Prezado Associado, Bom proveito! João Claudio Robusti Presidente do SindusCon-SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prezado Associado, Bom proveito! João Claudio Robusti Presidente do SindusCon-SP"

Transcrição

1 1

2

3 Prezado Associado, É com grande satisfação que o SindusCon-SP presta mais um serviço às suas empresas associadas, com a edição deste Manual de Orientação do SuperSimples. A inclusão das micro e pequenas empresas da construção civil no regime tributário do Simples Nacional, também conhecido como SuperSimples, é uma conquista do setor, pela qual o SindusCon-SP batalhou durante anos. Excluída dos setores que podiam se beneficiar do Simples, a construção civil obteve este direito mediante um trabalho sistemático de convencimento do Executivo e do Legislativo, no qual o SindusCon-SP teve um papel preponderante. Este manual não teria sido possível sem a contribuição decisiva das empresas associadas integrantes do Grupo Tributário do SindusCon-SP, a quem agradecemos. A publicação orienta as empresas sobre a vigência, a partir de julho de 2007, dos efeitos da Lei Complementar 123, que instituiu o regime tributário do Simples Nacional. A publicação traz a definição da receita bruta contida na legislação, para efeito de enquadramento da pessoa jurídica como microempresa ou empresa de pequeno porte; esclarece os diversos requisitos para esse enquadramento; e explica as exigências para a inscrição e a baixa. O manual também lista os benefícios tributários e procedimentos previstos, a simplificação e dispensa do cumprimento de algumas obrigações trabalhistas, as obrigações acessórias e a forma de recolhimento da tributação. Bom proveito! João Claudio Robusti Presidente do SindusCon-SP

4

5 O SINDUSCON-SP Em setembro de 1934, Roberto Simonsen, Mario Freire e Arthur Rangel Chistoffel uniram-se para a realização de um importante projeto: Criar uma instituição forte, unindo empresários na luta pelo desenvolvimento econômico e pelo crescimento do setor da construção civil. Surgia o SindusCon-SP, Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo, que se tornou o maior sindicato patronal da construção civil da América Latina. Hoje, o SindusCon-SP conta com uma sede no município de São Paulo, nove regionais e uma delegacia, distribuídas em pontos estratégicos no Estado. Para atender as necessidades das empresas associadas, o SindusCon- SP criou áreas de atuação divididas em setores de serviços: Área Produção e Mercado - setores: Obras Públicas, Habitação Popular e Imobiliário Área Jurídica - setores: Jurídico e Conselho Jurídico Área Estratégia e Produtividade - setores: Relações Internacionais e Projetos Especiais, Desenvolvimento Comitê de Tecnologia e Qualidade do SindusCon-SP - CTQ, Comitê de Meio Ambiente do SindusCon-SP - COMASP, Relações Capital-Trabalho (Segurança do Trabalho e Relações Trabalhistas) e Economia. Área Apoio Institucional - setores: Centro de Atenção ao Associado (CAA), Treinamento, Eventos, Publicações e Central de Seguros Com todas estas áreas e setores atuando em favor do setor, é fácil entender porque o SindusCon-SP, há mais de 70 anos, é o representante legítimo das empresas da indústria da construção civil, valorizando o desenvolvimento de soluções de qualidade. 5

6 Sindicato da Indústria da Construção Civil de Grandes Estruturas no Estado de São Paulo Presidente João Claudio Robusti Vice-presidentes Cristiano Goldstein Delfino Paiva Teixeira de Freitas Edson Antonio Coghi Francisco Antunes de Vasconcellos Neto Iskandar Aude João Batista de Azevedo José Antonio Marsiglio Schuvarz José Carlos Molina José Romeu Ferraz Neto Luiz Antônio Messias Maristela Alves Lima Honda Odair Garcia Senra Sergio Tiaki Watanabe Representantes junto à Fiesp Eduardo Ribeiro Capobianco Sergio Porto Cristiano Goldstein Iskandar Aude Diretores Regionais Adilson Cesar Justo José Batista Ferreira José Luiz Goulart Botelho Luiz Bonifácio Urel Luiz Claudio Minniti Amoroso Ralph Ribeiro Júnior Ricardo Beschizza Rosana Zilda Carnevalli Herrera Silvio Benito Martini Filho 6

7 CAPILARIDADE EM TODO O ESTADO DE SÃO PAULO O SindusCon-SP está presente em todo o Estado de São Paulo por meio de nove Regionais e uma Delegacia, que abrangem o litoral e o interior. Atuam junto à Sede, somando forças políticas e trabalhando para a obtenção de melhores resultados para o desenvolvimento das atividades das empresas do setor. As Regionais estão localizadas nas principais cidades do Estado para oferecer os mesmos serviços prestados às empresas associadas da cidade de São Paulo: cursos, eventos, treinamentos, palestras técnicas e atendimento personalizado feito pela equipe de coordenadores disponíveis. BAURU R. Antônio Garcia, 4-67 V. Universitária CEP Tel/fax (14) CAMPINAS R. Barão de Jaguara, º andar / Cj. 142 CEP Tel/fax (19) MOGI DAS CRUZES (Delegacia) R. Barão de Jaceguai, 509, sl 135 CEP Tel (11) PRESIDENTE PRUDENTE R. Assis Chateaubriand, 112 CEP Tel/fax (18) RIBEIRÃO PRETO R. Marechal Rondon, 199 CEP Tel (16) SANTO ANDRÉ R. Antonio Cardoso Franco, 483 CEP Tel (11) Fax (11) SANTOS Av. Ana Costa, 255 1º andar CEP Tel (13) Fax (13) SÃO JOSÉ DO RIO PRETO R. Joaquim Manoel Pires, 531 CEP Tel/fax (17) SÃO JOSÉ DOS CAMPOS R. José Mattar, Jardim São Dimas CEP Tel.: (12) Fax: (12) SOROCABA R. José Del Ben, 100 CEP Tel/fax (15) (15)

8 Componentes do grupo tributário e realizadores do manual Vice-presidente de Habitação Popular José Carlos Molina Coordenadora Rosilene Carvalho Santos Membros Alberto Cliquet Aniello Parziale Jair da Silva Maria João Gohara Luiz Antonio Galucci Luiz Carlos Silva Jr Marcelo Verdinelli Regina Ferreira Barbosa Renato Vicente Romano Filho Silvia Roberta Chiarelli 8

9 ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA ME E EMPRESA DE PEQUENO PORTE - EPP LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 LC Nº 123/2006 9

10 10

11 ÍNDICE 1 - OBJETIVOS DEFINIÇÃO DE ME E EPP VEDAÇÕES AO ENQUADRAMENTO COMO ME E EPP INSCRIÇÃO E BAIXA SIMPLES NACIONAL ATIVIDADES PERMITIDAS PROIBIÇÕES AO INGRESSO TRIBUTOS ABRANGIDOS TRIBUTOS NÃO ABRANGIDOS ALÍQUOTAS SIMULAÇÕES OPÇÃO RECOLHIMENTO OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS EXCLUSÃO SIMPLIFICAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS INCENTIVO AO CRÉDITO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FISCALIZAÇÃO ACESSO A JUSTIÇA DO TRABALHO E JUIZADOS ESPECIAIS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVO-FISCAL LICITAÇÕES PÚBLICAS COMITÊ GESTOR DE TRIBUTAÇÃO COMPOSIÇÃO ATRIBUIÇÕES ATOS REGULAMENTARES

12 12

13 1. OBJETIVOS A Lei Complementar nº 123/2006 estabelece: SIMPLES NACIONAL Forma diferenciada e regime único de recolhimento de impostos e contribuições da União, Estados, Distrito Federal e Municípios: Alíquotas Base de cálculo, entre outros. SIMPLIFICAÇÕES E DISPENSA DO CUMPRIMENTO DE ALGUMAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS MEIOS DE ACESSO AO CRÉDITO E AO MERCADO: Aquisições públicas Financiamentos público e privados Estímulo à Inovação Tecnológica ACESSO À JUSTIÇA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVO-FISCAIS 13

14 2. DEFINIÇÃO DE ME E EPP Microempresa é a sociedade empresária, simples ou o empresário, devidamente registrados na Junta Comercial ou no Registro Civil de Pessoas Jurídicas, que tenham auferido no ano-calendário anterior receita bruta igual ou inferior a R$ ,00 (duzentos e quarenta mil reais). Empresa de Pequeno Porte é a sociedade empresária, simples ou o empresário, devidamente registrados na Junta Comercial ou no Registro Civil de Pessoas Jurídicas, que tenham auferido no ano-calendário anterior receita bruta superior a R$ ,00 (duzentos e quarenta mil reais) e igual ou inferior a R$ ,00 (dois milhões e quatrocentos mil reais). Receita bruta, conforme a LC nº 123/2006, é o produto da venda de bens e serviços e o preço dos serviços, não incluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos. No primeiro ano de atividade, o limite das receitas acima referido será apurado proporcionalmente aos meses ou fração de meses de atividade da pessoa jurídica ou empresário. OBSERVAÇÕES: Sociedade empresária são aquelas que visam finalidade lucrativa, mediante o exercício de atividade mercantil; Sociedade simples são aquelas que desenvolvem atividade lucrativa não mercantil; Empresário é aquele que exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou serviços. 14

15 3. VEDAÇÕES AO ENQUADRAMENTO COMO ME E EPP A pessoa jurídica, ainda que aufira receita bruta nos limites estabelecidos para ME e EPP, não poderá gozar de nenhum dos benefícios estabelecidos na LC nº 123/2006 quando: a) outra pessoa jurídica participar de seu capital social; b) for filial, sucursal, agência ou representação no Brasil de pessoa jurídica com sede em outro país; c) tiver como sócia pessoa física inscrita como sociedade empresária ou seja sócia de outra empresa que receba tratamento jurídico diferenciado, desde que a receita bruta global ultrapasse o limite previsto para EPP; Exemplo: A empresa X pretende enquadrar-se como ME para gozar dos benefícios da LC nº 123/2006. Porém essa empresa tem um sócio que participa de outra sociedade já enquadrada com ME/EPP. Para saber se a empresa X também pode enquadrar-se como ME, as duas empresas somaram suas receitas brutas auferidas no ano-calendário anterior e o resultado foi inferior a R$ ,00. Portanto, a empresa X poderá enquadrar-se como ME. d) o titular ou sócio participar com mais de 10% do capital de outra empresa não beneficiada por esta Lei Complementar, desde que a receita bruta global ultrapasse o limite para EPP; e) o sócio ou titular for administrador ou equiparado de outra pessoa jurídica com fins lucrativos, desde que a receita bruta global ultrapasse o limite previsto para EPP; Exemplo: Uma empresa A quer enquadra-se como EPP. Porém tem no quadro social uma pessoa física que é sócio-administrador de outra pessoa jurídica. Para saber se a empresa A também pode enquadrar-se como ME, as duas empresas somaram suas receitas brutas auferidas no anocalendário anterior e o resultado foi inferior a R$ ,00. Portanto, a empresa A poderá enquadrar-se como ME. 15

16 f) constituída sob a forma de cooperativas, salvo as cooperativas de consumo; g) participar do capital de outra pessoa jurídica; h) exercer atividade de banco, de sociedade de crédito, financiamento e investimento ou de crédito imobiliário, de corretora, dentre outras ; i) resultar ou remanescer de cisão ou qualquer outra forma de desmembramento de pessoa jurídica que tenha ocorrido em um dos 5 (cinco) anos-calendário anteriores; j) for constituída sob a forma de sociedade por ações. 16

17 4. INSCRIÇÃO E BAIXA Os órgãos e entidades responsáveis pela inscrição e baixa de ME e EPP deverão simplificar seus procedimentos nas 3 (três) esferas de governo - a União, os Estados e os Municípios. Para tanto, deverão baixar normas contemplando os seguintes itens: a) unificação de procedimentos de abertura e fechamentos de ME e EPP; b) disponibilizar de forma presencial ou na internet informações, orientações e instrumentos que se fizerem necessário à abertura e ao fechamento da empresa; c) para abertura, as exigências relativas à segurança sanitária, metrologia, controle ambiental e prevenção de incêndios, além de simplificados, serão uniformizados; d) as vistorias para concessão de autorizações e licenças de funcionamento somente serão feitas após o início de funcionamento, exceto quando a atividade não comportar grau de risco compatível com o procedimento; e) emissão de alvará de funcionamento provisório, exceto para as atividades de alto grau de risco; f) entrada única de dados cadastrais e documentos; g) a ME e a EPP poderão registrar seus atos constitutivos, alterações e baixas nos três níveis de governo, independentemente da regularidade tributária, previdenciária ou trabalhista da pessoa jurídica e dos sócios. Dispensada a apresentação de Certidão Negativa de Débitos - CND. 17

18 5. SIMPLES NACIONAL 5.1. ATIVIDADES PERMITIDAS Abaixo, relacionamos algumas atividades desenvolvidas por pessoas jurídicas que poderão optar pelo Simples Nacional, quando exercerem exclusivamente essa atividade ou em conjunto com outras atividades que não estejam proibidas de ingressarem nesse Regime Diferenciado de Recolhimento de Tributos: a) serviços de reparos hidráulicos, elétricos, pintura e carpintaria em residências ou estabelecimentos civis ou empresariais; b) serviços de instalação e manutenção de aparelhos e sistemas de ar condicionado, refrigeração, ventilação, aquecimento e tratamento de ar em ambientes controlados; c) construção de imóveis e obras de engenharia em geral, inclusive sob a forma de subempreitada; d) empresas montadoras de estandes para feiras; e) cumulativamente administração e locação de imóveis de terceiros; f) escritório de serviços contábeis; g) serviço de vigilância, limpeza ou conservação. 18

19 5.2. PROIBIÇÕES AO INGRESSO As micro e empresas de pequeno porte que desenvolvem as atividades abaixo relacionadas não poderão recolher os impostos e contribuições na forma do SIMPLES NACIONAL: a) as que tenham sócio domiciliado no exterior; b) as que tenham por finalidade a prestação de serviços decorrentes do exercício de atividade intelectual, de natureza técnica, que constitua profissão regulamentada ou não; c) as que realizem cessão ou locação de mão-de-obra; d) as que realizem atividade de consultoria; e) as que se dediquem ao loteamento e à incorporação imobiliária; f) as microempresas e empresas de pequeno porte que possuam débitos com o INSS ou com as Fazendas Públicas Federal, Estadual ou Municipal, cuja exigibilidade não esteja suspensa; Obs.: As pessoas jurídicas ou empresários que desenvolvam atividades vedadas ao SIMPLES NACIONAL, cujo faturamento anual encontra-se dentro dos limites estabelecidos para ME e EPP, poderão gozar dos demais benefícios estabelecidos na LC nº 123/06. Existem outras atividades vedadas ao ingresso ao SIMPLES NACIONAL pela LC nº 123/06 não ligadas à construção civil. 19

20 5.3. TRIBUTOS ABRANGIDOS I) IRPJ - Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica; II) IPI Imposto sobre Produtos Industrializados; Obs.: Em geral, a construção civil não é contribuinte deste imposto. III) CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido; IV) COFINS Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social V) PIS/PASEP Contribuição para o PIS/Pasep; VI) INSS Para a construção civil, as contribuições previdenciárias não estão incluídas no SIMPLES NACIONAL; VII) ICMS Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação; Obs.: Em geral, a construção civil não é contribuinte deste imposto. VIII) ISS Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza. Obs.: A LC nº 123 de 2006 garantiu o abatimento do valor do material fornecido pelo prestador de serviços da base de cálculo do ISS referente aos serviços de construção civil elencados nos subitens 7.02 e 7.05 da LC nº Obs.: As microempresas e empresas de pequeno porte optante pelo SIMPLES NACIONAL são isentas do imposto de renda, na fonte ou na declaração de ajuste do beneficiário, dos valores efetivamente pagos ou distribuídos ao titular ou sócio, exceto quando corresponder a pró-labore, aluguéis ou serviços prestados. A isenção fica limitada ao valor resultante da aplicação do percentual de 32% ou 8% sobre a receita bruta mensal, no caso de antecipação de fonte, ou da receita bruta total anual, tratando-se de declaração de ajuste, subtraído do valor devido na forma do SIMPLES NACIONAL no período. O limite acima referido não se aplica a pessoa jurídica que mantiver escrituração contábil. 20

21 5.4. TRIBUTOS NÃO ABRANGIDOS I) IOF - Imposto sobre Operações Financeiras; II) II - Imposto de Importação; III) IE - Imposto de Exportação; IV) IPTR - Imposto sobre Propriedade Territorial Rural; V) Imposto de Renda RENDA FIXA OU VARIÁVEL (DEFINITIVO); Obs.: Trata-se do Imposto de Renda sobre o rendimento de aplicações financeiras. VI) Imposto de Renda Ganhos de capital na venda de bens do ativo permanente; Ex.: Venda de equipamentos, veículos e imóveis. VII) CPMF Contribuição Provisória sobre Movimentação ou Transmissão de Valores e de Crédito e Direito de Natureza Financeira; VIII) FGTS - Fundo de Garantia; IX) INSS EMPREGADO; X) INSS EMPRESÁRIO; Obs.: O SIMPLES NACIONAL para a construção civil não inclui os recolhimentos previdenciários. XI) Imposto de Renda Retido das pessoas físicas; XII) PIS / COFINS / Imposto sobre Importação - IPI na Importação bens e serviços; XIII) ICMS - Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços - na substituição tributária, por terceiro, importação e regime de antecipação; XIV) ISS - Imposto sobre Serviços na substituição tributária, retenção na fonte e importação de serviços. 21

22 5.5. ALÍQUOTAS Aplicam-se para a construção civil as alíquotas previstas no Anexo IV da LC nº 123/06, abaixo transcrevemos: Receita Bruta em 12 meses (em R$) ALÍQUOTA IRPJ CSLL COFINS PIS/PASEP ISS Até ,00 4,50% 0,00% 1,22% 1,28% 0,00% 2,00% de ,01 a ,00 6,54% 0,00% 1,84% 1,91% 0,00% 2,79% de ,01 a ,00 7,70% 0,16% 1,85% 1,95% 0,24% 3,50% de ,01 a ,00 8,49% 0,52% 1,87% 1,99% 0,27% 3,84% de ,01 a ,00 8,97% 0,89% 1,89% 2,03% 0,29% 3,87% de ,01 a ,00 9,78% 1,25% 1,91% 2,07% 0,32% 4,23% de ,01 a ,00 10,26% 1,62% 1,93% 2,11% 0,34% 4,26% de ,01 a ,00 10,76% 2,00% 1,95% 2,15% 0,35% 4,31% de ,01 a ,00 11,51% 2,37% 1,97% 2,19% 0,37% 4,61% de ,01 a ,00 12,00% 2,74% 2,00% 2,23% 0,38% 4,65% de ,01 a ,00 12,80% 3,12% 2,01% 2,27% 0,40% 5,00% de ,01 a ,00 13,25% 3,49% 2,03% 2,31% 0,42% 5,00% de ,01 a ,00 13,70% 3,86% 2,05% 2,35% 0,44% 5,00% de ,01 a ,00 14,15% 4,23% 2,07% 2,39% 0,46% 5,00% de ,01 a ,00 14,60% 4,60% 2,10% 2,43% 0,47% 5,00% de ,01 a ,00 15,05% 4,90% 2,19% 2,47% 0,49% 5,00% de ,01 a ,00 15,50% 5,21% 2,27% 2,51% 0,51% 5,00% de ,01 a ,00 15,95% 5,51% 2,36% 2,55% 0,53% 5,00% de ,01 a ,00 16,40% 5,81% 2,45% 2,59% 0,55% 5,00% de ,01 a ,00 16,85% 6,12% 2,53% 2,63% 0,57% 5,00% Obs.: Os Estados e Municípios podem conceder isenção ou redução do ICMS ou do ISS. 22

23 5.6. SIMULAÇÕES COMPARATIVO PRESUMIDO X SIMPLES EXEMPLO 1 A) NO LUCRO PRESUMIDO CÁLCULO DOS TRIBUTOS Empreitada Parcial (Só mão de Obra) Empreitada Global (M.Obra+Material) RECEITA BRUTA MENSAL , ,00 CÁLCULO DO IRPJ LUCRO PRESUMIDO 32% 3.200,00 8% 800,00 ALÍQUOTA 15 % 480,00 120,00 CÁLCULO DA CSLL LUCRO PRESUMIDO 32% 3.200,00 12% 1.200,00 ALÍQUOTA 9% 288,00 108,00 TRIBUTOS SOBRE A RECEITA BRUTA CÁLCULO DO PIS ALÍQUOTA 0,65 % 65,00 65,00 CÁLCULO DA COFINS ALÍQUOTA 3% 300,00 300,00 CÁLCULO DO ISS ALÍQUOTA 5% 500,00 500,00 TOTAIS DOS TRIBUTOS 1.633, ,00 PERCENTUAL 16,33 10,93 B) NO SIMPLES NACIONAL RECEITA BRUTA MENSAL , ,00 IRPJ - CSLL - PIS - COFINS E ISS 4,50% DE R$ ,00 450,00 450,00 Obs.: Foi considerado o faturamento acumulado dos últimos 12 meses, com base mensal de R$ ,00, para identificar a alíquota com o ISS incluso. 23

24 COMPARATIVO PRESUMIDO X SIMPLES EXEMPLO 2 A) NO LUCRO PRESUMIDO CÁLCULO DOS TRIBUTOS Empreitada Parcial (Só mão de Obra) Empreitada Global (M.Obra+Material) RECEITA BRUTA MENSAL , ,00 CÁLCULO DO IRPJ LUCRO PRESUMIDO 32% ,00 8% 4.000,00 ALÍQUOTA 15% 2.400,00 600,00 CÁLCULO DA CSLL LUCRO PRESUMIDO 32% ,00 12% 6.000,00 ALÍQUOTA 9% 1.440,00 540,00 TRIBUTOS SOBRE A RECEITA BRUTA CÁLCULO DO PIS ALÍQUOTA 0,65% 325,00 325,00 CÁLCULO DA COFINS ALÍQUOTA 3% 1.500, ,00 CÁLCULO DO ISS ALÍQUOTA 5% 2.500, ,00 TOTAIS DOS TRIBUTOS 8.165, ,00 PERCENTUAL 16,33 10,93 B) NO SIMPLES NACIONAL RECEITA BRUTA MENSAL , ,00 IRPJ - CSLL - PIS - COFINS E ISS 8,97% DE R$ , , ,00 Obs.: Foi considerado o faturamento acumulado dos últimos 12 meses, com base mensal de R$ ,00, para identificar a alíquota com o ISS incluso. 24

25 COMPARATIVO PRESUMIDO X SIMPLES EXEMPLO 3 A) NO LUCRO PRESUMIDO CÁLCULO DOS TRIBUTOS Empreitada Parcial Empreitada Global (Só mão de Obra) (M.Obra+Material) RECEITA BRUTA MENSAL , ,00 CÁLCULO DO IRPJ LUCRO PRESUMIDO 32% ,00 8% 8.000,00 ALÍQUOTA 15% 4.800, ,00 ADICIONAL: 10% DE , ,00 CÁLCULO DA CSLL LUCRO PRESUMIDO 32% ,00 12% ,00 ALÍQUOTA 9% 2.880, ,00 TRIBUTOS SOBRE A RECEITA BRUTA CÁLCULO DO PIS ALÍQUOTA 0,65% 650,00 650,00 CÁLCULO DA COFINS ALÍQUOTA 3% 3.000, ,00 CÁLCULO DO ISS ALÍQUOTA 5% 5.000, ,00 TOTAIS DOS TRIBUTOS , ,00 PERCENTUAL 17,53 10,93 B) NO SIMPLES NACIONAL RECEITA BRUTA MENSAL , ,00 IRPJ - CSLL - PIS - COFINS E ISS 12,00% DE R$ , , ,00 Obs.: Foi considerado o faturamento acumulado dos últimos 12 meses, com base mensal de R$ ,00, para identificar a alíquota com o ISS incluso. 25

26 COMPARATIVO PRESUMIDO X SIMPLES EXEMPLO 4 A) NO LUCRO PRESUMIDO CÁLCULO DOS TRIBUTOS Empreitada Parcial Empreitada Global (Só mão de Obra) (M.Obra+Material) RECEITA BRUTA MENSAL , ,00 CÁLCULO DO IRPJ LUCRO PRESUMIDO 32% ,00 8% ,00 ALÍQUOTA 15% 9.600, ,00 ADICIONAL: 10% DE R$ , ,00 CÁLCULO DA CSLL LUCRO PRESUMIDO 32% ,00 12% ,00 ALÍQUOTA 9% 5.760, ,00 TRIBUTOS SOBRE A RECEITA BRUTA CÁLCULO DO PIS ALÍQUOTA 0,65 % 1.300, ,00 CÁLCULO DA COFINS ALÍQUOTA 3% 6.000, ,00 CÁLCULO DO ISS ALÍQUOTA 5% , ,00 TOTAIS DOS TRIBUTOS , ,00 PERCENTUAL 18,53 10,93 B) NO SIMPLES NACIONAL RECEITA BRUTA MENSAL , ,00 IRPJ - CSLL - PIS - COFINS E ISS 16,85% DE R$ , , ,00 Obs.: Foi considerado o faturamento acumulado dos últimos 12 meses, com base mensal de R$ ,00, para identificar a alíquota com o ISS incluso. Obs.: A base de cálculo da CSLL foi considerada conforme resposta de consulta feita junto à Secretaria da Receita Federal de São Paulo. 26

27 Obs.: Os quadros anteriores desde a página 21 são meras simulações e não devem ser utilizados como único elemento para definição do melhor regime tributário. Para a opção pelo melhor regime tributário as empresas devem analisar a realidade de seus números e de suas operações, com base na Contabilidade, bem como efetuar a comparação também com o regime do Lucro Real. Obs.: As alíquotas do ISS dos quadros anteriores em relação ao Lucro Presumido foram utilizadas no seu limite máximo, mas sofrem variação de acordo com a legislação municipal. 27

28 5.7. OPÇÃO A opção pelo SIMPLES NACIONAL será realizada no mês de janeiro, até o seu último dia útil, produzindo efeitos a partir do primeiro dia do anocalendário da opção; Será irretratável para todo o ano-calendário; A opção produzirá efeito a partir da data de início de atividade, desde que exercida nos termos, prazo e condições estabelecidas pelo Comitê Gestor de Tributação das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte; Após regulamentação, a opção será automática; Excepcionalmente no ano-calendário de julho/2007, a opção pelo SIMPLES NACIONAL se dará no mês de julho de 2007, produzindo efeitos a partir do 1º dia do mesmo mês de julho. (Resolução nº 4 do Comitês Gestor, de 30/5/2007); A opção será feita pela internet. 28

29 5.8. RECOLHIMENTO Guia única a ser instituída pelo Comitê Gestor; Código específicos de recolhimento; Pagamento pela rede bancária credenciada, salvo se os Entes Federativos ou o Comitê Gestor dispuser de forma diferente; Recolhimento até o último dia útil da primeira quinzena do mês subseqüente, exceto se o Comitê Gestor dispuser de forma diferente; Caso haja filial, o recolhimento será pela matriz; Será disponibilizado sistema eletrônico de cálculo; Os pagamentos fora do prazo ficarão sujeitos aos mesmos acréscimos previstos na legislação do Imposto de Renda; Caso haja retenção de ISS na fonte, o valor retido será definitivo e será deduzido da parcela do SIMPLES NACIONAL; As microempresas e empresas de pequeno porte não poderão transferir créditos relativos a impostos e contribuições abrangidos pelo SIMPLES NACIONAL; O Comitê Gestor regulamentará o modo pelo qual será pedido restituição ou compensação tributária. 29

30 5.9. OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS As microempresas e empresas de pequeno porte devem apresentar: Declaração anual, simplificada de informações sôcio-econômicas e fiscais, perante a Receita Federal do Brasil; Emitir documentos fiscais de prestação de serviços; de acordo com as instruções do Comitê Gestor; Livro caixa com escriturações financeira e bancária; Contabilidade simplificada de suas receitas, na forma regulamentada pelo Comitê Gestor; Outras obrigações, acessórias impostas pelo Comitê Gestor; Informações, relativas a terceiros; Declaração eletrônica com dados sobre serviços prestados e tomados, conforme modelo instituído pelo Comitê Gestor. Os empreendedores individuais que aufiram receita bruta até R$ ,00 (trinta e seis mil reais): a) poderão optar por fornecer nota fiscal avulsa de prestação de serviços a ser obtida junto à Secretaria de Finanças Municipal; b) farão a comprovação da receita bruta mediante a apresentação de escrituração simplificada das receitas, conforme instruções do Comitê Gestor. 30

31 5.10. EXCLUSÃO A exclusão poderá ocorrer de ofício ou mediante comunicação das empresas optantes. Será de ofício quando: a) for verificada a falta de comunicação de exclusão obrigatória; b) houver embaraço ou resistência à fiscalização; c) sua constituição ocorrer por interpostas pessoas; d) for constatada prática reiterada de infração ao disposto na Lei Complementar; e) a empresa for declarada inidônea; f) comercializar mercadorias objeto de contrabando ou descaminho; g) houver falta de escrituração do livro-caixa ou não permitir a identificação da movimentação financeira, inclusive bancária; h) for constatado que durante o ano-calendário o valor das despesas pagas supera em 20% (vinte por cento) o valor de ingressos de recursos no mesmo período, excluído o ano de início de atividade; i) for constatado que durante o ano-calendário o valor das aquisições de mercadorias para comercialização ou industrialização, ressalvadas hipóteses justificadas de aumento de estoque, for superior a 80% (oitenta por cento) dos ingressos de recursos no mesmo período, excluído o ano de início de atividade. Obs.: Nas hipóteses previstas nas alíneas b a i, a exclusão produzirá efeito a partir do próprio mês de ocorrência destas, impedindo a opção pelo regime diferenciado e favorecido na Lei Complementar pelos próximos 3 (três) anos-calendário seguintes, podendo ser elevado para 10 anos em casos de fraude. 31

32 Será mediante comunicação das Microempresas ou de Pequeno porte, quando: a) por opção; b) obrigatoriamente, quando elas incorrerem em quaisquer das situações de vedação previstas na Lei Complementar 123; c) obrigatoriamente, quando ultrapassado, no ano-calendário de início de atividade, o limite de receita bruta mensal correspondente a R$ ,00 (duzentos mil reais), multiplicados pelo número de meses de funcionamento neste período, em relação aos tributos e contribuições federais. A exclusão do Simples Nacional produzirá efeito: a) a partir de 1º de janeiro do ano-calendário subseqüente, quando ocorrer por opção do contribuinte; b) a partir do mês seguinte da ocorrência da situação impeditiva; c) quando a receita bruta mensal ultrapassar o limite de R$ ,00 (duzentos mil reais), multiplicados pelo número de meses de atividade, no ano calendário do início de atividades: I) desde o início das atividades; II) a partir de 1º de janeiro do ano-calendário subseqüente, na hipótese de não ter ultrapassado em mais de 20% (vinte por cento) o limite proporcional de que trata o 10 do art. 3o da Lei Complementar, em relação aos tributos federais, ou os respectivos limites de que trata o 11 do mesmo artigo, em relação aos tributos estaduais, distritais ou municipais, conforme o caso; Obs.: o limite aqui referido é de R$ ,00 (duzentos mil reais). III) quando a microempresa e empresa de pequeno porte for excluída do Simples Nacional por ultrapassar o limite de R$ ,00 (duzentos mil reais), multiplicados pelo número de meses de atividade, não poderá optar no ano-calendário subseqüente ao do início de atividades da ciência da comunicação da exclusão; 32

33 Obs.: Na hipótese, a microempresa ou empresa de pequeno porte não poderá optar, no ano-calendário subseqüente ao do início de atividades, pelo Simples Nacional. Na hipótese de débitos com as Fazendas e a Previdência Social, será permitida a permanência da pessoa jurídica como optante pelo Simples Nacional mediante a comprovação da regularização do débito no prazo de até 30 (trinta) dias contados a partir da ciência da comunicação da exclusão. A exclusão do Simples Nacional na hipótese em que os Estados, Distrito Federal e Municípios adotem limites de receita bruta inferiores a R$ ,00 (dois milhões e quatrocentos mil reais) para efeito de recolhimento do ICMS e do ISS observará: a) o limite de receita de R$ (cem mil reais) ou de R$ ,00 (cento cinqüenta mil reais) multiplicados pelo o número de meses de funcionamento; b) a receita não ultrapassar 20% dos limites acima referidos, a exclusão produzirá efeito a partir de 1º de janeiro do ano-calendário subseqüente. As regras acima serão regulamentadas pelo Comitê Gestor. Obs.: A Resolução CGSN nº 5 de 30 de maio de 2007 traz dispositivos regulamentando estes regime especial. 33

34 6. SIMPLIFICAÇÃO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS As microempresas e as empresas de pequeno porte são dispensadas de: - afixação de Quadro de Trabalho em suas dependências; - anotação das férias dos empregados nos respectivos livros ou fichas de registro; - empregar e matricular aprendizes nos cursos dos Serviços Nacionais de Aprendizagem; - posse do livro intitulado Inspeção do Trabalho ; - comunicar ao Ministério do Trabalho e Emprego a concessão de férias coletivas. Sobre as obrigações previdenciárias e trabalhistas do empresário que tiver auferido receita bruta anual no ano-calendário anterior de até R$ ,00 (trinta e seis mil reais) é concedido, ainda, o seguinte tratamento especial por no máximo de 3 anos, contados da data da formalização até o dia 31 de dezembro do segundo ano subseqüente: - contribuição previdenciária do empresário e dos sócios em substituição à contribuição previdenciária do contribuinte individual ou facultativo; - dispensa do pagamento das contribuições sindicais; - dispensa do pagamento da contribuição social de 10% sobre o montante do depósito do FGTS na dispensa sem justa causa do empregado. 34

35 7. INCENTIVO 7.1. AO CRÉDITO Caberá ao Poder Executivo: a) medidas para melhorar o acesso ao mercado de capitais; b) linhas especiais de crédito em bancos comerciais públicos e os bancos múltiplos públicos com carteira comercial e Caixa Econômica Federal. O Banco Central poderá disponiblizar dados e informações ao Sistema Financeiro Nacional visando ampliar o acesso ao crédito. O CODEFAT poderá disponiblilizar recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador - FAT para cooperativas de crédito cujos cooperados sejam microempresa e empresa de pequeno porte À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA União, Estados e Municípios manterão programas com condições de acesso diferenciadas, favorecidos e simplificados; Ministério da Fazenda pode reduzir a zero a alíquota do IPI e Pis/Cofins. 35

36 8. FISCALIZAÇÃO A fiscalização, no que se refere aos aspectos trabalhista, metrológico, sanitário, ambiental e de segurança, terá natureza prioritariamente orientadora, quando a atividade ou situação, por sua natureza, comportar grau de risco compatível com esse procedimento. Será observado o critério de dupla visita para lavratura de autos de infração, salvo quando for constatada infração por falta de registro de empregado ou anotação da Carteira de Trabalho e Previdência Social CTPS, ou, ainda, na ocorrência de reincidência, fraude, resistência ou embaraço à fiscalização. 36

37 9. ACESSO A JUSTIÇA DO TRABALHO E JUIZADOS ESPECIAIS A Lei Complementar nº 123/2006 dispõe do acesso às seguintes Justiças: 1) Justiça do Trabalho: facultando ao empregador de microempresa ou de empresa de pequeno porte fazer-se substituir ou representar por terceiros que conheçam dos fatos, ainda que não possuam vínculo trabalhista ou societário. 2) Juizados Especiais Estaduais e Federais: admitindo que as microempresas e as empresas de pequeno porte de que trata esta Lei Complementar possam ser proponentes de ação perante o Juizado Especial Estadual e Federal, excluídos os cessionários de direito de pessoas jurídicas. 3) Ações Tributárias: Os processos judiciais de natureza tributária serão ajuizados em face da União; Obs.: Esta referida Lei Complementar dispõe também que as microempresas e empresas de pequeno porte deverão ser estimuladas a utilizar os institutos de conciliação prévia, mediação e arbitragem para solução dos seus conflitos. E mais, que serão reconhecidos de pleno direito os acordos celebrados no âmbito das comissões de conciliação prévia. 37

38 10. PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVO-FISCAIS Os processos administrativos ocorrerão no âmbito do ente da Federação (Município, Estado e União) que efetuou o lançamento ou fez a exclusão do SIMPLES. O município poderá, mediante convênio, transferir a atribuição de julgamento exclusivamente ao Estado em que se localiza. No caso em que o contribuinte exerça atividades incluídas no campo de incidência do ICMS e do ISS, a autuação será feita utilizando-se a maior alíquota prevista nesta Lei Complementar, sendo que o julgamento caberá ao Estado ou ao Distrito Federal. Consultas serão feitas junto à Secretaria da Receita Federal do Brasil. 38

39 11. LICITAÇÕES PÚBLICAS Regularidade Fiscal Exigência só na ocasião da assinatura do contrato. Nas licitações públicas, a comprovação de regularidade fiscal das MEs e EPPs somente será exigida por ocasião da assinatura do contrato. De acordo com a lei, essa matéria não é tratada como uma faculdade, mas sim uma obrigação, que deverá ser respeitada pela Administração Pública. A lei assegura ainda que, mesmo havendo alguma restrição na comprovação da regularidade fiscal, as MEs e EPPs terão dois dias úteis, a partir do momento da declaração do vencedor da licitação, para regularizar sua documentação. Caso a documentação não seja regularizada no prazo estabelecido em lei, a empresa vencedora perderá o direito de contratar, podendo incorrer nas penas elencadas na Lei Federal 8.666/93, quais sejam: multa; advertência; suspensão do direito de licitar com o órgão promotor da licitação e a declaração de inidoneidade, proibição total de contratar com toda a Administração Pública. Critério de Desempate Preferência para a Micro e Pequena Empresa Nas licitações, será assegurada, como critério de desempate, a preferência de contratação para as MEs e EPPs. Entendem-se por empate aquelas situações em que as propostas apresentadas pelas MEs e EPPs sejam iguais ou até 10% superiores à proposta mais bem classificada. Na modalidade de pregão, o intervalo percentual será de até 5% (cinco por cento) superior ao melhor preço. Ocorrendo o empate, será observada a seguinte forma abaixo, quando a melhor oferta inicial não tiver sido apresentada por MEs e EPPs: a) A ME e EPP mais bem classificada poderá apresentar proposta de preço inferior àquela considerada vencedora do certame, situação em que será adjudicado em seu favor o objeto licitado; b) Não ocorrendo a contratação da ME e EPP, na forma do item anterior, serão convocadas as remanescentes que porventura se enquadrem nos critérios de desempate acima exposto (10% para Tomada de Preços; Carta- 39

40 Convite; Concorrência Pública e 5% para Pregão), na ordem classificatória, para o exercício do mesmo direito; c) No caso de equivalência dos valores apresentados pelas MEs e EPPs que se encontrem nos intervalos de 10% para Tomada de Preços, Carta- Convite, Concorrência Pública e 5% para Pregão, será realizado sorteio entre elas para que se identifique aquela que primeiro poderá apresentar melhor oferta. Não se contratando na ocorrência de empate, como acima demonstrado, o objeto licitado será adjudicado em favor da proposta originalmente vencedora do certame. No caso de pregão, a ME ou EPP mais bem classificada será convocada para apresentar nova proposta no prazo máximo de 5 (cinco) minutos após o encerramento dos lances, sob pena de preclusão. Empenhos e a cédula de crédito microempresarial A ME e a EPP titular de direitos creditórios decorrentes de empenhos liquidados por órgãos e entidades da União, Estados, Distrito Federal e Município e não pagos em até 30 (trinta) dias contados da data de liquidação, poderão emitir cédula de crédito microempresarial. A cédula de crédito microempresarial é título de crédito, tendo como lastro o empenho do Poder Público, cabendo ao Poder Executivo sua regulamentação no prazo de 180 (cento e oitenta) dias a contar da publicação da Lei Complementar. Desta forma essa regra não tem aplicação imediata e sua finalidade é não deixar que o atraso no pagamento das faturas pela Administração Pública prejudique o fluxo de caixa das MEs e EPPS. Licitação Pública. Instrumento de desenvolvimento econômico, social e regional Nas contratações públicas da União, dos Estados e dos Municípios, poderá (ou seja, uma faculdade) ser concedido tratamento diferenciado e simplificado ás MEs e EPPS objetivando a promoção do desenvolvimento econômico e social no âmbito municipal e regional, a ampliação da 40

41 eficiência das políticas públicas e o incentivo à inovação tecnológica, desde que previsto e regulamentado na legislação do respectivo ente. Assim, a administração pública poderá realizar processo licitatório: a) Destinado exclusivamente à participação de microempresas e empresas de pequeno porte nas contratações cujo valor seja de até R$ ,00; b) Em que seja exigida dos licitantes a subcontratação de microempresa ou de empresa de pequeno porte, desde que o percentual máximo do objeto a ser subcontratado não exceda a 30% do total licitado; c) Em que se estabeleça cota de até 25% do objeto para a contratação de microempresas e empresas de pequeno porte, em certames para a aquisição de bens e serviços de natureza divisível. O valor licitado de acordo com os procedimentos acima referidos não poderá exceder 25% do total licitado em cada ano civil. Na hipótese de ser exigida dos licitantes a subcontratação de MEs ou EPPS, desde que o percentual máximo do objeto a ser subcontratado não exceda 30% do total licitado, os empenhos e pagamentos do órgão ou entidade da administração pública poderão ser destinados diretamente às MEs e EPPS subcontratadas. Não se aplica o disposto nos arts. 47 e 48 da Lei Complementar, ou seja, o tratamento diferenciado para empresas enquadradas em ME e EPP, quando: a) os critérios de tratamento diferenciado e simplificado para as MEs e EPPS não forem expressamente previstos no instrumento convocatório; b) não houver um mínimo de 3 fornecedores competitivos enquadrados como microempresas ou empresas de pequeno porte sediados local ou regionalmente e capazes de cumprir as exigências estabelecidas no edital; c) o tratamento diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte não for vantajoso para a administração pública ou representar prejuízo ao conjunto ou complexo do objeto a ser contratado; d) a licitação for dispensável ou inexigível, nos termos dos arts. 24 e 25 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de

42 12. COMITÊ GESTOR DE TRIBUTAÇÃO COMPOSIÇÃO Vinculado ao Ministério da Fazenda e presidido pela União. Composto por: Representação da União: 2 representantes da Secretaria da Receita Federal 2 representantes da Secretaria da Receita Previdenciária Obs.: Com a unificação das Secretarias da Receita Federal e da Receita Previdenciária, a União, no Comitê Gestor, é representada por 4 membros da Receita Federal do Brasil. Representação dos Estados e do Distrito Federal: 2 representantes dos Estados e do Distrito Federal Representação dos Municípios: 2 dos Municípios Presidido pela União ATRIBUIÇÕES Tratar de aspectos tributários e gerir as questões decorrentes da legislação; Apreciar a necessidade de revisão dos valores de enquadramento das microempresas e empresas de pequeno porte; Estabelecer a forma de opção pelo Simples Nacional, sendo irretratável para todo o ano-calendário; Regulamentar a forma de indeferimento pela Administração Tributária da opção pelo SIMPLES NACIONAL; Definir o sistema de repasses do total arrecadado; Definir o modelo de documento fiscal de venda ou prestação de serviços. 42

43 13. ATOS REGULAMENTARES I - INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 103, DE 30 DE ABRIL DE 2007 Dispõe sobre enquadramento, reenquadramento e desenquadramento da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte, constantes da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, nas juntas comerciais. II - INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 104, DE 30 DE ABRIL DE 2007 Dispõe sobre a formação de nome empresarial, sua proteção e dá outras providências. III INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 105, DE 16 DE MAIO DE 2007 A Instrução Normativa n. 105, 16 de maio de 2007 do Departamento Nacional de Registro do Comércio DNRC dispõe que: 1) No Registro Público de Empresas Mercantis e Atividades Afins, os pedidos de arquivamento de atos de extinção ou redução de capital de empresário ou de sociedade empresária, bem como os de cisão total ou parcial, incorporação, fusão e transformação de sociedade empresária serão acompanhados dos documentos que comprovem a quitação de tributos e contribuições sociais no âmbito federal, quais sejam: Certidão Conjunta Negativa de Débitos relativos a Tributos Federais e à Dívida Ativa da União, emitida pela Secretaria da Receita Federal e Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional; Certidão Negativa de Débito CND; Certificado de Regularidade do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço FGTS. Obs.: O disposto no item acima aplica-se também aos pedidos de arquivamento de atos de extinção, desmembramento, incorporação e fusão de cooperativa. 2) Ficam dispensadas da apresentação de comprovação de quitação de tributos e contribuições no âmbito federal, para fins de arquivamento: a) o empresário ou a sociedade empresária enquadrada como microempresa ou empresa de pequeno porte; b) os pedidos de arquivamento de atos relativos ao encerramento de atividade de filiais, sucursais e outras dependências de sociedades empresárias nacionais e de empresários. 43

44 IV - RESOLUÇÃO Nº 4 DE 30 DE MAIO DE 2007, DO COMITÊ GESTOR DE TRIBUTAÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DOU DE 1º DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre a opção pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. V - RESOLUÇÃO Nº 5 DE 30 DE MAIO DE 2007, DO COMITÊ GESTOR DE TRIBUTAÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DOU DE 1º DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre o cálculo e o recolhimento dos impostos e contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte optantes pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições (SIMPLES NACIONAL). VI - RESOLUÇÃO Nº 6 DE 18 DE JUNHO DE 2007, DO COMITÊ GESTOR DE TRIBUTAÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DOU DE 20 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre os códigos de atividades econômicas previstos na Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) a serem utilizados para fins da opção pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (SIMPLES NACIONAL). VII - RESOLUÇÃO Nº 7 DE 18 DE JUNHO DE 2007, DO COMITÊ GESTOR DE TRIBUTAÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DOU DE 20 DE JUNHO DE 2007 Altera a Resolução CGSN nº 5, de 30 de maio de 2007, que dispõe sobre o Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (SIMPLES NACIONAL). VIII - RESOLUÇÃO Nº 8 DE 18 DE JUNHO DE 2007, DO COMITÊ GESTOR DE TRIBUTAÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DOU DE 20 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre o Portal do Simples Nacional na internet. 44

45 IX - RESOLUÇÃO Nº 9 DE 18 DE JUNHO DE 2007, DO COMITÊ GESTOR DE TRIBUTAÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DOU DE 20 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre a adoção pelos Estados de sublimites para efeito de recolhimento do Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação (ICMS). 45

46 46

47 47

48 REALIZAÇÃO APOIO Rua Dona Veridiana, 55 - Santa Cecília CEP São Paulo-SP (11) Bauru Campinas Mogi das Cruzes Presidente Prudente Ribeirão Preto Santo AndréSantos São José do Rio Preto São José dos Campos São Paulo Sorocaba 48

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL A Lei Complementar 123/2006 estabelece normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

Empresas optantes pelo SIMPLES NACIONAL não estão obrigadas apresentar DCTF

Empresas optantes pelo SIMPLES NACIONAL não estão obrigadas apresentar DCTF Empresas optantes pelo SIMPLES NACIONAL não estão obrigadas apresentar DCTF A seguir apresentamos um resumo sobre a obrigatoriedade e a não obrigatoriedade de apresentar a DCTF. QUEM ESTÁ OBRIGADO APRESENTAR

Leia mais

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas, empresas de pequeno porte e equiparadas nas contratações de bens, prestação de serviços e execução de obras, no âmbito

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

Lei Complementar 123,

Lei Complementar 123, X Lei Complementar 123, de 14 de dezembro de 2006 [Estatuto das Micro e Pequenas Empresas Fragmentos] (*) DOU 31.01.2012 Institui o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte; altera

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE PROPOSTAS PARA TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE EM MATO GROSSO Comissão criada pela Portaria nº 030/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA ATENDIDO PTA RP 2004 1. MINUTA DE LEI

Leia mais

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte nas contratações públicas de

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL A pessoa jurídica, optante pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

SIMPLES NACIONAL: INGRESSO E DESENQUADRAMENTO

SIMPLES NACIONAL: INGRESSO E DESENQUADRAMENTO Introdução. A) Sujeitos, Modos, Condições e Efeitos. B) Exclusões ou Impedimentos. C) Vedações. II) Desenquadramento. A) Modos. B) Causas. C) Efeitos. Conclusão. Introdução questionamentos. Quem pode ingressar?

Leia mais

CIRCULAR Medida Provisória 252/05

CIRCULAR Medida Provisória 252/05 CIRCULAR Medida Provisória 252/05 A Medida Provisória 252/05, publicada no Diário Oficial em 16 de junho de 2005, instituiu regimes especiais de tributação, alterou parte da legislação de Imposto de Renda,

Leia mais

EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012

EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012 PIS/COFINS EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO 2. CERTIFICADO DIGITAL 3. OBRIGATORIEDADE 3.a Dispensa de Apresentação da EFD-Contribuições

Leia mais

Lei Complementar 123/2006

Lei Complementar 123/2006 Lei Complementar 123/2006 Art. 18-A. O Microempreendedor Individual - MEI poderá optar pelo recolhimento dos impostos e contribuições abrangidos pelo Simples Nacional em valores fixos mensais, independentemente

Leia mais

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 (Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara') Agência Câmara Tel. (61) 3216.1851/3216.1852 Fax. (61) 3216.1856

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino Simples Nacional Seminário de Direito Tributário Assunto: PGDAS Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino 1 CÁLCULO E PGDAS Conceitos Básicos para Cálculo Regime de Tributação: Competência e Caixa Segregação

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. SIMPLES NACIONAL Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno

Leia mais

Como aplicar os avanços da Lei Complementar 123/2006 na área de Compras Governamentais Tema: Compras Governamentais

Como aplicar os avanços da Lei Complementar 123/2006 na área de Compras Governamentais Tema: Compras Governamentais Como aplicar os avanços da Lei Complementar 123/2006 na área de Compras Governamentais Tema: Compras Governamentais Análise realizada em 25/08/2014. Consultores: Maurício Zanin, Maria Aparecida e Mauro

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O microempreendedor individual pode participar de compras públicas? Sim, o Microempreendedor (MEI), pode participar de licitações. A Administração deverá

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Baião & Filippin Advogados Associados Adv.: João Paulo de Mello Filippin Lei Complementar n.º 123/2006 Desburocratização;

Leia mais

Referência: Resolução CGSN nº 122/15 - Simples Nacional - esocial, supressão de atividades permitidas, ativos intangíveis Alterações.

Referência: Resolução CGSN nº 122/15 - Simples Nacional - esocial, supressão de atividades permitidas, ativos intangíveis Alterações. Of. Circ. Nº 269/15 Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2015. Referência: Resolução CGSN nº 122/15 - Simples Nacional - esocial, supressão de atividades permitidas, ativos intangíveis Alterações. Senhor(a)

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI) 04/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Contratação de Empregado... 7 3.2 Cessão ou Locação de Mão-de-Obra... 7

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.218, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2011 Altera a Instrução Normativa RFB nº1.052, de 5 de julho de 2010, que institui a Escrituração Fiscal Digital

Leia mais

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A:

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A: DECRETO Nº 11.560 Estabelece normas para o tratamento diferenciado e favorecido às Microempresas, Empresas de Pequeno Porte e Empreendedor Individual nos termos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro

Leia mais

O arquivo da EFD-Contribuições deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido, via Internet, ao ambiente Sped.

O arquivo da EFD-Contribuições deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido, via Internet, ao ambiente Sped. 001 O que é a EFD-Contribuições? A EFD-Contribuições é a Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 PERGUNTAS E RESPOSTAS Este documento é de caráter meramente

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual 10/07 12/08 07/09 12/06 03/07 03/07 07/07 09/07 09/07 Sanção da Lei Geral da MPE (re)fundação da Frente Parlamentar da MPE Criação da subcomissão Permanente da MPE Entrada em vigor do Simples Nacional

Leia mais

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006. (ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE) O ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE E O ESTADO E MUNICÍPIOS

Leia mais

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector O brasileiro é um povo sem memória, que esquece seus feitos e seus heróis...

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA Equipe Portal de Contabilidade Para encerrar as atividades de uma empresa, é preciso realizar vários procedimentos legais, contábeis e tributários, além de, é claro,

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas

Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Lei Complementar n o 139, sancionada em 10 de novembro de 2011 (PLC 77/2011, do Poder Executivo) Entre os principais avanços do projeto está

Leia mais

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira 1. Introdução O dia 7 de agosto do corrente ano entrou para a história como uma das mais importantes datas para a possível concretização da reforma

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 846/2009, de 28-10-09.

LEI MUNICIPAL Nº 846/2009, de 28-10-09. LEI MUNICIPAL Nº 846/2009, de 28-10-09. INSTITUI A LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA, EMPRESA DE PEQUENO PORTE E MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009.

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. CIRILDE MARIA BRACIAK, Prefeita

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR Nº. 97 DE 1º DE JULHO DE 2010

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR Nº. 97 DE 1º DE JULHO DE 2010 Regulamenta o tratamento diferenciado e favorecido ao microempreendedor individual de que trata a Lei Complementar Federal nº 128, de 19 de dezembro de 2008, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Memorando Construção Civil e Instalações

Memorando Construção Civil e Instalações Memorando Construção Civil e Instalações Desoneração da Folha de Pagamento Setembro de 2013 Publicada em 19 de julho, a nova Lei nº 12.844, alterando a Lei nº 12.546, ampliou de forma definitiva o rol

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DO PIS/PASEP E DA COFINS - EFD-PIS/COFINS - NORMAS GERAIS Introdução - Pessoas Jurídicas

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*)

Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*) Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*) DOU de 24.5.2005 Dispõe sobre o Demonstrativo de Apuração de Contribuições Sociais (Dacon) relativo a fatos geradores ocorridos no ano-calendário

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014 Referência : Correio eletrônico de 13/3/2014. Protocolo AUDIN-MPU nº 453/2014.

Leia mais

SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL

SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL Matéria São Paulo SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL SUMÁRIO 1. Introdução 2. Devolução Conceito 3. Crédito do Imposto no Recebimento de Mercadorias em Devolução ICMS e IPI 4.

Leia mais

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO 1 Empresário Contábil, MBA em Contabilidade Empresarial pela PUC-SP, Delegado Regional do CRC-SP em Jundiai, Professor Universitário e de Pós-Graduação.

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF).

Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 974, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso das atribuições

Leia mais

SIMPLES NACIONAL PARA CORRETORES DE IMÓVEIS

SIMPLES NACIONAL PARA CORRETORES DE IMÓVEIS SIMPLES NACIONAL PARA CORRETORES DE IMÓVEIS APRESENTAÇÃO: SESCON BLUMENAU Leila P. Franke SESCON BLUMENAU Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO LEI N. 1.021, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Define microempresa para efeito fiscal previsto na Lei Complementar n. 48/84 e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DO CERTAME

REGULAMENTO OPERACIONAL DO CERTAME Banco do Brasil - edital nº 2007/21407 (7420) - Registro de Preços - edital 8. REGULAMENTO OPERACIONAL DO CERTAME 8.2 CREDENCIAMENTO NO APLICATIVO LICITAÇÕES 8.2.7 Em se tratando de Microempresa ou Empresa

Leia mais

LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010. LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010. Institui a lei geral municipal da microempresa, empresa de pequeno porte e microempreendedor individual, e dá outras providências. ORCELEI DALLA BARBA, Prefeito

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal?

67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal? OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal? Nas operações de vendas a contribuinte, a Nota Fiscal, modelos 1 e 1-A ou a Nota Fiscal

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

Publicado no DOM Nº 1711 de 29/12/2009 Prefeitura Municipal de Natal LEI Nº. 6.025 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009

Publicado no DOM Nº 1711 de 29/12/2009 Prefeitura Municipal de Natal LEI Nº. 6.025 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 Publicado no DOM Nº 1711 de 29/12/2009 Prefeitura Municipal de Natal LEI Nº. 6.025 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre normas de competência municipal objetivando a implantação no âmbito local do Estatuto

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 7 07/10/2015 10:08 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.538, DE 6 DE OUTUBRO DE 2015 Vigência Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR 14/11 DE 07/12/2011

LEI COMPLEMENTAR 14/11 DE 07/12/2011 LEI COMPLEMENTAR 14/11 DE 07/12/2011 Regulamenta no Município de João Ramalho o tratamento diferenciado e favorecido ao micro empreendedor individual, às microempresas e empresas de pequeno porte de que

Leia mais

ANO XXVI - 2015-3ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 38/2015

ANO XXVI - 2015-3ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 38/2015 ANO XXVI - 2015-3ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 38/2015 ASSUNTOS SOCIETÁRIOS SOCIEDADES, EMPRESÁRIO E EIRELI ENQUADRAMENTO, REENQUADRAMENTO E DESENQUADRAMENTO DE ME OU EPPNA JUNTA COMERCIAL

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

MANUAL Processo Simples Nacional

MANUAL Processo Simples Nacional 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: Conforme combinação com a Equipe Teorema Joinville teríamos que criar uma tabela de Receitas, uma tabela com as alíquotas por faturamento com data inicial final de validade,

Leia mais

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007 DECRETO 8.538/2015 COMPARATIVO COM DECRETO 6.204/2007 Outubro/2015 Importante: Pontos acrescidos estão destacados em verde. Pontos suprimidos estão destacados em vermelho. Decreto nº 8.538, de 6 de outubro

Leia mais

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008 PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Maio/2008 1 CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Será disponibilizado sistema eletrônico para realização do cálculo simplificado do valor mensal devido referente ao Simples Nacional. (LC123/2006,

Leia mais

Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED

Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Principais Aspectos do Sistema Público de Escrituração Digital SPED Como trabalhamos? no passado a pouco tempo Daqui para frente ECD Escrituração Contábil Digital IN RFB 787/07 O que é? : É a substituição

Leia mais

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2005 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Dispõe sobre a desburocratização dos processos de constituição, funcionamento e baixa das microempresas e empresas de pequeno porte, nos

Leia mais

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa A Constituição Federal e o Estatuto Os artigos 146, 170, 179 da Constituição de 1988 contêm os marcos legais que fundamentam as medidas e ações de apoio às

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 127, DE 14 DE AGOSTO DE 2007 Mensagem de veto Altera a Lei Complementar n o 123, de 14 de dezembro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LC 123/2006 SIMPLES NACIONAL (SUPER SIMPLES)

LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LC 123/2006 SIMPLES NACIONAL (SUPER SIMPLES) A s s e s s o r i a C o n t á b i l Av. Maruípe, 2.260, 2º andar - Itararé - Vitória/ES. Cep: 29.047-475 Em frente ao Supermercado Pontes Telefax: (27) 3315-1599 - e-mail: adrianofigueiredo@terra.com.br

Leia mais

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia A advocacia foi inserida no Simples Nacional por meio da Lei Complementar

Leia mais

001 O que é o Simples?

001 O que é o Simples? 001 O que é o Simples? O Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte (Simples) é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido,

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O. São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS!

QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O. São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS! QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 www.qsm.com.br ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS! O fato de mudarmos de ano nos faz revigorados e prontos para novos

Leia mais

001) Quais serão os novos limites de enquadramento como ME ou EPP?

001) Quais serão os novos limites de enquadramento como ME ou EPP? 001) Quais serão os novos limites de enquadramento como ME ou EPP? Resposta: Microempresa - Será ME desde que aufira, em cada ano-calendário, receita bruta igual ou inferior a 360.000,00 (trezentos e sessenta

Leia mais

AULA 03 SOCIEDADE EFEITOS DA PERSONIFICAÇÃO PERSONALIDADE JURÍDICA PRÓPRIA SOCIEDADE X SÓCIO B SÓCIO A EMPREGADO C.CORRENTE EFEITOS LEASING CREDORES

AULA 03 SOCIEDADE EFEITOS DA PERSONIFICAÇÃO PERSONALIDADE JURÍDICA PRÓPRIA SOCIEDADE X SÓCIO B SÓCIO A EMPREGADO C.CORRENTE EFEITOS LEASING CREDORES PERSONALIDADE JURÍDICA PRÓPRIA AULA 03 3.1 S X SÓCIO A SÓCIO B EFEITOS DA PERSONIFICAÇÃO SÓCIO A EMPREGADO C.CORRENTE LEASING NACIONALIDADE NOME EMPRESARIAL EFEITOS LEGITIMIDADE PROCESSUAL TITULARIDADE

Leia mais

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014.

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. DECRETO Nº 39680 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2014 Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

DO REPES. Dos Benefícios do REPES

DO REPES. Dos Benefícios do REPES DECRETO Nº 5.712, DE 2 DE MARÇO DE 2006 Regulamenta o Regime Especial de Tributação para a Plataforma de Exportação de Serviços de Tecnologia da Informação - REPES, instituído pelos arts. 1º a 11 da Lei

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO DO PIS/PASEP MEDIANTE ALÍQUOTA DE 1% (UM POR CENTO) INCIDENTE SOBRE A FOLHA DE SALÁRIO

Leia mais

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional 24 de Janeiro de 2014 LÚCIO DA CUNHA FERNANDES Presidente QUAL A IMPORTÂNCIA DE CONHECER AS FORMAS DE TRIBUTAÇÃO? Reconhecer a opção que mais se adeque a

Leia mais