AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS E AS PRINCIPAIS BARREIRAS À EXPORTAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS E AS PRINCIPAIS BARREIRAS À EXPORTAÇÃO"

Transcrição

1 AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS E AS PRINCIPAIS BARREIRAS À Lincoln Etchebéhère Junior Doutor em História pela USP e professor da Universidade São Marcos Nelson Alonso Junior Mestre em Educação, Administração e Comunicação pela Universidade São Marcos

2 Resumo O reduzido número de pequenas, micro e médias empresas exportadoras no Brasil, segundo os indicadores do Comércio Exterior do Brasil, é que motivou este artigo, uma vez que noventa e cinco por cento das empresas brasileiras são formadas por esses tipos de organizações. Procurou-se identificar as barreiras que impedem a sua participação ativa no comércio exterior. O artigo apresenta possibilidades para que as empresas nacionais possam dinamizar suas atividades, uma vez que elas estão comprometidas com milhões de trabalhadores vinculados a essas empresas. Palavras-chaves: barreiras à exportação, micro, pequenas e medias em empresas. Abstract The reduced number of small, micro and medium exporting enterprises in Brazil, according to Brazil s Foreign Trade Indicators, is what propelled this article, since ninety five per cent of Brazilian companies are formed by this kind of organization. The article sought to identify the barriers that prevent their active role in foreign trade. The article presents possibilities for them so that national companies may increase their activities, since they are connected to millions of workers that they employ. Keywords: Barriers towards exports; micro, small and medium enterprises 2

3 Introdução O papel das micro, pequenas e médias empresas na transformação e no incremento das exportações brasileiras têm sido relativamente pouco expressivos. O canal de comercialização externa exige competitividade singular associada às estratégias de comercialização, à informação e à logística e à capacitação de seus colaboradores. A micro, a pequena e a média empresa, geralmente, não suportam os custos envolvidos na operação do mercado internacional; com freqüência elas se deparam com dificuldades para especificar o mercado: o cliente, o cana de distribuição, a economia e a legislação do país. Mais precisamente, micros, pequenas e médias empresas enfrentam barreiras consideráveis para entrar e se manter no comércio internacional. A principal barreira encontrada à pequena empresa é o acesso à informação sobre o potencial. Seja, por dificuldades de formação, seja por não conhecer os lugares onde obtê-las. Para Pierre, André Julien 1, a principal causa da reduzida participação das pequenas e médias empresas nas exportações é a limitada capacidade para adquirir informação. Esses autores enfatizam a informação e o conhecimento sobre as especificidades do mercado objeto de atuação como um recurso crucial para a entrada no mercado externo. O conhecimento reduzido sobre os mercados externos adicionados à falta de controle sobre as atividades internacionais são os principais responsáveis pela baixa capacidade de exportar das pequenas e médias empresas. Uma empresa interessada em exportar deve seguir alguns passos importantes para realizar uma inserção no mercado internacional. Para Minervini 2, em primeiro lugar, a empresa deve identificar o grau de potencialidades do mercado em que irá atuar comercialmente. A decisão de entrar em determinado mercado externo e de vender através de certo canal de distribuição deve ser baseada mais em pesquisa e menos em feeling. Ainda que a empresa já tenha alcançado respeitável sucesso no mercado interno, no exterior ela é, muitas vezes, um aprendiz. A 1 PIERRE, André Julien: RAMMANGALAHY, Charles. Competite Strategyand Perfomance of Exporting SMEs: an Empirical Investigation of the impact of their Export Information Search Competencies. Journal of Small Business Managememnt. Rio de Janeiro,nov MINERVINI, Nicolas. O exportador. São Paulo: Makron Books,

4 pesquisa permite encontrar o caminho mais adequado para tomar decisões sobre temas como mercados, produtos, preços praticados e canais de distribuição. A pesquisa mais usual é a de campo, que se caracteriza pela coleta de dados no próprio mercado alvo, objetivando buscar informações necessárias à análise da situação e à tomada de decisões. A outra a pesquisa de gabinete (Desk Research) 3 trabalha com a coleta de dados já existentes em diversas e diferentes fontes de informação. Tanto no tocante a pesquisas sobre o mercado internacional (tendências, conjunturas, etc.) quanto, especificamente, sobre o produto a ser exportado, o mercado selecionado e mostra as possibilidades para surgimento de parcerias. As principais fontes de informação são: as internas, entidades oficiais, bancos de dados, mercado externo, publicações especializadas, feiras e eventos específicos, câmaras de comércio, universidades e centros de formação, empresas de pesquisa, prestação de serviços na área e concorrentes, o mercado internacional, estatísticas para definir essas tendências a curto, médio e longo prazo sobre determinado produto/serviço, bem como informações sobre áreas econômicas específicas como: MERCOSUL, União Européia, Ásia, etc. Em relação à conjuntura internacional, procurar informações gerais sobre o país que se deseja estudar mais profundamente. Por serem amplas as informações a serem arroladas trazem aspectos históricos, econômicos, políticos, legais, culturais e tecnológicos. As estatísticas de produção, importação e exportação relativas a determinados produtos ou segmentos de mercado. Conhecer o volume do que se produz e do que se importa e exporta, em determinada área ou país em que se produz e do que se deseja operar, objetivando avaliar a dimensão da oferta e da demanda, bem como o nível da concorrência nacional e internacional. Conhecer os acordos internacionais existentes entre o Brasil e o país cujo mercado se deseja alcançar, buscando aproveitar as vantagens competitivas e os possíveis incentivos existentes. As principais instituições financeiras devem ser conhecidas tanto no Brasil como no país alvo, o operam com o mercado externo, visando obter linhas de crédito e facilitar os procedimentos bancários em futuras negociações internacionais. 3 Desk Research Pesquisa de Gabinete. 4

5 A identificação das principais rotas navais, aéreas e terrestres, como também os acordos de transporte entre o Brasil e o mercado-alvo. Identificar os principais usos e costumes da população-alvo em relação aos aspectos culturais que possam influenciar o produto que se deseja exportar, com respeito a padrões, cores, embalagens, aromas, etc. A imagem do país exportador deve ser sempre observada sob a ótica do importador e de seu país, ou seja, como é vista a atual conjuntura política e econômica do Brasil. Deve-se, por outro lado, manter os clientes externos informados sobre a situação geral do país. A segunda fase é a definição do que exportar e para onde. Aonde as principais buscas deverão ser: Informações sobre as tendências de hábitos e preferências do consumidor e a análise dos costumes e práticas de compra e venda do país importador é indispensável para a inserção no mercado-alvo. As normas técnicas, em princípio, todo produto a ser exportado. São raras as exceções. Alguns produtos, no entanto, carecem de certificados, que são normas técnicas exigidas pelo país importador, tais como os certificados de origem, os certificados fitossanitários, o selo ecológico (selo verde), certificações de Isso, etc. Devem-se observar as características especiais de determinados produtos. O mercado importador solicita essas especificações técnicas como garantias de adequação do produto aos seus consumidores. O comércio internacional absorve, usualmente, grandes lotes de mercadorias. No entanto, há lugar para vender pequenas quantidades. Esse é um grande filão para as pequenas e médias empresas, por representar um nível de produção mais próximo da realidade. Em caso de volume maior, além de salutar, constitui maturidade empresarial a formação de alianças com outras pequenas ou médias empresas para alcançar a quantidade que atenda à satisfação do cliente. Atualmente, numa economia globalizada e altamente competitiva, o mercado determina o preço dos produtos. Nesse sentido, é fundamental a capacidade de administrar os custos e o lucro pretendido para viabilizar a venda. 5

6 Para Minvervini 4, o produto a ser exportado deve ser amplamente e adequado ao mercado, não podendo, ser o mesmo que se comercializa internamente no país, pois existe a necessidade de customizarmos o mesmo para atender a demanda de outros lugares, e respondendo aos desejos dos consumidores locais, o que poderá significar a simplificação do produto, automatização ou não. Dessa forma as mudanças na qualidade e/o preço, na margem de tolerância, na adequação às normas técnicas visam uma caracterização do produto a ser exportado às necessidades do público consumidor. As embalagens deverão ser definidas em função do gosto do mercado importador, respeitando cores, formatos, materiais recicláveis, etc. A aceitação da marca do produto deve ser trabalhada, observando-se design 5, pronúncia do nome, etc. Podem ser feitos, inclusive, testes de aceitação e concurso no mercado importador, a título de promoções de lançamento. Ainda segundo o autor, a terceira fase é a da identificação dos ambientes econômicos, legais e culturais de um país, onde está situado o futuro potencial comprador. Teoricamente, exporta-se para locais onde se encontram condições comerciais mais rentáveis, além de um mínimo custo e risco. Na prática as empresas começam quase sempre de forma casual quando deveriam estudar a dimensão desse mercado e averiguar em que proporção relativa pode atingi-lo. Conhecer os níveis de produção, importação e exportação desses mercados, os níveis de preços praticados, com o objetivo de adequar o preço do exportador do produto ao mercado. Estudar as principais logísticas para ser utilizada no mercado selecionado. Observar se a concorrência pratica preços promocionais ou qualquer outro tipo de merchandising 6 para colocação do produto. Observar o comportamento histórico do produto no mercado tem sido crescente, estável ou decrescente. Pesquisas sobre o interesse do governo local na fabricação do produto a ser importado e verificar a existência de benefícios fiscais para a fabricação local do produto a ser exportado. A proteção da marca através de pesquisa de similares no mercado objetivado. 4 MINERVINI, Nicolas, op. cit. 5 Projeto visual e funcional de um produto. 6 Merchandising é a parte operativa do marketing que se traduz no ajustamento de produto, preço, comunicação, vendas e distribuição. 6

7 A identificação da carga tributária na importação do produto no mercado alvo atentando sempre para os acordos comerciais entre o Brasil e os países que se quer pesquisar. Procurar analisar criteriosamente os riscos do mercado externo almejado, incluindo a análise financeira dos seus concorrentes. Avaliar se a exportação será apenas de oportunidade ou se existe a pretensão de se manter no mercado. Quanto aos aspectos legais, Basso 7 diz que se transitam antes por uma fase de negociações preliminares, que podem ser curtas ou longas, na qual discutem e determinam as cláusulas do contrato pretendido. Pode-se dizer que é um período em que se analisam as máquinas ou mercadorias objeto do negócio, onde a qualidade, o consumo, formas de pagamentos e até visitas periódicas a indústria fornecedora para compor o negócio. Isso é necessário, quando as partes não estão preparadas para fechar o acordo imediatamente, e a vontade se submete a um processo sedimentar. Não se pode confundir oferta firme, como se diz no comércio internacional, com negociações preliminares ou tratativas. Como se sabe, não há contrato sem oferta e aceitação, imprescindíveis do contrato. As negociações preliminares, por outro lado, são atos meramente preparatórios, que possuem carga jurídica diferente da oferta e da aceitação, uma vez que podem ou não fazer presentes na fase de formação do ajuste. No comércio internacional, quando o vendedor ou comprador propõe a venda ou compra de uma mercadoria cuja qualidade ou quantidade, bem como as condições, são indeterminadas, não está apresentando uma proposta definitiva, mas, sim, uma proposta para discussão, abrindo um período de discussões. O maior problema é que esses fatores são gerenciados pelos próprios empresários, fazendo com que esses depois não consigam tempo para dedicação aos aspectos estratégicos ou operacionais dos mercados, resultando na possibilidade de perder espaço no mercado exportador. A quarta fase é a adaptação da linha de produção para exportação, sendo necessária à preparação de uma área especial de processo. 7 BASSO, Maristela. Contratos de Comércio Internacional. Porto Alegre: Livraria do Advogado Limitada,

8 As grandes empresas exportadoras obtiveram ganhos de parcelas nos mercados externos por meio de um aprendizado 8. No mercado externo, elas procuraram adaptar o seu produto em conformidade aos requisitos da demanda externa: firmar sua marcaidentidade, fixar o preço mais conveniente e compor uma logística de produção condizente com a expansão, bem como os recursos necessários à transformação das vantagens comparativas estáticas em dinâmicas. A empresa, geralmente não nasce grande e tampouco exportadora. A capacidade ociosa é o que a empresa deixa de produzir por não encontrar demanda. Investindo em novos mercados no exterior, a em empresa poderá aumentar sua produção de bens e de serviços. A quinta fase é a que trata da capacidade, dos recursos humanos para exportação existe a necessidade de entendimento dos aspectos culturais, idiomas, sensação de que a empresa é uma extensão da família, diferenças de gostos e hábitos dos consumidores 9, etc. Treinar e capacitar uma empresa para exportar é a essência do grande desafio de proporcionar as empresas de pequeno porte o acesso à informação. Informação não se resume em indicar as oportunidades de mercado, ou ensinar como exportar, ou ainda dar a conhecer as exigências dó mercado quanto a normas e regulamentos. Não termina quando se aprende a preparar uma planilha de preços em dólares ou quando se lê um manual de participação em feiras. Tudo isso e muito mais deve e pode ser aprendido nos treinamentos organizados pelas instituições que tem projetos apoiados por organismos governamentais e também os não governamentais. Uma empresa que visa internacionalizar-se deve desmistificar a idéia de que é difícil, porém, proceder a sua integração interna e completa, com sintonia entre todos os seus departamentos: faturamento, contabilidade, exame de cartões de crédito, produção para acompanhar os prazos de entregas, eventuais atrasos, no departamento técnico, no que se refere às modificações pedidas pelos clientes, provas técnicas específicas a serem realizadas, etc., evitando-se ações isoladas de seus membros, o que pode contribuir para o enfraquecimento do cenário da mudança. Evitar esse comportamento é criar a possibilidade de obter uma atuação satisfatória e rentável no mercado externo. 8 PERTELI, Edson Guimarães. Política de Exportação Brasileira para Pequenas e Médias Empresas. BNDES, Rio de Janeiro, 2002, cap. 10, pág FONSECA, Renato. Diversificação Regional das Exportações Brasileiras. 8

9 A obtenção de informações e os canais de comunicação Os sistemas de informação compreendem um conjunto organizado de pessoas, hardwawe, solfware, redes de comunicação e recursos de dados que coleta, transforma e dissemina informações 10. As características dos sistemas de informação já denotam sua principal vocação que é a de fornecer informações para o controle e agilidade na tomada de decisão. A qualidade de decisão depende das informações disponíveis no momento em que é tomada. O conteúdo básico da informação pode ser apresentado da seguinte forma: Velocidade, rapidez no acesso à informação procurada com perda de tempo mínima; definição, a peça informativa, livre de erros, nos ajudará a projetar conclusões definitivas, descrevendo um fato específico, o seu caminho atual e o futuro; objetividade quando uma peça de informação é o produto de correções transparentes de procedimentos, é marcante a redução da possibilidade de erros subjetivos; relatividade, o usuário colherá as informações no sentido de aplicá-las a uma situação real e existente; totalidade, o usuário terá acesso a toda informação necessária a realização e implementação de sua proposta; up to date 11 numa modificação sempre constante, a informação decresce de valor conforme o tempo em que ela ficou disponível e de como esta disponibilidade é aproveitada pelos interessados. A viabilização imediata da informação pelos seus veículos de divulgação tem seu valor agregado em alto caso ela seja colocada à disposição do usuário assim que lê a necessite. A necessidade de analisar o conteúdo e o significado do termo informação é muito importante, desde que o primeiro passo metodológico seja o delinear claro dos componentes, os quais construirão um relacionamento super importante e desprovido do conceito: o relacionamento entre homem e informação. Classificação dos canais de informação 12 : Canais formais: livros, texto, artigos de periódicos, manuais, revisões, trabalhos de congressos, índices e bibliografias, abstracts 13, catálogos de bibliotecas, meio, áudio 10 TOMAS Daveporte. Missão crítica otendo vantangens competitiva com sistema e gestão. 1ª. ed. Porto Alegre, Bookman, Marca da tecnologia. 12 BACK, H.B. What information dissemination studes imply concernen diseng of on line, reference retrieval-system.soc. J AM Soc. Inf. SCI 1972, may Jun 1972; 120 pgs. 13 Abstracts resumo. 9

10 visual: Canais semi-formais: teses e relatórios não publicados, catálogos de fornecedores, manuscritos e periódicos comerciais; Canais informais: discussões pessoais, chamadas telefônicas, correspondência privada, encontros locais e seminários. A vantagem dos canais informais é a informação corrente, disseminando de forma seletiva o conhecimento, eliminando os itens irrelevantes e direcionando a pesquisa 14. Como desvantagem, os fatos que as informações disponíveis se constituem dados incompletos bem como, o de que poucas pessoas têm acesso a elas. Em relação aos canais formais possui como vantagens um esforço para cobrir tudo dentro de uma área, ser públicas e acessivas além de permanentes já que envolvem um registro. Como desvantagem a publicação e o aparecimento em uma fonte, e, ainda, seu formato ser fixado é igual a todos os seus usuários. Processo de aprendizagem na atividade de exportação Existem três arenas onde a criação e uso da informação desempenha um papel estratégico no crescimento e na capacidade de adaptação das organizações 15. Primeiro, a organização usa a informação para dar sentido às percepções e mudanças do ambiente externo. Criar sentido é reduzir é reduzir ambigüidades e seu produto é o ambiente interpretado. A segunda arena o uso estratégico da informação é a chamada pelo autor de construção do conhecimento. Nesse espaço, a organização cria, organiza e processa a informação de maneira que possa gerar novos conhecimentos por meio do aprendizado. Isso é conseguido quando se reconhece a sinergia do relacionamento entre o conhecimento tácito e explícito e quando são elaborados processos sociais capazes de executar a conversão de conhecimento tácito em explícito, criando novos conhecimentos. Os ambientes organizacionais devem permitir e estimular os processos de conversão, compreendidos da maneira proposta por Nonaka e Takeuchi 16. Finalmente, por uma vez criados os significados e construídos os conhecimentos para a ação, a organização precisa escolher uma das várias possibilidades de ação. Aí na terceira arena as organizações buscam e avaliam informações de modo a tomar 14 DALLA ZEN, A.M. Canais, fontes e uso da informação científica uma abordagem teórica. São Paulo: R bibliotecoom & Comum, : CHOO, Chum Wei. A organização do conhecimento. São Paulo: Editora Senac, 2003, págs NONAKA, & TAKEUCI. The knowledge-creating Company: how Japanese Companhies Creat the Dynamics of Innovation, abril 1988, v26 n2 p

11 decisões. E processo esse de tomada de decisão é importante, pois é ancorado em premissas que constituem o ambiente organizacional e é o por elas orientado. Ainda segundo o autor, o sucesso da empresa japonesa está em sua competência na construção do conhecimento. Afirmam que a organização dos negócios não só processa o conhecimento, mas também o cria. A criação do conhecimento é a fonte principal de competitividade de uma organização. Constataram ainda que as empresas japonesas entendem que o conhecimento explícito é o conhecimento formal, fácil de transmitir entre indivíduos e grupos, é a ponta do iceberg 17 do conhecimento. Por sua vez conhecimento tácito é pessoal, difícil de formalizar e comunicar aos outros, sendo a parte escondida do iceberg, ou seja, em suas dimensões cognitivas é o know how subjetivo, dos insites e intuições que uma pessoa tem depois de estarem imersas em uma atividade por longo tempo. E consideram o conhecimento, em suas dimensões epistemológicas (aqui considerada os níveis de entidades criadoras do conhecimento: individual, grupal organizacional, inter-organizacional), como o espaço onde ocorre a espiral da criação do conhecimento. A espiral acontece quando a interação social entre o conhecimento tácito e explícito eleva-se dinamicamente de um nível ontológico inferior até mais altos. O núcleo da teoria dos autores está na descrição dessa espiral: da interação entre os dois tipos de conhecimento ocasionando quatro tipos de conversão do conhecimento a socialização (do tácito em tácito), exteriorização (do tácito em explícito), combinação (do explícito em explícito) e internalização (do explícito em tácito). É capaz de executar a conversão de conhecimento tácito em explícito, criando novos conhecimentos. Os ambientes organizacionais devem permitir e estimular os processos de conversão, compreendidos, da maneira proposta por Nonaka e Takeuchi. Finalmente uma vez criados os significados e construídos os conhecimentos para a ação, a organização precisa escolher uma as várias possibilidades de ação. Aí na terceira arena as organizações buscam e avaliam informações de modo tomar decisões. E processo esse de tomada de decisão é importante, pois é ancorado em premissas que constituem o ambiente organizacional e é por elas orientado. Apontados as possíveis barreiras à exportação das Micro, Pequenas e Médias Empresas, faz-se necessário difundi-las entre os empresários, pois é vital que estes as conheçam e assim poderão tornar-se prováveis exportadores. As Micro, Pequenas e 17 Termo de língua inglesa que denomina uma grande massa de gelo. 11

12 Médias Empresas são responsáveis pelo emprego de grande número de trabalhadores no Brasil e ao tornar-se exportadoras poderão oferecer emprego a milhões de pessoas. Bibliografia BACK, H. B. What information dissemination studes imply disenig of on line, reference retrieval system. JAM Soc. Inf. SCI 1972, may/jun BASSO, Maristela. Contratos de Comércio Internacional. Porto Alegre: Livraria do Advogado Limitada, CHOO, Chun Wei. A organização do conhecimento. São Paulo: Editora Senac, DALLA ZEN, A.M. Canais, fontes e uso da informação científica uma abordagem teórica. São Paulo: R bilbiotecom & Comum, MINERVINI, Nicolas. O exportador. São Paulo: Makron Books, PETERLI, Edison Guimarães. Políticas de exportação Brasileira para as pequenas e médias empresas. CASTELAR, Armando Pinheiro-organizador: O desafio das exportações. BNDES: Rio de Janeiro, PIERRE, André Julien & RAMANGALAHY, Charles. Competitive Strategyand Perfomance of Exporting SMEs: na Empirical Investigation of the impacto f their Export Information Search Competencies. Journal of Small Business Management. Rio de Janeiro, nov TOMAS, Davenport. Missão crítica obtendo vantagem competitive com sistema de gestão. 1ª. ed. Porto Alegre: Bookman,

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

SE O OBJETIVO É A EXPORTAÇÃO, A SOLUÇÃO É O START EXPORT

SE O OBJETIVO É A EXPORTAÇÃO, A SOLUÇÃO É O START EXPORT SE O OBJETIVO É A EXPORTAÇÃO, A SOLUÇÃO É O START EXPORT SUA EMPRESA ESTÁ PREPARADA PARA EXPORTAR? Já participou de feiras internacionais do setor? Você pode adequar/modificar seu produto? Seu site e catálogos

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO INTRODUÇÃO Os processos empresariais são fluxos de valor

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Comercial. Vendas e Faturamento

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Comercial. Vendas e Faturamento Módulo Comercial Vendas e Faturamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Comercial Vendas e Faturamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação.

Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação. Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação. Usarei como referência o Gabarito 1. Questão 26 : O Código de Conduta

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

MBA em Design Estratégico

MBA em Design Estratégico MBA em Design Estratégico Público - alvo Indicado para profissionais com formação em Design, Arquitetura, Moda ou gestores e empreendedores que estejam buscando novas formas de gestão orientadas para a

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso!

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso! Fornecedores www.grupoquantica.com Apresentação 2010 A idéia Fundado e idealizado por Cleber Ferreira, Consultor de Marketing e Vendas, autor do livro Desperte o Vendedor Interior com Técnicas de Vendas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado Plano de Direcionamento Conhecimento de Mercado Conhecimento de Mercado É necessário conhecer o mercado para que sejam desenvolvidos produtos que atendam as necessidades e expectativas dos clientes. Segmentação

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Comércio exterior sem fronteiras.

Comércio exterior sem fronteiras. Comércio exterior sem fronteiras. PROGRAMA BRASIL TRADE COMÉRCIO EXTERIOR SEM FRONTEIRAS O Programa Brasil Trade otimiza a exportação de produtos brasileiros a partir de uma estratégia muito simples: incentivando

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

PROJETO INTERNACIONAL

PROJETO INTERNACIONAL PROJETO INTERNACIONAL EM 10 PASSOS Ubirajara Marques Direitos: Todos os direitos reservados para Center Group International Duração: 1 hora Apresentação: Linguagem simples, para micros e médios empresários

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Planejamento e Projeto Professor: Roberto César SISTEMA ECONÔMICO Mercado de Bens e Serviços O que e quando produzir Famílias Empresas Pra quem produzir Mercado de Fatores

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Muito mais que um troféu

Muito mais que um troféu São Paulo, 08 de Julho de 2009. Circular ABISIPA Nº 28/2009 Muito mais que um troféu O Brazilian Beauty Club vai premiar o melhor planejamento estratégico de exportação com a participação em um Simpósio

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Bloco Comercial Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões, que se encontram no Bloco

Leia mais

19ª. Plenária do Fórum Permanente. Comitê Comércio Exterior. 21 de julho de 2011

19ª. Plenária do Fórum Permanente. Comitê Comércio Exterior. 21 de julho de 2011 19ª. Plenária do Fórum Permanente Comitê Comércio Exterior 21 de julho de 2011 1. Atualização do Questionário de Gargalos à Exportação 2. Atualização das Estatísticas do Comércio Exterior de Bens e Serviços

Leia mais

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 COTEC Portugal 1. COTEC Portugal Origem, Missão, Stakeholders 2. Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP/MS DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS E TECNOLOGIAS PARA A SAÚDE INOVA SAÚDE EQUIPAMENTOS MÉDICOS - 02/2013 Modelo de Plano

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Nicola Minervini Santa Catarina, 02-05/12/2014 Sumario Desafios da empresa Ferramentas para a competitividade O porque das alianças Formas de alianças

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 Alexandre Nixon Soratto, Msc. (INMETRO) ansoratto@inmetro-sc.gov.br Gregório Varvakis, PhD. (UFSC) grego@egc.ufsc.br Resumo

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Excelência operacional

Excelência operacional Excelência operacional o pilar para obter um crescimento lucrativo na Colômbia POR: DAVID MONROY E ROBERTO PALACIOS, SINTEC Siga-nos: @Perspectiva Sintec @Sintec_ @PerspectivaSintec Introdução Toda empresa

Leia mais

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco 1ª edição 2009 Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco Contador formado pela Faculdade

Leia mais

MARKETING EMENTAS DO CURSO 1º P COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTO HUMANOS NAS ORGANIZAÇÕES

MARKETING EMENTAS DO CURSO 1º P COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTO HUMANOS NAS ORGANIZAÇÕES MARKETING EMENTAS DO CURSO 1º P COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO Números Reais; Expressões Algébricas; Equação do 1º grau; Equação do 2º grau; Logaritmos; Conjuntos; Funções;

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS UNINORTE LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES PRÊMIO DE EMPREENDEDORISMO JAMES McGUIRE EDITAL DE SELEÇÃO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. O Prêmio James McGuire de Empreendedorismo é uma competição

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data 9 Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Sua empresa sabe interpretar os dados que coleta? Para aumentar

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais