Walquiria Rosa28/05/2015 ÍNDICE: 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 DIRETRIZES 4 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 6 TERMINOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Walquiria Rosa28/05/2015 ÍNDICE: 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 DIRETRIZES 4 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 6 TERMINOLOGIA"

Transcrição

1 Aprovado ' Elaborado por Walquiria Rosa/BRA/VERITAS em 28/05/2015 Verificado por Cesar Aulicino em 28/05/2015 Aprovado por Sidney Campos/BRA/VERITAS em 29/05/2015 ÁREA IID Tipo Procedimento Regional Número Título Procedimento de Gerenciamento de Contrato - Projeto PETROBRAS MATERIAIS RJ - nº Aprovação comunicada para Roberto Vidal/BRA/VERITAS Selecione o verificador do Documento: Cesar Aulicino/BRA/VERITAS Walquiria Rosa28/05/2015 ÍNDICE: 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 DIRETRIZES 4 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 6 TERMINOLOGIA 7 PROCEDIMENTO 8 REVISÃO 9 ANEXOS 1

2 TEXTO DO PROCEDIMENTO: 1 OBJETIVO O propósito deste documento é definir a organização que possibilitará um eficiente gerenciamento do contrato e sua análise crítica. Este gerenciamento tem como objetivo principal assegurar que as partes atendam aos requisitos estabelecidos no instrumento contratual PETROBRAS e é essencial para o sucesso da execução do mesmo, uma vez que falhas podem provocar impactos e consequências de natureza técnica, financeira ou legal. 2 APLICAÇÃO Este procedimento é aplicável a todos os profissionais que executam suas atividades no contrato PETROBRAS DIRETRIZES Quanto à distribuição este procedimento estará disponível na base do Notes a todos os colaboradores. Este procedimento é confidencial e estritamente para uso interno do BUREAU VERITAS. Não pode ser reproduzido por qualquer razão, sem permissão expressa do Diretor Industrial do BUREAU VERITAS DO BRASIL. 4 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.1 Pelo BUREAU VERITAS a) Assegurar o atendimento de todos os itens do contrato; b) Após o recebimento da solicitação de inspeção encaminhada pela PETROBRAS ou pelo FORNECEDOR, planejar e executar o serviço dentro do prazo e demais exigências contratuais e em obediência às documentações técnicas constantes em cada contrato entre a PETROBRAS e seus FORNECEDORES, mantendo a conduta e o comportamento no relacionamento com os fabricantes e com a PETROBRAS em acordo com o código de ética e o procedimento GM-310 Vistoria de Materiais e Equipamentos nas Instalações do Fornecedor; c) Em conformidade com o estabelecido em contrato e no "ABC da Inspeção de Fabricação", bem como na maioria dos PC, os fornecedores de materiais e/ou PETROBRAS comunicarão a data a partir da qual o material estará disponível para ser inspecionado. A CONTRATADA deverá iniciar o atendimento dos eventos de inspeção estabelecidos em até seis dias úteis a contar da data do recebimento da comunicação ou na data prevista para a realização do evento de inspeção, constante na convocação / notificação, o que for maior, sempre respeitando os horários nela estabelecidos. Essa comunicação poderá ser substituída por programação semanal do fabricante, quando ocorrer a presença da inspeção contratada em regime integral, durante a fabricação. Os prazos previstos serão considerados após a efetiva formalização da convocação, seja diretamente pelo fornecedor ou através do órgão inspetor da PETROBRAS que a repassou e a partir da data em que toda documentação contratual aplicável, que deverá ser encaminhada pela PETROBRAS, for recebido pelo BUREAU VERITAS, o que ocorrer por último; d) Participar de reuniões periódicas com a PETROBRAS/MATERIAIS/CDBS/IF para elaboração e planejamento das inspeções; 2

3 e) Emitir os documentos contratuais relacionados ao tipo de serviço e inspeção executada; f) Revisar os documentos emitidos, para assegurar a qualidade da inspeção; g) Enviar os documentos para a PETROBRAS; h) Enviar mensalmente, à PETROBRAS, o relatório técnico consolidado das inspeções realizadas; i) Executar auditorias técnicas nos inspetores envolvidos no contrato; j) Enviar mensalmente, à PETROBRAS, o mapa de faturamento; k) Emitir as faturas para a PETROBRAS; l) Receber e atender as reclamações da PETROBRAS; m) Atender às solicitações de aumento de pessoal da PETROBRAS e submeter os DFE dos profissionais para as aprovações técnicas e contratuais, obedecendo aos prazos contratuais; n) O BUREAU VERITAS deverá utilizar profissionais qualificados segundo a N-2033, última revisão. A utilização de profissionais não qualificados (INQ) deverá seguir os requisitos do Quadro I, constante no Anexo 1 do instrumento contratual, que deverão ser qualificados em ate 180 dias de início de prestação dos serviços. Será descontado deste tempo, o período entre inscrição e divulgação do resultado da prova de qualificação; o) No caso de inspeções dos tipos A, B, C e AEF, prestados por profissional não qualificado, deverão ser atestados por profissional qualificado dentro da respectiva modalidade de inspeção; p) Implementação de controle efetivo de horas trabalhadas nos fornecedores onde existir equipe residente com no mínimo três profissionais e anexá-lo em todas as medições; q) Todos os relatórios de inspeção serão emitidos no sistema INSPETRO. 4.2 Pela PETROBRAS a) Fornecer cópia e manter atualizada a documentação de compra para as quais o BUREAU VERITAS tenha sido designado como firma inspetora da fabricação do material ou equipamento; b) Fornecer e manter atualizadas as cópias das normas técnicas da PETROBRAS, aplicáveis e usuais na fabricação dos materiais ou equipamentos objetos do contrato; c) Esclarecer formalmente quaisquer consultas relativas a desenhos, especificações ou documentos técnicos da PETROBRAS que devem ser observados no curso dos serviços de inspeção; d) Fornecer e manter atualizadas as cópias das Rotinas de Inspeção e Listas de Verificações necessárias à inspeção; 3

4 e) Fornecer cópia do Relatório de Medição dos Serviços realizados, devidamente aprovados; f) Efetuar os pagamentos devidos conforme estabelecido no Contrato; g) Cumprimento de todas as cláusulas do referido Contrato e seus Anexos. 4.3 Pelo Fornecedor Em conformidade com o Contrato assinado entre o BUREAU VERITAS e a PETROBRAS, assim como o estabelecido no "ABC da Inspeção de Fabricação", é responsabilidade do fornecedor, manter disponível ao BUREAU VERITAS todas as condições necessárias para a realização das inspeções, tais como: a) Fornecer os recursos materiais necessários para execução do plano de inspeção e testes (PIT) e/ou procedimentos de testes para atendimento aos Requisitos de Inspeção; b) Acompanhamento por pessoal responsável do seu controle de qualidade pela etapa que está sendo inspecionada visando prestar todas as informações necessárias; c) Instrumentação e equipamentos necessários para a realização da inspeção, devidamente calibrados e a seleção do sistema de medição dimensional, adequados quanto à sensibilidade, perante o evento controlado; d) Desenhos de fabricação, procedimentos internos, certificações, especificações, normas técnicas ou qualquer outra documentação técnica relacionada ao material e processo sob inspeção, disponíveis (e devidamente aprovada pela PETROBRAS quando o contrato assim exigir); e) Material devidamente preparado para a realização da inspeção; f) Apresentar à CONTRATADA, para análise, todos os registros de não conformidades ocorridos no decorrer do processo de fabricação. Aqueles que envolvam soluções de engenharia que alterem o projeto original ou que contrariem à Requisição de Material ou Especificação Técnica originais deverão ser submetidos pelo BUREAU VERITAS à aprovação da PETROBRAS. Deverá ser verificado se os laudos estão assinados por pessoas autorizadas, conforme sistemática interna do fornecedor. 4.4 Pelo Inspetor Além do explicitado nos anexos 1 e 2 do referido contrato, cabe ao inspetor e ao diligenciador: a) Manter conduta compatível com sua atividade; b) Ter prévio conhecimento dos documentos básicos que norteiam o processo de inspeção de fabricação e todos os seus anexos, tais como: 4

5 b.1) Pedido de Compra e Serviços (PC) ou Contratos de aquisição de material e todos os seus anexos; b.2) Condições de Fornecimento de Material à PETROBRAS vigente à época dos contratos (Pedidos de Compra, Contratos, etc.); b.3) Os termos do Contrato entre o BUREAU VERITAS e a PETROBRAS; b.4) Rotinas de Inspeção aplicáveis aos materiais sob inspeção; b.5) Para os profissionais mobilizados para atividades relacionadas às inspeções do tipo C e AEF, deverão, obrigatoriamente, emitir um Demonstrativo de Serviços / Relatório de Atividades (DS), conforme ANEXO 4 Procedimento para Apresentação de Mapas de Faturamento e Faturas de Serviços. c) Emitir, imediatamente após a conclusão dos serviços de inspeção do material fabricado e no local da execução dos serviços, o COMUNICADO DE LIBERAÇÃO DE MATERIAL CLM, o COMUNICADO DE REJEIÇÃO DE MATERIAL CRM ou o RELATÓRIO DE INSPEÇÃO (RI), em conformidade com os modelos disponibilizados no sistema PETROBRAS (INSPETRO) ou quando excepcionalmente necessário, poderão ser utilizados os relatórios padronizados pelo BUREAU VERITAS, previamente aprovados pela PETROBRAS, devidamente numerado, datado e assinado pelo inspetor para o respectivo serviço e pelo Fornecedor, que demonstra o recebimento do documento. Esses documentos devem conter todas as informações necessárias sobre os eventos acompanhados, normas de referência, critérios de aceitação e no caso do CRM, causas da rejeição; d) Independente da emissão do CRM, o inspetor do BUREAU VERITAS deverá proceder à inspeção de todos os eventos previstos e possíveis de serem realizados, de modo a evitar a emissão de sucessivos CRM para não conformidades que poderiam ser detectadas em inspeção anterior; e) Emitir RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO, para cada visita, informando as principais ocorrências e os resultados encontrados. Quando necessário, esses relatórios também devem ser utilizados como documento complementar aos processos de inspeção, entretanto, sob nenhuma hipótese, esses relatórios poderão ser levados ao conhecimento do fornecedor ou de outro órgão da PETROBRAS sem o conhecimento do Gerente de Contrato da PETROBRAS; e.1) Caso o inspetor esteja em fabricante em caráter residente, deverá emitir Relatório Interno de Inspeção, informando, pelo menos, o período de abrangência do relatório, as atividades desenvolvidas no período indicando os inspetores envolvidos nessas atividades; e.2) Verificar se os documentos contratuais e de referência aplicáveis ao fornecimento, incluindo normas, estão na revisão atualizada, de acordo com o contrato de compra aplicável. f) Verificar, caso aplicável, se os procedimentos do fabricante para END foram analisados e aprovados por inspetores nível III, qualificados por entidade reconhecida no país e se são compatíveis com os materiais inspecionados; g) Verificar, caso aplicável, se os documentos de soldagem do fabricante foram analisados e aprovados por inspetores de soldagem, conforme atribuições definidas na norma NBR última revisão, e se os mesmos encontram-se qualificados por entidade reconhecida no país, e se atuam 5

6 na(s) norma(s) principal (is) de qualificação à(s) qual(is) foi certificado; h) Utilizar os critérios de inspeção por amostragem, na realização dos eventos de inspeção, conforme previsto na documentação contratual; i) Verificar o conteúdo do "data book" (documentação final de fabricação), bem como a existência dos manuais de montagem / instalação e operação/manutenção (se exigido contratualmente); j) Os Relatórios de Não-Conformidade emitidos pelo fornecedor e suas respectivas disposições e ações corretivas devem ser analisados para que seja verificada a compatibilidade destas com as normas técnicas e documentos contratuais aplicáveis; k) Após a conclusão da inspeção, todos os materiais que foram inspecionados e que foram aprovados nas verificações efetuadas, em conformidade com os documentos contratuais aplicáveis, deverão ser identificados de forma inequívoca e indelével: k.1) Por puncionamento do símbolo do BUREAU VERITAS; k.2) Por colocação de etiqueta auto-adesiva padronizada; k.3) Pela colocação de lacre padronizado dos materiais envolvidos. Em qualquer caso, o material que se está identificando não poderá ser danificado por essa marcação ou identificação. Notas: (1) Deve-se ter particular atenção aos aços inoxidáveis denominados "duplex" e "super duplex" e materiais que não admitem concentração de tensão, exemplo materiais destinados a trabalhos em baixa temperatura, que em geral, somente admitem identificação indelével por punções do tipo "low stress". Neste caso, o fornecedor deve providenciar punções do tipo citado para suas identificações e o inspetor utilizar o punção adequado; (2) Se houve inspeção por amostragem, as partes que compuseram a amostra em deverão ser identificadas de modo diferenciado do restante do material que compõe o lote, como por exemplo, com identificação duplicada (dois puncionamentos, lado a lado); Os puncionamentos a serem utilizados são: (3) A evidência objetiva de que o inspetor tomou conhecimento da documentação citada, é sua assinatura nos principais documentos; assim, é 6

7 imprescindível que o inspetor leia atentamente, assine e identifique com seu nome os principais documentos pertencentes ao processo de inspeção. 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Foram utilizados como base os documentos abaixo: Instrumento Contratual e seus Anexos; ABC da Inspeção de Fabricação; Instrução Administrativa 01 - Organização e Funcionamento da Diretoria de Óleo e Gás; GM 310 Inspeção de Material e Equipamento nas Instalações do Fornecedor; Procedimento Interno BUREAU VERITAS - PR 37 Treinamento, Conscientização e Competência; Procedimento Interno BUREAU VERITAS PR 43 Auditoria Interna; PC, Contrato, normas técnicas, desenhos, faxes, s e demais documentos citados no PC e quaisquer outros necessários para o bom desenvolvimento da inspeção; Formulários: Relatório de Inspeção, Comunicado de Rejeição de Material, Comunicado de Liberação de Material. 6 TERMINOLOGIA PETROBRAS: PETRÓLEO BRASILEIRO S/A; BUREAU VERITAS: BUREAU VERITAS do Brasil Sociedade Classificadora e Certificadora Ltda.; PC: Pedido de Compras e Serviços Documento emitido pela PETROBRAS, que autoriza a aquisição de bens ou serviços; OS: Ordens de Serviços BUREAU VERITAS; NR: Norma Regulamentadora; DFE: Descritivo de Formação e Experiência. 7 DESCRIÇÃO DO PROCESSO 7.1 Executante e seus Representantes BUREAU VERITAS BRASIL SÃO PAULO (BUREAU VERITAS SPL) Avenida do Café, 277 Torre B 5º andar Vila Guarani CEP São Paulo SP Brasil Tel: (11) / (11) Diretor de Inspeções Industriais Divisão Brasil Roberto dos Santos Vidal Gerente do Contrato Cesar Aulicino 7

8 Coordenadores do Contrato Sandro Serra Coordenador Administrativo Marcello Baruffaldi 7.2 Cliente e seus Representantes PETRÓLEO BRASILEIRO S/A PETROBRAS MATERIAIS/CDBS/IF Rua Henrique Valadares, 28 B1/B2 3ª andar CEP: Rio de Janeiro RJ Brasil TEL: Gerente de Inspeção de Fabricação - Eng. Guilherme V. C. Pamplona Gerentes do Instrumento Contratual: Davidson Carneiro e Gleice Farias 7.3 Identificação do Contrato Assinatura do Contrato e Vigência O Instrumento Contratual assinado em 16 de Janeiro de 2015 e com prazo de vigência de 180 dias, podendo ser prorrogado por até igual período, por meio de Aditivo em consenso com ambas as partes Identificação do Contrato PETROBRAS / MATERIAIS/CG-IL/IF Número do Contrato: SAP: Objeto do Contrato Prestação de serviços de planejamento e execução de inspeção e diligenciamento de fabricação, em conformidade com os termos e condições nele estipulados e em seus Anexos Abrangência dos Serviços de Inspeção Serviço de planejamento e execução de inspeção de fabricação junto aos fornecedores ou nas dependências da PETROBRAS, nos estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco e Alagoas, nas modalidades previstas na Norma PETROBRAS 2033, última revisão e em conformidade ao anexo 1 do referido contrato. Excepcionalmente poderão ser prestados serviços em outros estados da Federação por solicitação da PETROBRAS Abrangência dos Serviços de Diligenciamento Execução de diligenciamento de fabricação, nos fornecedores da PETROBRAS, nos estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco e Alagoas, em conformidade com o Anexo 2 do referido contrato Abrangência dos Serviços de Apoio à Inspeção 8

9 Estes serviços serão executados quando viável e a critério da PETROBRAS. Os mesmos compreendem atividades administrativas relacionadas inspeção de fabricação e serão prestados nos locais de fabricação dos materiais ou seus componentes, no escritório da executante em São Paulo, nas bases contratuais ou nas instalações da PETROBRAS nas ocasiões em que se fizerem necessárias e mediante solicitação por escrito Tipos de inspeção de Fabricação Os tipos de inspeção podem ser A, B, C e AEF, e estão descritos a seguir: a) Tipo A: Inspeção final de fabricação sem o testemunho de testes; b) Tipo B: Inspeção final de fabricação com o testemunho de testes; c) Tipo C: Inspeção de fabricação com ênfase ao processo de fabricação. d) Tipo AEF: Acompanhamento Especial de Fabricação, onde os serviços serão executados conforme eventos definidos pela PETROBRAS quando da aprovação ou aceitação dos Planos de Inspeção e Testes gerados pelos fornecedores e aplicáveis a cada fornecimento. 7.5 Gerenciamento do Contrato Acidente de Trabalho a) Garantir que nenhum colaborador do quadro, por ação ou omissão, oculte, participe da ocultação ou tolere que seja ocultado acidente de trabalho ocorrido em decorrência da execução do Contrato; b) Emitir Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) após a emissão do Relatório de Investigação de Incidentes, anexo 1, deste Procedimento, nas condições e prazos legais, em caso de acidente de trabalho ocorrido com seus colaboradores em decorrência da execução do Contrato; c) Informar imediatamente à PETROBRAS a ocorrência de acidente de trabalho com seus empregados que laborem nas instalações da PETROBRAS e nas instalações de seus fornecedores; d) Garantir o cumprimento dos itens b e c e facilitar o acesso destas informações à fiscalização PETROBRAS quando solicitado Execução dos serviços a) Garantir que a execução dos serviços obedeça rigorosamente aos documentos técnicos constantes em cada Contrato entre a PETROBRAS e seus fornecedores nos prazos e condições aqui estabelecidos e em obediência aos Anexos 1 e 2 do referido contrato; b) Fornecer informações ou prover acesso, pela Fiscalização, à documentação e aos serviços em execução e atender prontamente às observações e exigências por ela apresentadas Responsabilidade Técnica a) Nomeação de Coordenador Técnico com qualificação necessária conforme ABENDI, segundo a norma PETROBRAS N-2033, para prestar os serviços de forma adequada e eficiente, responsabilizando-se pela direção dos serviços contratados e representá-la perante a PETROBRAS; b) Execução da função de Coordenador Técnico a partir da cidade de São Paulo. 9

10 7.5.4 Refazer ou Reparar os Serviços Refazer ou reparar, desde que haja evidência da responsabilidade do BUREAU VERITAS sobre as causas, assumindo os custos e nos prazos estipulados pela Fiscalização, todo e qualquer serviço em desconformidade com o objeto contratual, mesmo aquele já registrado em Relatório de Medição Relatório de Ocorrência Manter, nos locais de prestação dos serviços, uma via do Relatório de Ocorrências (RO), em formulário próprio, com registros das ordens de serviços, anotações de irregularidades e de todas as ocorrências relativas à execução do referido Contrato, no modelo e periodicidade definidos pela PETROBRAS. Ficou definido na reunião de Kick off Meeting realizada em 23/01/2015, que o RO não é aplicável este tipo de contratação, e no caso de solicitação, o RO pode ser produzido em meio eletrônico, evidenciados por trocas de Relação dos Profissionais Apresentar à fiscalização relação nominal de todos os profissionais que executarão os serviços, bem como comunicar por escrito, qualquer alteração ocorrida nessa operação Documentação Trabalhista a) Apresentar, sempre que solicitado, documentação comprobatória do adimplemento de suas obrigações trabalhistas, contribuições previdenciárias e depósitos do FGTS, relativos a seus colaboradores; b) Apresentar mensalmente: Comprovante de FGTS e informações referentes à Previdência Social especifica dos colaboradores que executam os serviços do contrato, completo e quitado nos complexos da legislação vigente; Comprovante de pagamento da Previdência Social com o valor indicado no relatório da GFIP; c) Apresentar semestralmente: certidões negativas ou equivalentes, referentes ao FGTS e contribuições previdenciárias Materiais, Equipamentos, Máquinas, Veículos, Ferramentas e Instalações a) Serão disponibilizados aos colaboradores, materiais de escritório, aparelho celular habilitado e notebooks atualizado em questões tecnológicas com acesso à internet 3G ou superior. Para os profissionais que prestarem serviços nos escritórios da contratada ou nas dependências da PETROBRAS a configuração mínima do notebook deverá ser com processador Core i5 ou compatível de 64 bits e memória de 4 GB com acesso à internet 3G ou superior. b) Para todos os inspetores e supervisores deverão ser disponibilizadas máquinas fotográficas digitais com resolução compatível para anexar fotos visíveis aos relatórios. d) Para todos os supervisores e equipes residentes deverão ser disponibilizados scanner portátil com resolução compatível para anexar documentos visíveis aos relatórios. 10

11 Para os inspetores, supervisores e outros profissionais que exercerem suas atividades em locais nos quais o uso do EPI seja obrigatório, deverão ser disponibilizados equipamentos de proteção individual (EPI) e uniformes com o símbolo de sua empresa estampado. 7.6 Diretrizes de Segurança, Meio Ambiente e Saúde (SMS) a) Todos os profissionais estarão uniformizados, identificados pelo nome ou pelo logotipo do BUREAU VERITAS estampado no uniforme e utilizarão os equipamentos de proteção individual; b) Os equipamentos de proteção individual (EPI) atenderão a Norma Regulamentadora NR-06, quando aplicável à execução contratual, e serão fornecidos a todos os colaboradores gratuitamente. Todos os Certificados de Aprovação (CA) serão arquivados e estarão à disponibilização da PETROBRAS para comprovação da qualidade dos mesmos; c) Comunicação à PETROBRAS em até 48 (quarenta e oito) horas, sobre as ocorrências de sinistros ou eventos danosos ao meio ambiente, a terceiros ou a seus empregados, que repercutam na imagem do cliente PETROBRAS Benefícios aos Colaboradores Todos os profissionais envolvidos ao referido contrato, serão beneficiados com assistência médica hospitalar odontológica, plano seguro - referência de assistência à saúde coletivo-empresarial, cobrindo internação hospitalar, ambulatorial, consultas e exames clínicos, sendo extensivo ao cônjuge ou companheiro e filhos até 21 anos de idade. Devendo ainda cobrir os procedimentos relacionados a acidentes de trabalho e suas consequências, doenças profissionais e demais procedimentos vinculados á saúde ocupacional Segurança da Informação do Cliente PETROBRAS Manter os colaboradores informados acerca dos Procedimentos, Politicas, Diretrizes e Normas de Segurança da Informação da PETROBRAS. O BUREAU VERITAS também se compromete a comunicar imediatamente o cliente PETROBRAS possíveis casos de descumprimento de normas relativas à Segurança da Informação da PETROBRAS mantendo o cliente informado do tratamento dado ao incidente Supervisores de Equipe Será fornecido a todos os Supervisores e os que posteriormente forem indicados como Supervisores, curso de gestão e liderança, com carga horária mínima de 24h/aula, comprovado com a apresentação do respectivo certificado, em até 03 (Três) meses após a assinatura do contrato ou sua indicação como Supervisor e todos os inspetores de fabricação serão qualificados na ABENDI, segundo norma da PETROBRAS N-2033, última revisão Garantia de Qualidade Todos os profissionais serão instruídos a atuarem conforme as normas administrativas e legislação sobre segurança industrial, higiene e medicina do trabalho e sua regularização vigente, bem como as disciplina, regulamentados e normas da atividade. Nisto, se necessário, serão realizadas reuniões junto ao fabricante a fim de esclarecer dúvidas ou problemas surgidos na fabricação do material, dando ciência à PETROBRAS Requisitos de Qualidade 11

12 Posse de Certificação NBR ISO 9001/2008 em Sistema de Gestão da Qualidade emitida por Organismo de Certificação Credenciado pelo INMETRO ou entidade similar de outro país para o escopo previsto para o contrato. O BUREAU VERITAS estabelecerá e manterá um Plano de Qualidade específico para este contrato e utilizará como documento base, o Manual da Qualidade Corporativo e os procedimentos nele referenciados. O BUREAU VERITAS estabelecerá, implantará e manterá um Plano de Arquivamento, onde será definida a estrutura organizacional do arquivo, os documentos a serem arquivados e a sistemática para permitir a rápida recuperação de informações. O BUREAU VERITAS, através do estabelecido no Controle de Registros, manterá disponíveis os registros da qualidade que reforçam e/ou complementam os requeridos pela documentação técnica contratual. Serão os mantidos os registros do referido contrato por um período de 5 anos, a partir da emissão do TRD (Termo de Recebimento Definitivo) pela PETROBRAS. Compreendem-se como registros todos os relatórios gerados, tanto técnicos como gerenciais. Em relação à Propriedade do Cliente, o BUREAU VERITAS estabelecerá, implantará e manterá sistemática para identificar, verificar, proteger e salvaguardar os documentos fornecidos pela PETROBRAS. Em relação à Satisfação do Cliente, o BUREAU VERITAS aceitará como informação relativa à satisfação do cliente, as avaliações realizadas pela PETROBRAS e formalizadas pelo BAD Boletim de Avaliação de Desempenho. Com o objetivo de verificar se a execução das atividades está em conformidade com os Anexos 1, 2 e 6 do presente contrato, será apresentado um plano geral de auditorias internas incluindo o escopo das auditorias e as datas previstas para realização. O escopo das auditorias deve incluir, além do Sistema de Gestão, as especialidades previstas para a execução do contrato. Nesse Plano Geral de Auditoria Interna o BUREAU VERITAS definirá os inspetores, as modalidades, as fábricas e a periodicidade de execução das auditorias, bem como os planos de ações corretivas decorrentes de outras auditorias e enviá-los para a PETROBRAS Infraestrutura para as Equipes Serão disponibilizadas facilidades de escritório, na cidade de São Paulo e Rio de Janeiro a ser utilizado para reuniões com as equipes e cliente, para atendimento ao previsto no escopo do Instrumento Contratual, sendo este escritório localizado em um raio máximo de 3000 (mil) metros em relação ao escritório da PETROBRAS, localizado na BUREAU VERITAS RIO DE JANEIRO: Rua Joaquim Palhares, 40 7º andar Centro de Convenções Sulamérica Torre Sul.- Cidade Nova Rio de Janeiro CEP BUREAU VERITAS SÃO PAULO: Avenida do Café, 277 Torre B 5º andar Vila Guarani, CEP São Paulo SP Brasil Essas instalações possuirão infraestrutura completa, incluindo estações de trabalho com armários para no mínimo 10 (dez) profissionais, computadores, impressoras e cartuchos, fax, telefones fixos, materiais de escritório, sala de reunião, sistema VAC (Ventilação / Ar Condicionado), 12

13 etc. 7.6 Critérios de Reembolso de Despesas Acessórias Para a realização de atividades fora dos estados bases: do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco e Alagoas serão utilizados para critérios de reembolso de despesas pela PETROBRAS os seguintes critérios: a) Os reembolsos somente serão realizados mediante a apresentação de comprovação adequada, conforme as instruções estabelecidas na tabela abaixo. É indispensável à apresentação dos documentos originais comprobatórios de custos. Tipo de despesa Condições Comprovações * * * Táxi ou outro meio de transporte Deslocamento entre residência e/ou aeroporto e/ou hotel e/ou fábrica, para prestação de serviços. Recibos de taxi ou nota fiscal da locação de veículo, ou outro meio de comprovação do valor despendido. Comprovante de embarque com o nome do usuário, data, hora Passagem Aérea Classe Econômica de embarque e o valor da passagem (ticket eletrônico).* Alimentação O valor máximo de R$ 65,00 (sessenta e cinco reais). Nota Fiscal / Recibo do valor gasto. Diária de hotel em quarto standard, em hotel constante de lista expressa e previamente acordada com a PETROBRAS, sempre que Hotel houver a necessidade de utilização de quarto com diária superior à acordada ou fora da lista acima referida será requerida a autorização Nota Fiscal do Hotel com o valor discriminado das diárias.*** prévia, por escrito, da PETROBRAS. (*) Todos os comprovantes deverão ser originais, não sendo aceitos cópias, mesmo autenticadas. (**) Caso o comprovante de embarque não contenha o valor da passagem, deverá ser apresentado também o ticket eletrônico. (***) Não serão ressarcidas despesas com telefonemas e lavanderia. b) Será enviada à fiscalização PETROBRAS responsável, o plano de viagem, contendo detalhes dos tipos de despesas que, possivelmente, serão utilizados. c) Para transporte ao local de realização dos serviços, será ser utilizado táxi ou outro meio de transporte autorizado pela PETROBRAS, optando-se pela opção de menor custo e mediante comprovação. d) A utilização de carro próprio para os casos de despesas refaturáveis está vetada, pois a PETROBRAS não efetuará qualquer tipo de reembolso por esse transporte. e) Todos os tipos de despesas serão providenciados pelo BUREAU VERITAS, obedecendo a critérios aqui expostos e optando pela opção de menor custo. 13

14 7.7 Recursos Humanos Disponibilidade dos Profissionais A mobilização para a prestação dos serviços deverá ocorrer após comprovação, pela CONTRATADA, das qualificações mínimas estabelecidas no contrato. Para os casos de serviços AEF (Inspeção residente), nenhuma interrupção dos serviços poderá ocorrer sem que tenha sido solicitada pela PETROBRAS. A CONTRATADA, de acordo com o que dispõe o item do Contrato, adequará sua mão-de-obra ao fluxo dos serviços de inspeção, no que se refere a mobilizações e desmobilizações. Caso ocorra aumento da demanda de serviços, em até 15 dias corridos da data da solicitação, a CONTRATADA deverá mobilizar a quantidade necessária de profissionais para atender essa demanda, em cumprimento ao item deste Contrato, sem que isso implique em qualquer ônus para a PETROBRAS, sendo que a despesa com o serviço adicional não sofrerá alteração em relação ao previamente definido em Contrato, obedecendo ao Anexo 5 - Planilha de Preços. Em relação à desmobilização por motivos diversos, provisória ou definitiva, a CONTRATADA deverá, entre 30 e 40 dias antes da data prevista, informar tal situação à PETROBRAS e acordar a data de disponibilização do substituto. No caso de substituição definitiva do(s) profissional(is), o(s) empregado(s) substituto(s) deverá(ão) ser mobilizado(s) em, no máximo, 20 (vinte) dias corridos, a contar da data do pedido de substituição, dando ciência à PETROBRAS, sem permitir a interrupção dos serviços. Quando houver desmobilização ou substituição de profissionais, a CONTRATADA deverá providenciar uma cópia de todos os arquivos e documentos relativos aos serviços prestados à PETROBRAS e às atividades escopo deste Contrato, que estiverem em posse desse profissional, e disponibilizar para a PETROBRAS até o último dia de atividades do mesmo Disponibilidade dos Profissionais A equipe responsável pela execução das atividades conforme escopo deste contrato será composta por: a) Preposto: profissional de nível superior, graduado em engenharia, ou administração, com experiência mínima de 10 (dez) anos de atuação nas atividades de inspeção de fabricação, ou de nível técnico em área tecnológica (materiais, mecânica, mecatrônica, metalurgia, naval, soldagem, produção, elétrica, química, telecomunicações, petróleo e gás e civil) com experiência mínima de 15 (quinze) anos de atuação nas atividades de inspeção de fabricação. b) Supervisores de Inspeção: profissionais com qualificação/certificação ABENDI, Nível 2, segundo a norma PETROBRAS N-2033, revisão F, ou 14

15 por profissionais de notório saber, com no mínimo de 4 (quatro) anos de experiência na atividade de inspeção de fabricação na modalidade prevista na Norma PETROBRAS N-2033, revisão F e para o qual exercerá a atividade de supervisão. Para os supervisores nas modalidades técnicas de PP e TF serão compostos de profissionais com qualificação/certificação ABENDI, Nível 2 segundo a Norma PETROBRAS N-2033, revisão F, com 5 (cinco) anos de experiência ou por profissionais de notório saber, com experiência conforme Item quadro Profissionais de notório saber (modalidade PP e TF), descrita no Anexo I Diretriz para prestação de serviço de planejamento e execução de inspeção de fabricação. c) Inspetores de Fabricação: profissionais idôneos, habilitados e qualificados/certificados em inspeção de fabricação pela ABENDI, segundo norma PETROBRAS N-2033, Revisão F, na modalidade de atuação. d) Planejamento e Controle de Inspeção: profissionais com curso técnico administrativo, técnico de inspeção de fabricação ou curso técnico em área tecnológica com experiência de 01 (um) ano em controle de documentos, para profissionais com nível superior experiência de 03 (três) meses. No caso da execução por profissionais de ensino médio com experiência de 04 (quatro) anos em atividades de controle de documentação em empresas voltadas para o segmento de petróleo e gás. e) Trainees: profissionais que atendam aos requisitos de escolaridade (formação) e acuidade visual exigido para a modalidade de atuação, conforme norma PETROBRAS N-2033, Revisão F, porém, que ainda não atendem aos requisitos de Treinamento e Experiência. 7.8 Emissão de Documentos Técnicos Todos os documentos e relatórios emitidos serão enviados ao BV-SPL o mais breve possível que, não havendo ocorrência impeditiva devido às características do trabalho desenvolvido, deverá ter frequência semanal. Tais relatórios são revisados pelo BV-SPL e enviados à PETROBRAS, quando aplicável. Estes documentos serão sempre destinados ao Fornecedor cuja razão social é encontrada no PC ou ao seu representante legal, não sendo da responsabilidade do BUREAU VERITAS fornecer cópias de relatórios a subfornecedores. Apenas está autorizada a entrega, ao fornecedor, o CLM, o CRM e o RI de Registro de Não Conformidade. Para os demais documentos emitidos, a cópia só poderá ser entregue ao fornecedor se houver autorização formal prévia por parte da PETROBRAS. Relatórios de Inspeção: Um relatório de inspeção deverá ser emitido quando da conclusão de cada inspeção. No caso de inspeções prolongadas que envolvem mais de uma visita durante mais de uma semana, será emitido um Relatório de Inspeção detalhado na periodicidade definida, para cada caso, pela Coordenação/Supervisão. Este relatório é de distribuição interna ao BUREAU VERITAS e a PETROBRAS; Relatório de Inspeção RI Informativo: Utilizado pela inspeção para relatar os resultados da execução de eventos de inspeção de fabricação, emitir parecer técnico sobre qualquer assunto relacionado com o processo de inspeção em andamento ou registrar fato relevante inerente ao contrato objeto da inspeção; Relatório de Inspeção RI Solicitação de Providências: Utilizado pela inspeção quando houver necessidade de se obter esclarecimentos ou providências do FORNECEDOR ou de qualquer órgão da PETROBRAS, inerentes ao contrato objeto da inspeção; 15

16 Relatório de Inspeção RI Registro de Não Conformidade/Rejeição de Evento: Utilizado pela inspeção sempre que necessário registrar não conformidades ocorridas durante o planejamento ou execução da inspeção de fabricação ou formalizar a rejeição de eventos de inspeção intermediários, não cobertos pelo Comunicado de Rejeição de Material. É utilizado também para registrar a não realização de eventos intermediários ou finais, apesar de formalmente programados pelo FORNECEDOR; Comunicado de Liberação de Material: Será emitido imediatamente após a conclusão da inspeção, depois de ter sido averiguada a conformidade completa às especificações do PC do Plano da Qualidade. O CLM não deve ser emitido se houver algum tipo de pendência, tal como revisão de documentação; Comunicado de Rejeição de Material: Será emitido no dia da inspeção, quando o material ou etapas de fabricação não estiverem em conformidade com a documentação contratual ou técnica, devendo conter descrição detalhada dos motivos da rejeição. Eventualmente o CRM poderá ser emitido quando a não realização de eventos previstos como ponto de espera, por culpa do FORNECEDOR, torna-se rotineira; Comunicado de Rejeição de Material (AEF): Segue as mesmas regras do CRM normal, devendo ser complementado com informações sobre as ações corretivas a serem tomadas, os responsáveis pelas implementações das correções e os respectivos prazos. Notas: (1) Caso o inspetor de fabricação não esteja qualificado pela ENGENHARIA/SL/ SEQUI a Coordenação do Contrato, ou seu preposto, orientará o inspetor na condução da inspeção. (1) Na planilha de Índice de Rejeição do INSPETRO (1ª tela da funcionalidade Inspecionar Material) a coluna Total Analisado deverá ser preenchida conforme a quantidade de itens inspecionados em cada atividade. Por exemplo: Em uma inspeção foram apresentados 5 registros de inspeções variadas e estes apresentaram divergências e foram considerados insatisfatórios, portanto, deverá ser gerado um RNC descrevendo a rejeição do evento. Nesse RNC deverá ser preenchido o Índice de Rejeição da seguinte forma: Na coluna Itens Analisados, preencher a linha da Documentação Técnica com a quantidade de 5 itens na coluna Total Analisado, outros 5 itens deverão ser assinalados na coluna respectiva ao nível da não-conformidade (leve, média, grave ou gravíssima). Notar que os campos: Total geral analisado, Total Rejeitado e Evento Rejeitado, no caso de RNC deverão sempre ser iguais. A classificação da não conformidade deverá seguir estritamente o orientado no ABC da Inspeção e no ícone? no INSPETRO. Para os casos de dúvidas na classificação da não conformidade o inspetor deverá consultar seu supervisor/coordenador para que o mesmo o oriente na correta classificação. Caso o supervisor/coordenador não consiga classificar corretamente essa não conformidade, o assunto deverá ser levado ao responsável PETROBRAS pela inspeção. Relatório de Diligenciamento de Fabricação RDF: Documento obrigatoriamente emitido pela BUREAU VERITAS, após sua participação, por solicitação da FISCALIZAÇÃO ou do gerente do contrato, em qualquer evento de diligenciamento de fabricação, com os objetivos de descrever os fatos e dados decorrentes da tarefa designada, e obter ou prestar esclarecimentos (inclusive na fase de planejamento). Seu conteúdo deverá incluir todos os detalhes do diligenciamento e os resultados encontrados com o objetivo de informar à FISCALIZAÇÃO os serviços realizados, o seu desempenho, atos e dados relacionados à sua execução. 16

17 7.9 Critérios para Envio de Documentação Técnica Abaixo estão listados os endereços de de destino obrigatório aos documentos técnicos emitidos pelo BUREAU VERITAS após a execução dos serviços. 1) Relatórios de Inspeção, Relatórios de Inspeção Informativo, Relatórios de Inspeção Solicitação de Previdências e Relatórios de Inspeção de Não Conformidade/Rejeição de Evento: a) BUREAU VERITAS: b) PETROBRAS: Departamento de Materiais RJ: Departamento de Materiais SP: Gerente Responsável pelo fornecimento, quando informado no PC; 2) Comunicado de Liberação de Material e Comunicado de Rejeição de Material, inclusive para AEF: a) BUREAU VERITAS: b) PETROBRAS: Departamento de Materiais RJ: Departamento de Materiais SP: Gerente Responsável pelo fornecimento, quando informado no PC; c) FORNECEDOR: Representante do Fornecedor responsável pelo fornecimento Qualidade dos Serviços A Qualidade dos documentos emitidos é absolutamente essencial. Todos os relatórios do BUREAU VERITAS são detalhadamente examinados antes de serem encaminhados ao Cliente. Tal verificação minuciosa também é realizada pela PETROBRAS. Cuidado extremo será tomado para que a documentação gerada seja de alta qualidade e com o detalhamento necessário de forma a não deixar dúvidas com respeito aos serviços executados Conteúdo Mínimo dos Relatórios de Inspeção Os seguintes itens, e não se limitando a eles, serão observados e incluídos nos relatórios: Local e data da inspeção o local onde a inspeção foi realizada (estado, cidade e outras informações pertinentes, por exemplo: o bairro) e as datas inicial e final dessa inspeção; Todas as não conformidades que ocorreram durante a inspeção, mesmo aquelas que foram corrigidas de imediato pelo fornecedor ou aceitas formalmente pelo cliente, indicando quais as ações corretivas que efetivamente foram tomadas; 17

18 As dificuldades e observações pertinentes a fatos ocorridos durante as inspeções e suas ações correspondentes para resolver os problemas, o tempo gasto com os problemas e com as ações corretivas adotadas. Problemas secundários resolvidos em pouco tempo serão informados do mesmo modo que os problemas de maior importância; O campo "CONCLUSÃO / OBSERVAÇÃO" conterá um resumo do resultado da inspeção. As ocorrências significantes serão mencionadas ou referenciadas neste campo; Horário dos trabalhos: descrição de trabalhos e dificuldades, inclusive as ações corretivas e tempos envolvidos. (Com enfoque no horário da inspeção), conforme o caso; Documentos de referência: em complementação aos indicados no campo "Documento de Referência" e observações especiais, como por exemplo, comentários da PETROBRAS; Detalhe dos trabalhos: descrição detalhada dos trabalhos executados, inclusive detalhes dos testes e revisão da documentação, relacionando cada trabalho com o item do Plano de Qualidade. Inspeções que envolvem mais que 1 (um) equipamento ou item de contrato terão os registros e descrições divididas por item, caso exista número de identificação ("TAG"), este será informado junto com a referência do item da PETROBRAS. Para inspeções efetuadas em vários dias consecutivos de no máximo uma semana, será emitido um Relatório de Inspeção, com informação detalhada das atividades executadas a cada dia de inspeção. Sempre que ocorrer uma interrupção na inspeção, será emitido o Relatório de Inspeção para o período concluído, independente da posterior retomada da mesma; Pendências: descrição detalhada das etapas que serão efetivadas pelo fornecedor para eliminar as pendências apontadas; Comentários: Notas relativas ao trabalho executado, comentários especiais e ou pontos que precisam de atenção especial; Obrigatoriamente será emitido um relatório RNC para todas as não conformidades encontradas pela Inspeção no processo fabril ou evento acompanhado, inclusive as classificadas como "leve", ou seja, aquelas encontradas no Sistema de Qualidade do fornecedor; No RI-RNC deverá constar apenas não conformidades da mesma forma que no RI-INF ou CLM deverão constar apenas resultados satisfatórios, exemplo: em um mesmo agendamento poderão ser emitidos relatórios de não conformidade (RI-RNC) e relatórios de informativos (RI-INF) e comunicados de liberação de material (CLM), desde que seja emitido primeiramente o relatório de não conformidade, desta forma o agendamento permanecerá ativo até a conclusão da inspeção; O campo "DISTRIBUIÇÃO" será preenchido em função do tipo de documento, como segue: Relatório de Inspeção (Apenas para Acompanhamento Especial de Fabricação). Original para a supervisão PETROBRAS, se solicitado e 01 cópia para BUREAU VERITAS-SPL. (Nota: O Relatório de Inspeção será identificado através de números sequenciais, em continuidade da OS). Comunicado de Rejeição de Material e Comunicado de Liberação de Material: 18

19 Original para o FORNECEDOR; 1 cópia para o órgão requisitante PETROBRAS; 1 cópia para o órgão gerenciador do contrato; 1 cópia para MATERIAIS/CDBS/IF; 1 Cópia para cada órgão explicitamente informado pela PETROBRAS; 1 Cópia para o BUREAU VERITAS-SPL. Todos os documentos conterão o número de referência da PETROBRAS (PC) e a descrição do equipamento com o número do item e o número de identificação ("TAG") se existir; Todos os documentos serão digitados no sistema PETROBRAS - INSPETRO (Programa de Gestão das Inspeções), salvo exceções conforme descrito no item 4.4 acima. Cada inspetor terá seu login e senha para acessar o INSPETRO. O sistema será acessado no seguinte endereço eletrônico:https://inspetroonline.petrobras.com.br 7.11 Faturamento O faturamento dos serviços bem como das despesas geradas será realizado segundo critérios estabelecidos no Instrumento Contratual Será elaborado e enviado à PETROBRAS, para conferência, o Mapa de Faturamento. Após a aprovação do informativo de medição, a PETROBRAS emitirá O Relatório de Medição (RM) que servirá de base para a emissão da fatura Análise Crítica do Contrato A analise crítica do contrato será realizada conforme Anexo 2 Procedimento BUREAU VERITAS PR 40 Análise de Contrato, deste procedimento. 8 REVISÃO Revisão 0 - Emissão inicial. 9 ANEXOS ANEXO 1 Formulário BUREAU VERITAS Investigação de Incidentes. ANEXO 2 Procedimento Interno BUREAU VERITAS PR 40 Análise de Contrato. 19

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL 1 de 9 1 OBJETIVO Fornecer as informações necessárias para a qualificação e certificação de Inspetores de Pintura Industrial níveis 1 e 2, segundo os critérios estabelecidos na norma ABNT NBR 15218 e demais

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

6.3 Plano de Ação 4 6.4 Registros de Auditoria 4

6.3 Plano de Ação 4 6.4 Registros de Auditoria 4 Aprovado ' Elaborado por Walquiria Rosa/BRA/VERITAS em 28/05/2015 Verificado por Cesar Aulicino em 28/05/2015 Aprovado por Sidney Campos/BRA/VERITAS em 29/05/2015 ÁREA IID Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

Impresso em 27/08/2015 12:17:14 (Sem título)

Impresso em 27/08/2015 12:17:14 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Leonardo Camargo/BRA/VERITAS em 07/08/2013 Verificado por Sidney Santos em 09/12/2013 Aprovado por Sergio Suzuki/BRA/VERITAS em 09/12/2013 ÁREA LNS Tipo Instrução Administrativa

Leia mais

Guia de Mobilização - Vale

Guia de Mobilização - Vale Guia de Mobilização - Vale 2ª Edição Nov/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. MACRO FLUXO DO PROCESSO DE MOBILIZAÇÃO... 3 3.1. CERTIFICAÇÃO... 3 3.2. CONTRATAÇÃO... 4 3.3. MOBILIZAÇÃO...

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO O presente Regulamento institui a normatização adotada pelo Conselho

Leia mais

Impresso em 27/08/2015 10:26:39 (Sem título)

Impresso em 27/08/2015 10:26:39 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Walquiria Rosa/BRA/VERITAS em 28/05/2015 Verificado por Cesar Aulicino em 28/05/2015 Aprovado por Sidney Campos/BRA/VERITAS em 29/05/2015 ÁREA IID Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

Art. 3º A diária será devida pela metade nos seguintes casos:

Art. 3º A diária será devida pela metade nos seguintes casos: Orientações para Solicitação e Prestação de Contas de Diárias de acordo com o Decreto nº 3328-R, de 17 de junho de 2013. DIÁRIAS Diárias são indenizações pagas antecipadamente para cobrir despesas com

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção...

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 3 7. Condições gerais... 3 7.1 Selo

Leia mais

2.2 - Prestação de Serviços de Suporte Técnico Assistido

2.2 - Prestação de Serviços de Suporte Técnico Assistido Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 010/2011 1 DO OBJETO 1.1 - Contratação de empresa para o fornecimento de licenças de uso de software SAP, BusinessObjects Enterprise - BOE, com manutenção

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

NORMA RESSARCIMENTO POR DANO ELÉTRICO

NORMA RESSARCIMENTO POR DANO ELÉTRICO PÁGINA 1 de 7 ÍNDICE DO CONTEÚDO 1. Objetivo 1 2. Norma e Documentos Complementares 1 3. Definições 1/2 4. Condições Gerais 2 5. Procedimentos 3/4/5 6. Anexo 6 7. Ficha de Vida 7 1. Objetivo: Esta norma

Leia mais

EDITAL Nº 03/2007 CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS.

EDITAL Nº 03/2007 CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS. EDITAL Nº 03/2007 CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS. O MUNICÍPIO DE PALMAS, no Estado do Tocantins, através da Secretaria Municipal de Saúde, pela COMISSÃO ESPECIAL DE

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

Termo de Referência. Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Diretoria de Infra-Estrutura de TIC DIT

Termo de Referência. Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Diretoria de Infra-Estrutura de TIC DIT Termo de Referência Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Termo de Referência Aquisição de Servidores Tipo 1A-1B para camada de Banco de Dados / Alta Disponibilidade RQ DEPI nº 11/2009

Leia mais

Termo de Referência. (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300.

Termo de Referência. (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300. Termo de Referência Expansão da solução s de armazenamento (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300. Termo de Referência Expansão da solução de armazenamento do

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A.

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. ÍNDICE DURATEX S/A POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. 1. OBJETIVO 2. PRINCÍPIOS GERAIS 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES 4.1. DURATEX 4.2. UNIDADE REQUISITANTE 4.3. UNIDADE DESTINATÁRIA

Leia mais

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ - (4.2.3 - Controle de Documentos) (820.40 Document Control) APROVAÇÃO MARCOS FERNANDES NUNES Gerente da QA/RA Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO GISELA CRISTINA LUÇOLLI NASS Assistente Administrativo APARECIDA

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5. OG Procedimento de Gestão PG.SMS.014 Denominação: Auditoria Interna do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento estabelece premissas básicas sobre os critérios de planejamento e princípios a

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012 SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012 Prezados Senhores, Brasília, 28 de novembro de 2012. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD, no âmbito do Projeto BRA/04/044 - Implementação de

Leia mais

Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades

Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades 1 de 5 Assunto: CONDIÇÕES GERAIS DE VENDAS Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades 1. Conceito 2. Abrangência 3. Documentos Relacionados 4. Regras Gerais 4.1. Pedido e Fornecimento 4.1.1. Pedido

Leia mais

O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos pelo SESC para este processo seletivo.

O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos pelo SESC para este processo seletivo. DESCRITIVO DO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O CARGO AUXILIAR ADMINISTRATIVO FUNÇÃO DESIGNER GRÁFICO (Grande São Paulo, Presidente Prudente e S.José do Rio Preto) O presente documento é uma divulgação oficial

Leia mais

CONTRATO 035/2014 CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO

CONTRATO 035/2014 CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO CONTRATO 035/2014 A Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência (FATEC), inscrita no CNPJ n.º 89.252.431/0001-59, sediada na Cidade Universitária, em Santa Maria /RS, neste ato representada pelo Diretor Presidente,

Leia mais

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 058/2012 NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE O Conselho Municipal de Saúde,

Leia mais

Processo de Solicitação de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador

Processo de Solicitação de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador Processo de Solicitação de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador 1 Apresentação Apresentamos o Processo de Viagens GENS Manual do Colaborador. Este Manual é parte integrante do Processo de Viagens GENS.

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB 1 -DO OBJETO O objeto do Pregão Presencial é a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de rádio-táxi

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA A B C D E OBJETO O presente Termo de Referência tem como objeto o fornecimento parcelado de combustíveis à frota dos veículos oficiais do Conselho Regional de Medicina do

Leia mais

Controle e uso de EPI s e Uniformes NIK 026

Controle e uso de EPI s e Uniformes NIK 026 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ESCOPO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 3.1. EPI S... 2 3.2 UNIFORMES... 2 3.3 FICHA DE CONTROLE DE EPI S E UNIFORMES... 2 3.4 GESTORES... 2 3.5 ASSOCIADOS... 2 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

Ar Condicionado Split System Hi-Wall

Ar Condicionado Split System Hi-Wall COTAÇÃO ELETRÔNICA: 027/2013 COMPRASNET Termo de Referência Ar Condicionado Split System Hi-Wall Sala dos Administradores Almoxarifado Unidade Pedro de Toledo 1- OBJETO Contratação de empresa especializada

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

Vencimento Qualificação Exigida. - Formação Superior de Engenharia Civil. Engenheiro Civil

Vencimento Qualificação Exigida. - Formação Superior de Engenharia Civil. Engenheiro Civil O PREFEITO MUNICIPAL DE FRAIBURGO, Estado de Santa Catarina, no uso de suas atribuições; FAZ SABER: Encontram-se abertas as inscrições para o Processo Seletivo da função abaixo descrita para Admissão em

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO Brasília, 10 de Janeiro de 2013. Prezadas Senhoras, Prezados Senhores, A ONU Mulheres Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres solicita

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

DESCRITIVO DO RECRUTAMENTO PARA AUXILIAR ADMINISTRATIVO ASSISTÊNCIA MÉDICA

DESCRITIVO DO RECRUTAMENTO PARA AUXILIAR ADMINISTRATIVO ASSISTÊNCIA MÉDICA DESCRITIVO DO RECRUTAMENTO PARA AUXILIAR ADMINISTRATIVO ASSISTÊNCIA MÉDICA O presente documento é uma divulgação oficial das condições estabelecidas pelo SESC para este recrutamento. É de fundamental importância

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA EXECUÇÃO DE EXTENSÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PARA ATENDER A ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSOS LOGRADOUROS DE PORTO ALEGRE 1. GENERALIDADES O

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS (PFRH) MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO Versão 04/02/2011 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 MODALIDADES DE

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA.

Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA. Revisão maio 2015 Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA. NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 1 Nível Ingresso Documentos que deverão ser apresentados

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre o recebimento de documentos a serem protocolados junto ao Tribunal de Contas da União. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS.

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS. SETEMBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 1-2004 A aquisição de equipamentos médico-hospitalares tem ocasionado vários problemas técnicos ou mesmo econômicos por não obedecer a determinados parâmetros.

Leia mais

EDITAL N o 03 1º SEMESTRE 2012 SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA

EDITAL N o 03 1º SEMESTRE 2012 SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA EDITAL N o 03 1º SEMESTRE 2012 SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CEAD SELEÇÃO

Leia mais

DEPARTAMENTO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Coordenadoria de Apoio Logístico Departamento de Apoio Operacional TERMO DE REFERÊNCIA

DEPARTAMENTO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Coordenadoria de Apoio Logístico Departamento de Apoio Operacional TERMO DE REFERÊNCIA Processo n.º E-04/. /2012. Contratação de empresa para fornecimento e instalação de sistema de gerenciamento de tráfego para elevadores do prédio da SEFAZ, localizado na Avenida Presidente Vargas, 670

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE ASSISTÊNCIA PROTEÇÃO A CARTÕES PLANO 1

CONDIÇÕES GERAIS DE ASSISTÊNCIA PROTEÇÃO A CARTÕES PLANO 1 CONDIÇÕES GERAIS DE ASSISTÊNCIA PROTEÇÃO A CARTÕES PLANO 1 1. QUADRO RESUMO DE SERVIÇOS ITEM SERVIÇOS LIMITES DO SERVIÇO 1 Assistência Global de Proteção a Cartões e Serviço de Solicitação de Cartão Substituto

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 019/2001

PORTARIA NORMATIVA N 019/2001 PORTARIA NORMATIVA N 019/2001 Dispõe Sobre a Hospitalização Psiquiátrica e dá Outras Providências O PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA DOS SERVIDORES DO ESTADO DE GOIÁS IPASGO, usando

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 1 SUMÁRIO Conteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O CURSO... 3 3. PERFIL DO TECNÓLOGO EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL... 3 4. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 3 5. CONDIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO... 5 6. MATRÍCULA...

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS ORDEM DE SERVIÇO 01/2011

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS ORDEM DE SERVIÇO 01/2011 pg. 1/9 ORDEM DE SERVIÇO 01/2011 Dispõe sobre as regras de auditoria para homologação eletrônica do recadastramento de médicos credenciados no IPERGS. O DIRETOR DE SAÚDE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO

Leia mais

OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA

OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE LEILÃO - CGTEE Nº 002/2014 OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE LEILÃO CGTEE Nº 002/2014 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

BANRISUL ARMAZÉNS GERAIS S.A. EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2007 Regida pela Lei nº 8.666/93 e suas alterações

BANRISUL ARMAZÉNS GERAIS S.A. EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2007 Regida pela Lei nº 8.666/93 e suas alterações BANRISUL ARMAZÉNS GERAIS S.A. EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2007 Regida pela Lei nº 8.666/93 e suas alterações A Banrisul Armazéns Gerais S.A., atendendo ao disposto nos arts. 13 e 25 II da lei nº 8.666/93,

Leia mais

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes.

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Alex Clementino Ferreira Gerência de Sistema de Gestão Público-alvo: Empregados designados para realizarem as auditorias. 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-82-04 Pág.: 1 de 8 Código de Treinamento:

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE)

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) PARTES ESSENCIAIS: I- QUALIFICAÇÃO DAS PARTE; II- INFORMAÇÕES RELEVANTES; III- CLÁUSULAS; IV- ASSINATURAS: das partes através de seus representantes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 016/2008

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 016/2008 CENTRO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 016/2008 Anexo II 1 DO OBJETO 1.1 - Prestação de serviços de suporte técnico assistido

Leia mais

Impresso em 27/08/2015 10:28:51 (Sem título)

Impresso em 27/08/2015 10:28:51 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Walquiria Rosa/BRA/VERITAS em 28/05/2015 Verificado por Cesar Aulicino em 28/05/2015 Aprovado por Sidney Campos/BRA/VERITAS em 29/05/2015 ÁREA IID Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

ATO Nº 195/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 195/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 195/2011 Institui a Norma de Segurança dos Recursos de Tecnologia da Informação - NSRTI, do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO,

Leia mais

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015.

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. Atualiza o macroprocesso da fase de Gestão de Contratos de Tecnologia da Informação e Comunicações, instituído no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da

Leia mais

Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12.

Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12. Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12.br M I S S Ã O O Colégio São Francisco Xavier, da Rede Jesuíta de Educação, tem como

Leia mais

2 Desenvolvimento Humano

2 Desenvolvimento Humano 2 Desenvolvimento Humano A área de Desenvolvimento Humano realiza: recrutamento e seleção interna, ações de treinamento e desenvolvimento dos empregados, gestão do Pano de Cargos e Salários, programas

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL PRESTADOR DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO. - Prestador de Serviço Voluntário no âmbito da UFTM

NORMA PROCEDIMENTAL PRESTADOR DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO. - Prestador de Serviço Voluntário no âmbito da UFTM 50.05.002 1/12 1 FINALIDADE Formalizar e disciplinar os procedimentos para a prestação de serviços voluntários na UFTM Universidade Federal do Triângulo Mineiro. 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os órgãos da

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA 1- Objeto da Licitação: Prestação de serviço para contratação de seguro de vida em grupo para os empregados da Empresa Municipal de Informática S.A - IplanRio, visando

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

EDITAL Nº 30, DE 15 DE AGOSTO DE 2014

EDITAL Nº 30, DE 15 DE AGOSTO DE 2014 EDITAL Nº 30, DE 15 DE AGOSTO DE 2014 A DIRETORA GERAL Pro-tempore DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL (IFRS) -, por intermédio da Coordenação de Extensão, no uso

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

PORTARIA Nº 130, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 130, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 130, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2012 Disciplina o controle de acesso de usuários e sistemas clientes ao Sistema Integrado de Planejamento e Orçamento SIOP. A SECRETÁRIA DE ORÇAMENTO FEDERAL, no uso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 Regulamenta o processo de implementação e avaliação da flexibilização para ajuste de jornada de trabalho

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 029/2013 11/08/2013

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 029/2013 11/08/2013 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 029/2013 11/08/2013 O SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial torna pública a realização de processo seletivo para provimento de vagas de Docentes

Leia mais

AGENDAMENTO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS (DA SMCC E DE TERCEIROS)

AGENDAMENTO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS (DA SMCC E DE TERCEIROS) FINALIDADE: Esta norma por finalidade normatizar a realização de eventos, tanto da própria SMCC (Diretoria ou Departamentos e Comitês Científicos da SMCC) quanto eventos de terceiros, realizados nas dependências

Leia mais

REVISÕES C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO. Rev. TE Descrição Por Ver. Apr. Aut. Data. 0 C Emissão inicial. DD MAC MAC RPT 30/03/12

REVISÕES C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO. Rev. TE Descrição Por Ver. Apr. Aut. Data. 0 C Emissão inicial. DD MAC MAC RPT 30/03/12 1/8 REVISÕES TE: TIPO EMISSÃO A - PRELIMINAR B - PARA APROVAÇÃO C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO E - PARA CONSTRUÇÃO F - CONFORME COMPRADO G - CONFORME CONSTRUÍDO H - CANCELADO Rev. TE Descrição

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL É proibida a reprodução total ou parcial deste documento por quaisquer meios

Leia mais

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO

OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO OUTUBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 06/2004 Muitas vezes ao longo das investigações de Tecnovigilância de acidentes relacionados com equipamentos médico-hospitalares, principalmente quando

Leia mais

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições:

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições: CONTRATO DE MÚTUO Prelo presente instrumento particular, [O Estudante, pessoa física proponente de empréstimo com determinadas características ( Proposta )], identificado e assinado no presente contrato

Leia mais

PORTARIA Nº 1.998, DE 22 DE ABRIL DE 2015.

PORTARIA Nº 1.998, DE 22 DE ABRIL DE 2015. PORTARIA Nº 1.998, DE 22 DE ABRIL DE 2015. Institui o macroprocesso da fase de Gestão de Contratos de Tecnologia da Informação e Comunicações no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. A

Leia mais