Remissão prolongada da atividade metabólica da Doença de Paget. tratamento com Risendronato oral e Pamidronato endovenoso.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Remissão prolongada da atividade metabólica da Doença de Paget. tratamento com Risendronato oral e Pamidronato endovenoso."

Transcrição

1 Remissão prolongada da atividade metabólica da Doença de Paget Óssea após Ibandronatooral J Clin Endocrinol Metab, em um February paciente 2012, 97(2): com rápida recidiva após tratamento com Risendronato oral e Pamidronato endovenoso. CLARISSA BEATRIZ SANTOS DE ALMEIDA 1, MARIA DO SOCORRO COSTA AZEVEDO 2, LUIS GUSTAVO DE OLIVEIRA PESSOA 1, JOSÉ MARCOS VIEIRA DE ALBUQUERQUE FILHO 1, FRANCISCO ALFREDO BANDEIRA FARIAS 1 UED/HAM -UNIDADE DE ENDOCRINOLOGIA, DIABETES E DOENÇA ÓSSEA Orientador: Francisco Bandeira, MD, Phd, FACE Apresentação: Clarissa Almeida- R2 Endocrinologia HAM Recife, 29 de junho2013

2 Remissão prolongada da atividade metabólica da Doença de Paget Óssea após ibandronato oral em um INTRODUÇÃO A Doença de Paget Óssea (DPO) é uma doença crônica caracterizada por aumento da atividade osteoclástica, com secundária atividade osteoblástica. Principais sítios: vértebras, ossos longos dos membros inferiores, pelve e crânio; No Brasil, predomina em áreas de ascendência européia, com prevalência de 3% em maiores de 40 anos nessas regiões. Griz L, Caldas G, Bandeira C, Assunção V, Bandeira F. Paget s Disease of Bone. Arq Bras Endocrinol Metab 2006;50/4: Bandeira F, et al. Paget'sdiseaseofbone Characteristicsof49 patientsfroma single institutionin Recife, PE, Brazil.J BoneMiner Res 1999;14(suppl. 1):S539.

3 Remissão prolongada da atividade metabólica da Doença de Paget Óssea após ibandronato oral em um INTRODUÇÃO Tratamento é indicado em pacientes sintomáticos com doença metabolicamente ativa; Bisfosfonatos: a classe de escolha para o tratamento; Ácido zolendrônico parece ser o mais potente e apresenta remissão prolongada; Pamidronato: doses de 60 mg IV em casos de pouca atividade, até mg infundidos em 3 dias seguidos ou semanais em casos moderados a severos; Risendronato e alendronato oral são usados em doses maiores que as utilizadas para osteoporose. Griz L, Caldas G, Bandeira C, Assunção V, Bandeira F. Paget s Disease of Bone. Arq Bras Endocrinol Metab 2006;50/4:

4 Remissão prolongada da atividade metabólica da Doença de PagetÓssea após ibandronatooral em um INTRODUÇÃO Ibandronato pode ser administrado sob infusão venosa (2 mg). A experiência com essa droga na DPO limitada. por via oral (VO) é Griz L, Caldas G, Bandeira C, Assunção V, Bandeira F. Paget s Disease of Bone. Arq Bras Endocrinol Metab 2006;50/4:

5 Remissão prolongada da atividade metabólica da Doença de PagetÓssea após ibandronatooral em um INTRODUÇÃO Estudo de Bandeira et al: - Alta eficácia com ibandronato VO 150 mg ao mês por 6 meses; -Redução média de 65% nos valores de CTX ; -Normalização da fosfatase alcalina em todos e melhora clínica significativa. VossL,, FontanD, Diniz E, Lucena C, Bandeira. ClinicalResponseto Oral Ibandronatein PagetDisease.EndocrRev201132:P2-148

6 Remissão prolongada da atividade metabólica da Doença de PagetÓssea após ibandronatooral em um GAM, 83 anos, masculino; Diagnóstico de Doença de Paget poliostótica há 13 anos; Comprometimento de ósseo: crânio (parietal e occipital), tíbia direita, úmero esquerdo e vértebras torácicas, lombares, sacrais e articulação sacro-ilíaca.

7 Remissão prolongada da atividade metabólica da Doença de PagetÓssea após ibandronatooral em um Radiografias:

8 Radiografias:

9 Cintilografia óssea:

10 1 Tratamento: Risendronato 30 mg/dia VO por 2 meses Após 1 ano: Recidiva da doença I - CTX=2160 pg/ml(59-679); II - FA=518 Ul(37-147); III - Ca=9,3mg/dL; IV - P=3,4mg dl; V - 25-OH vitaminad = 32,5ng/ml. 2 Tratamento:Pamidronato 90 mgev,2dosescomintervalo de1semana.

11 Após 6 meses: ausência de remissão, turn over ósseo elevado e queixa de diminuição de acuidade auditiva I-CTX= 821(59-679); II-FA=164(38-126); III-Ca=9,0; IV-P=3,8; V-Alb=4,0. 3 Tratamento: Novo curso de Pamidronato 90 mg IV, 2 doses com intervalo de 1 semana.

12 Após 1 ano: paciente retorna assintomático, com marcadores de reabsorção óssea em queda, porém ainda elevados; I - CTX=640; II - FA=124; III - Ca=9,2; IV - Alb=4,4. 4 Tratamento: Ibandronato 150 mg ao mês,via oral, por 6 meses

13 Atualmente: Paciente há 6 anos em remissão de doença. I - CTX=335; II - FA=85; III - Ca=9,6; IV - P=4,4; V - 25-OH vitamina D=23 VI - Alb=4,8;

14 RESPOSTA AO TRATAMENTO CTX FA Risendronato Pamidronato (1º) Pamidronato (2º) Ibandronato

15 CONCLUSÃO Este caso ilustra o efeito prolongado do Ibandronato oral na atividade metabólica da DPO.

Dr. Pedro Ming Azevedo Doutor em Reumatologia USP Professor Reumatologia FEPAR

Dr. Pedro Ming Azevedo Doutor em Reumatologia USP Professor Reumatologia FEPAR Dr. Pedro Ming Azevedo Doutor em Reumatologia USP Professor Reumatologia FEPAR Homens > Mulheres, raro < 50 anos, Oeste Europeu (Inglaterra e Itália) Uni ou Multifocal Principalmente osso trabeculado Reabsorção

Leia mais

1 Aspectos gerais do diagnóstico e tratamento do diabetes mellitus tipo Lourena Rodrigues Lima, Aline Guerra Correia e Francisco Bandeira

1 Aspectos gerais do diagnóstico e tratamento do diabetes mellitus tipo Lourena Rodrigues Lima, Aline Guerra Correia e Francisco Bandeira Sumário Parte 1 Diabetes mellitus... 1 1 Aspectos gerais do diagnóstico e tratamento do diabetes mellitus tipo 2... 3 Lourena Rodrigues Lima, Aline Guerra Correia e Francisco Bandeira 2 Diabetes gestacional...

Leia mais

Laíse Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição Programa de Pós -Graduação em Alimentos e Nutrição- PPGAN/ UNIRIO

Laíse Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição Programa de Pós -Graduação em Alimentos e Nutrição- PPGAN/ UNIRIO Laíse Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição Programa de Pós -Graduação em Alimentos e Nutrição- PPGAN/ UNIRIO A Vitamina D é um nutriente produzido pelo corpo humano através da ação da radiação ultravioleta

Leia mais

DOENÇA ÓSSEA NA CIRROSE. Cristiane Alves Villela Nogueira Faculdade de Medicina Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOENÇA ÓSSEA NA CIRROSE. Cristiane Alves Villela Nogueira Faculdade de Medicina Universidade Federal do Rio de Janeiro DOENÇA ÓSSEA NA CIRROSE Cristiane Alves Villela Nogueira Faculdade de Medicina Universidade Federal do Rio de Janeiro Osteodistrofia hepática Consiste na doença óssea associada a hepatopatia crônica Inclui

Leia mais

Sumário. Data: 13/12/2013 NTRR 258/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Sumário. Data: 13/12/2013 NTRR 258/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura NTRR 258/2013 Solicitante: Dr. Amaury Silva, Juiz de Direito da 6.ª Vara Cível dacomarca de Governador Valadares Data: 13/12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo:0296392-06.2013.8.13.0105

Leia mais

31/2015 ÁCIDO ZOLEDRÔNICO PARA DISPLASIA FIBROSA

31/2015 ÁCIDO ZOLEDRÔNICO PARA DISPLASIA FIBROSA 28/07/2015 31/2015 ÁCIDO ZOLEDRÔNICO PARA DISPLASIA FIBROSA SOLICITANTE : Juiz de Direito Juiz de Direito Sérgio Castro da Cunha Peixoto NÚMERO DO PROCESSO: Autos 9048912.38.2015.813.0024 SOLICITAÇÃO/

Leia mais

Bisfosfonatos podem minimizar a fome óssea após paratireoidectomia em pacientes com hiperparatireoidismo primário e osteíte fibrosa cística

Bisfosfonatos podem minimizar a fome óssea após paratireoidectomia em pacientes com hiperparatireoidismo primário e osteíte fibrosa cística Artigo original Bisfosfonatos podem minimizar a fome óssea após paratireoidectomia em pacientes com hiperparatireoidismo primário e osteíte fibrosa cística Tatiana Clementino Pinto Toscano de França 1,

Leia mais

Uso de agentes anti reabsortivos no manejo da osteporose. Reflexões. Dra. Fabiana Gonzalez Dra. Priscila Faggiano

Uso de agentes anti reabsortivos no manejo da osteporose. Reflexões. Dra. Fabiana Gonzalez Dra. Priscila Faggiano Uso de agentes anti reabsortivos no manejo da osteporose Reflexões Dra. Fabiana Gonzalez Dra. Priscila Faggiano A principal classe de drogas anti reabsortivas usadas na atualidade para o tratamento da

Leia mais

Doença de Paget. Definição:

Doença de Paget. Definição: Definição: É uma doença sistêmica de origem desconhecida que determina alteração no Processo de Remodelação Óssea. Apresenta um forte componente genético. Se caracteriza por um aumento focal no remodelamento

Leia mais

Cintilografia Óssea com 99mTc-MDP na suspeição do câncer de próstata.

Cintilografia Óssea com 99mTc-MDP na suspeição do câncer de próstata. Cintilografia Óssea com 99mTc-MDP na suspeição do câncer de próstata. Serviço de Medicina Nuclear e Imagem Molecular Hospital Universitário Antônio Pedro Universidade Federal Fluminense Autor Elisa Carla

Leia mais

NOÇÕES DO SISTEMA ESQUELÉTICO OU

NOÇÕES DO SISTEMA ESQUELÉTICO OU NOÇÕES DO SISTEMA ESQUELÉTICO OU SISTEMA LOCOMOTOR OBJETIVOS Identificar as estruturas e funções dos ossos do sistema locomotor; Analisar a importância deste sistema para processo de movimentação e locomoção;

Leia mais

Gisele Cristina Gosuen. Universidade Federal de São Paulo CRT em DST, Aids e Hepatites virais

Gisele Cristina Gosuen. Universidade Federal de São Paulo CRT em DST, Aids e Hepatites virais Manejo de Osteopenia-Osteoporose Gisele Cristina Gosuen Universidade Federal de São Paulo CRT em DST, Aids e Hepatites virais 26/04/2014 Conflito de interesse Resolução CFM nº 1.595 18 de Maio de 2000

Leia mais

Osteoporose no Paciente Jovem. R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak

Osteoporose no Paciente Jovem. R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak Osteoporose no Paciente Jovem R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak Incomum em jovens e geralmente devido causa secundária Critérios densitométricos da ISCD e SBDens: Homens

Leia mais

Osteoporose secundária. Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra

Osteoporose secundária. Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra Osteoporose secundária Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra Definição Osteoporose causada por um distúrbio subjacente (doenças, fármacos ) Epidemiologia Provavelmente subdiagnosticada.

Leia mais

DOENÇA DE GRAVES EM IDADE PEDIÁTRICA: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DOS ANTITIROIDEUS

DOENÇA DE GRAVES EM IDADE PEDIÁTRICA: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DOS ANTITIROIDEUS DOENÇA DE GRAVES EM IDADE PEDIÁTRICA: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DOS ANTITIROIDEUS Resultados do Hospital de Braga 1 Serviço de Endocrinologia; 2 Serviço de Pediatria; C.Grupo Endocrinológico Pediátrico, Hospital

Leia mais

A.S.O D.N DEZ 2006 RASTREIO DE DOENÇAS PROSTÁTICAS

A.S.O D.N DEZ 2006 RASTREIO DE DOENÇAS PROSTÁTICAS A.S.O D.N. 06-01-1954 DEZ 2006 RASTREIO DE DOENÇAS PROSTÁTICAS 52 anos IPSS 1 /QoL 2 Diminuição do volume do ejaculado AP irrelevantes / Medicação 0 / Alergias -0 AF 0 TR próstata pequena 30 cc nódulo

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ESQUELETO AXIAL 1) CABEÇA: a) Identificar e localizar os ossos da cabeça: - Crânio (8): Ossos pares ou bilaterais: Parietais e Temporais

Leia mais

ADOENÇA DE PAGET FOI DESCRITA pela primeira vez em 1877 pelo. Tratamento da Doença de Paget Óssea: Importância do Ácido Zoledrônico.

ADOENÇA DE PAGET FOI DESCRITA pela primeira vez em 1877 pelo. Tratamento da Doença de Paget Óssea: Importância do Ácido Zoledrônico. Tratamento da Doença de Paget Óssea: Importância do Ácido Zoledrônico revisão RESUMO A doença de Paget é uma doença esquelética, de distribuição monostótica ou poliostótica, podendo ser causada por uma

Leia mais

Tomografia Computadorizada Quantitativa Diagnóstico da Osteoporose

Tomografia Computadorizada Quantitativa Diagnóstico da Osteoporose 1 Universidade do Minho Departamento de Eletrónica Industrial Tomografia Computadorizada Quantitativa Diagnóstico da Osteoporose Marino Maciel Nº52557 Orientador: Prof. Higino Correia 2011/2012 Mestrado

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal SISTEMA ESQUELÉTICO ANATOMIA HUMANA Laboratório de Morfofisiologia Funções: suporte, movimento, proteção, estoque de minerais e hematopoiese. O esqueleto

Leia mais

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS CONSULTA PÚBLICA Nº 5, DE 15 DE SETEMBRO DE 2003.

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS CONSULTA PÚBLICA Nº 5, DE 15 DE SETEMBRO DE 2003. SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS CONSULTA PÚBLICA Nº 5, DE 15 DE SETEMBRO DE 2003. (Publicada no DOU nº 180, de 17 de setembro de 2003). O Secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos

Leia mais

Marcadores de remodelação óssea na prática clínica CAROLINA MONTEGUTI FECKINGHAUS DRA. VICTÓRIA BORBA

Marcadores de remodelação óssea na prática clínica CAROLINA MONTEGUTI FECKINGHAUS DRA. VICTÓRIA BORBA Marcadores de remodelação óssea na prática clínica CAROLINA MONTEGUTI FECKINGHAUS DRA. VICTÓRIA BORBA Plano de aula Introdução Marcadores de remodelação óssea Marcadores de formação Marcadores de reabsorção

Leia mais

21ª Imagem da Semana: Cintilografia cervical e torácica com 99 mtc-sestamib

21ª Imagem da Semana: Cintilografia cervical e torácica com 99 mtc-sestamib 21ª Imagem da Semana: Cintilografia cervical e torácica com 99 mtc-sestamib Enunciado Paciente do sexo feminino, 58 anos, há 4 anos com fraqueza e dores inespecíficas na coluna lombar e membros inferiores.

Leia mais

Fármacos que afetam a homeostase mineral dos ossos

Fármacos que afetam a homeostase mineral dos ossos UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO IV Fármacos que afetam a homeostase mineral dos ossos Osteoporose As causas mais comuns

Leia mais

Osteoporose. Disciplina de Fisiopatologia III Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP Departamento de Analises Clínicas e Toxicológicas 27-09-07

Osteoporose. Disciplina de Fisiopatologia III Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP Departamento de Analises Clínicas e Toxicológicas 27-09-07 FBC0417 - Fisiopatologia III Osteoporose Disciplina de Fisiopatologia III Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP Departamento de Analises Clínicas e Toxicológicas 27-09-07 Prof. Mario H. Hirata FCF-USP

Leia mais

Carla Alexandra Vieira da Silva Pedrosa

Carla Alexandra Vieira da Silva Pedrosa Carla Alexandra Vieira da Silva Pedrosa Assistente Convidada a 30% Habilitações Académicas Formação Pré-Graduada Licenciatura em Ciências da Nutrição FCNAUP (1998) subordinada ao tema Iodo, Tiróide e Insuficiência

Leia mais

VITAMINA D QUANDO DOSEAR E

VITAMINA D QUANDO DOSEAR E VITAMINA D QUANDO DOSEAR E SUPLEMENTAR Ana Gonçalves Ferreira Hospital Garcia de Orta Serviço de Endocrinologia e Diabetes 28/29.Abril.2016 RESUMO Introdução Causas de défice de vitamina D Consequências

Leia mais

Ciências Morfofuncionais dos Sistemas Tegumentar, Reprodutor e Locomotor. Profa. MSc. Ângela Cristina Ito

Ciências Morfofuncionais dos Sistemas Tegumentar, Reprodutor e Locomotor. Profa. MSc. Ângela Cristina Ito Ciências Morfofuncionais dos Sistemas Tegumentar, Reprodutor e Locomotor Profa. MSc. Ângela Cristina Ito Retomando a situação hipotética mencionada anteriormente no convite ao estudo, suponha que durante

Leia mais

Estudo de casos clínicos com Easyspine. Tratamento e Correção de Deformidades Severas Na Coluna

Estudo de casos clínicos com Easyspine. Tratamento e Correção de Deformidades Severas Na Coluna Estudo de casos clínicos com Easyspine Tratamento e Correção de Deformidades Severas Na Coluna PRÉ-OPERATÓRIO Estudo de Caso nº. 1 (Pré-operatório) Idade: 12 anos Sexo: Feminino Ângulo de Cobb: T5-T11

Leia mais

99% nos ossos, 1% distribuido intra e extra celular Função: reações químicas no citoplasma, contração muscular Circula ligado à albumina (40-50%)

99% nos ossos, 1% distribuido intra e extra celular Função: reações químicas no citoplasma, contração muscular Circula ligado à albumina (40-50%) 99% nos ossos, 1% distribuido intra e extra celular Função: reações químicas no citoplasma, contração muscular Circula ligado à albumina (40-50%) Livre ionizada (50-60%) Anion inorgânico (5-10%) Valor

Leia mais

Introdução à Anatomia

Introdução à Anatomia ESTRUTURA ANIMAL 1 Introdução à Anatomia : É o fundamento de todas as outras ciências médicas. Função: Fornecer noções preciosas para as aplicações na prática médico-cirúrgica Anatomia vem do grego; Significa

Leia mais

O USO DE BISFOSFONATOS E SUA RELAÇÃO COM A ODONTOGERIATRIA

O USO DE BISFOSFONATOS E SUA RELAÇÃO COM A ODONTOGERIATRIA O USO DE BISFOSFONATOS E SUA RELAÇÃO COM A ODONTOGERIATRIA Maria do Socorro da Costa (1); Valeska Fernandes de Freitas (2); Millane Gleice da Silva (3); Maria Tereza Alves Camilo de Moura (4); Robeci Alves

Leia mais

MIELOMA MÚLTIPLO. Dr. Glauco José Pauka Mello ONCOLOGIA ORTOPÉDICA

MIELOMA MÚLTIPLO. Dr. Glauco José Pauka Mello ONCOLOGIA ORTOPÉDICA MIELOMA MÚLTIPLO Dr. Glauco José Pauka Mello ONCOLOGIA ORTOPÉDICA glaucomello@brturbo.com.br MIELOMA MÚLTIPLO CARACTERISTICAS DO MIELOMA MÚLTIPLO MIELOMA MÚLTIPLO Proliferação clonal de plasmócitos Infiltrando

Leia mais

Osso e envelhecimento Osteoporose

Osso e envelhecimento Osteoporose Osso e envelhecimento Osteoporose Maria Eugénia Simões Instituto Português de Reumatologia Lisboa 1948-2014 Envelhecimento Envelhecimento Envelhecimento Ósseo Relacionado com osteoporose Esta doença é

Leia mais

Quando Tratar 30/05/2016. A redução de fraturas é como o tratamento da osteoporose: MULTIFATORIAL. Saude Geral. Perfil do paciente.

Quando Tratar 30/05/2016. A redução de fraturas é como o tratamento da osteoporose: MULTIFATORIAL. Saude Geral. Perfil do paciente. COMO CONDUZIR UM PACIENTE COM OSTEOPOROSE PILARES DO TRATAMENTO DA OSTEOPOROSE PREVENÇÃO DE FRATURAS ATIVIDADE FISICA MEDICAMENTOS LINDOMAR GUIMARÃES OLIVEIRA BALANÇO POSITIVO DE CALCIO E VITAMINA D CLINICA

Leia mais

Descrição das morbidades apresentadas

Descrição das morbidades apresentadas RESPOSTA RÁPIDA 209/2014 Assunto: Protos, Depura, Mobility, Detrusitol, Caltrate D e Toragesic SOLICITANTE Dr. Leonardo Guimarães Moreira Juiz de Direito da comarca de Guanhães NÚMERO DO PROCESSO nº. 0280.14.000020-7

Leia mais

Total de 11 páginas 1

Total de 11 páginas 1 SISTEMA ESQUELÉTICO O esqueleto Esqueleto grego: corpo ressecado Entretanto é um tecido vivo Endoesqueleto 206 ossos Funções Sustentação; Proteção; Reserva de minerais; Movimentação; Formação de células

Leia mais

XIII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1)

XIII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen.  LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) História Clínica Identificação: J. N. G. B., feminino, 13 anos Queixa

Leia mais

Imagem 1 Corpos de Lafora em biópsia axilar corados com Hematoxilina e Eosina (esquerda) e PAS (direita). Fonte: Gökdemir et al, 2012.

Imagem 1 Corpos de Lafora em biópsia axilar corados com Hematoxilina e Eosina (esquerda) e PAS (direita). Fonte: Gökdemir et al, 2012. Introdução A doença de Lafora (DL) é a forma mais comum de epilepsia mioclônica progressiva na adolescência. Trata-se de uma doença autossômica recessiva, causada por mutações em genes do metabolismo do

Leia mais

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer

Leia mais

ACLASTA. ácido zoledrônico

ACLASTA. ácido zoledrônico ACLASTA ácido zoledrônico Forma farmacêutica, via de administração e apresentações: Solução para aplicação intravenosa 5 mg/100 ml acondicionada em frascos plásticos, pronta para uso. Embalagem contendo

Leia mais

19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Enunciado Paciente de 61 anos, sexo feminino, sem queixas no momento, foi submetida à radiografia de tórax como avaliação pré-cirúrgica. Qual achado pode ser

Leia mais

[ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO]

[ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO] 2011 IMPOL Instrumentais e Implantes Samuel de Castro Bonfim Brito [ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO] Casos apresentados neste estudo foram operados e pertencem à Fundação Pio XII Hospital do Câncer de

Leia mais

ACLASTA. ácido zoledrônico

ACLASTA. ácido zoledrônico ACLASTA ácido zoledrônico Forma farmacêutica, via de administração e apresentações: Solução para aplicação intravenosa 5 mg/100 ml acondicionada em frascos plásticos, pronta para uso. Embalagem contendo

Leia mais

Osteomielite crónica não-bacteriana (OMCR)

Osteomielite crónica não-bacteriana (OMCR) www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Osteomielite crónica não-bacteriana (OMCR) Versão de 2016 1. O QUE É A OSTEOMIELITE MULTIFOCAL CRÓNICA RECORRENTE (OMCR) 1.1 O que é? A Osteomielite Multifocal

Leia mais

TÍTULO: EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NÃO CIRÚRGICA SOBRE O CONTROLE GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DIABETES TIPO2 E PERIODONTITE CRÔNICA: ENSAIO CLÍNICO

TÍTULO: EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NÃO CIRÚRGICA SOBRE O CONTROLE GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DIABETES TIPO2 E PERIODONTITE CRÔNICA: ENSAIO CLÍNICO 16 TÍTULO: EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NÃO CIRÚRGICA SOBRE O CONTROLE GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DIABETES TIPO2 E PERIODONTITE CRÔNICA: ENSAIO CLÍNICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

Leia mais

OSTEOPOROSE O Tratamento na Visão do Ginecologista. Prof. Sabino Pinho Ginecologia UFPE.

OSTEOPOROSE O Tratamento na Visão do Ginecologista. Prof. Sabino Pinho Ginecologia UFPE. OSTEOPOROSE O Tratamento na Visão do Ginecologista Prof. Sabino Pinho Ginecologia UFPE. Tratamento da osteoporose Visão do ginecologista Quais fármacos usar? 1. TRH 2. Bisfosfonatos 3. SERMs 4. Cálcio

Leia mais

SISTEMA ESQUELÉTICO. Prof. Esp. Bruno Gonzaga

SISTEMA ESQUELÉTICO. Prof. Esp. Bruno Gonzaga SISTEMA ESQUELÉTICO Prof. Esp. Bruno Gonzaga CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 Nosso aparelho locomotor é constituído pelos sistemas muscular, ósseo e articular. Eles possuem 656 músculos e 206 ossos e têm como função

Leia mais

SISTEMA ESQUELÉTICO. Centro Universitário Central Paulista UNICEP São Carlos Disciplina: Anatomia Humana Profa. Silvia Tesser.

SISTEMA ESQUELÉTICO. Centro Universitário Central Paulista UNICEP São Carlos Disciplina: Anatomia Humana Profa. Silvia Tesser. SISTEMA ESQUELÉTICO Centro Universitário Central Paulista UNICEP São Carlos Disciplina: Anatomia Humana Profa. Silvia Tesser. SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Conceito: -Ostelogia -Esquelto -Ossos Profa. Silvia

Leia mais

Imagem 1 Corpos de Lafora em biópsia axilar corados com Hematoxilina e Eosina (esquerda) e PAS (direita). Fonte: Gökdemir et al, 2012.

Imagem 1 Corpos de Lafora em biópsia axilar corados com Hematoxilina e Eosina (esquerda) e PAS (direita). Fonte: Gökdemir et al, 2012. Introdução A doença de Lafora (DL) é a forma mais comum de epilepsia mioclônica progressiva na adolescência. Trata-se de uma doença autossômica recessiva, causada por mutações em genes do metabolismo do

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Jônatas Catunda de Freitas Fortaleza 2010 Lesões raras, acometendo principalmente mandíbula e maxila Quadro clínico

Leia mais

Crânio e ossos associados. Caixa torácica. Coluna vertebral

Crânio e ossos associados. Caixa torácica. Coluna vertebral Sistema Esquelético 213 Esqueleto Apendicular 126 Esqueleto Axial 87 Crânio e ossos associados 29 Caixa torácica 25 Coluna vertebral 33 Crânio Abrigar e proteger o encéfalo Apresenta aberturas para passagem

Leia mais

PROTOCOLO DE OSTEODISTROFIA RENAL INSTITUTO DO RIM DE MARÍLIA 2007

PROTOCOLO DE OSTEODISTROFIA RENAL INSTITUTO DO RIM DE MARÍLIA 2007 PROTOCOLO DE OSTEODISTROFIA RENAL INSTITUTO DO RIM DE MARÍLIA 2007 AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS Valorizar as variações do PTH i mais do que mensurações isoladas, exceto quando quadro clínico compatível com

Leia mais

Utilização de órteses na reabilitação de pacientes portadores de osteoporose vertebral

Utilização de órteses na reabilitação de pacientes portadores de osteoporose vertebral Utilização de órteses na reabilitação de pacientes portadores de osteoporose vertebral Marcelo J es us Jus tino Ares * A reabilitação na osteoporose tem como objetivos o alívio da dor, a preservação da

Leia mais

IV.2) TECIDO CARTILAGINOSO

IV.2) TECIDO CARTILAGINOSO IV.2) TECIDO CARTILAGINOSO Caracteriza-se pela presença de uma matriz intercelular de consistência firme, flexível, porém, não rígida. Funções: sustentação; revestimento de superfícies articulares; crescimento

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de prescrever o exercício... Ossos e músculos; Tipos de articulações;

Leia mais

Hiperparatiroidismo primário Diagnóstico e Tratamento

Hiperparatiroidismo primário Diagnóstico e Tratamento VI CURSO Pós-GRADUADO NEDO A Endocrinologia Revisitada Hiperparatiroidismo primário Diagnóstico e Tratamento A. Galvão-Teles Lisboa, Abril de 2009 Hiperparatiroidismo Primário (HPTp) Definição O HPTp caracteriza-se

Leia mais

Actonel 150mg. Actonel 150mg - Indicações. Apresentação de Actonel 150mg. Comprimidos revestidos 150 mg: embalagem com 1.

Actonel 150mg. Actonel 150mg - Indicações. Apresentação de Actonel 150mg. Comprimidos revestidos 150 mg: embalagem com 1. Actonel 150mg Apresentação de Actonel 150mg Comprimidos revestidos 150 mg: embalagem com 1. Actonel 150mg - Indicações ACTONEL 150 mg está indicado no tratamento da osteoporose em mulheres no período pósmenopausa

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona

RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona SOLICITANTE Drª Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Juíza de Direito do Juizado Especial -Pirapora NÚMERO DO PROCESSO

Leia mais

Osteoporose 2. Definição de Osteoporose 3. Fisiopatologia da Osteoporose 4. Como se faz o diagnóstico de osteoporose 8 Diagnóstico 9

Osteoporose 2. Definição de Osteoporose 3. Fisiopatologia da Osteoporose 4. Como se faz o diagnóstico de osteoporose 8 Diagnóstico 9 2011/2012 Módulo V.II Endocrinologia Tema da Aula: Patologia Mineral - Osteoporose Docente: Dr. Mário Rui Mascarenhas Data: 11/01/2012 Número da Aula Previsto: 30 Desgravador: Francisca Costa, Joana Carvalho

Leia mais

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012 Tratamento da dor oncológica Dr Guilherme Costa Mestre em Pneumologia - UNIFESP Especialista em Pneumologia SBPT Coordenador da Comissão de Câncer

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE ANTROPOMÉTRICA DE SACROS DO SEXO MASCULINO E FEMININO DO ESTADO DE SÃO PAULO

TÍTULO: ANÁLISE ANTROPOMÉTRICA DE SACROS DO SEXO MASCULINO E FEMININO DO ESTADO DE SÃO PAULO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE ANTROPOMÉTRICA DE SACROS DO SEXO MASCULINO E FEMININO DO ESTADO DE SÃO PAULO CATEGORIA:

Leia mais

Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia. Julia Appel - Endocrinologista

Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia. Julia Appel - Endocrinologista Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia Julia Appel - Endocrinologista Introdução A hiperprolactinemia é a alteração endócrina mais comum do eixo hipotálamo-hipofisário. Indicações dosagem: Alterações

Leia mais

Osteologia. Prof.: Gustavo Martins Pires

Osteologia. Prof.: Gustavo Martins Pires Osteologia Prof.: Gustavo Martins Pires Osteologia Osteologia A moldura de ossos e cartilagem que protege nossos órgão e permite nossos movimentos é denominada de sistema esquelético. Cada osso do sistema

Leia mais

Pelve: Ossos, Articulações e Ligamentos. Dante Pascali

Pelve: Ossos, Articulações e Ligamentos. Dante Pascali CAPÍTULO 1 Pelve: Ossos, Articulações e Ligamentos Dante Pascali Capítulo 1 Pelve: Ossos, Articulações e Ligamentos 3 OSSOS PÉLVICOS A pelve é a base óssea na qual o tronco se apóia e através da qual o

Leia mais

09/07/2014. Quando avaliar e como manejar Osteopenia e Osteoporose na DPOC. Fernando Lundgren. Osteopenia e Osteoporose na DPOC doença concomitante?

09/07/2014. Quando avaliar e como manejar Osteopenia e Osteoporose na DPOC. Fernando Lundgren. Osteopenia e Osteoporose na DPOC doença concomitante? Quando avaliar e como manejar Osteopenia e Osteoporose na DPOC Fernando Lundgren Pontos para pensar Osteopenia e Osteoporose na DPOC doença concomitante? Ocorre em todo paciente com DPOC? Se relaciona

Leia mais

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 É preciso dosar e repor vitamina D no pré-natal? A dosagem de vitamina D pelos métodos mais amplamente disponíveis é confiável?

Leia mais

Caso clínico. S.A.G, 35 anos

Caso clínico. S.A.G, 35 anos Caso clínico S.A.G, 35 anos Negra, casada, prendas domésticas. Natural de Poços de Caldas - MG, Procedente de Botucatu - SP. G4 P3 A0 C0 DUM: 23/07/2014 1º US: 27/10/2014 (14s 1d DUM correta) IG: 32s 5d

Leia mais

Exames Complementares Morte Encefálica. Pedro Antonio P. de Jesus

Exames Complementares Morte Encefálica. Pedro Antonio P. de Jesus Exames Complementares Morte Encefálica Pedro Antonio P. de Jesus Exames Complementares Angiografia cerebral Cintilografia radioisotópica Doppler transcraniano Monitorização da pressão intra-craniana Tomografia

Leia mais

Úlceras de Perna. Definição Epidemiologia Etiologia Manifestações Clínicas Diagnóstico Diferencial Tratamento 2015 ENF.

Úlceras de Perna. Definição Epidemiologia Etiologia Manifestações Clínicas Diagnóstico Diferencial Tratamento 2015 ENF. ÚLCERAS DE PERNA Úlceras de Perna Definição Epidemiologia Etiologia Manifestações Clínicas Diagnóstico Diferencial Tratamento 2015 ENF.ª MARTA MIRANDA 2 2015 ENF.ª MARTA MIRANDA 3 2015 ENF.ª MARTA MIRANDA

Leia mais

Metástases ósseas em Câncer de Próstata Há algo além dos bisfosfonatos?

Metástases ósseas em Câncer de Próstata Há algo além dos bisfosfonatos? Metástases ósseas em Câncer de Próstata Há algo além dos bisfosfonatos? Dr. João Paulo Solar Vasconcelos Oncologista Clínico Conflito de Interesses De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de

Leia mais

OSTEOPOROSE: PREVENÇÃO E TRATAMENTO V CURSO DE REVISÃO EM REUMATOLOGIA PARA CLÍNICOS

OSTEOPOROSE: PREVENÇÃO E TRATAMENTO V CURSO DE REVISÃO EM REUMATOLOGIA PARA CLÍNICOS OSTEOPOROSE: PREVENÇÃO E TRATAMENTO V CURSO DE REVISÃO EM REUMATOLOGIA PARA CLÍNICOS Rosa M. R. Pereira Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Disciplina de Reumatologia Propedêutica Básica

Leia mais

Semiologia do aparelho osteoarticular. Professor Ivan da Costa Barros

Semiologia do aparelho osteoarticular. Professor Ivan da Costa Barros Semiologia do aparelho osteoarticular Professor Ivan da Costa Barros IMPORTÂNCIA CLÍNICA 10% das consultas médicas Mais de 100 doenças Complicações não articulares Geralmente auto limitado 1 em 5 americanos

Leia mais

TÉCNICO EM IMOBILIZAÇÃO ORTOPÉDICA 1- QUAL O SIGNIFICADO DE SBOT? A) SOCIEDADE BRASILEIRA DE ORTOPEDIA B) SINDICATO BRASILEIRO DE ORTOPEDIA C) SOCIEDADE BRASILEIRA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA D) SINDICATO

Leia mais

SISTEMA ESQUELÉTICO. Curso Técnico em Estética Bruna Cristina Jaboinski Silva

SISTEMA ESQUELÉTICO. Curso Técnico em Estética Bruna Cristina Jaboinski Silva SISTEMA ESQUELÉTICO Curso Técnico em Estética Bruna Cristina Jaboinski Silva O ESQUELETO HUMANO Além de dar sustentação ao corpo, o esqueleto protege os órgãos internos e fornece pontos de apoio para a

Leia mais

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO POSICIONAMENTO CIRÚRGICO O posicionamento cirúrgico é uma arte, uma ciência e também um fator chave no desempenho do procedimento seguro e eficiente, por meio da aplicação de conhecimentos relacionados

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos ANATOMIA HUMANA I Acidentes Ósseos Prof. Me. Fabio Milioni Características Anatômicas de Superfície dos Ossos As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas.

Leia mais

Anemia da Doença Renal Crônica

Anemia da Doença Renal Crônica Anemia da Doença Renal Crônica Dirceu Reis da Silva Médico nefrologista, MD Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) Rio Grande do Sul Brasil Comum Ocorre desde o estágio 3 da doença renal crônica Sua

Leia mais

OSSOS DO CRÂNIO. Prof. ROMMEL BARRETO

OSSOS DO CRÂNIO. Prof. ROMMEL BARRETO OSSOS DO CRÂNIO Prof. ROMMEL BARRETO Crânio: lâmina externa diploe lâmina interna Crânio: Definição: Funções: Divisão Funcional: Ossos do Neurocrânio: Ossos do Viscerocrânio: Crânio: 22 ossos? Crânio

Leia mais

após a ocorrência da primeira, existem tratamentos efetivos para diminuir o risco de novas.

após a ocorrência da primeira, existem tratamentos efetivos para diminuir o risco de novas. Saúde ANO I EDIÇÃO Nº 1 AGOSTO, 2009 Osteoporose Apresentação O Informe Saúde e Economia tem como objetivo auxiliar a tomada de decisão quando existe mais de uma opção terapêutica para o tratamento de

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Anatomia humana de estruturas reunidas em um mesmo território anatômico e suas representações em exames de imagem normais.

PLANO DE ENSINO. Anatomia humana de estruturas reunidas em um mesmo território anatômico e suas representações em exames de imagem normais. NOME: ANATOMIA TOPOGRÁFICA E IMAGEM Código: IMA002 Carga horária: 120 HORAS-AULA (30 HORAS TEÓRICAS E 90 HORAS PRÁTICAS) Créditos: 08 Período do curso: 4 PERÍODO Pré-requisitos: FIB040 EMENTA PLANO DE

Leia mais

Prolia para osteoporose

Prolia para osteoporose Data: 29/06/2013 Nota Técnica 105/2013 Número do processo: 0110170-82.2013-813.0525 Solicitante: Juiz de Direito Dr. Napoleão da Silva Chaves Réu: Estado de Minas Gerais Medicamento Material Procedimento

Leia mais

Aclasta (ácido zoledrônico)

Aclasta (ácido zoledrônico) Aclasta (ácido zoledrônico) Novartis Biociências SA Solução para aplicação intravenosa 5mg/100mL ACLASTA ácido zoledrônico APRESENTAÇÃO: Aclasta 5 mg/100 ml - embalagem contendo 1 frasco de 100 ml de solução

Leia mais

PROTOCOLOS INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1. Opcional em doenças do esôfago. 1,0 a 2,0 ml/kg. 2 ml/s a 4 ml/s.

PROTOCOLOS INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1. Opcional em doenças do esôfago. 1,0 a 2,0 ml/kg. 2 ml/s a 4 ml/s. 1 de 9 INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1 1. TC TÓRAX TODO O PARÊNQUIMA PULMONAR Incluir todas as últimas costelas se para dor torácica/trauma Opcional em doenças do esôfago VELOCIDADE

Leia mais

OSTEOPOROSE: PREVENIR É POSSÍVEL!

OSTEOPOROSE: PREVENIR É POSSÍVEL! OSTEOPOROSE: PREVENIR É POSSÍVEL! 17 de Outubro a 2 de Novembro Exposição promovida pelo Serviço de Ginecologia do HNSR EPE OSTEOPOROSE: O QUE É? Osteoporose significa "osso poroso". É uma doença que se

Leia mais

MANUAL TÉCNICO CÓD ESQUELETO HUMANO DE 85 CM

MANUAL TÉCNICO CÓD ESQUELETO HUMANO DE 85 CM MANUAL TÉCNICO CÓD. 6065 ESQUELETO HUMANO DE 85 CM Esta é uma pequena ferramenta de aprendizagem de anatomia do Sistema Esquelético Humano. Com o Modelo Anatômico de Esqueleto de 85 cm, é possível observar

Leia mais

Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL. Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de Entidades Convencionadas

Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL. Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de Entidades Convencionadas Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de 2016 Entidades Convencionadas Designação Morada Valências Contactos CAL - Clínica do

Leia mais

Atualização em Farmacoterapia. Vitamina D e Cálcio

Atualização em Farmacoterapia. Vitamina D e Cálcio Atualização em Farmacoterapia 1 Vitamina D e Cálcio Suplementação benéfica no hipoparatireoidismo pós-cirúrgico 1, hiperparatireoidismo primário 2 e secundário 4,5. A suplementação com Cálcio e Vitamina

Leia mais

Estrutura da Coluna Vertebral

Estrutura da Coluna Vertebral Fundamentos da Biomecânica CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA DA COLUNA VERTEBRAL Estrutura da Coluna Vertebral 33 Vértebras 7 cervicais 12 torácicas 5 lombares 5 sacrais (fundidas) 4-5 coccígeas (fundidas) 1

Leia mais

Sistema Esquelético. O esqueleto. O esqueleto possui 5 funções. Composição dos ossos: Células ósseas:

Sistema Esquelético. O esqueleto. O esqueleto possui 5 funções. Composição dos ossos: Células ósseas: Sistema Esquelético O esqueleto O Esqueleto é o suporte do corpo, uma armação articulada que permite ao homem realizar movimentos complexos e manter-se ereto. É composto por 206 ossos e são tecidos vivos.

Leia mais

CALO EXTERNO CALO INTERNO

CALO EXTERNO CALO INTERNO PRINCÍPIOS BÁSICOS DE FRATURA ÓSSEA E DESLOCAMENTO ARTICULAR Prof. Dr. Carlos Cezar I. S.Ovalle FRATURA DESLOCAMENTO ARTICULAR A) FRATURA: Perda (ou quebra) da solução de continuidade de um OSSO ou cartilagem.

Leia mais

ibandronato de sódio Biosintética Farmacêutica Ltda. comprimidos revestidos 150 mg

ibandronato de sódio Biosintética Farmacêutica Ltda. comprimidos revestidos 150 mg ibandronato de sódio Biosintética Farmacêutica Ltda. comprimidos revestidos 150 mg BULA PARA PROFISSIONAL DE SAÚDE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO

Leia mais

Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros. Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros

Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros. Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros Formador Credenciado Eng. Paulo Resende Dezembro de 2013 Anatomia e fisiologia do corpo humano OBJETIVOS Caracterizar os diversos sistemas que constituem

Leia mais

Pare. na primeira. primeira fratura seja a sua última. Faça acom que a sua.

Pare. na primeira. primeira fratura seja a sua última. Faça acom que a sua. Pare na primeira Faça acom que a sua primeira fratura seja a sua última www.iofbonehealth.org O QUE É A OSTEOPOROSE? A osteoporose é uma doença na qual os ossos ficam mais frágeis e fracos, levando a um

Leia mais

INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA POR ACADÊMICO DE ENFERMAGEM: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL

INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA POR ACADÊMICO DE ENFERMAGEM: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA POR ACADÊMICO DE ENFERMAGEM: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL Davide Carlos Joaquim 1, Ana Caroline Rocha Melo de Leite 2, Ciro Benevides

Leia mais

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA Instituto Long Tao Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA História da Anatomia Terminologia Anatômica Osteologia HISTÓRIA DA ANATOMIA HUMANA HISTÓRIA DA ANATOMIA

Leia mais

04/07/2014. Apneia do Sono e Hipertensão Resistente Qual a importância?

04/07/2014. Apneia do Sono e Hipertensão Resistente Qual a importância? e Hipertensão arterial resistente (HAR): todo paciente com HAR deve fazer Polissonografia? Gleison Guimarães TE SBPT 2004/TE AMIB 2007 Área de atuação em Medicina do Sono pela SBPT - 2012 Profº Pneumologia

Leia mais

4ª Reunião do GT de Oncologia. Projeto OncoRede

4ª Reunião do GT de Oncologia. Projeto OncoRede 4ª Reunião do GT de Oncologia Projeto OncoRede Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Rio de Janeiro, 02 de Setembro de 2016 Clique para editar local e data Pauta da 4ª

Leia mais

3/26/2009. ALTERAÇÕES DA ESTRUTURA CORPORAL -parte I (MMII)

3/26/2009. ALTERAÇÕES DA ESTRUTURA CORPORAL -parte I (MMII) ALTERAÇÕES DA ESTRUTURA CORPORAL -parte I (MMII) 1 SÓLEO GASTROCNÊMIO FIBULAR TIBIAL POSTERIOR FLEXORES CURTO DOS DEDOS L C (Marques, 2005) 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE O PÉ BIPEDESTAÇÃO /MARCHA MECANISMO ANTIGRAVITACIONAL

Leia mais

IMPACTO DO USO DE CONTRACEPTIVOS HORMONAIS ORAIS DE BAIXA DOSAGEM SOBRE A DENSIDADE MINERAL ÓSSEA DE ADOLESCENTES

IMPACTO DO USO DE CONTRACEPTIVOS HORMONAIS ORAIS DE BAIXA DOSAGEM SOBRE A DENSIDADE MINERAL ÓSSEA DE ADOLESCENTES IMPACTO DO USO DE CONTRACEPTIVOS HORMONAIS ORAIS DE BAIXA DOSAGEM SOBRE A DENSIDADE MINERAL ÓSSEA DE ADOLESCENTES Residente: Letícia Santos da Silva Chagas Orientadora: Profa. Tamara Beres Lederer Goldberg

Leia mais