UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A Adoção da Filosofia Lean como Alternativa Estratégica para uma Gestão Colaborativa do Negócio Por: Rodrigo Lindade Rodrigues Meirelles Orientador Prof. Sérgio Majerowicz Rio de Janeiro 2011 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

2 2 A Adoção da Filosofia Lean como Alternativa Estratégica para uma Gestão Colaborativa do Negócio Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Logística Empresarial Por: Rodrigo Lindade Rodrigues Meirelles

3 3 AGRADECIMENTOS A minha família, aos amigos e aos professores pela sábia condução de meus passos em direção ao conhecimento.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a minha família e ao meu filho, presente de Deus, que tanto amo e admiro.

5 5 RESUMO No atual ambiente de negócios, a rapidez com que as mudanças no mercado afetam as organizações requer o desenvolvimento de estratégias que aumentem a eficiência operacional para lidar com as incertezas de demanda. O desenvolvimento de uma gestão colaborativa que estimule a disponibilidade de informação e a sincronia entre os vários setores de negócio passou a ser um elemento chave no plano estratégico das empresas. A Adoção da Filosofia Lean e a utilização de ferramentas, mediante um trabalho colaborativo, estimula a participação de cada departamento no planejamento global da empresa. A aplicação da Filosofia Lean na empresa foco deste estudo verificará maior precisão de acurácia das projeções, favorecendo o desenvolvimento de uma melhor visão de futuro para a empresa, essencial à tomada de decisões.

6 6 METODOLOGIA A presente pesquisa compreende um procedimento bibliográfico, pois a partir do tema do trabalho, realizou-se pesquisa bibliográfica em livros, revistas acadêmicas da área e artigos na internet. A empresa foco deste estudo, atua no setor farmacêutico, como fabricante de Contrastes Radiológicos, na cidade do Rio de Janeiro.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I - Filosofia LEAN 11 CAPÍTULO II - Logística LEAN 17 CAPÍTULO III - Metodologia da Pesquisa 23 CONCLUSÃO 30 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 32 ÍNDICE 33 FOLHA DE AVALIAÇÃO 35

8 8 INTRODUÇÃO A globalização da economia, estimulada pelo desenvolvimento da Tecnologia da Informação, introduziu um novo cenário ao ambiente de negócios que se caracteriza por uma significativa redução dos ciclos de vida dos produtos, uma grande proliferação de itens substitutos e de constantes alterações de demanda motivadas por consumidores cada vez mais exigentes não só por preços menores, mas por qualidade e confiabilidade de serviços. Além de preço, o cliente passou a avaliar a rapidez, o conforto e a oportunidade de conseguir o que deseja. Por isso, criar valor ao cliente com serviços que diferenciam a oferta e conquistam sua fidelidade passa a ser a força motriz por trás das metas de uma organização (SIMCHI-LEVI et al., 2003). As formas tradicionais de gestão e produção, que têm como meta principal a imediata redução de custos, não são mais suficientes para garantir a lucratividade e sobrevivência em um mercado cada vez mais volátil e competitivo. A falta de visão sistêmica nas empresas convencionais faz com que a logística acabe sendo um conjunto normalmente não coordenado de atividades espalhadas por vários departamentos da organização, comprometendo o desempenho da empresa como um todo. O novo contexto econômico motivou uma significativa mudança nas condições de competição do mercado mundial, estimulando estratégias colaborativas entre os componentes de uma Cadeia de Suprimentos, com o objetivo de capacitá-los a pensar e agir como uma entidade única, trabalhando em perfeita sintonia para a otimização da performance de todo o sistema. Assim, o sucesso da organização passa a depender diretamente de sua capacidade de interagir com o ambiente externo, através das estratégias que lhe possibilitem uma intensa troca de informação e conhecimento para a captura de oportunidades, e não mais pela utilização exclusiva de recursos internos, numa atuação isolada e estática (DIAS et AL.,2003). Dessa forma, uma capacitação logística que incorpore flexibilidade para trabalho em ambientes dinâmicos passa a representar um elemento

9 9 chave na estratégia de marketing das empresas (FAWCETT; SMITH; COOPER, 1997). Daí a importância de uma estrutura organizacional que priorize o trabalho em equipe, e que estimule a disponibilidade da informação e a sincronia entre os vários setores da organização. A estrutura funcional burocratizada das organizações tradicionais dificulta a integração entre as diversas áreas de atuação da empresa, favorecendo a falta de sinergia nos objetivos traçados e incoerência nas decisões operacionais de diferentes funções (CORREA; GIANESI; CAON, 2007). Na busca por novas estratégias, as empresas estão percebendo a necessidade de um redesenho do modelo organizacional utilizando, voltandose para uma estrutura orientada por processos que valorize uma cultura de integração entre os diversos setores do negócio (GONÇALVES, 2000). Cada área funcional tem os seus próprios objetivos e estratégias que devem ser gerenciados de modo a garantir que todos os esforços do negócio como um todo estejam sendo canalizados para a mesma direção, abrindo espaço para organização mais enxutas e ágeis. A prática hoje consagrada de gestão empresarial é a que propõe uma abordagem hierárquica de processo de gestão estratégica de modo que as decisões tomadas em níveis funcionais superiores de planejamento sejam refletidas nas decisões operacionais de níveis mais baixos da organização (CORREA; GIANESI; CAON, 2007). Em face dessa realidade, a questão central orientadora deste trabalho consiste em verificar se a utilização da filosofia lean é capaz de favorecer a sinergia dos diversos departamentos da organização e a coerência das decisões, constituindo-se num diferencial competitivo de mercado. Supõe-se que os usos dos recursos oferecidos pela filosofia lean, além de promover uma eficiente coordenação das atividades internas, ainda mantém um constante fluxo de informação entre mercado e a empresa, requisitos essenciais à sobrevivência e ao crescimento organizacional no atual cenário de negócios, possibilitando ao corpo diretivo, gerencial e operacional acompanhar e propor melhorias dos processos adotados, mediante trabalho

10 10 colaborativo que estimula a participação de cada departamento no planejamento global da organização. Assim, o objetivo deste estudo é propor a adoção da Filosofia Lean, ferramenta de apoio que possibilita um planejamento integrado por toda organização, estimulando o trabalho em equipe que possibilite o entendimento mútuo das capacidades e restrições de cada setor.

11 11 CAPÍTULO I FILOSOFIA LEAN O CONCEITO O termo lean foi adotado ao final da década de 80 em um projeto de pesquisa do Massachusetts Institute of Technology (MIT) sobre a indústria automobilística mundial. A pesquisa revelou que a Toyota havia desenvolvido um novo e superior paradigma de gestão nas principais dimensões dos negócios (manufatura, desenvolvimento de produtos e relacionamento com os clientes e fornecedores). Segundo LEAN INSTITUTE BRASIL, naquela época, a montadora japonesa não estava nem entre as dez maiores do mundo. Em 2009, a Toyota tornou-se a maior em volume de vendas, acumulando vitória após vitória ao longo dessas décadas, mostrando as vantagens e benefícios do sistema que desenvolveu. Não se trata de um conceito exclusivo da Toyota, podendo ser aplicado por empresas de qualquer negócio e em qualquer país ou região. Deve ser visto como um sistema de gestão para toda a empresa. Lean é basicamente tudo o que concerne à obteção dos materiais corretos no local correto, na quantidade correta, minimizando o desperdício, sendo flexível e estando aberto a mudanças. É uma filosofia de gestão focada na redução dos sete tipos de desperdícios (super-produção, tempo de espera, transporte, excesso de processamento, inventário, movimento e defeitos). Eliminando esses desperdícios, a qualidade melhora e o tempo e custo de produção diminuem Os cinco Princípios do Lean Thinking (Mentalidade Enxuta). Valor - Conteúdo inerente de um produto, segundo o julgamento do cliente, refletido em seu preço de venda e demanda de mercado. O valor em um produto é criado pelo fabricante por meio de uma combinação de ações,

12 12 algumas das quais produzem valor conforme percebido pelo cliente e outras são meramente necessárias devido à atual configuração do projeto e do processo de produção. Fluxo de Valor São ações, tanto as de agregação quanto as de não agregação de valor, exigidas para trazer um produto, desde a matéria-prima até o produto acabado, ou do pedido até a entrega, ou ainda, da concepção ao lançamento. Fluxo Contínuo - Produzir e movimentar um item por vez (ou um lote pequeno de itens) ao longo de uma série de etapas de processamento, continuamente, sendo que em cada etapa se realiza apenas o que é exigido pela etapa seguinte. Produção Puxada Método de controle de produção em que as atividades fluxo abaixo avisam às atividades fluxo acima sobre suas necessidades. A produção puxada tenta eliminar a produção em excesso. Perfeição - Quando um processo fornece puro valor, conforme definido pelo cliente, sem qualquer tipo de desperdício. 1.2 O que é Desperdício? Qualquer atividade que consome recursos sem criar valor para o cliente ou qualquer atividade pela qual o cliente não está disposto a pagar Os Sete Desperdícios da Filosofia Lean. Produção em Excesso Produzir mais, mais cedo ou mais depressa do que exigido pelo processo ou cliente. Espera Operadores ociosos durante o ciclo das máquinas, nas panes de equipamentos e nos atrasos de peças.

13 13 Transporte O transporte em si é um desperdício porque não cria valor. Obviamente, peças e produtos precisam ser transportados, mas qualquer movimento além do mínimo absoluto é desperdício. Processamento Processamento desnecessário ou incorreto. Estoque Armazenamento de materiais brutos, peças, WIP (estoque em processo) e produtos acabados desnecessários. Mais precisamente, é armazenar mais que o estoque mínimo necessário para um sistema puxado controlado. Movimentação Operadores fazendo movimentos que não agregam valor. Também podemos identificar o desperdício na movimentação de máquinas. Correções Inspeção, retrabalho e refugos (NARUSAWA, TOSHIKO) Consumo Lean Parece muito fácil, mais na verdade, nas economias de mercado avançadas, com freqüência ela é retratado como requerendo nenhum esforço. Entretanto, não é fácil e os consumidores não podem obter tudo aquilo que desejam para todos os tipos de bens e serviços. O consumo é um processo contínuo, um conjunto de ações empreendidas ao longo de um período prolongado para resolver um problema que envolve busca, obtenção, instalação, manutenção, reparos, atualizações e por fim o descarte de muitos bens e serviços. Tudo isso envolve tempo e esforço. Nossos atos de consumo precisam resolver de fato o problema.

14 Lógica da Provisão Lean O fornecedor sabe com grande precisão o que está vendendo no momento, mas tem uma idéia limitada daquilo que será consumido nos próximos meses. Muitos fornecedores não conseguem atender diante de uma necessidade de escassez no estoque em virtude de se planejar e adquirir suas matérias primas com meses de antecedência. Dada esta realidade, é inevitável um grande n de itens com estoque esgotado e é necessária uma válvula de segurança em algum lugar para lidar com os igualmente inevitáveis itens com excesso de estoque. A válvula de segurança de nossos dias é descartar os produtos em excesso através de redução nos preços. Além disso, existe um problema em todos os níveis de um fluxo de provisão, não apenas para os consumidores finais. As organizações não podem resolver o problema do seu cliente, se não puderem antes resolver seu próprio problema, obtendo exatamente os itens certos, exatamente quando necessitam. As empresas procuram fazer seus pedidos a tempo de evitarem faltas de estoques, com base em sofisticadas provisões de demanda futura. Mas eles também tendem a pedir grandes quantidades com baixa freqüência, porque acreditam que isto reduz os custos de frete e manuseio. A tecnologia da informação ajuda cada vez mais o bom senso, por meio de sistemas de leitura de códigos de barra, todos os associados com os fluxos de provisão podem saber como estão indo as vendas e onde estão localizados todos os estoques. Contudo esta dinâmica tende ao excesso de alguns em e escassez de outros. Deve se criar um mapa de provisão onde o primeiro passo é formar uma estimativa aproximadamente das vendas de cada item e encomendar esta quantidade 1 vez por semana, efetuando ajustes para os picos de vendas (WOMACK, James P. / JONES, Daniel T).

15 Lógica Lean de Localização Quando os processos de desenvolvimento do produto, produção e suporte ao cliente são todos conduzidos de acordo com o principio Lean, a eliminação do desperdício e seus custos associados, é provável que a localização de mais baixo custo será possivelmente ainda mais próxima ao cliente. 04 regras simples ajudam as empresas a prover para cada cliente exatamente aquilo que ele quer: Crie um ponto único para entrada de pedidos para regular todo o fluxo de provisão; Sinalize a necessidade de reposição freqüentemente com tecnologias de informação de baixo ruído quanto mais simples, melhor: Faça reposições freqüentes em pequenas quantidades em todos os pontos do fluxo e por fim; Localize produção e distribuição tão perto do cliente quanto possível. Hoje o tempo é uma restrição para a maioria dos consumidores. Ele é a característica de nossa época. E praticamente todos os consumidores gostariam de obter os itens de que necessitam em formatos que poupassem tempo e incômodo, senão fossem forçados a fazer opções entre o tempo, custo e variedade. É aqui que o consumo Lean pode mudar de forma fundamental, porque o cliente pode obter os mesmos itens de maneira econômica, através da gama inteira de formatos, sem ser forçado a fazer estas opções. Outro ponto importante é o ressuprimento dos materias que se tenha necessidade. Neste caso, um funcionário faz a reposição de tempo em tempo e os funcionários da produção nunca precisam interromper seu trabalho para buscar ou mover os itens que acabaram de concluir para o ponto seguinte. Este modelo é utilizado pela Toyota, nossa empresa Lean exemplar. O custo total de operação de uma fábrica com este sistema de gerenciamento de materias sempre é muito mais baixo do que métodos convencionais, porque os estoques são cortados ao mínimo e a produtividade

16 16 dos funcionários trabalhando diretamente nas tarefas de produção é extremamente alta. 1.7 Geografia Lean de Provisão O custo de um item e de um pacote de itens é em grande parte determinado pela inteligência e pelo escopo do sistema de abastecimento, inclusive o esquema de entregas até o consumidor. O tempo é uma restrição crescente para todos nós. Em conseqüência disso, nos próximos anos o composto de formatos usados pelos consumidores para obtenção de itens de rotina irá mudar no sentido da conveniência e novos métodos de entrega também irão surgir. Isso significa um composto maior de formatos e um movimento estável no sentido de trazer os itens de que necessitamos para mais perto em espaço e prazo de viagem, para que conservemos nosso tempo pessoal.

17 17 CAPÍTULO II LOGISTICA LEAN O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração com parceiros da cadeia, como os fornecedores, distribuidores e clientes (Lean Institute do Brasil). A Logística é a área da gestão responsável por prover recursos, equipamentos e informações para a execução de todas as atividades de uma empresa. Fundamentalmente a logística possui uma visão organizacional holística, onde esta administra os recursos materiais, financeiros e pessoais, onde exista movimento na empresa, gerenciando desde a compra e entrada de materiais, o planejamento de produção, o armazenamento, o transporte e a distribuição dos produtos, monitorando as operações e gerenciando informações. A logística é a arte e a ciência de controlar o fluxo dos bens, da energia, da informação e de outros recursos como produtos, serviços e povos, da produção ao mercado. A logística é um conceito evoluído da necessidade das forças armadas terem suprimento necessário, devido à movimentação da tropa de sua base à fronte. Na logística militar, os peritos controlam como e quando mover recursos conforme a necessidade. Na ciência militar, diz-se que é estratégia fundamental manter um canal direto de suprimento longe do alcance inimigo, pois uma força armada (mesmo que poderosa) fica indefensável sem o suprimento de alimento, combustível e munição. Logística, como um conceito de negócio, evoluiu somente nos anos 50, principalmente devido à complexidade e à dificuldade crescentes de fornecer

18 18 um serviço logístico em um contexto inicial da globalização. A logística pode ter o foco interno (na entrada, chamada de Logística Inbound) ou externo (na saída, chamada de Logística Outbound) que cobre o fluxo e a armazenagem dos materiais recebidos ao ponto de consumo. Ao adotar uma logística lean, à medida que os produtos são consumidos pelo cliente, cria-se um sinal de puxada nas empresas informando a quantidade exata de produtos para ser reposto por seus fornecedores, que por sua vez, enviarão um sinal de puxada para seus sub-fornecedores informando a mesma quantidade consumida para repor e assim sucessivamente ao longo da cadeia. 2.1 Elementos básicos da Logística Lean Mecanismo de sinais de puxada como sistemas kanban, dispositivos sinalizadores que autorizam e dão instruções para a produção ou retirada de itens em um sistema puxado. Dispositivo de nivelamento como heijunka box em cada etapa do fluxo de valor entre plantas, nivelando a demanda em incrementos pequenos de intervalo de tempo e também por mix, garantindo que todos os produtos sejam produzidos e reabastecidos em ritmo constante, em lotes pequenos. Planejamento de rotas e entregas freqüentes em pequenos lotes utilizando o milk run, um método de acelerar o fluxo de materiais entre plantas em que os veículos seguem uma rota para fazer múltiplas cargas e entregas em diversas plantas, em vez de esperar para acumular materiais para a expedição de carga direta com caminhão cheio. Desta forma é possível reduzir os estoques e o tempo de reação ao longo de um fluxo de valor. Muitas vezes, é utilizado também o sistema cross-dock para consolidação das cargas, ou seja, uma instalação que seleciona e recombina uma variedade de itens que chegam de vários fornecedores a serem enviados

19 19 para diversos clientes. A função do cross-dock não é estocar materiais. Os produtos são apenas descarregados dos veículos que chegam e transportados aos veículos que os transportarão a outros locais Obstáculos à implementação Não há logística lean que funcione se não houver certa estabilidade na demanda da cadeia de suprimentos. Tentar aplicar estes conceitos lidando com picos de demandas fará com que mantenha estoque pulmão adicional para cobrir as variações e não será possível realizar entregas niveladas e constantes. È necessário um esforço na redução dos tempos de setup (é o tempo decorrido para a troca de ferramenta, programa ou equipamento de um processo em execução até a inicialização do próximo processo) para diminuir o tamanho dos lotes (lotes mensais para semanais, semanais para diários, diários para horários). Isto já ajudará na prática do nivelamento e aumentar a freqüência de entregas. o custo operacional é muito questionado pela Logística em relação à implementação do milk run, transportando menos volume e com mais freqüência. Existe uma percepção de aumento no custo operacional da logística, que de fato é verdade. Portanto, é importante analisar os benefícios trazidos para o sistema como um todo e não somente analisar o aumento de custos de um ou outro departamento Sugestões para a implementação Antes de implementar uma logística lean em toda a sua cadeia produtiva, aplique os conceitos lean na produção, e depois faça sua expansão para todo o sistema a partir da necessidade. Inicie um piloto com os produtos que possuam as menores variações de demanda. Selecione os produtos A e crie fluxo na sua produção. Dimensione o sistema puxado, estenda isto para o fluxo além do porta a porta de sua planta e projete as rotas e as freqüências de entregas aplicando os três conceitos da

20 20 logística lean, reduzindo o tamanho do lote, aumentando a freqüência de entrega e nivelando o fluxo de entrega. Acompanhe os indicadores de desempenho e como sempre, realize kaizen (melhoria contínua) trazendo benefícios no gerenciamento da sua cadeia de suprimentos.

21 21 CAPÍTULO III METODOLOGIA DA PESQUISA A empresa foco deste estudo atua no setor farmacêutico, como fabricante de contrastes radiológicos, na cidade do Rio de Janeiro. Embora faça uso de modernas ferramentas tecnológicas, adota uma estrutura funcional conservadora que não estimula o entrosamento entre as áreas, numa típica gestão por funções. O isolamento dos setores impede que as pessoas tenham uma visão ampla do próprio trabalho, encarando-o como uma tarefa individual, o que facilita a ocorrência de decisões e procedimentos isolados que acabam por dificultar o bom desempenho da organização como um todo, causando problemas de gestão, motivados pela falta de um planejamento integrado. Busca-se o ótimo individual em detrimento do ótimo total, o que não é saudável para a organização, porque cada função operacional passa a ficar focada na sua própria operação, ao invés de estar comprometida com o sucesso da organização como um todo. Não existe esforço de cooperação entre as diversas funções, e a organização aparece em segundo lugar. Este é o ponto de partida para que toda a engrenagem operacional passe a funcionar fora de sintonia com os objetivos estratégicos da empresa. Na busca de resposta para a questão central orientadora do estudo, ou seja, se a utilização da Filosofia Lean na empresa poderá estimular uma cultura de integração, abrindo espaço para o desenvolvimento de uma gestão cooperativa, efetuou-se a seguinte simulação: a partir de dados reais coletados junto à empresa, foi feita uma comparação entre os planejamentos intuitivos por ela efetuados e a forma como ficariam esses planejamentos utilizando os princípios da Filosofia Lean. 3.1 Introdução ao Kanban Na manufatura Lean, o kanban é uma ferramenta específica para controlar as informações e regular a movimentação de materiais entre os processos de produção (o termo é japonês e significa sinal ou quadro de

22 22 sinais ). O kanban combinado com o takt time (tempo disponível para a produção dividido pela demanda do cliente), o fluxo contínuo (produzir e movimentar um item por vez), a produção puxada (tenta eliminar a produção em excesso) e a programação nivelada (nivelamento do tipo e da quantidade de produção durante um período fixo de tempo) é o que permite que a produção just-in-time seja alcançada em um fluxo de valor. Normalmente, o kanban é usado para sinalizar quando um produto é consumido pelo processo seguinte. No caso mais simples, este evento emite um sinal para reposição do produto no processo seguinte (SMALLEY, ART, 2004.). Tradicionalmente, dentro de uma fábrica, o kanban é um simples cartão de papel protegido, algumas vezes, por um envelope plástico transparente. O cartão contém as informações básicas tais como nome da peça, seu número, o processo de fornecedor interno e externo, o tamanho do lote, a quantidade na embalagem, o endereço no armazém e a localização do processo do cliente. Um código de barras pode ser impresso no cartão para acompanhamento ou faturamento automático. 3.2 Objetivo do Kanban Há quatro objetivos principais para o Kanban: Evitar superprodução (e o excesso de movimentação) de material entre os processos de produção. Fornecer as ordens de produção específicas entre os processos com base nos princípios de reposição. O kanban consegue isso administrando o tempo da movimentação dos materiais e a quantidade a ser transportada. Funcionar como ferramenta visual para que os supervisores determinem se a produção está adiantada ou atrasada em relação à programação. Uma rápida observação dos dispositivos que armazenam o kanban no sistema (postos de acúmulo de kanban) mostrará se os materiais e as informações estão fluindo de acordo com o planejado ou se anormalidades estão ocorrendo.

23 23 Estabelecer uma ferramenta para a melhoria contínua. Cada kanban representa um contêiner de estoque no fluxo de valor. Ao longo do tempo, a redução planejada do número de kanbans em um sistema se relaciona diretamente à redução no estoque e à diminuição proporcional no lead time de atendimento ao cliente. 3.3 Tipos de kanban Há dois tipos principais de kanban: kanban de produção (também conhecido como kanban de fabricação) e kanban de retirada (também conhecido como kanban de movimentação). A característica que distingue o kanban de produção do kanban de retirada é que o primeiro é um sinal para realizar algo, enquanto o último é um sinal de que algo precisa ser removido do estoque e transportado para um processo fluxo abaixo Kanban Interno O kanban interno é usado para transmitir instruções de fabricação de pequenas quantidades para um processo fluxo acima. Entre os usos típicos está a programação das áreas de produção finais com base na retirada do estoque de um supermercado ou um sinal dentro de reposição do cliente.

24 24 Figura 1: Kanban Interno Fonte: SMALLEY, ART. Criando o Sistema Puxado Nivelado. Lean.org, Kanban de Sinalização O kanban de sinalização é usado para transmitir informações de fabricação de grandes quantidades para processos em lotes fluxo acima. O kanban interno seria menos eficiente nessas aplicações devido á grande quantidade de cartões necessária e ao tempo associado para manuseá-los. O kanban de sinalização, ao contrário, utiliza o tamanho do lote juntamente com os supermercados para alimentar os processos fluxo acima enquanto permite, ainda, tempo para o trabalho de setup (tempo decorrido para a troca (ferramenta, programa, equipamento) de um processo em execução até a inicialização do próximo processo) que ocorre nos processos fluxo abaixo. Há três variações no kanban de sinalização: produção padrão, fabricação em lotes e kanban triangular.

25 25 A produção padrão é um método eficiente para processos quando há uma ordem ou sequência ótima a ser seguida pela produção por causa dos tipos de materiais usados ou da sequência de setups que devem ser acomodadas. Na produção padrão, uma sequência básica é estabelecida e fixada, mas o tamanho do lote produzido pode variar a cada vez. Dessa forma, podem ser estabelecidos um lead time (tempo de ciclo) razoavelmente estável de produção e um intervalo de tempo para a produção de cada peça. O lead time de reposição na forma padrão é então usado para estabelecer o nível de estoque no supermercado. Outra forma de kanban de sinalização, chamada fabricação em lotes, utiliza quadros de lotes juntamente com estoque em supermercados. Cada item do supermercado possui um kanban que é destacado e retornado ao processo fornecedor conforme o estoque é consumido. Quando os cartões de kanban chegam a uma determinada quantidade (ponto de disparo), a reposição se inicia de acordo com o número de cartões. Esta forma de kanban de sinalização se difere do kanban interno, pois naquele os cartões são agrupados em um lote de produção, e no kanban interno a produção ocorre um cartão por vez. A forma mais utilizada de kanban de sinalização é conhecida como kanban triangular. Os kanbans triangulares são usados para programar um processo em lotes que possua grandes tempo de setup e um tempo de ciclo da máquina significativamente mais rápido do que o takt time (tempo disponível para a produção dividido pela demanda do cliente) da produção fluxo acima. Este kanban usa um tamanho de lote para a produção em combinação com um ponto de disparo para repor o estoque.

26 26 Figura 2: Kanban Triangular Fonte: SMALLEY, ART. Criando o Sistema Puxado Nivelado. Lean.org, Kanban Interno (Interprocesso) O kanban interno é usado para sinalizar a necessidade de retirar (mover) as peças da área de armazenagem e transportá-las para um processo fluxo abaixo dentro da fábrica. Este tipo de kanban normalmente é empregado em conjunto com as células de montagem de fluxo contínuo que usam um grande número de componentes de fontes internas ou externas. Um prérequisito para o uso de kanban de retirada é a criação de um supermercado de materiais, bem como a determinação de quantidades armazenadas ao lado da linha. A intenção deste kanban é permitir o armazenamento de pequenas quantidades de materiais na área de montagem final com o intuito de aumentar a área disponível para a produção. Isto, por sua vez, exige que a célula de montagem seja abastecida com entregas freqüentes e regulares de pequenas quantidades de material. Para que este sistema funcione, cada localização

27 27 deve ter posições dedicadas e mecanismos de endereçamento estabelecidos para facilitar a movimentação do material. Figura 3: Kanban Interno de Retirada Fonte: SMALLEY, ART. Criando o Sistema Puxado Nivelado. Lean.org, Resultados da Pesquisa Aplicada Como o excesso de detalhes prejudicaria a objetividade e celeridade que o trabalho exige, o procedimento foi desenvolvido levando-se em conta apenas a principal família de produtos fabricados pela empresa. Elaborou-se dois blocos distintos de planejamento: um referente ao trimestre nov/09 a jan/10 (em que as previsões foram calculadas intuitivamente e sem o entrosamento de informações entre os departamentos) e outro referente ao trimestre fev/10 a abril/10 (em que se aplicou, por meio de simulação, os princípios da filosofia lean através da ferramenta kanban e produção puxada).

28 28 Confrontando-se os planejamentos com as operações efetivamente realizadas, pode-se perceber uma maior oscilação nos índices de acurácia das previsões no primeiro período, permanecendo mais estáveis a partir de fevereiro/10, quando através de um padrão para o tratamento das informações disponíveis, foram gerados subsídios mais consistentes para elaboração de uma previsão de demanda. A oscilação das previsões, ora motivando excesso de estoques, ora motivando a falta deles, causa instabilidade na produção, levando à imobilização de capital, quando são maiores do que devem ou à perda de vendas, quando menores. Tabela 1: Comparativo consolidado de vendas. Planejado X Efetivado PRINCIPAL FAMÍLIA DE PRODUTOS 1º Trimestre Planejamento intuitivo efetuado pela empresa foco do estudo 2º Trimestre Planejamento através da Ferramenta Kanban Plano de Vendas Meses Nov Dez Jan Fev Mar Abr Dias úteis Planejamento sem Kanban ** Vendas efetivas ** Planejamento com Kanban Índice/Acurácia 90,7% 87,1% 104,8% 95,3% 94,8% 92,9% ** dados reais coletados junto à empresa Ainda que a etapa de Previsão de Vendas seja maior obstáculo na otimização dos resultados utilizando a ferramenta kanban, passando a ser calculada com base das informações advindas do mercado/clientes, mesmos assim, apresenta resultados mais próximos da demanda real. Vitória em processo de concorrência pública, acúmulo de pedidos no último mês do trimestre, abertura de novos mercados, promoções e introdução de novos produtos são informações de origem interna que não devem ser ignorados. O pressuposto é que a demanda deve trabalhar com fatos e não com meras

29 29 opiniões, e que, após definida, deve ser compatível com as metas da empresa e não com o desejo da equipe de vendas. Numa atividade de planejamento que requer previsões sobre um fato futuro, quando melhor for essa previsão, melhores serão as hipóteses utilizadas, sobretudo para o melhor aproveitamento dos recursos e para o planejamento correto do nível de atendimento aos clientes. A identificação dos erros e de suas causas possibilita a adoção de medidas de ajuste que servirão de subsídios aos planejamentos futuros. Um gerenciamento integrador das atividades operacionais aumenta a eficácia logística, possibilitando a organização dos recursos de cada área funcional, assim como a conformação de um padrão de decisões coerentes e sincronizadas com a estratégia coorporativa. O entrosamento dos setores na elaboração dos planejamentos aumenta a visibilidade das alternativas operacionais propostas, aumentando também o grau de assertividade. Os planos táticos de cada área funcional passam a ser desenvolvidos de forma integrada buscando o melhor para a organização e não apenas para cada área: a eficiência individual dá lugar à eficiência coletiva.

30 30 CONCLUSÃO O objetivo do trabalho foi propor a adoção da filosofia lean em uma empresa com sérios problemas de gestão, motivados pela falta de um planejamento integrado. Por tratar-se de uma ferramenta que apóia as decisões gerenciais, estimula a participação de cada departamento no planejamento global da empresa, é capaz de promover uma eficiente coordenação das atividades internas. Para tanto, recorreu-se a uma pequena demonstração simulada do processo. A pesquisa bibliográfica revelou que num mercado globalizado e em constante mutação, é essencial que os executivos contem com um regular e eficiente fluxo de informações que lhes permitam conhecer antecipadamente a suas exigências, criando a oportunidade de melhor avaliar as restrições do processo produtivo e possibilitando ações operacionais que conduzam a soluções sincronizadas com os requisitos da demanda. Mais do que uma ferramenta, a filosofia lean revelou-se num processo de disciplina e mudança na cultura organizacional, desenvolvendo uma maneira de trabalhar que impõe o compartilhamento de todos os setores envolvidos nas decisões tomadas, aumentando o comprometimento da equipe com a solução encontrada. O redesenho da estrutura organizacional que passa a ser orientada por processos facilita o trabalho em equipe, que por sua vez incentiva o esforço de cooperação na busca do ótimo total. A integração dos vários setores proporciona maior visibilidade das operações, facilitando a tomada de decisões no processo de planejamento da produção e de materiais. Restou claramente comprovado que a adoção da filosofia lean é fundamental para o desdobramento da estratégia coorporativa por toda a organização. As constantes mudanças de rumo se efetivem no dia-a-dia com o reajuste de estratégias e decisões. Muitas empresas redefinem suas estratégias, mas a estrutura anterior, por conveniência, comodismo e até mesmo resistência a mudanças, dificilmente torna a nova estratégia efetiva, quando na verdade a estrutura não é uma limitação externa imposta aos indivíduos para nela agirem de

31 31 determinada maneira. Ela incluiu o modo como as pessoas tomam as decisões e, por isso, não são imutáveis, podendo ser alteradas e ajustadas, bastando para isto, apenas que haja boa vontade em fazê-la.

32 32 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 1- CORRÊA, H. L.; GIANESI, I. G. N.; CAON, M.. Planejamento, programação e controle da produção. Atlas, DIAS, R. M.; PITASSI, C.; JOIA. L. A.. Gestão integrada da cadeia de suprimentos. Modelo para uma Arquitetura de TI O caso CVRD manganês, Disponível em: &Joia.pdf. Acesso em 01/11/ FAWCETT, S.; SMITH, S; COOPER, M. Strategic intent, measurement capability, and operatuinal sucess: making connection. Internacional Journal of Physical Distribution & Logistics Management, 1997, v. 27, n.7, p GONÇALVES, J. E. L.. Organizando as empresas por processos. EAESP/FGV, Lean Institute Brasil. Disponible em: Acesso em 01/11/ NARUSAWA, TOSHIKO. Kaizen Express. Lean Institute Brasil, SIMCHI-LEVI, D.; KAMINSKY, P.; SIMCHI-LEVI, E. Cadeia de suprimentos projeto e gestão. Bookman, SMALLEY, ART. Criando o Sistema Puxado Nivelado. Lean.org, WOMACK, James P. / JONES, Daniel T. Soluções Enxutas Lean Solutions. Editora CAMPUS.

33 33 ÍNDICE FOLHA DE ROSTO 2 AGRADECIMENTO 3 DEDICATÓRIA 4 RESUMO 5 METODOLOGIA 6 SUMÁRIO 7 INTRODUÇÃO 8 CAPÍTULO I FILOSOFIA LEAN Os cinco Princípios do Lean Thinking O que é Desperdício? Os Setes Desperdícios da Filosofia Lean Consumo Lean Lógica da Provisão Lean Lógica Lean de Localização Geografia Lean de provisão 16 CAPÍTULO II LOGÍSTICA LEAN Elementos básicos da Logística Lean Obstáculos à implementação Sugestões para a implementação 19 CAPÍTULO III METODOLOGIA DA PESQUISA Introdução ao Kanban Objetivo do Kanban Tipos de Kanban 23

34 Kanban Interno Kanban de Sinalização Kanban Interno Resultados da Pesquisa Aplicada 27 CONCLUSÃO 30 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 32 ÍNDICE 33

35 35 FOLHA DE AVALIAÇÃO Nome da Instituição: Universidade Candido Mendes Instituto A Vez do Mestre Título da Monografia: A Adoção da Filosofia Lean como Alternativa Estratégica para uma Gestão Colaborativa do Negócio Autor: Rodrigo Lindade Rodrigues Meirelles Data da entrega: 23/01/2011 Avaliado por: Conceito:

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

RELEASE À IMPRENSA São Paulo, 29 de outubro de 2008 Inédito! Especialista internacional ensina no Brasil como implementar Logística Lean

RELEASE À IMPRENSA São Paulo, 29 de outubro de 2008 Inédito! Especialista internacional ensina no Brasil como implementar Logística Lean RELEASE À IMPRENSA São Paulo, 29 de outubro de 2008 Inédito! Especialista internacional ensina no Brasil como implementar Logística Lean Escritor norte-americano, consultor do primeiro instituto Lean do

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Eliminando os picos artificiais de vendas. Alexandre Cardoso

Eliminando os picos artificiais de vendas. Alexandre Cardoso Eliminando os picos artificiais de vendas Alexandre Cardoso Os mercados se comportam de maneiras erráticas e imprevisíveis, gerando sempre uma variação nos volumes e no mix de produção. As causas estão

Leia mais

Logística Lean para a Eliminação do Warehouse

Logística Lean para a Eliminação do Warehouse Logística Lean para a Eliminação do Warehouse Nelson Eiji Takeuchi Uma cadeia logística convencional é composta por logística inbound, logística outbound, warehouse e movimentação interna. Fala-se que

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

O Lean Thinking aplicado ao Supply Chain. Alexandre Cardoso

O Lean Thinking aplicado ao Supply Chain. Alexandre Cardoso O Lean Thinking aplicado ao Supply Chain Alexandre Cardoso Agenda Logística lean Armazenagem Inbound Outbound Lean em Fornecedores 2 Competitividade além das operações e da empresa Produção Produção Produção

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Introdução ao Lean Thinking Ministrante: Christopher Thompson Lean Institute Brasil Contatos: lean@lean.org.br Apoio São Paulo, 16 de setembro de 2010 Observação:

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1 INTRODUÇÃO A CONSTRUÇÃO NAVAL AJUSTADA ( Lean Shipbuilding ) é o processo de construção de navios e unidades offshore, orientado e executado segundo os princípios do sistema de gestão LEAN. Como em muitas

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura Aplicação de Layout Celular na Recuperação de Produtos: Uma Proposta Lean para Aumentar a Eficiência na Remanufatura (UFSC) - marinabouzon@gmail.com Carlos M. Taboada Rodriguez taboada@deps.ufsc.br Abelardo

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Produção Enxuta. Kanban

Produção Enxuta. Kanban Produção Enxuta Kanban Relembrando Supermercado O Supermercado é onde o cliente pode obter: O que é necessário; No momento em que é necessário; Na quantidade necessária. O supermercado é um lugar onde

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

Mapeamento do Fluxo de Valor

Mapeamento do Fluxo de Valor Mapeamento do Fluxo de Valor O que é Fluxo de Valor É um conjunto de ações as que agregam valor, bem como as que não agregam valor necessárias para viabilizar o produto: da concepção ao lançamento do produto

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

6 Quarta parte logística - Quarterização

6 Quarta parte logística - Quarterização 87 6 Conclusão A concorrência aumentou muito nos últimos anos e com isso os clientes estão recebendo produtos com melhor qualidade e um nível de serviço melhor. As empresas precisam, cada vez mais, melhorar

Leia mais

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS Semana LIAG Limeira: 09/05/2011 1 Apresentação Palestrante: José Augusto Buck Marcos Engenheiro com formação e especialização

Leia mais

Logística Empresarial e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Como enfrentar os desafios de um ambiente empresarial em constante mudança

Logística Empresarial e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Como enfrentar os desafios de um ambiente empresarial em constante mudança Logística Empresarial e a Gestão da Cadeia de Suprimentos Como enfrentar os desafios de um ambiente empresarial em constante mudança Produção e Distribuição Plantação de Ferro Produção em massa Just in

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11]

Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11] Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11] Rogério Bañolas Consultoria ProLean Logística Enxuta Nos artigos anteriores vimos que a Logística Enxuta é uma abordagem prática. Por isso, os profissionais

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais