MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR"

Transcrição

1 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 BRASÍLIA/2014

2 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Relatório de Gestão do exercício de 2013 apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação de contas ordinária anual a que esta Unidade está obrigada nos termos do art. 70 da Constituição da República Federativa do Brasil, de 1988, elaborado de acordo com as disposições da Instrução Normativa TCU nº. 63, de 1/07/2010, das Decisões Normativas TCU nº. 127, de 15/05/2013 e nº 132, de 2/10/2013, da Portaria TCU nº. 175, de 9/07/2013 e da Norma de Execução da Auditoria Interna do Ministério Público da União nº. 1, de 14/11/2013, aprovada pela Portaria nº. 1, de 14/11/2013. Brasília, 6/3/2014

3 Lista de Abreviações e Siglas. TCU Tribunal de Contas da União DN Decisão Normativa IN Instrução Normativa AUDIN Auditoria Interna MPM Ministério Público Militar PPA Plano Plurianual CPGF Cartão de Pagamento do Governo Federal SISAC Sistema de Apreciação e Registro dos Atos de Admissão e Concessões PJM Procuradoria de Justiça Militar DNIT Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes PGJM ProcuradoriaGeral de Justiça Militar SIGAD Sistema de Gestão Arquivística de Documentos PGR Procuradoria Geral da República ESMPU Escola Superior do Ministério Público da União CNMP Conselho Nacional do Ministério Público LDO Lei de Diretrizes Orçamentárias LOA Lei Orçamentária Anual CRFB Constituição da República Federativa do Brasil DG DiretoriaGeral DA Departamento de Administração DGP Departamento de Gestão de Pessoas DJe Diário da Justiça Eletrônico STM Superior Tribunal Militar DOF Departamento de Orçamento e Finanças DI Departamento de Informática TI Tecnologia da Informação PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação GAIUS Sistema Processual do MPM IPHAN Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional MP Medida Provisória SOF Secretaria de Orçamento Federal DOU Diário Oficial da União FGTS Fundo de Garantia por Tempo de Serviço

4 UJ Unidade Jurisdicionada MPU Ministério Público da União SIAFI Sistema de Administração Financeira UG Unidade Gestora PLOA Projeto de Lei Orçamentária UGO Unidade Gestora Orçamentária UO Unidade Orçamentária PJ Pessoa Jurídica SIORG Sistema de Informações Organizacionais do Governo Federal PAE Parcela Autônoma de Equivalência SPO Secretaria de Planos e Orçamento MPF Ministério Público Federal STN Secretaria do Tesouro Nacional DBR Declaração de Bens e Rendas SLTI Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação MPOG Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão OCI Órgão de Controle Interno TC Tomada de Contas EC Emenda Constitucional

5 Lista de Tabelas, Relações, Gráficos, Declarações, Etc. ANEXOS ANEXO 1 PARTE A, ITEM 9.4, DO ANEXO II DA DN TCU Nº. 127/

6 Sumário APRESENTAÇÃO...7 PARTE A, ITEM 1 DA DO ANEXO II DA DN TCU Nº. 127/ Identificação da Unidade Jurisdicionada Relatório de Gestão Individual Organograma Funcional Macroprocessos Finalísticos Macroprocessos de Apoio Principais Parceiros 26 PARTE A, ITEM 2, DO ANEXO II DA DN TCU Nº. 127/ Planejamento da Unidade Programação Orçamentária e Financeira e Resultados Alcançados Ações Informações sobre Outros Resultados da Gestão Planejamento Estratégico Resultados para Outros Exercícios Indicadores Institucionais 51 PARTE A, ITEM 3, DO ANEXO II DA DN TCU Nº. 127/ Estrutura de Governança Avaliação do Funcionamento dos Controles Internos Sistema de Correição Indicadores para Monitoramento e Avaliação do Modelo de Governança e Efetividade dos Controles Internos 60 PARTE A, ITEM 4 DO ANEXO II DA DN TCU Nº. 127/ Execução das Despesas Programação Realização da Despesa Movimentação e os Saldos de Restos a Pagar de Exercícios Anteriores Análise Crítica Suprimento de Fundos Suprimento de Fundos Despesas Realizadas por Meio da Conta Tipo B e por Meio do Cartão de Crédito Corporativo Suprimento de Fundos Cartão de Crédito Corporativo (CPGF) Prestação de Contas de Suprimento de Fundos Análise Crítica 70 PARTE A, ITEM 5, DO ANEXO II DA DN TCU Nº. 127/ Estrutura de Pessoal da Unidade Demonstração da Força de Trabalho à Disposição da Unidade Jurisdicionada Qualificação da Força de Trabalho Custos de Pessoal da Unidade Jurisdicionada Composição do Quadro de Servidores Inativos e Pensionistas Cadastramento no SISAC 79 5

7 5.1.6 Acumulação Indevida de Cargos, Funções e Empregos Públicos Providências Adotadas nos Casos de Acumulação Indevida de Cargos, Funções e Empregos Públicos Indicadores Gerenciais Sobre Recursos Humanos Terceirização de Mão de Obra Empregada e Contratação de Estagiários Informações Sobre a Contratação de Serviços de Limpeza, Higiene e Vigilância Ostensiva pela Unidade Jurisdicionada Informações Sobre Locação de Mão de Obra para Atividades Não Abrangidas pelo Plano de Cargos do Órgão Análise Crítica Composição do Quadro de Estagiários 88 PARTE A, ITEM 6, DO ANEXO II DA DN TCU Nº. 127/ Gestão da Frota de Veículos Próprios e Contratados de Terceiros Gestão do Patrimônio Imobiliário Distribuição Espacial dos Bens Imóveis de Uso Especial Discriminação dos Bens Imóveis Sob a Responsabilidade da UJ, Exceto Imóvel Funcional Discriminação de Imóveis Funcionais da União Sob a Responsabilidade da UJ Distribuição Espacial dos Bens Imóveis Locados de Terceiros 96 PARTE A, ITEM 7, DO ANEXO II DA DN TCU Nº. 127/ Gestão da Tecnologia da Informação (TI) 98 PARTE A, ITEM 8, DO ANEXO II DA DN TCU Nº. 127/ Gestão Ambiental e Licitações Sustentáveis Consumo de Papel, Energia Elétrica e Água 104 PARTE A, ITEM 9, DO ANEXO II DA DN TCU Nº. 127/ Tratamento de Deliberações Exaradas em Acórdão do TCU Deliberações do TCU Atendidas no Exercício Tratamento de Recomendações do Órgão de Controle Interno Recomendações do Órgão de Controle Interno Atendidas no Exercício Informações Sobre a Atuação da Unidade de Auditoria Interna Declaração de Bens e Rendas Estabelecida na Lei nº 8.730/ Situação do Cumprimento das Obrigações Impostas pela Lei nº 8.730/ Situação do Cumprimento das Obrigações Alimentação SIASG e SICONV 132 PARTE A, ITEM 10, DO ANEXO II DA DN TCU Nº. 127/ Relacionamento com a Sociedade 134 PARTE A, ITEM 11, DO ANEXO II DA DN TCU Nº. 127/ Medidas para Adoção de Critérios e Procedimentos Estabelecidos pelas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Declaração do Contador Atestando a Conformidade das Demonstrações Contábeis Declaração Plena 137 PARTE A, ITEM 12, DO ANEXO II DA DN TCU Nº. 127/ Outras Informações Sobre a Gestão 139 6

8 APRESENTAÇÃO O presente Relatório de Gestão Individual, dividido em 12 capítulos, encontrase estruturado de acordo com as normas emanadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) (INTCU nº. 63/2010, DNTCU nº. 127/2013, DNTCU nº. 132/2013, e PortariaTCU nº. 175/2013) e Auditoria Interna do Ministério Público da União (AUDINMPU) (Portaria nº. 1/2013), contemplando todas as exigências nelas contidas, com exceção dos itens não aplicáveis ao MPM (Ministério Público Militar), elencados de acordo com a numeração apresentada no na Parte A Conteúdo Geral do Anexo II da DNTCU nº. 127/2013, com menção dos motivos da não aplicação: Itens Não Aplicáveis ao MPM a) Subitem Programa temático, Subitem Análise situacional e Subitem Objetivo b) Subitem Ações/Subtítulos c) Subitem Ações Orçamento de investimento OI d) Subitem Movimentação de créditos interna e externa, Subitem Despesas totais por modalidade de contratação créditos de movimentação e Subitem Despesas totais por grupo e elemento de despesa créditos de movimentação e) Subitem Despesas totais por modalidade de contratação créditos originários executados diretamente pela UJ e Subitem Despesa por grupo e elemento de despesa créditos originários valores executados diretamente pela UJ f) Subitem 4.2 Reconhecimento de passivos por insuficiência de créditos ou recursos g) Subitem 4.4 Transferência de recursos h) Subitem Suprimento de fundos conta tipo B Justificativa Para a Não Aplicação A UJ não possui programas temáticos, mas apenas de gestão, manutenção e serviços ao Estado. A UJ executa integralmente as ações sob sua responsabilidade, não apresentando ações com mais de um subtítulo. O MPM não abrange ações integrantes da esfera orçamentária Orçamento de Investimento (OI). Os Programas e ações pertinentes ao MPM inseremse nas esferas Fiscal e da Seguridade Social. Não foram realizadas transferências de créditos orçamentários no exercício de 2013, sejam internas (provisão) ou externas (destaque). A UJ contempla em sua estrutura uma única UG, na qual foram registrados contabilmente e executados os créditos consignados nas leis orçamentárias. Toda execução orçamentária é realizada diretamente no âmbito da gestão da UJ. Não há registros contábeis que demonstrem a realização do procedimento em questão. Não foram realizadas transferências mediante convênios, contratos de repasse, termo de cooperação ou termo de compromisso, bem como a título de subvenções, auxílios ou contribuições. Na UJ todas as despesas com suprimento de fundos ocorrem por meio da utilização do cartão de pagamento do governo federal (CPGF). 7

9 i) Subitem 4.6 Renúncias sob a gestão da UJ j) Subitem Atos sujeitos à remessa ao TCU em meio físico k) Subitens e Terceirização de cargos e atividades do plano de cargos do Órgão l) Subitem Deliberações do TCU pendentes de atendimento ao final do exercício m) Subitem Recomendações do OCI pendentes de atendimento ao final do exercício n) Subitem 9.5 Medidas adotadas em caso de dano ao erário As receitas arrecadadas pela UJ (taxa de inscrição em concurso público para ingresso de Membros do MPM) não foram objeto de renúncia. O montante recolhido foi plenamente utilizado para financiamento de atividades da UJ. No exercício de referência do Relatório de Gestão e no imediatamente anterior não ocorreram atos de pessoal sujeitos à remessa física ao TCU, sem o uso do Sistema de Apreciação e Registro dos Atos de Admissão e Concessões (SISAC). Inexistem pessoas contratadas de forma indireta para o exercício de cargos ou atividades inerentes às categorias funcionais do plano de cargos do Órgão. Não há pendências quanto a deliberações do TCU. Não há pendências quanto a recomendações do OCI. Não foram identificados casos de danos, objeto de medidas administrativas internas. 8

10 PARTE A, ITEM 1 DA DO ANEXO II DA DN TCU Nº. 127/2013 Identificação da UJ Relatório de Gestão Individual Finalidade e Competências Institucionais da Unidade Organograma Funcional Macroprocessos Finalísticos Macroprocessos de Apoio Principais Parceiros 9

11 1.1 Identificação da Unidade Jurisdicionada Relatório de Gestão Individual Poder: Função Essencial à Justiça Denominação Completa: Ministério Público Militar Denominação Abreviada: MPM Quadro A.1.1 Identificação da UJ Relatório de Gestão Individual Endereço Eletrônico: Página na Internet: Poder e Órgão de Vinculação Órgão de Vinculação: Ministério Público Militar Código SIORG: Identificação da Unidade Jurisdicionada Código SIORG: Código LOA: Código SIAFI: Natureza Jurídica: Órgão Público CNPJ: / Principal Atividade: Administração Pública em Geral Código CNAE: Telefones/Fax de contato: (61) (61) (61) Endereço Postal: Setor de Embaixadas Norte, lote 43 CEP: Brasília DF Normas Relacionadas à Unidade Jurisdicionada Normas de criação e alteração da Unidade Jurisdicionada Lei Federal nº , publicada no Diário Oficial da União (DOU) de 1º/12/1951. Em 1951, a Lei Federal nº criou o Ministério Público da União, que se ramificava em Ministério Público Federal, Militar, Eleitoral e do Trabalho. O MPU pertencia ao Poder Executivo. Lei Complementar nº. 75, publicada no DOU de 21/5/93, que dispõe sobre a organização, as atribuições e o estatuto do Ministério Público da União. Em 1981, a Lei Complementar nº. 40 dispôs sobre o estatuto do Ministério Público, instituindo garantias, atribuições e vedações aos Membros do Órgão. Em 1985, a Lei 7.347, de Ação Civil Pública, ampliou consideravelmente a área de atuação do Órgão, ao atribuir a função de defesa dos interesses difusos e coletivos. Em 1988, a Constituição Federal faz referência expressa ao Ministério Público no capítulo Das funções essenciais à Justiça. Define as funções institucionais, as garantias e as vedações de seus membros. Foi na área cível que o Ministério Público adquiriu novas funções, destacando a sua atuação na tutela dos interesses difusos e coletivos. Outras normas infralegais relacionadas à gestão e estrutura da Unidade Jurisdicionada Portaria nº. 746, de 17 de dezembro de 1975, do Ministério de Estado da Justiça, no uso das atribuições conferidas pelo artigo 6º de Decreto nº , de 06 de julho de 1971, tendo em vista o disposto no artigo 8º do Decreto nº , de 2 de outubro de Manuais e publicações relacionadas às atividades da Unidade Jurisdicionada Unidades Gestoras e Gestões relacionadas à Unidade Jurisdicionada Unidades Gestoras Relacionadas à Unidade Jurisdicionada Código SIAFI Nome Ministério Público Militar Gestões Relacionadas à Unidade Jurisdicionada Código SIAFI Nome Tesouro Nacional Relacionamento entre Unidades Gestoras e Gestões Código SIAFI da Unidade Gestora Código SIAFI da Gestão

12 1.2 Finalidade e Competências Institucionais da Unidade O MPM é o ramo responsável pela ação penal militar no âmbito da Justiça Militar da União. Foi criado em 1920 com o surgimento do Código de Organização Judiciária e Processo Militar, integrandose, no ano de 1951, ao Ministério Público da União (MPU), sendo assegurado estatuto próprio. A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (CRFB/88), no capítulo Das Funções Essenciais à Justiça, faz menção expressa ao Ministério Público Militar, como um ramo do Ministério Público da União, estabelecendo suas funções institucionais, assim como as garantias e vedações de seus membros. Já a Lei Complementar nº. 75, Lei Orgânica do Ministério Público da União, aprovada em 1993, veio dispor sobre a organização, as atribuições e o estatuto do Ministério Público Militar, relacionando suas competências legais de forma mais específica. O Ministério Público Militar é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindolhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis, no âmbito específico da Justiça Militar da União. Ainda, cabe destacar seu papel na prestação de relevantes serviços à nação na preservação da hierarquia e da disciplina nas Forças Armadas, que são as responsáveis pela preservação da soberania nacional. Nos termos da Lei Orgânica do Ministério Público da União, compete ao MPM junto aos Órgãos de Justiça Militar Federal: I promover, privativamente, a ação penal pública; II promover a declaração de indignidade ou de incompatibilidade para o oficialato; III manifestarse em qualquer fase do processo, acolhendo solicitação do juiz ou por sua iniciativa, quando entender existente interesse público que justifique a intervenção. Incumbe, ainda, ao Ministério Público Militar: I requisitar diligências investigatórias e a instauração de inquérito policialmilitar, podendo acompanhálos e apresentar provas; II exercer o controle externo da atividade da polícia judiciária militar. O MPM tem como missão institucional: Defender o regime democrático, a ordem jurídica e os interesses sociais e individuais indisponíveis, buscando a justiça social, o pleno exercício da cidadania e a observância dos princípios basilares das Forças Armadas, a hierarquia e a disciplina, definida no Planejamento Estratégico do MPM e em consonância com a CRFB/88 e Lei Complementar nº. 75/93. O MPM, dentro do propósito de cumprir suas finalidades e competências institucionais, pautouse pelo desenvolvimento de um plano de gestão administrativa, orçamentária e financeira voltado para o alcance dos objetivos, metas e ações definidos para o exercício de referência do presente relatório. Convém esclarecer que as informações gerais sobre a gestão, relativas ao período, estão detalhadamente demonstradas nas próximas seções do presente trabalho e seus anexos, nos moldes estabelecidos no Anexo II Parte A Conteúdo Geral DN TCU nº. 127, de 15/5/2013, e demais formulações relativas à Norma de Execução n 1/AUDIN, de 14/11/

13 1.3 Organograma Funcional 12

14 1.4 Macroprocessos Finalísticos Os macroprocessos do MPM demonstram o funcionamento organizacional de um ponto de vista de fluxo ou de processos, os quais foram estabelecidos sob a ótica das competências constitucionais e legais, levando em consideração as necessidades do Órgão e de seus principais parceiros. Os macroprocessos finalísticos são os relacionados diretamente aos produtos e serviços que a UJ disponibiliza; e os de apoio são os que dão suporte, de forma a garantir que os objetivos ou finalidades institucionais possam acontecer em conformidade aos resultados esperados. A integração harmônica entre os macroprocessos finalísticos e os de apoio atribui excelência ao desempenho institucional, contribuindo para o alcance dos objetivos estratégicos. O Ministério Público Militar, como parte do Ministério Público da União, evidencia o desempenho de processos finalísticos ao conduzirse pela fiscalização e correta aplicação da lei penal e processual penal militar. Neste diapasão obedece à correta tramitação dos processos judiciais desde seu nascedouro, destacandose o seguinte fluxo de processo: a notícia crime, a instauração do procedimento extrajudicial e do inquérito policial militar e a deflagração da competente ação penal militar, buscando como resultado final o atendimento da persecução penal com a prolação de sentença. 1.5 Macroprocessos de Apoio Os principais macroprocessos de apoio ao exercício das competências e finalidades da UJ e suas atribuições precípuas seguem listados abaixo: a) Gestão de Pessoas; b) Gestão de Orçamento e Finanças; c) Gestão e Coordenação de Serviços Administrativos; d) Gestão de Suprimentos de Materiais, Serviços e Patrimônio; e) Gestão de Recursos Bibliográficos; f) Gestão e Assistência à Saúde g) Planejamento e Gestão Estratégica; h) Apoio Jurídico e Jurisprudência; i) Consultoria Jurídica e Técnica j) Gestão da Tecnologia de Informação; k) Comunicação Institucional; l) Fortalecimento da Atuação Finalística da Instituição; e m) Ampliação das Relações Institucionais e Alianças Estratégicas. 13

15 Macroprocessos de Apoio Subprocessos de Apoio Competências Descrição da Condução dos Macroprocessos em 2013 Gestão de Pessoas Fomentar ambiente de trabalho favorável ao desenvolvimento profissional e organizacional; Alinhar os métodos de seleção, preenchimento de cargos e funções e movimentações com as estratégias do Órgão; Promover os registros e pagamentos dos servidores ativos, inativos e pensionistas; Garantir o cumprimento da legislação referente a controle de pessoal, provendo segurança jurídica a servidores e Membros; Planejar, coordenar, contratar e acompanhar ações de capacitação que apóiem a realização do planejamento estratégico e a concretização de metas e objetivos da Instituição; Estimular a aprendizagem e a disseminação do conhecimento; Coordenar a contratação de estagiários com perfil adequado às necessidades da Instituição, proporcionando ambiente propício ao aprendizado; Desenvolver estrutura disciplinar. Macroprocesso de responsabilidade do Departamento de Gestão de Pessoas (DGP), subordinado à Secretaria da ProcuradoriaGeral de Justiça Militar DiretoriaGeral. Compreende um conjunto de ações ordenadas que buscam o desenvolvimento e manutenção de recursos humanos capacitados, treinados e alocados em consonância às necessidades institucionais, além de assegurar o gerenciamento físico/financeiro relacionadas às despesas com pessoal do quadro efetivo, sem vínculo e estagiários de forma a manter a qualidade e o funcionamento da estrutura administrativa em conformidade com as diretrizes orçamentárias. Dentre as atividades desenvolvidas destacamse: a) Controle e distribuição de pessoal (cargos/funções), observado as necessidades e o funcionamento das Unidades do MPM; B) controle, registro e pagamento de pessoal ativo, inativo e estagiário; c) Estimular, por meio de capacitação, o aprendizado e a busca do conhecimento com vistas ao desenvolvimento profissional e pessoal que possam contribuir para a desburocratização, agilidade e economicidade das atividades desenvolvidas bem como a qualidade de vida no ambiente de trabalho; d) Propor a regulamentação de procedimentos e atividades vinculadas à área de recursos humanos, por meio de normas internas, tendo em vista a qualificação, a organização e padronização das atividades desenvolvidas dentro da estrutura funcional, e a diminuição de processos administrativos; e) Orientar e acompanhar as Unidades do MPM quanto aos procedimentos e normas de interesse de pessoal 14

16 Gestão de Orçamento e Finanças Planejar, coordenar e acompanhar os procedimentos técnicos relacionados aos processos de elaboração da proposta orçamentária anual e de alterações orçamentárias, bem como do plano plurianual; Garantir que os recursos autorizados para os projetos e ações da unidade orçamentária estejam disponíveis quando da sua execução; Desenvolver mecanismos que assegurem a realização de despesas, nos termos estabelecidos em Lei, de forma ágil e racional; Proporcionar controle e acompanhamento orçamentário e financeiro, garantindo acesso ordenado e padronizado aos atos praticados; Consolidar e disponibilizar informações gerenciais para subsidiar o planejamento, o desenvolvimento institucional e o processo de tomada de decisões em diversos níveis administrativos das áreas fim e meio. Macroprocesso de responsabilidade do Departamento de Orçamento e Finanças (DOF), subordinado à Secretaria da ProcuradoriaGeral de Justiça Militar Diretoria Geral. Compreende os processos de planejamento, programação, avaliação, controle e provisão tempestiva de recursos orçamentários e financeiros necessários ao funcionamento pleno da Instituição. Pautado nas determinações legais que norteiam uma gestão eficiente dos recursos públicos, o DOF, ao desenvolver suas atividades busca assegurar economicidade aos dispêndios públicos gerenciando o orçamento de forma integrada e primando pelo atendimento das despesas prioritárias. Dentre as atividades desenvolvidas, destacamse: a) Elaboração da proposta orçamentária anual e dos créditos adicionais; b) Acompanhamento da programação e execução orçamentária e financeira; c) Avaliação e controle das despesas públicas; d) Elaboração e acompanhamento do Plano Plurianual; e) Organização do Relatório de Gestão e Peças Complementares referentes aos processos de contas. *Instrumentos Legais observados no exercício de 2013: Lei de 18/1/2012 (PPA ); Lei de 17/8/2012 (LDO 2013); Lei de 4/4/2012 (LOA 2013); Resolução CNMP nº 86 de 21/3/2012 (Dispõe sobre o Portal Transparência do Ministério Público). 15

17 Gestão e Coordenação de Serviços Administrativos Organizar e manter serviços administrativos necessários ao bom funcionamento da Instituição, tais como serviços de transporte, telefonia, manutenção predial, monitoramento e segurança, copa, limpeza e recepção. Macroprocesso de responsabilidade do Departamento de Administração (DA), subordinado à Secretaria da ProcuradoriaGeral de Justiça Militar DiretoriaGeral. Compreende as atividades de planejar, coordenar e acompanhar os atos pertinentes à administração de material e patrimônio, à gestão documental, à comunicação administrativa, ao transporte, à conservação e segurança e às atividades de suporte operacional, bem como orientar tecnicamente os órgãos regionais na execução de atividades correlatas. *Instrumentos Normativos observados no exercício de 2013: Lei 8.666/93; Lei /02; Instrução Normativa MPOG 2/2008. Gestão de Suprimentos de Materiais, Serviços e Patrimônio Prover o suprimento de materiais e serviços necessários à execução adequada das atividades meio e fim do Órgão; Realizar controle periódico de bens móveis e imóveis. Macroprocesso de responsabilidade do Departamento de Administração (DA), subordinado à Secretaria da ProcuradoriaGeral de Justiça Militar DiretoriaGeral. Compreende as atividades de coordenar, orientar e controlar a classificação, registro, tombamento, identificação e movimentação de bens móveis e imóveis. Além disso, são realizados atos de gerenciamento e controle dos estoques de materiais de expediente e proposto, conforme permissão legal, o desfazimento de bens, observada a conveniência administrativa e a legislação pertinente. Por fim, destacase que mensal e anualmente são emitidos relatórios de fechamento contábilpatrimonial. 16

18 Gestão de Recursos Bibliográficos Disponibilizar acervo bibliográfico atualizado. Macroprocesso de responsabilidade do Departamento de Documentação Jurídica (DDJ), subordinado à Secretaria da ProcuradoriaGeral de Justiça Militar Diretoria Geral. Compreende as atividades relacionadas à organização e gestão dos recursos bibliográficos disponíveis à Instituição. Inclui as atividades de atendimento ao usuário (pesquisas e empréstimos de obras); processamento técnico de itens bibliográficos (catalogação, indexação e classificação) por meio de sistema específico Sistema Sophia; atualização de legislação e aquisição bibliográfica. No exercício de 2013 foi finalizado procedimento de migração de dados para o Sistema Sophia. O sistema de segurança em questão, adquirido em 2012, foi efetivamente instalado em julho de 2013, possibilitando utilização do espaço interno do acervo também por usuários externos. Ainda, foi adquirido coletor de dados para que se iniciasse o processo de inventário do acervo por meio de leitura de código de barras. 17

19 Apoio Jurídico e Jurisprudência Acompanhar os processos judiciais que envolvam matérias de interesse do MPM. Subsidiar as tomadas de decisões pertinentes à matéria da atividade fim. Macroprocesso de responsabilidade do Departamento de Documentação Jurídica (DDJ), subordinado à Secretaria da ProcuradoriaGeral de Justiça Militar Diretoria Geral. Compreende as ações de acompanhamento dos recursos interpostos pela ProcuradoriaGeral de Justiça Militar. Compete ao DDJ consulta diária ao Diário da Justiça Eletrônico (DJe) do sítio do Superior Tribunal Militar (STM) para acompanhamento de processos judiciais, publicação das atas de sessão de julgamento e os respectivos acórdãos. A partir das atas são elaborados Informes Plenários e Monocráticos, que abrangem a ementa das manifestações dos membros do MPM, a decisão e o resultado do julgamento. Os Informes Plenários e Monocráticos são disponibilizados na Intranet do MPM, e têm a finalidade de subsidiar a elaboração das peças processuais e auxiliar na interposição de eventual recurso ou medida judicial. Cabe ainda ao DDJ realizar acompanhamento de processos judiciais por meio de consulta ao sítio do Supremo Tribunal Federal. 18

20 Gestão e Assistência à Saúde Organizar e disponibilizar consultas médicas e odontológicas, eletivas e de urgência, bem como atendimentos e acompanhamentos psicossociais; Realizar perícias nas áreas médica, odontológica e psicossocial, mediante perícias singulares e juntas médicas especializadas; Elaborar e executar programa de Exame Periódico de Saúde (EPS) para membros e servidores; Colocar em prática o Programa de Acompanhamento Funcional (PAF) para servidores e membros; Implementar programas de assistência à saúde voltados para promoção de saúde e prevenção de doenças. Macroprocesso de responsabilidade do Departamento de Assistência à Saúde (DAS), subordinado à Secretaria da ProcuradoriaGeral de Justiça Militar DiretoriaGeral. Compreende conjunto de atividades que tem como escopo promover benefícios à saúde física, mental, emocional, de lazer e social aos servidores e membros, assegurando integração e qualidade de vida a fim de melhorar seus resultados para a organização. No ano de 2013, o DAS atuou com foco nas diretrizes expressas pelas seguintes máximas: 1) Promoção de saúde é melhor que prevenção de doenças; 2) Prevenção de doenças é melhor que assistência; 3) A assistência deve ser de excelência, e 4) A avaliação pericial deve ser humanizada, ética e responsável. Entre os projetos de maior impacto destacamse as campanhas de promoção de saúde. São elas: a) Sorriso Teen : promoção de saúde bucal para adolescentes; b) Gente Miúda : promoção de saúde bucal para crianças; c) Amigos de Sangue : campanha que incentiva servidores e membros à doação de sangue; d) Opção: Saúde Gerenciamento de saúde no trabalho : atividades semanais, em grupo, com o objetivo de orientar e auxiliar membros e servidores a gerenciar problemas ou condições específicas de saúde, mediante realização de palestras expositivas, dinâmicas de grupo e compartilhamento de experiências. Subdividido em: Opção: Saúde Síndrome Metabólica : direcionado aos portadores de síndrome metabólica e Opção: Saúde Estresse : direcionado aos portadores de ansiedade e estresse. Quanto ao PAF, tratase de projeto de saúde e de gestão de pessoas, com atuação multidisciplinar (DAS/DGP) nos diversos ambientes de trabalho, oferecendo suporte aos servidores e membros nos casos de comprometimento laboral. Foi também implantado o Sistema Informatizado SIGA, que objetiva simplificar o processo de homologação de licenças médicas e odontológicas e permite o intercâmbio de informações com o sistema de gerenciamento, registro e pagamento de pessoal Mentor. 19

21 Planejamento e Gestão Estratégica Estabelecer diretrizes estratégicas, definindo prioridades, responsabilidades e compromissos para o atingimento dos resultados institucionais; Acompanhar e controlar os resultados planejados, fornecendo, periodicamente, feedback aos responsáveis pela execução, no intuito de promover a melhoria e inovação organizacional; Subsidiar as tomadas de decisões. Macroprocesso de responsabilidade da Assessoria de Análises Estratégicas e Segurança Institucional (AAESI), subordinada ao Gabinete do ProcuradorGeral de Justiça Militar Chefia de Gabinete. Traduzse em processo de apoio essencial com a finalidade de dar suporte ao planejamento e gestão dos assuntos estratégicos e de governança da Instituição. Compete à AAESI conduzir os processos que envolvam tanto a área de planejamento estratégico como a de segurança institucional, no âmbito do MPM. Uma vez publicado o Planejamento Estratégico , a ênfase passou a ser a gestão do estabelecido no documento em questão, com foco no aprimoramento das atividades finalística e administrativa. No exercício de 2013, a fim de cumprir o estabelecido no Planejamento Estratégico, procedese à elaboração do Relatório de Atividades, abrangendo o período compreendido entre abril de 2012 a março de 2013, cotejando todas as iniciativas setoriais com os objetivos previstos no planejamento estratégico. O diagnóstico apontou para a necessidade de se fazer um alinhamento, uma vez que existem ações executadas, mas que não estão previstas; da mesma forma que há ações que estão previstas, mas que não estão sendo executadas. A segurança institucional trabalhou na normatização dos procedimentos de segurança, no intuito de padronizar os Planos de Segurança Orgânica das Procuradorias Regionais e da Procuradoria Geral de Justiça Militar. Foi definida a Política de segurança institucional e elaborado o Plano de Segurança Institucional. O Comitê de Segurança Institucional do Conselho Nacional do Ministério Público orientou pela espera de uma decisão em plenário que dará uniformidade a ambos os documentos. 20

22 Apoio Jurídico dos Procedimentos Administrativos Análise e Controle dos Procedimentos Administrativos Prover assessoria jurídica necessária aos procedimentos licitatórios, inexigibilidade e/ou dispensa de licitação, contratos, convênios, acordos e outros ajustes firmados pela Instituição; Emitir pronunciamento jurídico e técnico, relativo a processos judiciais, relacionados à gestão administrativa, quando solicitado pelos órgãos competentes. Assessorar na prática de atos de gestão administrativa, financeira, patrimonial e de pessoal quanto à legalidade, legitimidade, economicidade e eficiência; Certificar os documentos probatórios dos atos e fatos de gestão. Macroprocesso de responsabilidade da Consultoria Jurídica e Técnica (CJT), subordinada à Secretaria da ProcuradoriaGeral de Justiça Militar DiretoriaGeral. O Apoio Jurídico dos Procedimentos Administrativos dáse por meio da elaboração de pareceres e informações técnicas relativos a processo e procedimentos administrativos e judiciais de competência da Secretaria da ProcuradoriaGeral, bem como pela análise, com a emissão de parecer jurídico, das minutas de editais de licitação, contratos, convênios e outros ajustes firmados pela Instituição. Macroprocesso de responsabilidade da Consultoria Jurídica e Técnica (CJT), subordinada à Secretaria da ProcuradoriaGeral de Justiça Militar DiretoriaGeral. A análise e controle dos procedimentos administrativos dáse por meio da análise dos processos administrativos, e emissão do Relatório de Gestão junto ao Sistema de Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI. A atuação da unidade dáse a priori, por meio da emissão de Notas Técnicas, consubstanciadas em pesquisas a normas legais, jurisprudência e doutrina, em resposta a consultas feitas pelas áreas técnicas, ou análise de procedimentos administrativos, bem como a posteriori, quando são identificadas incongruências em processos administrativos, sobre as quais são feitas recomendações. 21

23 Gestão da Tecnologia de Informação Implantar as boas práticas de Tecnologia da Informação (TI) recomendadas pelo TCU e literatura especializada e aprimorar o alinhamento dos investimentos de TI ao Planejamento Estratégico do Órgão Governança de TI; Disponibilizar sistemas de informação, por meio do desenvolvimento, contratação do desenvolvimento, aquisição de solução comercial ou implantação de sistema já em prática na Administração Pública Sistemas de Informação Fim e Meio; Implantar melhorias nos serviços em utilização, bem como ofertar novos serviços e soluções de TI Soluções e Serviços de TI; Disponibilizar a infraestrutura de hardware de TI essencial à execução das ações previstas no plano diretor de tecnologia da informação (PDTI) Infraestrutura de TI; Aprimorar o serviço de suporte técnico visando melhor utilização dos serviços e sistemas de informação disponíveis Suporte Técnico; Promover as contratações necessárias para execução das ações previstas no PDTI e para a prestação dos serviços de TI Contratos de Apoio; Prover equipamentos e softwares para atendimento das necessidades das unidades e para a prestação dos serviços de TI Aquisição de Equipamentos e Softwares. Macroprocesso de responsabilidade do Departamento de Informática (DI), subordinado à Secretaria da Procuradoria Geral de Justiça Militar DiretoriaGeral. Compreende os processos de planejamento, coordenação e acompanhamentos dos projetos e atividades, visando à modernização, organização e conservação do parque computacional, ao desenvolvimento, manutenção e atualização de sistemas e à estimulação da geração, absorção e difusão de novas tecnologias, no âmbito do Ministério Público Militar. Dentre as atividades desenvolvidas no ano de 2013, destacamse: 1) Publicação da PortariaPGJM nº 23, de 1 de fevereiro de 2013, que trata dos critérios de uso e segurança dos recursos de TI do MPM e PortariaPGJM nº 24, de 1 de fevereiro de 2013, que aprova o regulamento para a utilização da rede wireless da PGJM para o acesso à Internet; 2) Desenvolvimento do sistema COREM que auxilia nos concursos de remoção e promoção de membros do MPM; 3) Implementação de melhorias no sistema GAIUS (Sistema Processual do MPM); 4) Desenvolvimento de sistema para o 11º concurso para promotor de justiça militar, com módulos de administração e inscrições online; 5) Desenvolvimento do sistema PLANEJAR, destinado à subsidiar a proposta orçamentária anual; 6) Atualização do sistema de gestão patrimonial, e 7) Reorganização dos racks e equipamentos acessórios da rede cabeada, visando maior agilidade na manutenção da rede. No que se refere às boas práticas, o DI utilizou como base a ferramenta Framework COBIT 4.1, os modelos de referência para gestão de processos ITIL v.3 e o PMBOK 4ª edição e a Norma Brasileira NBR ISSO/IEC 27002:2005, dentre outras. 22

24 Comunicação Institucional Disponibilizar mecanismos de divulgação na internet de dados relativos à atuação do MPM, conforme estabelecido na Lei Federal de acesso à informação, contribuindo para a perfeita interação com a sociedade; Divulgar jurisprudência, atividades e outras informações inerentes à Instituição, a servidores e membros. Macroprocesso de responsabilidade da Assessoria de Comunicação Institucional (ASCOM), subordinada ao Gabinete do ProcuradorGeral de Justiça Militar Chefia de Gabinete. Traduzse em processo de apoio essencial à gestão estratégica, visto que tem sob sua responsabilidade o papel de formatar a identidade, a personalidade e a boa imagem institucional frente aos públicos interno e externo e seus parceiros. No ano de 2013, a Assessoria de Comunicação do MPM atuou com foco no cidadão. Nesse sentido, foi reformulada a página eletrônica do MPM (www.mpm.mp.br), que conta agora com o Serviço de Informação ao Cidadão (SIC). No SIC, estão concentradas as informações de interesse à sociedade como o Portal da Transparência, o Fale com o MPM (Serviço de Atendimento ao Cidadão SAC); e o Acesso à Informação (Lei de Acesso à Informação Lei , de 18/11/2011). A nova homepage também privilegia a divulgação da atuação do MPM, com matérias e notas de interesse à sociedade. Ainda em 2013, foi lançado o primeiro vídeo institucional do MPM, o Conheça o Ministério Público Militar, que apresenta a Instituição aos cidadãos, como previsto no Planejamento Estratégico MPM 2011/2015. O vídeo está disponível no canal Youtube e também pode ser acessado na página eletrônica do Órgão. 23

25 Fortalecimento da Atuação Finalística da Instituição Atuar na prevenção e repressão aos crimes militares e outros ilícitos, assessorando ao ProcuradorGeral de Justiça Militar e prestando apoio aos membros do MPM. Macroprocesso de responsabilidade do Centro de Apoio à Investigação (CPADSI), subordinado ao Gabinete do ProcuradorGeral de Justiça Militar Chefia de Gabinete. Tratase de processo de assessoramento e apoio aos membros do MPM no desempenho de suas atividades e funções institucionais. Compreende as seguintes ações: 1) Elaboração de pesquisas, relatórios de análise e informações que apoiam os membros do MPM no trabalho de apuração de irregularidades no âmbito das Forças Armadas, notadamente nas apurações relativas a desvios de recursos, fraudes em licitações, crimes contra o patrimônio público e crimes financeiros; e 2) Adoção de medidas mais eficazes e modernas de obtenção de dados, desenvolvimento de sistemas de apoio à investigação, como o Argus, que contribui efetivamente não só com o MPM, mas com diversos órgãos de persecução penal no combate, prevenção e repressão da criminalidade organizada. 24

26 Ampliação das Relações Institucionais e Alianças Estratégicas. Firmar e fortalecer parcerias e convênios. Macroprocesso de responsabilidade do Centro de Apoio à Investigação (CPADSI), subordinado ao Gabinete do ProcuradorGeral de Justiça Militar Chefia de Gabinete. Tratase de processo de assessoramento e apoio aos membros do MPM no desempenho de suas atividades e funções institucionais. Compreende as seguintes ações: 1) Construção de uma arquitetura tecnológica que fomenta a ação da Instituição, de modo efetivo, seguro e célere, no que tange aos procedimentos investigatórios; e 2) Modernização do Sistema de Pedidos Eletrônicos com o objetivo de melhor atender às demandas dos membros do MPM. No exercício de 2013, ainda no que se refere à atuação do CPADSI, cabem as seguintes considerações: 1) Foram firmadas parcerias, convênios e protocolos de intenção com órgãos e entidades públicas e privadas, no intuito de obter informações para dar suporte aos trabalhos realizados; e 2) Houve disponibilização dos sistemas desenvolvidos pelo CPADSI (Argus, PAI, Passaporte) para os conveniados (MP/AL, MJ, MP/BA, MP/RO, MP/AC, MP/RJ, MP/AP, MP/RS, DPF, MP/RN, MP/PB, MP/SP e MP/SC). 25

27 1.6 Principais Parceiros No desempenho de seu mister constitucional de defender o regime democrático, a ordem jurídica, os interesses sociais e individuais indisponíveis, buscando a justiça social, o pleno exercício da soberania e a observância dos princípios basilares das Forças Armadas, da hierarquia e da disciplina, o MPM conta como o apoio de parceiros institucionais: instituições públicas que lhe permitem atuar de maneira efetiva e eficiente, das quais destacamse o Superior Tribunal Militar e as Forças Armadas (Marinha, Exército e Aeronáutica). No intuito de viabilizar a troca mútua de informações processuais via método eletrônico, e assim alcançar maior celeridade no trâmite processual, MPM firmou convênio com o Superior Tribunal Militar, instrumento que formaliza a parceria. No que tange ao parceiro Forças Armadas, objetivando o combate à impunidade de agentes militares, o MPM expede diversas recomendações no sentido da correta aplicação da Lei, alcançando com esta parceria agilidade na produção de provas, bem como promoção da eficiência e celeridade da Justiça Militar. Por se tratar de Órgão público, o MPM conta ainda com a sociedade como parceira, a qual atua tanto no polo de beneficiária de serviços públicos prestados, como no de agente de controle social. 26

28 PARTE A, ITEM 2, DO ANEXO II DA DN TCU Nº. 127/2013 Planejamento da Unidade Programação Orçamentária e Financeira e Resultados Alcançados Ações Informações sobre Outros Resultados da Gestão 27

29 2.1 Planejamento da Unidade O Ministério Público Militar teve sob sua responsabilidade, no exercício de referência do relatório de gestão, programas de governo do tipo: gestão, manutenção e serviço ao estado, definidos no Plano Plurianual , e ações (despesas) autorizadas pela Lei Orçamentária Anual 2013 e pelas Leis de abertura/reabertura de créditos adicionais (mecanismos retificadores da LOA). As ações estratégicas estabelecidas nos instrumentos de planejamento orçamentário para o exercício de referência do relatório de gestão, a saber: o Plano Plurianual e a Lei Orçamentária Anual 2013, traduzem um conjunto de decisões consciente, racional e coerente, alinhados com os objetivos de longo, médio e de curto prazo, definidos no planejamento estratégico da unidade. Quanto à estratégia de atuação da UJ, convém salientar que as ações gerenciais implementadas para o alcance dos objetivos estratégicos no período pautaramse pela racionalização do dispêndio público, buscandose empregar com eficiência e controle os recursos consignados ao Órgão, bem como o atendimento das demandas específicas de manutenção básica e, quando possível, a aquisição de bens de uso permanente. No que concerne ao cumprimento das diretrizes e objetivos estratégicos da unidade, o MPM exerceu suas funções institucionais com vistas a assegurar a defesa do interesse público no processo judiciário militar, atuando de forma a promover o cumprimento de sua missão, consubstanciada nos feitos processuais e extraprocessuais inerentes à sua competência legal. Desenvolveu diversas ações com o objetivo de aperfeiçoar sua atuação e, como consequência, melhorar os serviços prestados à sociedade. Convém destacar que a UJ vem apresentando resultados de produtividade crescentes, fato que pode ser evidenciado quando do confronto entre a meta física prevista e a realizada. Verificase que em 2013 intensificouse a atuação deste Órgão Ministerial pelo aumento de 4,88% no quantitativo de pareceres elaborados. Cabe ainda salientar que no que se refere à interposição de recursos junto a Tribunais Superiores observouse um aumento de 25%. Entre as realizações ordinárias do período, destacamse: Atividades de prevenção e repressão aos crimes militares e outros ilícitos, bem como de ampliação da capacidade investigatória; Provimento de Mandado de Segurança em consonância com a atividade de prevenção e repressão aos crimes militares, na defesa do interesse maior da coletividade e da pátria, o MPM impetrou mandado de segurança, com pedido de antecipação da tutela, no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, visando à anulação de sentença da 1ª Vara da seção judiciária do Distrito Federal, que determinou às Forcas Armadas a desincorporação do arrimo de família e o licenciamento e a expulsão de militares, residentes no Distrito Federal, que respondam a processo penal militar por deserção, mesmo após terem cumprido o período de tempo referente ao serviço militar obrigatório; Controle de prazo prescricional, nos termos da Resolução 65/CSMPM, de 11 de abril de 2011 no intuito de evitar prescrição de crimes, o DDJ, por meio da abertura de uma pasta de controle de prazo prescricional, providencia, trimestralmente e um ano antes do termo final, alerta de vencimento de prazo prescricional ao membro do MPM. Uma vez recebido o alerta, o membro acautelará requerimento de andamento prioritário ao ministro relator e, em qualquer caso, não sendo julgado no prazo (um ano), o parecerista formulará requerimento de prioridade. 28

30 Inspeções em unidades prisionais, em que há detentos, localizadas em unidades militares, onde se verificam condições das instalações e garantia dos direitos constitucionais ao preso; Exercício do controle externo da atividade da polícia judiciária militar; Fomento à integração institucional. No exercício de 2013, dando continuidade ao projeto de construção da futura sede da Procuradoria de Justiça Militar no Rio de JaneiroRJ, foram finalizados os processos licitatórios e firmado contrato para execução da 1º etapa da obra (fundações, paredes de contenção, subsolos, movimentos de terra e estrutura) e para elaboração de estudo de impacto viário referente à implantação da edificação e de projeto de acompanhamento arqueológico, prospecção e monitoramento da escavação do terreno a fim de atender exigências legais do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Convém ressaltar, que em 2012, a Procuradoria de Justiça Militar do Rio de JaneiroRJ foi transferida para imóvel de propriedade do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), ocupando o 5º, o 9º, o 15º e o 16º pavimentos. No exercício de 2013, diante da necessidade de ampliação do espaço físico, houve ocupação dos 10º, 11º, 12º e 13º pavimentos. A fim de assegurar melhores condições de funcionamento e adequação às finalidades da Instituição foi contratada empresa para realização de obras de adaptação das novas instalações, bem como aquisição e instalação de equipamentos. A permanência no referido imóvel darseá até a conclusão do projeto de Construção do EdifícioSede da Procuradoria de Justiça Militar no Rio de Janeiro. Com relação às ações de capacitação cumpre destacar: Programa de Desenvolvimento Gerencial Curso de Gestão do Tempo e Otimização dos Resultados e Gestão do Estresse; Programa de Capacitação Profissional de Membros do MPM; Ciclo de Palestras TOP 10 Empresarial Palestras mensais, ministradas por consultores renomados; Programa de PósGraduação para Membros Servidores do MPM; Programa de Acompanhamento Funcional (PAF). Além disso, merecem destaque os cursos e encontros promovidos pela Escola Superior do Ministério Público (ESMPU) e pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Relativamente aos recursos orçamentários, foi consignado ao MPM pela Lei Orçamentária Anual (LOA) nº de 4 de abril de 2013, o montante de R$ , sendo R$ para atender a despesas com pessoal, R$ destinados ao custeio básico e R$ para investimentos. A alocação dos recursos baseouse nos preceitos estabelecidos na Lei nº de 18 de janeiro de 2012, Lei do Plano Plurianual (PPA) , e nas disposições contidas na Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) para o exercício de 2013, Lei nº , de 17 de agosto de Em 2013, foi disponibilizado montante líquido de R$ de créditos adicionais para suprir despesas de pessoal, de custeio e de capital, considerandose os créditos suplementares e extraordinários, abertos e reabertos, e os cancelados/remanejados. O valor de R$ relativo a crédito extraordinário destinado à ação de Construção do EdifícioSede da Procuradoria de Justiça Militar no Rio de Janeiro e de R$ mil relativo a crédito extraordinário destinado à ação Defesa do Interesse Público no Processo Judiciário, autorizados pela Presidência da República, através de Medida Provisória (MP), no final do exercício de 2012 e reabertos em 2013, em razão de autorização 29

31 constitucional (CF, art. 167, 2º), foram integralmente cancelados por determinação da Secretaria de Orçamento Federal (SOF). Há de se considerar, ainda, a ocorrência de contingenciamento de recursos no exercício em questão, no valor de R$ , conforme anexo I da Portaria nº 930, de 19/12/2013, publicada no Diário oficial da União (DOU) nº247, Seção 1, de 20/12/2013. Quanto às alterações orçamentárias, destacamse os créditos adicionais do tipo suplementar destinados às ações Pagamento de Pessoal Ativo da União e Defesa do Interesse Público no Processo Judiciário, no valor de R$ e R$ , respectivamente. A soma informada se fez necessária face à imprescindibilidade do cumprimento de decisões do ProcuradorGeral da República e do Conselho Nacional do Ministério Público referente à quitação de passivo do grupo de despesa pessoal e encargos sociais, bem como atendimento de despesas contratuais essenciais à preservação da qualidade dos serviços desenvolvidos. O quadro comparativo a seguir evidencia a destinação dos recursos no período em questão, considerando a LOA 2013, os créditos adicionais e a execução orçamentária e financeira do exercício de ESPECIFICAÇÃO LOA CRÉDITOS ADICIONAIS 30 DOTAÇÃO TOTAL EXECUÇÃO 2013 (A) (B) * (D) = (A+B+C) (E) ** Pessoal , , , ,00 Ativo , , , ,21 Inativo , , , ,00 Custeio , , , ,29 Capital , , , ,72 Total , , , ,01 Crédito Contido ,00 Saldo ,99 Obs: * Créditos adicionais do tipo especial, suplementar e extraordinário/dotação cancelada e remanejada. ** Despesas Empenhadas Fonte: SIAFI Gerencial/2013 DEMONSTRATIVO DO ORÇAMENTO DE 2013 No que tange aos bens imóveis, verificase que o patrimônio do MPM evoluiu para R$ o que representa um incremento de 4,67% em relação a Relativamente ao inventário anual de bens móveis, identificase o valor líquido contábil de R$ ,49, não representando variação significativa quando considerado o exercício de O incremento ora informado evidencia a preocupação desta administração em atender as necessidades materiais dos segmentos que integram a Instituição. Quanto ao funcionamento da máquina administrativa, o aumento de 14 % na despesa executada no exercício de 2013 em relação ao anterior, referese a despesas com custeio e contratos administrativos decorrentes dos investimentos realizados pelo Órgão. Ainda em relação à área administrativa, condiz destacar continuidade dada ao Programa de Estágio da Instituição, observados os limites constantes da Resolução nº. 42, de 16/06/2009, do Conselho Nacional do Ministério Público. No que se refere aos investimentos, destacamse os realizados em obras, instalações e aparelhamento das Procuradorias regionais a fim de assegurar melhores condições de funcionamento e cumprimento das finalidades institucionais. Os dispêndios realizados justificamse, principalmente, em virtude da necessidade de aquisição de

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Brasília - DF / 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

ATO Nº 61/2015. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 61/2015. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 61/2015 Aprova alteração no Plano de Auditoria de Longo Prazo PALP Quadriênio 2014/2017, no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA

Leia mais

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública unifesp, 23.04.2009 tópicos conhecendo o mpf unifesp e administração pública atuação do mpf/sp na unifesp tutela de direitos coletivos defesa do patrimônio

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA TIPO DE AUDITORIA : Auditoria de Gestão EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO : 00181.000687/2010-82 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015347/2011-28

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 BRASÍLIA/2015 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011)

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) Dispõe sobre as competências da Secretaria de Infraestrutura de Tecnologia da

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL a) formulação, implantação e avaliação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico e

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre orientações às unidades jurisdicionadas ao Tribunal quanto à elaboração dos conteúdos dos relatórios de gestão referentes ao exercício de 2012. O

Leia mais

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos Exercício 2015 Auditoria Interna Unidade de Auditoria Interna - CEFET/RJ Normativos: Portaria nº 07, de 15/01/2001: cria a Unidade de Auditoria

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PROCESSO: 0007733-93.2015.4.02.5110 (2015.51.10.007733-0) AUTOR: MINISTERIO PUBLICO FEDERAL REU: MUNICIPIO DE BELFORD ROXO Fls

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAINT 2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAINT 2016 2016 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Interna PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAINT 2016 BRASÍLIA 2015 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE AUDITORIA PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 01350.000002/2007-76 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS - EAD PARA SERVIDORES DO TCE E CURSOS OBJETIVO PÚBLICO-ALVO CARGA HORÁRIA N. DE VAGAS MODALIDADE 1. As Novas Normas de Contabilidade Aplicada

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EERCÍCIO DE 2014 Brasília - DF / 2015 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

ATO Nº 73/2003. à estrutura da Diretoria do Serviço de Informática, a ser chefiado por

ATO Nº 73/2003. à estrutura da Diretoria do Serviço de Informática, a ser chefiado por ATO Nº 73/2003 O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, tendo em vista deliberação deste Tribunal em sessão de 22.7.03, R E S O L V E

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP

Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP GESTÃO DOCUMENTAL NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS: O PORQUÊ E O PARA QUÊ? Ieda Pimenta Bernardes Arquivo Público do Estado saesp@arquivoestado.sp.gov.br

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) Altera o art. 4º-A do Ato Normativo nº 572/2009-PGJ, de 30 de janeiro de

Leia mais

"Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social"

Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social "Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social" 1 Gestão por processos 2 Previdência Social: em números e histórico Estrutura: Administração Direta, 2 Autarquias e 1 Empresa

Leia mais

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Assessoria de Planejamento de Modernização do Poder - APMP Divisão de Estatística do Tribunal de Justiça - DETJ Assessoria de Planejamento

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS LEI N o 1.633 DE 14 DE JANEIRO DE 2013. DEFINE A NOVA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO DE CAIAPÔNIA E DETERMINA OUTRAS PROVIDÊNCIAS A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Domínio E: Celeridade e Tempestividade

Domínio E: Celeridade e Tempestividade Domínio E: Celeridade e Tempestividade 10 Agilidade no julgamento de processos e gerenciamento de prazos pelos Tribunais de Contas (4 domínios) 11 Controle externo concomitante (preventivo) (4 domínios)

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras providências. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23087.000109/2007-14 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre orientações às unidades envolvidas na elaboração do Relatório de Gestão da ANAC referente ao exercício de 2014. O DIRETOR-PRESIDENTE DA AGÊNCIA

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

TJM-RS NGE-JME-RS. Anexo I - 2.2.3 - Levantamento de dados históricos Projetos TJM/RS de 2009 a 2014

TJM-RS NGE-JME-RS. Anexo I - 2.2.3 - Levantamento de dados históricos Projetos TJM/RS de 2009 a 2014 2013 TJM-RS NGE-JME-RS Anexo I - 2.2.3 - Levantamento de dados históricos Projetos TJM/RS de 2009 a 2014 [PAINEL DE INDICADORES-TJM-RS] Contém os indicadores do do Tribunal de Justiça Militar do Rio Grande

Leia mais

CONTAS CONTROLADAS. Sede do TCU em Brasília R I S K M A N A G E M E N T R E V I E W 1 9 DIVULGAÇÃO

CONTAS CONTROLADAS. Sede do TCU em Brasília R I S K M A N A G E M E N T R E V I E W 1 9 DIVULGAÇÃO CONTAS CONTROLADAS TCU adota modelo de governança de TI no ambiente interno alinhando com seu plano estratégico para realizar o controle externo das contas da União com maior eficiência COMO ÓRGÃO RESPONsável

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 Regulamenta o Decreto nº 7.082, de 27 de janeiro de 2010, que institui o Programa Nacional de Reestruturação

Leia mais

Controle Interno do Tribunal de Contas da União

Controle Interno do Tribunal de Contas da União Controle Interno do Tribunal de Contas da União Resumo: o presente artigo trata de estudo do controle interno no Tribunal de Contas da União, de maneira expositiva. Tem por objetivo contribuir para o Seminário

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006.

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Dispõe sobre a Estrutura Administrativa e institui organograma da Câmara Municipal de Uruguaiana e dá outras providências. Faço saber,

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Diretoria Geral de Planejamento, Coordenação e Finanças (DGPCF) 0301- Tribunal de Justiça.

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Diretoria Geral de Planejamento, Coordenação e Finanças (DGPCF) 0301- Tribunal de Justiça. ESTRUTURA PROGRAMÁTICA - PROPOSTA 2016 UNIDADE - UO 0301 PROGRAMA PROGRAMA Garantir o pagamento pelo efetivo serviço exercido por magistrados e servidores, bem como as obrigações de responsabilidade do

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 *******************************

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* Promulgo a presente Resolução de conformidade com a legislação vigente. Em 30 de agosto de 2013. Silvio Rodrigues de Oliveira =Presidente da Câmara=

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 André Luiz Furtado Pacheco, CISA Graduado em Processamento de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO Nº. 001/2014 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA NO MUNICÍPIO DE BREJETUBA-ES. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 06/05/2014 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto Municipal

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

IV Seminário de Execução Financeira de Projetos Financiados com Recursos Externos. O f i c i n a 3. Brasília, de 7 e 8 de maio de 2009.

IV Seminário de Execução Financeira de Projetos Financiados com Recursos Externos. O f i c i n a 3. Brasília, de 7 e 8 de maio de 2009. IV Seminário de Execução Financeira de Projetos Financiados com Recursos Externos O f i c i n a 3 Convênios (SICONV - Sistemas e Legislação) Brasília, de 7 e 8 de maio de 2009. Ementa da Oficina Nº 3

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 08297.001142/2007-01 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 29 de setembro de 2009 PLANO DE TRABALHO - PDTI O presente Plano de Trabalho objetiva o nivelamento do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima aos requisitos de tecnologia da informação

Leia mais

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C.

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C. ANEXO II À DECISÃO NORMATIVA-TCU Nº 134, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013 PARTE A CONTEÚDOS GERAIS Os conteúdos desta Parte A são aplicáveis às unidades jurisdicionadas relacionadas no Anexo I e não destacadas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre o Modelo de Governança do Planejamento Estratégico do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO)

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) ** PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) Dispõe sobre a criação de cargos de provimento efetivo e de cargos em comissão no Quadro de Pessoal da Secretaria do Tribunal Regional

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO FINANCEIRA I CICLO DE APERFEIÇOAMENTO EM GESTÃO FINANCEIRA O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO Prof. Ariel Lopes Torres E-mail: ariel@unemat.br CÁCERES

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 004/2013. O Prefeito Municipal de Governador Lindenberg ES, Estado do Espírito Santo apresenta o presente projeto de lei;

PROJETO DE LEI Nº 004/2013. O Prefeito Municipal de Governador Lindenberg ES, Estado do Espírito Santo apresenta o presente projeto de lei; PROJETO DE LEI Nº 004/2013 Ementa: Dispõe sobre o cargo de controlador interno e auditor público interno do Município de Governador Lindenberg ES e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Governador

Leia mais

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1.

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1. 34 Os indicadores são índices utilizados para aferir resultados. O TRT da 7ª Região adotou indicadores aferidos pelo CNJ e criou outros considerados relevantes para o processo decisório da gestão institucional,

Leia mais

Relatório de Gestão 2010 da Universidade Federal de Santa Catarina. Secretaria de Planejamento e Finanças Prof. Luiz Alberton

Relatório de Gestão 2010 da Universidade Federal de Santa Catarina. Secretaria de Planejamento e Finanças Prof. Luiz Alberton da Universidade Federal de Santa Catarina Secretaria de Planejamento e Finanças Prof. Luiz Alberton Estrutura Apresentação do Reitor e Vice-Reitor 1. A Universidade Federal de Santa Catarina 2. Dados sobre

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS (Normativos e composição) Outubro - 2010 Coordenação-Geral de Técnicas, Procedimentos e Qualidade DCTEQ Eveline Brito Coordenadora-Geral de Técnicas, Procedimentos

Leia mais

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS Novembro/2009 Secretaria de Orçamento Federal Novembro/2009 Instituição Ministério do Planejamento, Secretaria de Orçamento Federal DEPT. PROGR. INFRAESTRUT.

Leia mais

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Alterado por Ato Normativo nº 905/2015, de 11/06/2015 (PT nº. 20.243/06) Aprova o Plano de Classificação de Documentos e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Emerson de Melo Brasília Novembro/2011 Principais Modelos de Referência para Auditoria de TI Como focar no negócio da Instituição

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003.

ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003. ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003. Discriminação da peça I Rol de Responsáveis, assinado pela Diretoria Colegiada,

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 Brasília (DF), março de 2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

INDICADORES ESTRATÉGICOS EVOLUÇÃO E STATUS. Indicadores com monitoramento implementado e com resultado satisfatório de acordo com a meta.

INDICADORES ESTRATÉGICOS EVOLUÇÃO E STATUS. Indicadores com monitoramento implementado e com resultado satisfatório de acordo com a meta. Implantação do Planejamento Estratégico AMGE 100% até 2016 O Projeto Desdobramento do Planejamento Estratégico Institucional foi instituído por meio da Portaria PGR nº 725/2011 e finalizado em dezembro

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

PLANO ANUAL DE AUDITORIA. Tribunal Superior do Trabalho

PLANO ANUAL DE AUDITORIA. Tribunal Superior do Trabalho PLANO ANUAL DE AUDITORIA 2014 Tribunal Superior do Trabalho PLANO ANUAL DE AUDITORIA 2014 Secretaria de Controle Interno PLANO ANUAL DE AUDITORIA DA SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO - EXERCÍCIO 2014 Aprovado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Boletim Informativo Edição 01 19 de Março de 2012 ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Controladoria-Geral da União Implementação da Lei de Acesso a Informação A Lei de Acesso à Informação (LAI) representa mais

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2015-2018 Sumário: 1 INTRODUÇÃO... 4 2 AUDITORIAS DE CONFORMIDADE (OU DE REGULARIDADE)... 5 2.1 Atos de nomeação e admissão, respectivamente, para cargos efetivos

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI: 01/2014 Versão nº: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 074/2014. Unidade Responsável: Departamento Financeiro da Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

SIG Sistema Integrado de Gestão. SIPAC -Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos

SIG Sistema Integrado de Gestão. SIPAC -Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos SIG Sistema Integrado de Gestão SIPAC -Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos Agenda Contextualização Visão Geral dos seguintes sistemas: SIPAA, SGPP, SIGRH, SIGADMIN, SIGED. Conceitos

Leia mais

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E S 31 MATRIZ DE INDICADORES e S Indicador 1 - Visão Visão: Ser reconhecido como um dos 10 Regionais mais céleres e eficientes na prestação jurisdicional, sendo considerado

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL 2008-2011

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL 2008-2011 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL 2008-2011 Superior Tribunal de Justiça PLANO PLURIANUAL 2008-2011 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Superior Tribunal de Justiça EXERCÍCIO 2011 ANO BASE 2010 Brasília 2010

Leia mais