ANEXO 06 Resultados do Inventário Florestal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO 06 Resultados do Inventário Florestal"

Transcrição

1 ANEXO 06 Resultados do Inventário Florestal Nota Técnica sobre o Inventário Florestal da FLONA Jamari 1. Apresentação Esta nota técnica tem por objetivo apresentar as principais informações geradas pelo inventário florestal realizado na área da Floresta Nacional do Jamari, assim como fazer uma análise de sua utilidade e validade para o processo de concessão florestal para produção de madeira naquela área, no âmbito da Lei / Resumo do Inventário Florestal 2.1. Antecedentes O inventário florestal da Floresta Nacional do Jamari foi realizado pelo Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal IBDF, no ano de 1983, tendo como principal finalidade subsidiar o processo de criação da FLONA (BRASIL, 1983). O objetivo principal do inventário florestal foi avaliar o potencial produtivo da floresta, por meio de estimativas para o volume e o número de árvores de espécies comerciais Metodologia O inventário florestal abrangeu uma área 235 mil hectares, da então denominada de Gleba Cajueiro. Utilizou-se a amostragem em conglomerados, com a distribuição aleatória de 56 unidades primárias, compostas por 4 sub unidades de 10 m x 250 m (2.500 m 2 ) dispostas em linha e separadas por uma distancia metros. Dentro de cada sub unidade foram medidas todas as árvores com Diâmetro à Altura do Peito (DAP) maior ou igual a 25 cm nos primeiros 100 metros (1.000 m 2 ) e apenas árvores com DAP 45 cm nos 150 metros restantes (1.500 m 2 ). As variáveis coletadas de cada árvore foram: nome vulgar, DAP e altura comercial). Foram cubadas 200 árvores amostras para o ajuste da equação volumétrica utilizada no processamento dos dados do inventário florestal. A análise estatística para a estimativa de valores médios verdadeiros considerou um nível de probabilidade de 95% (P=0,95). A identificação botânica se baseou na lista de espécies contidas no Projeto Radam para a região Resultados O inventário detectou a ocorrência de 106 espécies de valor comercial na época, considerando os dois intervalos diamétricos inventariados (DAP 25 cm; DAP 45 cm). A lista das espécies, contendo os seus respectivos valores de volume comercial (m 3 ha -1 ) e número de árvores (n ha -1 ), por classe diamétrica, é apresentada no Anexo II. A análise estatística do inventário florestal revelou que o volume médio das árvores com DAP DAP 45 cm era de 138,7 m 3 ha -1 (Intervalo de Confiança: ±11,95 m 3 ha -1 ), o que correspondeu a um erro em torno da média estimado em 10,82% (P=0,95). Considerando o intervalo diamétrico de arvores com DAP maior ou igual a 25 cm, a análise estatística do inventário florestal revelou que o volume médio das árvores com DAP 25 cm era de 206,88 m 3 ha -1 (Intervalo de Confiança: ±15,01 m 3 ha -1 ), o que corresponde a um erro em torno da média estimado em 7,26% (P=0,95). EDITAL N o 1/ ANEXO 06 - pág. 1 de 14

2 3 - Considerações sobre o Inventário Florestal em relação ao Processo de Licitação A. O sistema de amostragem utilizado no inventário foi apropriado para as condições da floresta amazônica, uma vez que a amostragem por conglomerados é a mais recomendada para áreas extensas, com relativa homogeneidade da variável de interesse (volume, no caso) e de difícil acesso. O tamanho e forma das sub-unidades de amostra (10 x 250 m) são também apropriados. Ressalta-se que como parte do inventário houve a cubagem de árvores, e o teste de modelos de regressão para o ajuste de uma equação de volume local, o que qualifica positivamente as estimativas volumétricas; B. O inventário florestal foi realizado há quase 25 anos, o que certamente é um fator a ser considerado na aceitação das informações que reporta. Entretanto, para áreas que não sofreram interferência humana, como a exploração madeireira, e considerando as variáveis reportadas no inventário de 1983 (Volume Comercial e Número de Árvores), é aceitável assumir que as estimativas continuam válidas. Para essas variáveis, a floresta tropical úmida mantém valores mais ou menos constantes, que variam espacialmente devido às condições de sítio, mas que, ao longo do tempo, sofrem apenas uma pequena variação em função da mortalidade de árvores (2% ao ano em média), que é compensada pela entrada de árvores novas na comunidade (recrutamento) e pelo crescimento das árvores (no caso do volume de madeira), num processo de transposição para classes diamétricas superiores. Desta forma, o importante é identificar áreas que tenham sido exploradas, nas quais o potencial madeireiro certamente será inferior à estimativa mínima do intervalo de confiança apresentado no inventário florestal de A identificação dessas áreas pode ser feita por meio de imagens de satélite, reconhecimentos e informações de campo ou de sobrevôos recentes; C. Um fator limitante sobre o inventário é a falta de identificação botânica das espécies inventariadas, a partir da coleta de material botânico. A identificação foi feita com base em nomes vulgares atribuídos pelos identificadores de campo (mateiros), posteriormente relacionados a nomes científicos da lista do Projeto Radam. Para as espécies comerciais mais conhecidas esta fragilidade é menos acentuada, uma vez que o reconhecimento de espécies de valor econômico e de espécies com características dendrológicas marcantes sempre foi praticado na região de forma aceitável para os propósitos da atividade madeireira. Análises mais complexas sobre a estrutura da floresta e a definição de procedimentos de manejo florestal baseados na variável espécie, e considerando todas as espécies que ocorrem na floresta, não seriam possíveis com as informações do inventário. Entretanto, para esta finalidade os dados poderão ser obtidos por ocasião da elaboração do Plano de Manejo Florestal (PMFS) de cada Unidade de Manejo Florestal, assim como dos inventários a 100% que serão realizados nas Unidades de Produção Anual (UPA) Potencial produtivo esperado com vistas ao manejo florestal nas áreas a serem licitadas A. O Serviço Florestal fez uma análise dos valores encontrados por espécie no inventário florestal de 1983, considerando apenas (42) espécies que são comercializadas atualmente na região e fora dela, classificando-as em quatro grupos de valor comercial (Anexo I, Tabela 2), sendo o Grupo I composto pelas espécies mais valiosas. Esta tabela apresenta a distribuição diamétrica para o volume comercial (m 3 ha -1 ) e o número de árvores (n ha -1 ) para árvores com DAP 45 cm por espécie. Na Tabela 1 abaixo, mostra-se o resumo dos resultados desta análise. O potencial volumétrico para este grupo de 42 espécies é de 82,7 m 3 ha -1, o que corresponde a cerca de 20 árvores por hectare, com 10% deste volume correspondendo ao grupo das espécies de maior valor comercial. Outros 60% correspondem às espécies de valor intermediário, segundo a classificação adotada pelo Serviço Florestal Brasileiro, para efeito deste Edital. B. É importante ressaltar que este é o valor mais provável, considerando todas as árvores em pé das espécies tidas como comerciais (Anexo I, Tabela 2) pelo Serviço Florestal. A efetiva exploração deverá tomar em conta os critérios de seleção de árvores em função da qualidade de fuste (não indicados no inventário florestal), diâmetros mínimos de corte, EDITAL N o 1/ ANEXO 06 - pág. 2 de 14

3 planejamento da exploração (áreas de preservação permanente), espécies de interesse específico da empresa, e restrições legais para espécies com baixa densidade (raras) e porta-sementes (Instrução Normativa MMA No. 05, de 2006). Tabela 1: Estimativa do Volume e Número de Árvores por grupo de espécies comerciais, para árvores com DAP>=45 cm na FLONA do Jamari. Grupo de Espécies Número de Espécies Número de Árvores N ha -1 Volume Comercial m 3 ha -1 % em relação ao volume total 1 3 0,81 7,83 9, ,35 16,76 20, ,88 32,91 39, ,68 25,19 30,47 Total 42 19,71 82,69 100,00 C. A aplicação dos critérios acima deverá, ainda, obedecer a limitação da intensidade de corte, estabelecida em no máximo 30 m 3 ha -1, pela IN 05/2006 para PMFS na Amazônia. Este valor corresponde a 36,2% do volume comercial em pé estimado para a FLONA do Jamari. D. Para uso do valor indicado como referência de estoque de madeira comercial na floresta de Jamari (Tabela 1), deve-se levar em conta as considerações feitas acima sobre o inventário florestal de 1983 e também a possibilidade de ter havido explorações seletivas, realizadas em áreas específicas desde então. Para checar esta possibilidade, o Serviço Florestal fez uma análise de imagens de satélite tomadas em ocasiões após a realização do inventário florestal de 1983 (ver Análise de Antropismo nas Unidades de Manejo período 1986 a 2007). E. A análise deste conjunto de (15) imagens mostrou, ao longo dos anos, evidências de antropismo em áreas localizadas, nas três Unidades de Manejo Florestal. Dentre os eventos identificados destacam-se estradas temporárias e clareiras em regeneração de diferentes tamanhos. Indícios claros de exploração seletiva de madeira, entretanto, foram constatados apenas na área vizinha ao sul da FLONA. É possível que tenha havido exploração de madeira em alguns locais dentro da FLONA mas, neste caso, provavelmente tenha sido exploração de baixa intensidade e por esta razão tais indícios não puderam ser detectados pela análise das imagens de satélite pelo método NDFI (Normalized Difference Fraction Index). 4. Referências Bibliográficas BRASIL, Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal IBDF, Inventário Florestal da Floresta Nacional a ser criada no Estado de Rondônia. Brasília. IBDF/Departamento de Economia Florestal/ Divisão de Manejo Florestal. Relatório Final. 94p. EDITAL N o 1/ ANEXO 06 - pág. 3 de 14

4 Anexo I: Lista de espécies comerciais, com base em análise feita pelo Serviço Florestal Brasileiro. Tabela 2: Volume e número de árvores para espécies comerciais, por classe diamétrica, com base no Inventário Florestal da Flona de Jamari e indicação do Grupo de Valor Comercial a que a espécie foi classificada pelo Serviço Florestal Brasileiro (Grupo Vcom). Nome Comum Nome Científico Variável Grupo >145 Total VCom Abiurana Pouteria sp m³ ha -1 1,47 1,114 0,594 0,243 0,000 0,000 3,422 3 Abiurana branca Abiorana vermelha Acariquara Amapá amargoso Anani Angelim amargoso, Fava amargosa Pouteria surinamensis n ha -1 0,74 0,298 0,119 0,030 0,000 0,000 1,191 m³ ha -1 0,254 0,000 0,145 0,000 0,000 0,000 0,399 3 n ha -1 0,149 0,000 0,030 0,000 0,000 0,000 0,179 Pouteria caimito m³ ha -1 0,210 0,000 0,000 0,181 0,000 0,000 0,391 3 Minquarta guianensis n ha -1 0,089 0,000 0,000 0,030 0,000 0,000 0,119 m³ ha -1 0,692 0,665 0,113 0,000 0,000 0,000 1,470 3 n ha -1 0,387 0,298 0,030 0,000 0,000 0,000 0,715 Brosimun sp m³ ha -1 0,498 0,601 0,383 0,000 0,000 0,000 1,482 3 Symphonia globulifera Vataireopsis speciosa n ha -1 0,238 0,149 0,089 0,000 0,000 0,000 0,476 m³ ha -1 0,364 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,364 4 n ha -1 0,179 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,179 m³ ha -1 0,373 0,597 0,162 0,000 0,000 0,000 1,132 4 n ha -1 0,149 0,179 0,030 0,000 0,000 0,000 0,358 Angelim pedra Hymenolobium sp m³ ha -1 0,687 0,604 0,590 1,364 0,717 0,777 4,739 2 Angelim rajado Breu mescla Pithecellobium racemosum Protium cf. paniculatum n ha -1 0,268 0,149 0,119 0,179 0,060 0,060 0,835 m³ ha -1 0,090 0,000 0,000 0,000 0,000 0,672 0,762 3 n ha -1 0,030 0,000 0,000 0,000 0,000 0,030 0,060 m³ ha -1 0,100 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,100 3 n ha -1 0,089 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,089 Breu vermelho Protium sp m³ ha -1 0,264 0,081 0,000 0,000 0,000 0,000 0,345 3 Cajuaçú, cajuí Caripé Castanha de macaco Anacardium giganteum Licania canescens Couropita guianensis n ha -1 0,149 0,030 0,000 0,000 0,000 0,000 0,179 m³ ha -1 0,200 0,119 0,000 0,000 0,000 0,000 0,319 4 n ha -1 0,089 0,030 0,000 0,000 0,000 0,000 0,119 m³ ha -1 0,078 0,062 0,000 0,000 0,000 0,000 0,140 3 n ha -1 0,030 0,030 0,000 0,000 0,000 0,000 0,060 m³ ha -1 0,124 0,000 0,712 0,000 0,000 0,927 1,763 3 n ha -1 0,060 0,000 0,089 0,000 0,000 0,030 0,179 EDITAL N o 1/ ANEXO 06 - pág. 4 de 14

5 Nome Comum Nome Científico Variável Grupo >145 Total VCom Cedro mara Cedrela sp m³ ha -1 0,117 0,221 0,216 1,402 1,128 3,670 6,754 1 n ha -1 0,060 0,060 0,030 0,149 0,089 0,179 0,567 Cedro rosa Cedrela sp m³ ha -1 0,067 0,135 0,631 0,000 0,000 0,000 0,833 1 Copaíba Copaifera multijuga n ha -1 0,030 0,030 0,089 0,000 0,000 0,000 0,149 m³ ha -1 1,089 0,977 0,389 0,000 0,000 0,000 2,455 3 n ha -1 0,506 0,298 0,060 0,000 0,000 0,000 0,864 Cumarú Dipteryx odorata m³ ha -1 0,628 0,548 0,277 0,000 0,669 0,000 2,122 2 n ha -1 0,327 0,149 0,030 0,000 0,060 0,000 0,566 Cupiúba Goupia glabra m³ ha -1 0,069 0,128 0,192 0,000 0,310 0,000 0,699 3 Escorrega macaco n ha -1 0,030 0,030 0,030 0,000 0,030 0,000 0,120 Balizia sp m³ ha -1 0,052 0,103 0,000 0,000 0,000 0,000 0,155 3 n ha -1 0,030 0,030 0,000 0,000 0,000 0,000 0,060 Faveira Parkia sp m³ ha -1 1,194 1,903 0,994 1,508 0,584 0,844 7,027 4 n ha -1 0,565 0,536 0,179 0,179 0,060 0,060 1,579 Fava branca Parkia sp m³ ha -1 0,750 0,998 1,010 0,000 0,000 0,000 2,758 4 n ha -1 0,357 0,238 0,149 0,000 0,000 0,000 0,744 Fava ferrea Parkia sp m³ ha -1 0,131 0,434 0,000 0,433 1,063 7,240 9,301 4 n ha -1 0,060 0,119 0,000 0,060 0,089 0,357 0,685 Fava vermelha Parkia sp m³ ha -1 0,000 0,075 0,141 0,000 0,000 1,231 1,447 4 n ha -1 0,000 0,030 0,030 0,000 0,000 0,030 0,090 Guariúba Clarisia racemosa m³ ha -1 1,229 0,946 0,338 0,291 0,000 0,000 2,804 3 n ha -1 0,625 0,238 0,060 0,030 0,000 0,000 0,953 Itaúba Mezilaurus itauba m³ ha -1 0,456 0,595 0,336 0,000 0,000 0,000 1,387 2 Jatobá, Jutaí - açú Hymenaea courbaril n ha -1 0,208 0,179 0,060 0,000 0,000 0,000 0,447 m³ ha -1 0,321 0,108 0,854 0,292 0,000 0,000 1,575 2 n ha -1 0,119 0,030 0,149 0,030 0,000 0,000 0,328 Jitó Guarea sp m³ ha -1 0,060 0,158 0,000 0,000 0,000 0,000 0,218 3 Jutai pororoca Dialium guianensis n ha -1 0,030 0,060 0,000 0,000 0,000 0,000 0,090 m³ ha -1 1,618 1,055 1,071 0,000 0,246 0,000 3,990 3 n ha -1 0,804 0,327 0,179 0,000 0,030 0,000 1,340 Louro Ocotea sp. m³ ha -1 0,784 0,371 0,145 0,000 0,000 0,000 1,300 2 n ha -1 0,446 0,149 0,030 0,000 0,000 0,000 0,625 Louro rosa Aniba burchellii m³ ha -1 0,056 0,189 0,000 0,000 0,000 0,000 0,245 1 n ha -1 0,030 0,060 0,000 0,000 0,000 0,000 0,090 Massaranduba Manilkara huberi m³ ha -1 0,195 0,213 0,000 0,000 0,000 0,000 0,408 3 n ha -1 0,089 0,060 0,000 0,000 0,000 0,000 0,149 EDITAL N o 1/ ANEXO 06 - pág. 5 de 14

6 Nome Comum Nome Científico Variável Muiracatiara Astronium lecointei Grupo >145 Total VCom m³ ha -1 1,389 1,701 1,657 0,440 0,000 0,000 5,187 2 n ha -1 0,565 0,474 0,268 0,060 0,000 0,000 1,367 Marupá Simarouba amara m³ ha -1 0,353 0,437 0,000 0,469 0,000 0,000 1,259 4 n ha -1 0,147 0,119 0,000 0,060 0,000 0,000 0,326 Muiratinga Maquira sp m³ ha -1 0,206 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,206 3 n ha -1 0,019 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,019 Piquiá Caryocar villosum m³ ha -1 0,188 0,275 0,359 0,245 0,000 0,000 1,067 4 n ha -1 0,119 0,089 0,060 0,060 0,000 0,000 0,328 Piquiarana Caryocar glabrum m³ ha -1 0,166 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,166 4 Roxinho/ Pauroxo Sucupira preta Sucupira amarela Tauari vermelho/taua ri Peltogyne lecointei Diplotropis purpurea n ha -1 0,089 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,089 m³ ha -1 2,305 1,520 0,322 0,391 0,507 0,000 5,045 3 n ha -1 1,101 0,446 0,060 0,060 0,030 0,000 1,697 m³ ha -1 0,636 1,124 0,165 0,000 0,000 0,000 1,925 3 n ha -1 0,298 0,268 0,030 0,000 0,000 0,000 0,596 Bowdichia nitida m³ ha -1 0,452 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,452 2 n ha -1 0,179 0,000 0,000 0,000 0,000 0,000 0,179 Couratari sp m³ ha -1 0,560 0,697 0,794 0,174 0,813 1,694 4,732 3 n ha -1 0,238 0,208 0,119 0,030 0,060 0,090 0,745 Ucuuba Virola sp m³ ha -1 0,243 0,105 0,000 0,000 0,000 0,000 0,348 4 n ha -1 0,119 0,060 0,000 0,000 0,000 0,000 0,179 Total para Volume Comercial m³ ha -1 20,719 18,859 12,590 7,433 6,037 17,055 82,693 Total para Número de Árvores n ha -1 9,840 5,450 2,118 0,957 0,508 0,836 19,709 EDITAL N o 1/ ANEXO 06 - pág. 6 de 14

7 Anexo II: Lista de espécies que ocorreram no inventário florestal da FLONA de Jamari (1983) Tabela 3: Volume e número de árvores para espécies, por classe diamétrica, com base no Inventário Florestal da Flona de Jamari-RO. Nome vulgar Abiurana Pouteria sp m³ ha -1 1,45 1,47 1,11 0,59 0, ,87 Abiurana branca Abiorana vermelha Acari/Acariqua ra/acariuba n ha -1 2,28 0,74 0,3 0,12 0, ,47 Pouteria surinamensis m³ ha -1 0,33 0,25 0 0, ,73 n ha -1 0,49 0,15 0 0, ,67 Pouteria caimito m³ ha -1 0,6 0, , ,99 n ha -1 0,94 0, , ,06 Minquartia guianensis m³ ha -1 1,22 0,69 0,67 0, ,69 n ha -1 1,83 0,39 0,3 0, ,55 Amapá amargoso Brosimun sp m³ ha -1 0,28 0,5 0,6 0, ,76 Amarelinho Anani Angelim Angelim amargoso, Fava amargosa n ha -1 0,31 0,24 0,15 0, ,79 Poecilanthe effusa m³ ha -1 0, ,18 n ha -1 0, ,27 Symphonia globulifera m³ ha -1 0,41 0, ,77 n ha -1 0,49 0, ,67 Hymenolobium sp m³ ha -1 0, ,11 n ha -1 0, ,18 Vataireopsis speciosa m³ ha -1 0,7 0,37 0,6 0, ,83 n ha -1 0,76 0,15 0,18 0, ,12 Angelim vermelho Dinizia excelsa m³ ha Angelim pedra Angelim rajado n ha Hymenolobium sp m³ ha -1 0,21 0,69 0,6 0,59 1,36 0,72 0,78 4,94 n ha -1 0,22 0,27 0,15 0,12 0,18 0,06 0,06 1,06 Pithecellobium racemosum m³ ha , ,67 0,76 n ha , ,03 0,06 Balata Micropholis sp m³ ha -1 0,23 0, ,48 n ha -1 0,31 0, ,46 EDITAL N o 1/ ANEXO 06 - pág. 7 de 14

8 Nome vulgar Bicuíba - Ucuuúba Virola sp m³ ha -1 0,11 0,27 0, ,73 Boeira n ha -1 0,13 0,12 0, ,34 identificada m³ ha -1 0,75 1,1 0, ,8 n ha -1 1,16 0,6 0, ,05 Breu Protium sp m³ ha -1 1,93 1,18 0,98 0, ,43 n ha -1 2,77 0,6 0,36 0, ,78 Breu branco Breu mescla Breu amarelo Protium heptaphyllum m³ ha -1 1,95 0,14 0, ,38 n ha -1 3,04 0,09 0, ,19 Protium cf paniculatum m³ ha -1 0,07 0, ,17 n ha -1 0,13 0, ,22 Protium paraense m³ ha -1 0,33 0,25 0, ,74 n ha -1 0,54 0,18 0, ,78 Breu vermelho Protium sp m³ ha -1 0,59 0,26 0, ,94 Cajuaçu-cajuí n ha -1 0,94 0,15 0, ,12 Anacardium giganteum m³ ha -1 0,05 0,2 0, ,36 n ha -1 0,05 0,09 0, ,16 Canela preciosa Aniba canelilla m³ ha -1 0, ,06 Caripé Cumari Carapanaúba - guaraná Castanha de macaco Castanharana n ha -1 0, ,09 Licania canescens m³ ha -1 0,51 0,08 0, ,65 n ha -1 0,8 0,03 0, ,86 identificada m³ ha -1 0,49 0,27 0, ,84 n ha -1 0,71 0,12 0, ,86 Aspidosperma carapanauba m³ ha -1 0,42 0,11 0,67 0,85 0,78 0,35 0,96 4,13 n ha -1 0,49 0,06 0,15 0,18 0,09 0,03 0,06 1,06 Couroupita guianensis m³ ha -1 0,04 0,12 0 0, ,93 1,81 n ha -1 0,09 0,06 0 0, ,03 0,27 identificada m³ ha -1 0,36 0,18 0,68 0,37 0, ,29 n ha -1 0,4 0,06 0,18 0,06 0, ,82 EDITAL N o 1/ ANEXO 06 - pág. 8 de 14

9 Nome vulgar Castanheira Catoaba Bertholletia excelsa m³ ha -1 0,13 0,15 0,66 0,31 1,98 1,77 1,93 6,92 n ha -1 0,13 0,06 0,15 0,06 0,21 0,12 0,12 0,85 identificada m³ ha -1 0,08 0,22 0,26 0,29 0 0,39 0 1,24 n ha -1 0,13 0,12 0,06 0,06 0 0,03 0 0,4 Caucho Castilla ulei m³ ha -1 0, ,04 n ha -1 0, ,05 Cedro mara Cedrela sp m³ ha ,12 0,22 0,22 1,4 1,13 3,67 6,75 n ha ,06 0,06 0,03 0,15 0,09 0,18 0,57 Cedro rosa Cedrella sp m³ ha -1 0,06 0,07 0,14 0, ,89 Cedrorana Copaíba Coração de negro Cuiarana Cumaru Cumaru ferro Cumatê n ha -1 0,09 0,03 0,03 0, ,24 Cedrelinga catenaeformis m³ ha n ha Copaifera multijuga m³ ha -1 1,11 1,09 0,98 0, ,57 n ha -1 1,3 0,51 0,3 0, ,16 Zollernia paraensis m³ ha -1 0,14 0,28 0,12 0, ,75 n ha -1 0,18 0,15 0,03 0, ,39 Terminalia amazonica m³ ha -1 0,04 0,06 0,15 0, ,58 n ha -1 0,05 0,03 0,06 0, ,2 Dipteryx odorata m³ ha -1 0,53 0,63 0,55 0,28 0 0,67 0 2,65 n ha -1 0,76 0,33 0,15 0,03 0 0,06 0 1,33 Coumarouna odorata m³ ha -1 0,08 0,29 0,26 0,38 0, ,19 n ha -1 0,13 0,15 0,09 0,06 0, ,46 Coepia leptostachya m³ ha n ha Cupiúba Goupia glabra m³ ha ,07 0,13 0,19 0 0,31 0 0,7 n ha ,03 0,03 0,03 0 0,03 0 0,12 Envira/envira branca Xylopia sp m³ ha -1 1,65 1,22 0,7 0,95 0, ,8 Envira preta n ha -1 2,01 0,6 0,18 0,15 0, ,96 Guatteria poeppigiana m³ ha -1 0,61 0,35 0, ,07 n ha -1 0,85 0,18 0, ,06 EDITAL N o 1/ ANEXO 06 - pág. 9 de 14

10 Nome vulgar Escorrega macaco Balizia sp m³ ha -1 0,12 0,05 0, ,28 Farinha seca n ha -1 0,13 0,03 0, ,19 Lindackeria paraensis m³ ha -1 0,64 0,34 0 0,19 0, ,35 n ha -1 0,8 0,18 0 0,03 0, ,04 Faveira Parkia sp m³ ha -1 1,05 1,19 1,9 0,99 1,51 0,58 0,84 8,08 n ha -1 1,52 0,57 0,54 0,18 0,18 0,06 0,06 3,1 Fava branca/fava ferrea/ Fava vermelha Parkia sp m³ ha -1 0,56 0,88 1,51 1,15 0,43 1,06 8,87 14,46 Freijó, Freijó cinza n ha -1 0,71 0,42 0,39 0,18 0,06 0,09 0,39 2,23 Cordia goeldiana m³ ha n ha Gameleira Ficus insipida m³ ha -1 0, ,03 n ha -1 0, ,09 Garrote Brosimum sp m³ ha -1 0, ,09 Garapeira, Amarelão Guariúba n ha -1 0, ,13 Apuleia molaris m³ ha -1 0,08 0,26 0,58 0,46 0, ,55 n ha -1 0,13 0,12 0,15 0,09 0, ,52 Clarisia racemosa m³ ha -1 1,38 1,23 0,95 0,34 0, ,19 n ha -1 1,92 0,63 0,24 0,06 0, ,87 Imbaúba Cecropia sp m³ ha -1 0,54 0, ,77 n ha -1 0,8 0, ,92 Imbaubarana Pourouma sp m³ ha -1 0, ,06 n ha -1 0, ,05 Inajarana Quararibea sp m³ ha -1 0, ,08 n ha -1 0, ,09 Ingá Inga sp m³ ha -1 0,66 0,16 0, ,9 n ha -1 1,07 0,09 0, ,19 Ingarana Zygia sp m³ ha -1 0,34 0,22 0,3 0,2 0 0,26 0 1,32 Ipê amarelo n ha -1 0,36 0,09 0,09 0,03 0 0,03 0 0,6 Tabebuia serratifolia m³ ha -1 0, ,05 n ha -1 0, ,09 EDITAL N o 1/ ANEXO 06 - pág. 10 de 14

11 Nome vulgar Itaúba Mezilaurus itauba m³ ha -1 0,48 0,46 0,6 0, ,87 n ha -1 0,76 0,21 0,18 0, ,21 Itaubarana Trichilia aitens m³ ha ,06 0, ,28 0 0,71 Jatobá Jequitibá n ha ,03 0, ,03 0 0,18 Hymenaea courbaril m³ ha -1 0,08 0,32 0,11 0,85 0, ,66 n ha -1 0,09 0,12 0,03 0,15 0, ,42 identificada m³ ha ,1 0,29 0 0, ,98 n ha ,03 0,06 0 0, ,15 Jitó Guarea sp m³ ha -1 0,2 0,06 0, ,41 João-mole Jutai pororoca n ha -1 0,22 0,03 0, ,31 Neea oppositifolia m³ ha -1 0, ,21 n ha -1 0, ,4 Dialium guianensis m³ ha -1 1,25 1,62 1,06 1,07 0 0,25 0 5,24 n ha -1 1,47 0,8 0,33 0,18 0 0,03 0 2,81 Lacre Vismia sp m³ ha -1 0, ,09 n ha -1 0, ,13 Louro Ocotea sp m³ ha -1 1,06 0,78 0,37 0, ,36 Louro branco Louro rosa Maçaranduba n ha -1 1,47 0,45 0,15 0, ,1 identificada m³ ha -1 0,27 0,12 0, ,52 n ha -1 0,36 0,06 0, ,45 Aniba burchellii m³ ha -1 0,06 0,06 0, ,31 n ha -1 0,09 0,03 0, ,18 Manilkara huberi m³ ha -1 0,09 0,2 0, ,5 n ha -1 0,09 0,09 0, ,24 Macucu - sangue Licania sp m³ ha -1 2,71 1,08 0,83 0,22 0, ,02 n ha -1 3,97 0,57 0,24 0,03 0, ,84 Macucu - preto Licania sp m³ ha -1 0, ,11 Muiracatiara n ha -1 0, ,13 Astronium lecointei m³ ha -1 1,12 1,39 1,7 1,66 0, ,31 n ha -1 1,25 0,57 0,47 0,27 0, ,62 EDITAL N o 1/ ANEXO 06 - pág. 11 de 14

12 Nome vulgar Marupá Simarouba amara m³ ha -1 0,18 0,35 0,44 0 0, ,44 n ha -1 0,22 0,15 0,12 0 0, ,55 Mata-matá preto Eschweilera sp m³ ha -1 1,39 0,97 0, ,88 Mata-pau n ha -1 1,88 0,51 0, ,53 identificada m³ ha ,08 0, ,16 n ha ,03 0, ,06 Mata-matá branco - ripeira Eschweilera sp m³ ha -1 0, ,06 n ha -1 0, ,09 Mororó Bauhinea sp m³ ha -1 0, ,12 Muiratinga n ha -1 0, ,22 Olmediopereb ea sclerophylla m³ ha -1 0,57 0, ,77 n ha -1 0,89 0, ,91 Mururé Naucleopsis sp m³ ha -1 0,11 0,15 0, ,33 Murici, Murici branco Mutamba Mututi Najarana Pamã ou mirainga Pintadinho, Caqui Piquiá n ha -1 0,13 0,06 0, ,22 Byrsonima spicata m³ ha -1 0,18 0,05 0 0, ,55 n ha -1 0,27 0,03 0 0, ,36 Guazuma ulmifolia m³ ha , ,32 n ha , ,12 Pterocarpus rhorii m³ ha -1 0,07 0,11 0,09 0, ,4 n ha -1 0,13 0,06 0,03 0, ,25 identificada m³ ha -1 0, ,05 n ha -1 0, ,05 identificada m³ ha -1 7,7 2,27 0,78 0, ,94 n ha -1 11,7 1,13 0,27 0, ,13 Poeppigia procera m³ ha -1 0, ,11 n ha -1 0, ,13 Caryocar villosum m³ ha -1 0,09 0,19 0,28 0,36 0, ,16 n ha -1 0,13 0,12 0,09 0,06 0, ,46 EDITAL N o 1/ ANEXO 06 - pág. 12 de 14

13 Nome vulgar Piquiarana Purui Quina-quina, Quinarana Roxinho, Pauroxo Seringueira Sorva Sucupira preta Sucupira amarela Sumauma Tambori Taquari Caryocar glabrum m³ ha , ,17 n ha , ,09 Swartzia acuminata m³ ha -1 0, ,03 n ha -1 0, ,05 Geissospermu m sericeum m³ ha -1 0, ,04 n ha -1 0, ,05 Peltogyne lecointei m³ ha -1 1,66 2,31 1,52 0,32 0,39 0,51 0 6,71 n ha -1 2,23 1,1 0,45 0,06 0,06 0,03 0 3,93 Hevea brasiliensis m³ ha -1 0,28 0, ,51 n ha -1 0,4 0, ,52 Couma macrocarpa m³ ha -1 0,08 0,17 0,41 0,12 0, ,06 n ha -1 0,13 0,09 0,12 0,03 0, ,4 Diplotropis purpurea m³ ha -1 0,41 0,64 1,12 0, ,34 n ha -1 0,58 0,3 0,27 0, ,18 Bowdichia nitida m³ ha -1 0,3 0, ,75 n ha -1 0,31 0, ,49 Ceiba pentandra m³ ha n ha identificada m³ ha -1 0,09 0,41 0,1 0, ,55 1,73 n ha -1 0,13 0,21 0,03 0, ,03 0,49 Mabea fistulifera m³ ha -1 0, ,02 n ha -1 0, ,05 Tauari vermelho, Tauari Couratari sp m³ ha -1 0,28 0,56 0,7 0,79 0,17 0,81 1,69 5,01 Tachi n ha -1 0,45 0,24 0,21 0,12 0,03 0,06 0,09 1,19 Sclerolobium sp m³ ha -1 2,96 2,27 1,48 1,35 0, ,39 n ha -1 4,06 1,16 0,45 0,24 0, ,94 Ucuuba Virola sp m³ ha -1 0,36 0,24 0, ,71 n ha -1 0,49 0,12 0, ,67 EDITAL N o 1/ ANEXO 06 - pág. 13 de 14

14 Nome vulgar Uruba Uxi Vermelhão Virola identificada identificada identificada m³ ha -1 0, ,03 n ha -1 0, ,05 Endopleura uchi m³ ha -1 0,67 0,34 0,04 0, ,58 n ha -1 0,89 0,18 0,03 0, ,19 identificada m³ ha -1 0,06 0,17 0, ,31 n ha -1 0,05 0,06 0, ,14 identificada m³ ha -1 0,07 0,25 0,08 0 0, ,62 n ha -1 0,09 0,12 0,03 0 0, ,27 identificada m³ ha -1 0,92 0,76 0,48 0,46 0, ,1 n ha -1 1,47 0,36 0,12 0,09 0, ,1 identificada m³ ha -1 0, ,09 n ha -1 0, ,13 Total para Volume Comercial m³ ha -1 50,16 37,63 32,39 21,39 13,81 9,08 20,89 185,34 Total para Número de Árvores n ha -1 70,9 18,38 9,41 3,67 1,73 0,75 1,05 105,89 EDITAL N o 1/ ANEXO 06 - pág. 14 de 14

CONTROLE MENSAL DE COMPRAS DE SEMENTES

CONTROLE MENSAL DE COMPRAS DE SEMENTES 1 ABIU REFLO 2 ABIU AMARELO REFLO 0,30 0,30 3 ABIU BALATA REFLO 0,00 4 ABIU CAMITIE REFLO 0,00 5 ABIU CASCA GROSSA REFLO 0,00 6 ABIU CUTITE FRUTO GRANDE REFLO 4,00 4,00 7 ABIU CUTITE FRUTO PEQUENO REFLO

Leia mais

A escolha natural para sua casa. Respeito ao meio ambiente utilizando o manejo florestal

A escolha natural para sua casa. Respeito ao meio ambiente utilizando o manejo florestal 2010 A escolha natural para sua casa PE NSE VER DE! Respeito ao meio ambiente utilizando o manejo florestal Respeito em que você acredita Nossa Empresa acredita que o respeito é a base para uma relação

Leia mais

APENAS PARA VISUALIZAÇÃO

APENAS PARA VISUALIZAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE SEMA/PA Protocolo Nº: 2007/0000150412 Data do protocolo: 27/04/2007 RESPONSÁVEL TÉCNICO: Autorização para Exploração Florestal AUTEF Nº: 679/2009 VALIDADE ATÉ: 31/08/2010

Leia mais

CAPÍTULO 1 METODOLOGIA PARA A ESTIMAÇÃO DOS PREÇOS DA MADEIRA EM PÉ NO ESTADO DO PARÁ

CAPÍTULO 1 METODOLOGIA PARA A ESTIMAÇÃO DOS PREÇOS DA MADEIRA EM PÉ NO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO 1 METODOLOGIA PARA A ESTIMAÇÃO DOS PREÇOS DA MADEIRA EM PÉ NO ESTADO DO PARÁ Antônio Cordeiro de Santana 1 Este capítulo apresenta uma metodologia para determinar os preços da madeira em pé, de

Leia mais

Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP

Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, Paragominas- PA PECUÁRIA VERDE RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais em Paragominas,

Leia mais

ANÁLISE IMEDIATA DE BIOMASSAS AMAZÔNICAS

ANÁLISE IMEDIATA DE BIOMASSAS AMAZÔNICAS Proceedings of the 11 th Brazilian Congress of Thermal Sciences and Engineering -- ENCIT 2006 Braz. Soc. of Mechanical Sciences and Engineering -- ABCM, Curitiba, Brazil, Dec. 5-8, 2006 Paper CIT06-0551

Leia mais

PORTARIA Nº 0158, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 0158, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 0158, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 Publicada no DOE(Pa) de 21.09.12. Retificação no DOE(Pa) de 25.09.12. Republicação da errata no DOE(Pa) de 26.09.12. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA, em exercício,

Leia mais

Verificação da Origem Legal. Auditoria de Monitoramento 2012 Resumo Público para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda. em Iranduba/AM - Brasil

Verificação da Origem Legal. Auditoria de Monitoramento 2012 Resumo Público para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda. em Iranduba/AM - Brasil SmartWood Headquarters 65 Millet St. Suite 201 Richmond, VT05477USA Tel: 802-434-5491 Fax: 802-434-3116 www.smartwood.org Verificação da Origem Legal Auditoria de Monitoramento 2012 Resumo Público para:

Leia mais

Quantificação e Avaliação das Principais Espécies Florestais Licenciadas no Estado do Acre de 2005 a 2012

Quantificação e Avaliação das Principais Espécies Florestais Licenciadas no Estado do Acre de 2005 a 2012 Floresta e Ambiente http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.026212 ISSN 1415-0980 (impresso) ISSN 2179-8087 (online) Quantificação e Avaliação das Principais Espécies Florestais Licenciadas no Estado do Acre

Leia mais

Verificação da Origem Legal

Verificação da Origem Legal SmartWood Headquarters 65 Millet St. Suite 201 Richmond, VT 05477 USA Tel: 802-434-5491 Fax: 802-434-3116 www.smartwood.org Verificação da Origem Legal Avaliação Completa Relatório para: Verificado por:

Leia mais

Árvores Madeireiras do Acre, Brasil: um guia para os mateiros

Árvores Madeireiras do Acre, Brasil: um guia para os mateiros Christopher Baraloto, Francisco Walthier2, Evandro Ferreira3, Cara Rockwell4 4 Dept. of Botany, e School of For. Res. & Cons., U. of Florida, Gainesville, FL; 2Centro dos Trabalhadores da Amazonia, e 3U.

Leia mais

Guia de Produtos Madeireiros

Guia de Produtos Madeireiros Guia de Produtos Madeireiros FEVEREIRO 2014 1 2 3 4 5 6 7 Introdução...3 Madeira ilegal x madeira legal x madeira certificada...5 2.1 Madeira Ilegal...5 2.2 Madeira Legal... 6 2.3 Madeira Certificada...

Leia mais

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL Resumo Público RIO CAPIM PA / 2011 2 EMPRESA CIKEL BRASIL VERDE MADEIRAS LTDA - COMPLEXO RIO CAPIM Fazenda Rio Capim, Rod. BR 010, Km 1564, Zona Rural Paragominas-PA

Leia mais

COD. PRODUTO DESCRIÇÃO UNIDADE COD. NCM 1300024 Esterco Animal (50kg) saca 31010000 1300022 Esterco Animal (25kg) saca 31010000 1300001 Adubo (50kg)

COD. PRODUTO DESCRIÇÃO UNIDADE COD. NCM 1300024 Esterco Animal (50kg) saca 31010000 1300022 Esterco Animal (25kg) saca 31010000 1300001 Adubo (50kg) COD. PRODUTO DESCRIÇÃO UNIDADE COD. NCM 1300024 Esterco Animal (50kg) saca 31010000 1300022 Esterco Animal (25kg) saca 31010000 1300001 Adubo (50kg) saca 31049090 1300003 Grama Batatais m2 06029090 1300005

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Termo de Referência para Elaboração do Plano Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova Natal RN

Leia mais

ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1

ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1 Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1 Análise técnica da alteração no critério de seleção de árvores para corte em Planos de

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO SETOR FLORESTAL DE COTRIGUAÇU, ESTADO DE MATO GROSSO RELATÓRIO FINAL

DIAGNÓSTICO DO SETOR FLORESTAL DE COTRIGUAÇU, ESTADO DE MATO GROSSO RELATÓRIO FINAL DIAGNÓSTICO DO SETOR FLORESTAL DE COTRIGUAÇU, ESTADO DE MATO GROSSO RELATÓRIO FINAL Belém, Pará 1 DE DEZEMBRO DE 2010 1 DIAGNÓSTICO DO SETOR FLORESTAL DE COTRIGUAÇU, ESTADO DO MATO GROSSO. RELATÓRIO FINAL

Leia mais

cebi durante essa visita que vários nomes de árvores têm origem indígena e outras são denominadas a partir da analogia. Como afirma Rodrigues:

cebi durante essa visita que vários nomes de árvores têm origem indígena e outras são denominadas a partir da analogia. Como afirma Rodrigues: O PAPEL DA ANALOGIA PARA A DENOMINAÇÃO DE ALGUMAS ÁRVORES NO MUNICÍPIO DE ASSIS BRASIL Maria Josineia Arruda Sabóia (UFAC) arrudasaboia@hotmail.com Antonieta Buriti de Souza Hosokawa (UFAC) antonietaburiti@ig.com.br

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS DE MADEIRA PARA A CONSTRUÇÃO CIVIL

QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS DE MADEIRA PARA A CONSTRUÇÃO CIVIL QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS DE MADEIRA PARA A CONSTRUÇÃO CIVIL Biólogo Geraldo José Zenid Divisão de Produtos Florestais Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. -I PT 1 Introdução

Leia mais

~~ inistério ISSN 1517-2244 ... ~ Comun. téc. NQ 54, Maio/2001, p.1-5

~~ inistério ISSN 1517-2244 ... ~ Comun. téc. NQ 54, Maio/2001, p.1-5 ISSN 1517-2244... ~ ~~ inistério da Agricultura e do Abastecimento Amazonia Oriental Ministério da Agricultura e do Abastecimento Trav. Dr. Enéas Pinheiro s/n, Caixa Postal 48, Fax: (91) 276.9845, Fone:

Leia mais

Banco de dados geográficos no gerenciamento de matrizes florestais na Floresta Nacional do Jamari (RO)

Banco de dados geográficos no gerenciamento de matrizes florestais na Floresta Nacional do Jamari (RO) Banco de dados geográficos no gerenciamento de matrizes florestais na Floresta Nacional do Jamari (RO) Abimael Ribeiro de Souza 1 Fabiana Barbosa Gomes 1 Alexis de Sousa Bastos 1 1 Centro de Estudos da

Leia mais

FITOSSOCIOLOGIA ARBÓREA DO MÓDULO IV DA FLORESTA ESTADUAL DO AMAPÁ, BRASIL

FITOSSOCIOLOGIA ARBÓREA DO MÓDULO IV DA FLORESTA ESTADUAL DO AMAPÁ, BRASIL FITOSSOCIOLOGIA ARBÓREA DO MÓDULO IV DA FLORESTA ESTADUAL DO AMAPÁ, BRASIL ARBOREAL PHYTOSOCIOLOGY OF MODULE IV IN AMAPÁ STATE FOREST, BRAZIL FITOSOCIOLOGÍA ARBÓREA DEL MÓDULO IV DE LA FORESTA DEL ESTADO

Leia mais

III workshop de técnicos florestais

III workshop de técnicos florestais III workshop de técnicos florestais DIAGNOSTICO FLORESTAL ELEMENTOS DE METODOLOGIA Floresta Viva - 30/11/2005 Um diagnostico 14h00-14h30 Para que serve, o que é? 14h30-15h30 Como proceder? 15h30-16h00

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização. TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL DE EXPLORAÇÃO - POE CATEGORIA: MENOR E MAIOR IMPACTO DE EXPLORAÇÃO 1. Informações Gerais 1.1 Identificação Processo Administrativo; Número do Processo;

Leia mais

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL CAPÍTULO 5 DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL Demarcação da Exploração Florestal 53 APRESENTAÇÃO A demarcação das estradas, ramais de arraste, pátios de estocagem e a indicação da direção de queda das

Leia mais

Governo do Estado de Rondônia Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental - SEDAM

Governo do Estado de Rondônia Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental - SEDAM Governo do Estado de Rondônia Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental - SEDAM MATRIZ DE UC UNIDADE DE CONSERVAÇÃO P.E. CORUMBIARA P.E. SERRA DOS REIS P.E. GUAJARÁ-MIRIM Situacao atual - da Unidade

Leia mais

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS DIRETORIA DE FLORESTAS NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 Institui, no âmbito desta Autarquia, o Manual Simplificado

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO, CATALOGAÇÃO E VALORAÇÃO DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM RESERVA LEGAL DE AMAZÔNIA LEGAL PARA USOS MÚLTIPLOS

IDENTIFICAÇÃO, CATALOGAÇÃO E VALORAÇÃO DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM RESERVA LEGAL DE AMAZÔNIA LEGAL PARA USOS MÚLTIPLOS IDENTIFICAÇÃO, CATALOGAÇÃO E VALORAÇÃO DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM RESERVA LEGAL DE AMAZÔNIA LEGAL PARA USOS MÚLTIPLOS Dany Roberta Marques Caldeira (1) Engenheira Florestal, professora do ensino básico, técnico

Leia mais

Panorama do Comércio de Madeira Serrada na Microrregião Geográfica de Florianópolis-SC

Panorama do Comércio de Madeira Serrada na Microrregião Geográfica de Florianópolis-SC Floresta e Ambiente 2014 jan./mar.; 21(1):19-29 http://dx.doi.org/10.4322/floram.2013.035 ISSN 1415-0980 (impresso) ISSN 2179-8087 (online) Artigo Original Panorama do Comércio de Madeira Serrada na Microrregião

Leia mais

CORTE SELETIVO DE ÁRVORES NA

CORTE SELETIVO DE ÁRVORES NA CORTE SELETIVO DE ÁRVORES NA AMAZÔNIA LEGAL: PCF Clayton Couto (mestre em Engenharia Florestal) e PCF Alexandre Henrique Sausmikat (bacharel em Engenh CORTE SELETIVO DE ÁRVORES NA AMAZÔNIA LEGAL Algumas

Leia mais

Relatório de Inventário Florestal Contínuo Ano 2013 Floresta Nacional de Saracá Taquera Unidade de Manejo Florestal II

Relatório de Inventário Florestal Contínuo Ano 2013 Floresta Nacional de Saracá Taquera Unidade de Manejo Florestal II Relatório de Inventário Florestal Contínuo Ano 2013 Floresta Nacional de Saracá Taquera Unidade de Manejo Florestal II Belém - Pará 2013 Sumário Lista de Figuras... 3 Lista de Tabelas... 3 Apresentação...

Leia mais

Amigos da Terra_OK.qxd 02-Jul-99 2:48 PM Page 1 ACERTANDO O ALVO. Consumo de madeira no mercado interno brasileiro. da certificação florestal

Amigos da Terra_OK.qxd 02-Jul-99 2:48 PM Page 1 ACERTANDO O ALVO. Consumo de madeira no mercado interno brasileiro. da certificação florestal Amigos da Terra_OK.qxd 02-Jul-99 2:48 PM Page 1 ACERTANDO O ALVO Consumo de madeira no mercado interno brasileiro e promoção da certificação florestal Amigos da Terra_OK.qxd 02-Jul-99 2:48 PM Page 2 Acertando

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA MESTRADO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA MESTRADO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA MESTRADO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS SIMONE MARINHO DE OLIVEIRA IMPORTÂNCIA DA DETERMINAÇÃO BOTÂNICA NA COMERCIALIZAÇÃO DE MADEIRA E NO AGRUPAMENTO

Leia mais

Princípios de Manejo Florestal

Princípios de Manejo Florestal Princípios de Manejo Florestal Princípios de Manejo Florestal Elenice Assis e Eliney Castro Tefé, AM IDSM 2013 Princípios de Manejo Florestal Ficha Técnica Elaboração: Elenice Assis e Eliney Castro Colaboração:

Leia mais

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Domínio do Cerrado em Minas Gerais José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Cerrado Brasileiro INTRODUÇÃO - Extensão de 204,7 milhões de ha, - Flora com mais de 10.000 espécies de plantas,

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG Julho / 2008 INVENTÁRIO FLORESTAL 1 ) INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE Denominação: Fazenda

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE MADEIRA SERRADA DE FLORESTAS NATURAIS EM MATO GROSSO: UM DIAGNÓSTICO DO SETOR DE BASE FLORESTAL

COMERCIALIZAÇÃO DE MADEIRA SERRADA DE FLORESTAS NATURAIS EM MATO GROSSO: UM DIAGNÓSTICO DO SETOR DE BASE FLORESTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE ENGENHARIA FLORESTAL Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais e Ambientais COMERCIALIZAÇÃO DE MADEIRA SERRADA DE FLORESTAS NATURAIS EM MATO GROSSO:

Leia mais

Composição e Estrutura de Floresta Ombrófila Densa do extremo Norte do Estado do Amapá, Brasil.

Composição e Estrutura de Floresta Ombrófila Densa do extremo Norte do Estado do Amapá, Brasil. ARTIGO DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v3n2p1-10 Composição e Estrutura de Floresta Ombrófila Densa do extremo Norte do Estado do Amapá, Brasil. Marcelo de Jesus Veiga Carim 1,

Leia mais

Histórico de Comercialização da ACAF Boa Vista do Ramos

Histórico de Comercialização da ACAF Boa Vista do Ramos Histórico de Comercialização da ACAF Boa Vista do Ramos Marcus Biazzati Projeto Floresta Viva 1 Experiência de Comercialização Período: Julho 2004 a maio 2005. Vendedor: Associação Comunitária Agrícola

Leia mais

RECURSO MADEIREIRO DO ESTADO DO ACRE: QUANTO E COMO É EXPLORADO

RECURSO MADEIREIRO DO ESTADO DO ACRE: QUANTO E COMO É EXPLORADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ECOLOGIA E MANEJO DE RECURSOS NATURAIS RECURSO MADEIREIRO DO ESTADO DO ACRE: QUANTO E COMO É EXPLORADO Mestranda Silvia

Leia mais

Comercialização de madeira em tora na RDS Mamirauá

Comercialização de madeira em tora na RDS Mamirauá Comercialização de madeira em tora na RDS Mamirauá DOCUMENTO DE TRABALHO Subsidios para análise de volumes e preços Difusão interna Jean-Francois Kibler 3 de fevereiro de 28 1 1. Objeto do documento...3

Leia mais

Inventário Florestal Nacional IFN-BR

Inventário Florestal Nacional IFN-BR Seminário de Informação em Biodiversidade no Âmbito do MMA Inventário Florestal Nacional IFN-BR Dr. Joberto Veloso de Freitas SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO Gerente Executivo Informações Florestais Brasília,

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS

Leia mais

Guia Ilustrado e Manual de Arquitetura Foliar para Espécies Madeireiras da Amazônia Ocidental

Guia Ilustrado e Manual de Arquitetura Foliar para Espécies Madeireiras da Amazônia Ocidental Guia Ilustrado e Manual de Arquitetura Foliar para Espécies Madeireiras da Amazônia Ocidental Guia Ilustrado e Manual de Arquitetura Foliar para Espécies Madeireiras da Amazônia Ocidental Flávio A. Obermüller;

Leia mais

Pré-Dimensionamento de Estruturas de Aço e Madeira

Pré-Dimensionamento de Estruturas de Aço e Madeira Pré-Dimensionamento de Estruturas de Aço e Madeira Aplicações para Perfis Formados a Frio e Perfis aminados AMA (FAE-472) Estruturas de Aço e Madeira Prof. Alexandre andesmann Departamento de Estruturas

Leia mais

Rede Amazônia Sustentável. Pesquisas sobre vegetação

Rede Amazônia Sustentável. Pesquisas sobre vegetação Rede Amazônia Sustentável Pesquisas sobre vegetação > Quem somos A Rede Amazônia Sustentável (RAS) é formada por mais de 30 instituições de pesquisa e universidades que, em parceria com a sociedade civil,

Leia mais

Estrutura fitossociológica de uma floresta de terra firme na Amazônia Central

Estrutura fitossociológica de uma floresta de terra firme na Amazônia Central Biotupé: Meio Físico, Diversidade Biológica e Sociocultural do Baixo Rio Negro, Amazônia Central Edinaldo Nelson SANTOS-SILVA, Fábio Marques APRILE, Veridiana Vizoni SCUDELLER, Sérgio MELO (Orgs.), Editora

Leia mais

produtos construção civil + movelaria

produtos construção civil + movelaria produtos construção civil + movelaria produtos construção civil + movelaria 2 produtos fsc para construção civil e movelaria equipe Maytê Rizek e Mariana Chaubet coordenação Carolina Graça projeto gráfico

Leia mais

projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio

projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio Introdução A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) tem por finalidade colocar em prática ações efetivas de conservação do meio ambiente,

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 116. Outubro/1980 COMERCIALIZAÇÃO DE MADEIRA DE ALGUMAS ESPÉCIES TROPICAIS (1)

CIRCULAR TÉCNICA N o 116. Outubro/1980 COMERCIALIZAÇÃO DE MADEIRA DE ALGUMAS ESPÉCIES TROPICAIS (1) IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS PBP/6 CIRCULAR TÉCNICA N o 116 Outubro/1980 ISSN 01003453 COMERCIALIZAÇÃO DE MADEIRA DE ALGUMAS ESPÉCIES TROPICAIS (1) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Produção de sementes de essências nativas em floresta primária na Amazônia 0)

Produção de sementes de essências nativas em floresta primária na Amazônia 0) Produção de sementes de essências nativas em floresta primária na Amazônia 0) Luís M. S. Magalhães ( 2 ) Resumo O autor descreve os trabalhos de seleção de árvores porta-sementes e coleta de sementes realizados

Leia mais

O SOFTWARE SPP Eucalyptus

O SOFTWARE SPP Eucalyptus Rua Raul Soares, 133/201 - Centro - Lavras MG CEP 37200-000 Fone/Fax: 35 3821 6590 O SOFTWARE SPP Eucalyptus 1/7/2008 Inventar GMB Consultoria Ltda Ivonise Silva Andrade INTRODUÇÃO Um dos grandes problemas

Leia mais

Qualquer parte desta obra poderá ser reproduzida desde que citada a fonte. Ministro Luiz Fernando Furlan

Qualquer parte desta obra poderá ser reproduzida desde que citada a fonte. Ministro Luiz Fernando Furlan 2003. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Superintendência da Zona Franca de Manaus SUFRAMA Superintendência Adjunta de Planejamento e Desenvolvimento Regional Coordenação de Identificação

Leia mais

Madeiras de Espécies Florestais do Estado do Maranhão: I - Identificação e Aplicações 1

Madeiras de Espécies Florestais do Estado do Maranhão: I - Identificação e Aplicações 1 IPEF, n.23, p.21-28, abr.1983 Madeiras de Espécies Florestais do Estado do Maranhão: I - Identificação e Aplicações 1 MARIO TOMAZELLO FILHO e HILTON THADEU Z. DO COUTO ESALQ - USP, Depto. de Silvicultura

Leia mais

CURSO BÁSICO DE MADEIRAS

CURSO BÁSICO DE MADEIRAS CURSO BÁSICO DE MADEIRAS Belém / PA - Abril / 2006 MATERIAL MADEIRA - CARACTERÍSTICAS BÁSICASB 1. INTRODUÇÃO MADEIRA MATERIAL COM AMPLA GAMA DE APLICAÇÕES DEMANDA REDUZIDA DE ENERGIA RECURSO RENOVÁVEL

Leia mais

Relatório de Inventário Florestal Contínuo Ano 2012 Floresta Nacional de Saracá Taquera Unidade de Manejo Florestal III GOLF Indústria, Comércio e

Relatório de Inventário Florestal Contínuo Ano 2012 Floresta Nacional de Saracá Taquera Unidade de Manejo Florestal III GOLF Indústria, Comércio e Relatório de Inventário Florestal Contínuo Ano 2012 Floresta Nacional de Saracá Taquera Unidade de Manejo Florestal III. 0 Sumário Lista de Figuras... 2 Lista de Tabelas... 3 Apresentação... 4 1. Introdução...

Leia mais

Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Naturais, Belém, v. 2, n. 2, p. 33-60, mai-ago. 2007

Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Naturais, Belém, v. 2, n. 2, p. 33-60, mai-ago. 2007 Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Naturais, Belém, v. 2, n. 2, p. 33-60, mai-ago. 2007 Florística e fitossociologia de um trecho de um hectare de floresta de terra firme, em Caracaraí, Roraima, Brasil

Leia mais

Resumo Público de Certificação ACRE BRASIL VERDE INDUSTRIAL MADEIREIRA LTDA

Resumo Público de Certificação ACRE BRASIL VERDE INDUSTRIAL MADEIREIRA LTDA Certificador: Resumo Público de Certificação de ACRE BRASIL VERDE INDUSTRIAL MADEIREIRA LTDA Certificado n o : SW-FM/COC-1586 Data da Certificação: 26 de Julho, 2005 Data do Resumo Público: Julho, 2005

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

Resumo Público de Certificação

Resumo Público de Certificação Resumo Público de Certificação de FLORESTA ESTADUAL DO ANTIMARY Sob gestão da Fundação de Tecnologia do Estado do Acre FUNTAC e Secretaria de Florestas do Acre - SEF Certificado n o : SW-FM/COC-1670 Data

Leia mais

Relatório Pesquisa Vegetação

Relatório Pesquisa Vegetação Relatório Pesquisa Vegetação Projeto Casa da Virada Mata Amazônica Atlântica Desenvolvimento Local e Áreas Protegidas Belém setembro de 2013 CEP: 66053-190 Belém, Pará, Brasil F +55 91 3222 6000 peabiru@peabiru.org.br

Leia mais

CALENDÁRIO PARA CULTIVO DE FLORESTA PLANTADA COM FINS COMERCIAL PARA O ESTADO DE RONDÔNIA

CALENDÁRIO PARA CULTIVO DE FLORESTA PLANTADA COM FINS COMERCIAL PARA O ESTADO DE RONDÔNIA CALENDÁRIO PARA CULTIVO DE FLORESTA PLANTADA COM FINS COMERCIAL PARA O ESTADO DE RONDÔNIA Cultura Espaçamento (m) Variedade Cultivar Época de Abate Produtividade Média/ha Sementes ou Mudas/ha Pinho Cuiabano

Leia mais

Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari

Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Mineiros - GO Fevereiro de 2012 Oréades Núcleo de Geoprocessamento 2 Relatório de Plantio de Florestas

Leia mais

Caracterização das Unidades de Manejo Florestal Lote-1 da Floresta Estadual do Amapá

Caracterização das Unidades de Manejo Florestal Lote-1 da Floresta Estadual do Amapá SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Caracterização geral da Flota Amapá... 2 3. Lote de Unidades de Manejo Florestal... 2 4. Ferramentas utilizadas para caracterização das UMFs... 3 4.1. Cálculo da área efetiva

Leia mais

Rede Biomassa Florestal: Foco de PD&I no Manejo de Florestas Naturais para mais 30 anos

Rede Biomassa Florestal: Foco de PD&I no Manejo de Florestas Naturais para mais 30 anos I Simpósio de Manejo Florestal da Amazônia e Seminário de Comemoração dos 30 Anos de Pesquisa florestal na FLONA Tapajós km 67 Santarém, maio/2010 Rede Biomassa Florestal: Foco de PD&I no Manejo de Florestas

Leia mais

2.1. Umidade O teor de umidade a madeira tem uma grande importância, pois influencia nas demais propriedades desse material.

2.1. Umidade O teor de umidade a madeira tem uma grande importância, pois influencia nas demais propriedades desse material. MADEIRAS INTRODUÇÃO A madeira é uma matéria-prima importante e versátil em vários setores da atividade humana, pois pode ser aplicada a diversas situações. No Brasil a madeira é um produto pouco valorizado

Leia mais

SÍNDROME DE DISPERSÃO EM ESTRATOS ARBÓREOS EM UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA ABERTA E DENSA EM ALTA FLORESTA MT 1

SÍNDROME DE DISPERSÃO EM ESTRATOS ARBÓREOS EM UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA ABERTA E DENSA EM ALTA FLORESTA MT 1 1 SÍNDROME DE DISPERSÃO EM ESTRATOS ARBÓREOS EM UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA ABERTA E DENSA EM ALTA FLORESTA MT 1 FERNANDA PINHEIRO SARAVY 2, POLIANE JORGINA DE FREITAS 2, MARIA APARECIDA LAGE 2,

Leia mais

RELATÓRIO QMSSRS PROJETO VIVEIRO FLORESTAL UHE BELO MONTE PROJETO DO VIVEIRO FLORESTAL UHE BELO MONTE

RELATÓRIO QMSSRS PROJETO VIVEIRO FLORESTAL UHE BELO MONTE PROJETO DO VIVEIRO FLORESTAL UHE BELO MONTE DC-S-1/2011 1/27 PROJETO DO VIVEIRO FLORESTAL UHE BELO REV. DATA HISTÓRICO ELABORADO VERIFICADO APROVADO 18/12/2012 Emissão inicial Coordenador de Meio Ambiente - PRAD Gerência de Meio Ambiente Gerência

Leia mais

O SETOR MADEIREIRO E OS PLANOS DE MANEJO FLORESTAL EM BOA VISTA DO RAMOS E MAUÉS. Documento de trabalho

O SETOR MADEIREIRO E OS PLANOS DE MANEJO FLORESTAL EM BOA VISTA DO RAMOS E MAUÉS. Documento de trabalho O SETOR MADEIREIRO E OS PLANOS DE MANEJO FLORESTAL EM BOA VISTA DO RAMOS E MAUÉS Documento de trabalho Manaus - Dezembro de 005 Esse documento de trabalho apresenta de forma resumida uma caracterização

Leia mais

A INDÚSTRIA MADEIREIRA E A GERAÇÃO DE RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA-MT

A INDÚSTRIA MADEIREIRA E A GERAÇÃO DE RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA-MT A INDÚSTRIA MADEIREIRA E A GERAÇÃO DE RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA-MT CÁSSIA CRISTINA DOS SANTOS 1, IVAN CLEITON DE OLIVEIRA SILVA 2, MARLIZE REFFATTI ZINELLI 2 E JOSIANE SIQUEIRA NUNES MOUZINHO

Leia mais

Mata Amazônica Atlântica

Mata Amazônica Atlântica Mata Amazônica Atlântica Mata Amazônica Atlântica REALIZAÇÃO Instituto Peabiru e Museu Paraense Emílio Goeldi ORGANIZAÇÃO Richardson Frazão COORDENAÇÃO CIENTÍFICA Richardson Frazão PESQUISADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Museu Paraense Emílio Goeldi. Cx. Postal, 399. CEP 66.040-170, Belém-Pará, Brasil. (plisboa@museu-goeldi.br) (urbinati@museu-goeldi.

Museu Paraense Emílio Goeldi. Cx. Postal, 399. CEP 66.040-170, Belém-Pará, Brasil. (plisboa@museu-goeldi.br) (urbinati@museu-goeldi. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi, sér. Ciências Naturais, Belém, v. 1, n. 1, p. 65-140, jan-abr. 2005 A Xiloteca (Coleção Walter A. Egler) do Museu Paraense Emílio Goeldi 1 Wood Collection (Walter A. Egler

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL E ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE MADEIRA DA ESPÉCIE NATIVA EM DOIS MUNICÍPIOS NA AMAZÔNIA BRASILEIRA

AVALIAÇÃO AMBIENTAL E ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE MADEIRA DA ESPÉCIE NATIVA EM DOIS MUNICÍPIOS NA AMAZÔNIA BRASILEIRA http:///br/artigos.asp?ed=12&cod_artigo=220 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta

Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta RESUMO Estadual do Antimary Cristiano Corrêa da Silva 1 Altemir da Silva Braga 2 A Avaliação de Danos deve ser parte integrante

Leia mais

O SETOR MADEIREIRO E OS PLANOS DE MANEJO FLORESTAL EM CARAUARI

O SETOR MADEIREIRO E OS PLANOS DE MANEJO FLORESTAL EM CARAUARI O SETO MADEIEIO E OS PLAOS DE MAEJO FLOESTAL EM CAAUAI Documento de trabalho Documento de trabalho Manaus - Dezembro de 005 Esse documento de trabalho apresenta de forma resumida uma caracterização do

Leia mais

Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Naturais, Belém, v. 1, n. 2, p. 65-78, maio-ago. 2006

Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Naturais, Belém, v. 1, n. 2, p. 65-78, maio-ago. 2006 Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Naturais, Belém, v. 1, n. 2, p. 65-78, maio-ago. 2006 Castanheira-do-brasil recuperando áreas degradadas e provendo alimento e renda para comunidades da Amazônia

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL DA FLONA DE SARACÁ-TAQUERA RELATÓRIO FINAL

INVENTÁRIO FLORESTAL DA FLONA DE SARACÁ-TAQUERA RELATÓRIO FINAL INVENTÁRIO FLORESTAL DA FLONA DE SARACÁ-TAQUERA RELATÓRIO FINAL BELÉM-PA DEZEMBRO DE 2008 ECO FLORESTAL LTDA. Relatório Final do Inventário Florestal Diagnóstico da FLONA de Saracá-Taquera, Estado do Pará

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL UMF III FLONA DO JAMARI

RELATÓRIO ANUAL UMF III FLONA DO JAMARI RELATÓRIO ANUAL UMF III FLONA DO JAMARI 2013 1 INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 DADOS DA ÁREA A área da Flona do Jamari abrange os municípios de Candeias do Jamari, Itapuã do Oeste e Cujubim, no Estado de Rondônia.

Leia mais

ESTUDO DE MERCADO DE SEMENTES FLORESTAIS DE ESPÉCIES NATIVAS DO ACRE.

ESTUDO DE MERCADO DE SEMENTES FLORESTAIS DE ESPÉCIES NATIVAS DO ACRE. This document is created with the unregistered version of Document2PDF Pilot. ESTUDO DE MERCADO DE SEMENTES FLORESTAIS DE ESPÉCIES NATIVAS DO ACRE. MANAUS/ 2005 CONTEÚDO GERAL LISTAS DE FIGURAS... 3 LISTAS

Leia mais

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE FLORESTA TROPICAL SECUNDÁRIA NA ÁREA DO PARQUE AMBIENTAL DO UTINGA, BELÉM-PA

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE FLORESTA TROPICAL SECUNDÁRIA NA ÁREA DO PARQUE AMBIENTAL DO UTINGA, BELÉM-PA LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE FLORESTA TROPICAL SECUNDÁRIA NA ÁREA DO PARQUE AMBIENTAL DO UTINGA, BELÉM-PA Nívia Cristina Vieira Rocha 1, Márcia de Nazaré de Castro Brabo Alves 1, Quêzia Leandro Moura 2,

Leia mais

PODER CALORÍFICO DA MADEIRA E DE MATERIAIS LIGNO- CELULÓSICOS

PODER CALORÍFICO DA MADEIRA E DE MATERIAIS LIGNO- CELULÓSICOS PODER CALORÍFICO DA MADEIRA E DE MATERIAIS LIGNO- CELULÓSICOS Publicado na Revista da Madeira nº 89 abril 2005 pag 100-106 RESUMO Waldir F. Quirino 1 ; Ailton Teixeira do Vale 2 ; Ana Paula Abreu de Andrade

Leia mais

ESPÉCIES NATIVAS COM POTENCIAL MADEIREIRO E MOVELEIRO

ESPÉCIES NATIVAS COM POTENCIAL MADEIREIRO E MOVELEIRO ESPÉCIES NATIVAS COM POTENCIAL MADEIREIRO E MOVELEIRO Zenid, G. J. Divisão de Produtos Florestais Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S. A. - IPT fone: 11-3767.4419 fax: 11-3767-4098

Leia mais

AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES FLORESTAIS NO ESTADO DE RORAIMA. Silvicultural Evaluation of forest species in the Roraima state

AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES FLORESTAIS NO ESTADO DE RORAIMA. Silvicultural Evaluation of forest species in the Roraima state AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES FLORESTAIS NO ESTADO DE RORAIMA Silvicultural Evaluation of forest species in the Roraima state Marcelo Francia Arco-Verde * Dalton Roberto Schwengber ** Resumo O aumento

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MACROSCÓPICA DE MADEIRAS. Geraldo José Zenid Gregório C. T. Ceccantini

IDENTIFICAÇÃO MACROSCÓPICA DE MADEIRAS. Geraldo José Zenid Gregório C. T. Ceccantini IDENTIFICAÇÃO MACROSCÓPICA DE MADEIRAS Geraldo José Zenid Gregório C. T. Ceccantini Laboratório de Madeira e Produtos Derivados Centro de Tecnologia de Recursos Florestais Instituto de Pesquisas Tecnológicas

Leia mais

AVISO DE LICITAÇÃO. 4. Locais do inventário florestal: Resex Baixo Juruá, Flona do Pau Rosa e Rio Purus no estado do Amazonas.

AVISO DE LICITAÇÃO. 4. Locais do inventário florestal: Resex Baixo Juruá, Flona do Pau Rosa e Rio Purus no estado do Amazonas. AVISO DE LICITAÇÃO A Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) convida as empresas qualificadas para apresentar propostas para uma competição seletiva para prestar os serviços descritos a seguir.

Leia mais

Conectando comunidades aos mercados: Desenvolvendo mercados de pequena escala para operações florestais comunitárias certificadas

Conectando comunidades aos mercados: Desenvolvendo mercados de pequena escala para operações florestais comunitárias certificadas Conectando comunidades aos mercados: Desenvolvendo mercados de pequena escala para operações florestais comunitárias certificadas Março de 2005 Certification Incentive Programme Estevão do Prado Braga

Leia mais

RESUMO PÚBLICO Rev XII Novembro/2014 2014 / 2015

RESUMO PÚBLICO Rev XII Novembro/2014 2014 / 2015 RESUMO PÚBLICO Rev XII Novembro/2014 1. ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 3 2. LOCALIZAÇÃO 4 3. OBJETIVOS 6 OBJETIVOS TÉCNICOS E AMBIENTAIS... 6 OBJETIVOS ECONÔMICOS... 6 4. CARACTERÍSTICAS DA ÁREA DE MANEJO FLORESTAL...

Leia mais

Embrapa Acre: Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Sustentável do Sudoeste da Amazônia

Embrapa Acre: Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Sustentável do Sudoeste da Amazônia Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Acre Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Acre: Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Sustentável do Sudoeste da Amazônia

Leia mais

RESUMO PÚBLICO 2014 / 2015

RESUMO PÚBLICO  2014 / 2015 RESUMO PÚBLICO 2014 / 2015 APRESENTAÇÃO O GRUPO JARI que atua nos setores de celulose e agroflorestal, tem a sustentabilidade como estratégia de negócios. As empresas do grupo atuam de forma integrada

Leia mais

Anexo I. 1 Introdução

Anexo I. 1 Introdução Anexo I Modelo para Elaboração de Projeto de Recuperação de Danos decorrentes da Infração ou Recuperação de Áreas Degradadas para fins de Conversão de Multa (Art. 140, I e II do Decreto nº. 6.514 de 22

Leia mais

Conhecimento em Erosão: Um Inventário Etnobotânico na Fronteira de Exploração da Amazônia Oriental Erosion Knowledge: An Ethnobotanical Inventary

Conhecimento em Erosão: Um Inventário Etnobotânico na Fronteira de Exploração da Amazônia Oriental Erosion Knowledge: An Ethnobotanical Inventary Conhecimento em Erosão: Um Inventário Etnobotânico na Fronteira de Exploração da Amazônia Oriental Erosion Knowledge: An Ethnobotanical Inventary in the Exploration Frontier of Eastern Amazonia Patricia

Leia mais

ANÁLISE DOS CUSTOS DE REFLORESTAMENTO EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP)

ANÁLISE DOS CUSTOS DE REFLORESTAMENTO EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) ANÁLISE DOS CUSTOS DE REFLORESTAMENTO EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) Octávio Barbosa Plaster¹, Felipe Garcia Manente 1, João Paulo Rodrigues 1, Fábio Monteiro Leite de Souza¹, Cláudio Angeli Sansígolo

Leia mais

ISSN 2176-6797. Anual de. Florestal. Brasília DF Julho de 2014

ISSN 2176-6797. Anual de. Florestal. Brasília DF Julho de 2014 ISSN 2176-6797 Plano Anual de Outorga Florestal 2015 s í n t e s e Brasília DF Julho de 2014 1 Dossel na FLONA de Saracá-Taquera Arquivo de imagens GEMAF/SFB ISSN 2176-6797 Plano Anual de Outorga Florestal

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO CAMPUS DE IRATI, PARANÁ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO CAMPUS DE IRATI, PARANÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO CAMPUS DE IRATI, PARANÁ COMPARAÇÃO DE MÉTODOS PARA ESTIMAR O VOLUME COMERCIAL EM FLORESTA OMBRÓFILA DENSA NO ESTADO DO AMAZONAS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

Resumo MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Resumo MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Câmpus Rio Grande Aluna: Alice Ott Fonseca Matricula: 11240125 Curso: TÉCOLOGIA EM COSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS 02/2015 Disciplina: Materiais de Construção Resumo MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Uso a madeira Na

Leia mais

Belém, 13 de maio de 2014.

Belém, 13 de maio de 2014. Belém, 13 de maio de 2014. Ao Ministério Público Federal Procuradoria da República no Estado do Pará À Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Pará Ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ Parecer nº 12/2010

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ Parecer nº 12/2010 MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ Parecer nº 12/2010 Teresina, 16 de Setembro de 2010. PARECER TÉCNICO N 12 / 2010 OBJETO: Vistoria e Análise do Relatório de Controle Ambiental (RCA) do Loteamento

Leia mais

ESTRUTURA DE UMA FLORESTA DE TERRA FIRME NA REGIÃO DE MARABÁ-PA: A POSiÇÃO DO MOGNO EM RELAÇÃO ÀS OUTRAS ESPÉCIES DA COMUNIDADE1

ESTRUTURA DE UMA FLORESTA DE TERRA FIRME NA REGIÃO DE MARABÁ-PA: A POSiÇÃO DO MOGNO EM RELAÇÃO ÀS OUTRAS ESPÉCIES DA COMUNIDADE1 ......~ ISSN 1517-2244 ~~inistério da Agricultura e do Abastecimento Amazônia Oriental Ministério da Agricultura e do Abastecimento Trav. Dr. Enéas Pinheiro s1n, Caixa Posta/48, Fax (91) 276-9845, Fone:

Leia mais