VOTO PROCESSO N.º / DIRETOR ALEXANDRE PENNER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VOTO PROCESSO N.º 15414.001971/2008-48 DIRETOR ALEXANDRE PENNER"

Transcrição

1 VOTO ASSUNTO: MINUTA DE CIRCULAR QUE ESTABELECE A CODIFICAÇÃO DOS RAMOS DE SEGUROS E DISPÕE SOBRE A CLASSIFICAÇÃO DE COBERTURAS CONTIDAS EM PLANOS DE SEGUROS, PARA FINS DE CONTABILIZAÇÃO. PROCESSO N.º / DIRETOR ALEXANDRE PENNER Senhores Diretores: Serve o presente documento para apresentação de voto relativamente ao assunto em epígrafe e respectiva justificativa do ato normativo proposto pelo Departamento Técnico Atuarial DETEC. 1. Razões Técnicas da Medida Sugerida A Circular SUSEP n 295, de 14 de junho de 2005, continha no item 24 de seu Anexo I (fls. 04/12), a codificação dos ramos de seguros atualmente utilizados pelo mercado segurador, inclusive para envio de dados pelo FIP. Esta Circular foi revogada, subseqüentemente, pelas Circulares SUSEP n s 314, de 28 de dezembro de 2005, 334, de 2 de janeiro de 2007 e 356, de 20 de dezembro de 2007 (fls. 13, 16/19), sem apresentação, em nenhumas destas, de novo quadro consolidado contendo os códigos de grupos e ramos. Para resolver, provisoriamente, o vácuo regulatório, provocado pela revogação do quadro que continha a codificação, o DECON emitiu, em janeiro e fevereiro de 2006, Cartas-Circulares (fls 14/15) que comunicaram ao mercado fiscalizado que os códigos de ramos necessários à contabilização das operações de seguros, na forma estabelecida pela Circular 314/2005, eram os constantes do quadro I do FIP/SUSEP, aprovado pela Circular SUSEP n 262/2004. Vale ressaltar, pelos motivos expostos, a minuta proposta apresenta nova regulamentação para essa codificação, revogando exclusivamente o item 16 do Anexo I - que define planos conjugados e dispõe sobre sua contabilização - da regulamentação em vigor sobre alterações das Normas Contábeis (Circular SUSEP n 356/2007). Após reuniões ocorridas entre DETEC e DECON, ficou definido que o DETEC era o departamento competente para regulamentar tais codificações, com os ajustes que se fizessem necessários. 1

2 Discussões internas foram então efetuadas no departamento, a partir desta data, com o objetivo inclusive de se estabelecer similaridades entre os ramos e grupos propostos nesta minuta e as definições de carteiras a serem ainda regulamentadas, conforme normativo específico que dispõe sobre o envio da Nota Técnica Atuarial de Carteira. Após, a minuta foi encaminhada aos demais departamentos técnicos da autarquia - DECON e DEFIS - para que opinassem sobre sua adequação e/ou apresentassem sugestões. Ambos os departamentos posicionaram-se favoráveis a sua publicação, conforme pareceres contidos às fls. 35/44. saber: As disposições da minuta estão distribuídas em quatro capítulos e dois anexos, a Capítulo I Da Elaboração dos Planos de Seguro de Danos Capítulo II Da Elaboração dos Planos de Seguro de Pessoas Capítulo III Da contabilização dos Planos de Seguro Capítulo IV Das Disposições Finais e Transitórias Anexo I Tabela de Ramos e Grupos Anexo II Tabela de Ramos em Run-Off Os Capítulos I e II da minuta apresentam esclarecimentos sobre a elaboração de planos de seguros, definindo conceitos fundamentais sobre planos de seguro simples e compostos, principal e secundário; conceitos esses que são essenciais para elaboração e submissão de produtos à Autarquia, em conformidade com a regulamentação em vigor. O Capítulo III trata da correta contabilização desses planos nos diversos ramos e grupos existentes, dispondo detalhes sobre como deve ser efetuada a contabilização, de acordo com o tipo de plano ou cobertura oferecida. O Capítulo IV apresenta disposições finais e transitórias, estabelecendo, entre outras, que as disposições contidas em seus Capítulos I e II devem ser implementadas a partir de 01/07/2009 e as disposições do Capítulo III, ou seja, a efetiva contabilização, somente, a partir de 01/01/2010. O Anexo I contem a tabela com a codificação dos ramos e grupos proposta e o Anexo II, a tabela com a codificação que deverá ser utilizada pelas sociedades seguradoras para os casos de run-off. 2

3 2. Parecer da Procuradoria Geral A Procuradoria Geral, por meio de despacho do Sr. Procurador Chefe Substituto, objetivando a transparência dos atos da Administração Pública e em submissão ao princípio constitucional, posicionou-se pela concretização de consulta ao mercado segurador, por meio da colocação em Audiência Pública da minuta ora proposta. 3. Voto Feitas tais considerações, submetemos o assunto à apreciação de V.S.as., com nosso voto favorável à colocação da minuta em Audiência Pública, pelo prazo de 60 (sessenta) dias. Rio de Janeiro, 22 de dezembro de ALEXANDRE PENNER Diretor 3

4 MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o, de de de Estabelece a codificação dos ramos de seguros e dispõe sobre a classificação das coberturas contidas em planos de seguros, para fins de contabilização. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, na forma prevista no art. 36, alíneas b, c e h, do Decreto-Lei n.º 73, de 21 de novembro de 1966, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso III, do artigo 2º da Instrução SUSEP n.º 28, de 12 de junho de 2001 c/c o art. 2º da Resolução CNSP nº 086, de 19 de agosto de 2002, considerando o que consta no Processo SUSEP n / , de 10 de junho de R E S O L V E: Art. 1º Estabelecer a codificação dos ramos de seguros e dispor sobre a classificação das coberturas contidas em planos de seguros, para fins de contabilização. Art. 2º A partir de 01 de julho de 2009, todas as operações relativas ao mercado de seguros, inclusive o seu registro, deverão obedecer à codificação de ramos apresentada no Anexo I desta Circular. Parágrafo único. Para fins de armazenamento dos dados, o código do ramo de seguro é composto pelos campos Grupo e Identificador do Ramo, totalizando 4 (quatro) dígitos. Art. 3º Para efeito desta Circular, consideram-se as seguintes definições: I - Grupo: conjunto de ramos que possuem alguma característica comum. II Ramo: conjunto de coberturas diretamente relacionadas ao objeto ou objetivo do plano de seguro. Art. 4º Para efeito de cadastramento na SUSEP, deverão ser informados, obrigatoriamente, no ato do registro do plano, o nome e o código do ramo principal ao qual o referido plano pertence. Capítulo I Da Elaboração dos Planos de Seguro de Danos Art. 5º Exclusivamente para os Seguros de Danos, além das definições previstas no artigo 3 desta Circular, aplicam-se as seguintes definições: 1

5 I Ramo Principal: é o ramo do plano de seguro que melhor o caracteriza, sendo definido a partir das coberturas que o compõem. II Plano de Seguro Simples: tipo de plano de seguro que contempla exclusivamente coberturas de um único ramo, correspondendo, desta forma, ao plano que apresenta número de registro na SUSEP. III - Plano de Seguro Composto: tipo de plano de seguro que, além das coberturas do ramo principal, contém coberturas agregadas, pertencentes ao mesmo grupo ou não, que podem ser submetidas em conjunto, apresentando o mesmo número de registro na SUSEP. IV Plano de Seguro Principal: tipo de plano de seguro, simples ou composto, ao qual o plano secundário poderá estar vinculado. V - Plano de Seguro Secundário: tipo de plano de seguro, que possui número de registro próprio na SUSEP, que apresenta coberturas típicas de um único ramo, que somente poderão ser comercializadas em conjunto com um ou mais planos de seguro principal. VI - Cobertura Agregada: é a cobertura, de contratação facultativa, em plano de seguro composto, pertencente a ramo de seguro distinto do ramo principal. Art. 6º Para os planos de seguro secundário, a sociedade seguradora deverá indicar também, no cadastramento a que se refere o artigo 4º, os números de registro dos respectivos planos de seguro principal. 1 As coberturas do plano de seguro secundário somente poderão ser comercializadas em conjunto com o plano de seguro principal e de forma facultativa. 2 Para efeito do cadastramento previsto no caput, as condições gerais deverão constar apenas do plano de seguro principal. 3 A SUSEP poderá solicitar, a qualquer tempo, que as condições gerais do plano de seguro principal sejam anexadas, para efeito de registro na Autarquia, ao plano de seguro secundário correspondente, determinando, ainda, alterações para a correta aplicação destas condições aos dois planos. 4 A SUSEP poderá determinar, mediante sua análise, a impossibilidade de comercialização do plano de seguro secundário em conjunto com o plano principal, cancelando seu registro. Art. 7 Excetuando-se os casos previstos nesta Circular, os planos de seguro compostos não poderão conter coberturas agregadas pertencentes a grupos distintos. Parágrafo Único. Não obstante o disposto no caput, a SUSEP poderá, mediante sua análise, permitir a inclusão de outras coberturas agregadas, não previstas nesta Circular. Art. 8 Os planos de seguro compostos relativos ao grupo Patrimonial (01), somente poderão disponibilizar as seguintes coberturas agregadas, pertencentes a outros grupos: I - cobertura para reembolso de despesas médicas, hospitalares e odontológicas, nos termos da regulamentação específica. 2

6 II coberturas de responsabilidade civil familiar, de responsabilidade civil do síndico e/ou do condomínio e cobertura de responsabilidade civil em função dos danos materiais ocasionados na guarda de veículo de terceiro, todas à base de ocorrência, em consonância com o tipo de plano de seguro composto. III coberturas de responsabilidade civil geral do construtor e responsabilidade civil cruzada, para o ramo de seguro Riscos de Engenharia (0167). 1 Particularmente com relação aos ramos de seguro Compreensivo Residencial (0114), Condomínio (0116) e Empresarial (0118) e ao de Riscos Nomeados e Operacionais (0196), os respectivos planos de seguro compostos não poderão conter como coberturas agregadas aquelas específicas dos ramos de seguro Riscos de Engenharia (0167) e Lucros Cessantes (0141), embora pertencentes ao mesmo grupo. 2 Somente poderão ser enquadrados no ramo de seguro Riscos Nomeados e Operacionais (0196), os planos de seguro que possuam riscos dessa natureza e dependam da contratação de resseguro facultativo. Art. 9 Na elaboração de plano de seguro composto pertencente aos grupos Marítimos (14) e Aeronáuticos (15), somente poderão ser oferecidas, como coberturas agregadas: I - as coberturas de responsabilidade civil à base de ocorrência vinculadas a eventos que envolvam diretamente o bem segurado; e II - a cobertura para reembolso de despesas médicas, hospitalares e odontológicas, nos termos da regulamentação específica. Art. 10. Na elaboração de plano de seguro composto pertencente ao grupo Automóvel (05), além das coberturas agregadas previstas nos ramos de seguro do mesmo grupo, será permitida exclusivamente a oferta da cobertura para reembolso de despesas médicas, hospitalares e odontológicas, nos termos da regulamentação específica. Art. 11. As coberturas agregadas dos planos compostos pertencentes ao grupo Rural (11) só poderão ser comercializadas em conjunto com pelo menos uma das coberturas do ramo principal. Art. 12. A SUSEP, quando da análise dos planos de seguros, poderá determinar, a qualquer tempo, a exclusão de quaisquer coberturas agregadas, mesmo quando pertencentes ao mesmo grupo. Capítulo II Da Elaboração dos Planos de Seguro de Pessoas Art. 13. Os planos de seguros de pessoas não poderão conter coberturas não enquadradas nos ramos dos grupos Pessoas Coletivo (09) ou Pessoas Individual (13). Art. 14. Os planos de seguros deverão ser encaminhados em sua versão completa independentemente de serem comercializados em conjunto com algum plano de seguros de danos. 3

7 Capítulo III Da Contabilização dos Planos de Seguro Art. 15. A contabilização das coberturas comercializadas nos planos de seguros será efetuada nos respectivos ramos de seguro, conforme a nova codificação apresentada no Anexo I desta Circular. 1 Os avisos de sinistros em run-off e demais desdobramentos, cujas apólices tenham sido emitidas antes de janeiro de 2010, deverão ser registrados de acordo com a classificação antiga, apresentada no Anexo II desta Circular; 2 Os endossos e demais desdobramentos às apólices emitidas antes de janeiro de 2010, deverão ser registradas de acordo com a classificação antiga, apresentada no Anexo II desta Circular; 3 As coberturas comercializadas nos planos de seguros por apólices coletivas deverão ser registradas por certificado sempre que o risco da cobertura contratual for definido no certificado ou por item segurado. Art. 16. Especificamente para o Grupo Patrimonial (01), quando contratada a cobertura de incêndio, a contabilização de todas as coberturas comercializadas deverá ser efetuada em um dos seguintes ramos de seguro, observadas suas especificidades: a) Riscos Nomeados e Operacionais 0196, se o plano se enquadrar neste ramo; b) Riscos de Engenharia 0167, se o plano contiver coberturas típicas deste ramo; c) Seguro Habitacional Fora do SFH (Demais Coberturas) 1065, se o plano se destinar exclusivamente à garantia de financiamentos imobiliários; d) Compreensivo Residencial 0114, se o plano for destinado a residências; e) Compreensivo Condomínio 0116, se o plano for destinado a condomínios; e f) Compreensivo Empresarial 0118, se o plano for destinado a empresas. Parágrafo único. Na hipótese de não ser contratada a cobertura de incêndio, as demais coberturas comercializadas deverão ser contabilizadas no ramo Riscos Diversos 0171, salvo quando pertencentes a ramo específico. Art. 17. As coberturas contidas em planos de seguro secundários serão obrigatoriamente contabilizadas em seus respectivos ramos, com exceção daquelas vinculadas a plano de seguro principal do ramo de seguro Riscos Nomeados e Operacionais (0196), hipótese em que deverão ser contabilizadas neste ramo. Art. 18. A renovação das apólices emitidas, inicialmente, nos ramos Garantia Estendida / Extensão de Garantia - Bens em Geral (0139) ou Garantia Estendida / Extensão de Garantia - Auto (0524), que ocorrerem após o término da garantia original de fábrica, deverão ser contabilizadas no ramo Riscos Diversos (0171). 4

8 Art. 19. Especificamente para os grupos Pessoas Coletivo (09) e Pessoas Individual (13), a contabilização de todas as coberturas comercializadas deverá ser efetuada observando os seguintes critérios: I para o ramo de seguro Perda do Certificado de Habilitação de Vôo (PCHV), todas as coberturas do plano deverão ser contabilizadas no ramo 36 dos grupos 09 ou 13, conforme o caso; II para o ramo de seguro Viagem, todas as coberturas do plano deverão ser contabilizadas no ramo 69 dos grupos 09 ou 13, conforme o caso; III para o ramo de seguro Educacional, todas as coberturas do plano deverão ser contabilizadas no ramo 80 dos grupos 09 ou 13, conforme o caso; IV para o ramo de seguro Prestamista: a) quando o plano se destinar exclusivamente à garantia de financiamentos imobiliários, todas as coberturas do plano deverão ser contabilizadas no ramo de seguro Habitacional Fora do SFH Prestamista (1061); b) nos demais casos, todas as coberturas do plano deverão ser contabilizadas no ramo 77 dos grupos 09 ou 13, conforme o caso. V para os demais ramos de seguro: a) as coberturas de morte qualquer causa, invalidez por doença e invalidez geral (doença ou acidente) deverão ser contabilizadas no ramo 93 do grupo 09 ou ramo 91 do grupo 13, conforme o caso; b) as coberturas de morte acidental, invalidez por acidente, despesas médico-hospitalares e odontológicas e diárias de incapacidade por acidente deverão ser contabilizadas no ramo 82 do grupo 09 ou no ramo 81 do grupo 13, conforme o caso; c) as coberturas de doenças graves ou doença terminal deverão ser contabilizadas no ramo 84 dos grupos 09 ou 13, conforme o caso; d) as coberturas de diária de incapacidade por doença, diária de incapacidade por doença ou acidente, diária de internação hospitalar, perda de renda por incapacidade, perda de renda por desemprego e qualquer outra cobertura de risco de seguros de pessoas não mencionada neste artigo deverão ser contabilizadas no ramo 90 dos grupos 09 ou 13, conforme o caso. Capítulo IV Das Disposições Finais e Transitórias Art.20. A partir de 01 de julho de 2009, as sociedades seguradoras não poderão comercializar novos planos de seguro em desacordo com as disposições do Capítulo I e II desta Circular. 5

9 1º Os planos de seguro atualmente comercializados deverão ser adaptados ao disposto nesta Circular, até a data prevista no caput, sem a necessidade de abertura de novos registros, salvo nos casos em que esta Circular exigir. 2º Novos planos a serem registrados na SUSEP deverão estar adaptados às disposições desta Circular. 3º Os contratos em vigor devem ser adaptados a esta Circular na data das respectivas renovações, quando o fim de sua vigência for posterior à data prevista no caput. Art. 21. A partir de 1º de janeiro de 2010, as sociedades seguradoras deverão obrigatoriamente atender as disposições previstas no Capítulo III desta Circular. Art. 22. A necessidade da contabilização em novo ramo, de coberturas já regularmente comercializadas pela sociedade seguradora, não caracteriza, por si só, o início da operação naquele ramo, sendo, portanto, desnecessário o envio de Nota Técnica de Carteira, pelo motivo exposto. Art. 23. Embora contabilizado em ramo específico, para efeito de envio da Nota Técnica de Carteira à SUSEP, as coberturas pertencentes ao ramo 0519 Assistência-Auto deverão ser incluídas na carteira de Automóveis. Art. 24. Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação, ficando revogado o item 16 do Anexo I da Circular SUSEP nº 356/2007. ARMANDO VERGÍLIO DOS SANTOS JÚNIOR Superintendente 6

10 ANEXO I TABELA DE RAMOS E GRUPOS Grupo Nome do Grupo Identificador do Ramo Nome do Ramo 01 Patrimonial 12 Assistência Bens em Geral Observação Ramo novo. Operações antes informadas no ramo 0171 Riscos Diversos 01 Patrimonial 14 Compreensivo Residencial 01 Patrimonial 15 Roubo 01 Patrimonial 16 Compreensivo Condomínio 01 Patrimonial 18 Compreensivo Empresarial 01 Patrimonial 41 Lucros Cessantes 01 Patrimonial 67 Riscos de Engenharia 01 Patrimonial 71 Riscos Diversos Inclui os antigos ramos Tumultos, Fidelidade e Vidros. Inclui também Garantia Estendida Mod. Complementar e outras. 01 Patrimonial 73 Global de Bancos 01 Patrimonial 95 Garantia Estendida / Extensão de Garantia - Bens em Geral 01 Patrimonial 96 Riscos Nomeados e Operacionais 02 Riscos Especiais 34 Riscos de Petróleo 02 Riscos Especiais 72 Riscos Nucleares 02 Riscos Especiais 74 Satélites 03 Responsabilidades 10 R.C. de Administradores e Diretores (D&O) 03 Responsabilidades 13 R. C. Riscos Ambientais 03 Responsabilidades 51 R. C. Geral 03 Responsabilidades 78 R. C. Profissional Ramo Novo. Operações antes informadas no ramo 0351 R. C. Geral 05 Automóvel 19 Assistência Auto Ramo novo. Operações antes informadas no ramo 0171 Riscos Diversos 05 Automóvel 20 Acidentes Pessoais de Passageiros (APP) 05 Automóvel 24 Garantia Estendida / Extensão de Garantia Auto 7

11 Grupo Nome do Grupo Identificador Nome do Ramo Observação do Ramo 05 Automóvel 25 Carta Verde 05 Automóvel 31 Automóvel (cascos) 05 Automóvel 53 Responsabilidade Civil Facultativa Veículos (RCF-V) AUTO AUTO 05 Automóvel 88 DPVAT (Todas as categorias) incluiu Cat. 3 e 4 somente a partir de Janeiro de 2005 Especificação de que o ramo deve ser utilizado exclusivamente para 06 Transportes 21 Transporte Nacional 06 Transportes 22 Transporte Internacional 06 Transportes 23 Resp. C.T. Rodoviário Ramo novo. Operações antes Interestadual e Internacional informadas no ramo 0523 Resp. C. T. Rodoviário Interestadual e (RC ÔNIBUS) Internacional (RC ônibus) no 06 Transportes 32 Resp. Civil do Transportador de Carga em Viagem Internacional (RCTR-VI-C) 06 Transportes 38 Resp. Civil do Transportador Ferroviário Carga (RCTF-C) 06 Transportes 42 Resp. Civil do Transportador Aquaviário Carga (RCA-C) 06 Transportes 44 R.C.Transp. em Viagem Internacional pessoas transportadas ou não (Carta Azul) 06 Transportes 52 Resp. Civil do Transportador Aéreo Carga (RCTA-C) 06 Transportes 54 Resp. Civil do Transportador Rodoviário Carga (RCTR-C) 06 Transportes 55 Resp. Civil do Transportador Desvio de Carga (RCF-DC) grupo automóvel. Ramo novo. Operações antes informadas no ramo 54 RESP. C. TRANSPORTADOR RODOV.-CARGA Grupo novo. Operações antes informadas no Grupo AUTO Passou a englobar as operações informadas no ramo 0627 Resp. Civil do Transportador Intermodal 06 Transportes 28 Responsabilidade Civil Ramo Novo 8

12 Grupo Nome do Grupo Identificador do Ramo Nome do Ramo Facultativa Veículos (RCF-V) - exceto AUTO 06 Transportes 58 Resp. Civil do Operador do Transporte Multimodal (RCOTM-C) Observação 07 Riscos Financeiros 43 Stop Loss Ramo novo. Operações antes informadas no ramo 0171 Riscos Diversos 07 Riscos Financeiros 46 Fiança Locatícia 07 Riscos Financeiros 48 Crédito Interno Ramo novo. Operações antes informadas nos ramos 0860 e Riscos Financeiros 49 Crédito à Exportação Ramo novo. Operações antes informadas nos ramos 0819 e Riscos Financeiros 75 Garantia Segurado: Empresa do Setor Público 07 Riscos Financeiros 76 Garantia Segurado: Empresa do Setor Privado Ramo novo. Operações antes informadas nos ramos 0739, 0740, 0745, 0747 e Ramo novo. Operações antes informadas nos ramos 0739, 0740, 0745, 0747 e Pessoas Coletivo 36 Perda do Certificado de Habilitação de Vôo (PCHV) 09 Pessoas Coletivo 69 Viagem Alteração de nomenclatura antes era Turístico 09 Pessoas Coletivo 77 Prestamista 09 Pessoas Coletivo 80 Educacional 09 Pessoas Coletivo 82 Acidentes Pessoais Alteração de nomenclatura antes era Acidentes Pessoais Coletivo 09 Pessoas Coletivo 84 Doenças Graves ou Novo ramo Doença Terminal 09 Pessoas Coletivo 90 Renda de Eventos Aleatórios 09 Pessoas Coletivo 93 Vida Alteração de nomenclatura antes era Vida em Grupo 09 Pessoas Coletivo 94 VGBL/VAGP/VRGP Alteração de nomenclatura antes incluía a expressão coletivo 09 Pessoas Coletivo 29 Auxílio Funeral Ramo Novo 9

13 Grupo Nome do Grupo Identificador do Ramo Nome do Ramo 10 Habitacional 61 Seguro Habitacional Fora do SFH Prestamista 10 Habitacional 65 Seguro Habitacional Fora do SFH Demais Coberturas 10 Habitacional 66 Seguro Habitacional do Sistema Financeiro da Habitação Observação Ramo novo. Operações antes informadas no ramo no ramo 1068 Seguro Habitacional Fora do Sistema Financeiro de Habitação Ramo novo. Operações antes informadas no ramo no ramo 1068 Seguro Habitacional Fora do Sistema Financeiro de Habitação 11 Rural 01 Seguro Agrícola sem cobertura do FESR 11 Rural 02 Seguro Agrícola com cobertura do FESR 11 Rural 03 Seguro Pecuário sem cobertura do FESR 11 Rural 04 Seguro Pecuário com cobertura do FESR 11 Rural 05 Seguro Aquícola sem cobertura do FESR 11 Rural 06 Seguro Aquícola com cobertura do FESR 11 Rural 07 Seguro Florestas sem cobertura do FESR 11 Rural 08 Seguro Florestas com cobertura do FESR 11 Rural 09 Seguro da Cédula do Produto Rural 11 Rural 30 Seguro Benfeitorias e Produtos Agropecuários 11 Rural 62 Penhor Rural Alteração de nomenclatura excluída a expressão Instituições Financeiras Privadas. Passou a englobar as operações do ramo 1163 Penhor Rural Instituições Financeiras Públicas 11 Rural 64 Seguros Animais 11 Rural 98 Seguro de Vida do Ramo novo. Operações antes Produtor Rural informadas no ramo Prestamista 12 Outros 79 Seguros no Exterior 12 Outros 99 Sucursais no Exterior 10

14 Grupo Nome do Grupo Identificador do Ramo Nome do Ramo Observação 13 Pessoas Individual 36 Perda do Certificado de Novo grupo Habilitação de Vôo (PCHV) 13 Pessoas Individual 69 Viagem Alteração de nomenclatura antes era Turístico. Novo grupo 13 Pessoas Individual 77 Prestamista Novo grupo 13 Pessoas Individual 80 Educacional Novo grupo 13 Pessoas Individual 81 Acidentes Pessoais Alteração de nomenclatura antes era Acidentes Pessoais Individual. Novo grupo 13 Pessoas Individual 84 Doenças Graves ou Novo ramo e novo grupo Doença Terminal 13 Pessoas Individual 90 Renda de Eventos Novo grupo Aleatórios 13 Pessoas Individual 91 Vida Alteração de Nomenclatura antes era Vida Individual. Novo grupo 13 Pessoas Individual 92 VGBL/VAGP/VRGP Alteração de nomenclatura antes incluía a expressão individual. Novo grupo 13 Pessoas Individual 29 Auxílio Funeral Novo Ramo 14 Marítimos 17 Seguro Compreensivo Ramo novo. Operações antes para Operadores Portuários informadas no ramo 0433 Marítimos. 14 Marítimos 33 Marítimos (cascos) Grupo alterado de cascos para 14 Marítimos 56 Responsabilidade Civil Armador embarcações. Ramo novo. Operações antes informadas no ramo 0656 Resp. Civil Armador 14 Marítimos 57 DPEM Grupo alterado de cascos para embarcações. 15 Aeronáuticos 29 Responsabilidade do Explorador de Transporte Aéreo (RETA) Ramo Novo. Operação antes informadas no ramo 0435 Aeronáuticos 15 Aeronáuticos 35 Aeronáuticos (cascos) Grupo alterado de cascos para embarcações. 15 Aeronáuticos 37 Responsabilidade Civil Grupo alterado de cascos para Hangar embarcações. 11

15 ANEXO II TABELA DE RAMOS EM RUN-OFF A codificação abaixo somente deverá ser utilizada pelas sociedades seguradoras para os casos de run-off. Grupo Nome do Grupo Identificador Nome do Ramo do Ramo 01 Patrimonial 11 Incêndio Tradicional Run-off Observação 04 Cascos 33 Marítimos Run-off 04 Cascos 35 Aeronáuticos Run-off 04 Cascos 37 Responsabilidade Run-off Civil Hangar 04 Cascos 57 DPEM Run-off 05 Automóvel 23 Resp. V.T.Rodoviário Interestadual e Internacional 05 Automóvel 89 DPVAT (Cat. 3 e 4) antes de janeiro de 2005 Run-off Run-off 06 Transportes 27 Resp. Civil do Run-off Transportador Intermodal 06 Transportes 56 Resp. Civil Armador Run-off 07 Riscos Financeiros 07 Riscos Financeiros 07 Riscos Financeiros 07 Riscos Financeiros 07 Riscos Financeiros 39 Garantia Financeira Run-off 40 Garantia de Run-off Obrigações Privadas 45 Garantia de Run-off Obrigações Públicas 47 Garantia de Run-off Concessões Públicas 50 Garantia Judicial Run-off 08 Crédito 19 Crédito à Exportação Run-off Risco Comercial 08 Crédito 59 Crédito à Exportação Run-off Risco Político 08 Crédito 60 Crédito Doméstico Risco Comercial Run-off 12

16 Grupo Nome do Grupo Identificador Nome do Ramo do Ramo 08 Crédito 70 Crédito Doméstico Risco Pessoa Física 10 Habitacional 68 Seguro Habitacional Fora do S.F.H. Run-off Run-off Observação 11 Rural 63 Penhor Rural Instituições Financeiras Públicas Run-off 13

ANEXO I TABELA DE RAMOS E GRUPOS

ANEXO I TABELA DE RAMOS E GRUPOS Fl. 9 da CIRCULAR SUSEP N o 395, de 3 de dezembro de 2009. ANEXO I TABELA DE RAMOS E GRUPOS Grupo Nome do Grupo Identificador Nome 01 Patrimonial 12 Assistência Bens em Geral informadas no Ramo Riscos

Leia mais

Estabelece a codificação dos ramos de seguro e dispõe sobre a classificação das coberturas contidas em planos de seguro, para fins de contabilização.

Estabelece a codificação dos ramos de seguro e dispõe sobre a classificação das coberturas contidas em planos de seguro, para fins de contabilização. CIRCULAR SUSEP Nº 395, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009 Estabelece a codificação dos ramos de seguro e dispõe sobre a classificação das coberturas contidas em planos de seguro, para fins de contabilização. O

Leia mais

ANEXO I-A Constituição da provisão de IBNR todos os ramos de seguros, exceto seguros de Vida do grupo Pessoas Individual e seguros dotais

ANEXO I-A Constituição da provisão de IBNR todos os ramos de seguros, exceto seguros de Vida do grupo Pessoas Individual e seguros dotais ANEXO I-A Constituição da provisão de IBNR todos os ramos de seguros, exceto seguros de Vida do grupo Pessoas Individual e seguros dotais Art. 1º Para os ramos que estão em run-off, deverão ser utilizados

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP nº XXX, de X de XXXX de 2013 Estabelece critérios para fins de cálculo da provisão de sinistros ocorridos e não avisados (IBNR)

Leia mais

ANEXO (TABELA DE RAMOS E GRUPOS) Bens em Geral

ANEXO (TABELA DE RAMOS E GRUPOS) Bens em Geral ANEXO (TABELA DE RAMOS E GRUPOS) Nome 01 Patrimonial 12 Assistência Bens em Geral informadas no Ramo Riscos Diversos (0171). Engloba as operações de seguro de garantia estendida/complementação de garantia,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 158, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 158, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 58, DE 2006. Dispõe sobre as regras sobre o capital adicional baseado nos riscos de subscrição das sociedades seguradoras

Leia mais

ESTUDO DO MERCADO SEGURADOR NACIONAL E DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDSEG MG/GO/MT/DF. Período de Referência: Dezembro de 2012

ESTUDO DO MERCADO SEGURADOR NACIONAL E DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDSEG MG/GO/MT/DF. Período de Referência: Dezembro de 2012 ESTUDO DO MERCADO SEGURADOR NACIONAL E DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDSEG MG/GO/MT/DF Período de Referência: Dezembro de 2012 Dezembro de 2012 Os dados apresentados foram extraídos da base SUSEP, a qual

Leia mais

Período de Referência: Dezembro de 2010 [ ESTUDO RERERENTE AO MERCADO SEGURADOR NACIONAL NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDSEG MG/GO/MT/DF

Período de Referência: Dezembro de 2010 [ ESTUDO RERERENTE AO MERCADO SEGURADOR NACIONAL NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDSEG MG/GO/MT/DF Período de Referência: Dezembro de 2010 [ ESTUDO RERERENTE AO MERCADO SEGURADOR NACIONAL NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO SINDSEG MG/GO/MT/DF ] ABRANGÊNCIA DO SINDSEG Os dados apresentados foram extraídos da

Leia mais

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Emissão entre JAN/2015 a SET/2015 [Arquivo Resumo_SUSEP_de_201501_a_201509_BRL-DPVAT.pdf] Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro - Emissão entre JAN/2015

Leia mais

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Emissão entre JAN/2015 a OUT/2015 [Arquivo Resumo_SUSEP_de_201501_a_201510_BRL-DPVAT.pdf] Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro - Emissão entre JAN/2015

Leia mais

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida VOTO ASSUNTO: AUDIÊNCIA PÚBLICA DE NOVA NORMA PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGURO EM MOEDA ESTRANGEIRA E CONTRAÇÃO DE SEGURO NO EXTERIOR PROCESSO N.º 15414.002557/2008-56 DIRETOR ALEXANDRE PENNER Senhores Diretores:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício SDE/GAB n 6010/2005, de 22 de dezembro de 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício SDE/GAB n 6010/2005, de 22 de dezembro de 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06002/2006/RJ COGAM/SEAE/MF 03 de janeiro de 2006 Referência: Ofício SDE/GAB n 6010/2005, de 22 de dezembro de 2005. Assunto:

Leia mais

Este documento objetiva a apresentação de nosso voto relativamente ao assunto em epígrafe, acompanhado da respectiva justificativa.

Este documento objetiva a apresentação de nosso voto relativamente ao assunto em epígrafe, acompanhado da respectiva justificativa. VOTO ASSUNTO: AUDIÊNCIA PÚBLICA DA MINUTA DE CIRCULAR QUE DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGURO EM MOEDA ESTRANGEIRA, A CONTRATAÇÃO DE SEGURO NO EXTERIOR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 392, DE 16 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 20.10.2009

CIRCULAR SUSEP Nº 392, DE 16 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 20.10.2009 CIRCULAR SUSEP Nº 392, DE 16 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 20.10.2009 Dispõe sobre procedimentos operacionais para emissão de seguro em moeda estrangeira e para contratação de seguro no exterior, e dá outras

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente de Seguros de Automóvel ou dos

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente

Leia mais

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro viagem. A Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, no uso da atribuição

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.3- Seguros

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.3- Seguros Conhecimentos Bancários Item 2.3.3- Seguros Conhecimentos Bancários Item 2.3.3- Seguros Insegurança nas atividades cotidianas SEGURO Necessidade de controlar o RISCO! Conhecimentos Bancários Item 2.3.3-

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS MINUTA DE RESOLUÇÃO QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS Remetente: Signatário: RESOLUÇÃO PROPOSTA SUGESTÃO DE ALTERAÇÃO JUSTIFICATIVA OU COMENTÁRIO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 368, de 1 o de julho de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 368, de 1 o de julho de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 368, de 1 o de julho de 2008. Estabelece regras para estruturação e envio da nota técnica atuarial da carteira de automóveis

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem.

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem. MINUTA DE RESOLUÇÃO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso XI, do Decreto nº 60.459, de 13 de março de l967, e considerando o inteiro teor

Leia mais

Terra Report. Relatório do Mercado Brasileiro de Resseguros. número 13. Edição. Setembro 2014. Índice:

Terra Report. Relatório do Mercado Brasileiro de Resseguros. número 13. Edição. Setembro 2014. Índice: Edição número 13 Setembro 2014 Data de publicação: 22 de Dezembro de 2014 Índice: Introdução... 2 Resseguradoras Operando no Brasil... 3 Mercado Brasileiro de Seguros Gerais... 4 Mercado Brasileiro de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. Institui regras e procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras, entidades

Leia mais

A Taxa Média de Retorno do Patrimônio Líquido foi equivalente a uma aplicação financeira com remuneração anual de 34,69% contra 24,94%.

A Taxa Média de Retorno do Patrimônio Líquido foi equivalente a uma aplicação financeira com remuneração anual de 34,69% contra 24,94%. 1- INTRODUÇÃO: A SUSEP liberou no dia 07/03/2015 os números do Mercado de Seguros e Previdência referente ao mês de janeiro 2015. Cabe ainda lembrar que esses números se referem ao banco de dados SES o

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Junho 2008 SUSEP Questionário Trimestral Carta-Circular DECON 05, de 09.06.2008 - Demonstrações contábeis e questionário trimestral A presente

Leia mais

Relatório do Mercado Brasileiro de Resseguros

Relatório do Mercado Brasileiro de Resseguros Edição número 12 Junho 2014 Data de publicação: 22 de Setembro de 2014 Terra Report Índice: Terra Report... 1 Introdução... 3 Mercado Brasileiro de Seguros Gerais... 4 Mercado Brasileiro de Resseguros...

Leia mais

Terra Report Índice: Relatório do Mercado Brasileiro de Resseguros. número 10. Edição. Setembro 2013

Terra Report Índice: Relatório do Mercado Brasileiro de Resseguros. número 10. Edição. Setembro 2013 Edição número 10 Setembro 2013 Data de publicação: 6 de Janeiro de 2014 Terra Report Índice: Introdução... 3 Mercado Brasileiro de Seguros Gerais... 4 Mercado Brasileiro de Resseguros... 6 Resultado das

Leia mais

Administração. Segurança. Corporativo. Habitacional. Produto Contratos. Ramos Elementares. Vida. Habitacional. Habitacional.

Administração. Segurança. Corporativo. Habitacional. Produto Contratos. Ramos Elementares. Vida. Habitacional. Habitacional. 20 SIES VISÃO GERAL Sistema Especialista para Seguros Registro INPI nro.: 94007756 - Copyright 2011. Todos os direitos reservados. Bancos Corretor Processos Batch Interfaces Agências e-sies Central Atendimento

Leia mais

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS Remetente: Signatário: CIRCULAR PROPOSTA SUGESTÃO DE ALTERAÇÃO JUSTIFICATIVA OU COMENTÁRIO CIRCULAR SUSEP N.º de 2004., de Disciplina os

Leia mais

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Emissão entre JAN/2016 a ABR/2016 [Arquivo Resumo_SUSEP_de_201601_a_201604_BRL-DPVAT.pdf] Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro - Emissão entre JAN/2016

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004. Disciplina os procedimentos relativos à adoção, pelas sociedades seguradoras, das condições contratuais e das respectivas disposições tarifárias e notas

Leia mais

Terra Report. Relatório do Mercado Brasileiro de Resseguros. número 7. Edição. Dezembro 2012

Terra Report. Relatório do Mercado Brasileiro de Resseguros. número 7. Edição. Dezembro 2012 Edição número 7 Dezembro 2012 Data de publicação: 26 de Abril de 2013 Terra Report Índice: Introdução... 2 Principais Segmentos do Mercado de Seguros Brasileiro... 3 Mercado Brasileiro de Seguros Gerais...

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP Nº 165, DE 10 DE JULHO DE 2007

RESOLUÇÃO CNSP Nº 165, DE 10 DE JULHO DE 2007 RESOLUÇÃO CNSP Nº 165, DE 10 DE JULHO DE 2007 Estabelece disposições para a contratação de seguro em moeda estrangeira e para contratação do seguro no exterior, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida VOTO ASSUNTO: Criação de norma que dispõe sobre regras e critérios para operação das coberturas oferecidas em planos de seguro de Riscos de Engenharia. PROCESSO N.º 15414.002179/2008-19 DIRETOR ALEXANDRE

Leia mais

etta Corretora de Seguros AGILIDADE INOVAÇÃO TRANSPARÊNCIA CONFIANÇA

etta Corretora de Seguros AGILIDADE INOVAÇÃO TRANSPARÊNCIA CONFIANÇA A Jetta Corretora de Seguros foi criada a partir da identificação de uma demanda do mercado por serviços especializados em seguros, atuamos nas áreas de consultoria, assessoria e corretagem de seguros

Leia mais

DE SEGUROS UM DOS MAIORES GRUPOS MUNDIAIS

DE SEGUROS UM DOS MAIORES GRUPOS MUNDIAIS UM DOS MAIORES GRUPOS MUNDIAIS DE SEGUROS Mais de 300 anos de atuação Negócios em mais de 140 localidades Operações em 30 países Cerca de 23 mil funcionários Mais de 17 milhões de clientes RSA SEGUROS

Leia mais

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado JUNHO/2013 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência... 2 1.4. Contextualização... 2 2. LIMITE DE RETENÇÃO...

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004. Dispõe sobre a atualização de valores relativos às operações de seguros, de previdência complementar aberta e de capitalização, e dá outras providências.

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 241, de 9 de janeiro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 241, de 9 de janeiro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 241, de 9 de janeiro de 2004. Dispõe sobre a estruturação mínima das condições contratuais e das notas técnicas atuariais dos contratos de seguros de automóvel, com inclusão ou não,

Leia mais

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro

Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro Emissão entre JAN/2015 a SET/2015 [Arquivo Resumo_SUSEP_de_201501_a_201509_BRL.pdf] Análise I4PRO do Mercado Segurador Brasileiro - Emissão entre JAN/2015

Leia mais

CASTIGLIONE (MLRV) MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA RESULTADOS DE JAN A NOV 2011

CASTIGLIONE (MLRV) MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA RESULTADOS DE JAN A NOV 2011 MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA RESULTADOS DE JAN A NOV 2011 O Mercado Brasileiro de Seguros e Previdência encerrou o período de jan a novembro de 2011 apresentando um Lucro Líquido não consolidado

Leia mais

Terra Report. Relatório do Mercado Brasileiro de Resseguros. número 11. Edição. Abril 2014

Terra Report. Relatório do Mercado Brasileiro de Resseguros. número 11. Edição. Abril 2014 Edição número 11 Abril 2014 Data de publicação: 24 de Julho de 2014 Terra Report Índice: Introdução... 3 Mercado Brasileiro de Seguros Gerais... 4 Mercado Brasileiro de Resseguros... 8 Resultado das Resseguradoras

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Janeiro 2009 SUSEP Seguros Singulares Circular 381, de 08.01.2009 - Encaminhamento de informações A Circular 381 estabelece procedimentos

Leia mais

CIRCULAR Nº 241, DE 9 DE JANEIRO DE 2004

CIRCULAR Nº 241, DE 9 DE JANEIRO DE 2004 Ministério da Fazenda Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR Nº 241, DE 9 DE JANEIRO DE 2004 Dispõe sobre a estruturação mínima das condições contratuais e das notas técnicas atuariais dos contratos

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008. Estabelece regras para a Nota Técnica Atuarial de Carteira que deverá ser encaminhada com o Plano

Leia mais

SEGUROS DIRETOS R$ 15.575.883 43,36% R$ 18.153.604 43,69% 16,55% DPVAT R$ 1.267.600 3,53% R$ 1.436.782 3,46% 13,35%

SEGUROS DIRETOS R$ 15.575.883 43,36% R$ 18.153.604 43,69% 16,55% DPVAT R$ 1.267.600 3,53% R$ 1.436.782 3,46% 13,35% MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS JAN A ABRIL 2011 Tomando por base os números divulgados hoje pela SUSEP através do sistema de informações SES (que tem como fonte os FIPS enviados pelas empresas) o mercado

Leia mais

CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004

CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004 SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a atualização de valores relativos às operações de seguros, de previdência complementar aberta e de capitalização,

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News Março 2010 SUSEP INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Normas Contábeis Carta-Circular CGSOA 01, de 31.03.2010 Demonstrações Financeiras Dispõe sobre as normas contábeis das sociedades

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO E SITUAÇÃO ATUAL DO SEGURO AGRÍCOLA Vera Melo - Diretora César Neves - Coordenador Sistema Nacional de Seguros Privados: Conselho Nacional

Leia mais

IDENTIFICANDO OS SEGMENTOS PROMISSORES

IDENTIFICANDO OS SEGMENTOS PROMISSORES contatos: E-mail: advogado@fernandomenezes.adv.br E-mail: fm99175454@gmail.com Celular: (71) 99917-5454, Telefone: (71) 3341-5454 WhatsApp: (71) 9173-8855 Endereço: Av. Tancredo Neves, nº 939, Sala 907,

Leia mais

DE SEGUROS UM DOS MAIORES GRUPOS MUNDIAIS

DE SEGUROS UM DOS MAIORES GRUPOS MUNDIAIS UM DOS MAIORES GRUPOS MUNDIAIS DE SEGUROS Mais de 300 anos de atuação Negócios em mais de 140 localidades Operações em 30 países Cerca de 23 mil funcionários Mais de 17 milhões de clientes RSA SEGUROS

Leia mais

Nova Lista de Verificação Seguro de Auto Versão 01 (julho/2012)

Nova Lista de Verificação Seguro de Auto Versão 01 (julho/2012) LISTA DE VERIFICAÇÃO CIRCULARES SUSEP N os 256 e 269/04 E OUTROS NORMATIVOS DESCRIÇÃO ATENÇÃO: No preenchimento da Lista de Verificação, para os itens informativos, a coluna Fls. deverá ser marcada com

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 128, DE 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 128, DE 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 128, DE 2005. Aprova as Normas Disciplinadoras e os Elementos Mínimos que, obrigatoriamente, devem constar do bilhete do Seguro

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004. Dispõe sobre o seguro de cédula de produto rural - CPR e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE SUBSTITUTO DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP,

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 297, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 297, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 297, DE 2013. Disciplina as operações das sociedades seguradoras por meio de seus representantes de seguros, pessoas jurídicas,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA. Resoluções CNSP de fevereiro de 2013. 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013

SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA. Resoluções CNSP de fevereiro de 2013. 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013 SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA 08/03/2013 Resoluções CNSP de fevereiro de 2013 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013 A Resolução CNSP nº. 276, publicada em 18 de fevereiro de 2013 no Diário

Leia mais

SEGURO DE VIDA EM GRUPO. Condições Especiais

SEGURO DE VIDA EM GRUPO. Condições Especiais SEGURO DE VIDA EM GRUPO Condições Especiais Processo SUSEP 10.005463/99-80 0 ÍNDICES CLÁUSULA SUPLEMENTAR DE INCLUSÃO AUTOMÁTICA DE FILHOS 1. Objetivo do Seguro 2. Definições 3. Garantias do Seguro 4.

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News kpmg Abril 2006 INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES SUSEP Destaques do mês Fundos de investimento Carta-Circular DECON 7, de 04.04.2006 Identificação de fundos no sistema CETIP

Leia mais

SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP

SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP Circular nº 266 de 25.08.2004 Dispõe sobre instruções complementares para a operação do seguro obrigatório de danos pessoais causados por

Leia mais

Formar e capacitar profissionais para o mercado de seguros brasileiro. Essa é a missão da Escola Nacional de Seguros há mais de 40 anos.

Formar e capacitar profissionais para o mercado de seguros brasileiro. Essa é a missão da Escola Nacional de Seguros há mais de 40 anos. Formar e capacitar profissionais para o mercado de seguros brasileiro. Essa é a missão da Escola Nacional de Seguros há mais de 40 anos. Ao longo desse período, a Escola se desenvolveu, ganhou experiência

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL Condições Especiais Processo SUSEP Nº 15414.004703/2010-01 0 ÍNDICE CLÁUSULA ADICIONAL DE INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE AUTOMOBILÍSTICO NO BRASIL

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 205, de 2009.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 205, de 2009. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 205, de 2009. Dispõe sobre o seguro habitacional e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP,

Leia mais

RESOLUÇÃO SUSEP Nº 205, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO SUSEP Nº 205, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO SUSEP Nº 205, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o seguro habitacional e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art.

Leia mais

40 MIL VEÍCULOS E 200 MIL VIDAS. seguradas por todo o Brasil. 150 MILHÕES. em prêmios de seguros anuais.

40 MIL VEÍCULOS E 200 MIL VIDAS. seguradas por todo o Brasil. 150 MILHÕES. em prêmios de seguros anuais. 40 MIL VEÍCULOS E 200 MIL VIDAS seguradas por todo o Brasil. 150 MILHÕES em prêmios de seguros anuais. SÃO MAIS DE 100 COLABORADORES FORMANDO UMA EQUIPE PREPARADA E EFICIENTE Investimos o máximo possível

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06076/2004/DF COGSE/SEAE/MF 06 de maio de 2004 Referência: Ofício n.º 2237/2004/SDE/GAB, de 13 de abril de 2004. Assunto:

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 373, de 27 de agosto de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 373, de 27 de agosto de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 373, de 27 de agosto de 2008. Altera e consolida as instruções complementares para a operação do Seguro Obrigatório de Danos

Leia mais

kpmg SUSEP Controles Internos

kpmg SUSEP Controles Internos kpmg Junho 2007 INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES SUSEP Controles Internos Circular 344, de 21.06.2007 - Controles internos para prevenção contra fraudes O normativo dispõe

Leia mais

10.7.1. A restrição deste item não se aplica, entretanto, aos instrumentos contratuais:

10.7.1. A restrição deste item não se aplica, entretanto, aos instrumentos contratuais: DELPHOS INFORMA ANO 12 - Nº 50 MAIO / 2006 CIRCULAR SUSEP No 361, de 11 de março de 2008. Altera as Condições Particulares para os Riscos de Morte e de Invalidez Permanente e as Normas e Rotinas aplicáveis

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 294, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 294, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 294, DE 2013. Dispõe sobre a utilização de meios remotos nas operações relacionadas a planos de seguro e de previdência complementar

Leia mais

Data da publicação : 25/7/2005

Data da publicação : 25/7/2005 CIRCULAR SUSEP Nº 299, de 22 de julho de 2005: Dispõe sobre o recadastramento dos corretores, pessoas físicas ou jurídicas, de seguros de danos e pessoas, capitalização e previdência complementar aberta,

Leia mais

Amigos, Atenciosamente,

Amigos, Atenciosamente, Amigos, A MSCB Advogados Associados, é o braço jurídico da Zênite Assessoria e Consultoria Ltda., que há mais de 20 anos presta serviços às empresas que atuam na área de transporte de cargas e logística,

Leia mais

4. É possível receber mais de uma indenização em decorrência de um mesmo acidente em coberturas diferentes?

4. É possível receber mais de uma indenização em decorrência de um mesmo acidente em coberturas diferentes? www.blabus.com.br DICAS Seguro DPEM. O que é DPEM? O seguro DPEM foi instituído pela Lei nº 8.74, de 0//9, que em seu artigo º alterou a alínea "l" do artigo 0 do Decreto lei nº 7, de //66. Tem por finalidade

Leia mais

11 de fevereiro de 2010. DESEPE Nº 2010.02.1010/CE

11 de fevereiro de 2010. DESEPE Nº 2010.02.1010/CE 11 de fevereiro de 2010. DESEPE Nº 2010.02.1010/CE CONDIÇÕES PARTICULARES DO SEGURO DE VIDA EM GRUPO E ACIDENTES PESSOAIS CONVEÇÃO COLETIVA DO SINDICATO DOS CONCESSIONÁRIOS E DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS

Leia mais

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Ministério da Saúde ANS Resolução Normativa RN Nº. 279, de 24.11.2011: Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU Nº. 20 e

Leia mais

A Recondução à Legalidade do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga RCTR-C

A Recondução à Legalidade do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga RCTR-C Grupo: A Recondução à Legalidade do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga RCTR-C E Irregularidades do Seguro na DDR Comercialização do Frete até 1.990 EMPRESA

Leia mais

CIRCULAR 005 DE 09 DE MARÇO DE 1989

CIRCULAR 005 DE 09 DE MARÇO DE 1989 CIRCULAR 005 DE 09 DE MARÇO DE 1989 O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, na forma do disposto no art. 36, alínea "c" do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66; RESOLVE: Art. 1º -

Leia mais

Informe Anual do Mercado Segurador Brasileiro

Informe Anual do Mercado Segurador Brasileiro Informe Anual do Mercado Segurador Brasileiro 2006 Se me fosse possível, escreveria a palavra seguro no umbral de cada porta, na fronte de cada homem, tão convencido estou de que o seguro pode, mediante

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 429, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2012. Dispõe sobre o registro de corretor e de sociedade corretora de seguros, sobre a atividade de corretagem de seguros

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU nºs 20 e 21, de 7 de

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 477, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o Seguro Garantia, divulga Condições Padronizadas e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

Texto complementar à Proposta Simplificada de Vida em Grupo / Acidentes Pessoais Coletivo

Texto complementar à Proposta Simplificada de Vida em Grupo / Acidentes Pessoais Coletivo Texto complementar à Proposta Simplificada de Vida em Grupo / Acidentes Pessoais Coletivo 1. Definições 1.1. Apólice: é o documento emitido pela Seguradora que expressa o contrato celebrado entre a Seguradora

Leia mais

COBERTURA DE DESPESAS MÉDICAS, HOSPITALARES E ODONTOLÓGICAS

COBERTURA DE DESPESAS MÉDICAS, HOSPITALARES E ODONTOLÓGICAS Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Registro do Produto na SUSEP: 15414.002658/2011-22 COBERTURA DE DESPESAS MÉDICAS, HOSPITALARES E ODONTOLÓGICAS CAPÍTULO I - OBJETIVO DA COBERTURA Cláusulas Complementares

Leia mais

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 Dispõe sobre a atividade de corretor de seguros, e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida.

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida. Senhores Membros do Conselho Diretor, O Grupo de Trabalho constituído no Departamento Técnico Atuarial submete ao Conselho Diretor da SUSEP nos Pareceres SUSEP/ DETEC/ GESEC/ DICEB/ Nº 13970/ 2007 e Nº

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe sobre o registro de corretor de seguros, de capitalização e de previdência, pessoa física e pessoa jurídica,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No-48, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA No-48, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA No-48, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015 Dispõe sobre o acompanhamento e avaliação da garantia de atendimento dos beneficiários pelas operadoras de planos de assistência à saúde, regulamenta

Leia mais

DELPHOS INFORMA. PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000

DELPHOS INFORMA. PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000 DELPHOS INFORMA ANO 6 - Nº 27 JULHO / 2000 PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000 Nota: Caso V.Sas. tenham interesse por maiores esclarecimentos

Leia mais

Proteja o que Você tem de maior Valor. Construindo Segurança, Administrando Riscos.

Proteja o que Você tem de maior Valor. Construindo Segurança, Administrando Riscos. Proteja o que Você tem de maior Valor Construindo Segurança, Administrando Riscos. Quem Somos Com origem na cidade de Belo Horizonte (Brasil), em meados de 2002 a FF Seguros iniciou a sua atividade de

Leia mais

Nota Técnica Atuarial de Carteira

Nota Técnica Atuarial de Carteira Nota Técnica Atuarial de Carteira Circular SUSEP 362/2008 Resolução CNSP 163/2007 Quadros Estatísticos 270, 271 e 272 Carlos Augusto Pinto César da Rocha Neves Eduardo Fraga Lima de Melo São Paulo 29 de

Leia mais

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania PROJETO DE LEI N o 6.332, DE 2005 Dá nova redação aos arts. 20 e 123 do Decreto-Lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, que dispõe sobre o Sistema Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP n.º XXX, de DD de MMM de 2016.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP n.º XXX, de DD de MMM de 2016. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP n.º XXX, de DD de MMM de 2016. Aprovar as regras para a operação do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Embarcações

Leia mais