A PARTICIPAÇÃO DAS CONSULTORIAS EMPRESARIAIS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DE SERTÃOZINHO-SP.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PARTICIPAÇÃO DAS CONSULTORIAS EMPRESARIAIS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DE SERTÃOZINHO-SP."

Transcrição

1 99 A PARTICIPAÇÃO DAS CONSULTORIAS EMPRESARIAIS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DE SERTÃOZINHO-SP. ARTIOLI JUNIOR, Jucelem 1 BORGES, Sonia Aparecida Cândida ² RESUMO O processo de consultoria empresarial vem apresentando uma demanda como potencial de mercado de trabalho, isso vem acontecendo devido as exigências do mercado, em tempos em que a competitividade é muito alta, as micro e pequenas empresas, vêm sendo obrigada a buscar maneiras de sobressair e se manter no mercado, mudando as estatísticas de mortalidade nesse segmento, o que é muito importante para a economia do país, considerando o número de emprego ofertados por elas. O estudo tem como objetivo identificar as necessidades de serviços de consultoria nas micro e pequenas empresas do município de Sertãozinho-SP. A metodologia de pesquisa utilizada foi revisão bibliográfica exploratória e pesquisa de campo descritiva com aplicação de questionário e análise qualitativa. Os resultados mostraram que as necessidades dessas organizações estão na escolha e implantação do sistema de informação que melhor se enquadra na organização, planejamento e acompanhamento dos valores fornecidos pela empresa-cliente, dessa forma, é possível afirmar que o consultor pode visualizar um potencial, e promissor mercado de trabalho. Palavra Chave: Consultoria; Microempresa: Diagnósticos; Gestão de Negócios; Mercado de Trabalho. ABSTRACT The process of consulting business has been showing a demand as potential of the labour market, this has been going on because of the demands of the market, at a time when the competitiveness is very high, the micro and small companies have been forced to seek ways to stand out and stay on the market, changing mortality statistics in this segment, which is very important for the economy of the country considering the number of jobs offered by them. The study aims to identify the consulting 1 Graduado em Administração pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras Nossa Senhora Aparecida (UNIESP - Unidade de Sertãozinho-SP). 2 Especialista em Gestão de Negócios e Finanças pela ESAB e Professora do Curso de Administração da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Nossa Senhora Aparecida (UNIESP de Sertãozinho-SP).

2 100 service needs in micro and small businesses in the municipality of Sertãozinho-SP. The research methodology used was exploratory literature review and descriptive field research with a questionnaire and qualitative analysis. The results showed that the needs of these organizations are the choice and implementation of information system that best fits the organization, planning and monitoring of figures provided by the client company, so it is possible to state that the consultant can view a potential and promising labor market. Keyword: Advice; Microenterprise; Diagnostics; Business management; The labour market. INTRODUÇÃO A consultoria é um processo interativo que envolve atividades estruturadas e sequenciais, com o objetivo de trazer a satisfação do cliente, tendo envolvimento entre duas ou mais pessoas da área. O consultor se torna assim, um agente de mudanças externo, porque não faz parte do quadro funcional da empresa, apesar de com ela, interagir propondo mudanças e ajudando em seu desenvolvimento organizacional. O consultor tem em seu rol de responsabilidades, auxiliar as pessoas, utilizando-se de métodos convincentes sem ter que necessariamente conhecer o negócio da empresa e trabalhar com ferramentas administrativas elaboradas por ele mesmo. Seu papel distingue-se dos executivos e diretores que tem autoridade sobre as tomadas de decisões, portanto, tem como responsabilidade primordial apontar alternativas para solucionar possíveis problemas. Pode-se pensar em uma analogia com a área médica, onde o consultor seria uma espécie de médico da empresa, já que essa é composta de organismos vivos, de pessoas que se movimentam para obter melhor desempenho e funcionamento da organização. Isso assemelha-se aos processos dos seres vivos, que adoecem por ter absorvido impurezas, algum tipo de vírus, necessitando passar por cuidados e tratamentos, tal reflexão faz pensar que as empresas têm um processo semelhante. O trabalho justifica-se por levantar a discussão sobre a gestão das micro e pequenas empresas, e os fatores que contribuem para se manterem no mercado, considerando o índice histórico de mortalidade dessas, antes de completar um ano

3 101 de vida. Com a crise do mercado, as empresas menores são as que sofrem o maior impacto, já que estão em condições financeiras não muito estáveis. Neste sentido, o estudo tem como objetivo identificar as necessidades de serviços de consultoria nas micro e pequenas empresas do município de Sertãozinho-SP. Para tanto, como procedimentos metodológicos utilizou-se a pesquisa bibliográfica de caráter exploratório, seguido de pesquisa de campo com aplicação de questionário em 11 empresas do setor de comercio da cidade de Sertãozinho-SP, obtendo respectivamente, dados secundários e primários, para uma análise qualitativa. Desde o ano de 2008, com a crise da bolha americana e queda dos bancos europeus, a economia mundial vem sofrendo alterações significativas. Desta forma, a região de Sertãozinho, localizada no interior do estado de São Paulo, considerada a maior produtora de etanol e montagem de usinas do setor, vem buscando manterse economicamente saudável, mas, é preciso registrar, que a instabilidade das grandes empresas fazem com que as micro e pequenas empresas também sejam atingidas, e precisam buscar alternativas para se manterem no mercado. De modo geral, na mencionada crise, os consultores são muito procurados, levando a hipótese de que há uma demanda nesse mercado, por serviços especializados, gerando assim, oportunidades para profissionais com qualificação na área de gestão, fazendo com cada vez mais, estes busquem se aprimorar, atendendo assim, essa escassez de mão de obra do mercado de consultoria, principalmente, para atender as micro e pequenas empresas. Este artigo está organizado em três momentos, além da introdução, sendo que o primeiro conduz o leitor a posicionar-se sobre a necessidade de um gerenciamento eficiente por meio de consultorias. O Segundo momento apresenta o contexto das micro e pequenas empresas, seguido, posteriormente, pela pesquisa de campo que demonstra a necessidade de utilização da consultoria como opção. 1. GESTÃO EFICIENTE E O PROCESSO DE CONSULTORIA As organizações fazem parte de nossas vidas e, sendo assim, a forma como elas são gerenciadas produzem significativos reflexos. Assim, um processo administração eficiente é essencial para a vida humana. Chiavenato (2009), afirma que a administração é a que conduz a organização, tendo como principais recursos, o planejamento, organização, direção e controle das

4 102 ações empresariais. A administração tem muita importância, dentro de uma organização e tem como finalidade, fazer com que os recursos sejam utilizados corretamente para que se possa atingir determinado objetivo. Segundo Maximiano (2004, P. 6) a organização é um sistema de recursos que procura realizar algum tipo de objetivo. A administração pode ser definida, como o processo de tomar decisões sobre objetivo e utilização de recursos, e abrange cinco tipos principais de decisão, também chamada de processos ou funções: planejamento, organização, liderança, execução e controle. Entende-se que a administração é o processo de tomar decisões sobre o objetivo, utilizando recursos de gestão, tendo como meta, alcançar a eficiência e a eficácia de toda a organização, sendo assim, atendendo as expectativas dos clientes e usuários. Como forma de destacar a relevância de uma adequada gestão, Chiavenato (2009, p. 7), diz que: A administração é o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso dos recursos e de competências organizacionais, para alcançar determinados objetivos, de maneira eficiente e eficaz através de um arranjo integrado e convergente. De certa forma, os recursos de gestão formam o ciclo administrativo, recursos essenciais para que se atinjam a eficiência e a eficácia da organização. Sendo assim, é necessário que se tenha um administrador ou um conjunto de administradores, cada um em determinada função, para obter um planejamento adequado e atingir o objetivo, ou seja, organizar tendo o controle e a direção dos recursos disponíveis pela organização. Quando esse processo não é concebido pela própria organização, as empresas têm como alternativa utilizar outras opções, como a conhecida consultoria. Consultoria empresarial está ligada a área de gestão de negócios, e hoje, vem sendo uma das áreas mais promissoras. De acordo com a Institute of Management Consultantis apud Crocco e Guttmann (2010, p. 7) consultoria é: Serviço prestado por uma pessoa ou grupo de pessoas, independente e qualificadas para a identificação e investigação de problemas que digam respeito a politica, organização e procedimentos e métodos, de forma a recomendarem a ação adequada e proporcionarem auxilio na implantação dessas recomendações.

5 103 Oliveira (2011), diz que a consultoria é um processo interativo de um agente de mudança externo à empresa, que assume a responsabilidade de auxiliar seus executivos, e profissionais, na tomada de decisão, não tendo o controle direto da situação. A concepção de consultoria está relacionada ao aprendizado, considerando que o conhecimento permanece com a organização. É um importante processo que contribuiu para que seus gestores agregam mais informações sobre a condução dos negócios, do processo de tomada de decisão e de indicadores de avalição, melhorando assim, a capacidade administrativa sobre os processos de planejar, organizar, dirigir e controlar o seu negócio, de forma planejada e estratégica. De acordo com Crocco e Guttmann (2010, p.14): o planejamento estratégico é de extrema importância e todas as empresas devem conte-la, todas devem se destacar em seus segmentos de negócio e todas devem ter claramente definidos sua visão, suas missões e suas finalidades. A concepção de consultorias empresariais podem ser organizadas e aplicadas no contexto interno, e no externo. A consultoria interna é aplicada dentro da organização, esse consultor tem autoridade limitada, pois se se refere a um profissional que é enquadrado em um nível hierárquico, tendo que receber ordens de diretores e executivos. Crocco e Guttmann (2010, p. 67) cita algumas vantagens do trabalho como consultor interno, a saber: a. Tem alto grau de conhecimento das praticas da empresa, de como trabalha e suas funcionalidades; b. Participação efetiva no processo inteiro, por ser um integrante da empresa tem conhecimentos dos planejamentos e implementações podendo fazer correções imediatas. c. Tem relação mais próxima aos integrantes por pertencer a mesma organização. d. Presença constante e diária nos projetos e trabalhos em andamentos. Por outro lado, também tem as desvantagens oferecidas pelo cargo, como: a. Menor aceitação em nível hierárquico, já que não poderá tomar vantagens das decisões da empresa. b. Terá seu trabalho mais dirigido a algo e com o tempo limitado por estar sempre dentro da empresa; c. Menor liberação das ações em razão de ter que alcançar metas e objetivos dos procedimentos.

6 104 Já o consultor externo e um profissional com as mesmas características do consultor interno, pôr também trazer uma diversificação maior das experiências obtidas no mercado e, por atuar em empresas diferentes. Neste caso, por se tratar de um profissional externo, este poderá especificar no ato de seu contrato as suas atividades oferecidas, tendo comunicação direta com o nível mais alto da hierarquia. Crocco e Guttmann (2010, p.68), citam as vantagens e as desvantagens da consultoria externa. Entre as vantagens: a. O consultor externo tem maior conhecimento por trabalhar em diversas empresas de segmentos diferentes; b. Pode correr riscos diferentes; c. Tem acesso mais fácil com o alto escalão da empresa; d. Maior impassibilidade e possibilidade de critica, pois não esta envolvida na rotina do cliente; Como desvantagens, o mesmo autor expõe alguns motivos: a. De menor aceitação dos colaboradores da empresa por não fazer parte do quadro de funcionários; b. Não tem o poder de tomar decisões isso pode atrasar o seu trabalho e se tornar barreiras; c. Ter que marcar horário para estar na empresa; d. Não tem a visão freqüentemente dos acontecidos na organização. Nas duas situações, é preciso deixar claro que não é função do Consultor tomar decisão. Essa é e será sempre de responsabilidade da direção da Empresa. A função do consultor é ajudar a empresa a identificar problemas, e propor soluções, considerando as melhores alternativas para resolvê-los. Ainda, segundo Crocco e Guttmann (2010, p. 26): o consultor não é referencia de alguém que ficou desempregado e que atua circunstancialmente como agente externo, não é outra profissão ou atividade que assim foi denominada ou se autodenominou consultor. Ele deve comprovar ter um perfil de conhecedor das atividades a serem exercidas, e não um mero profissional que possa ter perdido o trabalho. As formas de atuação específicas do setor de Orientação Empresarial em consonância com os objetivos e missão da instituição demandam um profissional extremamente qualificado, capaz de captar informações referentes ao atendimento ou situação específica, confrontá-las com todo o know-how disponível dentro do SEBRAE-SP, o que faz com que ele deva ter a capacidade de aliar o conhecimento acerca do universo das PMEs, ao ferramental acadêmico para desenvolver o que se pode chamar de pacote ou solução para um

7 105 problema de gestão, que pode não somente se materializar na forma de um atendimento individualizado, como também na forma de algum produto de massificação da consultoria como alguma cartilha ou material impresso (DONADONE et al., 2012, p.166). Quanto as vantagens do processo de consultoria nas micros e pequenas empresas, pode ser justificada pelas dificuldade dessas, em gerenciar seus processos. Essas dificuldades são apontada em diversas pesquisa, a do Sebrae (2015), ao afirmar que no ano de 2002, 60% das micro e pequenas empresas fecharam as portas até o 5º ano de vida, por fatores relacionados a falta de competências e conhecimentos sobre gestão empresarial. Os principais fatores citados nessa pesquisa estão relacionados ao comportamento do empreendedor, falta de planejamento prévio, pouco tempo dedicado ao negócio, e descuidos da administração do negócio, principalmente na gestão do fluxo de caixa. Percebe-se que diante desse cenário, a contratação de consultoria,como alternativa de grande valia para manter as empresas competitivas, no atual e concorrido mercado. 2. AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Orientações disponíveis no site do SEBRAE aos empresários, determina que o empreendedor deve ter iniciativa, visão de futuro, capacidade de inovar, organizar demandas e gerenciar equipes, com firmeza e determinação. Essas são algumas características e talentos fundamentais para um bom empreendedor. É este espírito que motiva as pessoas a abrir seu próprio negocio e a realizar coisas novas. (SEBRAE, 2015). De grande importância para sociedade, os empreendedores têm como responsabilidade, servir através da criação de empregos, produzindo bens e serviços, gerando rendas as famílias. Outra característica do empreendedorismo é inovar sempre que haja necessidade. Mas para dirigir uma organização, é necessário obter conhecimentos e competências, que são adquiridas através da educação formal vinculado a área da administração. Responsáveis pela maior parte do nosso PIB (Produto Interno Bruto), as micro e pequenas empresas são de grande importância para o nosso pais, porem,

8 106 ainda não se tem uma definição especifica sobre esse assunto, portanto, será utilizado idéias de vários autores para compreender melhor esse contexto. O conceito de micro e pequenas empresas no Brasil são definidos pela legislação e está relacionado a um sistema diferenciado de tributação. A explicação pode estar no fato do governo reconhecer a importância e sua importância no mercado brasileiro. O critério utilizado para se definir se a empresa é micro, pequena, média ou grande empresa, vem do seu faturamento ou sua receita anual bruta, e seu enquadramento é vinculada com a Lei n 9.317/96, podendo assim, ser meramente fiscal ou opcional. As empresas que utilizam os parâmetros do simples nacional se beneficiam das diminuições dos impostos tributários. De acordo Silva (2002), em orientações contidas no Manual de Procedimentos Contábeis para micro e pequenas empresas, as empresas constituídas como sociedade anônima são as únicas que não podem ser enquadradas como ME ou EPP, as demais, exceto as de profissão regulamentada, poderão ser enquadradas e se beneficiam das vantagens do simples. De acordo com Azevedo (2000) apud Jacintho (2004, p. 25): a empresa cujo faturamento bruto anual não ultrapasse os limites legais de R$ ,00, tendo por isso o tratamento diferenciado e tem as obrigações sociais e fiscais reduzidas. Por parte do Estado, pode se firmar individual ou sociedade civil (exceto a por ações), constituídas por pessoas físicas no País. Está previsto no estatuto da Microempresa e regulamentado pela Lei Federal n 7256, de novembro de 1984, alterada por lei de fevereiro de Segundo o Brasil (2015), pela Lei n 9.317/96, os enquadramentos dos pequenos empreendimentos são feitos pela receita bruta referente ao ano anterior. As Microempresas são sociedades ou firmas com a receita bruta anual de até R$ ,00, e as Empresas de Pequeno Porte, serão sociedades ou firmas individuais com a receita bruta anual superior a R$ ,00, e igual ou inferior a R$ ,00. De acordo com a mesma legislação, os critérios de classificação das empresas foram alterados em 2006 pela Lei 123/06, e assim definidos: Microempresas: até R$ ,00; Empresa de Pequeno Porte EPP: de R$ ,00 até R$ ,00;

9 107 Enquanto aos critérios de classificação de números por empregados, o Sebrae (2015), utiliza os dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), como classificação do porte da empresa, para os fins bancários, ações de tecnologia, exportação e outros, sendo: - Indústria: Microempresa com até 19 empregados; empresa de pequeno porte com 20 até 99 empregados; empresa de médio porte com 100 até 499 empregados e de grande porte com mais de 500 empregados; - Comércios e Serviços: Microempresa com até 9 empregados; pequena empresa com 10 até 49 empregados; empresa de médio porte com 50 a 99 empregados, ou grande empresa com mais de empregados. Segundo uma pesquisa, o Brasil já tem aproximadamente seis milhões de micro e pequenas empresas, tornando um dos países com mais empreendedores no mundo. Em geral são 97% das empresas correspondem a micro e pequenas empresas e 3% do total são formadas por médias e grandes empresas (SEBRAE, 2015). Donadone et al (2012), afirmam que para uma melhor justificativa da relevância do tema micro e pequena empresa no cenário nacional, é preciso conhecer dados quantitativos relacionados a geração de vagas de emprego deste setor, conforme apresentado na Tabela 1, que segue. Tabela 1 - Evolução do número de empregos por porte dos estabelecimentos, Brasil (em números absolutos). Porte Micro e pequena Micro Pequena Média Grande Total Fonte: Adaptado de Donadone et al (2012) Esses dados mostram que juntas, as Micro e pequenas empresas geram mais vagas de empregos que as grandes organizações. Em 2000 enquanto as grandes empresas empregavam trabalhadores, as Micro e pequenas empregava trabalhadores. Na Tabela 1, é possível observar que esses números se mantiveram até 2008.

10 108 São as micro e pequenas empresas, que movimentam grande parte da economia do país, elas empregam aproximadamente 52% de todos os trabalhadores urbanos e movimenta 20% do PIB nacional, sendo também o principal mercado que absorve muita mão de obra dos formados em curso de administração de empresas (SEBRAE, 2015). Ainda segundo a mesma pesquisa realizada pelo Sebrae, 27% das Micro e Pequenas empresas fundadas no Brasil, fecham as portas em seu primeiro ano de atuação, uns dos principais motivos para essa causa é a falta de planejamento. Porém essa taxa de mortalidade vem diminuindo, e a taxa de sobrevivência das empresas de até dois anos aumentando. A Figura 1 demonstra a taxa de sobrevivência das empresas de dois anos no Brasil. Figura 1 - A taxa de sobrevivência de empresas de dois anos, evolução do Brasil. Fonte: SEBRAE (2015) Em 2005 a taxa de sobrevivência das micro e pequenas empresas constituídas eram de 73,6%, no ano seguinte aumentou para 75,1%, mantendo-se em 2007, em 75,6%. De acordo com Teixeira (2012, p.11): entre os principais motivos que causam a mortalidade das empresas, os defeitos encontrados mais comuns foram: falta de experiência no ramo, pouco tempo dedicado ao estudo de viabilidade do negócio, falta de planejamento antes da abertura, descuidado da administração dos negócios, dedicação parcial ao negócio, falta de apoio externo na concepção e administração do negócio, estrutura

11 109 Inadequada, falta de clientes, problemas legais, e impostos/encargos elevados. Pode-se considerar que a falta de gerenciamento, ou seja, a capacidade administrativa, cuja essa é a principal vantagem da consultoria, está presente e confirmado como sendo as causas prioritárias na mortalidade das empresas. Esse pensamento confirma a necessidade de melhoria no processo gerencial das organizações, seja com pela própria competência ou de terceiros, pois o importante é nortear de forma estratégia as ações empresariais rumo ao sucesso organizacional. É com essa convicção, que este trabalho foi desenvolvido objetivando identificar a necessidade do processo de consultoria nas empresas Sertanezinas. 3. PESQUISA SOBRE A NECESSIDADE DE CONSULTORIAS A pesquisa foi realizada no município de Sertãozinho-SP, que possui atualmente pouco mais de 100 mil habitantes. A cidade encontra-se na região nordeste do Estado de São Paulo, na zona fisiográfica de Ribeirão Preto, distante 305 km da capital paulista. Conhecida como capital mundial da indústria sucroalcooleira, visto que a cidade tem uma ampla carteira de indústrias, sendo a terceira cidade no ranking em termos de arrecadação, população e produção. O questionário foi estruturado com 10 (dez) perguntas, sendo três abertas e sete fechadas, em caráter qualitativo, buscando o desenvolvimento e contribuição das respostas unicamente para o tema abordado. A classificação das empresas, através de seu porte, tendo como acumulado, seis microempresas e cinco empresas de pequeno porte, que atuam no comercio de Sertãozinho-SP. A figura 2 mostra o numero de empresas de médio e pequeno porte que utiliza a consultoria para a administração.

12 ,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 ME EPP Sim Não Não sei o que é isso Figura 2 - Quantidade de empresas que utiliza consultoria Fonte: Elaborado pelo autor Os resultados da figura 2 mostraram que das empresas pesquisadas, tanto as Micro, como as de Pequeno Porte, a maioria não tem serviço de consultoria. Nos dois tipos de empresa apenas 02 (duas) já contam com serviços de consultoria. Na Figura 3, pode-se visualizar a importância que as Micro e pequenas empresas, atribuem ao serviço de consultoria. 3 2,5 2 1,5 1 0,5 Baixa Média Alta Não sei o que é isso 0 ME EPP Figura 3 - Nível de importância do serviço de consultoria Fonte: Elaborado pelo autor Como a Figura 3 ilustra, o resultado apresenta que o nível de importância dos serviços de consultoria é alto, desta forma, é entendido que o trabalho esta valorizado no mercado. Já Figura 4, contempla quais são as atividades que os empresários esperam que o consultor execute em sua empresa.

13 ,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 ME EPP Trabalho organizacional Trabalhos no financeiro Analise e pesquisa de mercado Todas as alternativas Não sei o que é isso Figura 4 - Atividades que se espera da consultoria Fonte: Elaborado pelo autor Diante da 4º Figura, pode-se perceber, que os empresários possuem conhecimentos das qualificações do consultor, desta forma, pode se dizer, que o consultor é um profissional com conhecimentos em varias áreas, podendo contribuir com os diversos setores. A figura 5 mostra qual o perfil esperado do consultor na visão dos empresários das micro e pequenas empresas Pessoa sabia com grande barganha de conhecimento Pessoa interativa com facilidade em trabalhar em grupo Pessoa analítica que sabe identificar os problemas Todas as alternativas 0 ME EPP Não conheço esse profissional Figura 5 - O perfil esperado do consultor Fonte: Elaborado pelo autor Visualiza-se que na Figura 5, o perfil esperado do consultor na opinião dos empresários, é de um profissional com amplas qualificações, que tenham habilidades em trabalhar em equipe, agilidade em organização, que saiba identificar e diagnosticar os problemas e com grande quantidade de conhecimento. A Figura 6 identifica se os empresários admitem terem ou não competência em administrar seu próprio negocio.

14 112 3 Sim 2,5 2 1,5 Não Talvez 1 0,5 0 ME EPP Sim, mas necessito de auxilio de um consultor Prefiro não opinar Figura 6 - Ter conhecimentos suficientes para dirigir a empresa. Fonte: Elaborado pelo autor De acordo com os resultados na Figura 7, verifica-se que a maioria dos empresários, afirma possuir conhecimentos para gerenciar seus próprios negócios, porem, se houver uma ajuda de uma consultoria, poderá ter resultados mais significativos. A Figura 7 é para verificar se os empresários acreditam ter demorado em contratar os serviços de uma consultoria. 3 2,5 2 Sim Não 1,5 Talvez 1 0,5 0 ME EPP Ainda não contratamos nenhuma consultoria Prefiro não opinar Figura 7 - Necessidades de obter consultoria Fonte: Elaborado pelo autor Sobre o tempo em optar pela contratação de consultorias, das onze empresas consultadas, seis ainda não contrataram os serviços de consultoria, mas que sente a necessidade de obter esses serviços, desta forma, pode se definir que o mercado é atrativo Resultados Com a pesquisa, verifica-se que cerca de 60% das empresas abordadas, nunca tiveram serviços de consultoria, e as que tiveram, aponta-se como as atividades mais destacadas, as seguintes situações:

15 113 Ajustes na organização da empresa; Acompanhamento do financeiro; e E planejamento para acertos fiscais junto à contabilidade. Os entrevistados também se demostraram satisfeito pelo trabalho executado e maioria mantem os serviços de consultoria, como acompanhamento dos resultados da empresa. Os entrevistados, em seu modo de ver, as empresas chegam a mortalidade por alguns motivos, a saber: Falta de planejamento estratégico; Nível de inadimplências elevado; Retiradas descontroladas dos sócios; Falta do plano de negocio; Falta de organização. O fator que obteve mais repetições entre os entrevistados, foram as retiradas descontroladas dos sócios e inadimplência elevada, o pró-labore do sócio, muitas vezes é realmente a causa da mortalidade, por que não é o que você quer ganhar e sim o que a empresa pode pagar, e muitas vezes, o empresário não entende isso. Em relação a importância do planejamento estratégico, cerca de 70% das empresas abordadas não possuem um formado e o restante confirmaram que aplica, mas se sentem confusos em relação à execução desse planejamento. O fato é que, as micro e pequenas empresas, não conseguem se direcionar pelo planejamento e muitas desistem ou esquecem no meio do caminho, a maioria das empresas buscam em seus planejamentos resultados, como expansão de mercado, sendo que a maioria, esquece de se estabilizar antes disso acontecer. CONSIDERAÇÕES FINAIS A crise que assolou vários países em 2008, causou impactos no mundo, fazendo com as empresas em geral passassem a buscar serviços especializados, movimentando o mercado de consultorias de empresas. Na região de Ribeirão Preto e Sertãozinho, interior de São Paulo, a crise atingiu o setor sucroalcooleiro que vem tentado se recuperar. Com as dificuldades de algumas usinas, as micro e pequenas empresas, cujos clientes se concentram nesse setor, vem apresentando dificuldades de se

16 114 manterem, o que pode justificar a procura de auxilio externo, isso demostra a preocupação do mercado, e a valorização dos trabalhos administrativos externos. O mercado de negócios que buscam pelos serviços de consultoria, exige profissionais qualificados. As instituições de ensino superior devem estar atentas na ofertam de curso, pensando a estruturação da grade, e as atividades para proporcionar ao aluno uma boa formação. Os alunos devem estar atentos, pois mesmo depois de formados, ainda são encontradas algumas barreiras para atuar na área, como foi abordado o consultor precisa possuir conhecimentos em várias áreas especificas. Pode se concluir, a partir de uma analogia da área de consultoria com a área médica, o paciente quando apresenta com alguma patologia procura o médico para ser consultado e ter a indicação do melhor remédio para sua cura. No ambiente de negócios a empresa seria o paciente, e o consultor seria o médico que irá fazer um levantamento e análise da situação da empresa, e após o diagnóstico, indicar quais são as premissas e processos a serem desenvolvidos estabelecendo um plano de ações. E por último, o estudo deixa claro, a importância do consultor para as micro e pequenas empresas, estes são crianças e por esse motivo sofrem mais com os impactos e crise do mercado, sendo assim, deve ter um acompanhamento especial, para que possa ser auxiliado no planejamento e nas tomadas de decisões, justificando a necessidade dos serviços de consultoria. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Lei nº 9.317/96. Simples Nacional - Avanços e ajustes necessários. Set Disponível em: <http://leigeral.sp.sebrae.com.br/publicacoes/simples_nacional.aspx>. Acesso em 27/07/2015. CHIAVENATO, I. Iniciação à administração geral. Barueri: Manole, CROCCO, L.; GUTTMANN, E. Consultoria Empresarial. São Paulo: Saraiva DONADONE, J. C. et al.consultoria para pequenas empresas:as formas de atuação e configuração no espaço de consultoria brasileiro. Gestão da Produção, São Carlos, v. 19, n. 1, p , Disponível em Acesso em 27/07/2015.

17 115 JACINTHO, P. R. B. Consultoria empresarial: procedimentos para aplicação em micro e pequenas empresas f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis, MAXIMIANO, A. C. A. Teoria Geral da Administração: da revolução urbana à revolução industrial, 4. ed. São Paulo: Atlas, OLIVEIRA, D. P. R. Manual de consultoria empresarial. São Paulo: Atlas, TEIXEIRA, G. C. Referenciais de consultoria SEBRAE, Brasília: SEBRAE, 2012 SEBRAE. Empreendedor é ter vontade e oportunidade. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/momento/quero-melhorar-minha-empresa/comece-porvoce/empreendedorismo>. Acesso em: 27/07/2015. SILVA, D. S. et al. (coord.). Manual de Procedimentos Contábeis para Micro e Pequenas Empresas. Brasília. 2 ed. CFC, Disponível em <http://portalcfc.org.br/wordpress/wp-content/uploads/2013/01/manumicro.pdf>. Acesso em: 27/07/

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Palavras-chave: Controles gerenciais, Informações, Informatização.

Palavras-chave: Controles gerenciais, Informações, Informatização. DESENVOLVIMENTO DE CONTROLES GERENCIAIS EM LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO DELPHI UM ESTUDO DE CASO Jazmín Figari de la Cueva (G-UEM) Vitor Nogame (G-UEM) José Braz Hercos Junior (UEM) Resumo A Adecon-Empresa

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro Geraldo José Lombardi de Souza, Paulo César Ribeiro Quintairos, Jorge

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Adriano_fernandes_vianna@ymail.com cca@facesm.br Facesm João Paulo Guerreiro Gonçalves cca@facesm.br

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 SILVA, Cleusa Pereira da 2 ; FELICE, Luciana Maria Vizzotto 4 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; VIERO, Claudinei 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

As informações foram coletadas por meio de uma pesquisa aplicada aos profissionais que estiveram presentes no 6º Fórum de Gestão Fiscal e Sped.

As informações foram coletadas por meio de uma pesquisa aplicada aos profissionais que estiveram presentes no 6º Fórum de Gestão Fiscal e Sped. Panorama da área fiscal e tributária A área fiscal no Brasil recebe constantemente mudanças e atualizações ligadas aos processos de fiscalização, tributação, contribuição, regulamentação entre outros.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 392 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Débora Regina

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso.

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Francisco Carlos Fernandes (FURB) fernandes.francisco@uol.com.br

Leia mais

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 45 (Quarenta e cinco) vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 O MBA EM CONSULTORIA & GESTÃO DE NEGÓCIOS,

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Think Ahead Soluções e Estratégias Empresariais. Consultoria e Assessoria Empresarial

Think Ahead Soluções e Estratégias Empresariais. Consultoria e Assessoria Empresarial Think Ahead Soluções e Estratégias Empresariais www.thinkahead.com.br Consultoria e Assessoria Empresarial Empresa O desafio e cultura da Think Ahead é trabalhar para tornar o dia a dia das empresas mais

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Giselle Mesquita. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Simonsen.

Giselle Mesquita. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Simonsen. Giselle Mesquita O uso da contabilidade na formação do preço e no planejamento das vendas: um estudo empírico sobre micro e pequenas empresas da zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. Projeto de pesquisa

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO DE. Professor Victor Sotero

EMPREENDEDORISMO DE. Professor Victor Sotero EMPREENDEDORISMO DE NEGÓCIOS COM INFORMÁTICA Professor Victor Sotero 1 OBJETIVOS DA DISCIPLINA Esta disciplina apresenta uma metodologia para formação de empreendedores. Aberta e flexível, baseada em princípios

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

SOBREVIVÊNCIA E MORTALIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRE- SAS: estudo dos fatores determinantes e condicionantes.

SOBREVIVÊNCIA E MORTALIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRE- SAS: estudo dos fatores determinantes e condicionantes. SOBREVIVÊNCIA E MORTALIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRE- SAS: estudo dos fatores determinantes e condicionantes. Regiane Paulo Borges 1, Dora Maria de Oliveira 2 Universidade Federal de Goiás Av. Dr. Lamartine

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA Rui Cidarta Araújo de Carvalho, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA CIÊNCIAS CONTÁBEIS NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA ORIENTADOR: PROF. Ms. GESIEL DE

Leia mais

Consultoria! O que é e como usar?

Consultoria! O que é e como usar? Consultoria! O que é e como usar? Luciano Terra Afinal, o que é consultoria? Percebe-se que, para muitos, o termo Consultoria, assim como Marketing, Rightsizing, Merchandising, Downsizing e tantos outros,

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES André F. Soares Correia, FSM, andre.s.correia@hotmail.com¹ Virginia Tomaz Machado, FSM, vtmachado@hotmail.com²

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas

A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas Balneário Camboriú-SC 21 de julho de 2011 O padrão IFRS é adotado, atualmente, por cerca de 140 países(1) e por milhões de pequenas

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ MELLO, A.D. de.; RANDO, D.R. Resumo No atual contexto empresarial

Leia mais

Inovação nas Médias Empresas Brasileiras

Inovação nas Médias Empresas Brasileiras Inovação nas Médias Empresas Brasileiras Prof. Fabian Salum 2012 Com o intuito de auxiliar no desenvolvimento estratégico e na compreensão da importância da inovação como um dos possíveis diferenciais

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA

APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA NÚMERO DE VAGAS: 45 (Quarenta e cinco) vagas. CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA VISCONDE DE CAIRU CEPPEV PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Fevereiro de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA O MBA EM CONSULT ORIA

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes?

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? Apresentação - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? 2 Importância dos Pequenos Negócios 52% dos empregos formais 40% da massa salarial 62%

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng 2/44 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: * Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/44 Foto: Stock.Schng

Leia mais

Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas

Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas Ricardo Roberto de Lima UNIBRATEC-PB João Pessoa - PB ricardoricrob@hotmail.com RESUMO O referido artigo visa ilustrar, de forma prática e rápida,

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG

Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG Kamyla Espíndola Gibram REIS 1 ; Estefânia Paula da SILVA 2 ;

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

UMA ANALISE DO IMPACTO DA LEI DO SIMPLES NACIONAL EM MICRO EMPRESAS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA

UMA ANALISE DO IMPACTO DA LEI DO SIMPLES NACIONAL EM MICRO EMPRESAS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA UMA ANALISE DO IMPACTO DA LEI DO SIMPLES NACIONAL EM MICRO EMPRESAS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA Paola Guariso Crepaldi¹, Renato Nogueira Perez Avila² Ernando Amorim Souza³, Francis Henrique Betteto 4 RESUMO

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

Sistemas para Gestão e Inovação

Sistemas para Gestão e Inovação Sistemas para Gestão e Inovação empresa A ACCION é uma empresa de software, inovação, relacionamento e suporte à gestão. O nome ACCION, tem origem na vocação de nossa empresa: AÇÃO! Nos segmentos que atuamos,

Leia mais

HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica. Apresentação de Serviços Profissionais

HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica. Apresentação de Serviços Profissionais HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica Apresentação de Serviços Profissionais SOBRE A Hafra Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica tem atuação no mercado empresarial do Rio de Janeiro e

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Financeira e Controladoria tem por objetivo o fornecimento

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

Palavras-chave: Planejamento Tributário. Micro e Pequenas Empresas. Área da Saúde. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Planejamento Tributário. Micro e Pequenas Empresas. Área da Saúde. INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA EM EXCEL DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇO NA ÁREA DA SAÚDE DEVELOPMENT OF A TAX PLANNING TOOL IN EXCEL FOR MICRO AND

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA E DOS SERVIÇOS AUDITORIA CONSULTORIA EMPRESARIAL CORPORATE FINANCE EXPANSÃO DE NEGÓCIOS CONTABILIDADE INTRODUÇÃO A FATORA tem mais de 10 anos de experiência em auditoria e consultoria

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO Dennis Pessoa da Silva 1 RESUMO Ferramentas administrativas são técnicas utilizadas na gestão de empresas para solucionar problemas. Elas controlam

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP:

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP: A oportunidade de se tornar um facilitador de aprendizagem e/ou consultor para o sucesso das micro e pequenas empresas APRESENTAÇÃO Esta cartilha

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza.

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza. 7CCSADFCOUT1 CONTROLE FINANCEIRO: UMA FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL DOS SALÕES DA ASSOCIAÇÃO PARAIBANA DA BELEZA Jannielly Krystianne Laurentino dos Santos (1) ; Luzivalda Guedes Damascena

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2010 SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO FINANCEIRA EM CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA. Contatos Luiz Augusto Gonçalves de

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais