Universidade Federal de Itajubá. Instituto de Engenharia de Produção e Gestão. Pesquisa Operacional. Redes. Prof. Dr. José Arnaldo Barra Montevechi

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Itajubá. Instituto de Engenharia de Produção e Gestão. Pesquisa Operacional. Redes. Prof. Dr. José Arnaldo Barra Montevechi"

Transcrição

1 Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Pesquisa Operacional Redes Prof. Dr. José Arnaldo Barra Montevechi Problemas de rede Casos especiais de problemas de programação linear que são mais bem analisados através de uma representação gráfica. Importantes problemas de otimização, tais como problemas de logística e de energia, produção e outros, são eficientemente resolvidos e modelados como problemas de rede.

2 Problemas de rede Modelos de rede facilitam a visualização das relações entre os componentes do sistema, aumentando o entendimento do problema e de seus possíveis resultados. É uma modelagem muita usada. Terminologia Redes, nós e arcos: Nós Arcos

3 Problemas de rede (Classificação usual) Problemas de transporte e rede de distribuição; Problemas de menor caminho; Problemas de fluxo máximo. Problemas de Distribuição Problemas que consideram múltiplas fontes, centros consumidores e locais intermediários por onde os produtos simplesmente passam são denominados problemas de distribuição. O problema de transporte já estudado é uma simplificação do problema de rede de distribuição.

4 Problemas de Distribuição exemplo Uma montadora de carros esta iniciando as suas operações no Brasil, construindo fábricas: uma na Bahia e outra em São Paulo. A montadora esta estudando a forma de distribuição de seus carros para as diversas revendas, localizadas nos estados: Goiás, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, que minimize o custo total de distribuição. Problemas de Distribuição exemplo As capacidades instaladas de cada uma das fábricas, as demandas das revendas, bem como os custos unitários de transporte entre fábricas e revendas estão evidenciados no diagrama a seguir.

5 Problemas de Distribuição exemplo -00 BA 0 0 MG GO 0 Demandas -00 SP RJ 0 (00) PR 00 0 Oferta (capacidade das fábricas) (00) SC RS 0 9 Problemas de Distribuição Existem maneiras básicas de resolver este problema. A primeira consiste em inserir uma unidade dummy que iguale a oferta a demanda. A segunda forma de resolver é seguir a Regra do Fluxo Balanceado para cada nó da rede. Este método dispensa o uso de unidades dummys. O desequilíbrio entre oferta e demanda total é tratado através de restrições maior ou igual ou de menor ou igual. 0

6 Problemas de Distribuição Regra do fluxo balanceado: Hipótese: Tipo de Restrição: Situação do exemplo Oferta > Demanda Oferta < Demanda Entradas Saídas Oferta ou Demanda do Nó Entradas Saídas Oferta ou Demanda do Nó Oferta = Demanda Entradas Saídas = Oferta ou Demanda do Nó Primeiro passo: Variáveis de decisão Quantidades de veículos enviados de cada fábrica para cada distribuidor BA SP MG RJ 0 0 GO PR SC 00 RS 0

7 Primeiro passo: Variáveis de decisão X número de carros enviados de BA para MG. X número de carros enviados de BA para RJ. X número de carros enviados de BA para GO. X número de carros enviados de SP para MG. X número de carros enviados de SP para RJ. X número de carros enviados de SP para PR. X número de carros enviados de SP para SC. X número de carros enviados de SP para RS. X número de carros enviados de MG para RJ. X número de carros enviados de MG para GO. X número de carros enviados de SC para RS BA SP 0 MG 0 0 RJ 0 0 GO PR SC RS 00 0 Segundo passo: função objetivo Objetivo: Minimizar os custos de distribuição X BA para MG. X BA para RJ. X BA para GO. X SP para MG. X SP para RJ. X SP para PR. X SP para SC. X SP para RS. X MG para RJ. X MG para GO. X SC para RS BA SP MG RJ 0 0 GO PR SC 00 min Z = X + 0X + 0X + X + X + X + X + 0X + X + X + X RS 0

8 Terceiro passo: restrições Restrição 0 nó 0 -X -X -X BA 0 0 MG 0 GO -00 SP RJ 0 PR 00 Situação do exemplo Hipótese: Oferta > Demanda Oferta < Demanda Tipo de Restrição: Entradas Saídas Oferta ou Demanda do Nó Entradas Saídas Oferta ou Demanda do Nó 0 SC RS 0 Oferta = Demanda Entradas Saídas = Oferta ou Demanda do Nó Terceiro passo: restrições -00 BA 0 0 MG 0 GO -00 SP RJ 0 PR 00 Restrição 0 nó 0 X X X X X SC RS 0

9 Terceiro passo: restrições -00 BA 0 0 MG 0 GO -00 SP RJ 0 PR 00 Restrição 0 nó 0 X + X X X 0 0 SC RS 0 Terceiro passo: restrições -00 BA 0 0 MG 0 GO -00 SP RJ 0 PR 00 Restrição 0 nó 0 X + X + X 0 0 SC RS 0 9

10 Terceiro passo: restrições -00 BA 0 0 MG 0 GO -00 SP RJ 0 PR 00 Restrição 0 nó 0 X + X 0 SC RS 0 9 Terceiro passo: restrições -00 BA 0 0 MG 0 GO -00 SP RJ 0 PR 00 Restrição 0 nó 0 X 00 0 SC RS 0 0

11 Terceiro passo: restrições -00 BA 0 0 MG 0 GO -00 SP RJ 0 PR 00 Restrição 0 nó 0 X X 0 SC RS 0 Terceiro passo: restrições -00 BA 0 0 MG 0 GO -00 SP RJ 0 PR 00 Restrição 0 nó 0 X + X 0 0 SC RS 0

12 Quarto passo: Restrições adicionais Para completar a formulação do problema: Xij >= 0 i = ; ;... Solução pelo Solver Problemas de rede de distribuição Distribuição de carros Variáveis de decisão De Para Custo Unidades Nó Fluxo liquido Oferta/Demanda BA SP Custo Total = MG RJ 0 0 GO PR SC RS 00 0 Informações conhecidas

13 Solução pelo Solver -00 BA 0 0 MG 0 GO Problemas de rede de distribuição Distribuição de carros De Para Custo Unidades Nó Fluxo liquido Oferta/Demanda SP 0 RJ 0 PR SC RS 00 0 * Custo Total = 0 Fórmula Solução pelo Solver (Função Objetivo)

14 Solução pelo Solver (Restrições) Restrição 0 nó 0 -X -X -X BA 0 0 MG 0 GO -00 SP RJ 0 PR 00 0 SC RS 0 Solução pelo Solver (Restrições) Restrição 0 nó 0 -X -X -X BA 0 0 MG 0 GO -00 SP RJ 0 Entradas Saídas 0 PR SC 00 RS 0

15 Solução pelo Solver (Todas as Restrições) 9 Solução pelo Solver (Solução) BA SP 0 0 MG RJ 0 0 GO PR 00 0 SC RS 0 0

16 Problema do Menor Caminho Problema que representa um outro caso especial de problemas de redes, em que os arcos significam a distância entre pontos (nós). Quando deseja-se achar a rota que une estes pontos com a distância mínima possível, tem-se um problema de menor caminho. Problema do Menor Caminho Nestes problema existem sempre nós especiais chamados de origem e destino. Entre um nó de origem e um nó de destino geralmente existem nós intermediários, que podem representar cidades que conectam rodovias, subestações em problemas de distribuição de energia, etc...

17 Problema do Menor Caminho - Exemplo Um fabrica de artigos de decoração, localizada em Lambari, deve entregar uma grande quantidade de peças na cidade de Baependi. A empresa quer saber qual o caminho que seu caminhão deve fazer para minimizar a distância percorrida. Problemas de Menor Caminho exemplo Três Corações S. Thomé das Letras Lambari Baependi 0 Caxambu São Lourenço

18 Problemas de Menor Caminho A modelagem do problema terá variáveis binárias do tipo Xij, indicando o sentido da cidade i para a cidade j. Se o valor da variável for igual a significa que aquele trecho deve ser percorrido. De forma inversa, se o valor da variável for igual a zero, significa que aquele trecho não deve ser percorrido. Primeiro passo: Variáveis de decisão Três Corações S. Thomé das Letras Lambari Baependi 0 Caxambu São Lourenço X trecho Lambari Três Corações. X trecho Lambari São Lourenço. X trecho Lambari Caxambu. X trecho Três Corações São Thomé das Letras. X trecho São Lourenço Caxambu. X trecho São Thomé das Letras Baependi. X trecho Caxambu Baependi.

19 Segundo passo: função objetivo Objetivo: Minimizar a distância percorrida pelo caminhão Lambari Três Corações S. Thomé das Letras 0 Baependi Min Z = X + X + 0X + X + X + X + X São Lourenço Caxambu X Lambari Três Corações. X Lambari São Lourenço. X Lambari Caxambu. X Três Corações São Thomé das Letras. X São Lourenço Caxambu. X São Thomé das Letras Baependi. X Caxambu Baependi. Terceiro passo: restrições Três Corações S. Thomé das Letras Lambari Baependi 0 Caxambu Oferta = - Demanda = São Lourenço Hipótese: Tipo de Restrição: Oferta > Demanda Entradas Saídas Oferta ou Demanda do Nó Situação do exemplo Oferta < Demanda Oferta = Demanda Entradas Saídas Oferta ou Demanda do Nó Entradas Saídas = Oferta ou Demanda do Nó 9

20 Terceiro passo: restrições Três Corações S. Thomé das Letras Lambari Baependi 0 Caxambu São Lourenço Restrição 0: -X -X -X = - Hipótese: Tipo de Restrição: Oferta > Demanda Entradas Saídas Oferta ou Demanda do Nó Situação do exemplo Oferta < Demanda Oferta = Demanda Entradas Saídas Oferta ou Demanda do Nó Entradas Saídas = Oferta ou Demanda do Nó 9 Terceiro passo: restrições Três Corações S. Thomé das Letras Lambari Baependi 0 Caxambu São Lourenço Restrição 0: X X = 0 Hipótese: Tipo de Restrição: Oferta > Demanda Entradas Saídas Oferta ou Demanda do Nó Situação do exemplo Oferta < Demanda Oferta = Demanda Entradas Saídas Oferta ou Demanda do Nó Entradas Saídas = Oferta ou Demanda do Nó 0

21 Terceiro passo: restrições Três Corações S. Thomé das Letras Lambari Baependi 0 Caxambu São Lourenço Restrição 0: X X = 0 Terceiro passo: restrições Três Corações S. Thomé das Letras Lambari Baependi 0 Caxambu São Lourenço Restrição 0: X X = 0

22 Terceiro passo: restrições Três Corações S. Thomé das Letras Lambari Baependi 0 Caxambu São Lourenço Restrição 0: X + X X = 0 Terceiro passo: restrições Três Corações S. Thomé das Letras Lambari Baependi 0 Caxambu São Lourenço Restrição 0: X + X =

23 Quarto passo: Restrições adicionais Para completar a formulação do problema: Xij = 0 ou i = ; ;... Solução pelo Solver Lambari Três Corações S. Thomé das Letras Baependi 0 Variáveis de decisão Caxambu São Lourenço Informações conhecidas

24 Lambari Solução pelo Solver Três Corações S. Thomé das Letras Baependi 0 Caxambu São Lourenço Fórmula Lambari Solução pelo Solver (Função Objetivo) Três Corações S. Thomé das Letras Baependi 0 Caxambu São Lourenço * Fórmula

25 Solução pelo Solver (Restrições) Restrição 0: -X -X -X = - 9 Solução pelo Solver (Restrições) Hipótese: Tipo de Restrição: Situação do exemplo Oferta > Demanda Oferta < Demanda Oferta = Demanda Entradas Saídas Oferta ou Demanda do Nó Entradas Saídas Oferta ou Demanda do Nó Entradas Saídas = Oferta ou Demanda do Nó Entradas Saídas 0

26 Solução pelo Solver (Restrições) Hipótese: Tipo de Restrição: Situação do exemplo Oferta > Demanda Oferta < Demanda Oferta = Demanda Entradas Saídas Oferta ou Demanda do Nó Entradas Saídas Oferta ou Demanda do Nó Entradas Saídas = Oferta ou Demanda do Nó Lambari Solução pelo Solver Três Corações (Solução) S. Thomé das Letras Baependi 0 Caxambu São Lourenço

27 Problema do Fluxo Máximo Quando se quer maximizar a quantidade de um fluxo de um ponto de origem para um ponto de destino e estamos sujeitos a restrições de capacidade de fluxo nos arcos. Estes problemas geralmente envolvem fluxo de materiais como água, óleo, gás, energia através de uma rede de tubos ou canos. Podem representar fluxo de carros em malhas viárias, produtos em linha de produção, etc... Problema do Fluxo Máximo - Exemplo Uma empresa distribuidora de gás deseja determinar a quantidade máxima de metros cúbicos por segundo de gás que pode bombear da estação de Campos para o centro consumidor do Rio de Janeiro, através da rede de gasodutos existentes. A figura a seguir ilustra o caso.

28 Problema do Fluxo Máximo - Exemplo 0 m/s 0 m/s m/s Campos Rio de, Janeiro A m/s B 0 m/s 0 m/s 0 m/s Problema do Fluxo Máximo Para resolvermos este problema, utilizaremos um pequeno artifício: adicionaremos um arco virtual ligando o nó B ao nó A. A FO será portanto a maximização do fluxo de gás que passa de B para A. Como o fluxo do Rio de Janeiro para Campus não existe, o valor do fluxo no arco artificial representará o total de gás que pode chegar ao Rio de Janeiro vindo de Campus por mais de um caminho simultaneamente.

29 Problema do Fluxo Máximo - Exemplo 0 m/s 0 m/s m/s Campos Rio de Janeiro A m/s B 0 m/s 0 m/s 0 m/s Primeiro passo: Variáveis de decisão 0 m/s 0 m/s m/s Campos Rio de Janeiro A m/s B 0 m/s 0 m/s 0 m/s XA m/s que saem de Campus e chegam a estação 0. XA m/s que saem de Campus e chegam a estação 0. X m/s que saem da estação 0 e chegam a estação 0. X m/s que saem da estação 0 e chegam a estação 0. X m/s que saem da estação 0 e chegam a estação 0. XB m/s que saem da estação 0 e chegam no Rio de Janeiro. XB m/s que saem da estação 0 e chegam no Rio de Janeiro. XBA m/s que saem do Rio de Janeiro e chegam em Campus. (artificial) 9

30 Segundo passo: função objetivo Objetivo: Maximizar o fluxo de gás 0 m/s 0 m/s m/s Campos Rio de Janeiro A m/s B 0 m/s 0 m/s 0 m/s Max Z = XBA 9 Terceiro passo: restrições 0 m/s 0 m/s m/s Campos Rio de Janeiro A m/s B 0 m/s 0 m/s 0 m/s Restrições: O fluxo de cada arco deverá ser maior ou igual a zero; O fluxo de cada arco deverá ser menor ou igual a capacidade do arco; O fluxo que chega em cada nó deverá ser igual ao fluxo do que sai do mesmo; O fluxo do arco artificial (desconhecido) deve ser grande o bastante para assumir qualquer valor possível, já que este será maximizado. 0 0

31 Terceiro passo: restrições 0 m/s 0 m/s m/s Campos Rio de Janeiro A m/s B 0 m/s 0 m/s 0 m/s Restrições de capacidade: XA 0; XA 0; X 0; X ; X 0; XB ; XB 0; XBA 9999; Terceiro passo: restrições 0 m/s 0 m/s m/s Campos Rio de Janeiro A m/s B 0 m/s 0 m/s 0 m/s Restrições de fluxo: XBA (XA + XA) = 0 XA (X + X) = 0 XA X = 0 X XB = 0 X + X XB = 0 XB + XB XBA = 0 Hipótese: Oferta > Demanda Oferta < Demanda Oferta = Demanda Tipo de Restrição: Entradas Saídas Oferta ou Demanda do Nó Entradas Saídas Oferta ou Demanda do Nó Entradas Saídas = Oferta ou Demanda do Nó Situação do exemplo

32 Quarto passo: Restrições adicionais Para completar a formulação do problema: Xij >= 0 i = A; B; ; ;... Solução pelo Solver Campos 0 m/s 0 m/s m/s Rio de Janeiro A 0 m/s m/s 0 m/s B 0 m/s Variáveis de decisão Informações conhecidas

33 Solução pelo Solver (Função Objetivo) Fórmula Solução pelo Solver (Restrições) Entradas Saídas

34 Solução pelo Solver (Restrições) Solução pelo Solver (Solução) 0 m/s 0 m/s m/s Campos Rio de Janeiro A m/s B 0 m/s 0 m/s 0 m/s

Programação Linear (PL) Solução algébrica - método simplex

Programação Linear (PL) Solução algébrica - método simplex Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Pesquisa Operacional Simplex Prof. Dr. José Arnaldo Barra Montevechi Programação Linear (PL) Solução algébrica - método simplex

Leia mais

Problema de Designação. Fernando Nogueira Problema de Designação 1

Problema de Designação. Fernando Nogueira Problema de Designação 1 Problema de Designação Fernando Nogueira Problema de Designação 1 O Problema de Designação é um caso específico de um Problema de Transporte, que por sua vez é um caso específico de um Problema de Programação

Leia mais

Programação Linear. MÉTODOS QUANTITATIVOS: ESTATÍSTICA E MATEMÁTICA APLICADAS De 30 de setembro a 13 de novembro de 2011 prof. Lori Viali, Dr.

Programação Linear. MÉTODOS QUANTITATIVOS: ESTATÍSTICA E MATEMÁTICA APLICADAS De 30 de setembro a 13 de novembro de 2011 prof. Lori Viali, Dr. Programação Linear São problemas complexos, muitas vezes de difícil solução e que envolvem significativas reduções de custos, melhorias de tempos de processos, ou uma melhor alocação de recursos em atividades.

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL 4470E- 04

PESQUISA OPERACIONAL 4470E- 04 O Solver é uma ferramenta de otimização disponível no MS- Excel; PESQUISA OPERACIONAL 4470E- 04 A estrutura de planilha do Excel facilita na modelagem de um problema de Programação Linear neste ambiente;

Leia mais

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Aula 4: Programação Linear Felipe Campelo http://www.cpdee.ufmg.br/~fcampelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Belo Horizonte Março de 2013

Leia mais

Pesquisa Operacional aplicada ao Planejamento e Controle da Produção e de Materiais Programação Linear

Pesquisa Operacional aplicada ao Planejamento e Controle da Produção e de Materiais Programação Linear Pesquisa Operacional aplicada ao Planejamento e Controle da Produção e de Materiais Programação Linear Introdução à Pesquisa Operacional Origens militares Segunda guerra mundial Aplicada na alocação de

Leia mais

USO DO SOLVER PARA MAXIMIZAR O LUCRO EM UMA PRODUÇÃO DE GASOLINA

USO DO SOLVER PARA MAXIMIZAR O LUCRO EM UMA PRODUÇÃO DE GASOLINA USO DO SOLVER PARA MAXIMIZAR O LUCRO EM UMA PRODUÇÃO DE GASOLINA A. C. B. SILVA 1, A. P. SILVA 2 1 Universidade de Uberaba, Departamento de Engenharia Química 2 Universidade Federal de Uberlândia, Departamento

Leia mais

TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015

TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015 ! TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015! Jogos Escolares da Juventude 2015 12 a 14 anos Boletim Oficial de Resultados 04/09/2015 CENTRO DE FORMAÇÃO OLÍMPICA - QUADRA 1 TÊNIS DE MESA - EQUIPE - Feminino 1 09:00

Leia mais

Fluxo em Redes: Ford-Fulkerson - Fluxo Máximo

Fluxo em Redes: Ford-Fulkerson - Fluxo Máximo JAILSON ALVES MICAEL AGUIAR PIETRO DALMAZIO VINÍCIUS ALVES Fluxo em Redes: Ford-Fulkerson - Fluxo Máximo Trabalho apresentado ao professor doutor Leandro Colombi Resendo como requisito para aprovação na

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO FARINHA DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO FARINHA DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE FARINHA DE TRIGO 2017 (POR PAÍS) PAÍSES ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 30.038,81 30.038,81 Valor Fob ( Us$/Mil ) 8.096,09 8.096,09 Preço Médio ( Us$/Ton ) 269,52 269,52 PARAGUAI Volume

Leia mais

Programação Linear (PL)

Programação Linear (PL) Programação Linear (PL) ETAPA 05 Volume 04: O problema de transporte (PT) Definição e apresentação sobre forma de rede Formulação do caso equilibrado e não equilibrado Exemplos Propriedades fundamentais

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL APLICADA A LOGÍSTICA

PESQUISA OPERACIONAL APLICADA A LOGÍSTICA PESQUISA OPERACIONAL APLICADA A LOGÍSTICA Pós-Graduação em Logística e Supply Chain Valdick Sales 1 APRESENTAÇÃO Valdick sales Graduado em Ciência da Computação pela UFPE. Pós-Graduado em Redes e Banco

Leia mais

Problema de Transporte (Redes) Fernando Nogueira Problema de Transporte 1

Problema de Transporte (Redes) Fernando Nogueira Problema de Transporte 1 Problema de Transporte (Redes) Fernando Nogueira Problema de Transporte 1 O Problema de Transporte consiste em determinar o menor custo (ou o maior lucro) em transportar produtos de várias origens para

Leia mais

Optimização em Redes e Não Linear

Optimização em Redes e Não Linear Departamento de Matemática da Universidade de Aveiro Optimização em Redes e Não Linear Ano Lectivo 005/006, o semestre Folha - Optimização em Redes - Árvores de Suporte. Suponha que uma dada companhia

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Pesquisa Operacional Problema de Transporte Profa. Sheila Morais de Almeida DAINF-UTFPR-PG maio - 2016 1 Algoritmo para Problema de Transporte são uma classe especial de problemas de Programação Linear.

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Engenharia - Campus de Guaratinguetá Pesquisa Operacional Livro: Introdução à Pesquisa Operacional Capítulo 5 Modelo da Designação Fernando Marins fmarins@feg.unesp.br Departamento de Produção

Leia mais

Programação Linear. (2ª parte) Informática de Gestão Maria do Rosário Matos Bernardo 2016

Programação Linear. (2ª parte) Informática de Gestão Maria do Rosário Matos Bernardo 2016 Programação Linear (2ª parte) Informática de Gestão 61020 Maria do Rosário Matos Bernardo 2016 Conteúdos Representação e resolução gráfica dos problemas de programação linear Problema de minimização Problema

Leia mais

Programação Linear. Rosa Canelas 2010

Programação Linear. Rosa Canelas 2010 Programação Linear Rosa Canelas 2010 Problemas de Optimização São problemas em que se procura a melhor solução (a que dá menor prejuízo, maior lucro, a que é mais eficiente, etc.) Alguns destes problemas

Leia mais

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Janeiro de 2008 Apresentado por Fernando Chacon Diretor de Marketing de Cartões do Banco Itaú 1 Mercado de Cartões Faturamento anual: R$ bilhões

Leia mais

Sumário. Modelagem. Introdução. Processo de Modelagem 3/30/2016

Sumário. Modelagem. Introdução. Processo de Modelagem 3/30/2016 Sumário Modelagem Prof. Adriano Maranhão Introdução. Processo de modelagem. Vantagens do processo da modelagem na tomada de decisões. Pontos importantes na modelagem matemática. Exemplos. Exercícios. 1

Leia mais

Cap. 2 Pesquisa Operacional na Tomada de Decisão

Cap. 2 Pesquisa Operacional na Tomada de Decisão FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS Cap. Pesquisa Operacional na Tomada de Decisão 5/3/00 Prof. Antonio Marcos Goulart. PESQUISA OPERACIONAL NA TOMADA DE DECISÃO Origem da Pesquisa

Leia mais

Otimização. Utilizando o OpenOffice-Calc para Solução de Problemas de Otimização. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel

Otimização. Utilizando o OpenOffice-Calc para Solução de Problemas de Otimização. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel Otimização Utilizando o OpenOffice-Calc para Solução de Problemas de Otimização Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 2016/1 Paulo H. R.

Leia mais

Quinta-feira, 11 de abril

Quinta-feira, 11 de abril 15.053 Quinta-feira, 11 de abril Mais alguns exemplos de programação inteira Técnicas de planos de corte para obter melhores limitações Entregar: Observações de Aula 1 Exemplo: Localização do corpo de

Leia mais

Características do Tráfego

Características do Tráfego Departamento de Eng. Produção Engenharia de Tráfego Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Características do Tráfego 2 1 Teoria do Fluxo de Tráfego -Propõe-se

Leia mais

Lista de Exercícios Programação Inteira. x 2 0 e inteiros.

Lista de Exercícios Programação Inteira. x 2 0 e inteiros. Lista de Exercícios Programação Inteira ) Resolva os problemas a seguir usando o método B&B a) Max z = 5 x + 2 y s.a x + y 2 x + y 5 x, y 0, x e y inteiros b) Max z = 2 x + y s.a x + 2y 0 x + y 25 x, y

Leia mais

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014)

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) 8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) Elaboração: Contraf-CUT, CNTV e Federação dos Vigilantes do Paraná Fonte: Notícias da imprensa, SSP e sindicatos Apoio: Sindicato dos Vigilantes de Curitiba

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL CAMPEONATO BRASILEIRO DA SÉRIE D TABELA BÁSICA / EDIÇÃO 2016 PRIMEIRA FASE REF ROD DATA - DIA HORA GR JOGO ESTÁDIO CIDADE 1ª 12/06 - Dom A1 Rondônia RO x Amazonas AM A1 Acre AC x Amapá AP A2 Tocantins

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá

Universidade Federal de Itajubá Universidade Federal de Itajubá Pesquisa Operacional Aula 01 Informações iniciais 05/06/2013 Prof. José Arnaldo B. Montevechi 1 Contato José Arnaldo Barra Montevechi e-mail: montevechi@unifei.edu.br www.iepg.unifei.edu.br/arnaldo

Leia mais

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Éaciênciaquedesenvolveeaplicatécnicasde medição, indicação, registro e controle de processos, visando a otimização e eficiência destes processos. Introdução

Leia mais

5 Apresentação e Análise das Estruturas da Cadeia (Variável B)

5 Apresentação e Análise das Estruturas da Cadeia (Variável B) 48 5 Apresentação e Análise das Estruturas da Cadeia (Variável B) O objetivo deste capítulo é apresentar e analisar os resultados obtidos sob a perspectiva da Variável B do modelo em função da Variável

Leia mais

Unidade II PESQUISA OPERACIONAL. Profa. Ana Carolina Bueno

Unidade II PESQUISA OPERACIONAL. Profa. Ana Carolina Bueno Unidade II PESQUISA OPERACIONAL Profa. Ana Carolina Bueno Programação linear É um subitem da programação matemática. É um dos modelos utilizados em pesquisa operacional. Consiste em otimizar (maximizar

Leia mais

Problema de Transporte. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 8 modelos

Problema de Transporte. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 8 modelos Problema de Transporte Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 8 modelos Problema de Transporte Rede bipartida onde um conjunto contém nós de oferta e o outro

Leia mais

Exemplo: Maximização de lucros em uma chocolateria que produz os seguintes produtos: (1) Chocolate Pyramide (2) Chocolate Pyramide Nuit

Exemplo: Maximização de lucros em uma chocolateria que produz os seguintes produtos: (1) Chocolate Pyramide (2) Chocolate Pyramide Nuit Universidade Tecnológica Federal do Paraná Professor Murilo V. G. da Silva Notas de aula Estrutura de Dados 2 (Aula 09) Conteúdos da Aula: [DPV06 7.1, 7.2, 7.3] [Observação: Estas notas de aula são apenas

Leia mais

ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE

ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE Joinville Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Sistemas de Controle - I ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Aula 3 Definição de Problemas de Optimização (Prática) Construção de um modelo matemático de PL. Programação Matemática(PM) e Programação Linear(PL). Exemplos clássicos de PL. 2 Problema 3.1 Uma empresa

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA. Portanto, o preço do produto, nessa situação, varia entre 0 e R$ 5,00. 0 < P < R$ 5,00. Ao admitirmos P > 0, ocorre:

MATEMÁTICA APLICADA. Portanto, o preço do produto, nessa situação, varia entre 0 e R$ 5,00. 0 < P < R$ 5,00. Ao admitirmos P > 0, ocorre: MATEMÁTICA APLICADA Apresentação Caro aluno: A contextualização e a aplicação dos conteúdos matemáticos (já estudados) contemplarão o objetivo geral da disciplina Matemática Aplicada à Administração. Este

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO E RESOLUÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL

IMPLEMENTAÇÃO E RESOLUÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL IMPLEMENTAÇÃO E RESOLUÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL 1. INTRODUÇÃO Este tutorial apresenta, passo-a-passo, o processo de implementação e resolução de modelos matemáticos na planilha

Leia mais

Orientar a Equipe de Atendimento a solucionar o Erro Refaça Transação

Orientar a Equipe de Atendimento a solucionar o Erro Refaça Transação Emitido por: Wanderson Valentim Área Emissora: DAT Data: 04/10/2016 Aplicar a partir de: 16/10/2016 Produto: TEF Setor de Impacto: Atendimento Objetivo Orientar a Equipe de Atendimento a solucionar o Erro

Leia mais

Programação Linear (PL)

Programação Linear (PL) Programação Linear (PL) Prof. Paulo Cesar F. De Oliveira, BSc, PhD 07/08/15 P C F de Oliveira 2014 1 Características Técnicas mais utilizadas na abordagem de problemas em PO Técnica de solução programável

Leia mais

4 Modelo da mistura de carvões

4 Modelo da mistura de carvões 4 Modelo da mistura de carvões É imprescindível que se conheça com profundidade o problema a ser resolvido ou estudado e que se saiba com precisão quais são as variáveis, quais são os parâmetros e restrições

Leia mais

Benemar Alencar de Souza

Benemar Alencar de Souza Benemar Alencar de Souza Métodos de Otimização Aplicados Questões introdutórias O que é otimização? i Por que otimização é importante? Como tratar a otimização i como um problema? Quais objetivos são usuais?

Leia mais

Ferramenta de Suporte à Tomada de Decisão na Indústria Têxtil

Ferramenta de Suporte à Tomada de Decisão na Indústria Têxtil Fabrício Bueno Borges dos Santos fabriciob@cefetsc.edu.br Ferramenta de Suporte à Tomada de Decisão na Indústria Têxtil Trabalho ilustrativo da disciplina Informática Aplicada Araranguá, 2008 Sumário 1Introdução...1

Leia mais

Cargas Aéreas e Rodoviárias Ltda.

Cargas Aéreas e Rodoviárias Ltda. Cargas Aéreas e Rodoviárias Ltda. EMPRESA A Trans Ápia é uma empresa especializada em cargas urgentes, porta a porta para todo território nacional, que atua no mercado de transportes aéreo e rodoviário

Leia mais

Lista de Exercícios - Modelagem de representação cromossômica e função fitness

Lista de Exercícios - Modelagem de representação cromossômica e função fitness Lista de Exercícios - Modelagem de representação cromossômica e função fitness Para cada um dos problemas descritos abaixo: crie uma ou mais representações cromossômicas capazes de representar uma solução

Leia mais

TRIBUTAÇÃO SOBRE AS MPEs RANKING DOS ESTADOS 2012

TRIBUTAÇÃO SOBRE AS MPEs RANKING DOS ESTADOS 2012 TRIBUTAÇÃO SOBRE AS MPEs RANKING DOS ESTADOS 2012 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS LIÇÕES: BONS E MAUS EXEMPLOS 1 O PROJETO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

Capítulo 4 Equação da energia para escoamento permanente

Capítulo 4 Equação da energia para escoamento permanente Capítulo 4 Equação da energia para escoamento permanente ME4310 e MN5310 23/09/2009 OBJETIVO DA AULA DE HOJE: RESOLVER O EXERCÍCIO A SEGUIR: Determine a carga mecânica total na seção x do escoamento representada

Leia mais

Otimização Linear Aplicada a Problemas de Planejamento de Produção

Otimização Linear Aplicada a Problemas de Planejamento de Produção Otimização Linear Aplicada a Problemas de Planejamento de Produção Rafaela Schuindt Santos¹, Daniela Renata Cantane² ¹Escola Estadual Luiz Campacci Laranjal Paulista SP - Brasil ²Universidade Estadual

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL. Fabiano F. T. dos Santos. Instituto de Matemática e Estatística

PESQUISA OPERACIONAL. Fabiano F. T. dos Santos. Instituto de Matemática e Estatística PESQUISA OPERACIONAL Fabiano F. T. dos Santos Instituto de Matemática e Estatística Dualidade em Programação Linear Todo problema de programação linear, que chamaremos de primal, traz consigo um segundo

Leia mais

Introdução Problema da Mistura Problema da Marcenaria Problema do Transporte. Tutorial AMPL. Daniela Cristina Lubke

Introdução Problema da Mistura Problema da Marcenaria Problema do Transporte. Tutorial AMPL. Daniela Cristina Lubke Tutorial AMPL Daniela Cristina Lubke danielalubke@cos.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE, PESC 12 de Maio de 2016 1 Introdução 2 Problema da Mistura Formulação Código 3 Problema da Marcenaria

Leia mais

Planejamento da Operação de Sistemas Hidrotérmicos. Parte II

Planejamento da Operação de Sistemas Hidrotérmicos. Parte II Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Planejamento da Operação de Sistemas Hidrotérmicos Parte II Prof.: Clodomiro Unsihuay-Vila A Função de Custo Futuro

Leia mais

Cursos de Dança no Brasil. Dulce Aquino

Cursos de Dança no Brasil. Dulce Aquino Cursos de Dança no Brasil Dulce Aquino Cursos de Dança no Brasil Instituições Federais Instituições Estaduais 3 cursos 9 cursos Total 3 Total de Cursos de Dança nas IES - 3 3 11 Norte - 3 Nordeste - 11

Leia mais

Investigação Operacional 2004/05 2º Mini-teste Extra. 9 de Dezembro, 11:00h 12:30h

Investigação Operacional 2004/05 2º Mini-teste Extra. 9 de Dezembro, 11:00h 12:30h Investigação Operacional 00/0 º Mini-teste Extra 9 de Dezembro, :00h :0h Sem consulta, sem máquina de calcular Justifique todas as respostas Departamento de Engenharia Civil Secção de Planeamento do Território

Leia mais

A OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE TUBOS ESTRUTURAIS ATRAVÉS DA PESQUISA OPERACIONAL

A OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE TUBOS ESTRUTURAIS ATRAVÉS DA PESQUISA OPERACIONAL A OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE TUBOS ESTRUTURAIS ATRAVÉS DA PESQUISA OPERACIONAL Leonardo Lopes de Campos Graduado em Engenharia de Produção pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro,

Leia mais

Matemática Básica Relações / Funções

Matemática Básica Relações / Funções Matemática Básica Relações / Funções 04 1. Relações (a) Produto cartesiano Dados dois conjuntos A e B, não vazios, denomina-se produto cartesiano de A por B ao conjunto A B cujos elementos são todos os

Leia mais

Denições. Exemplo. Notas. Programação Linear Inteira Modelagem com Variáveis Inteiras. Notas

Denições. Exemplo. Notas. Programação Linear Inteira Modelagem com Variáveis Inteiras. Notas Programação Linear Inteira Modelagem com Variáveis Inteiras Haroldo Gambini Santos Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP 30 de agosto de 2011 1 / 16 Denições PI: Problema de Programação Inteira Puro

Leia mais

A PROCURA DAS MELHORES SOLUÇÕES. OTIMIZAÇÃO NA ENGENHARIA

A PROCURA DAS MELHORES SOLUÇÕES. OTIMIZAÇÃO NA ENGENHARIA Apresentação 07 Introdução a Engenharia Elétrica A PROCURA DAS MELHORES SOLUÇÕES. OTIMIZAÇÃO NA ENGENHARIA Prof. Edgar Alberto de Brito Prólogo! O trabalho de um engenheiro é incessante a procura de soluções

Leia mais

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Aula 2: Programação Matemática Felipe Campelo http://www.cpdee.ufmg.br/~fcampelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Belo Horizonte Março de 2013

Leia mais

CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do segmento econômico da Arquitetura e Engenharia Consultiva

CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do segmento econômico da Arquitetura e Engenharia Consultiva CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do segmento econômico da Arquitetura e Engenharia Consultiva São Paulo 2009 CONTEÚDO 1.MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO DO SEGMENTO DA ARQUITETURA E ENGENHARIA

Leia mais

Terminologia encontrada para PO

Terminologia encontrada para PO Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Pesquisa Operacional Aula 01 Introdução sobre PO Prof. Dr. José Arnaldo Barra Montevechi Terminologia encontrada para PO Operational

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Ano lectivo: 0/06 Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática Investigação Operacional Ficha de exercícios n o Algoritmo Simplex Cursos: Gestão e Economia. Considere o seguinte conjunto

Leia mais

Movimento retilíneo uniformemente

Movimento retilíneo uniformemente 15 fev Movimento retilíneo uniformemente variado (MUV) 01. Resumo 02. Exercícios de Aula 03. Exercícios de Casa 04. Questão Contexto RESUMO Ao estudarmos o Movimento Uniformemente Variado (ou MUV) estamos

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Engenharia - Campus de Guaratinguetá Pesquisa Operacional Livro: Introdução à Pesquisa Operacional Capítulo 3 - Teoria dos Grafos Fernando Marins fmarins@feg.unesp.br Departamento de Produção

Leia mais

Problemas de Rede Conteúdos do Capítulo

Problemas de Rede Conteúdos do Capítulo Modelos em Rede Regra do Fluxo Balanceado Caso LCL Bicicletas Problemas de Rede de Distribuição; Caso Frod Problemas do Menor Caminho; Problemas de Fluxo Máximo; Problemas de Rede Conteúdos do Capítulo

Leia mais

Rally da Safra. Qualidade Nutricional da Soja Safra 2012/13 e 2013/14. Cuiabá, 31 de Julho de 2014

Rally da Safra. Qualidade Nutricional da Soja Safra 2012/13 e 2013/14. Cuiabá, 31 de Julho de 2014 Rally da Safra Qualidade Nutricional da Soja Safra 2012/13 e 2013/14 Cuiabá, 31 de Julho de 2014 Composição Química Composição Química Tabela 1. Composição química da soja. Composição Quantidade Energia

Leia mais

MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO

MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO Sobre ombros de gigantes EQUIPE DE FÍSICA-1º ANO/CMB Profs. Adameck, Eliete, SO Antônio Marcos & Luciano MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO 1) (PUC-MG) Um objeto, movendo-se em linha reta, tem, no instante

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Introdução à Lógica de Programação 1 Resolução de problemas usando computador Computador: ferramenta para processamento automático de dados Processamento

Leia mais

Transparências de apoio à lecionação de aulas teóricas. c 2012, 2011, 2009, 1998 José Fernando Oliveira, Maria Antónia Carravilla FEUP

Transparências de apoio à lecionação de aulas teóricas. c 2012, 2011, 2009, 1998 José Fernando Oliveira, Maria Antónia Carravilla FEUP Programação Linear Transparências de apoio à lecionação de aulas teóricas Versão 4 c 2012, 2011, 2009, 1998 José Fernando Oliveira, Maria Antónia Carravilla FEUP Programação Linear Problema de planeamento

Leia mais

TURNO REF ROD DATA HORA JOGO ESTÁDIO CIDADE

TURNO REF ROD DATA HORA JOGO ESTÁDIO CIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DA SÉRIE B TABELA BÁSICA / EDIÇÃO 2016 TURNO REF ROD DATA HORA JOGO ESTÁDIO CIDADE 001 1ª 13/05 (sex) ou 14/05 (sáb) Ceará CE x Paysandu PA 002 1ª Bahia BA x Avaí SC 003 1ª Sampaio

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, , b i

Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, , b i 3 6 ADL aula 2 Função de Transferência Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, onde c(t) é a saída, r(t) é a entrada e os a i, b i e a forma

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 (POR PAÍS) PAÍSES ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 269.719,83 387.213,30 406.882,12 310.956,48 318.530,07 375.612,10 2.068.913,89 Valor Fob ( Us$/Mil ) 72.142,83 99.905,76 104.619,97

Leia mais

Pois é turma, agora que já foram estudados, os conceitos sobre eletricidade, o como se realiza o levantamento das potências e os dispositivos de

Pois é turma, agora que já foram estudados, os conceitos sobre eletricidade, o como se realiza o levantamento das potências e os dispositivos de Pois é turma, agora que já foram estudados, os conceitos sobre eletricidade, o como se realiza o levantamento das potências e os dispositivos de proteção que alimentam os circuitos terminais, pode-se dizer

Leia mais

c PAVF 2 Otimizac~ao 'Aurelio' Otimizac~ao.[De otimizar+-c~ao] S.f. 1. Estat. Processo pelo qual se determina o valor otimo de uma grandeza. Otimo.[Do

c PAVF 2 Otimizac~ao 'Aurelio' Otimizac~ao.[De otimizar+-c~ao] S.f. 1. Estat. Processo pelo qual se determina o valor otimo de uma grandeza. Otimo.[Do c PAVF 1 Introduc~ao Otimizac~ao Modelos de otimizac~ao Aplicac~oes Descric~ao do curso c PAVF 2 Otimizac~ao 'Aurelio' Otimizac~ao.[De otimizar+-c~ao] S.f. 1. Estat. Processo pelo qual se determina o valor

Leia mais

Terça-feira, 7 de maio

Terça-feira, 7 de maio 15.053 Terça-feira, 7 de maio Formulações de Programação Inteira Distribuir: Anotações da Aula 1 Rápido Resumo de PD PD normalmente funciona para a tomada de decisões ao longo do tempo Objetivos das duas

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 1 o ano Disciplina: Física - Unidades de medidas, Velocidade e Aceleração média

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 1 o ano Disciplina: Física - Unidades de medidas, Velocidade e Aceleração média Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 1 o ano Disciplina: Física - Unidades de medidas, Velocidade e Aceleração média UNIDADES DE MEDIDAS

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Matemática e Estatística

Universidade Federal de Goiás Instituto de Matemática e Estatística Universidade Federal de Goiás Instituto de Matemática e Estatística Prova 1 de Pesquisa Operacional Prof.: Fabiano F. T. dos Santos Goiânia, 16 de abril de 2014 Aluno: Nota: Descreva seu raciocínio e desenvolva

Leia mais

Rede Metro Universitária

Rede Metro Universitária Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina Rede Metropolitana de Educação e Pesquisa da Região de Florianópolis 05 e 06 Outubro/2012 Rede Metro Universitária José Paulo Linné BRdigital Telecomunicações

Leia mais

BANCO DE DADOS MODELAGEM ER. Prof.: Jean Carlo Mendes

BANCO DE DADOS MODELAGEM ER. Prof.: Jean Carlo Mendes BANCO DE DADOS MODELAGEM ER Prof.: Jean Carlo Mendes carlomendes@yahoo.com.br http://www.jeancarlomendes.com.br - Entidades - Conjunto de objetos da realidade modelada sobre os quais deseja-se manter informações

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Métodos de Programação Linear: Gráfica, (Mestrado) Engenharia Industrial http://dps.uminho.pt/pessoais/zan - Escola de Engenharia Departamento de Produção e Sistemas 1 Representação Gráfica Considere o

Leia mais

1. Considere os conjuntos A = {0; 2} e B = {1; 2; 3}. A respeito de produto cartesiano entre dois conjuntos, assinale a alternativa correta:

1. Considere os conjuntos A = {0; 2} e B = {1; 2; 3}. A respeito de produto cartesiano entre dois conjuntos, assinale a alternativa correta: . Considere os conjuntos A = {0; 2} e B = {; 2; 3}. A respeito de produto cartesiano entre dois conjuntos, assinale a alternativa correta: a. AxB = {(0; ); (0; 2); (0; 3); (2; ); (2; 2); (2; 3)} b. BxA

Leia mais

Sobre ombros de gigantes EQUIPE DE FÍSICA-1º ANO/CMB Profs. Adameck, Eliete, SO Antônio Marcos & Luciano MOVIMENTO UNIFORME

Sobre ombros de gigantes EQUIPE DE FÍSICA-1º ANO/CMB Profs. Adameck, Eliete, SO Antônio Marcos & Luciano MOVIMENTO UNIFORME Sobre ombros de gigantes EQUIPE DE FÍSICA-1º ANO/CMB Profs. Adameck, Eliete, SO Antônio Marcos & Luciano MOVIMENTO UNIFORME 1) (FGV-SP) Numa corrida de Fórmula 1 a volta mais rápida foi feita em 1 min

Leia mais

MARÇO Tabela 01 - Geração média mensal por estado variação % relativo ao mês anterior.

MARÇO Tabela 01 - Geração média mensal por estado variação % relativo ao mês anterior. MARÇO 2016 Este boletim contém a geração mensal verificada, por estado, em MWmédio. Foram consideradas as usinas nas modalidades de operação tipo I, tipo II-A e os conjuntos de usinas individualizadas

Leia mais

Vânio Correia Domingos Massala

Vânio Correia Domingos Massala Optimização e Decisão 06/0/008 Método do Simplex Vânio Correia - 5567 Domingos Massala - 58849 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Generalidades do Método do Simplex Procedimento algébrico iterativo para resolver

Leia mais

Comunicado ao Mercado

Comunicado ao Mercado MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF nº 08.343.492/0001-20 NIRE 31.300.023.907 Comunicado ao Mercado No 4T15 a Companhia alcançou R$ 1,4 bilhão em vendas contratadas, e no ano de 2015 atingimos

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014

MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014 MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDUSTRIAS DE SUPLEMENTOS MINERAIS RUA AUGUSTA, 2676 13 ANDAR SALA 132 CEP 01412-100 SÃO PAULO SP Telefone: (011) 3061-9077 e-mail:

Leia mais

INTELIGÊNCIA DE MERCADO

INTELIGÊNCIA DE MERCADO INTELIGÊNCIA DE MERCADO INTELIGÊNCIA DE MERCADO ABF BANCO DE DADOS ABF / SISTEMA DE BI (BUSINESS INTELLIGENCE) Possibilita a extração em tempo real de dados específicos da marca, do segmento e do setor

Leia mais

ASSA 2001/ /2002

ASSA 2001/ /2002 Análise de Sistemas e Simulação em Ambiente 2001/2002 1 Índice Pág. 1- Objectivo 1 2- Resolução do Problema 1 2.1- Resolução pelo Método Gráfico 1 2.2- Resolução utilizando o Solver do Excel 3 3- Conclusão

Leia mais

Lista de Exercícios 1 - Otimização Linear Prof. Silvio Alexandre de Araujo. Construção de Modelos e Solução Gráfica

Lista de Exercícios 1 - Otimização Linear Prof. Silvio Alexandre de Araujo. Construção de Modelos e Solução Gráfica Lista de Exercícios 1 - Otimização Linear Prof. Silvio Alexandre de Araujo Construção de Modelos e Solução Gráfica 1) - Estudar Capítulo 1 do livro texto; - Estudar Capítulo 2 do livro texto (seções 2.1,

Leia mais

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática. Ficha de exercícios nº3: Dualidade. Interpretação Económica.

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática. Ficha de exercícios nº3: Dualidade. Interpretação Económica. Ano lectivo: 2008/2009; Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL Ficha de exercícios nº3: Dualidade. Interpretação Económica. Cursos: Economia 1. Formule o problema

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS AULA 6 ROTEIRO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS AULA 6 ROTEIRO 1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS LEB0472 HIDRÁULICA Prof. Fernando Campos Mendonça AULA 6 ROTEIRO Tópicos da aula: -

Leia mais

Pesquisa Operacional Introdução. Profa. Alessandra Martins Coelho

Pesquisa Operacional Introdução. Profa. Alessandra Martins Coelho Pesquisa Operacional Introdução Profa. Alessandra Martins Coelho julho/2014 Operational Research Pesquisa Operacional - (Investigação operacional, investigación operativa) Termo ligado à invenção do radar

Leia mais

ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I. Trabalho 1 (T1)

ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I. Trabalho 1 (T1) ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Trabalho 1 (T1) Grupo de até três acadêmicos; Entregar os algoritmos; Entregar as implementações dos algoritmos (arquivos.c), organizados em uma pasta (denominada

Leia mais

Aula 7. Relações básicas: volume, densidade e velocidade

Aula 7. Relações básicas: volume, densidade e velocidade Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2.013 Aula 7 Relações básicas: volume, densidade e velocidade 7.1. Relações básicas: modelo linear de

Leia mais

ANEXO I QUADRO DE VAGAS E LOCALIDADES

ANEXO I QUADRO DE VAGAS E LOCALIDADES ANEXO I QUADRO DE VAGAS E LOCALIDADES Referência: Vagas Provimento imediato de vagas e formação de Cadastro de Reserva. Vagas PD Vagas Reservadas para os candidatos Portadores de Deficiência. 1. Diretoria

Leia mais

MRUV Movimento Retilíneo Uniformemente Variado

MRUV Movimento Retilíneo Uniformemente Variado MRUV Movimento Retilíneo Uniformemente Variado MRUV é o movimento de qualquer móvel com as seguintes características: Aceleração constante e diferente de zero. O módulo da velocidade varia de modo uniforme

Leia mais

Varejo de Material de Construção

Varejo de Material de Construção Seminário GVcev Varejo de Material de Construção Programa de Desenvolvimento de Gestores Giancarlo Minoietti 66 anos Inovando para Construir Melhor A Tigre S. A. nasceu da ousadia e pioneirismo do jovem

Leia mais

TP052-PESQUISA OPERACIONAL I Introdução. Prof. Volmir Wilhelm Curitiba, Paraná, Brasil

TP052-PESQUISA OPERACIONAL I Introdução. Prof. Volmir Wilhelm Curitiba, Paraná, Brasil TP052-PESQUISA OPERACIONAL I Introdução Prof. Volmir Wilhelm Curitiba, Paraná, Brasil TP052-PESQUISA OPERACIONAL I Ementa Revisão de Álgebra Linear. Modelos de Programação Linear. O Método Simplex. O Problema

Leia mais

Figura 2.1: Espaço viário ocupado por pessoas em ônibus, automóvel e motocicleta. Fonte: Vasconcellos (2008), adaptado.

Figura 2.1: Espaço viário ocupado por pessoas em ônibus, automóvel e motocicleta. Fonte: Vasconcellos (2008), adaptado. Vantagens diretas para a sociedade 2.1.1 Economia de espaço viário O uso de qualquer veículo de transporte coletivo traz vantagens na ocupação do espaço viário disponível, em relação aos automóveis e às

Leia mais

Dados sobre o Programa de Educação Tutorial PET atualizados em abril de Fonte: SESu/MEC Apresentação: Diretoria da CENAPET

Dados sobre o Programa de Educação Tutorial PET atualizados em abril de Fonte: SESu/MEC Apresentação: Diretoria da CENAPET Dados sobre o Programa de Educação Tutorial PET atualizados em abril de 05 Fonte: SESu/MEC Apresentação: Diretoria da CENAPET Informações Gerais Número de Grupos: 84 Número de IES: Categoria Administrativa

Leia mais