UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA MESSIAS ACIONE CAETANO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA MESSIAS ACIONE CAETANO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA MESSIAS ACIONE CAETANO MODELAGEM DE PROCESSO: IMPLEMENTAÇÃO DOS CONCEITOS DE BPM EM UM PROCESSO DE RECURSOS HUMANOS DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SANTA CATARINA PALHOÇA 2011

2 MESSIAS ACIONE CAETANO MODELAGEM DE PROCESSO: IMPLEMENTAÇÃO DOS CONCEITOS DE BPM EM UM PROCESSO DE RECURSOS HUMANOS DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SANTA CATARINA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Graduação em Sistema de Informação da Universidade do Sul de Santa Catarina, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Sistema de Informação. Orientador: Prof. Dr. Aran Bey Tcholakian Morales Co-orientador: Prof. Dr. Ricardo Villarroel Dávalos PALHOÇA 2011

3 MESSIAS ACIONE CAETANO MODELAGEM DE PROCESSO: IMPLEMENTAÇÃO DOS CONCEITOS DE BPM EM UM PROCESSO DE RH DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SANTA CATARINA Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado adequado à obtenção do título de Bacharel em Sistema de Informação e aprovado em sua forma final pelo Curso de Graduação em Sistema de Informação da Universidade do Sul de Santa Catarina. Palhoça, 09 de outubro de Professor e orientador Aran Bey Tcholakian Morales, Dr. Universidade do Sul de Santa Catarina Professor Ricardo Villarroel Dávalos, Dr. Eng. Universidade do Sul de Santa Catarina Professora Fernanda Oviedo Bizzaro, Esp. Universidade do Sul de Santa Catarina

4 Dedico este trabalho a minha mãe.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos que, diretamente e indiretamente, contribuíram para a concretização deste trabalho.

6 Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas. (Nietzsche).

7 RESUMO Este trabalho justifica inicialmente os motivos da adoção da modelagem de processos de negócio dentro das empresas e, os objetivos que o autor chegou com o desenvolvimento do mesmo. É feita uma pesquisa pelos conceitos detrás do Business Process Management (BPM), que, em português, é Gerenciamento de Processos de Negócio. É demonstrada essa alternativa através de definições distintas estabelecidas por autores competentes na modelagem de processos de negócios de diversas partes do mundo. No desenvolvimento do capítulo da metodologia, é estabelecido o caminho que o trabalho percorre e, estabelecido o processo que é abordado no desenvolvimento dos capítulos seguintes do trabalho. O processo abordado é o de licença saúde do Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Para estabelecer as diversas regras existentes no processo de licença saúde do TJSC, é necessário, efetuar pesquisas nas leis catarinenses, além disso, no capítulo de pesquisa é vista uma breve história do poder judiciário e a função do Tribunal de Justiça. Com as diversas regras estabelecidas a partir das leis, é dado início a reformulação do processo. Na reformulação do processo é visto como ele funciona atualmente e, após essa etapa, o processo de licença saúde é melhorado e, é feita a modelagem do mesmo, o que proporciona fundamento para o desenvolvimento. No desenvolvimento são colocados em prática os conceitos estudados no referencial teórico, como, por exemplo, algumas das notações estudadas. São demonstrados os passos feitos, com duas ferramentas que utilizam conceitos de BPM, para construir dois ambientes funcionais que tem interação humana no processo de negócio. Após a explicação do desenvolvimento, é demonstrado o processo de licença saúde em execução. A execução do processo é feita em ambiente web para ambas as ferramentas. Através do conhecimento empírico adquirido, são avaliados os resultados, conclusões são obtidas. E, por fim, são elucidadas as pretensões do autor para trabalhos futuros. Palavras-chave: BPM. Processo. BPMN.

8 ABSTRACT This academic work begins by justifying the reasoning behind adopting Business Process Modeling inside Corporations and the goals intended by the Author with its development. It constitutes of researching the concepts of BPM (Business Process Management). It shows this alternative through its distinct definitions. These definitions are established by well versed and proficient authors in processing Modeling around the World. The Chapter related to methodology establishes the path this work follows. Once established, it shows the approaching process throughout the following chapters. The process to be approached is the Employee Sick Leave Policies and Procedures at the Santa Catarina State Courthouse. In order to have the diverse rules related to these Policies well understood, it is made necessary to research the Santa Catarina State laws. Furthermore, the chapter related to research briefly shows the History of the Legal System and the role of the Courthouse. After having all the rules established from the laws above, the reformulation process starts. During the reformulation it shows how the current process works and after that, the process is improved and the modeling is applied to the process. This process gives the foundation for the development. During the development the concepts studied during the theoretical referencing/research, as the BPM notations and the use of aforementioned tools are put into practice. The steps taken to build two functional environments with hands on capabilities using the concepts of BPM are demonstrated. After explaining the development, the Sick Leave Procedures and Policies process are shown. Its execution is done using web environment for both tools. Results are evaluated and conclusion obtained based on the acquired empiric knowledge. Finally, the author elucidates the intention for future works. Keywords: BPM. Process. BPMN.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Processo com sub-processo Abrir vaga Figura 2 Estereótipo de processo de Eriksson-Penker Figura 3 Estereótipo de meta de Eriksson-Penker Figura 4 Estereótipo de recepção de sinal de Eriksson-Penker Figura 5 Entrada, processo e saída de objeto de Eriksson-Penker Figura 6 Diagrama Eriksson-Penker Simples Figura 7 O ciclo de promoção da BPM Figura 8 Ciclo de vida BPM Figura 9 Componentes de uma suíte BPM Figura 10 Representação do BPMN Core e da estrutura de camadas Figura 11 Notação de evento Figura 12 Notação de atividade Figura 13 Notação de gateway Figura 14 Notação de fluxo de sequência Figura 15 Notação de fluxo de mensagem Figura 16 Notação de associação Figura 17 Notação de pool Figura 18 Notação de raias Figura 19 Notação de objeto com dados Figura 20 Notação de mensagem Figura 21 Notação de grupo Figura 22 Notação de anotação textual Figura 23 Eventos presentes na notação BPMN Figura 24 Atividades presentes na notação BPMN Figura 25 Arquitetura do Oracle BPM Studio Figura 26 Ciclo de vida Intalio Figura 27 Diagrama de atividades deste trabalho Figura 28 Diagrama de exemplo de processos do TJSC Figura 29 Organograma dos setores participantes do processo atualmente Figura 30 Diagrama de atores participantes do processo atualmente Figura 31 Diagrama de atividades da licença de tratamento de saúde do TJSC As is Figura 32 Organograma dos atores participantes do processo remodelado Figura 33 Diagrama de atividades da licença de tratamento de saúde do TJSC To be Figura 34 Diagrama de estado do pedido Figura 35 Regras de negócio do processo de licença saúde remodelado Figura 36 Requisitos funcionais do processo de licença saúde remodelado Figura 37 Classe do objeto de licença saúde Figura 38 Ambiente de desenvolvimento de formulário Figura 39 Ambiente da modelagem do diagrama de processo de negócio Figura 40 Piscina não executável Figura 41 Opções de uso de um formulário em raias não executáveis Figura 42 Duas conexões entre atividades em diferentes piscinas Figura 43 Primeiro gateway e notificação do processo Figura 44 Regra no primeiro gateway do processo

10 Figura 45 Primeiro gateway do processo Figura 46 Mapeamento das varáveis para o formulário da Junta Médica Figura 47 Usuário participante da piscina DRH Figura 48 Diagrama de processos na ferramenta Intalio Figura 49 Variáveis utilizadas no desenvolvimento do protótipo na ferramenta Oracle BPM Studio Figura 50 Evento de início, atividade e evento final internos a um Screenflow Figura 51 Variável e argumento no evento de início de um Screenflow Figura 52 Tela de configuração de um Screenflow Figura 53 Configuração das variáveis de saída de um Screenflow Figura 54 Atividade global dentro da raia que iniciará o processo Figura 55 Eventos e atividades do Screenflow da atividade Global Figura 56 Processo modelado na ferramenta Oracle BPM Studio Figura 57 Configuração da associação entre Sreenflow e atividade Figura 58 Configuração das variáveis e argumentos entre Sreenflow e atividade Figura 59 Ícones de deploy e configuração do projeto respectivamente Figura 60 Tela de login no ambiente Worflow da Intalio Figura 61 Ambiente do Colaborador com link para inicio de processo Figura 62 Tela de registro de pedido de licença saúde do servidor Figura 63 Tela de tarefas da Junta Médica Figura 64 Tarefa da Junta Médica expandida Figura 65 Atestado anexado com detalhe do servidor Figura 66 Tela de notificações do servidor Figura 67 Notificação do servidor expandida Figura 68 Tela inicial do console Intalio Figura 69 Detalhes do processo LicencaSaude Figura 70 Instâncias do processo de licença saúde no console Figura 71 Instância do processo de licença saúde em progresso Figura 72 Atividade em que parou a instância do processo Figura 73 Ícones de Start Engine e Launch Workspace respectivamente Figura 74 Tela de logon do Oracle BPM Workspace Figura 75 Tela do ambiente do participante servidor Figura 76 Tela de preenchimento do formulário de licença saúde Figura 77 Detalhe do ambiente do colaborador para anexar o atestado Figura 78 Tela para anexar atestado ao pedido Figura 79 Tela do participante JM Figura 80 Link para a Atividade Verifica atestado do participante JM Figura 81 Tela de aprovação da Junta Médica

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS BAM - Business Activity Monitoring BPA - Business Process Automation BPEL - Business Process Execution Language BPI - Business Process Improvement BPM - Business Process Management BPMN - Business Process Modeling Notation BPMS - Business Process Management Suite BPR - Business Process Reengineering KPI - Key Performance Indicator OMG - Object Management Group SOX - Lei Sarbanes-Oxley TI - Tecnologia da Informação Wfmc - Workflow Management Coalition

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO DO PROBLEMA QUESTÃO DE PESQUISA OBJETIVOS DA PESQUISA Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA ORGANIZAÇÃO DESTE TRABALHO Introdução Revisão Bibliográfica Metodologia TJSC Modelagem Desenvolvimento Conclusões e trabalhos futuros PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROCESSO Sub-processo Atividade Tarefa PROCESSO DE NEGÓCIO Ambiente Ator Modelagem de processos TECNOLOGIAS Notação Eriksson-Penker Workflow BPM (Business Process Management) Ciclo de vida BPM Planejamento Análise Desenho e Modelagem Implementação Monitoramento e Controle Refinamento BPMS BAM KPI BPMN Padrão de notação BPM (BPMN) Evento Atividade Gateway Fluxo de sequência Fluxo de mensagem Associação Pool...42

13 Raias Objetos de dados Mensagem Grupo Anotação textual FERRAMENTAS IBM (Blueworks Live) Oracle BPM Studio (ferramenta proprietária) Intalio (ferramenta com versão gratuita) LINGUAGENS BPEL BPML CONSIDERAÇÕES FINAIS METODOLOGIA MÉTODO CARACTERIZAÇÃO DO TIPO DE PESQUISA ETAPAS ETAPAS METODOLÓGICAS DELIMITAÇÕES CONSIDERAÇÕES FINAIS TJSC PODER JUDICIÁRIO História do Poder Judiciário no Brasil Funções do Poder Judiciário PROCESSOS DO TJSC Processos de exemplificação do TJSC CONFORMIDADE LEGAL DO PROCESSO DE LICENÇA SAÚDE Cabe à Diretoria de recursos humanos despacho de licença saúde Licença para tratamento de saúde Licença por motivo de doença em pessoa da família Competências da Junta Médica CONSIDERAÇÕES FINAIS MODELAGEM MODELAGEM DE PROCESSOS DE LICENÇA MÉDICA DO TJSC Funcionamento do processo no atual momento, As is Atores no momento atual do funcionamento do processo o As is Atividades do funcionamento do processo atualmente, o As is Funcionamento do processo como será modelado, To be Eliminação de alguns atores na remodelagem do processo Mudanças no funcionamento do processo remodelado, o To be Objeto do processo Tipo de processo Regras de Negócio do processo remodelado Requisitos Funcionais do processo remodelado Classe do objeto de licença saúde Viabilidade da digitalização de documentos CONSIDERAÇÕES FINAIS AUTOMATIZAÇÃO AUTOMATIZAÇÃO NO INTALIO Ambiente de desenvolvimento...83

14 Instalação e execução do Designer Instalação e execução do Servidor Persistência de dados no Intalio BPMS Comunidade Intalio Modelagem na ferramenta Intalio Formulário do Workflow Criação do diagrama de processo de negócio Piscinas Etapas do desenvolvimento do diagrama de processo de negócio Usuários do processo Modelo final na ferramenta Intalio AUTOMATIZAÇÃO NO ORACLE BPM Ambiente de automatização Instalação e execução do BPM Studio Servidor WEB Persistência de dados no Oracle BPM Studio Modelagem na ferramenta Oracle BPM Studio Variáveis do processo Formulários Criação de funções (roles) Criação de participantes (participants) Raias do processo Evento de início Fluxos de Tela (Screenflows) Atividade global Atividades Gateways VALIDAÇÃO Validação no Intalio Console Intalio Dificuldades encontradas no Intalio BPMS Validação no Oracle BPM Dificuldades encontradas no Oracle BPM Studio RESULTADOS Protótipo na ferramenta JBPM Comparativo entre as ferramentas Oracle BPM Studio e Intalio CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCLUSÕES E TRABALHOS FUTUROS CONCLUSÕES TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS ANEXOS ANEXO A RESOLUÇÃO N 29/2006-GP (PARTE 1) - TJSC ANEXO B RESOLUÇÃO N. 29/2006-GP (PARTE 2) - TJSC ANEXO C RESOLUÇÃO N. 29/2006-GP (PARTE 3) - TJSC ANEXO D RESOLUÇÃO N. 18/2006-GP TJSC ANEXO E LEI N DE 28 DE DEZEMBRO DE 1985: SEÇÃO V; SUBSEÇÃO II

15 ANEXO F LEI N DE 28 DE DEZEMBRO DE 1985: SEÇÃO V; SUBSEÇÃO III

16 16 1 INTRODUÇÃO Em 2002, explodiram escândalos por parte de empresas norte-americanas (Enron, Worldcom, Tyco) que mascaravam sua realidade financeira, foi o estopim para o surgimento de uma nova concepção da mentalidade aplicado sobre os processos dentro das corporações.(clarke, 2007) Novas leis foram promulgadas na constituição estadunidense a fim de fiscalizar e tornar transparente e auditáveis as diversas operações financeiras (WEILL, 2004). A Lei intitulada Sarbanes-Oxle, apelidada de SOX ou Sarbox, foi assinada pelo senador democrata Paul Sarbanes e o deputado Republicano Michael Oxley em 30 de julho de 2002 a fim de impor rígidas regras às empresas estadunidenses em virtude dos escândalos ocorridos (CAMPBELL, 2004). Em 2003, foi publicado o livro Business Process Management: The Third Wave, de autoria de Howard Smith e Peter Fingar, em contrapartida as novas adequações as quais a empresas haveriam de se submeter. The Third Wave, ou A Terceira Onda se referenciava ao Business Process Management (BPM), precedido de Business Process Reengineering (BPR) a segunda onda e Six Sigma (1ª onda e ainda bastante difundida). Levando-se em consideração que as empresas que haveriam de se adequar as novas leis eram também multinacionais, suas filiais ao redor do mundo também sofreriam mudanças, o que proliferaria a institucionalização do BPM como alternativa em todo o planeta e inclusive no Brasil. Mas, enfim, que relação teria a Tecnologia da Informação (TI) com o ocorrido? A resposta seria tudo. Para as empresas adequarem-se às exigências da nova lei, o setor de TI haveria de andar lado a lado com o negócio das empresas. Exigências de relatórios, rastreabilidade de operações, o setor de TI tem que gerir e estar intimamente ligado para poder entender e desenvolver aplicativos com base no conhecimento destas regras de negócio. Fernandes e Abreu (2006, p. 17) explicam o processo de alinhamento estratégico da TI:

17 17 O processo de alinhamento estratégico da tecnologia da informação procura determinar qual dever ser o alinhamento da TI em termos de arquitetura, infraestrutura, aplicações, processos e organização com as necessidades presentes e futuras do negócio. Este processo é executado no contexto do Plano de Tecnologia da Informação. Além das exigências estabelecidas pelas novas leis, existem outras razões para o uso de uma melhor estruturação dos negócios nas empresas, por exemplo, [...] hipercompetitividade global, crescimento da complexidade organizacional, a maior exigência dos atores envolvidos (acionistas, imprensa, etc.) [...]. (BURLTON, 2001, apud BALDAM et al; 2010, p. 42). 1.1 APRESENTAÇÃO DO PROBLEMA A solução proposta por este trabalho se refere ao problema que consiste na necessidade de adoção de um padrão organizacional de processos existentes dentro do setor de recursos humanos do Poder Judiciário de Justiça de Santa Catarina. Além disto, o processo de licença saúde impacta na execução de outros processo dentro do TJSC. Por ora, essa necessidade é existente em virtude da filosofia de trabalho adotada, até então, que se baseia na utilização de ferramentas legadas ou carência delas, ou por indisponibilidade de mão-de-obra causada pela demasia de tarefas dadas aos participantes envolvidos, o primeiro dá-se em virtude da frequente troca de gestores, que consigo trazem ideais positivos, porém sem tempo hábil para pô-los em prática. Será aqui citado um exemplo prático: Por motivo de saúde, o colaborador do Poder Judiciário (comarcas e Tribunal de Justiça catarinense) tem que se ausentar do serviço. Para isso, o colaborador, precisa preencher formulário disponível na página de internet do Tribunal de Justiça, imprimi-lo, protocolá-lo e mandá-lo, juntamente com o atestado, para um posterior setor despachá-lo para o TJSC, para a aprovação e, arquivamento. Porém o processo descrito acima possui pormenores que o tornam burocrático e lento, como, por exemplo: avaliação de diversos setores dentro do TJSC;

18 18 encaminhamento dos documentos por correios ou automóvel; necessidade de um sistema para automatização. Para melhorar o desempenho do processo, será utilizado BPM. A problemática pode ser dividida da seguinte forma: sintoma: demora para resposta de um pedido de licença saúde; causa: não reestruturação do processo e, falta de uso da tecnologia para agilizar o mesmo; consequência: gastos excessivos de dinheiro e, de mão de obra; solução: implementação dos conceitos e, de ferramentas de BPM. 1.2 QUESTÃO DE PESQUISA Considerando as informações explanadas anteriormente, pode se usar a seguinte pergunta como proposta de pesquisa: Até que ponto a adoção de um novo paradigma de processos em um sistema de recursos humanos de um órgão público é capaz de ajudar aos colaboradores a exercer suas tarefas administrativas com maior eficiência? 1.3 OBJETIVOS DA PESQUISA Objetivo Geral Este trabalho tem como principal objetivo apresentar um case da aplicação de modelagem e automatização de processo, utilizando os conceitos de BPM no processo de

19 19 licença saúde da diretoria de Recursos Humanos dentro do Tribunal de Justiça de Santa Catarina Objetivos Específicos São objetivos deste trabalho: a) pesquisa bibliográfica exaustiva dos conceitos BPM; b) propor um modelo do processo de licença saúde a partir de observações e experiências; c) descrever e proporcionar dicas para a autilização dos sistemas BPMS utilizados; c) efetuar comparativos entre as ferramentas; 1.4 JUSTIFICATIVA Com a recessão econômica global ocorrida nos últimos anos, existe uma necessidade natural das empresas buscarem formas de cortar custos. Consequentemente e de forma errada, processos de negócio são, muitas vezes, eliminados ou deixados em segundo plano. Por outro lado, o BPM se tornou uma alternativa, que, em virtude da crise ocorrida, amplamente utilizada no contexto corporativo, pois tem como objetivo otimizar os processos de negócio residentes nas corporações e, com isso reduzir custos. Para o profissional de análise de processos, o Analista de processo chegar a conclusão de quais processos são os mais adequados à realidade específica da empresa ou são

20 20 realmente desnecessários, ele usa técnicas de Business Process Analysis (BPA) e Business process Improvement (BPI). Silva (2009, p. 303) define que BPA é um conjunto de metodologias e de ferramentas para reduzir custos, agregar valor, reduzir tempo e risco na análise de processos de negócio. Harrington, Essling e Nimwegen (1997, p. 5, tradução nossa) descrevem BPI sendo uma metodologia que é desenhada para trazer melhorias paulatinas no setor administrativo e de processos de suporte. Uma vez mapeados os processos de negócios (chamados As is, ou ao pé da letra, como estão dispostos no momento atual), através da coleta de dados quantitativos e qualitativos, são feitas análises sobre esses processos, apontando seus pontos fracos; em segundo momento, esses pontos fracos são tratados no interesse de aperfeiçoar o desempenho do processo de negócio (essa etapa denomina-se To be ou como eles serão futuramente aperfeiçoados). Segundo Khosrow-Pour (2006, p. 138, tradução nossa), as finalidades dos conceitos "As is" e "To be" são: O primeiro passo do processo é definir o "As is" e "To be" do BPM para que os processos de negócio sejam propriamente identificados. O processo de BPM consiste na decomposição do domínio da empresa em áreas funcionais e funções pra uso específico do negócio. O processo "To be" deve ter como foco a identificação das atividades ou subprocessos que podem ser agrupados de tal forma que possam ser compartilhados. Recursos tecnológicos são utilizados com a intenção de constituir padrões de melhoramento contínuo aos processos de negócios residentes dentro do contexto corporativo. Entre esses recursos tecnológicos existe um em que a tendência é cada vez maior de ser utilizada em virtude de adequação a exigências legais ou à competitividade de mercado por parte das corporações. Esse recurso é o BPM. O BPM é uma alternativa que utiliza ferramentas e procedimentos na intenção de mapear e unir os processos constituintes dentro dos diversos setores de uma instituição corporativa e, com o auxílio de softwares retratar, através de fluxos-gramas e outros artifícios, de forma generalizada, o funcionamento sistemático de uma corporação. Partindo dos pressupostos aqui estabelecidos, chega-se a conclusão de que as empresas que adotam o BPM como ideologia de negócio, possuem retornos positivos. Assim,

21 21 estará investindo em documentação, organização e normatização dos seus processos de negócios. Além disso, todo o contexto estrutural da empresa torna-se transparente. Com fácil e rápido acesso aos dados dos processos que estarão bem definidos, duvidas referentes aos mais diversos contextos poderão ser respondidas de uma forma muita mais eficiente e ágil. Outra grande vantagem, quando da adoção de um sistema BPM, é que gastos desnecessários são potencialmente eliminados, e a produtividade invariavelmente aumenta. Portanto, o trabalho, agora apresentado, propõe-se a viabilizar uma melhoria no processo de licença saúde da Secretaria de Recursos Humanos do TJSC e, com isso, minimizar falhas e efetuar desburocratização do específico processo. 1.5 ORGANIZAÇÃO DESTE TRABALHO Este trabalho será apresentado em sete capítulos: Introdução A introdução contém uma breve descrição da apresentação do problema, questão de pesquisa, objetivos que se pretendem alcançar com os esforços despendidos em razão do estudo do assunto delimitado. Além disso, estarão no mesmo contexto, os motivos os quais viabilizaram o desenvolvimento deste trabalho, o qual estará implícito na justificativa e, por fim, o conteúdo da explanação, agora apresentada, a organização do trabalho.

22 Revisão Bibliográfica No intuito de aprofundar o conhecimento obtido através da pesquisa feita, na revisão bibliográfica são abordados temas básicos, como, por exemplo, o processo até a definição de BPM em que o título abraça toda a gama de conceitos por trás da modelagem de processos de negócio Metodologia Na metodologia, serão divulgados os dados empíricos constatados. Através de pesquisas qualitativas e quantitativas, serão demonstrados índices que traçarão o caminho em questão TJSC Serão apresentados, neste capítulo, o histórico e a função da instituição em que o processo está sendo estudado. As leis, por detrás do processo estudado, serão expostas para determinar os critérios do capítulo próximo, a modelagem Modelagem capítulo. O processo como está atualmente e como será remodelado, será apresentado neste

23 23 Os itens para a modelagem de um sistema de informação serão desenvolvidos no capítulo modelagem. O capítulo modelagem servirá de embasamento para o capítulo desenvolvimento Desenvolvimento Serão detalhados todos os itens necessários a fim de explicar o funcionamento do protótipo na ferramenta Oracle BPM Studio e Intalio. Os resultados deste capítulo serão demonstrados no mesmo. Conforme a pergunta de pesquisa, até que ponto a adoção de um padrão modelagem de processos será útil a ponto de trazer transformações comportamentais a fim de auxiliar colaboradores a efetuarem suas tarefas com maior eficiência?, será demonstrado até que ponto essa pergunta poderá ser respondida Conclusões e trabalhos futuros Será visto uma visão geral de todas as etapas passadas no desenvolvimento e pesquisa do trabalho. Como conclusão, serão explicados os pontos em que existiram ganho de conhecimento, as dificuldades enfrentadas e os pontos que puderam ser melhorados no desenvolvimento do protótipo do trabalho apresentado.

24 24 2 PROCESSOS DE NEGÓCIOS Este capítulo apresenta uma pesquisa bibliográfica dos temas: Processo, subprocesso, atividade, tarefa, ambiente e ator que formam o conjunto de artefatos tácitos nos conceitos básicos da estrutura de um processo. Além desses, serão abordados os conceitos das tecnologias, ferramentas e linguagens usadas a fim de formular a fundamentação teórica desta monografia. 2.1 PROCESSO No decorrer do desenvolvimento deste trabalho, o termo processo será frequentemente abordado e, para explaná-lo com a intenção de repassar uma percepção pedagógica, será proporcionada nesse momento sua forma semântica. Para Cruz (1998, p. 34), processo é defendido como Conjunto de atividades que tem por finalidade transformar, montar, manipular e processar insumos para produzir bens serviços que serão disponibilizados por clientes. Outro conceito que reafirma o que é o processo de negócios é: Um processo é uma série de atividades inter-relacionadas que convertem negócios de entrada em negócios de saída. (MANGANELLI E KLEIN, 1994, apud CRUZ, 1998, p. 35). E, por fim, Processo é uma série de atividades que consomem recursos e produzem um bem ou serviço. (HRONEC, 1994, apud CRUZ, 1998, p. 35). Com os conceitos estabelecidos, pode-se resumir processo como sendo um apanhado de atividades que têm como objetivo produzir um bem ou serviço, tendo como entrada um insumo. A partir desse conceito, pode-se passar para a próxima etapa que é desvendar os pormenores que caracterizam o item aqui estudado, o processo.

25 Sub-processo Segundo Cruz (2004, p. 37), sub-processo é um Conjunto de atividades correlacionadas, que executa uma parte específica do processo, do qual recebe insumo e para o qual envia o produto do trabalho realizado por todas as atividades que o compõem. Jacko (2009, p. 810, tradução nossa) define os propósitos do sub-processo como: Sub-processo é usado para duas finalidades principais: em primeiro lugar, para descrever pós e prés estados de condição, segundo, para colocar diferentes processos em um contexto comum ou para descrever subestruturas especializadas. Pode-se descrever então sub-processos, como o próprio nome sugere, como um nível hierárquico abaixo do processo e que tem como intuito estabelecer uma maior organização na definição dos processos ou macro processos. Segundo Allweyer (2010, p. 79, tradução nossa), Modelos Business Process Modeling Notation (BPMN) podem conter dois tipos de atividades: Tarefas e sub-processos. Tarefas não são subdivididas. Sub-processos, no seu contexto, contêm outros detalhes de processo. Figura 1 Processo com sub-processo Abrir vaga. Fonte: Adaptado de Allweyer (2010). Em conformidade com a OMG (2011, p. 502, tradução nossa), sub-processo é: Um processo que está incluído dentro de outro processo. O sub-processo pode estar em uma exibição recolhida que esconde os seus detalhes. Um sub-processo pode estar em uma visão expandida que mostra os detalhes dentro da visão do processo que está contido dentro do mesmo. Sub-processos possuem a mesma forma da tarefa, que é um retângulo que tem cantos arredondados.

26 Atividade Para Cruz (2004, p 38), atividade é o conjunto de procedimentos que deve ser executado a fim de produzir um determinado item. Outra definição de atividade é Unidade de trabalho executada por um único responsável, que tem condições determinadas de início e fim. (KORBIELUS, 1977, apud CRUZ, 1997, p. 38). maneira: Unhelkar (2003, p. 159, tradução nossa) caracteriza atividade da seguinte A atividade descreve a responsabilidade de um determinado ator no processo. A atividade é exibida graficamente como um retângulo elíptico, e descreve o que será feito pelo ator. Atividades possuem uma sequência ou dependências. Algumas atividades também podem ser executadas em paralelo por mais de um ator. O elemento de atividade em um processo é o elemento controlador de um conjunto de tarefas dentro do processo. Portanto, o elemento atividade em si não possui a mesma existência concreta como a da tarefa Tarefa A tarefa é uma atividade atômica que é usada quando o detalhe do processo não é desmembrado, (ou seja, em um processo de baixo nível). (White e Miers, 2008, p. 226, tradução nossa). A concepção de Agrawal (2010, p. 120, tradução nossa) é: Tarefas são atividades que são realizadas no mais básico nível dentro da sua organização. Você pode criar uma estrutura em modelo de árvore para catalogar essas tarefas. As tarefas são agrupadas em trabalhos, os quais são atribuídos a um cargo. Essa função herda automaticamente todas as tarefas dentro de um determinado grupo de trabalho. Além das tarefas dentro do grupo de trabalho, outras tarefas podem ser atribuídas a essas funções separadamente.

27 27 Se tratando de tarefa, ela será o menor dos componentes de um processo, é o mais baixo nível de uma modelagem de processo, o que a torna de grande importância, pois designará a razão das atividades, sub-processos, processos, macro-processo e procedimentos. 2.2 PROCESSO DE NEGÓCIO O processo em si pode ser explicado como qualquer conjunto de atividades que são realizadas em função de chegar a um objetivo. O processo de negócio não deixa de ter o mesmo significado, porém está implícito dentro do contexto de uma empresa, corporação ou instituição. Weske (2007, p. 5, tradução nossa), em uma de suas definições sobre processo de negócio, aborda-o como: Um processo de negócio consiste em um conjunto de atividades que são executadas em coordenação em um ambiente organizacional e técnico. Essas atividades em conjunto realizam um objetivo de negócio. Cada processo de negócio é decretado por uma única organização, mas ele pode interagir com os negócios realizados por outras organizações. Para a existência de um processo de negócio, é, antes necessária a existência de um produto ou serviço e uma função/pessoa para manipular o produto/serviço. Estabelecidos esses critérios, pode-se então exercer a modelagem de processo. Weske (2007, p. 4, tradução nossa) esclarece o gerenciamento do processo de negócio sendo: O gerenciamento do processo de negócio é baseado na observação de que cada produto que a empresa oferece ao mercado, é o resultado de uma série de atividades realizadas. Processos de negócios são instrumentos fundamentais para a organização destas atividades e para a melhoria da compreensão das suas inter-relações Ambiente Na existência da adoção de uma nova concepção de trabalho, que é estabelecida pelos novos paradigmas existentes na modelagem de processo, pessoas mudam suas atitudes

28 28 em relação a sua função, além disso, o gerenciamento de ambiente, ou melhor, o gerenciamento das pessoas e seus ambientes têm que ser colocados em cheque. Nas estruturas corporativas existentes, há uma tendência natural da hierarquia de funções possuírem uma organização vertical. Na relação de processo horizontal, a participação e contribuição dos funcionários são mais intensas, o que resulta em bons frutos para a empresa. Becker et. al. (2003, p. 6 e 7, tradução nossa), explica a importância da linha de pensamento focado em processos: Um aspecto importante da linha de pensamento focado em processo é a cooperação horizontal de todos os participantes, ou seja, trabalhando em conjunto com o processo do cliente, as empresas mais bem-sucedidas, muitas vezes têm maior grau de integração das pessoas envolvidas no processo. Estratégias corporativas avançadas presumem que as companhias futuras serão estruturadas em "redes", e visualizam a disseminação de empresas virtuais com a descentralização de atividades individuais. Essas empresas são mais flexíveis e capazes de aprender que as empresas tradicionais. Eles permitem uma participação criativa de muitos funcionários dentro e fora da empresa, e motivam e gerar mais inovação e melhorar o desempenho Ator O ator pode ser determinado como uma pessoa, máquina ou sistema que possui uma função, que exerce um trabalho e que contribui para o desenvolvimento de um produto ou serviço e também fazendo uso desse produto ou serviço. Segundo Draheim (2010, p. 210, tradução nossa), a designação e a definição do ator no contexto do processo são: Atores podem ser anexados às atividades de processo de negócios e definição fluxo de trabalho. No nível de modelagem de processos de negócios a designação de um ator para uma atividade pode ter o significado de ser responsável pela atividade, que executa a atividade, que faz o trabalho da atividade e assim por diante. Em geral, os atores podem ser agentes humanos, mas também podem ser atores não humanos como máquinas ou sistemas de TI.

29 Modelagem de processos Segundo Mendling (2008, p. 11, tradução nossa), modelagem de processo é: A modelagem de processos é a atividade humana de criar um modelo de processo de negócios. A modelagem de processos envolve uma abstração do processo de negócio do mundo real, porque serve a um propósito determinado de modelagem. Portanto, apenas os aspectos relevantes para efeitos de modelagem são incluídos no modelo de processo. A modelagem de processo de negócio será um modelo mental estabelecido, geralmente, de forma gráfica, desenvolvido para entender o funcionamento de uma determinada parte de uma empresa, ou toda a empresa, dependendo do nível de detalhes estabelecidos. 2.3 TECNOLOGIAS Nesta seção, serão descritas as ferramentas tecnológicas que viabilizam a técnica de modelagem de processos. Os tópicos apresentados, Workflow, BPM e suas ramificações serão apresentados por serem amplamente usados e difundidos, fato que ocorrerá com embasamento literário de órgãos responsáveis pela padronização dessas tecnologias e autores criadores das notações Notação Eriksson-Penker Nesta seção, será passado ao leitor o significado de algumas notações/estereótipos Eriksson-Penker, as quais foram utilizadas para mapear os macro-processos do desenvolvimento deste trabalho. As extensões de negócio Eriksson-Penker fornecem um conjunto de elementos do modelo de negócios chamados estereótipos que permitem modelar e capturar a

30 30 essência de um negócio. Os estereótipos são divididos em quatro categorias: processo (process), recursos (resources) e regras (rules), metas (goals) e diversos (miscellaneous). (ERIKSSON; PENKER, 2000, p. 257, tradução nossa). a seguir: Alguns dos estereótipos Eriksson-Penker utilizados por este trabalho são descritas Um processo é uma descrição de um conjunto de atividades relacionadas que, quando corretamente realizadas, irão satisfazer um objetivo explícito. (ERIKSSON; PENKER, 2000, p. 257, tradução nossa) Figura 2 Estereótipo de processo de Eriksson-Penker. Fonte: ERIKSSON; PENKER (2000). As metas denotam estados desejados, o que significa que as metas motivam ações conduzindo mudanças de estado em uma desejada direção. (ERIKSSON; PENKER, 2000, p. 257, tradução nossa). Figura 3 Estereótipo de meta de Eriksson-Penker. Fonte: ERIKSSON; PENKER (2000). A recepção de evento de negócios, como o próprio nome, exibe um evento de negócio recebido. (ERIKSSON; PENKER, 2000, p. 257, tradução nossa). Figura 4 Estereótipo de recepção de sinal de Eriksson-Penker. Fonte: ERIKSSON; PENKER (2000).

31 31 Segundo Eriksson e Penker (2000, p. 79, tradução nossa) inputs ou entradas são objetos que são consumidos ou refinados durante o processo. Outputs ou saídas são objetos que são produzidos pelo processo ou que são o resultado do refinamento de um ou mais objetos de entrada. Figura 5 Entrada, processo e saída de objeto de Eriksson-Penker. Fonte: ERIKSSON; PENKER (2000). conforme a figura 6. Segue o macro-processo com todos os itens da notação Eriksson-Penker, Figura 6 Diagrama Eriksson-Penker Simples. Fonte: Sparx Systems (2011) Workflow A definição de workflow segundo Reijers (2003, p. 20, tradução nossa) é: Um Workflow é tido como um tipo especial de processo de negócios que possui algumas características peculiares que o colocam acima de processos de negócios.

32 32 Além disso, existem algumas características que os Workflows normalmente compartilham, embora eles não sejam essenciais. Para o órgão Workflow Management Coalition (Wfmc) (1999, p. 8, tradução nossa), workflow é definido como A automação do processo de negócio, no todo ou em parte, durante o qual documentos, informações ou tarefas são passadas de um participante para outro por ação, conforme um conjunto de regras processuais BPM (Business Process Management) O gerenciamento de processos de negócio (BPM) surgiu sendo uma evolução de outras formas de reengenharia aplicadas ao negócio das empresas. Conforme o gráfico abaixo, pode-se analisar a linha de tempo e os movimentos que foram adotados. Figura 7 O ciclo de promoção da BPM. Fonte: Jeston; Nelis, (2006), com modificações. Conforme análise da figura 7, o BPM foi precedido do movimento Business Process Reengineering (BPR) e que, por sua vez, foi precedido do movimento Six Sigma.

33 33 Uma concepção sintética sobre BPM, descrita por Jeston e Nelis (2006, p. 11, tradução nossa), é A realização de objetivos de uma organização através da melhoria de gestão e controle dos processos de negócio essenciais. Weske (2007, p. 5, tradução nossa) define que BPM inclui conceitos, métodos e técnicas para apoio à concepção, administração, configuração, aprovação e análise de processos de negócios. A OMG (2011, p. 499, tradução nossa) cuja sigla significa Object Management Group é um consórcio que fornece um ambiente comum para o desenvolvimento de aplicações, usando programação orientada a objetos, que também é responsável pela padronização do BPM, o define como: Os serviços e ferramentas que suportam o gerenciamento de processo (por exemplo, análise de processo, definição, tratamento, acompanhamento e administração), incluindo o apoio para a interação humana e de nível de aplicativo, ferramentas de BPM podem eliminar processos manuais e automatizar o encaminhamento dos pedidos entre departamentos e aplicações. Será averiguada mais uma definição de BPM, agora conforme o grupo Gartner, (2008, apud MARKOVIC, 2009, p. 14, tradução nossa), uma das mais renomadas entidades em se tratando de BPM: Um conjunto de disciplinas de gestão empresarial eficaz que aceleram a melhoria do processo, misturando métodos incrementais e transformadores. Práticas de gestão BPM fornecem a governança de um ambiente de processos de negócios com o objetivo de melhorar a agilidade e o desempenho operacional. BPM é uma abordagem estruturada que emprega métodos, políticas, métricas, práticas de gestão e ferramentas de software para gerenciar e aperfeiçoar continuamente as atividades e processos de uma organização. Segundo Cruz (2006, p. 63), BPM é descrito como: Conjunto formado por metodologias e tecnologias que possibilitam que processos de negócio integrem, lógica e cronologicamente, cliente, fornecedores, parceiros, influenciadores, empregados e todo e qualquer elemento que com eles possam, queiram ou tenham de interagir, dando ao ambiente interno e externo da organização uma visão completa e essencialmente integrada das suas operações. acerca do BPM. Com o último conceito estabelecido, pode-se agora desmembrar os detalhes

34 Ciclo de vida BPM No CBOK (Common Body of Knowledge) da ABPMP (The Association of Business Process Management Professionals), é descrito o Ciclo de Vida BPM. Nesse ciclo são relatadas as seis atividades do ciclo de vida BPM: planejamento, análise, desenho e modelagem, implantação, monitoramento, controle e refinamento. Essas atividades são regulamentadas pelos quatro conceitos primários segundo a ABPMP: valores, crenças, liderança e cultura, que podem ser vistos na próxima figura. (ABPMP, 2009, p. 35). Figura 8 Ciclo de vida BPM. Fonte: ABPMP (2009) Planejamento

35 35 No primeiro momento, o planejamento busca agregar estratégias dirigidas a processos e com isso estabelecer uma visão de gerenciamento contínuo de processos à organização. Para isso é necessário integrar as estratégias da empresa com pessoas, processos e sistemas. Além disso, o planejamento estabelece os papéis e responsabilidades de BPM, metas a serem atingidas, medições de desempenho e metodologia. (ABPMP, 2009, p. 36) Análise A análise é necessária para ter um entendimento geral do processo de negócio. Para isso, é fundamental compreender os planos estratégicos da empresa, possuir informações de modelos de processo, ambiente externo, análise de desempenho e qualquer informação que venha a agregar conhecimento para compreender o processo a ser estudado. (ABPMP, 2009, p. 37) Desenho e Modelagem O desenho do processo considera variáveis como tempo, lugar, quem e qual metodologia são aplicadas ao processo. O desenho define o que a organização quer que o processo seja e responde questões como: o quê, quando, onde, quem e como o trabalho ponta-a-ponta é realizado. (ABPMP, 2009, p. 37) Implementação

36 36 Após a aprovação do desenho do processo, ele é realizado (implementado). Novas regras e políticas podem surgir com o novo processo modelado, que também é considerado na fase de implementação. (ABPMP, 2009, p. 37) Monitoramento e Controle Na fase de monitoramento e controle, o processo já está estruturado a ponto de fornecer métricas de informação-chave de desempenho, que comparadas com as metas estabelecidas pela organização podem desencadear ajustes, redesenho ou melhorias no processo. (ABPMP, 2009, p. 38) Refinamento Quando os indicadores de desempenho obtido, através do monitoramento e medição dos processos não estão de acordo com os objetivos pretendidos pela organização, os processos são refinados até mesmo na fase de pós-implementação. (ABPMP, 2009, p. 38) BPMS Em português, a sigla BPMS pode ser redigida como Sistemas de Apoio ao Gerenciamento de Processos de Negócio. Segundo a OMG (2011, p. 499, tradução nossa), Business Process Management System (BPMS) nada mais é do que o sistema que habilita o BPM. O BPMS, onde o S pode ser designado tanto como System ou Suite, quando Suite, é um conjunto de sistemas que auxiliam a dar vida ao conceito de BPM.

37 37 Segundo Weske (2007, p. 6, tradução nossa) BPMS é um sistema de software genérico que é impulsionado por representações explícitas de processo para coordenar a adoção de processos de negócios. Figura 9 Componentes de uma suíte BPM Fonte: Gillot, (2008). Com modificações. Na figura 9, observam-se quais são os requisitos básicos de uma suíte para o fornecimento de um ambiente propício para a execução das práticas de BPM BAM O ambiente terá que oferecer: capacidade de integração com toda a arquitetura BPM; efetivação da modelagem de processos de negócios; disponibilidade de medidas através de painéis de controle (dashboards); desenvolvimento de fluxo de trabalho. Traduzindo para o português, Business Activity Monitoring (BAM) significa Monitoração das Atividades de Negócio. seguinte: Segundo Groot (2008, p. 242, tradução nossa), a definição para BAM é a Business Activity Monitoring (BAM) refere-se à definição de algumas métricas que precisam ser mantidas e as condições para alertas e ações. Comparado a um dashboard, o BAM é geralmente em tempo real e acionado por eventos e orientado em torno de processos de negócios.

38 KPI Desempenho. KPI, traduzido literalmente para o português, é o termo Indicador-Chave de A definição de Stähli de KPI (2006, p. 212, tradução nossa) é: Um Key Performance Indicator (KPI) é a medida do desempenho de uma atividade que é fundamental para o sucesso de uma organização. Além da máxima inflamada que é "Você não pode controlar o que não mede", a definição desses indicadores específicos cuja implementação e utilização trariam o benefício mais mensurável para uma organização específica. Essas medidas podem variar substancialmente de organização para organização. KPI's devem ser adaptados às definições de cada empresa BPMN Neste momento passa-se a pormenorizar a notação padrão usada em conformidade com o título deste trabalho, a BPMN. A palavra notação, semanticamente analisando, trata-se de uma norma de reprodução convencional, que utiliza sinais e outros agentes que possam ser expressos graficamente, a fim de transmitir idéias. Segundo a OMG (2011, p. 1, tradução nossa): nossa) explica: O principal objetivo do BPMN é fornecer uma notação que seja facilmente compreensível por todos os usuários do negócio, dos analistas de negócio, que criam os rascunhos iniciais dos processos, para os desenvolvedores técnicos responsáveis pela execução da tecnologia que irá executar os processos e, finalmente, para as pessoas de negócios que irão gerenciar e monitorar os processos. Assim, a BPMN cria uma ponte padrão para a distância entre o projeto de processos de negócios e a implementação dos processos. Mas qual seria a intenção para o uso dessa notação? A OMG (2011, p. 1, tradução A intenção da BPMN é a padronização de um modelo de processo de negócios e anotação em face de muitas notações de modelagem e pontos de vista diferentes. Ao fazer isso, BPMN irá fornecer um meio simples de comunicar informação para outros usuários do negócio, implementadores de processos, clientes e fornecedores.

39 39 Figura 10 Representação do BPMN Core e da estrutura de camadas. Fonte: OMG (2011). Com modificações. A especificação da BPMN é tida pela OMG (2011, p. 49, tradução nossa) como: A especificação BPMN é estruturada em camadas, em que cada camada superior é gerida e estendem-se as camadas inferiores. Um Núcleo (core) ou kernel está incluído, que contextualiza os elementos mais fundamentais da BPMN, que são necessários para a construção dos diagramas de BPMN: Processo, coreografia, e colaboração. O núcleo pretende ser simples, conciso e extensível com um comportamento bem definido Padrão de notação BPM (BPMN) A seguir, serão apresentadas as notações mais básicas do modelo BPMN publicados pela OMG, o órgão responsável por esse padrão. Mas, antes, será explanado o significado de coreografia, bastante abordado no desenvolvimento que se segue. A coreografia é um tipo de processo, mas difere em propósito e comportamento de um padrão BPMN de processo. Um processo padrão, ou uma orquestração de

40 40 processo, é mais familiar para a maioria dos modeladores do processo e define o fluxo das atividades de uma entidade parceira ou organização específica. Em contraste, coreografia formaliza o negócio da maneira em que os participantes coordenam as suas interações. O foco não está nas orquestrações do trabalho realizadas pelos participantes, mas sim sobre a troca de informações (mensagens) entre esses participantes. (OMG, 2011, p. 315, tradução nossa). Segundo Havey (2005, p. 204, tradução nossa), orquestração, por convenção, refere-se à coordenação a nível de processo de um único participante, enquanto a coreografia refere-se à visão global, abrangendo vários participantes Evento O Evento é algo que "acontece" durante o curso do processo ou de uma Coreografia. Esses eventos afetam o fluxo do modelo e, geralmente, têm uma causa (gatilho) ou um impacto (resultado). Os eventos são círculos com centros abertos para permitir indicadores internos para diferenciar distintos disparadores ou resultados. São três os tipos de eventos, com base em quando afetam o fluxo: Início, Intermediário e Final. (OMG, 2011, p. 29, tradução nossa). Figura 11 Notação de evento. Fonte: OMG (2011) Atividade Uma Atividade é um termo genérico para o trabalho que a empresa realiza em um processo. Uma Atividade pode ser atômica ou não atômica (composta). Os tipos de atividades que fazem parte de um Modelo de processo são: do Sub-processo e da tarefa, que são retângulos arredondados. As atividades são usadas em processos padronizados e coreografias. (OMG, 2011, p. 29, tradução nossa).

41 41 Figura 12 Notação de atividade. Fonte: OMG (2011) Gateway O Gateway é usado para controlar a divergência e convergência dos fluxos de sequência de um processo e em uma coreografia. Assim, ele vai determinar à ramificação, a bifurcação, a fusão e a união de caminhos. Marcadores internos indicarão os tipos de controle do comportamento. (OMG, 2011, p. 29, tradução nossa). Figura 13 Notação de gateway. Fonte: OMG (2011) Fluxo de sequência O fluxo de sequência é usado para mostrar a ordem em que as atividades serão realizadas em um processo e em uma coreografia. (OMG, 2011, p. 29, tradução nossa). Figura 14 Notação de fluxo de sequência. Fonte: OMG (2011) Fluxo de mensagem

42 42 Um fluxo de mensagens é utilizado para mostrar o fluxo de mensagens entre dois participantes que estão preparados para trocar mensagens. Em BPMN, dois pools separados em um diagrama de colaboração representarão os dois participantes (por exemplo, entidades parceiras e / ou funções parceiras). (OMG, 2011, p. 29, tradução nossa). Figura 15 Notação de fluxo de mensagem. Fonte: OMG (2011) Associação A associação é utilizada para interligar as informações e artefatos com elementos gráficos BPMN. Anotações de texto e outros artefatos podem ser associados com os elementos gráficos. A ponta da seta na associação indica uma direção de fluxo (por exemplo, dados), quando for o caso. (OMG, 2011, p. 29, tradução nossa) Figura 16 Notação de associação. Fonte: OMG (2011) Pool O pool, ou piscina, é a representação gráfica de um participante em uma colaboração. Ele também atua como uma "raia" sendo um contêiner gráfico para partilhar um conjunto de atividades de outros pools, geralmente no contexto de situações de Business-to-Business (B2B). Um pool poderá agrupar detalhes internos, sob a forma do processo que será executado, ou não terá detalhes internos, ou seja, pode ser uma "caixa preta. (OMG, 2011, p. 30, tradução nossa). Figura 17 Notação de pool. Fonte: OMG (2011).

43 Raias Uma raia é uma sub-partição dentro de um processo, às vezes dentro de um pool, e vai se estender durante toda a duração do processo seja na vertical ou na horizontal. Raias são usadas para organizar e categorizar atividades. (OMG, 2011, p. 30, tradução nossa) Figura 18 Notação de raias. Fonte: OMG (2011) Objetos de dados Objetos de dados fornecem informações sobre as atividades que necessitam ser executadas e/ou que produzem, objetos de dados podem representar um objeto singular ou uma coleção de objetos. Dados de entrada ou saída fornecem as mesmas informações para os processos. (OMG, 2011, p. 30, tradução nossa). Figura 19 Notação de objeto com dados. Fonte: OMG (2011) Mensagem

44 44 A mensagem é usada para descrever o conteúdo da comunicação entre dois participantes (definida por uma entidade parceira de negócios ou uma função parceira de negócios). (OMG, 2011, p. 30, tradução nossa). Figura 20 Notação de mensagem. Fonte: OMG (2011) Grupo Alguns grupos contêm elementos gráficos que estão dentro de uma mesma categoria. Esse tipo de agrupamento não afeta a sequência dos fluxos dentro do grupo. O nome da categoria aparece no diagrama como o rótulo de grupo. As categorias podem ser usadas para documentação ou para fins de análise. Os grupos são uma maneira em que as categorias dos objetos podem ser visualmente exibidas em um diagrama. (OMG, 2011, p. 30, tradução nossa). Figura 21 Notação de grupo. Fonte: OMG (2011) Anotação textual As anotações textuais são um mecanismo de modelagem que fornecem informações de texto adicional para o leitor em um diagrama BPMN. (OMG, 2011, p. 30, tradução nossa).

45 45 Figura 22 Notação de anotação textual. Fonte: OMG (2011). A seguir, são apresentadas notações mais detalhadas. A figura 22 ilustra uma especificação de eventos e gateways com um nível maior de detalhes, que podem ser utilizados em diagramas de atividades em casos específicos. Figura 23 Eventos presentes na notação BPMN. Fonte: Reis (2008).

46 46 A figura 22 ilustra a especificação de atividades com um nível maior de detalhes, que podem ser utilizados em diagramas de atividades em casos específicos. Além disso, são vistos na figura 23 a notação pool e dados. Figura 24 Atividades presentes na notação BPMN Fonte: Reis (2008)

47 FERRAMENTAS Para ilustrar um pouco do que as ferramentas de modelagem de processos têm para oferecer, serão desdobradas características das mesmas na visão das empresas que as concebem. Para não estender-se muito na apresentação de diversas ferramentas BPM, será focado em 3 das ferramentas mais populares quando o assunto é Modelagem de Processos de Negócio: Blueworks Live, Oracle BPM Studio e Intalio IBM (Blueworks Live) O Blueworks Live é uma solução da International Business Machines (IBM) em se tratando de BPM baseado em computação nas nuvens: são listadas como: As características apresentadas por Underdahl (2011, p. 26) da solução da IBM simplicidade na automatização de processos; integração com a comunidade BPM; relatórios e dashboards embutidos; governança; descoberta e documentação de processos complexos; encontrar: No web site da IBM, que caracteriza sua ferramenta, o Blueworks live, pode-se 1) As propriedades de descoberta e manutenção que são listadas a seguir: desenvolvimento e descoberta de processos colaborativos; ferramenta visual para manipulação de atividades; importação de documentos para Excel, Word, Visio, em arquivo PDF, BPMN 2.0 e XPDL para execução no websphere Lombardi Edition; controle sobre a frequência da documentação de processos; colaboração centralizada e auxílio de redes sociais; comunidade privada; comunidade pública;

48 48 controle de acesso; simplicidade na automatização de processos; 2) Características de segurança e privacidade da ferramenta são: garantia de privacidade e segurança; servidores com segurança física; segurança de rede; criptografia de dados; segurança do sistema operacional; confiabilidade e backup; recuperação de desastres. 1 A ferramenta Blueworks Live não será utilizada no desenvolvimento do projeto. Foram definidas pelo autor três empresas com renome mundial e suas respectivas ferramentas BPM. Nessa apresentação, porém existe uma gama de ferramentas que auxiliam na modelagem de processo de negócio, como Bizagi, JBPM e outras. Cada uma com suas peculiaridades e limitações Oracle BPM Studio (ferramenta proprietária) Encontram-se no Site do Oracle BPM as seguintes características: 1) Características do Studio modelagem de BPMN amigável para o usuário; workflow, regras, e editor de formulários; integração flexível via introspecção; simulação de multiprocessos; ambiente para teste e depuração; modelagem em multilinguagem e documentação; organização, regras, calendário e regras de feriados; 2) Características de interação do usuário interface baseada em Web para usuários finais; características de desenvolvimento colaborativo; java Server Faces (JSF) customizáveis; acesso baseado em funções; visualizações customizáveis; 1 Conteúdo retirado, adaptado e traduzido da página de internet da IBM

49 49 integração com Microsoft Office; envio simples de notificações; 3) Características de dashboard: processo de monitoramento de atividade (KPI); geração de relatórios próximos ao tempo real; acompanhamento de KPI; gráficos e tabelas gráficas; dashboards pré-construídos; configurável pelo usuário final; detalhe drill-down (capacidade de efetuar análise em diferentes patamares de tempo); 4) Características do Servidor suporte à múltipla plataforma; suporte à Extensible Markup Language (XML) Process Definition Language (XPDL); multiversão de instâncias de processos; ligação dinâmica a serviços; administração baseada em console Web; alto desempenho e servidores escalonáveis 2 Figura 25 Arquitetura do Oracle BPM Studio. 2 Conteúdo retirado, adaptado e traduzido da página de internet da Oracle.

50 50 Fonte: Oracle (2011). A figura acima demonstra toda a estrutura da suíte BPM da Oracle. Neste trabalho será utilizado apenas o Oracle BPM Studio para o desenvolvimento do protótipo, sem mais nenhum recurso desta suíte Intalio (ferramenta com versão gratuita) Encontram-se no Site Intalio BPMS as seguintes características mais relevantes: acesso a plataforma BPM através da Web, e em qualquer Navegador; comunidade para fomentar a colaboração; suporte a BPMN 2.0; suporte a Activity Based Costin; gerenciamento ao ciclo de vida BPM; depuração interativa; implantação em nuvem; suporte a Enterprise Service Bus; gerenciamento de tarefas humanas através do padrão WS-HumanTask; suporte a Dashboard; console Administrativo; melhoria continua de processos; acesso baseado em funções. 3 3 Conteúdo retirado, adaptado e traduzido da página de internet do Intalio BPMS (http://www.intalio.com/bpm/features).

51 51 Figura 26 Ciclo de vida Intalio. Fonte: Intalio (2011). 2.5 LINGUAGENS A seguir, serão apresentadas as linguagens de programação mais comuns utilizadas para a modelagem de processos de negócio. Essas linguagens têm como objetivo convergir as diversas estruturas que possam pertencer a um processo de negócio. Essas estruturas podem ser um software, banco de dados, modeladores gráficos de processo, outras linguagens de programação e, também, serviços que auxiliem o processo BPEL Segundo Havey (2005, p. 103, tradução nossa): A linguagem de execução de processos de negócios (BPEL4WS, geralmente abreviado para BPEL que em inglês rima com "people") é, como sugere o nome, uma linguagem para a definição e execução de processos de negócios. Embora não seja a única linguagem de processos padrão, o BPEL é o mais popular, e está começando a dominar o espaço de processo.

52 52 BPEL (Business Process Execution Language for Web Services, também WS- BPEL, BPEL4WS) é uma linguagem utilizada para composição, orquestração e coordenação de serviços web. (Jurič; Mathew; Sarang, 2006, p. 5, tradução nossa) BPML Segundo Willis (2008, p. 59, tradução nossa): BPML é composta de linguagem de programação estruturada em blocos. Tem a estrutura de blocos recursiva que desempenha um papel importante em questões de abrangência, que são relevantes para a declaração, definições e execução do processo. O controle de fluxo (roteamento) é gerido pelo bloco de conceitos estruturados em que todas as atividades são organizadas em blocos sequencialmente. Além desse conceito, Willis (2008, p. 60, tradução nossa) complementa que BPML é concebida como uma linguagem formal completa com a capacidade de modelar todo processo e, através de um BPMS, implantado como um processo de software executável sem geração de qualquer código de software. 2.6 CONSIDERAÇÕES FINAIS A revisão bibliográfica do conteúdo é importante, pois estabelece os conceitos necessários para que o autor tenha conhecimento do que mais tarde será praticado no desenvolvimento. A fundamentação do trabalho se dá neste capítulo. Os conceitos viabilizarão o entendimento do que é descrito no desenvolvimento, inclusive elucidando ao leitor do trabalho o significado dos termos utilizados.

53 53 3 METODOLOGIA Conforme o Dicionário Aurélio (2004), metodologia é um conjunto de métodos, regras e postulados utilizados em determinada disciplina e sua aplicação. Serão abordados, neste capítulo, os tipos de métodos e tipos de pesquisa e também será determinado que método e pesquisa serão utilizadas para a confecção desta monografia. Serão determinadas as etapas do desenvolvimento do trabalho. Também serão descritas as delimitações para estabelecer o foco do projeto. 3.1 MÉTODO De acordo com o Aurélio (2004), método pode ter os seguintes significados: 1. procedimento organizado que conduz a um certo resultado; 2. processo ou técnica de ensino; 3. modo de agir, de proceder; 4. regularidade e coerência na ação; 5. tratado (3) elementar. 1. Procedimento organizado que conduz a certo resultado. Para a elaboração deste trabalho, será utilizado o método científico. Método científico é o conjunto de processos ou operações mentais que se devem empregar na investigação. É a linha de raciocínio adotada no processo de pesquisa. Os métodos que fornecem as bases lógicas à investigação são: dedutivo, indutivo, hipotético-dedutivo, dialético e fenomenológico (GIL, 1999; LAKATOS; MARCONI, 1993, apud SILVA, 2005). 3.2 CARACTERIZAÇÃO DO TIPO DE PESQUISA Gil (1996, p. 19) caracteriza pesquisa da seguinte forma: Pode-se definir pesquisa como o procedimento racional e sistemático que tem como objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. A pesquisa é requerida quando não se dispõe de informação suficiente para responder ao

54 54 problema, ou então quando a informação disponível se encontra em tal estado de desordem que não possa ser adequadamente relacionada ao problema. Silva (2005, p. 20) aponta que a natureza da pesquisa pode ser classificada como: Pesquisa Básica: objetiva gerar conhecimentos novos e úteis para o avanço da ciência sem aplicação prática prevista. Envolve verdades e interesses universais. Pesquisa Aplicada: objetiva gerar conhecimentos para aplicação prática e dirigidos à solução de problemas específicos. Envolve verdades e interesses locais. Neste trabalho será utilizada a pesquisa aplicada, pois será feita uma reengenharia no modelo de processos de negócios de uma parte específica do setor de recursos humanos do Poder Judiciário de Santa Catarina. Serão aplicados os conceitos de modelagem de processos para o desenvolvimento deste projeto. Silva (2005, p. 20) esclarece que a abordagem do problema pode ser qualitativa ou quantitativa. Em função do desenvolvimento deste trabalho resultar em melhorias de desempenho dos processos, pode-se concluir que o mesmo terá uma abordagem qualitativa, pois terá um despendimento menor de tempo ao serem efetuadas as tarefas por parte dos atores inclusos ao processo. Do ponto de vista de seus objetivos, este trabalho se classifica como uma pesquisa exploratória, pois serão feitas buscas nas atuais leis a fim de saber qual é o atual fluxo de processos, e também serão observadas onde existem gargalos de processo. Enfim, este trabalho apresenta uma revisão bibliográfica e o desenvolvimento de um estudo de caso, o que reafirma que se trata de uma pesquisa exploratória. (SILVA, 2005, p. 21). Do ponto de vista técnico (GIL 1991, apud SILVA, 2005, p. 21), este trabalho terá duas abordagens: Estudo de caso: que será a modelagem do atual processo do setor de recursos humanos, e posterior remodelagem a fim de melhorar este processo. Pesquisa bibliográfica: busca de referências de itens do assunto por este trabalho prestado em livros e documentos que foram jugulados através de avaliação científica.

55 ETAPAS Etapa 1: Introdução. Definição do problema que será resolvido, também será apresentada a justificativa da importância da solução do problema e o objetivo que se persegue ao se resolver o problema escolhido. Etapa 2: Estudo através de referências bibliográficas. Reunião das definições bibliográficas referentes à BPM e demais ferramentas que auxiliarão no desenvolvimento deste projeto. Etapa 3: Metodologia Definição dos caminhos tomados para o desenvolvimento deste trabalho sob uma visão científica. Etapa 4: Modelagem. Entendimento do atual processo e sistema existente que auxilia no processo. Pesquisa, nas leis estaduais vigentes do processo para conhecimento detalhado do mesmo. Verificação da documentação existente sobre o processo. Verificação das limitações legais. Documentar as possíveis regras de negócio existentes. Estabelecer quem efetua cada atividade, quando e como. Estabelecer melhorias que possam ser feitas no processo. Etapa 5: Desenvolvimento Estabelecer graficamente as atividades existentes no contexto do processo atual. Estabelecer melhorias do atual processo. Testes e Validação. Apresentar o processo em ambiente de execução pelos atores. Verificar o quanto as mudanças feitas puderam melhorar o processo. Proposta de solução. Apresentar a automatização do processo nas ferramentas Intalio e Oracle BPM Studio.

56 ETAPAS METODOLÓGICAS Na figura 27, estão os itens mais relevantes da elaboração do trabalho. Na atividade da escolha do tema, escolhe-se por BPM. A introdução do trabalho terá como conteúdo a justificativa, o objetivo e o problema e a questão de pesquisa. Na atividade de busca de fontes bibliográficas, está a pesquisa para o desenvolvimento da revisão bibliográfica. Na atividade metodologia está o item atual, sendo explicado nesse momento. Então é passado para o desenvolvimento, o que é dado mais ênfase, pois é o momento quando serão praticados todos os tópicos estudados até então. Na atividade de recolher informações de processo nas leis estaduais, busca-se criar um modelo mental em conformidade com a realidade, existe um gateway após essa atividade, que serve para buscar informações relevantes em conformidade com as leis do processo até a concretização desse modelo mental. Com o modelo mental estabelecido, é o momento de passá-los para as ferramentas adequadas, então, são criados os fluxogramas de acordo com as informações do processo recolhidas através das leis. Estes fluxogramas são representados por um objeto de dados visto na revisão bibliográfica. Na atividade de estabelecer melhorias no processo, é feita uma remodelagem no processo, a fim de melhorá-lo. A última etapa é a atividade modelar melhorias. Na atividade de desenvolvimento do protótipo nas ferramentas Intalio e Oracle BPM Studio, são criados os modelos de processos de negócio em ambas as ferramentas. É exposto neste trabalho, o ambiente, em que os atores usarão para praticar o processo de licença saúde. E, por fim, são documentos neste trabalho os resultados e, conclusões obtidas com o desenvolvimento do processo nas ferramentas. Todos os itens descritos serão verificados na figura 27.

57 57 Figura 27 Diagrama de atividades deste trabalho Fonte: O autor 3.5 DELIMITAÇÕES Este trabalho ficará restrito a modelagem parcial de um único processo existente na diretoria recursos humanos do TJSC. Não será implementado um sistema com base nos dados obtidos do desenvolvimento do novo processo, apenas um ambiente desenvolvido através das ferramentas BPM Oracle BPM 10 e Intalio, além disso, a persistência dos dados gerados nessas ferramentas se dará por bancos de dados internos das próprias ferramentas.

58 58 Em virtude da constituição brasileira não considerar legal documentos digitalizados que não sejam assinados digitalmente, este trabalho abordará a digitalização de documentos como uma proposta de solução para o problema definido no desenvolvimento. Não serão consideradas para a elaboração do novo processo todas as leis existentes dentro do processo de licença saúde do TJSC, serão consideradas apenas regras capazes de esboçar e demonstrar um protótipo do processo de licença saúde. Não serão exibidos resultados com BAM, ou KPI no resultado deste trabalho. Ambos os itens, foram abordados no referencial teórico, para explanar os recursos que o BPM pode trazer. Não serão abordadas no desenvolvimento do trabalho as linguagens de orquestração BPEL ou BPML. Ambos os itens, foram abordados no referencial teórico, para explanar os recursos que o BPM pode trazer. Não haverá validação com os atores do processo. As informações de melhorias foram estabelecidas pelo autor do trabalho, dessa forma, esse trabalho não será utilizado no exercício de trabalho dos atores do processo. Fato que restringe o trabalho a um estudo de caso, ou hipótese, apenas teórico. Não serão usadas quaisquer etapas de desenvolvimento do ciclo de vida BPM, estabelecidas pela ABPMP. A abordagem no referencial teórica é para ilustrar uma metodologia existente entre diversas outras. No item do capítulo pesquisa, processos de exemplificação do TJSC, os processos podem não condizer com a realidade. Foram elaborados estes processo a fim de explanar ao leitor uma visão macro de uma empresa, no caso em específico, do TJSC. 3.6 CONSIDERAÇÕES FINAIS A metodologia consiste nos passos que serão feitos para se praticar o desenvolvimento do projeto. A partir da metodologia pode ser estabelecido o planejamento, cronogramas e iniciar a pesquisa aplicada. Além disso, na metodologia, é determinado o rumo que o projeto tomará, através da análise do tipo de projeto e métodos diversos.

59 59 4 TJSC Este capítulo terá como conteúdo uma apresentação histórica, função e alguns processos de exemplo do TJSC. Também serão apresentadas leis existentes que norteiam o processo de licença saúde do TJSC. 4.1 PODER JUDICIÁRIO Antes de iniciar o desenvolvimento do projeto, será passada ao leitor uma idéia de como surgiu o Poder Judiciário no Brasil e também quais são as funções do Poder Judiciário. Dessa forma, o leitor terá um entendimento da importância do TJSC e, consequentemente na compreensão desenvolvimento deste trabalho História do Poder Judiciário no Brasil A origem do Poder Judiciário no Brasil teve seus primeiros sinais no período colônia. O poder judiciário foi trazido de Portugal e baseado na estrutura que existia naquele país, onde o rei tinha como uma das suas funções a administração da Justiça, administração essa que também era feita por diversos juízes, então chamados de ouvidores do crime ou cível que compunham a Casa da Suplicação que era a Corte Suprema para Portugal e suas colônias. (MENDONÇA, 2006, p. 12). Em 1530, desembarcou no Brasil Martim Afonso de Souza que possuía poderes quase ilimitados na esfera jurídica, política, militar, criminal e tantas outras, por decreto de João III que visava a explorar e a colonizar o território brasileiro. (SALGADO 1985, p. 48, apud MENDONÇA, 2006, p. 12; SOUZA 2006, apud MENDONÇA, 2006, p. 13).

60 60 Com a visita do Português Martim Afonso de Souza ao Brasil, deu-se o início ás capitanias hereditárias. (NETO 2001, p. 30, apud MENDONÇA, 2006, p. 13). Em 1549, foi instalado no Brasil o Governo-Geral e ficavam delegadas ao Ouvidor-Geral as funções jurídicas e administrativas, o que fez com que os antigos ouvidores se tornassem Ouvidores-Gerais com poderes quase ilimitados. (MENDONÇA, 2006, p. 14). Em 1609, com o necessidade de diminuir os poderes dos ouvidores, foi instalado um primeiro Tribunal de Relação na Bahia e um segundo, em 1751, no Rio de Janeiro, este último mais tarde tornou-se a Casa de Suplicação para todo o Reino. (MENDONÇA, 2006, p. 14). Ao fim do período colonial, o poder judiciário já apresentava uma madura organização composta por: Primeira instância: Juiz de Vintena (para lugares com mais de vinte famílias) Juiz Ordinário (escolhido pela população local) Juiz de Fora (aplicava as leis, nomeado pelo rei) Segunda instância: Relação da Bahia e Relação do Rio de Janeiro Terceira instância: Casa da Suplicação, Desembargo do Paço (tribunal para clemência, com pena de morte). (MENDONÇA, 2006, p. 14). Segundo Mendonça (2006, p. 15), mais uma vez a estrutura judiciária é modifica, pela Constituição de 1824, conforme segue: Primeira instância: Juiz de Paz e Juiz de Direito; Segunda instância: Tribunais de Relação; Terceira instância: Supremo Tribunal de Justiça; Na estrutura judiciária republicana da Constituição de 1891, já com a função de ouvidor extinta, o antigo Supremo Tribunal de Justiça torna-se Supremo Tribunal Federal e também os Tribunais de Relação tornam-se os Tribunais de Justiça dos Estados. (MENDONÇA, 2006, p. 16). Com a Revolução de 1930, foi instaurada a Justiça Eleitoral e, consequentemente, em 1932, instalado o Tribunal Superior Eleitoral e os Tribunais Regionais Eleitorais juntamente com a Justiça Militar estabelecidos pela Constituição de Foi nesse patamar da história brasileira que o Senado Federal passou a ter autonomia de suspender qualquer lei ou ato inconstitucional introduzido pelo Poder Judiciário. (MENDONÇA, 2006, p. 16).

61 61 A constituição de 1937 extinguiu a Justiça Eleitoral e Federal, que foi revivida pela Carta de 1946, que inclusive criou o Tribunal Federal de Recursos e trouxe a Justiça do Trabalho para o poder Judiciário. (MENDONÇA, 2006, p. 16). Em 1968, o Ato Institucional nº 5 concedeu ao Chefe do Poder Executivo total controle sobre os magistrados e, por fim, Ato Institucional nº 5 diminui os dezesseis ministros para o total de onze. (MENDONÇA, 2006, p. 16). Com a constituição de 1988, foram criados o Superior Tribunal de Justiça (cúpula de justiça comum, federal e estadual), Tribunal Superior do Trabalho (TST), Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e Superior Tribunal Militar (STM), os dois últimos nas Justiças especializadas. (MENDONÇA, 2006, p. 16). A formação do poder Judiciário no período republicano ficou da seguinte forma: Primeira instância: Juízes Federais e Juízes de Direito Segunda instância: Tribunais de Justiça e Tribunais Regionais Federais Terceira instância: Superior Tribunal de Justiça Quarta instância: Supremo Tribunal Federal (MENDONÇA, 2006, p. 14) Funções do Poder Judiciário O Poder Judiciário é um dos pilares que formam a tríade do Estado, juntamente com o poder Legislativo e o Executivo, constituindo os três poderes da União. O Poder Judiciário é organização do Estado que agrega os exercícios jurisdicionais. (MENDONÇA, 2006, p. 17). O Poder Judiciário é um conjunto de elementos pessoais e materiais interrelacionados, que tem a finalidade específica de assegurar o desempenho da função jurisdicional do Estado. Da mesma maneira como o Poder Legislativo e o Poder Executivo são as organizações que asseguram o desempenho das funções legislativas e administrativas, o Judiciário assegura a função jurisdicional. (ROCHA 2003, p. 98, apud MENDONÇA, 2006, p. 17). Para Mendonça (2006, p. 18), o Poder Judiciário possui, além da função jurisdicional, mais duas funções básicas, a legislativa e a administrativa: A função legislativa é exercida pelo Judiciário quando da elaboração dos seus regimentos internos (art. 96, inc. I, a, da CF) e da iniciativa de leis de organização judiciária (arts. 93 e 125, 1º, da CF). A função administrativa, por sua vez, corresponde à administração de sua própria organização, dependendo dela o controle de finanças e materiais, bem como dos juízes, no que tange as nomeações, promoções e outros.

62 62 A modelagem do processo de negócio de licença saúde, está embutido dentro da função administrativa do TJSC, em que está a diretoria de recursos humanos, a qual será dada ênfase para a concretização deste trabalho. 4.2 PROCESSOS DO TJSC A figura 28 retrata várias etapas dos processos do TJSC, desde o momento em que uma pessoa decide entrar no TJSC até o momento quando se torna servidor púbico que será tratado como colaborador. O colaborador dispõe de vários serviços garantidos por direito por ser um servidor público, lembrando que os processos, que serão exibidos na figura 28 são apenas para demonstrar uma estrutura global do funcionamento do TJSC, ou seja, o processo que será estudado será o processo de licença saúde, o qual está destacado na figura 28 dentro de um retângulo sólido. Os demais processos servem apenas para retratar um macro processo e, portanto, não serão abordados Processos de exemplificação do TJSC 1º processo - Estudar para a prova: consiste em se preparar para efetuar a prova para ingressar no serviço público. Como entradas desse processo, existem os livros e também apostilas, aulas e professores que auxiliaram no ganho de conhecimento, além de outras entradas. Como saída terá o acréscimo de conhecimento sobre o assunto estudado. 2º processo Inscrever-se na prova. Como entrada, terá os dados do participante. Ao inscrever-se, será gerado um boleto, e o estudante haverá de saber qual o local para realização da prova. 3º processo Realizar a prova. Terá como objetivo a aprovação para poder ingressar no TJSC e, como saída o ingresso no TJSC.

63 63 4º processo Executar função no TJSC. Serão as atividades que o servidor executará dentro do TJSC. 5º processo Entrar em férias. Após um ano de trabalho como servidor público, a pessoa terá o direito de gozar as férias. 6º processo Retirar a licença prêmio. Após cinco anos de trabalho como servidor público, será garantido o direito de gozar a licença prêmio. 7º processo Retirar a licença sem vencimento. O servidor poderá entrar em acordo com a instituição a fim de ausentar-se em função de algum motivo de interesse próprio. 8º processo Licença maternidade: quando dada a notícia de licença maternidade, a futura mãe poderá ausentar-se durante período determinado pela instituição. Quando pai também haverá a garantia por direito, porém com tempo reduzido em relação ao da mãe (caso essa for servidora pública). 9º processo Retirar licença saúde: Será o processo explodido e estudado profundamente através do diagrama de atividades. Existe quando o servidor se vê na necessidade de ausentar-se do TJSC a fim de tratamento de saúde. Como entrada desse processo, existe o requerimento o qual é disponibilizado em formato digital na página do TJSC (http://app.tjsc.jus.br/formres/) e também o atestado médico diagnosticando a enfermidade. Como objetivo será disposto para o servidor tempo necessário para tratar de sua saúde.

64 64 analysis Exemplo Gozar férias Retirar-se do TJSC no período de férias Tempo para realizar tratamento de saúde «goal» Entrar em Férias «output» Retirar licença sem v encimento Dispor de tempo para efetuar tarefas específicas de interesse do servidor «output» «goal» Gozar licença «output» Retirar licença saúde «input» «input» Atestado médico «input» Tempo superior a um ano de serv iço prestado «input» Fazer solicitação ao TJSC Requerimento de licença saúde Retirar-se do TJSC no período da licença prêmio «output» Retirar Licença prêmio Ativ idade executada Gozo da licença maternidade Afastamento para cuidar da criança «goal» Gozar licença prêmio «input» Tempo de serv iço superior a 3 anos «output» «goal» Realizar atividade «goal» «output» Licença maternidade Mão de obra do funcionário «input» Executar função no TJSC Horário e local Boleto para pagamento Realizar prova «input» Av iso de maternidade Trabalhar no TJSC «output» Realizar prova Participante Se tornar servidor público do TJSC «input» «goal» Informação adquirida ao estudar Poder Trabalhar no TJSC Aulas sobre o assunto Dados do participante «input» «input» «input» «output» Estudar para prova «output» Inscrev er-se para a prov a «input» «input» «goal» «output» «goal» «input» Conhecimento para ser aprov ado na prov a do TJSC Obter conhecimento sobre determinado assunto Simulados Professor Liv ros Apostilas Figura 28 Diagrama de exemplo de processos do TJSC. O autor.

65 CONFORMIDADE LEGAL DO PROCESSO DE LICENÇA SAÚDE Para mapear algumas das regras existentes na atividade de licença saúde, serão tomadas, como embasamento, as leis estaduais vigentes para tal, porque o Tribunal de Justiça é uma instituição pública estadual Cabe à Diretoria de recursos humanos despacho de licença saúde Eletrônico (2006, p. 4): Conforme a resolução número 18/2006-GP, disposta no Diário da Justiça Art. 2º Fica delegada competência ao Diretor de Recursos Humanos para, em relação aos servidores da Secretaria do Tribunal de Justiça e da Justiça de Primeiro Grau: I - proferir despacho final: a) em pedidos de licença: 1. para tratamento de saúde; 2. por motivo de doença em pessoa da família Licença para tratamento de saúde O artigo 64 da subseção II do Estatuto dos Servidores Públicos e Legislação correlata determina que, por motivo de saúde, o funcionário público pode-se afastar por no máximo até 2 anos, prorrogáveis por período igual, apresentando documento que comprove e descrimine a patologia de motivo de afastamento. O parágrafo único do artigo 64 estabelece que a licença apresentada após 60 dias será considerada como prorrogação. (SANTA CATARINA, Lei n de 28 de dezembro de 1985). A Administração Pública, o funcionário ou o representante do funcionário pode entrar com o pedido de licença saúde, conforme o artigo 66. O parágrafo primeiro delega à chefia imediata a apresentação do funcionário à inspeção médica. O funcionário não poderá se

66 66 recusar a inspeção médica, com pena de suspensão da licença, conforme parágrafo segundo. (SANTA CATARINA, Lei n de 28 de dezembro de 1985). A inspeção médica poderá ser feita por médico oficial como por outros especialistas. É discriminada no parágrafo primeiro a admissão de laudo médico de profissionais oficiais ou não credenciados. Não sendo aprovado o laudo médico, é considerada a ausência do funcionário como licença para tratamento de interesses pessoais, isentando o médico avaliador de quaisquer responsabilidades sobre tal. (SANTA CATARINA, Lei n de 28 de dezembro de 1985). O funcionário que exercer quaisquer atividades remuneradas no período de licença terá a mesma cassada, descreve o artigo 68. (SANTA CATARINA, Lei n de 28 de dezembro de 1985) Licença por motivo de doença em pessoa da família Na o artigo 69 da subseção III do Estatuto dos Servidores Públicos e Legislação correlata, está determinado que, por doença de cônjuge, parentes, afins até 2º grau ou dependentes será concedida licença de até 365 dias para o servidor público estadual, podendo ser prorrogada por mais 365 dias. (SANTA CATARINA, Lei n de 28 de dezembro de 1985). O parágrafo primeiro do artigo 69 determina que seja necessário apresentar laudo médico ao órgão de saúde oficial. (SANTA CATARINA, Lei n de 28 de dezembro de 1985). Já, o segundo parágrafo descreve que, até o terceiro mês de afastamento, o servidor público receberá o salário integral, até um ano, ficará reduzido a 2/3 e, esse período estendendo-se dois anos o servidor receberá metade de seus proventos. (SANTA CATARINA, Lei n de 28 de dezembro de 1985). O terceiro parágrafo do artigo 69 estabelece que a jornada de trabalho do servidor pode ser reduzida até uma quarta parte, renovando-se, a cada noventa dias, nas seguintes situações: dependente com diabetes insulino até oito anos de idade, hemofilia, hemodiálise,

67 67 distúrbios mentais e doenças em fase terminal. (SANTA CATARINA, Lei n de 28 de dezembro de 1985) Competências da Junta Médica Através da resolução número 29/2006-GP, disposta no Diário da Justiça Eletrônico (2006, p. 1), podem ser observados os seguintes critérios sobre competências: Art. 1º A Junta Médica Oficial do Poder Judiciário será constituída de 3 (três) membros titulares e 3 (três) suplentes, indicados pelo Diretor de Saúde e designados pelo Presidente do Tribunal de Justiça. Nos parágrafos do artigo segundo, são determinadas as competências do Chefe da Junta Médica. (PODER JUDICIÁRIO DE SANTA CATARINA, 2006, p. 1): compete ao Chefe da Junta Médica fiscalizar, controlar e acompanhar os trâmites do órgão, como também fazer cumprir o Estatuto dos Servidores Públicos de que trata a Lei n No Artigo 3º, são discriminadas as competências da Junta Médica Oficial: emitir parecer em processos de licença saúde superior a três dias e demais trâmites relacionados à saúde dos funcionários do TJSC. (PODER JUDICIÁRIO DE SANTA CATARINA, 2006, p. 1) Com número de protocolo, autuado e com os seus devidos documentos, os pedidos de licença devem ser encaminhados à Junta Médica. (PODER JUDICIÁRIO DE SANTA CATARINA, 2006, p. 3). Os pedidos autuados serão analisados por um dos membros da Junta Médica escolhido aleatoriamente. Quando solicitado prorrogação, o pedido será analisado por outro membro da Junta Médica. (PODER JUDICIÁRIO DE SANTA CATARINA, 2006, p. 3). No Foro, os pedidos passarão pelo Secretário que encaminhará o mesmo para a Junta Médica, e quando concluído, encaminhará a Diretoria de Recursos Humanos. (PODER JUDICIÁRIO DE SANTA CATARINA, 2006, p. 3). As licenças médicas deferidas ou indeferidas deverão ser informadas à Diretoria de Recursos Humanos e à Junta Médica pelo Secretário do Foro. (PODER JUDICIÁRIO DE SANTA CATARINA, 2006, p. 3).

68 68 Em envelope lacrado, todos os atestados devem ser encaminhados para registro na Junta Médica. (PODER JUDICIÁRIO DE SANTA CATARINA, 2006, p. 3). 4.4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Através desse capítulo, é possível ter uma idéia do funcionamento do TJSC, a razão histórica do mesmo e ter o conhecimento da importância desta instituição para a sociedade catarinense. Em relação ao processo de licença saúde, as leis expostas, neste capítulo, são fundamentais para o entendimento das regras do processo de licença saúde. Regras essas que serão utilizadas parcialmente para a elaboração das regras de negócio, requisitos funcionais e determinar as variáveis do diagrama de classe e estabelecer os atores do processo do capítulo seguinte.

69 69 5 MODELAGEM Neste capítulo, será explicado e modelado o processo como está atualmente no TJSC. O mesmo processo será remodelado e explicada a sua melhoria. Serão expostos os atores do processo, diagrama de casos de usos, diagrama de classe, regras de negócio e requisitos funcionais. 5.1 MODELAGEM DE PROCESSOS DE LICENÇA MÉDICA DO TJSC Nesse patamar do desenvolvimento será exibido o processo no seu atual momento, conforme a literatura o As is e também o momento To be do processo, como foi remodelado Funcionamento do processo no atual momento, As is A seguir, são apresentados os detalhes de como funciona o processo atualmente Atores no momento atual do funcionamento do processo o As is Para o entendimento do processo de licença de saúde, é fundamental entender a hierarquia dos setores dentro do TJSC. Basicamente, existem no patamar mais elevado as diretorias, dentro das diretorias existem as divisões e dentro das divisões existem as seções, então a estrutura fica dessa forma: Diretoria (um diretor) Divisão (um chefe de divisão) Seção (um chefe de seção) e os demais servidores, estagiários e terceirizados dentro das seções.

70 70 Os atores que participam do processo no momento As is : Colaborador (servidor público) Sistema Secretaria do Foro Da Diretoria de Documentação e Informações (DDI) Da Divisão de Atendimento ao Usuário (DAU) + Seção de Protocolos (SP) Divisão de Arquivo Central (DAC) Da Diretoria de saúde (DS) Junta Médica (JM) Da Diretoria de Recursos Humanos (DRH) Diretor Da Divisão de Registros e Informações Funcionais (DRIF) +Seção de Direitos e Deveres (SDD) +Seção de Registro de Informação (SRI) de licença saúde. A figura 29 representa o organograma dos atores participantes no atual processo Figura 29 Organograma dos setores participantes do processo atualmente O autor

71 71 Em virtude das melhorias do processo, todos os atores pertencentes ao organograma da figura 29, que estão circulados por uma elipse, serão eliminados. A figura 30 ilustra todos os atores participantes do diagrama de processo de licença saúde no atual momento. Figura 30 Diagrama de atores participantes do processo atualmente O autor Atividades do funcionamento do processo atualmente, o As is Conforme a figura 31, ou modelo As is, as atividades do processo de retirada de licença saúde são: O primeiro passo do processo é a requisição do colaborador para a Licença de Tratamento de Saúde. Para isso, o colaborador terá que ter em mãos o atestado médico com o diagnóstico da enfermidade. Além disso, o colaborador terá que acessar ao site do TJSC e preencher o formulário que está na seguinte página de internet: Após o preenchimento desse formulário, imprimi-lo e despachá-lo para a secretaria do foro que irá colocar os documentos em um malote para o setor responsável pela expedição, lembrando que esse procedimento, a entrega do atestado e requerimento anexado, deve ocorrer no máximo em 48 horas após o afastamento do colaborador. Quando o

72 72 colaborador estiver no TJSC não será necessário encaminhar os documentos para a secretaria, apenas entregará os documentos na seção de registro e de informação. O segundo passo será a expedição para a seção de protocolos protocolar o requerimento mais o atestado, dessa forma, será disponibilizado um número de processo para a pesquisa no protocolo administrativo. O terceiro passo é o envio dos documentos para a junta médica que avaliará o atestado e fará o deferimento ou não do pedido de afastamento do colaborador. Caso o pedido de afastamento seja indeferido, a informação será passada a DRIF para comunicar ao colaborador sobre tal. O quarto passo, quando deferido pedido, a seção de registro e de informação cadastrará o deferimento do pedido na ficha cadastral do colaborador, e será emitido um para o colaborador com essa informação. O quinto passo será dado pela seção de direitos e de deveres, que confeccionará o parecer quanto ao pedido de afastamento. O sexto passo será do diretor de recursos humanos, que avaliará o pedido e determinará se o tempo pedido no atestado será total ou parcial. Nessa etapa, existe um tempo de espera, pois o diretor de RH fica incumbido de diversas tarefas, em virtude disso a aprovação fica em espera não podendo ser deferida de momento. O sétimo passo é o cadastro do pedido parcial ou total pela seção de registro e informação, essa informação será passada para o colaborador por essa seção. O oitavo e último passo será o registro do pedido pela divisão de arquivo central.

73 Figura 31 Diagrama de atividades da licença de tratamento de saúde do TJSC As is. O autor. 73

74 74 Conforme a figura 31, o ator, circulado por uma elipse, a Diretoria de Documentação e Informações será eliminada e substituida pelo ator Sistema/BPM Funcionamento do processo como será modelado, To be Abaixo, são apresentadas as mudanças que ocorreram com a remodelagem do processo de licença saúde Eliminação de alguns atores na remodelagem do processo Conforme a figura 32, alguns dos atores que se encontravam no processo foram eliminados em virtude da automatização das atividades de licença saúde. Em virtude do sistema gerado pela ferramentas BPM automatizar a geração de números de protocolos, e armazenar os documebnto relativos a licença saúde, a Diretoria de Documentação em Informações foi eliminada. Como observa-se na figura 32. Figura 32 Organograma dos atores participantes do processo remodelado. O autor.

75 Mudanças no funcionamento do processo remodelado, o To be Percebe-se no diagrama que mostra como ocorre o processo atualmente, comparado ao diagrama do processo remodelado (próxima figura) algumas mudanças. A primeira mudança é relativa ao documento de requerimento, que não será mais disponível em uma página de internet (http://app.tjsc.jus.br/formres/), e, sim, disponível no próprio ambiente em que o colaborador do TJSC entrará com os seus dados, login e senha, preencherá os dados e digitalizará o atestado e demais documentos. Não será mais necessário passar pela Diretoria de Documentação e Informações, o próprio ambiente se incumbirá da geração do protocolo, dessa forma passando apenas pela Junta Médica, para avaliação do documento, e quando na impossibilidade de digitalizar os documentos, pela secretaria para despacho ao TJSC através de automóvel oficial ou pelos correios. Na junta médica, autenticando-se no ambiente BPM, um responsável avaliará o atestado e demais dados do requerente e concederá ou não o parecer, quando negativo, será disparado um para todos os interessados dentro do processo. Um participante encarregado na DRIF avaliará os documentos e fará o deferimento negativo ou positivo do requerimento. Quando negativo, será disparado um a todos os interessados dentro do fluxo. E, por fim, o diretor de recursos humanos concederá o parecer final, possibilitando ao funcionário gozar a licença saúde. Cada um dos atores envolvidos no processo é representado por um pool no modelo To be (próxima figura). O colaborador, a secretaria, junta médica, a Divisão de registros e informações funcionais e a Diretoria de recursos humanos, cada um desses pools podem ser chamados de roles ou funções. Dentro de cada uma dessas funções, haverá os participantes que serão a unidade de cada um desses, ou simplesmente cada um dos funcionários participantes do processo, com suas devidas informações para autenticação, nome de usuário e senha. A figura 33 ilustra o modelo do processo de licença saúde remodelado e melhorado.

76 Figura 33 Diagrama de atividades da licença de tratamento de saúde do TJSC To be O autor 76

77 77 Na figura 33, observam-se 2 elipses, uma circulando o ator Sistema, que subsitui a Diretoria de Documentação e Informações, pois o Sistema BPM fará a geração dos números de protocolos e, também fará arquivamento dos documentos relativos ao atestado em forma digital. Na elipse que circula a atividade digitaliza atestado médico, será a atividade que trará grandes melhorias ao processo, pois a execução do mesmo poderá ser feita exclusivamente em ambiente digital Objeto do processo O objeto que está sendo transformado é o pedido de afastamento do colaborador. Esse objeto pode não ser aprovado, como pode ser aprovado parcialmente.

78 78 Figura 34 Diagrama de estado do pedido. O autor Tipo de processo Segundo a ABPMP (2009, p. 39), os processos podem ser divididos em três tipos: primário, de suporte e de gerenciamento. O processo de licença de tratamento de saúde é considerado como de suporte, pois se trata de um processo de recursos humanos.

79 Regras de Negócio do processo remodelado As seguintes regras de negócio foram determinadas em conformidade com as leis estaduais vigentes relativos à licença de tratamento saúde: custom Regras de Negócio RN01 - A não apresentação do laudo e requerimento até 2 dias após a saída do Colaborador anulará a licença saúde RN02 - Cabe à Junta Médica emitir parecer de licença saúde superior a 3 dias RN03 - Fica sob responsabilidade do diretor de RH despachar atestado de liceça saúde RN04 - Não podendo digitalizar os documentos, os mesmos deverão ser encaminhados à Junta Médica através de envelope lacrado RN05 - No Foro, os pedidos passarão pelo secretário que encaminhará à Junta Médica e por fim enviará para o despacho final da DRH RN06 - Todos os pedidos devem ser protocolizados Figura 35 Regras de negócio do processo de licença saúde remodelado. O autor Requisitos Funcionais do processo remodelado O ambiente BPM deverá oferecer os seguintes requisitos aos seus usuários:

80 80 custom Requisitos Funcionais RF01 - Gerar processo de licença saúde RF04 - Registrar parecer da DRIF RF02 - Preencher formulário de requerimento de licença saúde RF03 - Registrar parecer da Junta Médica RF05 - Enviar aos funcionários interessados RF06 - Registrar parecer da DRH RF07 - Anexar documentos digitalizados Figura 36 Requisitos funcionais do processo de licença saúde remodelado. O autor Classe do objeto de licença saúde Os seguintes dados compõem o objeto de licença saúde: motivoafastamento: qual enfermidade que fez com que o colaborador se ausentasse do serviço. atestadodigitalizado: determina se o atestado será digitalizado, caso contrário fará com que o processo siga um fluxo alternativo. atestadomedico: é o arquivo binário contendo o atestado médico. datadopedido: data em que foi iniciado o processo de licença saúde. deferidodrh: aprovação ou desaprovação da diretoria de recursos humanos. deferidojm: aprovação ou desaprovação da junta médica. diasafastado: número de dias em que o requerente se afastará do serviço.

81 81 matriculaservidor: matrícula do requerente de licença saúde. motivoindeferimento: caso houver Indeferimento, será a descrição do motivo. Pode ser determinado pela DRH, JM ou DRIF. nomeservidor: nome do servidor requerente. parecerdrif: aprovação ou desaprovação da DRIF. protocolo: número de protocolo determinado pelo ambiente BPM. class Domain Obj ects Licença Saúde - motivoafastamento: String - atestadodigitalizado: boolean - atestadomedico: binary - datadopedido: Date - deferidodrh: boolean - deferidojm : boolean - diasafastado: int - matriculaservidor: int - motivoindeferimento: String - nomeservidor: String - parecerdrif: boolean - protocolo: int Figura 37 Classe do objeto de licença saúde. O autor Viabilidade da digitalização de documentos Um empecilho para a viabilidade do processo de licença saúde, como para tantos outros processos, envolvendo documentos digitais, é a aprovação legal dos mesmos, o que é exposto neste trabalho como uma solução de melhoria no processo de licença saúde. A única forma legal vigente para a viabilidade da digitalização de documentos eletrônicos é através da assinatura digital. Segundo o artigo 1º da medida provisória número , incumbe-se a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasil (ICP-Brasil) á garantir a autenticidade, a integridade e a validade jurídica de documentos em forma eletrônica. (BRASIL, Medida provisória n , de 28 de junho de 2001).

82 82 No artigo 12, Consideram-se documentos públicos ou particulares, para todos os fins legais, os documentos eletrônicos de que trata esta Medida Provisória. (BRASIL, Medida provisória n , de 28 de junho de 2001) Portanto, apenas documentos assinados digitalmente são considerados legais. A assinatura digital será desconsiderada no desenvolvimento do protótipo deste trabalho, pois foge do escopo do mesmo. 5.2 CONSIDERAÇÕES FINAIS Através deste capítulo, foi possível estabelecer modelos possíveis para iniciar o desenvolvimento do próximo capítulo.

83 83 6 AUTOMATIZAÇÃO Este capítulo terá como conteúdo os detalhes de desenvolvimento do processo modelado nas ferramentas Intalio e Oracle BPM Studio. 6.1 AUTOMATIZAÇÃO NO INTALIO A ferramenta Intalio possui 2 versões distintas, uma desenvolvida para a comunidade, que é gratuita, e uma versão paga. O protótipo com essa ferramenta foi feito utilizando a ferramenta gratuita. A escolha da ferramenta foi feita em virtude da sua popularidade, maturidade e sendo uma opção free em relação à ferramenta da Oracle, que é paga Ambiente de desenvolvimento Os softwares necessários para o ambiente de desenvolvimento podem ser encontrados em É necessário baixar o instalador do Designer e também o Servidor Instalação e execução do Designer O Designer é o ambiente gráfico em que serão modelados os processos. Também é possível desenvolver os formulários que existirão dentro do processo modelado.

84 84 A versão escolhida para desenvolvimento do protótipo foi a A notação BPMN para a modelagem nesta ferramenta é a 2.0. No momento do desenvolvimento deste projeto a última versão da ferramenta encontrava-se com o seguinte link para o sistema operacional Windows 32 bits: installer.exe. Para instalar o Designer em Windows de 32 bits, é necessário executar o instalador com.intalio.bpms.designer.distribs.ce.win32-versaodosoftware-installer.exe: escolher o idioma clicar no botão OK; tela de boas-vindas clicar no botão Avançar; licença - clicar no botão concordar; determinar pasta para instalação - clicar no botão instalar. Para a execução no sistema Windows, é possível acessá-lo através do link criado no menu de programas ou na pasta localdeinstalacao\intalio-designer \designer.exe Instalação e execução do Servidor O Servidor é um container de aplicações web Apache Tomcat versão 5.5 desenvolvido exclusivamente para trabalhar com o Intalio Designer. Ele usará a porta É necessário observar se a mesma já não está sendo usada por outro serviço. Esse servidor possui banco de dados Derby que armazenará o controle de versão dos processos e dados das instâncias dos processos, esse banco de dados usará a porta A versão escolhida do servidor para desenvolvimento do protótipo foi a Quando estava sendo desenvolvido este trabalho, o link para baixar a última versão do servidor era o seguinte: Para a execução do servidor no sistema Windows, é necessário descompactá-lo e executar o arquivo de lotes startup.bat (pasta onde foi descompactado\intalio-bpms \bin\startup.bat).

85 85 em execução. Para fazer o deploy dos processos modelados, é necessário que o servidor esteja Persistência de dados no Intalio BPMS O Intalio BPMS possui um banco de dados Derby embutido, fato que no desenvolvimento se torna transparente, não existe a necessidade de configuração do banco de dados, a ferramenta se encarrega de fazê-lo. Os dados das instâncias dos processos são todos persistidos no banco de dado Derby Comunidade Intalio Para usufruir das vantagens da comunidade, como vídeos de apresentação, exemplos e tutoriais, é necessário efetuar o cadastro no site da comunidade Intalio (http://community.intalio.com) Modelagem na ferramenta Intalio Após feita a instalação e acessado o Intalio Designer, será necessário criar um novo projeto. Os passos a serem seguidos a partir da barra de menu da ferramenta são: Arquivo, Novo, Projeto do Processo de Negócio Intalio BPMS, nomear o projeto para LicencaIntalio e clicar no botão Concluir.

86 Formulário do Workflow A primeira etapa a ser feita é a criação dos formulários. Ao todo foram criados 9 formulários com a extensão xform. Os formulários formulariodrh, formulariodrif, formulariojm e formularioservidor serão de interação e preenchimento humano e os formulários notificacaosecretaria, aprovado, indeferimentodrh, indeferimentodrif, indeferimentojm serão para notificar o Colaborador sobre o status do processo. Para criar um formulário, é necessário clicar com o botão direito do mouse sobre a pasta raiz do projeto, Nova, escolher Formulário do Workflow e nomeá-lo. Na figura 38, observa-se a ferramenta Intalio, com as propriedades do formulário Servidor em aberto.

87 87 Figura 38 Ambiente de desenvolvimento de formulário. O autor. Conforme a figura Ambiente de desenvolvimento de formulário, a aba Propriedades conterá os atributos do item de formulário selecionado. A aba Paleta Editor de Formulário do Workflow conterá os componentes para desenvolvimento do formulário, apenas segurando e arrastando o componente desejado para a área quadriculada, é possível montar o formulário. No formulário formularioservidor, foram usados como campos de entrada de texto os seguinte nomes: Nome_Servidor, Matrcula_Servidor, Data_do_Pedido, Nmero_de_protocolo, Dias_afastado e Motivo_Afastamento. Como item para upload de arquivo foi usado o atributo atestadodigital. No formulário formulariojm, foram usados como campos de entrada de texto os seguinte nomes: Nome_Servidor, Matrcula_Servidor, Data_do_Pedido, Nmero_de_protocolo,

88 88 Dias_afastado, Motivo_Afastamento e Motivo_Indeferimento. A caixa de seleção deferimentojm e também o link Atestado. No formulário formulariodrif e formulariodrh, a estrutura é semelhante ao formulariojm, diferindo apenas a caixa de seleção para deferimentodrif e deferimentodrh respectivamente. Após, gerado cada formulário o Intalio Designer, gera um arquivo esquema de XML com a extensão XSD e nome igual ao formulário gerado. Esse arquivo conterá todas as variáveis de entrada e saída do formulário, essas variáveis serão cada um dos componentes usados para desenvolver o formulário Criação do diagrama de processo de negócio Para criar o modelo gráfico do processo, é necessário ir até a raiz do projeto na aba Explorar Processo, Nova e escolher Diagrama do Processo de Negócio. A aba Paleta contém todas as notações BPM para a modelagem do diagrama de negócio. Na aba Propriedades, é possível atribuir as funções às atividades e piscinas. A nomenclatura para as piscinas no Intalio é Pool. As atribuições de funções no protótipo ficaram apenas em nível de usuário em cada uma das piscinas, com exceção da piscina Processo a qual não terá interação humana. Observa-se na figura 39, as paletas com notação BPMN e o desenvolvimento do diagrama de atividades na ferramenta Intalio.

89 89 Figura 39 Ambiente da modelagem do diagrama de processo de negócio. O autor Piscinas Foram utilizadas 6 piscinas para a modelagem no Intalio. Os nomes das piscinas foram: Secretaria, Servidor, Junta médica, DRIF, DRH e Processo. Para adicionar as piscinas ao processo, é necessário arrastá-las da aba Paleta até a aba do diagrama de negócio. Todas as piscinas, com exceção da piscina Processo, não serão executáveis. Para determinar uma raia como não executável, é necessário clicar com o botão direito do mouse

90 90 na piscina desejada e escolher a opção Setar piscina como não executável, com isso, o cabeçalho da piscina ficará em cinza escuro, cor diferente do restante da piscina. Observa-se na figura 40, a opção para determinar piscina como não executável. Figura 40 Piscina não executável O autor Etapas do desenvolvimento do diagrama de processo de negócio No Intalio, não é obrigatório a utilização do evento de início do processo, porém, sendo uma boa prática, inclusive para melhor visualização do processo, o evento será considerado. Da paleta é inserido no diagrama o evento de início na piscina Servidor. Para a piscina Servidor, é arrastado o formulário formularioservidor que está na aba Explorar processo, e clicado na opção use formularioservidor for People Initiating Process Activity (initprocess). Será esse formulário que dará início ao processo.

91 91 processo. Observa-se na figura 41, a opção para usar um formulário como início de Figura 41 Opções de uso de um formulário em raias não executáveis O autor As opções da figura anterior _ Use fomularioservidor for People Activity (create and complete) e Use formularioservidor for Notification (notify) _ serão utilizadas durante o decorrer da modelagem do processo. A primeira create and complete será utilizada para o julgamento do pedido de licença saúde pela Junta Médica, DRIF e DRH, a opção notify será usada para notificar o status do pedido ao Colaborador e quando a secretaria tiver de despachar um atestado. A ferramenta Intalio exige que as mensagens entre as piscinas sejam feitas através de dois fluxos, um de entrada e outro de saída. piscina Processo. diferentes piscinas. Por esse motivo, existem 2 ligações entre a atividade inicial e a atividade da Durante todo o processo, serão usadas duas ligações para interligar atividades de A piscina Processo será a principal piscina do processo de licença saúde, pois na mesma estão implícitos todos os gateways e as regras para a validação do processo. raias. A figura 42 ilustra mensagens de entrada e saída entre atividade de diferentes

92 92 Figura 42 Duas conexões entre atividades em diferentes piscinas. O autor. Após a piscina Processo receber os dados iniciais emitidos pela solicitação do colaborador, surge o primeiro gateway, o qual determinará se haverá uma notificação para a secretaria despachar o documento. digital. O despacho de atestado pela secretaria acontecerá quando o atestado não for A figura 43 ilustra o primeiro gateway dentro do processo de licença saúde.

93 93 Figura 43 Primeiro gateway e notificação do processo. O autor. A atividade contida na piscina Secretaria chamada Notifica Secretaria foi gerada da mesma forma que a atividade Inicia processo. A diferença foi a opção Use formularioservidor for Notification (notify) que foi selecionada após o formulário notificacaosecretaria ser arrastado para a piscina Secretaria. Foi necessário também criar uma atividade na piscina Processo para receber e enviar as mensagens entre as piscinas. Nas demais notificações, no decorrer do processo, foram feitos os mesmos procedimentos, variando o formulário e também a piscina que será notificada. A regra do gateway existente entre atividade Recebe Dados iniciais e Notificar Secretaria é definida na aba de Mapeamento. A aba mapeamento contém todas as variáveis de transição entre as atividades. É no mapeamento que são transportados os valores das varáveis a cada um dos formulários e também onde são estabelecidas as regras. No primeiro gateway, a condição ficou conforme a figura 44: Figura 44 Regra no primeiro gateway do processo. O autor. O significado do mapeamento anterior é: se o nome do arquivo que vir do formulário disparado pelo servidor for igual a vazio, então o atestado será enviado através de correio ou automóvel oficial. Dessa forma, é enviada uma notificação à secretaria, alertando sobre um documento pendente a ser despachado. Caso contrário, por padrão, o fluxo segue o seu caminho eventual, representado por um risco diagonal em uma das opções de fluxo após o gateway.

94 94 Para os demais gateways foi utilizada estrutura semelhante, diferindo a variável de saída que será a caixa de seleção com o valores sim ou não referentes à aprovação da Junta Médica, DRIF e DRH estabelecidas em seus referidos formulários de aprovação. Na próxima etapa do processo, serão recebidas pela Junta Médica as varáveis disparadas pelo requerente ao pedido de licença saúde. Para a interação da função Junta Médica, é necessário arrastar o formulário formulariojm até a piscina Junta Médica e escolher a opção Use fomularioservidor for People Activity (create and complete). Duas atividades surgirão na piscina Junta Médica. Na piscina processo, outras 2 atividades haverão de ser criadas para receber e enviar as mensagens das atividades criadas na piscina Junta Médica. A figura 45 ilustra as atividades de create e complete utilizados pela ferramenta Intalio. Figura 45 Primeiro gateway do processo. O autor. Criadas as atividades de formulário da Junta Médica e do processo, é necessário mapear a variáveis que chegarão ao formulário da Junta Médica. Com a atividade Envia dados para JM selecionada, abre-se a aba de mapeamento. A figura 46 ilustra as conexões de dados entre diferentes formulários.

95 95 Figura 46 Mapeamento das varáveis para o formulário da Junta Médica O autor Ao lado direito da figura 46 constam as variáveis do formularioservidor, que são as variáveis de saída e, ao lado esquerdo, as varáveis que receberam os dados, as variáveis de entrada do formulário formulariojm. Além da ligação das variáveis, existe uma validação para os atestados não digitalizados. Essa validação pode ser expressada da seguinte forma: se o nome da imagem for vazio, logo não existe a imagem, então, é atribuído ao link um javascript alertando ao usuário que o atestado não é digitalizado. Caso exista um nome de imagem, o link será a url que foi anexada junto ao formulário do servidor. O link que se descreve é o link no formulário da Junta Médica. Esse mesmo processo acorre para a DRIF e DRH, diferindo apenas na variável de aprovação de cada um desses setores.

96 Usuários do processo No processo de licença saúde, foram determinados 5 usuários distintos para cada uma das piscinas: intalio/secretaria, intalio/servidor, intalio/jm, intalio/drif, intalio/drh. Para relacionar o usuário à piscina, é necessário selecionar a piscina e, em propriedades escolher Workflow e determinar o usuário em User(s), conforme figura 47. Figura 47 Usuário participante da piscina DRH O autor Para adicionar ao servidor cada um dos funcionários, é necessário acessar ao arquivo XML que está na pasta servidorintalio\var\config\security.xml e adicionar as seguintes linhas: <user identifier="nomedousuario"> <name>nome do Usuario</name> <password>senhadousuario</password> <assignrole>funcaodousuario</assignrole> </user> Modelo final na ferramenta Intalio Na figura 48, é observado o diagrama de atividades na ferramenta Intalio. Esta ferramenta utiliza notação BPMN 2.0, e todo a lógica de negócios está na raia Processo, que está no meio do diagram de atividades.

97 97

98 98 Figura 48 Diagrama de processos na ferramenta Intalio. O autor. 6.2 AUTOMATIZAÇÃO NO ORACLE BPM Para licenciamento da Suíte BPM oferecida pela Oracle, existe a cobrança de valores relativos aos serviços da suíte de arquitetura dirigida a eventos e também ao desenvolvimento de relatórios e formulários. É possível ter uma prévia dos valores dos produtos Oracle em inclusive da suíte BPM. Porém o Oracle BPM Studio, ambiente de modelagem, é possível baixá-lo sem custos, nesse em que será dado ênfase e no qual será desenvolvido o protótipo. A ferramenta foi escolhida por ser a utilizada para desenvolvimento da modelagem dos processos no TJSC Ambiente de automatização A versão para desenvolvimento do protótipo foi a c do Oracle BPM Studio, que pode ser encontrada para download no site da Oracle. É requisito para efetuar o download de software Oracle o cadastro em Para efetuar o download do Oracle BPM Studio na versão c, é necessário acessar à URL html autenticado com usuário Oracle, após isso, aceitar os termos de uso. Foi escolhida a versão para Windows de 32 bits para o desenvolvimento do protótipo. O executável pode ser baixado diretamente no endereço

99 Instalação e execução do BPM Studio Executar OracleBPMStudio103200_win.exe. Introduction Clicar no botão Next Choose Install Folder (Determinar Pasta) Clicar no botão Next Pre-Installation Summary Clicar no botão Install Install Complete - Clicar no botão Done Para a execução no sistema Windows, é possível acessá-lo através do link criado no menu de programas ou na pasta localdeinstalacao\orabpmstudiohome\eclipse\eclipse.exe Servidor WEB O Oracle BPM Studio 10 possui um servidor Web apache tomcat 5.5. Essa verificação é apenas a nível informativo, pois, não foi necessário configurar o servidor WEB, recurso feito pela própria ferramenta Persistência de dados no Oracle BPM Studio 10 O Oracle BPM Studio 10 possui um banco de dados Derby embutido, fato que no desenvolvimento se torna transparente, não existe a necessidade de configuração do banco de dados, a ferramenta se encarrega de fazê-lo.

100 100 Derby. Os dados das instâncias dos processos são todos persistidos no banco de dado Modelagem na ferramenta Oracle BPM Studio Após feita a instalação e acessado o Oracle BPM Studio, será necessário criar um novo projeto. Os passos a serem seguidos a partir da barra de menu da ferramenta são: File, New, Project, BPM, BPM Project, Botão Next, em Project Name inserir o nome do projeto, no caso do protótipo foi LicencaOracle, Next e por fim Finish Variáveis do processo Para criar as variáveis, é necessário abrir a estrutura hierárquica do projeto e clicar o botão direito do mouse em Catalog, New, Module. Inserir o nome do módulo, no caso do protótipo foi Dados. Clicar o botão direito do mouse no módulo, depois em New e BPM Object. Inserir o nome do objeto BPM, no protótipo foi Dados_licenca. Dois cliques sobre o objeto BPM e inserir as variáveis que serão trabalhadas no decorrer de todo o processo. No protótipo, foram utilizadas as seguintes variáveis conforme a figura 49.

101 101 Figura 49 Variáveis utilizadas no desenvolvimento do protótipo na ferramenta Oracle BPM Studio 10. O autor Formulários Foram criados 5 formulários com os seguinte nomes: AnexaImagem, ParecerDRH, ParecerDrif, PreencheFormulario e VerificaAtestado. Para criação de um formulário, é necessário clicar no objeto BPM criado com o botão direito do mouse depois em New e em Presentation, escolher o nome do formulário, conforme listado anteriormente e, após isso, determinar as variáveis que farão parte de cada um dos formulários. No formulário AnexaImagem, foi associado a seguinte variável: arquivobinario No formulário ParecerDRH foram associadas as seguinte variáveis: nomeservidor

102 102 matriculaservidor atestadodigitalizado datadopedido diasafastado motivoafastamento protocolo deferidodrh motivoindeferimento arquivobinario No formulário ParecerDrif, foram associadas as seguinte variáveis: nomeservidor atestadodigitalizado datadopedido diasafastado matriculaservidor motivoafastamento parecerdrif motivoindeferimento arquivobinario protocolo No formulário PreencheFormulario, foram associadas as seguinte variáveis: nomeservidor atestadodigitalizado datadopedido diasafastado matriculaservidor motivoafastamento protocolo No formulário VerificaAtestado, foram associadas as seguinte variáveis:

103 103 nomeservidor atestadodigitalizado datadopedido diasafastado matriculaservidor motivoafastamento protocolo deferidojm motivoindeferimento arquivobinario Criação de funções (roles) Foram criadas 6 funções no projeto: Diretoria RH, Junta Médica, Colaborador/Servidor, Sistema, Secretaria e DRIF. Para criá-las, é necessário abrir o projeto, escolher a pasta Organization, clicar o botão direito sobre Roles e escolher New Criação de participantes (participants) Para cada uma das funções, foi determinado um participante, os quais são os usuários que irão se autenticar no ambiente: para Diretoria RH, o participante DRH, para a Junta Médica, o participante JM, para a Colaborador/Servidor, o participante servidor, para a Secretaria, o participante secretaria e, para a DRIF o participante drif. Para criá-las, é necessário abrir o projeto, escolher a pasta Organization, clicar com o botão sobre Participant, New e associar a respectiva função.

104 Raias do processo Clicando com o botão direito sobre o projeto na aba Project Navigator, New, Process e escolhendo o nome para tal, será possível modelar o processo visualmente. Ao lado direito da tela que terá uma raia com um evento de início ligado a um evento de fim pode-se verificar um menu com itens da notação BPMN. Arrasta-se para a tela gráfica do processo a notação Lane. Clicando sobre a raia com botão direito do mouse e escolhendo Properties, é possível associá-las a uma função Evento de início As variáveis que serão utilizadas durante o percurso do processo necessitam ser instanciadas no evento de início do processo. O inicio do processo se dará na raia que está associada à função Colaborador/Servidor. Para a instanciação das varáveis, é necessário dar 2 cliques sobre o evento de inicio. Adicionar o argumento atestadoarg de tipo Dados.Dados_licenca, fechar a janela, adicionar a instância atestado de tipo Dados.Dados_licenca, fechar a janela e clicar no ícone mais e em Instance Variable adicionar atestado, e em Argument adicionar atestadoarg Fluxos de Tela (Screenflows) Os fluxos de tela têm o papel de associar um formulário a uma determinada atividade. Para a inserção de um Screenflow, é necessário acessar a pasta Process, e então, clicar com o botão direito em New e Screenflow. Foram criados os seguintes fluxos de tela no

105 105 protótipo: AnexaImagem, ParecerDRH, ParecerDrif, PreencheFormulario e VerificaAtestado. Para a configuração de um fluxo de tela, é necessário abri-lo, adicionar uma atividade do tipo Interactive Component Call entre os eventos de início e fim, conforme figura 50. Figura 50 Evento de início, atividade e evento final internos a um Screenflow. O autor. Para configurar as variáveis de início e fim do fluxo de tela, é preciso clicar duas vezes sobre o respectivo evento e adicionar o argumento atestadoarg de tipo Dados.Dados_licenca, fechar a janela, adicionar a instância atestado de tipo Dados.Dados_licenca, fechar a janela e clicar no ícone mais e em Instance Variable adicionar atestado, e em Argument adicionar atestadoarg, confome figura 51. Figura 51 Variável e argumento no evento de início de um Screenflow. O autor. Para associar o ScreenFlow a um determinado formulário, é preciso clicar na atividade que foi adicionada entre os evento de início e fim.

106 106 Na lista suspensa Implementation Type, escolher BPM Object Interactive Call, na lista suspensa Select BPM Object Variable escolher a variável atestado, escolher a caixa de seleção Use BPM Object Presentation e associar a um dos formulários criados confome figura 52. Figura 52 Tela de configuração de um Screenflow. O autor. Para determinar as ações dos botões Enviar e Cancelar, que aparecerão no ambiente web do usuário, é necessário clicar no botão Argument Mappings, na ação de saída, por exemplo, AnexaImagemOut clicar no botão adicionar e em Instance Variable. Escolher action e adicionar o seguinte argumento: selectedbutton == "submit"? OK : CANCEL, clicando mais uma vez no botão adicionar escolher result e adicionar o seguinte argumento: selectedbutton, confome figura 53.

107 107 Figura 53 Configuração das variáveis de saída de um Screenflow. O autor. no protótipo. O processo descrito acima foi feito para cada um dos cinco ScreenFlows usados Atividade global A atividade global será que iniciará todo processo. A mesma é alocada na raia em que está atribuída a função Servidor/Colaborador. Ela não será conectada a nenhuma das demais atividades do fluxo, confome figura 54. Figura 54 Atividade global dentro da raia que iniciará o processo O autor Para configurar a atividade global, é necessário dar dois cliques sobre a mesma. Na lista suspensa Implementatios Type escolher Screenflow e em Related Screenflow escolher o nome do Screenflow que dará a partida ao processo, no protótipo foi PreencheFormulario. Clicar sobre o botão Argument Mapping e adicionar o argumento de entrada atestadosfarg com o valor (Value) Dados_licenca() e o argumento de saída atestadoarg= atestadosfarg.

108 108 Seguidamente fechar a janela e clicar no botão Edit. O Screenflow PreencheFormulario terá peculiaridades e, uma delas é que o argumento se chamará atestadosfarg e, a outra, é que a instância se chamará atestadosf. Fato que ocorrerá no evento de início e fim do ScreenFlow. Outra peculiaridade será a atividade automática Inicializa, que conterá atribuição ao valor da variável atestadosf.datadopedido='now', a qual determinará a data do pedido como data atual. Sendo atestadosf o nome da variável que percorrerá o Screenflow PreencheFormulario, o mesmo deverá ser configurado como a variável do objeto BPM, como visto na figura 55. Figura 55 Eventos e atividades do Screenflow da atividade Global. O autor Atividades Ao todo foram utilizadas 11 atividades para a modelagem do processo, sendo que 5 foram de interação humana (Interactive), 5 foram automáticas (Automatic), 1 atividade global (Global Activities), um evento de fim e outro evento de início. A disposição final do diagrama de processo de negócio ficou confome figura 56.

109 109 Figura 56 Processo modelado na ferramenta Oracle BPM Studio. O autor. Todas as atividades interativas foram associadas aos seus respectivos Screenflows, apenas na atividade da função Secretaria não foi associado um Screenflow. Ás atividades automáticas, sem ícones (aparecem em azul, quando vistas na ferramenta), podem ser atribuídos valores as variáveis do processo e também podem ser adicionadas regras de negócio. A atividade com um ícone em, forma de asterisco, é a atividade global (de cor vermelha, quando visualizado na ferramenta). As atividades com um ícone em forma de boneco (também em vermelho, quando visualizada na ferramenta) são as atividades interativas, só é possível associar formulários a essas atividades nesse processo.

110 110 Para associar uma atividade interativa a um Screenflow, é necessário clicar duas vezes sobre o mesmo e selecionar na lista suspensa Implementation Type a opção Screenflow e em Related Screenflow o respectivo Screenflow, confome figura 57. Figura 57 Configuração da associação entre Sreenflow e atividade. O autor. Em seguida, clicar em Argument Mapping, adicionar a instância atestado de tipo Dados.Dados_licenca. Na entrada, o argumento atestadoarg será igual à instância atestado, e na saída o inverso, confome figura 58.

111 111 Figura 58 Configuração das variáveis e argumentos entre Sreenflow e atividade. O autor. descrito anteriormente. Para cada uma das atividades com ScreenFlow relacionado, foi feito o processo Gateways Na atividade automática Recebe Dados do Requerimento pertencente à raia com função Sistema, foi adicionado o seguinte algoritmo, escrito em Process Business Language (PBL). if atestado.atestadodigitalizado=false then result = "Nao Digitalizado" else result = "Digitalizado" end

112 112 Esse algoritmo determinará qual próxima atividade o processo irá seguir. Caso o atestado não seja digitalizado, irá para a Secretaria, regra que está implícita no gateway que liga a raia Sistema à raia Secretaria, por padrão, o processo seguirá para o Colaborador. Conforme ligação entre o Sistema e o Colaborador/Servidor, nesse caso o colaborador irá anexar o atestado digital. Na raia Junta Médica, caso o pedido for deferido, por padrão, o processo seguirá para a raia DRIF, o que está implícito no fluxo de ligação entre a Junta Médica e a DRIF, sendo indeferido, será despachado um ao Colaborador, avisando sobre o indeferimento. Este detalhe que consta no processo visual e é uma atividade automática com os algoritmos para o envio de , e, por fim, o processo é finalizado em um evento final. De forma semelhante, o processo ocorre nas duas próximas raias, mudando apenas a variável de aprovação da DRIF e da Diretoria de Recursos humanos. Fato que é determinado no fluxo de ligação entre as atividades dessas duas raias e suas respectivas atividades automáticas de envio de . Tendo aprovação pela Junta Médica, DRIF e DRH, é despachado um ao Colaborador, alertando sobre a aprovação do pedido de licença saúde. 6.3 VALIDAÇÃO Abaixo seguem o processo na prática, utilizando os ambientes Web oferecidos pelas ferramentas Intalio e Oracle BPM Validação no Intalio Para executar o processo no Intalio, é necessário iniciar o servidor, configurar o projeto e fazer o deploy do mesmo, confome figura 59.

113 113 Figura 59 Ícones de deploy e configuração do projeto respectivamente O autor. A tela de login pode ser acessada através do endereço conforme figura 60. Figura 60 Tela de login no ambiente Worflow da Intalio O autor Após autenticar-se no sistema, haverá para o usuário Colaborador três abas disponíveis: Tarefas, Notificações e Processos. Sendo o colaborador o usuário que iniciará o processo, haverá um processo na aba Processos, confome figura 61. Figura 61 Ambiente do Colaborador com link para inicio de processo. O autor. confome figura 62. Quando clicado no link Inicia processo de licença saúde, surge a seguinte tela,

114 114 Figura 62 Tela de registro de pedido de licença saúde do servidor. O autor. O usuário servidor/colaborador preenche os dados do requerimento, anexa o atestado e clica no botão Start. confome figura 63. O usuário da Junta Médica ingressa no ambiente BPM e verifica suas tarefas,

115 115 Figura 63 Tela de tarefas da Junta Médica. O autor. O usuário da Junta Médica clica sobre o link Concede parecer sobre atestado e abre a seguinte página, confome figura 64. Figura 64 Tarefa da Junta Médica expandida. O autor. O usuário da Junta médica clica sobre o link chamado Atestado e, no navegador de internet é possível verificar o atestado, confome figura 65.

116 116 Figura 65 Atestado anexado com detalhe do servidor. O autor. A imagem não aparece dessa forma no ambiente Intalio. Foi utilizado um recurso do navegador Firefox para demonstrar que o anexo está hospedado no servidor Intalio BPMS. Complete. O usuário da Junta Médica fecha a janela com o atestado e clica no botão As mesmas atividades acontecem para a DRIF e também para o DRH. Quando aprovado na DRH, o usuário servidor recebe uma notificação da seguinte forma, confome figura 66. Figura 66 Tela de notificações do servidor O autor confome figura 67. E clicando sobre o link, Seu pedido foi aprovado, aparecerá a seguinte tela,

117 117 Figura 67 Notificação do servidor expandida. O autor Console Intalio É possível verificar as instâncias dos processos no Console do Intalio. O endereço para acesso ao console do Intalio é Entrando com o usuário administrador (admin) e senha changeit, é possível verficar quais versões estão em funcionamento do processo e também as instâncias que estão sendo executadas do mesmo processo, confome figura 68. Figura 68 Tela inicial do console Intalio. O autor. Através da tabela acima se sabe que o processo LicencaIntalio, na sua primeira versão, está sendo executado e que uma instância está em progresso e outra foi completada. figura 69. Clicando sobre o link licencasaude:processo, temos a seguinte tela, confome

118 118 Figura 69 Detalhes do processo LicencaSaude. O autor. A aba diagrama exibe um Diagrama do processo de negócio de licença saúde e a aba recursos exibe todos os arquivos wsdl e xsd disponíveis no projeto do processo. Ao clicar em Visualizar instâncias, é exibida a seguinte tela, com fome figura 70. Figura 70 Instâncias do processo de licença saúde no console. O autor. Confere-se que existe uma instância de processo em execução e outra já finalizada. Clicando sobre a instância não finalizada, tem-se a seguinte tela, confome figura 71.

119 119 Figura 71 Instância do processo de licença saúde em progresso. O autor. Confome figura 71, estão os detalhes do processo e, mais abaixo consta em que ponto a instância do processo está.

120 120 Figura 72 Atividade em que parou a instância do processo. O autor. Confome figura 72, o ícone em forma de círculo com seta interna para a direita, presente na atividade Salva Informações DRIF representa que o processo está esperando a aprovação da DRIF para ser dada continuidade, no navegador esse ícone é verde Dificuldades encontradas no Intalio BPMS Foram inúmeras as tentativas de criação, geração de modelos e testes. Foi um grande processo de tentativa e erro até chegar ao modelo final na ferramenta Intalio, o qual é exibido neste trabalho. Apesar da comunidade Intalio oferecer uma documentação considerada vasta, com vídeo aulas, tutorias e inclusive projetos prontos, cada projeto possui suas peculiaridades.

121 121 Um problema que ocorreu no console é o de após ser lançado uma versão mais recente do mesmo processo, faz com que as demais instâncias do processo falhem até mesmo do novo processo. Para contornar esse erro foi criado um arquivo em lotes com a seguinte estrutura: rmdir C:\intalio-bpms /S /Q MKDIR C:\intalio-bpms \ XCOPY C:\TMP\intalio-bpms \*.* C:\intalio-bpms \ /S set ANT_HOME=c:\ant set JAVA_HOME=C:\Program Files\Java\jdk1.6.0_26 set PATH=%PATH%;%ANT_HOME%\bin set CATALINA_HOME=C:\intalio-bpms C:\intalio-bpms \bin\startup.bat O script acima apaga todos os dados do servidor, faz uma cópia de uma pasta de backup do servidor e executa o servidor. Em algumas versões do Windows 7, não foi possível executar o servidor diretamente pelo script startup.bat, encontrado internamente na pasta do servidor. A solução foi a criação de um arquivo de lotes com esta estrutura: set ANT_HOME=c:\ant set JAVA_HOME=c:\Program Files\Java\jdk1.6.0_26 set PATH=%PATH%;%ANT_HOME%\bin set CATALINA_HOME=C:\intalio-bpms C:\intalio-bpms \bin\startup.bat Em determinado patamar de desenvolvimento, não foi possível emitir instâncias do processo sem anexo. Foi resolvido o problema de não aceitar processo sem anexo, utilizando o nome do arquivo para garantir a existência do mesmo. Um problema, que não se encontrou solução, foi o de acessar o link não remetendo a um atestado e abrir uma nova página/aba. Foi tentado resolver esse problema através de um comando javascript:alert('atestado não digitalizado'); return false;, porém foi uma tentativa sem sucesso.

122 122 Apesar da versão 6 do Intalio ser bastante recente, ela possui um bom nível de estabilidade, inclusive possibilitando a modelagem e o desenvolvimento com uma boa variedade de recursos Validação no Oracle BPM Para iniciar o processo, será necessário clicar no ícone Start Engine com o projeto LicencaSaude selecionado. Após isso, deve-se lançar o espaço de trabalho, espaço em que os participantes usarão para executar o processo, confome figura 73. Figura 73 Ícones de Start Engine e Launch Workspace respectivamente. O autor. confome figura 74. A primeira tela em que o usuário do ambiente se deparará será a seguinte, Figura 74 Tela de logon do Oracle BPM Workspace O autor O participante servidor se logará para dar início ao processo, confome figura 75. A inexistência de campo de senha se dá em virtude da execução local do Oracle BPM Studio.

123 123 Figura 75 Tela do ambiente do participante servidor. O autor. O participante servidor clicará sobre o link Solicitar pedido de licença saúde e abrirá a seguinte janela, confome figura 76.

124 124 Figura 76 Tela de preenchimento do formulário de licença saúde. O autor. O colaborador preencherá os seus dados e clicará em enviar para dar seguimento ao processo, confome figura 77. No caso acima, figura 76, foi selecionado o campo Atestado Figura 77 Detalhe do ambiente do colaborador para anexar o atestado. O autor. O campo Descrição é o nome da instância do processo e Anexar atestado é a atividade atual. Clicando no link Anexar atestado, abre a seguinte janela, confome figura 78.

125 125 Figura 78 Tela para anexar atestado ao pedido O autor Já com o atestado anexado, o Colaborador envia o documento que irá para a avaliação da Junta Médica, confome figura 79.

126 126 Figura 79 Tela do participante JM. O autor. O participante JM, relativo à função Junta Médica, ingressa no ambiente e verifica que existe um processo de licença saúde para ser deferido, confome figura 80. Figura 80 Link para a Atividade Verifica atestado do participante JM. O autor. Ao clicar no link Verifica atestado, abrirá a seguinte tela, confome figura 81.

127 127 Figura 81 Tela de aprovação da Junta Médica. O autor. Em um fluxo ideal, o participante JM clica em aprovado e depois no botão enviar, que consta na parte inferior do formulário da figura anterior. No ambiente de um participante da função DRIF, existirá um processo esperando por ser aprovado. O participante da DRIF defere o pedido da mesma forma que a JM. Então, o pedido é encaminhado a DRH, que analisa o pedido e mais uma vez o aprova. E, por fim, é enviado um ao colaborador, alertando sobre a aprovação do seu pedido de licença saúde.

128 Dificuldades encontradas no Oracle BPM Studio A ferramenta Oracle BPM Studio foi a primeira de que o autor teve contato, e foi importante para mensurar o quanto uma ferramenta BPM pode oferecer de recursos para a modelagem de processos de negócios. Porém, existiu uma quebra de paradigma em relação ao desenvolvimento de projetos por parte do autor, sendo que toda quebra de paradigma é acompanhada de um processo reflexivo complexo. A grande dificuldade encontrada foi a mudança de padrões de desenvolvimento de projeto. Dentre as dificuldades pontuais, encontradas, destacam-se as relativas aos anexos. Tentou-se desenvolver um componente de upload conforme pacote encontrado em fóruns do Oracle BPM. Foi em vão a tentativa, pois não foi possível relacioná-lo ao link dos usuários que aprovariam o pedido. Usou-se então um componente de upload de imagens que a própria ferramenta dispõe, pois, a necessidade era apenas para imagens e o componente cumpria esse papel. A configuração do tamanho das imagens para upload,também teve que ser redefinida, mudo-se de 16 Kbytes para 2000 Kbytes. Para redefinir o tamanho para upload dentro da ferramenta, é necessário clicar o botão direito sobre o projeto, Engine Preferences, aba Advanced e mudar o atributo Maximum Instance Size para o tamanho desejado, no caso do protótipo, para 2000 Kbytes. 6.4 RESULTADOS Aproximadamente 15 mil processos de licença saúde são feitos anualmente no Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Todos esses processos são originados de cada uma das 113 comarcas no estado de Santa Catarina, e cada um dos processos originados nas comarcas é encaminhado para o Tribunal de Justiça de Santa Catarina para aprovação.

129 129 Os processos de licença saúde utilizam um formulário disponível na internet para que o requerente o preencha e encaminhe juntamente com os demais documentos, atestados e exames para o TJSC. Esses documentos são protocolizados e colocados em malotes. Para o envio desses documentos, utilizam-se os correios ou então automóvel oficial. Utilizando uma ferramenta BPM para a modelagem de processos de negócio, é possível efetivar a automação dos mesmos processos, como feito no processo de licença saúde. Com a modelagem e automação do processo, é possível criar o ambiente executável. Com isso, não será mais necessário o envio dos documentos pelos correios ou por automóvel do TJSC a aqueles pedidos que forem digitalizados com seus devidos documentos. Com isso, haverá maior agilidade na aprovação dos processos, pois cada um dos atores poderão facilmente acessar a todos os documentos e detalhes do pedido de licença a serem aprovados no ambiente BPM. Serão eliminados gastos com combustível e correios por parte do TJSC. O arquivamento de documentos se dará digitalmente, o que eliminará o acúmulo de papéis no almoxarifado do TJSC. Em relação à manutenção do Workflow BPM, as ferramentas permitem flexibilidade, quando necessário efetuar mudanças no processo. Quando percebida atividade desnecessária no processo, o simples fato de eliminála no diagrama de processos de negócio, refazer as ligações necessárias e sincronizar com o servidor BPM, irá refletir no ambiente BPM que já estará pronto para execução Protótipo na ferramenta JBPM O autor, na tentativa de desenvolver um protótipo, utilizando uma ferramenta gratuita, optou pela utilização do JBPM em primeiro momento. A versão utilizada para desenvolvimento foi a 5. Para desenvolvimento de processo no JBPM existem, na página de internet da empresa JBoss, manuais para cada uma das versões do framework, inclusive da versão 5. A empresa JBoss oferece para o JBPM 5 um

130 130 recurso de instalação do ambiente total, com o servidor de aplicação, IDE e plugins através de um script. Esse script baixa os arquivos necessários para instalação do ambiente JBPM de desenvolvimento e depois o instala. Antes de ser executado o script, é necessário baixar o arquivo de instalação. No momento do desenvolvimento deste trabalho, a última versão encontrava-se no endereço Foi essa mesma versão que se tentou desenvolver o protótipo. Após descompactado o arquivo, executa-se o seguinte script na pasta jbpm-installer: set ANT_HOME=c:\ant set JAVA_HOME=c:\Program Files\Java\jdk1.6.0_26 set PATH=%PATH%;%ANT_HOME%\bin ant install.demo São requisitos para funcionamento do script os arquivos do framework ant na máquina onde será instalado o ambiente JBPM. Apesar da facilidade de instalar o ambiente JBPM 5, p autor não conseguiu elaborar o proytótipo nessa ferramenta, pois era uma versão do JBPM muito recente. O autor encontrou diversas dificuldades para o desenvolvimento nessa ferramenta, e inclusive manipulação do console, que possuía uma infinidade de erros. Desistiu-se dessa ferramenta, e foi tentado uma versão anterior, a versão 4. Porém o suporte para a instalação do ambiente JBPM na versão 4 estava defasado. Procurou-se, então, a versão 3, da mesma forma que a 4 não encontrou-se suporte. Por esse motivo, optou-se pelo Intalio para desenvolvimento do protótipo em um BPMS gratuito Comparativo entre as ferramentas Oracle BPM Studio e Intalio As duas ferramentas foram boas para trabalhar. Porém, com a ferramenta da Oracle, foi possível efetuar o protótipo com mais rapidez. Junto com o Oracle BPM Studio,

131 131 existem alguns projetos de exemplos que auxiliam no momento de aprender a utilizar a ferramenta. Usando esses protótipos, a curva de aprendizado foi elevada. Com ferramenta Intalio foi um pouco mais dificultoso o aprendizado, principalmente pelo fato, do primeiro contato com uma ferramenta BPM ter sido com o Oracle BPM Studio, tentou-se usar a mesma estrutura para modelar o processo na ferramenta Oracle, porém, o modelo desenvolvido foi bastante diferente na ferramenta Intalio. No Intalio, a transição de dados entre os formulários do modelo de processos foi bastante simples, usando o mapeador. Já no Oracle, todos os objetos tiveram de dados tiveram que ser instanciados em dada uma das atividades que tinham relação com formulário, fato que tornou a transição dos dados uma tarefa redundante no Oracle BPM Studio. No ambiente para o usuário final, onde os processos são executados, no Oracle existe um tempo para elevado para carregamento das páginas na primeira vez, que são executadas. No Intalio, não se notou, um tempo muito elevado para carregar as páginas, porém os processos quando carregados pela primeira vez, levam algum tempo. A execução do protótipo na ferramenta da Oracle foi bastante simples, os erros constatados na mesma ferramenta foram próximas a zero. A execução do protótipo na ferramenta da Intalio foi bastante simples, os erros constatados na mesma ferramenta foram próximas a zero. O grande diferencial entre as duas ferramentas é o fato que uma é a paga, a ferramenta da Oracle, e a outra não, o Intalio. O autor não entrou em detalhes do suíte BPM da Oracle, obviamente deve oferecer uma infinidade de recursos. 6.5 CONSIDERAÇÕES FINAIS O paradigma BPM utiliza conceitos diferentes de um projeto de desenvolvimento de sistemas de informação convencional, o qual é transmitido durante todo o curso de sistemas de informação. Existiram vários empecilhos pontuais no decorrer do desenvolvimento do protótipo, mas a grande dificuldade foi recriar um modelo mental para desenvolver um ambiente utilizável pelos atores de acordo com o processo modelado, seguindo as notações BPM. Porém, quando conhecidos os conceitos necessários para

132 132 desenvolvimento utilizando os ambientes e notações BPM, percebe-se que as ferramentas agregadas aos conceitos de BPM facilitam o desenvolvimento de ambiente executáveis.

133 133 7 CONCLUSÕES E TRABALHOS FUTUROS 7.1 CONCLUSÕES No decorrer do desenvolvimento do projeto de conclusão de curso, o autor não tinha idéia dos desafios que ocorreriam. Foram vários os desafios para chegar aos protótipos estabelecidos no desenvolvimento. Através desses desafios, foi considerável o aprendizado passado, aprendizado esse que foi um quebra de paradigma para toda a vida do autor em se tratando de sistemas de informação. Tendo em vista todo o processo de desenvolvimento do trabalho aqui apresentado, o nível de conhecimento adquirido foi relevante em se tratando dos tópicos neste trabalho consolidados. As concepções se abriram em nível holístico em relação à estrutura de um sistema de informação feito através da modelagem de processos de negócio. Existem várias ferramentas para auxílio do desenvolvimento BPM disponíveis na internet, e muitas delas, vão além da criação de formulários e fluxos. Com o desenvolvimento de dois protótipos com duas ferramentas distintas foi possível traçar uma linha de desenvolvimento capaz de agilizar processos, visualizar e dar manutenção aos mesmos. O BPM é uma visão dos processos de negócios ainda em faze de difusão na região de Florianópolis, porém os recursos que oferecem têm grandes chances de conquistar analistas de sistema e negócio de toda a região. Com treinamentos específicos de BPMN e, cada ferramenta em particular, é possível que seja delegado a analistas de negócios funções que antes eram desempenhadas por analistas de sistemas. As facilidades existentes para a confecção de um sistema relacionado com um processo ficam visíveis após o contato com a tecnologia BPM e suas ferramentas. Delegando funções de análise de negócio a analistas de negócios, os analistas de sistemas podem desempenhar o papel de análise de sistemas críticos, que possuem uma demanda latente.

134 134 O BPM possibilita que qualquer pessoa com um mínimo conhecimento de BPMN possa entender o processo de negócio, o que faz com que o negócio não fique restrito a único envolvido no processo, mas sim todos os envolvidos no processo, o analista que fizer manutenção e demais interessados. Em relação a questão de pesquisa feita no início deste trabalho: até que ponto a adoção de um novo paradigma de processos em um sistema de recursos humanos de um órgão público é capaz de ajudar aos colaboradores a exercer suas tarefas administrativas com maior eficiência? Pode-se enumerar as seguintes melhorias e facilidades: os requerentes da licença de saúde médica, terão a facilidade de abrir o processo de qualquer computador sem a necessidade de se deslocar até o Tribunal de Justiça; o tempo de resposta da aprovação do processo diminuirá exponencialmente; haverá menos burocracia, em virtude da eliminação da passagem do processo por alguns setores; os administradores do processo, poderão saber em tempo real, em qual patamar o processo se encontra; com a modelagem do processo de negócio estabelecida, é possível, que qualquer interessado no processo possa verificá-lo, dessa forma, sabendo o seu funcionamento; as ferramentas estudadas, apresentam recursos, que, diminuem relevantemente a quantidade de códigos de programação, fato que facilita a criação do ambiente dos processos. pelo fato dos ambientes BPM facilitarem a geração dos ambientes executáveis, os mesmos podem ser estabelecidos por profissionais que, não necessariamente, possuem um grau técnico de linguagem de programação ou análise de sistemas elevados. 7.2 TRABALHOS FUTUROS Os protótipos desenvolvidos neste trabalho, não foram postos em prática em um ambiente de produção. Futuramente, o autor, pretende elaborar projetos que não fiquem

135 135 somente em nível de protótipo, e sim, que usuários reais possam usufruir dos benefícios do ambiente BPM. Dessa forma, poderão ser medidos os indicadores chaves de desempenho (KPI) e, feitas melhores análise, em tempo real, dos processos de negócios através do conceito de Business Activity Monitoring (BAM). Apesar de não ter sido possível a utilização do BPMS JBPM para o desenvolvimento de um protótipo, o autor irá estudar a ferramenta com maior detalhamento a fim de descobrir os procedimentos corretos para poder usufruir dos recursos dessa ferramenta. Será necessária paciência até que novas versões do JBPM 5 sejam liberadas. Com maior estabilidade e maturidade, será possível desenvolver projetos com maior facilidade e tranquilidade nessa ferramenta, pois, o propósito da ferramenta é excelente. É de grande curiosidade do autor, desenvolver protótipos BPM utilizando arquitetura orientada a serviços (SOA). Na literatura pode-se encontrar que o SOA é BPM estão intimamente ligados. Apesar de não datarem de mesma época as duas tecnologias se complementam a fim de construir sistemas robustos criados a partir de políticas bem definidas. Para a comunicação entre o SOA e BPM é necessário o aprendizado da linguagem BPEL, fato que será feito pelo autor em momento futuro.

136 136 REFERÊNCIAS ABPMP. Guia para o Gerenciamento de Processo de Negócio - Corpo Comum de Conhecimento (BPM CBOK)- Versão Terceira Liberação em Português". Disponível em Acesso em: 06 de agosto de AGRAWAL, P. K..Sap Hr : Om, Pd & Training - Tech Reference & Lear, Nova Déli:Prentice-Hall Of India Pvt p 884. ALLWEYER, Thomas. Bpmn ed. Kaiserslautern, University of Applied Sciences: Books on Demand GmbH, Norderstedt, p. BALDAM R. Gerenciamento de processos de negócios. BPM Business Process Management. 2. ed. São Paulo: Érica, p. BECKER, J.. KUGELERDSA, M., ROSEMANN, M.: Process Management: A Guide for the Design of Business Processes. New York: Springer-Verlag, p. BRASIL. Medida provisória n , de 28 de junho de 2001 Institui a Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, e dá outras providências. Portal eletrônico - Presidência da República Federativa do Brasil. Disponível em Acesso em: 28 de agosto de CAMPBELL, Dennis. Comparative Law Yearbook of International Business, Volume 25. Maryland: Aspen, p. CLARKE, Thomas. International Corporate Governance: A Comparative Approach. Abingdon, UK: Routledge, p. CRUZ, Tadeu. Workflow a tecnologia que vai revolucionar processos. 2 ed. São Paulo: Atlas, p. CRUZ, Tadeu. Workflow II, a Tecnologia que revolucionou processos. Rio de Janeiro: e- Papers, p. CRUZ, Tadeu. Uso e Desuso de Sistemas de Workflow: Porque as organizações não conseguem obter retorno, nem sucesso, com investimentos em projetos de workflow. Rio de Janeiro: e-papers ISBN: p. DRAHEIM, Dirk. Business Process Technology: A Unified View on Business Processes, Workflows. New York: Springer-Verlag, p. FERNANDES, Aguinaldo Aragon; ABREU, Vladimir Ferraz de. Implantando a Governança de TI: da Estratégia à Gestão dos Processos e Serviços. Rio de Janeiro: Brasport, 2006.

137 137 FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Miniaurélio Eletrônico versão Positivo Informática: GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa.3.ed.são Paulo:Atlas,1996. GILLOT, Jean-noel.The Complete Guide to Business Process Management: Business Process Transformation Or a Way of Aligning the Strategic Objectives of the Company and the Information System Through the Processe. Raleigh, North Carolina, United States: Lulu.com, p. GROOT, Martijn. Managing Financial Information in the Trade Lifecycle: A Concise Atlas of Financial Instruments and Processes. UK, Oxford: Elsevier, p. HARRINGTON, H. James & ESSELING, Erik K. C. & NIMWEGEN, Harm Van. Business Process Improvement Workbook: documentation, analysis, design, and management of business process improvement. New York: McGraw-Hill, p. ERIKSSON, Hans-Erik; PENKER, Magnus. Business Modeling With UML: Business Patterns at Work. Nova York, NY: John Wiley & Sons, Inc, HAVEY, Michael. Essential Business Process Modeling. USA: O Reilley Media, p. IBM. BLUEWORK LIVE FEATURES. Disponível em: <https://www.blueworkslive.com/corp/gettingstarted/features.html>. Acesso em: 19 abr INTALIO. Business Process Management Features. Disponível em: <http://www.intalio.com/bpm/features>. Acesso em: 31 de agosto de JACKO, Julie A. Human-computer Interaction: New trends. Minnesota. USA: University of Minnesota, p. JESTON, John; NELIS, Johan. Business process management: practical guidelines to successful implementations. UK: Butterworth-Heinemann, p. JURIC, Matjaž B., BENNY Mathew, e SARANG, Poomachandra. Business Process Execution Language for Web Services BPEL and BPEL4WS. 2nd ed. Birmingham, UK: Packt p. KHOSROW-POUR, M. Emerging Trends and Challenges in Information Technology Management, Washington DC, USA: IDEA Group Publishing, p. MARKOVIC, Ivan. Semantic business process modeling. Universität Karlshure (TH):KIT Scientific, p. MENDLING, J., Metrics for Process Models: Empirical Foundations of Verification, Error Prediction, and Guidelines for Correctness.New York: Springer Publishing Company Incorporated, p.

138 138 MENDONÇA, Fabiana. Do Poder Judiciário: Racionalidade, Celeridade e Efetividade no Âmbito estadual. Local: Tubarão, 30 de Setembro de Dissertação apresentada ao curso de Pós-Graduação lato sensu em Direito Civil, Tubarão, 30 de setembro de p. OBJECT MANAGEMENT GROUP - OMG. Business Process Model and Notation (BPMN) version 2.0. Disponível em <http://www.omg.org/spec/bpmn/2.0>, p. Acesso em: 19 abr ORACLE. THE ORACLE BPM SUITE. Disponível em: <http://download.oracle.com/docs/cd/e14571_01/doc.1111/e15175/bpmug_intro_bpm_suite. htm>. Acesso em: 2 de maio de ORACLE. ORACLE BUSINESS PROCESS MANAGEMENT ORACLE DATA SHEET. Disponível em: <http://www.oracle.com/technetwork/middleware/bpm/overview/index.html>. Acesso em: 19 abr PODER JUDICIÁRIO DE SANTA CATARINA. RESOLUÇÃO N. 29/2006-GP, 7 de novembro de Diário da Justiça Eletrônico, ano 1, Florianópolis, volume único, número 89, novembro de p. Disponível em: <http://www.tj.sc.gov.br/institucional/diario/a2006/ pdf>. Acesso em: 17 de agosto de PODER JUDICIÁRIO DE SANTA CATARINA. RESOLUÇÃO N. 29/2006-GP, 3 de fevereiro de Diário da Justiça Eletrônico, ano 1, Florianópolis, volume único, número 31, agosto de p. Disponível em: <http://www.tj.sc.gov.br/institucional/diario/a2006/ pdf>. Acesso em: 17 de agosto de REIJERS, Hajo A.. Design and Control of Workflow Processes, Business Process Management for the Service Industry. New York: Springer, p. REIS, Glauco dos Santos. Modelagem de processos de negócios com BPMN Curso completo. São Paulo; Editora PortalBPM ltda., p. SANTA CATARINA. Lei n de 28 de dezembro de Dispõe sobre o Estatuto dos Servidores Civis do Estado de Santa Catarina e Legislação Correlata. Florianópolis: SILVA, Roberto Ferreira Lima. E-RH em um ambiente global e multicultural. Brasília: SENAC-DF, p. SILVA, E. L. da; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. Florianópolis: UFSC, p. Disponível em:http://www.portaldeconhecimentos.org.br/index.php/por/content/view/full/ Acesso em: 13 de maio STÄHLI, Albert. Management Andragogics 2: Zurich Living Case. New York: Springer, p.

139 139 SPARXS SYSTEMS. Diagrama Simples Eriksson-Penker. Disponível em: _penker_extensions.html. Acesso em: 22 de novembro WHITE, Stephen A. e MIERS, Derek. BPMN Modeling and Reference Guide: Understanding and Using BPMN, Future Strategies Inc., LightHouse Point, Florida: Book Division, p. UNDERDAHL, Brian. Business Proces Management for Dummies. IBM LIMITED EDITION. Indianapolis, Indiana: Wiley, p. UNHELKAR, B. Process Quality Assurance for UML-based projects. Boston: The Addison-Wesley, p. WEILL, P. e Ross W. J.IT Governance: how top performers manage IT decision rights for superior results. Boston, Harvard Business: School Press, p. WESKE, Mathias. Business Process Management: Concepts, Languages, Architectures. New York: Springer-Verlag, p. WFMC. Workflow Management Coalition: Terminology & Glossary. The Workflow Management Coalition Specification WFMC-TC-1011, Workflow Management Coalition, Hampshire, UK, February p. WILLIS, Tony. BPEL 100 Success Secrets: Business Process Execution Language for Web Services- the XML-based Language for the Formal Specification of Business Process, business interation Protocols and SOA Based Integration. Qld, Australia:Emereo Pty Ltd, p.

140 ANEXOS 140

141 ANEXO A Resolução N 29/2006-GP (parte 1) - TJSC 141

142 ANEXO B Resolução N. 29/2006-GP (parte 2) - TJSC 142

143 ANEXO C Resolução N. 29/2006-GP (parte 3) - TJSC 143

144 ANEXO D RESOLUÇÃO N. 18/2006-GP TJSC 144

145 ANEXO E LEI N DE 28 DE DEZEMBRO DE 1985: SEÇÃO V; SUBSEÇÃO II 145

146 ANEXO F LEI N DE 28 DE DEZEMBRO DE 1985: SEÇÃO V; SUBSEÇÃO III 146

Conceitos de Processos & BPM

Conceitos de Processos & BPM http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte I Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015 BPMN Business Process Modeling Notation Leandro C. López Agosto - 2015 Objetivos Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos de processos Apresentar os conceitos e elementos da notação

Leia mais

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Objetivos Contextualização Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos

Leia mais

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br BPMN (Business Process Modeling Notation) George Valença gavs@cin.ufpe.br 31/10/2012 Introdução Modelagem de processos No ciclo de vida BPM, a etapa de modelagem de processos consiste em um conjunto de

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

BPM. (Business Process Management) Gerenciamento de Processos de Negócio. Meta IT Mapeamento de Processos BPM ARIS Módulo 1

BPM. (Business Process Management) Gerenciamento de Processos de Negócio. Meta IT Mapeamento de Processos BPM ARIS Módulo 1 BPM (Business Process Management) Gerenciamento de Processos de Negócio Meta IT Mapeamento de Processos BPM ARIS Módulo 1 Agenda 1 2 3 Conceitos BPM x TI Softwares BPM 4 Certificações Conceitos O que são

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI

DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI Harley Caixeta Seixas Márcia Lúcia Borges de Melo Gomes Roberta A. de Mello Bezerra Silvana Dias Soares FERRAMENTA BIZAGI BPMN Business Process Modeling Notation

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

Ciclo BPM: da Estratégia à Medição

Ciclo BPM: da Estratégia à Medição Treinamentos em Gestão por Processos Ciclo BPM: da Estratégia à Medição Da modelagem e análise ao monitoramento da execução de processos automatizados: tudo o que você precisa saber para fazer a Gestão

Leia mais

Tutorial de BPMN. Visão Geral. Escopo. Elementos

Tutorial de BPMN. Visão Geral. Escopo. Elementos Tutorial de BPMN Visão Geral É um padrão para modelagem de processos de negócio que fornece uma notação gráfica para especificação de processos de negócio em um DPN (Diagrama de Processo de Negócios).

Leia mais

BPMN - Business Process Modeling and Notation

BPMN - Business Process Modeling and Notation BPMN - Business Process Modeling and Notation AGENDA Notação Conceito Visão Geral da Notação BPMN Notação BPMN no Escritório de Processos NOTAÇÃO - CONCEITO Segundo o dicionário: Ação de indicar, de representar

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio - BPM

Gerenciamento de Processos de Negócio - BPM www.exitoconsultoria.com.br Gerenciamento de Processos de Negócio - BPM Josias França Filho, MSc, CBPP Salvador, 16/05/2012 ABRH A EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO BASEADOS EM PROCESSOS Qualidade Total (TQM)

Leia mais

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 1 INTRODUÇÃO A Business Process Modeling Notation (BPMN), ou Notação de Modelagem de Processos de Negócio, é um conjunto de

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012

Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012 Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012 O que é um processo? Um processo é um grupo de atividades realizadas numa seqüência lógica com o objetivo de produzir um bem ou um

Leia mais

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil Automação de Processos Jones Madruga Promover melhorias e inovações que efetivamente criam valor não é simples... Apresentação Ø Organização PRIVADA

Leia mais

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Introdução ao BPM e CBOK Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR BPM CBOK O Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio - Corpo Comum de Conhecimento

Leia mais

3 Arquitetura de Integração

3 Arquitetura de Integração 65 3 Arquitetura de Integração O objetivo da integração é permitir a modelagem de objetivos e a modelagem de processos em um mesmo diagrama de forma a explicitar o porque e o como ao mesmo tempo, evidenciando

Leia mais

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Benefícios da modelagem Em uma organização orientada a processos, modelos de processos são o principal meio para medir o desempenho

Leia mais

BPMN: Identificando vantagens e desvantagens do uso desta ferramenta para modelagem de processos.

BPMN: Identificando vantagens e desvantagens do uso desta ferramenta para modelagem de processos. BPMN: Identificando vantagens e desvantagens do uso desta ferramenta para modelagem de processos. Franciele da Costa Canello 1 RESUMO As organizações estão cada vez mais necessitando de sistemas que aliem

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Gestão de Processos de Negócios

Gestão de Processos de Negócios Gestão Operacional da TI Gestão de Processos de Negócios Business Process Management (BPM) Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Professor NOME: RÔMULO CÉSAR DIAS DE ANDRADE

Leia mais

PADRÃO DE MODELAGEM DE PROCESSOS

PADRÃO DE MODELAGEM DE PROCESSOS PADRÃO DE MODELAGEM DE PROCESSOS - 1 - Sumário 1. INTRODUÇÃO 6 2. BASE CONCEITUAL 7 3. DIAGRAMAS PARA GESTÃO DE PROCESSOS NO INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL 9 3.1. Cadeia de Valor

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

Unidade: Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Nº: MANUAL DE PROCEDIMENTOS. TÍTULO: Modelar Processos 1/17

Unidade: Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Nº: MANUAL DE PROCEDIMENTOS. TÍTULO: Modelar Processos 1/17 1/17 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

Gestão por Processos

Gestão por Processos Gestão por Processos Ponta Grossa SC Setembro de 2011 Simone de Andrade Klober. Graduado em Psicologia - ACE/SC, Mestre em Gestão Estratégica ESAG/UDESC, Especialista em dinâmica dos Grupos SBDG, Formação

Leia mais

Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0

Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0 Treinamentos em Gestão por Processos Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0 Representando processos de negócio com a notação mais poderosa do Mercado. BPMN (Business Process Model and Notation)

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

BPM Definições e Contexto Prática Aula 1

BPM Definições e Contexto Prática Aula 1 BPM Definições e Contexto Prática Aula 1 BP Business Process Algumas definições sobre o que é Processos de Negócio (BP) Um processo é um fluxo coordenado e padronizado de atividades executadas por pessoas

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I BPMN I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br 1 + Processo de Negócio 2 n Coleção de atividades relacionadas e estruturadas que produzem um serviço ou produto específico.

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Modelagem de Processos para Automação

Modelagem de Processos para Automação Treinamentos em Gestão por Processos Modelagem de Processos para Automação [ipe03] Implementando a Visão Futura: um curso prático para vencer a barreira existente entre negócio e TI. Implantar processos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 LEVANTAMENTO, MODELAGEM

Leia mais

Automação de Processos de Negócios com BPMS:

Automação de Processos de Negócios com BPMS: Automação de Processos de Negócios com BPMS: Um Relato de Experiência da ATI ATI- /UPG Unidade de Processos de Negócios do Governo Adelnei Felix adelnei.felix@ati.pe.gov.br 1 Agenda Introdução Relato da

Leia mais

GUIA DE REFERÊNCIA EM GESTÃO DE PROCESSOS

GUIA DE REFERÊNCIA EM GESTÃO DE PROCESSOS GUIA DE REFERÊNCIA EM GESTÃO DE PROCESSOS CONTROLE DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 11/03/2013 1.0 Elaboração do documento Andrea Lelis Prado 13/05/2013 1.1 Atualização do documento Andrea Lelis

Leia mais

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Vinicius Lourenço de Sousa vinicius.lourenco.sousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de

Leia mais

PROPOSTA PARA AUTOMAÇÃO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

PROPOSTA PARA AUTOMAÇÃO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES XIV COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GESTÃO UNIVERSITÁRIA CIGU A Gestão do Conhecimento e os Novos Modelos de Universidade Florianópolis Santa Catarina Brasil 3, 4 e 5 de dezembro de 2014. ISBN: 978-85-68618-00-4

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS)

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS) WHITE PAPPER Rafael Fazzi Bortolini Diretor, Cryo Technologies Orquestra BPMS rafael@cryo.com.br Internet das Coisas e Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM) são duas disciplinas ou tendências à primeira

Leia mais

Oracle BPM 11g. Análise à Plataforma

Oracle BPM 11g. Análise à Plataforma Oracle BPM 11g Análise à Plataforma Maio de 2010 Tive o privilégio de ser convidado a participar no "EMEA BPM 11g beta bootcamp" em Abril de 2010, no qual tive contacto mais próximo com a última versão

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

Disciplina: Automação de Processos de Negócio

Disciplina: Automação de Processos de Negócio Disciplina: Automação de Processos de Negócio PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Eros Viggiano Ementa da disciplina Viabilização da otimização de processo através da

Leia mais

BEM-VINDO!!! Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos

BEM-VINDO!!! Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos Apresentação Inicial BEM-VINDO!!! Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos 1 Mapeamento de Processos Mapeamento de Processos e Negócios com BPM 2 Ementa Introdução Definição

Leia mais

Mapeamento, Melhoria, Transformação e Operacionalidade de Processos e Decisões

Mapeamento, Melhoria, Transformação e Operacionalidade de Processos e Decisões CRICIÚMA 2015 Mapeamento, Melhoria, Transformação e Operacionalidade de Processos e Decisões Maurício Bitencourt, CBPP Vice-presidente e co-fundador da ABPMP Brasil Criciúma, 16 de junho de 2015 http://mauriciobitencourt.com

Leia mais

A Integração Entre a Bpmn e a Uml

A Integração Entre a Bpmn e a Uml A Integração Entre a Bpmn e a Uml Meire Helen Batista Dias meirehelenbdias@bol.com.br FATEC ZL Cristina Corrêa de Oliveira crisolive@ig.com.br FATEC ZL Jair Minoro Abe jairabe@uol.com.br UNIP Resumo:Para

Leia mais

Qualidade de Ferramentas BPM (BPMS) e Avaliação da Abordagem Business

Qualidade de Ferramentas BPM (BPMS) e Avaliação da Abordagem Business 1 de 6 Qualidade de Ferramentas BPM (BPMS) e Avaliação da Abordagem Business Process Management (BPM) em Processos de Software João Leonardo Silveira Neto, Luana Pires Ramos, Adriana Herden, Adriano Bessa

Leia mais

O desafio de uma visão mais ampla

O desafio de uma visão mais ampla com SAP NetWeaver BPM Descrição de Solução A competição acirrada tem levado as organizações a adotar novas disciplinas de gestão e empregar recursos tecnológicos avançados, a fim de atingir melhores índices

Leia mais

Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG

Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG Versão 1.0 Setembro de 2015 Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Felipe de Souza Leão Gabinete do Secretário

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

silviaheld@usp.br Italiano, Isabel Cristina. Profa. Dra. - Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e RESUMO ABSTRACT

silviaheld@usp.br Italiano, Isabel Cristina. Profa. Dra. - Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e RESUMO ABSTRACT MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE CONFECÇÃO PARA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS DA PRODUÇÃO Espinosa, Caroline Stagi - Bacharel em Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e Humanidades - Universidade de São

Leia mais

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Metodologia Conjunto de práticas Controle, gerenciamento e integração dos processos Permite a análise, definição, execução, monitoramento

Leia mais

The Open Source Business Process Platform Company. Proposta Comercial. Plataforma Intalio BPP

The Open Source Business Process Platform Company. Proposta Comercial. Plataforma Intalio BPP Proposta Comercial Plataforma Intalio BPP 2 É com grande prazer que apresentamos nossa Proposta Comercial, com o objetivo de fornecer total visibilidade da plataforma Intalio BPP (Business Process Platform),

Leia mais

IBM WebSphere Business Monitor

IBM WebSphere Business Monitor Obtenha visibilidade em tempo real do desempenho dos processos de negócios IBM WebSphere Business Monitor Fornece aos usuários de negócios uma visão abrangente e em tempo real do desempenho dos processos

Leia mais

Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio

Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio Este é um artigo sobre BPM que merece destaque no Portal GSTI. No trabalho abaixo, de Francisco Sobreira Neto, é elaborado um apanhado

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

METODOLOGIA DE GESTA O DE PROCESSOS

METODOLOGIA DE GESTA O DE PROCESSOS METODOLOGIA DE GESTA O DE PROCESSOS Guia de referência do sistema de Gestão de Pr ocessos do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Versão 0.0 METODOLOGIA DE GESTÃO DE PROCESSOS Guia de referência

Leia mais

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL Engº Fernando Só e Silva, Diretor da Deggy Brasil, fso@deggy.com.br Numa análise histórica da segurança privada, temos registrado seu surgimento,

Leia mais

PROJELER. Solução de código aberto para gerenciamento de processos de negócio

PROJELER. Solução de código aberto para gerenciamento de processos de negócio Otimização e Automação de Processos de Negócio Abril/2008 Solução de código aberto para gerenciamento de processos de negócio Maurício Bitencourt, PMP Diretor Executivo mauricio.bitencourt@projeler.com.br

Leia mais

BPMN Business Process Modeling Notation

BPMN Business Process Modeling Notation BPMN Business Process Modeling Notation Business Process Modeling Notation Página 1 Objetivo O objetivo deste curso é apresentar os elementos da notação de modelagem de processos de negócio BPMN 1.1 (Business

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Introdução à Bonita BPM

Introdução à Bonita BPM WHITE PAPER Introdução à Bonita BPM Como começar a usar o Bonita BPM para capturar um processo conceitual e transformá-lo em um diagrama de processo Charlotte Adams, Alexandre Bricout e Maria Picard, Bonitasoft

Leia mais

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos 1 Objetivo Nivelar informações e conceitos sobre mapeamento de processos na UFABC. O que é um processo?? É um conjunto de atividades

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio

Modelagem de Processos de Negócio Treinamentos em Gestão por Processos Modelagem de Processos de Negócio Documentando o conhecimento sobre processos de negócio de forma clara e completa Conhecida como a base para iniciativas de processos,

Leia mais

Etapas e Desafios. plataforma de BPM corporativa. BPMS Showcase 2014. Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com.

Etapas e Desafios. plataforma de BPM corporativa. BPMS Showcase 2014. Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com. BPMS Showcase 2014 Etapas e Desafios na seleção de uma plataforma de BPM corporativa Apresentado por: Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com.br Apresentando a iprocess

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

COMO MODELAR PROCESSOS DE NEGÓCIOS UTILIZANDO DIAGRAMA DE ATIVIDADES DA UNIFIED MODELING LANGUAGE (UML)

COMO MODELAR PROCESSOS DE NEGÓCIOS UTILIZANDO DIAGRAMA DE ATIVIDADES DA UNIFIED MODELING LANGUAGE (UML) COMO MODELAR PROCESSOS DE NEGÓCIOS UTILIZANDO DIAGRAMA DE ATIVIDADES DA UNIFIED MODELING LANGUAGE (UML) Ursulino Pereira Dias 1, Celso Luis. Z. Faria 2 RESUMO: Todo trabalho realizado nas empresas faz

Leia mais

Abordagem técnica sobre Indicadores Gestão POR Processos

Abordagem técnica sobre Indicadores Gestão POR Processos Thiago Alan Dutra dos Santos, Engenheiro Mecânico/UGF e MBA em Engenharia de Manutenção/UFRJ Consultor de Engenharia de Manutenção e Confiabilidade Ano 2014-2 Semestre - Material publicado no blog: - brasilengenhariademanutencao.blogspot.com.br

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR Karin Maria Sohnlein (UNISC) karin.sohnlein@gmail.com Rafael Bortolini (UNISC) rfbortolini@gmail.com Vinicius

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Habilitando um Centro de Serviços Compartilhados através do SAP NetWeaver BPM

Habilitando um Centro de Serviços Compartilhados através do SAP NetWeaver BPM Habilitando um Centro de Serviços Compartilhados através do SAP NetWeaver BPM SAP FORUM BRASIL GRUPO ARG Daniel Brito Faria Maciel daniel.maciel@grupoarg.com Antônio de Pádua Pereira antonio.pereira@grupoarg.com

Leia mais

MAPEAMENTO E REDESENHO DE PROCESSOS E

MAPEAMENTO E REDESENHO DE PROCESSOS E MAPEAMENTO E REDESENHO DE PROCESSOS E ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Fortaleza - 2011 Sensibilização Mapeamento e Redesenho de Processos e Estrutura Organizacional Concepção do trabalho: Fases; Cronograma; Diretrizes;

Leia mais

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Universidade Federal de Santa Maria Sistemas de Informação ELC1093 Modelagem de Processos de Negócio PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Profa. Lisandra Manzoni Fontoura Objetivos da Aula: Processos

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento Superintendência de Modernização Institucional Gerência de Escritório de Processos

Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento Superintendência de Modernização Institucional Gerência de Escritório de Processos SUMÁRIO PADRONIZAÇÃO DO DESENHO DE PROCESSOS NO BIZAGI... 2 1. CONFIGURANDO A FERRAMENTA... 2 2. GLOSSÁRIO... 2 3. OBJETIVO... 3 4. NOTAÇÃO... 3 5. REGRAS DE DESENHO... 3 5.1. Macroprocesso... 3 5.2. Sub-processo......

Leia mais

Cursos Presenciais e a Distância em 2015

Cursos Presenciais e a Distância em 2015 Cursos Presenciais e a Distância em 2015 CURSO DE GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO (BPM) Preparação para os Exames de Certificação CBPP e CBPA da ABPMP 40 horas-aula EAD ao vivo Noturno - Ter/Qui

Leia mais

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 BPM CBOK Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócios Corpo Comum de Conhecimento Modelagem de Processos de Negócios Modelagem de processos Análise de

Leia mais

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização.

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização. GESTÃO POR PROCESSOS Prof. WAGNER RABELLO JR PROCESSO Conjunto de recursos e atividades interrelacionadas que transforma insumos (entradas) em serviços ou produtos (saídas); GESTÃO DE PROCESSO OU GESTÃO

Leia mais

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Tiago Domenici Griffo 1, Gothardo Francisco de Magalhães Santos 1, Rodrigo Becke Cabral 1 1

Leia mais

Pesquisa sobre Iniciativas em BPM

Pesquisa sobre Iniciativas em BPM Pesquisa sobre Iniciativas em BPM Apresentação...2 1. Perfil dos Participantes da Pesquisa...3 2. Como as organizações estão adotando o BPM... 4 2.1. Como as organizações entendem o conceito de BPM?...

Leia mais

Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR. Business Process Modeling Notation BPMN

Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR. Business Process Modeling Notation BPMN Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Business Process Modeling Notation BPMN BPMN Business Process Modeling Notation A especificação da notação de modelagem

Leia mais

Curso de BPMN - II. Desenho de processo

Curso de BPMN - II. Desenho de processo Curso de BPMN - II Glauco Reis (gsrt@terra.com.br) é Consultor em Java e metodologias OO, e especializado em plataforma IBM. Têm o título de SCJP 1.1 e 1.4, SCJWCD 1.4, e IBM CSE e IBM Websphere Application

Leia mais

Definição de Processos de Workflow

Definição de Processos de Workflow Definição de Processos de Tiago Telecken Universidade Federal do Rio Grande do Sul telecken@inf.ufrgs.br Resumo Este artigo apresenta uma introdução a tecnologia de workflow informando noções básicas sobre

Leia mais

O Gerenciamento de Processos de Negócio Aplicado para Melhorar os Resultados Organizacionais Um Estudo de Caso Prático

O Gerenciamento de Processos de Negócio Aplicado para Melhorar os Resultados Organizacionais Um Estudo de Caso Prático O Gerenciamento de Processos de Negócio Aplicado para Melhorar os Resultados Organizacionais Um Estudo de Caso Prático Felipe Martinazzo 1, Dionatrã F. Kirchoff 2, Amilton Rodrigo de Quadros Martins 3,

Leia mais

Planejamento Estratégico para o Negócio

Planejamento Estratégico para o Negócio Planejamento Estratégico para o Negócio Como trabalhar um serviço para sua melhoria e automatização Arthur Gonçalves Trabalho de Conclusão de Curso Apresentado à SOFTPLAN Como forma de apresentação do

Leia mais

Nome do Projeto: Revisão do processo de Homologação de Modelo de Dados Tema: Tecnologia da Informação Responsável: SEAD

Nome do Projeto: Revisão do processo de Homologação de Modelo de Dados Tema: Tecnologia da Informação Responsável: SEAD Apresentação TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENADORIA DE LOGÍSTICA SEÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO DE DADOS E-mail: sead@tse.jus.br Nome do Projeto: Revisão do processo de

Leia mais

A MUDANÇA DE PROCESSOS E OS IMPACTOS NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL: UMA ANÁLISE DOS IMPACTOS DA MUDANÇA UTILIZANDO O BPM

A MUDANÇA DE PROCESSOS E OS IMPACTOS NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL: UMA ANÁLISE DOS IMPACTOS DA MUDANÇA UTILIZANDO O BPM A MUDANÇA DE PROCESSOS E OS IMPACTOS NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL: UMA ANÁLISE DOS IMPACTOS DA MUDANÇA UTILIZANDO O BPM Allex Espindola Erckmann 1 Resumo: O presente artigo tem como objetivo a realização

Leia mais

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL Conhecimento em Tecnologia da Informação Gestão de Processos Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL 2011 Bridge Consulting Apresentação É comum que as

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais