUSP, 2011, p INAUGURAÇÃO da Universidade Popular de Piracicaba. Folheto de Propaganda. São Paulo: Typographia Brazil de Rothschild & Cia, VALENTE, S.M.P. O movimento anarquista no Brasil. Semina, Londrina, 15(3), set.1994, p i Engenheiro agrônomo francês, contratado para a cadeira de Química da Escola Agrícola Prática Luiz de Queiroz (atual Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/USP) entre 1905 e 1909, organizou o laboratório de Química da instituição. Posteriormente, foi pesquisador do Instituto Biológico de São Paulo. ii Desembargador Sebastião Nogueira de Lima formou-se pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco, em Foi delegado de polícia em Piracicaba, entre 1907 e Em 1945 foi Interventor Federal do Estado de São Paulo. iii José Feliciano de Oliveira (Jundiaí, SP, 1868 São Paulo, SP, 1962), professor, abolucionista e republicano, foi um dos defensores do positivismo no Brasil, dedicando-se a sua propaganda. iv A Escola Normal Primária de Piracicaba foi fruto da transformação da Escola Complementar de Piracicaba, em Atualmente a escola que abriga todo o acervo bibliográfico e documental daquelas escolas chama-se Escola Estadual Sud Mennucci, na cidade de Piracicaba/SP. v O Jornal de Piracicaba é um periódico diário, publicado na cidade de Piracicaba desde Nos finais da primeira década do século XX a direção do jornal se ocupou em publicar uma série de livros de autores piracicabanos, dentre ele o livro Saudade, de Thales Castanho de Andrade (Nery, p. xx).

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

O Mundo industrializado no século XIX

O Mundo industrializado no século XIX O Mundo industrializado no século XIX Novas fontes de energia; novos inventos técnicos: Por volta de 1870, deram-se, em alguns países, mudanças importantes na indústria. Na 2ª Revolução Industrial as indústrias

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959 PREÂMBULO CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER Tamires Albernaz Souto 1 Flávio Augusto Silva 2 Hewerton Luiz Pereira Santiago 3 RESUMO Max Weber mostra suas ideias fundamentais sobre o Capitalismo e a racionalização

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Michael Haradom - www.shalomsalampaz.org - ssp@shalomsalampaz.org tel (11) 3031.0944 - fax (11)

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL (SENAI): CRIAÇÃO E PROPOSTAS EDUCATIVAS / CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO SOCIAL

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL CÊGA, Anderson Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça andersoncega@yahoo.com.br TAVARES, Guilherme Associação Cultural e Educacional

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte A Educação na Constituinte de 1823 Cristiano de Jesus Ferronato 1 - PPG-UFPB O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte de 1823, e documentos contemporâneos ao período

Leia mais

ILUSTRES PARTICIPANTES DO FÓRUM EM CIÊNCIAS

ILUSTRES PARTICIPANTES DO FÓRUM EM CIÊNCIAS DISCURSO PRONUNCIADO POR SUA EXCELÊNCIA JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS, PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA, NA SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO FÓRUM EM CIÊNCIAS DO DESPORTO APLICADAS AO FUTEBOL Luanda, 29 de Agosto

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

PROMETO, DIGNIFICAR MINHA PROFISSÃO, CONSCIENTE DE MINHAS RESPONSABILIDADES LEGAIS, OBSERVAR O CÓDIGO DE ÉTICA, OBJETIVANDO

PROMETO, DIGNIFICAR MINHA PROFISSÃO, CONSCIENTE DE MINHAS RESPONSABILIDADES LEGAIS, OBSERVAR O CÓDIGO DE ÉTICA, OBJETIVANDO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS PROMETO, DIGNIFICAR MINHA PROFISSÃO, CONSCIENTE DE MINHAS RESPONSABILIDADES LEGAIS, OBSERVAR O CÓDIGO DE ÉTICA, OBJETIVANDO O APERFEIÇOAMENTO DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO, O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA Claudson Santana Almeida Junho 2012 Introdução O que o leitor encontrará neste artigo? Uma apresentação do sistema de Ensino a Distância (EAD), conhecer as vantagens e

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO A educação é um dos pilares da sociedade e no nosso emprego não é diferente. Um povo culto está mais preparado para criar, planejar e executar os projetos para

Leia mais

HISTÓRICO DA SOCIOLOGIA

HISTÓRICO DA SOCIOLOGIA HISTÓRICO DA SOCIOLOGIA Curso: Ensino Médio Integrado Prof. MSc. Manoel dos Passos da Silva Costa 1 POSITIVISMO Primeira corrente de pensamento sociológico; Sistematiza cientificamente alguns princípios

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA

FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA FEMINISMO Filosofia de vida da qual deriva uma atitude crítica frente aos factos e perante a sociedade Tomada de consciência Resposta que conduz à mudança, a partir

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê?

A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê? A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê? DÍVIDA SOCIAL ESCRAVIDÃO E IMIGRAÇÃO FALTA DE ESTRUTURA SOCIAL

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA

A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA O IMPÉRIO ALEXANDRINO A FILOSOFIA ESTOICA PARTE DA SEGUINTE PERGUNTA: COMO DEVO AGIR PARA VIVER BEM? COMO POSSO VIVER BEM E,

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. História 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. História 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO História 2011-1 UM DEBATE SOBRE AS CAUSAS DA REVOLUÇÃO FRANCESA Alunos: HIDALGO, Caio Gigante

Leia mais

A REVISTA OESTE NA CONSOLIDAÇÃO DO CENÁRIO POLÍTICO GOIANO

A REVISTA OESTE NA CONSOLIDAÇÃO DO CENÁRIO POLÍTICO GOIANO A REVISTA OESTE NA CONSOLIDAÇÃO DO CENÁRIO POLÍTICO GOIANO Pedro Henrique Rosa Graduando do curso de História da UEG-Anápolis Heavy_metal11@hotmail.com Vanessa Claudio Fernandes Graduanda do curso de História

Leia mais

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade: Desafios para uma cultura de compromisso social O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Comunicação: instrumento de formação

Leia mais

Leila Maria Inoue Faculdade de Filosofia e Ciências Unesp, campus de Marília A Revista de Educação

Leila Maria Inoue Faculdade de Filosofia e Ciências Unesp, campus de Marília A Revista de Educação Leila Maria Inoue Faculdade de Filosofia e Ciências Unesp, campus de Marília A Revista de Educação (1921-1923) e sua contribuição na formação de professores Este texto apresenta a pesquisa de Iniciação

Leia mais

Lista de Exercícios:

Lista de Exercícios: PROFESSOR(A): Ero AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DATA DA REALIZAÇÃO ROTEIRO DA AVALIAÇÃO 2ª ETAPA AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º CONTÉUDOS ABORDADOS Cap. 4: o mundo grego todos os temas Cap

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS CEFOR - CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO ESPECIALIZAÇÃO EM INSTITUIÇÕES E PROCESSOS POLÍTICOS DO LEGISLATIVO. PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA. Projeto de Pesquisa Aluno:

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

Weber e o estudo da sociedade

Weber e o estudo da sociedade Max Weber o homem Maximilian Karl Emil Weber; Nasceu em Erfurt, 1864; Iniciou seus estudos na cidade de Heidelberg Alemanha; Intelectual alemão, jurista, economista e sociólogo; Casado com Marianne Weber,

Leia mais

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA 1. Congratulo-me vivamente com a realização deste Congresso do Ano Internacional dos Voluntários. Trata-se de um acontecimento da maior importância

Leia mais

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res 97 A INSTRUÇÃO NOS JORNAIS, RELATÓRIOS E MENSAGENS DOS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA E DE ESTADO NA PARAÍBA (1889-1910). Algumas palavras iniciais: Michelle Lima da Silva Bolsista CNPQ/PIBIC/UFPB (graduanda)

Leia mais

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil MATERIAL DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL 6 ANO 1) Classifique as fontes listadas abaixo em primarias e secundárias: - Vídeo do atentado terrorista ao World Trade Center em 2001 - Trecho da Carta de Pero

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Aula Expositiva pelo IP.TV Dinâmica Local Interativa Interatividade via IP.TV e Chat público e privado Email e rede

Leia mais

25 de Abril de 2015 Comemoração dos 41 anos da Revolução dos Cravos

25 de Abril de 2015 Comemoração dos 41 anos da Revolução dos Cravos 25 de Abril de 2015 Comemoração dos 41 anos da Revolução dos Cravos Intervenção da Deputada Municipal do PSD Célia Sousa Martins Senhora Presidente da Assembleia Municipal, Senhor Presidente da Câmara

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Santa Catarina, seu progresso e seus

Leia mais

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Soraya Vieira SANTOS; Marília Gouvea de MIRANDA (PPGE/FE/UFG) soraya_vieira@hotmail.com marília.ppge@uol.com.br Palavras-chave: Wallon;

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE A INSTITUIÇÃO A Universidade Livre do Meio Ambiente - Unilivre, instalada em Curitiba, Paraná, é uma organização não governamental sem fins lucrativos, recentemente

Leia mais

MOVIMENTO GINÁSTICO EUROPEU

MOVIMENTO GINÁSTICO EUROPEU MÉTODOS GINÁSTICOS MOVIMENTO GINÁSTICO EUROPEU A partir de 1800: surgem diferentes formas de exercícios; EssasformasrecebemonomedeMétodos; São as primeiras manifestações sistemáticas de exercício físico

Leia mais

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana DIREITOS HUMANOS Noções Gerais Evolução Histórica i Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana Positivismo e Jusnaturalismo Universalismo

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DIREITO À IGUALDADE, SEM DISTINÇÃO DE RAÇA RELIGIÃO OU NACIONALIDADE Princípio I - A criança desfrutará

Leia mais

PROJETO RODA DE CORDÉIS

PROJETO RODA DE CORDÉIS PROJETO RODA DE CORDÉIS Justificativa Os alunos do Centro Cultural Capoeira Cidadã buscam a Capoeira e as outras atividade da ONG por já terem uma forte afinidade com o ritmo, a música e a rima presentes

Leia mais

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES 1 CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A discussão que vem sendo proposta por variados atores sociais na contemporaneidade

Leia mais

Declaração dos Direitos da Criança (1959)

Declaração dos Direitos da Criança (1959) Declaração dos Direitos da Criança (1959) Preâmbulo Visto que os povos das Nações Unidas, na Carta, reafirmaram a sua fé nos direitos humanos fundamentais, na dignidade e no valor do ser humano, e resolveram

Leia mais

Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia

Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens A obra salesiana teve início em Turim, na Itália, onde Dom Bosco colocou em prática seus ideais de educação associados ao desenvolvimento

Leia mais

ILUMINISMO/ LIBERALISMO. Regimes Absolutistas. Revolução Francesa. História da Educação. Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa

ILUMINISMO/ LIBERALISMO. Regimes Absolutistas. Revolução Francesa. História da Educação. Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa ILUMINISMO/ LIBERALISMO Regimes Absolutistas Revolução Francesa Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa A palavra Iluminismo vem de luz e se refere à capacidade que a razão tem de tudo iluminar. A razão,

Leia mais

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 42 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 PLANO DE AULA

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 42 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 PLANO DE AULA ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 42 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) II CICLO A IDADES: 09/10 PLANO DE AULA 1. TEMA: Missionários da Terceira Revelação. 2. OBJETIVO:

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA Neire Oliveira de Castro Souza 1 Lorrainy Dias Mendes 2 Airson José de Moraes Júnior 3 Neusa Elisa Carignato Sposito (Orientador) 4 RESUMO

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e da moralidade, com que se pratica do

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS Wilson Camerino dos Santos Junior Instituto Federal do Espírito Santo/ caducamerino@yahoo.com.br RESUMO A pesquisa apresenta

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI Maria de Lurdes Rodrigues Em matéria de educação, em quase todo o mundo, foram definidas regras que consagram o objetivo de proporcionar a todas as crianças

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA AS RELAÇÕES. Elvis Rezende Messias elvisccae@oi.com.br

EDUCAÇÃO PARA AS RELAÇÕES. Elvis Rezende Messias elvisccae@oi.com.br EDUCAÇÃO PARA AS RELAÇÕES ETNICORRACIAIS Elvis Rezende Messias elvisccae@oi.com.br O que é o homem? -Quem é você? -Quais são as duas coisas (fatos, pessoas) que mais marcaram sua vida? -Dentre várias,

Leia mais

Três exemplos de sistematização de experiências

Três exemplos de sistematização de experiências Três exemplos de sistematização de experiências Neste anexo, apresentamos alguns exemplos de propostas de sistematização. Estes exemplos não são reais; foram criados com propósitos puramente didáticos.

Leia mais

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade O Futuro da Política Europeia de Coesão Inovação, Coesão e Competitividade 20 de Abril de 2009 António Bob Santos Gabinete do Coordenador Nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico Desafios

Leia mais

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER Área Temática: Saúde Adriane de Castro Martinez Martins 1 (Coordenadora) Claudecir Delfino Verli 2 Aline Maria de Almeida Lara 3 Modalidade: Comunicação

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca II. POLÍTICA INTERNACIONAL RIO DE

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais