Josimari de Brito Morigi, (G), UNESPAR/FECILCAM, Adalberto Dias de Souza, (OR), UNESPAR/FECILCAM,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Josimari de Brito Morigi, (G), UNESPAR/FECILCAM, josimorigi@gmail.com Adalberto Dias de Souza, (OR), UNESPAR/FECILCAM, ad.unespar@gmail."

Transcrição

1 A IMPORTÂNCIA DAS INCUBADORAS DE EMPRESAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO EMPREENDEDORISMO E PARA A CRIAÇÃO DE NOVAS EMPRESAS: O CASO DA FUNDAÇÃO EDUCERE DE CAMPO MOURÃO-PR Josimari de Brito Morigi, (G), UNESPAR/FECILCAM, Adalberto Dias de Souza, (OR), UNESPAR/FECILCAM, INTRODUÇÃO As micro e pequenas empresas integram uma fatia percentual significativa no total de empresas brasileiras. Elas ainda são responsáveis por empregar mais da metade da população economicamente ativa. Destarte, possuem um papel importante no desenvolvimento econômico e social do país. No Brasil o índice de mortalidade de micro, pequenas e médias empresas (MPME s), sobretudo nos cinco primeiros anos de vida ainda é muito elevado. Apesar de algumas melhoras terem acontecido nas últimas décadas, tais como redução nos custos e na quantidade de documentação exigida, e consequentemente, no tempo necessário para se abrir uma nova empresa, maior acesso a linhas de créditos, programas de capacitação, fornecimento de consultorias, etc., o empresariado brasileiro ainda encontra limitações desde o processo inicial de abertura da nova empresa e também posteriormente, quando precisa de apoio financeiro e econômico para que a sua empresa venha a crescer e se estabilizar no mercado. Entretanto, não podemos esquecer que muitas vezes, o fracasso do empreendimento está relacionado ao despreparo do próprio empresário, pois muitos decidem dar início a um novo empreendimento sem nenhum tipo de preparo ou informação, outros ainda, atuam de maneira informal, prejudicando a manutenção e a sustentabilidade da empresa. Além da criação e implementação de diversas políticas e programas de apoio às micro, pequenas e médias empresas, nas últimas décadas, as incubadoras de empresas têm-se mostrado como uma maneira interessante e eficaz para a redução do índice de mortalidade de empresas no Brasil. O presente estudo tem por objetivo fazer uma reflexão a respeito da importância das incubadoras de empresas para a cultura do empreendedorismo e para a criação de novas empresas, com foco direcionado para a Fundação Educere que é um Centro de Pesquisa e Desenvolvimento na área de biotecnologia, cujo foco principal é a incubação de empresas, bem como garantir um número maior de mão de obra especializada disponível para trabalhar nas empresas que integram atualmente o Arranjo Produtivo Local de Insumos e Equipamentos Médicos, Odontológicos e Hospitalares de Campo Mourão, também conhecido como APL da saúde de Campo Mourão.

2 O importante papel desenvolvido pelas incubadoras de empresas, tanto no que diz respeito ao incentivo a geração de empresas competitivas, como na formação de empreendedores, e também a escassez de estudos que abordem a temática das incubadoras de empresas, especialmente com foco direcionado para a Fundação Educere de Campo Mourão, motivou a realização deste estudo. Os procedimentos metodológicos adotados para a pesquisa foram: a pesquisa bibliográfica em livros, artigos científicos, teses, dissertações e diagnósticos setoriais. E o levantamento de dados junto a Fundação Educere e também o levantamento de dados secundários junto aos órgãos de pesquisa. Para alcançar o objetivo proposto, o artigo apresenta, inicialmente, o amparo analítico para o estudo, abrangendo os principais conceitos que articulam este texto, principalmente no que tange a concepção de incubadoras de empresas. Em seguida, há um recorte, balizando a investigação do presente estudo, para explicar sobre a importância da Fundação Educere para a cultura do empreendedorismo, para a criação de novas empresas e para o desenvolvimento das empresas que integram o Arranjo Produtivo de Insumos e Equipamentos Médicos, Odontológicos e Hospitalares, também conhecido como APL da saúde de Campo Mourão. Por fim, têm-se as conclusões do artigo. DEFINIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E IMPORTÂNCIA DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS Nas últimas décadas observa-se na economia brasileira uma evidente aceleração do movimento de empreendedorismo. Muito já foi debatido sobre sua importância, e os estudos realizados na área mostraram como o papel do empreendedor não é apenas o de fundador de novas empresas, mas sim como o fator e uma ferramenta de suma importância para a ascensão da economia nacional (CHIAVENATO, 2007). Em meio aos diversos agentes de desenvolvimento econômico regional e de incentivo ao empreendedorismo, podem ser destacados no Brasil alguns fatores fundamentais para o sucesso empresarial dos empreendedores. Em decorrência de sua importância imponente, destaca-se em primeira análise o projeto das Incubadoras de Empresas. Considerando o elevado índice de mortalidade das micro e pequenas empresas no Brasil, é evidente a importância do suporte provido pelas Incubadoras no paradigma econômico nacional, visto que asseguram uma contribuição significativa para que novos negócios sobrevivam mesmo diante de um cenário conturbado e adverso como o brasileiro. Segundo dados do estudo intitulado Demografia das Empresas, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE (2012), a partir de dados do Cadastro Central de Empresas (Cempre), o número de empresas registradas em 2010 excedeu o de 2009 em 6,1%, o que

3 evidencia a entrada de 261,7 mil novas empresas no mercado. Sendo que a grande maioria das empresas novatas era de pequeno porte, mas, foram as empresas maiores que demonstraram ter capacidade de resistir por mais tempo no mercado. Ainda segundo o IBGE, com base nos dados estatísticos obtidos de 2007 a 2010, após três anos de existência, 48, 2% das empresas não sobreviveu. De acordo com dados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE (2013), cerca de 30 % das micro e pequenas empresas fecham suas portas antes do terceiro ano de vida, principalmente em consequência da falta de planejamento na abertura do negócio, falta de informações/conhecimentos do empresariado sobre o empreendimento, má administração e maus investimentos, dentre outros. Com o intuito de tentar diminuir o índice de mortalidade de empresas, surgiu a ideia de implementar um projeto que consiste em uma parceria entre ambientes de ensino e empresas. Tal projeto ficou conhecido como Incubadoras de Empresas. A Rede Paranaense de Tecnologia e Inovação Reparte (2013), menciona outros fatores que acarretam o índice elevado de mortalidade de empresas, que são: as dificuldades burocráticas, que incluem uma legislação complexa, exigente e que origina altos custos burocráticos, tributários, de produção e comercialização, além das complexidades concorrenciais para os micro e pequenos empresários que atuam em mercados oligopolizados, onde empresas de grande porte determinam prazos e condições de pagamentos para a aquisição de produtos e fornecimento de insumos. Ademais, as altas taxas de juros sobre os empréstimos, superiores às que pagam as grandes empresas, bem como as exigências dos emprestadores por garantias reais, que na maioria das vezes os micros e pequenos empresários não podem oferecer, deixam-nos sem acesso ao crédito. Vale ressaltar que, o processo de incubação é considerado um dos mecanismos mais eficientes para disseminar e desenvolver novos empreendimentos. Segundo dados do relatório do MCT Ministério da Ciência e Tecnologia, no Brasil e no mundo as estatísticas evidenciam que a taxa de mortalidade de empresas que passam pelo processo de incubação é reduzida de 70% para 20% em comparação com as empresas que não passam por esse processo. Entretanto, cabe a ressalva de que as incubadoras de empresas, assim como qualquer outra organização, precisam elaborar um Plano de Negócios, uma vez que, este Plano representa um instrumento essencial para um planejamento adequado e eficiente e ainda serve como ferramentapadrão solicitada pelas entidades de fomento às incubadoras para análise e concessão de recursos financeiros e econômicos, fundamentais a sua operação. Antes de destacarmos a importância das incubadoras de empresas para a criação de novas empresas mais sólidas e competitivas no mercado, e a importância das mesmas para o desenvolvimento do empreendedorismo, torna-se necessário trazer à baila a definição do termo incubadora de empresas.

4 De acordo com as informações da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos e Tecnologias Avançadas - ANPROTEC (2013), uma incubadora de empresas é: [...] uma entidade que tem por objetivo oferecer suporte a empreendedores para que eles possam desenvolver ideias inovadoras e transformá-las em empreendimentos de sucesso. Para isso, oferece infraestrutura, capacitação e suporte gerencial, orientando os empreendedores sobre aspectos administrativos, comerciais, financeiros e jurídicos, dentre outras questões essenciais ao desenvolvimento de uma empresa (ANPROTEC, 2013, p.01). Já o Programa Nacional de Apoio a Incubadoras de Empresas (PNI), sustentado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), define incubadora como: [...] um mecanismo que estimula a criação e o desenvolvimento de micro e pequenas empresas industriais ou de prestação de serviços, de base tecnológica ou de manufaturas leves por meio da formação complementar do empreendedor em seus aspectos técnicos e gerenciais e que, além disso, facilita e agiliza o processo de inovação tecnológica nas micro e pequenas empresas. Para tanto, conta com um espaço físico especialmente construído ou adaptado para alojar temporariamente micro e pequenas empresas industriais ou de prestação de serviços e que, necessariamente, dispõe de uma série de serviços e facilidades [...] (BRASIL, 2008, p.01). Conforme as informações do Instituto Nacional de Comunicações - INATEL (2013), as incubadoras são organizações que podem apresentar vínculos com instituições de ensino públicas ou privadas, prefeituras e ainda, iniciativas empresariais independentes. Ademais, o alicerce de sustentação de um programa de incubação encontra-se consolidado na difusão da cultura empreendedora, do conhecimento e da inovação. Colaborando com o exposto, Medeiros (1996) explana que o conceito de incubadora está profundamente atrelado a um núcleo que na maioria das vezes abriga microempresas de base tecnológica, isto é, aquelas que têm no conhecimento seu principal bem de produção. Para Spolidoro (1999, p. 12), incubadora é um ambiente favorável à criação e o desenvolvimento de empresas e de produtos (bens e serviços), em especial àqueles inovadores e intensivos de conteúdo intelectual (produtos em cujo custo a parcela do trabalho intelectual é maior que a parcela devida a todos os demais insumos). Em relação à origem do termo incubadora de empresas, Menezes (2004) enfatiza que este termo surgiu na década de 1950, no estado de Nova Iorque, nos Estados Unidos. Quando uma grande empresa local veio a falir, e deixou um galpão de aproximadamente 80 mil metros quadrados sem utilização. Um homem chamado Joseph Mancuso teve a ideia de adquirir o imóvel e transformar o mesmo em um condomínio para pequenas empresas, com o intuito de viabilizar um novo negócio,

5 além de gerar empregos para as pessoas que haviam sido demitidas. À infraestrutura física das instalações, Joseph Mancuso acrescentou um conjunto de serviços que poderiam ser compartilhados pelas empresas ali instaladas, tais como secretaria, contabilidade, vendas, marketing, dentre outros; reduzindo os custos operacionais das empresas e aumentando a competitividade delas. Uma das primeiras empresas instaladas na área foi um aviário, o que atribuiu ao prédio a denominação de "incubadora". No Brasil, as primeiras incubadoras de empresas surgiram na década de 1980 e cresceram abundantemente de lá pra cá. Lembrando que, a incubadora de empresas pioneira foi estabelecida na cidade de São Carlos (SP), com quatro empresas instaladas e é considerada a mais antiga da América Latina. Na mesma década outras incubadoras de empresas foram instituídas nas seguintes localidades: Florianópolis, Curitiba, Campina Grande, Rio de Janeiro, Distrito Federal, dentre outras. E com a criação da ANPROTEC em 1987, o movimento de criação de incubadoras tornou-se mais articulado e organizado. Segundo Medeiros et al. (1992, apud BAÊTA, 1999), no Brasil as incubadoras de empresas, surgiram inicialmente vinculadas à universidades ou à centros de pesquisas, contudo, posteriormente passaram a ser apoiadas por outras entidades. No início da década de 1990, o SEBRAE passou a apoiar o movimento de criação de incubadoras por meio de ações destinadas à sua implantação, desenvolvimento e fortalecimento, pois acreditava que as incubadoras seriam uma importante ferramenta de apoio às micro e pequenas empresas nacionais. Este apoio tem se viabilizado até os dias atuais através de uma série de ações como acesso a produtos e serviços que o sistema oferece, além do repasse de recursos financeiros. Atualmente, o Brasil possui o maior número de incubadoras na América Latina. Segundo dados de um estudo realizado em 2011 pela ANPROTEC, em parceria com o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), o Brasil têm 384 incubadoras em operação, estas abrigam empresas, gerando postos de trabalho. Essas incubadoras também já graduaram empreendimentos, que atualmente faturam R$ 4,1 bilhões e empregam pessoas e, possuem empresas associadas (residentes ou não no espaço físico da incubadora, mas que usufruem da mesma infraestrutura e dos mesmos serviços). O mesmo estudo apontou outro dado importante: 98% das empresas incubadas inovam, sendo que 28% com foco no âmbito local, 55% no nacional e 15% no mundial. Além disso, o estudo evidencia que das empresas incubadas do Brasil, 58% têm foco no desenvolvimento de novos produtos ou processos resultantes de pesquisa científica e 38% atuam na inserção de arranjos produtivos locais (APLs) de alta tecnologia. Um pouco mais da metade (52%) dessas firmas opera na prestação de serviços, enquanto que 43% delas estão na área industrial e 5% na agroindústria.

6 Cabe ressaltar que, de maneira geral, o público alvo das incubadoras de empresas são os empreendedores que tenham um projeto de negócio; micros e pequenas empresas em operação; micro e pequenas empresas em fase inicial de funcionamento. No entanto, é importante ressalvar que para participar de uma incubadora é preciso que o negócio apresente viabilidade econômica e técnica e retorne um produto, serviço ou processo com diferencial competitivo, inovador e que se destaque daquilo que já existe no mercado. É importante enfatizar que o acesso às incubadoras de empresas acontece através de um processo seletivo, caracterizado por regras pré-estabelecidas (que podem variar de incubadora para incubadora). Geralmente os empreendedores interessados apresentam por meio de um documento, ou de entrevista, e/ou mediante uma apresentação oral.) um Plano de Negócios ao Conselho de Administração de Incubadoras, que irá avaliá-lo e decidir se será aprovado ou não. Aquele empreendedor que tiver a proposta aprovada estará apto para instalar a sua empresa na incubadora, por meio da assinatura de um contrato (SEBRAE/SC, 2009). No que concerne ao processo seletivo realizado pelas incubadoras, o SEBRAE/SC (2009), expõe que cada incubadora possui seus próprios critérios para selecionar os empreendimentos que serão incubados. Tais critérios são decorrentes das decisões tomadas ainda no momento da modelagem e do planejamento da própria incubadora. De maneira geral, as empresas, os empreendedores e os empreendimentos precisam atender no mínimo os seguintes critérios: a) grau de inovação de produtos ou serviços a ser desenvolvidos; b) viabilidade técnica e mercadológica; c) consistência das informações apresentadas no Plano de Negócios, d) empresa de um setor de desenvolvimento tecnológico já existente; e) qualidade e capacitação da equipe que irá compor o empreendimento; f) grau de motivação e comprometimento dos empresários com o empreendimento; g) capacidade de investimento financeiro próprio ou de terceiros. Conforme as informações da ANPROTEC (2013) existem diferentes tipos de incubadoras: as de base tecnológica (abrigam empreendimentos que realizam uso de tecnologias); as tradicionais (dão suporte a empresas de setores tradicionais da economia); as mistas (aceitam tanto empreendimentos de base tecnológica, quanto de setores tradicionais) e as sociais (que têm como público-alvo cooperativas e associações populares). Em relação aos estágios dos empreendimentos incubados, o SEBRAE/SC (2010), destaca que uma incubadora pode abrigar e/ou apoiar empreendimentos que estejam nos seguintes estágios: préincubação, incubação e pós-incubação. Lembrando que, o estágio de pré-incubação é caracterizado por um determinado período de tempo, disposto ao empreendedor para que ele possa finalizar sua ideia de negócio utilizando todos os serviços disponibilizados pela incubadora. O estágio de incubação por sua vez, refere-se ao processo de apoio ao desenvolvimento de pequenos empreendimentos já existentes

7 ou que estejam em constituição, que tenham elaborado um plano de negócios bem estruturado, que tenham dominado a tecnologia e o processo produtivo; e que possuam um capital mínimo necessário para dar suporte ao início de suas operações e faturamento; Além disto, nesta fase, as empresas normalmente já iniciam com uma figura jurídica e com produtos e/ou serviços disponíveis para a serem comercializados. Por fim, tem-se o estágio de pós-incubação, no qual a incubadora presta apoio à fase de consolidação da empresa em seu mercado de atuação, com o acréscimo do número de clientes; os empreendimentos recebem a sua graduação na incubadora, mas permanecem associadas a mesma, obtendo suporte por meio de seus serviços de assessoria na gestão técnica e empresarial. No que diz respeito aos objetivos principais dos programas de incubação, o SEBRAE/SC (2009), de forma sintetizada, elenca os seguintes: a) ser um lócus de referência em inovação, apoiando o desenvolvimento e consolidação de empresas inovadoras; b) transformar ideias em produtos, processos ou serviços, que resultem em empreendimentos competitivos; c) desenvolver novos produtos e processos; d) atualizar os empreendimentos por meio da aplicação de conhecimentos tecnológicos; e) criar, desenvolver e consolidar empresas competitivas que venham a contribuir para o fortalecimento da tecnologia brasileira e o desenvolvimento sócio-econômico nacional; f) promover um salto quantitativo na geração de postos de trabalho e renda; g) agregar valor aos produtos e serviços das micro e pequenas empresas (MPE s). Já para o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) as incubadoras de empresas apresentamse como uma ferramenta interessante na tentativa de amortecer o alto índice de mortalidade de empresas nos cinco primeiros anos de vida: [...] em um contexto onde o conhecimento, a eficiência e a rapidez no processo de inovação passam a ser reconhecidamente os elementos decisivos para a competitividade das economias, o processo de incubação é crucial para que a inovação se concretize em tempo hábil para suprir as demandas do mercado. Em vista disso, é factível afirmar que a incubadora de empresas pode cumprir com eficácia e eficiência o papel nucleador do processo de criação de empresas sólidas (MCT, 2000, p. 4). Complementando as abordagens anteriores, Souza e Camargo (2010) salientam que o objetivo base de uma incubadora de empresas é a redução do percentual de mortalidade das MPE s, através do apoio estratégico durante os primeiros anos do empreendimento. No entanto, a sua finalidade maior, está na preparação adequada das novas empresas para que elas possam manter-se competitivamente no mercado. Alguns autores, tais como (Chaves e Silva 2004); (Quadros 2004), Luzzardi; Oliveira; Duhá (2006) ressaltam que os empreendedores usam as incubadoras como catalisador das necessidades para o desenvolvimento de suas capacidades, promovendo os objetivos das incubadoras na minimização dos altos índices de fracasso e no incentivo para o nascimento de novos negócios.

8 Conforme salienta Uggioni (2002) as incubadoras têm como escopo nos processos de incubação: a redução da taxa de mortalidade das empresas; geração de inovação tecnológica; geração de novos postos de trabalho; transferência de tecnologia entre universidades, centros de pesquisa tecnológica e novos empreendimentos; propiciar taxas de crescimento rápido entre os novos empreendimentos incubados e influenciar a cultura tecnológica da região onde está inserida. Contribuindo com o exposto, Dornelas (2002), ressalta que as incubadoras de empresas propiciam um ambiente delineado para abrigar as empresas incubadas, equipamentos e estruturas necessárias de suporte compartilhadas, como telefonia, Internet, fax e suporte administrativo; conta também com uma assessoria em marketing, finanças, jurídico, etc., muitas vezes terceirizada pelas incubadoras de empresas e que não poderiam ser utilizadas por empreendedores que ainda estão entrando no mercado. Estas ações de apoio impulsionaram de modo acelerado o movimento de empreendedorismo no Brasil, tornando natural a instituição de sistemas de suporte aos empreendedores, representados pelas incubadoras de empresas. Segundo informações da ANPROTEC (2013), nas incubadoras de empresas encontram-se as empresas residentes ou incubadas e as empresas graduadas. Lembrando que, as empresas residentes ou incubadas correspondem aos empreendimentos em processo de incubação. Fazem uso da infraestrutura, dos equipamentos e dos serviços oferecidos pela incubadora, ocupando espaço físico desta por tempo limitado. Já as empresas graduadas, correspondem aos empreendimentos que já passaram pelo processo de incubação, permanecendo ou não no mercado após esse período. O prazo para que cheguem ao mercado varia de dois a seis anos. No tocante aos benefícios que as incubadoras de empresas podem trazer aos empreendedores, a ANPROTEC (2013), esclarece que, ao proporcionar suporte ao empreendedor, a incubadora permite que o seu empreendimento tenha maiores chances de ser bem sucedido. Além de oferecer condições favoráveis de infraestrutura e capacitação dos empreendedores, as empresas por estarem situadas em um espaço onde há diversos empreendimentos inovadores do mesmo porte, contam com várias conexões, que beneficiam o crescimento do negócio e o acesso ao mercado. Ainda de acordo com a ANPROTEC (2013), quando se trata de empresas de base tecnológica, os empreendedores possuem, ainda, oportunidade de acesso a universidades e instituições de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), com as quais muitas incubadoras encontram-se vinculadas. Isso contribui para a redução de custos e riscos do processo de inovação, pois oportuniza o acesso a laboratórios e equipamentos que exigiriam alto investimento. Segundo a ANPROTEC (2002), no Brasil a maioria das incubadoras de empresas é de natureza tecnológica e a introdução e difusão de novas tecnologias têm permitido às empresas participar de modo mais ativo no novo cenário econômico. Além disso, a criação de empresas de base

9 tecnológica tem acontecido principalmente nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, em localidades que possuem infraestrutura científica e tecnológica de qualidade, disponibilidade de recursos humanos qualificados e proximidade de pólos industriais. A Fundação Educere de Campo Mourão, objeto de nosso estudo, é uma incubadora de empresas de base tecnológica e além de realizar incubação de empresas, também atende principalmente as empresas que integram atualmente o APL da saúde do referido município, dando suporte técnico para as mesmas. No item seguinte do artigo apresenta-se um enfoque direcionado para a análise da importância desta Fundação para a criação de novas empresas e também para o incentivo ao empreendedorismo e a criação de novos negócios. A FUNDAÇÃO EDUCERE DE CAMPO MOURÃO-PR A Fundação Educere de Campo Mourão foi criada no ano de 1997 pelo empresário Ater Carlos Cristófoli, com a finalidade principal de suprir a falta de mão de obra especializada no Município. A Educere é um Centro de Pesquisa e Desenvolvimento na área de biotecnologia e atualmente, seu foco principal é a incubação de empresas a partir de um projeto social inovador que atua na formação de jovens com potencial empreendedor. Bem como, a qualificação de mão de obra especializada para trabalhar principalmente, nas empresas que integram atualmente o APL da saúde de Campo Mourão. Além do mais, a Fundação fornece suporte para o desenvolvimento de novos negócios voltados para a difusão e transferência de tecnologia na área biomédica, e é referência em pesquisa e desenvolvimento de produtos inovadores e que agregam valor tecnológico, que estão presentes em todo o País e também no cenário internacional, uma vez que muitos produtos são exportados para diversos países da América, da Ásia e da Europa. Segundo Morigi e Souza (2012), a Fundação Educere é uma fundação privada sem fins lucrativos e é mantida principalmente pela empresa Cristófoli Biosegurança, que também pertence ao empresário Ater Carlos Cristófoli. No entanto, a Fundação também recebe um percentual do faturamento das empresas graduadas, oriundas da Fundação, como forma de devolução. Desta forma, a Fundação Educere pode gerar mais mão de obra qualificada, novos talentos e novas empresas. No que concerne aos cursos ofertados pela Fundação, todos são gratuitos e alguns deles direcionados especificamente para alunos de escolas públicas, que tenham entre 14 e 17 anos e que estejam estudando regularmente, que apresentam bom rendimento escolar e sem repetência. Essa característica segundo Ater Cristófoli, representa uma importante contribuição social com jovens que talvez não tivessem tal oportunidade.

10 Cabe enfatizar que, na Fundação Educere os alunos recebem além do conhecimento específico industrial, instruções sobre gestão de empresas e motivação para o empreendedorismo por meio de atividades sócio-educacionais de caráter multidisciplinar. Deste modo, aqueles alunos que têm talento para a produção industrial, mas que não apresentam habilidades de gestão podem se tornar excelentes colaboradores industriais. E aqueles que possuem também habilidade de gestão, normalmente acabam tornando-se empreendedores e abrindo a sua própria empresa. Lembrando que, na Fundação Educere a qualificação de futuros empresários dá prioridade às competências que envolvem tomadas de decisões sócio-políticas, voltadas para a melhoria da qualidade de vida da população local e regional e para o aumento da geração de empregos. Além disto, a experiência obtida pelos jovens durante sua permanência na Fundação também os torna profissionais requisitados no mercado de trabalho local. Dentre os cursos ofertados pela Fundação destacam-se: Cursos de eletrônica, mecânica e escultura clássica; Formação complementar: aulas de neurolinguística, palestras, viagens, visitas técnicas, e atividades extras que possam despertar nos jovens o interesse pela pesquisa e desenvolvimento; Curso de extensão em eletrônica, pós-médio para adultos, realizado em parceria com o SENAI de Campo Mourão. E ainda, por meio do estágio remunerado a Fundação também disponibiliza oportunidades para muitos alunos melhorarem a sua qualificação, enquanto atuam na elaboração de seus produtos. Além disso, a Fundação oferece aos jovens em situação de risco que fazem parte do Programa Agente Jovem mantido pelo Município e pela Polícia Militar, cursos gratuitos de formação nas áreas de informática básica, circuito eletrônico básico e Auto CAD. Conforme as informações da Fundação Educere (2013), a infraestrutura da mesma é constituída por: laboratórios de eletrônica e mecânica; salas individuais para empresas; salas de aula; sala de artes e escultura; sala de reunião; administração; área de lazer; recepção e estacionamento. E o espaço da própria Fundação é inteiramente disponibilizado para que os empreendedores que possuem suas empresas ali incubadas possam aplicar as técnicas mais modernas na condução de seus produtos e negócios. Além das melhores instalações, a Fundação também dispõe de uma equipe altamente qualificada e preparada para dar suporte aos alunos e jovens empreendedores, para que estes possam ampliar seu potencial com o desenvolvimento de produtos inovadores para o mercado biomédico. A base tecnológica disponibilizada pela Educere é permeada por organização, criatividade e dedicação à pesquisa. Engenheiros de várias áreas se juntam às iniciativas e contribuem para a formação dos futuros empresários. Ademais, o suporte oferecido pela Fundação também envolve apoio mercadológico para a colocação dos novos produtos junto à clientes potenciais. Em compensação a todo o suporte recebido, todas as empresas que saíram do projeto de incubação reinvestem parte do seu faturamento para o desenvolvimento de novas pesquisas da Fundação.

11 Além dos recursos econômicos provenientes das empresas graduadas, é importante elucidar que a Educere também recebe recursos especiais direcionados principalmente para o desenvolvimento de pesquisas, de institutos nacionais preocupados com o desenvolvimento socioeconômico do País, tais como a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ). Os bons resultados apresentados pela escola da Fundação ao longo dos dezesseis anos de atuação, despertou também o interesse de outras organizações que se mostraram interessadas em colaborar com esta iniciativa inovadora. Na lista de parceiros estão duas empresas do Sistema FIEP Federação da Indústria do Estado do Paraná, o SESI-PR e o SENAI. A Educere também firmou parcerias com algumas instituições públicas e privadas, das quais recebe apoio: Cristófoli Biossegurança; Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR; Faculdade Integrado; UNESPAR/FECILCAM; Associação Comercial e Industrial de Campo Mourão - ACICAM; SEBRAE; AME Consultoria, dentre outras (FUNDAÇÃO EDUCERE, 2013). De modo geral, o processo de seleção de empresas para o processo de incubação é feito de maneira criteriosa, pois um processo mal formulado pode levar a incubadora a admitir empreendimentos que não sejam harmônicos com sua missão, colocando em risco o sucesso da própria incubadora. Na Fundação Educere o processo de seleção também é bem criterioso e leva-se em consideração o seguimento de atuação das empresas candidatas, o potencial de crescimento das mesmas e também é analisado o Plano de Negócios de cada empresa candidata, para verificar se o mesmo está bem elaborado e se o empreendimento é de fato viável. As empresas aprovadas no processo de seleção firmam um contrato de incubação com a Educere e podem manter-se incubadas por um prazo médio de duração de dois anos, porém em caso de necessidade este prazo pode ser prorrogado por mais um ano. Quando a empresa incubada já percorreu todas as etapas do processo de incubação e já se mostra apta para enfrentar o mercado, com uma instalação física própria, ela é então considerada uma empresa graduada. Nesta etapa, a empresa já graduada pode continuar mais um ano no programa de pós-incubação para usufruir dos serviços da incubadora, porém, sem permanecer instalada na incubadora. De acordo com dados obtidos junto à Fundação Educere, o número de empresas originadas pelo sistema de incubadora da própria Fundação totaliza 12 empresas de base tecnológica na área de insumos e equipamentos para a área da saúde, que em conjunto empregam mais de 140 pessoas no município de Campo Mourão, cooperando para o desenvolvimento econômico e social do município e conseguintemente, para a melhoria da qualidade de vida da população. Além disso, essas empresas deram impulso ao reconhecimento do Arranjo Produtivo Local de insumos e equipamentos médicos, odontológicos e hospitalares no município.

12 Ainda de acordo com a Educere, atualmente há seis empresas incubadas na Fundação: a Medstorm cujo seguimento está direcionado para a produção de equipamentos e máquinas de hemodiálise; a Da Capo que também desenvolve equipamentos e máquinas para a área médica, com destaque para a produção de equipamentos de hemodiálise e equipamentos para serem utilizados em cirurgias vasculares; a Efraim que atua no ramo de design industrial; a Aidel que é uma empresa prestadora de serviços, especificamente na área de Marketing; a Pettlizze que produz equipamentos para pet shop; a Eletrolizze que produz eletrodomésticos, e a Aqua que atua no desenvolvimento de biocombustíveis. E existem projetos em andamento para a incubação de mais duas empresas. Em relação aos produtos desenvolvidos até o presente momento, pelas empresas que passaram pelo processo de incubação na Educere, destacam-se: Clean-Test - indicador biológico autocontido utilizado para monitoramento de ciclos de esterilização a vapor; QUALITY 1 - Reprocessadora Automática de Dialisadores - é uma estação automática para reprocessamento de filtros de hemodiálise; STERN 6 - Banho-Maria - para uso universal nos mais variados tipos de laboratórios em aplicações sorológicas, clínicas e analíticas; Biojato - destinado a profilaxia dos dentes, utilizado para a remoção da placa bacteriana e retirada da camada oxidada do amálgama das restaurações, melhorando o polimento dentário; DUO - saboneteira conjugada com toalheiro e espelho; Ortusonic - aparelho de ultra-som piezoelétrico e jato de profilaxia combinados, dentre outros (FUNDAÇÃO EDUCERE, 2013). Conforme explana Maybuk (2009), dentre os inúmeros ex-alunos da Fundação Educere que se tornaram empresários, pode-se citar o empresário Francisco Reigota que é proprietário da empresa Saubern Vivax, que produz aparelhos de hemodiálise. Este empresário iniciou na Fundação o desenvolvimento do aparelho que comercializa atualmente. Apesar de ter enfrentado muitas dificuldades para finalizar a construção do aparelho e posteriormente para colocá-lo no mercado. Com o apoio de seus sócios ele conseguiu finalizar o processo de construção do aparelho de hemodiálise e, por meio da tática do convencimento de vários médicos conceituados, conseguiu deixar alguns exemplares deste aparelho que desenvolvera, em consignação nos hospitais. Ou seja, o aparelho de hemodiálise era utilizado pelos médicos durante o período de um mês, se o mesmo fosse aprovado ele seria pago, caso houvesse reprovação, o aparelho era devolvido à Francisco. Atualmente a empresa de Francisco vende seus produtos para todo o Brasil, em grandes hospitais, tais como o Hospital Albert Einstein de São Paulo. Além disso, grande parte dos funcionários da Saubern foram alunos da Fundação Educere.

13 CONSIDERAÇÕES FINAIS Por meio da pesquisa realizada, observou-se que no Brasil o índice de mortalidade de empresas, sobretudo nos cinco primeiros anos de vida ainda é muito elevado. E as incubadoras de empresas têm se mostrado como um mecanismo importante para a redução da mortalidade de empresas, uma vez que, o percentual de sobrevivência das empresas que passam pelo processo de incubação é muito maior se comparado ao percentual de sobrevivência das empresas que não passam por esse tipo de processo. Ademais, as incubadoras também atuam como agentes facilitadores e parceiros dos empreendedores, pois realizam as intermediações entre instituições financeiras e pequenos empresários para que estes últimos, possam ter acesso mais facilitado à linhas de crédito, realiza a inscrição e promove a participação dos empreendedores em feiras e exposições, auxiliando-os na divulgação de seus produtos e também nas negociações com compradores de outros países. A Fundação Educere de Campo Mourão desenvolve um importante papel para a economia local e regional, uma vez que, além de realizar incubação de empresas, contribuindo para a criação de novos empreendimentos bem sucedidos, também fornece diversos cursos de capacitação, principalmente para jovens com potencial empreendedor para que futuramente os mesmos possam a abrir a sua própria empresa, ou estarem qualificados e preparados para trabalharem no mercado de trabalho local e regional. Além disso, em decorrência das diversas parcerias firmadas com instituições de ensino públicas e privadas, a Educere desempenha um papel que vai além do apoio ao desenvolvimento econômico e regional. A incubadora é responsável também por um processo eficiente na transferência de tecnologia e cooperação institucional entre universidades, escolas técnicas, demais instituições vinculadas e as empresas locais. Por fim, salienta-se que as discussões teóricas apresentadas neste estudo, poderão contribuir para a ampliação do debate a respeito das incubadoras de empresas e sobre a importância destas instituições para o desenvolvimento do empreendedorismo, para a criação de novas empresas mais sólidas e competitivas e também para a redução do índice de mortalidade de empresas, visto que, foram consideradas apenas algumas argumentações relevantes ao objeto desse estudo, ficando nítida a necessidade de investigações mais aprofundadas. REFERÊNCIAS ANPROTEC - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPEENDIMENTOS INOVADORES. Glossário dinâmico de termos na área de tecnópoles, parques tecnológicos e incubadoras de empresas / ANPROTEC; SEBRAE; Coordenação José Eduardo Azevedo Fiates e Sheila Oliveria Pires; Organização Adelaide Maria Coelho Baeta e Rosa Maria Neves da Silva. Brasília, 124 p, (2002).

14 . Perguntas Frequentes. Disponível em: Acesso em 01 de agosto de BAÊTA, Adelaide Maria Coelho. O Desafio da Criação: Uma análise das incubadoras de empresas de base tecnológica. Petrópolis: Vozes, BRASIL. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). Programa Nacional de Apoio a Incubadoras de Empresa [2008]. Disponível em: Acesso em 30 de julho de CHAVES, C. M. L.; SILVA, M. C. M. As incubadoras de empresas como parceiras dos empreendedores: um estudo sobre as incubadoras situadas no nordeste. Disponível em: Acesso em 04 de agosto de CHIAVENATO, Idalberto. Empreendedorismo: dando asas ao espírito empreendedor. São Paulo: Saraiva, DORNELAS, José Carlos Assis. Planejando Incubadoras de Empresas: como desenvolver um plano de negócios para incubadoras. 2. ed. Rio de janeiro: Campus, FUNDAÇÃO EDUCERE. Disponível em:< Acesso em 03 de agosto de GARCIA, Quésia Rosa. TERRA, Branca. A Importância das Incubadoras na Criação e Desenvolvimento de Empresas Inovadoras de Base Tecnológica: um estudo de caso do Instituto Gênesis da PUC-RIO e da empresa Minds at work. Rev. Polêmica, Rio de Janeiro, RJ, v.10, n.2, p , IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Demografia das Empresas Rio de Janeiro, INATEL- INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Disponível em: < > Acesso em: 03 de agosto de LUZZARDI, C. P.; OLIVEIRA, M.; DUHÁ, A. H. Desenvolvimento de capacidades e competências: relação entre incubadora e empresas incubadas. Disponível em: Acesso em 04 de agosto de MAYBUK, Sergio Luiz. A dinâmica do APL de insumos e equipamentos médicos, odontológicos e hospitalares de Campo Mourão PR f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Econômico) Universidade Federal do Paraná, Curitiba, MEDEIROS, J.A; MEDEIROS, L.A; MARTINS, T.; PERILO, S. Pólos, parques e incubadoras: a busca da modernização e competitividade. CNPq, SCT/PR, IBICT, SENAI. Brasília, MEDEIROS, J.A. Pólos científicos, tecnológicos e de modernização. TECBAHIA Revista Baiana de Tecnologia, v.11, N.1, p.11-25, 1996.

15 MENEZES, Robert K. O que é incubadora de empresas? Disponível em: Acesso em 02 de agosto de MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA (MCT). Manual para a Implantação de Incubadoras. Secretaria de Política Tecnológica Empresarial SEPTE. Brasília: 2000, 33p. Disponível em: Acesso em 02 de agosto de MORIGI, Josimari de Brito. SOUZA, Adalberto Dias de. A Importância do Arranjo Produtivo Local (APL) da Saúde de Campo Mourão-PR como Estratégia de Desenvolvimento Local/Regional e Fortalecimento das Empresas de Pequeno Porte. In: VII EPCT - Encontro de Produção Científica e Tecnológica, 2012, Campo Mourão. Anais... Anais do VII EPCT. Campo Mourão: Universidade Estadual do Paraná Campus de Campo Mourão, P REPARTE - REDE PARANAENSE DE TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. Por que Implantar uma Incubadora? Disponível em: Acesso em 01 de agosto de SEBRAE - PR - SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO PARANÁ. Disponível em: Acesso em 02 de agosto de SEBRAE SC. SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SANTA CATARINA. Tipos de Incubadoras. Disponível em: Acesso em 02 de agosto de Quais são os estágios de apoio de uma incubadora aos empreendimentos? Disponível em: Acesso em: 04 de agosto de SOUZA, Thiago Flávio de. CAMARGO, Silvia Helena Ramos Valladão de. A Importância da Incubadora no Desenvolvimento do Empreendedorismo: um estudo de caso com três empreendedoras da incubadora da cidade de Lins-SP. Disponível em: Acesso em 04 de agosto de SPOLIDORO, R. Habitats de inovação e empreendedores: agentes de transformação das estruturas sociais. TECHBAHIA R. Baiana Tenol., Camaçari, v.14 n.3 p.9-21, set./dez UGGIONI, N. Sistema de Acompanhamento e Avaliação de Empresas residentes em Incubadoras f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda.

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda. Campus Cabo Frio Trabalho de Microeconomia Prof.: Marco Antônio T 316 / ADM Grupo: Luiz Carlos Mattos de Azevedo - 032270070 Arildo Júnior - 032270186 Angélica Maurício - 032270410 Elias Sawan - 032270194

Leia mais

Esse projeto enfatiza duas questões principais:

Esse projeto enfatiza duas questões principais: 1 Introdução O principal objetivo desta dissertação o é contribuir para o debate sobre a internacionalização de pequenas e médias empresas, destacando um tipo peculiar de empresas desta categoria, as empresas

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO. Modalidade Associada

PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO. Modalidade Associada Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO Modalidade Associada Incubadora Multissetorial de Empresas de Base Tecnológica e Inovação da PUCRS RAIAR

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÓS-INCUBAÇÃO DE EMPRESAS Conceituação e Estudos de Caso BRENO BASTOS MIGUEZ 15653 FERNANDA HELENA COSTA

Leia mais

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO o Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO O intuito deste estudo é analisar os critérios de avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora de Empresas INDETEC/UFSJ.

O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora de Empresas INDETEC/UFSJ. EDITAL DE CONCURSO DE IDEIAS INOVADORAS Nº 01/2010. PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DA UFSJ DE SÃO JOÃO DEL REI (INDETEC) O presente edital regulamenta o processo de recrutamento,

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

CHAMADA PARA PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO

CHAMADA PARA PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO CHAMADA PARA PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO RAIAR Incubadora Multissetorial de Empresas de Base Tecnológica e Inovação da PUCRS TECNOPUC Parque Científico e Tecnológico da PUCRS Porto Alegre,

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 Regulamenta a concessão de Auxílio para Apoio a Incubadoras

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais:

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais: PROJETO DA SHELL BRASIL LTDA: INICIATIVA JOVEM Apresentação O IniciativaJovem é um programa de empreendedorismo que oferece suporte e estrutura para que jovens empreendedores de 18 a 30 anos desenvolvam

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins.

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. Maria das Graças Bastos de Sousa 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido

Leia mais

INC.EM.T.IVA Católica

INC.EM.T.IVA Católica INC.EM.T.IVA Católica Incubadora de Empresas Tocantinenses Inovadoras da Católica do Tocantins Processo de Seleção de Novos Empreendimentos CHAMADA PÚBLICA 001/2015 Palmas, Setembro de 2015. A Faculdade

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI)

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI) Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos

Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos O Centro para a Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista- CECOMPI, na qualidade de entidade gestora do Programa

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

Desafios para implantação de Incubadora de Empresas no Amazonas

Desafios para implantação de Incubadora de Empresas no Amazonas Desafios para implantação de Incubadora de Empresas no Amazonas Experiência da Fucapi Incubadora de Tecnologia Euler G. M. de Souza Dimas J. Lasmar Agenda Incubação de Empresas Incubadoras no Amazonas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio:

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio: EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS Apoio: Recife, 2015 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. PUBLICO ALVO... 3 4. ATORES... 3 5. ESPAÇO FÍSICO... 4 6. SERVIÇOS OFERECIDOS...

Leia mais

Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores

Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores Oportunidade Criação da Empresa Ensino Spinoffs Pesquisa Laboratórios Startups Pré-Incubações Hotel de Projetos Incubação da Empresa Aceleradora

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Disseminar a cultura empreendedora e inovadora em Santa Maria Ações de disseminação da Cultura Empreendedora Ações de trabalho conjunto entre Universidades e Comunidade Divulgação do trabalho pelo CEI

Leia mais

EDITAL PARA CHAMAMENTO DE PROJETOS DE EMPREENDIMENTOS PARA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE EMPRESAS DE GUARULHOS

EDITAL PARA CHAMAMENTO DE PROJETOS DE EMPREENDIMENTOS PARA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE EMPRESAS DE GUARULHOS 1 EDITAL PARA CHAMAMENTO DE PROJETOS DE EMPREENDIMENTOS PARA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE EMPRESAS DE GUARULHOS EDITAL DE SELEÇÃO DAS EMPRESAS 02/2010 I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A Agência de Desenvolvimento

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014 INCUBADORA RINETEC Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC Edital 001 2014 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Este edital estabelece formas, condições e critérios para que a Associação

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito privado

REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito privado Autorização Legislativa - Lei nº 12.439 de 18 de outubro de 2007 Assembleia de Fundação em 14/12/2007 REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA EDITAL 04/2009 IDÉIA FLUXO CONTÍNUO INCUBADORA MULTI-SETORIAL DE BASE TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO Novembro de 2009. PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Incentivos fiscais para a manutenção. da competitividade das indústrias mineiras

Incentivos fiscais para a manutenção. da competitividade das indústrias mineiras Incentivos fiscais para a manutenção da competitividade das indústrias mineiras Histórico do APL Eletroeletrônico de Santa Rita do Sapucaí A pequena cidade de Santa Rita do Sapucaí, no sul de Minas Gerais,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB TERMO ADITIVO AO EDITAL nº 02/2013 PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS ALTERAÇÃO DE DATAS E FORMA DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Apoio: Brasília, 28 de agosto de 2013.

Leia mais

EDITAL Nº29-22/03/2013 DEDC SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS E PROJETOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET-MG NASCENTE EM LEOPOLDINA.

EDITAL Nº29-22/03/2013 DEDC SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS E PROJETOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET-MG NASCENTE EM LEOPOLDINA. EDITAL Nº29-22/03/2013 DEDC SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS E PROJETOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET-MG NASCENTE EM LEOPOLDINA. O DIRETOR-GERAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

Edição 2014 REGULAMENTO PROGRAMA DESENVOLVENDO TALENTOS 2014

Edição 2014 REGULAMENTO PROGRAMA DESENVOLVENDO TALENTOS 2014 REGULAMENTO PROGRAMA DESENVOLVENDO TALENTOS 2014 1- Das Disposições Preliminares Em Pato Branco, o NTI APL TI Sudoeste-PR é reconhecido e faz parte do SRI- Sistema Regional de Inovação. Ambos buscam disseminar

Leia mais

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Hospital de Clínicas de Porto Alegre Administração Central Responsável: Sérgio Carlos Eduardo

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Programa de Promoção da Economia Criativa Cooperação Samsung, Anprotec & CCEI

Programa de Promoção da Economia Criativa Cooperação Samsung, Anprotec & CCEI Programa de Promoção da Economia Criativa Cooperação Samsung, Anprotec & CCEI 14 de setembro 2015 CHAMADA NACIONAL PARA SELEÇÃO DE INCUBADORAS Resultado do acordo de cooperação firmado entre a SAMSUNG,

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO Objetivo: O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã - SP Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Processo Inmetro N.º 5681/02 EDITAL N.º 002/03

Processo Inmetro N.º 5681/02 EDITAL N.º 002/03 Processo Inmetro N.º 5681/02 EDITAL N.º 002/03 O Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro, através do Comitê do, instituído pela Portaria Inmetro n.º 092, de 25 de

Leia mais

Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos

Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos Autor: Katia Melissa Bonilla Alves 1 Co-autores: Ricardo Wargas 2 e Tomas Stroke 3 1 Mestre em Economia pela Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações?

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? SESI Empreendedorismo Social Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? REGULAMENTO SESI Empreendedorismo Social A inovação social é o ponto de partida para um novo modelo que atende

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO FEVEREIRO DE 2011 Telefones: (66) 3422 2461 / 6710 1 1. Apresentação da Incubadora de Empresas I-deia A Incubadora I-deia

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR 3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV 0DUoR $'0,1,675$d 2 Aprovação junto a CPPG da Resolução nº 01/2001 que dispõe sobre as atribuições da Comissão de Pós-Graduação

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO ABERTO EM 10/02/2012

FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO ABERTO EM 10/02/2012 FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO EDITAL DE SELEÇÃO SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS E PROJETOS PARA OS PROGRAMAS DE PRÉ-INCUBAÇÃO DE PROJETOS E PROGRAMA

Leia mais

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2011 PERFIL: Consultoria Técnica para o Programa de Apoio

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão de Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES Em atendimento à Decisão Normativa TCU no. 96 de 04/03/2009, especificamente quanto ao conteúdo expresso em seu Anexo II, letra A, item 16, cabe registrar as seguintes atividades:

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Edital Permanente Incubaero

Edital Permanente Incubaero Edital Permanente Incubaero A Incubaero torna pública a abertura permanente de inscrições para candidatos ao ingresso, como incubados, em seu quadro de empresas e ou de pré-projetos de base tecnológica.

Leia mais

Edital CECOMPI PI 005/2015 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos

Edital CECOMPI PI 005/2015 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos Edital CECOMPI PI 005/2015 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos O Centro para a Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista- CECOMPI, na qualidade de entidade gestora do Programa

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Inovação e Tecnológia na Gestão Pública Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Doutorado em Administração (UnB) Mestrado em Contabilidade e Controladoria (UFMG) Graduação em Ciências Contábeis

Leia mais

EDITAL - INCUBADORA BASE-MISTA CEET VASCO COUTINHO PROGRAMA DE PRÉ-INCUBAÇÃO DE EMPRESAS

EDITAL - INCUBADORA BASE-MISTA CEET VASCO COUTINHO PROGRAMA DE PRÉ-INCUBAÇÃO DE EMPRESAS EDITAL - INCUBADORA BASE-MISTA CEET VASCO COUTINHO PROGRAMA DE PRÉ-INCUBAÇÃO DE EMPRESAS O CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TÉCNICA VASCO COUTINHO convida pessoas físicas ou jurídicas a apresentarem propostas

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS FATEC JUNDIAÍ 2009

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS FATEC JUNDIAÍ 2009 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS FATEC JUNDIAÍ 2009 Apresentação: O curso de Especialização em Gestão Estratégica de Negócios será oferecido em nível de pós-graduação, pela Faculdade

Leia mais