Capítulo 1 O Ser Humano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo 1 O Ser Humano"

Transcrição

1 Capítulo 1 O Ser Humano

2 O ser humano I/O de informação: visual, auditiva, táctil, movimento Informação armazenada em memória sensorial, curto prazo, longo prazo Informação processada e aplicada raciocínio, resolução de problemas, competências (skills), erro Emoção influencia capacidades humanas Cada pessoa é diferente

3 Visão Duas fases no mecanismo da visão: recepção física do estímulo processamento e interpretação do estímulo

4 O Olho - recepção física mecanismo para a recepção da luz e respectiva transformação em energia eléctrica luz é reflectida pelos objectos imagens são focadas na retina de pernas-para-o-ar retina contém bastonetes para a visão com iluminação baixa e cones para a visão a cores células ganglionares (cérebro!) detectam padrões e movimento

5 Interpretação do sinal Tamanho e profundidade ângulo visual indica o tamanho de espaço visual que um objecto ocupa (relaciona tamanho e distância dum objecto ao olho) acuidade visual é a capacidade para perceber o detalhe (limitada) objectos familiares percebidos como tendo tamanho constante (apesar das mudanças de ângulo visual quando se está longe) estímulos à percepção (cues)como, por exemplo, sobreposição ajudam a percepção do tamanho e profundidade Brilho reacção subjectiva aos níveis de luz afectada pela luminância do objecto medida pela diferenças perceptíveis acuidade visual aumenta com a luminância como acontece com o efeito de flickering

6 Interpretação do sinal (cont) Cor constituída por cor (hue), intensidade do brilho, saturação (modelo HSB) cones sensíveis aos comprimentos de onda acuidade do azul é o mais baixo 8% de homens e 1% de mulheres são cegos à cor O sistema visual compensa: movimento alterações de luminância. Contexto é usado para resolver ambiguidade Ilusões ópticas ocorrem às vezes devido a sobrecompensação

7 Ilusões Ópticas ilusão de Ponzo ilusão de Muller-Lyer Mario Ponzo suggested that the human mind judges an object's size based on its background. He showed this by drawing two identical lines across a pair of converging lines, similar to railway tracks. The Mueller-Lyer illusion is an optical illusion consisting of nothing more than an arrow. When viewers are asked to place a mark on the figure at the mid-point, they invariably place it more towards the "tail" end.

8 Leitura Várias fases: padrão visual percebido In linguistics and semiotics, pragmatics is concerned with bridging the explanatory gap between sentence meaning and speaker's meaning. The study of how context influences the interpretation is then crucial. In this setting, context refers to any factor linguistic, objective, or subjective that affects the actual interpretation of signs and expressions. descodificado usando a representação interna da linguagem interpretado usando o conhecimento da sintaxe, da semântica e da pragmática Leitura envolve pestanejos e fixações Percepção ocorre durante as fixações Forma da palavra é importante para o seu reconhecimento Contraste negativo melhora a leitura num écrã de computador

9 Audição It is a buffet-style party with drinks and snacks. In a party, it is very noisy with conversation and background music mixed. Even in such an environment, you can listen to conversation partner or what you are interested in though it is a little distance away. This is how it was named. It is a work of human acoustic sense with which you pick up a certain source of sound out of multiple overlapped sources. Fornece informação acerca do ambiente: distâncias, direcções, objectos etc. Aparelho físico: ouvido exterior protege o ouvido interno e amplifica o som ouvido médio transmite ondas de som para o ouvido interno ouvido interno transmissores químicos são libertados e provoca impulsos no nervo auditivo Som Pitch (frequência do som); loudness (amplitude); timbre (tipo ou qualidade) Os humanos podem ouvir frequências entre 20Hz e 15kHz Menor precisão em distinguir altas frequências do que baixas. Sistema auditivo filtra sons Pode perceber sons sobre o ruído de fundo. por exemplo, o fenómeno da cocktail party.

10 Tacto Fornece informação importante acerca do meio ambiente. Pode ser o sentido chave para alguém que é visualmente diminuído. Estímulo recebido via receptores existentes na pele: Termoreceptores calor e frio Nociceptores dor Mecanoreceptores pressão (às vezes instantânea, às veses contínua) Algumas áreas são mais sensíveis do que outras; por exemplo, dedos. Cinestesia - consciência da posição do corpo (ou sensibilidade ao movimento) afecta o conforto e o desempenho

11 Movimento Tempo de resposta ao estímulo: tempo de reacção + tempo de movimento Tempo de movimento dependente da idade, do estado de forma física, etc. Tempo de reacção - dependente do tipo de estímulo: visual ~ 200ms auditivo ~ 150 ms dor ~ 700ms Aumentando o tempo de reacção diminui a acuidade no operador não-especializado, mas não no operador especializado.

12 Movimento(cont) Lei de Fitts descreve o tempo necessário para atingir um alvo no écrã: t = a + b log 2 (D/S + 1) onde: a e b são constantes determinadas empiricamente t é o tempo do movimento D é a distância S é o tamanho do alvo Alvos tão grandes quanto possível distâncias tão pequenas quanto possível

13 Memória Há 3 tipos de memória: sensorial curto-prazo longo-prazo Selecção de estímulos governada pelo nível de vigilância. Memórias sensoriais Memória de curto-prazo ou memória de trabalho Memória de longo-prazo

14 Memória sensorial Buffers para estímulos recebidos através dos sentidos memória icónica: estímulos visuais Memória onomatopaica: estímulos auriculares Memória háptica: estímulos tácteis Exemplos sparkler trail Som stereo Continuamente sobre-escrito

15 Memória de curto prazo (short-term memory - STM) Repositório para relembrança temporária acesso rápido ~ 70ms decaimento rápido ~ 200ms capacidade limitada - 7± 2 chunks

16 Exemplos HEC ATR ANU PTH ETR EET

17 Memória de longo prazo (Long-term memory, LTM) Repositório de todo o nosso conhecimento acesso lento ~ 1/10 segundos decaimento lento, se qualquer capacidade enorme e ilimitada Dois tipos episódica memória em série de eventos semântica memória estruturada de factos, conceitos, habilidades LTM semântica derivada de LTM episódica

18 Memória de longo prazo(cont.) Estrutura de memória semântica fornece acesso a informação representa relações entre bits de informação suporta inferência Modelo: rede semântica herança nós filhos herdam propriedades dos nós pais relações explícitas entre bits de informação suporta inferência através de herança

19 LTM - rede semântica

20 Modelos de LTM - Frames Informação organizada em estruturas de dados Slots na estrutura preenchidos com valores para cada instância de dados Relações tipo-subtipo Fixed legs: 4 DOG Default diet: carniverous sound: bark Variable size: colour COLLIE Fixed breed of: DOG type: sheepdog Default size: 65 cm Variable colour

21 Models of LTM - Scripts Modelo de informação estereótipa necessária para interpretar situação Script tem elementos que podem ser instanciados com valores de contexto Script for a visit to the vet Entry conditions: dog ill vet open owner has money Result: Props: dog better owner poorer vet richer examination table medicine instruments Roles: Scenes: Tracks: vet examines diagnoses treats owner brings dog in pays takes dog out arriving at reception waiting in room examination paying dog needs medicine dog needs operation

22 Models of LTM - Regras de produção Representação de conhecimento procedimental. Regras condição/acção if condição é satisfeita then usa-se regra para determinar acção. IF dog is wagging tail THEN pat dog IF dog is growling THEN run away

23 LTM - Armazenamento de informação repetição Informação move-se de STM para LTM hipótese de tempo total quantidade retida é proporcional ao tempo de repetição distribuição de efeito prático optimizado pela dispersão da aprendizagem ao longo do tempo estrutura, significado e familiaridade informação mais fácil de lembrar

24 LTM - Esquecimento decaimento informação é perdida gradualmente, mas muito lentamente interferência nova informação substitui a antiga: interferência retroactiva informação antiga pode interferir com a nova: inibição proactiva assim não podemos esquecer que toda a memória é selectiva afectada pela emoção pode subconscientemente `escolher' esquecer

25 LTM - extracção (retrieval) relembrança informação reproduzida pela memória pode ser assistida por pistas ou deixas; por exemplo, categorias, imagens, etc. reconhecimento informação dá conhecimento que foi visto anteriormente menos complexo que relembrança- informação é a pista

26 Pensamento Raciocínio dedução, indução, abducção Resolução de Problemas

27 Raciocínio Dedutivo Dedução: deriva logicamente conclusão a partir de premissas. p.ex. Se é sexta-feira, então iremos trabalhar É sexta-feira. Portanto, iremos trabalhar. Conclusão lógica não necessariamente verdadeira: p.ex. Se está a chover, então o solo está seco Está a chover. Portanto, o solo está seco.

28 Dedução (cont.) Quando a verdade e a validade lógica chocam p.ex. Algumas pessoas são bébés Alguns bébés choram Inferência - Algumas pessoas choram Correcto? Pessoas têm em conta o conhecimento que têm do mundo

29 Raciocínio Indutivo Indução: generaliza de casos conhecidos para casos não conhecidos p.ex. Todos os elefantes que temos visto têm tromba. Portanto todos os elefantes têm tromba. Não-fiável: Podemos só provar a falsidade, não a verdade mas é útil! Os seres humanos não são bons no uso da evidência negativa p.ex. Cartas de Wason.

30 Cartas de Wason Se uma carta tem uma vogal num lado, então tem um número par no outro É isto verdade? Quantas cartas precisamos de virar para saber?. e quais?

31 Raciocínio abductivo raciocínio do evento para a causa p.ex. Samuel conduz rapidamente quando bêbado. Se vejo o Samuel a conduzir rapidamente, assumo que ele está bêbado. Não-fiável: Pode levar a descrições falsas

32 Resolução de problemas Processo de encontrar uma solução para uma tarefa não-familiar usando conhecimento prévio. Várias teorias. Teoria de Gestalt todo soma das partes

33 Resolução de problemas (cont.) Teoria do espaço de problemas espaço de problemas compreende estados do problema Resolução de problemas envolve a geração de estados com operadores válidos heurística pode ser empregue para seleccionar operadores p.ex. análise meios-fins opera dentro do sistema de processamento de informação humana p.ex. limites da STM etc. Largamente aplicada à resolução de problemas em áreas bemdefinidas p.ex. puzzles em vez de áreas intensivas de conhecimento

34 Resolução de problemas (cont.) Analogia mapeamento analógico: problemas novos num novo domínio? usa conhecimento de problema similar em domínio similar mapeamento analógico difícil se os domínios são semanticamente diferentes Aquisição de conhecimentos especializados actividade especializada é caracterizada por aglomeração muita da informação é aglomerada para optimizar STM é conceptual em vez de um agrupamento superficial de problemas informação é estruturada mais eficientemente

35 Erros e modelos mentais Tipos de erro lapsos intenção correcta, mas falha em fazer algo correctamente causas: pobre competência (skill) física, falta de atenção, etc. alteração de comportamento especializado (skilled) pode causar um lapso erros (mistakes) intenção errada causa: compreensão incorrecta seres humanos criam modelos mentais para explicar comportamento. if errado (diferente do sistema real) erros podem ocorrer

36 Emoção Várias teorias de como a emoção funciona James-Lange: emoção é a nossa interpretação duma resposta fisiológica a um estímulo Cannon: emoção é uma resposta psicológica a um estímulo Schacter-Singer: emoção é o resultado da avaliação que fazemos das nossas respostas fisiológicas face a uma situação que estamos a viver Emoção envolve quer a resposta cognitiva quer a resposta física a estímulos

37 Emoção (cont.) A resposta biológica a um estímulo físico é chamada afecto Afecto influencia como respondemos a situações positivo resolução criativa de problemas negativo pensamento estreito Afecto negativo pode tornar difícil a execução de tarefas fáceis; afecto positivo pode tornar mais fácil a execução de tarefas difíceis (Donald Norman)

38 Emoção (cont.) Implicações para o design de interfaces stresse aumenta a dificuldade em resolver problemas utilizadores descontraídos são mais tolerantes às imperfeições do design interfaces esteticamente agradáveis e recompensadoras aumentam o afecto positivo

39 Diferenças individuais longo prazo sexo, habilidades físicas e intelectuais curto prazo efeito de stresse ou fadiga mudança idade Pergunte-se a si próprio: esta decisão de design excluirá parte da população de utilizadores?

40 Psicologia e o Design de Sistemas Interactivos Algumas aplicações directas p.ex. acuidade da cor azul é pobre o azul não deve ser usado em detalhes importantes Contudo, aplicação correcta requer em geral a compreensão do contexto em psicologia, e uma compreensão de condições experimentais particulares Muito conhecimento é depurado em: linhas de orientação (cap 7 do livro) modelos cognitivos (cap 12 do livro) Técnicas de avaliação analítica e experimental (cap 9 do livro)

II.4 - Factores Humanos II

II.4 - Factores Humanos II Melhor e Pior? II Perceber os Utilizadores e as Tarefas HCI, Cap. 1, Alan Dix 2 Resumo Aula Anterior Sumário Modelo Humano de Processamento Subsistema de Percepção Visão Cor, Ilusões, Leitura Audição Tacto

Leia mais

Interacção Homem-Máquina 2- Os Humanos

Interacção Homem-Máquina 2- Os Humanos Interacção Homem-Máquina 2- Os Humanos Pedro Campos dme.uma.pt/pcampos pcampos@uma.pt O Modelo Humano de Processamento Visão simplificada do processamento humano envolvido na interacção com um sistema

Leia mais

Sistema Visual Humano. Carlos Alexandre Mello. Pós-Graduação em Ciência da Computação. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Sistema Visual Humano. Carlos Alexandre Mello. Pós-Graduação em Ciência da Computação. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello Pós-Graduação em Ciência da Computação Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Nós somos criaturas visuais A maior parte das informações que adquirimos vem dos nossos olhos Cerca

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Percepção Visual e de Cores - Parte I Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Percepção Visual e de

Leia mais

11ºano MÓDULO 1. Material a utilizar: esferográfica preta ou azul, máquina de calcular

11ºano MÓDULO 1. Material a utilizar: esferográfica preta ou azul, máquina de calcular 11ºano MÓDULO 1 Matriz da Prova de Equivalência à Frequência (Decreto-lei nº 74/2004) PROVA ESCRITA E PRÁTICA DE FÍSICA E QUÍMICA APLICADA 11º E 12º anos Vertente Imagem Código da Prova 815 1ª Fase / 2ªFase

Leia mais

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta Design Web - Percepção Elisa Maria Pivetta GESTALT Percepção Visual Elisa Maria Pivetta Percepção visual No sentido da psicologia e das ciências cognitivas é uma de várias formas de percepção associadas

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

Óptica Visual e. Instrumentação

Óptica Visual e. Instrumentação Óptica Visual e Instrumentação Trabalho elaborado por: Andreia Fonseca 13220 Elia Coelho 13846 Gonçalo Heleno 13007 Ensino de Física e Química Página 1 Objectivos: Este trabalho experimental tem como principais

Leia mais

II PERCEBER OS UTILIZADORES E AS TAREFAS

II PERCEBER OS UTILIZADORES E AS TAREFAS II PERCEBER OS UTILIZADORES E AS TAREFAS II.3 FACTORES HUMANOS I HCI, Cap. 1, Alan Dix 1 Melhor e Pior? 2 1 Melhor e Pior? 3 Melhor e Pior? 4 2 Melhor e Pior? 5 Resumo Aula Anterior o Fases da Avaliação

Leia mais

II.3 Factores Humanos I

II.3 Factores Humanos I Melhor e Pior? II Perceber os Utilizadores e as Tarefas HCI, Cap. 1, Alan Dix 2 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior Conclusão da Análise de Tarefas Resultado Como fazer Selecção de tarefas para desenho

Leia mais

Interfaces Pessoa. Fatores Humanos I. Máquina. Cap. 2.1 Sistema de Perceção

Interfaces Pessoa. Fatores Humanos I. Máquina. Cap. 2.1 Sistema de Perceção Interfaces Pessoa Máquina Fatores Humanos I Cap. 2.1 Sistema de Perceção 15 Melhor e Pior? Melhor e Pior? Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior Análise dos dados de avaliação Estatísticas descritivas Estatística

Leia mais

O que caracteriza um som?

O que caracteriza um som? O que caracteriza um som? As características de uma onda sonora são conectadas com os conceitos físicos originários da observação de Fenômenos Periódicos, tal como o Movimento Circular Uniforme (MCU) e

Leia mais

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez Visão humana Guillermo Cámara-Chávez Cor e visão humana Como uma imagem é formada? Uma imagem é formada a partir da quantidade de luz refletida ou emitida pelo objeto observado. Cor e visão humana Cor

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

Deficiência Visual. A visão

Deficiência Visual. A visão Deficiência Visual Formadora: Elisa de Castro Carvalho 1 A visão Quando o bebé nasce ele já possui algumas competências visuais apesar da imaturidade do aparelho visual. Nos primeiros meses de vida são

Leia mais

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E TÉCNICAS BÁSICASB Fernando Pereira Instituto Superior TécnicoT Digitalização Processo onde se expressa informação analógica de forma digital. A informação analógica

Leia mais

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto. Laboratório de Psicologia Experimental

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto. Laboratório de Psicologia Experimental Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto Laboratório de Psicologia Experimental O primeiro Laboratório de Psicologia Experimental foi fundado por Wundt, em Leipzig, na Alemanha,

Leia mais

Investigação experimental

Investigação experimental Investigação experimental Aproximação positivista Experiências laboratoriais: identificação de relações exactas entre as variáveis escolhidas num ambiente controlado (laboratório) através do uso de técnicas

Leia mais

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição Ouvir melhor é viver melhor Descobrindo sua audição O mundo o está chamando A capacidade de ouvir é uma parte tão importante da nossa vida e a maioria das pessoas nem se dá conta disso. Ouvir é um dom,

Leia mais

Teoria de Gestalt aplicada a IHM

Teoria de Gestalt aplicada a IHM Teoria de Gestalt aplicada a IHM José Gustavo de Souza Paiva Introdução [1] Gestalt: teoria de estudo de como os seres humanos percebem as coisas Percepção: visão de TODO, e não de PONTOS ISOLADOS Relações,

Leia mais

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA 1844 Demonstração pública bem sucedida do TELÉGRAFO, inventado por SAMUEL MORSE. Transmitida a mensagem What hath God wrought entreo Capitólio em Washington e Baltimore NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

Leia mais

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta.

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta. Escola Secundária Vitorino Nemésio Terceiro teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 13 de Fevereiro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

Metodologia e Redação Científica

Metodologia e Redação Científica Metodologia e Redação Científica INTRODUÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA 1.1. Bases e conceitos APRESENTAÇÃO AULAS GRADUAÇÃO PRATICANDO MATERIAL AUXILIAR Objetivo da Aula Introduzir os conceitos gerais da metodologia

Leia mais

PAGE versões alternadas: entre print e pixel

PAGE versões alternadas: entre print e pixel 23 03 10 PAGE versões alternadas: entre print e pixel Marta Jardim / Pedro Carvalho THE ZONE natureza híbrida e específica A concepção de objectos que correspondam aos objectivos propostos privilegiam

Leia mais

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente Ruído Como se define Define-se ruído, como sendo um som sem interesse ou desagradável para o auditor. O ruído (som) pode ser mais ou menos intenso, composto por uma só tonalidade ou composto por várias

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219)

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Raios de Luz - Alguns filósofos gregos pensavam que nossos olhos emitiam raios que permitiam enxergar os objetos; - Só nos é possível ver quando há luz

Leia mais

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular.

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular. Olho humano O olho humano é um sistema óptico complexo, formado por vários meios transparentes além de um sistema fisiológico com inúmeros componentes. Olho humano Todo o conjunto que compõe a visão humana

Leia mais

Fisiologia Sentidos Especiais

Fisiologia Sentidos Especiais O Olho Fisiologia Sentidos Especiais Profa. Ana Maria Curado Lins, M.Sc Anatomia do Olho Esclerótica: membrana mais externa do olho, é branca, fibrosa e resistente; mantém a forma do globo ocular e protege-o;

Leia mais

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA INTRODUÇÃO À ACÚSTICA 1. Introdução As sociedades industriais com o seu desenvolvimento tecnológico têm contribuído para o aumento dos níveis de ruído, sendo um dos principais factores de risco para a

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Gestão da Memória Luis Lino Ferreira / Maria João Viamonte Fevereiro de 2006 Gestão da Memória Gestão de memória? Porquê? Atribuição de instruções e dados à memória Endereços lógicos e físicos Overlays

Leia mais

Capítulo II Imagem Digital

Capítulo II Imagem Digital Capítulo II Imagem Digital Proc. Sinal e Imagem Mestrado em Informática Médica Miguel Tavares Coimbra Resumo 1. Formação de uma imagem 2. Representação digital de uma imagem 3. Cor 4. Histogramas 5. Ruído

Leia mais

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Biologia FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA NERVOSO Tem por função receber, associar, armazenar ou emitir informações garantindo assim

Leia mais

Aprendizagem enquanto produto. refere-se àquilo que o sujeito aprendeu, aos conteúdos de aprendizagem, às aprendizagens realizadas.

Aprendizagem enquanto produto. refere-se àquilo que o sujeito aprendeu, aos conteúdos de aprendizagem, às aprendizagens realizadas. PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM Educação Social, 1º Ano, 1º Semestre ASPECTOS GERAIS TEORIA DE APRENDIZAGEM DE ROBERT GAGNÉ: 1.Informação verbal; 2.Competências intelectuais; 3.Estratégias

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

Comunicação da informação a curta distância. FQA Unidade 2 - FÍSICA

Comunicação da informação a curta distância. FQA Unidade 2 - FÍSICA Comunicação da informação a curta distância FQA Unidade 2 - FÍSICA Meios de comunicação É possível imaginar como seria o nosso mundo sem os meios de comunicação de que dispomos? Os * * * * Aparelhos de

Leia mais

Nascemos a ver ou aprendemos a ver?

Nascemos a ver ou aprendemos a ver? Nascemos a ver ou aprendemos a ver? A visão é uma função essencialmente aprendida pelos organismos superiores. Podemos dizer que o processo de visão compreende a sensação e a percepção. A sensação consiste

Leia mais

RECEPTORES SENSORIAIS

RECEPTORES SENSORIAIS RECEPTORES SENSORIAIS Elio Waichert Júnior Sistema Sensorial Um dos principais desafios do organismo é adaptar-se continuamente ao ambiente em que vive A organização de tais respostas exige um fluxo de

Leia mais

Saber dar e receber Feedback

Saber dar e receber Feedback Saber dar e receber Feedback Imagem de http://sestudo.blogspot.com/ Um presidente da Câmara de Nova Iorque, Ed Koch, passeava nas ruas da cidade e perguntava às pessoas o que achavam do seu desempenho

Leia mais

Espectro da Voz e Conversão A/D

Espectro da Voz e Conversão A/D INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES GUIA DO 1º TRABALHO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I Espectro da Voz e Conversão A/D Ano Lectivo de

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

Como sentimos o mundo?

Como sentimos o mundo? Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia Como sentimos o mundo? Introdução à Fisiologia Sensorial Qual mundo é o verdadeiro? - Cada um percebe uma obra musical de maneira diferente - Diferenças

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006 OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03

Leia mais

Interfaces Pessoa-Máquina (IPM)

Interfaces Pessoa-Máquina (IPM) Interfaces Pessoa-Máquina (IPM) III.3 Estilos de Interacção HCI, Cap. 3, Alan Dix 1 Melhor e Pior? 2 1 Resumo da Aula Anterior Praticamos Avaliação Heurística Consolidamos resultados Modelos para Avaliação

Leia mais

Psicologia Experimental Psicologia Cognitiva Aplicada. Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br

Psicologia Experimental Psicologia Cognitiva Aplicada. Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Interface Homem/Máquina Aula 5 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-00.184 Roteiro da Aula de Hoje

Leia mais

TE 1 - Fenómenos ondulatórios em tina de ondas

TE 1 - Fenómenos ondulatórios em tina de ondas Curso de Óptica Aplicada TE 1 Documento de preparação do Trabalho Experimental TE 1 Finalidade A finalidade deste documento é contribuir para que todos os alunos se preparem e se possam credenciar para

Leia mais

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem Como é que o PALAF se compara com outros programas? O PALAF foi traçado por duas psicólogas educacionais,

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº1 Cablagem estruturada 1 Introdução Vivemos em plena segunda revolução industrial.

Leia mais

Tolerância a Faltas. 8/28/2003 José Alves Marques. Sistema Computacional

Tolerância a Faltas. 8/28/2003 José Alves Marques. Sistema Computacional Tolerância a Faltas Sistema Computacional Sistema computacional: Formado por um conjunto de componentes internas Contém um estado interno Está sujeito a um conjunto de entradas, ou estímulos externos Tem

Leia mais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais Introdução ao Ruído Vibrações e Ruído (10375) 2014 Tópicos Som. Pressão Sonora e Potência Sonora. Níveis Sonoros. 2 1. Som O som pode ser definido como uma manifestação positiva resultante da variação

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

Documento de preparação do Trabalho Prático de Grupo

Documento de preparação do Trabalho Prático de Grupo Curso de Óptica Aplicada TE 4 O laser e fibras ópticas Documento de preparação do Trabalho Prático de Grupo TE4 O laser e fibras ópticas Finalidade A finalidade deste documento é contribuir para que todos

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira PROCESSAMENTO DE IMAGENS Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira PROCESSAMENTO DE IMAGENS Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira PROCESSAMENTO DE IMAGENS Engenharia de Computação INTRODUÇÃO Processamento Digital de Imagens refere-se ao processamento imagens por meio de um computador

Leia mais

1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a) Retina; b) Córnea; c) Íris; d) Pupila; e) Cristalino.

1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a) Retina; b) Córnea; c) Íris; d) Pupila; e) Cristalino. Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 2 Ano Disciplina: Biologia 1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Introdução O que é Pesquisa O que é Ciência Definições Ciência e Tecnologia Categorizações Ciência e eu QUAL O CURSO? Diante das várias possibilidades

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Thanks to Prof. Dr. Cláudio Rosito Jung

Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Thanks to Prof. Dr. Cláudio Rosito Jung Introdução ao Processamento de Imagens Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Thanks to Prof. Dr. Cláudio Rosito Jung Introdução Processamento de Imagens: processamento de sinais bidimensionais (ou n-dimensionais).

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

Automação Industrial Parte 5

Automação Industrial Parte 5 Automação Industrial Parte 5 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Sensores capacitivos -Sensores de proximidade capacitivos estão disponíveis em formas e tamanhos

Leia mais

ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2)

ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2) Disciplina: Biologia Série: 6ª série - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Órgãos dos sentidos (2) ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2) A Audição O ouvido é o órgão coletor dos estímulos externos,

Leia mais

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905)

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Textos / Seminário de Orientação - 12 de Março de 2005 - Fernando Janeiro Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Assume-se que o objecto de uma teoria semântica é constituído

Leia mais

Modelos Conceptuais I

Modelos Conceptuais I Modelos Conceptuais I Capítulo 5 Conceptual Models, J. Johnson and A. Henderson (artigo da revista Interactions, Jan. 2002) Interaction Design, Cap. 2 J. Preece Resumo da aula anterior As capacidades das

Leia mais

Aníbal J. S. Ferreira, Ph. D. Faculdade de Engenharia da Universidade of Porto / SEEGNAL Research, Lda.

Aníbal J. S. Ferreira, Ph. D. Faculdade de Engenharia da Universidade of Porto / SEEGNAL Research, Lda. A importância na terapia da fala, na colocação da voz e no ensino do canto, do feedback visual de parâmetros extraídos por computador e em tempo-real, da voz falada ou cantada Aníbal J. S. Ferreira, Ph.

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Terapia Fonoaudiológica com Ênfase na Estimulação do Processamento Auditivo Fonoaudióloga. Mestra. Adriana de Souza Batista Ouvir é... Habilidade que

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini Redes Neurais Profa. Flavia Cristina Bernardini Introdução Cérebro & Computador Modelos Cognitivos Diferentes Cérebro Computador Seqüência de Comandos Reconhecimento de Padrão Lento Rápido Rápido Lento

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Processamento de Imagem Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Visão Humana Sistema complexo Conceitos Básicos e Terminologia

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

Manual de funcionamento

Manual de funcionamento INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES Manual de funcionamento Setembro de 2012 Índice Índice Capítulo 1 - Medição

Leia mais

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Universidade Federal de Minas Gerais Pampulha Ciências da Computação Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Trabalho apresentado à disciplina Processamento Digital de Som e Vídeo Leonel Fonseca Ivo 2007041418

Leia mais

Pesquisa experimental

Pesquisa experimental 1 Aula 7 Interação Humano-Computador (com foco em métodos de pesquisa) Prof. Dr. Osvaldo Luiz de Oliveira 2 Pesquisa experimental Wilhelm Wundt (1832-1920), Pai da Psicologia Experimental. Leituras obrigatórias:

Leia mais

As nossas sensações. Quem comanda as nossas sensações?

As nossas sensações. Quem comanda as nossas sensações? As nossas sensações Quem comanda as nossas sensações? No córtex cerebral, para além da área motora, existem outras áreas, onde as impressões recebidas pelos receptores sensoriais existentes nos órgãos

Leia mais

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Luz e Cor Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces 1 Luz Cromática Em termos perceptivos avaliamos a luz cromática pelas seguintes quantidades: 1. Matiz (Hue): distingue entre as várias cores

Leia mais

SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA

SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA O QUE É A LUZ? Se alguém lançar uma pedra sobre um local que contenha água parada, como uma piscina, perceberá a formação de circunferências que sairão do

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.4. Áudio Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O som é um fenómeno físico causado pela vibração da matéria (p. ex. a pele de um tambor) A vibração provoca

Leia mais

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão)

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Um vídeo pode ser considerado como uma seqüência de imagens estáticas (quadros). Cada um desses quadros pode ser codificado usando as mesmas técnicas empregadas

Leia mais

Psicossociologia do Trabalho. I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear

Psicossociologia do Trabalho. I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear Psicossociologia do Trabalho COMUNICAÇÃO I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear Comunicação Funções Processo da comunicação. Emissor.

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

O que Vês na Imagem?

O que Vês na Imagem? O que Vês na Imagem? Fonte: Farol, versão portuguesa do COMPASS: www.humanaglobal.com Duração aproximada: 30 minutos a 1 hora Palavras-chave: direitos humanos, interpretação/visão individual dos direitos

Leia mais

Porquê Ensinar a Estudar e a Aprender?

Porquê Ensinar a Estudar e a Aprender? Porquê Ensinar a Estudar e a Aprender? Quando nos envolvemos na realização de diferentes tarefas, é importante avaliar os procedimentos e os meios de aprendizagem que adoptamos s face a essas tarefas:

Leia mais

Distinções entre Memória de Curto Prazo e Memória de Longo Prazo

Distinções entre Memória de Curto Prazo e Memória de Longo Prazo Distinções entre Memória de Curto Prazo e Memória de Longo Prazo Renata Queiroz Dividino RA993183, Ariadne Faigle RA001380 1. Introdução A memória humana é capaz de realizar uma rica variedade de operações.

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central.

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central. Lentes Esféricas Uma lente é um meio transparente que tem duas faces curvas ou uma face curva e outra plana. Na figura temos os tipos usuais de lentes,sendo as faces curvas esféricas. Lentes de bordas

Leia mais

Correlação e Regressão Linear

Correlação e Regressão Linear Correlação e Regressão Linear A medida de correlação é o tipo de medida que se usa quando se quer saber se duas variáveis possuem algum tipo de relação, de maneira que quando uma varia a outra varia também.

Leia mais

código 171608 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Direção Regional de Educação de Lisboa

código 171608 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Direção Regional de Educação de Lisboa código 7608 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Direção Regional de Educação de Lisboa Ciclo: º Ano: 8º Disciplina: Físico-Química Conteúdos. Reações Químicas..Tipos de reações Investigando algumas

Leia mais

A MODELAÇÃO DE LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS

A MODELAÇÃO DE LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS A MODELAÇÃO DE LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS O ESPÍRITO HUMANO PROCURA LEIS E TEORIAS CIENTÍFICAS AO MENOS POR DOIS MOTIVOS Porque lhe dão um certo tipo de compreensão do real Porque lhe oferecem esquemas

Leia mais

O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial.

O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial. O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial. Ligue o controlador Power Saver na primeira tomada mais próxima

Leia mais

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO ANTÓNIO GUERRA DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO DA FPV CONHEÇA A SUA EQUIPA E A COMPETIÇÃO ONDE PARTICIPA Primeiro que tudo têm de conhecer a sua equipa,

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Deficiência Visual Professor: Pai Chi Nan 1 Anatomia do olho 2 1 Anatomia do olho Córnea Proteção Focalização 3 Íris e pupila Anatomia do olho Controle da quantidade

Leia mais

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso Funções: Coordena o funcionamento dos outros sistemas. Controla os movimentos (voluntários e involuntários). É responsável pela recepção de estímulos externos e pela resposta

Leia mais

Gestão de Configurações II

Gestão de Configurações II Gestão de Configurações II Bibliografia Livro: Software Configuration Management Patterns: Effective Teamwork, Practical Integration Gestão de Projecto 14 Padrões de Gestão Os padrões de gestão de configurações

Leia mais

Gravação de redes holográficas de difracção

Gravação de redes holográficas de difracção Gravação de redes holográficas de difracção Introdução teórica Princípio da holografia A holografia consiste na utilização do fenómeno interferência como mecanismo para codificar e guardar informação.

Leia mais

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é:

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é: Argumentos Dedutivos e Indutivos Paulo Andrade Ruas Introdução Em geral, quando se quer explicar que géneros de argumentos existem, começa-se por distinguir os argumentos dedutivos dos não dedutivos. A

Leia mais

Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença de Huntington? Porquê a creatina?

Será que doses elevadas de creatina atrasam o início clínico da doença de Huntington? Porquê a creatina? Notícias científicas sobre a Doença de Huntington. Em linguagem simples. Escrito por cientistas. Para toda a comunidade Huntington. Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença

Leia mais

Seminário de Introdução a pesquisa

Seminário de Introdução a pesquisa Seminário de Introdução a pesquisa Discussão o Óleo de Lorenzo Avanço da ciência e o método científico Apenas os cientistas podem fazer ciência? No filme vemos os pais de Lorenzo buscando a cura da doença

Leia mais

1 Como seu Cérebro Funciona?

1 Como seu Cérebro Funciona? 1 Como seu Cérebro Funciona? UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) O cérebro humano é capaz de processar as informações recebidas pelos cinco sentidos, analisá-las com base em uma vida inteira de experiências,

Leia mais