Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN"

Transcrição

1 Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN LISBOA 9 de Novembro de 2011 A PROCURA INCESSANTE DO EMAGRECIMENTO 1

2 INTRODUÇÃO HOJE EM DIA A MAIOR PARTE DAS ORGANIZAÇÕES ACTUA MAIS NUMA LÓGICA DE SOBREVIVÊNCIA. O PENSAMENTO DOS GESTORES CENTRA SE AGORA EM TENTAR MANTER O NEGÓCIO EM DETRIMENTO DA PROCURA DE UM CRESCIMENTO GRADUAL E SUSTENTADO. HÁ UMA PROCURA CONSTANTE PARA ENCONTRAR SOLUÇÕES, EXIGINDO UMA PERMANENTE GINÁSTICA MENTAL DE TODOS OS INTERVENIENTES. 2

3 CLIENTES FORNECEDORES FAMILIAS AUTARQUIAS ESTADO PATRÕES OPERÁRIOS SINDICATOS ORGAN. SOLIDARIEDADE HÁ QUE RACIONALIZAR TODOS OS PROCESSOS E RECURSOS ENVOLVIDOS. HOJE MAIS DO QUE NUNCA A EFICIÊNCIA SOBREPÕE SE À EFICÁCIA. Effectiveness is doing the right things; Efficiency is doing the things right" PETER DRUCKER 3

4 AS ORGANIZAÇÕES A SOBREVIVÊNCIA DAS ORGANIZAÇÕES DEPENDE EM GRANDE PARTE DA SUA CAPACIDADE PARA RAPIDAMENTE INOVAR E MELHORAR. O RESULTADO ÉUMA PROCURA CRESCENTE DE MÉTODOS E PROCESSOS QUE LEVEM ÀMELHORIA DA QUALIDADE E DA PRODUTIVIDADE EM SIMULTÂNEO COM UMA REDUÇÃO DE CUSTOS. AS ORGANIZAÇÕES DEVEM OBTER ESTA MELHORIA A UM RITMO MAIOR DO QUE A SUA CONCORRÊNCIA, SE QUISEREM TORNAR SE OU MANTER SE LÍDERES NO SEU RAMO. 4

5 O SABER FAZER JÁ NÃO BASTA! TÃO OU MAIS IMPORTANTE QUE O SABER FAZER ÉO SABER ESTAR E O SABER SER. 5

6 UMA DAS FORMAS MAIS COMUNS QUE AS ORGANIZAÇÕES UTILIZAM PARA ALCANÇAR OS SEUS OBJECTIVOS É A DESIGNADA MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL TPM). (OU ÉUMA FILOSOFIA OU FORMA DE PENSAR A MANUTENÇÃO, QUE TRADUZ UM NOVO CONCEITO DE COMO MANTER UMA INSTALAÇÃO OU UM EQUIPAMENTO. 6

7 TPM É UM MÉTODO DE GESTÃO QUE IDENTIFICA E ELIMINA AS PERDAS EXISTENTES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS, MAXIMIZA A UTILIZAÇÃO DO ACTIVO INDUSTRIAL E GARANTE A GERAÇÃO DE PRODUTOS DE ALTA QUALIDADE A CUSTOS COMPETITIVOS. O OBJECTIVO ÉDE UMA FORMA GERAL AUMENTAR A PRODUÇÃO E SIMULTANEAMENTE, AUMENTAR NOS COLABORADORES A MORAL E A SATISFAÇÃO NO TRABALHO. 7

8 A FILOSOFIA TPM REALÇA A MANUTENÇÃO TAMBÉM COMO UMA FUNÇÃO VITAL PARA O NEGÓCIO. A MAIOR DIFERENÇA ENTRE TPM E OUTROS CONCEITOS ÉA ENVOLVÊNCIA DOS OPERADORES NO PROCESSO DE MANUTENÇÃO. 8

9 O DESENVOLVIMENTO DA FILOSOFIA TPM É SUPORTADO POR ACTIVIDADES QUE PODEM SER REPRESENTADAS POR 8 PILARES DE SUSTENTAÇÃO. 9 EDUCAÇÃO E TREINO MANUTENÇÃO AUTÓNOMA MANUTENÇÃO PLANEADA MELHORIAS ESPECÍFICAS SEG. HIGIENE E MEIO AMBIENTE MANUT. DA QUALIDADE CONTROLO INICIAL GESTÃO ADMINISTRATIVA

10 PRINCÍPIOS DA FILOSOFIA TPM: AUMENTAR A EFICIÊNCIA GLOBAL DOS EQUIPAMENTOS; MELHORAR O SISTEMA DE MANUTENÇÃO PLANEADA; O OPERADOR ÉO MELHOR MONITOR DA CONDIÇÃO DO EQUIP.; PROVIDENCIAR FORMAÇÃO PARA MELHORAR OS NÍVEIS OU COMPETÊNCIAS NAS ÁREAS DA PRODUÇÃO E MANUTENÇÃO; ENVOLVER TODOS E UTILIZAR O TRABALHO EM EQUIPA. PARA MEDIR A EFICIÊNCIA GLOBAL DOS EQUIPAMENTOS UTILIZA SE UM INDICADOR DE DESEMPENHO, QUE MEDE A PRODUTIVIDADE DOS EQUIPAMENTOS E PROCESSOS. OEE OVERALL EQUIPMENT EFFICIENCY (EFICIÊNCIA GLOBAL DO EQUIPAMENTO) 10

11 A PRODUTIVIDADE DE UM EQUIPAMENTO DEPENDE FUNDAMENTALMENTE DO TEMPO DE OPERAÇÃO EFECTIVA, DA UTILIZAÇÃO NA SUA CAPACIDADE MÁXIMA E DA QUALIDADE DA PRODUÇÃO. OEE (%) = DISPONIBILIDADE DESEMPENHO QUALIDADE DISPONIBILIDADE (%) DESEMPENHO (%) QUALIDADE (%) 11

12 A DISPONIBILIDADE ÉA RELAÇÃO ENTRE O TEMPO EM QUE O EQUIPAMENTO ESTÁ DISPONÍVEL PARA PRODUZIR E O TEMPO OPERATIVO TOTAL. O DESEMPENHO OU TAXA DE RENDIMENTO DETERMINA SE FUNDAMENTALMENTE ATRAVÉS DA RELAÇÃO ENTRE A VELOCIDADE REAL E A VELOCIDADE NOMINAL DE PRODUÇÃO DO EQUIPAMENTO. A TAXA DE QUALIDADE ÉA PROPORÇÃO DE UNIDADES SEM DEFEITOS RELATIVAMENTE AO VOLUME TOTAL DE PRODUÇÃO. NA MAIORIA DOS CASOS ANALISADOS O OEE SITUA SE ENTRE OS 30% 40%, SENDO REFERIDO POR MUITOS AUTORES QUE ESTE INDICADOR DEVERÁ TER UM VALOR DE PELO MENOS 85%. 12

13 OEE PERDAS AVARIA AFINAÇÕES E AJUSTES VELOCIDADE REDUZIDA PEQUENAS PARAGENS DEFEITOS E RE TRABALHO ARRANQUE 13

14 MAS, COMO DETERMINAR O VALOR DE OEE? 14

15 OEE = DO x TD x TQ [%] OEE = OVERALL EQUIP. EFFICIENCY EFICIÊNCIA GLOBAL DO EQUIP. DO = DISPONIBILIDADE OPERACIONAL (AVAILABILITY) TD = TAXA DE DESEMPENHO (PERFORMANCE EFFICIENCY) TQ = TAXA DE QUALIDADE (QUALITY RATE) OEE = DO x TD x TQ [%] DO = TO / JT [%] OEE = DO x TD x TQ [%] TD = TPR / TPI [%] OEE = DO x TD x TQ [%] TQ = PB / PT [%] 15

16 OEE ALGUNS CUIDADOS A TER EM ATENÇÃO 1. O VALOR CALCULADO NÃO DEVE SER USADO COMO UMA MEDIDA DO NÍVEL DA EMPRESA OU DA INSTALAÇÃO, TRATANDO SE APENAS DE UMA MEDIDA DA EFICIÊNCIA DE UM DETERMINADO EQUIPAMENTO; 2. O VALOR CALCULADO NÃO ÉVÁLIDO PARA COMPARAR EQUIPAMENTOS OU PROCESSOS DIFERENTES. É UM INDICADOR RELATIVO PARA UM ÚNICO EQUIPAMENTO, SERVINDO PARA COMPARAR OS VALORES DE OEE DESSE EQUIPAMENTO AO LONGO DO TEMPO. PODERÁ SER APLICADO A EQUIPAMENTOS SIMILARES; 3. O VALOR NÃO ÉUMA MEDIDA DA EFICIÊNCIA DA MANUTENÇÃO UMA VEZ QUE A MAIOR PARTE DAS PERDAS SAIEM FORA DO CONTROLO DIRECTO DESTA FUNÇÃO; 4. NÃO EXISTE UM VALOR ESPECIFICADO PARA O VALOR DE OEE DESIGNADO POR VALOR DE CLASSE MUNDIAL. NO ENTANTO, UM VALOR DE 85% É FREQUENTEMENTE CITADO. DE IGUAL FORMA, A MAXIMIZAÇÃO DO OEE DEPENDE DA CAPACIDADE DO ACTIVO, DA PROCURA OU SE EXISTE ALGUM CONSTRANGIMENTO NO FLUXO PRODUTIVO (VALOR OBTIDO POR UMA DISPONIBILIDADE DE 90%, UMA TAXA DE DESEMPENHO DE 95% E UMA TAXA DE QUALIDADE DE 99%; 16

17 5. O VALOR CALCULADO NÃO É ESTATISTICAMENTE VÁLIDO. O VALOR PERCENTUAL DETERMINADO ASSUME QUE TODAS AS PERDAS RELATIVAS AO EQUIPAMENTO SÃO DE IGUAL IMPORTÂNCIA E QUE QUALQUER MELHORIA DE 1% NA QUALIDADE PODE TER UM IMPACTO IDÊNTICO À MELHORIA DE 1% NA DISPONIBILIDADE. AS TRÊS MEDIDAS SÃO FALSAMENTE CONSIDERADAS IDÊNTICAS, OU SEJA, O TEMPO CRONOLÓGICO, AS UNIDADES PRODUZIDAS POR UNIDADE DE TEMPO E AS UNIDADES PRODUZIDAS SÃO CONVERTIDAS EM PERCENTAGENS PARA COMPARAÇÃO. 17

18 REFLECTIR: PARA UM DETERMINADO EQUIPAMENTO OBSERVOU SE A SITUAÇÃO A NUM DETERMINADO ANO E A SITUAÇÃO B NOUTRO ANO DISTINTO (POSTERIOR). 18

19 CADA VEZ QUE A INSTALAÇÃO PÁRA EXISTE A OPORTUNIDADE DE HAVER PERDA DE PRODUTO OU TER QUE SE FAZER NOVAMENTE O TRABALHO (RE TRABALHO). A QUANTIDADE PRODUZIDA TAMBÉM É MUITAS VEZES MAIS REDUZIDA DEVIDO AO TEMPO REQUERIDO PARA REPOR O EQUIPAMENTO OU PROCESSO NA SUA VELOCIDADE NOMINAL, UMA VEZ QUE A MAIOR PARTE DOS EQUIPAMENTOS NÃO ARRANCAM INSTANTÂNEAMENTE À VELOCIDADE NOMINAL, LEVANDO ALGUM TEMPO ATÉ SE ALCANÇAR ESSE REGIME. ESTA É A RAZÃO PELA QUAL NÃO SE DEVE OLHAR APENAS PARA A DISPONIBILIDADE DOS EQUIPAMENTOS, MAS TAMBÉM PARA A SUA TAXA DE RENDIMENTO E TAXA DE QUALIDADE. O OEE MOSTRA UMA VISÃO HOLÍSTICA DE TODAS AS PERDAS QUE TÊM IMPACTO NO DESEMPENHO DO EQUIPAMENTO. 19

20 GESTÃO LEAN NA GESTÃO DE ACTIVOS FÍSICOSF (ASSET MANAGEMENT) EXISTEM OUTROS FACTORES PASSÍVEIS DE SEREM ANALISADOS E QUE DIRECTA OU INDIRECTAMENTE INFLUENCIAM O DESEMPENHO GLOBAL DA ORGANIZAÇÃO. A ATENÇÃO DISPENSADA A ESTES FACTORES NA ÓPTICA DA SUA OPTIMIZAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE DESPERDÍCIOS PODE SE DESIGNAR POR OBE (OVERALL BUSINESS EFFICIENCY) OU GESTÃO LEAN. REDUÇÃO OU ELIMINAÇÃO DE DESPERDÍCIOS MAIOR PRODUTIVIDADE COM MENOS RECURSOS GESTÃO LEAN = FAZER MAIS COM MENOS 20

21 NA VISÃO OBE OUTROS TIPOS DE PERDAS PODEM SER ANALISADOS, ALÉM DAQUELAS QUE AFECTAM DIRECTAMENTE A EFICIÊNCIA GLOBAL DOS EQUIPAMENTOS (OEE). PERDAS QUE IMPEDEM A EFICIÊNCIA DO TRABALHO HUMANO 5 PERDAS QUE IMPEDEM A EFICIÊNCIA DO TRABALHO HUMANO FALHAS ADMINISTRATIVAS MOVIMENTAÇÃO ORGAN. DA LINHA DE PRODUÇÃO FALHAS DE AUTOMAÇÃO MEDIÇÕES E AJUSTES HOMEM HORA OPERACIONAL HOMEM HORA PROGRAMADO HOMEM HORA UTILIZADO HOMEM HORA EFECTIVO HOMEM HORA DE VALOR ACRESCENTADO 21

22 PERDAS QUE IMPEDEM O USO EFECTIVO DOS RECURSOS A GESTÃO DE ACTIVOS FÍSICOS TAMBÉM PODE SER ENCARADA NUMA PERSPECTIVA AINDA MAIS ALARGADA, ATRAVÉS DE UMA ABORDAGEM TEROTECNOLOGICA. 22

23 TEROTECNOLOGIA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR COM O OBJECTIVO DE OBTER DOS ACTIVOS FÍSICOS OS BENEFÍCIOS MÁXIMOS DO PONTO DE VISTA ECONÓMICO. DESENVOLVIDO NO REINO UNIDO NOS ANOS 70, ENVOLVE A APLICAÇÃO SISTEMÁTICA DE CONHECIMENTOS DE ENGENHARIA, FINANCEIROS E DE GESTÃO NA ANÁLISE DO IMPACTO DO CICLO DE VIDA DE EQUIPAMENTOS, EDIFÍCIOS, INSTALAÇÕES, ETC., NO RETORNO E NOS CUSTOS PARA A ORGANIZAÇÃO. ABRANGE ASPECTOS COMO A INSTALAÇÃO, COMISSIONAMENTO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO ATÉ AO ABATE OU DESMANTELAMENTO DOS ACTIVOS E EVENTUAL SUBSTITUIÇÃO. 23

24 NA ÓPTICA DAS ORGANIZAÇÕES A DESIGNADA GESTÃO LEAN VAI MUITAS VEZES ALÉM DA ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DOS ACTIVOS FÍSICOS. ABORDAGEM LEAN FOCALIZAÇÃO NO CLIENTE REENGENHARIA DOS PROCESSOS DESEMPENHO OPERACIONAL REDUÇÃO DE CUSTOS PRODUTOS (SERVIÇOS) DE ELEVADA QUALIDADE EXCELÊNCIA EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS MELHORIA DOS RESULTADOS ECONÓMICOS E FINANCEIROS GANHOS DE EFICIÊNCIA E COMPETITIV. 24

25 ACÇÕES CHAVE PARA O SUCESSO: ABANDONAR IDEIAS PRECONCEBIDAS; QUESTIONAR AS PRÁTICAS ACTUAIS; NUNCA EXPLICAR PORQUE ALGO É IMPOSSÍVEL; REALIZAR PROPOSTAS DE MELHORIA; NÃO PROCURAR A PERFEIÇÃO (ATINGIR 100% DE IMEDIATO); CORRIGIR OS ERROS IMEDIATAMENTE; PROCURAR SOLUÇÕES ASSIM QUE SURJAM DIFICULDADES; PESQUISAR AS CAUSAS (EX. 5 WHY?); OUVIR AS IDEIAS DE 10 PESSOAS EM VEZ DAS DE UMA SÓ; EXPERIMENTAR E VALIDAR QUALQUER SOLUÇÃO DUAS VEZES; A MELHORIA É INFINITA E A SUA BUSCA TAMBÉM. RESULTADOS ESPERADOS: MELHORIA DO PRODUTO OU SERVIÇO PRESTADO AO CLIENTE; ELIMINAÇÃO DE ACTIVIDADES DE BAIXO VALOR NA CADEIA; REDUÇÃO DE LEAD TIME; POTENCIALIZAÇÃO DA POLIVALÊNCIA DE TAREFAS; REDUÇÃO DE CUSTOS DE PRODUÇÃO; AUMENTO DA FLEXIBILIDADE OPERACIONAL. 25

26 CLIENTES STOCKS ACTIVOS FÍSICOS FORNECEDORES RECURSOS ENERGÉTICOS TEMPOS DE ESPERA EXCESSO DE PRODUÇÃO COMPETITIV. COMUNICAÇÃO OEE PROCESSOS REENGENHARIA OBE RECURSOS HUMANOS REPROCESSO ABORDAGEM TEROTECNOLOGICA MOVIMENTOS... GESTÃO LEAN A REDUÇÃO DOS DESPERDÍCIOS NA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS ACTIVOS FÍSICOSF APRESENTA SE COMO UM GRANDE CONTRIBUTO NO SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TIPO INDUSTRIAL. 26

27 JOSÉ SOBRAL ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia Mecânica Secção de Engenharia Industrial e Manutenção 27

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T BUSINESS IMPROVEMENT A I N D E V E QUEM É A Indeve é uma empresa especializada em Business Improvement, composta por consultores com uma vasta experiência e com um grande conhecimento do mundo empresarial

Leia mais

Parece-me que alguém nos quer ultrapassar

Parece-me que alguém nos quer ultrapassar O que é a Manutenção? Conjunto de acções conduzidas com o fim de manter em condição aceitável as instalações e o equipamento fabril de forma a assegurar a regularidade da produção, a sua qualidade e a

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015 Catálogo de Formação ACTIO 2015 Lean - Nível Executivo Lean Production Executivo Manutenção Lean Executivo Six Sigma - Champion Lean - Nível Master Lean Production Master Manutenção Lean Master Lean nos

Leia mais

LEAN PRODUCTION Produção Magra. Processo Criativo. Instituto Superior de Educação e Ciências

LEAN PRODUCTION Produção Magra. Processo Criativo. Instituto Superior de Educação e Ciências Instituto Superior de Educação e Ciências LEAN PRODUCTION Produção Magra Processo Criativo Ana Celina Militão da Silva 4ª Edição - Mestrado em Tecnologias Gráficas Gestão da Produção Gráfica Junho de 2012

Leia mais

OPTIMIZAÇÃO DO MTTR SIEMENS ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO 10º CONGRESSO NACIONAL DE MANUTENÇÃO

OPTIMIZAÇÃO DO MTTR SIEMENS ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO 10º CONGRESSO NACIONAL DE MANUTENÇÃO OPTIMIZAÇÃO DO MTTR 10º CONGRESSO NACIONAL DE MANUTENÇÃO SIEMENS ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO 1 PORTFÓLIO Asset Performance Management Optimização de Energia Serviços de Consultoria para optimização da eficiência

Leia mais

TPM. José Pedro A. R. Silva

TPM. José Pedro A. R. Silva CICLOS DE FORMAÇÃO EMPRESARIAL Metodologias Avançadas para a Indústria e Serviços TPM José Pedro A. R. Silva 1 CICLOS DE FORMAÇÃO EMPRESARIAL Ciclo de formação e treino em Lean TPM Ciclo de formação e

Leia mais

Daniel Gaspar. A evolução da Manutenção e os seus modelos de gestão

Daniel Gaspar. A evolução da Manutenção e os seus modelos de gestão Daniel Gaspar A evolução da Manutenção e os seus modelos de gestão Leiria, 2 de Junho de 2004 Introdução Evolução Estratégia Organização Modelos de gestão 2 3 Quando a manutenção e o sistema de informação

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

SGI. Serviço de Gestão de Impressão BOA GESTÃO PARA MELHOR IMPRESSÃO

SGI. Serviço de Gestão de Impressão BOA GESTÃO PARA MELHOR IMPRESSÃO SGI Serviço de Gestão de Impressão BOA GESTÃO PARA MELHOR IMPRESSÃO CONHECE OS CUSTOS DE IMPRESSÃO DA SUA ORGANIZAÇÃO? O actual contexto mundial torna central a necessidade de reequacionar gastos a todos

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

C. Pereira Cabrita, Paulo Vaz, Diogo S. Madeira, João C. Matias, Davide S. Fonseca

C. Pereira Cabrita, Paulo Vaz, Diogo S. Madeira, João C. Matias, Davide S. Fonseca MANUTENÇÃO INDUSTRIAL SEIS SIGMA PROPOSTA DE METODOLOGIA E CASOS PRÁTICOS C. Pereira Cabrita, Paulo Vaz, Diogo S. Madeira, João C. Matias, Davide S. Fonseca Universidade id d da Beira Interior PARTE 1

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

GESTÃO da Qualidade GESTÃO DA QUALIDADE. Definição de qualidade? Consumidor vs. produtor

GESTÃO da Qualidade GESTÃO DA QUALIDADE. Definição de qualidade? Consumidor vs. produtor GESTÃO da Qualidade Práticas DEG/AB 1 GESTÃO DA QUALIDADE Definição de qualidade? Consumidor vs. produtor Consumidor: qualidade é o grau em que o produto satisfaz as necessidades pelas quais foi adquirido

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

EDUCAÇÃO EM MANUTENÇÃO

EDUCAÇÃO EM MANUTENÇÃO MANUTENÇÃO COMO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E UMA ALIADA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EDUCAÇÃO EM MANUTENÇÃO José Sobral 1 MANUTENÇÃO: OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO? MANUTENÇÃO: UMA ALIADA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA?

Leia mais

Ciclo de Formação e Treino em Manutenção e TPM

Ciclo de Formação e Treino em Manutenção e TPM Manutenção e A MANUTENÇÃO O PILAR ESSENCIAL DOS SISTEMAS PRODUTIVOS Não seria excelente se existisse um sistema de manutenção que reparasse o seu equipamento antes de ele avariar? Sim, pois quando os equipamentos

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Formação Interempresas 2015

Formação Interempresas 2015 Formação Interempresas 2015 1 1 Formação Interempresas 2015 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF Avaliador Cargo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O PESSOAL DOS GRUPOS PROFISSIONAIS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica Carreira

Leia mais

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19.

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial e Auditoria Interna

Responsabilidade Social Empresarial e Auditoria Interna Fórum: Visão 2020 Desafios das entidades na gestão de risco, controlo e auditoria interna Responsabilidade Social Empresarial e Auditoria Interna António Dias Vila Real, 4 de Julho de 2015 1 Prioridades

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações: 8.2-Gestão da Qualidade DEG/AB 1

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações: 8.2-Gestão da Qualidade DEG/AB 1 GESTÃO Gestão dos Processos e Operações: 8.2-Gestão da Qualidade DEG/AB 1 GESTÃO DA QUALIDADE Definição de qualidade? Consumidor vs. produtor Consumidor: qualidade é o grau em que o produto satisfaz as

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro

Certificar para Ganhar o Futuro Certificar para Ganhar o Futuro Loulé, 9 de Novembro 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Região do Algarve como Mercado Estratégico

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO GESTÃO DA MANUTENÇÃO EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO Mudanças sofridas nos últimos 20 anos Nas Organizações Aumento e diversificação das instalações e equipamentos; projetos mais complexos; surgimento de novas

Leia mais

Marcos N. Lessa. Global Document Outsourcing Director

Marcos N. Lessa. Global Document Outsourcing Director Marcos N. Lessa Global Document Outsourcing Director Managed Print Services: Serviço de valor acrescentado Managed Print Services (MPS) é um serviço que envolve a gestão de todos os equipamentos de impressão,

Leia mais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais SGDP sistema de gestão do desempenho e potencial :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais ÍNDICE Competências Inovação e Criatividade

Leia mais

HM-Service-Broschüre-Port 26.04.2004 18:47 Uhr Seite 1. Assistência Técnica e Produção

HM-Service-Broschüre-Port 26.04.2004 18:47 Uhr Seite 1. Assistência Técnica e Produção HM-Service-Broschüre-Port 26.04.2004 18:47 Uhr Seite 1 Assistência Técnica e Produção HM-Service-Broschüre-Port 26.04.2004 18:47 Uhr Seite 2 HM-Service-Broschüre-Port 26.04.2004 18:47 Uhr Seite 3 Filiais

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Mudança Organizacional e Inovação

Mudança Organizacional e Inovação Mudança Organizacional e Inovação Mudança e organizações Fatores determinantes da mudança organizacional A ideia gestão da mudança Modelo teórico sobre a mudança de Kurt Lewin Estratégias de mudança organizacional

Leia mais

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio Advisory Human Capital & Tax Services Family Business Pensar a Família, Pensar o Negócio Realidade das Empresas Familiares Na PricewaterhouseCoopers há muito que reconhecemos nas empresas familiares um

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva Preâmbulo A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e as práticas são concebidas para promover, tanto quanto possível, a aprendizagem de todos os alunos.

Leia mais

As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os

As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os Formação Interempresas 2016 11 Formação Interempresas 2016 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os desperdícios,

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Programa de Universidades

Programa de Universidades University Program International Univer- sities Certified Universities Programa de Universidades 2013 Infosistema. All rights reserved. www.iflowbpm.com O que é o iflow BPM? Tabela de Conteudos O que é

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1 APRESENTAÇÃO www.get-pt.com 1 -2- CULTURA GET -1- A nossa Visão Acreditamos que o elemento crítico para a obtenção de resultados superiores são as Pessoas. A nossa Missão A nossa missão é ajudar a melhorar

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Serviço ao cliente (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Serviço ao cliente reconhecido como um aspecto importante do negócio da empresa dificuldade de definir

Leia mais

Planeamento Serviços Saúde

Planeamento Serviços Saúde Planeamento Serviços Saúde Estrutura Organizacional João Couto Departamento de Economia e Gestão Universidade dos Açores Estrutura Organizacional É o sistema de organização de tarefas onde se estabelecem

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 www.apcer.pt

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 www.apcer.pt O Papel das Auditorias na Gestão Empresarial Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 Auditoria Processo sistemático, independente e documentado, realizado com o propósito p de obter

Leia mais

Gestão por Indicadores. Uma Necessidade para a Rentabilidade

Gestão por Indicadores. Uma Necessidade para a Rentabilidade Gestão por Indicadores Uma Necessidade para a Rentabilidade Serviço Após-Venda Desafios Actuais Um Serviço Autorizado ou Oficina independente enfrentam desafios semelhantes no contexto da crise económica,

Leia mais

A gestão da qualidade e a série ISO 9000

A gestão da qualidade e a série ISO 9000 A gestão da qualidade e a série ISO 9000 Seminário QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃ ÇÃO FLUP 3 Novembro 2005 3 Novembro 2005 Maria Beatriz Marques / APQ-DRN A gestão da qualidade e a série

Leia mais

Alimentamos Resultados

Alimentamos Resultados Alimentamos Resultados www..pt Somos uma equipa que defende que cada empresa é única, tem as suas características e necessidades e por isso cada projeto é elaborado especificamente para cada cliente. Feed

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O PESSOAL DOS GRUPOS PROFISSIONAIS TÉCNICO PROFISSIONAL E ADMINISTRATIVO Avaliador Cargo NIF A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Gestão Gestão de Qualidade

Gestão Gestão de Qualidade Gestão Gestão de Qualidade Qualidade fator bastante objectivo difere de pessoa para pessoa e difere no tempo Consumidor grau em que o produto satisfaz as necessidades pelas quais foi adquirido Produtores

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Gestão Capítulo 3: Planeamento:

Gestão Capítulo 3: Planeamento: Gestão Capítulo 3: Planeamento: Tipos de Plano: Planos Estratégicos conjunto coerente de acções através das quais uma Organização procura alcançar as metas estratégicas (strategic goals). Longo prazo.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção)

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção) TPM -Total Productive Maintenance (Gestão da Manutenção) 1 MANUTENÇÃO À MODA ANTIGA Nada de prevenção! Só se conserta quando quebrar e parar de funcionar. Use até acabar... Manutenção não tem nada em comum

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas Apresentação da Solução Solução: Gestão de Camas Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros, 82-A, 1500-060

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE Serviços de Instalação - VRV e VRF O ar condicionado está se tornando rapidamente a tecnologia favoreceu para fornecer aquecimento e soluções para escritórios, comércio e lazer de refrigeração. Ele está

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro Leiria, 17 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER

Certificar para Ganhar o Futuro Leiria, 17 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER Certificar para Ganhar o Futuro Leiria, 17 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Campanha Nacional Objectivos Região Centro como

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 LOGÍSTICA Capítulo - 4 Conceitos relacionados com o Objectivos Aplicação dos conceitos básicos de gestão de inventário; Como calcular o stock de segurança; Verificar como as políticas de produção influenciam

Leia mais

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Por: Patrícia Isabel Correia* A ausência de um Sistema de Gestão de Manutenção provocou, ao longo de muitos anos, a deterioração

Leia mais

DESIGNING YOUR ACHIEVEMENT PRODUTOS E SERVIÇOS

DESIGNING YOUR ACHIEVEMENT PRODUTOS E SERVIÇOS DESIGNING YOUR ACHIEVEMENT PRODUTOS E SERVIÇOS Gestão de Tempo e Produtividade Pessoal HIGHER LEVELS OF ACHIEVEMENT MORE MEANINGFUL RESULTS BETTER BALANCED LIFE-STYLE NEM SEMPRE A CAPACIDADE DE REALIZAÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Linhas de Orientação Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves Definição da Política Revisão pela Direcção

Leia mais

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Qualidade e Sustentabilidade das Organizações Sociais Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Instituto da Segurança Social, I.P. Gabinete de Qualidade e Auditoria 17 de

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Ir mais longe até onde for o futuro!

Ir mais longe até onde for o futuro! Ir mais longe até onde for o futuro! DOSSIER DE IMPRENSA 2010 Luís Simões A Luís Simões (LS) é composta por 10 empresas juridicamente autónomas e agrupadas em 3 unidades de negócio: transporte, logística

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Lean Six Sigma Uma estratégia de sucesso para enfrentar crises, falta de competitividade e aumentar a lucratividade das empresas e organizações.

Lean Six Sigma Uma estratégia de sucesso para enfrentar crises, falta de competitividade e aumentar a lucratividade das empresas e organizações. Lean Six Sigma Uma estratégia de sucesso para enfrentar crises, falta de competitividade e aumentar a lucratividade das empresas e organizações. O atual cenário econômico no Brasil não é dos melhores e

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma. Uma Abordagem Qualitativa

Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma. Uma Abordagem Qualitativa OS CENTROS DE SAÚDE EM PORTUGAL Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma Uma Abordagem Qualitativa Instituição promotora e financiadora Missão para os Cuidados de Saúde

Leia mais

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores O Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, recentemente aprovado,

Leia mais

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial Ficha Técnica PRONACI Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial João Augusto de Sousa Bastos PRONACI - Programa Nacional de Formação de Chefias Intermédias AEP

Leia mais

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing.

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing. Universidade do Algarve Escola superior de Tecnologia Engenharia Elétrica e Eletrónica MARKETING Docente: Jaime Martins Discentes: Mário Sousa Nº25649 Mário Fontainhas Nº24148 Paulo Rodrigues Nº23615 Introdução

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI)

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Nº 03 / SAFPRI / 2009 SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) CONSTITUIÇÃO OU REFORÇO DE FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO (FCR) PROJECTOS FASE

Leia mais

1- Introdução ao Lean V1-2008

1- Introdução ao Lean V1-2008 1- Introdução ao Lean V1-2008 Autor: José Pedro A. Rodrigues da Silva 1 Programa 1- Introdução 2- Os 7 tipos de desperdício 3- Técnicas e ferramentas do Lean 4- Implementação do Lean 5- Conclusões Anexos

Leia mais

QUALIDADE NOS SERVIÇOS PÚBLICOS UM NOVO DESAFIO

QUALIDADE NOS SERVIÇOS PÚBLICOS UM NOVO DESAFIO SEMINÁRIO QUALIDADE NOS SERVIÇOS PÚBLICOS UM NOVO DESAFIO Funchal, 2003/10/21 2003/10/21 Diapositivo 1 Agenda (1) 1. Apresentação 1.1. O Concelho 1.2. O Município 2. Implementação do SGQ 2.1. Motivações

Leia mais

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha PSICOLOGIA APLICADA A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha Psicologia aplicada É impossível pensar em psicologia, sem pensar em intervenção, pois esta tem uma dimensão prática que

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

Lean nos serviços - um caso prático. (Aplicação da filosofia Lean numa empresa de serviços)

Lean nos serviços - um caso prático. (Aplicação da filosofia Lean numa empresa de serviços) Lean nos serviços - um caso prático (Aplicação da filosofia Lean numa empresa de serviços) Palavras-chave Lean nos serviços, Ferramentas Lean, 5S, VSM Resumo Num mercado cada vez mais competitivo, é imperativo

Leia mais

Projecto GTBC. leading excellence 1. Portugal: Espanha:

Projecto GTBC. leading excellence 1. Portugal: Espanha: Projecto GTBC Portugal: Edifício Taurus Campo Pequeno, 48 2º 1000-081 Lisboa Tel.: +351 217 921 920 Fax: +351 217 921 929 www.gtbc.pt info@gtbc.pt Espanha: CalleAtocha, 20, 2ªIzq 28012 Madrid Tel.: +34

Leia mais