Legislação Tributária do estado do MS ATE e FRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Legislação Tributária do estado do MS ATE e FRE"

Transcrição

1 Legislação Tributária do estado do MS ATE e FRE Aula 11 Professor André Fantoni "Uma lenda conta que duas crianças patinavam em cima de um lago congelado. Era uma tarde nublada e fria e as crianças brincavam sem preocupação. De repente, o gelo se quebrou e uma das crianças caiu na água. A outra criança, vendo que seu amiguinho se afogava debaixo do gelo, pegou uma pedra e começou a golpear com todas as suas forças, conseguindo quebrá-lo e salvar seu amigo. Quando os bombeiros chegaram e viram o que havia acontecido, perguntaram ao menino: Como você conseguiu fazer isso? É impossível que você tenha quebrado o gelo com essa pedra e suas mãos tão pequenas! Nesse instante apareceu um ancião e disse: Eu sei como ele conseguiu. Todos perguntaram: 'Como?' O ancião respondeu: Não havia ninguém ao seu redor para dizer-lhe que ele não seria capaz." É isso aí, galera! Nós acreditamos em vocês! Na aula de hoje, vamos estudar o ITCD. É um tema tranquilo, que aborda alguns conceitos do Direito Civil, mas que já vou disponibilizar para nos familiarizarmos! Vocês vão gabaritar as questões de ITCD na prova, tenho certeza! Sendo assim, vamos aos trabalhos!

2 1 Lei 1.810/1997 ITCD O ITCD, previsto já na CF/88, de Competência dos estados e do DF, tem como características constitucionais que: I relativamente a bens imóveis e respectivos direitos, compete ao Estado da situação do bem, ou ao Distrito Federal; Ou seja, em se tratando de um bem imóvel, o estado que tem a competência tributária ativa é aquele onde o imóvel está situado, independente de onde seja domiciliado o sujeito passivo, isso vale para causa mortis e para doação! II relativamente a bens móveis, títulos e créditos, compete ao Estado onde se processar o inventário ou arrolamento, ou tiver domicílio o doador, ou ao Distrito Federal; Já no caso dos bens imóveis (automóveis, lanchas, ações etc.), o ITCD será devido ao estado onde se processar o inventário (causa mortis) ou onde tiver domicílio o doador (doação), não importando, quando se tratar de bens móveis, a situação ou localização do bem. Aliás, é interessante falar que o ITCD tem então duas espécies de FG: a causa mortis (morte) ou a doação, que explicaremos melhor mais à frente. FG Causa Mortis Doação

3 Cabe até um quadro-resumo para melhor fixação. Olha lá! Causa Mortis Doação Bens Imóveis Imóvel situado em MS Imóvel situado em MS Bens Móveis Sucessão em MS processada Domicílio do doador III terá competência para sua instituição regulada por lei complementar: a) se o doador tiver domicilio ou residência no exterior; b) se o de cujus possuía bens, era residente ou domiciliado ou teve o seu inventário processado no exterior; A CF/88 prevê a regulação por lei complementar nos casos em que o doador morar no exterior ou lá estiverem seus bens ou for processado o inventário. Essa LC ainda não existe; sendo assim, os estados vão legislando tranquilamente sobre essas hipóteses. Para nós, interessa somente o que diz o estado do MS. IV terá suas alíquotas máximas fixadas pelo Senado Federal; Foi fixada pela RSF nº 09/91, como alíquota máxima do ITCD em qualquer estado 8%. Essa Resolução traz ainda a possibilidade do ITCD ser progressivo em função do quinhão recebido. A progressividade deve ser estabelecida em lei. Muito cuidado com o Examinador: Resolução do Senado Federal Imposto Define Alíquota ITCD Máxima 8% IPVA Mínima 1% Título III Do Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos ITCD Um retrospecto do imposto de transmissão na história do país nos remete à vinda de D. João VI ao Brasil, após a invasão de Portugal por Napoleão, quando se deu início à formação do Sistema Tributário Nacional. Contudo, a forma inicial deste sistema era quase que totalmente português. Somente com a abertura dos portos ao comércio internacional é que foram instituídos

4 os primeiros impostos entre nós. A começar, em 1808, com a criação do imposto sobre a importação para consumo; do imposto predial (chamado de décima urbana); e, em 1809, são criadas a décima de heranças e legados, a sisa dos bens de raiz e a meia sisa dos escravos (5% sobre o valor do escravo herdado ou doado), consideradas estas as três primeiras formas de transmissão de propriedade. Ainda no império, foram substituídas as denominações selo de heranças e legados e décima ou taxa de heranças e legados para a denominação imposto de transmissão de propriedade pela Lei 1.507/1867, denominação esta que compreendia inclusive o imposto sobre a transmissão inter vivos. Em 1874, alterou-se mais uma vez o nome do tributo para imposto de transmissão de propriedade por título de sucessão legítima ou testamentária. A Constituição de 1891, a primeira republicana, já trouxe em seu corpo a repartição de receitas tributárias entre a União e os estados-membros, bem como a atribuição a estes últimos da competência para a instituição do imposto de transmissão. Ocorreu, ainda na vigência da Constituição republicana de 1891, a primeira decisão do STF quanto a conflitos de competência (guerra fiscal) entre a União e os estados, envolvendo a tributação de apólices da dívida pública e de embarcações, em que a excelsa Corte decidiu de forma favorável aos estados-membros, por tratar-se de transmissão de propriedade, a teor do art. 9º, 3º, da CF/1891. Na Constituição Federal de 1934, manteve a competência privativa dos estados para a instituição do imposto sobre a transmissão, solucionando a problemática da guerra fiscal entre os entes, positivando em seu texto a competência para a tributação sobre a transmissão causa mortis dos bens corpóreos (estado da localização dos bens). A Constituição de 1946 manteve a competência estadual para a instituição do imposto sobre a transmissão, mas teve seu texto alterado pela EC 5/1961, que passou para a competência dos municípios o imposto sobre a transmissão de propriedade imobiliária inter vivos. Ainda vigendo a Constituição de 1946, adveio a Reforma Tributária trazida pela EC 18/65, alterando sobremaneira o sistema tributário nacional. Com a emenda restou suprimido o imposto sucessório sobre todos os bens e foi criado, na competência dos estados-membros, um imposto único sobre transmissão, a

5 qualquer título, inclusive por sucessão causa mortis, de bens imóveis por natureza e por acessão física. Assim, fundiram-se num único imposto, de competência estadual, aqueles impostos sobre a transmissão causa mortis e inter vivos, passando-se à tributação apenas de bens imobiliários. No ano seguinte à Reforma Tributária citada, é instituído nosso Código Tributário Nacional, consubstanciado na Lei Ordinária 5.172, de 25 de outubro de 1966, que trouxe em sua Seção III, do Capítulo III, do Título III, o tratamento tributário dado à transmissão de bens imóveis e de direitos a eles relativos. A Constituição de 1967, assim como a EC 1, de 1969, mantiveram inalterado tal cenário tributário. Com a promulgação da atual Carta, houve a manutenção da competência estadual e distrital para a exação sobre a transmissão causa mortis e inter vivos a título gratuito (doação) de bens imóveis, abarcando inclusive a tributação dos bens móveis. Aos municípios foi conferida a competência para tributar as transmissões imobiliárias inter vivos a título oneroso, tal como antes. Após necessária passagem pela história e evolução do ITCD, partamos à análise e estudo da legislação deste. Para tanto, é necessário valermo-nos de conceitos e institutos de Direito Civil, especificamente do direito das sucessões (ramo do Direito Civil). Em poucas palavras, o direito das sucessões é o conjunto de princípios e normas que regulam a transferência de bens ou direitos, em razão da morte de alguém (causa mortis). Por conta disso, para o entendimento eficaz da tributação pelo ITCD é importante conhecermos o significado dos principais termos e expressões do Direito Civil em geral e do direito das sucessões utilizados na norma. Vamos usá-los muito a partir de agora! rs

6 Item I II III IV V VI VII Termo / Expressão Sucessão legítima (ou sem testamento) Sucessão testamentária (ou voluntária) Sucessão provisória Herdeiro Herdeiro necessário (legitimatário ou reservatário) Legatário Doação Considerações A herança é transmitida aos herdeiros, de acordo com a ordem determinada na lei civil. Ocorre quando o falecido transmitente não deixa testamento ou este é nulo, anulável ou caduco. A herança ou legado (bem individualizado é transferido aos herdeiros ou legatários, por ato de última vontade (testamento)). Abre-se quando há sentença de declaração de ausência de determinada pessoa, o que faz com que seus bens e direitos passem, com certas restrições, aos seus herdeiros. Aquele que sucede no total ou em parte de herança. Se for por força de lei, é designado herdeiro legítimo; se for em virtude de testamento, é designado herdeiro testamentário. Aqueles previstos em lei. São herdeiros necessários os descendentes, os ascendentes e o cônjuge (Código Civil, art ), desde que não sejam excluídos da sucessão por ato do testador que o deserde por prática de ação atentatória à sua pessoa, prevista em lei. O herdeiro necessário não pode ser preterido da sucessão, tendo resguardada sua legítima, uma vez que o de cujus somente poderá dispor via testamentária da metade de seus bens. Quem recebe, em virtude de testamento, determinada coisa ou percentual específico do legado (parte individualizada da herança). Ou seja, é a disposição testamentária a título singular pela qual o testador deixa, à pessoa estranha ou não, a sucessão legítima de um ou mais objetos individualizados ou uma quantia em dinheiro. O legatário não se compromete pelas dívidas do de cujus, diferente do herdeiro. Transmissão graciosa de uma propriedade ou a cessão graciosa de um direito. "Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra." (Código Civil, art. 538)

7 VIII Donatário Pessoa favorecida em uma doação. Aquela em que o doador impõe ao donatário uma incumbência, que pode ser em benefício do primeiro, em Doação com IX proveito de terceiro ou de interesse geral. Por exemplo, encargo: doação de um terreno com imposição ao donatário de nele construir uma escola. X Bem corpóreo Bem material (com consistência). XI Bem incorpóreo Bem imaterial (sem consistência material). XII Fideicomisso Modalidade de substituição hereditária. Consiste na instituição de fiduciário, ou seja, de herdeiro ou legatário com a obrigação de transmitir, a certo tempo, sob condição preestabelecida ou por sua morte, a herança ou o legado de uma outra pessoa (fideicomissário). Conforme o art , caput, do Código Civil, "A substituição fideicomissária somente se permite em favor dos não concebidos ao tempo da morte do testador". XIII Inventário Processo judicial para levantamento e descrição detalhada do patrimônio de pessoa falecida, para fins de partilha entre os herdeiros. XIV Inventariante Pessoa designada pelo juiz, conforme ordem estabelecida em lei, que tem a posse direta dos bens da herança, com objetivo de administrá-los, inventariá-los e, oportunamente, partilhálos entre os herdeiros. XV Arrolamento Forma mais simples de inventário (partilha amigável entre herdeiros capazes). XVI Meação Parcela dos bens de um casal que fica reservada ao outro cônjuge. XVII Quinhão Parte que cabe a determinada pessoa na partilha da herança. XVIII Renúncia pura e Ato pelo qual o herdeiro abre mão de seus direitos simples sucessórios. XIX Espólio Acervo de bens que integram o patrimônio do falecido e que será partilhado. XX Usufruto Direito real conferido a uma pessoa para usar e colher frutos sobre determinado bem, por determinado período de tempo.

8 XXI XXII XXIII XXIV XXV XXVI XXVII XXVIII XXIX XXX Uso Habitação Nu-proprietário Abertura da sucessão Sobrepartilha Adjudicação Tutela Ato translativo Precatória Legítima Direito real sobre a coisa alheia, a título gratuito ou oneroso, pelo qual alguém utiliza coisa alheia, temporariamente, na medida das suas necessidades e de sua família. Restrito ao uso, não podendo o usuário tirar frutos (fruir) da coisa. Direito real, temporário, personalíssimo, que consiste no direito de habitar gratuitamente casa alheia com sua família. Seu objeto só pode ser um imóvel com a destinação de moradia não onerosa. É a pessoa que detém a nua-propriedade, ou seja, propriedade despida, em razão da instituição do usufruto, do direito de usar e gozar. Abre-se a sucessão com a morte e desde logo a herança é transmitida aos herdeiros legítimos e testamentários. Ocorrida no inventário. Partilha adicional de bens remanescentes ou descobertos após a partilha. Em razão de inventário, é o ato judicial pelo qual se opera a transferência de propriedade de certos bens a determinados herdeiros, mediante pagamento ou reposição da diferença. Complexo de direitos e obrigações conferidas pela lei a um terceiro (tutor) para que administre os bens e proteja a pessoa de um menor (tutelado) do qual não se ache o pátrio poder, por seus pais terem falecido ou por terem sido destituídos do poder patronal. Ato pelo qual a propriedade de coisa ou direito passa de um titular a outro. Por exemplo: tradição, transição etc. Carta expedida por um juiz a outro, sediado em comarca diversa, para solicitar a prática de ato processual ou de diligência que somente pode realizar-se no território da jurisdição deste último. Porção de bens de que o testador não pode dispor por estar reservada aos herdeiros necessários (descendentes, ascendentes e cônjuge sobrevivente). "Pertence aos herdeiros necessários, de pleno direito, a metade dos bens da herança, constituindo a legítima." (Código Civil, art )

9 XXXI Legítima gravada A legítima é gravada quando onerada com encargos. Exemplo: imóvel herdado gravado com hipoteca. XXXII Partilha Repartição de bens de uma herança. XXXIII Posse Poder de dispor fisicamente de um bem com a intenção de têlo para si e defendê-lo contra intervenção ou agressão de quem quer que seja. XXXIV Avaliação judicial Realizada por determinação do juiz, no decorrer das ações judiciais, para estimar o valor ou o preço dos bens em inventário, partilha etc. Essa avaliação é feita pelo perito judicial, ou por outra pessoa designada em razão de sua habilidade técnica, pelo magistrado. XXXV Complexo de relações jurídicas com valor econômico, que Patrimônio abrange direitos e deveres de duas ou mais pessoas, redutíveis comum a dinheiro. XXXVI Convivente Pessoa que convive com outra, com intuito de constituir família. Domínio que confere ao enfiteuta ou foreiro o direito de fruir de todas as qualidades da coisa enfitêutica, sem destruir a sua substância, mediante a obrigação de pagar ao proprietário (senhorio direto) uma pensão invariável (foro). O enfiteuta XXXVII Domínio útil ou pode dispor do domínio útil, mediante pagamento de Domínio foreiro laudêmio ao senhorio direto, e transmiti-lo aos seus herdeiros. De acordo com o art , do Código Civil, fica proibida a constituição de enfiteuse e subenfiteuses, e as já existentes ficam subordinadas até a sua extinção ao Código Civil de 1916 e leis posteriores. É o ato jurídico unilateral pelo qual o herdeiro declara, expressamente, que não aceita a herança a que tem direito, XXXVIII Renúncia da despojando-se de sua titularidade. A renúncia é ato puro e herança simples, pois se o herdeiro cedesse a herança, impondo condições ou encargos em vez de simplesmente renunciar a ela, ele na verdade estaria aceitando-a de modo disfarçado. XXXIX Curatela Encargo público que a lei comete a alguém (curador) para reger, defender e administrar os bens de uma pessoa maior

10 XL XLI Domínio direto Hipoteca (curatelado) que, por si só, não está em condições de fazê-lo em razão de enfermidade física ou mental. O que pertence ao senhorio direto, único e verdadeiro titular da propriedade do bem enfitêutico (aforado), que tem direito ao foro e ao laudêmio, assim como de exigir a conservação da substância da coisa aforada, de invocar a ação de reivindicação etc. Direito real sobre coisa imóvel determinada, em virtude da qual o preço do mesmo imóvel garante imediata e preferencialmente o pagamento de uma responsabilidade de valor determinado, uma vez que constem do registro as declarações exigidas por lei. Dito isso, agora vejamos o que fala a Lei Sul Mato-Grossense (CTE). Capítulo I Do fato gerador e da incidência do ITCD Art O Imposto sobre a Transmissão "Causa Mortis" e Doação de quaisquer bens ou direitos ITCD incide sobre transmissão causa mortis e doação de quaisquer bens ou direitos. Como já vimos anteriormente, o ITCD tem duas espécies de fato gerador: transmissão causa mortis e doação! 1º Considera-se doação qualquer ato ou fato em que o doador, por liberalidade, transmite bens, vantagens ou direitos de seu patrimônio, ao donatário que os aceita, expressa, tácita ou presumidamente, incluindose as doações efetuadas com encargos ou ônus. A doação, FG do ITCD, será sempre a título não oneroso (se fosse oneroso, incidiria o ITBI e não o ITCD). Entretanto, esta pode ser com encargos ou ônus (obrigações). Não está se falando aqui que se trata de um ônus ao herdeiro, mas sim um ônus do bem, como, por exemplo: taxas e IPVA dos automóveis não quitados, hipoteca de uma casa etc. Doação é contrato a título gratuito, unilateral (obrigação unicamente exigida ao doador), consensual e, em regra, solene (forma escrita).

11 Objetiva-se, por meio do instituto, a prática de uma generosidade, mediante a transferência de algum bem do patrimônio do doador ao do donatário, e a aceitação deste. Cabe observar que, nos casos de partilha efetivada inter vivos, como adiantamento da legítima (aos herdeiros) por meio da transferência de domínio ou posse dos bens respectivos, equipara-se à doação, da mesma maneira que a renúncia à herança em favor de determinada pessoa. 2º Entende-se como quaisquer bens ou direitos, os bens imóveis e os direitos a ele relativos, os móveis, tais como, os semoventes, mercadorias e qualquer parcela do patrimônio que for passível de mercancia ou de transmissão, mesmo que representados por títulos, ações, quotas. Certificados, registros ou qualquer outro bem ou documento, assim como dinheiro, haver monetário em moeda nacional ou estrangeira e título que o represente, depósito bancário e crédito em conta corrente, deposito em caderneta de poupança e a prazo fixo, quota ou participação em fundo mútuo de ações, de renda fixa, de curto prazo, e qualquer outra aplicação financeira e de risco, seja qual for o prazo e a forma de garantia. 3º A transmissão de propriedade ou domínio útil de bem imóvel e direito a ele relativo, situado no Estado, sujeita-se ao imposto, ainda que o respectivo processo de transmissão ocorra fora do território do Estado de Mato Grosso do Sul, e, no caso de doação, ainda que o doador, donatário ou ambos tenham domicílio ou residência em outro Estado da Federação ou no exterior. Como já falamos no início, na ausência de uma lei complementar que regule as operações que envolvem uma das partes no exterior, o MS puxa a competência para si quando o domicílio for fora do país. 4º As legítimas dos herdeiros, ainda que gravadas, sujeitam-se ao ITCD como se não o fossem. Havendo herdeiros necessários, o testador só poderá dispor da metade da herança; a outra metade, denominada legítima, mesmo se estiver gravada, ou seja, sujeita a alguma limitação, condição ou obrigação (hipoteca ou cláusula de inalienabilidade), sujeitar-se-á ao ITCD quando da sucessão, como se não o tivessem. Na mesma situação se enquadram os casos de doação ou legado com encargo (doação de uma

12 casa vinculada ao funcionamento de uma ONG). 5º O ITCD é exigível também no caso de sucessão provisória. A morte determina o fim da pessoa natural (art. 6º, CC), abrindo-se a sucessão. Em outras palavras, desde o óbito opera-se a transmissão da herança (bens antes pertencentes ao de cujus), ou seja, instantaneamente, e sem qualquer formalidade, entram os herdeiros no domínio e posse dos bens deixados pelo falecido. Esse fenômeno denomina-se transmissão causa mortis, ou seja, há a transferência dos bens de quem faleceu para seus herdeiros (sucessão legítima) ou legatários (sucessão testamentária). Há também os casos de morte presumida pela ausência, nos quais, da mesma forma, haverá processo de inventário e a incidência do ITCD (sucessão provisória), consoante a Súmula 331 do STF. Ressalto que o fato imponível do ITCD (causa mortis) é a transmissão de qualquer bem quando da abertura da sucessão, inclusive da provisória (morte presumida/decretação da ausência). Caso, nesta última, haja o aparecimento do ausente, restará prejudicado o FG do tributo, surgindo, a partir de então, o direito à repetição do valor pago a título do imposto. Art A incidência do ITCD alcança as seguintes mutações patrimoniais: I sucessão legítima e testamentária, inclusive na instituição e substituição do objeto do fideicomisso; Mesmo nos casos de sucessão sob o instituto do fideicomisso ou substituição fideicomissária, ou seja, quando o testador nomeia herdeiro ou legatário (fiduciário), determinando que, por ocasião de sua morte (do fiduciário), a certo tempo ou sob certa condição, a herança ou legado passará a outra pessoa (fideicomissário). Podemos exemplificar o instituto do fideicomisso conforme segue: deixo todos os meus bens a A, e, por morte deste, passarão a B; lego meu apartamento à beira-mar, na Barra da Tijuca, RJ, a C, que passará a D, quando este nascer (meu neto). Fideicomitente (testador) Fiduciário Fideicomissário (destinatário dos bens)

13 II na cessão, renúncia ou desistência, em favor de pessoa determinada ou quando já praticado algum ato de aceitação de herança; Quando houver renúncia à herança ou legado, não se materializa a hipótese de transferência de direito sujeita ao ITCD, desde que concretizada (a renúncia) sem ressalva e em benefício do monte, e, ainda, que o herdeiro ou legatário renunciante não tenha praticado ato algum que denuncie intenção de aceitar a herança. Ou seja, a renúncia em favor de alguém é fato gerador do ITCD por se tratar de uma doação camuflada. Equipara-se à doação. III doação, ainda que a título de adiantamento da legítima; IV instituição de usufruto por ato não oneroso e sua extinção por falecimento do usufrutuário; Não só a transferência da propriedade, da posse ou do domínio útil de bens imóveis está abarcada pela exação do ITCD. Incluem-se em tal rol de incidência a transmissão de quaisquer outros direitos reais sobre eles (superfície, usufruto, uso, habitação, promessa de compra e venda irretratável relativa à imóvel), cujos conceitos e características, em síntese, observam-se a seguir. No usufruto (art , CC), há pelo menos dois agentes envolvidos: o nu-proprietário (proprietário que fica despido da posse direta, administração, uso e fruição), que detém a disposição e a posse indireta do bem; e o usufrutuário, que possui os direitos de usar e fruir da coisa. Em regra, a extinção do usufruto (art , CC) ocorre com o falecimento do usufrutuário, transmitindo-se os direitos de uso e fruição ao nu-proprietário, passando este, portanto, a ter a plena propriedade do bem (uso, fruição e disposição). Já o uso (art , CC), instituto historicamente usado sobre os escravos e muito pouco aplicado atualmente, é mais restrito que o usufruto, porém mais amplo que a habitação. O usuário só possui o direito do uso (jus utendi), da ocupação do bem, para o fim a que se destina, não possuindo os atributos de fruição e nem de disposição do mesmo (assim como no usufruto, tem aplicação sobre bens móveis e imóveis). Registre-se que se entende que a habitação (art c/c 1.831, CC) é o mais restrito dos direitos reais de gozo ou fruição. Pode-se dizer que seria um uso (instituto)

14 restrito, diminuído, enquanto o uso, um usufruto restrito, reduzido. É direito real de uso gratuito da casa para moradia, urbana ou rural. O titular do direito residirá com sua família em um imóvel que não é seu (aplica-se exclusivamente sobre imóveis). Entende-se por direito real do promitente comprador (art , CC) aquele sobre as coisas, traduzindo apropriação de riquezas e autorizando seu titular a exclusivo uso e gozo e, no caso de imóveis, à aquisição dos mesmos. U S U F R Donatário Usufrutuário e doador da nuapropriedade Direito de dispor do bem/nuapropriedade Domínio útil U T O Óbito do usufrutuário Extinção do usufruto Plena propriedade ==> NP + DU V na desigualdade de valores da partilha, como a decorrente de inventário, arrolamento, separação ou divórcio. No presente caso, esclarece-se que na hipótese de haver excesso, e sendo esse atribuído ao cônjuge, companheiro ou a qualquer herdeiro a título gratuito, tal excesso é considerado como doação, havendo, por conseguinte, a incidência do ITCD. O assunto em comento já foi objeto de intensa discussão na doutrina e jurisprudência, no entanto, resta pacificado, conforme Súmula 116 do STF em desquite ou inventário, é legitima a cobrança do chamado imposto de reposição, quando houver desigualdade entre os bens partilhados. Art Considera-se ocorrido o fato gerador: I nas transmissões causa mortis e na instituição do fideicomisso, no último dia do mês posterior ao do óbito;

15 II nas doações, na substituição do fideicomisso e nas demais hipóteses do artigo anterior, na data do recebimento do bem ou direito. Parágrafo único. Havendo impossibilidade de se estabelecer a data exata para a fixação da ocorrência do fato gerador, deve-se tomar como válida aquela que: I nas transmissões causa mortis, corresponder à abertura sucessória; II nas doações, corresponder ao primeiro dia do ano civil em que o donatário recebeu a posse ou o direito sobre a coisa doada. Importante este dispositivo, tendo em vista a jurisprudência a seguir: Súmula 112 DO STF: O imposto de transmissão causa mortis é devido pela alíquota vigente ao tempo da abertura da sucessão. Art Ocorrem tantos fatos geradores distintos quantos forem os herdeiros, legatários ou donatários, mesmo que o bem ou direito, objeto da tributação, seja indivisível. Dispositivo semelhante ao constante do art. 35, único, do CTN, à exceção da última parte, em que o legislador mato-grossense acresceu a figura dos donatários. Portanto, pretende-se com isso ver caracterizada a ocorrência do fato imponível considerando a quantidade de beneficiários, e não a de bens deixados pelo de cujos ou objeto de doação. Assim, se o monte é formado por apenas um imóvel, sendo quatro os herdeiros, a transmissão, para estes, de cada uma das quatro partes do respectivo bem caracteriza distintos FG, com o que os quatro herdeiros se obrigam ao recolhimento do ITCD calculado sobre o quinhão hereditário de cada um.

16 Resumidamente, temos: Doação ITCD Transmissão Causa Mortis FG Excesso meação ou quinhão = Doação Capítulo II Da imunidade e da isenção Art São imunes ao ITCD: I a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; II os templos de qualquer culto; III os partidos políticos, inclusive suas fundações; IV as entidades sindicais dos trabalhadores, instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos; V os livros, os jornais, os periódicos e o papel destinado à sua impressão. 1º A imunidade prevista no inciso I é extensiva às Autarquias e Fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, vinculadas às suas finalidades essenciais ou às delas decorrentes. 2º A imunidade se refere aos bens vinculados às finalidades essenciais das entidades não alcançando bens destinados à utilização como fonte de renda ou à exploração econômica. Em que pese o fato de os dispositivos anteriores estarem regrados na Constituição Federal, portanto casos de imunidades, a lei do Mato Grosso do Sul dispôs acerca delas, transcrevendo-as. No 2º, o legislador, reprisando o disposto no art. 14, do CTN, trata dos requisitos legais para o gozo do benefício da não incidência.

17 Art São isentos do ITCD: I as doações de bens e direitos cujos valores não ultrapassem o valor equivalente a 780 UFERMS; II as transmissões causa mortis, bem imóvel: a) sendo rural, sua área não ultrapasse o módulo da região e seja destinado aos herdeiros; b) sendo urbano, apresente construção residencial de padrão popular ou inferior e seja utilizada como habitação dos herdeiros. Parágrafo único. A isenção prevista no inciso II só se aplica na herança que tenha um único bem imóvel a ser partilhado. Esses dispositivos devem ser decorados, pois caem de forma simples e direta na prova. Capítulo III Da base de cálculo Art A base de cálculo do ITCD é o valor venal dos bens ou direitos objeto de transmissão legítima ou testamentária ou de doação, apurada e calculada nas formas a seguir especificadas: A base de cálculo do imposto em questão, nas transmissões causa mortis ou por doação, é o valor venal (valor corrente de mercado do bem ou direito) ou o valor dos títulos ou créditos, expresso em moeda nacional, apurado mediante avaliação administrativa ou judicial ou por estimativa fiscal procedida pela autoridade fazendária. I na transmissão por sucessão legítima e testamentária, processada: a) mediante inventário, o valor dos bens ou direitos fixados por avaliação judicial; b) sob o rito do arrolamento ou realizada por escritura pública, o valor dos bens ou direitos, fixados por avaliação administrativa; (Alínea b: nova redação dada pela Lei nº 4.425, de 7 de novembro de Efeitos a partir de 08/11/2013.) II na transmissão testamentária pura e simples, o valor dos bens ou direitos, estabelecidos em avaliação administrativa; III na doação, o valor venal dos bens ou direitos apurados por avaliação administrativa e/ou estimativa fiscal;

18 IV na cessão, renúncia ou desistência de herança ou legado, o valor venal do quinhão ou legado, apurado por avaliação judicial, na hipótese de inventário e por avaliação administrativa ou estimativa fiscal, na hipótese de arrolamento; V na diferença de valores partilhados, o valor venal apurado em avaliação administrativa ou estimativa fiscal; Considera-se valor venal o valor de mercado do bem ou direito na data da abertura da sucessão ou da realização do ato ou da celebração do contrato de doação, ou instituição de direito real (data do respectivo FG). VI na instituição do usufruto, por ato não oneroso, bem como no seu retorno ao nu-proprietário, 1/3 (um terço) do valor do imóvel, apurado por avaliação administrativa; VII na doação da nua-propriedade, 2/3 (dois terços) do valor venal do imóvel, apurado por avaliação administrativa; Quando o proprietário abre mão de um ou mais poderes da propriedade (uso, gozo/fruição, disposição) em favor de terceira pessoa, aplicando um dos institutos anteriores ou quando da extinção desses, a BC para a exação do ITCD será de 2/3 do valor do bem. Instituição/Extinção do Usufruto/Uso/habitação BC = 1/3 Doação da nua-propriedade: BC = 2/3 VIII na instituição e na substituição de fideicomisso, o valor venal do bem apurado, por avaliação administrativa. Art O contribuinte que não concordar com a avaliação de bens, para efeito de ITCD, poderá, no prazo de dez dias, apresentar reclamação ao órgão competente, na forma do regulamento. O ITCD é lançado, via de regra, por declaração, podendo ser de ofício pelo Fisco também, sendo, entretanto, assegurado o contraditório ao sujeito passivo, com relação à BC arbitrada.

19 Capítulo IV Da alíquota Art As alíquotas do ITCD ficam fixadas em: I quatro por cento, nos casos de transmissão causa mortis; II dois por cento, nas hipóteses de doação de quaisquer bens ou direitos. Art Sobrevindo alíquotas inferiores àquelas fixadas neste artigo, por decorrência de Resolução editada pelo Senado Federal, o Regulamento pode reduzi-las até o limite então estabelecido. Capítulo V Dos contribuintes e dos responsáveis Art São contribuintes do ITCD as pessoas físicas ou jurídicas que se revistam da qualidade de: I herdeiros, legatários ou donatários; II beneficiados pela desistência de quinhão ou de direitos, por herdeiros ou legatários. São considerados contribuintes do imposto estadual em comento aqueles que tiverem conexão direta com o fato imponível, de forma a ter sua riqueza (acréscimo do patrimônio pela transmissão) por ele revelada, sendo estes os destinatários da carga tributária, ou seja, as pessoas cuja capacidade contributiva restou comprovada, conforme se observa no quadro-resumo abaixo: Fato gerador Na transmissão causa mortis No fideicomisso Na doação Na cessão de herança ou de bem ou direito a título não oneroso Contribuinte do imposto O herdeiro ou legatário O fiduciário O donatário e, na hipótese de o donatário não residir nem possuir domicílio em MS, o doador O cessionário Art Respondem solidariamente pelo recolhimento do ITCD, por qualquer irregularidade cometida: I os cartórios de registros de títulos e documentos;

20 II os cartórios de registro de imóveis; III os tabeliães e demais serventuários da justiça; IV os titulares, administradores e servidores das demais entidades de direito público ou privado onde se processem os registros, anotações ou averbações de doações; V o doador, pelo ITCD devido pelo donatário inadimplente; VI a empresa, ou a instituição financeira ou bancária, a quem caiba a responsabilidade pela prática de ato que implique na incidência do ITCD; VII o detentor da posse de bem transmitido na forma prevista nesta Lei. O legislador sul mato-grossense atribuiu, conforme se verifica nos dispositivos acima, responsabilidade solidária a terceiros, tais como tabeliães, escrivães, instituições financeiras, doador, cedente, administradores de bens, que derem causa ao não recolhimento do ITCD, podendo o Fisco eleger, a seu bem entender, o devedor de quem pretende cobrar o crédito (sem benefício de ordem), a depender do grau de culpabilidade do envolvimento do terceiro. Capítulo VI Do local, forma e prazo para recolhimento Art O local, forma e prazo para o recolhimento do ITCD serão estabelecidos em regulamento. O RITCD não consta na ementa do concurso. Capítulo VII Dos acréscimos e penalidades Art A falta de recolhimento do ITCD, no todo ou em parte, ou o atraso no seu recolhimento, acarreta: I a atualização monetária do valor devido; II a exigência de juro até o recolhimento; III a aplicação das penalidades previstas no artigo seguinte. Art Sujeitam-se às multas de: I cem por cento do ITCD devido, os que deixarem de mencionar os frutos pendentes e outros bens transmitidos juntamente com a

21 propriedade e os que sonegarem bens em inventários ou arrolamentos, bem como aqueles que não recolherem o imposto nos prazos legais; II cinqüenta por cento do ITCD devido, aqueles que não recolherem nos prazos regulamentares. 1º O ITCD deve ser acrescido de multa de vinte por cento, quando o inventário for requerido depois de sessenta dias da abertura da sucessão. ( 1º: nova redação dada pela Lei nº 4.425, de 7 de novembro de Efeitos a partir de 08/11/2013.) 2º As multas previstas neste artigo ficam reduzidas para: I trinta por cento do seu valor, quando o contribuinte, até o trigésimo dia da sua intimação, liquidar o débito exigido em auto de infração ou em comunicação escrita do fisco estadual ou da autoridade competente; II cinqüenta por cento do seu valor, quando o contribuinte recolher o débito exigido na decisão de primeira instância, antes do julgamento administrativo final; III sessenta por cento do seu valor, quando, proferida a decisão de segunda instância administrativa, o contribuinte, até o trigésimo dia da intimação, liquidar o débito confirmado na decisão condenatória; IV setenta por cento do seu valor, quando, antes da inscrição em dívida ativa, ou se já efetivada esta, antes do seu ajuizamento, o contribuinte liquidar o débito. Art A falta ou inexatidão de declaração relativa a elementos que possam influir no cálculo do ITCD, com evidente intuito de sonegação, sujeitam o contribuinte à multa de três vezes o valor do imposto. Art A penalidade do artigo anterior também se aplica a qualquer pessoa, inclusive serventuário ou funcionário, que intervenha no negócio jurídico ou na declaração e seja conivente ou auxiliar na inexatidão ou omissão praticada. Art As penalidades constantes deste capítulo devem ser aplicadas sem prejuízo do processo criminal ou administrativo.

22 Capítulo VIII Da fiscalização Art Compete à Procuradoria-Geral do Estado, a fiscalização, judicial e extrajudicial, de todos os atos relativos ao ITCD, sem prejuízo das atribuições próprias da Secretaria de Estado de Fazenda. (Art. 139: nova redação dada pela Lei nº 4.425, de 7 de novembro de Efeitos a partir de 08/11/2013.) À Procuradoria-Geral do Estado incumbe representar judicial e extrajudicialmente o estado em matéria que envolva ações fiscais relativas ao ITCD (inventário, arrolamento, partilha e sobrepartilha, habilitação de herdeiros, adjudicação, extinção e fideicomisso etc.), com vistas à regularidade da arrecadação do tributo. Parágrafo único. No caso de fatos sujeitos ao ITCD ou de infração à legislação tributária, relativos ao referido imposto, constatados no exercício da competência de que trata este artigo, a Procuradoria-Geral do Estado deve representar à Secretaria de Estado de Fazenda sobre os fatos ou as irregularidades apuradas, encaminhando-lhe as provas que coletar, para fins de lançamento do imposto e da imposição de multa cabível, por agente do Fisco competente. (Parágrafo único: acrescentado pela Lei nº 4.425, de 7 de novembro de Efeitos a partir de 08/11/2013.) Art Compete exclusivamente ao Procurador do Estado a fiscalização dos atos praticados no inventário, arrolamento, separação, divórcio e casos que envolvam a desigualdade dos valores da partilha. Parágrafo único. Aplica-se na hipótese deste artigo o disposto no parágrafo único do art. 139 desta Lei. (Parágrafo único: acrescentado pela Lei nº 4.425, de 7 de novembro de Efeitos a partir de 08/11/2013.) Art A Procuradoria-Geral do Estado proporá ação de sonegados ou a abertura de inventário se não requerida no prazo legal, por qualquer interessado. Art Antes da partilha, se o espólio for devedor de qualquer tributo estadual ou se verificado o irregular andamento do processo, a Procuradoria-Geral do Estado requererá ao juiz que sejam separados bens suficientes para pagamento dos tributos.

23 Vamos aos exercícios! Art Antes da expedição dos formais de partilha, cartas de adjudicação, bem como dos alvarás, à Procuradoria-Geral do Estado incumbe a verificação do regular pagamento de todos os tributos. Questões comentadas 01. (AFRE-CE/2007) João, nascido em Fortaleza e residente e domiciliado no Rio de Janeiro, veio a falecer deixando testamento em favor de Pedro, residente no Rio de Janeiro, e de Paulo, residente no Ceará. Pelo testamento, foram destinadas a Pedro uma casa em Fortaleza e várias obras de arte, e a Paulo um apartamento no Rio de Janeiro e um lote de ações da Cia. Vale do Rio Doce. O inventário processou-se no Rio de Janeiro. Considerando os dados acima, e tendo em vista as normas sobre o Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCD), assinale as afirmativas abaixo com F ou V, conforme sejam falsas ou verdadeiras. ( ) Paulo é contribuinte do ITCD, devido ao Estado do Ceará, incidente sobre o apartamento; ( ) Paulo é contribuinte do ITCD, devido ao Estado do Ceará, incidente sobre as ações; ( ) Pedro é contribuinte do ITCD, devido ao Estado do Ceará, incidente sobre a casa; ( ) Pedro é contribuinte do ITCD, devido ao Estado do Ceará, incidente sobre as obras de arte; ( ) Pedro não é contribuinte do ITCD devido ao Estado do Ceará; ( ) Paulo não é contribuinte do ITCD devido ao Estado do Ceará. a) F F V F F V b) V F V F V F c) F V F V F F d) F V V F V V e) V V V F F F

24 No caso acima, da transmissão causa mortis, temos que, quanto aos bens imóveis, a regra é que o ITCD é devido ao estado onde este se situa. Sendo assim: Pedro paga o importo ao estado do Ceará e Paulo ao RJ. Quanto aos bens móveis (ações e obras de arte), o imposto é devido ao estado onde se processou o inventário. Sendo assim, ambos devem recolher o ITCD ao estado do RJ. Portanto, a sequência correta é a da letra A. Gabarito: A 02. (AFTE-RN/2005) José, residente e domiciliado em São Paulo, possuía ações e três imóveis: um no Rio de Janeiro, um em Mato Grosso e um no Rio Grande do Norte. Em janeiro do ano X, José doou o imóvel situado no Rio Grande do Norte e 20% das ações, ao seu afilhado Paulo, residente em Mato Grosso. Em junho, José faleceu, processando-se o inventário em São Paulo. Seu filho mais velho, Luís, residente no Paraná, herdou o imóvel do Rio de Janeiro e metade das ações remanescentes. O filho mais novo, Guilherme, residente em Goiás, herdou o imóvel em Mato Grosso e a outra metade das ações remanescentes. Considerando a situação descrita e as disposições relativas ao local da operação para fins de incidência do Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doações de Quaisquer Bens ou Direitos (ITCD), segundo a legislação de Mato Grosso do Sul, assinale, a seguir, a opção que indica corretamente o local da operação, para fins de incidência do imposto, nas transmissões: das ações a Paulo, das ações a Luís, das ações a Guilherme, do imóvel a Paulo, do imóvel a Luís e do imóvel a Guilherme, nessa ordem: a) Mato Grosso, Paraná, Goiás, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e Mato Grosso; b) Mato Grosso, Mato Grosso, Paraná, Paraná, Goiás, Goiás; c) São Paulo, São Paulo, São Paulo, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e Mato Grosso; d) São Paulo, São Paulo, São Paulo, São Paulo, São Paulo, São Paulo; e) São Paulo, São Paulo, São Paulo, Mato Grosso, Paraná, Goiás.

25 Para resolver esse tipo de questão, é necessário desenhar mesmo; rascunhe no seu caderno. Seguindo a mesma regra da questão anterior, vamos analisar: ações a Paulo Doação de bem móvel, tendo o doador domiciliado em SP: SP; ações a Luís Transmissão Causa Mortis de bem móvel, inventário processado em SP: SP; ações a Guilherme Transmissão Causa Mortis de bem móvel, inventário processado em SP: SP; do imóvel a Paulo imóvel situado no RN: RN; do imóvel a Luís imóvel situado no RJ: RJ; e do imóvel a Guilherme situado no MT: ITCD devido ao MT. Gabarito: C 03. De acordo com a Lei 1.810/97, a fiscalização, judicial e extrajudicial, de todos os atos relativos ao ITCD no Estado do Mato Grosso do Sul compete: a) Privativamente à Secretaria de Estado de Fazenda, com auxílio da Procuradoria-Geral do Estado. b) Exclusivamente à Secretaria de Estado de Fazenda. c) Exclusivamente à Secretaria de Estado de Orçamento. d) Exclusivamente à Secretaria de Estado de Planejamento. e) Exclusivamente à Procuradoria-Geral do Estado, sem prejuízo das atribuições próprias da Secretaria de Estado de Fazenda, orçamento e Planejamento. Questão do concurso do MS de 2001; artigo 139. Gabarito: E 04. De acordo com a Lei 1.810/97, as alternativas abaixo são isentas do ITCD, exceto: a) As doações de bens e direitos cujos valores não ultrapassem o valor equivalente a 780 UFERMS. b) As doações de bem imóvel para assentamentos rurais concernentes ao programa de reforma agrária.

26 c) As transmissões causa mortis de bem imóvel rural cuja área não ultrapasse o módulo da região e seja destinado aos herdeiros. d) As transmissões causa mortis de bem imóvel urbano, único na herança a ser partilhado, que apresente padrão popular ou inferior, e seja utilizado como habitação dos herdeiros. Também do concurso de 2001; artigo 126. Gabarito: B 05. A herança é fato compreendido entre as hipóteses de incidência do imposto sobre transmissão causa mortis e doação de quaisquer bens ou direitos (ITCD), que ocorre com a cessão de direitos à herança. Todavia, a legislação sul matogrossense relativa a esse imposto não considera ocorrido o fato gerador do ITCD na transferência de direito na renúncia à herança ou legado, desde que essa transferência se efetive dentro de certas circunstâncias. Em face dessas circunstâncias, configura hipótese de incidência do ITCD o caso de: a) renúncia feita sem ressalva. b) renúncia feita em benefício de outro herdeiro especificado. c) renúncia efetivada dentro de 60 dias contados da data do falecimento do de cujus. d) renúncia em favor de templos de qualquer culto. e) as doações para as entidades sindicais dos trabalhadores, instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos. A renúncia feita a outro beneficiário especificado não é pura e simples, sendo assim considerada uma doação e, portanto, sujeita ao pagamento do ITCD. Gabarito: B 06. No caso de transmissão de títulos, créditos, ações, quotas, valores e outros bens móveis de qualquer natureza, bem como dos direitos a eles relativos, o imposto é devido ao Estado de Mato Grosso do Sul se nele tiverem domicílio as pessoas relacionadas nas alternativas a seguir, à exceção de uma. Assinale-a. a) o doador, ou se nele se processar a sucessão;

27 b) o donatário, na hipótese em que o doador tenha domicílio ou residência no exterior; c) o herdeiro ou legatário, se o de cujus possuía bens, era domiciliado ou residente no exterior; d) o herdeiro ou legatário, se a sucessão tiver sido processada no exterior; e) o donatário, em qualquer hipótese. A letra E é falsa, pois o domicílio do donatário não se enquadra para definir o sujeito ativo em qualquer hipótese, apenas no caso de o doador ter domicílio no exterior. Caso isso não ocorra, a regra é o domicílio do doador. Gabarito: E 07. Quanto ao Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação de quaisquer bens ou direitos (ITCD), assinale a alternativa mais adequada: a) considera-se doação a transmissão de bens, vantagens ou direitos de seu patrimônio, ao donatário que os aceita, expressa, tácita ou presumidamente, exceto as doações efetuadas com encargos ou ônus; b) nas transmissões causa mortis ocorrem tantos fatos geradores distintos quantos forem os bens imóveis transmitidos; c) nas transmissões decorrentes de doações, ocorrem tantos fatos geradores distintos quantos forem os donatários do bem, título ou crédito, ou de direito transmitido; d) o ITCD não incide sobre a doação de semoventes; e) o ITCD incide apenas sobre a transmissão de propriedade. A letra A está errada, pois, no final, o correto seria inclusive as doações com encargos ou ônus (art. 121, 1º). A letra B está errada, uma vez que contradiz a letra C, que é o gabarito, nos termos do artigo 124. As letras D e E são falsas. O ITCD incide sobre os bois e também, na doação, usufruto etc. Gabarito: C

28 08. Uma pessoa domiciliada em Mato Grosso do Sul resolve fazer doação a seus dois filhos de parte de seus bens imóveis localizados também em MS, porém reservando para si o usufruto vitalício de tais bens. Sabendo-se que os bens objeto da doação foram avaliados pela Fazenda Pública Estadual em R$ ,00 (sessenta mil reais) e que um dos donatários recebeu o dobro do valor do outro, qual o valor total do ITCD devido, considerando que 1 UFERMS é igual a R$ 20,00? a) R$ 680,00; b) R$ 800,00; c) R$ 1.200,00; d) R$ 2.400,00; e) R$ 2.000,00. Temos que os filhos sejam X e Y, a herança ficaria assim: X: Y: ITCD: X: x 2% = 400 Y: x 2% = 800 Total = Entretanto, trata-se de uma transmissão da nua-propriedade, pois o usufruto foi instituído para si próprio. Nesses casos, o imposto devido é 2/3 do total. ITCD = x 2/3 = 800. Gabarito: B 09. Na forma da lei, a renúncia à herança deixa de caracterizar transmissão de direitos quando realizada nas seguintes circunstâncias concorrentes: a) após a aceitação da herança e em benefício do monte; b) antes da aceitação da herança e em benefício do monte; c) após a aceitação da herança e sem indicação de beneficiário; d) antes da aceitação da herança e em benefício do cônjuge meeiro; e) antes da aceitação da herança e com indicação de beneficiário. Já comentado acima. Gabarito: B

29 10. Um partido político levando em conta que um de seus membros tendo sido um dos seus fundadores e tendo prestado relevantes serviços ao partido, numa atitude inédita, resolve agraciá-lo com um imóvel edificado na zona urbana, que será utilizado como moradia juntamente com sua família, no valor de R$27.000,00. Considerando que o referido político possui vários lotes e um imóvel não residencial na zona urbana, é correto afirmar que a referida doação, relativamente ao Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos (considere que 1 UFERMS é igual a R$ 20,00): a) é devido no valor de R$ 540,00; b) é devido no valor de R$ 1.080,00; c) não incide em virtude de o doador ser partido político; d) não incide em virtude de o donatário ser partido político; e) é caso de isenção em virtude de o doador ser partido político. Trata-se de uma não incidência, uma vez que o donatário está abarcado pela imunidade política. Artigo 125, III. Gabarito: D 11. O patrimônio de João e Maria, casados em comunhão de bens, é constituído de uma casa no valor de R$ ,00 e de um apartamento no valor de R$ ,00. Ao se divorciarem, coube à Maria a casa e a João o apartamento. Considerando as normas relativas ao Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doações (ITCD), assinale a afirmativa correta. a) pela situação descrita, não se configurou fato gerador do ITCD; b) Maria deve recolher ITCD sobre R$ ,00; c) Maria deve recolher ITCD sobre R$ ,00; d) antes de transitar em julgado a sentença homologatória do divórcio, João deve recolher o imposto calculado sobre R$ ,00 e Maria deve recolher o imposto calculado sobre R$ ,00; e) João deve recolher o ITCD, no valor de R$ 2.000,00. Na meação, não incidiria o ITCD caso a partilha fosse feita em partes iguais, ou seja, como o patrimônio é de R$ 900 mil, a divisão seria de R$ 450 mil para cada cônjuge. Porém, isso não ocorreu: Maria levou R$ 500 mil, sendo R$ 50 mil a mais

30 do que a meação, nesse caso, com base no art. 122, V, da lei, incide o ITCD sobre o excesso. ITCD = x 2% = 1.000,00. Gabarito: B 12. Segundo a Lei 1.810/97, podemos afirmar que será objeto de recolhimento do ITCD: a) a dação em pagamento. b) oferecimento de bens imóveis em garantia. c) o fruto e o rendimento do bem do espólio havido após o falecimento do autor da herança ou legado. d) a transmissão de bens ao cônjuge, em virtude da comunicação decorrente do regime de bens do casamento. e) a doação de bens em adiantamento de legítima. Artigo 122, IV. Gabarito: E 13. (Fantoni) Estrupícius é declarado ausente em 11 de abril de 2013 e aberta a sucessão provisória por morte presumida, nos termos da lei, para que seja efetuada a transmissão causa mortis do de cujus. Estrupícius tinha 5 filhos todos residentes no RJ Montoya, Aranda, Bernardo, Guinazu e Pedro Ken, sendo que o último renunciou à sua parte da herança pura e simplesmente, enquanto Bernardo renunciou ao seu quinhão em benefício de Aranda. Guinazu promoveu a cessão onerosa de R$ ,00 em favor de Montoya. O valor do espólio do de cujus correspondia a R$ ,00, referentes aos bens móveis quando da decretação de sua morte presumida. Entretanto, é sabido que o inventário só foi requerido em 20 de agosto de 2013, em Campo Grande/MS, e, nesta data, o espólio do de cujus montava a R$ ,00 devido ao rendimento de suas aplicações financeiras no banco. Sendo assim, o valor a ser arrecadado pelo estado de MS é: a) R$ ,00 b) R$ ,00 c) R$ ,00

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: LEI COMPLEMENTAR Nº 21, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1988 Institui o Imposto sobre a Transmissão causa mortis e Doação de Bens ou Direitos. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: seguinte Lei: FAÇO SABER que o Poder

Leia mais

ITCMD para AFR/SP PARTE 2

ITCMD para AFR/SP PARTE 2 "Aprendi que as oportunidades nunca são perdidas; alguém vai aproveitar as que você perdeu. William Shakespeare ITCMD para AFR/SP PARTE 2 D) Das Isenções As isenções estão previstas no art. 6º da Lei 10705/2000

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA 1 LEI Nº 959, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Publicado no DOE 4646-28/12/2000 Institui o Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos - ITCD. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI Nº 2228, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2009. PUBLICADA NO DOE Nº1396, DE 28.12.09 Altera, acrescenta e revoga dispositivos da Lei nº 959, de 28 de dezembro de 2000. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA: Faço

Leia mais

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS:

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: 1. Capacidade para suceder é a aptidão da pessoa para receber os bens deixados pelo de cujus no tempo da abertura da sucessão. Considerando tal afirmação

Leia mais

PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO

PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO CLIENT ALERT DEZEMBRO/2015 GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SANCIONA AS NOVAS REGRAS REFERENTES AO IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO CAUSA MORTIS E DOAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE SETEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE SETEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE SETEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 19.09.07. Retificação no DOE(Pa) de 25.09.07. Institui a Declaração de Bens e Direitos, relativa ao Imposto sobre Transmissão

Leia mais

LEI Nº 02/89. A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, decretou e

LEI Nº 02/89. A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, decretou e LEI Nº 02/89 Institui o Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis e dá outras providências. A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, decretou e eu, Prefeito Municipal sanciono a

Leia mais

LEI N.º 1.427 DE 13 DE FEVEREIRO DE 1989. Alterações posteriores Lei n.º 2.052/92, Lei n.º 2.821/97, Lei n.º 3.515/00, Lei n.º 3.

LEI N.º 1.427 DE 13 DE FEVEREIRO DE 1989. Alterações posteriores Lei n.º 2.052/92, Lei n.º 2.821/97, Lei n.º 3.515/00, Lei n.º 3. Publicada no D.O.E. em 14.02.1989 LEI N.º 1.427 DE 13 DE FEVEREIRO DE 1989 Alterações posteriores Lei n.º 2.052/92, Lei n.º 2.821/97, Lei n.º 3.515/00, Lei n.º 3.663/2001 Institui o Imposto sobre Transmissão

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA ITCMD Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de quaisquer Bens ou Direitos MANUAL DO USUÁRIO 2012 O ITCMD tem como fato gerador a transmissão de bens e direitos

Leia mais

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 1 - Imposto sobre transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) Compete privativamente aos Estados a instituição

Leia mais

ITCMD. Perguntas mais frequentes:

ITCMD. Perguntas mais frequentes: ITCMD Perguntas mais frequentes: 1. Quando nasce a obrigação de pagar o ITCMD? O ITCMD é o imposto estadual incidente sobre a transmissão de quaisquer bens ou direitos a título gratuito (ato não oneroso).

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo)

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo) UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras 1. Imposto sobre a transmissão de bens imóveis 1.1. Legislação 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo

Leia mais

IR/ PESSOAS FÍSICAS GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE BENS OU DIRIEITOS

IR/ PESSOAS FÍSICAS GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE BENS OU DIRIEITOS IR/ PESSOAS FÍSICAS GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE BENS OU DIRIEITOS Nesta edição, a Asscontas traz esclarecimentos acerca do cálculo e da incidência do Imposto de Renda sobre o ganho de capital auferido

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PROCURADORIA GERAL DO ESTADO DIREITO CIVIL E COMERCIAL. (Responda de forma concisa e objetiva, porém, com fundamentação.

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PROCURADORIA GERAL DO ESTADO DIREITO CIVIL E COMERCIAL. (Responda de forma concisa e objetiva, porém, com fundamentação. DIREITO CIVIL E COMERCIAL (Responda de forma concisa e objetiva, porém, com fundamentação.) 1) Atento à classificação das obrigações e a noção de responsabilidade civil, responda: (1,00 a) Existe distinção

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA TÍTULO III DO IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO "CAUSA MORTIS" E DOACÃO DE QUAISQUER BENS OU DIREITOS CAPÍTULO I

GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA TÍTULO III DO IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO CAUSA MORTIS E DOACÃO DE QUAISQUER BENS OU DIREITOS CAPÍTULO I LEI Nº 5077 DE 12 DE JUNHO DE 1989, COM ALTERAÇÕES POSTERIORES GOVERNO DE ALAGOAS SECRETARIA DA FAZENDA Institui o Código Tributário do Estado de Alagoas. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS sanciono a seguinte

Leia mais

Entre as inovações do presente projeto de lei, devem ser destacadas:

Entre as inovações do presente projeto de lei, devem ser destacadas: Vitória 02 de maio de 2013 Mensagem nº 77 /2013 Senhor Presidente: Tenho a honra de encaminhar à elevada apreciação dessa augusta Casa Legislativa, o anexo projeto de lei que dispõe sobre o Imposto sobre

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm Page 1 of 9 Espólio - Contribuinte Falecido CONCEITO 085 O que é espólio? Espólio é o conjunto de bens, direitos e obrigações da pessoa falecida. É contribuinte distinto do meeiro, herdeiros e legatários.

Leia mais

LEGISLAÇÃO RELATIVA AO ITCD. Constituição Federal Artigo 155, Inciso I, 1º. Seção IV DOS IMPOSTOS DOS ESTADOS E DO DISTRITO FEDERAL

LEGISLAÇÃO RELATIVA AO ITCD. Constituição Federal Artigo 155, Inciso I, 1º. Seção IV DOS IMPOSTOS DOS ESTADOS E DO DISTRITO FEDERAL LEGISLAÇÃO RELATIVA AO ITCD Constituição Federal Artigo 155, Inciso I, 1º Seção IV DOS IMPOSTOS DOS ESTADOS E DO DISTRITO FEDERAL Art. 155. Compete aos Estados e ao Distrito Federal instituir impostos

Leia mais

RETA FINAL MODULAR PARA O CONCURSO DO ICMS - SP Disciplina: Legislação Tributária Prof.: Vilson Cortez Data: 12/02/2009 Aula: 11 2ª Parte

RETA FINAL MODULAR PARA O CONCURSO DO ICMS - SP Disciplina: Legislação Tributária Prof.: Vilson Cortez Data: 12/02/2009 Aula: 11 2ª Parte MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR LEI Nº 10.705 de 28 DE DEZEMBRO DE 2000 (DOE 29 de Dezembro de 2000) Dispõe sobre a instituição do Imposto sobre Transmissão "Causa Mortis" e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos

Leia mais

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte I Sucessão - Etimologia Sucessão Successio, de succedere. Relação de ordem, de continuidade. Uma sequência de fato e de coisas. O que vem em certa ordem ou em certo tempo. Sucessão

Leia mais

6 Inventários e arrolamentos. Processo. Petição de herança, 83

6 Inventários e arrolamentos. Processo. Petição de herança, 83 1 Noções introdutórias, 1 1.1 Sucessão. Compreensão do vocábulo. O direito das sucessões, 1 1.2 Direito das sucessões no direito romano, 2 1.3 Ideia central do direito das sucessões, 4 1.4 Noção de herança,

Leia mais

SUCESSÃO HEREDITÁRIA. fases práticas do inventário e partilha

SUCESSÃO HEREDITÁRIA. fases práticas do inventário e partilha EDUARDO MACHADO ROCHA Juiz de Direito da Vara de Família e Sucessões da Comarca de Dourados (MS). Pós-graduado - Especialização em Direito Processual Civil. Professor de Direito Civil na Unigran - Universidade

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva INVENTÁRIO Dois sentidos para o mesmo vocábulo: Liquidação do acervo hereditário (registro, descrição, catalogação dos bens). Procedimento especial

Leia mais

LEI Nº 111/88. O PREFEITO MUNICIPAL DE COLÍDER. Faz saber que a Câmara Municipal decretou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 111/88. O PREFEITO MUNICIPAL DE COLÍDER. Faz saber que a Câmara Municipal decretou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 111/88. INSTITUI O IMPOSTO SOBRE TRANSMISÃO, INTER-VIVOS, DE BENS IMÓVEIS E DE DIREITOS A ELES RELATIVOS ITBI. O PREFEITO MUNICIPAL DE COLÍDER. Faz saber que a Câmara Municipal decretou e eu sanciono

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade http://patriciafontanella.adv.br Viés Constitucional Assento constitucional (art. 5º XXX, CF/88). Mudança dos poderes individuais da propriedade, trazendo a

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva Direito das Sucessões Sucessão: alteração de titulares em uma dada relação jurídica Sucessão (sentido estrito): causa mortis A sucessão engloba

Leia mais

CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE SER RENDA;

CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE SER RENDA; DOS IMPOSTOS (CONTINUAÇÃO) IMPOSTO SOBRE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA ENCONTRA-SE PREVISTO NO ARTIGO 153, INCISO III, DA C.F.. CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE

Leia mais

Código Tributário Estadual CTE - Lei 11.651/1991 Artigos 72 a 89.

Código Tributário Estadual CTE - Lei 11.651/1991 Artigos 72 a 89. Código Tributário Estadual CTE - Lei 11.651/1991 Artigos 72 a 89. TÍTULO III DO IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO CAUSA MORTIS E DOAÇÃO DE QUAISQUER BENS OU DIREITOS - ITCD CAPÍTULO I DA INCIDÊNCIA SEÇÃO I DO

Leia mais

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências.

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. EMENTA: Concede parcelamento de débitos fiscais com anistia

Leia mais

Boletim Informativo junho/2015 ITCMD

Boletim Informativo junho/2015 ITCMD Boletim Informativo junho/2015 ITCMD 23 de junho de 2015 Intenciona o governo propor projeto de Emenda Constitucional para aumentar a alíquota do Imposto sobre Herança e Doação ( ITCMD ) para 16% (dezesseis

Leia mais

LEI N 3.818, DE 20 DE MARÇO DE 1967

LEI N 3.818, DE 20 DE MARÇO DE 1967 LEI N 3.818, DE 20 DE MARÇO DE 1967 Publicada no DOE (Pa) de 31.03.67. Alterada pela Lei 4.313/69. Vide Lei 5.002/81, que fixa alíquotas para o Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis e de Direitos

Leia mais

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO

SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO TABELIÃO (PRESTADOR DE SERVIÇO PÚBLICO EM CARÁTER PRIVADO)... 5 1.3 NOVA LEI HOMENAGEIA

Leia mais

Desse modo, esse adquirente

Desse modo, esse adquirente 1-(FCC - 2012 - Prefeitura de São Paulo - SP - Auditor Fiscal do Município) Uma pessoa adquiriu bem imóvel, localizado em área urbana de município paulista, sem exigir que o vendedor lhe exibisse ou entregasse

Leia mais

ESTADO DOACRE LEI COMPLEMENTAR N 271 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

ESTADO DOACRE LEI COMPLEMENTAR N 271 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 LEI COMPLEMENTAR N 271 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. Publicada no DOE nº 11.210, de 30 de dezembro de 2013 Dispõe sobre o Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos - ITCMD.

Leia mais

Simulado Super Receita 2013 Direito Tributário Simulado Rafael Saldanha

Simulado Super Receita 2013 Direito Tributário Simulado Rafael Saldanha Simulado Super Receita 2013 Direito Tributário Simulado Rafael Saldanha 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 01 - (ESAF/2012) Analise as proposições a seguir e

Leia mais

USUFRUTO. 1) Conceito:

USUFRUTO. 1) Conceito: USUFRUTO 1) Conceito: O usufruto é um dos chamados direitos reais sobre coisa alheia. Para Sílvio de Salvo Venosa 1 usufruto é um direito real transitório que concede a seu titular o poder de usar e gozar

Leia mais

LEI ORDINÁRIA Nº 4871, DE 23 DE JANEIRO DE 1989.

LEI ORDINÁRIA Nº 4871, DE 23 DE JANEIRO DE 1989. 1 LEI ORDINÁRIA Nº 4871, DE 23 DE JANEIRO DE 1989. DISPÕE SOBRE TRANSMISSÃO INTER VIVOS, A QUALQUER TÍTULO, POR ATO ONEROSO, DE BENS IMÓVEIS, POR NATUREZA OU ACESSÃO FÍSICA, E DE DIREITOS REAIS SOBRE IMÓVEIS,

Leia mais

Vamos lá... *** a) Artigo 168: No caso de interrupção de pagamento de débito parcelado, o saldo proporcional

Vamos lá... *** a) Artigo 168: No caso de interrupção de pagamento de débito parcelado, o saldo proporcional Olá pessoal, tudo bem? Muitos estudos? Espero que sim. Vou começar a trabalhar com vocês alguns aspectos importantes da Legislação do ICMS RJ que podem ser cobrados no próximo concurso para Auditor Fiscal

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA DECRETO Nº 13.346, DE 24 DE JUNHO DE 2013. Regulamenta a Lei Complementar nº 4.403, de 5 de junho de 2013, que Estabelece obrigação de uso do sistema ITBI

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade Institui o imposto sobre transmissão intervivos, a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis, por natureza ou acessão física e de direitos reais sobre imóveis, exceto os de garantia, bem como cessão

Leia mais

O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título.

O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título. IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO IPTU FATO GERADOR E INCIDÊNCIA O Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou posse de todo e qualquer bem imóvel

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 05, DE 15 DE MARÇO DE 1975. (Redação atual) INSTITUI O CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DECRETO-LEI Nº 05, DE 15 DE MARÇO DE 1975. (Redação atual) INSTITUI O CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. DECRETO-LEI Nº 05, DE 15 DE MARÇO DE 1975. (Redação atual) INSTITUI O CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO EXCLUSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Art. 175 ao Art. 182 CTN Centro de Ensino Superior do Amapá Direito Financeiro e Tributário II Professora: Ilza Facundes Macapá-AP, 2013.1

Leia mais

MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI

MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI VERSÃO: 20/7/2009 2/8 MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DOS PARTICIPANTES

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

Questão 3. A analogia constitui elemento de

Questão 3. A analogia constitui elemento de (AFCE.ESAF.2006.44) As limitações constitucionais ao poder de tributar constituem garantias aos contribuintes de que não serão submetidos à tributação sem a estrita observância de tais princípios. Sobre

Leia mais

A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS

A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS 23 A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS Adrieli Aline Frias 1 Daniele Garcia 2 Niagara Sabrina 3 Ynaia Medina Long 4 Orientadora: Profª. Mª. Ana Cleusa

Leia mais

ITBI/ITD PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO SUCESSÓRIO. Gustavo Brigagão

ITBI/ITD PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO SUCESSÓRIO. Gustavo Brigagão ITBI/ITD PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO SUCESSÓRIO Gustavo Brigagão Histórico - Alvará 3/1809 Imposto de Sisa - Transmissão de bens de raiz (bens imóveis) e escravos ladinos - Constituição/1891 Imposto Estadual

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 900, DE 19 DE JULHO DE 2002. Disciplina o pagamento ou parcelamento de débitos de que trata o art. 11 da Medida Provisória nº 38, de 14 de maio de 2002.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Caderno Eletrônico de Exercícos Direito das Sucessões

Caderno Eletrônico de Exercícos Direito das Sucessões 1) Que é herança jacente: a) Herança que não existe herdeiros, salvo o estado b) Herança que tem que ser dividida entre os pais e cônjuge c) Herança que tem que ser dividida entre irmãos d) Herança deixada

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI Nº 959, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Publicado no DOE 4646-28/12/2000 Alterada pela Lei nº 2228, de 23 de dezembro de 2009 - D.O.E. de 28.12.2009 O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA: Institui o Imposto

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC Lançamento 1-(FCC - 2012 - Prefeitura de São Paulo - SP - Auditor Fiscal do Município) Um contribuinte do Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU possuía

Leia mais

Inventário e Partilha

Inventário e Partilha 108 Inventário e Partilha Flávia de Azevedo Faria Rezende Chagas 1 O palestrante, Dr. Sérgio Ricardo de Arruda Fernandes, iniciou sua explanação abordando a abertura da via extrajudicial, prevista na Resolução

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N. 728, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1980 Consolida a legislação do Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis e de Direitos a eles Relativos ITBI, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

Leia mais

RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015

RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 1- ATOS DO REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS VALORES EM R$ ATO VALORES TOTAL BUSCA (POR PERÍODO

Leia mais

DECRETO Nº 33.156, DE 31 DE MARÇO DE 1989. (REGULAMENTO DO ITCD) O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, no uso da atribuição que lhe confere

DECRETO Nº 33.156, DE 31 DE MARÇO DE 1989. (REGULAMENTO DO ITCD) O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, no uso da atribuição que lhe confere Este documento foi gerado em 24/10/2011 às 18h:33min. DECRETO Nº 33.156, DE 31 DE MARÇO DE 1989. (REGULAMENTO DO ITCD) DECRETO Nº 33.156, DE 31 DE MARÇO DE 1989. (REGULAMENTO DO ITCD) Regulamenta o Imposto

Leia mais

Portaria CAT 29, de 4.3.2011.

Portaria CAT 29, de 4.3.2011. Portaria CAT 29, de 4.3.2011. LEGISLAÇÃO ESTADUAL (Diário Oficial do Estado de São Paulo) Portaria COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CAT/SP nº 29, de 04.03.2011 D.O.E.: 05.03.2011.

Leia mais

Processos de Regularização de Imóveis

Processos de Regularização de Imóveis Processos de Regularização de Imóveis Prof. Weliton Martins Rodrigues ensinar@me.com www.vivadireito.net 5 5.1. Copyright 2013. Todos os direitos reservados. 1 2 A aquisição da propriedade é forma pela

Leia mais

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada*

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* Como se sabe, em decorrência das disputas entre Estados e Municípios na partilha de impostos, o legislador constituinte de 1988 cindiu o

Leia mais

LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986

LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986 LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986 Cria o Fundo de Prevenção, Recuperação e de Combate às Drogas de Abuso, dispõe sobre os Bens Apreendidos e Adquiridos com Produtos de Tráfico Ilícito de Drogas ou

Leia mais

- Doação a incapaz, terá de o ser sem encargos (puras) e produz efeitos independentemente da aceitação (presumida). (951. nº. 1 e 2 CC).

- Doação a incapaz, terá de o ser sem encargos (puras) e produz efeitos independentemente da aceitação (presumida). (951. nº. 1 e 2 CC). Noção Contrato pelo qual uma Pessoa Jurídica, por espírito de liberalidade e à custa do seu património, dispõe gratuitamente de uma coisa ou de um direito, ou assume uma obrigação, em benefício do outro

Leia mais

Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04

Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04 01 Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04 II - SUCESSÃO EM GERAL (Cont...) 7. Aceitação e Renúncia da Herança (arts. 1.804 a 1.813,

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins Comentários da prova ISS-SJC/SP Prof. Aline Martins 1 de 7 ANÁLISE DAS QUESTÕES DE DIREITO TRIBUTÁRIO ISS-SJC/SP Oi pessoal! Vou comentar abaixo as quatro questões de Direito Tributário da prova do concurso

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, Registro: 2012.0000257965 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante FAZENDA DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO DA PESSOA FÍSICA. José Henrique Longo. IBCPF Março, 2015 LEGITIMIDADE DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO:

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO DA PESSOA FÍSICA. José Henrique Longo. IBCPF Março, 2015 LEGITIMIDADE DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO DA PESSOA FÍSICA José Henrique Longo IBCPF Março, 2015 LEGITIMIDADE DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Capacidade Contributiva & Solidariedade Direito de Auto Organização Planejamento

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge;

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge; 1 DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões CONCORRÊNCIA NO NCC herdeiros. Art. 1829 do CC É a primeira vez que o código enfrenta a concorrência entre I descendentes concorrendo com o cônjuge; Indignidade: art.

Leia mais

O Prefeito Municipal de vitória, Capital do Estado do Espírito Santo, faço saber que a Câmara Municipal decretou e eu sanciono a seguinte lei:

O Prefeito Municipal de vitória, Capital do Estado do Espírito Santo, faço saber que a Câmara Municipal decretou e eu sanciono a seguinte lei: Lei nº 3.571/89 (com alterações das Leis 3.701/90, 4.165/94, 4.476/97e 4.735/98) Dispõe sobre o Imposto Sobre Transmissão de Bens Imóveis Inter-Vivos e sobre a Venda a Varejo de combustíveis Líquidos e

Leia mais

Declaração de Espólio

Declaração de Espólio SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Conceito de Espólio 3. Declarações de Espólio 3.1. Declaração inicial 3.2. Declarações intermediárias 3.3. Declaração final 4. Declaração de Bens 5. Prazo para Apresentação

Leia mais

CONCEITO DE INVENTÁRIO

CONCEITO DE INVENTÁRIO DIREITO CIVIL Inventário e Partilha CONCEITO DE INVENTÁRIO Inventárioéoprocedimentojudicialatravésdoqual será realizado o levantamento dos bens, valores, dívidas e sucessores do autor da herança. OBJETIVO

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

ITBI - Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Direito Tributário

ITBI - Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Direito Tributário 1 ITBI - Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Direito Tributário Posição histórica Também conhecido como sisa, até 1988 era da competência dos Estados. A partir da Constituição Federal de 1988, passou

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA. Base de Cálculo de imóveis rurais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA. Base de Cálculo de imóveis rurais GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Base de Cálculo de imóveis rurais ITCMD Base de Cálculo (Lei 10.705/02) Artigo 9º - A base de cálculo do imposto é o valor venal do bem ou direito transmitido,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002. Altera a legislação tributária federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

Questões Controvertidas do ITBI.

Questões Controvertidas do ITBI. FESDT Fundação Escola Superior de Direito Tributário 2011 X Congresso Direito Tributário em Questão Questões Controvertidas do ITBI. Ígor Danilevicz 1 /07/2011 (8h) ITBI ou ITIV? EC 1/69 Art. 23. Compete

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 022/15 DE 14 DE MAIO DE 2015. AUTORIA DO PODER EXECUTIVO

PROJETO DE LEI Nº 022/15 DE 14 DE MAIO DE 2015. AUTORIA DO PODER EXECUTIVO PROJETO DE LEI Nº 022/15 DE 14 DE MAIO DE 2015. AUTORIA DO PODER EXECUTIVO CUMPRE O DISPOSTO NO PARAGRAFO ÚNICO, DO ART. 256, DO CTM NO QUE TRATA DO IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO INTER VIVOS, POR ATO ONEROSO

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PORTARIA N.º 3 DE 22 /11 /2005 Dispõe sobre a prova de regularidade fiscal perante a Fazenda Nacional e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DA FAZENDA

Leia mais

As vantagens de partilhar seus bens em vida

As vantagens de partilhar seus bens em vida As vantagens de partilhar seus bens em vida Antecipar a herança por meio de doações pode sair mais em conta e protege a família de preocupações Planejar a partilha da herança poupa a família de gastos

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 306 1

LEI COMPLEMENTAR Nº 306 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 306 1 Institui hipótese de responsabilidade pelo pagamento do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço

Leia mais

DECRETO Nº 9.795, DE 14 DE SETEMBRO DE 2012.

DECRETO Nº 9.795, DE 14 DE SETEMBRO DE 2012. Publicado no DOM de 15 de setembro de 2012. DECRETO Nº 9.795, DE 14 DE SETEMBRO DE 2012. Aprova o Regulamento Do Imposto de Transmissão Inter Vivos de Bens Imóveis ITIV. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL,

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

CURSO SOBRE TRIBUTAÇÃO MUNICIPAL PANORAMA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO MUNICIPAL

CURSO SOBRE TRIBUTAÇÃO MUNICIPAL PANORAMA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO MUNICIPAL CURSO SOBRE TRIBUTAÇÃO MUNICIPAL PANORAMA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO MUNICIPAL FUNÇÃO DOS TRIBUTOS FUNÇÃO FISCAL OU ARRECADATÓRIA; FUNÇÃO EXTRAFISCAL OU REGULATÓRIA NECESSIDADE ARRECADATÓRIA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

N e w s l e t t e r AAPS

N e w s l e t t e r AAPS Caros Associados, A AAPS interessada nos temas que possam ser de utilidade aos associados, tem participado em eventos sobre o assunto em questão. No contexto das atividades desenvolvidas pelo GEPS (Grupo

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA LEI Nº 3.256, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui o programa de recuperação de créditos tributários da fazenda pública municipal REFIM e dá outras providências. Piauí Lei: O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA,

Leia mais

Declaração do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (DITR)

Declaração do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (DITR) Declaração do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (DITR) 01 O que é ITR? ITR é o Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural. 02 Quem deve apurar o ITR? A apuração do ITR deve ser efetuada

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CRI - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS

MANUAL DE NORMAS CRI - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS MANUAL DE NORMAS - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS VERSÃO: 01/7/2008 2 / 11 MANUAL DE NORMAS - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 (Complementar)

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 (Complementar) PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 (Complementar) Regulamenta o inciso VII do art. 153 da Constituição Federal, para dispor sobre a tributação de grandes fortunas O CONGRESSSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO Art 1 - Antes da lavratura de escritura pública, nas hipóteses previstas nos artigos 982 e 1.124-A do Código de Processo Civil, na redação dada pela Lei federal

Leia mais

LEI Nº 11.441/2007 ESCRITURA PÚBLICA DE INVENTÁRIO E PARTILHA

LEI Nº 11.441/2007 ESCRITURA PÚBLICA DE INVENTÁRIO E PARTILHA SUCESSÕES: LEI Nº 11.441/2007 ESCRITURA PÚBLICA DE INVENTÁRIO E PARTILHA DOCUMENTOS ROTEIRO INTRODUÇÃO DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ...una mala política legislativa, consagrada a través del tiempo, no se sabe

Leia mais

Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco

Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco SUMÁRIO: 1. Da doação como ato de liberalidade e das formas de sua celebração. 2. A doação de ascendente

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DO SERVIDOR PÚBLICO O RPPS é estabelecido por lei elaborada em cada um dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal, e se destina exclusivamente aos servidores públicos titulares

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais