SIMPLES NACIONAL SEBRAE FENACON. Atualizado até a Resolução CGSN 29, de 21 de janeiro de 2008.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIMPLES NACIONAL SEBRAE FENACON. Atualizado até a Resolução CGSN 29, de 21 de janeiro de 2008."

Transcrição

1 SIMPLES NACIONAL Atualizado até a Resolução CGSN 29, de 21 de janeiro de SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas FENACON Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas Brasília Janeiro de

2 SIMPLES NACIONAL Copyright 2007, SEBRAE, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. É PERMITIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL MEDIANTE CITAÇÃO DA FONTE FENACON Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas Presidente Valdir Pietrobon SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Diretor-Presidente Paulo Tarciso Okamotto Diretor de Administração e Finanças Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico Luiz Carlos Barboza Gerente da Unidade de Políticas Públicas Bruno Quick Lourenço de Lima Consultor da Unidade de Políticas Públicas André Silva Spínola Lusia Angelete Ferreira Consultoria de Conteúdo e Redação do Texto 2

3 SIMPLES NACIONAL Atualizado até a Resolução CGSN 29, de 21 de janeiro de

4 SIGLAS MAIS USADAS CLT Consolidação das Leis do Trabalho CNPJ Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica CODEFAT Conselho dos Depósitos do Fundo de Amparo ao Trabalhador COFINS Contribuição para Financiamento da Seguridade Social CGSN - Comitê Gestor do Simples Nacional CPMF Contribuição Provisória sobre Movimentação ou Transmissão de Valores de Créditos e Direitos de Natureza Financeira CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Liquido DCT Disposições Constitucionais Transitórias EPP Empresa de Pequeno Porte FAT Fundo de Amparo ao Trabalhador FGTS Fundo de Garantia por Tempo de Serviço ICMS Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços de Comunicações e Transporte Interestadual e Intermunicipal INSS Instituto Nacional do Seguro Social IOF Imposto sobre Operações Financeiras IPI Imposto sobre Produtos Industrializados IPTU Imposto Predial e Territorial Urbano ISS Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza LC Lei Complementar ME Microempresa MERCOSUL Mercado Comum do Sul MIDC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior PIB Produto Interno Bruto PIS Programa de Integração Social RAIS Relação Anual de Informações Sociais SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte. 4

5 ÍNDICE INTRODUÇÃO MÓDULO 1 CONCEITOS E OPÇÕES DA MICRO E DA PEQUENA EMPRESA 1. Conteúdo da Lei Complementar 123/ Conceitos de Microempresa e Empresa de Pequeno Porte 3. Restrições ao Enquadramento 4. Formalização da Opção MÓDULO 2 CÁLCULO DO SIMPLES NACIONAL 1. Conceito e Origem 2. Cálculo Eletrônico 3. Base de Cálculo 4. Identificação da Alíquota 5. Simples Nacional nas Atividades Comerciais 6. Simples Nacional nas Atividades Industriais 7. Serviços com INSS Incluído no Simples Nacional 8. Serviços com INSS devido em Separado no Simples Nacional 9. Cálculo do Simples Nacional no Início de Atividades 10. Cálculo com Excesso de Receitas 11. Tributação Facultativa nos Estados 12. Recolhimento do Simples Nacional MODULO 3 DISPENSAS E TRIBUTOS NÃO INCLUÍDOS NO SIMPLES NACIONAL 1. Contribuições Dispensadas 2. Retenções Dispensadas 3. Isenção do Imposto de Renda Sobre Lucros Distribuídos 4. Vedação a Créditos e Incentivos 5. Tributos Não Incluídos no Simples Nacional MÓDULO 4 OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 1. Obrigações Gerais 2. Documentos Fiscais 3. Contabilidade e Escrituração Fiscal 4. Declarações MODULO 5 HIPÓTESES DE EXCLUSÃO DO ESTATUTO NACIONAL 1. Exclusão do Estatuto Nacional 2. Exclusão do Simples Nacional 3. Tributação Após a Exclusão 5

6 MÓDULO 6 ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DA LEI GERAL 1. Instituições Administrativas Competentes 2. Fiscalização do Simples Nacional 3. Penalidades do Simples Nacional 4. Processo Administrativo Fiscal 5. Processo Judicial ANEXOS PERGUNTAS E RESPOSTAS CÓDIGOS PREVISTOS NA CNAE IMPEDITIVOS AO SIMPLES NACIONAL CÓDIGOS PREVISTOS NA CNAE QUE ABRANGEM CONCOMITANTEMENTE ATIVIDADE IMPEDITIVA E PERMITIDA AO SIMPLES NACIONAL PLANO DE CONTAS BÁSICO 6

7 INTRODUÇÃO A Constituição Federal de 1988 estabelece, em seu artigo 179, que a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios devem dispensar tratamento jurídico diferenciado e favorecido às microempresas e empresas de pequeno porte. O objetivo claramente expresso é incentivar o desenvolvimento dessas empresas através da simplificação de suas obrigações administrativas, tributárias, previdenciárias e creditícias, ou pela eliminação destas por meio de lei. A partir desse comando constitucional surgiram várias leis concedendo benefícios para as microempresas e empresas de pequeno porte. A União instituiu a Lei 9.317, de 1996, criando o SIMPLES, um sistema simplificado de recolhimento de tributos e contribuições federais que, mediante convênio, poderia abranger os tributos devidos aos Estados e aos Municípios. Os Estados preferiram não aderir ao SIMPLES e instituíram regimes próprios de tributação, o que acabou resultando em 28 tratamentos tributários diferentes em todo o Brasil. Poucos Municípios aderiram ao SIMPLES federal e a maioria não estabeleceu qualquer benefício para as microempresas e empresas de pequeno porte estabelecidas em seus territórios. O Estatuto Federal das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, aprovado pela Lei 9.841, de 1999, instituiu benefícios nos campos administrativos, trabalhista, de crédito e de desenvolvimento empresarial. Esses benefícios estavam limitados à esfera de atuação do Governo Federal porque lei ordinária federal não pode obrigar os Estados e os Municípios. Como esse cenário estava longe de representar a simplificação e o favorecimento propostos pela Constituição Federal de 1988, o SEBRAE e representantes de entidades ligadas às microempresas e empresas de pequeno porte exigiram a mudança e, em 2003, iniciaram um movimento para a uniformização das normas e ampliação dos benefícios. Como conseqüência desses movimentos, em 19 de dezembro de 2003, foi aprovada a Emenda Constitucional 42, alterando o artigo 146 da Constituição Federal, que passou a exigir lei complementar para estabelecer normas nacionais uniformes sobre o tratamento tributário dessas empresas. As emendas à Constituição também facultaram à lei complementar estabelecer um regime nacional único de arrecadação para incorporar os tributos devidos pelas micro e empresas de pequeno porte à União, aos Estados e aos Municípios. São características exigidas: 1. Ser opcional para o contribuinte; 2. Permitir condições de enquadramento diferenciadas por Estado; 3. Unificar e centralizar o recolhimento dos tributos, com distribuição imediata da parcela de recursos pertencentes aos respectivos entes federados, sem qualquer retenção ou condicionamento; 4. Possibilitar o compartilhamento, pelos entes federados, da arrecadação, da fiscalização e cobrança, quando adotado o cadastro nacional único de contribuintes. 7

8 Em 2004, para regulamentar as emendas à Constituição, foi apresentado à Câmara de Deputados um projeto que acabou resultando na Lei Complementar 123, de 14 de dezembro de 2006, que criou o Estatuto Nacional das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. A Lei Complementar 123/2006 foi instituída com o objetivo de estabelecer normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado às micro e pequenas empresas, no âmbito dos poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, especialmente no que se refere: a) à apuração e recolhimento dos impostos e contribuições federais, estaduais e municipais, mediante regime único de arrecadação, inclusive obrigações acessórias; b) ao cumprimento de obrigações trabalhistas e previdenciárias, inclusive obrigações acessórias; c) ao acesso ao crédito e ao mercado, inclusive quanto à preferência nas aquisições de bens e serviços pelos Poderes Públicos, tecnologia, associativismo e regras de inclusão. A Lei Complementar 123/2007 foi posteriormente alterada pela Lei Complementar 127, de 14 de agosto de As alterações no texto inicial do Novo Estatuto tiveram como objetivos principais o aperfeiçoamento do Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições SIMPLES NACIONAL. Os benefícios não tributários vigoram desde 15/12/2006. O regime especial unificado de arrecadação de tributos e contribuições - SIMPLES NACIONAL - entrou vigor em 01/07/2007. Muitos dos dispositivos da Lei Complementar 123/2007 ainda estão pendentes de regulamentação nos Estados e Municípios. Nesta apostila examinamos, em 7 módulos distintos, os benefícios da Lei Geral e as normas aplicáveis ao cálculo dos tributos devidos pelas microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo SIMPLES NACIONAL. No módulo 1 são repassados os conceitos e condições para fruição dos benefícios tributários e não tributários, bem como os procedimentos para enquadramento das empresas.o módulo 2 trata dos benefícios gerais concedidos às micro e pequenas empresas que preencherem as condições legais para enquadramento, tais como acesso ao crédito e ao mercado, participação em compras públicas, abertura e baixa simplificadas, dentre outros. O módulo 3 é dedicado à demonstração prática do cálculo do SIMPLES NACIONAL nas diversas atividades exercidas pelas micro e pequenas empresas. Nesse módulo estão consolidadas as alíquotas das tabelas de incidência, com ou sem substituição tributária, bem como aquelas previstas para as empresas que pagam a contribuição previdenciária em separado do SIMPLES NACIONAL. No módulo 4, são examinados o impostos e contribuições dos quais a micro e a pequena empresa são isentas ou dispensadas do recolhimento. Também são examinados os impostos e 8

9 contribuições que as microempresas e as empresas de pequeno porte devem pagar em separado do SIMPLES NACIONAL. O módulo 5 destina-se às novas obrigações tributárias acessórias exigidas das microempresas e empresas de pequeno porte após a edição da Lei Complementar 123/2006. O módulo 6 examina as hipóteses de exclusão das empresas beneficiadas pelo Estatuto Nacional e a sua adaptação aos regimes tributários tradicionais. O módulo 7 trata da administração do Estatuto Nacional, da fiscalização do SIMPLES NACIONAL e dos processos administrativo fiscal e judicial. Finalmente, os anexos contêm as tabelas de partilha do SIMPLES NACIONAL, Perguntas e Respostas emitidas pelo Comitê Gestor do SIMPLES NACIONAL, os Códigos de Atividade Econômicas CNAE que impedem a opção das micro e pequenas empresas a esse sistema especial de arrecadação tributária e o Plano de Contas Básico da Contabilidade. 9

10 MÓDULO 1 CONCEITOS E OPÇÕES DA MICRO E DA PEQUENA EMPRESA 1. CONTEÚDO DA LEI COMPLEMENTAR 123/2006 O Estatuto Nacional das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte foi instituído pela Lei Complementar 123 de 14 de dezembro de 2006 e representa um conjunto de normas que consolidam o tratamento diferenciado e favorecido, no âmbito dos poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Os benefícios abrangem os seguintes temas: Inscrição e Baixa Simplificadas Regime Unificado de Arrecadação Tributária SIMPLES NACIONAL Acesso aos Mercados Simplificação das Relações de Trabalho Fiscalização Orientadora Associativismo Estímulo ao Crédito e à Capitalização Estímulo à Inovação Regras Civis e Empresariais Acesso à Justiça Apoio e Representação A LC 123/2006 contém, portanto, benefícios NÃO TRIBUTÁRIOS e benefícios TRIBUTÁRIOS (SIMPLES NACIONAL). A fruição dos benefícios é facultativa para as micro e pequenas empresas. No entanto, condições foram impostas para a empresa usufruir dos benefícios, através dos seguintes artigos da Lei Geral: ARTIGO 3º: estabelece as condições gerais que autorizam as empresas a usufruir os benefícios não tributários e as credencia para optar pelo regime especial de arrecadação; ARTIGO 17: relaciona as hipóteses de impedimento ao sistema de arrecadação tributária - SIMPLES NACIONAL. Os benefícios tributários não poderão ser adotados por todas as microempresas e empresas de pequeno porte, porque as imposições do SIMPLES NACIONAL são mais restritivas do que as expressas no artigo 3º da LC 123/

11 2. CONCEITOS DE MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE Para todos os efeitos da Lei Geral, serão consideradas microempresas e empresas de pequeno porte, as sociedades empresariais, as sociedades simples e o empresário individual que obtiverem, em cada ano-calendário, receita bruta em valor: Microempresa: igual ou inferior a R$ ,00 Empresa de pequeno porte: acima de R$ ,00 e igual ou inferior a R$ ,00 Atenção: Veja limite adotado pelos Estados no item Conceito de Receita Bruta Considera-se receita bruta, o produto da venda de bens e serviços nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados e o resultado nas operações em conta alheia, não incluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos. Para efeito de enquadramento, serão consideradas as receitas auferidas no ano-calendário anterior, exceto no ano de início de atividades LIMITE PROPORCIONAL NO INÍCIO DE ATIVIDADES No início de atividade, os limites de receita bruta serão proporcionais ao número de meses em que a microempresa ou a empresa de pequeno porte exercer atividades no período, incluídas as frações de meses. Os limites proporcionais ao número de meses em atividade serão considerados quando: a opção se der no ano de início de atividades; ou a opção se der no ano seguinte ao início de atividades, hipótese em que o limite proporcional do ano anterior servirá como parâmetro para o enquadramento. Exemplo: Início de atividades: 16/05/2007 Números de meses a considerar: 8 meses (incluída a fração de maio) Limite proporcional Microempresa: R$ ,00/12 x 8 = R$ ,00 Empresa de pequeno porte: R$ ,00/12 x 8 = R$ ,00 11

12 Quadro Auxiliar dos Limites Proporcionais de Receita Bruta Meses em ME EPP Atividade (Limite Anual/12) x meses em atividade (Limite Anual/12) x meses em atividade , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 Atenção: A empresa de pequeno porte que auferir receita bruta igual ou inferior a R$ ,00, ou limite proporcional a esse valor, passará à condição de microempresa no ano-calendário seguinte EXCESSO DE RECEITA BRUTA O excesso de receita bruta poderá desenquadrar a microempresa ou excluir a empresa de pequeno porte para todos os efeitos legais Reenquadramento da Microempresa Se a microempresa auferir receita bruta acima do limite anual de R$ ,00, será enquadrada, automaticamente, como empresa de pequeno porte no ano-calendário seguinte, desde que a receita auferida esteja dentro do limite de R$ ,00. Exemplo: microempresa Limite a ser observado: R$ ,00 Receita auferida no ano: R$ ,00 Enquadramento no ano seguinte: empresa de pequeno porte Atenção: Na vigência da Lei 9841/1999, essa situação somente provocava o desenquadramento para os efeitos tributários, pois o desenquadramento dos demais benefícios ocorria após 2 anos consecutivos ou 3 anos alternados de excesso de receita Desenquadramento da Empresa de Pequeno Porte A empresa de pequeno porte que exceder o limite de receita bruta anual de R$ ,00 será excluída, no ano-calendário seguinte, para todos os efeitos legais. 12

13 Exemplo: empresa de pequeno porte Receita auferida no ano: R$ ,000 Enquadramento no ano seguinte: sujeita às normas aplicáveis às demais empresas. Atenção: Na vigência da Lei 9841/1999, essa situação somente provocava o desenquadramento para os efeitos tributários, pois o desenquadramento dos demais benefícios somente ocorria após 2 anos consecutivos ou 3 anos alternados de excesso de receita Início de Atividades com Excesso de Receita Bruta A microempresa que apurar excesso de receita bruta no ano de início de atividades passará, no ano-calendário seguinte, à condição de empresa de pequeno porte. A pequena empresa, na mesma situação será excluída dos benefícios no ano seguinte. Se a receita bruta apurada pela microempresa ou pela empresa de pequeno porte ultrapassar o limite de R$ ,00, multiplicados pelo número de meses de funcionamento no período, a exclusão terá efeitos retroativos ao início das atividades. Mas os efeitos retroativos serão suspensos se o excesso de receita não superar 20% dos respectivos limites proporcionais, hipótese em que a exclusão ocorrerá a partir do ano-calendário subseqüente. Exemplo: Inicio de atividades: setembro/2008 Limite proporcional: R$ ,00 (R$ ,00/12 x 4) Receita de setembro/2008 a dezembro/2008: R$ ,00 Excesso: R$ ,00 - R$ ,00 = R$ ,00 Percentual do excesso em relação ao limite: R$ ,00/ ,00 x 100 = 25% Nesse exemplo, a exclusão será retroativa a setembro/2008, porque o excesso ultrapassa em mais de 20% o limite proporcional admitido. Atenção: Se a empresa nessa situação estiver enquadrada no SIMPLES NACIONAL deve recalcular os tributos considerando as normas gerais de tributação das empresas e pagar a diferença ou o total, conforme o caso, acrescidos tão-somente de juros de mora se efetuado o pagamento antes de qualquer procedimento de ofício. Para efeitos dos demais benefícios, vale a regra de que o enquadramento ou o desenquadramento da microempresa ou empresa de pequeno porte não implica alteração, denúncia ou qualquer restrição em relação a contratos por ela anteriormente firmados. 13

14 2.3. RECEITA BRUTA ABAIXO DO LIMITE Se a empresa de pequeno porte auferir receita bruta igual ou inferior a R$ ,00, ou limite proporcional a esse valor no ano de início de atividades, passará à condição de microempresa no ano-calendário seguinte, para todos os efeitos. Exemplo: empresa de pequeno porte Limite a observar: R$ ,00 (como EPP) Receita auferida no ano 2007: R$ ,00 Condição de enquadramento no ano seguinte: microempresa 2.4. LIMITES ALTERNATIVOS PARA ESTADOS E MUNICÍPIOS Exclusivamente para efeito de recolhimento do ICMS através do SIMPLES NACIONAL, os Estados e o Distrito Federal podem optar, em seus territórios, por limites diferenciados. A opção dos Estados e do Distrito Federal por esses limites alternativos será manifestada por decreto do Poder Executivo, publicado até o ultimo dia útil do mês de outubro de cada ano. Atenção: Excepcionalmente no ano de 2007, os limites alternativos estabelecidos pelos Estados e Municípios até 20 de agosto de 2007 foram adotados a partir de 01/07/ Os limites alternativos vigoram a partir do ano seguinte à sua adoção pelo Estado ou pelo Distrito Federal e não prejudicam os demais benefícios das empresas regularmente enquadradas na Lei Geral. São critérios observados na fixação dos limites alternativos: Estados com participação no PIB (*) de até 1%: poderão optar pelo limite de até R$ ,00; Estados com participação no PIB (*) maior do que 1% e menor que 5%: poderão optar pelo limite anual de até R$ ,00; e Estados com participação no PIB (*) igual ou superior a 5%: devem adotar o limite de até R$ ,00. (*) A participação no Produto Interno Bruto brasileiro será apurada levando em conta o último resultado divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Limites Adotados pelos Estados Brasileiros No ano de 2008, os Estados adotaram os seguintes limites para aplicação do SIMPLES NACIONAL (Resolução 24 CGSN, de 24 de dezembro de 2007): a) Limite de receita anual de até R$ ,00: Acre, Amapá, Alagoas, Maranhão, Paraíba, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Sergipe, Tocantins. 14

15 b) Limite até R$ ,00: Amazonas, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará e Pernambuco. c) Limite até R$ ,00: demais Estados e o Distrito Federal. Obrigatoriedade dos Municípios no Mesmo Território Se Estado optar pelos limites diferenciados de receita bruta, os Municípios nele localizados devem adotar o mesmo limite para fins de arrecadação do ISS Limites Alternativos no Início de Atividades No Distrito Federal e nos Estados que adotaram os valores alternativos de receita bruta, serão observados os seguintes limites proporcionais de receita bruta, em função do número de meses em atividade: Meses em atividade/receita Proporcional LIMITES ALTERNATIVOS PROPORCIONAIS ,00/12 x numero de meses R$ ,00/12 x numero de meses R$ ,00/12 x numero de meses , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 Exemplo: Início de atividades: setembro/2007 Meses em atividade: 4 Limite alternativo proporcional: Estados com PIB de até 1% = R$ ,00 (R$ ,00/12 x 4) Estados com PIB acima de 1% e inferior a 5% = R$ ,00 (R$ ,00/12 x 4) Estados com PIB acima de 5% = R$ ,00 (R$ ,00/12 x 4) Enquadramento no Ano Seguinte ao Início de Atividades O limite proporcional alternativo será observado, inclusive, quando a opção pelo SIMPLES NACIONAL for realizada no ano seguinte ao início de atividades. Nesse caso, se a receita bruta 15

16 do ano anterior superar os limites alternativos proporcionais, a empresa ficará impedida de recolher o ICMS e o ISS através do SIMPLES NACIONAL. Exemplo: Inicio de atividades: setembro/2007 Limite alternativo proporcional: R$ ,00 (R$ ,00/12 x 4) Receita de setembro/2007 a dezembro/2007: R$ ,00 Conseqüência: empresa impedida de pagar o ICMS ou ISS pelo SIMPLES NACIONAL em 2008, mas podem permanecer enquadrada para os demais benefícios da lei Geral, porque não houve excedente em relação ao limite de R$ , Excesso de Receita Bruta nos Estados e Municípios A empresa ficará automaticamente impedida de recolher o ICMS e o ISS através do SIMPLES NACIONAL, no ano-calendário seguinte, caso a receita bruta auferida supere os limites de R$ ,00, R$ ,00 ou R$ ,00, conforme o caso. Exemplo: Limite adotado pelo Estado: R$ ,00 Receita apurada pela Empresa no ano-calendário: R$ ,00 Conseqüências: A empresa deixará de recolher o ICMS ou o ISS pelo SIMPLES FEDERAL. Manutenção do Recolhimento do ICMS e/ou do ISS Se o Estado ou o Distrito Federal adotar faixa de receita bruta superior a que vinha utilizando no ano-calendário em que ocorreu o excesso de receita bruta não haverá a exclusão por esse fato. Exemplo: Novo Limite de receita adotado pelo Estado: R$ ,00 Limite facultativo adotado anteriormente: R$ ,00 Receita apurada pela empresa: R$ ,00 Nesse caso, a empresa não será excluída, uma vez que a receita é inferior ao novo limite pelo Estado Excesso no Início de Atividades No caso de excesso no ano de início de atividades, a empresa deixa de recolher o ICMS e ISS através do SIMPLES NACIONAL, de forma retroativa ao primeiro mês de atividades. Nesse caso, ficará obrigada a pagar a diferença ou totalidade dos tributos devidos, com acréscimo tão-somente 16

17 de juros de mora, quando o pagamento for efetuado antes de qualquer procedimento de oficio. A retroatividade não será aplicada se o excesso de receita do ano de início de atividades não superar 20% dos respectivos limites, hipótese em que os efeitos do impedimento serão sentidos somente a partir do ano seguinte. Apesar de impedidas de efetuar o recolhimento do ICMS e do ISS de forma simplificada, a ME e a EPP permanecerão enquadradas no SIMPLES NACIONAL em relação aos tributos e contribuições federais, desde que atendidas as condições pertinentes. Quando o recolhimento do ICMS ou do ISS não estiver sendo efetuado por meio do SIMPLES NACIONAL, as respectivas alíquotas serão reduzidas dos percentuais relativos a esses impostos. Exemplo: Limite alternativo adotado pelo Estado: R$ ,00 Inicio de atividades: setembro/2008 Limite proporcional: R$ ,00 (R$ ,00/12 x 4) Receita de setembro/2008 a dezembro/2008: R$ ,00 Excesso: R$ ,00 - R$ ,00 = R$ ,00 Percentual do excesso em relação ao limite: R$ ,00/ ,00 x 100 = 33% Conseqüências: a empresa não poderá continuar recolhendo o ICMS e/ou o ISS através do SIMPLES NACIONAL. Também não poderá recolher os demais tributos nesse sistema porque apurou receita acima do limite proporcional admitido (R$ ,00/12 x 4 = R$ ,00). Nesse caso deve pagar os tributos devidos utilizando os sistemas tradicionais de tributação, retroativamente ao inicio de atividades, acrescidos de juros de mora se liquidados antes do procedimento fiscal. 3. RESTRIÇÕES AO ENQUADRAMENTO A empresa não será enquadrada no tratamento diferenciado e favorecido se não observar as demais condições previstas no Estatuto Nacional das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte. A Lei Complementar 123/2006 criou dois conjuntos de restrições: um desses conjuntos impede a empresa de se usufruir qualquer beneficio e, o outro, impede a opção da empresa ao SIMPLES NACIONAL. Nos itens a seguir, demonstramos cada uma dessas restrições RESTRIÇÕES QUE IMPEDEM QUALQUER BENEFÍCIO Mesmo que obtenham receita bruta anual abaixo dos valores limites estabelecidos pela Lei Geral, as empresas estão impedidas de efetuar o seu enquadramento se apresentarem qualquer uma das seguintes características: 17

18 a) tiver como sócio outra pessoa jurídica; b) for filial, sucursal, agência ou representação, no País, de pessoa jurídica com sede no exterior; c) tiver sócio ou titular, inscrito como empresário ou sócio de outra empresa que receba o tratamento jurídico diferenciado previsto no Estatuto Nacional, se a receita bruta global ultrapassar o limite de R$ ,00, ou limite proporcional ao início de atividades; d) tiver titular ou sócio com participação maior do que 10% do capital de outra empresa não beneficiada pelo Estatuto, se a receita bruta global ultrapassar o limite de R$ ,00, ou limite proporcional ou início de atividades; e) tiver sócio ou titular como administrador ou equiparado de outra pessoa jurídica com fins lucrativos, se a receita bruta global ultrapassar o limite de R$ ,00, ou proporcional ao início de atividades; f) estiver constituída sob a forma de cooperativas, salvo as de consumo; g) participar do capital de outra pessoa jurídica (*); h) exercer atividade de banco comercial, de investimentos e de desenvolvimento, de caixa econômica, de sociedade de crédito, financiamento e investimento ou de crédito imobiliário, de corretora ou de distribuidora de títulos, valores mobiliários e câmbio, de empresa de arrendamento mercantil, de seguros privados e de capitalização ou de previdência complementar; i) for resultante ou remanescente de cisão ou qualquer outra forma de desmembramento de pessoa jurídica que tenha ocorrido em um dos 5 anos-calendário anteriores; j) estiver constituída sob a forma de sociedade por ações. (*) Essas restrições não se aplicam à participação no capital de cooperativas de crédito, bem como em centrais de compras, bolsas de subcontratação, no consórcio SIMPLES e associações assemelhadas, sociedades de interesse econômico, sociedades de garantia solidária e outros tipos de sociedade, que tenham como objetivo social a defesa exclusiva dos interesses econômicos das microempresas e empresas de pequeno porte. Exclusão e Retorno Na hipótese de estar enquadrada no Estatuto Nacional e sofrer qualquer uma dessas restrições, a empresa será excluída do regime favorecido a partir do mês seguinte ao respectivo evento. No entanto, poderá retornar à condição de micro ou pequena empresa a partir do ano seguinte aquele em que não estiver mais presente a situação ou o fato que provocou a sua exclusão. 18

19 Restrições Relativas aos Sócios ou Titulares Para fins de enquadramento na Lei Geral é relevante a constituição do quadro societário, porque o fato de existir um sócio ou o próprio titular participando de outra empresa pode restringir o acesso aos benefícios do Estatuto Nacional ou excluir empresa já enquadrada. As restrições impostas pela Lei Geral também levam em consideração a receita bruta global auferida pelas empresas com sócios em comum. Receita Global: Entende-se por receita bruta global, a soma das receitas brutas anuais auferidas pelas empresas que tenham sócio(s) em comum (empresas interligadas). Assim, se o sócio ou titular participar ou administrar outra empresa, é importante verificar a receita global e o grau de participação da pessoa física em cada uma. A(s) empresa(s) será (ao) impedida (s) sempre que a soma da receita global das empresas interligadas ultrapassar a R$ ,00 e houver, simultaneamente, participação de um sócio ou titular: em qualquer percentual, de outra empresa também beneficiada pelo Estatuto Nacional; com mais de 10% do capital de outra empresa não beneficiada pelo Estatuto Nacional; na qualidade de administrador ou equiparado de outra empresa com fins lucrativos. Nos exemplos a seguir verificamos as restrições relativas à participação dos sócios em outras empresas: SITUAÇÃO 1 Sócio/Empresa A B Sócio X 50% 50% Sócio Y 50% - Receita Anual R$ ,00 R$ ,00 Receita Global R$ ,00 Na primeira situação, as duas empresas interligadas são admitidas nos benefícios do Estatuto Nacional porque a receita bruta global não supera o limite de R$ ,00. Não importa, nesse caso, o percentual de participação do sócio X no capital das empresas ou a sua qualidade de administrador. O relevante é a receita global manter-se no limite admitido. SITUAÇÃO 2 Sócio/Empresa A B Sócio X 50% 15% Sócio Y 50% 85% Receita Anual R$ ,00 R$ ,00 Receita Global R$ ,00 Na situação dois, nenhuma empresa interligada poderá optar pelos benefícios do Estatuto Nacional porque a receita bruta global supera o limite de R$ ,00 e a participação dos sócios é superior a 10% do capital social de ambas as empresas. 19

20 SITUAÇÃO 3 Sócio/Empresa A B Sócio X 50% 8% Sócio Y 50% - Receita Anual R$ ,00 R$ ,00 Receita Global R$ ,00 Na situação três, a empresa B não poderá ser enquadrada de forma alguma porque a soma das receitas das empresas interligadas é maior do que R$ ,00 e a participação do sócio X na empresa A é superior a 10%. Apesar de a soma das receitas superar o limite, a empresa A será enquadrada porque o sócio X tem menos de 10% do capital da empresa B, que não usufrui os benefícios da Lei Geral. SITUAÇÃO 4 Sócio/Empresa A B Sócio X 5% 8% Sócio Y 95% - Receita Anual R$ ,00 R$ ,00 Receita Global R$ ,00 Na situação 4, as empresas têm o mesmo sócio X, mas com participação abaixo de 10%. Como a soma das receitas ultrapassa o limite, apenas uma empresa poderá ser enquadrada na Lei Geral. SITUAÇÃO 5 Sócio/Empresa A B C Sócio X 50% 15% - Sócio Y 50% 5% 50% Sócio W - 80% 50% Receita Anual R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Receita Global R$ ,00 Na situação 5, se não houver outra restrição as empresas A, B e C podem ser enquadradas nos benefícios do Estatuto Nacional porque a receita global não supera o limite de receita bruta RESTRIÇÕES AO SIMPLES NACIONAL Ainda que esteja enquadrada como micro ou pequena empresa, o contribuinte pode ter negada a sua opção pelo SIMPLES NACIONAL. Isso porque, além das condições examinadas no item anterior, as empresas interessadas nos benefícios tributários devem observar as restrições específicas da Lei Complementar 123/2006. São situações ou fatos específicos que impedem a empresa de optar pelo SIMPLES NACIONAL, além das restrições examinadas anteriormente: 20

21 Possuir sócio residente ou domiciliado no exterior; Manter em seu quadro societário entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal; Possuir débitos com o INSS, com as Fazendas Públicas Federal, Estadual ou Municipal, cuja exigibilidade não esteja suspensa; Exercer atividades econômicas vedadas Empresas Impedidas Por Atividades Vedadas Para fins tributários, estão impedidas de optar pelo SIMPLES NACIONAL as empresas com as seguintes atividades econômicas: a) prestação cumulativa e contínua de serviços de assessoria creditícia, gestão de crédito, seleção e riscos, administração de contas a pagar e a receber, gerenciamento de ativos (asset management), compras de direitos creditórios resultantes de vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços (factoring); b) serviços de comunicação; c) serviços de transporte intermunicipal e interestadual de passageiros; d) geradora, transmissora, distribuidora ou comercializadora de energia elétrica; e) importação ou fabricação de automóveis e motocicletas; f) importação de combustíveis; g) produção ou venda no atacado de bebidas alcoólicas, bebidas tributadas pelo IPI com alíquota específica, cigarros, cigarrilhas, charutos, filtros para cigarros, armas de fogo, munições e pólvoras, explosivos e detonantes. (A redação original da LC 123/2006 impedia a opção apenas para a venda de cigarros e também de outros produtos tributados pelo IPI com alíquota ad valorem superior a 20% ou com alíquota específica, o que foi modificado pela LC 127/2007); h) cessão ou locação de mão-de-obra; i) consultoria; j) loteamento e incorporação de imóveis; k) prestação de serviços decorrentes do exercício de atividade intelectual, de natureza técnica, científica, desportiva, artística ou cultural, que constitua profissão regulamentada ou não, bem como a que preste serviços de instrutor, de corretor, de despachante ou de qualquer tipo de intermediação de negócios. Atividades Admitidas O SIMPLES NACIONAL admite o ingresso de empresas com quaisquer atividades que não estejam expressamente vedadas, desde que não incorram em outros impedimentos. São admitidas no SIMPLES NACIONAL porque foram excetuadas da lista de impedimentos, as 21

22 empresas que se dedicam exclusivamente às seguintes atividades ou as exercem em conjunto com outras atividades autorizadas: a) creche, pré-escola e estabelecimento de ensino fundamental; b) agência terceirizada de correios; c) agência de viagem e turismo; d) centro de formação de condutores de veículos automotores de transporte terrestre de passageiros e de carga; e) agência lotérica; f) manutenção e reparação de automóveis, caminhões, ônibus, outros veículos pesados, tratores, máquinas e equipamentos agrícolas; g) instalação, manutenção e reparação de acessórios para veículos automotores; h) manutenção e reparação de motocicletas, motonetas e bicicletas; i) instalação, manutenção e reparação de máquinas de escritório e de informática; j) reparos hidráulicos, elétricos, pintura e carpintaria em residências ou estabelecimentos civis ou empresariais, bem como manutenção e reparação de aparelhos eletrodomésticos; k) instalação e manutenção de aparelhos e sistemas de ar condicionado, refrigeração, ventilação, aquecimento e tratamento de ar em ambientes controlados; l) veículos de comunicação, de radiodifusão sonora e de sons e imagens, e mídia externa; m) construção de imóveis e obras de engenharia em geral, inclusive sob a forma de subempreitada; n) transporte municipal de passageiros; o) montagem de estandes para feiras; p) escolas livres, de línguas estrangeiras, artes, cursos técnicos e gerenciais; q) produção cultural e artística; r) produção cinematográfica e de artes cênicas; s) administração e locação de imóveis de terceiros, cumulativamente; t) academias de dança, de capoeira, de ioga e de artes marciais; u) academias de atividades físicas, desportivas, de natação e escolas de esportes; v) elaboração de programas de computadores, inclusive jogos eletrônicos, desde que desenvolvidos em estabelecimento do optante; w) licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação; x) planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas, desde que realizados em estabelecimento do optante; y) escritórios de serviços contábeis; z) serviço de vigilância, limpeza ou conservação. 22

23 Utilização do CNAE para Identificar a Atividade Admitida A LC 123/2006 relacionou, no seu artigo 17, as atividades cujo exercício impede a opção da empresa pelo SIMPLES NACIONAL. Para evitar dúvidas na interpretação do texto legal, o Comitê Gestor optou por adotar a Classificação Nacional de Atividades Econômicas CNAE, como parâmetro de identificação das atividades cujo exercício impede a empresa de optar pelo SIMPLES NACIONAL. A Resolução 6 CGSN, de 18/06/2007, alterada pela Resolução 20 CGSN, de 15/08/2007, relaciona os códigos do CNAE das atividades vedadas no SIMPLES NACIONAL. Os códigos do CNAE impeditivos de opção pelo SIMPLES NACIONAL encontram-se em anexo a essa apostila. No caso de alteração do código CNAE considerado impeditivo ou ambíguo, serão observadas as seguintes regras: se determinada atividade econômica deixar de ser considerada como impeditiva ao SIMPLES NACIONAL, as ME e EPP que exercem essa atividade passarão a ser admitidas no regime tributário a partir do ano seguinte ao da alteração do código, desde que observadas as demais condições legais; se determinada atividade econômica passar a ser considerada impeditiva, as ME e EPP optantes que exercem essa atividade devem efetuar a sua exclusão obrigatória, porém com efeitos para o ano-seguinte Empresas com Débitos Tributários e Previdenciários A empresa ficará impedida de optar pelo SIMPLES NACIONAL se possuir dívidas com o Instituto Nacional do Seguro Social INSS - ou com as Fazendas Públicas Federal, Estadual ou Municipal, se a exigibilidade não estiver suspensa. Da mesma forma, poderá ficar impedida de utilizar o tratamento beneficiado a empresa que possuir titular ou sócio com dívida tributária ou previdenciária. Para regularizar as dívidas, a empresa pode optar pelo pagamento integral ou pelo seu parcelamento. O parcelamento deve ser solicitado à repartição fiscal responsável pela administração do débito, tendo em vista as competências privativas de cada ente federativo. Para permitir o ingresso de micro e pequenas empresas no SIMPLES NACIONAL, a Lei Complementar 123/2006 concedeu um parcelamento especial em 120 meses, para os fatos geradores ocorridos até 31/05/2007. O prazo para solicitação do parcelamento terminou em 20/08/2007 e o de regularização dos débitos em 31/10/2007. As empresas que optaram pelo SIMPLES NACIONAL, mas não regularizaram seus débitos tiveram anuladas as suas opções. Atenção: Ainda que a ME ou a EPP exerça exclusivamente atividade não incluída na competência tributaria municipal, se possuir débitos tributários junto à Fazenda Municipal, o município poderá proceder à sua exclusão do SIMPLES NACIONAL (Resolução CGSN 23, de 13 de novembro de 2007). 23

24 Débitos Tributários Diferidos As microempresas e empresas de pequeno porte que tiverem débitos diferidos de impostos e contribuições, relativos a períodos anteriores à opção pelo SIMPLES NACIONAL, devem efetuar o seu pagamento no prazo de 30 dias, contados do deferimento da opção. 4. FORMALIZAÇÃO DA OPÇÃO O enquadramento da microempresa e da empresa de pequeno porte na Lei Complementar 123/2006 obedece a trâmites distintos, porque existem condições distintas para fruição dos benefícios tributários e dos não tributários. Dessa forma, se não houver qualquer restrição, a empresa poderá ser enquadrada para usufruir todos os benefícios legais. Se existir restrição especifica do SIMPLES NACIONAL, a empresa não poderá manter a opção pela arrecadação tributária unificada. Considerando que as condições são complementares, nos deparamos com as seguintes situações: a) haverá empresas que poderão ser enquadradas para todos os efeitos da LC 123/2007, inclusive o tributário; b) haverá empresas que não poderão ser enquadradas para os efeitos tributários por não atenderem as condições para tanto. Nesse caso, poderão obter apenas os benefícios não tributários ENQUADRAMENTO GERAL Para obter os benefícios não tributários e ser credenciada a optar pelo SIMPLES NACIONAL, a empresa está subordinada aos trâmites legais estabelecidos pelos órgãos de registro público. As sociedades empresariais e os empresários devem ser enquadrados na Junta Comercial do Estado onde estiverem localizadas. As sociedades simples devem observar os procedimentos estabelecidos pelos respectivos cartórios de Registro Civil das Pessoas Jurídicas. O enquadramento da micro e da pequena empresa não é obrigatório e nem existe prazo para a sua realização. No entanto, enquanto não efetuado, a empresa não poderá usufruir qualquer beneficio da LC 123/2006, inclusive do SIMPLES NACIONAL Procedimentos nas Juntas Comerciais A Instrução Normativa 103, de 30 de abril de 2007, do Departamento Nacional de Registro do Comercio, estabeleceu que o registro da micro e da pequena empresa será realizado mediante arquivamento de declaração do empresário ou da sociedade empresarial que contenha: a) titulo Declaração ; b) requerimento dirigido ao Presidente da Junta Comercial da Unidade da Federação respectiva, solicitando o enquadramento, com o seguinte conteúdo: nome 24

25 empresarial, endereço, numero de identificação da empresa (NIRE), data de registro do ato constitutivo e numero de inscrição no CNPJ (se houver); c) declaração, sob as penas da lei, de que o empresário ou a sociedade empresarial se enquadra na situação de microempresa ou empresa de pequeno porte. As declarações de enquadramento podem ser emitidas diretamente através dos endereços eletrônicos das Juntas Comerciais. Comprovação do Enquadramento Após o enquadramento, a comprovação da condição de microempresa ou empresa de pequeno porte será efetuada mediante certidão expedida pela Junta Comercial. ME/EPP Enquadradas Antes da LC 123/2006 As microempresas e as empresas de pequeno porte enquadradas antes da vigência da Lei 123/2006 foram automaticamente recepcionadas pelo novo Estatuto, exceto as incursas em alguma das situações impeditivas para enquadramento. As sociedades anônimas e cooperativas, anteriormente admitidas pelo Estatuto da Lei 9841/1999 (revogado em 30/06/2007), foram automaticamente desenquadradas da condição de microempresa ou empresa de pequeno porte, tendo em vista que a nova lei não recepciona esses tipos jurídicos. Somente as sociedades cooperativas de consumo permanecem enquadradas por permissão legal Procedimentos dos Cartórios de Registro das Pessoas Jurídicas Esses cartórios obedecem à legislação específica dos respectivos Estados onde estiverem localizados. De uma forma geral, os cartórios costumam solicitar declaração de enquadramento da microempresa e empresa de pequeno porte, nos mesmos moldes da Junta Comercial da respectiva unidade federativa. No entanto, alguns exigem que, no início de atividade, a empresa inclua uma cláusula no próprio contrato social, declarando a sua condição de micro ou de pequena empresa OPÇÃO PELO SIMPLES NACIONAL Uma vez enquadrada no registro público, a micro e a empresa de pequeno porte poderão pleitear o enquadramento no SIMPLES NACIONAL, de acordo com as normas instituídas pelo Comitê Gestor. Para obter esse enquadramento, as empresas devem observar as condições do regime especial de arrecadação tributária. 25

26 Formalização da Opção A opção pelo SIMPLES NACIONAL será realizada por meio da Internet, no Portal do SIMPLES NACIONAL: - solicitação de opção pelo simples nacional. No momento da opção, o contribuinte deve declarar se não está impedido, considerando as vedações impostas pela LC 123/2006 para fruição dos benefícios tributários concedidos. O acesso ao aplicativo de opção dependerá de um pré-cadastro para obtenção de uma senha a ser utilizada em todos os serviços concernentes ao SIMPLES NACIONAL. Para obter a senha, será necessário informar o número do CNPJ e o número do CPF do representante da empresa e aguardar a resposta pelo correio eletrônico. Caso o contribuinte possua Certificação Digital, os serviços estarão disponíveis no Centro de Atendimento Virtual do sitio da Receita Federal do Brasil, onde o contribuinte poderá ter acesso à opção pelo SIMPLES NACIONAL. No ato do pedido de inscrição serão informadas as pendências que impedem a empresa fazer a opção desejada. Havendo pendências, o contribuinte deve dirigir-se à repartição fiscal pertinente para sua regularização. O resultado do pedido de opção será disponibilizado no Portal do Simples Prazos e Validade da Opção A opção será realizada durante o mês de janeiro, até o seu último dia útil. A opção regular e tempestiva produzirá efeitos irretratáveis para todo o ano calendário, a partir de 1º de janeiro. Excepcionalmente no ano de 2007, a opção pelo SIMPLES NACIONAL produziu efeitos a partir 26

27 de 01/07/2007, se realizada até 20 de agosto de No caso de empresas com débitos na data da opção e que solicitaram parcelamento, o deferimento foi condicionado: a) à apresentação dos documentos requeridos pela respectiva legislação de cada ente federativo; e b) ao pagamento da primeira parcela de cada pedido de parcelamento. Opção no Início de Atividades No caso de início de atividades, a nova empresa fará a opção no prazo de até 10 dias, contados do último deferimento das suas inscrições no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas CNPJ e, conforme o caso, nos cadastros das fazendas estadual e municipal. A opção produzirá efeitos: a) para as empresas com data de abertura constante do CNPJ até 31 de dezembro de 2007, a partir da data do último deferimento da inscrição nos cadastros estadual e municipal; b) para as empresas com data de abertura constante do CNPJ a partir de 1 de janeiro de 2008, desde a respectiva data de abertura, salvo. Atenção: A opção será considerada indeferida se o ente federativo considerar inválidas as informações prestadas pela ME ou EPP nos cadastros estadual e municipal. Se as informações forem validadas, será considerada como data de início de atividade: a) para as empresas com data de abertura constante do CNPJ até 31 de dezembro de 2007, a do último deferimento da inscrição nos cadastros estadual e municipal; b) para as empresas com data de abertura constante do CNPJ a partir de 1 de janeiro de 2008, a da respectiva abertura. Atenção: Depois de decorridos 180 dias da data de abertura da constante do CNPJ, a empresa não será considerada empresa em início de atividades e, portanto, não poderá efetuar a opção pelo SIMPLES NACIONAL naquele mesmo ano (Resolução CGSN 23, de 13 de novembro de 2007). Informações aos Estados e Municípios Após a formalização da opção, a SRFB disponibilizará aos Estados, Distrito Federal e Municípios a relação dos contribuintes para verificação das informações prestadas. Sob pena de ser válida a informação prestada pelo contribuinte, os respectivos entes federativos devem comunicar à RFB o deferimento das inscrições efetuadas: até o dia 5 de cada mês, para informações entre os dias 20 e 31 do mês anterior até o dia 14 de cada mês, em relação às informações disponibilizadas do dia 1º. Ao dia 9 do mesmo mês. 27

28 Até o dia 25 de cada mês, em relação às informações disponibilizadas do dia 10 ao dia 19 do mesmo mês Indeferimento da Opção Se a opção for indeferida, será expedido termo de indeferimento pela autoridade fiscal integrante da estrutura administrativa do respectivo ente federado que decidiu pelo indeferimento, inclusive na hipótese de existência de débitos tributários. O contribuinte poderá recorrer através de processo administrativo, na forma da legislação vigente no respectivo ente federado. Se, após o recurso, houver decisão favorável ao contribuinte, com opção retroativa, os tributos e contribuições devidos pelo SIMPLES NACIONAL poderão ser recolhidos sem cobrança de multa de mora, mas com incidência dos juros de mora Empresas Optantes pela Lei 9.317/1996 As microempresas e empresas de pequeno porte regularmente inscritas no SIMPLES da Lei 9.317/1996 foram automaticamente acolhidas pelo SIMPLES NACIONAL, a partir de 1º de julho de 2007, exceto se impedidas por alguma nova vedação imposta pelo Estatuto Nacional. Para verificar se a opção foi mantida, o contribuinte deve acessar o Portal do SIMPLES NACIONAL e, no menu Serviços, acessar Consulta do Resultado da Opção Automática. Se houver pendência, o contribuinte deve dirigir-se à repartição fiscal pertinente para sua regularização. Essa opção tácita submeteu o contribuinte ao SIMPLES NACIONAL de forma irretratável pelo resto do ano-calendário de Excepcionalmente, foi permitido às empresas optantes pelo SIMPLES da Lei 9.317/2007 solicitar a sua exclusão voluntária até 20/08/2007, hipótese em que os efeitos da exclusão passaram a vigorar a partir de 01/07/2007. Essas empresas tiveram de adotar outra forma de tributação a partir daquela data. A ME ou a EPP com atividade econômica cuja CNAE fosse considerada ambígua não foi automaticamente migrada para o sistema. Além disso, a exclusão da empresa do SIMPLES da Lei 9.317/1996, verificada após a migração automática, não implica anulação da opção pelo SIMPLES NACIONAL. Nesses casos, o contribuinte deve confirmar a migração automática através de consulta à Internet ou diretamente à repartição do ente arrecadador. Os Estados e Municípios verificaram a regularidade fiscal da empresa optante pelo SIMPLES NACIONAL e emitiram o Termo de Indeferimento ou providenciaram a exclusão da empresa. Em empresas com estabelecimentos devedores, localizados em mais de um ente federativo, houve mais de um termo de indeferimento Tratamento Tributário das Empresas Excluídas ou Não Recepcionadas O artigo 79-C, incluído pela LC 127/2007, regulamentou a situação das empresas optantes pelo SIMPLES da Lei federal 9.317/1996 que não aderiram ou não foram recepcionadas pelo SIMPLES 28

SIMPLES NACIONAL. A partir de 01/07/2007 deixa de existir o Simples que conhecemos atualmente (Lei 9.317/96) e passa a Existir o Simples Nacional.

SIMPLES NACIONAL. A partir de 01/07/2007 deixa de existir o Simples que conhecemos atualmente (Lei 9.317/96) e passa a Existir o Simples Nacional. SIMPLES NACIONAL Visando um esclarecimento a todos os nossos clientes, elaboramos a presente cartilha com o máximo de informações para auxiliar no entendimento do novo sistema de recolhimento de impostos.

Leia mais

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Baião & Filippin Advogados Associados Adv.: João Paulo de Mello Filippin Lei Complementar n.º 123/2006 Desburocratização;

Leia mais

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 (Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara') Agência Câmara Tel. (61) 3216.1851/3216.1852 Fax. (61) 3216.1856

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO SIMPLES NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO SIMPLES NACIONAL

SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO SIMPLES NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO SIMPLES NACIONAL SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO NACIONAL ART. 17 Parágrafo 1º - As vedações relativas a exercício das atividades previstas no caput não se aplica as

Leia mais

Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. DRF/Cuiabá/MT

Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. DRF/Cuiabá/MT Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte DRF/Cuiabá/MT Características principais do Regime do Simples Nacional: 1. Abrange a participação

Leia mais

III - de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal;

III - de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal; Guia do Supersimples ENQUADRAMENTO E RESTRIÇÕES I - Enquadramento e Restrições OSupersimples ou Simples Nacional, instituído pela Lei Complementar 123/06, que entrou em vigor no dia 1º de julho de 2007,

Leia mais

SIMPLES NACIONAL SEBRAE FENACON. Atualizado até a Resolução CGSN 29, de 21 de janeiro de 2008.

SIMPLES NACIONAL SEBRAE FENACON. Atualizado até a Resolução CGSN 29, de 21 de janeiro de 2008. SIMPLES NACIONAL Atualizado até a Resolução CGSN 29, de 21 de janeiro de 2008. SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas FENACON Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES

BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES O Simples Nacional é o regime de apuração instituído pela Lei Complementar nº 123 de 2006, destinado às empresas enquadradas

Leia mais

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO 1 Empresário Contábil, MBA em Contabilidade Empresarial pela PUC-SP, Delegado Regional do CRC-SP em Jundiai, Professor Universitário e de Pós-Graduação.

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. SIMPLES NACIONAL Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

MANUAL Processo Simples Nacional

MANUAL Processo Simples Nacional 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: Conforme combinação com a Equipe Teorema Joinville teríamos que criar uma tabela de Receitas, uma tabela com as alíquotas por faturamento com data inicial final de validade,

Leia mais

SIMPLES NACIONAL: INGRESSO E DESENQUADRAMENTO

SIMPLES NACIONAL: INGRESSO E DESENQUADRAMENTO Introdução. A) Sujeitos, Modos, Condições e Efeitos. B) Exclusões ou Impedimentos. C) Vedações. II) Desenquadramento. A) Modos. B) Causas. C) Efeitos. Conclusão. Introdução questionamentos. Quem pode ingressar?

Leia mais

IV ENCONTRO DO SIMPLES NACIONAL FISCALIZAÇÃO

IV ENCONTRO DO SIMPLES NACIONAL FISCALIZAÇÃO IV ENCONTRO DO SIMPLES NACIONAL FISCALIZAÇÃO PALESTRANTE: MIRIAM FEUERHARMEL SILVA Agosto/2011 Fiscalização - Legislação Resoluções CGSN 30,15,10,6, 5 e 51 LC 123/2006 e Alterações Fiscalização Fiscalização

Leia mais

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015 Vicente Sevilha Junior setembro/2014 Compreender como funciona o SIMPLES Entender quais atividades podem ou não optar pelo SIMPLES Analisar as tabelas e percentuais do SIMPLES

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL A pessoa jurídica, optante pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas

Leia mais

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008 PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Maio/2008 1 CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Será disponibilizado sistema eletrônico para realização do cálculo simplificado do valor mensal devido referente ao Simples Nacional. (LC123/2006,

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE PROPOSTAS PARA TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE EM MATO GROSSO Comissão criada pela Portaria nº 030/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA ATENDIDO PTA RP 2004 1. MINUTA DE LEI

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte Definição 1. O SIMPLES está em vigor desde 1.º de janeiro de 1997. Consiste no pagamento

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 21 - Data 17 de setembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL SIMPLES NACIONAL. JORNAL. FORMA DE TRIBUTAÇÃO.

Leia mais

LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LC 123/2006 SIMPLES NACIONAL (SUPER SIMPLES)

LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LC 123/2006 SIMPLES NACIONAL (SUPER SIMPLES) A s s e s s o r i a C o n t á b i l Av. Maruípe, 2.260, 2º andar - Itararé - Vitória/ES. Cep: 29.047-475 Em frente ao Supermercado Pontes Telefax: (27) 3315-1599 - e-mail: adrianofigueiredo@terra.com.br

Leia mais

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: FÁBIO ZAMBITE

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: FÁBIO ZAMBITE NOVAS MUDANÇAS COM A LC N 128/08 Dentro da avalanche de modificações na legislação previdenciária no final de 2008, temos verdadeira chave de ouro com a edição da LC nº 128/08. As alterações, na maior

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

CARTILHA DO PROJETO DA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ÍNDICE

CARTILHA DO PROJETO DA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ÍNDICE CARTILHA DO PROJETO DA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ÍNDICE 1) O QUE É O ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE? 2) QUEM SERÁ CONSIDERADO MICROEMPRESÁRIO

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO LEI N. 1.021, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Define microempresa para efeito fiscal previsto na Lei Complementar n. 48/84 e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL A Lei Complementar 123/2006 estabelece normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Lei Complementar 123/2006

Lei Complementar 123/2006 Lei Complementar 123/2006 Art. 18-A. O Microempreendedor Individual - MEI poderá optar pelo recolhimento dos impostos e contribuições abrangidos pelo Simples Nacional em valores fixos mensais, independentemente

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

Opção pelo Simples Nacional 2015-26/12/2014. Confira abaixo as principais informações sobre o processo de Opção pelo Simples Nacional.

Opção pelo Simples Nacional 2015-26/12/2014. Confira abaixo as principais informações sobre o processo de Opção pelo Simples Nacional. Opção pelo Simples Nacional 2015-26/12/2014 Confira abaixo as principais informações sobre o processo de Opção pelo Simples Nacional. Solicitação de Opção pelo Simples Nacional Podem optar pelo Simples

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM COMUNICADO FDE / DRA Nº 001/2015 OBRIGAÇÕES FISCAIS E SOCIAIS DA APM 2 0 1 5 Página 1 de 9 O objetivo deste texto é informar aos dirigentes das Associações de Pais e Mestres APMs de Escolas Estaduais conveniadas

Leia mais

SIMPLES NACIONAL - PROCEDIMENTOS PÓS-EXCLUSÃO. atualizado em 27/05/2016 alterados os itens 1.1, 2.2.2, 3.1 e 3.2, 3.3

SIMPLES NACIONAL - PROCEDIMENTOS PÓS-EXCLUSÃO. atualizado em 27/05/2016 alterados os itens 1.1, 2.2.2, 3.1 e 3.2, 3.3 SIMPLES NACIONAL - PROCEDIMENTOS PÓS-EXCLUSÃO atualizado em 27/05/2016 alterados os itens 1.1, 2.2.2, 3.1 e 3.2, 3.3 HISTÓRICO DE ATUALIZAÇÕES DATA ATUALIZAÇÃO ITENS ALTERADOS 01/04/2016 alterado: 3.1

Leia mais

DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Fonte: Diário Oficial da União Seção I Pág. 2 e 3 18.02.2013 Regulamenta a aplicação do Regime Especial de Tributação do Programa Nacional de Banda Larga para

Leia mais

RESOLUÇÃO CGSN 04, DE 30 DE MAIO DE 2007 (DOU DE 01.06.2007)

RESOLUÇÃO CGSN 04, DE 30 DE MAIO DE 2007 (DOU DE 01.06.2007) RESOLUÇÃO CGSN 04, DE 30 DE MAIO DE 2007 (DOU DE 01.06.2007) Dispõe sobre a opção pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal?

67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal? OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal? Nas operações de vendas a contribuinte, a Nota Fiscal, modelos 1 e 1-A ou a Nota Fiscal

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual 10/07 12/08 07/09 12/06 03/07 03/07 07/07 09/07 09/07 Sanção da Lei Geral da MPE (re)fundação da Frente Parlamentar da MPE Criação da subcomissão Permanente da MPE Entrada em vigor do Simples Nacional

Leia mais

Empresas optantes pelo SIMPLES NACIONAL não estão obrigadas apresentar DCTF

Empresas optantes pelo SIMPLES NACIONAL não estão obrigadas apresentar DCTF Empresas optantes pelo SIMPLES NACIONAL não estão obrigadas apresentar DCTF A seguir apresentamos um resumo sobre a obrigatoriedade e a não obrigatoriedade de apresentar a DCTF. QUEM ESTÁ OBRIGADO APRESENTAR

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 127, DE 14 DE AGOSTO DE 2007 Mensagem de veto Altera a Lei Complementar n o 123, de 14 de dezembro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

ANO XXVI - 2015-3ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 38/2015

ANO XXVI - 2015-3ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 38/2015 ANO XXVI - 2015-3ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 38/2015 ASSUNTOS SOCIETÁRIOS SOCIEDADES, EMPRESÁRIO E EIRELI ENQUADRAMENTO, REENQUADRAMENTO E DESENQUADRAMENTO DE ME OU EPPNA JUNTA COMERCIAL

Leia mais

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino Simples Nacional Seminário de Direito Tributário Assunto: PGDAS Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino 1 CÁLCULO E PGDAS Conceitos Básicos para Cálculo Regime de Tributação: Competência e Caixa Segregação

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

SUPERSIMPLES TRIBUTAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SUPERSIMPLES TRIBUTAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PALESTRA MINISTRADA NA 4ª FEIRA DO CONCURSO JOÃO MARCELO ROCHA SUPERSIMPLES TRIBUTAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS I Breve notícia sobre os tributos atuais. II Breve retrospectiva da história recente

Leia mais

EFD PIS COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL

EFD PIS COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL EFD PIS COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem por objetivo trazer considerações relevantes quanto a dados inerentes à Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 PERGUNTAS E RESPOSTAS Associação das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo Associação Paulista

Leia mais

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa A Constituição Federal e o Estatuto Os artigos 146, 170, 179 da Constituição de 1988 contêm os marcos legais que fundamentam as medidas e ações de apoio às

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA Equipe Portal de Contabilidade Para encerrar as atividades de uma empresa, é preciso realizar vários procedimentos legais, contábeis e tributários, além de, é claro,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O microempreendedor individual pode participar de compras públicas? Sim, o Microempreendedor (MEI), pode participar de licitações. A Administração deverá

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

TABELAS DE ALÍQUOTAS A PARTIR DE 2015 ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR 123, DE 14 12 2006. Até 180.000,00 4,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,75% 1,25%

TABELAS DE ALÍQUOTAS A PARTIR DE 2015 ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR 123, DE 14 12 2006. Até 180.000,00 4,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,75% 1,25% ... Informativo 0 Página 0 Ano 2015 TABELAS DE ALÍQUOTAS A PARTIR DE 2015 ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR 123, DE 14 12 2006 Alíquotas e Partilha do Simples Nacional Comércio Receita Bruta em 12 meses (em

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Lei nº 9.317/1996 () X Lei Complementar nº 123/2006 ( Nacional): quadro Comparativo Fabiana Gragnani Barbosa * I - Considerações Iniciais Através do presente estudo, pretendemos

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido Aline de Melo Silva Discente do 4 ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Karen Cássia de Souza Discente

Leia mais

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012.

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o uso da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica no ISSQN, a forma e o prazo de recolhimento dos tributos municipais e respectivos acréscimos perante o Código

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

CIRCULAR Medida Provisória 252/05

CIRCULAR Medida Provisória 252/05 CIRCULAR Medida Provisória 252/05 A Medida Provisória 252/05, publicada no Diário Oficial em 16 de junho de 2005, instituiu regimes especiais de tributação, alterou parte da legislação de Imposto de Renda,

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014.

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 1.775, de 10 de junho de 2014, dispondo sobre o modelo, requisitos, emissão e cancelamento da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e, institui

Leia mais

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA LEGISLAÇÃO Lei 8.212 de 24/07/91, com alterações estabelecidas pelas Leis 9.528/97 e 11.941/2009 Dispõe sobre a exigência de entrega de GFIP

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Panorama para 2010

SIMPLES NACIONAL. Panorama para 2010 SIMPLES NACIONAL Panorama para 2010 SILAS SANTIAGO Rio de Janeiro, 14 de janeiro de 2010. Fundamentação legal Histórico: Fundamentação legal Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte

Leia mais

1.2. Classificação da empresa segundo seu porte. 1.3.1. Quando deve ser comprovado o porte da empresa. 1.3.2. Documentação para comprovação de porte

1.2. Classificação da empresa segundo seu porte. 1.3.1. Quando deve ser comprovado o porte da empresa. 1.3.2. Documentação para comprovação de porte Atualizado: 15 / 06 / 2015 - FAQ AI 1. Porte 1.1. Porte da empresa 1.1.1. Faturamento Bruto Anual 1.2. Classificação da empresa segundo seu porte 1.3. Comprovação de porte 1.3.1. Quando deve ser comprovado

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DUB-ICMS do Rio de Janeiro

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DUB-ICMS do Rio de Janeiro DUB-ICMS do Rio de Janeiro 27/12/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

Incidência do PIS e da Cofins sobre água, refrigerante e cerveja

Incidência do PIS e da Cofins sobre água, refrigerante e cerveja Confira a incidência do PIS e da Cofins sobre água, refrigerante e cerveja Nesta Orientação examinamos a incidência do PIS/Pasep e da Cofins na comercialização por pessoas jurídicas industriais das bebidas

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 PERGUNTAS E RESPOSTAS Este documento é de caráter meramente

Leia mais

EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012

EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012 PIS/COFINS EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO 2. CERTIFICADO DIGITAL 3. OBRIGATORIEDADE 3.a Dispensa de Apresentação da EFD-Contribuições

Leia mais

Manual. Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI

Manual. Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI Manual Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI Sumário DASN-SIMEI 1. Definições...2 2. Acesso à Declaração...3 3. Apresentação do Programa...3 4. Requisitos Tecnológicos...4

Leia mais

Lei Complementar 123,

Lei Complementar 123, X Lei Complementar 123, de 14 de dezembro de 2006 [Estatuto das Micro e Pequenas Empresas Fragmentos] (*) DOU 31.01.2012 Institui o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte; altera

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014.

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. (do Sr. Guilherme Campos e outros) Altera a Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006 para reorganizar e simplificar a metodologia de apuração do imposto

Leia mais

SIMPLES NACIONAL: DISPOSIÇÕES DO COMITÊ GESTOR APLICÁVEIS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2012

SIMPLES NACIONAL: DISPOSIÇÕES DO COMITÊ GESTOR APLICÁVEIS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2012 IMPOSTO DE RENDA CADERNO nº 1 SIMPLES NACIONAL: DISPOSIÇÕES DO COMITÊ GESTOR APLICÁVEIS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2012 RESOLUÇÃO CGSN Nº 94, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011 O COMITÊ GESTOR DO SIMPLES NACIONAL

Leia mais

ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL

ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL ANO XXII - 2011-3ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 16/2011 TRIBUTOS FEDERAIS REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA (RTU) - HABILITAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE INTERVENIENTES - NORMAS GERAIS Introdução

Leia mais

SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL

SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL Matéria São Paulo SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL SUMÁRIO 1. Introdução 2. Devolução Conceito 3. Crédito do Imposto no Recebimento de Mercadorias em Devolução ICMS e IPI 4.

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA Tendo em vista a implantação das Áreas de Livre Comércio de Brasiléia,

Leia mais

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS LUCRO PRESUMIDO (COM RESTRIÇÕES) LUCRO REAL SIMPLES NACIONAL (COM RESTRIÇÕES) LEI nº 9.716/98 Artigo 5º As pessoas jurídicas que tenham como objeto

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI) 04/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Contratação de Empregado... 7 3.2 Cessão ou Locação de Mão-de-Obra... 7

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL

RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL Gilberto Luiz do Amaral INTRODUÇÃO A REFERÊNCIA PRINCIPAL deste trabalho

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

Participações Societárias no Simples Nacional

Participações Societárias no Simples Nacional 1 Participações Societárias no Simples Nacional 1. INTRODUÇÃO: Este tema tem sido objeto de constantes dúvidas de contribuintes e contabilistas no ato de abertura de novas empresas. O regime unificado

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: EDVALDO NILO

CURSO ON-LINE PROFESSOR: EDVALDO NILO Aula 10 Tributos de Competência dos Estados. Tributos de Competência dos Municípios. Simples Nacional. Repartição das Receitas Tributárias. Olá, prezados (as), Ressalto que ainda teremos mais duas aulas

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015

ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015 ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015 IPI NOMENCLATURA COMUM DO MERCOSUL NCM PARTE I - CONSULTA À RECEITA FEDERAL... Pág. 101 ICMS RJ ESTADOS SIGNATÁRIOS DO PROTOCOLO

Leia mais

SIMPLES NACIONAL PARA CORRETORES DE IMÓVEIS

SIMPLES NACIONAL PARA CORRETORES DE IMÓVEIS SIMPLES NACIONAL PARA CORRETORES DE IMÓVEIS APRESENTAÇÃO: SESCON BLUMENAU Leila P. Franke SESCON BLUMENAU Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

DO REPES. Dos Benefícios do REPES

DO REPES. Dos Benefícios do REPES DECRETO Nº 5.712, DE 2 DE MARÇO DE 2006 Regulamenta o Regime Especial de Tributação para a Plataforma de Exportação de Serviços de Tecnologia da Informação - REPES, instituído pelos arts. 1º a 11 da Lei

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas

Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Lei Complementar n o 139, sancionada em 10 de novembro de 2011 (PLC 77/2011, do Poder Executivo) Entre os principais avanços do projeto está

Leia mais