Palavras-chave: Características. Publicações. Bibliometria. Pequenas e médias Empresas.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: Características. Publicações. Bibliometria. Pequenas e médias Empresas."

Transcrição

1 CCG LEVANTAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS BIBLIOMÉTRICA DOS ARTIGOS SOBRE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PUBLICADOS EM CONGRESSOS E PERIÓDICOS NACIONAIS Andréia Carpes Dani Mestre em Ciências Contábeis Universidade Regional de Blumenau - FURB Nayane Thais Krespi Mestranda em Ciências Contábeis Universidade Regional de Blumenau - FURB Fernanda Kreuzberg Mestranda em Ciências Contábeis Universidade Regional de Blumenau - FURB Paulo Roberto da Cunha Doutor em Ciências Contábeis e Administração Universidade Regional de Blumenau - FURB Área Temática: Controladoria e Contabilidade Gerencial. Resumo Este estudo objetiva verificar as características bibliométricas das publicações sobre micro, pequenas e médias empresas no Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, EnANPAD, CBC, ANPCONT e em periódicos de Administração e Contabilidade no período de 2000 a Esta classifica-se como descritiva, documental e quantitativa. Na verificação das publicações foram encontrados 259 publicações. Os resultados da pesquisa demonstraram em relação à produção científica derivada dos congressos que houve um crescimento nas publicações sobre micro, pequenas e medias empresas a partir do ano de 2004, que se apresentou de forma contínua até O mesmo não ocorreu nas publicações socializadas em revistas, em que houve uma diminuição no número de artigos a partir de De maneira geral, constatou-se que houve uma evolução contínua no número de publicações envolvendo esse segmento de empresas, embora seja ainda incipiente a quantidade de publicações diante da crescente participação e importância desse segmento na economia brasileira, o que indica um campo de pesquisa que necessita ser melhor discutido, buscando-se ampliar as publicações de forma a socializar amplamente a temática. Palavras-chave: Características. Publicações. Bibliometria. Pequenas e médias Empresas. 1. INTRODUÇÃO A importância das micro e pequenas empresas MPME S na economia brasileira se verifica na geração de emprego e de renda, visto que empresas desta 1

2 categoria são maioria no país e são, ainda, responsáveis pela composição de boa parte do Produto Interno Bruto PIB (FERNANDES et al.., 2009). De forma geral, as PME S possuem características particulares, principalmente na forma de gerenciar a empresa, visto que seus administradores geralmente são os empreendedores que tiveram a idéia e agora desempenham atividades administrativas, sem nenhuma qualificação específica para tal (GROSSI; OLIVEIRA FILHO, 2009). Esse contexto faz emergir diversos fatores que, simultaneamente, podem limitar ou impulsionar o desenvolvimento da MPE. Alguns desse fatores podem ser: desejo de vencer, reduzido tamanho, tomada de decisão concentrada nas mão de quem tem visão de negócio, alcance das informações e a confiança (GROSSI; OLIVEIRA FILH, 2009). Diante do exposto, apresenta-se a seguinte questão que norteia esta pesquisa: Quais são as características bibliométricas das publicações sobre micro, pequenas e médias empresas no Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, EnANPAD, CBC, ANPCONT e em periódicos de Administração e Contabilidade no período de 2000 a 2011?. Dessa forma, o objetivo do estudo é verificar as características bibliométricas das publicações sobre micro, pequenas e médias empresas no Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, EnANPAD, CBC, ANPCONT e em periódicos de Administração e Contabilidade no período de 2000 a Apresenta-se o estudo de Gomes et al. (2010) que teve como objetivo analisar a produção científica da internacionalização de pequenas e médias empresas PME S em quatro periódicos internacionais no período de 2000 a artigos foram analisados de acordo com os objetivos de pesquisa, enquadramentos teóricos, metodologias adotadas e principais contribuições ao tema. No trabalho de Muniz et al. (2008), os autores determinaram a ordem de importância dada ao segmento de MPME S por pesquisadores brasileiros na área de finanças, através do levantamento da produção acadêmica em um dos mais representativos congressos brasileiros da área de Administração no período de 2000 a Alguns artigos relevantes foram encontrados e apresentados de forma descritiva pelos autores. Borba e Piccoli (2005) realizaram uma pesquisa que tinha o intuito de quantificar os artigos sobre as PME S e analisar suas principais características. A coleta foi realizada em 16 periódicos qualificados pela CAPES, abrangendo o período de 2000 a Diante do exposto nesses 3 estudos, fundamentou-se a justificativa para a realização da presente pesquisa, visto que as bases de busca foram ampliadas e o período de pesquisa maximizado, tornando, dessa forma, o estudo inédito na área. Outro fator inédito do artigo reside na classificação dos artigos encontrados de acordo com as áreas temáticas em que estes estavam inseridos. 2. MICRO E PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MPME s De acordo com Leone (1999) não é possível estabelecer uniformidade no que tange à conceituação das MPME S, visto que em cada país as características são próprias e adaptadas a sua realidade. Entretanto algumas definições específicas para as MPME S brasileiras são encontradas. Segundo Barbosa e Sicsú (2002, p. 04) as micro e pequenas empresas são elos importantes das cadeias produtivas que buscam a competitividade; e devem ser vistas como parceiras eficientes e eficazes no processo produtivo. Diante disso é notável destacar seu papel de fundamental importância para a economia brasileira. 2

3 No aspecto histórico, as MPME S no Brasil destacam-se pela tenacidade do povo em lutar pela sua existência. Há pouco tempo o plano econômico passou a valorizar os micros, visto que até alguns anos atrás somente os macros tinham oportunidade de crescimento. Essa mudança de perspectiva tem efeito também sobre a situação social do país (TEIXEIRA JÚNIOR, 2001). Dessa forma é possível afirmar, portanto que, MPME S são, na maioria das vezes, empresas administradas por um número reduzido de funcionários, com baixa capacidade técnica e com uma série de dificuldades, que ocasionam problemas de gestão (BIANCHI; ANUNCIATO, 2007). As MPME S são, no Brasil, definidas pelo Sistema Integrado de Pagamentos de Impostos e Contribuições das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte SIMPLES, conforme a Lei nº 9.317/96. Também, de forma complementar, por meio do Estatuto da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte, conforme a Lei nº 9.841/99 (GRAPEGGIA; LEZANA, 2011). A partir desta última Lei, foi redigido o Decreto nº 5.028/04, o qual prevê que as MPME S são classificadas de acordo com a receita bruta anual. Porém esta é apenas uma das classificações existentes, outras também são bastante difundidas e utilizadas. Como exemplo, ressalta-se a classificação proposta pelo Serviço Brasileiro de Apoio as Micro e Pequenas Empresas SEBRAE que considera o número de empregados da empresa (GRAPEGGIA; LEZANA, 2011) Características das MPME s Cabe destacar, a partir desta sessão, algumas características presentes nas MPME S de forma geral. É possível afirmar que, em grande parte das vezes, a origem das MPME S foi à aptidão artesanal do empreendedor, ou fatores externos, como por exemplo, o desemprego. Nesse contexto, a visão estratégica de empresas pertencentes a esta categoria é, quase sempre, deficitária (MIRANDA et al., 2007). Bortoli (1980) infere que as MPME S possuem a administração, geralmente, centralizada em um indivíduo, ou em indivíduos da mesma família, sendo esta pouco especializada. Corroborando, Braga (1988) completa ponderando que em empresas desta categoria, importantes posições estratégicas são ocupadas considerando apenas o grau de parentesco e não a qualificação profissional. Nesse sentido, Johnson e Scholes (1993) apresentam como características das MPME S: operar em mercado único e com número limitado de produtos; sofrer pressões competitivas significativas; tomada de decisões influenciada pelos fundadores da empresa; e raramente possui executivos seniores ou departamentos centrais capazes de realizar análises complexas. De forma complementar, Silva (2003) apresenta algumas características como inerentes as MPME S, além das já apresentadas por Johnson e Scholes (1993), dentre elas destacam-se: a capacidade de conseguir capital é afetado por possuírem estrutura de capital fechado e a busca pela consolidação de sua posição em um mercado específico. A partir desse contexto, Barbosa e Sicsú (2002) descrevem algumas características das MPME S, bem como suas respectivas vantagens e desvantagens. Essa caracterização é apresentada no Quadro 1. Características Vantagens Desvantagens Reação ao Capacidade de reagir rapidamente - mercado às necessidades do mercado Ausência de burocracia Gestão Decisões mais rápidas Maior propensão ao risco Maior desconhecimento das modernas técnicas de gestão 3

4 Ambiente interno Recursos Humanos Sistemas de Comunicação Externa Recursos Financeiros Capacidade de Produção Sistema de comunicação informal e eficiente Solução mais rápida de problemas internos Adaptação mais rápida às mudanças externas Crescimento - Patentes - Legislação - Quadro 1 Caracterização das MPME S Fonte: adaptado de Barbosa e Sicsú (2002) Falta de recursos humanos especializados para atender a todas as necessidades internas Falta de tempo, informações e recursos Dificuldade de contratar serviços especializados externamente Dificuldades em conseguir capital Ausência de capital de risco Impossibilidade de reduzir / ratear o risco em um elenco de projetos - Economia de escala pode se tornar uma barreira Dificuldade de capital para a expansão Lideranças com pouca experiência para lidar com situações mais complexas Dificuldade em lidar com sistemas de patentes; Indisponibilidade de tempo e recursos para processo litigiosos Dificuldade em lidar com legislações mais complexas Destaca-se a característica Gestão, por ser a única, dentre as apresentadas, que possuem vantagens e desvantagens. Como vantagens, destacam-se ausência de burocracia, decisões mais rápidas e maior propensão ao risco. Ao passo que a desvantagem apresentada é o maior desconhecimento das modernas técnicas de gestão. De acordo com Longenecker et al. (1997), a abertura de um empreendimento traz inúmeras vantagens, entretanto acarreta algumas desvantagens também, principalmente associadas aos custos do negócio. Além de habilidades práticas e conhecimento teórico o empreendedor precisa ter capacidade para lidar com desgastes emocionais, ocasionados por diversas situações que constantemente afetam as MPME S. Estudos realizados por Boyle e Desai (1991), bem como por Gaskill et al. (1993) destacam a falta de habilidade do empreendedor para entender e manusear instrumentos contábeis, sendo esta uma das principais causas, apontadas pelos autores, para o fracasso das MPME S. Esse mesmo autor (Longenecker et al., 1997) elenca algumas características que o empreendedor precisa ter para a criação e sucesso de uma MPE, destaca-se: a) necessidade de realização, visto que estes estão sempre em busca de um alto nível de excelência; b) disposição para assumir riscos, sendo que empreendedores geralmente tem preferência por situações arriscadas; c) autoconfiança, pois estes são independentes na grande parta das vezes e d) necessidade de buscar refúgio, pelo fato da abertura de um negócio poder significar a fuga de algum fator. Na visão de Matias e Lopes Júnior (2002) a má administração das MPME S é a maior responsável pelo fracasso de empresas deste segmento. Isso acontece, na maioria das vezes, por despreparo dos empreendedores que nem sempre tem o conhecimento gerencial necessário para proceder à administração da empresa. 4

5 Por outro lado, Braga et al. (2004), aponta a falta de recursos financeiro como uma das maiores dificuldades das MPME S, sendo um fator que pode inibir o crescimento e limitar os investimentos nestas. Martins (2003) ainda pondera que as MPME S possuem recursos restritos, especialmente no que diz respeito ao capital e que existe déficit na formação daqueles que atuam na administração e na assessoria. Sendo assim, além do tamanho das empresas ser uma dificuldade, a atitude dos gestores também pode ser considerada um barreira para o desenvolvimento da mesma. Alguns problemas, encontrados frequentemente nas MPME S são destacados por Sousa (2007) e podem variar de acordo com a atividade e o volume produzido. Todavia cabe ressaltar alguns deles como: vendas cíclicas, concorrência com custos mais baixos, formação de preços errados levando ao prejuízo, baixa lucratividade, custos fora de controle, falta de capital de giro, estoque mal dimensionado, deficiente negociação com fornecedores e clientes. A mortalidade das MPME S são objetos de pesquisa no cenário internacional também, como é o caso de Morrison (2003) e Watson e Everett (2007). Nesse sentido, ressalta-se o estudo de Carter e Van Auken (2006), que destaca a importância das MPME S no cenário americano e faz uma ressalva, ponderando que as falhas de operação nas empresas dessa categoria afetam investidores, proprietários e a comunidade como um todo, afetando, dessa forma, toda a economia. Como apresentado é possível identificar características bastante peculiares as MPME S, sendo consideradas também suas vantagens e desvantagens, ou limitadores para a expansão deste tipo específico de empresas A importância das MPME s Alguns estudos como Beraldi e Escrivão Filho (2000) e Nunes e Serrasqueiro (2004) inferem sobre a importância das MPME S no cenário econômico nacional. A partir desta informação, passou-se a exercer esforços para transferir tecnologia para as MPME S com o intuito de mantê-las no mercado (PUGA, 2002). Especificamente em se tratando do Brasil, a participação das MPME S tem relevância garantida, como evidencia os dados divulgados pelo SEBRAE em 2005 e principalmente pelo aumento significativo no aumento do número de empresas nesta categoria nos últimos anos. No setor do comércio e de serviços é notória a participação das MPME S, entretanto mesmo sendo de grande importância para a economia nacional, no que diz respeito a geração de emprego e de renda, esta categoria de empresas encontra-se quase sempre em dificuldades, inclusive para manutenção do seu capital de giro (FERNANDES et al., 2009). No cenário internacional, empresas pertencentes a esta categoria também tem papel importante, como é o caso da Irlanda. Neste país as MPME S compõem 98% do total de empresas, contribuindo para a formação do PIB irlandês (McADAM; MARLOW, 2007). Nunes e Serrasqueiro, ainda no cenário internacional, destacam que as MPME S são, também, de grande importância para a economia lusitana, visto que estas representaram, em 1999, 96% do total de empresas deste país. De acordo com o exposto verifica-se a relevância de estudar as MPME S, tanto no cenário nacional como no internacional. Portanto o presente estudo encontra relevância na própria importância dada ao tema em questão. 5

6 3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Em relação ao delineamento metodológico desta pesquisa, esta classifica-se como descritiva quanto aos objetivos, documental quanto aos meios e quantitativa quanto à abordagem do problema. A respeito da pesquisa descritiva Raupp e Beuren (2004, p. 81), explicam que a pesquisa descritiva configura-se como um estudo intermediário entre a pesquisa exploratória e a explicativa, ou seja, não é tão preliminar como a primeira e não tão aprofundada como a segunda. Sobre a pesquisa documental Godoy (1995) infere que esta consiste no exame de materiais de natureza diversa que ainda não receberam um tratamento analítico, ou que podem ser reexaminados, buscando-se interpretações novas e/ou complementares. Diante disso, considera-se que nesse tipo de pesquisa o pesquisador [...] não tem relação direta com o acontecimento registrado, senão através do elemento intermediário [...] (RICHARDSON, 1999, p. 253). Em relação a abordagem quantitativa, Richardson (1999, p.70) [...] afirma que a abordagem quantitativa caracteriza-se pelo emprego de quantificação tanto nas modalidades de coleta de informações, quanto no tratamento delas por meio de técnicas estatísticas [...]. Adicionalmente Silveira et al.. (2004, p. 107) infere que de maneira geral as pesquisas quantitativas baseiam seus estudos em análise de características diferenciadas e numéricas, geralmente ao longo de alguma dimensão, entre dois ou mais grupos, procurando provar a existência de relações entre variáveis. 3.1 Amostra Para a realização da pesquisa definiu-se como universo de pesquisa, o número total de artigos publicados e socializados nas bases nacionais, aqui compreendidas nos congressos e revistas, que foram selecionados previamente para análise. Destaca-se que optou-se por verificar a produção cientifica socializada sobre pequenas e medias empresas. As bases analisadas são formadas pelos seguintes eventos (congresso): Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (EnANPAD), Associação dos Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (ANPCONT), e Congresso Brasileiro de Custos (CBC). E as publicações em revistas nacionais, no qual fazem parte os seguintes periódicos: Organizações & Sociedade (O & S), da UFBA; Revista de Administração Contemporânea (RAC), da ANPAD; Revista de Administração de Empresas (RAE), da FGV/SP; Revista de Administração de Empresas Eletrônica (RAE Elet.), da FGV/SP; Revista de Administração Pública (RAP), da FGV/RJ; Revista Brasileira de Administração (RAUSP), da USP; Revista Contabilidade & Finanças (RC&F), da USP; e, Revista Eletrônica de Administração (REAd), da UFRGS. Diante do universo de pesquisa apresentado, a amostra desta pesquisa compreendeu todos os trabalhos encontrados nas bases nacionais da área de administração e contabilidade, relacionados à temática micro, pequenas e médias empresas e que foram disponibilizados para verificação. 3.2 Coleta dos Dados A coleta dos dados nas bases nacionais apresentadas, compreendeu um período de 12 anos, sendo do ano de 2000 à Destaca-se que apenas o Congresso ANPCONT não apresentou publicações em todos os anos analisados, no qual não pontuaram o anos de 2000 à Ressalta-se que isso se deve ao fato de que o evento teve seu inicio no ano de 2006, e por esse motivo não foi considerado o período 6

7 anterior. Para a realização da coleta das publicações, definiu-se os termos pequenas e medias empresas, pequenas empresas, medias empresas, micro empresas, pequenas, médias e micro para a verificação da temática nas publicações pesquisadas. A coleta das publicações foi segmentada em cinco categorias principais, representada pelas temáticas das publicações, sendo: Ambiental, Contabilidade, Custos e Gestão Empresarial. Na seqüência foram enquadradas as publicações conforme a temática atrelada a pequenas e medias empresas, em cada publicação analisada, com o intuito de classificar de forma mais detalhada as publicações e identificar as tendências dos pesquisadores em relacionar empresas com características de pequenas e medias com áreas temáticas especificas. 3.3 Análise dos Dados A análise dos dados coletados será realizada inicialmente por maio da estatística descritiva, na qual será apresenta as características gerais e específicas das publicações, como: quantidade de artigos encontrados, classificação em teórico e prático, classificação em setor de aplicações, e abordagem metodológica utilizada, etc. Nesse sentido, destaca-se que também será realizada a análise das publicações por meio de clusters, analisada através do software SPSS, buscando-se a identificação da distribuição do número de publicações encontradas por base de dados analisada. 4. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS Neste tópico será realizada a descrição dos dados coletados e análise dos resultados encontrados, por meio da estatística descritiva, buscando-se apresentar as características das publicações encontradas de forma geral e num segundo momento, por categoria analisada no período de 2000 à Em seguida será realizada a análise por meio de clusters, para se verificar a distribuição das publicações por categoria, e por fim será aplicado redes, para se verificara a configuração estrutural dos relacionamentos dos pesquisadores das publicações analisadas. 4.1 Caracterização das publicações coletadas e analisadas sobre pequenas e médias empresas Neste tópico apresenta-se a caracterização das publicações analisadas, na qual segmentou-se a análise em alguns itens de classificação buscando auxiliar na melhor caracterização das mesmas. Nesse sentido, destaca-se que a analise compreende os seguintes critérios: quantidade de publicações coletadas e analisadas no período de 2000 a 20011; quantidade de publicações analisada conforme a base de coleta dos dados; classificação dos artigos em teóricos e práticos; classificação dos artigos conforme fonte de coleta de dados e setor de atuação; classificação dos artigos conforme abordagem metodológica utilizada e posteriormente, quantidade de artigos por categoria temática. A Tabela 1 apresenta a distribuição do número de artigos analisados de acordo com a base de coleta pesquisada no período de 2000 a Tabela 1 - Número de artigos analisados de acordo com a base de coleta no período de 2000 a Ano Base de Coleta Total ANPCONT CBC

8 Congresso USP EnANPAD O&S RAC RAE RAE Elet RAP RAUSP RC&F READ Total Revistas Total Geral Observa-se que na Tabela 1 a quantidade total de artigos coletados e analisados no período de 12 anos conforme a base de dados pesquisada. Destaca-se que foi utilizado um total de 259 artigos que continham pelo menos um dos termos definidos para pesquisa. Nesse sentido, observou-se que houve predominância dos congressos em relação a quantidade de publicações, sendo 46% correspondente ao congresso EnANPAD e 31% do Congresso Brasileiro de Custos. Já o restante das publicações encontradas se referem a 18% dos artigos, publicados nas oito revistas pesquisadas, onde as revistas READ, RAC e O&S foram aquelas que tiveram maior quantidade de achados, com 5%, 4% e 3% respectivamente dos artigos. Ressalta-se em relação a quantidade de artigos encontrados no período analisado, que no ano de 2000 a 2003 não houve uma quantidade significante de artigos relacionados a micro, pequenas e médias empresas, pois esse período apresentou um número baixo de publicações. Em contrapartida, observou-se um aumento no número de artigos publicados no período subseqüente, no qual no ano de 2004 foi o que apresentou maior quantidade geral de artigos, com 42, seguido do ano 2005, com 34 artigos e 2009, com 33 artigos. Diante disso, constatou-se de forma geral uma evolução contínua no número de publicações envolvendo o segmento de pequenas e médias empresas, embora considerese ainda incipiente a quantidade de publicações envolvendo essa temática diante da quantidade geral de publicações socializadas pelas bases pesquisadas. Na Tabela 2 apresenta-se a classificação dos artigos em teórico e prático de acordo com a base de coleta de dados. Tabela 2 - Classificação dos artigos em teórico e prático no período de 2000 a Classificação ANPCONT CBC Congresso USP EnANPAD Revistas Total Estudos Teóricos Conceitual Ilustrativo Conceitual Aplicado Estudos Práticos Estudo de caso Survey Grupo Focal Ex post fact Total

9 Por meio da Tabela 2 é possível observar a classificação dos artigos analisados em teórico ou pratico conforme as bases analisadas. Nesse sentido, observou-se que o congresso EnANPAD apresentou o maior número de artigos com a classificação de estudos teóricos (com 29 conceitual), em oposição ao Congresso USP (com 1 conceitual). Os periódicos analisados tiveram a mesma representatividade que o CBC (com 8 artigos cada), o que demonstra que uma pequena parcela do total de 46 dos artigos socializados em revistas são classificados em teóricos. Adicionalmente, comenta-se que o congresso ANPCONT não apresentou estudos teóricos, e dessa forma, não pontuou nesse aspecto. Em contraste com os estudos teóricos, observou-se que a maioria dos artigos encontrados são classificados como estudos práticos. A respeito disso, observou-se que o congresso EnANPAD apresentou 108 artigos (com 69 survey, 37 estudo de caso, 2 Ex post fact), em oposição ao Congresso ANPCONT (com 1 artigo classificado como estudo de caso). Já em relação as revistas, verificou-se 38 artigos práticos (sendo 21 survey, 16 estudo de caso, e 1 gripo focal). De maneira geral, nota-se que nos estudos práticos em relação a classificação grupo focal e ex post fact, houve apenas 1 (revista) e 2 (congresso EnANPAD) respectivamente. Complementarmente, destaca-se que esta classificação dos artigos encontrados, foi realizada seguindo-se a classificação apresentada pelos autores das publicações, e nos casos em que não havia, foi considerada a abordagem metodológica apresentada por Martins e Theóphilo (2007) para a definição das abordagens metodológicas. A Tabela 3 demonstra a classificação dos artigos de acordo com a fonte de coleta de dados utilizada nas publicações analisadas. Tabela 3 - Classificação de acordo com a fonte de coleta de dados dos artigos no período de 2000 a Classificação ANPCONT CBC Congresso USP EnANPAD Revistas Total Coleta de Dados Primário Secundário Primário - Secundário Total Depreende-se na Tabela 3, que nas publicações analisadas verificou-se que a coleta de dados por meio de fontes primárias predominou nas bases analisadas. Nesse sentido observou-se que o congresso EnANPAD apresentou o maior numero de artigos com essa classificação, sendo 84 artigos, seguido do CBC, com 65 artigos. Também pode-se observar que as revistas 61% do total de 46 revistas, tiveram a sua base de coleta realizada por meio de dados primários. Contrariamente, observou-se que as publicações que foram baseadas em dados mistos (primários e secundários) aparecem em minoria, constando em apenas 7 artigos, que foram socializados em sua maioria no CBC (4 artigos). De forma geral, observou-se que 72% das publicações analisadas tiveram sua base de coleta classificada como primária, seguida de 25% como secundária e 3% como mista (primários e secundários). A Tabela 4 demonstra a distribuição das publicações de acordo com a abordagem metodológica utilizada. 9

10 Tabela 4 - Abordagem metodológica utilizada nos artigos no período de 2000 a Abordagem metodológica ANPCONT CBC Congresso USP EnANPAD Revistas Total Total (%) Qualitativa ,21 Quantitativa ,54 Quali-quanti ,25 Total ,00 Constata-se por meio da Tabela 4, que as publicações analisadas tiveram em sua maioria uma abordagem metodológica qualitativa (com 55,21%), tendo maior representatividade pelo congresso EnANPAD, com 120 artigos, seguido do CBC, com 81 artigos. Em contraponto, observou-se que a abordagem qualitativa-quantitativa, esteve presente em apenas 4,25% das publicações analisadas. Em relação ao mesmo aspecto, também foi possível observar que nas publicações socializadas nas revistas, apresentaram em sua maioria uma abordagem qualitativa, com 35 artigos. A tabela 5 apresenta a distribuição dos artigos analisados em grupos de Clusters de acordo com a base de coleta utilizada. Tabela 5 - Clusters dos artigos analisados de acordo com as bases pesquisadas Clusters Bases Analisadas EnANPAD CBC USP ANPCONT Revistas Total Cluster Cluster Cluster Cluster Cluster Total Verifica-se por meio da Tabela 5 a distribuição dos artigos analisados de acordo com a base de coleta. Nesse sentido, observa-se que foi realizada a segmentação dos artigos em cinco clusters para a separação dos artigos de acordo com as similaridade de suas características. Após a realização da analise no software SPSS, foi possível a divisão dos artigos em grupos diferentes, aqui representados por cinco clusters. Destaca-se que o Cluster 1 formado por todas as bases, exceto o ANPCONT, foi aquele que apresentou o maior número de artigos com as mesmas características, seguido do Cluster 3, com aproximadamente a metade do número de publicações (69 artigos). Em contraponto, percebeu-se que o Cluster 2 formado por: O&S (1 artigo), RAP (2 artigos), EnANPAD (4 artigos) e CBC (6 artigos), foi aquele que apresentou menor número de publicações (14 artigos). 4.2 Caracterização das publicações coletadas e analisadas sobre pequenas e médias empresas de acordo com a categoria temática Neste tópico será apresentada a análise das características das publicações coletadas e analisadas de acordo com a categoria temática apresentada. Nesse sentido, ressalta-se que os artigos encontrados foram enquadrados em cinco categorias, conforme o tema apresentado. 10

11 Dessa forma, as categorias definidas nesta pesquisa foram: Ambiental, Contabilidade, Custos e Gestão Empresarial. Na seqüência apresenta-se a analise com as características das publicações de acordo com cada categorias temática. A Tabela 6 apresenta o número de artigos analisados distribuídos por categoria temática. Tabela 6 - Número de artigos analisados de acordo com a categoria no período de 2000 a Categorias Base de coleta Contabilidade Ambiental Gestão Custos Estratégia Total Empresarial Congresso USP CBC ANPCONT EnANPAD Revistas Total A Tabela 6 demonstra a distribuição dos artigos analisados conforme a categoria temática relacionada. Nesse sentido, observa-se que a temática Gestão empresarial foi aquele que apresentou maior número de publicações, com 54% dos artigos (141 publicações), ou seja, foi o tema mais abordado nas bases analisadas no período de 12 anos analisado. Nesse contexto, verificou-se que essa temática destaca-se em relação a quantidade de artigos, tanto nos congressos, como nas revistas, em que a a revista READ, foi aquela que apresentou maior número de artigos (com 9). Em contrapartida, percebeu-se que a temática Ambiental, foi a categoria que apresentou o menor número de publicações, com apenas 2% (5 artigos). Na Tabela 7 consta a classificação dos artigos analisados e distribuídos conforme a categoria temática. Tabela 7 - Classificação dos artigos em teórico e prático no período de 2000 a Classificação Contabilidade Ambiental Gestão Custos Estratégia Total Empresarial Estudos Teóricos Conceitual Estudos Práticos Estudo de caso Survey Grupo Focal Ex Post Fact Total Verifica-se na Tabela 7 a classificação dos artigos conforme a categoria temática. Diante disso, observa-se que a maioria dos estudos teóricos são classificados na categoria gestão empresarial (com 16 artigos). Já em relação aos estudos práticos, verificou-se que os artigos com abordagem metodológica classificados como estudo de caso, foram enquadrados na categoria gestão empresarial (com 48 artigos), bem como as survey (com 75 artigos). Em oposição, observou-se que as abordagens grupo focal e Ex Post Fact, apresentaram apenas 1 e 2 artigos respectivamente. 11

12 Tabela 8 - Classificação de acordo com a fonte de coleta de dados dos artigos no período de 2000 a Contabilidade Ambiental Gestão Custo Estratégi Tota Classificação Empresarial s a l Primário Coleta Secundário de Primário/ dados Secundário Total Nota-se na Tabela 8, a classificação dos artigos no que se refere a coleta dos dados. Nesse sentido percebeu-se que a categoria temática gestão empresarial foi aquela que apresentou o maior número de publicações que utilizaram dados primários como fonte de coleta dos dados. Em seguida, observa-se o enquadramento das temáticas Contabilidade e Estratégia, com 29 artigos respectivamente. Em contrapartida, verificou-se que os artigos publicados nas temáticas Ambiental e Custos, tiveram seus tiveram também como base de coleta dados primários, embora contenham menor número de publicações. Na Tabela 9 demonstra-se a distribuição do tipo de abordagem metodológica utilizada nos artigos analisados, conforme a categoria temática. Tabela 9 Abordagem metodológica utilizada Abordagem Contabilidade Ambiental metodológica Gestão Empresarial Custos Estratégia Total Total (%) Qualitativa ,21 Quantitativa ,54 Qualitativa- Quantitativa ,247 Total ,00 De acordo com os dados apresentados na Tabela 9, verifica-se que a abordagem metodológica qualitativa foi a mais utilizada pelos artigos analisados, apresentado maior número de artigos classificados com essa abordagem em todas as categorias analisadas. Em oposição observou-se que a abordagem qualitativa-quantitativa, teve presente em apenas 4,24% das publicações. Nesse sentido, destaca-se que a temática estratégia não apresentou nenhum artigo com essa abordagem. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O estudo objetivou examinar as características bibliométricas das publicações sobre micro, pequenas e médias empresas no Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, EnANPAD, CBC, ANPCONT e em periódicos de Administração e Contabilidade no período de 2000 a Os resultados da pesquisa demonstraram em relação a produção científica derivada dos congressos que houve um crescimento nas publicações sobre micro, pequenas e medias empresas a partir do ano de 2004, bem como que esta se apresentou de forma contínua até Ressalta-se que dentre os congressos analisados o EnAPAD 12

13 foi o que apresentou maior número de publicações no período analisado. Em oposição, observou-se em relação as publicações socializadas em revistas, que houve um crescimento da produção cientifica sobre micro pequenas e médias empresas até o ano de 2004, embora tenha ocorrido uma diminuição no número de artigos nos anos subseqüentes até Nesse sentido, ressalta-se que as revistas READ, O&S e RAC foram aquelas que apresentaram maior número de publicações. No que diz respeito às características metodológicas das publicações analisadas, pode-se traçar o seguinte perfil dos artigos sobre micro, pequenas e médias empresas socializados nas bases pesquisadas, sendo: i) a quantidade de publicações sobre o tema apresentou-se de forma contínua nos congressos; ii) o congresso EnANPAD foi a base de coleta que apresentou o maior volume de publicações no período analisado, com uma produção contínua; iii) as revistas apresentaram de modo geral uma produção baixa e descontínua; iv) quanto a abordagem metodológica utilizada nas publicações verificouse, que nos congressos predominaram estudos práticos, com a base de coleta dos dados classificada como primaria e abordagem qualitativa, sendo que o mesmo foi constatado para as revistas analisadas; v) dentre as categorias temáticas analisadas, verificou-se que a categoria temática gestão empresarial foi aquela que apresentou maior número de publicações, tanto nos congressos como em revistas. De maneira geral, constatou-se que houve uma evolução contínua no número de publicações envolvendo o segmento de micro, pequenas e médias empresas, embora considere-se ainda incipiente a quantidade de publicações envolvendo essa temática, diante da crescente participação e importância desse segmento na economia brasileira, o que indica um campo de pesquisa que necessita ser melhor discutido, buscando-se ampliar as publicações de forma a socializar amplamente a temática. Para estudos futuros, sugere-se que seja ampliada a base de dados analisados, em busca de se verificar as publicações sobre micro, pequenas e médias empresas em outros eventos ou periódicos não verificados neste estudo, tanto nacionais como internacionais, ou até mesmo ampliando-se o período analisado. REFERÊNCIAS BARBOSA, G. R.; SICSÚ, A. B. Sistemas de informação e as empresas de pequeno porte. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 12., 2002, Curitiba. Anais... BERALDI, L. C., ESCRIVÃO FILHO, E. Impacto da tecnologia da informação na gestão das pequenas empresas. Revista Ciência da Informação, vol. 29, n. 1, Brasília, BIANCHI, R. R.; ANUNCIATO, K. M. A importância das informações contábeis para a formação do preço de venda nas micro e pequenas empresas no município de Sapezal MT. In: CONGRESSO VIRTUAL BRASILEIRO ADMINISTRAÇÃO, 4., 2007, São Paulo. BORBA, José Alonso ; PICCOLI, C. E.. A Produção Científica sobre Pequenas e Médias Empresas no Brasil. In: VIII SemeAd - FEA/USP, 2005, São Paulo. VIII SemeAd - FEA/USP, BORTOLI, Adelino Neto. Tipologia de problemas das pequenas e médias empresas. Dissertação (Mestrado em Economia e Administração) - Faculdade de Economia e 13

14 Administração. São Paulo, BOYLE, R. D.; DESAI, H. B. Turnaround strategies for small firms. Journal of Small Business Management. [S.l.], p , jul BRAGA, Nice. O processo decisório em organizações brasileiras: comportamentos comunicativos. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 4, p , BRAGA, Roberto; NOSSA, Valcemiro and MARQUES, José Augusto Veiga da Costa. Uma proposta para a análise integrada da liquidez e rentabilidade das empresas. Rev. contab. finanç. [online]. 2004, vol.15, n.spe, pp ISSN X. CARTER, R.; VAN AUKEN, H. Small Firm Bankruptcy. Journal of Small Business Management. [S.l.], FERNANDES, A. P.; MARTINS, S.; OLIVEIRA, A. R. Fatores que impulsionam as MPE a recorrer às empresas de Factoring em um município da Zona da Mata MG. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CUSTOS, 12., 2009, Fortaleza. GASKILL, L. A. R. et al.. A factor analytic study of perceived causes of Small business failure. Journal of Small Business Management. [S.l.], p , out GOMES, G.; SILVEIRA, A. ; AMAL, Mohamed. Internacionalização de Pequenas e Médias Empresas em periódicos de Administração com alto fator de impacto: Revista Ibero-Americana de Estratégia - RIAE, v. 9, p , GRAPEGGIA, M.; LEZANA, A. G. R.; ORTIGARA, Anacleto Ângelo and SANTOS, Paulo da Cruz Freire dos. Fatores condicionantes de sucesso e/ou mortalidade de micro e pequenas empresas em Santa Catarina.Prod. [online]. 2011, vol.21, n.3, pp Epub May 20, ISSN GROSSI, R.; OLIVEIRA FILHO, J. B. As particularidades das pequenas empresas sob a ótica do empreendedorismo e da teoria do processo de formação das estratégias. In: Encontro da ANPAD, 33., 2009, São Paulo. Anais... JOHNSON G.; SCHOLES K. Exploring Corporate Strategy. 3a. edição. Prentice- Hall LEONE, N. M. As especificidades das pequenas e médias empresas. São Paulo: Revista de Administração, v. 34, n. 42. pp , abril/junho LONGENEKER, J.G; MOORE, C.W.; PETTY, J.W. Administração de pequenas empresas. São Paulo: Person Education, MATIAS, A. B. ; Fábio Lopes Júnior. Administração Financeira nas Empresas de Pequeno Porte. São Paulo: Editora Manole Ltda, p. 14

15 McADAM, M.; MARLOW, S. Building futures or stealing secrets?: entrepreneurial cooperation and conflict within business incubators. International Small Business Journal. [S.l.], n. 25, p. 361, MIRANDA, L. C.; LIBONATI, J.; RATTACASO, D.; SANTURNINO, O. Demanda por Serviços Contábeis pelas Micro e Pequenas Empresas: São os Contadores Necessários? In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CUSTOS, 10., 2007, João Pessoa. Anais... MONTEIRO, A. A. S. M. Fluxos de caixa e capital de giro: uma adaptação do modelo de Fleuriet. In: SEMINÁRIO DE CONTABILIDADE E CONTROLADORIA, 2.; 2003, São Paulo. Anais...São Paulo: FEA-USP, Disponível em: <http://portalebb.br.tripod.com/sitebuildercontent/sitebuilderfiles/flcxcgiro.pdf > Acesso em: 07 Nov MORRISON, E. R. Bankruptcy Decision-Making: An Empirical Study of Small- Business Bankruptcies. The Center for Law and Economic Studies. Working Paper No Columbia Law School. Outubro de MUNIZ, Natiara Penalva. Finanças aplicadas a Micro e Pequenas Empresas - Um levantamento na produção acadêmica do Enanpad no período de 2000 a In: XI Semead, 2008, São Paulo. XI Semead, NUNES, L. C. F.; SERRASQUEIRO, Z. M. S. A informação contabilística nas decisões financeiras da pequena empresa, Revista de Contabilidade e Finanças, n. 36, São Paulo, setembro/dezembro, PUGA, Fernando Pimentel. O apoio financeiro às micro, pequenas e médias empresas na Espanha, no Japão e no México. BNDES, Rio de Janeiro, Agosto Disponível em <http://www.bndespar.com.br/sitebndes/export/sites/default/bndes_pt/galerias/arqui vos/conhecimento/td/td-96.pdf > Acesso em: 07 Nov Boletim Estatístico de Micro e Pequenas Empresas. SEBRAE, 1º Semestre de Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/br/mpe_numeros/> Acesso em: 07 Nov SILVA, André L. Silva. O perfil do profissional contábil, sob a ótica dos gestores das micro-indústrias da Região da Campanha do Rio Grande do Sul e sua postura frente ao mercado globalizado, p. Dissertação de Mestrado em Integração e Cooperação Internacional, Universidade Nacional de Rosário Argentina e Universidade da Região da Campanha Brasil. Disponível em: <http://urcamp.tche.br/ccei/disserta1_andre.pdf>. Acesso em: 10 set SOUSA, A. Gerencia financeira para micro e pequenas empresas: um manual simplificado. Rio de Janeiro, SEBRAE TEIXEIRA JÚNIOR, J. A. Sistema de informação na gestão da pequena e média empresa brasileira f.. Monografia (Especialização em Auditoria e Controladoria) Fundação Educacional Jayme de Altavila, Maceió,

16 WATSON, J. e EVERETT, J. Small Business Failure Rates: choice of definition and industry effects. International Small Business Journal. [S.l.], v. 17, n. 2,

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 392 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Débora Regina

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA Marco Antonio Henrique 1, Marlene Ferreira Santiago 2, Monica Franchi Carniello 3, Fábio Ricci 4 1,2,3,4 Universidade de Taubaté/ Pró-reitoria

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Thais Peixoto de Medeiros(1); Estephany Calado(2); Gisele Gregório Araújo(2); Márcio André Veras Machado (3); Francisco Roberto Guimarães Júnior(4) Centro

Leia mais

BALANÇO SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE ENERGIA ELÉTRICA

BALANÇO SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE ENERGIA ELÉTRICA 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN 1984-9354 BALANÇO SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE ENERGIA ELÉTRICA Sandro Vieira Soares UFSC José Meirelles Neto UFSC Gustavo Rugoni de Sousa UFSC Elisete

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Adriano_fernandes_vianna@ymail.com cca@facesm.br Facesm João Paulo Guerreiro Gonçalves cca@facesm.br

Leia mais

Aquisições de Micro, Pequenas e Médias Empresas no Brasil: um Estudo de suas Características de Gestão Financeira

Aquisições de Micro, Pequenas e Médias Empresas no Brasil: um Estudo de suas Características de Gestão Financeira e Gestão de Pequenas Empresas - 2012 Aquisições de Micro, Pequenas e Médias Empresas no Brasil: um Estudo de suas Características de Gestão Financeira Eduardo Augusto do Rosário Contani UNIVERSIDADE DE

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Marivane Orsolin 1 ; Marlene Fiorentin 2 ; Odir Luiz Fank Palavras-chave: Lei nº 11.638/2007. Balanço patrimonial. Demonstração do resultado

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA Rui Cidarta Araújo de Carvalho, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL Ementário Metodologia de Pesquisa 64 horas Introdução; Paradigmas da investigação social.

Leia mais

IX EPCT Encontro de Produção Científica e Tecnológica Campo Mourão, 27 a 31 de Outubro de 2014 ISSN 1981-6480

IX EPCT Encontro de Produção Científica e Tecnológica Campo Mourão, 27 a 31 de Outubro de 2014 ISSN 1981-6480 A PRODUÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS SOBRE AUDITORIA CONTÁBIL: UM ESTUDO BIBLIOMÉTRICO A PARTIR DA BASE DE DADOS DA CAPES NO PERIODO DE 2008 A 2013. Aline dos Santos Perbelin(G), Unespar Câmpus de Campo

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

MBA FINANÇAS, COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES COM INVESTIDORES (PARCERIA IBRI)

MBA FINANÇAS, COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES COM INVESTIDORES (PARCERIA IBRI) MBA FINANÇAS, COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES COM INVESTIDORES (PARCERIA IBRI) Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Projetos 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que apontam a

Leia mais

A utilização da contabilidade gerencial: um estudo em micro e pequenas empresas

A utilização da contabilidade gerencial: um estudo em micro e pequenas empresas A utilização da contabilidade gerencial: um estudo em micro e pequenas empresas Anderson Catapan Ana Carolina Teixeira Cortes ** Patrícia Baptista de Souza *** Rosângela Moreira dos Santos **** Vanessa

Leia mais

Giselle Mesquita. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Simonsen.

Giselle Mesquita. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Simonsen. Giselle Mesquita O uso da contabilidade na formação do preço e no planejamento das vendas: um estudo empírico sobre micro e pequenas empresas da zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. Projeto de pesquisa

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ MELLO, A.D. de.; RANDO, D.R. Resumo No atual contexto empresarial

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL INTERNACIONAL E DIPLOMACIA ECONÓMICA

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL INTERNACIONAL E DIPLOMACIA ECONÓMICA PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL INTERNACIONAL E DIPLOMACIA ECONÓMICA Gestão Empresarial Internacional e Diplomacia Económica International Management and Economic Diplomacy 2 O aumento das exportações

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

O DESEMPENHO DE PERIÓDICOS NACIONAIS DA ÁREA CONTÁBIL

O DESEMPENHO DE PERIÓDICOS NACIONAIS DA ÁREA CONTÁBIL O DESEMPENHO DE PERIÓDICOS NACIONAIS DA ÁREA CONTÁBIL RESUMO O objetivo geral deste estudo é identificar o desempenho de periódicos da área contábil em relação aos aspectos formais. Para isso foram selecionados

Leia mais

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA CIÊNCIAS CONTÁBEIS NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA ORIENTADOR: PROF. Ms. GESIEL DE

Leia mais

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 SILVA, Cleusa Pereira da 2 ; FELICE, Luciana Maria Vizzotto 4 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; VIERO, Claudinei 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2013.1 Atualizado em 7 de agosto BRUSQUE de 2013 pela Assessoria (SC) de Desenvolvimento 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA AUXÍLIO NA ABERTURA DE MICROEMPRESAS

ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA AUXÍLIO NA ABERTURA DE MICROEMPRESAS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Marketing e Vendas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES RESUMO O presente estudo aborda a importância da DFC para a organização, pois além de ser uma

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

Demanda por Serviços Contábeis pelas Micro e Pequenas Empresas: São os Contadores Necessários?

Demanda por Serviços Contábeis pelas Micro e Pequenas Empresas: São os Contadores Necessários? Demanda por Serviços Contábeis pelas Micro e Pequenas Empresas: São os Contadores Necessários? Luiz Carlos Miranda Jeronymo Libonati Deivisson Rattacaso Odilon Saturnino Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES

ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES Álvaro Rojas G. Lezana - Doutor Professor- lezana@eps.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica a micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso.

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica a micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica a micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Francisco Carlos Fernandes (Universidade Regional de Blumenau

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

MBA CONTROLLER (Parceria ANEFAC)

MBA CONTROLLER (Parceria ANEFAC) MBA CONTROLLER (Parceria ANEFAC) Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram o

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) Atualizado em 15 de janeiro de 2015 pela 2015 Assessoria

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

Programa de Mestrado em Ciências Contábeis

Programa de Mestrado em Ciências Contábeis A filosofia do Programa de Mestrado Profissional da Fucape Business Schol é voltada expressamente às necessidades de mercados específicos e sua prioridade reside na formação profissional dos alunos, sem

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

A importância da contabilidade gerencial na percepção da qualidade dos serviços contábeis prestados aos gestores de micro, pequenas e médias empresas

A importância da contabilidade gerencial na percepção da qualidade dos serviços contábeis prestados aos gestores de micro, pequenas e médias empresas A importância da contabilidade gerencial na percepção da qualidade dos serviços contábeis prestados aos gestores de micro, pequenas e médias empresas Roberta Lira Caneca (PMIPGCC-UnB/UFPE) - robertacaneca@gmail.com

Leia mais

ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013

ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013 ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013 Tendências de pesquisa acadêmica na área de Gestão Pública e Fontes de Informação para Pesquisa Foco em CASP Prof. Ariel

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA EM MICROEMPRESAS: A PERCEPÇÃO DOS EMPRESÁRIOS

GESTÃO FINANCEIRA EM MICROEMPRESAS: A PERCEPÇÃO DOS EMPRESÁRIOS GESTÃO FINANCEIRA EM MICROEMPRESAS: A PERCEPÇÃO DOS EMPRESÁRIOS Alexandre Costa Quintana 1 Cristiane Gularte Quintana 2 professorquintana@hotmail.com Resumo O presente estudo é resultado de um projeto

Leia mais

UMA ANÁLISE SOCIAL DO PERFIL DOS DISCENTES DE CURSOS ONLINE DO PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS DO SENAI

UMA ANÁLISE SOCIAL DO PERFIL DOS DISCENTES DE CURSOS ONLINE DO PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS DO SENAI UMA ANÁLISE SOCIAL DO PERFIL DOS DISCENTES DE CURSOS ONLINE DO PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS DO SENAI Salvador BA 05/2011 Elson Cardoso Siquara SENAI-BA elsoncs@fieb.org.br Fábio Britto de Carvalho

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

ARTIGOS COMPLETOS...789

ARTIGOS COMPLETOS...789 Anais do Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão - ENEPE 788 ARTIGOS COMPLETOS...789 RELATOS DE EXPERIÊNCIAS...796 Anais do Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão - ENEPE 789 ARTIGOS COMPLETOS A UTILIZAÇÃO

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON Antonio Henrique Neto, Discente da Faculdade Integrada de Pernambuco - FACIPE Suzane Bezerra de França, - FACIPE, SEDUC/PE docente. suzyfranca@yahoo.com.br

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

SOBREVIVÊNCIA E MORTALIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRE- SAS: estudo dos fatores determinantes e condicionantes.

SOBREVIVÊNCIA E MORTALIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRE- SAS: estudo dos fatores determinantes e condicionantes. SOBREVIVÊNCIA E MORTALIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRE- SAS: estudo dos fatores determinantes e condicionantes. Regiane Paulo Borges 1, Dora Maria de Oliveira 2 Universidade Federal de Goiás Av. Dr. Lamartine

Leia mais

PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE COM ÊNFASE NA GESTÃO DE CLÍNICAS E HOSPITAIS

PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE COM ÊNFASE NA GESTÃO DE CLÍNICAS E HOSPITAIS PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE COM ÊNFASE NA GESTÃO DE CLÍNICAS E HOSPITAIS 2014 19010-080 -Presidente Prudente - SP 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA Prof.ª Adriana Maria André,

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país

As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país A nova unidade de negócios da Urban Systems Brasil APRESENTAÇÃO 5 de maio de 2009 As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país Thomaz Assumpção Marco Versiani Modelo

Leia mais

Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba

Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA em Finanças e Governança Corporativa Desenvolver conhecimentos e habilidades que possibilitem ao profissional dominar os conteúdos

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015.

CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015. CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015. Institui os Programas de Apoio ao Desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação à Pesquisa e à Formação de Recursos Humanos em Ciência

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

MBA GOVERNANÇA CORPORATIVA (Parceria IBGC)

MBA GOVERNANÇA CORPORATIVA (Parceria IBGC) MBA GOVERNANÇA CORPORATIVA (Parceria IBGC) Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram

Leia mais

4 Contextualização da pesquisa

4 Contextualização da pesquisa 4 Contextualização da pesquisa 4.1. Cenário de pequenas empresas e medias empresas no Brasil A abreviação para pequena e média empresa PME (em inglês SME) tornou-se um padrão internacional quando se refere

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social.

Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social. Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social. Prof. Dr. Cleber Carvalho de Castro Universidade Federal de Lavras clebercastro@ufla.br Andréia

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA José Fernando Fernandes Pereira Universidade Cruzeiro do Sul jnandopereira@gmail.com Resumo: O presente texto

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão Estratégica Empresarial

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão Estratégica Empresarial DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão Estratégica Empresarial 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1

EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1 EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1 PACHECO, Jean Alves 2 ; CARDOSO, Fernando Assunção 3 ; YAMANAKA, Lie 4 Palavras-chaves: Empresa Júnior, extensão,

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais