EMPREENDEDORISMO, ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: CRESCER COM FOCO SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPREENDEDORISMO, ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: CRESCER COM FOCO SOCIAL"

Transcrição

1 Revista de Ciências Gerenciais Vol. XII, Nº. 16, Ano 2008 EMPREENDEDORISMO, ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: CRESCER COM FOCO SOCIAL Maria Cristina Pavan de Moraes Faculdade Anhanguera de Santa Bárbara Josy Júdice Faculdade Anhanguera de Santa Bárbara RESUMO A atitude empreendedora das pessoas está em franco desenvolvimento. Contudo, observa-se que muitos ainda empreendem por necessidade e não por oportunidade. No Brasil, os altos impostos são indicados como inibidores para a formalização das empresas. Todavia, a moderna sociedade e seus exigentes consumidores cobram transparência e ética das empresas e também a adoção de ações de responsabilidade social com o propósito de minimizar os efeitos perversos das mazelas sociais, além de tentar diminuir os danos que, eventualmente, venham a causar ao ambiente em função de suas atividades. A empresa nasce com a expectativa de alcançar a perenidade e o crescimento e se, desde a sua formalização, inserir a cultura da ética e da responsabilidade social envolvendo todos os que se relaciona com ela, é possível esperar que tenhamos uma sociedade mais justa e que, em decorrência das conquistas sociais, mais consumidores impulsionem a economia. Palavras-Chave: Empreendedorismo, ética, responsabilidade social. ABSTRACT Anhanguera Educacional S.A. Correspondência/Contato Alameda Maria Tereza, 2000 Valinhos, São Paulo CEP The entrepreneurial attitude of people is in development. However, it seems that many undertake it as a necessity and not by chance. In Brazil, high taxes are shown as inhibitors for the formalization of enterprises, but the modern society and its demanding consumers expect from the companies transparency, ethics, and social responsibility actions in order to minimize the social problems effects and also try to reduce the damage that eventually these companies may cause to the environment due to its activities. The company is born with the expectation of achieving sustainability and growth and, since its formalization, inserting ethics culture and social responsibility involving everybody connected to it. It is possible to expect having a fair society and, as a result of social achievements, more consumers can promote the economy. Keywords: Entrepreneurial, ethics, social responsibility. Coordenação Instituto de Pesquisas Aplicadas e Desenvolvimento Educacional - IPADE Artigo Original Recebido em: 4/6/2008 Avaliado em: 29/7/2008 Publicação: 19 de dezembro de

2 122 Empreendedorismo, Ética e Responsabilidade Social para Micro e Pequenas Empresas: crescer com foco social 1. INTRODUÇÃO Na atual conjuntura político-econômica brasileira, em que escândalos se sucedem numa profusão de valores desviados em forma de caixa dois, corrupção e evasão de divisas, dólares em roupas íntimas e malas, é possível observar que boa parte da população está incrédula e preocupada quanto ao futuro, o que tem despertado um questionamento acerca da ética pessoal, profissional e empresarial. Os níveis de desemprego são perversos, especialmente se considerarmos que, ao perder seu emprego, o trabalhador de hoje pode demorar um tempo enorme para conseguir uma recolocação e, dificilmente, ao recolocar-se, o fará dentro do mesmo padrão ou ramo de atividade. Esta nova realidade tem exigido do trabalhador um investimento sistemático e significativo em atualizações e reciclagem profissionais, diversificando seus conhecimentos de forma a ampliar suas possibilidades de manter-se empregável ou para que esteja adequadamente preparado para empreender. Neste cenário é que podemos levantar a questão sobre a ética quanto à informalidade que impera no país sob a justificativa de que os altos encargos fiscais e sociais brasileiros, além da demora na legalização, são impeditivos para a instalação formal de uma empresa, seja ela de produtos ou serviços. Embora eticamente não possamos aceitar tal fato, moralmente acabamos avalizando a informalidade quando afirmamos que os fins justificam os meios, ou seja, para sobreviver, acredita-se que pequenos empreendedores devam se manter na informalidade ou sonegar parte dos impostos, afinal, boa parte de nossos empreendedores empreendem por necessidade. Como é a sociedade quem legitima a empresa, ela pode conquistar a confiança daquela, desenvolvendo ações éticas e de responsabilidade social, independentemente de seu porte. Aqui pretendemos apresentar os conceitos essenciais dos temas abordados e apontar possíveis caminhos a serem trilhados por empresas de micro ou de pequeno porte, rumo à sustentabilidade. 2. EMPREENDEDORISMO Empreendedor é aquele que revoluciona a ordem econômica através da introdução de novos produtos ou serviços, quer pela exploração de recursos materiais ou pelo surgimento de inovadoras formas de negociação, como também pela criação de uma nova forma de fazer negócios dentro de uma empresa já estabelecida (SCHUMPETER apud

3 Maria Cristina Pavan de Moraes, Josy Júdice 123 DORNELAS, 2001). Este conceito permite afirmar que empreender não é apenas desenvolver um novo negócio, e sim provocar transformações de forma criativa ou reinventar seu trabalho, criando oportunidades. Na década de 80, em plena era do Downsizing 1, muitos foram os brasileiros que, ao perderem seus empregos, investiram suas economias, em geral oriundas das verbas rescisórias, em um negócio próprio. Todavia, poucos buscaram orientações antes de fazê-lo, culminando no fracasso de boa parte dos empreendimentos. O assunto empreendedorismo é de extrema importância para as economias regionais e também para os governos para que estes possam melhor dimensionar suas políticas públicas, uma vez que o número de pessoas interessadas em empreender aumenta sistematicamente ano a ano e, de acordo com o Relatório Global 2007 Empreendedorismo no Brasil (GEM Global Entrepreneurship Monitor) 2, o Brasil apresenta a TEA (Taxa de Empreendedorismo em Estado Inicial) de 12,72%, o que significa dizer que 13 em cada 100 brasileiros adultos estão envolvidos em alguma atividade empreendedora. Porém, quando comparado aos demais países participantes do projeto na América do Sul, o Brasil fica à frente apenas do Uruguai (TEA 12,21). As taxas apresentadas por Venezuela (20,16%), Colômbia (22,72%) e Peru (25,89%) chamam a atenção por indicar que: [...] em média, são duas vezes mais elevadas que a TEA brasileira. Os fatores que contribuem para explicar taxas tão elevadas talvez residam na menor complexidade da economia desses países, o que pode estimular uma maior atividade empreendedora por necessidade em razão da escassez de postos formais de trabalho. (GEM 2007, p.27) Contudo, quando comparada à taxa média mundial, a TEA brasileira é 39% maior. Entretanto, o crescimento da renda per capita brasileira representa apenas 69% do crescimento médio mundial, que foi de 6,84%. A dinâmica do empreendedorismo pode estar motivada pelas oportunidades de crescimento, abertura de novos mercados ou, ainda, pela necessidade de renda. No Brasil, são 7,5 milhões de empreendedores, sendo que 41,6% destes empreendem por necessidade, ou seja, para sobrevivência e, em geral, este contingente é formado por trabalhadores sem carteira assinada, desempregados e donas de casa (37% do total) o que, em tese, pode explicar a falta de inovação que resulta num inexpressivo crescimento qualitativo da economia do país. (GEM, 2007) 1 Downsizing termo em Inglês que significa achatamento com o propósito de promover a racionalização nas empresas.

4 124 Empreendedorismo, Ética e Responsabilidade Social para Micro e Pequenas Empresas: crescer com foco social No Brasil, com a Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas que prevê tratamento favorecido e simplificado para estas categorias, existia a expectativa de que muitos saíssem da informalidade. Contudo, além de empreender por necessidade, o empreendedor brasileiro continua sofrendo com esta perversa realidade: o país cobra um dos maiores percentuais de impostos sobre produtos e serviços do mundo, o que tem resultado em motivo para que muitas empresas deixem de cumprir com todas as suas obrigações tributárias ou, ainda, que muitos empreendedores não queiram legalizar suas empresas, preferindo permanecer na informalidade por temerem não suportar a carga tributária, incluem-se aqui os direitos trabalhistas. Se tais ações são consideradas ilegais pelos sistemas fiscalizadores do Brasil, podemos então inferir que não são éticos, mas como a empresa pode ser ética e ainda contribuir para que a sociedade de desenvolva de maneira sustentável com tantas barreiras? O agente econômico reflexivo é o profissional que reinventa a si mesmo, a- gindo de tal modo que os outros confiem nele e vejam vantagens em se associar a ele (MALVEZZI, 1999 apud GEM 2007, p. 62). Empreendedor é, portanto, aquele trabalhador comprometido com os resultados que consegue criar competências organizacionais, sociais e econômicas, e suas ações precisam, necessariamente, estar pautadas não só na competência, mas também na ética, sendo que o discurso e a prática devem ser os mesmos para que seja reconhecido e seguido por seus pares. Desta feita, podemos crer que, qualquer empreendedor, se comprometido, i- novador e capaz de influenciar pessoas, a empresa, seja de que porte for, poderá empreender de forma ética e socialmente responsável, desde que compreenda o seu papel social e que perceba que também ganhará ao assim agir. 3. ÉTICA: CONCEITUAÇÃO Ética é palavra de origem grega que significa modo de ser ou caráter adquiridos por hábitos. Desde o período pré-socrático 3, em que Homero e Isíodo (por volta de 700 a.c.) escreveram sobre deuses e mitos, para explicar fenômenos naturais, e também sobre a luta entre o Bem e o Mal, até Santo Agostinho ( ) e São Tomás de Aquino ( ), as questões sobre a Ética eram tratadas filosoficamente, pois ainda não se 2 Relatório Global 2007 Empreendedorismo no Brasil (GEM Global Entrepreneurship Monitor) trata-se de um projeto lançado em 1997 que contava então com a participação de 10 países e que, em 2007, já somava mais de 50 países os quais, por meio de esforços conjuntos, pesquisam o tema empreendedorismo.

5 Maria Cristina Pavan de Moraes, Josy Júdice 125 tinha elaborado o conhecimento científico e os filósofos ocupavam-se de quase tudo. A ética filosófica apresentava-se como o estudo das avaliações que o ser humano fazia considerando suas próprias ações e as das demais pessoas, tendo como critério os conceitos de Bem e de Mal. A ética como ciência passou a buscar comprovação para o conhecimento. E, para que a ética seja comprovada como ciência, existe um conjunto de normas que servem para direcionamento da ação humana, proporcionando a boa convivência, o bemestar e o respeito mútuo entre os indivíduos, ou seja, temos a moral que possibilitará que se julgue um ato como sendo ético ou não ético, pois quando um indivíduo escolhe entre fazer ou não algo, ele considera seus valores morais com base nas normas e regras vigentes na sociedade e que foram adquiridas por hábito. Com o avanço do conhecimento científico, o homem passou a considerar a ética sob outra perspectiva: o que é certo e o que é errado. Já que o indivíduo é livre para agir, deve ser responsabilizado por suas escolhas. Estas são éticas quando a ação do indivíduo pode ser transformada em lei universal, isto é, que vale para todos e em todos os tempos. O filósofo alemão Immanuel Kant ( ) defendia este conceito de responsabilidade envolvendo noções de certo e errado (Imperativos Categóricos de Kant), o que possibilita ao homem aprender como ser digno da felicidade uma vez que, ao a- gir de acordo com a lei universal de conduta, ou seja, considerando a lei moral, ele o fará não por obrigação, mas por vontade própria, pois é livre para escolher e, conforme Kant, a razão está contida na liberdade. No caso de o homem cumprir com as leis de trânsito, por exemplo, podemos crer que se trata de um ato moral quando a vontade da lei passa a ser a sua própria vontade (razão) e não uma obrigação (medo da punição). Em decorrência do capitalismo, a moderna sociedade evoluiu rapidamente, possibilitando que as pequenas oficinas de outrora se transformassem em grandes complexos industriais e que as divisas entre nações deixassem de ser impedimento para seus negócios, culminando na expansão de sua atuação para outras nações, globalizando-se, o que exigiu que os estudos da ética contemplassem também as ações empresariais. 3 Período anterior a Sócrates, filósofo grego, que viveu entre a.c.

6 126 Empreendedorismo, Ética e Responsabilidade Social para Micro e Pequenas Empresas: crescer com foco social 4. ÉTICA EMPRESARIAL: TRANSPARÊNCIA E RESPONSABILIDADE A empresa está subordinada a um sistema legal que exige dela cumprimento das mais diversas leis acerca dos direitos dos trabalhadores, questões ambientais, medicina e segurança no trabalho, impostos, entre outras. Mas as empresas só existem por existirem pessoas que nela atuam e, então, podemos inferir que normas e regras pessoais no que tange a moralidade deverão estar alinhadas aos princípios e valores empresariais e, a- inda que a empresa continue tendo como objetivo principal o lucro, deve também proporcionar um ambiente saudável no qual as pessoas possam se sentir impelidas a desenvolverem suas habilidades e virtudes e disseminar o conhecimento, garantindo prosperidade para as partes. Aristóteles afirmava que, vivendo virtuosamente, o homem pode ter uma vida feliz, e a virtude nada mais é do que agir de forma que contemple âmbitos: econômico, social, político etc., visando o bem estar geral. Em decorrência desta realidade, muitas empresas passaram a adotar um código de conduta ética formal em que fica estabelecido o que se esperar uns dos outros, deveres e obrigações das partes, apresentando o que lhes é permitido realizar e de que forma serão punidos os caso de desrespeito às regras, valendo para todos que se relacionam com a empresa e servindo de base de sustentação da empresa com atuação socialmente responsável. Indispensável, no entanto, é que o código não seja imposto, mas sim construído em conjunto com os colaboradores, que um comitê de ética seja eleito para dirimir dúvidas e agir sempre que necessário, além de rever o código, eventualmente. Para uma empresa ser considerada ética, ela terá de honrar seus compromissos com todos os envolvidos, como clientes, colaboradores, fornecedores, sociedade, governo, concorrentes e sócios, o que pode, num primeiro momento, parecer tarefa extremamente difícil, já que são muitos os agentes e suas exigências podem significar entraves ao crescimento da empresa. Equacionar todos os interesses e bem atender aos agentes são desafios da sociedade contemporânea, em especial para os gestores de empresas. Convém salientar que [...] empresas éticas seriam aquelas que subordinam suas atividades e estratégias a uma prévia reflexão ética e agem de forma socialmente responsável (SROUR, 2000, p.18). A abertura de uma empresa, em geral, significa geração de empregos, mais recursos financeiros no mercado local, mais impostos recolhidos, além das outras tantas possibilidades decorrentes desta ação, direta ou indiretamente. Quando uma empresa abre suas portas, observa-se o otimismo nestes agentes. Contudo, ao fechá-las, todos

7 Maria Cristina Pavan de Moraes, Josy Júdice 127 perdem tempo e recursos. Os motivos para o fechamento de empresas podem ser os mais diversos, partindo da falta de planejamento, passando pela dificuldade em perceber as reais necessidades do mercado ou até mesmo pouca ou nenhuma inovação nos produtos e ou serviços ou, ainda, por simplesmente não saber como administrar o negócio de forma profissional. Empresas de micro ou de pequeno porte, no Brasil, respondem por grande parte dos empregos formais, ou seja, de carteira assinada. Além de enfrentarem as dificuldades mais diversas para atenderem às exigências legais, agora têm um novo desafio: atender às exigências sociais. Deverão ser éticas e ter um olhar criterioso para a sociedade, especialmente a de entorno, buscando expandir sua ação para conceitos de Responsabilidade Social e devendo ter sempre em mente que o seu sucesso depende de como a sociedade a reconhece, podendo assim legitimar suas ações ou não. 5. RESPONSABILIDADE SOCIAL: UMA NOVA EXIGÊNCIA A Responsabilidade Social está intimamente ligada ao comportamento ético por parte dos empresários a fim de contribuir para o desenvolvimento econômico da empresa, de seus colaboradores e também da sociedade. Este procedimento poderá resultar em maior credibilidade, melhorando sua imagem corporativa. Apoiar o desenvolvimento da sociedade é tema que tem sido criticado por muitos autores, os quais afirmam que questões como esta são de responsabilidade dos governantes e que, se a empresa cometer algum deslize, poderá ser punida legalmente, já que existem mecanismos que garantem a monitoria e punição destas pelas leis, além do que, questões sobre a ética são individuais, ou seja, cada indivíduo deve se preocupar sobre o que fazer com a sua liberdade, já que vive em uma sociedade livre. (FRIEDMAN, 1985). No entanto, apoiar o desenvolvimento da sociedade pode ser um ótimo negócio para a empresa, pois não é interessante que existam pobreza, miséria, fome e ignorância, uma vez que estas condições afastam pessoas do consumo, tanto de bens quanto de serviços, e impedem que tenham uma vida próspera, condição esta desejada pelas organizações. A empresa que se preocupa com o bem-estar de seus colaboradores (responsabilidade social interna) e com o dos demais agentes sociais (responsabilidade social externa), contemplando-os enquanto estratégia de longo prazo e buscando equilíbrio

8 128 Empreendedorismo, Ética e Responsabilidade Social para Micro e Pequenas Empresas: crescer com foco social quanto às suas ações, tende a ser mais bem vista e aceita por todos, tornando-se, conforme Instituto Ethos [...] co-responsável pelo desenvolvimento social. D ambrósio e Mello (1998:8) dizem que a responsabilidade social depende de a empresa tomar a [...] decisão de participar mais diretamente das ações comunitárias na região em que está presente e minorar possíveis danos ambientais decorrentes do tipo de atividade que exerce, mas ainda são muitas as empresas que se comportam de maneira reprovável, como, por exemplo, quando exploram os recursos humanos. As organizações geralmente são usadas como instrumentos de dominação que promovem interesses egoístas de elites à custa de outros interesses, e existe um elemento de dominação em todas as organizações (MORGAN, 2000, p. 303). Também Marx e Engels (2001) condenam o lucro pelo lucro, ou seja, aquela empresa que tem como único objetivo o lucro e cujos operários são submetidos a uma hierarquia de oficiais, tal e qual à militar, ou seja, escravizante. É claro que a empresa continua tendo como objetivo o lucro, já que sem este a mesma não sobreviveria, mas o lucro pelo lucro, sem um olhar para as pessoas e para o ambiente, é que é condenável. Sobre quando a empresa lucra e destina parte destes recursos em benefício de seus colaboradores e da comunidade local, Adam Smith afirmou que este [...] não é um acréscimo indevido, mas um vetor de distribuição de renda e de promoção do bem-estar social. Com isso, logrou expor pela primeira vez a compatibilidade entre ética e atividade lucrativa (SMITH apud MOREIRA, 2002, p ). As ações das empresas, sejam elas boas ou más, afetarão diretamente a comunidade. Ao cumprir com suas obrigações legais, proporcionar um ambiente de trabalho saudável, estimular o voluntariado entre seus colaboradores, respeitar o meio ambiente e, até mesmo, investir recursos financeiros em ações que possam minorar o sofrimento decorrente das mazelas sociais ou ainda de sua atuação empresarial, a empresa poderá ser considerada socialmente responsável e, em decorrência, ter a sua imagem melhorada, e os seus produtos e ou serviços poderão ser reconhecidos e valorizados pela sociedade. Uma empresa reconhecida como socialmente responsável, em geral, tem facilidade em recrutar e manter talentos em seus quadros funcionais e, conseqüentemente, terá maior lucratividade. Portanto, parece-nos que se trata de um bom negócio para as partes.

9 Maria Cristina Pavan de Moraes, Josy Júdice 129 A filantropia tem sido prática recorrente entre as empresas que fazem apenas doações para instituições e organizações do terceiro setor, por exemplo, categorizandoas em beneficência e paternalismo, ou seja, prestam assistencialismo sem, contudo, envolverem-se em projetos maiores como, a busca por soluções aos problemas, desenvolvendo consciência coletiva na comunidade, estimulando-a e ajudando-a a se estruturar e caminhar sozinha. Estas sim são ações de responsabilidade social, pois abrangem um público maior e envolvem, além dos voluntários (ações filantrópicas), o uso das ferramentas administrativas de controle e avaliação e, em muitos casos, recursos financeiros da empresa. No Quadro 1, é possível observar que, quando as empresas possuem bons sistemas de gestão, além de economizarem recursos, obtêm vantagens competitivas para fornecimento às grandes empresas, as quais, geralmente, necessitam de provas de conduta responsável. Quadro 1. Como atingir objetivos diante dos temas emergentes de gestão Fonte: GRAYSON; HODGES apud MORAES, 2004, p.96. A empresa, quando bem-sucedida, deve aumentar sua atuação socialmente responsável para poder garantir perenidade e, assim, poder colaborar com a minimização dos problemas sociais. Ademais, esta é a expectativa crescente dos cidadãos, que estão mais conscientes e exigentes neste novo contexto de obrigações das empresas. Suas ações, através da transparência em suas atividades econômicas, serão apresentadas pelos meios de comunicação social, que as convalidarão.

10 130 Empreendedorismo, Ética e Responsabilidade Social para Micro e Pequenas Empresas: crescer com foco social 6. A APLICABILIDADE DA ÉTICA E RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Para permanecer no mercado, a empresa precisa ficar atenta quanto às oportunidades. A velocidade das respostas às necessidades do mercado, mais do que o tamanho da empresa, determinará seu sucesso. Uma idéia só pode ser considerada oportunidade se houver interesse por parte do mercado, ou seja, clientes em potencial. É preciso investigar as necessidades e desejos dos clientes, atentar-se às mudanças e conhecer a concorrência e as novas tecnologias para mudar ou melhorar o produto. O empreendedor deve estar sempre atualizado, participando de feiras, eventos e reuniões do setor, lendo publicações, acompanhando os acontecimentos econômicos e políticos que possam, de alguma forma, influenciar seus negócios. Conhecer bem a empresa, o mercado consumidor e a concorrência são fundamentais. Questionamentos quanto à tecnologia disponível e a utilizada pela empresa, a adequada qualificação dos colaboradores, quais são e onde estão os potenciais clientes e em que a empresa pode melhorar, devem ser respondidos sistematicamente pelos empreendedores. Conhecer e aplicar as ferramentas de análise ambiental, por exemplo, são de fundamental importância para garantir a sobrevivência e o crescimento de um negócio. Uma das ferramentas mais utilizadas é a matriz SWOT. A matriz SWOT, criada na Harvard Bussines School por dois professores, Kenneth Andrews e Roland Christensen, possibilita a análise de cenário, ou seja, do ambiente em que a empresa atua. O acrônimo, originário de palavras em Inglês, tem o seguinte significado: Strengths Forças; Weaknesses Fraquezas; Opportunities O- portunidades e Threats Ameaças. Forças e Fraquezas são avaliadas no ambiente interno da empresa, considerando sua posição atual, e são possíveis de serem controladas. As Oportunidades e Ameaças são avaliadas no ambiente externo, e o analista procura antecipar o futuro, considerando os diversos fatores externos e, embora não tenha controle sobre os eventos externos, deve saber reconhecer e monitorá-los de tal forma a se evitar as ameaças e tirar o melhor proveito das oportunidades ou, até mesmo, transformar ameaças em oportunidades, quando puder reconhecer e maximizar os pontos fortes da empresa, a- través de planejamento. Como o foco deste trabalho não envolve planejamento estraté-

11 Maria Cristina Pavan de Moraes, Josy Júdice 131 gico, deixaremos tal estudo para uma próxima ocasião, mas recomendamos investigação por parte dos interessados. A busca de oportunidades deve ser constante e, para isto, ouvir os colaboradores poderá ser fonte de boas idéias e potenciais oportunidades, o que pode ser feito através de sessões de Brainstorming 4. Aperfeiçoar os sistemas de informações colaborará sistematicamente para que a empresa analise e obtenha respostas com maior índice segurança para as idéias que forem surgindo, diminuindo os riscos do investimento. A pesquisa é uma ferramenta indispensável, tanto para clientes em potencial como para os clientes atuais da empresa na busca de respostas quanto ao grau de satisfação para com o produto e quais as necessidades atuais, bem como suas preferências e hábitos, o que possibilita o direcionamento do desenvolvimento de novos produtos ou melhora dos já existentes. Estas respostas poderão aumentar a segurança quanto a um novo negócio, novo produto ou a nova forma de conduzir seus negócios. Para planejar e desdobrar projetos ou para planos de ação (Por onde começar? Quando? Quanto? Quem? Por quê?), dispomos de uma ferramenta administrativa bastante simples e eficiente: a Planilha 5W2H. Também acrônimo em Inglês das palavras: What? (O quê? = meta); Why? (Por quê? = justificativa); Who? (Quem? = responsabilidade) Where? (Onde? = local), When (Quando? cronograma, data limite); How? (Como? = método, diretrizes) e How much? (Quanto? = orçamento autorizado). A Planilha é um relatório elaborado em colunas encabeçadas pelos questionamentos acima e é, predominantemente, utilizada no desdobramento de visão de futuro no longo prazo, considerando os diversos níveis de estratégia. Mas, dentro de cada uma das respostas aos inúmeros questionamentos, não se deve perder de vista as considerações acerca da ética e da responsabilidade social. Em entrevista à revista Exame, Guzzo (2006) afirma que nunca houve tantas pessoas, institutos, governos, ONGs e demais entidades envolvidas com o propósito de eliminar a miséria no mundo. Existe uma estimativa de que cerca de 1 bilhão de pessoas vivam com no máximo 1 dólar por dia e que cerca de 800 milhões de pessoas passam fome no mundo. O autor afirma ainda que Em 1998, os 5% mais ricos da população mundial ganhavam 78 vezes mais que os 5% que estavam no fundo do poço. Hoje a diferença é de 200 vezes. 4 Tempestade de Idéias Dinâmica realizada em grupo com o propósito de colher idéias, explorando o potencial criativo dos participantes.

12 132 Empreendedorismo, Ética e Responsabilidade Social para Micro e Pequenas Empresas: crescer com foco social Após uma abordagem da realidade perversa que assola o planeta, o autor diz que países que conseguiram eliminar a pobreza e a miséria de seu território, citando o Plano Marshall na recuperação do Japão, o fizeram porque [...] a chave do sucesso está no fato de que foram planos de reconstrução de economias já previamente desenvolvidas e conclui dizendo que nos casos da China e da Índia, que não têm recebido muita ajuda internacional, o que tem funcionado é o plano de erradicação da miséria, ou seja, é simplesmente mais capitalismo e mais crescimento (EASTERLY apud GUZZO, 2006, p. 95). Mas se são tantos os problemas que nem mesmo os governantes conseguem solucioná-los, como uma empresa, com poucos recursos, pode colaborar para diminuir as mazelas sociais? Num primeiro momento, a empresa deve ser transparente em suas ações e na comunicação, contemplando aspectos éticos. Uma vez que havendo coerência entre o discurso e a prática, os colaboradores acreditam na empresa em que trabalham e tendem a vestir a camisa dela. Deve-se também estimular o voluntariado, haja vista que os recursos humanos capazes e dispostos a colaborar são de extrema importância num projeto de responsabilidade social. A empresa Ripasa S/A, estabelecida na divisa entre as cidades de Americana e Limeira no interior do Estado de São Paulo, através de seu braço social Ripasa Cidadã, estimula seus colaboradores ao voluntariado. Estes, quando se cadastram [...] recebem um botton de identificação com a inscrição Eu, Fulano de Tal, sou um voluntário. Ripasa Cidadã e usam-no com muito orgulho. Os voluntários são muito respeitados e elogiados pelos demais funcionários da empresa (MORAES, 2004, p.113). Na seqüência, o grupo de voluntários poderá investigar quais as comunidades necessitadas ou quais os problemas mais urgentes, contatar os líderes destas para propor parceria para as ações. Devem-se ouvir as reais necessidades destas e, conjuntamente, desenvolver-se uma análise SWOT e determinar, após estudos de viabilidade, qual será a ação prioritária e mais apropriada. Um bom planejamento deverá ser o próximo passo. Ações, pessoas, recursos e prazos poderão ser equacionados em uma Planilha 5W2H. Ademais, um cronograma deverá, necessariamente, ser criado para que os prazos sejam cumpridos, sob pena de se perder a credibilidade e o interesse do projeto. Reuniões periódicas devem ser marcadas e, se for o caso, treinamentos devem ser ministrados aos membros da comunida-

13 Maria Cristina Pavan de Moraes, Josy Júdice 133 de atendida. A empresa poderá investigar acerca dos incentivos fiscais em seus projetos. Uma vez iniciado o projeto, indicadores devem ser criados, sempre envolvendo os voluntários da empresa e membros da comunidade atendida, para que os resultados sejam monitorados e, sempre que necessárias, ações corretivas devem ser tomadas. Um código de conduta pode ser formalizado, servindo de orientador e balizador das atividades. A empresa deve ser informada sobre cada passo dos projetos sociais, apoiando as ações e valorizando os colaboradores envolvidos. Em geral, a mídia local tem interesse em acompanhar ações de grupos que estão na busca de soluções aos problemas da comunidade e em divulgá-las, tornando então públicas as atuações socialmente responsáveis da empresa e de seus colaboradores. Uma mídia espontânea. Sempre, para uma empresa, de qualquer ramo ou porte, que tenha trabalhado arduamente na busca por equilíbrio entre suas ações de responsabilidade social interna e externa, apoiado aos projetos sociais, tido um olhar criterioso para os demais agentes envolvidos e cujas atividades produtivas estejam em conformidade com a lei, a tendência é que todos ganhem e a sociedade melhore, pois quando atendidos em suas necessidades básicas e urgentes, os indivíduos tendem a buscar melhorias pessoais através de educação e trabalho. O resultado é, além de satisfação pessoal e aumento na qualidade de vida, a empresa que se apresentou como parceira social poderá ter maior visibilidade e possível aumento da lucratividade, o que faz dos projetos sociais um investimento e não uma despesa. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Ter consciência dos problemas e estimular a criação de mecanismos que possibilitem aos grupos sociais necessitados encontrarem soluções duradouras é o primeiro passo. Crescer pode ser a chave do sucesso não só da empresa, mas da sociedade como um todo. Toda empresa nasce pensando em crescer e se, desde o seu nascimento ou em sua reestruturação negocial, forem inseridos em sua cultura conceitos de ética e responsabilidade social, num médio prazo, teremos uma sociedade mais justa e, se não totalmente, muito próxima da erradicação da miséria e da fome. Como conseqüência, haverá um contingente expressivo de novos consumidores que impulsionarão a economia, possibilitando o crescimento ou a criação de novos negócios. Portanto, ser soci-

14 134 Empreendedorismo, Ética e Responsabilidade Social para Micro e Pequenas Empresas: crescer com foco social almente responsável e ter uma atuação ética já não se trata de filantropia, mas sim de visão, de oportunidade e sustentabilidade. Ao observarmos o fato de que 13 em cada 100 brasileiros são empreendedores e que, destes, 37% são trabalhadores sem carteira assinada, donas de casa e desempregados, podemos inferir que, possivelmente, há necessidade de maior qualificação profissional, pois é a partir dela que as pessoas, aumentando o seu universo de conhecimento e tendo acesso à informação, poderão trabalhar com ênfase na inovação, uma vez que este é um dos principais problemas evidenciados na pesquisa. A partir daí, micro e pequenos empreendedores devem exigir do governo que, em suas políticas públicas voltadas para o desenvolvimento de negócios, contemplem a capacitação profissional, antecipando a temática do GEM para 2008 que será Educação e Treinamento como elementos essenciais para construção da sociedade. Para crescer, a empresa tem de estabelecer planos e metas para que não perca o rumo de seus negócios e deve ter disponíveis dados que possibilitem a verificação constante de seu desenvolvimento, como também do cumprimento daquilo que foi planejado e do alcance das metas estabelecidas, para que sobreviva e cresça. Crescer e deixar de olhar para a sociedade e para os padrões éticos que, possivelmente, se desejou que existissem no passado, o empreendedor poderá colaborar com a perpetuação das desigualdades, aprofundando ainda mais as mazelas sociais. Portanto, em seu planejamento, devem constar ações de estímulo ao voluntariado junto aos seus colaboradores e de desenvolvimento de programas sociais na comunidade de entorno. Compreender que, enquanto crescemos em relação à média mundial em termos de empreendedores, e a renda per capita brasileira é de apenas 69% da média mundial, deve levar o empresariado, como um todo, a refletir sobre o tamanho da sua responsabilidade. Além disso, nossos governantes devem ser cobrados quanto à sua responsabilidade de fomentar o crescimento econômico do país através de políticas públicas consistentes, não eleitoreiras ou assistencialistas. O assistencialismo atualmente praticado no país poderá levar um contingente enorme de brasileiros à letargia, à aceitação pacífica de que esta é a sua única opção de vida, ou pior, que se acomodem, colaborando assim para que aumente, sistematicamente, o número de pessoas que vivem exclusivamente do assistencialismo governamental, o que dificulta o desenvolvimento econômico e social do país, já que os recursos são oferecidos sem qualquer con-

15 Maria Cristina Pavan de Moraes, Josy Júdice 135 trapartida, como por exemplo: frentes de trabalho, desenvolvimento de cooperativas ou associações para a prestação de serviços ou de produção. As melhores práticas administrativas devem ser disseminadas em forma de treinamento e educação, para que as comunidades possam buscar mecanismos para o desenvolvimento econômico e social do grupo. Não basta ensinar, é preciso acompanhar um projeto desde a sua idéia até a colheita dos frutos da ação, ou seja, para ser socialmente responsável, é preciso que a empresa dê o suporte necessário para que a sociedade possa caminhar com segurança até ser capaz de realizar e manter o sucesso do projeto almejado, ou até alcançar a sustentabilidade. Portanto, para uma empresa, ser socialmente responsável e agir eticamente não exige recursos financeiros enormes, mas sim, boa vontade, disponibilidade e solidariedade. Assim, os recursos humanos e o conhecimento é que são essenciais, e estes qualquer empresa possui, seja ela micro ou de grande porte. Parcerias com Organizações Não Governamentais costumam ser muito eficientes e demandam pouco ou nenhum recurso financeiro, o que é uma alternativa atraente para quem deseja melhor conhecer o terceiro setor, lugar em que se encontram as instituições assistenciais, sindicatos, fundações, entre outros. É bem possível que, em uma sociedade mais justa e igualitária, os ganhos não sejam apenas econômicos, mas, principalmente, sociais. REFERÊNCIAS D AMBRÓSIO, D.; MELLO, P. C. A responsabilidade que dá retorno social. Gazeta Mercantil. São Paulo, 10 nov. 1998, p. c-8. DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando idéias em negócios. 10. reimp. Rio de Janeiro: Elsevier, FRIEDMAN, Milton. Capitalismo e liberdade. 2. ed. São Paulo: Nova Cultura, GEM 2007 Global Entrepreneurship Monitor. Disponível em: <http://www.sebraego.com.br/site/arquivos/downloads/livro_gem_2007_12811.pdf>. Acesso em: 03 abr GRAYSON, David; HODGES, Adrian. Compromisso social e gestão empresarial. Tradução Carlos Mendes Rosa, César Taylor, Mônica Tambelli. São Paulo: Publifolha, GUZZO, J. R. Crescimento, a solução para a miséria. Revista Exame, 860. ed., ano 40, n. 2, 1 fev. 2006, p INSTITUTO ETHOS. Disponível em: <http://www.ethos.org.br/>. Acesso em: MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. Texto Integral. São Paulo: Editora Martin Claret, (Coleção A Obra Prima de Cada Autor).

16 136 Empreendedorismo, Ética e Responsabilidade Social para Micro e Pequenas Empresas: crescer com foco social MELO NETO, Francisco Paulo de; FROES, César. Responsabilidade social e cidadania empresarial: a administração do terceiro setor. Rio de Janeiro: Qualitymark Ed, MORAES, Maria Cristina Pavan de. Ética e responsabilidade social empresarial: uma análise quanto à aplicabilidade em uma empresa do setor de celulose e papel. 2004, 139 p. Dissertação (Mestrado em Administração) Centro Universitário Salesiano de São Paulo UNISAL, Americana-SP. MOREIRA, Joaquim Manhães. A ética empresarial no Brasil. Revisão: Janice Yunes, São Paulo: Pioneira, MORGAN, Gareth. Imagens da organização. Edição Executiva. Tradução Geni G. Goldschmidt. São Paulo: Atlas, SROUR, Robert Henry. Ética empresarial. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Ética e responsabilidade social. Cesar Eduardo Stevens Kroetz cesark@unijui.edu.br

Ética e responsabilidade social. Cesar Eduardo Stevens Kroetz cesark@unijui.edu.br Ética e responsabilidade social Cesar Eduardo Stevens Kroetz cesark@unijui.edu.br Contexto... - Economia e sociedade global - Maior interdependência - Importância da liderança ética nas empresas - Aumento

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação e Comunicação da Região Central do Centro do Rio Grande do Sul CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Outubro de 2013 MISSÃO Fortalecer, qualificar,

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim.

Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim. Empreendedorismo privado geração de riquezas Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim. 1 Modelo de gestão com mais de 80 anos, originalmente relacionado

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução. Os princípios Éticos que formam a consciência e fundamentam nossa imagem no segmento de recuperação de crédito e Call Center na conduta de nossa imagem sólida e confiável. Este

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

EMPREENDEDORISMO DE. Professor Victor Sotero

EMPREENDEDORISMO DE. Professor Victor Sotero EMPREENDEDORISMO DE NEGÓCIOS COM INFORMÁTICA Professor Victor Sotero 1 OBJETIVOS DA DISCIPLINA Esta disciplina apresenta uma metodologia para formação de empreendedores. Aberta e flexível, baseada em princípios

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Introdução: Código de Conduta Corporativa

Introdução: Código de Conduta Corporativa Transporte Excelsior Ltda Código de Conduta Corporativa Introdução: A Transporte Excelsior através desse Código Corporativo de Conduta busca alinhar e apoiar o cumprimento de nossa Missão, Visão e Valores,

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING O Código de Conduta Ética é um instrumento destinado a aperfeiçoar os relacionamentos da organização e elevar o clima de confiança nela existente. Este Código tem

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Roberta Dalvo

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Roberta Dalvo RESPONSABILIDADE SOCIAL Roberta Dalvo Objetivo: Histórico e definições Panorama Social Oportunidades para as empresas (Vantagem Competitiva) Pesquisa realizada pelo Instituto Ethos/Valor Casos de sucesso

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS Curso de Ciências Contábeis

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS Curso de Ciências Contábeis FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS Curso de Ciências Contábeis A ÉTICA PROFISSIONAL EXERCIDA PELOS CONTADORES RESENHA LARISSA DE C. PAVÉGLIO RAQUEL F. SCHAEFER

Leia mais

G t es ã tão E t s t ra é té i g? ca O Que é isso? TEORIA TE DAS DA ORGANIZA OR Ç GANIZA Õ Ç ES E Prof. Marcio Peres

G t es ã tão E t s t ra é té i g? ca O Que é isso? TEORIA TE DAS DA ORGANIZA OR Ç GANIZA Õ Ç ES E Prof. Marcio Peres Gestão Et Estratégica? téi O Que é isso? TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES Prof. Marcio Peres Estratégias Linhas de ação ou iniciativas altamente relevantes que indicam como serão alcançados os Objetivos Estratégicos.

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior

Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior G estão escolar: não há diretor de qualquer instituição de ensino que não esteja às voltas com esta questão, hoje. Um cenário

Leia mais

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português.

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Esta publicação é distribuída para os colaboradores da Recuperadora Sales Gama Ltda e seu público

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

Um novo. modismo gerencial?

Um novo. modismo gerencial? Um novo modismo gerencial? por Cesar Gomes de Mello A imprensa vem divulgando várias notícias sobre empresas e projetos de quarteirização. Afinal, o que é isto? Um novo modismo que aparece no mundo dos

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O Premiação para associações comunitárias, empreendedores sociais, institutos de pesquisa, micro e pequenas empresas, ONGs e universidades sobre Iniciativas Inovadoras em Sustentabilidade R E G U L A M E

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL Na ASBRASIL, já foram estabelecidas as direções básicas da ação empresarial, conforme estabelecido em nosso plano de negócios que deseja se consolidar em uma cultura

Leia mais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Declaração de Apoio Continuo da Presidente 23/10/2015 Para as partes interessadas: É com satisfação que comunicamos

Leia mais

Proposta para Formataça o de Franquia

Proposta para Formataça o de Franquia Proposta para Formataça o de Franquia 1- O sistema de franchising para o seu negócio Quando falamos de franchising, não estamos falando de algum modismo e, sim, de um sistema de negócios que veio para

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais