INTEROPERABILIDADE MODELO DE PARA MUNICÍPIOS E ESTADO DE SÃO PAULO CASA CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTEROPERABILIDADE MODELO DE PARA MUNICÍPIOS E ESTADO DE SÃO PAULO CASA CIVIL"

Transcrição

1 MODELO DE INTEROPERABILIDADE PARA MUNICÍPIOS E ESTADO DE SÃO PAULO INTEGRANDO SISTEMAS COM COMPARTILHAMENTO, REÚSO E INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES CASA CIVIL

2

3 MODELO DE INTEROPERABILIDADE PARA MUNICÍPIOS E ESTADO DE SÃO PAULO INTEGRANDO SISTEMAS COM COMPARTILHAMENTO, REÚSO E INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES

4 Governo do Estado de São Paulo Alberto Goldman Secretaria de Gestão Pública Marcos Antonio Monteiro Casa Civil Luiz Antônio Marrey Corregedoria Geral da Administração Rubens Naman Rizek Júnior Secretaria de Economia e Planejamento Francisco Vidal Luna Fundação Prefeito Faria Lima - Cepam Nelson Hervey Costa Produção editorial Gerência de Comunicação e Marketing do Cepam Coordenação Adriana Caldas Editoração de Texto e Revisão Eva Célia Barbosa, Marcia Labres (estagiária), Silvia Regina F. Pedroso Galles e Simone Midori Ishihara (estagiária) Direção de Arte Jorge Monge Chefia de Arte Carlos Papai Assistente de Arte Janaína Alves C. da Silva Tiragem exemplares

5 CASA CIVIL MODELO DE INTEROPERABILIDADE PARA MUNICÍPIOS E ESTADO DE SÃO PAULO INTEGRANDO SISTEMAS COM COMPARTILHAMENTO, REúSO E INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES

6 Corregedoria Geral da Administração Fundação Prefeito Faria Lima Cepam Centro de Estudos e Pesquisas de Administração Municipal Coordenação Texto Redator Consultores Especialistas Lucia Uemura Sampaio, corregedora e gerente do projeto Antonio Celso Albuquerque Filho, gerente de Tecnologia da Informação e Comunicação do Cepam Patrícia Pessi, mestre, especialista em comunicação e sistematização de processos, corregedora Thiago de Christo Fernando Di Giorgi, Júlio Labronici, Márcio Ribeiro Cruz, Nicolau Reinhard, Norberto Torres, William Ferreira Peixoto Ficha Catalográfica elaborada pela Gerência de Informações do Cepam SÃO PAULO (Estado). Corregedoria Geral da Administração; FUNDAÇÃO PREFEITO FARIA LIMA CEPAM. Modelo de interoperabilidade para municípios e Estado de São Paulo: integrando sistemas com compartilhamento, reúso e intercâmbio de informações. São Paulo, p. Inclui glossário 1. Administração pública. 2. Sistema de informações gerenciais. I. Título: integrando sistemas com compartilhamento, reúso e intercâmbio de informações CDU: 35:

7 APRESENTAÇÃO A Secretaria de Gestão Pública, criada em dezembro de 2006, formula diretrizes e controla atividades que envolvem a aplicação das tecnologias de informação e comunicação no Estado para criar processos de trabalho desburocratizados, simples, integrados e inovadores, agregando agilidade e transparência às decisões e aos serviços oferecidos pelo governo. A Secretaria e a Corregedoria Geral da Administração disponibilizam, de forma complementar, informações de controle e melhoria da interoperabilidade entre os diversos sistemas no Estado. A integração dos processos dessa enorme organização gera a ampliação das competências para administrar e o aprofundamento do controle do Estado pela sociedade. E o conceito do modelo desenvolvido possibilita economia, com menos retrabalho nos processos de compras, diárias e convênios. Essa ação é fruto do papel desempenhado pela Secretaria de Gestão, que está focada em contribuir para a modernização, a eficácia e a eficiência da atuação governamental. Sob a perspectiva colaborativa, a atuação das equipes da Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo (Prodesp) e da Unidade de Tecnologia da Informação e Comunicação garantiu que os trabalhos fossem realizados com a maior transparência e celeridade possíveis. Da mesma forma, o comprometimento das equipes das Secretarias da Fazenda; de Economia e Planejamento; e da Educação foi um exemplo de parceria nessa ação. Faço um agradecimento especial à Casa Civil do Estado, por meio da Corregedoria Geral da Administração, e à Fundação Prefeito Faria Lima Cepam, por terem acreditado na Gestão Pública e participado com zelo e dedicação do desenvolvimento do Modelo de Interoperabilidade para Municípios e Estado de São Paulo. Marcos Monteiro Secretário de Gestão Pública

8

9 prefácio O governo do Estado de São Paulo tem se dedicado ao fortalecimento do controle interno mediante o emprego de mecanismos de controle preventivo. Percebeu-se a necessidade de integrar informações e sistemas, de tal modo que eventuais anomalias administrativas sejam detectadas de antemão, por meios eletrônicos, e sanadas antes de gerar qualquer prejuízo. Apresentado o diagnóstico para a Secretaria de Gestão Pública, seguiu-se a diretriz para que a Corregedoria Geral da Administração contribuísse com essa integração. Para cumpri-la, teve início, no ano de 2008, o Programa Governamental para Incremento do Controle Interno, que continha os projetos de ampliação, consolidação e integração dos sistemas de informações e de estabelecimento do sistema de auditoria eletrônica, aprovados no Plano Plurianual, conforme a Lei , de 8 de julho de Em consonância com os desafios estabelecidos, um esforço intergovernamental planejou o aperfeiçoamento dos sistemas gerenciais de tratamento de informações estatais, sob a ótica da integração e interoperabilidade. Todos os aspectos da gestão pública, inclusive a interface com os municípios na aplicação dos recursos do Estado, foram analisados, sobretudo os programas e projetos realizados de forma descentralizada. A Fundação Prefeito Faria Lima Cepam conduziu essa análise e, exaustivamente, percorreu o Estado em busca de caminhos possíveis para a integração. O Modelo de Interoperabilidade para Municípios e Estado de São Paulo representa importante avanço na direção da economicidade, eficiência e responsabilidade, em consonância com as diretrizes da Secretaria de Gestão Pública, norteadora das ações do projeto. O objetivo deste trabalho, portanto, é tornar o sistema de auditorias públicas mais eficaz e eficiente, com o emprego de tecnologias de inteligência artificial e o cruzamento dos vários bancos de dados já existentes nos diversos órgãos da Administração Pública. De forma ampliada, o modelo será aproveitado pela Secretaria de Gestão Pública em uma ação integradora ainda mais eficaz, que tornará os processos públicos eficientes e transparentes para a sociedade. O resultado demonstra que os esforços conjugados entre os entes públicos são essenciais para uma boa governança, colocando o Estado de São Paulo e seus municípios em um novo patamar de gestão. Rubens Naman Rizek Jr. Presidente da Corregedoria Geral da Administração Nelson Hervey Costa Presidente da Fundação Prefeito Faria Lima Cepam

10 sumário APRESENTAÇÃO prefácio INTRODUÇÃO Tecnologias da Informação e Comunicação em Governos 9 Interoperabilidade Um Marco Conceitual 10 Estratégias da CGA 11 Aplicação prática 12 PROJETO Ponto de Partida 17 Primeiras reflexões 17 O papel do Cepam 18 Consulta aos gestores 21 Gestão e economia 22 O MODELO Escopo do Modelo 25 Arquitetura flexível 26 PROJETO-PILOTO E PROTÓTIPOS Projeto-Piloto: Compras, Atas de Compras e Contratos 35 Integração PubNet/Sanções administrativas 37 O desenho dos conectores 37 Protótipo 1: Modelagem do Processo sobre BPMS 38 Protótipo 2: Modelagem de outros Processos Utilizando BRMS 38 Foco em Processos 29 Componentes modulares 29 Integração flexível 30 Diretrizes Institucionais 30

11 TECNOLOGIA Utilização da Base Tecnológica SOA 41 Benefícios 42 Orientação a serviços 45 Estrutura de um serviço 45 Processos e serviços 46 Web services 48 Aproveitamento de sistemas legados 51 O Ciclo do BPM 52 Desenho do processo 52 Implantação e monitoramento 52 A Camada de Interoperabilidade 55 CONCLUSÃO GLOSSÁRIO colaboração

12

13 introdução Tecnologias da Informação e Comunicação em Governos Governos municipais, estaduais e a Administração Pública federal convivem hoje com o desafio de inovar para construir uma gestão mais eficiente, e o uso de Tecnologias da Informação e da Comunicação (TICs) está no centro desse processo, que visa à economia e à melhoria da qualidade na relação com a sociedade. A exigência de fazer mais e melhor tem motivado a revisão dos modelos adotados para a implementação e o uso das TICs nas diferentes esferas e níveis da Administração Pública, visto que os governos interagem por meio de sistemas que têm se mostrado insuficientes para as atuais necessidades de gestão. Muitas vezes, são sistemas pontuais, com sobreposições e, por isso, inconsistentes; são verticais, atendendo a uma visão mais hierárquica de governo e menos processual. Também são incompletos e não abrangem alterações de processos. No aspecto tecnológico, são sistemas elaborados com base em uma visão monolítica, característica que tem sido uma das principais barreiras às inovações necessárias a novos modos de gestão. Ao longo dos últimos dez anos, porém, esses modelos tecnológicos vêm sendo revistos e melhorados; surgiram ideias de compartilhamento, intercâmbio de soluções e reúso de recursos tecnológicos que possibilitaram a criação de uma estrutura flexível, capaz de aproveitar melhor as informações dos diferentes sistemas e de se adaptar rapidamente às mudanças previstas para a Administração Pública. É a partir desse novo padrão tecnológico que novos serviços e informações de governo estão sendo disponibilizados para a sociedade e para os gestores públicos, fazendo com que ambos usufruam de uma dinâmica mais ágil e transparente, e mais eficiente. O sistema também contribui para reduzir o custo do Estado e seu impacto na competitividade e nos resultados macroeconômicos do País. Estudo realizado em 2005 pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) estimou que o uso de TICs no realinhamento dos serviços

14 MODELO DE INTEROPERABILIDADE PARA MUNICÍPIOS E ESTADO DE SÃO PAULO públicos traria, naquele ano, um ganho na eficiência correspondente a 1% do PIB (R$ 20 bilhões), economia obtida com a redução das despesas de custeio do Estado, de um lado, e da ausência de desperdício pelos usuários dos serviços, de outro. Os dados utilizados para o estudo consideraram informações sobre as despesas de custeio do orçamentogeral da União de 2004 e a economia de tempo e recursos estimada por cidadãos e empresas em resposta à pesquisa de opinião feita na mesma ocasião. O conceito de realinhamento utilizado nada mais é do que a inovação tecnológica promovendo a simplificação e melhoria dos processos governamentais. No Brasil e em muitos países, a interoperabilidade é o caminho lógico para a nova realidade. Não é tarefa simples, porém, implantá-la, pois os processos e sistemas envolvem muitos aspectos, entre os quais a interoperabilidade técnica (padrões de comunicação, transporte, armazenamento e representação de informações), a interoperabilidade semântica (significado das informações de diferentes origens), a interoperabilidade política/humana (as informações devem ser disseminadas), a interoperabilidade inter comunitária (relacionamento entre diferentes grupos de indivíduos), a interoperabilidade internacional (diferenças linguísticas, de normas e padrões) e a interoperabilidade organizacional (entidades que mantenham processos de cooperação). Na última década, surgiu um conjunto de iniciativas e tecnologias em diferentes lugares do mundo orientadas à interoperação de processos e sistemas. O governo federal brasileiro tem estabelecido parâmetros para a elaboração de padrões e componentes que permitam a comunicação e a troca de dados entre os sistemas. O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, por meio da SLTI, por exemplo, iniciou em 2003 a construção da arquitetura e-ping, que hoje é referência para um conjunto de instituições públicas e privadas em todo o País. Interoperabilidade Um Marco Conceitual Interoperabilidade é a capacidade de um processo interagir com outro, de forma transparente e com elementos de relacionamento independentes de cada um dos processos. Os componentes tecnológicos envolvidos possuem padrões abertos e os processos podem ser de qualquer natureza, operados por sistemas de informações ou não. Para a SLTI, interoperabilidade pode ser vista como uma cadeia de protocolos, padrões e especificações técnicas que envolve os fluxos de informação e os sistemas de computação dentro das organizações e entre elas, abrangendo a Administração Pública, as empresas e os cidadãos. Viabiliza a transferência de informações e de processos de trabalho entre sistemas e bancos de dados, por meio da aplicação das suas diretrizes e especificações, contemplando opções de tecnologia, redes, programas e equipamentos. 10

15 Corregedoria Geral da Administração Fundação Prefeito Faria Lima - Cepam Corresponde, então, a fazer os computadores, as redes e os programas das pessoas, governos e empresas se comunicarem, para acelerar processos entre sistemas diferentes quando estes precisam acessar informações contidas em bancos de dados. Na prática, quer dizer que disponibiliza informações precisas, no menor tempo possível, melhora o fluxo dos dados e elimina o retrabalho. Por meio da interoperabilidade, é possível oferecer serviços modernos mesmo em plataformas antigas, por causa da facilidade de conexão e interação de processos ou dados. Uma organização pode, com os mesmos recursos e padrões, conectar o orçamento com sua execução, com o controle integrado de projetos e contratos, e também com o controle financeiro e de pagamento. Ou seja, qualquer dado incluído nos diferentes sistemas será interpretado e computado em todos, fechando-se o ciclo, mesmo que nesse ciclo operem conjuntos de elementos de naturezas e construções diversas. Estratégias da CGA Em todo o processo de pesquisa e construção do Modelo aqui descrito, a CGA tem-se orientado por resolução conjunta da Casa Civil e da Procuradoria-Geral do Estado, de 9 de abril de De acordo com a resolução, a Corregedoria está incumbida de colher informações, analisar e propor medidas para o aperfeiçoamento dos sistemas gerenciais e de tratamento das informações da Administração Pública estadual. Nada mais natural para um órgão cuja vocação abrange a preservação de padrões de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência dos atos da Administração Pública direta e indireta (secretarias, autarquias, fundações instituídas e mantidas pelo Estado, e empresas em cujo capital o Estado tenha participação direta ou indireta). Ainda mais a partir de junho de 2009, com o Decreto , que lhe atribuiu o dever de propor medidas e coordenar projetos que visem à integração dos sistemas de informações, para fins de controle, aplicados à Administração estadual. Traduzido, para os agentes públicos e cidadãos, como melhora na eficiência e transparência da Administração Pública. DECRETO , de 8 de junho de 2009 Reorganizou a Corregedoria e estabelece no inciso VII do artigo 6 o a atribuição de propor medidas e coordenar projetos visando à integração de sistemas de informações, no âmbito da Administração Estadual, para fins de controle. 11

16 MODELO DE INTEROPERABILIDADE PARA MUNICÍPIOS E ESTADO DE SÃO PAULO Aplicação prática Para unificar, consolidar e ampliar os instrumentos de gestão existentes e aprimorar o controle e o fluxo de informações na Corregedoria, o Modelo desenvolvido atuará em áreas-chave. E os mesmos parâmetros podem ser aplicados em todas as esferas da Administração Pública estadual, inclusive na interligação a sistemas federais e municipais e adaptações futuras. Atualmente, por exemplo, os corregedores precisam buscar informações no sistema de cadastro, no sistema de compras, no sistema de registro de licitações, no sistema de publicações, entre outros, para rastrear determinada compra e agrupar as informações manualmente, em uma planilha eletrônica. Com o Modelo, será possível encontrar o registro de compra por meio de qualquer um dos sistemas, que se manterão íntegros, mas compartilharão e interpretarão a mesma informação, evitando retrabalho. No Modelo da CGA, os processos relevantes abrangem processos administrativos (disciplinares, de ressarcimento, sancionadores e de tratamento de irregularidades); utilizam referências para controle e fiscalização (listas de preços, fornecedores, acompanhamento de economia e estabelecimento de padrões para prazos e custos); o controle de pessoal (prontuário, admissões, contratados, controle de frequência e folha de pagamentos). Principalmente, foram levados em consideração o controle de contratos públicos, de aditivos, de serviços terceirizados e convênios, incluindo organizações sociais, a gestão de compras e licitações, por meio de pregão ou dispensa, e estrutura e produção de editais; o controle de pagamentos, de empenhos, dívida pública, adiantamentos/diárias e respectivas contabilizações; e o controle da aplicação de sanções administrativas. O exemplo de compras governamentais Os gestores de compras do governo do Estado de São Paulo acessam, hoje, distintos sistemas para iniciar e finalizar o processo de qualquer aquisição. Entre os principais estão a Bolsa Eletrônica de Compras (BEC), o Cadastro de Inadimplentes (Cadin), Cadastro de Pregões, Cadastro de Serviços Terceirizados (CadTerc), Cadastro Unificado de Fornecedores do Estado de São Paulo (Caufesp), Contrato de Serviços Terceirizados, e-negócios Públicos, Pregão Eletrônico, Pubnet, Sanções Administrativas, Sistema Integrado de Admnistração Financeira para Estados e Municípios (Siafem) e Sistema Integrado de Informações Físico-Financeiras (Siafísico). 12

17 Corregedoria Geral da Administração Fundação Prefeito Faria Lima - Cepam O protótipo do Modelo foi construído com o objetivo de demonstrar a interoperação desses sistemas e o acesso a eles a partir de interface única. Por essa interface, na fase inicial, o gestor preenche a requisição de compras e consulta o Siafísico, sistema em que estão registrados os itens que o Estado pode comprar. No módulo seguinte, é possível pesquisar preços na BEC, em sites conveniados e outras fontes. Depois, a compra é incorporada ao Sistema de Protocolo do Estado (SPDOC). A elaboração do edital também está integrada, assim como os demais passos, até o pagamento. Nas demais etapas, a mesma interface possibilita a interação com o Siafem para reserva de recurso e pagamento, bem como com a BEC, no momento da publicação do pregão. Na última etapa, os resultados são publicados com o Pubnet. O exemplo descrito está contido, em formato de protótipo, no CD-ROM anexo a esta publicação. 13

18

19 PROJETO Ponto de Partida Primeiras reflexões O papel do Cepam Consulta aos gestores Gestão e economia

20

21 PROJETO Estados e municípios convivem há muito tempo com a procura de sistemas integrados que melhorem a qualidade do atendimento ao público e que forneçam as informações estratégicas necessárias para o planejamento de suas atividades. O Modelo aqui proposto aponta um caminho. Ponto de Partida Desenvolver um novo sistema ou integrar sistemas que viabilizem uma gestão integrada e também o controle interno e externo dos governos implica investimentos consideráveis e o aproveitamento dos dados registrados nos sistemas atuais. Existem muitas opções a serem feitas diante deste objetivo, e investir na interoperabilidade como alternativa à integração de sistemas tem-se consolidado como uma alternativa para os governos brasileiros. A citada criação do e-ping, foi um marco, e depois dele muitos municípios e Estados têm simplificado sistemas e serviços de acordo com essa filosofia. Manter os sistemas atuais das diversas secretarias, que possuem estabilidade e grande quantidade de dados e, por isto, inviabilizam economicamente a troca por outros, já não é uma necessidade. Uma opção como esta certamente pode esbarrar em modificações futuras. Ao longo do tempo, modificações criariam novas fronteiras específicas, e permaneceria a dificuldade de interagir com outros níveis de governo. Criar um novo sistema único, que substitua todos os demais, também não é necessário, se considerado o paradigma da interoperabilidade. A partir dele, é possível aproveitar os dados, sistemas, informações e os registros já existentes. Primeiras reflexões Os gestores envolvidos na construção deste Modelo fizeram esta reflexão, incluindo todas as instituições e pessoas consideradas essenciais para a sua implantação.

22 MODELO DE INTEROPERABILIDADE PARA MUNICÍPIOS E ESTADO DE SÃO PAULO Do ponto de vista técnico, era preciso consultar especialistas que comprovassem a necessidade de mudança. A Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo (Prodesp) e a Unidade de Tecnologia da Informação e Comunicação (Utic), da Secretaria de Gestão, foram acionadas, por serem os órgãos públicos responsáveis pelas diretrizes e pela criação de padrões e sistemas de interesse da CGA. No primeiro momento, inventariar os sistemas configurava-se como o mais importante, uma vez que cada um deles era desconhecido em suas particularidades. Com o apoio da secretaria, o projeto de interoperabilidade foi apresentado em reunião do Grupo Técnico de Tecnologia da Informação, em 2007, e as informações sobre os sistemas começaram a ser colhidas. No mesmo ano, um seminário com os principais técnicos do Estado discutiu a integração e os próximos passos a serem seguidos. Percebeu-se que o processo de informatização estadual havia criado sistemas que resolviam problemas imediatos, com as tecnologias disponíveis na época, mas não atendiam às demandas presentes e às adaptações futuras. O desafio transformou-se em fazer convergirem esses sistemas pontuais, sem eliminar as diferenças entre eles; coordenar esforços para que o máximo do que já havia sido implantado fosse aproveitado. Assim, a CGA projetou o Programa Governamental para Incremento do Controle Interno e acrescentou instrumentos ao Plano Plurianual para viabilizar a sua construção. Em vez da criação de um novo sistema, a aposta do programa consistia no uso de arquiteturas baseadas no compartilhamento de informações e dados com a utilização de componentes comuns, que promovessem a comunicação entre diferentes áreas e governos por meio de um padrão para a troca de dados. O programa de implantação previa, como diretrizes básicas, a ampliação, consolidação e integração dos sistemas de informações, bem como o desenvolvimento um de sistema de auditoria eletrônica. O papel do Cepam Em 2008, as informações levantadas em órgãos públicos, ao longo do tempo, foram consolidadas, o que gerou um edital para contratação do desenvolvimento de um modelo para integrar os sistemas centrais de controle público do Estado, e destes com os sistemas municipais. Em dezembro do mesmo ano, o processo resultou na contratação da Fundação Prefeito Faria Lima Cepam para operacionalizar o projeto. A partir de 2009, dezenas de técnicos e consultores foram colocados à disposição do projeto, seis em dedicação integral. Isso não seria possível sem a parceria com a Fundação para o Desenvolvimento 18

23 Corregedoria Geral da Administração Fundação Prefeito Faria Lima - Cepam da Engenharia (FDTE), especialista na realização de projetos desta monta há 35 anos. A Fundação foi responsável, entre outros projetos, pela criação do primeiro computador brasileiro. Com o corpo técnico completo, a pesquisa aprofundada dos sistemas estadual e municipais e sobre a interligação entre eles teve início. Além dos sistemas estaduais, avaliou-se o nível de interoperabilidade em 14 municípios. Nos quase 10 mil quilômetros de jornada entre prefeituras e órgãos públicos municipais e estaduais, os consultores analisaram sistemas; participaram de reuniões técnicas e debateram sobre as melhores formas de integração. Epopeia Integrativa A equipe empreendeu, durante o ano de 2009, 12 mil horas de trabalho. Analisou, além dos sistemas estaduais, os sistemas de 14 municípios, percorrendo quilômetros no Estado. Realizou 120 reuniões técnicas, analisou os sistemas de sete secretarias e da Casa Civil, reuniu-se com a Prodesp, a Imprensa Oficial, o Itesp, a Fundap, a Seade e com o comando da Polícia Militar para debater a integração. Fundação Prefeito Faria Lima Cepam O Centro de Estudos e Pesquisas de Administração Municipal (Cepam) foi criado em 1967 com a missão de melhorar a gestão e auxiliar juridicamente os municípios, especialmente os pertencentes ao Estado de São Paulo. Em 1976, em homenagem ao ex-prefeito José Vicente Faria Lima, o órgão passou a se chamar Fundação Prefeito Faria Lima. Nos últimos três anos, passou a facilitar as ações dos governos federal e estadual com os municípios paulistas na implantação de políticas públicas. Suas ações, hoje, são pautadas pela utilização de novas tecnologias de informação e comunicação, como na criação da Célula de Inovação do Município Rede CIM, demonstrando que as ferramentas de Web 2.0 podem ser aplicadas com sucesso no Estado e em municípios de qualquer porte, para melhoria da gestão. 19

24 MODELO DE INTEROPERABILIDADE PARA MUNICÍPIOS E ESTADO DE SÃO PAULO Os 30 sistemas O levantamento realizado para orientar o desenho do Modelo de Interoperabilidade a ser criado constatou a existência de 30 diferentes sistemas, com distintos níveis de maturidade e complexidade, todos utilizados atualmente para a execução eletrônica dos processos. Aos gestores de compras, diárias e convênios, e suas respectivas áreas de controle, a realidade impõe dificuldades para a execução satisfatória das atividades. É difícil atestar a veracidade das informações em bases sobrepostas ou paralelas. E o retrabalho inerente ao processo de inserção de dados em diversas bases impõe custos desnecessários. O Cepam analisou os seguintes sistemas estaduais: Bolsa Eletrônica de Compras (BEC); Cadastro de alunos; Cadastro de Municípios; Cadastro de Pregões; Cadastro de Regularidade de Municípios; Cadastro de Inadimplentes (Cadin); Cadastro de Serviços Terceirizados (CadTerc); Cadastro de Fornecedores do Estado (Caufesp); Contrato de Serviços Terceirizados; Controle de Diárias; e-negócios Públicos; Folha de Pagamento do Estado; GuiaRH; Matrícula Informatizada; Portal de Convênios; Plano Plurianual do Estado (PPA); Pregão Eletrônico; 20

25 Corregedoria Geral da Administração Fundação Prefeito Faria Lima - Cepam Pubnet; Sistema de Apoio à Administração Pública (Saap) Pregão Presencial; Sanções Administrativas; Sistemas de Almoxarifado (SCeW); Sistema de Gestão de Licitações (SGL); Sistemas de Patrimônio (SGPI); Sistema Integrado de Administração Financeira para Estados e Municípios (Siafem); Sistema Integrado de Informações Físico-Financeiras (Siafísico); Sistema Integrado de Gestão de Frotas (Sigef); Sistema de Informações Gerenciais da Execução Orçamentária (Sigeo); Sistema de Controle de Atas (Siscoa); Sistema Integrado de Gestão de Convênios; Protocolo Único do Estado (SPDoc). Consulta aos gestores Em complemento, um questionário on-line foi respondido por gestores de todos os órgãos pesquisados. Era importante saber o que pensavam sobre interoperabilidade e se consideravam o trabalho útil. Os dados da pesquisa, realizada com municípios do Estado de São Paulo, no segundo semestre de 2009, relacionaram a utilização de sistemas estaduais na execução de quatro tipos de processos: compras, convênios, diárias e gestão. O processo de compras obteve o maior índice de uso de sistemas nas atividades. Entre os sistemas utilizados, uma média de 50% dos entrevistados responderam que usam a BEC, o Cadastro de Inadimplentes, Cadastro de Pregões, CadTerc, Caufesp, Contrato de Serviços Terceirizados, e-negócios Públicos, Pregão Eletrônico, Pubnet, Sanções Administrativas, Siafem e Siafísico. Os sistemas relacionados a diárias (Controle de Diárias) e convênios (Portal de Convênios) foram mencionados como não utilizados em nenhum dos quatro processos listados. O Controle de Diárias não é utilizado por 69,27% dos pesquisados e o Portal de Convênios, por 69,68%. 21

26 MODELO DE INTEROPERABILIDADE PARA MUNICÍPIOS E ESTADO DE SÃO PAULO Para esmiuçar o tema, dois encontros com prefeitos foram realizados e um seminário aberto contou com a participação de diversos Estados e municípios brasileiros. A equipe do projeto também realizou entrevistas e fez visitas para conhecer os sistemas do Estado de Minas Gerais e do governo federal, principalmente para entender as possibilidades de conexão com a base do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), da Previdência; do Cadastro de Pessoa Física (CPF); do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ); de sistemas de regularidade fiscal com a União e de sanções federais. Para a CGA, o trabalho foi fruto de enorme esforço intergovernamental que planejou o aperfeiçoamento de sistemas gerenciais de tratamento das informações estatais, sob a ótica da integração e interoperabilidade, de modo a abranger todos os aspectos da gestão pública, inclusive a interface com os municípios, na aplicação de recursos do Estado, sobretudo nos programas e projetos de realização descentralizada. Esse esforço convenceu outros entes da federação. O governo do Acre, por exemplo, se interessou em implantar o mesmo Modelo desenvolvido para o Estado de São Paulo. O principal resultado de todo o esforço consolidou-se na elaboração do Modelo ora apresentado. Para guiá-lo, foi desenvolvido um projeto-piloto, cujo objetivo é demonstrar a eficiência e a economia geradas por uma visão governamental baseada em processos. Gestão e economia A constatação mais clara observada nos dados colhidos por todo o Estado de São Paulo é de que os sistemas estaduais e municipais possuem bases de dados detalhadas, mas essas bases não se relacionam entre si. Os sistemas são pulverizados, o que inviabiliza que a informação seja tratada de forma agrupada para melhor interpretação. Além disso, não prevêem relações de causa e efeito, dificultando a atuação preventiva. Em outros casos, a falta de integração dificulta a gestão e a mensuração de economia e eficiência em todo o processo. Em decorrência da multiplicidade desses sistemas, as rotinas de controle dependem da disponibilidade dos gestores em prestar as informações. Muitas vezes, a falta de resposta se dá em decorrência do desconhecimento da natureza do processo de controle e seus benefícios para a administração. É necessário, para viabilizar uma iniciativa tão abrangente, convencer os gestores de tecnologia do Estado e dos municípios. Uma solução tecnológica, por si só, não transformará a interoperabilidade em uma prioridade. É importante aderir ao moderno no que diz respeito à gestão das informações. Um modelo baseado em processos aproveita e recicla boa parte do que já foi desenvolvido localmente, com vantagens claras tanto para a Administração Pública quanto para o cidadão. 22

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados. Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira

Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados. Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira Agenda A trajetória da Gestão de Processos no Governo de Minas A trajetória

Leia mais

RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO

RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO Prefeitura Municipal de Vitória Controladoria Geral do Município RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO Nome da Iniciativa ou Projeto Portal de Transparência Vitória Caracterização da situação anterior O Portal

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Seção I - INFORMAÇÕES SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL

Seção I - INFORMAÇÕES SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL Seção I - INFORMAÇÕES SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL O Projeto Sistema Integrado de Gestão Governamental se constitui no desenvolvimento de uma solução sistêmica própria, a ser construída

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Março COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CGTIC 2 ÍNDICE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 3 Apresentação...

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Coordenadoria de Tecnologia da Informação. Documentos Formais. Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR

Coordenadoria de Tecnologia da Informação. Documentos Formais. Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR NOV/2011 1 Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas de Governança de Auditoria Interna de TI...

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania A União dos Vereadores do Estado de São Paulo UVESP, desde 1977 (há 38 anos) promove parceria com o Poder Legislativo para torná-lo cada vez mais forte, através de várias ações de capacitação e auxílio

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO Nº. 001/2014 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA NO MUNICÍPIO DE BREJETUBA-ES. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 06/05/2014 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto Municipal

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal SPED Contábil e Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal SPED. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DO GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DO GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DO GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Dayan Giubertti Margon Julia Sasso Aliguieri

Leia mais

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Insight completo sobre IDG/Oracle Relatório de pesquisa de SOA Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Alinhamento

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 15/05/2013-15:50:44 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1.

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

O Banco do Nordeste do Brasil S.A. deseja conhecer as opções de solução fiscal e de gestão tributária existentes no mercado.

O Banco do Nordeste do Brasil S.A. deseja conhecer as opções de solução fiscal e de gestão tributária existentes no mercado. O., situado à Avenida Pedro Ramalho, 5700, Bairro Passaré Fortaleza-CE, através do Projeto Estratégico Sistema Integrado de Gestão Empresarial Aquisição e Implantação de ERP (Enterprise Resources Planning)

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação

Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação março 2010 Política Integrada de Tecnologia da Informação, Automação e Telecomunicação Política Integrada da Tecnologia da

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Integração e Desenvolvimento de Sistemas de Informação

Integração e Desenvolvimento de Sistemas de Informação Integração e Desenvolvimento de Sistemas de Informação Clique para editar o estilo do subtítulo mestre José Romildo Brasília, 1o de junho de 2011 GTSIS - maio-2011 dificuldades: reflexões ações não combinadas

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP SERVIÇOS DE CONSULTORIA EIXO TEMÁCO: GOVERNANÇA DE Implantação de Metodologia de Elaborar e implantar uma metodologia de gerenciamento de projetos no órgão solicitante, com a finalidade de inserir as melhores

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Art. 1º Aprovar a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro.

Art. 1º Aprovar a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro. PORTARIA Nº 002-EME, DE 17 DE JANEIRO DE 2012. Aprova a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro. O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO,

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais