INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2015"

Transcrição

1 DATA: 10/06/2015 FL.: 1/20 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2015 CLIENTE Nome Departamento Data Visto Aprovado Aprovado sem Comentários Aprovado com Comentários Não Aprovado

2 DATA: 10/06/2015 FL.: 2/20 Controle de Revisão do Documento Revisão Revisão Revisão Folha Folha Folha 1 X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X Tipo de Revisão Revisão Propósito Elaborado Verificado Aprovado Data Situação do Documento 00 PI MAY MRR CGM 10/06/2015 APROVADO Finalidades Propósito da Emissão Situação do Documento PO - PARA CONHECIMENTO LEVANTAMENTO DE CAMPO PI - PARA INFORMAÇÃO ESTUDO PRELIMINAR PA - PARA APROVAÇÃO EMISSÃO INICIAL PM - PARA COMENTÁRIOS REVISÃO GERAL PF - PARA FABRICAÇÃO REVISADO CONFORME COMENTÁRIOS CLIENTE PC - PARA CONSTRUÇÃO APROVADO PT - PARA COTAÇÃO APROVADO COM COMENTÁRIOS PP - PARA COMPRA AS BUILT PN - PARA CANCELAMENTO CANCELADO As informações contidas neste documento são de propriedade da PROGEN não devendo ser utilizadas para outras finalidades senão aquelas estabelecidas contratualmente.

3 DATA: 10/06/2015 FL.: 3/20 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA VANTAGENS DE REALIZAR O INVENTÁRIO A PROGEN OBJETIVO DIRETRIZES DO INVENTÁRIO DE GASES DO EFEITO ESTUFA METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO DEFINIÇÃO DO ANO BASE DEFINIÇÃO DOS LIMITES ORGANIZACIONAL E OPERACIONAL IDENTIFICAÇÃO DAS FONTES DE EMISSÃO NA PROGEN COLETA DE DADOS E CÁLCULO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA ESCOPO ESCOPO ESCOPO EMISSÕES DO PRODUTO NÍVEL DE INCERTEZA CÁLCULO DAS EMISSÕES CÁLCULO DAS EMISSÕES DO PRODUTO RESULTADO E DISCUSSÃO EMISSÕES EVOLUÇÃO DA CONTABILIZAÇÃO DE GASES DO EFEITO ESTUFA PELA PROGEN PROPOSIÇÃO DE MEDIDAS DE REDUÇÃO... 20

4 DATA: 10/06/2015 FL.: 4/ INTRODUÇÃO O Efeito Estufa é um mecanismo natural que mantém a temperatura do planeta propícia para a vida. Este mecanismo é regulado pela quantidade de alguns gases dispersos na atmosfera, conhecidos como Gases do Efeito Estufa (GEE). Estes gases possuem a capacidade de reter a radiação solar na Terra, porém, quando a quantidade de GEE aumenta significativamente na atmosfera, maior será a quantidade de radiação solar retida na Terra, com consequente aumento da temperatura, fenômeno conhecido como aquecimento global. O aquecimento global é resultado do lançamento excessivo de GEE, sobretudo o dióxido de carbono (CO 2 ), na atmosfera. Esses gases formam uma espécie de camada, cada dia mais espesso, que torna o planeta cada vez mais quente. Algumas consequências do aquecimento global já podem ser observadas, como o aumento da intensidade de eventos extremos climáticos, do nível do mar e da temperatura média do planeta, por isso ações efetivas contra as mudanças climáticas são fundamentais para a manutenção da qualidade de vida humana. Nesse contexto, a Progen, tornando público e transparente o seu compromisso em construir uma sociedade mais sustentável, realiza, desde 2011, o Inventário de Emissões de Gases do Efeito Estufa (GEE) da organização. O Inventário de Emissões de GEE permite à organização uma auto-avaliação das suas emissões e demonstra a preocupação e engajamento da Progen com relação às mudanças climáticas. Com a elaboração anual do Inventário de Emissões de GEE a empresa acompanha seu perfil de emissão e identifica a abrangência dos impactos causados ao meio ambiente devido às suas atividades, possibilitando subsidiar ações de desenvolvimento de programas de redução de emissões e a elaboração de projetos específicos que melhor se adequem à realidade da empresa, minimizando assim, os impactos ambientais gerados. O conhecimento gerado, desde 2011, a partir do perfil das emissões fornecido pelo Inventário, permitiu a tomada de decisão por parte da alta direção da Progen nas estratégias, planos e metas da empresa, possibilitando a execução de ações como, por exemplo, a mudança de combustível da frota de São Paulo de gasolina para álcool e a inserção da emissão de gases de efeito estufa como impacto significativo no levantamento de aspectos e impactos ambientais INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA O Inventário consiste na contabilização das emissões de todos os gases do efeito estufa GEE, determinados pelo Protocolo de Kyoto, sendo eles: o dióxido de carbono (CO 2 ); Óxido nitroso (N 2 O), Hexafluoreto de enxofre (SF 6 ), Hidrofluorcarbonos (HFCs), Perfluorcarbonos (PFCs). A ferramenta utilizada para a confecção deste inventário foi a versão nacional da ferramenta desenvolvida pelo The Greenhouse Gas Protocol A Corporate Accounting and Reporting Standard (O Protocolo de Gases de Efeito Estufa Um Padrão Corporativo de Contabilização e Reporte), ou simplesmente GHG Protocol, que é compatível com as normas ISO e as metodologias de quantificação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC). Além disso, a ferramenta GHG Protocol é a mais utilizada no mundo pelas empresas e governos para entender, quantificar e gerenciar suas emissões. A aplicação do programa no Brasil, a partir do início do Programa Brasileiro GHG Protocol, em 2008, acontece de modo adaptado ao contexto nacional. Além disso, as informações geradas podem ser aplicadas aos relatórios e questionários de iniciativas como Carbon Disclosure Project (CDP), Índice Bovespa de Sustentabilidade Empresarial (ISE) e Global Reporting Initiative (GRI).

5 DATA: 10/06/2015 FL.: 5/ VANTAGENS DE REALIZAR O INVENTÁRIO A realização do Inventário de Emissões de GEE permite à Progen algumas vantagens como: Implantação de ações mais sustentáveis; Melhoria da eficiência da empresa; Vantagens competitivas; Valorização da imagem institucional; Melhoria na relação com os públicos de interesse como financiadores e consumidores; Identificação de oportunidades para reduzir as emissões de GEE; Registrar suas emissões históricas no banco de dados do registro e avaliar a evolução dos processos e metas implantados A PROGEN Desde sua fundação, em 1987, a Progen é uma companhia brasileira de engenharia consultiva que atua em toda a cadeia de fornecimento de serviços, suprindo as demandas do mercado nacional e internacional, de forma eficaz e eficiente, comprometida com o cliente, a qualidade e a inovação. Tal perfil de atuação inclui a elaboração de projetos nas áreas de metalurgia, mecânica, siderurgia, petroquímica, arquitetura e urbanismo, transporte, papel e celulose, alimentos, entre outros, que possibilita que todas as etapas dos projetos desenvolvidos sejam cumpridas com fidelidade ao escopo, prazos e custos. A Progen se tornou uma referência entre empresas multissetoriais de engenharia e design industrial devido à prestação de serviços de engenharia, desde as etapas conceituais às executivas, incluindo gerenciamento na implantação de projetos. A empresa possui um Sistema de Gestão Integrado - SGI estruturado garantindo à empresa o atendimento às normas NBR ISO 9.001:2008, NBR ISO :2004 e OHSAS :2007. Dessa forma, na sua Política, a Progen se compromete a, entre outros itens, determinar os aspectos e impactos ambientais significativos envolvidos em seus processos, instalações e nos serviços executados, adotando ações a fim de prevenir a poluição do meio ambiente. Assim, após identificar os aspectos e impactos ambientais da organização, a Progen controla os impactos ambientais significativos e, entre eles, está a emissão de Gases do Efeito Estufa. Dessa forma, a Progen controla, por exemplo, a quantidade de GEE emitido pelos carros da frota e a quantidade mensal de energia elétrica consumida pelos escritórios. As atividades de meio ambiente da Progen são realizadas pelo departamento de QMA (Qualidade, Segurança e Meio Ambiente), dessa forma, o departamento de QMA é responsável pela contabilização anual das emissões gases do efeito estufa da organização e por propor medidas de redução e controle das emissões para decisão da alta direção.

6 DATA: 10/06/2015 FL.: 6/ OBJETIVO Este relatório apresenta resultados do Inventário de Emissões de Gases do Efeito Estufa referente ao ano de 2014, com o objetivo de mensurar as emissões de GEE da organização e propor medidas de redução e controle das emissões. 3 - DIRETRIZES DO INVENTÁRIO DE GASES DO EFEITO ESTUFA O presente inventário foi elaborado em conformidade com os cinco princípios de contabilização de gases do efeito estufa - relevância, integridade, consistência, precisão e transparência - apresentados no GHG Protocol Corporate Standard e na norma ABNT NBR ISO : A relevância se traduz por meio da apresentação de informações úteis internas e externas à organização que poderão ser utilizadas para tomada de decisões futuras. Como no caso, da seleção adequada do limite do inventário que levou em consideração as características da organização, o propósito da informação e as necessidades dos usuários, ou seja, a relevância se traduz em seleção adequada das fontes de emissão de GEE pela empresa. A integridade envolve o registro e a comunicação das fontes e atividades de emissão de GEE dentro dos limites do inventário. É a inclusão de todas as fontes de emissão pertinentes. No caso da consistência, que implica na aplicação consistente de abordagens de contabilização e metodologia de cálculo para a geração de dados de emissões de GEE. Neste Inventário de GEE utilizouse a ferramenta internacionalmente reconhecida do GHG Protocol Brasil, a qual assegura a integridade das informações do inventário, permitindo a identificação de tendências e a avaliação do desempenho da organização ao longo do tempo. A precisão do processo foi garantida através da quantificação dos dados de forma a minimizar incertezas e aprimorar o nível de credibilidade e transparência. O princípio da transparência foi utilizado através da descrição de forma clara, factual, neutra e compreensível, das premissas e limitações do inventário de GEE utilizando-se de documentos e arquivos consistentes. As informações foram registradas, compiladas e analisadas de maneira que revisores internos e auditores externos consigam atestar sua credibilidade. A aplicação dos princípios descritos assegura que o inventário de GEE representa, de maneira coerente e transparente, todas as emissões de GEE da organização. 4 - METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO A contabilização das emissões de GEE do inventário de 2014 da Progen foi realizada através da ferramenta do Programa Brasileiro GHG Protocol. Esta ferramenta, a partir dos dados pertinentes para cada escopo, calcula as emissões de todos os gases de efeito estufa regulados pelo Protocolo de Kyoto (CO 2, N 2 O, SF 6, HFCs, PFCs). Tal metodologia é aplicada seguindo as fases descritas abaixo: 1. Definição do ano base: Ano a ser utilizado para desenvolvimento de metas e comparação para contabilizações futuras. No caso deste inventário, o ano base utilizado é 2011.

7 DATA: 10/06/2015 FL.: 7/20 2. Definição dos limites: Estabelecimento de fronteiras para a contabilização das emissões de GEE, por meio da definição geográfica, para levantamento dos limites organizacionais e operacionais, e da definição dos escopos para abrangência das emissões diretas e indiretas. 3. Identificação das fontes de emissão de GEE: Fontes de emissão de GEE são todas as unidades físicas ou processos que emitem GEE para a atmosfera (NBR ISO : 2007). No caso da Progen, a identificação das fontes de emissão de GEE, no inventário do ano-base, foram mapeadas por meio da aplicação de questionários e verificação. Para o presente inventário, as fontes de emissão foram reavaliadas em função do levantamento de aspectos e impactos ambientais da Progen, e, como não houve alteração das atividades da empresa, as fontes de emissão de GEE se mantiveram as mesmas dos inventários anteriores. 4. Seleção de uma abordagem de cálculo e metodologia: Definida em função da complexidade envolvida para aquisição de dados e posterior contabilização das emissões. No caso da Progen, considerando-se as fontes de emissões de GEE identificadas e os dados disponíveis para contabilização, foi definido que a metodologia do Programa Brasileiro GHG Protocol iria suprir de forma eficiente e simplificada os objetivos propostos. 5. Coleta de dados: A coleta de dados foi realizada por meio de levantamento de documentos das unidades Progen para posterior tabulação dos dados adquiridos. OBS: O fator de emissão é o valor utilizado para determinar a quantidade emitida por uma dada fonte em função de algum parâmetro da mesma. A identificação dos fatores de emissão para diferentes GEE permite uma equiparação entre a relevância de cada gás emitido frente a cada uma das fontes de emissão levantadas. 6. Aplicação da ferramenta de cálculo e contabilização das emissões de GEE: Os dados previamente organizados são inseridos na ferramenta de cálculo do Programa Brasileiro GHG Protocol, que calcula os valores absolutos de CO 2 equivalente (CO 2 e) emitidos pela empresa ao realizar a conversão dos dados de entrada por meio da multiplicação destes pelos fatores de emissão correspondentes. Esta conversão se dá por meio do potencial de aquecimento global (PAG) de cada GEE, medida que simplifica o quanto um determinado tipo de GEE contribui para o aquecimento global em relação à quantidade necessária de CO 2 que causa um impacto similar. 7. Cálculo das emissões do produto: para a aplicação da ferramenta foi utilizada a metodologia do GHG Protocol Life Cycle Star para definição dos limites do ciclo de vida do produto Progen e respectivo cálculo da quantidade de carbono emitida por hora trabalhada nos projetos de engenharia. Para realização dos cálculos foram utilizados os valores absolutos de CO 2 equivalente obtidos pela aplicação da ferramenta do GHG Protocol e o levantamento geral de horas trabalhadas em projetos no ano de 2014, obtendo-se resultados em CO 2 equivalente/hora Trabalhada DEFINIÇÃO DO ANO BASE O ano-base é o período histórico especificado para o propósito das comparações das remoções e emissões de GEE, além de outras informações relacionadas, durante o tempo. No caso da Progen, o ano-base para o monitoramento do desempenho da organização ao longo do tempo em relação às mudanças do clima é 2011, ano que ocorreu a primeira contabilização de dados da organização.

8 DATA: 10/06/2015 FL.: 8/ DEFINIÇÃO DOS LIMITES ORGANIZACIONAL E OPERACIONAL Foram definidos dois limites do inventário de GEE: o organizacional e o operacional. O limite organizacional, para efeito de contabilização de GEE, depende da estrutura da empresa e do relacionamento das partes envolvidas. No caso da Progen, para consolidação de tais limites utilizou-se uma abordagem de controle operacional. Ou seja, está incluso no inventário 100% das emissões de fontes que estejam sob o controle operacional do departamento da empresa e que tenham suporte dos departamentos Administrativo e QMA para coleta de dados. No Quadro 01 a seguir estão listadas todas as entidades legais que a organização possui controle operacional. Quadro 1: Descrição das entidades legais da organização. Empresas do Grupo Progen Matriz Largo do Arouche, São Paulo (SP) Escritório Planway Engenharia e Consultoria (SP) Escritório Bernardo Guimarães, Belo Horizonte (MG) Escritório Contorno, Belo Horizonte (MG) Escritório São Luis (MA) Escritório R. Peotta, Rio de Janeiro (RJ) Escritório Vitória (ES) Controle operacional da equiipe de meio ambiente de QMA Sim Não Sim Sim Sim Não Não No ano-base (2011) para a realização do inventário, foram contabilizadas somente as emissões referentes à matriz, Largo do Arouche, localizada em São Paulo. Já no ano relatório de 2012, houve um aumento do escopo em relação ao primeiro inventário de 2011, com a contabilização da matriz e dos escritórios de Belo Horizonte - Contorno e Bernardo Guimarães. Em 2013, acrescentou-se a contabilização das emissões da unidade de São Luis. No presente relatório, referente às emissões de 2014, a abrangência foi a mesma que do relatório de 2013 (Escritórios de São Paulo, Belo Horizonte e São Luis) acrescentada de todas as viagens a negócio realizadas pela companhia. Neste sentido, o intuito ao longo dos próximos inventários é contabilizar as emissões referentes a todo o limite organizacional proposto. Após a determinação dos limites organizacionais, foram estabelecidos os limites operacionais, que envolvem a identificação das fontes de emissões associadas com suas operações. Com a finalidade de auxiliar as empresas na definição de seus limites operacionais, o GHG Protocol introduziu o conceito de escopo ( scope ). Os escopos definidos são diferenciados em 3 categorias, separadas em emissões diretas e emissões indiretas. Exemplos dessas fontes estão ilustrados na Figura 1 a seguir.

9 DATA: 10/06/2015 FL.: 9/20 Figura 1: Fontes diretas e indiretas de emissão de GEE. ESCOPO 01 Compreende as emissões diretas de GEE da organização, aquelas que tem origem em fontes que pertencem ou sejam controladas pela empresa dentro dos limites definidos. As emissões do escopo 01 delimitadas pelo GHG Protocol incluem: Combustão Estacionária Direta; Combustão Móvel Direta; Emissões Fugitivas; Processos Industriais; Atividades Agrícolas; Resíduos Sólidos; Efluentes. ESCOPO 2 Compreende as emissões indiretas de GEE relacionadas à aquisição externa de energia. As emissões do escopo 02 delimitadas pelo GHG Protocol incluem: Compra de energia elétrica do SIN Compra de vapor. ESCOPO 3 Compreende as emissões indiretas de GEE por outras fontes, ou seja, emissões que ocorrem em função das atividades da organização, mas que têm origem em fontes não pertencentes ou não controladas pela mesma. As emissões do escopo 03 delimitadas pelo GHG Protocol incluem: Transporte e distribuição (upstream); Resíduos sólidos gerados na operação; Efluentes gerados na operação; Viagens à negócio; Transporte e distribuição (downstream).

10 DATA: 10/06/2015 FL.: 10/ IDENTIFICAÇÃO DAS FONTES DE EMISSÃO NA PROGEN Para contabilização do escopo 1, que abrange as emissões diretas de GEE, foram utilizados dados referentes à emissões provenientes de combustão móvel direta (veículos pertencentes à frota operacional da empresa, composta por automóveis) e emissões fugitivas de CO 2 relacionadas aos extintores. Não foram contabilizadas as emissões fugitivas do sistema de refrigeração da Progen, uma vez que o gás clorodifluorometano, também conhecido como R22, utilizado no sistema de refrigeração não é regulado pelo protocolo de Kyoto, sendo opcional a sua contabilização e relato (Especificações do programa Brasileiro GHG Protocol). No escopo 2, foram contabilizadas as emissões indiretas de GEE provenientes da aquisição de energia elétrica consumida pela empresa. No escopo 3, foram mantidas as emissões provenientes de viagens de taxi e avião dos escritórios de São Paulo e Belo Horizonte, e houve a inclusão do cálculo de emissões de GEE por viagens de negócio com avião dos demais escritórios da Progen. No Quadro 2 é realizado o resumo das categorias de cada escopo que foram levantadas em 2013 para o Inventário de Emissões de GEE. Quadro 2: Fontes de emissão contabilizadas pela Progen em 2013 em cada escopo. Combustão Móvel Direta Veículos da Frota Progen (corporativo) Escopo 01 Combustão Móvel Direta Veículos do Gerenciamento Emissões Fugitivas Valor de recarga de extintores (SP e BH) Escopo 02 Escopo 03 Compra de energia elétrica (SP e BH) Viagens a negócio Taxi (SP e BH) Viagens à negócio Avião (corporativo) COLETA DE DADOS E CÁLCULO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA A coleta de dados foi realizada durante todo o ano de 2014 pelo Departamento Administrativo com o apoio do QMA. A coleta de dados foi dividida por escopo e fontes de emissão, conforme descrito a seguir ESCOPO 01 Para a contabilização das emissões de combustão móvel direta, foram utilizados dois tipos de cálculos disponíveis na ferramenta do GHG Protocol: Dos veículos da frota Progen, foi realizado o levantamento de dados referentes à frota, como o tipo de veículo utilizado, com sua respectiva identificação (placa) para impedir a dupla contabilização de dados, as datas de compra e a quilometragem (km) rodada no ano. A partir desses dados foi feita a contabilização da quilometragem (km) mensal de cada carro.

11 DATA: 10/06/2015 FL.: 11/20 Dos veículos do gerenciamento utilizados corporativamente, os cálculos foram realizados a partir do volume de combustível abastecido no veículo de tipo de combustível. Desde 2012 é realizado o controle de abastecimentos da frota corporativa pelos combustíveis, desta maneira, a meta do Inventário de GEE de 2011 era abastecer os carros de São Paulo com etanol. Ainda é meta da Progen induzir com que os veículos de sua frota sejam abastecidos por etanol porém este controle é difícil pois não há nenhum tipo de registro que comprove o combustível abastecido ou algum mecanismo que obrigue o motorista a optar em abastecer seu veículo com etanol. Por esta razão, foi preenchida a opção Automóvel flex a gasolina para cálculo das emissões através do GHG Protocol. Demais Quanto aos veículos utilizados no gerenciamento, o sistema de abastecimento da frota possibilitou que tivéssemos acesso aos tipo de combustíveis utilizados e volumes. Desta maneira, a contabilização das emissões destes veículos considerou os combustíveis Gasolina Automotiva (comercial), Etanol e Óleo Diesel (comercial). No caso das emissões fugitivas, também contabilizadas no escopo 1, foram levantados dados referentes à troca de gás dos extintores de São Paulo e nas unidades de Belo Horizonte, levando em consideração os laudos anuais emitidos pelas empresas prestadoras de serviços de manutenção dos extintores. O Quadro 3 a seguir apresenta os fatores de emissão para o escopo 01 utilizados pela ferramenta do Programa Brasileiro GHG Protocol. Quadro 3: Fatores de emissão para cada gás relevante do escopo 1. Fonte de Emissão Fator de emissão Fonte Combustão móvel de diesel Combustão móvel de automóveis à gasolina automotiva Etanol 2,671 (kgco 2 /un.) 0,0003(kgCH 4 /un.) 2,269(kgCO 2 /un.) 0,0001(kgCH 4 /un.) 0,0001(kgN 2 O/un.) 1, (kgco 2 /un.) 0,0001(kgCH 4 /un.) 0,00004(kgN 2 O/un.) MMA MCT MMA MCT MCT MMA MCT MCT Extintores 1 (GWP) IPCC 2007

12 DATA: 10/06/2015 FL.: 12/ ESCOPO 02 Para cálculo do escopo 2, de emissões indiretas de GEE provenientes da aquisição de energia elétrica consumida pela empresa, foram utilizados os valores das contas de luz emitidas pelas concessionárias responsáveis pela distribuição de energia do Sistema Interligado Nacional(SIN) nos municípios de São Paulo, Belo Horizonte e São Luis. Para determinar as emissões oriundas do consumo utilizou-se o fator de emissão publicado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia. Os fatores mensais estão evidenciados no Quadro 4. Quadro 4: Fatores de emissão do escopo 2. Fonte de emissão: Rede Elétrica Brasileira (2014) - Mês Fator de emissão (tco 2 /MWh) Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Média Anual 0,0911 (tco 2 /MWh) 0,1169 (tco 2 /MWh) 0,1238 (tco 2 /MWh) 0,1310 (tco 2 /MWh) 0,1422 (tco 2 /MWh) 0,1440 (tco 2 /MWh) 0,1464 (tco 2 /MWh) 0,1578 (tco 2 /MWh) 0,1431 (tco 2 /MWh) 0,1413 (tco 2 /MWh) 0,1514 (tco 2 /MWh) 0,1368 (tco 2 /MWh) 0,1355 (tco 2 /MWh) ESCOPO 03 No escopo 3, foram contabilizadas emissões provenientes de viagens à negócios, que englobam as viagens de táxis e as viagens de avião. A partir dos dados de viagens de taxi fornecidos pelo Departamento Administrativo foi estimada a quilometragem (Km) rodada pelos funcionários da Progen em viagens de taxi, que foi obtida do preço pago pela corrida considerando-se os valores vigentes no ano de 2014 para cada um dos estados mapeados. Os fatores de emissão são os mesmo de combustão móvel direta apresentados no Quadro 2.

13 DATA: 10/06/2015 FL.: 13/20 Por não possuirmos informações com relação ao tipo de combustível utilizado para as viagens de taxi, utilizou-se a premissa conservadora de que todos os taxis foram abastecidos à gasolina, dessa forma, consideramos o pior cenário de emissão de GEE. O Departamento Administrativo enviou dados, como data e cidades de origem, destino e trechos, de todas as viagens de avião realizadas pelos colaboradores Progen no ano de A contabilização das emissões de GEE provenientes de viagens de avião foi realizada utilizando a ferramenta auxiliar para cálculo de viagens de avião, fornecido pelo Programa Brasileiro GHG Protocol. O Quadro 5 apresenta os fatores de emissões das viagens de avião. Quadro 5: Fatores de emissão de viagens de negócio a avião. Distância Aérea (kgco 2 / passageiro*km) (kgch 4 / passageiro*km) (kgn 2 O/ passageiro*km) Fonte Longa-distância (d km) 0, , , DEFRA 2012 Média-distância (500 d <3.700 km) 0, , , DEFRA 2012 Curta-distância (d < 500 km) 0, , , DEFRA EMISSÕES DO PRODUTO Para contabilização das emissões provenientes dos produtos foram determinados os limites do ciclo de vida do produto Progen. Segundo a ABNT NBR :2009, Ciclo de Vida são estágios sucessivos e encadeados de um sistema de produto, desde a aquisição de matéria-prima ou de sua geração a partir de recursos naturais à disposição final. A política da Carbon Footprint, ou Pegada do Carbono, é um dos motivos para as organizações conhecerem os impactos ambientais associados ao ciclo de vida de seus produtos e serviços. A Análise do Ciclo de Vida é um instrumento de gestão ambiental com o qual entende-se as incidências ambientais dos materiais, dos processos e dos produtos, desde a obtenção das matérias-primas até a geração dos rejeitos. Dessa maneira, com informações relacionadas a efeitos ambientais, que são upstream e downstream, é possível tomar decisões mais assertivas nas estratégias da empresa. Os limites do ciclo de vida do produto Progen, foram determinados utilizando a metodologia do GHG Protocol Life Cycle Star, desta maneira, o ciclo de vida dos projetos de engenharia (produto Progen), bem como as possíveis fontes de emissões em cada etapa do ciclo foram determinadas de acordo com a Figura 2.

14 DATA: 10/06/2015 FL.: 14/20 Figura 2: Ciclo de vida do produto Progen Após a definição dos limites do ciclo de vida do produto Progen, foram determinadas as fontes de emissões que seriam utilizadas para a contabilização deste Inventário. Para o upstream, que engloba o escopo 03, a única fonte de emissão calculada foi o deslocamento de funcionários por viagens de taxi. A aquisição de materiais como papel e computador não foram computadas, uma vez que para a aquisição destes bens não há corresponsabilidade pelos impactos ambientais gerados. Além disso, não há potencial de perda (não contabilização) destas emissões por parte dos fornecedores e possibilidade de dupla contabilização destes dados por parte da Progen e do fornecedor. Também foi verificado no site do CDP que algumas empresas fornecedoras da Progen, como, por exemplo, a Philips, a Suzano e a HP, fazem o inventário de GEE evidenciando a contabilização das emissões na produção dessas matériasprima da Progen. Com relação ao downstream, as emissões provenientes da geração de resíduos sólidos e efluentes sanitários são consideradas insignificantes devido ao escopo de atividade da organização. Para a etapa de produção, no ciclo de vida do produto, para este Inventário, foi possível a contabilização de todas as fontes de emissão dos escopos 01 e 02 da Matriz, localizada em São Paulo e das unidades de Belo Horizonte e São Luis. Em paralelo a contabilização das emissões pela ferramenta do Programa Brasileiro GHG Protocol, foi realizado o levantamento das horas trabalhadas em projetos de engenharia e gerenciamento no ano de Desta maneira, com dados de emissões de GEE, em CO 2 equivalente, calculado pelo Programa Brasileiro GHG Protocol, e com os dados do total de horas trabalhadas em 2014, foi possível encontrar o valor de CO 2 equivalente emitido por hora trabalhada, em CO 2 e/hora trabalhada. Da mesma maneira foi encontrado o valor emitido de biomassa por hora trabalhada. Assim, para a contabilização da pegada do carbono, ou seja, a quantidade de CO 2 equivalente emitida por projeto de cada cliente, multiplica-se a quantidade de horas disponibilizadas para determinado projeto pelo valor de CO 2 equivalente emitido por hora trabalhado encontrado. 5 - NÍVEL DE INCERTEZA Segundo o IPCC Good Practice Guidance, para um país desenvolvido, a incerteza total das emissões medidas em potencial de aquecimento global, em um único ano, poderia ser de 20%, principalmente por causa das incertezas da geração de gases que não são o CO 2.

15 DATA: 10/06/2015 FL.: 15/ CÁLCULO DAS EMISSÕES Em São Paulo, as emissões por combustão móvel direta, mesmo sendo medidas por quilometragem são consideradas utilizando biomassa, uma vez que, a meta do primeiro Inventário de GEE foi abastecer os veículos da frota de São Paulo apenas com álcool. Já nos outros escritórios e no gerenciamento, os combustíveis utilizados na frota aproximam o cálculo apenas para fontes mais poluidoras como combustíveis provenientes do petróleo, como gasolina e diesel. Da mesma maneira, no escopo 3, a incerteza do cálculo provém da desconsideração de combustão por biomassa em viagens de taxi, uma vez que não é possível obter o dado exato da porcentagem de biocombustível utilizado em cada veículo, aproximando o cálculo para fontes poluidoras que utilizam combustíveis de origem fóssil. O cálculo de emissões fugitivas e de escopo 2, possuem altos níveis de certeza, podendo haver pouca variação entre os valores obtidos e aqueles condizentes com a realidade, uma vez que são levados em consideração apenas emissões referentes à troca de gás dos extintores, que ficam registradas em laudos terceirizados, e valores das faturas de energia que fornecem o valor, em MWh, consumido mensalmente por cada andar da matriz São Paulo e das unidades em Belo Horizonte e São Luis. De acordo com as recomendações do IPCC Good Practice Guidance, as incertezas devem ser minimizadas considerando todo o conhecimento cientifico existente e os recursos disponíveis. E, para este Inventário, essas recomendações foram seguidas em todas as etapas da construção do inventário, uma vez que houve uma grande preocupação em utilizar as metodologias de cálculos e fatores de emissão mais recentes de organizações com grande credibilidade referente ao cálculo de emissões, como Ministério do Meio Ambiente (MMA) e Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), além do próprio IPCC. Em relação aos dados utilizados, houve atenção especial na conformidade desses com a realidade por meio da verificação dos registros na empresa e análise dos dados recebidos CÁLCULO DAS EMISSÕES DO PRODUTO A assertividade do cálculo das emissões do produto Progen está diretamente relacionada ao nível de incerteza do cálculo das emissões, pois, como explicado anteriormente, o cálculo das emissões de CO 2 e por produto é o resultado da multiplicação das horas trabalhadas em determinado projeto pelo valor de CO 2 equivalente emitido por hora trabalhado. O valor de CO 2 equivalente emitido por hora trabalhada é encontrado utilizando o valor total de emissões de CO 2 e e o valor total de horas trabalhadas em Em anos anteriores o valor de horas trabalhadas foi obtida através do software Time Sheet, que é o controle de horas utilizado pelos colaboradores para aquisição de horas dentro de um projeto. No entanto, para inventariar as emissões de 2014, as informações de horas homem trabalhadas foram obtidas junto ao RH, a fim de melhorar a confiabilidade das informações. O valor total das emissões de CO 2 e é obtido pelos cálculos da ferramenta GHG Protocol. 6 - RESULTADO E DISCUSSÃO EMISSÕES DE GEE PELA PROGEN EM 2014 Com a aplicação da ferramenta para cada um dos gases emitidos pelas categorias selecionadas do escopo geraram-se os resultados apresentados na Figura 3.

16 DATA: 10/06/2015 FL.: 16/20 Figura 3. Emissões em toneladas métricas de CO 2 equivalente (tco 2 e). Pela Figura 3 é possível observar que a maior parte das emissões de GEE da Progen é proveniente do escopo 03, tratando-se portanto de viagens a negócios de taxi ou avião, e que as emissões através das viagens a taxi são quase ínfemas se comparado às emissões de avisão. A porcentagem de contribuição de cada escopo nas emissões de CO 2 e, está ilustrada na Figura 4 a seguir. Figura 4. Emissões de GEE por Escopo e estratificação do Escopo 3 (maior emissor de GEEs). Conforme ilustrado na Figura 4, a segunda maior contribuição das emissões de GEE pela Progen é proveniente do escopo 01, viagens de carro da frota Progen no escritório e gerenciamento. Este cenário está ilustado na Figura 5 a seguir.

17 DATA: 10/06/2015 FL.: 17/20 Figura 5. Porcentagem de emissão por cada fonte do escopo 01. Conforme Figura 4, o escopo 2 é o que menos contribui, em porcentagem, para a emissão de GEE com apenas 12% das emissões. Do total de CO 2 e emitido pelo escopo 2, mais da metade das emissões é proveniente do consumo de energia do escritório Matriz Largo do Arouche São Paulo, conforme ilustrado na Figura 6. A baixa representatividade das emissões de escopo 2 no total de emissões das empresas brasileiras se dá, em grande parte, pela matriz energética do Brasil ser composta por energia limpa, o que faz com que o fator de emissão pelo uso de energia elétrica seja baixo. Porém, para o próximo inventário (ano inventariado de 2015), deverá ser considerada a crise hídrica no Brasil e a consequente utilização de energia elétrica proveniente de termoelétricas. Figura 6. Contribuição de cada escritório para emissões de GEE. O CO 2 liberado na combustão de biomassa é igual ao CO 2 retirado da atmosfera durante o processo de fotossíntese, desta forma, é possível considerá-la neutra. As emissões de CO 2 advindas da combustão da biomassa foram excluídas dos escopos pela própria ferramenta e reportadas separadamente, conforme diretrizes do Programa Brasileiro GHG Protocol. Por outro lado, as emissões de CH 4 e N 2 O não podem ser consideradas neutras em virtude de estes gases não serem removidos da atmosfera durante o ciclo de vida da biomassa. Neste caso, as emissões de CH 4 e N 2 O foram incluídas no escopo 1, ou seja, na contabilização da combustão móvel direta da frota.

18 DATA: 10/06/2015 FL.: 18/20 Com relação às emissões de biomassa emitidas pela Progen no ano de 2014, as mesmas são provenientes apenas da combustão móvel direta dos carros da frota da Progen, sendo considerado o abastecimento dos veículos por etanol, gasolina e diesel. A Figura 7 apresenta os valores adquiridos de CO 2 equivalente pela combustão de biomassa, sendo este valor menor que as emissões de 2013 (78,934 ton). Figura 7. Emissões de CO 2 por consumo de Biomassa (tco 2 e) A Figura 8 a seguir apresenta os tipos de emissões gerados pela Progen no ano de Figura 8. Tipo de emissão gerado pela Progen em EVOLUÇÃO DA CONTABILIZAÇÃO DE GASES DO EFEITO ESTUFA PELA PROGEN Conforme citado anteriormente, o ano de 2011 foi o primeiro ano que a Progen realizou o Inventário de GEE, dessa forma, com o passar dos anos foi possível criar controle de aquisição de dados das fontes de emissão para aumentar o escopo de contabilização dos GEE, conforme ilustrado na Figura 9.

19 DATA: 10/06/2015 FL.: 19/20 Figura 9. Evolução na aquisição de dados e contabilização de GEE na Progen.

20 DATA: 10/06/2015 FL.: 20/20 No ano de 2011, para a contabilização do GEE emitidos pela Progen, foram consideradas a combustão móvel direta dos veículos da frota Progen, emissão fugitiva de extintores, compra de energia elétrica e viagens de taxi do escritório de São Paulo, totalizando 40,43ton CO 2 e. No ano de 2012, além das fontes já contabilizadas em 2011, foram adicionadas as emissões provenientes da combustão móvel direta da frota do gerenciamento, as emissões fugitivas da recarga de extintores, as emissões provenientes da compra de energia elétrica, e as provenientes das viagens de taxi das unidades de Belo Horizonte. Referente ao ano de 2013, foram mantidas as fontes de emissão consideradas nos anos de 2011 e 2012 e adicionadas as emissões provenientes da compra de energia elétrica do escritório de São Luis e as viagens corporativas de avião. Para este inventário, referente ao ano de 2014, foram utilizadas as mesmas fontes de informações do ano de 2013: combustão móvel direta da frota Progen dos escritórios de São Paulo, Belo Horizonte e São Luis, frota do gerenciamento (Escopo 1), compra de energia elétrica dos escritórios de São Paulo, Belo Horizonte e São Luis (Escopo 2), e viagens corporativas à negócio de táxi e avião (Escopo 3). Do primeiro inventário elaborado pela Progen do ano de 2011 para o inventário sobre o ano de 2014, a quantidade de CO 2 eq emitida aumentou de mais de 30 vezes, no entanto esta comparação pouco reflete sobre a organização uma vez que as fontes de informações e abrangência do relatório também aumentaram. A melhor relação a ser realizada é comparando os anos de 2014 com emissão de 1.246,47 toneladas de CO 2 eq, com as emissões de 2013 aproximadamente iguais a 793,63 toneladas. Este aumento das emissões está relacionado ao Escopo 03, provavelmente devido ao aumento das viagens a negócio realizas para prospecção de clientes fora do Brasil. 8 - PROPOSIÇÃO DE MEDIDAS DE REDUÇÃO Como o escopo de atuação da Progen no mercado é apenas atividades de engenharia consultiva, as fontes de emissão são provenientes principalmente das atividades de apoio ao desenvolvimento do projeto, escopo 1 e escopo 3. Considerando esta realidade, as medidas de redução de GEE podem ser: Quadro 5. Metas de gerenciamento de GEE ITEM META BENEFÍCIO INVESTIMENTO 1 Inserir a elaboração do inventário e relatório dos GEE no calendário anual do QMA. Organizar programação da atividade Horas trabalhadas na programação, levantamento das informações, execução dos cálculos e elaboração dos documentos. 2 Incentivar os colaboradores do escritório e gerenciamento a abastecer os carros da frota apenas com etanol (Dicas do SGI). Redução de emissões de GEE Horas trabalhadas em campanhas de conscientização 3 Incentivar o uso de videoconferências em substituição das viagens de avião (Dicas do SGI). Redução de emissões de GEE Horas trabalhadas em campanhas de conscientização

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2014

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2014 DATA: 25/07/2014 FL.: 1/19 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2014 CLIENTE Nome Departamento Data Visto Aprovado - - - - Aprovado sem Comentários Aprovado com Comentários Não Aprovado

Leia mais

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO Agenda Introdução Definição dos limites de um inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa Limites Operacionais Identificando e Calculando emissões

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 1. Dados do inventário Banco Santander S.A. (Brasil) Tipo de preenchimento: 1.1 Responsável pela elaboração do inventário

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A.

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A. INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A. 2008 1 Inventário de GEE O Inventário de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) permite que uma

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 Outubro/2014 VERSÃO 01 AUTOR Guilherme Pacheco Schuchter Belo Horizonte, MG Brasil guilherme@waycarbon.com COLABORADORES Jussara Utsch Belo Horizonte, MG Brasil jussara.utsch@scdcbrasil.com.br

Leia mais

Gestão dos Gases de Efeito Estufa

Gestão dos Gases de Efeito Estufa Gestão dos Gases de Efeito Estufa Um Novo Mercado para Pequenas e Médias Empresas 29 de Outubro 2013 FIBRA COMPONENTE 2 Gestão dos Gases de Efeito Estufa: Desenvolvimento e Implementação do Programa de

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2012

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2012 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 Plural Editora e Gráfica Ltda. Nome fantasia: Plural - CNPJ: 01.306.088/0001-37 Tipo da empresa: Holding Setor econômico:

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa RL Sistemas de Higiene Ltda. 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Luis F. M. Serrano Consultor: Victor Sette Gripp Período de Referência: 2012 São Paulo, Abril de 2013 Elaboração: INTRODUÇÃO

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Ano de Referência 2013

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Ano de Referência 2013 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro Ano de Referência 2013 Junho de 2014 RELATÓRIO TÉCNICO Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 ÍNDICE 1. A Empresa 03 2. Objetivo 03 3. Inventário segundo a ISO 14.064-01 03 4. Identificação dos

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 Lojas Americanas SA Nome fantasia: Lojas Americanas - CNPJ: 33.014.556/0001-96 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico:

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Ford Nome fantasia: Ford - CNPJ: 03.470.727/0001-20 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013]

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013] Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013] INVENTÁRIO: X Completo INVENTÁRIO VERIFICADO POR: X Terceira parte Data: 10/03/2014 Preparador de Relatório: EGGEE/Quimicryl Simone

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 B2W - Companhia Digital Nome fantasia: B2W - CNPJ: 00.776.574/0001-56 Tipo da empresa: Controlada Setor econômico:

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 MULTIDISPLAY COMERCIO E SERVICOS TECNOLOGICOS S.A. Nome fantasia: MULTIDISPLAY COMERCIO E SERVICOS TECNOLOGICOS S.A.

Leia mais

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Sumário Objetivo... 2 Parte 1 - Entendendo o Inventário de Gases

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Inventário Corporativo de Gases do Efeito Estufa 2011 Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Iris Gobato Gercov Consultora: Adriane Elise de Assunção Flausino Consultor:

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro

Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro RELATÓRIO TÉCNICO Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro Ano de referência: 2012 Outubro de 2013 RIO DE JANEIRO - RJ Rio de Janeiro RJ. Telefone: +55-21-3256-7968

Leia mais

MUDANÇA DO CLIMA E ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS:

MUDANÇA DO CLIMA E ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS: MUDANÇA DO CLIMA E ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS: INVENTEARIOS DE EMISSÕES E METODOLOGIAS Carlos Henrique Delpupo 28 / 05 / 2010 CONTEÚDO 1.Visão geral 2. Inventário de Emissões 4. Mercado de carbono 5. Riscos

Leia mais

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

Relatório de Neutralização das emissões de gases do efeito estufa

Relatório de Neutralização das emissões de gases do efeito estufa 2011 Inventário de GEE Relatório de Neutralização das emissões de gases do efeito estufa Evento: -Super 9k Montevérgine -Prova Ciclística 9 de Julho 0 Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 JBS Nome fantasia: JBS S/A - CNPJ: 02.916.265/0001-60 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das de Gases de Efeito Estufa SADIA S/A 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 01/04/2010 Preparador

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2011

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2011 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2011 Mercur S/A Nome fantasia: Mercur - CNPJ: 93.896.397/0001-22 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias

Leia mais

Metodologias para medir pegada carbônica. Stephen Russell World Resources Institute

Metodologias para medir pegada carbônica. Stephen Russell World Resources Institute Metodologias para medir pegada carbônica Stephen Russell World Resources Institute O que é uma pegada carbônica? Empresa Fonte Instalação GHG Protocol Inventário Nacional Ferramentas de cálculo GHG Protocol

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015 Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015 Nome da instituição: De Angeli Feiras & Eventos Tipo de instituição: Evento Setor econômico: Turismo Endereço: Edifício

Leia mais

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD 1 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE CGD S.A. 2014 2 CGD Relatório de Compensação de Emissões de GEE - CGD S.A. 2014 1.1 Introdução O Programa de Baixo Carbono, pioneiro no setor da banca

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2016

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2016 DATA: 24/10/2016 FL.: 1/20 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2016 DATA: 24/10/2016 FL.: 2/20 PROGEN Nome Departamento Data Visto Elaborado Mayra Bartolo QMA 24/10/2016 Verificador

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012]

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012] Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012] INVENTÁRIO: X Completo INVENTÁRIO VERIFICADO POR: X Terceira parte Data: 21/01/2014 Preparador de Relatório: EGGEE/GAZIN Airton

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 2011 Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. A GREEN CO 2.... 3 2.1. VISÃO.... 3 2.2. MISSÃO.... 3 2.3. OBJETIVOS.... 3 2.4. VALORES....

Leia mais

Questionário ISE. Dimensão Mudanças Climáticas Mudança do Clima

Questionário ISE. Dimensão Mudanças Climáticas Mudança do Clima Questionário ISE Dimensão Mudanças Climáticas Mudança do Clima 2016 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 6 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

estufa para setores agropecuários

estufa para setores agropecuários Simpósio de Mercado de Carbono pós COP15 e Código Florestal para o Sistema Cooperativista Inventário de gases de efeito fi estufa para setores agropecuários Inventário de gases de efeito estufa para setores

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA

Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA 2010 Preparado Por ThyssenKrupp CSA Siderúrgica do Atlântico Avenida João XXIII, Santa Cruz Rio de Janeiro, RJ CEP 2356-352 Tel (21) 2141-2550 Thyssenkrupp-csa.com.br

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado

Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado (Dados divulgados hoje no lançamento do programa Empresas pelo Clima, do GVCes, estão disponíveis em www.fgv.br/ces/epc

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Metodologia, resultados e ações

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Metodologia, resultados e ações INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Metodologia, resultados e ações CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS CARTA ABERTA AO BRASIL Compromissos Assumidos A. Publicar anualmente o

Leia mais

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Julho 2009 Sobre a GSS Empresa com atuação focada no desenvolvimento de projetos e prestação de consultorias

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP Inventário GEE- São Paulo MAIO - 2014 Sumário - Base Legal Inventário - Sugestão para elaboração de inventário 2/40 Base Legal Lei 13.798 de 09 de

Leia mais

Inventário Municipal de Emissões e Remoções Antrópicas de Gases de Efeito Estufa (GEE) e outros Produtos no Município de São Paulo

Inventário Municipal de Emissões e Remoções Antrópicas de Gases de Efeito Estufa (GEE) e outros Produtos no Município de São Paulo Inventário Municipal de Emissões e Remoções Antrópicas de Gases de Efeito Estufa (GEE) e outros Produtos no Município de São Paulo Apoio Organização Realização Política de clima e inventário de GEE de

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 Banco Bradesco S.A Nome fantasia: Organização Bradesco - CNPJ: 60.746.948/0001-12 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico:

Leia mais

Inventário de emissões de gases de efeito estufa. Elaboração e uso como ferramenta de gestão

Inventário de emissões de gases de efeito estufa. Elaboração e uso como ferramenta de gestão Inventário de emissões de gases de efeito estufa Elaboração e uso como ferramenta de gestão 25 de agosto de 2011 Programa Brasileiro GHG Protocol Origens Metodologia mais utilizada mundialmente para a

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. GHG PROTOCOL... 2 2.1 Premissas... 3 2.1.1 Definições... 3 2.1.1.1. Período... 3

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa LOJAS AMERICANAS S.A. 2010 Item na versão 2008 Item na versão 2009 Lista de modificações 2008-2009 Modificação nesta versão 1 1 Inserção de box com multipla

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Companhia Energética de São Paulo - CESP 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010)

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) Sumário Executivo De acordo com a Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), adotada em 1992, as mudanças

Leia mais

BM&FBOVESPA S.A. Inventário de GEE Corporativo BM&FBOVESPA 2014. Apresentação de Resultados. 27 de maio de 2015

BM&FBOVESPA S.A. Inventário de GEE Corporativo BM&FBOVESPA 2014. Apresentação de Resultados. 27 de maio de 2015 BM&FBOVESPA S.A. Inventário de GEE Corporativo BM&FBOVESPA 2014 Apresentação de Resultados 27 de maio de 2015 Inventário de GEE Corporativo BM&FBOVESPA 2014 Equipe responsável Sonia Favaretto Luiza Nunes

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 JBS Nome fantasia: JBS S/A - CNPJ: 02.916.265/0001-60 Tipo da empresa: Holding Setor econômico: C. Indústrias de

Leia mais

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS Inventários de Emissões O QUE É UM INVENTÁRIO? Um inventário corporativo de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa é a

Leia mais

Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA

Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA 2011 Preparado Por ThyssenKrupp CSA Siderúrgica do Atlântico Avenida João XXIII, Santa Cruz Rio de Janeiro, RJ CEP 2356-352 Tel (21) 2141-2550 Thyssenkrupp-csa.com.br

Leia mais

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES Profa. Dra. Priscila Borin de Oliveira Claro priscila.claro@insper.edu.br 05/02/2015 Apoio: Agenda Apresentação Parceria CDP e Insper

Leia mais

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC

V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC Este documento é um dos volumes das Diretrizes Revisadas do IPCC de 1996 para Inventários Nacionais de Gases de Efeito Estufa. A série é composta por três livros:

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa VIVO S/A 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 22/06/2010

Leia mais

Inventário das emissões de gases de efeito estufa. Unilever Brasil Ltda 2010 21/07/2011 15:52

Inventário das emissões de gases de efeito estufa. Unilever Brasil Ltda 2010 21/07/2011 15:52 Inventário das emissões de gases de efeito estufa Unilever Brasil Ltda 2010 A - DADOS DA EMPRESA Unilever Brasil Ltda Endereço: Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, Itaim Bibi, 1309 - Cidade: São Paulo

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO GHG PROTOCOL. Utilizando o inventário de emissões de GEE como ferramenta de gestão corporativa

PROGRAMA BRASILEIRO GHG PROTOCOL. Utilizando o inventário de emissões de GEE como ferramenta de gestão corporativa PROGRAMA BRASILEIRO GHG PROTOCOL Utilizando o inventário de emissões de GEE como ferramenta de gestão corporativa São Paulo, 03 de setembro de 2013 VI SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS - SHS 2013 EMISSÕES

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE) do Grupo Abril -2010-

Inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE) do Grupo Abril -2010- Inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE) do Grupo Abril -2010- ÍNDICE Impactos das Mudanças Climáticas Conceitos Inventário de Gases de Efeito Estufa do Grupo Abril Ano 2010 Impactos das Mudanças Climáticas

Leia mais

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima HISTÓRICO UNFCCC IPCC Comunicação Nacional do Brasil Política Nacional sobre

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR, PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA (MAIO/2015) Dimensão Mudanças Climáticas

VERSÃO PRELIMINAR, PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA (MAIO/2015) Dimensão Mudanças Climáticas VERSÃO PRELIMINAR, PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA (MAIO/2015) Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO...

Leia mais

2 Documento de Referência CarbonOk

2 Documento de Referência CarbonOk 2 Documento de Referência CarbonOk SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 PROGRAMA CARBONOK... 6 2.1 Missão... 6 2.2 Objetivos... 6 2.3 Valores... 7 2.4 Metodologia... 7 2.5 Atuação... 8 2.6 Responsável... 9 3

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Dan Epstein, Judith Sykes, Jo Carris Email: carbon@usefulsimple.co.uk

Dan Epstein, Judith Sykes, Jo Carris Email: carbon@usefulsimple.co.uk Oficina Pegada de carbono Brasilia, 9 & 10 Agosto 2011 Dan Epstein, Judith Sykes, Jo Carris Email: carbon@usefulsimple.co.uk +44 207 307 9262 3a. Como medir créditos de carbono? Parte 1: Definição de Escopo

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Roberto Strumpf 01.06.2011. Mensuração e Gestão de GEE

Roberto Strumpf 01.06.2011. Mensuração e Gestão de GEE Roberto Strumpf 01.06.2011 Mensuração e Gestão de GEE Conteúdo A economia de baixo carbono Mensuração de emissões Programa Brasileiro GHG Protocol Gestão de emissões Plataforma Empresas Pelo Clima Economia

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa GEE Sabesp: Ano Base 2007

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa GEE Sabesp: Ano Base 2007 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa GEE Sabesp: Ano Base 2007 1º Seminário Estadual sobre Mudanças Climáticas e Saneamento Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente T Superintendência

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Cosmeticos SA 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 20/04/2010

Leia mais

Mais clima para todos

Mais clima para todos Mais clima para todos 1 Mais clima para todos Na União Europeia, entre 1990 e 2011, o setor dos resíduos representou 2,9% das emissões de gases com efeito de estufa (GEE), e foi o 4º setor que mais contribuiu

Leia mais

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2014

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2014 SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DE ESTADO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GERÊNCIA

Leia mais

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS?

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? Maranhão, R.A. 1 1 PECE/POLI/USP, MBA em Gestão e Tecnologias Ambientais, Biológo e Mestre em Geografia, romeroalbuquerque@bol.com.br

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Inovação da Gestão em Saneamento IGS

Inovação da Gestão em Saneamento IGS Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS GESTÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA (GEE) Ciclo 2013 2 Organograma Simplificado Organograma simplificado da OC, com ênfase

Leia mais

The Carbon Disclosure Project

The Carbon Disclosure Project The Carbon Disclosure Project Agosto 2012 Ciclo do Carbono O ciclo do carbono é uma sucessão de transformações que sofre ao longo do tempo. Umas das principais fontes de carbono: CO2 atmosférico CO2 atm

Leia mais

Mudanças Climáticas na Vale

Mudanças Climáticas na Vale 30/09/2011 Mudanças Climáticas na Vale Gerência de Nova Economia e Mudanças Climáticas Departamento de Desenvolvimento Sustentável Política de Sustentabilidade Operador Sustentável Legado Econômico, Social

Leia mais

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Sobre a WayCarbon 7 anos no mercado sul-americano de consultoria em mudanças climáticas Portifólio de projetos

Leia mais

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2012

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2012 SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DE ESTADO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GERÊNCIA

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

Gases de Efeito Estufa na Aviação Civil

Gases de Efeito Estufa na Aviação Civil Relatório de Emissões Relatório Nacional de Emissões de Gases de Efeito Estufa na Aviação Civil Alexandre Filizola NEPA/SAR São José dos Campos, Junho de 2010 Objetivo Apresentar o trabalho que tem sido

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Julho de 2012 A natureza criou o tapete sem fim que recobre a superfície da terra. Dentro

Leia mais

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Temas abordados 1. Quem somos 2. Efeito estufa e aquecimento global 3. Marco regulatório 4. O inventário de emissões

Leia mais

Pegada de Carbono. Carbon Footprint. Abril 2013

Pegada de Carbono. Carbon Footprint. Abril 2013 Pegada de Carbono Carbon Footprint Abril 2013 O que é pegada de carbono Carbon Footprint É o total de emissões de CO2 e de quaisquer outros gases (GEE), expressas em termos de carbono equivalentes de dióxido

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

Introdução àpegada de carbono

Introdução àpegada de carbono Introdução àpegada de carbono Judith Sykes Gases de Efeito Estufa 1 Gases de Efeito Estufa Gas Concentration in 1988 (ppmv) GWP** Dióxido de carbono (CO 2 ) 365 1 Metano (CH 4 ) 1,75 23 Óxido nitroso (N

Leia mais

Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais

Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais Nota Técnica Nº 1/2013 GEMUC/DPED/FEAM Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais Maio 2013 Carolina

Leia mais

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS - GIA IMPLEMENTAÇÃO DO

Leia mais

DECLARAÇÃO DE VERIFIÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION

DECLARAÇÃO DE VERIFIÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION DECLARAÇÃO DE VERIFIÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION INTRODUÇÃO O Bureau Veritas Certification Brasil (Bureau Veritas) foi contratado pela Companhia Energética de Minas Gerais S.A (Cemig),

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2015 Sumário Resumo Executivo 03 1. INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais