TÉCNICAS PARA MELHORIAS DE PROCESSOS: APLICANDO O JUST-IN-TIME (JIT) E A TROCA RÁPIDA DE FERRAMENTAS (TRF)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÉCNICAS PARA MELHORIAS DE PROCESSOS: APLICANDO O JUST-IN-TIME (JIT) E A TROCA RÁPIDA DE FERRAMENTAS (TRF)"

Transcrição

1 TÉCNICAS PARA MELHORIAS DE PROCESSOS: APLICANDO O JUST-IN-TIME (JIT) E A TROCA RÁPIDA DE FERRAMENTAS (TRF) DJEINI FRANCINE SILVEIRA RAFAELA RENSI REINALDO ROBERTO PEDRINI RESUMO: Iniciando com os estudos de Frederick Taylor, em 1911, passando pelas idéias de Shingo, em 1945 que revolucionaram os conceitos de troca de ferramentas e princípios do Just-in-time (JIT), no início da década de 70, as técnicas de administração da produção sobrevivem à passagem do tempo e mostram-se cada vez mais atuais, pois o foco que se busca aumento da produtividade e melhoria da qualidade é uma condição fundamental para a sobrevivência das organizações, especialmente em função do fenômeno da globalização, que envolve as empresas em um mercado altamente competitivo. Através de uma revisão de literatura, tendo como base os estudos de especialistas na área da Administração da Produção, serão abordadas as conceituações de JIT e Kanban, a troca rápida de ferramentas (TRF) e estudos de tempos. Estas técnicas visam à redução de desperdícios e de estoques, redução de tempos de processamento (set-up interno e externo) e eliminação de refugos. As empresas que não direcionarem seus esforços neste caminho estarão fadadas a simplesmente desaparecerem do mercado. PALAVRAS CHAVE: Just in-time. Kanban. Troca rápida de ferramenta. Produtividade. 1 INTRODUÇÃO A integração global dos mercados tem provocado uma verdadeira revolução nas economias dos países de todo o planeta, afetando diretamente as empresas, que buscam a qualquer custo a sua sobrevivência, impactada pela crise econômica iniciada no terceiro trimestre de 2008, que se configurou como a pior crise econômica desde a Grande Depressão da década de 30, de acordo com especialistas em Economia. Neste panorama as empresas se vêem em meio a uma concorrência cada vez mais acirrada, tendo de buscar todos os recursos possíveis para conseguirem se manter no mercado.

2 2 As palavras de ordem se tornam redução de custos, eliminação de desperdícios, redução de tempos de processos e diminuição de estoques. Tudo isso visando a incrementar a produtividade e buscar continuamente a melhoria da qualidade dos produtos. Sob este enfoque serão abordados, neste trabalho, algumas técnicas e conceitos que permitem otimizar os processos e obter os resultados anteriormente mencionados. O estudo de tempos será descrito com o intuito de servir de instrumento para os princípios da troca rápida de ferramentas (TRF). Os principais conceitos a serem objeto desta pesquisa são o Just-intime (JIT), Kanban, TRF e estudos de tempos. Serão apresentadas as suas definições e as sugestões dos autores especialistas da área quanto às suas implementações. Os exemplos práticos descritos pelos autores deverão servir de subsídio para implantação destas técnicas na realidade das empresas. Os empreendedores devem procurar assimilar os conceitos da Administração moderna para impulsionar o desenvolvimento de suas organizações. A metodologia a ser utilizada neste trabalho será a da pesquisa bibliográfica, através de livros e textos técnicos. O problema de pesquisa é: é possível através da aplicação das técnicas da TRF e do JIT, na empresa, conseguir redução de custos e melhoria da qualidade, aumentando a lucratividade da empresa? Este trabalho tem como objetivo geral analisar como a TRF e o JIT podem contribuir para a empresa conseguir reduções de tempos de processo, estoques, desperdícios, com isso aumentando a sua produtividade e os seus lucros. Como objetivos específicos tem-se: análise do JIT com sua definição e objetivos; análise do Kanban com seu conceito e princípio de funcionamento; análise da TRF, sendo histórico, conceito, estudo de set-up interno e externo, exemplos de redução de set-up, e forma de implementação da TRF; por último, estudo de tempos, apresentação dos equipamentos para estudo de tempos e etapas para determinação do tempo padrão de uma operação. 2 CONCEITO DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Para Maximiano (2004, p ) administração é um processo dinâmico de tomar decisões sobre a utilização de recursos para possibilitar a realização de objetivos. O autor apresenta ainda outra definição: administração é um processo dinâmico de tomar decisões e

3 3 realizar ações que compreende 5 processos principais interligados: planejamento, organização, liderança (e outros processos de gestão de pessoas), execução e controle. Neste tópico serão abordados alguns princípios e técnicas que evoluíram ao longo da história da Administração, propiciando ganhos significativos na qualidade e produtividade das organizações, sendo eles: a Administração Científica; o sistema de produção intermitente; o JIT e Kanban e; o sistema de TRF. 2.1 ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA Frederick Winston Taylor ( ), o fundador da Administração Científica nasceu nos Estados Unidos. Taylor publicou seu livro com os conceitos da Administração Científica em 1911, sob o título The Principles of Scientific Management (CHIAVENTATO, 2003). Frederick W.Taylor foi líder de um grupo que montou um conjunto de princípios e técnicas para tratar da eficiência, tendo promovido um movimento de administração científica. O objetivo era aumentar a eficiência da produção por meio da racionalização do trabalho, para evitar o desperdício e promover a prosperidade dos patrões e empregados (MAXIMINIANO, 2004). Taylor fez uso da cronometragem como uma forte ferramenta para elaboração dos seus estudos. Para colocar em prática o princípio dos métodos de pesquisa, Taylor fazia os estudos de tempos e movimentos. Taylor cronometrava os movimentos dos trabalhadores, dividindo-os nas tarefas que os compunham, chamando-as de unidades básicas de trabalho. Em seguida, analisava as unidades básicas de trabalho, procurando encontrar a melhor maneira de executá-las e de combiná-las para a tarefa maior. As tarefas que passavam por esse processo estavam taylorizadas (MAXIMIANO, 2004, p. 55). Maximiano (2004) também afirma que, através de um sistema de pagamento por peças produzidas, que fazia os rendimentos do trabalhador aumentar de acordo com seu esforço, Taylor obteve aumento expressivo na eficiência. Taylor via as técnicas da eficiência (por exemplo, a cronometragem dos movimentos dos trabalhadores) como formas de colocar em prática os princípios da administração científica, para ele uma revolução mental, uma grande transformação na maneira de encarar o trabalho e as responsabilidades em relação aos colegas e à empresa. 2.2 SISTEMAS DE PRODUÇÃO a) Sistema de produção contínua (fluxo em linha)

4 4 Moreira (1999, p. 11) afirma que os sistemas de produção contínua ou fluxo em linha apresentam uma sequência linear para se fazer o produto ou serviço; os produtos são bastante padronizados e fluem de um posto de trabalho a outro numa sequência prevista. O autor fala sobre balanceamento do produto: as diversas etapas do processamento devem ser balanceadas para que as mais lentas não retardem a velocidade do processo. Moreira (1999, p. 11) acrescenta que: Às vezes, os sistemas de fluxo em linha aparecem subdivididos em dois tipos: a) produção em massa, para linhas de montagem de produtos os mais variados possíveis; b) produção contínua propriamente dita, nome reservado nessa classificação para as chamadas indústrias de processo, como química, papel, aço, etc. Esses processos contínuos tendem a ser altamente automatizados e a produzir produtos com elevado grau de padronização, sendo qualquer diferenciação pouca ou nada permitida. b) Sistemas de Produção intermitente (fluxo intermitente) Moreira (1999, p. 11) relata que nesse caso, a produção é feita em lotes. Ao término da fabricação do lote de um produto, outros produtos tomam o seu lugar nas máquinas. O autor ainda cita que o produto original só voltará a ser feito depois de algum tempo, caracterizando-se assim uma produção intermitente de cada um dos produtos Moreira (1999, p. 11) complementa afirmando que: Quando os clientes apresentam seus próprios projetos de produto, devendo a empresa fabricá-lo seguindo essas especificações, temos a chamada produção intermitente por encomenda. No sistema de produção intermitente, a mão-de-obra e os equipamentos são tradicionalmente organizados em centros de trabalho por tipo de habilidades, operação ou equipamento. 2.3 JUST-IN-TIME (JIT) Quando se fala em sistema de produção com fluxo intermitente, um dos conceitos mais importantes e mais lembrados é o do JIT. O JIT surgiu no Japão, em meados da década de 70, segundo Corrêa, Gianesini e Caon (2001, p. 362). Os autores comentam que sua idéia básica e seu desenvolvimento são creditados à Toyota, que buscava um sistema de administração que pudesse coordenar, precisamente, a produção com a demanda específica de diferentes modelos e cores de veículos com o mínimo atraso. Corrêa, Gianesini e Caon (2001) relatam que o JIT representa muito mais do que uma técnica ou um conjunto de técnicas de administração da produção; é considerado como uma completa filosofia que inclui aspectos de administração de materiais, gestão da qualidade,

5 5 arranjo físico, projeto do produto, organização do trabalho e gestão de recursos humanos, entre outros. Corrêa, Gianesini e Caon (2001, p. 362) explicam o JIT: O sistema de puxar a produção, a partir da demanda, produzindo em cada estágio somente os itens necessários, nas quantidades necessárias e no momento necessário, ficou conhecido no Ocidente como sistema Kanban, que é o nome dado aos cartões utilizados para autorizar a produção e a movimentação de itens, ao longo do processo produtivo... [...]... Algumas expressões são utilizadas para traduzir aspectos da filosofia Just-in-time: a) produção sem estoque; b) eliminação de desperdícios; c) manufatura de fluxo contínuo; d) esforço contínuo na resolução de problemas. Russomano (2000, p. 290) fala que o sistema KANBAN é o sistema de movimentação de ordens de fabricação e materiais do Sistema JIT de Produção, executado através do uso de cartões pré-impressos. Este sistema consiste da utilização de dois cartões Kanban, um deles denominado Kanban de produção e o outro Kanban de transporte. O primeiro dispara a produção de um lote (geralmente pequeno e próximo à unidade) de peças de determinado tipo, em determinado centro de produção da fábrica. O segundo autoriza a movimentação do material pela fábrica, do centro de produção que gera determinado componente para o centro de produção que o consome em seu estágio de processo (CORREIA et al., 2001, p. 376) Funcionamento do sistema Kanban O Kanban é um sistema de controle físico que consiste em contêineres e cartões. Por exemplo, sete contêineres são usados entre os postos A e B (A fornece para B), e cada contêiner têm capacidade para 30 peças. O estoque máximo que pode existir entre os dois postos é 210 unidades (7 x 30). Para controlar o movimento dos contêineres há dois tipos principais de cartões Kanban: cartões de produção (CP) e cartões de movimentação (CM) ou transporte. Esses cartões são utilizados para autorizar a produção e identificar as peças em qualquer contêiner. Os cartões Kanban podem ser de papel, metal ou de plástico. No curso normal dos acontecimentos, os sete contêineres irão circular como demonstrado na figura 1, ou seja: O operador em B vê um contêiner vazio e pega seu CM. Dirige-se à expedição do posto A com o contêiner vazio e o respectivo CM. Na expedição de A, deixa o contêiner vazio, retira o CM, pega um contêiner cheio e coloca nele o CM que está em sua mão. O contêiner cheio que acabou de pegar contém um CP, o qual é retirado e colocado em um quadro, indicando ao operador do posto A que ele pode encher outro contêiner.

6 6 O operador do posto B leva o contêiner cheio para o seu posto de trabalho, encerrando-se o ciclo (MARTINS e LAUGENI, 1998). Figura 1: Exemplo de funcionamento do sistema Kanban na produção Fonte: Martins e Laugeni, Troca rápida de ferramentas (TRF) A TRF foi um sistema idealizado por Shigeo Shingo no qual o tempo de preparação de máquinas deve ser completado em, no máximo, nove minutos e 59 segundos. Neste tópico serão abordados o histórico da TRF, a implementação deste sistema e alguns conceitos fundamentais com relação à troca de ferramentas Histórico Shingo (2000) relata que, em 1950, conduziu um estudo para melhoria da eficiência em uma fábrica da Mazda da Toyo Kogyo, em Hiroshima, que fabricava veículos de 3 rodas. Havia um gargalo ocasionado por grandes prensas de estampagem de corpo-prensas, de 350, 750 e 800 toneladas. Ao efetuar uma inspeção in loco solicitou, ao chefe da produção para que realizasse uma análise de uma semana com cronômetro para observar o que as prensas realizavam. Recebeu a resposta de que seria perda de tempo, pois o chefe já sabia que as prensas eram a causa do gargalo, sendo que havia providenciado que seus empregados mais habilidosos e conscientes trabalhassem nelas. Os três equipamentos trabalhavam 24h/dia e ele pensava que a única maneira de aumentar a produtividade seria com a aquisição de mais máquinas, e esperava que a alta gerência deliberasse por isso. Shingo (2000) menciona que pediu para fazer a análise e, que, não houvesse maneira de eliminar os gargalos, então aconselharia a gerência a comprar as prensas. No terceiro dia, ocorreu uma troca de matrizes na prensa de 800 toneladas. Os trabalhadores retiraram a matriz antiga e, a seguir, começaram a correr pelo lugar todo. Questionado, o operador disse que não encontrava um dos parafusos de montagem da nova matriz. Após sair em busca deste

7 7 material, voltou somente após uma hora. Retornou com o parafuso, porém era um mais comprido retirado de outra máquina tendo sido cortado e efetuada nova rosca. Shingo questionou o operador sobre o que iria ocorrer com a outra prensa no momento do seu set-up, sem o devido parafuso da matriz. Shingo (2000) apresenta os conceitos de set-up interno e externo: set-up interno (TPI Tempo de Preparação Interno), como por exemplo, a montagem ou remoção das matrizes, que podem ser realizada somente quando a máquina estiver parada. set-up externo (TPE Tempo de Preparação Externo), tais o transporte das matrizes novas para a máquina ou daquelas já utilizadas para o almoxarifado ou o transporte das novas para a máquina, operações que podem ser realizadas com a máquina em movimento. Shingo (2000, p. 44) cita que a preparação dos parafusos era uma operação externa. Era inadmissível parar a operação de uma prensa de 800 toneladas pela falta de um parafuso. O autor fala sobre a correção: tudo que tivemos de fazer foi estabelecer um procedimento para o set-up externo: verificar se os parafusos necessários estavam prontos para o próximo set-up. Shingo (2000) relata que foi estabelecido um processo de seleção cuidadosa, sendo separados os parafusos necessários em caixas específicas. Houve também melhoria no procedimento geral de todas as atividades ligadas ao set-up externo, o que aumentou a eficiência em 50%, tendo desaparecido o gargalo naquela prensa. Shingo (2000, p. 44) afirma que desde aquele episódio, estabeleci uma política de separar claramente o set-up interno do externo. Assim, a recém-nascida TRF deu seus primeiros passos na Toyo Kyogo Implementação da TRF a) Separando set-up interno e externo Shingo (2000, p. 50) relata que o passo mais importante na implementação da TRF é distinguir entre set-up interno e externo. O autor explica como isto é possível: Todos concordam que atividades como a preparação de componentes, a manutenção e assim por diante, não devem ser realizados quando a máquina estiver parada. Se for feito um esforço científico para realizar o máximo possível da operação de set-up como set-up externo, então, o tempo necessário para o interno realizado enquanto a máquina está desligada pode ser reduzido de 30% a 50%. Controlar a separação entre set-up interno e externo é, por isto, o passaporte para atingir a TRF. b) Convertendo set-up interno em externo

8 8 Shingo (2000) menciona que a segunda etapa converter set-up interno em externo envolve duas noções muito importantes: Reexaminar as operações para verificar se algum passo foi considerado, de forma errônea, como set-up interno; Buscar meios para converter este set-up interno em externo. c) Racionalizando todos os aspectos da operação de set-up Shingo (2000, p. 50) afirma que embora a faixa abaixo de 10 minutos possa ser atingida, ocasionalmente, pela conversão de set-up interno em externo, isto não é verdade para a maioria dos casos. O autor diz que temos que realizar esforços concentrados na racionalização de cada elemento da operação de set-up interno e externo. Por isso, este estágio necessita de uma análise detalhada de cada elemento da operação. Shingo (2000) relata dois exemplos de aplicações bem sucedidas: Na Toyota Motor Company, o tempo de set-up interno de um equipamento utilizado na fabricação e parafusos que anteriormente era de oito horas foi reduzido para cinquenta e oito segundos. Na Mitsubishi Heavy Industries, o tempo de set-up interno de uma máquina mandriladora de seis eixos que anteriormente era de 24 horas foi diminuído para dois minutos e 40 segundos. Shigeo Shingo descreve as melhorias de set-up baseadas no exemplo do Sistema Toyota de Produção: Shingo (2000) afirma que a produção JIT é um dos pilares do Sistema Toyota de Produção. Quando aplicado a um processo produtivo o JIT, basicamente, significa produzir somente os itens necessários, na quantidade necessária e ao menor custo possível. Obtém-se esta condição com um mínimo de estoques em processo, com os processos de produção em sincronismo e em fluxo contínuo. Shingo (2000, p. 15) menciona ainda que tratar a produção de alta diversidade e baixo volume com a abordagem JIT, a empresa deve abandonar os grandes lotes em favor de lotes menores, ao mesmo tempo em que nivela a produção. O autor apresenta na figura 2 uma relação entre as trocas de set-up e abordagem do JIT. Shingo (2000, p. 153) afirma que uma troca de ferramentas que demorava de duas horas foi reduzida para menos de 10 minutos em 1973, e menos de um minuto em O autor descreve que a TRF teve um sucesso impressionante ao viabilizar o manejo de um grande número e uma grande diversidade de produtos com o maquinário existente.

9 9 Figura 2: Trocas de set-up e a abordagem JIT. Fonte: Shingo, Conceitos fundamentais com relação à troca de ferramentas Shingo (2000, p. 153) relata que é importante estimular a necessidade de reduzir tempos de troca da set-up. Uma das maneiras é apresentada pelo autor quando cita que os ajustes e as corridas de teste somam normalmente 50% do tempo de set-up. Eliminá-los, portanto, sempre levará a um enorme ganho de tempo (SHINGO, 2000, p. 79, grifo nosso). Shingo (2000) menciona que uma das técnicas utilizadas pela Toyota é o sistema Kanban. O Sistema Toyota de Produção faz uso prático do Kanban, cartões indicadores ou sinais que, além de prevenir a superprodução e fornecer informações sobre produção e transações, também atuam como ferramentas para melhoria da sistematização da produção. Para funcionar dessa forma, o Kanban deve ser localizado de modo a que qualquer um possa ver a sequência, a quantidade, e o tempo de trabalho a ser feito. Shingo (2000) explica que a abordagem básica para a diminuição dos tempos de setup inclui vários pontos-chave: a) Deve-se ter a convicção de que são possíveis set-ups de ferramentas extremamente rápidos. Podem-se conseguir drásticas reduções iniciando com o pensamento de que uma troca de ferramenta é simplesmente uma questão de remover uma matriz e fixar outra. b) Há estágios naturais na redução do set-up, como mostra a figura 3. c) Os operadores das máquinas também devem participar das trocas de set-up, possibilitando, assim, que eles também possam sugerir melhorias. d) Os ajustes de posicionamento e centragem devem ser eliminados. As peças devem ser centralizadas por contato e as posições fixadas quando os componentes são unidos.

10 10 Ajustes dependem da sorte ou do torque certo; pessoas diferentes tendem a fazer ajustes diferentes e até para mesma pessoa pode variar o tempo, dependendo da ocasião. e) Devem ser utilizados grampos funcionais. Se for inevitável a utilização de parafusos, devem ser girados no máximo uma volta. Fixações feitas com sistema de rosquear devem ser trocadas por pinos, cames, rasgos rabo-de-andorinha, cunhas e assemelhados. f) Deve-se interligar os movimentos, a fim de facilitar o procedimento de troca de matrizes mais simples, conforme figura 4. g) Gabaritos intermediários devem ser utilizados. Na troca de bedames, por exemplo, ao invés de fazer a fixação direta no cabeçote, pode-se usar suporte (ou seja, gabaritos intermediários). h) Operações em paralelo devem ser conduzidas. Embora o número total de horas/homem de set-up possa ficar igual às operações de set-up são reduzidas em mais da metade, quando ao invés de um, utilizam-se dois operadores, especialmente em processo demorados ou quando os equipamentos são grandes. i) As trocas de set-up devem possibilitar a fabricação de produtos perfeitos desde o início do processo. Não há sentido em acelerar uma operação de set-up sem ter a noção de quantos produtos de qualidade serão fabricados. j) As trocas de set-up sequenciais devem ser feitas quando há muitos processos envolvidos (tabela 1). Figura 3: Estágios na redução do tempo de set-up Fonte: Shingo, k) A troca de set-up ideal é a troca zero, ou seja, não executar nenhuma troca, entretanto, enquanto se fizerem necessárias deve acontecer com um movimento de um toque.

11 11 Figura 4: Simplificando a troca de matriz Fonte: Shingo, Tabela 1 Sequência de troca de set-up: exemplo de troca de A para B para um produto de quatro processos. Processos N o 1 N o 2 N o 3 N o 4 A A A A Troca de set-up n o 1 Troca de set-up A A A Troca de set-up n o 2 B Troca de set-up A A Troca de set-up n o 3 B B Troca de set-up A Troca de set-up n o 4 B B B Troca de set-up B B B B Fonte: Shingo, ESTUDOS DE TEMPOS O estudo de tempos será objeto de estudo nesta pesquisa devido à sua importância na aplicação dos conceitos anteriormente mencionados como JIT e, especialmente, como ferramenta fundamental para medições dos tempos de trocas rápidas de ferramentas, através da utilização da cronometragem. Aqui neste tópico será também efetuada uma descrição dos equipamentos utilizados para o estudo de tempos, finalizando com as etapas para a determinação do tempo padrão de uma operação. Martins e Laugeni (2006, p. 84) afirmam com relação ao estudo de tempos que as medidas de tempos padrões de produção são dados importantes para:

12 12 a) Estabelecer padrões para os programas de produção, com o intuito de: possibilitar o planejamento da fábrica, utilizando com eficácia os recursos disponíveis; avaliar o desempenho da produção em relação aos padrões existentes; b)fornecer parâmetros para o estudo de balanceamento de estruturas de produção, avaliar o planejamento da capacidade e comparar roteiros de fabricação; c) Fornecer os dados para a determinação dos custos padrões 1, para levantamento de custos de fabricação, estimativa do custo de um produto novo e elaboração de orçamento (ou budgets 2 ). A cronometragem é, ainda, um dos métodos mais empregados na indústria para medir a eficiência no trabalho. Apesar de o mundo ter sofrido consideráveis modificações desde a época em que Taylor estruturou a Administração Científica e o estudo de tempos cronometrados, objetivando medir a eficiência individual, essa metodologia continua sendo muito utilizada para que sejam estabelecidos padrões para a produção e para os custos industriais (MARTINS; LAUGENI, 2006, p. 84) Equipamentos utilizados para o estudo de tempos Martins e Laugeni (2006) mencionam que os principais equipamentos utilizados para o estudo de tempos são: Cronômetro de hora centesimal: é o cronômetro mais utilizado, uma volta do ponteiro maior corresponde a 1/100 de hora, ou 36 segundos. No entanto, pode-se usar outros tipos de cronômetros, inclusive os comuns. Filmadora: este é um equipamento auxiliar que tem a vantagem de registrar fielmente todos os diversos movimentos realizados pelo operador. Ajuda na verificação da velocidade com que a operação foi realizada e permite ao analista do trabalho verificar se o método do trabalho foi integralmente respeitado pelo operador; Folha de observações: a fim de que os tempos e as demais informações relativas à operação cronometrada possam ser adequadamente registradas; Prancheta para observações: é utilizada para se apoiar nela o cronômetro e a folha de observações Etapas para a determinação do tempo padrão de uma operação Martins e Laugeni (2006) dizem que o primeiro passo é a divisão da operação em etapas. A seguir realiza-se cronometragem preliminar para obter os dados necessários à determinação do número necessário de cronometragens ou ciclos. Com as cronometragens, define-se o tempo médio (TM), devendo ser levado em consideração o fator de ritmo ou 1 Significa o custo estimado de uma unidade de acordo com os dados levantados na produção. O tempo padrão é um dos dados mais importantes para determinar este valor. 2 Termo em inglês para um projeção de custos considerando um objetivo determinado.

13 13 velocidade da operação, tempo normal (TN), tolerância para fadiga e necessidades pessoais. Após isso, determina-se o tempo padrão da operação. a) Divisão da operação em elementos b) Determinação do número de ciclos a serem cronometrados Martins e Laugeni (2006, p. 85) dizem que, na prática, para determinar o padrão de uma peça ou operação, devem ser realizadas entre 10 a 20 cronometragens. Contudo a maneira mais correta está expressa na fórmula: n = ( z x R / E x d 2 x X) 2 n = número de ciclos a serem cronometrados / z = coeficiente da distribuição normal padrão para uma probabilidade determinada / R = amplitude da amostra / d 2 = coeficiente em função do número de cronometragens realizadas preliminarmente / X= média da amostra. Martins e Laugeni (2006), orientam, para uso da expressão: a) cronometrar a operação entre cinco e sete vezes, retirando-se dos resultados obtidos a amplitude R e a média X; b) fixar os valores do erro relativo e da probabilidade desejados (na prática, costumam-se utilizar erros relativos variando entre 5% e 10% e probabilidades entre 90% e 95%). Tabela de coeficientes Tabela 2: Distribuição normal. Probabilidade (%) Z 1,65 1,70 1,75 1,81 1,88 1,96 Fonte: Laugeni e Martins, Tabela 3: Coeficiente para calcular o número de cronometragens. N d 2 1,128 1,693 2,059 2,326 2,534 2,704 2,847 2,970 3,078 Fonte: Laugeni e Martins, Martins e Laugeni (2006) explicam como fazer a avaliação da velocidade do operador: é determinada subjetivamente por parte do cronometrista. À velocidade normal de operação é atribuído um valor 100 (ou 100%). Já quanto à tolerância para atendimento às necessidades pessoais orientam: geralmente considera-se suficiente um tempo entre 10 minutos a 25 minutos (5% aproximadamente) por dia de trabalho de 8 horas. Com relação à tolerância para alívio da fadiga sugerem : geralmente adota-se um valor variando entre 15% e 20% do tempo (fator de tolerância entre 1,15 e 1,20). Na prática, costuma-se adotar FT = 1,10 e 1,20 para trabalhos em unidades industriais com boas condições ambientais e trabalhos com nível de fadiga intermediário. Para trabalhos em escritórios, adota-se FT = 1,05. c) Determinação do tempo padrão

14 14 Para Martins e Laugeni (2006), após obtidas as n cronometragens válidas, deve-se: calcular a média das n cronometragens, obtendo-se o tempo cronometrado (TC), ou tempo médio (TM); calcular o tempo normal (TN): TN = TC x V; calcular o tempo padrão (TP): TP = TN x FT Os autores apresentam um exemplo: uma operação de furação de chapa foi cronometrada 10 vezes, resultando em tempo médio por ciclo de 4,5 segundos. O cronometrista avaliou a velocidade do operador em 95% e foi atribuída á tarefa um fator de tolerâncias (para fadiga e pessoais) de 18%. TC = tempo cronometrado = 4,5s TN = tempo normal = TM x V = 4,5 x 0,95 = 4,28s TP = tempo padrão = TN x FT = 4,28 x (1 + 0,18) = 5,05s 3 ANÁLISE DE RESULTADOS Sob a ótica da cultura ocidental, por vezes, é difícil perceber a dimensão e a extensão da redução de tempos de processos conseguidos pelas técnicas desenvolvidas a partir de autores japoneses, especialistas nos sistemas de gestão da produção. Na obra de Shigeo Shingo, na Apresentação da Edição Brasileira, José Antônio Valle Antunes Júnior e Gustavo Kannenberg falam que à medida que os resultados da TRF começaram a se tornar em uma realidade prática em muitas empresas japonesas e ocidentais, foram desenvolvidas técnicas que lhes permitiram preparar máquinas em tempos inferiores a um minuto. São números que impressionam, quando analisados dentro de um contexto de um turno normal de trabalho de 8 horas. Os conceitos de JIT e Kanban já vêm sendo estudado há longo tempo, conforme mencionado nesta pesquisa, porém as suas técnicas jamais deixarão de ser atuais, pois as metas de redução de estoques, de desperdícios e aumento da produtividade -entre outras - estarão na pauta das prioridades de qualquer empresa. As citações das obras de Martins e Laugeni; Corrêa, Gianesini e Caon; Russomano; devem servir de subsídio para as ações dos administradores em suas organizações, pois, sob o efeito da globalização não há outra saída, a não ser buscar continuamente essas melhorias. De igual ou maior importância se revelam os ensinamentos de Shingo sobre TRF, que representam importantes contribuições para aplicação na realidade das organizações, visando grandes ganhos de produtividade, através dos estudos para redução de set-up. Os poucos

15 15 exemplos mencionados nesta pesquisa já dão a dimensão da redução de tempos possível com a aplicação de suas técnicas. O objetivo geral proposto no início do artigo foi alcançado, pois o estudo do JIT e da TRF mostra, como já mencionado, que é possível reduzir tempos de processos, estoques e desperdícios, permitindo à organização aumentar sua produtividade e seus lucros. Os objetivos específicos também foram atingidos, pois foi realizada uma análise do JIT, sua definição e objetivos; análise do Kanban, seu conceito e funcionamento; análise da TRF, seu histórico, conceito, estudo de set-up interno e externo, exemplos de redução de setup, e forma de implementação da TRF. Finalizando, foi realizado estudo sobre tempos, equipamentos para estudo de tempos e etapas para determinação do tempo padrão de uma tarefa. 4 CONCLUSÃO É inegável a necessidade de os empreendedores buscarem sempre o foco nas mudanças, sob o risco de suas empresas desaparecerem do mercado. Os empresários não podem simplesmente agir como o sapo na metáfora do sapo fervido, que vai sendo esquentado na panela com água fervente, e aos poucos acaba morrendo, sem perceber. O conhecimento dos sistemas de administração da produção que sejam referência é fundamental para empregadores e empregados. A atualização constante dos métodos de administração empregados no sistema produtivo é que vai possibilitar a sobrevivência da empresa. A aplicação de conceitos e princípios como os apresentados nesta pesquisa entre eles o JIT, Kanban e a TRF deve possibilitar redução dos custos, melhoria da qualidade e aumento dos lucros, permitindo também uma maior satisfação dos clientes, que são um dos motivos principais da existência de uma organização, seja ela voltada para produtos ou serviços. Os temas foram pesquisados de forma superficial neste trabalho. Cabe uma leitura e uma análise mais profunda sobre as várias técnicas anteriormente mencionadas. Quanto ao JIT, podem ser estudados sua forma de implantação e exemplos de empresas que tiveram sucesso com sua aplicação. Já quanto a TRF, alguns tópicos podem ser mais esmiuçados, como a questão dos ajustes e corridas de teste (item ), mais exemplos práticos de empresas que os implantaram, qual a maneira e os resultados alcançados. Assim torna-se mais fácil e viável a implementação destas técnicas nas empresas nacionais, em seus vários ramos de atividade, visando melhorias de seus indicadores de

16 16 produção e financeiros. Só assim as organizações poderão enfrentar a grande competitividade, fruto de uma economia globalizada, onde só os melhores sobrevivem. REFERÊNCIAS CHIVENATO, Idalberto. Introdução a teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações. 7ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, CORRÊA, Henrique L.; GIANESINI, Irineu G. N.; CAON, Mauro. Planejamento, Programação e Controle da Produção: MRP II/ERP: conceitos, uso e implantação. 4. ed. São Paulo: Atlas, GIL, Antonio Carlos. Técnicas de pesquisa em economia e elaboração de monografias. 4 a ed. São Paulo: Atlas, MARTINS, Petrônio G.; LAUGENI, Fernando P. Administração da Produção. São Paulo: Saraiva, Administração da Produção. 2. ed. São Paulo: Saraiva, MAXIMIANO, Antonio César Amaru. Teoria geral da administração: da revolução urbana á revolução industrial. 4ª ed. São Paulo: Atlas, MOREIRA, Daniel Augusto. Introdução à administração de produção e operações. São Paulo: Enio Matheus Guazzelli & Cia Ltda, 1999 RUSSOMANO, Victor Henrique. Planejamento e Controle da Produção. 6. ed. ver. São Paulo: Pioneira, SHINGO, Shigeo. Sistema de troca rápida de ferramenta: uma revolução nos sistemas produtivos. Porto Alegre: Bookman, 2000.

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Jonas Alves de Paiva (UFPB) jonas@ct.ufpb.br Thiago Miranda de Vasconcelos

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time.

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Fiorella Del Bianco Tema O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Objetivo Apresentar a aplicação de uma técnica simples e altamente eficaz para auxiliar na implementação

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO DE PALMITO: UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE LIMPEZA DO RECIPIENTE DO PALMITO

UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO DE PALMITO: UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE LIMPEZA DO RECIPIENTE DO PALMITO UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO DE PALMITO: UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE LIMPEZA DO RECIPIENTE DO PALMITO Jeferson Martins Araújo (araujojeferson.jm@gmail.com/ UFPA Campus de Abaetetuba) Marcel

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

PORQUÊ? O tempo de preparação de equipamentos e dispositivos periféricos do posto de trabalho é uma operação sem valor acrescentado para o produto.

PORQUÊ? O tempo de preparação de equipamentos e dispositivos periféricos do posto de trabalho é uma operação sem valor acrescentado para o produto. Contribuir para a redução do tempo de preparação do sistema produtivo para a execução de um dado lote Aumentar a produtividade e a agilidade da resposta ao mercado PORQUÊ? O tempo de preparação de equipamentos

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Administração Geral Disciplina Gestão de Operações Código Semestre 5º Carga Horária Semestral: 80 horas Semanal: 4 horas

PLANO DE ENSINO. Administração Geral Disciplina Gestão de Operações Código Semestre 5º Carga Horária Semestral: 80 horas Semanal: 4 horas PLANO DE ENSINO I. Dados Identificadores Curso Administração Geral Disciplina Gestão de Operações Código Semestre 5º Carga Horária Semestral: 80 horas Semanal: 4 horas II. Objetivos 1. Objetivo Geral Propiciar

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFEREN SOB ENCOMENDA S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O CONTÍNUA IN TER MI TEN TE IN TER Página 2 de 17 SISTEMAS FATORES AS PRINCIPAIS DIVISÕES

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão da Produção Industrial 4ª Série Gerenciamento da Produção A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

TPM Planejamento, organização, administração

TPM Planejamento, organização, administração TPM Planejamento, organização, administração A UU L AL A Durante muito tempo as indústrias funcionaram com o sistema de manutenção corretiva. Com isso, ocorriam desperdícios, retrabalhos, perda de tempo

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

Gestão de Operações IV

Gestão de Operações IV Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária Departamento de Administração Gestão de Operações IV (Módulo 2) Prof. Marcio Cardoso Machado

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

Exercícios de Gestão de Operações IV

Exercícios de Gestão de Operações IV 1 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária Departamento de Administração Exercícios de Gestão de Operações IV 1. Em um estudo de tempos

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Figura 1 Nível de maturidade em gerenciamento de projetos PMI. Fonte: Estudo de Benchmarking do PMI (2013)

Figura 1 Nível de maturidade em gerenciamento de projetos PMI. Fonte: Estudo de Benchmarking do PMI (2013) A elevação da maturidade das organizações em gerenciamento de projetos tem sido muito vagarosa, pois como demonstra a figura 1, 82% das empresas respondentes ao Estudo de Benchmarking do PMI (2013) estão

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

ESTOQUE ZERO MITO OU REALIDADE PARA A SITUAÇÃO BRASILEIRA?

ESTOQUE ZERO MITO OU REALIDADE PARA A SITUAÇÃO BRASILEIRA? ESTOQUE ZERO MITO OU REALIDADE PARA A SITUAÇÃO BRASILEIRA? Claudia Carrano Almeida davidv@fatecnet.ufsm.br David V. de Oliveira davidv@fatecnet.ufsm.br Helga H. S. Perlin helgaperlin@zipmail.com.br Ramaswami

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações KANBAN Kanban A Simplicidade no Controle das Operações Desmistificando JIT e Kanban; O Problema dos altos estoques; O Sistema MRP Os desperdícios 1 2 Just in Time Desperdícios A Filosofia Just in Time

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

Logística Lean para a Eliminação do Warehouse

Logística Lean para a Eliminação do Warehouse Logística Lean para a Eliminação do Warehouse Nelson Eiji Takeuchi Uma cadeia logística convencional é composta por logística inbound, logística outbound, warehouse e movimentação interna. Fala-se que

Leia mais

Kanban na Fábrica de Software

Kanban na Fábrica de Software Kanban na Fábrica de Software Casimiro Beleze (UEM) casimirobeleze@hotmail.com Lafaiete H. R. Leme (UEM) lafaiete@din.uem.br Resumo: Este trabalho apresenta um enfoque diferenciado para o gerenciamento

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 22º Encontro - 11/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CAPACIDADE E TURNOS DE TRABALHO. 02 Introdução

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

CONCURSO PETROBRAS DRAFT. Planejamento da Produção e Sistemas de Produção. Questões Resolvidas. Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.

CONCURSO PETROBRAS DRAFT. Planejamento da Produção e Sistemas de Produção. Questões Resolvidas. Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com. CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE PRODUÇÃO JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: PRODUÇÃO Planejamento da Produção e Sistemas de Produção Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

O novo sistema de movimentação de materiais da Toyota mostra a flexibilidade do TPS

O novo sistema de movimentação de materiais da Toyota mostra a flexibilidade do TPS O novo sistema de movimentação de materiais da Toyota mostra a flexibilidade do TPS Tradução: Diogo Kosaka A Toyota introduziu um novo sistema de manuseio de material baseado em kits para reduzir a complexidade

Leia mais

MRP COMO FERRAMENTA DE CONTROLE E PLANEJAMENTO

MRP COMO FERRAMENTA DE CONTROLE E PLANEJAMENTO MRP COMO FERRAMENTA DE CONTROLE E PLANEJAMENTO Augusto Cesar Giampietro, Unisalesiano de Lins, e-mail: guto.mkt@gmail.com Bruno Bodoia, Unisalesiano de Lins, e-mail: bruno.bodoia@bertin.com.br Carlos Silva,

Leia mais

XVII Semana do Administrador do Sudoeste da Bahia ISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas

XVII Semana do Administrador do Sudoeste da Bahia ISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas XVII Semana do Administrador do Sudoeste da Bahia ISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas Aplicabilidade do Planejamento Estratégico na Coopercicli - Cooperativa de

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Planejamento da produção

Planejamento da produção Planejamento da produção Capítulo 3, parte B Sumário Capacidade de produção Elaboração do plano de produção Just-in-time Capacidade de produção O que é capacidade de produção? Capacidade de produção O

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque:

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque: ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS A logística e a administração de materiais Logística é uma operação integrada para cuidar de suprimentos e distribuição de produtos de forma racionalizada, o que significa planejar,

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

Administração da Produção I

Administração da Produção I Administração da Produção I Manutenção Manutenção Manutenção: Termo usado para abordar a forma pela qual organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. É uma parte importante

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS

PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS Resumo Thomas Henrique Gris(G UEM) Flávia Urgnani (G-UEM) Hevilla Juliane Alto É(G-UEM) José Braz Hercos Jr(UEM) O estudo de

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Planejamento logístico,

Planejamento logístico, gestão empresarial - Gerenciamento de Ferramentas Planejamento logístico, ótimo caminho para a redução de custos AB Sandvik Coromant Fundamental para a redução dos custos de estoque e de produção, processo

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

Maurus Joenk Diretor / Consultor Técnico QUALIDADE COM PRODUTIVIDADE

Maurus Joenk Diretor / Consultor Técnico QUALIDADE COM PRODUTIVIDADE Maurus Joenk Diretor / Consultor Técnico QUALIDADE COM PRODUTIVIDADE QUALIDADE COM PRODUTIVIDADE A ARTPOL Assessoria, Consultoria e Treinamento Empresarial Ltda, atua em empresas transformadoras de plásticos

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA 2013 15 anos CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA Ministrante: Sidnei Lopes Dias Realização: Gênesis Assessoria Empresarial CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA INDÚSTRIA CALÇADISTA DE FRANCA (PPCP) : estudo de caso em Tempos e Métodos

PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA INDÚSTRIA CALÇADISTA DE FRANCA (PPCP) : estudo de caso em Tempos e Métodos 177 PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA INDÚSTRIA CALÇADISTA DE FRANCA (PPCP) : estudo de caso em Tempos e Métodos Dimas Fabiano Bertholdi 1 (Uni-FACEF) Profº. Ms. Antonio Soares Cervila

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Exercicios Produção e Logistica

Exercicios Produção e Logistica 1 PROVA: 1998 PARTE I: QUESTÕES OBJETIVAS 7 Uma empresa fabrica e vende um produto por R$ 100,00 a unidade. O Departamento de Marketing da empresa trabalha com a Equação da Demanda apresentada abaixo,

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

Otimização de abastecimento de pedidos

Otimização de abastecimento de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos Quando passar da separação com papel para zero papel automação 1 Otimização que de traz abastecimento resultados de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO 1.1. INTRODUÇÃO Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Estas alterações são conseqüências de: a) aumento, bastante rápido,

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS Introdução Nos últimos seis anos, tem ocorrido no Brasil uma verdadeira revolução na área de gestão empresarial. Praticamente, todas as grandes

Leia mais

O que se espera de um sistema de administração da produção?

O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? Segundo Corrêa (2001), independente da lógica que utilize, os sistemas da administração

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais