O Desenvolvimento Turístico nas Cidades Rurais de Origem Alemã da Grande Florianópolis (SC), Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Desenvolvimento Turístico nas Cidades Rurais de Origem Alemã da Grande Florianópolis (SC), Brasil"

Transcrição

1 1 O Desenvolvimento Turístico nas Cidades Rurais de Origem Alemã da Grande Florianópolis (SC), Brasil Karina Martins da Cruz 1 Resumo Este trabalho busca entender e avaliar três aspectos. O primeiro diz respeito ao turismo no espaço rural enquanto um conjunto de atrativos, equipamentos e serviços turísticos que precisam ser planejados. O segundo trata de uma análise com relação às ações públicas e privadas que vêm sendo organizadas para o desenvolvimento turístico das oito cidades rurais envolvidas. Como terceiro ponto para debate, está o resgate da colonização alemã para a valorização da paisagem rural regional. No quarto ponto, apresenta-se por resultado através da análise empírica, pesquisa bibliográfica e comparação fotográfica uma classificação da tipologia arquitetônica alemã presente na Grande Florianópolis. Este artigo contém ainda, em anexo, algumas fotos para ilustrar a classificação. Palavras-chave Turismo no espaço rural; pequeno produtor; origem alemã; arquitetura; Grande Florianópolis. Introdução O turismo no espaço rural é uma oportunidade que, através do apoio dos organismos de fomento e participada por pequenos produtores, torna-se uma importante forma de diversificação de renda na propriedade rural. A atividade turística no meio rural trata-se, basicamente, do convívio temporário do homem urbano com as áreas de produção agrícola, locais estes, em vários casos, repletos de paisagens naturais e histórico-culturais. É considerado o turismo no espaço rural uma segunda atividade econômica visando promover 1 Bacharel em Turismo pela Associação de Ensino de Santa Catarina - ASSESC; Especialista em Turismo Empreendedor pela Escola de Novos Empreendedores - ENE/UFSC; Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC.

2 2 algumas áreas que ainda preservam um patrimônio cultural e paisagístico com potencial de desenvolver oferta/demanda de bens e serviços a nível local-rural, tendo em vista que natureza e cultura não são duas realidades opostas, mas interdependentes (CARDOSO, 2002). Como o turismo é seletivo, determinadas localidades se desenvolvem mais do que outras. O desenvolvimento turístico implica numa ampliação da oferta dos equipamentos e serviços nas cidades rurais envolvidas. Tendo a possibilidade de complementação econômica e uma alternativa às economias das áreas agrícolas, o turismo vem gerando nas famílias rurais ações de pluriatividade. Até mesmo para reduzir os êxodos dos mais jovens para as áreas urbanas, a tendência é que o turismo no espaço rural defina novas ocupações não-agrícolas ligadas ao lazer e à prestação de serviços. Segundo Schneider & Fialho (2000), uma vez que a população rural de um modo geral é pouco qualificada, o turismo possui como ponto positivo a absorção dessa mão-de-obra, apesar de que também representa uma baixa remuneração nos níveis operacionais. Mesmo que as atividades de turismo no espaço rural sejam consideradas de baixo impacto (SOUZA, 2006), não significa que devam crescer livremente e sem orientação. Tão somente são necessários potencialidades, atrativos turísticos, empreendedores e trabalhadores, como também uma mentalidade preocupada com o planejamento. A ideia do turismo no espaço rural implica em mudanças e numa nova dinâmica econômica e social, nas quais são gerados impactos positivos e negativos nas comunidades envolvidas, nas áreas agrícolas e no próprio meio natural, conforme as ações tomadas pelos atores sociais e, sobretudo, tendo em conta o modelo de desenvolvimento adotado. 1. Caracterização sócio-econômica das cidades analisadas Enquanto núcleos pioneiros da colonização alemã catarinense ocorrida no século XIX, as colônias de São Pedro de Alcântara, Vargem Grande, Santa Isabel, Leopoldina, Piedade e Teresópolis, mesclaram-se às colônias nacionais vizinhas (Angelina e Santa Teresa), e em contato com o tropeirismo acabaram estabelecendo um abastecimento alimentar destinado à cidade de Desterro/Florianópolis. Essas colônias resultam atualmente nos municípios de São Pedro de Alcântara, Antônio Carlos, Angelina, Santo Amaro da Imperatriz, Águas Mornas, Rancho Queimado, São Bonifácio, Anitápolis e Alfredo Wagner, situados em áreas interioranas da Grande Florianópolis. De tais municípios, apenas o último, Alfredo Wagner, não apresenta manifestações da cultura alemã quanto à origem dos seus habitantes. Basicamente, o meio rural da Grande Florianópolis apresenta as seguintes características o relevo é bastante acidentado e pedregoso, o solo apresenta uma

3 3 deficiência natural amenizada pela modernização agrícola a partir da década de 1990, as fontes de água natural perfuradas são de ótima qualidade, os diversos rios e córregos favoreceram na irrigação da horticultura, as propriedades rurais se dedicam à policultura e algumas possuem aviários para abate em uma indústria da região. A rodovia BR-282 contrasta com diversas estradas sem calçamento. A maior parte delas é um legado dos caminhos utilizados pelos tropeiros e das trocas comerciais com os alemães e descendentes moradores das localidades. A proximidade com a Capital catarinense, sendo que a menor distância é de 32 km em relação a São Pedro de Alcântara, pouco alterou a vida de relações das cidades analisadas, que mantiveram uma ocupação estritamente rural. Esta agricultura com base na pequena propriedade em áreas rurais qualifica a Grande Florianópolis como a segunda mesorregião produtora de hortaliças em Santa Catarina, sob um volume de 176 mil toneladas/ano (ICEPA, 2004 apud HENKES, 2006), estimando-se a participação de 3,7 mil famílias envolvidas diretamente com a produção agrícola (EPAGRI, 2005 apud HENKES, 2006). A área média das propriedades não ultrapassa 30 hectares, com área cultivada em mais da metade no tamanho de cada uma das mesmas (CEASA, 2005 apud HENKES, 2006). Tendo a pequena propriedade como característica das cidades rurais, a renda passou a ser mais bem distribuída entre as localidades de produção agrícola. O volume comercializado na Central de Abastecimento de Santa Catarina (CEASA/SC), situada no município de São José (vizinho a Florianópolis), é de 54% de hortaliças, 44% de frutas e 2% de outros gêneros agrícolas (CEASA, 2004 apud HENKES, 2006). A presença do pequeno agricultor na comercialização dos seus próprios produtos é significativa, pois no movimento de comercialização da CEASA representa 40% em relação aos agentes de mercado (HENKES, 2006). Dessa forma, o pequeno produtor da região apresenta o atributo de ser também um negociante bastante pró-ativo. Estes produtos agrícolas comercializados e consumidos nas cidades urbanas de Florianópolis e arredores (Biguaçú, São José e Palhoça), sustentam a vida socioeconômica das cidades rurais na região. Os municípios rurais apresentam uma hierarquia de crescimento relativo na sua população. Das onze cidades emancipadas na década de 1960, atualmente apresenta 18 e 24 mil habitantes, respectivamente - Santo Amaro da Imperatriz e São João Batista; cerca de 10 mil - Alfredo Wagner e Canelinha; 7 mil - Antônio Carlos; tendo as demais entre 2 e 4 mil habitantes - Águas Mornas, Anitápolis, Rancho Queimado, São Bonifácio, Leoberto Leal e Major Gercino. Os municípios de Angelina e São Pedro de Alcântara possuem cerca de 5 mil habitantes (IBGE, 2009).

4 4 Estabeleceu-se uma relação de dependência entre os dois sistemas rural e urbano pactuados pelas cidades em apreço. Além do maior consumo de alimentos produzidos nas cidades rurais, o crescimento urbano nas cidades litorâneas próximas a Florianópolis têm levado seus moradores à procura por descanso de fim de semana nas oito cidades de origem alemã, como alternativa de lazer de curta distância e sem congestionamentos de trânsito, apresentando estâncias naturais que atendem às estações frias e quentes do ano. As estâncias hidrominerais dos municípios de Santo Amaro da Imperatriz e Águas Mornas, por exemplo, já são conhecidas nacionalmente, recebendo turistas que visitam Florianópolis. Além disso, Rancho Queimado apresenta uma média de 25 geadas/ano, favorecendo os hábitos de clima frio nas encostas da Serra Geral. Recentemente, a proximidade com Florianópolis vem envolvendo as cidades rurais num mesmo processo de mudança na estrutura econômica devido à expansão dos condomínios fechados em tais áreas. Como extensão da urbanização na Capital catarinense, surgem segundas ou até terceiras residências de seus moradores dando um novo conteúdo às áreas rurais, na medida em que se estabelecem relações capitalistas recentes. É o que se pode apurar com a leitura de Santos (1985, p.69): A penetração, no campo, das formas mais modernas do capitalismo conduz a dois resultados complementares. De um lado, novos objetos geográficos se criam, fundando uma nova estrutura técnica; de outro, a própria estrutura do espaço muda. Designações tais como região urbana ou zona rural ganham um novo conteúdo. Numa área onde a composição orgânica do capital é elevada, onde quantidade e qualidade das estradas favorece a circulação e as trocas, onde a proximidade de uma grande cidade e a especialização produtiva e espacial conduz a complementariedades, o campo se industrializa, torna-se objeto de relações capitalistas avançadas, claramente distintas das que têm lugar tanto nas regiões agrícolas tradicionais, quanto naquelas que, sendo modernas, estão distanciadas das áreas urbanas mais desenvolvidas. No caso em tela, a região urbana tanto compreende a grande cidade e as áreas urbanas satelizadas, como as áreas que, derredor ou próximo aos grandes centros, participam de um mesmo nível de relações. Na verdade, essa nova região urbana compreende, também, por contiguidade, as áreas que não são diretamente tocadas pelo processo modernizador e podem, desse modo, manter aspectos tradicionais ou arcaicos no interior de uma zona motora. Ocorre uma troca desigual entre as cidades urbanas e rurais envolvidas. Enquanto as cidades urbanas percorrem processos de acelerada urbanização e de acumulação balizadas pela indústria de alta tecnologia, a construção civil, o turismo e o funcionalismo público na Capital as comunidades rurais, apesar da agricultura consolidada, arrastam-se num processo de diferenciação e exclusão socioeconômica que pode dificultar num acompanhamento das exigências de desenvolvimento turístico impostas pelas classes A e B,

5 5 que ocupam as áreas rurais através dos condomínios fechados. Assim, é preciso observar de que maneira as comunidades estão envolvidas nas atividades do turismo dessas cidades rurais. 2. Turismo no espaço rural da Grande Florianópolis: um breve diagnóstico A busca pela qualidade de vida levou a um movimento público-privado e de opinião popular a partir do início do século XXI, o que acarretou nas ampliações de infra-estrutura e na chegada de investidores exógenos a Florianópolis. Os balneários incorporaram usos elitizados, espalharam-se condomínios fechados e loteamentos, rodovias de acesso às praias foram ampliadas e o preço dos imóveis passou a ser inflacionado na ilha. Esse mesmo anseio pela qualidade de vida, atualmente está em associação crescente com algumas áreas rurais da Grande Florianópolis, já que as pessoas vêm procurando ambientes mais saudáveis, limpos, bonitos, agradáveis, com boa alimentação, lazer diversificado e seguro, ambientes estes, dessa forma, de reprodução social (SCHNEIDER & FIALHO, 2000; ARANA, 2007). As oito cidades rurais de origem alemã na Grande Florianópolis estão em localização privilegiada, pois se encontram a poucos quilômetros da Capital e na rota que liga a mesma ao Planalto Catarinense, região na qual se desenvolveu intensamente o turismo rural, sob o modelo de hotéis-fazenda e evento do pinhão de expressão nacional (ZIMMERMANN, 1996). É importante salientar que a própria estrutura fundiária de pequena propriedade já determina um tipo de desenvolvimento turístico diferente na Grande Florianópolis. A região apresenta raros hotéis-fazenda e numerosos hotéis de águas termais, parques aquáticos com chalés, pousadas, além de um convento com hospedagem. A recente expansão das residências secundárias, casas de campo e condomínios fechados nas cidades rurais, reflete a procura dos moradores da Capital e sua vizinhança por opções de segurança e qualidade de vida. As festas promovidas pelas prefeituras municipais, em comemoração ao colono (agricultor), específicas de frutas, verduras ou hortaliças e em homenagem à colonização alemã, repercutem numa maior visibilidade dos atrativos das cidades rurais, bem como fortalecem as ações de sindicatos, associações, grupos de dança e artesanais, empresas locais, paróquias, etc, envolvidas na organização de cada evento. Apesar de incipiente, as atividades de turismo no espaço rural vêm oferecendo uma pluralidade de atrativos e equipamentos de lazer: estâncias hidrominerais, parques aquáticos, pesque-pagues, operadoras de rafting e voo livre, casas de artesanato, venda dos produtos coloniais, alguns museus ou casas de cultura, cafés coloniais, restaurantes, cachoeiras, grutas

6 6 religiosas, monumentos, casarios típicos, visita a engenhos ou alambiques em funcionamento e o dialeto do alemão conservado em algumas localidades. No desenvolvimento do turismo no espaço rural, geralmente os pequenos empreendimentos são frutos de uma diversificação econômica do pequeno produtor rural, que aplica, na maioria dos casos em 82% dos empreendimentos catarinenses (TOREZAN, GUIZZATTI, NART & BITENCOURT, 2002) os recursos próprios numa outra atividade como renda complementar da família. Esta nova atividade ligada ao turismo é uma alternativa para utilizar o tempo disponível entre os afazeres rurais. Entre as mesorregiões catarinenses dedicadas ao turismo no espaço rural, o turismo como negócio apresenta maior contribuição relativa na composição da renda familiar dos empreendedores na Grande Florianópolis, numa média de 59% do total pesquisado. Porém, os meios de hospedagem representam a menor quantidade proporcional entre as mesorregiões. Este perfil de empreendedores da região é considerado o de menor número no qual o empreendimento ligado ao turismo no espaço rural está acoplado à propriedade de exploração agrícola, ou seja, a criação de animais e/ou cultivo de vegetais para fins econômicos ocorrendo em paralelo ou em complementação às atividades de atendimento ao turista. Dos empreendimentos da Grande Florianópolis, correspondem: 18% alimentação; 18% pesquepague; 18% hospedagem; 15% venda de produtos; 31% demais (TOREZAN, GUIZZATTI, NART & BITENCOURT, 2002). Apenas 1/3 dos meios de hospedagem da região que foram pesquisados por Novaes (2007), apresentam práticas ambientais aos seus hóspedes, como educação ambiental e coleta seletiva de lixo. Essas informações resultam nas seguintes hipóteses quanto ao perfil dos empreendimentos ligados ao turismo no espaço rural da Grande Florianópolis: A representatividade das atividades ligadas ao turismo no espaço rural, de 59% com relação às rendas familiares, está em fase ascendente; Se as atividades de turismo estão separadas dos locais de produção agrícola, o negócio do turismo pouco se relaciona com o modo de vida do pequeno agricultor; A baixa ocorrência de meios de hospedagem deve-se ao ainda reduzido fluxo turístico, como também é inibido o seu crescimento por causa da expansão dos condomínios fechados e casas de campo; As práticas ambientais precisam ser ampliadas e associadas à vida rural. Considerando o cenário que se apresenta das atividades turísticas no espaço rural da Grande Florianópolis, vale destacar que as mesmas deveriam estar diretamente relacionadas com a principal atividade econômica da pequena propriedade, o que muitas vezes não

7 7 acontece nas cidades rurais catarinenses (NOVAES, 2007). A falta de afinidade da atividade turística com a vida do pequeno produtor repercute numa diminuta valorização dos saberes e fazeres do espaço rural. Instaurado este quadro, facilmente são introduzidos novos hábitos, com a tendência de repelir os membros menos favorecidos nas comunidades. Na análise do município de Rancho Queimado sobre a interferência dos condomínios fechados, Cabreira & Rosa (2009) perceberam que apenas os moradores influentes e os turistas de segunda residência frequentam esses espaços, além de verificarem um aumento no setor informal por parte de diversos habitantes. Na leitura de um jornal local, verificou-se que a instalação de um restaurante de alto padrão num condomínio fechado com campo de golfe transmite uma noção fragmentária e distante da realidade do meio rural, já que o condômino deseja tranquilidade e segurança junto à natureza, porém, num ambiente restrito e sem interação com o modo de vida da própria cidade. O retorno gerado pelos condomínios fechados às cidades rurais está no acréscimo dos impostos municipais, pois os materiais de construção e os serviços subsequentes de manutenção, limpeza e compra de alimentos podem ser trazidos das cidades urbanas da própria região. O desenvolvimento turístico contribui para a melhoria da infra-estrutura e dos meios de comunicação, propiciando condições de ampliar o empreendedorismo local. Contudo, segundo Schneider & Fialho (2000), com a intensificação das relações mercantis promove-se a descaracterização da cultura devido à modificação nos padrões de sociabilidade tradicionais. Algumas características local-rurais rapidamente podem ser esgotadas sem um planejamento regulador à introdução de empreendimentos externos. Aborda Cardoso (2002) o modelo territorialista, o qual parte do princípio que a satisfação das necessidades da população passa pela mobilização das potencialidades endógenas e das pessoas associadas e envolvidas no próprio processo de desenvolvimento local, ou seja, um desenvolvimento pela base. Nesse sentido, o desenvolvimento turístico no meio rural não deveria ser descontextualizado do patrimônio cultural rural-material e imaterial, tendo ainda os agentes locais como protagonistas na compatibilização das questões ecológicas, já que o ambiente não pode ser explorado acima da sua capacidade de absorção e regeneração. Relevante para os projetos de turismo, o modelo territorialista possui a vantagem de desconcentrar capital e demais recursos nos meios urbanos e, por outro lado, criar condições de contemplar os menos favorecidos das áreas rurais nas políticas de desenvolvimento, assumindo-os não apenas como beneficiários de políticas sem o conhecimento popular, mas, como parceiros ativos desse desenvolvimento. Para ampliar a conexão das atividades agrícolas com as práticas ambientais, é preciso entender que as atividades de agroturismo, ecoturismo e turismo de aventura ainda vêm sendo

8 8 pouco exploradas. Estima-se que a Grande Florianópolis corresponde a apenas 5% em distribuição de empreendimentos de agroturismo catarinenses (TOREZAN, MATTEI & GUZZATTI, 2002), apesar de considerada a segunda mesorregião catarinense em volume de produção hortícula. Cardoso (2002) alerta para que o solo não perca a sua função como fator produtivo, além do que as redefinições aos usos e costumes são dadas por novos protagonistas urbanos e pelas próprias instituições estatais e comunitárias. Assim, o papel do pequeno produtor como empreendedor é importante para um desenvolvimento turístico de dentro para fora, que vise primar pela diversidade de atrativos. No aproveitamento das atividades agropastoris e das singularidades geográficas existentes nas propriedades como diferenciais turísticos, há ações que podem ser empreendidas pelos pequenos produtores por um baixo custo: abertura de trilhas ecológicas, banhos de cachoeira e observação de pássaros com condutores locais, tirolesas, paredões de escalada e rappel, passeios a cavalo, pequenas hospedarias familiares, venda de pães, queijos, embutidos e compotas, visita ao interior de casas antigas ou à propriedade para tratamento de animais, venda direta de produtos da agricultura orgânica ou sistemática do colha e pague, reaproveitamento de resíduos na fabricação de artesanato, venda de mudas de plantas, entre outros. Trata-se de pequenos empreendimentos acoplados à propriedade rural que podem vir a compatibilizar o funcionamento da mesma com novas fontes de renda familiares, que independem de demandas ocasionais e criam novas relações com o ecoturismo, o turismo rural e o agroturismo. Tais atividades deveriam ser divulgadas através de mapas turísticos e sites, compondo roteiros de visitação às comunidades em evidência. 3. Identidade das áreas rurais de origem alemã na Grande Florianópolis A singularidade da paisagem rural está relacionada diretamente ao contraste dos ambientes naturais e os atributos das construções antigas e novas, sejam elas residenciais com arquitetura típica ou contemporânea, casas de antigos vendeiros, madeireiras, engenhos, alambiques, rodas d água, aviários, etc, personificando o modo de vida agrícola. Identificar e articular um percurso estendido à boa parte dos atores nas cidades rurais, com capacidade de oferecer elementos de atração e desenvolvimento coligados ao processo da colonização alemã, é tarefa que exige um planejamento articulado. O projeto Caminhos da Imigração Alemã é uma integração entre as cidades de origem alemã: Águas Mornas, Angelina, Anitápolis, Antônio Carlos, Rancho Queimado, Santo Amaro da Imperatriz, São Bonifácio e São Pedro de Alcântara. O ponto de partida do

9 9 projeto foi um estudo realizado pelo SEBRAE/SC, levantando os meios de geração de emprego e renda nas cidades onde havia previsão de crescimento do êxodo rural. Iniciado em 1999, o projeto conta com o apoio do governo do Estado em articulação com os oito municípios que, em conjunto, lançaram recentemente a Associação Turística Caminhos da Imigração Alemã, tendo a finalidade de buscar recursos, debater ações, divulgar e fortalecer os equipamentos turísticos existentes, na linha do desenvolvimento turístico regional. Sob a inspiração do projeto, vem ocorrendo a criação de festas, a restauração de alguns casarões, o surgimento de grupos de estudo ou folclóricos, além de alguns passeios organizados, como, por exemplo, a operadora de cicloturismo Caminhos do Sertão, que vem, desde 2004, reunindo grupos de 10 a 20 pessoas para percorrerem de bicicleta as cidades do roteiro. As prefeituras municipais têm investido na sinalização turística na maior parte sem a padronização internacional, mas, que se torna condizente com o ambiente rural, utilizando placas de madeira entalhada para indicar nomes de atrativos, a direção de bairros e distâncias. Recentemente implantados, os portais de acesso às cidades, embora esteticamente interessantes, remetem à colonização enxaimel do Vale do Itajaí e não à arquitetura local. A grande maioria das casas típicas são totalmente rebocadas, ou seja, sem as paredes em tijolo natural atravessadas por angulações de peças em madeira escurecida. Os colonos alemães e seus descendentes tiveram estreita relação com os tropeiros que chegavam dos Campos de Lages para comercializar mercadorias e conduzir o gado, e paralelamente, com o comércio de gêneros agrícolas que abasteciam a Capital. Entender e identificar a dinâmica dos vendistas alemães e descendentes resultaria num resgate cultural em benefício da ampliação dos atrativos turísticos. A identidade das cidades rurais de origem alemã deve ser redefinida a cada instante, através do conhecimento mais intenso das cidades sobre si mesmas. Nesse processo, a oralidade dos mais velhos não deve ser esquecida, tão pouco um acervo bibliográfico específico sobre a imigração alemã e as famílias fundadoras dos municípios, o que já vem acontecendo na região. Não obstante, falar da origem alemã na Grande Florianópolis é entender as ex-colônias resultando em oito municípios, nos quais há uma forte integração entre as culturas portuguesa (ou luso-brasileira) e alemã, seja nos casamentos contraídos no passado ou no próprio modo de vida atual. Significa dizer ainda, que os descendentes de alemães da Grande Florianópolis são representantes vivos do processo de uma cultura alemã híbrida com a portuguesa. É possível perceber este entrelaçamento de culturas, através do que restou da arquitetura rural de origem alemã presente nos oito municípios.

10 10 4. A tipologia arquitetônica A organização de um acervo fotográfico e os apontamentos de Peluso Júnior (1991) e Reitz (1988), sistematizaram uma análise empírica da arquitetura de origem alemã com a finalidade de contribuir nos estudos de ampliação e identificação da imagem turística local. Os conjuntos arquitetônicos compõem a paisagem rural das cidades analisadas. Contudo, a maior parte dos mesmos está mais no plano de recurso turístico em potencial do que como atrativos realmente conhecidos e admirados pelos visitantes da região. As edificações alcançaram uma configuração própria de caráter regional, inclusive, valendo uma sucessão arquitetônica. As construções foram tipificadas em: de influência portuguesa (tipo 1), chalés ornamentados (tipo 2), casarões de comerciantes (tipo 3) e casas comercial-residenciais (tipo 4). Determinadas edificações desta classificação aparecem, inclusive, no litoral próximo a Florianópolis ou nessa própria cidade. Em anexo, ilustra-se a classificação. Tipo 1 - O aprendizado de adaptação ao novo ambiente com os luso-brasileiros outorgou grande semelhança em seu aspecto construtivo nas residências situadas no meio rural, sendo casas pequenas e rebocadas (Foto 1 e 2). As casas apresentam janelas em guilhotina e folhas internas, telhas-de-canal com beirado curto ou sem-beira orientada para a estrada, diferenciando-se da casa luso-brasileira no aperfeiçoamento da inclinação do telhado (maior) para contemplar um sótão com janelas para o quarto do filho mais velho, além de molduras quadradas nas aberturas adornadas por cimalhas decoradas. Diverge da configuração das habitações em enxaimel das demais colônias alemãs catarinenses, também o fato de que o jardim ficou estabelecido nos fundos da casa, ao lado da horta diária. Tipo 2 - O segundo tipo corresponde às residências as quais o chalé é mais alto e o telhado com ângulo mais agudo, onde o sótão, mais amplo do que no primeiro grupo, funcionaria como o segundo andar, ou, em alguns casos, possuindo dois pavimentos. Com a empena voltada para a rua, as janelas são mais altas e envidraçadas do que no tipo 1, fechando-se algumas em quatro folhas. Janelas estão em simetria. Na maior parte, há três janelas frontais e a porta fica na lateral. As casas mais sofisticadas existiram, ou existem algumas ainda, em

11 11 certos bairros dos municípios de Florianópolis, São José e Biguaçú. Também aparecem nos oito municípios rurais nos seus aspectos mais simples (Fotos 3 e 4). Tipo 3 - Este tipo é formado pelas casas de comerciantes mais abastados, de função estritamente residencial, construídas entre o final do século XIX e anos 1920/30, que se edificam em sótão individualizado, profusa ornamentação de madeira, varanda, lambrequins e detalhes de influência francesa, suíça ou alemã, destacando-se pela volumetria eclética. Bastante sofisticadas, a maioria enquanto antigas sedes de chácara ou dotadas de grandes jardins, situadas na área central de Florianópolis. Também é encontrada uma dessas casas no centro de Biguaçú (Fotos 5 e 6). Tipo 4 - As casas de misto comercial-residencial compuseram o complexo vendeiro rural em várias localidades. Sob diversos estilos e períodos de construção que parecem ir até a década de 1950, igualam-se pelo pé direito alto, porão com janelas para estocagem de produtos, portas gêmeas imediatas à calçada e a maioria com nave do edifício orientada em paralelo com a rua. Algumas destas casas apresentam características de construção urbana, mesmo em áreas rurais e distantes, o que salienta a importância da expansão do negócio de determinadas famílias (Fotos 7 e 8). Considerações Finais O projeto Caminhos da Imigração Alemã parece estar seguindo as premissas do modelo territorialista, na medida em que procura, através das potencialidades regionais, a resolução dos problemas comuns entre os municípios no que tange um desenvolvimento turístico capaz de responder às exigências de demanda crescente. Este fortalecimento entre as cidades rurais procura reduzir a troca desigual no sistema econômico com as áreas urbanas, no sentido de oferecer o turismo no espaço rural em contraposição ao turismo de sol e mar em Florianópolis e proximidades. A diversidade de ambientes naturais da Grande Florianópolis resulta numa demanda turística interna e outra externa à própria região. A formação do público de turistas interessados nos atrativos rurais próximos a Florianópolis, também assume uma complementaridade a esta cidade, já consolidada como produto turístico nacional e internacional. As cidades rurais de origem alemã precisam continuar a desenvolver o turismo de maneira conjunta e orientadas pela demanda turística de Florianópolis, através do projeto mencionado. Para tanto, é preciso pautar as ações futuras em quatro pilares:

12 12 Fomento do atendimento familiar vinculado à unidade de produção, ou seja, tornar a pequena propriedade produtiva também um equipamento/serviço turístico, já que o pequeno produtor deve participar das atividades ligadas ao turismo; Capacitação para o turismo, em vários níveis, devendo chegar às cidades rurais dada a distância das instituições de ensino técnico, profissionalizante e superior; Manutenção e criação de novos eventos populares e continuidade dos encontros para discussão sobre um planejamento turístico com desenvolvimento sustentável; Medidas de preservação do patrimônio cultural de origem alemã e melhor divulgação das singularidades históricas e arquitetônicas. Os projetos de turismo devem acontecer de modo a propagar uma verdadeira turistificação no meio rural, ou seja, que sejam empreendidas ações e se colham resultados envolvendo os atores sociais das comunidades no processo de oferta e demanda turística. A concepção do turismo no espaço rural não pode esquecer a inserção do pequeno produtor no processo de mudanças socioeconômicas, visando reduzir os efeitos negativos sofridos pelo mesmo com relação à cultura e ao modo de vida, bem como os impactos ecológicos que interferem na qualidade ambiental e, dessa forma, também prejudicam a atividade agrícola. O levantamento dos aspectos culturais para a construção da imagem turística, atravessa, necessariamente, a valorização arquitetônica do meio rural da Grande Florianópolis. As ações futuras de planejamento deveriam entender que diversas pequenas propriedades apresentam singulares casas típicas de origem alemã enquanto atrativo turístico único de cada pequena propriedade, para serem vistas por aqueles que seguem os trajetos das estradas secundárias que ligam os oito municípios rurais. Assim, o envolvimento do pequeno produtor nas atividades estruturantes do turismo (meios de hospedagem, atrativos, serviços de alimentação, etc), também se relaciona com o resgate da arquitetura típica alemã. As casas típicas alemãs, com o devido resgate histórico-cultural, são um meio de integrar as pequenas propriedades no desenvolvimento turístico dos oito municípios. Referências Bibliográficas ARANA, A. R. A. Os desafios do turismo rural na valorização da cultura local. In: Colloquim Humanarum. Presidente Prudente, v. 4, n.2, dez 2007, p Bistrô Santa Rita. Jornal Folha de Rancho Queimado. ano 1, n.6. Rancho Queimado, 09/10/2009, p.7. CABREIRA, C. F.; ROSA, H. R. da. Turismo rural em Rancho Queimado: uma análise do espaço pela lógica capitalista. In: Encuentro de Geógrafos de America Latina, 2009,

13 13 Montevideo. Anais... XII, EGAL Caminando en una America Latina en transformación. Montevideo: Universidad de la República, Disponível em: egal2009.easyplanners.info/.../8072_fracchiolla_cabreira_carla.pdf>. Acesso em: 16 mar CARDOSO, A. M. F. Turismo, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável em áreas rurais. In: Observatório Medioambiental. v. 5, Instituto Politécnico de Viana Castelo, Portugal, 2002, p CRUZ, K. M. da. A Contribuição de Alemães e Descendentes para a Formação Sócio- Espacial Catarinense: O Caso da Região Metropolitana de Florianópolis (SC). Dissertação de Mestrado em Geografia. Florianópolis, UFSC, HENKES, J. A. Caracterização dos agentes do mercado atacadista da Ceasa/SC unidade de São José. Dissertação de Mestrado em Agroecossistemas. Florianópolis, UFSC, IBGE - Estimativa da população em Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1>.acesso em: 17 mar MOLETTA, V. F.; GOIDANICH, K. L. Turismo Rural. Porto Alegre: Sebrae/RS, 1999 (6, Desenvolvendo o Turismo). Notícias do Dia mostram Caminhos da Imigração Alemã. Site Caminhos do sertão. <http://www.caminhosdosertao.com.br/blog/2010/03/01/noticias-do-dia-mostram-caminhosda-imigracao-alema/>. Acesso em: 18 mar NOVAES, M. H. Turismo no espaço rural de Santa Catarina: uma análise dos meios de hospedagem, no enfoque da gestão ambiental, de 2004 a Tese de Doutorado em Turismo e Hotelaria. Balneário Camboriú, UNIVALI, PELUSO JÚNIOR, V. A. Aspectos Geográficos de Santa Catarina. Florianópolis: Editora da UFSC, FCC, REITZ, R. Alto Biguaçú. Narrativa cultural tetrarracial. Florianópolis: Lunardelli, Editora da UFSC, SANTA CATARINA. Grande Florianópolis. Roteiros Turísticos Regionais. Florianópolis: Letras Brasileiras, SANTOS, M. Espaço & método. São Paulo: Nobel, SCHNEIDER, S.; FIALHO, M. A. V. Atividades não agrícolas e turismo rural no Rio Grande do Sul. In: ALMEIDA, J.A. RIEDL, M. (orgs). Turismo Rural: ecologia, lazer e desenvolvimento. Bauru/SP: Edusc, 2000, p SOUZA, L. S. O turismo rural: instrumento para desenvolvimento sustentável. Edição Eletrônica. Disponível em: <http://www.eumed.net/libros/2006c/194/>. Acesso em: 15 mar TOREZAN, L.; GUIZZATTI, T. C.; NART, D.; BITENCOURT, R. B. Levantamento dos Empreendimentos de Turismo no Espaço Rural de Santa Catarina: Localização, Categorização e Descrição Geral. Florianópolis: Instituto CEPA/SC, TOREZAN, L.; MATTEI, L.; GUZZATTI, T. C. Estudo do potencial do agroturismo em Santa Catarina: impactos e potencialidades para a agricultura familiar. Florianópolis: Instituto CEPA/SC, ZIMMERMANN, A. Turismo rural: um modelo brasileiro. Florianópolis: Edição do autor, Disponível em: Acesso em: 15 mar 2010.

14 14 Tipo 1 - De influência portuguesa CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS ARQUITETÔNICOS Foto 1 - Casa no município de Antônio Carlos Fonte: Arquivo da autora (2007). Foto 2 - Casa no município de São Pedro de Alcântara

15 15 Fonte: Arquivo da autora (2007). Tipo 2 - Chalés ornamentados Foto 3 - Casa no município de Angelina Fonte: Arquivo da autora (2010). Foto 4 - Casa na rua Alves de Brito, centro de Florianópolis

16 16 Fonte: Arquivo da autora (2007). Tipo 3 - Casarões de comerciantes Foto 5 - Sobrado de João Nicolau Born (1892), centro de Biguaçú Fonte: Arquivo da autora (2007). Foto 6 - Casa que pertenceu a Fernand Hackradt (Século XIX), família Scheele e ao barão Dietrich Freiherr von Wangenheim, centro de Florianópolis

17 17 Fonte: Arquivo da autora (2007). Tipo 4 - Casas comercial-residenciais Foto 7 - Casarão Philippi (1907), município de Águas Mornas Fonte: Arquivo da autora (2008). Foto 8 - Casa de Germano Kretzer (1920), município de São Pedro de Alcântara

18 Fonte: Arquivo da autora (2007). 18

AGROTURISMO E MUSEU AO AR LIVRE PRINCESA ISABEL- RELATO DE EXPERIÊNCIA

AGROTURISMO E MUSEU AO AR LIVRE PRINCESA ISABEL- RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 AGROTURISMO E MUSEU AO AR LIVRE PRINCESA ISABEL- RELATO DE EXPERIÊNCIA Educação, Linguagem e Memória Janaina Veronezi Alberton Teresinha Baldo Volpato Introdução A preservação da memória agrícola para

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará Capítulo do Livro: Série Integração, Transformação e Desenvolvimento: Áreas Protegidas e Biodiversidade Fundo Vale para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro. 2012. Planejamento Turístico para

Leia mais

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 QUALIDADE E EXCELÊNCIA DISNEY, UM EXEMPLO PARA HOTÉIS DE TODO O MUNDO Fábio Ricardo Barros da Silva Acadêmico do Curso de Turismo e Hotelaria

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br ROTEIROS PAULISTAS DE TURISMO EQUESTRE O Turismo Eqüestre que tem nos eqüídeos o principal atrativo ou, pelo menos, uma das principais motivações, já é reconhecido em diferentes países como um importante

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.918

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.918 1 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.918 A REGIÃO TURÍSTICA DO ALTO CAFEZAL: DISCUSSÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DA PRÁTICA

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em volta. Por isso, é considerado um verdadeiro acrobata.

Leia mais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Rodolfo Finatti rodolfofinatti@yahoo.com.br FFLCH/USP Palavras-chave: condomínio empresarial, Região

Leia mais

IIIª Circunferência de Mobilidade Urbana de Florianópolis

IIIª Circunferência de Mobilidade Urbana de Florianópolis Documento confidencial para uso e informação do cliente IIIª Circunferência de Mobilidade Urbana de Florianópolis Dia Mundial sem Carro Divulgação Preliminar dos Resultados das Pesquisas Parte I Visão

Leia mais

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Histórico Quilombo era o local de refúgio dos escravos evadidos dos engenhos, os quilombolas, em sua maioria,

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

Feiras livres da agricultura familiar

Feiras livres da agricultura familiar Feiras livres da agricultura familiar FEIRAS LIVRES DA AGRICULTURA FAMILIAR Tradicionalmente, a Emater MG tem participação efetiva na organização e implantação dessas feiras no Estado, desenvolvendo ações,

Leia mais

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS Andressa Stefany Teles Jasmine Cardoso Moreira Victor Emanuel Carbonar Santos RESUMO: Impactos negativos

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA Karin Comerlatto da Rosa kcomerlattodarosa@yahoo.com.br Resumo: A história da Lapa está presente

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG)

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) SÉRGIO HENRIQUE DE CAMPOS ESPORTE 1 e ANA RUTE DO VALE 2 sergio_h13@hotmail.com, ana.vale@unifal-md.edu.br 1 Bolsista de iniciação científica

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

UMA ANÁLISE SOBRE AS DIVERSAS PAISAGENS DA LAGOA MAIOR EM TRÊS LAGOAS/MS

UMA ANÁLISE SOBRE AS DIVERSAS PAISAGENS DA LAGOA MAIOR EM TRÊS LAGOAS/MS UMA ANÁLISE SOBRE AS DIVERSAS PAISAGENS DA LAGOA MAIOR EM TRÊS LAGOAS/MS Cínthia dos Santos Sêna 1 Esp Luziane Albuquerque 2 RESUMO O presente trabalho visa analisar as diversas paisagens que compõem a

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

Produtos de qualidade, Patrimônio cultural e Desenvolvimento Territorial: O Caminhos de Pedra e o Vale dos Vinhedos

Produtos de qualidade, Patrimônio cultural e Desenvolvimento Territorial: O Caminhos de Pedra e o Vale dos Vinhedos Produtos de qualidade, Patrimônio cultural e Desenvolvimento Territorial: O Caminhos de Pedra e o Vale dos Vinhedos Claire Cerdan CIRAD-UFSC Introdução Ilustrar o uso do patrimônio cultural como elemento

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

Gruta Nossa Senhora de Lourdes Parque Passo Velho do Afonso

Gruta Nossa Senhora de Lourdes Parque Passo Velho do Afonso Serra Gaúcha Brasil Gruta Nossa Senhora de Lourdes Parque Passo Velho do Afonso Histórico Religiosidade A religiosidade cultuada pelos imigrantes italianos ainda tem forte presença em Nova Araçá. O município

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

Unesp 2014/2 Geografia 2ª Fase

Unesp 2014/2 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 5 (Placas Tectônicas e Terremotos) A partir das informações apresentadas e de conhecimentos geográficos, indique as áreas e as razões que levam algumas zonas do planeta a estarem sujeitas a maior

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO - FORMAL Definições: Educação Ambiental não - formal: pode ser definida como as ações e práticas educativas voltadas à sensibilização da coletividade sobre as questões ambientais

Leia mais

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Assessor Executivo Luis Roberto Wanderley de Siqueira Diretor Presidente da Empresa de Manutenção

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 10º Ano Disciplina: Turismo Informação e Animação Turística Ano Letivo 2015/1 MÓDULO 1 CONCEITOS E FUNDAMENTOS DO TURISMO 1. O Conceito do Turismo 1.1. Noção de Turismo 1.2. Classificações do Turismo 1..

Leia mais

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 79 80 81 82 83 84. Restauração, Intervenção da Praça General Tibúrcio - Fortaleza Histórica

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 79 80 81 82 83 84. Restauração, Intervenção da Praça General Tibúrcio - Fortaleza Histórica CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 200.000,00 45.000,00 194.960,00 400.000,00 80.000,00 550.000,00 1. CONDIÇÕES DE ACEITAÇÃO 1.1 Atende aos componentes dos Termos de Referência? 1.2 Escala da ação é compatível

Leia mais

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 37 38 39 40 41 42

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 37 38 39 40 41 42 085/230 - Terezinha - CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 500.000,00 120.000,00 5.200.000,00 693.000,00 2.790.000,00 8.000.000,00 1. CONDIÇÕES DE ACEITAÇÃO 1.1 Atende aos componentes dos Termos de Referência?

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

1.2 - Implantação do programa de habitação rural (construção de casas de qualidade nas propriedades rurais).

1.2 - Implantação do programa de habitação rural (construção de casas de qualidade nas propriedades rurais). PLANO DE GOVERNO - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTICIPATIVA PARA 2013/2016 COLIGAÇÃO O PRESENTE NOS PERMITE SEGUIR EM FRENTE - CANDIDATO A PREFEITO PEDRINHO DA MATA 11 Ações a serem realizadas por Secretarias:

Leia mais

O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada. no fim terás o que colher. Cora Coralina

O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada. no fim terás o que colher. Cora Coralina O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada. Caminhando e semeando, no fim terás o que colher Cora Coralina 1. MARCO REFERENCIAL Caminhos Históricos 1. PROJETO DE REFERÊNCIA: Caminho

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Gisele Garcia Alarcon, Marta Tresinari Wallauer & Cláudio Henschel de Matos

Gisele Garcia Alarcon, Marta Tresinari Wallauer & Cláudio Henschel de Matos MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO: DESAFIOS PARA O ENVOLVIMENTO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PARQUE Gisele Garcia Alarcon,

Leia mais

Política Metropolitana de Proteção da Paisagem e Promoção da Diversidade Cultural

Política Metropolitana de Proteção da Paisagem e Promoção da Diversidade Cultural UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA / CURSO DE TURISMO Política Metropolitana de Proteção da Paisagem e Promoção da Diversidade Cultural Fabiana Bernardes

Leia mais

Projetos Nova Alvorada do Sul - MS

Projetos Nova Alvorada do Sul - MS Projetos Nova Alvorada do Sul - MS Projeto Cursos Profissionalizantes Para atender à demanda de profissionais das indústrias de Nova Alvorada do Sul e região, a Comissão Temática de Educação elaborou o

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL

RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL PEC Nordeste - 2015 Evelynne Tabosa dos Santos Gestora Estadual do Programa de Turismo do Ceará TURISMO NO BRASIL - HISTÓRICO Atividade presente na Constituição

Leia mais

José Elias, 141. Conceito:

José Elias, 141. Conceito: Conceito: menu No meio do jardim tem um escritório. Na beira da janela, uma floreira. Na alma,inspiração. Nasce no ponto mais valorizado do Alto da Lapa o único projeto comercial que leva o verde para

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira Anexo de Metas e Prioridades

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira Anexo de Metas e Prioridades Programa 1704 - APOIO À AGRICULTURA FAMILIAR 17000 - Secretaria de Estado da Agricultura, da Pecuária e da Pesca Fortalecer a agricultura familiar, através de um conjunto de ações implementadas em parceria

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.38 - Programa de Apoio a Revitalização e incremento da Atividade de Turismo Relatório Semestral de Atividades Realizadas EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

Plano de Monitoramento dos Impactos Sociais do Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari

Plano de Monitoramento dos Impactos Sociais do Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Plano de Monitoramento dos Impactos Sociais do Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Monitoramento dos Impactos à Comunidade Plano de monitoramento dos impactos sociais Os impactos

Leia mais

ANEXO B Hierarquização dos projetos através da metodologia Delphi

ANEXO B Hierarquização dos projetos através da metodologia Delphi ANEXO B Hierarquização dos projetos através da metodologia Delphi Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO s CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 500.000,00 1.000.000,00 2.850.000,00 170.000,00 30.000,00 1.120.000,00

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Palavras Chaves : Turismo Rural, Desenvolvimento Local e Preservação Ambiental.

Palavras Chaves : Turismo Rural, Desenvolvimento Local e Preservação Ambiental. A ATIVIDADE TURÍSTICA NO ESPAÇO RURAL CATARINENSE Valdinho Pellin 1 Resumo : O atual cenário agrícola catarinense vem emergindo para uma busca gradual da multifuncionalidade de seu espaço rural, com a

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI Boletim do Investimento Urbano Sustentável ECO SHOPPING LAGOA DO PERI A agenda estratégica de desenvolvimento sustentável Floripa 2030, constitui um marco para a mudança das formas de uso e ocupação do

Leia mais

Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras

Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras Carla Moura de Paulo Gestora Ambiental, Mestra e Doutoranda em Ciência Ambiental PROCAM/USP carla.moura@usp.br

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS.

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. A Experiência dos Agrupamentos Vitícolas de Petrolina (Brasil) e Tierra Amarilla (Chile). Estrutura do Trabalho: 1.

Leia mais

HABILIDADES. Compreender que cada pessoa é única e especial. Valorizar a identidade de cada um. Descobrir e conhecer a sua história de vida.

HABILIDADES. Compreender que cada pessoa é única e especial. Valorizar a identidade de cada um. Descobrir e conhecer a sua história de vida. Disciplina: História Trimestre: 1º PLANEJAMENTO ANUAL - 2012 Série: 2º ano Turma: 21, 22, 23 e 24 CONTEÚDOS HABILIDADES AVALIAÇÕES Unidade 1 Cada um tem um jeito de ser. Descobrindo a minha história. Eu

Leia mais

A cidade mais alema do Brasil

A cidade mais alema do Brasil O Projeto de Iniciação Turística Escolar - Pomerode foi desenvolvido e é executado pela turismóloga Priscila Romig, formada em 2004 pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB). Projeto patrocinado

Leia mais

Projeto Barro Preto em Ação

Projeto Barro Preto em Ação Projeto Barro Preto em Ação Mirian de Sousa SILVA 1 ; André Luis RIBEIRO 2 ; 1ªTurma de Meio Ambiente 3 1 Professora orientadora do Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) Bambuí/Extensão Oliveira-MG. 2

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista

Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista 1 Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista DESTINO: Vitória/ES INSTITUIÇÃO PROMOTORA: Secretaria

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas SP-URBANISMO Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas Novembro 2010 ANTECEDENTES Determinação da Administração desde 2005 de transformar e desenvolver a área Ações multisetoriais: saúde, social,

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: %

DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: % SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Complexos recicláveis

Complexos recicláveis Complexos recicláveis Em função da realização dos próximos megaeventos esportivos mundiais por aqui Copa de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016, grandes obras de arquitetura voltada para os esportes (estádios,

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais