Cristina MAGRO (UFMG)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cristina MAGRO (UFMG)"

Transcrição

1 Cristina MAGRO (UFMG) ABSTRACT: I argue here that scientific claims needn't be -- in fact cannot be -- validated for a pretense privileged access to an objective independent reality as the western tradition claims. This aclcnowledgment will allow us to reflect about the relation between Ethics, language and Scientific Theories while naturalizing these notions. KEY WORDS: linguistics, language, value, science, objectivity. Dentre os diversos mitos que compoem a tradieao cultural do ocidente esta 0 de que a ciencia se caracteriza -- e ao mesmo tempo se notabiliza e se auto-ratifica -- pelo acesso privilegiado a uma realidade objetiva independente e dada, cujas leis de funcionamento cumpre a ela "descobrir". A ciencia se atribui a propriedade principal de fazer previsoes e permitir 0 controle... de tudo. 0 exercfcio dessas capacidades e conquistado pela aplicaeao de urn metoda especial e de certos princfpios, e pela concentraeao de esforeos na investigacao de nucleos duros de necessarios incondicionais, de regularidades que se pretendem universais -- ainda que a custa de urn alto grau de abstraeao. A ideia de objetividade esta estreitamente relacionada a de verdade e a de racionalidade, sendo as ciencias naturais 0 proprio paradigma da racionalidade humana. E assim que, no periodo pre-saussureano, era exphcito 0 desejo de se "elevar" 0 conhecimento da linguagem a qualidade de ciencia, aproximando-a das ciencias da natureza atraves da idealizaeao (ver Normand, Caussat et al., 1978). E tammm essa relaeao, muitas vezes nao explicitada, que compele os literatos, fil6sofos, historiadores, cujos interesses nao se enquadram nos limites das ciencias naturais, a se preocupar com a cientificidade de suas conclusoes, visando a conquistar-lhes 0 estatuto de verdadeiras e ao mesmo tempo permitir que sejam vistas como produtos do exercfcio da razao (Rorty, 1985). Nessa rede de creneas, a respeitabilidade das afirmacoes dos cientistas e garantida por uma serie de procedimentos cautelares. 0 estatuto prestigiado das afrrmacoes cientificas, acredita-se af, se da pela correlaeiio estreita que mantem com fatos do

2 mundo, e e precisamente essa relaeao de espelhamento fiel, propiciada por uma formulaeao lingiiistica adequada, que as torna verdadeiras. Movemo-nos entao para perto de urn outro mito associado ao primeiro: 0 de que se pode distinguir -- e ao fim e ao cabo e necess6rio que se distingam -- nucleos da linguagem que sac literais, objetivos, inequivocamente nao-ambiguos em sua representacao de latos, e extensas margens de sentidos secundarios, translatos, metaf6ricos, as expressoes do valor, do subjetivo, do particular, do contingente. Tanto essa dicotomizaeao quanto a escolha do que seja dela central ou periferico se fazem em termos da seleeao promovida pelos cientistas dos seus proprios instrumentos e, no caso dos lingiiistas, do tipo de objeto que desejam (ou acreditam ser necess6rio e possivel) investigar. Harris (1981) chama ateneao para 0 fato de que, ao longo do tempo, a falibilidade do equipamento lingiifstico da hurnanidade tem side culpada por quase tudo, "desde a crenea numa Divindade a perpetuaeao da discriminacao entre sexos", tendo havido reformas e cruzadas de todos os credos promovendo campanhas para aprimorar a questao (p.14-5). Essas incluem propostas de se melhorar lfnguas ja existentes, de eliminar de vez as imperfeicoes da lingua cotidiana como no caso do calculus universalis de Leibniz. Cabe acrescentar tarnbem 0 significativo empenho dos cientistas, afastando de seu discurso qualquer marca das circunstancias da investigacao - - que se quer atemporal -- ou da participaeao do investigador -- pois suas conclusoes cientificas se querem impessoais. Tomar a lingua como urn conjunto finite de regras que geram urn infinito conjunto de senteneas, e apenas reformular 0 mito da linguagem em termos abstratos, dizharris (op. cit. p. 11). 0 conhecimento de tais regras e aqui condieao sine qua non para indivfduos se unirem em comunidades lingiiisticas e serem capazes de trocar pensamentos uns com os outros conforme urn plano pre-arranjado dessas regras, resistente as falhas circunstanciais. Nesse contexto e, entao, urn problema falar da relaeao entre etica e linguagem, pois supoe-se ser natural sua separacao em dominios distintos da existencia humana e, consequentemente, seu tratamento por disciplinas disjuntas. Se algum de nos compartilha minimamente essas ideias, ouvira a pergunta pela relaeao entre fato e valor, etica e linguagem, ou pela postura etica das teorias cientfficas como uma mera preocupaeao de 616sofos, au como urn filosofar impertinente sobre 0 afazer dos cientistas que ja t~m problemas demais para ainda se preocuparem com essas questoes, af ditas menores. Ou ainda podera ouvi-la como urn filosofar de cientistas ou urn filosofar de filosofos que nao sao bons 0 bastante para lidar com as essencias, e se dedicam a discussoes especulativas sobre relacoes externas a seu objeto. Em tempos de "politicamente correto", podera ainda entender que tal discussao se alinha com 0 patrulhamento ideol6gico da moda, uma normativizacao indesej<ivel, pois os intelectuais serios se pretendem livres para sua "descoberta da realidade". Como nao assinalo qualquer das opeoesacima, no que se segue procurarei trazer contribuieoes pertinentes a esse debate. Quero argumentar que nem esse modo de pensar a ci~ncia nem 0 de ver a linguagem necessitam ser mantidos, e que eles correspondem, literalmente, a uma desvalorizaeao tanto do que fazemos ao fazer

3 ciencia quanto do que fazemos ao estar na linguagem. Se formos capazes de processar mudan~as significativas nesse modo de ver na dir~ao que you sugerir, 0 que aparece em seguida ~ a compreensiio da ciencia como urn conjunto de atividades de cientistas responsaveis pela pr6pria escolha e configuraeao de suas teorias, e pelo direcionamento de suas pesquisas. Comecei falando dos criterios de valid~ao da ciencia no ocidente: 0 apelo para 0 real transcendente, 0 uso de proposieoes representativas da realidade, a previslio. E de dentro da ciencia, mais especificamente da neurofisiologia, que me parece ter surgido 0 melhor (0 mais elegante, 0 mais convincente) questionamento desse conjunto de creneas. Humberto Maturana, a partir de seus estudos experimentais sobre a visao, afirma que, como seres vivos, somos constitutivamente incapazes de observar urn mundo de objetos independentes de nossa pr6pria observ~ao. Alem disso, afirma, nosso Sistema Nervoso nao tern condi~oes de constituir, no seu interior, as chamadas representa~oes sobre as quais, nessa cultura, estao assentadas noeoes como as de percep~{lo, linguagem, conhecimento, mem6ria (ver Maturana, 1970; 1983; 1987; Maturana e Mpodozis, 1987). Essas conc1usoestao radicais 0 levaram a refletir sobre 0 pr6prio conhecimento cientifico e sobre a fenomenologia que observamos no viver dos seres humanos, como a linguagem. No caso do conhecimento cientifico, Maturana compreendeu que uma explicaeao cientifica, como outra qualquer, e a reformul~ao de nossa experiencia de uma maneira aceita pelo conjunto de observadores envolvidos na explicaeao (Maturana, 1988 e 1990). Para ele, portanto, 0 criterio de validacao das explicaeoes cientificas nao e 0 acesso privilegiado Ii realidade objetiva e independente, inclusive porque nao e assim que 0 conhecimento se dei.nossas explic~oes, cientfficas ou nao, sao validadas pelos cri~rios previamente estabelecidos pela pr6pria comunidade que as aceita ou rejeita com base nesses cri~rios. 0 que para ele ~ peculiar as explicaeoes cientificas e que as construimos sob a forma de urn mecanismo gerativo nao-reducionista, que correlaciona gerativamente fenomenos observados num dominio com 0 funcionamento de urn mecanismo que esta em outro dominio de descricoes. Assim,alem da enfase atribuida por Maturana Ii comunidade de observadores que a cada momenta valida as observacoes, nele a questao da predicao e apenas urn dentre outros requisitos para a composicao do mecanismo explicativo, de tal forma que a predicao nao pode ser usada nem para caracterizar nem para corroborar, sozinha, qualquer explicacao cienti'fica.0 que Maturana nos diz aqui e que, para entendermos 0 que e fazer ciencia, ~ preciso entendermos nosso observar, e este se d<ina comunidade do viver na linguagem, na qual tornamos possivel 0 mundo de sujeitos e objetos no qual vivemos. Isso se resume num aforismo: "Thdo e dito por urn observador." Deste modo a linguagem ~, em Maturana, algo diferente daquilo que 0 ocidente descreve como sistemas de simbolos que medeiam entre esquemas conceituais e 0 mundo, como indicio de certos processos cognitivos, como instrumento de comunic~ao, como representaeao da realidade. Linguagem e comportamento, e atividade recursiva e consensual entre membros de comunidades que mantem uma hist6ria recorrente de inter~oes, e em cujo exercicio emergem referentes, significados,

4 sfmbolos, a possibilidade de se fazer recortes, de se falar em regularidades, em raciocfnio, cognicao, consciencia. Assim ela nem e uma transcendente propriedade distinguidora do homo sapiens, nem se reduz a configuracoes neuronais, eventos particulares do dominio da fisiologia, como descreve a ficcao da neurociencias deste fim de seculo (conforme, por exemplo, Churchland, 1993). Escolhi partir da ciencia porque e como cientista que aqui me interessa tratar da avali~ao das teorias que produzimos ou nas quais nos engajamos. E como cientista que me interessa falar em etica, linguagem e ciencia, ainda que meu trabalho esteja impregnado da esperanca de dissolvermos fronteiras disciplinares que sao, elas mesmas, sustent~ao das dicotomias da tradicao cultural do ocidente. No entanto, diversos aspectos consoantes com esse modo de ver tern uma hist6ria ja centenaria na filosofia. Na Europa, Nietzsche foi 0 primeiro a destranscendentalizar dicotomias do mundo ocidental e a mostrar, entao, que poderiamos viver sem elas (ver principalmente Nietzsche, 1885). Na crftica ao "Mito do Dado", Sellars afirma que 0 que fazemos ao nos referimos a uma situacao qualquer caracterizavel como sendo de conhecimento "nao e dar uma descricao empfrica daquele epis6dio ou estado; e coloca-io no espaco 16gicode razoes, de justificacao, e 0 que demonstramos e que somos capazes de justificar 0 que estamos dizendo" (secao 36, Sellars, 1991). Em outros termos, para Sellars 0 conhecimento e inseparavel da pratica social de justificar nossas afirmacoes uns para os outros, e nao consiste na apreensao de objetos empfricos de conhecimento apresentados diretamente a nossa mente. A essa destruicao da ideia fundacional do empirismo de que podemos distinguir entre que e dado a mente e 0 que e dado pela mente, junta-se 0 argumento de Quine de que nao e possfvel se distinguir entre verdades analfticas e sinteticas, abalando a vertente racionalista dessa tradicao (Quine, 1951). 0 Dois Dogmas do Empirismo de Quine e particularmente relevante para linguistas,por refletir sobre as implic~oes do conceito de significado (ver Rorty (1979: ) sobre Sellars equine na filosofia p6s analftica)., A esses fi16sofospodemos reunir 0 segundowit~enstein (1953), principalmente em sua recusa a ideia de uma linguagem privada e da linguagem mediacaolrepresentacao da tradicao ocidental, e sua proposta de se compreende-la em termos de jogos de linguagem. Hoje, a filosofia da mente e da linguagem de Davidson sao um excelente roteiro na mesma direeao. Davidson rejeita a idtia de esquemas conceituais e, conseqilentemente a distincao entre algo que e lingilfstico e algo que e externo a linguagem e que torna as sentencas verdadeiras (Davidson, 1974). Ele sugere tambem que descricoes em termos micro-estruturais (usando 0 vocabulario de neuronios e sinapses, por exemplo) e descricoes em termos macro-estruturais (crenca, desejo, intencao) sao irreduuveis uma a outra, e que cada delas esta num domfnio diferente e atende a diferentes prop6sitos, nao se podendo dizer de uma como sendo mais verdadeira que a outra (Davidson, 1980). Por fim, sua tese de que metciforasnao tern sentido (Davidson, 1978) fala do surgimento do sentido no uso continuado de

5 expressoes em jogos de linguagem familiares. Para Rorty (1987) essas tres teses constituem 0 "fisicalismo nao-redutivo". Agora precisamos reformular nossa pr6pria no~ao de etica. Precisamos arranca-la do limbo dos princfpios transcendentes e universais sem os quais algumas de nossas atividades podem passarotomemos a ideia de etica como postura, uma disposi~ao para a~liono mundo caracterizada por sua maior ou menor capacidade de inciuslio de outros no nosso mundo, e cuja for~a se pode observar inclusive no vocabulario de uma corrente te6rica qualquer. Como postura, enta~, todo mundo tern uma, quer se aceite reconhece-la quer nao. Como enta~ falar das atividades cientfficas, sem eximi-las da responsabilidade de fazerem parte de redes de convers~oes mais amplas que as dos escrit6rios e laborat6rios em que se dao, ao mesmo tempo que se reconhece suas contribui~oes relevantes? A proje~ao, produ~iio e continuidade da pesquisa cientifica tern side discutidas com muita propriedade por Latour (1988 e 1993, por exemplo), sem priorizar qualquer das for~as que ai atuam. Seu trabalho nos ajuda a nos darmos conta de como foi que, na hist6ria recente da Lingiiistica, 0 objeto de estudo do gerativismo se impos, redefinindo todas as regras da disciplina. Se por urn lado e precise reconhecer 0 esfor~o despendido pelos pesquisadores fieis ao credo na corrobora~iio e aprimoramento da teoria (a respeito da tensao entre pesquisadores, ver Harris, 1993). e ao mesmo tempo mencionar que as inova~oes trazidas para a area ampliaram 0 cfrculo de conversa~oes dos lingfiistas de forma a incluir nele especialistas em inteligencia artificial e neurociencias, por exemplo, e precise por outro lado reconhecer 0 vocabulario normatizante e de controle com que a teoria foi e e construfda. Paralelamente, outro conjunto de praticas excludentes cumpriram papel decisivo: os decretos departamentais e de agencias fmanciadoras de pesquisa, direcionando a sele~iio de pessoal e de verbas, as polfticas editoriais como a da revista Language, que determinava ser feita a sele~ao em termos da referencia a pesquisa relevante que, aqui, significava "pesquisa realizada naquela corrente te6rica particular" (ver, a esse respeito Taylor (1990) e a replica do editor, uma nota a pr6pria resenha. Ver tambem Hopper (1989) sobre a atitude programatica dessa teoria, estabelecendo Iimites precisos para a disciplina e os disciplinados). Darmo-nos conta de tudo isso, a meu ver, abre caminho para sermos livres em nosso trabalho, em nossas escolhas te6ricas e em nossa crftica das teorias disponfveis. S6 assim, eu penso, poderemos dar valor, de fato, a pr6pria linguagem, ao conhecimento e a nossa atividade intelectual. ' RESUMO: Argumento aqui que ajirmac;oescientf/icas nao precisam ser, e de Jato nao sao, validadas por um pretenso acesso privilegiado a uma realidade objetiva independente. como quer a tradic:ao ocidental. Esse reconhecimento nos permitira rejletir sabre a relac:aaentre Etica, Linguagem, e Teorias Cientfjicas,e ao mesmo tempo naturalkar essas noc:oes. PALAVRAS-CHAVB: lingiiistica, linguagem, valor, ciencia, objetividade.

6 CHURCHLAND, P. S. (1993) Neurophilosophy -- Towards a Unified Science of the Mind/Brain. Cambridge, Mass.: Bradford. DAVIDSON, D. (1974) On the Very Idea of a Conceptual Scheme. IN: Inquiries into Truth and Interpretation. Oxford: Claredon. p (1978) What Metaphors Mean. In: Inquiries into Truth and Interpretation. Oxford: Claredon. p (1980) Actions, Reasons and Causes. In: Essays on Actions and Events. Oxford: Claredon. p HOPPER, P. (1989) Times of the Sign. Lectures on Discourse and Temporality in Recent Linguistics. Website: Contemporary Philosophy, Critical Theory and Post Modem Thought. LATOUR, B. (1988) The Pasteurization of France. Cambridge: Harvard Un. Press.. (1993) We Have Never Been Mcxhm. Cambridge: Harvard Un. Press. MATURANA, H. (1970) Neurophysiology of Cognition. IN: P. GARVIN. Cognition: a multiple view. New York: Spartan Books. p (1983) What is it to see? Arch. Bioi. Med. Exp. (16): (1987) Everything is said by an Observer. IN: W. I. THOMPSON. Gaia: a way of knowing. New York: Lindsfarne Press. p (1988) Scientific and philosophical theories. IN: N. LESER et ai. Die Gedankenwell Sir Karl Poppers. Kritischer Rationalismus im Dialog. Heidelberg, Carl Winter: Universititsverlag. p (1990) Wissenschaft unt Alltagsleben: Die Ontologie der Wissenshaftliche Erldllrung. IN: KROHN & KOPPERS. Selbstorganimtion Aspelcte einer Wissenscha/tlichen Revolution. Wiesbaden: Friedrich Vieweg & Soon. p MATURANA, H. & J. MPODOZIS (1987) Percepci6n: configuraci6n del objecto por 1&conduct&. Arch. BioL Med. Exp. 20: NIET7SCHE, F. (1885) Allm do Bem e do Mal - Preludio a uma Filosofia do Futuro. Sio Paulo: Companhia das Letras. NORMAND, c., ET AL (1978) Avant Saussure. Bruxelles: Complexe. RORTY, R. (1979) Philosophy and the Mirror of Nature. Princeton: Princeton Un. Press.. (1985) Objectivity, Relativism, and Truth. Philosophical Papers Volume 1. Cambridge: Cambridge Un. Press.. (1987) Non-reductive physicalism. IN: Objectivity, Relativism, and Truth. Philosophical Papers Volume 1. Cambridge: Cambridge Un. Press. p SELLARS, W. (1991) Empiricism and the Philosophy of Mind. IN: Science, Perception and Reality. Atascadero: Ridgeview Publishing Co. p TAYLOR, T. (1990) Review of The Politics of Linguistics by Frederic Newmeyer. language 66 (1) WlTTGENSTEIN, L. (1953) Philosophical Investigations. New York: Mac Millan Publishing Co., Inc.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera

Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 1 Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera USO DE ANIMAIS ESTÁ CERCADO DE : aspectos emocionais questões religiosas aspectos culturais dilemas morais 2 INFLUÊNCIADO POR: filósofos cientistas protetoras meio

Leia mais

ÉTICA E CIÊNCIA: CONFLITO OU CONSENSO? Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 2012

ÉTICA E CIÊNCIA: CONFLITO OU CONSENSO? Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 2012 ÉTICA E CIÊNCIA: CONFLITO OU CONSENSO? Ekaterina Akimovna Botovchenco Rivera 2012 1 2 USO DE ANIMAIS ESTÁ CERCADO DE : aspectos emocionais questões religiosas dilemas morais aspectos culturais influenciado

Leia mais

Donald Davidson e a objetividade dos valores

Donald Davidson e a objetividade dos valores Donald Davidson e a objetividade dos valores Paulo Ghiraldelli Jr. 1 Os positivistas erigiram sobre a distinção entre fato e valor o seu castelo. Os pragmatistas atacaram esse castelo advogando uma fronteira

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCAEDHMT01-P A IMPORTÂNCIA EPISTEMOLÓGICA DA METODOLOGIA DE PESQUISA NAS CIÊNCIAS SOCIAIS Ozilma Freire dos Santos (1) Deyve Redyson (3). Centro de Ciências Aplicadas e Educação/Departamento de Hotelaria/MONITORIA

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Preparação do Trabalho de Pesquisa

Preparação do Trabalho de Pesquisa Preparação do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Pesquisa Bibliográfica Etapas do Trabalho de Pesquisa

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

A Epistemologia de Humberto Maturana

A Epistemologia de Humberto Maturana ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências A Epistemologia de Humberto Maturana Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Humberto Maturana Biólogo. Chileno,

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO PROF. ME. RAFAEL HENRIQUE SANTIN Este texto tem a finalidade de apresentar algumas diretrizes para

Leia mais

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 TRADUÇÃO DOI: 10.5216/PHI.V17I2.18751 RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 Autor: Peter F. Strawson Tradutor: Itamar Luís Gelain(Centro Universitário Católica de Santa Catarina) 2,3 itamarluis@gmail.com Em seu

Leia mais

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS Mais informações: Site PIBID: http://www.pibid.ufrn.br/ Site LEM/UFRN: http://www.ccet.ufrn.br/matematica/lemufrn/index.html E-mail do LEM/UFRN: lem2009ufrn@yahoo.com.br

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos ENTREVISTA PETER SINGER. - SELEÇÃO DE TRECHOS Fonte: Portal da Revista Época. Disponível em http://revistaepoca.globo.com/revista/epoca/0,,edg74453-5856-421,00.html

Leia mais

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA O sistema educativo deve garantir a coordenação, a consistência e a coerência do ensino para o desenvolvimento da educação científica Critérios de qualidade O conhecimento dos alunos e das suas aptidões

Leia mais

UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo

UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo Resumo: A etnografia é uma metodologia emprestada da Antropologia Cultural que tem ajudado pesquisadores

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

Piaget diz que os seres humanos passam por uma série de mudanças previsíveis e ordenadas; Ou seja, geralmente todos os indivíduos vivenciam todos os

Piaget diz que os seres humanos passam por uma série de mudanças previsíveis e ordenadas; Ou seja, geralmente todos os indivíduos vivenciam todos os Teoria cognitivista Piaget utilizou os princípios conhecidos como o conceito da adaptação biológica para desenvolver esta teoria; Ela diz que o desenvolvimento da inteligência dos indivíduos acontece à

Leia mais

Disciplina: Tópicos em Linguística Aplicada: Metáfora, Metonímia e Blending na Língua e Cultura

Disciplina: Tópicos em Linguística Aplicada: Metáfora, Metonímia e Blending na Língua e Cultura Disciplina: Tópicos em Linguística Aplicada: Metáfora, Metonímia e Blending na Língua e Cultura Docente: Prof. Dr. Enrique Huelva Unternbäumen Semestre: 1/2015 Metáfora, metonímia e blending (integração

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

Dialéticas Nervosas Expressões Incógnitas

Dialéticas Nervosas Expressões Incógnitas Dialéticas Nervosas Expressões Incógnitas Sala 15 Temas Diversificados EM Integral E.E. Alexandre von Humboldt Professores Apresentadores: Solange Fatorelli Karla Moura Sônia Funk Rodrigo Carvalho Realização:

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO Considera-se como fundador da psicologia moderna Wilhelm Wundt, por ter criado, em 1879, o primeiro laboratório de psicologia na universidade de Leipzig, Alemanha. A psicologia

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

O Método Científico. Antônio Roque Agosto de 2009

O Método Científico. Antônio Roque Agosto de 2009 O Método Científico Antônio Roque Agosto de 2009 Antes de tudo. Duas definições importantes: Raciocínio dedutivo e Raciocínio indutivo Raciocínio Dedutivo Todos os brasileiros gostam de futebol; Jorge

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

EPISTEMOLOGIA E CIÊNCIA EM MARKETING

EPISTEMOLOGIA E CIÊNCIA EM MARKETING EPISTEMOLOGIA E CIÊNCIA EM MARKETING Cassio Sclovsky Grinberg 1. Introdução: Diversas disciplinas enfrentam questões acerca do verdadeiro caráter científico por elas incorporado. Algumas disciplinas vem

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO)

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 1 Prof. Cristóvão Cunha Objetivos de aprendizagem

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

A Ciência, o Poder e e os os Riscos

A Ciência, o Poder e e os os Riscos A Ciência, o Poder e e os os Riscos Diana Sofia Nº 12 11ºC - 2006/07 Prof. Idália Carrasqueiras Sabemos muita coisa (Vídeo com informação científica) Chegámos muito longe (Vídeo com os momentos da chegada

Leia mais

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico.

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. Rafael Augusto De Conti 1. Pensar no progresso da ciência, nos conduz, necessariamente,

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo Capítulo 1 Um Paradigma que Cai por Terra Se for um bom negócio, faça. Entretanto, se não for, não faça. Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai quando eu ainda era uma

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg 5. Estágio pré-operatório (2 a 6 anos) Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg Esse período é marcado pela passagem da inteligência sensório-motora para a inteligência representativa. A criança

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

CONTRA O EMPIRISMO DE QUINE

CONTRA O EMPIRISMO DE QUINE DAVIDSON CONTRA O EMPIRISMO DE QUINE Guilherme José Afonso de Carvalho Mestrado Universidade e São Judas Tadeu Bolsista CAPES guilherme.j@gmail.com INTRODUÇÃO É possível dizer que Quine avalia seu próprio

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

HISTORIOGRAFIA LINGUÍSTICA: PRINCÍPIOS CONCEPÇÕES Cléria Maria Machado Marcondes¹, Ana Maria Barba de Lima¹

HISTORIOGRAFIA LINGUÍSTICA: PRINCÍPIOS CONCEPÇÕES Cléria Maria Machado Marcondes¹, Ana Maria Barba de Lima¹ Revista da Universidade Ibirapuera - - Universidade Ibirapuera São Paulo, v. 6, p. 52-56, jul/dez. 2013 HISTORIOGRAFIA LINGUÍSTICA: PRINCÍPIOS CONCEPÇÕES Cléria Maria Machado Marcondes¹, Ana Maria Barba

Leia mais

A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920)

A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920) A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920) Curso de Ciências Sociais IFISP/UFPel Disciplina: Fundamentos de Sociologia Professor: Francisco E. B. Vargas Pelotas, abril de 2015. I. Contexto histórico

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

Desafios da carreira do jovem advogado

Desafios da carreira do jovem advogado NOVOS ADVOGADOS Desafios da carreira do jovem advogado Fabio Correa fvteyer Caroline Leite Barreto Sabemos que ingressar no mercado de trabalho e urn desafio para qualquer profissional, em qualquer campo

Leia mais

Trabalho, logo existo!

Trabalho, logo existo! Trabalho, logo existo! Maurício Santos da Luz Graduando em filosofia pela Unioeste Introdução A filosofia se debateu durante muitos séculos, e ainda se debate, para responder a seguinte questão: de onde

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS MÜLLER, Alexandra Feldekircher. ReVEL na Escola: Linguística Aplicada a Contextos Empresariais. ReVEL. v. 11, n. 21, 2013. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

Leia mais

O suposto intelectualismo coerentista: diferenciando níveis de conhecimento para não retornar ao mito do dado

O suposto intelectualismo coerentista: diferenciando níveis de conhecimento para não retornar ao mito do dado O suposto intelectualismo coerentista: diferenciando níveis de conhecimento para não retornar ao mito do dado Jonatan W. Daniel 1 Introdução A rejeição ao que Sellars chamou mito do dado conduz à concepção

Leia mais

Reflexão sobre o conhecimento e transdisciplinaridade no ensino médio

Reflexão sobre o conhecimento e transdisciplinaridade no ensino médio Reflexão sobre o conhecimento e transdisciplinaridade no ensino médio Marcos Vinicius Bortolus (DEMEC-UFMG) borta@demec.ufmg.br Cristina Magro (PosLin UFMG) cristina.magro@uol.com.br Victor Paredes-Castro

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI

A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI A era da informação Informação, palavra derivada do verbo latim "informare", que significa "disciplinar", "ensinar", "instruir", juntamente com o seu significado

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM.

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. Maria Rafaela de Oliveira Graduanda FECLESC/UECE Géssica Cryslânia da Silva Graduanda FECLESC/UECE Janete Rodrigues de Lima

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Fabio Thá Psicólogo, psicanalista, doutor em estudos linguísticos pela UFPR, coordenador do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

As religiões na escola

As religiões na escola G E R A Ç Õ E S E V A L O R E S Estudos As religiões na escola Se a escola tem por missão colaborar na formação integral do aluno, então não pode ignorar nenhuma das suas dimensões específicas, sob pena

Leia mais

Leis, causas e explicação em Biologia

Leis, causas e explicação em Biologia Leis, causas e explicação em Biologia Felipe Faria * Resenha do livro de Gustavo Caponi: Leyes sin causa y causas sin ley en la explicación biológica. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia-Rectoria,

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Thayssa Stefane Macedo Nascimento Graduanda do curso de Pedagogia da UFPI RESUMO O presente trabalho discute acerca da avaliação na educação infantil tendo como

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Conhecimento e Ciência: tipos de conhecimentos Professora: Sueli Andrade Disciplina: Metodologia do Trabalho Científico Ciência e Conhecimento

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO 1 Conteúdos conceituais ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO CONSTRUÇÃO DO PENSAMENTO PSICOLÓGICO Definição dos conceitos de conhecimento científico e de senso comum; Estudo do processo de obtenção

Leia mais

DUALISMO, SUBSTÂNCIA E ATRIBUTO ESSENCIAL NO SISTEMA CARTESIANO

DUALISMO, SUBSTÂNCIA E ATRIBUTO ESSENCIAL NO SISTEMA CARTESIANO DUALISMO, SUBSTÂNCIA E ATRIBUTO ESSENCIAL NO SISTEMA CARTESIANO Ethel Menezes Rocha UFRJ/CNPq 1 Na Sexta Meditação, Descartes conclui seu argumento iniciado na Segunda Meditação em favor da distinção real

Leia mais

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO Hélio de Moraes e Marques 1 Resumo: O ensino da filosofia possui características muito peculiares quanto ao seu método. Refiro-me à exposição pelo professor

Leia mais

Etnomatemática se ensina? 1 Ubiratan D Ambrosio 2

Etnomatemática se ensina? 1 Ubiratan D Ambrosio 2 Etnomatemática se ensina? 1 Ubiratan D Ambrosio 2 Bolema Boletim de Educação Matemática / eissn 1980-4415 Volume 03, Número 04, Rio Claro,1988 Márcia Ascher e Robert Ascher são conhecidos na América Latina

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil Etapas de um Projeto de Pesquisa Robledo Lima Gil Etapas... Escolha do tema Formulação do problema 1) Introdução; 2) Revisão de literatura (Referenciais teóricos); 3) Justificativa; 4) Objetivos (geral

Leia mais

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ANGELO JOSÉ SANGIOVANNI - Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/CAMPUS II FAP) Email: ajsangiovanni@yahoo.com.br Resumo: A partir da análise da tragédia antiga,

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim 0. Considerações iniciais A Relação entre fonética e fonologia compreende uma relação de interdependência,

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações:

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: CÓDIGO DE ÉTICA Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: APDIS Associação Portuguesa de Documentação e Informação na Saúde BAD Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Leia mais

CONCEITOS Humanização:

CONCEITOS Humanização: CONCEITOS Humanização: representa um conjunto de iniciativas que visa à produção de cuidados em saúde capaz de conciliar a melhor tecnologia disponível com promoção de acolhimento e respeito ético e cultural

Leia mais

[REDSTOCKINGS] [MANIFESTO,1969]

[REDSTOCKINGS] [MANIFESTO,1969] Consideramos nossa experiencia pessoal, e nossos sentimientos sobre essa experiencia, como a base para uma análise de nossa situação comum. NÃo podemos depender das ideologias existentes uma vez que são

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias CLASSIFICAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA: REDESCRIÇÕES...

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias CLASSIFICAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA: REDESCRIÇÕES... 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias CLASSIFICAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA: REDESCRIÇÕES... 1 Felipe Quintão de Almeida/UFES/Vitória/fqalmeida@hotmail.com

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte

A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte pereiradirlei@gmail.com Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. Paulo Freire (2000, p.

Leia mais

Formação, Exercício e Compromisso Social

Formação, Exercício e Compromisso Social Formação, Exercício e Compromisso Social Antonio Francisco de Oliveira 1 Vice-Presidente do CAU/BR Coordenador da CEP-CAU/BR A Arquitetura e Urbanismo é, sem sombra de dúvida, uma das profissões cujo exercício

Leia mais

Possibilidade relativa

Possibilidade relativa Page 1 of 7 criticanarede.com ISSN 1749-8457 30 de Setembro de 2003 Metafísica e lógica filosófica Possibilidade relativa Três concepções Desidério Murcho Segundo a concepção de Bob Hale (1997) e Ian McFetridge

Leia mais